Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas"

Transcrição

1 Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas O Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas tem caráter multidisciplinar, integrando em suas disciplinas diversos campos do conhecimento, especialmente os das áreas de administração pública, economia, ciência política, sociologia e direito. A temática das políticas públicas é, por natureza, transversal e multifacetada, e por isso o Programa propõe o estudo das políticas públicas a partir da articulação de conhecimentos dessas áreas de forma interdisciplinar. O Programa pretende contribuir para a produção de conhecimento e para a formação de quadros profissionais de alta qualificação. O Programa tem caráter Acadêmico e não Profissional e, portanto, tem preferência por estudantes que se dediquem integralmente aos estudos e que tenham a perspectiva de produzir conhecimento e análises para além da atuação no dia-a-dia da gestão. Os egressos terão condições de atuar no setor público e em instituições acadêmicas, e também no setor público não estatal e em empresas privadas. Eles poderão atuar como pesquisadores e em atividades correlatas à produção de conhecimento em organizações públicas e privadas (nacionais e internacionais) e como docentes em instituições públicas e privadas. Este último campo de atuação é particularmente importante em função da recente criação de novos cursos de graduação e pós-graduação no Campo de Públicas no Brasil. Desse modo, o Programa contribui para a formação de quadros de alto nível para a burocracia pública em todas as esferas de poder, mas principalmente para a produção de conhecimento e de novas perspectivas de análise e compreensão da ação do Estado e da interface entre sociedade, organizações e Estado. O Programa está assim organizado: o o Área de Concentração: Análise de Políticas Públicas Linhas de Pesquisa: Sociedade, Instituições e Políticas Públicas Estado, Administração Pública e Gestão Social A seguir apresentamos cada linha, seus respectivos projetos de pesquisa, e os docentes participantes de cada projeto. Página 1 de 5

2 A Linha Sociedade, Instituições e Políticas Públicas concentra estudos sobre a produção de políticas públicas e o desenvolvimento de teorias explicativas, bem como análise de casos empíricos teoricamente orientados, em perspectiva comparada ou não, sobre o desenvolvimento das políticas públicas. O foco é a interação, mediada por instituições, de atores públicos e sociais ao longo das diversas etapas desse processo de formulação e implementação das políticas. A partir dos problemas levantados pelas teorias e identificados pelos estudos empíricos, os trabalhos dessa linha podem apresentar propostas para o aprimoramento da gestão pública e da interação dos atores públicos e privados, como, por exemplo, o aperfeiçoamento de mecanismos de controle interno e externo; o avanço de experiências de democracia participativa e deliberativa; o aproveitamento de tecnologia de informação, entre outros. Nesta linha de pesquisa estão ativos dois projetos: Projeto de pesquisa Transparência governamental, acesso à informação e monitoramento das políticas públicas Pesquisadoras: Cecília Olivieri, Ana Carla Bliacheriene Descrição: Sendo um dos pressupostos da democracia o governo em público e para o público, este projeto tem o objetivo de analisar as recentes ações do governo federal brasileiro na promoção da transparência governamental, do acesso à informação e das formas de monitoramento e fiscalização dos gastos públicos. O projeto tem como objeto: a política governamental de acesso à informação e de transparência, as atividades de controle realizadas pelas instituições de controle externo, interno e judiciais. A compreensão dos impactos das atividades de controle e fiscalização sobre a administração pública e sobre o orçamento é importante para ampliarmos a compreensão sobre aspectos fundamentais da implementação das políticas públicas e analisarmos o grau de efetividade da transparência e da responsabilização dos gestores públicos. Página 2 de 5

3 Projeto de pesquisa Análise de políticas sociais em contexto federativo Pesquisadoras: Cristiane Kerches da Silva Leite, Ursula Dias Peres, Renata Mirandola Bichir Descrição: O objetivo deste projeto é analisar a formulação e a implementação de políticas sociais no contexto político brasileiro, considerando a dimensão federativa em dois planos de análise: o das relações verticais entre os entes federados e o das relações horizontais (incluindo refletir sobre os diferentes graus de autonomia decisória para municípios nas várias áreas de política e os processos de governança que aí se estabelecem). Desta forma, este projeto busca avançar tanto a partir da recente literatura sobre sistemas nacionais de políticas, os constrangimentos colocados pelos normativos federais, e seus mecanismos de indução, quanto analisar as dinâmicas locais de implementação dessas políticas, tendo em vista que essa é uma fase repleta de decisões e transformações. Neste processo importa entender as dinâmicas de produção de políticas públicas nos distintos setores governamentais, os atores estatais e não estatais responsáveis por esses processos, os diferentes contextos, modelos de financiamentos e institucionalidades, subsistemas e comunidades de políticas, o que implica analisar a construção de padrões variados de governança local, inclusive considerando a gestão participativa e a coprodução em políticas públicas, nas últimas décadas no país. Além do neoinstitucionalismo histórico, o olhar teórico da sociologia política e da análise cognitiva de políticas públicas são privilegiados, na medida em que se considera a política pública como um fenômeno eivado de dimensões interpretativas e subjetivas, cujo contexto social e a dimensão das ideias e dos interesses explicam, em grande medida, as políticas públicas e os processos de tomada de decisão. Página 3 de 5

4 A Linha Estado, Administração Pública e Gestão Social concentra os estudos sobre análises dos aspectos normativos, organizacionais e institucionais nas relações entre Estado, administração pública e gestão social. Inclui estudos sobre as relações Estado e sociedade, com atenção aos modelos inter setoriais e interorganizacionais implicados nas políticas públicas. Enfatizamos a análise da experiência brasileira isoladamente ou em uma perspectiva comparada a países cujas experiências sejam igualmente relevantes para aprendizado e produção de conhecimento. Interessa-nos questões fundamentais do planejamento, gestão, controle (accountability) e financiamento do Estado e das organizações da sociedade civil, inclusive o estudo do orçamento público nas três esferas da federação. Adicionalmente, são bem vindos estudos sobre a vida social organizada, em temas relativos a gestão de pessoas, comportamento organizacional e relações de trabalho no setor público, nas organizações sem fins lucrativos e paraestatais. Nesta linha de pesquisa estão ativos quatro projetos: Projeto de pesquisa Gestão Pública no Brasil Contemporâneo Pesquisadores: Fernando de Souza Coelho, Martin Jayo, José Carlos Vaz Descrição: O projeto tem como objetivo analisar o desenvolvimento de experiências de gestão pública, nos seus modelos, processos, tecnologia, logística, liderança, gestão de pessoas, controle e transparência, entre outros elementos, nos governos brasileiros, em diferentes níveis, nacionais e subnacionais. São destacadas as dimensões intraorganizacionais e o estudo sobre processo administrativo, áreas funcionais, funções gerenciais nas organizações públicas. Apesar de poucos estudos sobre esses temas em todos os níveis governamentais, a literatura é ainda mais escassa no estudo da gestão no nível local, tendo este projeto particular interesse por esse âmbito governamental. Projeto de pesquisa Planejamento e Orçamento Pesquisadores: Úrsula Dias Peres, Jaime Crozatti Descrição: Pesquisa sobre o planejamento estratégico de entes subnacionais, envolvendo a análise de planos (PPAs, Programa de Metas, Planos Setoriais e outros) e Página 4 de 5

5 Orçamentos Públicos no período recente e questões relacionadas à qualidade do gasto e gestão de custos e resultados. A metodologia de pesquisa leva em consideração como variáveis i) o grau de compliance dos Planos Plurianuais na estruturação dos orçamentos e execução orçamentárias; e ii) a qualidade dos elementos estratégicos no que se referem a objetivos, justificativas, metas físicas e financeiras, e indicadores de políticas públicas e de gestão; iii) grau de transparência e possibilidade de controle social dos planos. Projeto de pesquisa Governança e Gestão Social Pesquisadora: Patricia Mendonça Descrição: Este projeto enfoca no estudo das relações entre Estado/Sociedade e modelos de governança a partir da análise de relações inter -setoriais e inter -organizacionais implicadas nas políticas públicas. Na formulação, se concentra na análise de espaços de participação institucionalizados- conselhos, conferências, comissões, orçamento participativo, entre outros- e não institucionalizados- movimentos sociais e outras formas de pressão e advocacy. Na implementação, enfoca modelos e arranjos institucionais e organizacionais presentes nas parcerias, alianças ou outras formas de colaboração (como por exemplo OS, OSCIPS, CEBAS e ouras modalidades de apoio direto ou indireto) para execução de políticas sociais e a produção de bens e serviços públicos. Projeto de pesquisa Pessoas, Organizações e Sociedade Pesquisadora: Andrea Leite Rodrigues Descrição: Este projeto tem por objetivo gerar conhecimento sobre a vida humana nas organizações do Estado e da sociedade civil. Envolve temas do comportamento organizacional liderança, motivação, cultura organizacional, comprometimento, sentidos do trabalho e da gestão de pessoas práticas de seleção, desenvolvimento, treinamento, remuneração e avaliação de recursos humanos nas organizações públicas, paraestatais e sem fins lucrativos. Envolve metodologia quantitativa e qualitativa, uma vez que pretende uma abordagem multiparadigmática, que considere as pessoas para além das questões normativas legais que regem a gestão nas organizações. Página 5 de 5

Concurso - EPPGG Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 00

Concurso - EPPGG Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 00 Concurso - EPPGG 2013 Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 00 As regras do jogo...(p1) 2 As regras do jogo...(p2) 3 As regras do jogo...(p3) 4 As regras do jogo...(p4) 5 As regras do jogo...(p5)

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1

Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1 Sumário Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1 1. O Conceito de Organização...1 2. O Conceito de Processo...2 3. O Conceito de Administração...3 4. O Processo Organizacional...3 4.1. Conceito

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

Federação desigual. Assimetrias regionais. Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20%

Federação desigual. Assimetrias regionais. Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20% Federação desigual Assimetrias regionais Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20% Região Centro-oeste 9,57% 7% 18,90% Região Nordeste 13,40% 28% 18,20%

Leia mais

Autores: Angelo José Rodrigues Lima Salvador 06 de julho de 2016

Autores: Angelo José Rodrigues Lima Salvador 06 de julho de 2016 A situação dos Comitês de Bacias e a necessidade de monitorar o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos a construção do Observatório da Governança das Águas Autores: Angelo José Rodrigues

Leia mais

Orçamento e financiamento da política integrada para infância e adolescência

Orçamento e financiamento da política integrada para infância e adolescência Orçamento e financiamento da política integrada para infância e adolescência Brasília, agosto de 2010. INESC Trajetória Fundado em 1979 a história do INESC se confunde com a história da democratização

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas. Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó

Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas. Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó Plano de Aula 1. Plano de aulas 2. Sobre o curso 3. Estudo de teorias e modelos: definições e problemas

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

P r ó - r e i t o r i a d e P l a n e j a m e n t o e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l

P r ó - r e i t o r i a d e P l a n e j a m e n t o e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l Planejamento Estratégico 2014-2015 Fundamentos no Orçamento Par ticipativo ORÇAMENTO PARTICIPATIVO Processo orçamentário que contempla a comunidade do IFRN no processo decisório, por meio de lideranças

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano

I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano Introdução I. Indicadores socioeconômicos do Brasil metropolitano II. III. A pesquisa Governança Metropolitana no Brasil a. Arranjos institucionais (volume I) b. Análise das FPICs selecionadas (volume

Leia mais

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº. 1.282/2013 Ementa: Institui o Plano Plurianual do Município de Ouricuri para o período de 2014 a 2017. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OURICURI/PE, no uso de suas atribuições legais, faz saber que A

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS-UNITINS PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL. Matriz Curricular

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS-UNITINS PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL. Matriz Curricular O Curso de Bacharelado em Administração Pública terá a seguinte distribuição curricular: As disciplinas que integram a matriz curricular estão distribuídas em oito Módulos e são de natureza: I. que garantem

Leia mais

REQUERIMENTO Nº, DE 2016

REQUERIMENTO Nº, DE 2016 RTG 00009/2016 REQUERIMENTO Nº, DE 2016 Requeiro, nos termos regimentais, em face do Requerimento da Comissão de Transparência e Governança Pública nº 04, de 2016, seja aprovado o presente Plano de Trabalho

Leia mais

Oficina IV - Experiências de implantação e utilização de informações de custos nos entes sub-nacionais

Oficina IV - Experiências de implantação e utilização de informações de custos nos entes sub-nacionais I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina IV - Experiências de implantação e utilização de informações de custos nos entes sub-nacionais Selene Peres Peres Nunes Brasília,

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação do idoso, os dados

Leia mais

Orçamento participativo: engajamento da força de trabalho e resultados organizacionais. Os caminhos...

Orçamento participativo: engajamento da força de trabalho e resultados organizacionais. Os caminhos... Orçamento participativo: engajamento da força de trabalho e resultados organizacionais Os caminhos... O que é um orçamento? Orçamento é um plano que detalha as receitas e despesas de uma administração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE GEAM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE GEAM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIENCIAS DA EDUCAÇÃO GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, CULTURA E MEIO AMBIENTE- GEAM PROJETO I ENCONTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA UFPA: OS DEZ ANOS DO GRUPO DE ESTUDOS

Leia mais

2.2 ATIVIDADES Atividade Formulação e validação dos processos e instrumentos de avaliação de políticas públicas no MEC.

2.2 ATIVIDADES Atividade Formulação e validação dos processos e instrumentos de avaliação de políticas públicas no MEC. Impresso por: Consulta Seleção de Consultores - oei.org.br Data da impressão: 11/07/2016-15:22:50 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2904 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA

Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA 5 Eixo II MECANISMOS DE CONTROLE SOCIAL, ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA 1 CONTROLE SOCIAL: O controle social é entendido como a participação do cidadão na gestão

Leia mais

Administração Geral e Pública

Administração Geral e Pública Administração Geral e Pública (Bônus) Conceitos básicos de Administração 42min 52s (Bônus) Fundamentos das organizações 36min 3s A economia digital Cícero Marques 36min 31s A gestão das mudanças nas organizações

Leia mais

Idéias sobre o dimensionamento de pessoal

Idéias sobre o dimensionamento de pessoal Idéias sobre o dimensionamento de pessoal Tônia Duarte da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul O processo de dimensionamento é um instrumento de gestão que se caracteriza como processo diagnóstico

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL TERMO DE ADESÃO AO COMPROMISSO NACIONAL PELA PARTICIPAÇÃO SOCIAL O Município (NOME), representado

Leia mais

Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais

Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais Coordenação: STN - Arthur Pinto e Welinton Vitor Relatoria: SPI - Andréia Rodrigues Objetivo da Oficina Apresentar experiências

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

Inovação substantiva na Administração Pública

Inovação substantiva na Administração Pública Inovação substantiva na Administração Pública XI Encontro Nacional de Escolas de Governo 10 e 11 de dezembro de 2015 Rosana Aparecida Martinez Kanufre Superintendência Instituto Municipal de Administração

Leia mais

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público I SEMINÁRIO POTIGUAR SOBRE CONTABILIDADE, CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público Nelson Machado e Victor Holanda MAIO 2011, NATAL RN Ambiente e Desafios

Leia mais

Lei n o de 28/12/1990

Lei n o de 28/12/1990 Lei n o 8.142 de 28/12/1990 Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO. Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016

A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO. Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016 A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016 Fundado em 27 de novembro de 1995, o IBGC associação de âmbito nacional, sem fins lucrativos é uma organização exclusivamente

Leia mais

Avaliação do repasse anual fundo a fundo para a estruturação e implementação das ações de Alimentação e Nutrição no SUS

Avaliação do repasse anual fundo a fundo para a estruturação e implementação das ações de Alimentação e Nutrição no SUS Avaliação do repasse anual fundo a fundo para a estruturação e implementação das ações de Alimentação e Nutrição no SUS BRASÍLIA DF 2015 Equipe Coordenação Maria Fabiana Damásio Passos, FIOCRUZ Leonor

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DA DA SOCIEDADE A PARTICIPAÇÃO SOCIEDADECIVIL CIVIL EM ARRANJOS INTERINSTITUCIONAIS EM ARRANJOS INTERINSTITUCIONAIS 3 Orlando Santos Junior Descrição: O quadro institucional federativo brasileiro

Leia mais

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA Gisele Cristina Tertuliano RESUMO Este artigo é um relato de experiência sobre o processo de aprendizagem de aprendizagem para

Leia mais

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO "Que tristes os caminhos se não fora a presença distante das estrelas"? (Mario Quintana)

Leia mais

PROJETOS COM OBJETIVOS QUE INTEGRAM ENSINO. Claudianny Amorim Noronha

PROJETOS COM OBJETIVOS QUE INTEGRAM ENSINO. Claudianny Amorim Noronha PROJETOS COM OBJETIVOS QUE INTEGRAM ENSINO Claudianny Amorim Noronha A PERSPECTIVA DE ENSINO NO EDITAL DE AÇÕES INTEGRADAS Melhoria do processo de ensino e aprendizagem dos cursos de graduação e pós-graduação,

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do OBJETIVO Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC DOCUMENTOS DE

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P : O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005 CUSTOS NO SETOR PÚBLICO: P Diversidade de visões. Objetivos - custo para otimização de resultados, para melhoria de

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

MBA em Gestão Empreendedora Curso de Especialização Lato Sensu

MBA em Gestão Empreendedora Curso de Especialização Lato Sensu MBA em Gestão Empreendedora Curso de Especialização Lato Sensu Introdução à Educação a Distância (EAD); Inovação e Empreendedorismo; Políticas Públicas em Educação; Gestão de Processos; Gestão Estratégica;

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Desenvolvimento de Negócios Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Gestão Estratégica Para quê? Por Quê? Para fazer acontecer e trazer

Leia mais

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação A prática de remuneração variável e gestão por competências no setor público brasileiro Agenda

Leia mais

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios COMUNICADO O SEBRAE NACIONAL Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, por meio da Universidade Corporativa SEBRAE, comunica que, na prova, serão avaliados conhecimentos conforme as áreas descritas

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO 1 Nome do Projeto 2 Código Projeto Fiscalização do Exercício e Atividade Profissional 3 Coordenador(a) 4 Tipo de Projeto João Augusto de Lima Estratégico 5 Gestor(a) 6 Programa Igor de Mendonça Fernandes

Leia mais

Relações Governamentais no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Relações Governamentais no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

CURRÍCULO ESCOLAR VMSIMULADOS

CURRÍCULO ESCOLAR VMSIMULADOS CURRÍCULO ESCOLAR 01. Segundo a LDB (Lei no 9394/96), os currículos do ensino fundamental e médio devem ter uma base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar,

Leia mais

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS 2011 2014 Ministério da Saúde Secretaria Executiva O Coletivo MS é um grupo de trabalhadores do Ministério da Saúde, coordenado pela Secretaria Executiva,

Leia mais

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF OBJETIVO Apresentar os conceitos, os princípios, a estrutura e o processo para gerenciamento de riscos em organiza

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE AS MODALIDADES DE GESTÃO NO SUS GESTÃO E LEGISLAÇÃO II ENANESP 07/06/16. Carlos Neder

SEMINÁRIO SOBRE AS MODALIDADES DE GESTÃO NO SUS GESTÃO E LEGISLAÇÃO II ENANESP 07/06/16. Carlos Neder SEMINÁRIO SOBRE AS MODALIDADES DE GESTÃO NO SUS II ENANESP GESTÃO E LEGISLAÇÃO 07/06/16 Carlos Neder I SUS enquanto política de Estado - Reforma do Estado e relação público privado - Estudos do Ministério

Leia mais

ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA SENASP (1/5) (Decreto nº de 12 de fevereiro de 2016)

ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA SENASP (1/5) (Decreto nº de 12 de fevereiro de 2016) ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SENASP (1/5) SECRETARIA NACIONAL DE ASSESSOR DAS 102.4 DAS 101.6 Conselho Nacional de Segurança Pública CHEFE DE GABINETE DE INTELIGÊNCIA ENFRENTAMENTO ÀS AÇÕES CRIMINOSAS

Leia mais

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9 Sumário Apresentação, xiii Estrutura do livro, xv Introdução, 1 Debate sobre Governo e Administração Pública, 1 Gestão Pública no Brasil, 3 Reforma e Modernização do Estado, 4 Papel do Estado no Mundo

Leia mais

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 188 PDI 2015-2019 11.1 Planejamento orçamentário e financeiro O Orçamento Público, em sentido amplo, é um documento legal (aprovado por lei)

Leia mais

As disciplinas que integram a matriz curricular são de natureza: pelo aluno, observados os pré-requisitos e co-requisitos;

As disciplinas que integram a matriz curricular são de natureza: pelo aluno, observados os pré-requisitos e co-requisitos; Matriz Curricular A matriz curricular do Curso de contempla disciplinas do Núcleo Comum, Núcleo specífico e Núcleo Livre, além de diversas disciplinas optativas voltadas a ações sociais e responsabilidade

Leia mais

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ ENADE 2011 Relatório da IES G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ O V E R N O F E D E R A L PAÍS RICO

Leia mais

Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação

Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação Dr. Luiz F. Dourado -UFG Brasília, 16.04.08 Democratização gestão e qualidade social da educação = Coneb

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO -

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - 1. Número e Título do Projeto: BRA 09/004 - Aprimoramento

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

A Política de Assistência Social Um novo desenho.

A Política de Assistência Social Um novo desenho. A Política de Assistência Social Um novo desenho. Profª. Eline Alcoforado Maranhão Sá Profª. Maria Aparecida Guimarães Skorupski Profª Regina Coeli Climaco Matos A Assistência Social como política de proteção

Leia mais

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior Cristiane Bertolino Problema de pesquisa A partir da década de 1990 Visão renovada da empreendedorismo Promover o desenvolvimento

Leia mais

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação Curso de Formação Inicial para a Carreira de EPPGG 2011 EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA Disciplina: D 1.2 Democracia e Cidadania no Brasil. Professor titular: Roberto Rocha Coelho Pires Período:

Leia mais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais AVANÇOS DO CAMPO MUSEAL BRASILEIRO Formação Profissional Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico Organização e Participação dos Profissionais Revisão

Leia mais

EDITAL N.º 16/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica

EDITAL N.º 16/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010 Regionalização e Segmentação do Turismo Natal, 23 de março de 2010 Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho

Leia mais

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. CAMPUS CERES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PROJETO DO

Leia mais

EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA. Disciplina: D 1.1 O Estado Contemporâneo e suas Transformações (16h) Professor: Wagner Pralon Mancuso

EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA. Disciplina: D 1.1 O Estado Contemporâneo e suas Transformações (16h) Professor: Wagner Pralon Mancuso EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA Disciplina: D 1.1 O Estado Contemporâneo e suas Transformações (16h) Professor: Wagner Pralon Mancuso Aulas 3 e 4 07 a 10 de setembro de 2011 Com base nos textos de

Leia mais

Business Partner em RH: Papel, Posicionamento e Postura Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Business Partner em RH: Papel, Posicionamento e Postura Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Atividades Introdutórias. Coordenação, articulação e monitoramento de políticas públicas. Beto Ferreira Martins Vasconcelos

Atividades Introdutórias. Coordenação, articulação e monitoramento de políticas públicas. Beto Ferreira Martins Vasconcelos Atividades Introdutórias Coordenação, articulação e monitoramento de políticas públicas Beto Ferreira Martins Vasconcelos Casa Civil da Presidência da República: coordenação, articulação e monitoramento

Leia mais

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE 2009 PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE GESTORES AMBIENTAIS PNC/PR Elias Araujo Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos CONSTRUINDO O PLANO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Texto de apoio

Leia mais

Desenvolvimento do trabalho

Desenvolvimento do trabalho Desenvolvimento do trabalho Manhã do dia 28.03 Conceitos e características da avaliação em larga escala. Principais aspectos do delineamento de uma proposta de avaliação. Desenvolvimento do trabalho Tarde

Leia mais

Patricia de Campos Couto MS/SCTIE/DECIT/CGPC

Patricia de Campos Couto MS/SCTIE/DECIT/CGPC Patricia de Campos Couto MS/SCTIE/DECIT/CGPC AVALIAÇÃO DOS PROJETOS Diligências/informações INSTITUIÇÕES Projeto SE Credenciamento Distribuição SECRETARIAS Análise Parecer conclusivo SECRETARIAS Acompanhamento

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

A Interação entre a Educação Básica e a

A Interação entre a Educação Básica e a A Interação entre a Educação Básica e a Educação Superior: a visão do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação das Universidades Brasileiras) Jorge Audy Presidente FOPROP Nacional audy@pucrs.br

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ

MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XVIII PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE PNQ Nesse módulo iremos estudar o Modelo de Excelência Brasileiro, seus fundamentos, características e especificidades, abordando os critérios

Leia mais

Gestão de Pessoas e Ética Profissional. Kátia Lima

Gestão de Pessoas e Ética Profissional. Kátia Lima Gestão de Pessoas e Ética Profissional Kátia Lima Gestão de Pessoas e Ética Profissional Kátia Lima Gestão de Pessoas 1.1 Equilíbrio organizacional. 1.2 Objetivos, desafios e características da gestão

Leia mais

Modelo Geral do SIG 18/11/2014. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG

Modelo Geral do SIG 18/11/2014. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014. Todos direitos reservados. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG Modelo Geral do SIG Planejamentos Fator Humano SIG Estrutura

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

Governança de TI na APF, quo vadis? Souza Neto

Governança de TI na APF, quo vadis? Souza Neto Governança de TI na APF, quo vadis? Souza Neto Agenda Projeto de Pesquisa IPEA/UCB Modelo COBIT 5 para a APF Teoria Institucional Programa de Integridade da CGU Pesquisas Recentes do MGCTI/UCB 2 Projeto

Leia mais

A diversidade arquivística brasileira

A diversidade arquivística brasileira A diversidade arquivística brasileira Literatura arquivística Fonte: Costa, Alexandre de Souza. A bibliografia arquivística no Brasil Análise quantitativa e qualitativa. www.arquivistica.net, Rio de janeiro,

Leia mais

Mapeamento de competências profissionais e percepção do sistema de desenvolvimento de competências no Tribunal de Contas da União

Mapeamento de competências profissionais e percepção do sistema de desenvolvimento de competências no Tribunal de Contas da União Mapeamento de competências profissionais e percepção do sistema de desenvolvimento de competências no Tribunal de Contas da União PAINEL 16 EXPERIÊNCIAS DE INOVAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ESTRUTURA

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO AGE Em, 06 de agosto de 2015. ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. - INFORMAÇÕES

Leia mais

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

11. Ciclo de Gestão do Governo Federal

11. Ciclo de Gestão do Governo Federal Marco Legal: Constituição de 1988 11. Ciclo de Gestão do Governo Federal Instrumentos: Planejamento Orçamento Finanças Controle LDO PPA LOA Elementos Normativos: Plano Plurianual - PPA, Lei de Diretrizes

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DINÂMICA DAS CATARATAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO DINÂMICA DAS CATARATAS EDITAL Nº 65/2014 A e a do Centro Universitário Dinâmica das Cataratas, no uso de suas atribuições, tornam público aos acadêmicos do curso de CIÊNCIAS CONTÁBEIS, o calendário de Avaliações referentes ao

Leia mais

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Programa 1448 Qualidade na Escola Ações Orçamentárias Número de Ações 16 0E530000 Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola Veículo adquirido Unidade de Medida: unidade UO:

Leia mais

PLANO PLURIANUAL

PLANO PLURIANUAL Maio de 2011 É POR AQUI O Maranhão avança com o processo democrático. Esta oportunidade de mobilização é muito valiosa para o exercício da cidadania, afinal nem sempre conseguimos reunir tantas pessoas

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social - PNAS e a concepção do Sistema Único de Assistência Social - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social - PNAS e a concepção do Sistema Único de Assistência Social - SUAS 1 A Política Nacional de Assistência Social - PNAS e a concepção do Sistema Único de Assistência Social - SUAS Profa. Conferencista: Márcia Terezinha de Oliveira Profa. Web: Larissa Marsolik Tissot 2 Programa

Leia mais

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 ETAPAS DO EXAME 19/09 - Divulgação eletrônica da lista de estudantes inscritos e convocados ao Enade 2014 21/10 a 23/11 Período para resposta eletrônica ao Questionário do Estudante

Leia mais

e educação de jovens e adultos

e educação de jovens e adultos Formação de neoleitores e educação de jovens e adultos Tancredo Maia Filho III Fórum do Plano Nacional do Livro e Leitura III Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias 20 de agosto

Leia mais

Universidade Salvador - UNIFACS. Economia

Universidade Salvador - UNIFACS. Economia Universidade Salvador - UNIFACS Economia Economia move o mundo As questões econômicas fazem parte do dia a dia das pessoas e a influência dos princípios da Economia está presente em situações que vão desde

Leia mais