Exercícios de Ligações Parafusadas Resolvidos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exercícios de Ligações Parafusadas Resolvidos"

Transcrição

1 11 Exercícios de Ligações Parafusadas 11.1 Resolvidos Ex Ligação Simples Chapas Duas chapas de 204mm x 12,7mm (1/2 ) de aço ASTM A36 são emendadas com chapas laterais de 9,5mm (3/8 ) e parafusos comuns de diâmetro igual à 22mm e aço A307 (f ub = N/m 2 ), conforme figura a seguir. Se as chapas estão sujeitas às forças N g = 200kN e N q = 100kN, oriundas de cargas permanentes e variáveis decorrentes do uso da estrutura, respectivamente, verificar a segurança da emenda no estado limite último para combinações normais. Não é necessário verificar as chapas à tração, assumir que a deformação do furo para forças de serviço é uma limitação de projeto e assumir também que as distâncias máximas e mínimas entre furos, bem como entre furos e bordas, atende aos critérios da NBR8800. Solução: Figura 11.1: Ligação entre as chapas. Primeiramente é necessário determinar qual é o esforço solicitante de cálculo. Este pode ser calculado como: N Sd = γ g N g + γ q N q = 1, , = 430kN A ligação em questão é um caso clássico de ligação sujeita apenas à esforço cortante, sendo portanto necessário checar a ligação em relação ao cisalhamento no parafuso, à pressão de contato na parede dos furos e ao colapso por rasgamento (cisalhamento de bloco). 95

2 Prof. Marco André Argenta Estruturas Metálicas É apresentado primeiro o cálculo para o cisalhamento no parafuso, destacando que todos os parafusos são do tipo comum (C pc = 0, 4), apresentam dois planos de corte, são de aço A307 (f ub = N/m 2 ) e que a força é resistida por 6 (não por 12) parafusos. Dessa maneira, para um parafuso com um único plano de corte (F v,rd,1 ) tem-se: F v,rd,1 = C pca b f ub F v,rd,1 = 46, 74kN = C pc(0, 25πd 2 b )f ub = 0, 4 0, 25 π 2, 22 41, 5 Como esse é o valor para um parafuso com um plano de corte e a ligação é composta por 6 parafusos com 2 planos de corte cada, é necessário multiplicar esse valor por 6x2 = 12, como mostrado a seguir: F v,rd = F v,rd,1 6 2 = 46, = 560, 91kN O valor da força solicitante de cisalhamento total para os parafusos (F v,sd = 430kN) é menor que a força resistente de cisalhamento total dos parafusos (F v,rd = 560, 91kN), a ligação atende à esse critério. O próximo passo é verificar a ligação em relação à pressão de contato na parede dos furos. O primeiro aspecto que deve ser notado é que tanto as chapas de 12,7mm quanto as chapas de 9,5mm de espessura devem ser checadas, entretanto a força atuando em cada uma não é a mesma. A força atuando na chapa de 12,7mm tem valor igual à N sd = 430kN, enquanto a força nas chapas de 9,5mm tem valor igual à N sd /2 = 430kN/2 = 215kN já que metade é resistida pela chapa de 9,5mm no topo e a outra metade pela chapa de 9,5mm de baixo. Ambos os casos serão calculados. Ainda, é importante observar que no cálculo de l f é necessário considerar o diâmetro do furo padrão igual à d furo = d b +1, 5mm. Sendo assim, serão checados portanto os casos dos parafusos externos (parafuso mais próximo à borda da ligação) e os parafusos internos (mais distantes da borda da ligação). Por último, tem-se que C pl = 1, 2 e C fp = 2, 4 pois trata-se de um furo padrão e a deformação do furo para forças de serviço é uma limitação de projeto. É apresentado primeiro o caso para um único parafuso externo (F c,rd ext,1 ) da chapa de 12,7mm: d furo = d b + 1, 5mm = 22mm + 1, 5mm = 23, 5mm l f = dist borda 0, 5d = 51mm 0, 5 23, 5mm = 39, 25mm F c,rd ext,1 = C pll f tf u 1, 2 3, 925 1, 27 40, 0 C fpd b tf u 2, 4 2, 2 1, 27 40, 0 177, 23kN 198, 68kN F c,rd ext,1 = 177, 23kN Na sequência, o mesmo é feito para um único parafuso interno (F c,rd int,1 ) da chapa de 12,7mm: l f = dist entre parafusos 2 (0, 5d) = 70mm 2 (0, 5 23, 5mm) = 46, 50mm F c,rd int,1 = C pll f tf u 1, 2 4, 650 1, 27 40, 0 C fpd b tf u 2, 4 2, 2 1, 27 40, 0 209, 97kN 198, 68kN F c,rd int,1 = 198, 68kN Como há 6 parafusos por ligação, 3 internos e 3 externos, os respectivos valores de F c,rd,1 devem ser multiplicado pelo número de parafusos. Dessa forma, tem-se: F c,rd = F c,rd ext,1 3 + F c,rd int,1 3 = 177, , 68 3 = 1127, 73kN Como o valor encontrado da força resistente de cálculo à pressão de contato total da ligação é maior que a força solicitante de cálculo à pressão de contato da ligação (F c,rd = 1127, 73kN > F c,rd = 430kN), a chapa de 12,7mm a ligação atende ao critério exigido. Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 96

3 Estruturas Metálicas Prof. Marco André Argenta O mesmo cálculo será apresentado para a chapa de 9,5mm. Percebendo-se que os valores de l f são iguais aos valores para a outra chapa (uma vez que, nesse caso específico, as distâncias até ambas as bordas das chapas são iguais, o que não ocorrerá obrigatoriamente todas as vezes), tem-se para os parafusos externos: l f = dist borda 0, 5d = 51mm 0, 5 23, 5mm = 39, 25mm F c,rd ext,1 = C pll f tf u 1, 2 3, 925 0, 95 40, 0 C fpd b tf u Analogamente, para os parafusos internos tem-se: 2, 4 2, 2 0, 95 40, 0 132, 57kN 148, 62kN F c,rd ext,1 = 132, 57kN l f = dist entre parafusos 2 (0, 5d) = 70mm 2 (0, 5 23, 5mm) = 46, 50mm F c,rd int,1 = C pll f tf u 1, 2 4, 65 0, 95m 40, 0 C fpd b tf u 2, 4 2, 2 0, 95 40, 0 157, 07kN 148, 62kN F c,rd int,1 = 148, 62kN Para a ligação como um todo o cálculo é apresentado na sequência: F c,rd = F c,rd ext,1 3 + F c,rd int,1 3 = 132, , 62 3 = 843, 57kN Novamente, percebe-se que a força resistente de cálculo à pressão de contato total da ligação é maior que a força solicitante de cálculo à pressão de contato da ligação (F c,rd = 843, 57kN > F c,rd = 430kN/2 = 215kN), a chapa de 9,5mm a ligação atende ao critério exigido. O caso para a chapa de 12,7mm é o caso crítico entre as duas já que F c,rd é apenas 2,62 vezes maior que F c,sd, enquanto que para a chapa de 9,5mm esse valor é 3,92 vezes maior. Por último, é necessário checar o colapso por rasgamento da ligação. Deve-se notar que o valor para o diâmetro do furo usado para esta conferência é igual à d furo = d b + 1, 5mm + 2, 0mm. Sendo assim, calcula-se para o caso crítico (mostrado na figura 11.1 em hachurado) a área bruta sujeita à cisalhamento (A gv ), a área líquida sujeita à cisalhamento (A nv ) e a área líquida sujeita à tração (A nt ), sendo n o número de vezes que a área se repete na ligação: d furo,ef = d b + 1, 5mm + 2, 0mm = 22mm + 1, 5mm + 2, 0mm = 25, 5mm A gv = (70mm + 51mm) t n = 12, 1 1, 27 2 = 30, 7cm 2 A nv = (70mm + 51mm 1, 5d furo ) t n = (12, 1 1, 5 2, 55) 1, 27 2 = 21, 0cm 2 A nt = (38mm + 38mm 2 0, 5d furo ) t n = (7, 6 1, 0 2, 55) 1, 27 2 = 12, 8cm 2 Com esses valores e sendo este um dos casos em que C t = 1, 0, calcula-se a força resistente de cálculo ao colapso por rasgamento como sendo: F r,rd = 0, 6f ua nv + C ts f u A nt 0, , , 8 0, 6f ya gv + C ts f u A nt 0, , 7 + 1, , 8 752, 59kN 720, 37kN F r,rd = 720, 37kN Como F r,rd = 720, 37kN > F r,sd = 430kN, a ligação atende ao último critério, estando portanto corretamente dimensionada. Destaca-se que não foram checadas as distâncias mínimas e máximas entre parafusos, bem como entre parafusos e bordas, apenas pelo fato do enunciado ter explicitamente dito que estavam de acordo com a norma. Caso contrário, esses deveriam ser checados. Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 97

4 Prof. Marco André Argenta Estruturas Metálicas Ex Cantoneiras parafusadas em uma linha Desprezando o pequeno efeito da excentricidade introduzida pela ligação, calcular qual é a força resistente de cálculo ao colapso por rasgamento para a ligação apresentada a seguir. Assumir parafusos com diâmetro igual à 12,7mm (1/2 ) de aço A307 e que se trata da ligação de um tirante de uma treliça de telhado constituído por duas cantoneiras 63x6,3mm (2 1/2 x1/4 ) conectadas à uma chapa de 6,3mm. Solução: Figura 11.2: Cantoneiras parafusadas em uma linha. Antes de calcular as áreas líquidas e bruta, deve-se notar que o rasgamento não pode ocorrer sobre a aba da cantoneira, pois este tem uma área muito superior à área do lado em que não há aba. Ainda, como a distância dos parafusos ao limite da chapa de 6,3mm não foi informada, pode-se assumir que esse distância será tão grande que não representará a situação crítica da ligação. A partir disso, calcula-se para o caso crítico (mostrado na figura do exercício 11.2 em hachurado) a área bruta sujeita à cisalhamento (A gv ), a área líquida sujeita à cisalhamento (A nv ) e a área líquida sujeita à tração (A nt ), sendo n o número de vezes que a área se repete na ligação. O diâmetro do furo deve ser utilizado em seu valor efetivo, acrescentando-se 2,0mm ao diâmetro real do furo d furo = d b + 1, 5mm + 2, 0mm = 12, 7mm + 1, 5mm + 2, 0mm = 16, 2mm A gv = (4, 0 + 4, 0 + 4, 0 + 4, 0 + 2, 5) t n = 18, 5 0, 63 2 = 23, 31cm 2 A nv = (4, 0 + 4, 0 + 4, 0 + 4, 0 + 2, 5 4, 5d furo ) t n = (18, 5 4, 5 1, 62) 0, 63 2 = 14, 125cm 2 A nt = (2, 9 0, 5d furo,ef ) t n = (2, 9 0, 5 1, 62) 0, 63 2 = 2, 633cm 2 Com esses valores e sendo este um dos casos em que C t = 1, 0, calcula-se a força resistente de cálculo ao colapso por rasgamento como sendo: F r,rd = 0, 6f ua nv + C ts f u A nt 0, , , , 633 0, 6f ya gv + C ts f u A nt 0, , , , , 126kN 337, 015kN F r,rd = 329, 126kN Ex Ligação Parafusada Corte Excêntrico Simples Calcular a força solicitante de cálculo da ligação da figura a seguir, assumindo que os conectores são parafusos de aço ASTM A307 com diâmetro de 19mm (3/4 ) e Q é proveniente de cargas permanentes. O aço da chapa de ligação é o MR250. Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 98

5 Estruturas Metálicas Prof. Marco André Argenta Solução: Figura 11.3: Ligação parafudada com excentricidade da carga no plano de cisalhamento. Como a chapa de 25mm está conectada ao lado do pilar, pode-se afirmar que trata-se de um caso de ligação excêntrica por corte. Ao analisar a ligação percebe-se que o parafuso 2 está localizado exatamente no centro geométrico dos parafusos, estando sujeito portanto apenas à esforços cortantes (d 2 = 0). Ainda, os parafusos 1 e 3 são equidistantes e deverão resistir à combinação dos esforços de corte e momento de mesma intensidade (d 1 = d 3 ) causados pela carga Q. Dessa forma, a máxima solicitação para os parafusos será ocorrerá nos parafusos 1 (que é igual ao parafuso 3), portanto tem-se que a força Q majorada e a força cisalhante vertical (R y ) atuando neste parafuso serão: F Sd = γ p Q = 1, 4Q M = F Sd e = 1, 4Q 15 = 21Q n n d 2 1 = (x y1) 2 = 2(0 2 + (8) 2 ) = 128 i=1 i=1 R y = P y n + Mx 1 n i=1 d2 1 = 1, 4Q 3 Na sequência, a componente horizontal (R x ) será igual à: R x = P x n + My 1 n i=1 d Q = Q = 0, 467Q = 1, 3125Q A resultante por composição vetorial é então: F v,sd = Rx 2 + Ry 2 = (1, 3125Q) 2 + (0, 467Q) 2 = 1, 7795Q Esse valor deverá checado para a força de cisalhamento no parafuso, à pressão de contato na parede dos furos e ao colapso por rasgamento (cisalhamento de bloco), da mesma forma que o primeiro exercício. Ex Ligação Parafusada à flexão excêntrica Verificar as tensões nos conectores do consolo das figuras a e b, assumir parafusos ASTM A307 com diâmetro 16mm e que os casos de força resistente de cálculo à pressão de contato na parede dos furos e ao colapso por rasgamento (cisalhamento de bloco) não são críticos. Adotar ainda estado limite de projeto, com coeficiente de majoração das ações igual à 1,4. Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 99

6 Prof. Marco André Argenta Estruturas Metálicas Figura 11.4: Ligação parafusada com excentricidade à flexão. Solução: Trata-se de uma ligação excêntrica por flexão já que parte dos parafusos superiores estão sujeitos à tração e ao cisalhamento. Dessa forma, o esforço de tração para o parafuso crítico pode ser calculado como: a = ma p 2 π 0, 25 1, 62 = = 0, 804cm p 5, 0 h 2, 5 + 5, 0 + 5, 0 + 5, 0 + 5, 0 + 5, 0 + 2, 5 c 2 = = b ,804 a 30 c 2 = = 5, 010cm , 804 c 1 = h c 2 = 30 5, 010 = 24, 990cm I x = ac bc , , 9903 = + 3 I x 5020, 82 24, 990 5,0 2 W x = c 1 p = , = 223, 247cm 3 = 5020, 82cm 4 Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 100

7 Estruturas Metálicas Prof. Marco André Argenta f t = M = γqe 1, , 0 = = 9, 407kN/cm 2 W x W x 223, 247 F t,sd = f t A p = 9, 407 π 0, 25 1, 6 2 = 18, 913kN Ainda, o esforço cisalhante por parafuso pode ser calculado como: F v,sd = γq 1, = = 11, 67kN n 12 Como o enunciado afirmou que os casos de força resistente de cálculo à pressão de contato na parede dos furos e ao colapso por rasgamento (cisalhamento de bloco) não são críticos, deve-se então checar se as forças solicitantes encontradas são inferiores à força resistente de cálculo de cisalhamento no parafuso, bem como a força de cálculo de tração no parafuso. É apresentado primeiro o cálculo para o cisalhamento no parafuso, destacando que todos os parafusos são do tipo comum (C pc = 0, 4), apresentam um planos de corte, são de aço A307 (f ub = 41, 5kN/cm 2 ) e que a força é resistida por 12 parafusos. Dessa maneira, para um parafuso com um único plano de corte (F v,rd ) tem-se: F v,rd = C pca b f ub F v,rd = 24, 72kN = C pc(0, 25πd 2 b )f ub = 0, 4 0, 25 π 1, 62 41, 5 Na sequência é apresentado o cálculo para um parafuso sujeito à tração: F t,rd = 0, 75A bf ub = 0, 75 0, 25 π 1, 62 41, 5 = 46, 36kN Quando a ligação é excêntrica por flexão não basta apenas que os esforços resistentes sejam maiores que os esforços solicitantes, eles devem ainda atender à inequação apresentada a seguir, a qual é calculada para um único parafuso (não para a ligação inteira). ( Ft,Sd ) 2 + ( Fv,Sd ) 2 1, 0 F t,rd ( 17, 46 46, 36 ) 2 + F v,rd ( ) 11, , 0 24, 72 0, , = 0, , 0 OK! Dessa forma, pode-se afirmar que a ligação está corretamente dimensionada Propostos, nível iniciante Ex Chapa tracionada ligação simples A chapa tracionada CH 12,7 x 152,4 mm é conectada a uma chapa gusset de 9,53 mm de espessura com parafusos ISO Classe 4.6 de 22,23 mm de diâmetro. a) Verifique todos os espaçamentos e distâncias de bordas (em mm na figura); b) Calcule a resistência da ligação. Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 101

8 Prof. Marco André Argenta Estruturas Metálicas Figura 11.5: Chapa tracionada com ligação parafusada simples. Ex Chapa tracionada linha dupla A chapa tracionada da figura é uma CH 12,7 x 139,7 mm de aço A36 e está conectada a uma chapa gusset de 9,53 mm de espessura (também de aço A36) com parafusos A307 de 19,05 mm de diâmetro. a) Verifique todos os espaçamentos e distâncias de bordas (em mm na figura); b) Calcule a resistência da ligação. Figura 11.6: Chapa tracionada com dupla linha de parafusos. Ex Ligação de topo com chapas As chapas de 12,7 mm de espessura estão conectadas através de duas chapas de ligação de 6,35 mm de espessura, conforme figura. Os parafusos A307 possuem 22,23 mm de diâmetro. As chapas de aço A36. a) Verifique todos os espaçamentos e distâncias de bordas (em mm na figura); b) Calcule a resistência da ligação. Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 102

9 Estruturas Metálicas Prof. Marco André Argenta Figura 11.7: Esquema da ligação de topo com chapas. Ex Quantidade de parafusos Determine quantos parafusos de 22,23 mm de diâmetro de A307 são necessários na ligação da figura. Figura 11.8: Esquema para posicionamento dos parafusos Propostos, nível intermediário Ex Barra atirantada U Uma barra atirantada de uma treliça sujeita a uma carga característica acidental de 720 kn, é constituída por dois perfis U 250 x 29,8 kg/m, prendendo-se a uma chapa gusset de 12,7 mm por meio de parafusos A307 de 19,05 mm de diâmetro. Verificar a segurança da ligação em projeto. Desconsidere o peso próprio. Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 103

10 Prof. Marco André Argenta Estruturas Metálicas Figura 11.9: Esquema de ligação da barra atirantada. Ex Dimensionamento Completo Um C 254x22,7 kg/m de aço A242 é usado como barra tracionada e deverá ser conectado a uma chapa gusset de 12,7 mm de espessura de aço A36. As solicitações características da barra são uma carga permanente de 178 kn e uma carga acidental de uso de 356 kn. Determine a quantidade e o diâmetro dos parafusos a serem utilizados, assim como os seus espaçamentos. Não é necessário verificar o perfil C à tração. Figura 11.10: Esquema inicial para a composição da ligação. Ex Máximo de parafusos com mesas rígidas Determinar o número mínimo de parafusos A325 de 22 mm de diâmetro necessários para a ligação à tração da figura. Admitir que as chapas das mesas são bastante rígidas. Figura 11.11: Equema de ligação das mesas com parafusos. Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 104

11 Estruturas Metálicas Prof. Marco André Argenta Ex Ligação tracionada cantoneira Verifique a ligação tracionada da figura levando em conta os efeitos de alavanca. As cargas são de 27 kn permanente e 67 kn acidental de uso. As cantoneiras 2L 101,6 x 101,6 x 15,88 mm são de aço A36 e as chapas de 22,23 mm de espessura e também A36. Os parafusos são A307 de 12,7 mm de diâmetro. Figura 11.12: Detalhamento da ligação tracionada. Ex Parafusos com dupla ligação Uma barra tracionada de cantoneira dupla deve ser conectada a uma chapa gusset de 22,23 mm de espessura a qual é, por sua vez, conectada a outro par de cantoneiras como mostrado na figura. A carga característica solicitante de 534 kn é composta de 25 % de carga permanente de pesos próprios e 75 % de carga acidental de uso. Todas as conexões devem ser executadas para trabalharem ao atrito com parafusos de 22,23 mm, A490. O centro de gravidade dos parafusos deve passar pela linha de ação da força solicitante. Determine o número de parafusos para cada região da ligação e seu posicionamento nas peças. A coluna é de aço A992 e as cantoneiras e chapas de MR250. Figura 11.13: Ligação parafusada com dupla ligação. Ex Excêntrica por corte Uma chapa de ligação recebe uma carga inclinada de 120 kn. Os conectores são parafusos A325 em ligação por atrito com 12,7 mm de diâmetro e espaçamento padronizado, conforme figura. Determinar a espessura mínima da chapa para que a pressão de apoio não seja determinante. Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 105

12 Prof. Marco André Argenta Estruturas Metálicas Figura 11.14: Ligação excêntrica com parafusos ao corte. Ex Excêntrica por Corte Horizontal Parafusos A307 são utilizados na ligação da figura abaixo. Usando a análise elástica, determine o diâmetro desses parafusos para conectar essas chapas de A36. A carga característica consiste em 11 kn de carga permanente de peso próprio e de 33 kn de carga acidental de uso. Figura 11.15: Ligação soldada excêntrica com carga horizontal. Ex Excêntrica por Flexão Verifique se os parafusos A325 de 19,05 de diâmetro resistem, na ligação da figura, a uma reação característica da viga de 156 kn (44,5 kn permanente de peso próprio e 111,5 kn acidental de uso). A viga, a coluna e o T de ligação são de aço A992. Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 106

13 Estruturas Metálicas Prof. Marco André Argenta Figura 11.16: Ligação Parafusada excêntrica por flexão Propostos, nível graduado Ex Ligação Viga-Pilar Os seguintes elementos estruturais metálicos utilizam aço A36 para as cantoneiras e A992 para a viga e as colunas. Pede-se: a) Determine um perfil para a viga para suportar, em adição ao seu peso próprio, uma carga característica acidental de uso de 73 kn/m. A mesa comprimida está continuamente contida. Utilize o ELU para o dimensionamento; b) Dimensione a ligação parafusada com cantoneiras de abas iguais. Determine o diâmetro e quantidade de parafusos, assim como os seus espaçamentos e sua resistência. Verifique também as cantoneiras e determine sua dimensão o seu comprimento; c) Prepare um memorial e cálculo e um detalhamento construtivo. Obs.: As ligações são idênticas em ambas as extremidades da viga. Figura 11.17: Esquema da ligação viga pilar. Capítulo 11. Exercícios de Ligações Parafusadas 107

Ligações Parafusadas. 9.1 Tipos de ligações parafusadas

Ligações Parafusadas. 9.1 Tipos de ligações parafusadas 9 Ligações Parafusadas Tanto as ligações parafusadas quanto as ligações soldadas são utilizadas largamente nas ligações de fábrica e de campo de estruturas metálicas. É muito comum a utilização de soldas

Leia mais

Figura 4.1: Chapa submetida à tração. f y = 250MP a = 25kN/cm 2 A área bruta necessária pode ser determinada através do escoamento da seção bruta:

Figura 4.1: Chapa submetida à tração. f y = 250MP a = 25kN/cm 2 A área bruta necessária pode ser determinada através do escoamento da seção bruta: 4 Exercícios de Tração 4.1 Resolvidos Ex. 4.1.1 Chapa simples tracionada Calcular a espessura necessária de uma chapa de 100 mm de largura, sujeita a um esforço axial de 100 kn (10 tf) de cálculo, figura

Leia mais

Figura 4.1: Chapa submetida à tração =

Figura 4.1: Chapa submetida à tração = 4 Exercícios de Tração 4.1 Resolvidos Ex. 4.1.1 Chapa simples tracionada Calcular a espessura necessária de uma chapa de 100 mm de largura, sujeita a um esforço axial de 100 KN (10 tf), figura 4.1. Resolver

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS E DE MADEIRAS PROF.: VICTOR MACHADO

ESTRUTURAS METÁLICAS E DE MADEIRAS PROF.: VICTOR MACHADO ESTRUTURAS METÁLICAS E DE MADEIRAS PROF.: VICTOR MACHADO UNIDADE II - ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES COM CONECTORES TIPOS DE CONECTORES Rebites Conectores instalados a quente Aperto muito impreciso e variável

Leia mais

TIPOS DE CONECTORES. Conector: Meio de união que trabalha através de furos feitos nas chapas.

TIPOS DE CONECTORES. Conector: Meio de união que trabalha através de furos feitos nas chapas. ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES COM CONECTORES Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá TIPOS DE CONECTORES Conector: Meio de união que trabalha através de furos feitos nas chapas. Rebites; Parafusos comuns;

Leia mais

Exercícios de Compressão. 5.1 Resolvidos

Exercícios de Compressão. 5.1 Resolvidos 5 Exercícios de Compressão 5.1 Resolvidos Ex. 5.1.1 Comparação entre seções comprimidas A figura desse problema mostra diversas formas de seção transversal com a área da seção transversal aproximadamente

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO

ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO ESTRUTURAS METÁLICAS DE AÇO LIGAÇÕES POR CONECTORES Edson Cabral de Oliveira TIPOS DE CONECTORES E DE LIGAÇÕES O conector é um meio de união que trabalha através de furos feitos nas chapas. Tipos de conectores:

Leia mais

CAMPUS CATALÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Estruturas de Aço. Tópico:

CAMPUS CATALÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Estruturas de Aço. Tópico: CAMPUS CATALÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Estruturas de Aço Tópico: Conceituação de Ligações e Dimensionamento e Verificação de Ligações Parafusadas. 1 1. Conceitos Gerais O termo LIGAÇÃO se aplica

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS 9 LIGAÇÕES parte 2

ESTRUTURAS METÁLICAS 9 LIGAÇÕES parte 2 PUC Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Civil ESTRUTURAS METÁLICAS 9 LIGAÇÕES parte 2 Professor: Juliano Geraldo Ribeiro Neto, MSc. Goiânia, junho de 2016. 9.5 CONDIÇÕES

Leia mais

Dimensionamento de Estruturas em Aço. Parte 1. Módulo. 2ª parte

Dimensionamento de Estruturas em Aço. Parte 1. Módulo. 2ª parte Dimensionamento de Estruturas em Aço Parte 1 Módulo 2 2ª parte Sumário Módulo 2 : 2ª Parte Dimensionamento de um Mezanino Estruturado em Aço 1º Estudo de Caso Mezanino página 3 1. Cálculo da Viga V2 =

Leia mais

SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO. Generalidades. (Item 6.1 da NBR 8800/2008)

SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO. Generalidades. (Item 6.1 da NBR 8800/2008) SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO Ligações em Estruturas Metálicas MAJ MONIZ DE ARAGÃO Generalidades d (Item 6.1 da NBR 8800/2008) Item 6.1 NBR 8800 / 2008 Elementos de ligação:

Leia mais

Dimensionamento de Estruturas em Aço. Parte 1. Módulo. 2ª parte

Dimensionamento de Estruturas em Aço. Parte 1. Módulo. 2ª parte Dimensionamento de Estruturas em Aço Parte 1 Módulo 3 2ª parte Sumário Módulo 3 : 2ª Parte Dimensionamento de um Galpão estruturado em Aço Dados de projeto página 3 1. Definição página 5 2. Combinações

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES - APOIOS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá LIGAÇÕES Edificações Ligações entre vigas; Ligações entre viga e coluna; Emenda de colunas; Emenda de vigas; Apoio de colunas;

Leia mais

AULA 03: DIMENSIONAMENTO DE LIGAÇÕES PARAFUSADAS

AULA 03: DIMENSIONAMENTO DE LIGAÇÕES PARAFUSADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 113 ESTRUTURAS DE CONCRETO, METÁLICAS E DE MADEIRA AULA 03: DIMENSIONAMENTO DE

Leia mais

Exercícios de Flexão. 6.1 Resolvidos

Exercícios de Flexão. 6.1 Resolvidos 6 xercícios de Flexão 6.1 Resolvidos x. 6.1.1 Comparação de Momentos Resistentes Comparar os momentos resistentes de projeto de uma viga de perfil laminado W 530x5, 0kg/m com uma viga soldada V S500x6,

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS PEÇAS TRACIONADAS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS PEÇAS TRACIONADAS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS PEÇAS TRACIONADAS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá Peças Tracionadas Denominam-se peças tracionadsas as peças sujeitas a solicitação de tração axial, ou tração simples. Tirantes

Leia mais

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento.

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a figura 1.17a. Se AB tiver diâmetro de 10 mm

Leia mais

I. TIPOS DE LIGAÇÃO I.1. INTRODUÇÃO:

I. TIPOS DE LIGAÇÃO I.1. INTRODUÇÃO: I. TIPOS DE LIGAÇÃO I.1. INTRODUÇÃO: Neste curso estudaremos as ligações usuais em estruturas metálicas. O termo ligações é utilizado para ligações entre componentes de um perfil, emendas de barras, ligações

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I A - Tensão Normal Média 1. Ex. 1.40. O bloco de concreto tem as dimensões mostradas na figura. Se o material falhar quando a tensão normal média atingir 0,840

Leia mais

3 DIMENSIONAMENTO À TRAÇÃO SIMPLES 3.1 CONCEITOS GERAIS 3.2 EQUAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO FORÇA AXIAL RESISTENTE DE CÁLCULO

3 DIMENSIONAMENTO À TRAÇÃO SIMPLES 3.1 CONCEITOS GERAIS 3.2 EQUAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO FORÇA AXIAL RESISTENTE DE CÁLCULO 3 DIMENSIONAMENTO À TRAÇÃO SIMPLES As condições para o dimensionamento de peças metálicas à tração simples estão no item 5.2 da NBR 8800. Essa seção (seção 5) da NBR trata do dimensionamento de elementos

Leia mais

III. LIGAÇÕES PARAFUSADAS

III. LIGAÇÕES PARAFUSADAS III. LIGAÇÕES PARAFUSADAS III.1 - INTRODUÇÃO Tanto as ligações parafusadas quanto as ligações soldadas são utilizadas largamente nas ligações de fábrica e de campo de estruturas metálicas. É muito comum

Leia mais

Conceituação de Projeto

Conceituação de Projeto Noção Gerais sobre Projeto de Estruturas Metálicas Etapas e documentos de projetos Diretrizes normativas e Desenhos de projeto Eng. Wagner Queiroz Silva, D.Sc UFAM Conceituação de Projeto Pré-projeto ou

Leia mais

Estruturas de Aço e Madeira Aula 10 Ligações com Solda

Estruturas de Aço e Madeira Aula 10 Ligações com Solda Estruturas de Aço e Madeira Aula 10 Ligações com Solda - Tipos de Solda; - Definições para Soldas de Filete; - Simbologia e Dimensionamento de Soldas de Filete; Prof. Juliano J. Scremin 1 Aula 10 - Seção

Leia mais

1 INTRODUÇÃO CONCEITOS GERAIS DO COMPORTAMENTO DAS LIGAÇÕES LIGAÇÕES SOLDADAS... 7

1 INTRODUÇÃO CONCEITOS GERAIS DO COMPORTAMENTO DAS LIGAÇÕES LIGAÇÕES SOLDADAS... 7 INDICE CAPÍTULO 7 LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS (PARTE1)... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS DO COMPORTAMENTO DAS LIGAÇÕES... 3 3 LIGAÇÕES SOLDADAS... 7 3.1 Solda de filete... 8 3.1.1 Tipos de

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS, MADEIRAS E ESPECIAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS, MADEIRAS E ESPECIAIS ESTRUTURAS METÁLICAS, MADEIRAS E ESPECIAIS TARSO LUÍS CAVAZZANA Engenheiro Civil, Mestre em Recursos Hídricos e Tecnologias Ambientais, MBA em Gestão Empresarial tarsocavazzana@yahoo.com.br Plano de ensino

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO DE UM EDIFÍCIO COMERCIAL EM ESTRUTURA METÁLICA

ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO DE UM EDIFÍCIO COMERCIAL EM ESTRUTURA METÁLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERIAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTRUTURAS ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO DE UM EDIFÍCIO COMERCIAL EM ESTRUTURA

Leia mais

Estruturas de Aço e Madeira Aula 17 Peças de Madeira Ligadas por Parafusos e Pregos

Estruturas de Aço e Madeira Aula 17 Peças de Madeira Ligadas por Parafusos e Pregos Estruturas de Aço e Madeira Aula 17 Peças de Madeira Ligadas por Parafusos e Pregos - Generalidades sobre Ligações em Madeira; - Ligações com Pinos Metálicos; Prof. Juliano J. Scremin 1 Aula 17 - Seção

Leia mais

1. Ligações em estruturas de aço

1. Ligações em estruturas de aço 1. Ligações em estruturas de aço Bibliografia: ABNT NBR 8800:2008 Projeto de estruturas de aço e de estrutura mista de aço e concreto de edifícios QUEIROZ, G.; VILELA, P. M. L. Ligações, regiões nodais

Leia mais

Estudo de Caso - Prédio Comercial de 2 pavimentos EAD - CBCA. Módulo

Estudo de Caso - Prédio Comercial de 2 pavimentos EAD - CBCA. Módulo Estudo de Caso - Prédio Comercial de 2 pavimentos EAD - CBCA Módulo 7 h Sumário Módulo 7 Estudo de Caso - Prédio Comercial de 2 pavimentos 1. Concepção página 5 1.1. Análise da Arquitetura página 5 1.2.

Leia mais

1ª Lista de exercícios Resistência dos Materiais IV Prof. Luciano Lima (Retirada do livro Resistência dos materiais, Beer & Russel, 3ª edição)

1ª Lista de exercícios Resistência dos Materiais IV Prof. Luciano Lima (Retirada do livro Resistência dos materiais, Beer & Russel, 3ª edição) 11.3 Duas barras rígidas AC e BC são conectadas a uma mola de constante k, como mostrado. Sabendo-se que a mola pode atuar tanto à tração quanto à compressão, determinar a carga crítica P cr para o sistema.

Leia mais

Parâmetros para o dimensionamento

Parâmetros para o dimensionamento Parâmetros para o dimensionamento Disponível em http://www.chasqueweb.ufrgs.br/~jeanmarie/eng01208/eng01208.html Projeto em Alvenaria estrutural Concepção estrutural; Modulação; Integração entre estrutura

Leia mais

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2. 4ª. Edição revisada e atualizada

LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2. 4ª. Edição revisada e atualizada LIGAÇÕES EM ESTRUTURAS METÁLICAS VOLUME 2 4ª. Edição revisada e atualizada Série Manual de Construção em Aço Galpões para Usos Gerais Ligações em Estruturas Metálicas Edifícios de Pequeno Porte Estruturados

Leia mais

CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T

CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T CÁLCULOS DE VIGAS COM SEÇÃO T Introdução Nas estruturas de concreto armado, com o concreto moldado no local, na maioria dos casos as lajes e as vigas que as suportam estão fisicamente interligadas, isto

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1 Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 Prof: Diego R. Alba 1. O macaco AB é usado para corrigir a viga defletida DE conforme a figura. Se a força compressiva

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Lista de Exercício Aula 3 TENSÃO E DEFORMAÇÃO A - DEFORMAÇÃO NORMAL 1 - Ex 2.3. - A barra rígida é sustentada por um pino em A e pelos cabos BD e CE. Se a carga P aplicada à viga provocar um deslocamento

Leia mais

Alta resistência. Coeficientes Parciais γ f : Combinações Ações Especiais / Normais

Alta resistência. Coeficientes Parciais γ f : Combinações Ações Especiais / Normais Propriedades Gerais dos Aços: Propriedade Valor Módulo de Elasticidade E = 200.000 MPa Módulo de Elasticidade Transversal G = 70.000 MPa Coeficiente de Poisson ν = 0,3 Coeficiente de Dilatação Térmica

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS E DE MADEIRAS PROF.: VICTOR MACHADO

ESTRUTURAS METÁLICAS E DE MADEIRAS PROF.: VICTOR MACHADO ESTRUTURAS METÁLICAS E DE MADEIRAS PROF.: VICTOR MACHADO UNIDADE II - ESTRUTURAS METÁLICAS VIGAS DE ALMA CHEIA INTRODUÇÃO No projeto no estado limite último de vigas sujeitas à flexão simples calculam-se,

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes A - Deformação normal Professor: José Junio Lopes Lista de Exercício - Aula 3 TENSÃO E DEFORMAÇÃO 1 - Ex 2.3. - A barra rígida é sustentada por um pino em A e pelos cabos BD e CE. Se a carga P aplicada

Leia mais

6.) Dimensionamento no ELU - Flexão

6.) Dimensionamento no ELU - Flexão 6.) Dimensionamento no ELU - Flexão Para optar pelo dimensionamento a flexão - ELU - pela NB1/03, fornecemos no arquivo de critérios: Embora este item quase não tenha sofrido alteração de Norma, vamos

Leia mais

Figura 1: Corte e planta da estrutura, seção transversal da viga e da laje da marquise

Figura 1: Corte e planta da estrutura, seção transversal da viga e da laje da marquise Exemplo 4: Viga de apoio de marquise 1. Geometria e resistências ELU: Torção Combinada, Dimensionamento 1,50 m h=0,50 m 0,10 m 0,20 m Espessura mínima da laje em balanço cf. item 13.2.4.1 e = 1, cf. Tabela

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UNIÕES UTILIZANDO CONECTORES METÁLICOS PARAFUSOS

DIMENSIONAMENTO DE UNIÕES UTILIZANDO CONECTORES METÁLICOS PARAFUSOS 03/12/2015 14:18:18 1 Manaus, 2015 MINICURSO Eng. Civil A SEREM ABORDADOS NESTE MINICURSO: - Contextualização; - Características dos Conectores Metálicos - Parafusos; - Normas; - Princípios básicos da

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS VIGAS EM TRELIÇAS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS VIGAS EM TRELIÇAS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS VIGAS EM TRELIÇAS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá As treliças são constituídas de segmentos de hastes, unidos em pontos denominados nós, formando uma configuração geométrica

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESFORÇO CORTANTE

CAPÍTULO 3 ESFORÇO CORTANTE CAPÍTULO 3 ESFORÇO CORTANTE 1 o caso: O esforço cortante atuando em conjunto com o momento fletor ao longo do comprimento de uma barra (viga) com cargas transversais. É o cisalhamento na flexão ou cisalhamento

Leia mais

Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA. Módulo

Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA. Módulo Curso de Dimensionamento de Estruturas de Aço Ligações em Aço EAD - CBCA Módulo 3 Sumário Módulo 3 Dimensionamento das vigas a flexão 3.1 Dimensionamento de vigas de Perfil I isolado página 3 3.2 Dimensionamento

Leia mais

Professora: Engª Civil Silvia Romfim

Professora: Engª Civil Silvia Romfim Professora: Engª Civil Silvia Romfim CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO Flexão simples reta Flexão oblíqua Flexão composta Flexo-tração Flexo-compressão Estabilidade lateral de vigas de seção retangular Flexão

Leia mais

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade TENSÃO Introdução A mecânica dos sólidos estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e a intensidade das cargas internas que agem no interior do corpo. Esse assunto também

Leia mais

QUESTÕES DE PROVAS QUESTÕES APROFUNDADAS

QUESTÕES DE PROVAS QUESTÕES APROFUNDADAS UNIVERSIDDE FEDERL DO RIO GRNDE DO SUL ESOL DE ENGENHRI DEPRTMENTO DE ENGENHRI IVIL ENG 01201 MEÂNI ESTRUTURL I QUESTÕES DE PROVS QUESTÕES PROFUNDDS ISLHMENTO ONVENIONL TEORI TÉNI DO ISLHMENTO TORÇÃO SIMPLES

Leia mais

Aço Exercício 2.1. Resolução : A = π D2 4 σ = E.ε. = π(2,54cm)2 4. = 5,067 cm 2. δ L o. ε = δ = NL o AE = 35 kn.350 cm

Aço Exercício 2.1. Resolução : A = π D2 4 σ = E.ε. = π(2,54cm)2 4. = 5,067 cm 2. δ L o. ε = δ = NL o AE = 35 kn.350 cm Aço Exercício.1 Uma barra de seção circular com diâmetro de 5, mm (1 ) está sujeita a uma tração axial de 35N. Calcular o alongamento da barra supondo seu comprimento inicial o = 3,50 m e que a mesma foi

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Aula 2 - Tensão/Tensão Normal e de Cisalhamento Média; Tensões Admissíveis. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a Figura 1.17a.

Leia mais

Dimensionamento estrutural de blocos e de sapatas rígidas

Dimensionamento estrutural de blocos e de sapatas rígidas Dimensionamento estrutural de blocos e de sapatas rígidas Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com FUNDAÇÕES SLIDES 13 / AULA 17 Blocos de Fundação Elemento de fundação de concreto

Leia mais

Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA. Módulo

Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA. Módulo Curso de Dimensionamento de Pilares Mistos EAD - CBCA Módulo 4 Sumário Módulo 4 Dimensionamento de Pilares Mistos 4.1. Considerações Gerais página 3 4.2. Critérios de dimensionamento página 3 4.3. Dimensionamento

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Pato Branco. Lista de Exercícios - Sapatas

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Pato Branco. Lista de Exercícios - Sapatas Lista de Exercícios - Sapatas 1 Dimensione uma sapata rígida para um pilar de dimensões 30 x 40, sendo dados: N k = 1020 kn; M k = 80 kn.m (em torno do eixo de maior inércia); A s,pilar = 10φ12,5 σ adm

Leia mais

Estruturas Especiais de Concreto Armado I. Aula 2 Sapatas - Dimensionamento

Estruturas Especiais de Concreto Armado I. Aula 2 Sapatas - Dimensionamento Estruturas Especiais de Concreto Armado I Aula 2 Sapatas - Dimensionamento Fonte / Material de Apoio: Apostila Sapatas de Fundação Prof. Dr. Paulo Sérgio dos Santos Bastos UNESP - Bauru/SP Livro Exercícios

Leia mais

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3 1) Os suportes apóiam a vigota uniformemente; supõe-se que os quatro pregos em cada suporte transmitem uma intensidade igual de carga. Determine o menor diâmetro dos pregos em A e B se a tensão de cisalhamento

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA FLEXÃO. Prof. Cleverson Gomes Cardoso

ESTRUTURA METÁLICA FLEXÃO. Prof. Cleverson Gomes Cardoso ESTRUTURA METÁLICA FLEXÃO Prof. Cleverson Gomes Cardoso VIGAS (FLEXÃO) NBR 8800/08 Estados Limites Últimos Flambagem local da Mesa FLM Flambagem local da Mesa FLA Flambagem lateral (FLT) Resistência ao

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS Torção 1º SEM./2001 1) O eixo circular BC é vazado e tem diâmetros interno e externo de 90 mm e 120 mm, respectivamente. Os eixo AB e CD são maciços, com diâmetro

Leia mais

TENSÕES DE FLEXÃO e de CISALHAMENTO EM VIGAS

TENSÕES DE FLEXÃO e de CISALHAMENTO EM VIGAS DIRETORIA ACADÊMICA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Tecnologia em Construção de Edifícios Disciplina: Construções em Concreto Armado TENSÕES DE FLEXÃO e de CISALHAMENTO EM VIGAS Notas de Aula: Edilberto Vitorino de

Leia mais

II.9 LIGAÇÕES EXCÊNTRICAS

II.9 LIGAÇÕES EXCÊNTRICAS II.9 LIGAÇÕES EXCÊNTRICAS Existem diversas situações onde a resultante das cargas na ligação não passa pelo centro de gravidade do grupo de soldas. Neste caso temos uma ligação excêntrica e o eeito desta

Leia mais

Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Departamento de Engenharia Elétrica

Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Departamento de Engenharia Elétrica PROBLEMA 01 (Sussekind, p.264, prob.9.3) Determinar, pelo Método dos Nós, os esforços normais nas barras da treliça. vãos: 2m x 2m PROBLEMA 02 (Sussekind, p.264, prob.9.5) Determinar, pelo Método dos Nós,

Leia mais

Construções Metálicas I AULA 5 Compressão

Construções Metálicas I AULA 5 Compressão Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Ouro Preto - MG Construções Metálicas I AULA 5 Compressão Introdução Denomina-se coluna uma peça vertical sujeita à compressão centrada. Exemplos de peças

Leia mais

ENG285 4ª Unidade 1. Fonte: Arquivo da resolução da lista 1 (Adriano Alberto), Slides do Prof. Alberto B. Vieira Jr., RILEY - Mecânica dos Materiais.

ENG285 4ª Unidade 1. Fonte: Arquivo da resolução da lista 1 (Adriano Alberto), Slides do Prof. Alberto B. Vieira Jr., RILEY - Mecânica dos Materiais. ENG285 4ª Unidade 1 Fonte: Arquivo da resolução da lista 1 (Adriano Alberto), Slides do Prof. Alberto B. Vieira Jr., RILEY - Mecânica dos Materiais. Momento de Inércia (I) Para seção retangular: I =. Para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto TRABALHO: 1 SEMESTRE DE 2015 Suponha que você esteja envolvido(a)

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS ARMADURAS LONGITUDINAIS DE VIGAS T

DIMENSIONAMENTO DAS ARMADURAS LONGITUDINAIS DE VIGAS T DIMENSIONAMENTO DAS ARMADURAS LONGITUDINAIS DE VIGAS T Prof. Henrique Innecco Longo e-mail longohenrique@gmail.com b f h f h d d Departamento de Estruturas Escola Politécnica da Universidade Federal do

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais 1ª Parte Capítulo 1: Introdução Conceito de Tensão Professor Fernando Porto Resistência dos Materiais 1.1. Introdução O principal objetivo do estudo da mecânica dos materiais é proporcionar ao engenheiro

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS. Vigas em Flexão Simples DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008. Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão Maj

ESTRUTURAS METÁLICAS. Vigas em Flexão Simples DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008. Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão Maj SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008 Vigas em Flexão Simples Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão Maj 1 Peças em

Leia mais

1.8 Desenvolvimento da estrutura de edifícios 48

1.8 Desenvolvimento da estrutura de edifícios 48 Sumário Capítulo 1 Desenvolvimento histórico de materiais, elementos e sistemas estruturais em alvenaria 23 1.1 História dos materiais da alvenaria 24 1.2 Pedra 24 1.3 Tijolos cerâmicos 26 1.4 Blocos sílico-calcários

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS VIGAS DE ALMA CHEIA. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ESTRUTURAS METÁLICAS VIGAS DE ALMA CHEIA. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ESTRUTURAS METÁLICAS VIGAS DE ALMA CHEIA Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá Vigas de Alma Cheia Vigas de Alma Cheia Conceitos gerais: As almas das vigas metálicas servem principalmente para ligar as

Leia mais

Flexão. Tensões na Flexão. e seu sentido é anti-horário. Estudar a flexão em barras é estudar o efeito dos momentos fletores nestas barras.

Flexão. Tensões na Flexão. e seu sentido é anti-horário. Estudar a flexão em barras é estudar o efeito dos momentos fletores nestas barras. Flexão Estudar a flexão em barras é estudar o efeito dos momentos fletores nestas barras. O estudo da flexão que se inicia, será dividido, para fim de entendimento, em duas partes: Tensões na flexão; Deformações

Leia mais

ANEXO I Características geométricas e Elásticas das chapas dos Revestimentos dos Alçados e da Cobertura

ANEXO I Características geométricas e Elásticas das chapas dos Revestimentos dos Alçados e da Cobertura ANEXOS ANEXO I Características geométricas e Elásticas das chapas dos Revestimentos dos Alçados e da Cobertura TFM - Dimensionamento de um Pavilhão Metálico para Armazenagem de Paletes de Madeira Anexo

Leia mais

Instabilidade e Efeitos de 2.ª Ordem em Edifícios

Instabilidade e Efeitos de 2.ª Ordem em Edifícios Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Capítulo Prof. Romel Dias Vanderlei Instabilidade e Efeitos de 2.ª Ordem em Edifícios Curso: Engenharia Civil Disciplina:

Leia mais

a-) o lado a da secção b-) a deformação (alongamento) total da barra c-) a deformação unitária axial

a-) o lado a da secção b-) a deformação (alongamento) total da barra c-) a deformação unitária axial TRAÇÃO / COMPRESSÃO 1-) A barra de aço SAE-1020 representada na figura abaixo, deverá der submetida a uma força de tração de 20000 N. Sabe-se que a tensão admissível do aço em questão é de 100 MPa. Calcular

Leia mais

3.1 TENSÃO TANGENCIAL E DISTORÇÃO

3.1 TENSÃO TANGENCIAL E DISTORÇÃO 3.0 CORTE PURO Corte Puro 3.1 TENSÃO TANGENCIAL E DISTORÇÃO A análise das tensões e deformações em peças submetidas à solicitação pura de corte será feita de maneira simples, computando-se o valor médio

Leia mais

CAPÍTULO V ESFORÇO NORMAL E CORTANTE

CAPÍTULO V ESFORÇO NORMAL E CORTANTE 1 CAPÍTULO V ESFORÇO NORMAL E CORTANTE I. TRAÇÃO OU COMPRESSÃO AXIAL (SIMPLES) A. TENSÕES E DEFORMAÇÕES: Sempre que tivermos uma peça de estrutura, submetida à carga externa com componente no seu eixo

Leia mais

LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES

LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES LISTA DE EXRECÍCIOS PILARES Disciplina: Estruturas em Concreto II 2585 Curso: Engenharia Civil Professor: Romel Dias Vanderlei 1- Dimensionar e detalhar as armaduras (longitudinal e transversal) para o

Leia mais

CAPÍTULO 4: CISALHAMENTO

CAPÍTULO 4: CISALHAMENTO Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV620-Construções de Concreto Armado Curso: Arquitetura e Urbanismo CAPÍTULO 4: CISALHAMENTO Profa. Rovadávia Aline

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 3,00 m MODELO RG PFM 3.1

MEMORIAL DE CÁLCULO / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 3,00 m MODELO RG PFM 3.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071211 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 3,00 m MODELO RG PFM 3.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

Estruturas de concreto Armado II. Aula IV Flexão Simples Equações de Equilíbrio da Seção

Estruturas de concreto Armado II. Aula IV Flexão Simples Equações de Equilíbrio da Seção Estruturas de concreto Armado II Aula IV Flexão Simples Equações de Equilíbrio da Seção Fonte / Material de Apoio: Apostila Fundamentos do Concreto e Projeto de Edifícios Prof. Libânio M. Pinheiro UFSCAR

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC Unidade Araranguá RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica Prof. Fernando H. Milanese, Dr. Eng. milanese@cefetsc.edu.br Conteúdo

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS 9 LIGAÇÕES parte 1

ESTRUTURAS METÁLICAS 9 LIGAÇÕES parte 1 PUC Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Civil ESTRUTURAS METÁLICAS 9 LIGAÇÕES parte 1 Professor: Juliano Geraldo Ribeiro Neto, MSc. Goiânia, junho de 2016. 9.1 INTRODUÇÃO

Leia mais

AULA 02: DIMENSIONAMENTO DE PEÇAS TRACIONADAS

AULA 02: DIMENSIONAMENTO DE PEÇAS TRACIONADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 113 ESTRUTURAS DE CONCRETO, METÁLICAS E DE MADEIRA AULA 02: DIMENSIONAMENTO DE

Leia mais

Avaliação estrutural de painéis de fachada leve para edifícios de múltiplos pavimentos com modelagem numérica

Avaliação estrutural de painéis de fachada leve para edifícios de múltiplos pavimentos com modelagem numérica Avaliação estrutural de painéis de fachada leve para edifícios de múltiplos pavimentos com modelagem numérica Thiago Salaberga Barreiros Alex Sander Clemente de Souza Contexto Períodos curtos de entrega

Leia mais

Aula 8 Uniões sujeitos à cisalhamento: parafusos e rebites

Aula 8 Uniões sujeitos à cisalhamento: parafusos e rebites SEM 0326 Elementos de Máquinas II Aula 8 Uniões sujeitos à cisalhamento: parafusos e rebites Profa. Zilda de C. Silveira São Carlos, Outubro de 2011. 1. Parafusos sob cisalhamento - Parafusos sob carregamento

Leia mais

Introdução vigas mesas. comportamento laje maciça grelha.

Introdução vigas mesas. comportamento laje maciça grelha. Introdução - Uma laje nervurada é constituida de por um conjunto de vigas que se cruzam, solidarizadas pelas mesas. - Esse elemento estrutural terá comportamento intermediário entre o de laje maciça e

Leia mais

DEFORMAÇÃO NORMAL e DEFORMAÇÃO POR CISALHAMENTO

DEFORMAÇÃO NORMAL e DEFORMAÇÃO POR CISALHAMENTO DEFORMAÇÃO NORMAL e DEFORMAÇÃO POR CISALHAMENTO 1) A barra rígida é sustentada por um pino em A e pelos cabos BD e CE. Se a carga P aplicada à viga provocar um deslocamento de 10 mm para baixo na extremidade

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Lista para a primeira prova. 2m 3m. Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m (uniformemente distribuída)

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Lista para a primeira prova. 2m 3m. Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m (uniformemente distribuída) ESTRUTURS DE CONCRETO RMDO Lista para a primeira prova Questão 1) P1 V1 P2 V4 P3 V2 V3 4m 2m 3m V5 P4 h ' s s b d Seção das vigas: b=20cm ; h=40cm ; d=36cm Carga de serviço sobre todas as vigas: 15kN/m

Leia mais

elementos estruturais

elementos estruturais conteúdo 1 elementos estruturais 1.1 Definição As estruturas podem ser idealizadas como a composição de elementos estruturais básicos, classificados e definidos de acordo com a sua forma geométrica e a

Leia mais

Carga axial. Princípio de Saint-Venant

Carga axial. Princípio de Saint-Venant Carga axial Princípio de Saint-Venant O princípio Saint-Venant afirma que a tensão e deformação localizadas nas regiões de aplicação de carga ou nos apoios tendem a nivelar-se a uma distância suficientemente

Leia mais

Resistência dos Materiais Eng. Mecânica, Produção UNIME Prof. Corey Lauro de Freitas, Fevereiro, 2016.

Resistência dos Materiais Eng. Mecânica, Produção UNIME Prof. Corey Lauro de Freitas, Fevereiro, 2016. Resistência dos Materiais Eng. Mecânica, Produção UNIME 2016.2 Prof. Corey Lauro de Freitas, Fevereiro, 2016. 1 Introdução: O conceito de tensão Conteúdo Conceito de Tensão Revisão de Estática Diagrama

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL RÔMULO LOPES MOREIRA

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL RÔMULO LOPES MOREIRA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL RÔMULO LOPES MOREIRA DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO DE VIGAS METÁLICAS ISOSTATICAS

Leia mais

Disciplina de Estruturas Metálicas

Disciplina de Estruturas Metálicas DECivil Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Disciplina de Estruturas Metálicas Aulas de Problemas Prof. Francisco Virtuoso Prof. Eduardo Pereira 2009/2010 Capítulo 7 Ligações em estruturas

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO EXERCÍCIOS PARA A TERCEIRA PROVA PARCIAL

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO EXERCÍCIOS PARA A TERCEIRA PROVA PARCIAL ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO EXERCÍCIOS PARA A TERCEIRA PROVA PARCIAL Questão 1 Dimensionar as armaduras das seções transversais abaixo (flexo-compressão normal). Comparar as áreas de aço obtidas para

Leia mais

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4.1 Escada com vãos paralelos O tipo mais usual de escada em concreto armado tem como elemento resistente uma laje armada em uma só direção (longitudinalmente),

Leia mais

AULA: TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

AULA: TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 313 ESTRUTURAS DE CONCRETO AULA: TORÇÃO EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO ana.paula.moura@live.com

Leia mais

PROTEÇÃO DE PERIFERIA POR GUARDA-CORPO DE MADEIRA MEMÓRIA DE CÁLCULO E PLANTAS

PROTEÇÃO DE PERIFERIA POR GUARDA-CORPO DE MADEIRA MEMÓRIA DE CÁLCULO E PLANTAS 1 PROTEÇÃO DE PERIFERIA POR GUARDA-CORPO DE MADEIRA MEMÓRIA DE CÁLCULO E PLANTAS A. DADOS DA EMPRESA CONSTRUTORA MANDINHO LTDA CNPJ: 88.907.69/0001-04 Localização: Rua Eng. João Luderitz, 26/201 Sarandi

Leia mais

PERFIS DA COLUNA h tr (mm) W 200 x 26,6 4.650 W 250 x 32,7 5.025 W 250 x 38,5 5.190 W 360 x 44,6 5.655 W 360 x 51,0 5.800 W 360 x 79,0 7.330 W 410 x 38,8 4.245 W 410 x 46,1 5.760 W 410 x 53,0 5.760 W 410

Leia mais

Espessura = 2,76 mm. Tubo 76,6x1mm. Disposições construtivas:

Espessura = 2,76 mm. Tubo 76,6x1mm. Disposições construtivas: Exemplos Ligações PGECIV Mestrado Acadêmico aculdade de Engenharia EN/UERJ Disciplina: Projeto de Elementos Estruturais em Chapa Dorada Professor: Luciano Rodrigues Ornelas de Lima Exemplo 1 Verificar

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV620-Construções de Concreto Armado ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Profa. Rovadávia Aline Jesus Ribas Ouro Preto,

Leia mais

RESISTÊNCIA DE MATERIAIS II

RESISTÊNCIA DE MATERIAIS II RESISTÊNCIA DE MATERIAIS II - 2014-2015 PROBLEMAS DE CORTE Problema 1 (problema 50(b) da colectânea) Considere a viga em consola submetida a uma carga concentrada e constituída por duas peças de madeira,

Leia mais