CULTURA DO FEIJOEIRO IMPORTÂNCIA ECONÔMICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CULTURA DO FEIJOEIRO IMPORTÂNCIA ECONÔMICA"

Transcrição

1 Importância econômica CULTURA DO FEIJOEIRO IMPORTÂNCIA ECONÔMICA Importância econômica Importância econômica 1

2 Importância econômica CULTURA DO FEIJOEIRO BOTÂNICA 2

3 BOTÂNICA O feijão comum classifica-se da seguinte maneira: Reino Vegetal Classe Dicotiledônea Ordem Rosales Família Fabaceae Subfamília Papilionoideae (presença de estípula) Gênero Phaseolus L. Espécie Phaseolus vulgaris L. Gênero: Phaseolus; ORIGEM Nas Américas com 55 espécies; P. vulgaris P. lunatus P. coccineus P. palyanthus P. acutifolius Phaseolus vulgaris Vigna unguiculata CENTRO DE DOMESTICAÇÃO GLUPOS GÊNICOS 1. Região central das Américas (México); 2. Sul dos Andes, norte da Argentina e sul do Perú; 3. Colômbia (Zona intermediária). 3

4 08/04/2013 GLUPOS GÊNICOS O feijão é comercializado em três safras 1ª safra colheita de novembro a abril, regiões Sul, SE, GO e BA (SAFRA DAS ÁGUAS) 2ª safra colheita de abril a julho, regiões NE, Sul, SE e GO (SAFRA DAS SECAS) 3ª safra colheita de agosto a outubro, regiões de MG, GO, SP e BA (não supera 15%) (SAFRA DE INVERNO) Colheita no inverno- primavera, sob irrigação e de clima ameno, despertou interesse de algumas microrregiões do estado de MG. MORGOLOGIA DA FEIJOEIRO Raízes Raízes 90% das raízes fica na profundidade de 20 cm ou menos sendo de 70 a 87% nos primeiros 10 cm, conseqüências: -Sensível ao déficit hídrico -Menor volume de solo explorado -Acamamento das plantas -Pé de grade Possuem nódulos com bactérias, Rhizobium spp. 4

5 Raízes Tabela 2. Efeito da fumigação ou não de solos nas características relacionadas a fotossínteses em plantas de feijão. UFV, Micorriza é uma associação simbiótica entre certos fungos e raízes de algumas plantas. Variáveis Phaseolus vulgaris Não Fumigado Fumigado Ci (µmol mol -1 ) 204,00 a 222,50 a A (µmol m -2 s 1 ) 18,58 a 12,63 b ΔC (µmol mol -1 ) 120,50 a 85,25 a DT ( 0 C) 1,30 a 1,27 a Gs (mol m -1 s -1 ) 1,88 a 0,98 b E (mol H 2 O m 2 s -1 ) 3,38 a 3,74 a EUA (mol CO 2 mol H 2 O -1 ) 6,01 a 4,07 b Raízes CAULE Porque no feijão a fixação de N2 é baixa? -Especificidade -Baixa competitividade do rizóbio inoculado -Baixa tolerância do rizóbio inoculado a variações de temperatura -Queda da capacidade de fixação das novas cultivares produzidas pelo melhoramento genético É herbáceo, classificado como haste. Pode ser desprovido de pigmentação ou esverdeado. A haste principal é dividida entre nó e internódios. As folhas são alternas com ângulo de divergência de 180º As gemas podem ser: vegetativas ramos florais inflorescências mistas inflorescências e ramos O caule tem pilosidade, são subglabros a pubescente. 5

6 CAULE FOLHAS E RAMOS Heterofilia, são 2 tipos de folhas: -Simples ou Primárias -Compostas ou Trifoliadas O formato varia de lanceolada ou coniforme Trifólios Folhas simples Cotilédones ANATOMIA DAS FOLHAS INFLORESCÊNCIA Uma flor completa é constituída de: Bractéolas Cálice Estandarte Quilha Androceu Gineceu 6

7 08/04/2013 INFLORESCÊNCIA INFLORESCÊNCIA Quais os detalhes morfológicos da flor que define a baixa taxa de fecundação cruzada? 1 Flores hermafroditas 2 Contato intimo dos 2 sexos (gineceu e androceu) 3 Maturação simultânea dos 2 sexos FRUTO SEMENTES É uma vagem totalmente verde. -Seco (grãos) -Coriáceos (vagem) -Carnoso ou não fibroso (consumido como vagem imatura) >Teor de fibra 60% de amido > Degrana na colheita 22% de proteína 10% a 15% de umidade Composição percentual média Proteína Óleo Carboidrato Principal órgão de reserva SEMENTES Cereais Cevada Milho Aveia Centeio Trigo Leguminosas Feijão Cotilédones Ervilha Cotilédones Amendoim Cotilédones Cotilédones Soja Outros Mamona Negligível Dendê Pinheiro Megagametófito Canola Cotilédones 7

8 08/04/2013 SEMENTES FENOLOGIA Hábito de crescimento -Determinado: o meristema apical durante a diferenciação floral se transforma em uma inflorescência. As plantas são mais curtas e de porte mais baixo, a floração é uniforme. Floresce de cima para baixo. -Indeterminado: a planta continua a crescer por determinado tempo após o florescimento. As plantas são de porte mais alto, ciclo mais longo, floração menos uniforme. Floresce de baixo para cima. FENOLOGIA HÁBITO DE CRESCIMENTO HÁBITO DE CRESCIMENTO -Tipo 2 Crescimento Indeterminado, arbustivo e semitrepadora Permanece ereto durante todo o ciclo; -Tipo 1 Crescimento Determinado e Arbustivo Porte pequeno; nº maior de ramos que o tipo 1; ramos curtos; Precoce; formam ângulo agudo entre ramos e haste; nº de nós de 5 a 9; tem de 10 a 20 nós; poucos ramos; ângulo agudo entre os ramos e haste principal; permite menores espaçamentos; com maior produção que o tipo 1. boa rigidez da haste colheita mecânica. menor produção por planta. Ex.: Carioca MG, Rio Tibagi Ex.: Manteigão Fosco 11, Goiano precoce HÁBITO DE CRESCIMENTO HÁBITO DE CRESCIMENTO -Tipo 3 Crescimento Indeterminado, prostados ou semitrepadoras -Tipo 4 Crescimento Indeterminado e trepadora Ramifica bastante; Praticamente não tem ramos; maior nº de ramos; dificil indentificar qual é a haste principal; a haste principal é fléxivel; enfolha muito; mais susecptivel as doenças. Ex.: Aporé e Jalo possui de 20 a 30 nós; ciclo bem mais longo (> dias); maturação desuniforme; deve ser estaquiado; tem custo mais alto e a colheita é escalonada. 8

9 FENOLOGIA Tipo 2 Mais usados no Brasil Tipo 3 Tipo 4 Etapas do desenvolvimento da planta Etapas do desenvolvimento da planta Etapas do desenvolvimento da planta Período vegetativo Período reprodutivo V0 V1 V2 V3 V4 R5 R6 R7 R8 R9 Germinação Emergência 5 dias Fls. 1ª 2 dias 4 dias 1ª fls. trifoliadas 5 a 9 dias 3ª fls. trifoliadas 7 a 15 dias M A T U R A Ç Ã Pré-floração Floração Formação Enchimento O 10 dias 4 a 5 das vagens das vagens dias 8 dias I e II: dias dias III e IV: 22 a 24 dias Etapas do desenvolvimento da planta Sinais de maturação: 1 folhas amareladas 2 folhas caindo 3 Vagens com cor características 4 Grãos soltos dentro da vagem Exigências Edafoclimáticas do Feijoeiro 9

10 Temperatura Feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) Ampla adaptação e Distribuição geográfica; Pouco tolerante a fatores extremos do ambiente; Conhecimento: - características agroclimáticas; - exigências e limitações. Crescer, desenvolver e produzir; Aproveitando ao máximo: - potencial da cultivar; - respostas à adubação; - benefício das práticas ou tecnologias empregadas. T ótima: 18 a 24 C (21 C) (Vieira, 1967); T média (América Latina): varia entre 17,5 e 25 C; Fanceli e Dourado Neto (1999), regiões com T entre 15 e 29 C. A ocorrência de T da faixa ótima, dependendo da freqüência e duração, pode ocasionar sérios prejuízos ao estabelecimento, crescimento e desenvolvimento da cultura, resultando em baixa produtividade. Temperatura Temperatura Baixas Temperaturas Após a semeadura: - germinação e emergência; - baixa população; - baixa produtividade. Durante o crescimento vegetativo: - altura da planta; - crescimento dos ramos - número de vagens (Portes, 1996). Sul de MG: - semeadura em Julho (baixa T ) (Martins et al., 1994); - atraso na germinação (Von Pinho et al., 1991); - atraso no florescimento (Dias et al., 1992). Altas Temperaturas Maior influência: - Aborto de flores; - Vingamento e retenção final de vagens; - Redução do n de sementes/vagem. (Dickson; Boettger, 1984; Portes, 1988) Taxa de abscisão dos órgãos reprodutivos 50 a 70% (Mariot, 1976, 1989); T > 30 C (dia) e > 25 C (noite) aumento na taxa de abscisão (Kay, 1979); T > 30 C abortamento das flores, diminuição do n de vagens e no rendimento de grãos (Gonçalves et al., 1997). Temperaturas > a 29 C podem provocar o abortamento de flores, queda de vagens jovens e reduzir o número de grãos, enquanto temperaturas inferiores a 12 C podem dificultar a formação e o enchimento de grãos (Balardin et al., 2000). Umidade do solo Deficiência Hídrica Fator limitante: Interfere nos processos básicos da planta: - Absorção e translocação de nutrientes; - Fotossíntese e translocação de assimilados; - Transpiração; - Respiração; - Crescimento; -Produção de grãos (Guimarães, 1988). Boa disponibilidade de água: - Germinação/emergência; - Floração; - Enchimento de grãos. Sistema radicular bastante superficial; Veranicos ou irrigação mais espaçadas. Semeadura 4 folha trifoliolada: - prejuízo na germinação / emergência; - baixa sobrevivência de plantas; - Baixo estande; - Redução no rendimento de grãos. Fases criticas: Florescimento Formação das vagens Enchimento de grãos Fases de maior necessidade de água: V0 e V1, R6 e R8 10

11 Deficiência Hídrica Excesso de Água no solo Norte de MG: redução na produtividade varia de acordo com a época de ocorrência do déficit hídrico: - 16% florescimento; - 42% formação de vagens; - 58% crescimento de vagens (Garrido et al.,1978.) Essa redução na produtividade é devido o aborto de flores ou vagens e da redução do n de sementes/vagem (Stoker, 1974). Estabelecimento: - prejudica a germinação; - Limita o crescimento das raízes; - Favorece a incidência de doenças radiculares; - Reduz a sobrevivência de plântulas. Crescimento vegetativo: - Favorece enfermidades da parte aérea; - Alongamento excessivo da 1 porção da haste principal; - Tornando mais sensível ao acamamento. Florescimento e frutificação: - 2 dias redução de 48%; - 4 dias redução de 57%; - 6 dias redução de 68% (Silva, 1982). Maturação: - prolongar o ciclo cultural e atrasar colheita; - Brotação e aparecimento de manchas no grão. Chuvas Umidade Relativa do Ar e Ventos Verão Colheita: - impedindo arranque de plantas; - secagem dos grãos; - brotação e mancha nos grãos; - depreciação. Semeadura: fev- mar boa disponibilidade de água; Necessidade água: - local (clima e solo); - época de semeadura; - manejo da cultura e solo (Silveira & Stone, 2001) mm (Kay, 1979) Baixa UR altas temperaturas Aumento na demanda de água pela planta transpiração. pegamento e retenção final de vagens (Portes, 1988). Efeito agravado pelo vento (Davis, 1945). Radiação solar Zoneamento agroclimático Reflexo nas taxas de fotossíntese (Fageria, 1989) Santos & Costa (2000), analisando a eficiência do uso da radiação solar para as culturas de milho, soja, arroz e feijão nas diversas regiões produtoras de Minas Gerais, observaram: 11

12 Textura do Solo Compactação do Solo Arenosa leve argilosa pesada (Wallace, 1980). Evitar Solos argilosos e mal drenados (Out / Nov.) Compactação: - aumento da densidade do solo/ redução da porosidade - Menor aeração e fluxo de água. - Maior resistência à penetração de raízes. Fatores Químicos do Solo Reação: - ph de 5,5 a 6,5 (Rosolem, 1996) ph baixo: - Íons tóxicos (Al 3+, Mn 2+, H + ); - Menor disponibilidade de nutrientes. - Menor crescimento e rendimento de grãos. Fertilidade: - Atrasa e diminui formação de raízes; - Compromete crescimento de plantas; Salinidade: - sensível a elevados teores de Na trocável e a alta condutividade elétrica no solo. Ideal CE até 1,0 d.s/cm e < 0,7 meq/100 cm³ de teor de Na+ 12

AGRICULTURA I Téc. Agronegócios

AGRICULTURA I Téc. Agronegócios AGRICULTURA I Téc. Agronegócios CULTURA DO MILHO IFSC CÂMPUS LAGES FENOLOGIA DO MILHO INTRODUÇÃO: Ciclo vegetativo variado Evidencia cultivares desde extremamente precoces, cuja polinização pode ocorrer

Leia mais

AGRICULTURA I Téc. Agroecologia

AGRICULTURA I Téc. Agroecologia AGRICULTURA I Téc. Agroecologia CULTURA DO MILHO IFSC CÂMPUS LAGES FENOLOGIA DO MILHO Etapas de desenvolvimento: 1.Germinação e emergência: Semeadura até o efetivo aparecimento da plântula, Duração pode

Leia mais

Bibliografia. EPAGRI A cultura do feijão em Santa Catarina. Florianópolis, 1992, 285p.

Bibliografia. EPAGRI A cultura do feijão em Santa Catarina. Florianópolis, 1992, 285p. Bibliografia EPAGRI A cultura do feijão em Santa Catarina. Florianópolis, 1992, 285p. Sartoratto, A.; Rava, C.A. Principais doenças do feijoeiro e seu controle. EMBRAPA, 1994, 300p. Feijão no inverno.

Leia mais

Fisiologia. Agostinho Dirceu Didonet Milene Alves de Figueiredo Carvalho

Fisiologia. Agostinho Dirceu Didonet Milene Alves de Figueiredo Carvalho 3 Fisiologia Agostinho Dirceu Didonet Milene Alves de Figueiredo Carvalho 31 Qual é a diferença entre potencial de rendimento e rendimento potencial? O potencial de rendimento é a capacidade máxima de

Leia mais

COLHEITA DE SEMENTES INTRODUÇÃO LPV : PRODUÇÃO DE SEMENTES. Objetivo Básico da Colheita de Sementes PROBLEMAS DA COLHEITA. Conceito.

COLHEITA DE SEMENTES INTRODUÇÃO LPV : PRODUÇÃO DE SEMENTES. Objetivo Básico da Colheita de Sementes PROBLEMAS DA COLHEITA. Conceito. LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES COLHEITA DE SEMENTES Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes DEPTO. DE PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ INTRODUÇÃO Planta produtora de grãos: Vegetação Florescimento Frutificação

Leia mais

FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO. Ciro A. Rosolem FCA/UNESP

FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO. Ciro A. Rosolem FCA/UNESP FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO Ciro A. Rosolem FCA/UNESP Perda estimada de produtividade de soja por seca Perda, kg/ha Centelhas et al., 2015 16 12 o que temos o que queremos SOJA 2011 2012 > 60 sc/ha

Leia mais

culturas Milho 19,30 4,60 1,95 12,70 65,80 Batata 94,10 28,3 17,78 50,90 54,10 Trigo 14,50 1,88 0,73 11,90 82,10

culturas Milho 19,30 4,60 1,95 12,70 65,80 Batata 94,10 28,3 17,78 50,90 54,10 Trigo 14,50 1,88 0,73 11,90 82,10 FISIOLOGIA VEGETAL Conceito de estresse: Estresse Abiótico em Plantas É um fator externo que exerce uma influência desvantajosa sobre a planta Estresse abiótico em plantas Plantas sob estresse apresenta:

Leia mais

Efeitos da seca para o cafeeiro e a pesquisa em busca de soluções

Efeitos da seca para o cafeeiro e a pesquisa em busca de soluções Efeitos da seca para o cafeeiro e a pesquisa em busca de soluções Vânia Aparecida Silva Pesquisadora Fisiologia Vegetal Unidade Regional EPAMIG Sul de Minas Fatores genéticos - Cultivar: -parte aérea -sistema

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 I SIMPÓSIO SIO DE CITRICULTURA IRRIGADA MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 MANEJO DAS IRRIGAÇÕES - Maximizar a produção e a qualidade,

Leia mais

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO IAPAR 81 Cultivar do grupo carioca, de porte ereto, recomendada para cultivo a partir de junho de 1997. Apresenta

Leia mais

COMPORTAMANTO DA SAFRA 2015/2016 UMA ANÁLISE DO INÍCIO DO CICLO

COMPORTAMANTO DA SAFRA 2015/2016 UMA ANÁLISE DO INÍCIO DO CICLO COMPORTAMANTO DA SAFRA 2015/2016 UMA ANÁLISE DO INÍCIO DO CICLO José Luiz Petri e André Amarildo Sezerino Pesquisadores da Epagri/Estação Experimental de Caçador No ano de 2015 observa-se um comportamento

Leia mais

MILHO PARA OS DIFERENTES NÍVEIS TECNOLÓGICOS

MILHO PARA OS DIFERENTES NÍVEIS TECNOLÓGICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira MILHO PARA OS DIFERENTES NÍVEIS TECNOLÓGICOS Prof. Dr. João Antonio da Costa Andrade Departamento de Biologia

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES CULTIVOS CONSORCIADOS 08/04/2013

RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES CULTIVOS CONSORCIADOS 08/04/2013 RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES CULTIVOS CONSORCIADOS GLUPOS GÊNICOS GLUPOS GÊNICOS 1 2 3 4 5 Estima-se que mais de 50% do feijão produzido no estado de MG provém do cultivo consorciado. CULTIVOS CONSORCIADOS

Leia mais

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL Nº. 7, set./94, p.1-5 CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL João Carlos Heckler¹ Carlos Ricardo Fietz² Reinaldo Bazoni³ 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

Implicações da compactação sobre o crescimento de raízes

Implicações da compactação sobre o crescimento de raízes Implicações da compactação sobre o crescimento de raízes Moacir Tuzzin de Moraes, Eng. Agr., Dr. Henrique Debiasi, Eng. Agr., Dr. Julio C. Franchini, Eng. Agr., Dr. Londrina, 29 de junho de 2017 1 Roteiro

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

Marilda Pereira Porto 1 Claudio Alberto Sousa da Silva 1 José Maria Barbat Parfitt 1 Silvio Steinmetz 1

Marilda Pereira Porto 1 Claudio Alberto Sousa da Silva 1 José Maria Barbat Parfitt 1 Silvio Steinmetz 1 IMPLANTACÃO I DA LAVOURA DE MILHO Marilda Pereira Porto 1 Claudio Alberto Sousa da Silva 1 José Maria Barbat Parfitt 1 Silvio Steinmetz 1 A etapa de implantação da cultura é uma das mais importantes dentro

Leia mais

Sintomas de deficiência de alguns nutrientes na cultura do milho

Sintomas de deficiência de alguns nutrientes na cultura do milho Sintomas de deficiência de alguns nutrientes na cultura do milho Prof. Luiz Duarte Silva Júnior Os nutrientes são elementos importantes no desenvolvimento das plantas para que elas possam completar o ciclo

Leia mais

O Clima e o desenvolvimento dos citros

O Clima e o desenvolvimento dos citros O Clima e o desenvolvimento dos citros Flórida 2010 Glauco de Souza Rolim Centro de Ecofisiologia e Biofísica IAC rolim@iac.sp.gov.br glaucorolim@gmail.com VII Simpósio de Citricultura Irrigada,16 de setembro

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO SUL Leandro Sartoreli Ricci Mamborê - PR 2010/2011 Produtividade: 6.027 kg/ha (100,5 sc/ha) - Variedade SYN 3358 (Variedade com folhas lanceoladas e alta resistência ao acamamento)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: RELAÇÕES HÍDRICAS PROPRIEDADES EDÁFICAS CICLO DA CANA, TEMPERATURA E CHUVA RAÍZES ADVENTÍCIAS Fonte: Rodrigues, J.D. CRESCIMENTO DA

Leia mais

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE Prof. Francisco Villela francisco.villela@ufpel.edu.br CUIDADOS DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA DIAS APÓS O FLORESCIMENTO MATURAÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA 1. Definição; 2. Antecedentes; 3. Elaboração; 4. Metodologia; 5. Utilidade; Departamento de Gestão de Risco Rural Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário

Leia mais

Aula 1 -Importância e Objetivos do Melhoramento Genético

Aula 1 -Importância e Objetivos do Melhoramento Genético Aula 1 -Importância e Objetivos do Melhoramento Genético Piracicaba, 2011 Início do Melhoramento (início do desenvolvimento de cultivares) Domesticação de plantas e animais: homem deixou as coletas para

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Aplicações em Agricultura

Aplicações em Agricultura III Workshop latino-americano em modelagem regional de tempo e clima utilizando o Modelo Eta: aspectos físicos e numéricos Aplicações em Agricultura Cachoeira Paulista 2010 Tempo/Clima x Sistema Agrícola

Leia mais

4.1 - Introdução. Fontes. Nitrogênio: requerido em grande quantidade pelas plantas. Nitrogênio do solo. Fertilizantes

4.1 - Introdução. Fontes. Nitrogênio: requerido em grande quantidade pelas plantas. Nitrogênio do solo. Fertilizantes 4 Fixação do Nitrogênio 1 4.1 - Introdução Nitrogênio: requerido em grande quantidade pelas plantas Nitrogênio do solo Fertilizantes Fontes FBN Nitrogênio: abundante na natureza (Fonte: Hungria et al.,

Leia mais

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal, ESALQ/USP scmello@esalq.usp.br 19-34294190 r. 204 Diagnose foliar Interpretação: Material genético

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes:

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes: LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Planejamento Estrutura disponível

Leia mais

Aspectos de Forma em Plantas Forrageiras

Aspectos de Forma em Plantas Forrageiras LZT 520 Plantas Forrageiras e Pastagens Aspectos de Forma em Plantas Forrageiras MORFOLOGIA E DESENVOLVIMENTO ESTRUTURAL RELACIONADOS COM A PRODUÇÃO E O MANEJO DE PASTAGENS Duas famílias Poaceae (Gramineae)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais. Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais. Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia População de plantas para maximização de rendimentos em soja Lucio Zabot Santa Maria,

Leia mais

Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade

Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade José de Barros França Neto Embrapa Soja XXI Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol IX Simpósio Nacional Sobre a Cultura do Girassol 28/10/2015

Leia mais

Exigências edafoclimáticas de fruteiras

Exigências edafoclimáticas de fruteiras Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Exigências edafoclimáticas de fruteiras Emanuel Maia emanuel@unir.br www.emanuel.acagea.net Apresentação Introdução Classificação climática

Leia mais

Coleta da Amostra de Tecido Foliar

Coleta da Amostra de Tecido Foliar A principal finalidade das análises de tecidos ou folhas é verificar as necessidades nutricionais das culturas através da utilização das folhas como indicativo nutricional das mesmas. A análise de tecidos

Leia mais

CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO

CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO CURSO DE AGRONOMIA FERTILIDADE DO SOLO Prof. Leandro Souza da Silva Prof. Carlos Alberto Ceretta Prof. Danilo R. dos Santos Aula 1 Bases conceituais à fertilidade do solo Fertilidade do solo Solo -Sistema

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Estrutura disponível Planejamento

Leia mais

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani RESULTADOS DE PESQUISAS

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani RESULTADOS DE PESQUISAS SEMEADORA-ADUBADORA RESULTADOS DE PESQUISAS 1 Rendimento da cultura de milho em diferentes manejos do solo e tipos de sulcadores (haste x disco duplo) utilizados na operação de semeadura. (Klein & Boller,

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais

Melhoramento Genético do Arroz

Melhoramento Genético do Arroz CULTURA DO ARROZ 7 - Cultivares Melhoramento Genético do Arroz Brasil -1937 - O IAC iniciou um programa de melhoramento de arroz com enfoque para o sistema de terras altas. -1938 O IRGA (RS) iniciou o

Leia mais

FORUM PERMANENTE DE MONITORAMENTO DE TEMPO E CLIMA PARA A AGRICULTURA DO RS. Reunião de 10 de janeiro de 2000

FORUM PERMANENTE DE MONITORAMENTO DE TEMPO E CLIMA PARA A AGRICULTURA DO RS. Reunião de 10 de janeiro de 2000 FORUM PERMANENTE DE MONITORAMENTO DE TEMPO E CLIMA PARA A AGRICULTURA DO RS SAFRA 1999/2000 Reunião de 10 de janeiro de 2000 Avaliação das disponibilidades de água nos cultivos agrícolas Homero Bergamaschi

Leia mais

Como surgiu o feijão de terceira safra ou feijão de inverno? Um pouco de história Tomás de Aquino Portes

Como surgiu o feijão de terceira safra ou feijão de inverno? Um pouco de história Tomás de Aquino Portes Como surgiu o feijão de terceira safra ou feijão de inverno? Um pouco de história Tomás de Aquino Portes A 3 a safra, ou feijão irrigado ou de inverno, surgiu no início da década de 1980, como pode ser

Leia mais

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativas e Desempenho de Variedades Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativa de Cana Identificando o Canavial Banco de Dados das Áreas (Própria/Fornecedor) Fazenda Lote Talhão Área Estágio Variedade

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro Arachis pintoi cv. BRS Mandobi pertence à secção Caulorrhizae do gênero Arachis, família Fabaceae (anteriormente denominada Leguminosae). A principal característica do gênero

Leia mais

CULTIVO E ESTABELECIMENTO DA ALFAFA

CULTIVO E ESTABELECIMENTO DA ALFAFA CULTIVO E ESTABELECIMENTO DA ALFAFA Joaquim Bartolomeu Rassini INTRODUÇÃO ALFAFA (forragem) Características agronômicas: alta capacidade de adaptação (clima, solo, altitude), alta produtividade (15 a 25

Leia mais

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator)

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Campeão da Região Sudeste (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Produtor: Ivaldo Lemes da Costa Consultor: Cleber Longhin Cultura: SOJA Propriedade Agrícola: Sítio Matarazzo Município: Itapetininga/SP

Leia mais

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014 Eng. Agr. Ederson A. Civardi Bonito MS 2014 Sumário 1 - Introdução 2 - Importância Soja 3 - Importância Mofo Branco 4 - Ciclo da doença 5 - Métodos de controle 6 - Alguns resultados de experimentos 7 -

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: RELAÇÕES HÍDRICAS E ESTRESSE STAB - 2016 PROPRIEDADES EDÁFICAS CICLO DA CANA, TEMPERATURA E CHUVA Fonte: Casagrande, A. A., 1991.

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO: EFEITO DOS ELEMENTOS CLIMÁTICOS

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO: EFEITO DOS ELEMENTOS CLIMÁTICOS PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO: EFEITO DOS ELEMENTOS CLIMÁTICOS Agostinho D. Didonet 1 Silvando Carlos da Silva 1 RESUMO O rendimento de grãos do feijoeiro é conseqüência do hábito de crescimento da planta,

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

Melhoramento genético de cereais de inverno

Melhoramento genético de cereais de inverno Faculdade de Agronomia Departamento de Plantas de Lavoura Melhoramento genético de cereais de inverno para ambientes subtropicais Prof. Itamar C. Nava 17 de outubro de 2012 Ambientes subtropicais Grande

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

Gestão dos solos em viticultura de encosta

Gestão dos solos em viticultura de encosta Workshop Gestão dos solos em viticultura de encosta Pinhão, 28 de outubro de 2013 Sérgio Vieira Inicio de atividade no ano de 2005 Localizada na Zona Industrial de Vila Real Atua na comercialização de

Leia mais

Requisitos de Clima e Solo da espécie

Requisitos de Clima e Solo da espécie Requisitos de Clima e Solo da espécie Clima O amendoim forrageiro apresenta ampla faixa de adaptação, desenvolvendo-se bem desde o nível do mar até aproximadamente 1.800 m de altitude, em áreas com precipitação

Leia mais

A Importância da Utilização de Sementes de Alto Vigor e os Seus Efeitos Sobre a Produtividade da Soja

A Importância da Utilização de Sementes de Alto Vigor e os Seus Efeitos Sobre a Produtividade da Soja A Importância da Utilização de Sementes de Alto Vigor e os Seus Efeitos Sobre a Produtividade da Soja José de Barros França Neto Embrapa Soja 67º SIMPAS 24/11/2015 Sinop, MT Base para o sucesso da lavoura!!!

Leia mais

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja Alimento de importância mundial Continente asiático maior produtor (80%) Brasil 9º país produtor RS - 70% da produção nacional Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja CONAB Nitrogênio é bastante

Leia mais

Revista Brasileira de Energias Renováveis. Exigências Agroclimáticas para a Cultura do Feijão (Phaseolus vulgaris L.)

Revista Brasileira de Energias Renováveis. Exigências Agroclimáticas para a Cultura do Feijão (Phaseolus vulgaris L.) Revista Brasileira de Energias Renováveis Exigências Agroclimáticas para a Cultura do Feijão (Phaseolus vulgaris L.) Vinicius Gabriel Caneppele Pereira 2, Diego José Gris 3, Thiago Marangoni 4, Jianice

Leia mais

18/09/2010 PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE. Família Solanaceae. Tomate: Solanum lycopersicum

18/09/2010 PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE. Família Solanaceae. Tomate: Solanum lycopersicum IMPORTÂNCIA DAS SOLANÁCEAS PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS Vanessa Neumann Silva Fonte: ABCSem, 2007 SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE Família Solanaceae Tomate: Solanum lycopersicum Pimentão: Capsicum

Leia mais

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA BONFADA, Élcio B. 1 ; FIORIN, Jackson E. 2 ; SILVA, Alieze N. da 3 ; WYZYKOWSKI, Tiago 4 Palavras-chave: Nutrição de Plantas.

Leia mais

Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1. Antônio M.

Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1. Antônio M. Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1 Antônio M. Coelho 2 1 Parcialmente financiado pela Sul Óxidos Industria e Comércio

Leia mais

SINTOMAS DE DEFICIÊNCIA DE MICRONUTRIENTES EM PLANTAS

SINTOMAS DE DEFICIÊNCIA DE MICRONUTRIENTES EM PLANTAS Micronutrientes Nutrição Mineral de Plantas SINTOMAS DE DEFICIÊNCIA DE MICRONUTRIENTES EM PLANTAS Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br Micronutrientes Nutrição

Leia mais

Introdução. Fotoperíodo Conceitos importantes. Comprimento do dia e fotoperíodo COMPRIMENTO DO DIA E FOTOPERÍODO

Introdução. Fotoperíodo Conceitos importantes. Comprimento do dia e fotoperíodo COMPRIMENTO DO DIA E FOTOPERÍODO AC33F AGROCLIMATOLOGIA COMPRIMENTO DO DIA E FOTOPERÍODO PROF. DR. FREDERICO M. C. VIEIRA Comprimento do dia e fotoperíodo Introdução Fotoperíodo Conceitos importantes Conceito 1: intervalo entre o nascer

Leia mais

LCE 306 Meteorologia Agrícola. Importância Agroecológica dos Ventos. Aula # 13. Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci

LCE 306 Meteorologia Agrícola. Importância Agroecológica dos Ventos. Aula # 13. Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 13 Importância Agroecológica dos Ventos Uso de Quebra-Ventos Naturais e Artificiais ESALQ/USP 2012 Os ventos

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas Cultivares da Embrapa Soja: Embrapa 48 Grupo de Maturação: Precoce/Semiprecoce; *Semeadura: a partir de 25/10 até 10/12; Substituiu a cv. BR-16; *Alto

Leia mais

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo.

Agentes causadores. Mecanização agrícola. Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Agentes causadores Mecanização agrícola Compactação sob as rodas dos veículos distribuição de pressão no solo. Peso do veículo que determinará o total da força exercida Tamanho da área de contato entre

Leia mais

PRODUTO ÚNICO SEGURO AGRÍCOLA

PRODUTO ÚNICO SEGURO AGRÍCOLA PROPOSTA DE CONDIÇÕES ESPECIAIS - MILHO PRODUTO ÚNICO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro

Leia mais

Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química

Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química Flívia Fernandes de Jesus 1, Fabrícia C. Adriano 2, Fabrício de C. Peixoto 3, Adilson Pelá 4, Nei Peixoto 5 1. Bolsista

Leia mais

Aula 5 Cultura do feijão Phaseolus vulgaris L. I

Aula 5 Cultura do feijão Phaseolus vulgaris L. I Aula 5 Cultura do feijão Phaseolus vulgaris L. I Meta da aula Apresentar aspectos importantes para a correta implantação de uma lavoura de feijão, como exigências edafoclimáticas, épocas de plantio, cultivares,

Leia mais

Manejo do solo AGRICULTURA GERAL ESCOLHA DO LOCAL ESCOLHA DO LOCAL ESCOLHA DO LOCAL LIMPEZA DA ÁREA POMBAL PB

Manejo do solo AGRICULTURA GERAL ESCOLHA DO LOCAL ESCOLHA DO LOCAL ESCOLHA DO LOCAL LIMPEZA DA ÁREA POMBAL PB AGRICULTURA GERAL Manejo do solo POMBAL PB ESCOLHA DO LOCAL - Mercado Quem vai comprar ou consumir o nosso produto? Proximidade e tamanho do meu centro consumidor ou indústria Quanto devo produzir? - Logística

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

ESALQ - USP. Produção Vegetal março

ESALQ - USP. Produção Vegetal março Botânica, morfologia e zoneamento agrícola do cafeeiro ESALQ - USP Produção Vegetal março - 212 Prof. Dr. José Laércio Favarin Família: Rubiaceae Gênero: Coffea Espécie: Coffea arabica L. Tetraplóide:

Leia mais

ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA

ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA - Função das condições climáticas - regiões tropicais destaca-se a cana-de-açúcar e o sorgo sacarino - regiões temperadas destaca-se a beterraba açucareira (EUA - milho) ESCOLHA

Leia mais

Cultivares de Soja 1999

Cultivares de Soja 1999 Cultivares de Soja 1999 EMBRAPA-CNPSo. Documentos, 123 ISSN 0101-59 A presentação comitê de publicações CLARA BEATRIZ HOFFMANN-CAMPO presidente ALEXANDRE JOSÉ CATTELAN ALEXANDRE LIMA NEPOMUCENO LÉO PIRES

Leia mais

DominiSolo. Empresa. A importância dos aminoácidos na agricultura. Matérias-primas DominiSolo para os fabricantes de fertilizantes

DominiSolo. Empresa. A importância dos aminoácidos na agricultura. Matérias-primas DominiSolo para os fabricantes de fertilizantes DominiSolo Empresa A DominiSolo é uma empresa dedicada à pesquisa, industrialização e comercialização de inovações no mercado de fertilizantes. Está localizada no norte do Estado do Paraná, no município

Leia mais

Adubos verdes para Cultivo orgânico

Adubos verdes para Cultivo orgânico Adubos verdes para Cultivo orgânico Introdução A técnica conhecida como adubação verde é a utilização de plantas com finalidades específicas para melhorar o solo. A principal diferença da adubação verde

Leia mais

Rafael de Souza Nunes, Embrapa Cerrados Djalma Martinhão G. de Sousa, Embrapa Cerrados Maria da Conceição S. Carvalho, Embrapa Arroz e Feijão

Rafael de Souza Nunes, Embrapa Cerrados Djalma Martinhão G. de Sousa, Embrapa Cerrados Maria da Conceição S. Carvalho, Embrapa Arroz e Feijão Rafael de Souza Nunes, Embrapa Cerrados Djalma Martinhão G. de Sousa, Embrapa Cerrados Maria da Conceição S. Carvalho, Embrapa Arroz e Feijão Palestra realizada no dia 28 de setembro de 2017 no 12 CONAFE

Leia mais

Amaldo Ferreira da Silva Antônio Carlos Viana Luiz André Correa. r José Carlos Cruz 1. INTRODUÇÃO

Amaldo Ferreira da Silva Antônio Carlos Viana Luiz André Correa. r José Carlos Cruz 1. INTRODUÇÃO CRUZ, 1987 J.C. SEMEADURA DO MILHO 1. INTRODUÇÃO Amaldo Ferreira da Silva Antônio Carlos Viana Luiz André Correa r José Carlos Cruz O milho é a cultura mais largamente plantada no Brasil, com cerca de

Leia mais

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO526 Adubos e Adubações Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto

Leia mais

Aldemir Pasinato 1 Gilberto Rocca da Cunhe? Genei Antonio Dalmago 2 Anderson SantP

Aldemir Pasinato 1 Gilberto Rocca da Cunhe? Genei Antonio Dalmago 2 Anderson SantP Análise Agrometeorológica Safra de Soja 2009/2010, Passo Fundo, RS da em Aldemir Pasinato 1 Gilberto Rocca da Cunhe? Genei Antonio Dalmago 2 Anderson SantP Objetivo o objetivo desta análise foi descrever

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR EM ARROZ. N. K. Fageria EMBRAPA Arroz e Feijão, Caixa Postal 179, Santo Antônio de Goiás

DIAGNOSE FOLIAR EM ARROZ. N. K. Fageria EMBRAPA Arroz e Feijão, Caixa Postal 179, Santo Antônio de Goiás DIAGNOSE FOLIAR EM ARROZ N. K. Fageria EMBRAPA Arroz e Feijão, Caixa Postal 179, Santo Antônio de Goiás Tabela 1. Área, produção e produtividade do arroz no Brasil. Safra 2006/2007. Região Área (10 6

Leia mais

Uso de Adubação Verde em Videira no Submédio São Fran is o

Uso de Adubação Verde em Videira no Submédio São Fran is o Uso de Adubação Verde em Videira no Submédio São Fran is o Clementino Marcos Batista de Faria José Monteiro Soares Patrícia Coelho Souza Leão Os solos do Vale do Submédio São Francisco são, de um modo

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO

Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO Foz do Iguaçu PR 20/06/2017 Engº Agrº Ralf Udo Dengler Engº Agrº Milton Dalbosco Fundação Meridional Novos patamares de produtividade! Destaques do Melhoramento

Leia mais

Formação e manejo de pastagem

Formação e manejo de pastagem Formação e manejo de pastagem Formação de pastagens Pastagens: áreas cobertas por vegetação nativa ou plantas introduzidas e adaptadas, que são utilizadas para o pastoreio dos animais Pastagem artificial

Leia mais

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR ESMERALDA

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR ESMERALDA AVEIA BRANCA FORRAGEIRA RELAÇÃO FOLHA/COLMO Proporção 1,5:1 2,3:1 SEMENTES SUGESTÃO DE SEMEADURA A cultivar está registrada no Registro Nacional de Cultivares (RNC/MAPA) sob o nº. 29.873. Sementes podem

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Diretoria de Logística e Gestão Empresarial DIGEM Superintendência

Leia mais

MANEJO DA IRRIGAÇÃO MANEJO DA

MANEJO DA IRRIGAÇÃO MANEJO DA MANEJO DA IRRIGAÇÃO Prof o Dr. Marcos Vinícius Folegatti LER 1571 Irrigação EVAPOTRANSPIRAÇÃO E O MANEJO DA IRRIGAÇÃO ETP, ETo & ETR Penman Monteith (FAO56) Tanque Classe A Thornthwaite Camargo Hangreves

Leia mais

A densidade de semeadura, em sistemas de produção SUE, normalmente está na ordem de a plantas por hectare, com uma distância entre sul

A densidade de semeadura, em sistemas de produção SUE, normalmente está na ordem de a plantas por hectare, com uma distância entre sul Sistemas de Produção de Algodão em Sulco Ultra-Estreito: Uma opção para o Brasil? Juan A. Landivar Delta and Pine Land Internacional Uberlândia, Brasil Os custos para a produção de algodão continuam aumentando

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng. Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o agronegócio

Leia mais

MILHO PARA SILAGEM E SEU EFEITO SOBRE O MANEJO DO SOLO. Dr. Rodrigo Pizzani

MILHO PARA SILAGEM E SEU EFEITO SOBRE O MANEJO DO SOLO. Dr. Rodrigo Pizzani MILHO PARA SILAGEM E SEU EFEITO SOBRE O MANEJO DO SOLO Dr. Rodrigo Pizzani Cenário atual: desafios para agricultura Alimentar 9 bilhões de pessoas em 2050 Contornar problemas: Fatores-chaves para atingir

Leia mais

Feijões do Grupo Comercial Carioca

Feijões do Grupo Comercial Carioca 2013 Feijões do Grupo Comercial Carioca BRS Ametista A cultivar de feijão BRS Ametista se destaca por apresentar plantas e tipo comercial de grãos semelhantes aos da cultivar Pérola, mas com maior tolerância

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 2013/2014. niderasementes.com.br

CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 2013/2014. niderasementes.com.br CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 3/4 niderasementes.com.br Parceria que rende mais. NS4823 A mais precoce do mercado. Resistência ao acamamento. Ótima arquitetura de plantas. Marrom Ereta, porte

Leia mais

6 Práticas Culturais

6 Práticas Culturais CULTURA DO ARROZ 6 Práticas Culturais A produção de arroz no Brasil é feita em dois grandes sistemas: - Terras altas - Várzeas Incluindo diversas modalidades de cultivo. Cultivo irrigado com irrigação

Leia mais

Importância: retorno do capital investido. Necessidade de planejamento criterioso.

Importância: retorno do capital investido. Necessidade de planejamento criterioso. 1 COLHEITA DE SEMENTES Silvio Moure Cicero 1. Introdução Importância: retorno do capital investido. Necessidade de planejamento criterioso. Custo. 2. Métodos de colheita 2.1. Manual Situações em que é

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO DSSAT NA SIMULAÇÃO DA PRODUÇÃO DO FEIJÃO PARA A ÉPOCA DA SECA NA REGIÃO DE TANGARÁ DA SERRA, MT

UTILIZAÇÃO DO DSSAT NA SIMULAÇÃO DA PRODUÇÃO DO FEIJÃO PARA A ÉPOCA DA SECA NA REGIÃO DE TANGARÁ DA SERRA, MT UTILIZAÇÃO DO DSSAT NA SIMULAÇÃO DA PRODUÇÃO DO FEIJÃO PARA A ÉPOCA DA SECA NA REGIÃO DE TANGARÁ DA SERRA, MT André Luiz Biscaia Ribeiro da Silva 1 ; Luiz Henrique Biscaia Ribeiro da Silva 2 ; Paulo Vinicius

Leia mais

FLORAÇÃO DO CAFEEIRO: UM ENIGMA. Alemar Braga Rena Fisiologista Vegetal Cafeicultor há 32 anos

FLORAÇÃO DO CAFEEIRO: UM ENIGMA. Alemar Braga Rena Fisiologista Vegetal Cafeicultor há 32 anos FLORAÇÃO DO CAFEEIRO: UM ENIGMA Alemar Braga Rena Fisiologista Vegetal Cafeicultor há 32 anos abrena41@gmail.com 1. Fases da floração (i) iniciação floral (ii) diferenciação floral (iii) período

Leia mais

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Biológicas e Ambientais NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO Vital Pedro da Silva Paz vpspaz@ufba.br Francisco A. C. Pereira pereiras@ufba.br

Leia mais

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Diretoria de Pesquisas COAGRO/GEAGRI LSPA Junho de 217 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas

Leia mais