Agenda. Introdução. Estrutura Organizacional. Histórico/Características do Porto de Itaguaí. Acesso ao Porto de Itaguaí. Terminais do Porto de Itaguaí

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agenda. Introdução. Estrutura Organizacional. Histórico/Características do Porto de Itaguaí. Acesso ao Porto de Itaguaí. Terminais do Porto de Itaguaí"

Transcrição

1 2016

2 Agenda Introdução Estrutura Organizacional Histórico/Características do Porto de Itaguaí Acesso ao Porto de Itaguaí Terminais do Porto de Itaguaí Plano de Desenvolvimento e Zoneamento - PDZ Investimentos/ Projetos - Itaguaí Estatística - Movimentação de carga e Faturamento

3 Agenda Introdução Estrutura Organizacional Histórico/Características do Porto de Itaguaí Acesso ao Porto de Itaguaí Terminais do Porto de Itaguaí Plano de Desenvolvimento e Zoneamento - PDZ Investimentos/ Projetos - Itaguaí Estatística - Movimentação de carga e Faturamento

4 Introdução Cia. Docas do Rio de Janeiro A Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) é a autoridade portuária responsável pela gestão do Complexo Portuário Fluminense, que compreende os Portos do Rio de Janeiro, de Itaguaí, de Niterói e de Angra dos Reis. A CDRJ é uma sociedade de economia mista, vinculada à Secretaria de Portos da Presidência da República SEP/PR. Cabe à CDRJ gerir os espaços marítimos e terrestres dos portos, de modo a zelar para que as atividades, no âmbito de seu território, se integrem ao movimento econômico e ao processo de desenvolvimento de sua área de influência. Rio de Janeiro Itaguaí Niterói Angra dos Reis

5 Introdução

6 Agenda Introdução Estrutura Organizacional Histórico/Características do Porto de Itaguaí Acesso ao Porto de Itaguaí Terminais do Porto de Itaguaí Plano de Desenvolvimento e Zoneamento - PDZ Investimentos/ Projetos - Itaguaí Estatística - Movimentação de carga e Faturamento

7 Estrutura Organizacional

8 Estrutura Organizacional

9 Agenda Introdução Estrutura Organizacional Histórico/Características do Porto de Itaguaí Acesso ao Porto de Itaguaí Terminais do Porto de Itaguaí Plano de Desenvolvimento e Zoneamento - PDZ Investimentos/ Projetos - Itaguaí Estatística - Movimentação de carga e Faturamento

10 Histórico do Porto de Itaguaí

11 Características do Porto de Itaguaí Cais Acostável: 2.160m de extensão 8 Berços 4 Terminais

12 Características do Porto de Itaguaí Tipos de Navios Navio Tipo Manobra Especial

13 Agenda Introdução Estrutura Organizacional Histórico/Características do Porto de Itaguaí Acesso ao Porto de Itaguaí Terminais do Porto de Itaguaí Plano de Desenvolvimento e Zoneamento - PDZ Investimentos/ Projetos - Itaguaí Estatística - Movimentação de carga e Faturamento

14 Acesso ao Porto de Itaguaí RODOVIÁRIO Acesso: BR-101, BR-116, BR-040, BR- 465 e RJ-099; - Rodovia Rio-Santos (BR-101) duplicada; - Arco Metropolitano (projeto em andamento). * BR-493/RJ Arco Metropolitano do RJ/ Duplicação da Rio-Santos

15 Acesso ao Porto de Itaguaí FERROVIÁRIO - Em bitola larga (1,60m), por intermédio do ramal Japeri / Brisamar, operado pela MRS Logística S/A, ligando o Porto à região centro-sul do Estado do Rio de Janeiro e desta aos estados de São Paulo e Minas Gerais.

16 Acesso Marítimo Características Atuais O canal de acesso, tem aproximadamente 40 km de extensão; Largura de 200m; Calado máximo de 17,80 m; 06 fundeadouros com 14 pontos de fundeio. Expectativas de crescimento Aumento do Porte dos Navios; Significativo aumento no quantitativo de navios e manobras; Novos projetos e expansão dos atuais terminais em andamento; Adequação da infraestrutura aquaviária.

17 Acesso Marítimo Canais Canal Ilha das Cabras Calado 17,80m Canal Y Calado 13,00m Canal TKCSA Calado 14,00m Canal Principal Calado 17,80m TIG Canal Derivativo Calado 13,00m

18 Áreas de Fundeio Área B Área D Área C Área F Área E Área A 06 áreas de fundeio 14 pontos

19 INFRAESTRUTURA AQUAVIÁRIA PORTO DE ITAGUAÍ voltar PONTOS CRÍTICOS E SOLUÇÕES

20 PONTO CRÍTICO ASSOREAMENTO NO CANAL/BACIA DE EVOLUÇÃO SOLUÇÕES IMEDIATAS Estabelecimento de condicionantes operacionais, visando a continuidade das manobras; Instalação de equipamento de medição de corrente nas proximidades da Bacia de Evolução; Contratação de Dragagem, limitada a Licença Ambiental m³, buscando uma melhor condição. SOLUÇÕES FUTURAS Planejamento das ações relativas ao processo de Contratação da Dragagem de Manutenção para a profundidade de 20m; Retirada das condicionantes operacionais.

21 PONTO CRÍTICO ASSOREAMENTO NO CANAL/BACIA DE EVOLUÇÃO PROJETO PARA BACIA ATUAL PROJETO PARA BACIA DE 600 m DE DIÂMETRO m³ m³

22 ACESSO AO TERMINAL DA SEPETIBA TECON PONTO CRITICO CANAL DE APROXIMAÇÃO, BACIA DE EVOLUÇÃO E BACIA DE BERÇO SOLUÇÕES IMEDIATAS Estabelecimento de condicionantes operacionais; Caracterização de manobras especiais; Deslocamento da Boia Cardinal Leste; A médio prazo, dragagem de m³, visando buscar uma condição operacional melhor, principalmente a retirada do impedimento de manobras noturnas. SOLUÇÕES FUTURAS Planejamento das ações relativas ao processo de contratação da Dragagem, para a adequação da geometria da infraestrutura de acesso aquaviária do Terminal, buscando melhor atender a demanda de navios do mercado.

23 ACESSO AO TERMINAL DA SEPETIBA TECON voltar PONTO CRITICO CANAL DE APROXIMAÇÃO, BACIA DE EVOLUÇÃO E BACIA DE BERÇO POLIGONAL ATUAL

24 ACESSO AO TERMINAL DA SEPETIBA TECON voltar PONTO CRITICO CANAL DE APROXIMAÇÃO, BACIA DE EVOLUÇÃO E BACIA DE BERÇO POLIGONAL ATUAL

25 ACESSO AO TERMINAL DA SEPETIBA TECON voltar CANAL DE APROXIMAÇÃO, BACIA DE EVOLUÇÃO E BACIA DE BERÇO SOLUÇÃO - NOVA CONFIGURAÇÃO 1ª FASE Objetivos: a) Melhoria da poligonal de acesso marítimo em frente aos berços de atracação e na curva de acesso ao Tecon. b) Alteração da sinalização náutica das bóias 31 e 33 em frente aos berços do Tecon, definindo uma maior e melhor poligonal de manobras de navios. c) Aprofundamento da nova poligonal de manobras na cota mínima de 15,5 m.

26 ACESSO AO TERMINAL DA SEPETIBA TECON voltar CANAL DE APROXIMAÇÃO, BACIA DE EVOLUÇÃO E BACIA DE BERÇO SOLUÇÃO - NOVA CONFIGURAÇÃO 1ª FASE

27 ACESSO AO TERMINAL DA SEPETIBA TECON voltar CANAL DE APROXIMAÇÃO, BACIA DE EVOLUÇÃO E BACIA DE BERÇO SOLUÇÃO - NOVA CONFIGURAÇÃO 1ª FASE Principais parâmetros dragagem: Profundidade: 15,5m Tolerância vertical: 0,5m Talude: 1:4 Volume estimado: m³

28 ACESSO AO TERMINAL DA SEPETIBA TECON CANAL DE APROXIMAÇÃO, BACIA DE EVOLUÇÃO E BACIA DE BERÇO SOLUÇÃO - NOVA CONFIGURAÇÃO 2ª FASE Solução de menor complexidade de manobra e também de menor volume a dragar além de respeitar a futura expansão do TECAR até 270m.

29 ACESSO AO TERMINAL DA SEPETIBA TECON CANAL DE APROXIMAÇÃO, BACIA DE EVOLUÇÃO E BACIA DE BERÇO SOLUÇÃO - NOVA CONFIGURAÇÃO 2ª FASE Volumes estimados: Prof = 15,5m Projeto Tolerancia Soma Talude Esquerdo , , ,96 Soleira , , ,59 Talude Direito , , ,37 Totais: 2.710m , , ,92 Canal: 1.930m , , ,01 Bacia: 734m 780m , , ,91 Prof = 16,5m Talude Esquerdo , , ,53 Soleira , , ,30 Talude Direito , , ,39 Totais: 2.710m , , ,22 Canal: 1.930m , , ,96 Bacia: 734m 780m , , ,26

30 ÁREA DE FUNDEIO C PONTO CRITICO PROFUNDIDADE NÃO ATENDE AS NECESSIDADES SOLUÇÕES IMEDIATAS Estudo das dimensões e profundidade; Caracterização de material quanto ao tipo e contaminação. SOLUÇÃO FUTURA Planejamento das ações relativas ao processo de Contratação da Dragagem para a adequação da geometria e profundidade, buscando melhor atender a demanda de navios do mercado.

31 Áreas de Fundeio Área C voltar Volumes calculados para cota de dragagem e sobredragagem Características Atuais C1 e C2 Profundidade de 07,90; Calado de 7,1 m; Raio de 500m. Projeto Profundidade de 11m; Calado de 10,5m; Raio de 502m.

32 NOVO CANAL DA ILHA DAS CABRAS ACESSO AO PORTO SUDESTE Trecho inativo; Características Atuais Solicitação de cancelamento do balizamento. Projeto Executado Dragagem para 20m; Largura de 206m; Calado de 17,80M; Adequação do desenho geométrico; Derrocagem da rocha; Novo projeto de balizamento.

33 NOVO CANAL ILHA DAS CABRAS ACESSO AO PORTO SUDESTE Profundidade 20m Largura 206m Bacia de Atracação 300m Calado Proposto 17,80m Bacia de Evolução 600m

34 NOVO TRECHO DE LIGAÇÃO

35 DUPLICAÇÃO DO CANAL PRINCIPAL

36 NOVO TRECHO DE LIGAÇÃO VOLUMES A DRAGAR+DERROCAR NO CANAL DE ACESSO AO PORTO DE ITAGUAÍ PROJETO DE ALARGAMENTO ALTERNATIVA MICROARS Projeto (m 3 ) Tolerância (m 3 ) Total (m 3 ) Canal Principal , , ,35 Canal Derivativo , , ,10 TOTAL , , ,45 VOLUMES A DERROCAR NO CANAL DE ACESSO AO PORTO DE ITAGUAÍ PROJETO DE ALARGAMENTO ALTERNATIVA MICROARS Projeto (m 3 ) Tolerância (m 3 ) Total (m 3 ) Canal Principal , , ,85 Canal Derivativo 0,00 0,00 0,00 TOTAL , , ,85

37 ESTUDO DA DUPLAVIA PONTOS CRÍTICOS Mono via, aumentando a ociosidade dos berços ; Tempo de manobras; Ponto com 19,50 Bl06. SOLUÇÕES Derrocagem da rocha próxima à bóia 5; Calado de 18m; Dupla via Largura de aprox. 380m; Profundidade de 20m.

38 CANAL DERIVATIVO voltar PONTO CRITICO GEOMETRIA E PROFUNDIDADE NÃO ATENDEM AS NECESSIDADES Ponto Crítico Conflito de manobras com o TIG, pois navios de minério carregado não utilizam o Canal Derivativo; Dragado para 14,50m; Largura de 200m; Calado de 13m. Solução Adequação do Canal Aprofundamento para 21m; Alargamento para 250m; Calado de 18,5m.

39 CANAL DE ACESSO A TKCSA voltar Características Atuais Dragado para 17,50m; Calado solicitado 16m, restrito a 14,0m em função do calado da Bacia de Evolução e Berço do Terminal.

40 Agenda Introdução Estrutura Organizacional Histórico/Características do Porto de Itaguaí Acesso ao Porto de Itaguaí Terminais do Porto de Itaguaí Plano de Desenvolvimento e Zoneamento - PDZ Investimentos/ Projetos - Itaguaí Estatística - Movimentação de carga e Faturamento

41 Terminais do Porto de Itaguaí Sepetiba Tecon Terminal de Alumina CPBS Berço ,10m Berço ,80m Berço ,80m TECAR

42 Terminal de Contêineres - TECON Características do TECON: m² de retroárea; 3 Berços de atracação; Berço 301 Calado de 13,00m; Berços 302 e 303 Calado de 14,70m; Píer de 810 m de extensão total; Equipamentos de última geração; Opera no conceito one stop shopping, onde tudo pode ser resolvido localmente; Amplo espaço de armazéns e equipamentos especializados permite operações de armazenagem, movimentação e ova / desova de contêineres para quaisquer tipos de produtos.

43 Terminal de Carvão e Minério de Ferro - TECAR Características do TECAR: Terminal com capacidade de importação e exportação de granéis sólidos; Carvão e Coque; Minério de Ferro; Outros (Barrilha, Clinquer, etc.); m² de Área para estocagem; Capacidade para t de granéis no pátio; 3 Berços de atracação; Píer de 810 m de extensão total; Berços 101 e 102 Calado de 19,80m; Berço 202 Calado de 10,60m; Diversos equipamentos para a movimentação de granéis.

44 Companhia Portuária Baía de Sepetiba - CPBS Características CPBS: Terminal de Minérios da Mineradora Vale (Cia. Portuária da Baía de Sepetiba); 1 Berço de atracação; Houve aumento de 10,3% na movimentação do terminal em 2014 em comparação com 2013; Calado de 18,10 m; Berço de atracação descontínuo, em dolfins, medindo 320m de comprimento.

45 Terminal de Alumina Características do Terminal de Alumina: Término do contrato de arrendamento em Berço de atracação; Área de ,75 m2; Calado de 10,50 m; 2 silos verticais com área total de m² e capacidade estática de t e uma esteira fechada.

46 Agenda Introdução Estrutura Organizacional Histórico/Características do Porto de Itaguaí Acesso ao Porto de Itaguaí Terminais do Porto de Itaguaí Plano de Desenvolvimento e Zoneamento - PDZ Investimentos/ Projetos - Itaguaí Estatística - Movimentação de carga e Faturamento

47 Plano de Desenvolvimento e Zoneamento

48 Agenda Introdução Estrutura Organizacional Histórico/Características do Porto de Itaguaí Acesso ao Porto de Itaguaí Terminais do Porto de Itaguaí Plano de Desenvolvimento e Zoneamento - PDZ Investimentos/ Projetos - Itaguaí Estatística - Movimentação de carga e Faturamento

49 Investimentos/ Projetos - Itaguaí Investimento Público Investimento Privado

50 Investimentos/ Projetos - Itaguaí Expansão do berço do TECON Investimento: $150 milhões até 2015 Expansão do Píer do TECAR Investimento: $3,7 bilhões até 2020 Granéis Líquidos e Sólidos Porto Sudeste Investimento G. Sólidos: $1,5 bilhão até 2016 Base de submarinos da Marinha Thyssenkrupp - CSA

51 Investimentos/ Projetos - Itaguaí MULTIUSO DOCAS Túnel Marinha Porto Sudeste Área da USIMINAS (INGÁ) CSN Porto Privativo PETROQUISA GERDAU Porto Sudeste Túnel MMX Base da Marinha Expansão Tecar Expansão Tecon Granel Líquido* Granel Sólido* CSA * Terminais em estudo de viabilidade econômica para licitação

52 Agenda Introdução Estrutura Organizacional Histórico/Características do Porto de Itaguaí Acesso ao Porto de Itaguaí Terminais do Porto de Itaguaí Plano de Desenvolvimento e Zoneamento - PDZ Investimentos/ Projetos - Itaguaí Estatística - Movimentação de carga e Faturamento

53 Movimentação dos Terminais do Porto (2007 a 2015) 21% 5,3% 12,4% 7,9% -4,3% 1,9% 9,0% -9,7%

54 Movimentação de cargas - TECON 205%

55 Movimentação de cargas - TECON 143% *

56 Movimentação de cargas - TECON -7% *

57 Movimentação de cargas (2007 a 2015) 1,6%* *carvão

58 Movimentação de cargas (2007 a 2015) -13,4%

59 Movimentação de cargas (2007 a 2015) -9%

60 Movimentação Total de Navios (2007 a 2015) 1,3% -0,6% 2% 0,9% -8,9% 0,7% -5,6% -11,4%

61 Evolução do Faturamento em R$ (2007 a 2015) 19% 7% -31 % 29% 6% 33% 7% 30%

62 OBRIGADO

Gargalos dos portos do Rio de Janeiro. Sistema FIRJAN

Gargalos dos portos do Rio de Janeiro. Sistema FIRJAN Gargalos dos portos do Rio de Janeiro Sistema FIRJAN 14 de fevereiro de 2014 Principais portos do Rio de Janeiro (incluindo novas unidades em estágio avançado) Açu (São João da Barra) Angra dos Reis Itaguaí

Leia mais

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop SEPETIBA TECON MAIS DO QUE UM PORTO, UM PARCEIRO LOGÍSTICO VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop INFRAESTRUTURA/ ACESSOS Rodoviário Ferroviário Marítimo Linhas de

Leia mais

Marcos Tourinho Chief Commercial Officer. Danilo Ramos Diretor Comercial de Operações Portuárias. 27 de Abril de 2017

Marcos Tourinho Chief Commercial Officer. Danilo Ramos Diretor Comercial de Operações Portuárias. 27 de Abril de 2017 Marcos Tourinho Chief Commercial Officer Danilo Ramos Diretor Comercial de Operações Portuárias 27 de Abril de 2017 Agenda 1. Sobre a Santos Brasil 2. Tecon Imbituba 3. TCG Imbituba 4. Compromisso com

Leia mais

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop SEPETIBA TECON MAIS DO QUE UM PORTO, UM PARCEIRO LOGÍSTICO VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop INFRAESTRUTURA/ ACESSOS Rodoviário Ferroviário Marítimo Linhas de

Leia mais

PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES

PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES Presidência da República Secretaria Especial de Portos I CONFERÊNCIA HEMISFÉRICA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES Eng MARCOS PAGNONCELLI Coordenador-Geral

Leia mais

Danilo Ramos Diretor Comercial Op. Portuárias. Paulo Pegas Gerência Executiva. Florianópolis, 30 de Agosto de 2017

Danilo Ramos Diretor Comercial Op. Portuárias. Paulo Pegas Gerência Executiva. Florianópolis, 30 de Agosto de 2017 1 Danilo Ramos Diretor Comercial Op. Portuárias Paulo Pegas Gerência Executiva Florianópolis, 30 de Agosto de 2017 Agenda 1. Sobre a Santos Brasil 2.Tecon Imbituba 3. TCG Imbituba 4.Certificações e Compromisso

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA - 2014 Índice Santa Catarina 1 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 2 Infraestrutura de Transportes Modal

Leia mais

Referências bibliográficas

Referências bibliográficas 66 Referências bibliográficas Abratec. Movimento de 3,6 milhões em 27, São Paulo, 23. Disponível em: Acesso em: fev 24. Alaby, M. A. A Importância da Logística para

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE PORTO DE ITAGUAÍ: OS TERMINAIS PORTUÁRIOS E SUAS OPERAÇÕES Por: Silvestre Mendonça Orientador Prof. Luiz Cláudio Lopes Alves.

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013 OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013 Índice 10 Santa Catarina 10 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 17 Infraestrutura

Leia mais

PORTO DE SANTANA AMAPÁ

PORTO DE SANTANA AMAPÁ PORTO DE SANTANA AMAPÁ (Porto de Macapá) HISTÓRICO A construção do Porto de Santana (antigo Porto de Macapá) foi iniciada em 1980, com a finalidade original de atender à movimentação de mercadorias por

Leia mais

CDP Companhia Docas do Pará. Belém, 10 de Maio de DTA Engenharia

CDP Companhia Docas do Pará. Belém, 10 de Maio de DTA Engenharia ELABORAÇÃO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA, FINANCEIRA E AMBIENTAL PARA ARRENDAMENTO DAS ÁREAS 16 e 1 SUL DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO DO PORTO DE SANTARÉM - PA, TOTALIZANDO 31.690

Leia mais

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre ABRIL /04/11

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre ABRIL /04/11 Clique para editar o estilo do subtítulo mestre ABRIL 2011 EMAP EMPRESA MARANHENSE DE ADMINISTRAÇÃO PORTUÁRIA Empresa pública, criada pela Lei 7.225, de 31 de agosto 1998, com personalidade jurídica de

Leia mais

MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO. Rio de Janeiro Janeiro de 2012

MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO. Rio de Janeiro Janeiro de 2012 MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO Rio de Janeiro Janeiro de 2012 AVISO Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia

Leia mais

Perspectivas. Dezembro de 2006

Perspectivas. Dezembro de 2006 Perspectivas Dezembro de 2006 PORTO de SANTOS - Maior com plexo portuário da América do Sul - Área aproximada: 8 milhões de m 2 - TONELAGEM : Crescimento contínuo / Recorde histórico de 72 milhões tons

Leia mais

DRAGAGEM POR RESULTADOS DRAGAGEM POR RESULTADOS. Seminário: Reforma Portuária ria para Formuladores (LEI N N / 07) de Política e Especialistas

DRAGAGEM POR RESULTADOS DRAGAGEM POR RESULTADOS. Seminário: Reforma Portuária ria para Formuladores (LEI N N / 07) de Política e Especialistas Seminário: Reforma Portuária ria para Formuladores de Política e Especialistas DRAGAGEM POR RESULTADOS DRAGAGEM POR RESULTADOS (LEI N N 11.610 / 07) Brasília, 01 de abril de 2008 CONCEITUAÇÕES Navio possui

Leia mais

SECRETARIA DE PORTOS - SEP/PR

SECRETARIA DE PORTOS - SEP/PR SECRETARIA DE PORTOS - SEP/PR PLANO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA - FIESC MARCELO WERNER SALLES Diretor do Departamento de Desempenho Operacional

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO

COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO N O R M A P - 1 NORMA DE TRÁFEGO E PERMANÊNCIA DE NAVIOS E EMBARCAÇÕES NO PORTO DE VITÓRIA CODESA 0 PORTO DE VITÓRIA 1 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS 1.1 Localizações COMPANHIA

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA AGENDA PORTOS CATARINENSES. Período 2015/2017

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA AGENDA PORTOS CATARINENSES. Período 2015/2017 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA AGENDA PORTOS CATARINENSES Período 2015/2017 Julho 2015 Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina Glauco José Côrte Presidente Câmara de

Leia mais

Relatório de Resultados 1T12

Relatório de Resultados 1T12 Controladora Caixa: A posição de caixa no final do 1T12 foi positiva em R$ 16,9 milhões dividido em: (i) 3,2 milhões em aplicações financeiras de curto prazo, de alta liquidez, remuneradas a uma taxa livre

Leia mais

LEVANTAMENTO BATIMÉTRICO NO PORTO DE FORTALEZA

LEVANTAMENTO BATIMÉTRICO NO PORTO DE FORTALEZA LEVANTAMENTO BATIMÉTRICO NO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS Novembro/2014 ÍNDICE I - OBJETO... 2 II - FINALIDADE... 2 III - DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 IV - LEVANTAMENTOS BATIMÉTRICOS... 3 V

Leia mais

4 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos nos Terminais Portuários do Rio de Janeiro

4 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos nos Terminais Portuários do Rio de Janeiro 44 4 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos nos Terminais Portuários do Rio de Janeiro Será abordada neste capítulo a análise dos dados levantados com base nas movimentações operacionais dentro dos

Leia mais

Expectativa de Suprimentos para o Transporte Ferroviário. Perspectivas e Demandas das atuais Ferrovias de Carga

Expectativa de Suprimentos para o Transporte Ferroviário. Perspectivas e Demandas das atuais Ferrovias de Carga Expectativa de Suprimentos para o Transporte Ferroviário Perspectivas e Demandas das atuais Ferrovias de Carga Agosto/2014 Agenda Visão de Mercado Visão MRS Oportunidades MRS Visão Suprimentos Conclusão

Leia mais

Infraestrutura portuária para o Turismo. Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011

Infraestrutura portuária para o Turismo. Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011 Infraestrutura portuária para o Turismo Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011 Aspectos institucionais da ANTAQ 2 Criada pela Lei nº

Leia mais

RESOLUÇÃO de novembro de 2012

RESOLUÇÃO de novembro de 2012 RESOLUÇÃO 52 20 de novembro de 2012 O DIRETOR-PRESIDENTE DA COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO - CODESA, no uso da atribuição que lhe confere a letra g, do artigo 17, do Estatuto Social da Companhia, e

Leia mais

COSAN DAY 2013 JULIO FONTANA

COSAN DAY 2013 JULIO FONTANA COSAN DAY 2013 JULIO FONTANA 2 DISCLAIMER Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro. Essas informações

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA RODO-FERROVI FERROVIÁRIA RIA DE ACESSO AO PORTO DE SANTOS. São Paulo, 09 de Novembro de 2006

INFRA-ESTRUTURA RODO-FERROVI FERROVIÁRIA RIA DE ACESSO AO PORTO DE SANTOS. São Paulo, 09 de Novembro de 2006 INFRA-ESTRUTURA RODO-FERROVI FERROVIÁRIA RIA DE ACESSO AO PORTO DE SANTOS São Paulo, 09 de Novembro de 2006 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS HINTERLÂNDIA (ÁREA DE INFLUÊNCIA) DO PORTO DE SANTOS A PRODUÇÃO PRODUÇÃO

Leia mais

Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo

Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo 27/03/2014 Renato Ferreira Barco DIRETOR PRESIDENTE VISÃO GERAL PORTO DE SANTOS / BRASIL ÁREA DE INFUÊNCIA PORTO DE SANTOS 75 67% 56%

Leia mais

Resultados concretos de 15 anos de modernização portuária

Resultados concretos de 15 anos de modernização portuária Presidência da República Secretaria Especial de Portos Fortaleza - Ceará Resultados concretos de 15 anos de modernização portuária Richard Klien Presidente do Conselho de Administração da Multiterminais

Leia mais

TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E INTEGRAÇÃO REGIONAL

TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E INTEGRAÇÃO REGIONAL TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E INTEGRAÇÃO REGIONAL PAINEL 2: CUSTOS DE TRANSPORTE NAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS: COMO SOLUCIONAR OS GARGALOS? SEGMENTO MARÍTIMO José Antonio C. Balau 01/10/2008 1 Agenda 1.

Leia mais

Aviso Legal. Relações com Investidores Otávio Lazcano CEO Antonio Castello Branco Gerente. Tel

Aviso Legal. Relações com Investidores Otávio Lazcano CEO Antonio Castello Branco Gerente. Tel Abril 2011 Aviso Legal Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas da Companhia e de sua administração a

Leia mais

O PORTO DE SANTOS, PRESENTE E DESAFIOS

O PORTO DE SANTOS, PRESENTE E DESAFIOS O PORTO DE SANTOS, PRESENTE E DESAFIOS Engº. José Alex B. de Oliva, M.Sc. Novembro 2016 Dados Gerais Posicionamento Entrada e Saída Margem Santos Ilha de São Vicente Margem Guarujá Ilha de Santo Amaro

Leia mais

Está localizado na margem direita do canal do norte, que liga a Lagoa dos Patos ao oceano Atlântico.

Está localizado na margem direita do canal do norte, que liga a Lagoa dos Patos ao oceano Atlântico. http://intranetdes/portal/anuario2003/portos/riogrande.htm Página 1 de 9 ORIGEM O início da construção do Porto Velho do Rio Grande data de 1869 e sua inauguração aconteceu em 11 de outubro de 1872. Em

Leia mais

PORTO DE SANTOS DRAGAGEM DE MANUTENÇÃO E DE APROFUNDAMENTO

PORTO DE SANTOS DRAGAGEM DE MANUTENÇÃO E DE APROFUNDAMENTO Setembro 2006. PORTO DE SANTOS DRAGAGEM DE MANUTENÇÃO E DE APROFUNDAMENTO Localização Acessos FERROVIAS -M.R.S. - FERROBAN -ALL -FCA - NOVOESTE - PORTOFER HIDROVIAS - TIETÊ-PARANÁ - AHSUL AHIPAR AEROPORTOS

Leia mais

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil BACIA DE CAMPOS AÇU (km) MACAÉ (km) DISTÂNCIA MÉDIA* 123 km 191 km TEMPO MÉDIO* 5,7h 8,5h * Usando como referência o centro de massa da Bacia

Leia mais

MINERAÇÃO. Setembro 2008

MINERAÇÃO. Setembro 2008 MINERAÇÃO Setembro 2008 Localizaçã ção Serra Azul 2 Localizaçã ção o e Logística Belo Horizonte Conceição do Mato Dentro Itabira Sabará Ipatinga EFVM ES Itaúna Mineraçã ção Jeceaba Mariana Mineroduto Anchieta

Leia mais

WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos

WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos São Paulo, 28 de outubro de 2015 CENÁRIO E PERSPECTIVAS DE MELHORIA NOS ACESSOS SUMÁRIO: Acesso Aquaviário - Evolução dos navios - Iniciativa Santos

Leia mais

ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico Seminário Perspectivas e Condicionantes do Desenvolvimento do Setor Siderúrgico do Estado do Rio de Janeiro

ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico Seminário Perspectivas e Condicionantes do Desenvolvimento do Setor Siderúrgico do Estado do Rio de Janeiro 1 CSA Siderúrgica do Atlântico Seminário Perspectivas e Condicionantes do Desenvolvimento do Setor Siderúrgico do Estado do Rio de Janeiro Condicionantes Fiscais e Financeiros Henrique Chamhum Rio de Janeiro,

Leia mais

Um novo modelo para explorar o potencial Logístico brasileiro

Um novo modelo para explorar o potencial Logístico brasileiro VLI Logística A motivação Um novo modelo para explorar o potencial Logístico brasileiro Com ativos de Classe Mundial e Investimentos em Logística, a Vale criou em 2010 uma empresa exclusivamente orientada

Leia mais

ACESSO CAPACIDADE DE MINÉRIO DE FERRO

ACESSO CAPACIDADE DE MINÉRIO DE FERRO ACESSO CAPACIDADE DE MINÉRIO DE FERRO PORTO SUDESTE, ITAGUAÍ BRASIL 2 PASSAGEM EXCEPCIONAL PARA MINÉRIO DE FERRO O Porto Sudeste oferece às mineradoras de minério de ferro no Quadrilátero Ferrífero do

Leia mais

Maurício de Mauro Diretor Executivo de Logística. Os desafios da Logística

Maurício de Mauro Diretor Executivo de Logística. Os desafios da Logística Maurício de Mauro Diretor Executivo de Logística Os desafios da Logística Agenda Novembro/2010 Histórico da Copersucar Mercado e Desempenho econômico Estratégia de crescimento Logística e Sustentabilidade

Leia mais

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Objetivo Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Fim das barreiras à entrada Estímulo à expansão dos investimentos do setor privado Modernização da infraestrutura e da gestão

Leia mais

TRANS VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES DA AMAZÔNIA. Belém - Pará BRENO RODRIGUES DIAS VICE-PRESIDENTE DE DERIVADOS DO SINDARPA

TRANS VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES DA AMAZÔNIA. Belém - Pará BRENO RODRIGUES DIAS VICE-PRESIDENTE DE DERIVADOS DO SINDARPA TRANS 2015 TRANS 2015 - VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES DA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL / HOLANDA Belém - Pará TRANS 2015 A Nova Lei dos Portos e os Impactos na Navegação Interior

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 20 DE MAIO DE 2016

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 20 DE MAIO DE 2016 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 20 DE MAIO DE 2016 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS 100.100 Utilização da Infraestrutura Aquaviária

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento em Gestão e Operação Portuária

Curso de Aperfeiçoamento em Gestão e Operação Portuária Curso de Aperfeiçoamento em Gestão e Operação Portuária Carga Horária: 48 horas Coordenador: Prof. Dr. João Ferreira Neto Conteúdo Programático: 1.1 Introdução aos Sistemas Portuários (4 h) Apresentação

Leia mais

Missão. Visão. Nossos Valores. Transformar recursos naturais em. sustentável.

Missão. Visão. Nossos Valores. Transformar recursos naturais em. sustentável. O Papel da Tecnologia nas Operações Ferroviárias Missão Transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável. Visão Ser a empresa de recursos naturais global número 1 em criação

Leia mais

Reginaldo Gava Sérgio Siebra

Reginaldo Gava Sérgio Siebra ANÁLISE DOS RESULTADOS OPERACIONAIS OBTIDOS EM FUNÇÃO DO ACRÉSCIMO DA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS DECORRENTES DA OBRA DE DRAGAGEM E DERROCAMENTO POR RESULTADOS NOS TRECHOS 1, 2 e 3 DO PORTO DE SANTOS SP. Reginaldo

Leia mais

Itapoá, 20 de outubro de Sejam Bem-vindos!

Itapoá, 20 de outubro de Sejam Bem-vindos! Itapoá, 20 de outubro de 2017 Sejam Bem-vindos! Câmara de Logística FIESC Itapoá, 20 de outubro de 2017 Cássio Schreiner Presidente ACIONISTAS 3 DIRETORIA CÁSSIO SCHREINER CEO Presidente Porto Itapoá Diretor

Leia mais

Discussão Técnica sobre Ferrovias no Paraná

Discussão Técnica sobre Ferrovias no Paraná Discussão Técnica sobre Ferrovias no Paraná Macro fluxos Logísticos Conexões Marítimas e Matriz de Transportes Pretendida 2025 (PNLP) Ponto de Ruptura Fluxo Norte e Sul Matriz de Transportes - PNLP Fluxo

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Abril 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Abril 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Abril 2014 01 MUDANÇA DE CONTROLE MUDANÇA DE CONTROLE Instituição líder no setor de energia global US$ 12.8 bilhões sob gestão US$765 milhões investidos no Brasil (TBG, Sete Brasil

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho 2014 MUDANÇA DE CONTROLE Instituição líder no setor de energia global US$ 12.8 bilhões sob gestão US$765 milhões investidos no Brasil (TBG, Sete Brasil e Manabi) 30 anos

Leia mais

Novos terminais vão reduzir custos das exportações de grãos do Centro-Oeste

Novos terminais vão reduzir custos das exportações de grãos do Centro-Oeste Consultas a editais do 2º leilão de áreas portuárias superam 3.500 acessos Novos terminais vão reduzir custos das exportações de grãos do Centro-Oeste Mais de 3.500 consultas já foram feitas aos editais

Leia mais

A regulação no setor aquaviário brasileiro

A regulação no setor aquaviário brasileiro A regulação no setor aquaviário brasileiro Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Mare Forum South America 2011 Rio de Janeiro, outubro 2011 Aspectos institucionais da ANTAQ 2 Criada pela

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DO SETOR PORTUÁRIO: EVOLUÇÃO E PERSPECTIVAS. Diego Paula Gerente Jurídico

MARCO REGULATÓRIO DO SETOR PORTUÁRIO: EVOLUÇÃO E PERSPECTIVAS. Diego Paula Gerente Jurídico MARCO REGULATÓRIO DO SETOR PORTUÁRIO: EVOLUÇÃO E PERSPECTIVAS Diego Paula Gerente Jurídico ROTEIRO A PORTONAVE S/A DESTAQUES DA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA DECRETO 9.048/17 PERSPECTIVAS PARA O FUTURO: DESAFIOS

Leia mais

Projetos Portuários - Perspectivas

Projetos Portuários - Perspectivas Projetos Portuários - Perspectivas Workshop de Logística e Transportes Federação das Indústrias do Estado de São Paulo 27 de Junho de 2017 Fábio Lavor ROTEIRO I. Sistema Portuário Nacional II. Planejamento

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Porto Multimodal de São Luís. Seminário Caminhos da Engenharia Brasileira Atividade Portuária

Porto Multimodal de São Luís. Seminário Caminhos da Engenharia Brasileira Atividade Portuária Seminário Caminhos da Engenharia Brasileira Atividade Portuária Outubro, 2016 Visão geral do processo Nova Lei dos Portos Agilidade na decisão de investimento Dificuldades Conjuntura Econômica Inicio da

Leia mais

Porto de Aratu BA. Heder Jonas de Almeida Pesquisador Esalq-log. Piracicaba SP

Porto de Aratu BA. Heder Jonas de Almeida Pesquisador Esalq-log. Piracicaba SP Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Economia, Administração e Sociologia Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial ESALQ-LOG Porto de

Leia mais

Relatório Estatístico Trimestral de Movimentação de Cargas. Janeiro a Março de 2011

Relatório Estatístico Trimestral de Movimentação de Cargas. Janeiro a Março de 2011 Movimentação de Cargas Janeiro a Março de 2011 CODESA DIRETORIA EXECUTIVA ANGELO JOSÉ DE CARVALHO BAPTISTA DIRETOR PRESIDENTE DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ DIRETOR DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO HUGO

Leia mais

MRS LOGÍSTICA S/A CNPJ/MF nº / NIRE nº Sociedade Anônima de Capital Aberto Registro CVM nº

MRS LOGÍSTICA S/A CNPJ/MF nº / NIRE nº Sociedade Anônima de Capital Aberto Registro CVM nº MRS LOGÍSTICA S/A CNPJ/MF nº 01.417.222/0001-77 NIRE nº 33.300.163.565 Sociedade Anônima de Capital Aberto Registro CVM nº 01794-9 Ata da Reunião do Conselho de Administração da MRS LOGÍSTICA S/A ( ) realizada

Leia mais

5. Proposta do Porto de Itaguaí como Hub Port

5. Proposta do Porto de Itaguaí como Hub Port 5. Proposta do Porto de Itaguaí como Hub Port 5.1. Considerações Gerais A alternativa apresentada no desenvolvimento deste trabalho leva em consideração que a movimentação dos terminais especializados

Leia mais

TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão

TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão TIAGO PEREIRA LIMA DIRETOR DA ANTAQ WORLDCUP INFRASTRUCTURE SUMMIT 8 de Dezembro de 2009. Aspectos Institucionais Criada pela Lei nº 10.233, de 5 de

Leia mais

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL. Setembro 2009

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL. Setembro 2009 LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL Setembro 2009 1 As declarações contidas neste material sobre eventos futuros estão expostas a riscos e incertezas e sujeitas a alterações, decorrentes, entre outros fatores:

Leia mais

Localização 288 Km 240 Km 192 Km 144 Km 96 Km 48 Km PORTO

Localização 288 Km 240 Km 192 Km 144 Km 96 Km 48 Km PORTO Porto de Niterói Localização 288 Km 240 Km 192 Km 144 Km 96 Km 48 Km PORTO Histórico O Porto Organizado de Niterói está localizado na área central do município com sua área de influência, ou seja, sua

Leia mais

Eduardo Bandeira Paulo Silva

Eduardo Bandeira Paulo Silva Eduardo Bandeira Paulo Silva Administração do Porto de Sines, S.A. Vendas Novas, 2 de julho de 2013 Painel 4 Mercados e oportunidades 1 Características físicas do porto HUB (Porta Atlântica da Europa)

Leia mais

MMX MINERAÇÃO Criando alternativas no fornecimento transoceânico de minério de ferro. Junho 2014

MMX MINERAÇÃO Criando alternativas no fornecimento transoceânico de minério de ferro. Junho 2014 MMX MINERAÇÃO Criando alternativas no fornecimento transoceânico de minério de ferro Junho 2014 AVISO Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que

Leia mais

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil Terminal Offshore (T1) 2 1 3.000m 2.600m 3 1. Correia transportadora 2. Carregador de navios 3. T-OIL Terminal Offshore (T1) 25.10.14 80

Leia mais

PORTO DE VILA DO CONDE

PORTO DE VILA DO CONDE EMPREENDIMENTO PORTO DE VILA DO CONDE Programa de Arrendamento de Áreas e Instalações Portuárias o de Vila do Conde 2.423.809 m 2 Belém-PA, janeiro de 2011. COMPANHIA DOCAS DO PARÁ CDP CNPJ: 04.933.552/0001-03

Leia mais

J.L. Hollanda

J.L. Hollanda TERMINAIS ESPECIALIZADOS 1 Surgimento dos navios especializados a partir da década de 50 e 60 Porta-contêiner Roll-on roll-off Neo-bulks Porta-celulose Sea bee Fatores fundamentais: Unitização de cargas

Leia mais

A POLÍTICA PORTUÁRIA BRASILEIRA E O DESENVOLVIMENTO NACIONAL. LEÔNIDAS CRISTINO Ministro da SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR

A POLÍTICA PORTUÁRIA BRASILEIRA E O DESENVOLVIMENTO NACIONAL. LEÔNIDAS CRISTINO Ministro da SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR A POLÍTICA PORTUÁRIA BRASILEIRA E O DESENVOLVIMENTO NACIONAL LEÔNIDAS CRISTINO Ministro da SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR 21SET2011 ANTECEDENTE HISTÓRICO RECENTE DA GESTÃO PORTUÁRIA

Leia mais

VLI e a Logística Integrada

VLI e a Logística Integrada VLI e a Logística Integrada José Osvaldo Cruz 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Modelo de Negócio: Sistema Logístico Integrado A VLI é uma operadora logística de base ferroviária que movimenta

Leia mais

SCPar PORTO DE IMBITUBA S.A.

SCPar PORTO DE IMBITUBA S.A. SCPar PORTO DE IMBITUBA S.A. O Porto de Imbituba está localizado numa enseada aberta junto à Ponta de Imbituba, no litoral Sul de Santa Catarina, a cerca de 90 km da capital Florianópolis. Arrendatários:

Leia mais

Programa de Investimentos em Logística Portuária e apoio da simulação dinâmica via PortoSim. Michel de Norman. Belge Consultoria.

Programa de Investimentos em Logística Portuária e apoio da simulação dinâmica via PortoSim. Michel de Norman. Belge Consultoria. Programa de Investimentos em Logística Portuária e apoio da simulação dinâmica via PortoSim Belge Consultoria Michel de Norman Realização: Royal Palm Plaza Campinas/SP 05 de Setembro de 2013 Agenda Portos

Leia mais

Portos do Paraná anunciam R$ 5,1 bilhões em investimentos privados

Portos do Paraná anunciam R$ 5,1 bilhões em investimentos privados Comércio exterior, logística, portos, transportes, indústrias, serviços, negócios e economia. Home Anuncie Institucional Fale Conosco Assinatura Pesquisar no site... Home» Destaque, Novidade Portos do

Leia mais

NOVOS RUMOS DA GESTÃO PORTUÁRIA

NOVOS RUMOS DA GESTÃO PORTUÁRIA I SIMPÓSIO DE DIREITO MARÍTIMO E PORTUÁRIO OAB SP SP, 26 de novembro de 2015. NOVOS RUMOS DA GESTÃO PORTUÁRIA JOSÉ ALEX BOTÊLHO DE OLIVA, M.Sc. DIRETOR PRESIDENTE COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

LI CENCI AM ENTO AM BI ENTAL = DESENVOLVI M ENTO SUSTENTÁVEL

LI CENCI AM ENTO AM BI ENTAL = DESENVOLVI M ENTO SUSTENTÁVEL LI CENCI AM ENTO AM BI ENTAL = DESENVOLVI M ENTO SUSTENTÁVEL A democracia é um processo, um processo dialético, que vai rompendo os contrários, as antíteses, para, a cada etapa da evolução, incorporar

Leia mais

PROJETO NORDESTE COMPETITIVO

PROJETO NORDESTE COMPETITIVO PROJETO NORDESTE COMPETITIVO Anexo Lista de Eixos e Projetos Brasilia, Outubro de 2012 Este documento é confidencial e não pode ser fornecido a uma outra parte sem autorização da Macrologística Detalhamento

Leia mais

Aplicação do estudo completo para realização de operação de STS atracado a contrabordo nos berços 3-A e 3-B de SUAPE

Aplicação do estudo completo para realização de operação de STS atracado a contrabordo nos berços 3-A e 3-B de SUAPE Aplicação do estudo completo para realização de operação de STS atracado a contrabordo nos berços 3-A e 3-B de SUAPE Francisco Haranaka AB-LO/TM/EO Tecnologia, Eficiência Operacional e Novas Operações

Leia mais

EIXO TRANSPORTES. garantindo maior integração da malha brasileira de Transportes.

EIXO TRANSPORTES. garantindo maior integração da malha brasileira de Transportes. EIXO TRANSPORTES Para integrar as diferentes regiões do Brasil, eliminar gargalos logísticos e garantir que a produção nacional tenha custos mais baixos para os mercados interno e externo, o PAC 2 realiza

Leia mais

TARIFA DO PORTO DE NITERÓI

TARIFA DO PORTO DE NITERÓI TARIFA DO PORTO DE NITERÓI TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO AO PORTO Esta tabela remunerará a utilização das facilidades portuárias constituídas pelos molhes,

Leia mais

TARIFA DO TERMINAL SALINEIRO DE AREIA BRANCA

TARIFA DO TERMINAL SALINEIRO DE AREIA BRANCA TARIFA DO TERMINAL SALINEIRO DE AREIA BRANCA TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO = VANTAGEM QUE USUFRUEM OS NAVIOS, ENCONTRANDO PARA SEU ABRIGO, OU PARA REALIZAÇÃO DE

Leia mais

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Corredores Logísticos Legenda Ferrovias Estrada de Ferro Carajás - EFC Ferrovia Norte Sul FNS Ferrovia Norte Sul FNS (em construção)

Leia mais

A Competitividade da Indústria Química no contexto da Logística

A Competitividade da Indústria Química no contexto da Logística Brasil: uma vocação natural para a indústria química A Competitividade da Indústria Química no contexto da Logística USUPORT Bahia 29 de Novembro de 2016 País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais

Leia mais

SEMINÁRIO LEGISLATIVO DE PORTOS, INTEGRAÇÃO MULTIMODAL E COMÉRCIO EXTERIOR

SEMINÁRIO LEGISLATIVO DE PORTOS, INTEGRAÇÃO MULTIMODAL E COMÉRCIO EXTERIOR SEMINÁRIO LEGISLATIVO DE PORTOS, INTEGRAÇÃO MULTIMODAL E COMÉRCIO EXTERIOR em homenagem aos 200 anos da Abertura dos Portos Brasileiros às Nações Amigas Eficiência portuária O investidor como indutor do

Leia mais

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter. ZPE CEARÁ A primeira a operar no Brasil Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.com/zpeceara CONCEITO A ZPE Zona de Processamento de Exportação é uma área

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS A EXPANSÃO DA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA E OS IMPACTOS AMBIENTAIS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS A EXPANSÃO DA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA E OS IMPACTOS AMBIENTAIS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS A EXPANSÃO DA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA E OS IMPACTOS AMBIENTAIS CRIAÇÃO DA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS Lei nº. 11.518, de 5 de setembro de 2007

Leia mais

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL RESULTADOS DO 2T08

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL RESULTADOS DO 2T08 LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL RESULTADOS DO 2T08 1 As declarações contidas neste material sobre eventos futuros estão expostas a riscos e incertezas e sujeitas a alterações, decorrentes, entre outros fatores:

Leia mais

Vale Logística de Carga Geral. Negócios nos Trilhos Novembro 2011

Vale Logística de Carga Geral. Negócios nos Trilhos Novembro 2011 Vale Logística de Carga Geral Negócios nos Trilhos Novembro 2011 A Vale opera um sistema logístico formado por 10 mil km de malha ferroviária e 8 terminais portuários dedicados à carga geral de terceiros

Leia mais

WEDA Brasil Conferência 2007

WEDA Brasil Conferência 2007 WEDA Brasil Conferência 2007 1ª CONFERÊNCIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DRAGAGEM OPÇÕES DE POLÍTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA DRAGAGEM NO BRASIL PÓS LEI N 11.518/07 Eliane Arêas Fadda, PhD, CENTRAN 9 a

Leia mais

RESOLUÇÃO DP Nº 73/2008, DE 29 DE MAIO DE 2008.

RESOLUÇÃO DP Nº 73/2008, DE 29 DE MAIO DE 2008. RESOLUÇÃO DP Nº 73/2008, DE 29 DE MAIO DE 2008. ESTABELECE AS REGRAS DE ATRACAÇÃO NO CAIS DO SABOÓ E SUAS RESPECTIVAS PRIORIDADES E PREFERÊNCIAS. O DIRETOR-PRESIDENTE DA COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

TERMINAL DE CONTÊINERES DO PORTO DE BELÉM (TECONBEL)

TERMINAL DE CONTÊINERES DO PORTO DE BELÉM (TECONBEL) UFPA Universidade Federal do Pará UFPA Instituto de Tecnologia - Faculdade de Engenharia Naval TERMINAL DE CONTÊINERES DO PORTO DE BELÉM (TECONBEL) AUDIÊNCIA PÚBLICA Belém PA, MAIO / 2012 Localização TERMINAL

Leia mais

ESCLARECIMENTO N 002/ EMAP PREGÃO PRESENCIAL Nº 020/2013-EMAP

ESCLARECIMENTO N 002/ EMAP PREGÃO PRESENCIAL Nº 020/2013-EMAP ESCLARECIMENTO N 002/2014 - EMAP PREGÃO PRESENCIAL Nº 020/2013-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, designado pela Portaria nº 149/2013-PRE, de 29 de agosto de 2013,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Maio 2015

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Maio 2015 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Maio 2015 O Açu é uma solução estruturante para diversas indústrias Exemplo: evolução da indústria do petróleo nos próximos anos Crescimento esperado de 13% ao ano Crescimento

Leia mais

ACESSO COMPETÊNCIA EM LOGÍSTICA PORTO SUDESTE, ITAGUAÍ BRASIL

ACESSO COMPETÊNCIA EM LOGÍSTICA PORTO SUDESTE, ITAGUAÍ BRASIL ACESSO COMPETÊNCIA EM LOGÍSTICA PORTO SUDESTE, ITAGUAÍ BRASIL 2 ACESSO AOS MERCADOS INTERNACIONAIS PARA O MINÉRIO DE FERRO O Porto Sudeste oferece aos produtores de minério de ferro do Quadrilátero Ferrífero

Leia mais

José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010

José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010 José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010 Estudo de Expansão BID Estudo de Acessibilidade USP/FDTE Planejamento Estratégico da CODESP Estudo da

Leia mais

MRS Logística. Negócios nos Trilhos. Nov

MRS Logística. Negócios nos Trilhos. Nov MRS Logística Negócios nos Trilhos Nov - 2011 Quem somos Concessionária Pública de Transporte Ferroviário, que interliga os três principais centros industriais do país: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas

Leia mais

4.1. Brasil volumes movimentados e expansão de atividade

4.1. Brasil volumes movimentados e expansão de atividade 4. Estudo de Caso Com base no exposto até aqui, é apresentado estudo de caso em que se situa o Brasil no contexto de movimentação de contêineres, a evolução nos últimos anos e a concentração de cargas

Leia mais

PROGRAMA. Código: CIVL0038 Obrigatória: Sim Eletiva: Carga Horária : 60 HORAS. Número de Créditos: TEÓRICOS 04; PRÁTICOS 00; TOTAL 04

PROGRAMA. Código: CIVL0038 Obrigatória: Sim Eletiva: Carga Horária : 60 HORAS. Número de Créditos: TEÓRICOS 04; PRÁTICOS 00; TOTAL 04 Disciplina: PORTOS PROGRAMA Código: CIVL0038 Obrigatória: Sim Eletiva: Carga Horária : 60 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS 04; PRÁTICOS 00; TOTAL 04 Pré-Requisito: HIDROLOGIA APLICADA Co-Requisito: EMENTA

Leia mais