Morfologia hemipeniana dos lagartos microteídeos e suas implicações nas relações filogenéticas da família Gymnophthalmidae (Teiioidea: Squamata)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Morfologia hemipeniana dos lagartos microteídeos e suas implicações nas relações filogenéticas da família Gymnophthalmidae (Teiioidea: Squamata)"

Transcrição

1

2 ii Pedro Murilo Sales Nunes Morfologia hemipeniana dos lagartos microteídeos e suas implicações nas relações filogenéticas da família Gymnophthalmidae (Teiioidea: Squamata) (Versão simplificada) (Texto) São Paulo 2011

3 iii Nunes, Pedro Murilo Sales Morfologia hemipeniana dos lagartos microteídeos e suas implicações nas relações filogenéticas da família Gymnophthalmidae (Teiioidea: Squamata). Vol. 1 Texto. 137 pp. Tese (Doutorado) Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. Departamento de Zoologia. 1. Gymnophthalmidae 2. Morfologia 3. Hemipênis I. Universidade de São Paulo. Instituto de Biociências. Departamento de Zoologia. Comissão Julgadora: Prof. Dr. Prof. Dr. Prof. Dr. Prof. Dr. Prof. Dr. Miguel Trefaut Rodrigues Orientador

4 iv A ciência nunca resolve um problema sem criar, pelo menos, outros dez. George Bernard Shaw

5 v Aos meus pais

6 vi INDICE VOLUME I EPÍGRAFE...iv DEDICATÓRIA...v 1- INTRODUÇÃO A família Gymnophthalmidae: Histórico sistemático Hemipênis e sua aplicação na sistemática de Squamata Morfologia hemipeniana da Família Gymnophthalmidae OBJETIVOS RESUMO ABSTRACT REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...14

7 1. Introdução

8 1 1- Introdução 1.1- A família Gymnophthalmidae: Histórico sistemático. A família Gymnophthalmidae é composta por cerca de 220 espécies, alocadas em 48 gêneros (Pellegrino et al., 2001; Doan, 2003; Doan & Castoe, 2005; Kok, 2005; 2009; Rodrigues et al., 2005; 2009a; 2009b; 2009c; Uetz et al., 2011) e reúne lagartos de pequeno a médio porte (de 4 a 15 cm de comprimento rostro-cloacal) que se distribuem do sul do México à Argentina, além do Caribe e outras ilhas das Américas do Sul e Central (Pellegrino et al., 2001). São animais diurnos e de hábitos bastante diversos, que ocupam uma grande variedade de habitats (terrestre, fossorial, semi-aquático e semiarborícola). Para a ocupação eficiente destes ambientes diversas adaptações morfológicas especializadas foram selecionadas, conferindo à família uma grande plasticidade fenotípica, envolvendo o alongamento do corpo, redução de apêndices em diferentes níveis, perda das pálpebras, do ouvido externo e de escamas da cabeça (Pellegrino et al., 2001). Atualmente a família é reconhecida como um grupo natural bem sustentado por caracteres morfológicos e moleculares (MacLean, 1974; Presch, 1980; Pellegrino et al., 2001; Castoe et al., 2004), representando o grupo-irmão da família Teiidae, compreendendo assim um clado mais inclusivo designado como superfamília Teiioidea (Estes et al., 1988). No entanto, é importante ressaltar que o monofiletismo recíproco das duas famílias foi somente demonstrado de forma consistente com base em seqüências de DNA mitocondrial e nuclear, através dos estudos de Pellegrino et al. (2001) e Castoe et al. (2004). Até a então, a família Teiidae era reconhecida por uma definição mais ampla do que a atual, abrigando, além dos táxons que hoje reúne, também os gêneros atualmente reconhecidos como gimnoftalmídeos. Essa classificação, proposta por Boulenger (1885) ainda no final do século XIX, encontrou suporte em estudos baseados em morfologia, sendo utilizada até o começo deste século (Harris, 1985; Hoyos, 1998; Myers & Donnelly, 2001). Nesta proposta eram reconhecidos quatro grupos supragenéricos: um deles (Grupo I) reunia os gêneros que hoje compõem a família Teiidae sensu stricto, ao passo que os demais táxons, foram alocados em outros três grupos (II-IV) formados por gêneros que hoje fazem parte da família Gymnophthalmidae. A evidente diferença de porte entre os lagartos que integram o Grupo I de Boulenger e os representantes dos outros três grupos levou Ruibal (1952) a referir-se aos componentes do primeiro grupo como macroteídeos e aos outros três grupos como microteídeos. Além do tamanho, MacLean (1974) demonstrou que essa separação informal de Ruibal (1952) era sustentada por outras características morfológicas

9 2 relacionadas principalmente com mecanismos de alimentação; sendo assim, o autor propôs o reconhecimento formal de duas subfamílias: Teiinae, formada pelos nove gêneros de macroteídeos; e Gymnophthalminae, mais diversa e composta pelos gêneros de microteídeos. Quase uma década mais tarde, Presch (1983) listou 13 apomorfias que distinguem morfologicamente os dois grupos e elevou ao status de família os dois táxons considerados subfamílias de teídeos na proposta de MacLean (1974). A despeito das evidências morfológicas e de anatomia funcional, a elevação dos microteídeos ao status de família permaneceu controversa, com estudos suportando as idéias de Presch (1983) (Estes et al., 1988; Presch, 1980), enquanto outros autores, não convencidos dessa proposta, apresentavam evidências para a manutenção do sistema inicial de Boulenger para a família Teiidae (p. ex. Harris, 1985; Hoyos, 1998; Myers & Donnelly, 2001). Entretanto, as primeiras abordagens moleculares para essa questão vieram em seguida e forneceram suporte para a existência de dois clados independentes, apesar de intimamente relacionados. O primeiro trabalho nesse sentido foi de Pellegrino et al. (2001), que abordou a sistemática de 50 espécies de Gymnophthalmidae através da análise de seqüências de genes mitocondriais e nucleares, representando a hipótese filogenética mais completa para o grupo até então. Os resultados dessa análise, além de confirmar o monofiletismo da família em relação a representantes das duas subfamílias de macroteídeos [i.e. Teiinae e Tupinambinae (Presch, 1974; 1983)], apresentaram um novo panorama das relações entre os gêneros microteídeos (Fig. 1). A topologia obtida culminou em uma nova classificação para a família, com o reconhecimento de quatro subfamílias: duas delas (Gymnophthalminae e Cercosaurinae) foram divididas em duas tribos cada, enquanto as outras duas foram definidas como monotípicas (Alopoglossinae e Rachisaurinae). Os gêneros de microteídeos faltantes na análise de Pellegrino et al. (2001) foram alocados tentativamente dentro dos táxons propostos pelos autores, baseados em características morfológicas.

10 3 Figura 1: Hipótese filogenética recuperada através da análise combinada de partições de DNA mitocondrial e nuclear, utilizando critério de máxima verossimilhança. Clade I = Gymnophthalminae; Rodrigues Clade = Gymnophthalmini; Clade II = Ecpleopini; Clade III = Cercosaurini (modificado Pellegrino et al., 2001). Alguns anos mais tarde, Castoe et al. (2004) reavaliaram os dados de Pellegrino et al. (2001), incorporando novos dados à amostra destes autores, dentre os quais as sequências de três gêneros (Proctoporus, Petracola, e Riama na ocasião todos incluídos no primeiro gênero) e 12 espécies de gimnoftalmídeos ainda não amostrados. Apesar da semelhança geral entre as topologias de Pellegrino et al. (2001) e Castoe et al. (2004), incongruências pontuais levaram Castoe et al. (2004) a apresentar uma nova proposta taxonômica para a família. Estes autores demonstraram o parafiletismo da subfamília Cercosaurinae (sensu Pellegrino et al., 2001), que os levou a elevar a tribo Ecpleopodini ao status de subfamília. Adicionalmente, Castoe et al. (2004) não reconhecem a validade das tribos Gymnophthalmini e Heterodactylini, mantendo a subfamília Gymnophthalminae sem subdivisões internas.. Uma terceira mudança taxonômica foi motivada pela incerteza quanto à posição do gênero Bachia dentro da

11 4 família, já que as análises realizadas pelos autores indicaram diferentes alocações para o gênero. Nas diferentes árvores obtidas o gênero esteve relacionado à tribo Cercosaurini, à subfamília Ecpleopodinae ou a Rachisaurus brachylepis. Essa incerteza de posicionamento somada à grande distância genética entre Bachia e os demais Gymnophthalmidae, levaram os autores a decidir pela criação de uma nova tribo para abrigar apenas o gênero em questão (tribo Bachini). Adicionalmente, Castoe et al. (2004) perceberam que, por um equívoco de Pellegrino et al. (2001), parte das seqüências de Ptychoglossus brevifrontalis foram trocadas por dados de Potamites juruazensis, o que levou ao enraizamento equivocado da primeira espécie na subfamília Cercosaurinae. Com a correção do equívoco e a adição de novas seqüências de P. brevifrontalis, os autores alocaram o gênero Ptychoglossus na subfamília Alopoglossinae, posição suportada também por evidências morfológicas. Figura 2: Hipótese filogenética recuperada através da análise combinada de partições de DNA mitocondrial e nuclear, utilizando análise bayesiana (modificado de Castoe et al., 2004).

12 5 No trabalho em que descrevem Dryadosaura nordestina, novo gênero e espécie da tribo Ecpleopodini (sensu Pellegrino et al., 2001), Rodrigues et al. (2005) consideraram prematuras três das quatro propostas de Castoe et al. (2004) que alteravam a classificação da família. Entretanto, Rodrigues et al. (2005) concordaram com a alteração da alocação de Ptychoglossus na subfamília Alopoglossinae, confirmando a troca de identificação entre as seqüências deste gênero e de Potamites juruazensis. Também neste trabalho, a análise combinada de caracteres morfológicos e moleculares de Rodrigues et al. (2005) não resgatou o monofiletismo da subfamília Cercosaurinae sensu Pellegrino et al. (2001), e revelou o relacionamento próximo entre os gêneros Rachisaurus e Bachia, o que está parcialmente de acordo com as hipóteses postuladas por Castoe et al. (2004). Dois anos mais tarde, Rodrigues et al. (2007) descrevem um novo gênero de gimnoftalmídeo (Alexandresaurus), que foi alocado na subfamília Gymnophthalminae e inicialmente na tribo Heterodactylini, além de criarem um novo nome para alocar Colobosaura mentalis (Acratosaura gen. nov.). Os resultados obtidos na análise combinada de caracteres morfológicos e moleculares deste trabalho sustentaram o monofiletismo da tribo Heterodactylini pelo método da máxima parcimônia, mas obtiveram uma topologia bastante semelhante à recuperada por Castoe et al. (2004), acrescida de alguns táxons não amostrados anteriormente, pelo método de inferência bayesiana. Os autores não propuseram nenhuma reformulação na taxonomia naquele momento, entretanto, dois anos depois, Rodrigues et al. (2009a) descreveram mais um novo gênero deste grupo (Caparaonia) e novamente recuperaram uma topologia na qual a tribo Heterodactylini proposta por Pellegrino et al. (2001) não formava um grupo natural. Assim, os autores optaram por restringir o nome Heterodactylini ao grupo formado pelos gêneros Colobodactylus, Heterodactylus e Caparaonia e alocar os demais gêneros em uma nova tribo (Iphisiini). Também nesse trabalho, em uma nota de rodapé, os autores chamam a atenção para a grafia correta da subfamília Ecpleopodinae (Rodrigues et al., 2009a), ao invés de Ecpleopinae, como vinha sendo grafado até então. Os trabalhos que abordaram a sistemática dos microteídeos através de caracteres moleculares de forma mais completa (Pellegrino et al., 2001; Castoe et al., 2004), além de fornecerem suporte para o monofiletismo do grupo e oferecerem pela primeira vez um panorama amplo das relações filogenéticas da família, revelaram o parafiletismo de alguns gêneros amplamente reconhecidos com base em dados morfológicos, o que levou a reformulações taxonômicas relevantes neste nível hierárquico. Gêneros como Colobosaura, Neusticurus e Proctoporus foram desmembrados em dois ou mais táxons para a adequação da taxonomia da família às hipóteses filogenéticas inicialmente propostas pelos trabalhos citados e, mais tarde, corroboradas por abordagens mais

13 6 inclusivas que testaram especificamente o monofiletismo desses gêneros (respectivamente Rodrigues et al., 2007; Doan & Castoe, 2005). Adicionalmente, após a publicação dos trabalhos de Pellegrino et al. (2001) e Castoe et al. (2004), diversos outros gêneros de gimnoftalmídeos foram descritos com base principalmente em caracteres de morfologia externa como Alexandresaurus (Rodrigues et al., 2007), Caparaonia (Rodrigues et al., 2009a), Dryadosaura (Rodrigues et al., 2005), Kaieteurosaurus (Kok, 2005), Pantepuisaurus (Kok, 2009), Scriptosaura (Rodrigues & Santos, 2008). Dessa forma, apesar dos avanços recentes em diferentes níveis taxonômicos e filogenético da família Gymnophthalmidae, ainda existem questões sistemáticas controversas a serem abordadas. Além disso, o fato de alguns táxons-chave de microteídeos serem pouco representados em coleções científicas, muitas vezes sem amostras de tecido, além de diversas convergências adaptativas na morfologia de algumas espécies que dificultam a formulação de hipóteses de homologia primária, permanecem sendo fatores que dificultam uma definição mais clara e conclusiva para muitas das relações entre os gimnoftalmídeos Hemipênis e sua aplicação na sistemática de Squamata A genitália de muitos grupos animais apresenta características espécieespecíficas que, em muitos casos, conferem a estas estruturas um potencial informativo mais relevante nos níveis de gênero e espécie do que outras estruturas (Arnold, 1986a; Eberhard, 2009). Essa diferenciação relativamente rápida dos caracteres ligados aos órgãos copuladores é recorrente em diversos grupos animais e tem feito da morfologia genital uma ferramenta especialmente útil na distinção de espécies proximamente relacionadas (Arnold, 1986a; Eberhard, 1985; 2009). As explicações para justificar essas diferenças na velocidade de diversificação morfológica dos órgãos copuladores em comparação com outras estruturas são ainda controversas e levaram Arnold (1986a) a publicar um artigo bastante amplo e inexplicavelmente ignorado pelos trabalhos posteriores sobre o tema, aonde o autor discute questões intrigantes relacionadas à plasticidade morfológica desses órgãos baseando-se principalmente em exemplos provenientes dos seus estudos com lagartos da família Lacertidae. Em Squamata, os machos são dotados de hemipênis, órgãos copuladores pares, de formato geral cilíndrico e delimitados externamente por uma parede dupla. No espaço entre essas paredes existem dois sistemas de seios: um mais interno e maior, que é preenchido por sangue no momento da cópula; outro mais externo e menor, que se

14 7 comunica com a cisterna linfática e, portanto, preenchido por linfa (Volsøe, 1944; Dowling & Savage, 1960). Um grande músculo retrator que, dependendo do formato do órgão, pode ser simples ou dividido em dois ramos distais, ocupa o espaço central do cilindro e é o principal responsável pela retração do órgão após a cópula, juntamente com dois outros músculos menores. Todo o órgão é coberto por um epitélio estratificado e com um stratum corneum bem desenvolvido. Muitos grupos de Squamata apresentam hemipênis bastante ornamentados com espinhos, cálices, papilas, franjas e bolsas que, se presume, têm como principal função manter macho e fêmea firmemente conectados durante a cópula (Volsøe, 1944; Dowling & Savage, 1960). Os hemipênis de Squamata são tradicionalmente divididos em três porções: basal ou proximal (base), medial (corpo) e apical ou distal (lobos). Entretanto, essas frações podem não estar evidentemente delimitadas em todos os casos. A porção distal do órgão pode ser simples ou estar dividida em dois lobos. O sêmen é conduzido por um sulco longitudinal profundo (sulcus spermaticus), que tem origem na base, adjacente à cloaca e próximo à abertura dos vasos deferentes, terminando próximo ao ápice do órgão. Este sulco pode ser simples ou dividido em dois ramos, independente da condição unilobada ou bilobada do órgão. Quando em repouso, ambos os hemipênis permanecem invaginados entre a musculatura na face ventral da cauda como um tubo de fundo cego, posterior à abertura cloacal (Volsøe, 1944; Bellairs, 1968). No momento da cópula, após a aposição cloacal, apenas um dos hemipênis é evertido e inserido na cloaca da fêmea, por ação muscular e pela inundação dos seios por sangue e linfa (Volsøe, 1944; Bellairs, 1968; Porter, 1972; King, 1981). Curiosamente, Boulenger (1913) chegou a sugerir que ambos os órgãos seriam inseridos simultaneamente na cloaca da fêmea e, que com o contato das faces sulcadas dos hemipênis, ambos os sulcos espermáticos formariam um canal fechado. Entretanto, atualmente está claro que o sulco espermático é profundo o suficiente para a condução do sêmen, sem a necessidade da formação de um canal fechado (Volsøe, 1944). Os hemipênis de Squamata apresentam uma grande diversidade de características no que se refere ao tamanho, forma, ornamentação, condição do sulco espermático; estruturas apicais são também extremamente variáveis entre os diversos táxons. Essas características vêm sendo tradicionalmente utilizadas como fonte de informação para estudos em sistemática e taxonomia de Squamata desde o final do século XIX, com os trabalhos de E. D. Cope (1893; 1894; 1895; 1896; 1900). Nestes trabalhos, Cope procurou fornecer informações gerais e inéditas sobre a morfologia do hemipênis e utilizá-las para caracterizar alguns dos grupos supragenéricos de Squamata reconhecidos na época, realizando também estudos relevantes para a distinção entre gêneros e espécies relacionados. Dentre estes trabalhos, Cope explorou a genitália dos

15 8 lagartos em apenas um deles (Cope, 1896), enquanto os demais abordaram exclusivamente as serpentes (Cope, 1893; 1894; 1895; 1900), com uma abrangência de mais de 200 espécies representantes da maior parte das famílias reconhecidas atualmente (Dowling & Savage, 1960). Subseqüentemente, a morfologia hemipeniana passou a ser usada de forma freqüente nos trabalhos envolvendo a sistemática de serpentes em vários níveis (por exemplo, Dunn, 1928; Vellard, 1928; 1946; Dowling, 1957; 1959; 1969; Myers, 1974; Branch & Wade, 1976; Dowling & Duellman, 1978; Zaher, 1999, Myers et al., 2009, entre muitos outros), enquanto para os lagartos esta fonte de informação foi muito menos explorada. Após os trabalhos pioneiros de Cope, a morfologia hemipeniana só foi utilizada novamente para a classificação e definição de táxons com os trabalhos de Dunn (1928), Vellard (1928; 1946) e Bogert (1940). A partir de então, diversos outros autores passaram a utilizar informações provenientes da morfologia do hemipênis de serpentes na caracterização de espécies (por exemplo, Myers, 1974; 1986; Fernandes, 1995; Zaher, 1996; Schargel & Castoe, 2003; Schargel et al., 2005; Myers & Donnelly, 2001, entre vários outros) e como uma importante fonte de caracteres na adequação da sistemática do grupo em vários níveis (por exemplo, Dowling & Duellman, 1978; Jenner & Dowling, 1985; Cadle, 1984; Machado, 1993; Myers & Cadle, 1994; Zaher, 1999). Trabalhos envolvendo a sistemática de lagartos utilizando a morfologia do hemipênis praticamente não existiram desde a publicação de Cope (1896) até meados do século passado, quando o número de trabalhos abordando esse tema aumentou consideravelmente. Alguns exemplos são estudos abordando as famílias Lacertidae (Wöpke, 1930; Klemmer, 1957; Böhme, 1971; Arnold, 1983; 1986b), Chamaleonidae (Brygoo & Domergue, 1969a; 1969b; 1970), Amphisbaenidae (Rosenberg, 1967), os lagartos Platynota (Branch, 1982) e a família Gymnophthalmidae, táxon de lagartos cuja morfologia do hemipênis foi mais estudada (ver tópico abaixo). Entretanto, de forma distinta do que ocorreu com as serpentes, os trabalhos envolvendo a morfologia do hemipênis de lagartos mantiveram, em sua maioria, um enfoque descritivo, com poucas hipóteses de relacionamento baseadas nesse tipo de informação. Adicionalmente, as poucas hipóteses que utilizaram a morfologia hemipeniana como fonte de informação foram estabelecidas por similaridade global entre os órgãos, desprovidas de uma conotação filogenética ampla ou que contemplasse de forma satisfatória a diversidade dos grupos abordados.

16 Morfologia hemipeniana da Família Gymnophthalmidae A morfologia hemipeniana de lagartos começou a ser explorada de forma mais detalhada por Cope (1896) em um trabalho em que reúne descrições e peculiaridades de diversos táxons de lagartos, dentre os quais as espécies Anadia bogotensis e Heteroclonium bicolor (= Bachia bicolor), hoje alocados na família Gymnophthalmidae., Depois deste trabalho de Cope, os artigos seguintes a utilizarem a morfologia de hemipênis de Gymnophthalmidae só vieram na segunda metade do século passado (p. ex. Uzzell, 1965; 1966; 1969a; 1969b; 1970; Fritts & Smith, 1969; Uzzell & Barry, 1971; Presch, 1974; 1978; Dixon, 1974; Harris & Ayala, 1987; Rodrigues, 1991; Kizirian, 1996; Ávila-Pires & Vitt, 1998; Myers & Donnely, 2001; 2008; Rodrigues et al., 2005; 2008; Donnelly et al., 2006; Peloso & Ávila-Pires, 2010; Myers et al., 2009). Dentre esses trabalhos, deve-se destacar a produção de Thomas Uzzell que, além de fornecer descrições bastante detalhadas e precisas da morfologia hemipeniana de diversos gêneros da família, chegou a fazer uso da morfologia hemipeniana para postular hipóteses de relacionamento entre vários táxons, como nas comparações entre os órgãos de Leposoma e Arthrosaura (Uzzell & Barry, 1971), entre Cercosaura (na ocasião Prionodactylus), Euspondylus e Pholidobolus (na ocasião Aspidolaemus) (Uzzell, 1973), e em alguns casos na criação de grupos supra-específicos informais dentro de alguns gêneros, como foram os casos de Neusticurus (Uzzell, 1966), Proctoporus (Uzzell, 1970), Cercosaura e Euspondylus (Uzzell, 1973). Outra obra, mais recente, que abordou a morfologia hemipeniana dos microteídeos com preocupação em frisar a utilidade desses caracteres para a sistemática do grupo, além de comentar sobre técnicas de preparação e ressaltar a dificuldade de se trabalhar com órgãos de espécimes com tamanho tão reduzido foi publicada por Myers et al. (2009). Nesse trabalho os autores também comentam a possível alocação supragenérica de alguns táxons de gimnoftalmídeos com hemipênis presumidamente sem espículas calcificadas como Alopoglossus, Adercosaurus, Kaieteurosaurus, Ptychoglossus e Riolama. Adicionalmente, os autores também comentam e discutem sobre a morfologia hemipeniana das espécies de Neusticurus e Anadia ocellata. Apesar dos gimnoftalmídeos representarem o grupo de lagartos melhor conhecido em relação à morfologia hemipeniana, a maior parte dos gêneros e das espécies de microteídeos permanecem sem informações quanto à morfologia do órgão. Além do pequeno número de espécies com hemipênis conhecidos, o enfoque dos trabalhos acima é quase que exclusivamente descritivo, existindo poucas hipóteses de relacionamento baseadas em caracteres hemipenianos. E, de forma semelhante ao que ocorre com os demais grupos de lagartos, mesmo estas poucas hipóteses foram postuladas sem a

17 10 realização de uma análise filogenética ampla que contemplasse de forma satisfatória a diversidade da família. Em um trabalho onde descreve brevemente e compara a morfologia hemipeniana de nove espécies de gimnoftalmídeos, Presch (1978) levanta a hipótese de existir uma relação direta entre a redução ou a perda completa dos membros nas serpentes e em alguns grupos de lagartos e a presença de estruturas maiores e mais complexas ornamentando os hemipênis desses táxons. Essa hipótese sugeria que os membros seriam a principal forma do casal de esquamados se fixar durante a cópula, creditando à impossibilidade dessa atuação ao maior desenvolvimento de ornamentos hemipenianos, que atuariam nesse sentido. No entanto, ao analisar os hemipênis de três espécies do gênero Bachia, táxon com membros reduzidos, e compará-los com os órgãos de outros gêneros da família, Presch (1978) não conseguiu demonstrar a existência dessa relação, deixando a questão ainda em aberto.

18 2. Objetivos

19 11 2- Objetivos O principal objetivo deste trabalho é fornecer descrições detalhadas da morfologia hemipeniana dos gêneros atualmente reconhecidos para a família Gymnophthalmidae (com exceção de Marinussaurus discutindo os padrões encontrados com base nas hipóteses filogenéticas disponíveis na literatura (p. ex. Pellegrino et al., 2001; Castoe et al. 2004; Rodrigues et al., 2005; 2007; 2009a), além de propor e definir novas hipóteses, contribuindo assim para a compreensão da história evolutiva do grupo e, conseqüentemente, para a adequação da sua taxonomia. Adicionalmente, também foram acessadas informações da morfologia hemipeniana de alguns gêneros da família Teiidae, na intenção de comparar as características anatômicas de ambos os táxons e assim postular hipóteses quanto à direção das transformações de algumas características hemipenianas na filogenia da família, utilizando para isso as hipóteses já existentes na literatura.

20 3. Resumo

21 12 3- Resumo A família Gymnophthalmidae é composta por cerca de 220 espécies de lagartos de pequeno a médio porte, alocadas em 48 gêneros e distribuídas desde o sul do México até a Argentina, além do Caribe e outras ilhas das Américas do Sul e Central. Atualmente a família é reconhecida como um grupo monofilético bem sustentado por caracteres morfológicos e moleculares, representando o grupo-irmão da família Teiidae, ambos formando um clado maior designado como superfamília Teiioidea. Apesar dos avanços recentes, ainda existem questões sistemáticas controversas a serem abordadas em relação entre os táxons da família Gymnophthalmidae. A morfologia do hemipênis vem sendo tradicionalmente utilizada como fonte de informação para estudos em sistemática e taxonomia de Squamata há mais de um século, apesar de ser mais extensamente explorada em Serpentes do que em lagartos e anfisbenídeos. Mesmo sendo historicamente um dos grupos de lagartos cuja morfologia hemipeniana foi mais explorada, as descrições deste complexo morfológico para a família Gymnophthalmidae são pontuais e nunca foram utilizadas como em um contexto sistemático abrangente. Neste trabalho foram analisados os hemipênis de 47 dos 48 gêneros atualmente reconhecidos para a família, sendo a única exceção o gênero recém-descrito Marinussaurus. Os hemipênis de 395 espécimes alocados em 145 espécies da família foram descritos detalhadamente e comparados entre si, bem como aos de representantes da família Teiidae, que representa o mais provável grupo-irmão de Gymnophthalmidae. Com base nas descrições e nesta abordagem comparativa, foi possível discutir e avaliar as hipóteses filogenéticas já existentes para a família e sugerir novos arranjos taxonômicos dentro do grupo.

22 4. Abstract

23 13 4- Abstract The family Gymnophthalmidae comprises more than 220 species of small and medium-size lizards, allocated in 48 genera that occur from southern Mexico to Argentina, as well as in the West Indies and other islands in Central and South America. The monophyly of gymnophthalmids is presently supported by morphological and molecular characters; moreover, its sister-group relationship to the family Teiidae is also well established, comprising a larger clade taxonomically recognized as the superfamily Teiioidea. Despite recent advances in the systematics of the Gymnophtalmidae, several questions regarding the taxonomic recognition of some genera, tribes and subfamilies within the family demand further investigation. In such a context, hemipenial morphology may help to clarify punctual and controversial aspects of the relationships among the gymnophthalmids. For more than a century, hemipenial morphology has been widely used in squamates systematics, especially with respect to snakes. Among lizards, the Gymnophthalmidae appears as one of the groups in which hemipenes are reasonably explored in the literature, but most data are restricted to punctual descriptions and were never assessed under a comprehensive phylogenetic background. Herein, we examined the hemipenes of 395 specimens of 145 gymnopthalmid species representing 47 of the 48 genera presently recognized in the family (the monotypic and recently described genus Marinussaurus is the only genus missing in our sample). The organs were described in detail and compared among the members of the family, as well as with some representatives of Teiidae, which represents the outgroup of Gymnophthalmidae in studies of explicit phylogenetic inference. Such an approach not only allowed us to discuss the phylogenetic assumptions and taxonomic systems available to date, but also provided new clues regarding the relationships of some gymnophthalmid terminals that may be informative in order to improve resolution of the systematics of the group in the future.

24 5. Referências Bibliográficas

25 14 5- Referências bibliográficas Arnold, E. N Osteology, genitalia and the relationships of Acanthodactylus (Reptilia: Lacertidae). Bulletin of the British Museum (Natural History) Zoology 44: Arnold, E. N. 1986a. Why copulatory organs provide so many useful taxonomic characters: the origin and maintenance of hemipenial differences in lacertid lizards (Reptilia: Lacertidae). Biological Journal of the Linnean Society 29: Arnold, E. N. 1986b. The hemipenis of lacertid lizards (Reptilia: Lacertidae): structure, variation and systematic implications. Journal of Natural History 20: Arredondo, J. C., Sánchez-Pacheco, S. J New Endemic Species of Riama (Squamata: Gymnophthalmidae) from Northern Colombia. Journal of Herpetology 44: Ávila-Pires, T. C. S Lizards of Brazilian Amazonia (Reptilia : Squamata). Zoologische Verhandelingen 299: Ávila-Pires, T. C. S., Vitt, L. J A new species of Neusticurus (Reptilia: Gymnophthalmidae) from the Rio Jurua, Acre, Brazil. Herpetologica 54: Bellairs, A. d A Reptiles. Second Edition. Hutchinson University Library. London. 200 p. Bogert, C. M., Herpetological results of the Vernay Angola expedition. Bulletin of American Museum of Natural History 77: Bohme, W Ober das Stachelepithel am Hemipenis lacertider Eidechsen and seine systematische Bedeutung. Z. Zool. Syst. EvolForsch. 9: Boulenger, G. A Catalogue of the Lizards in the British Museum (Natural History). 2nd edition. Vol. i., Geckonidae, Eublepharidae, Uroplatidae, Pygopodidae, Agamidae; xii. & 436 pp., 32 pls. Vol. ii., Iguanidae, Xenosauridae, Zonuridae, Anguidae, Anniellidae, Helodermatidae, Varanidae, Xantusiidae, Teiidae, Amphisbaenidae; xiii. & 497 pp., 24 pls Catalogue of the Lizards in the British Museum. Unpaginated. Boulenger, G. A The Snakes of Europe. 8vo The Snakes of Europe. 8vo. (xi+269 pp.). Branch, W. R Hemipenial morphology of platynotan lizards. Journal of Herpetology 16: Branch, W. R., Wade, E. O. Z Hemipenial morphology of British snakes. British Journal of Herpetology 5: Brygoo, E. R., Domergue, C. A. 1969a. Description d'un nouveau Brookesia de Madagascar: B. vadoni n. sp. (chamaeleonides). Bulletin du Muséum National d Histoire Naturelle, Paris 40: Brygoo, E. R., Domergue, C. A. 1969b. Notes sur ies Brookesia de Madagascar. 4. Une serie de petits Brookesia de Nosy Mangabe. Bulletin du Muséum National d Histoire Naturelle, Paris 41: Brygoo, E. R., Domergue, C. A Notes sur les Brookesia de Madagascar description de deux especes nouvelles: B. lambertoni n.sp. et B. therezieni n.sp. Bulletin du Muséum National d Histoire Naturelle, Paris 41: Burt, C. E., Burt, M. D South American lizards in the collection of the American Museum of Natural History. Bulletin of the American Museum of Natural History 61(7):

RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES

RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES Adriana Mohr, Ana Cristina Silva, Danilo Fortunato, Keila Nunes Purificação, Leonardo Gonçalves Tedeschi, Suelem Leão, Renan Janke e David Cannatella

Leia mais

New records and updated distribution map of Iphisa elegans Gray, 1851 (Reptilia, Gymnophthalmidae)

New records and updated distribution map of Iphisa elegans Gray, 1851 (Reptilia, Gymnophthalmidae) Herpetology Notes, volume 6: 395-400 (2013) (published online on 23 September 2013) New records and updated distribution map of Iphisa elegans Gray, 1851 (Reptilia, Gymnophthalmidae) Sheila Pereira de

Leia mais

Histórico da Classificação Biológica

Histórico da Classificação Biológica Texto Base: Aula 9 Histórico da Classificação Biológica Autoras: Suzana Ursi e Sônia Lopes Iniciamos nosso texto propondo que você observe por um instante os organismos representados nas figuras ao lado.

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE FILOGENIA

CONCEITOS BÁSICOS DE FILOGENIA Instituto de Botânica Programa de Pós Graduação em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente Curso teórico/prático de atualização em biodiversidade vegetal e meio ambiente CONCEITOS BÁSICOS DE FILOGENIA Leandro

Leia mais

ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA

ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA Título do Projeto: REGISTRO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO DA FLORA ARBÓREA URBANA DA REGIÃO CENTRAL DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO

Leia mais

Seminário de Genética BG - 380 Principal Resumo Professores Componentes Bibliografia Links

Seminário de Genética BG - 380 Principal Resumo Professores Componentes Bibliografia Links Seminário de Genética BG - 380 Principal Resumo Professores Componentes Bibliografia Links Darwin Voltar Filogenia anatômica e fisiológica Filogênia Molecular A teoria da evolução de Darwin gerou o conceito

Leia mais

SUBPROJETO: CRIAÇÃO DO MODELO DE DADOS PARA A BOTÂNICA,

SUBPROJETO: CRIAÇÃO DO MODELO DE DADOS PARA A BOTÂNICA, MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG PROJETO: INFORMATIZAÇÃO DAS COLEÇÕES ZOOLÓGICAS: MODELAGEM E PADRONIZAÇÃO [DR. MARCOS PAULO ALVES DE SOUSA] SUBPROJETO:

Leia mais

Analise filogenética baseada em alinhamento de domínios

Analise filogenética baseada em alinhamento de domínios Analise filogenética baseada em alinhamento de domínios Moléculas biológicas e evolução Como já foi comentado anteriormente sabemos que o DNA de qualquer espécie de ser vivo sofre mutações ao longo do

Leia mais

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Adrian Antonio Garda Departamento de Zoologia Laboratório de Anfíbios e Répteis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Estrutura da apresentação

Leia mais

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM VEM Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM Renato Novais, Thiago S. Mendes, Fernando Teles Instituto Federal da Bahia (IFBA) Salvador Bahia Brasil {renato,thiagosouto,fernandoteles}@ifba.edu.br Abstract.

Leia mais

FLORA DO BRASIL ONLINE 2020

FLORA DO BRASIL ONLINE 2020 FLORA DO BRASIL ONLINE 2020 O projeto Flora do Brasil Online 2020 (FBO 2020) visa atender metas nacionais e internacionais assumidas pelo governo brasileiro, tendo como objetivo principal a consolidação

Leia mais

DATABASES AS ELEMENTS OF STATE-OF-THE-ART ENVIRONMENTAL EDUCATION RESEARCH IN BRAZIL

DATABASES AS ELEMENTS OF STATE-OF-THE-ART ENVIRONMENTAL EDUCATION RESEARCH IN BRAZIL EPEA 2001-1 de 7 BANCOS DE DADOS COMO ELEMENTOS PARA PROPICIAR PESQUISAS SOBRE O ESTADO DA ARTE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL. Lúcia Manzochi Centro de Referência em Informação Ambiental/CRIA Érica Speglich

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados.

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. www..botanicaonline.com.br Site organizado pela Profa. Dra. Suzana Ursi Depto. de Botânica, Instituto de Biociências, USP Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. Autor: João Rodrigo

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 339 Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE 50 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE DIAS, Douglas de Matos 1 DANTAS, Lucineide Nascimento Almeida 2 DANTAS, José Oliveira 3 Resumo: Cerca de sete espécies de Triatominae são de

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

ESTUDO DA HERPETOFAUNA DO LITORAL AMAZÔNICO NA MESORREGIÃO DO NORDESTE PARAENSE.

ESTUDO DA HERPETOFAUNA DO LITORAL AMAZÔNICO NA MESORREGIÃO DO NORDESTE PARAENSE. Salvador/BA 25 a 28/11/2013 ESTUDO DA HERPETOFAUNA DO LITORAL AMAZÔNICO NA MESORREGIÃO DO NORDESTE PARAENSE. Anderson André Alves da Silva (*), Antonio José Renan Bernardi *Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Centro de Ensino Médio Setor Leste Disciplina: Biologia Professor: João Couto Aluno: Bruce do Souza Melo Turma: 2 N. -Taxonomia-

Centro de Ensino Médio Setor Leste Disciplina: Biologia Professor: João Couto Aluno: Bruce do Souza Melo Turma: 2 N. -Taxonomia- Centro de Ensino Médio Setor Leste Disciplina: Biologia Professor: João Couto Aluno: Bruce do Souza Melo Turma: 2 N -Taxonomia- Taxionomia Os biólogos têm especial interesse pelo estudo dos organismos

Leia mais

Simpósios. 2) Integrando a história natural com ecologia, evolução e conservação de anfíbios e répteis.

Simpósios. 2) Integrando a história natural com ecologia, evolução e conservação de anfíbios e répteis. Simpósios Nove simpósios irão tratar de assuntos atuais, envolvendo pesquisadores brasileiros e estrangeiros. As conferências deverão compor a temática do evento, priorizando a integração de disciplinas

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA 136 ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA FILITTO, Danilo 1 Resumo: Os algoritmos Genéticos inspiram-se no processo de evolução natural e são utilizados para resolver problemas de busca e otimização

Leia mais

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO 1 FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * Lena Vania Ribeiro Pinheiro, IBICT 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO Alguns termos técnicos de Ciência da

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica MORFOLOGIA COMPARADA EM AMPHISBAENIDAE (SQUAMATA, AMPHISBAENIA)

19 Congresso de Iniciação Científica MORFOLOGIA COMPARADA EM AMPHISBAENIDAE (SQUAMATA, AMPHISBAENIA) 19 Congresso de Iniciação Científica MORFOLOGIA COMPARADA EM AMPHISBAENIDAE (SQUAMATA, AMPHISBAENIA) Autor(es) JOÃO PAULO DE ALMEIDA BENITES Orientador(es) MARIA ELIANA CARVALHO NAVEGA-GONÇALVES Apoio

Leia mais

Distribuição geográfica de Psychosaura agmosticha (Rodrigues, 2000) (Squamata, Mabuyidae)

Distribuição geográfica de Psychosaura agmosticha (Rodrigues, 2000) (Squamata, Mabuyidae) Biotemas, 27 (2): 217-222, junho de 2014 ISSNe 2175-7925 217 http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2014v27n2p217 Comunicação Breve Distribuição geográfica de Psychosaura agmosticha (Rodrigues, 2000) (Squamata,

Leia mais

LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DA FAZENDA LIGEIRO DA FURNE EM CAMPINA GRANDE- PB LIFTING OF SLIGHT HERPETOFAUNÍSTICO FARM IN FURNE CAMPINA GRANDE- PB

LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DA FAZENDA LIGEIRO DA FURNE EM CAMPINA GRANDE- PB LIFTING OF SLIGHT HERPETOFAUNÍSTICO FARM IN FURNE CAMPINA GRANDE- PB LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DA FAZENDA LIGEIRO DA FURNE EM CAMPINA GRANDE- PB LIFTING OF SLIGHT HERPETOFAUNÍSTICO FARM IN FURNE CAMPINA GRANDE- PB Jairton Severino Rocha COSTA 1, Joaci dos Santos CERQUEIRA²,

Leia mais

RÉPTEIS SQUAMATA DE REMANESCENTES FLORESTAIS DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, NATAL-RN, BRASIL

RÉPTEIS SQUAMATA DE REMANESCENTES FLORESTAIS DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, NATAL-RN, BRASIL Cuad. herpetol., 23 (2): 77 88, 2009 77 77 RÉPTEIS SQUAMATA DE REMANESCENTES FLORESTAIS DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, NATAL-RN, BRASIL RAUL FERNANDES DANTAS DE SALES; CAROLINA

Leia mais

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Bibliografia: Ministério do Meio Ambiente. Espécies ameaçadas de extinção: recomendações

Leia mais

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias Gramado, 16-18 de Setembro de 2012 A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto Lewis Joel Greene Editor, Brazilian Journal of Medical and

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA SISTEMÁTICA

ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA SISTEMÁTICA ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA SISTEMÁTICA Multicelularidade = Novidade evolutiva Diversificação a partir de espécie ancestral = Ramificação da linhagem Para entendermos toda esta diversidade é necessário nomeá-la

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA 1. INTRODUÇÃO Para obter o grau de Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Uberlândia, o aluno deverá cursar as disciplinas Iniciação

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA Artigo apresentado no III Encontro de Professores de Engenharia da UERJ Rio de Janeiro, novembro de 1997 ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA José Paulo

Leia mais

Exercícios de Evidências da Evolução

Exercícios de Evidências da Evolução Exercícios de Evidências da Evolução Material de apoio do Extensivo 1. (Unesp) No filme Avatar, de James Cameron (20th Century Fox, 2009), os nativos de Pandora, chamados Na Vi, são indivíduos com 3 metros

Leia mais

CITAÇÕES E ÍNDICE H: teste comparativo em pequena escala entre ISI-WOS e SCOPUS

CITAÇÕES E ÍNDICE H: teste comparativo em pequena escala entre ISI-WOS e SCOPUS PÔSTER IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Uso estratégico das tecnologias em informação documentária CITAÇÕES E ÍNDICE H: teste comparativo em pequena escala entre

Leia mais

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho.

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ A monografia é um texto escrito contendo o resultado da pesquisa realizada como trabalho de conclusão do curso de especialização. Os itens básicos a constarem da monografia

Leia mais

História do Pensamento em Marketing

História do Pensamento em Marketing Escola Funcionalista História do Pensamento em Marketing Alberto Ajzental Teresa Dias de Toledo Pitombo Disciplina: Evolução do Pensamento e Estratégias de Marketing PPGA - Unimep -1T2012 CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

FILOSOFIA DAS ORIGENS: TESTANDO PARADIGMAS

FILOSOFIA DAS ORIGENS: TESTANDO PARADIGMAS 1 FILOSOFIA DAS ORIGENS: TESTANDO PARADIGMAS Nahor Neves de Souza Jr. UNASP/EC O estudo das questões ligadas às origens envolve conhecimentos multidisciplinares, despertando o interesse tanto de cientistas,

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

LEVANTAMENTO DE DADOS E PRODUÇÃO DE VÍDEO SOBRE A MEMÓRIA DOS MATERIAIS DIDÁTICOS NO ENSINO DE CIÊNCIAS FORMAL E NÃO FORMAL

LEVANTAMENTO DE DADOS E PRODUÇÃO DE VÍDEO SOBRE A MEMÓRIA DOS MATERIAIS DIDÁTICOS NO ENSINO DE CIÊNCIAS FORMAL E NÃO FORMAL LEVANTAMENTO DE DADOS E PRODUÇÃO DE VÍDEO SOBRE A MEMÓRIA DOS MATERIAIS DIDÁTICOS NO ENSINO DE CIÊNCIAS FORMAL E NÃO FORMAL Mariângela C. J. Bonetti (Licenciatura em Ciências UNIVESP/USP), Renata M. Garabedian

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS 9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS Autor(es) GIOVANNI BECCARI GEMENTE Orientador(es) FERNANDO CELSO DE CAMPOS 1. Introdução No

Leia mais

Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos com Dois Fatores Cruzados e Dados Desbalanceados

Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos com Dois Fatores Cruzados e Dados Desbalanceados TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 5, No. 1 (24), 117-124. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

Paradigmas em Estatística

Paradigmas em Estatística Pedro A. Morettin Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo pam@ime.usp.br http://www.ime.usp.br/ pam Sumário As Origens 1 As Origens 2 3 4 5 Paradigma As Origens Modelo, padrão a

Leia mais

Riqueza e composição de répteis Squamata (lagartos e anfisbenas) da Área de Proteção Ambiental da Fazendinha, Amapá, Brasil

Riqueza e composição de répteis Squamata (lagartos e anfisbenas) da Área de Proteção Ambiental da Fazendinha, Amapá, Brasil ARTIGO Riqueza e composição de répteis Squamata (lagartos e anfisbenas) da Área de Proteção Ambiental da Fazendinha, Amapá, Brasil ISSN 2179-5746 1 2 3 Carlos Eduardo Costa Campos, Jucivaldo Dias Lima,

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

SÉRGIO LUIZ MESSIAS DA SILVA PESQUISA POR SMS UM NOVO CONCEITO

SÉRGIO LUIZ MESSIAS DA SILVA PESQUISA POR SMS UM NOVO CONCEITO SÉRGIO LUIZ MESSIAS DA SILVA PESQUISA POR SMS UM NOVO CONCEITO Trabalho apresentado no 4º Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado, Opinião e Mídia em 2010. SÃO PAULO MARÇO DE 2010 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo ILHÉUS - BAHIA 2013 PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo Módulo

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

CULTURA MATERIAL: escolhas metodológicas para o estudo de saias estampadas do século XIX

CULTURA MATERIAL: escolhas metodológicas para o estudo de saias estampadas do século XIX CULTURA MATERIAL: escolhas metodológicas para o estudo de saias estampadas do século XIX Rita Andrade (FAV/UFG) Aline O. T. Monteiro (FAV/UFG) RESUMO Esse artigo apresenta três autores que escreveram sobre

Leia mais

Armazenamento e Disponibilização de dados e metadados PPBio/CENBAM

Armazenamento e Disponibilização de dados e metadados PPBio/CENBAM CENBAM Armazenamento e Disponibilização de dados e metadados PPBio/CENBAM Flávia Fonseca Pezzini Pablo Hendrigo Alves de Melo Rainer Xavier de Amorim Dayane Oliveira (PPBio/CENBAM - INPA) Bancos x Repositórios

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS:

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: A Produção de pesquisas sobre Educação Ambiental dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD: Educação Ambiental e Educação Infantil

Leia mais

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos Complexidade dos genomas II AULA 31 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Explicar os fatores envolvidos com a complexidade dos genomas de eucariotos. Descrever as principais características

Leia mais

Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952)

Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952) Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952) Caio A. Figueiredo-de- Andrade Leonardo Serafim da Silveira Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952) Caio A. Figueiredo-de-Andrade *

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Répteis. Classe Reptilia

Répteis. Classe Reptilia Répteis Classe Reptilia Posição no Reino Animal Os répteis atuais compreendem duas das três linhagens de vertebrados amníotas, que se originaram de tetrápodes semelhantes a anfibios existentes no final

Leia mais

Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção

Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção Tanise Fuckner de Oliveira (UTFPR) taniseoliveira@yahoo.com.br Antonio

Leia mais

A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz

A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz Estamos certamente acostumados a ouvir a indicação horário de Brasília quando a hora é anunciada na rádio. Esta indicação refere-se

Leia mais

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS?

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para o Ensino Fundamental Final Áreas Conexas: Biologia, Linguística, Sociologia, Geografia, História, Artes, Gramática, Filosofia.

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

RÉPTEIS SQUAMATA DE UMA ÁREA DE TRANSIÇÃO FLORESTA- SAVANA NO OESTE DO ESTADO DO PARÁ, BRASIL

RÉPTEIS SQUAMATA DE UMA ÁREA DE TRANSIÇÃO FLORESTA- SAVANA NO OESTE DO ESTADO DO PARÁ, BRASIL RÉPTEIS SQUAMATA DE UMA ÁREA DE TRANSIÇÃO FLORESTA- SAVANA NO OESTE DO ESTADO DO PARÁ, BRASIL Telêmaco Jason Mendes-Pinto 1,2 Julio César Rodríguez Tello 1 RESUMO Este trabalho apresenta uma lista das

Leia mais

A) NO CASO DE NÃO-INCLUSÃO DE ARTIGO(S) PUBLICADO(S) E/OU MANUSCRITO(S) SUBMETIDO(S) OU ACEITOS PARA PUBLICAÇÃO APRESENTAÇÃO DA MANEIRA FORMAL);

A) NO CASO DE NÃO-INCLUSÃO DE ARTIGO(S) PUBLICADO(S) E/OU MANUSCRITO(S) SUBMETIDO(S) OU ACEITOS PARA PUBLICAÇÃO APRESENTAÇÃO DA MANEIRA FORMAL); SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ NÚCLEO DE PESQUISAS EM ONCOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA E CIÊNCIAS MÉDICAS NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES DE MESTRADO, TESES

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Brazil South Nelles Map (Nelles Maps): Special Maps: Around Sao Paulo, Greater Sao Paulo, Greater Belo Horizonte, Iguacu. City Maps: Brasilia, Rio De

Brazil South Nelles Map (Nelles Maps): Special Maps: Around Sao Paulo, Greater Sao Paulo, Greater Belo Horizonte, Iguacu. City Maps: Brasilia, Rio De Brazil South Nelles Map (Nelles Maps): Special Maps: Around Sao Paulo, Greater Sao Paulo, Greater Belo Horizonte, Iguacu. City Maps: Brasilia, Rio De Janeiro, Ouro Preto By Nelles Published By Nelles If

Leia mais

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O ENEM, Exame Nacional do Ensino Médio, em sua versão 2012, apresentará uma redação e 180 questões objetivas, divididas nas quatro áreas do conhecimento: - Ciências

Leia mais

Conservação da Herpetofauna dos Campos de Cima da Serra Dra. Laura Verrastro

Conservação da Herpetofauna dos Campos de Cima da Serra Dra. Laura Verrastro Conservação da Herpetofauna dos Campos de Cima da Serra Dra. Laura Verrastro Departamento de Zoologia Instituto de Biociências Universidade Federal do Rio Grande do Sul Agosto 2010 1. Cnemidophorus vacariensis

Leia mais

Palavras-chave: cotas universitárias; ensino superior; curso pré-vestibular, acesso à universidade.

Palavras-chave: cotas universitárias; ensino superior; curso pré-vestibular, acesso à universidade. NED NÚCLEO DE ESTUDOS DIRIGIDOS Ano Letivo: 2012/2 ED 2 / ED Comunicação e Expressão Habilidade: Compreender e Expressar Professor: Cleuber Cristiano de Sousa Caro(a) aluno(a), Esta atividade discursiva

Leia mais

I Simpósio ICIA58 - Arquivos de Som e Imagem em Movimento 13 de novembro de 2013. Salvador, BA.

I Simpósio ICIA58 - Arquivos de Som e Imagem em Movimento 13 de novembro de 2013. Salvador, BA. OS DESAFIOS DA SALVAGUARDA, MANUTENÇÃO E ACESSO AS INFORMAÇÕES NA ERA DIGITAL Sergio Marques da Silva Nunes 1 RESUMO: A assim chamada Era Digital exerceu e continua exercendo um papel fundamental em nossas

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA Cláudia Oliveira de Moura Bueno 1, Odete Jacomini da Silva 1 Liliane Juvência Azevedo Ferreira 1 Bibliotecárias,

Leia mais

Professor X Software Educativo: a difícil tarefa de escolher

Professor X Software Educativo: a difícil tarefa de escolher Professor X Software Educativo: a difícil tarefa de escolher Maria de Fátima Costa de Souza 1,*, Mauro C. Pequeno 1, José Aires C. Filho 2 1 Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará (UFC)

Leia mais

Guia de utilização da Base de Dados

Guia de utilização da Base de Dados Guia de utilização da Base de Dados Introdução Este guia tem por objetivos a apresentação do conteúdo da base de dados relativa às traduções de textos de economia incluída no website do EE-T, bem como

Leia mais

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Prof. Dr. Igor Renato Bertoni Olivares Top 02 in analytical chemistry Impact Factor - 6,6

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

O objeto de pesquisa que se pretende investigar é, portanto inicialmente, um estudo bibliográfico sobre o uso do Concreto de Alto Desempenho.

O objeto de pesquisa que se pretende investigar é, portanto inicialmente, um estudo bibliográfico sobre o uso do Concreto de Alto Desempenho. CAD: CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO OLIVEIRA, João Miguel Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva Professor Orientador: Hugo Cardoso Esteves RESUMO Trabalho foca uma apresentação do Concreto de

Leia mais

SciDev.Net na América Latina: Notícias de ciência, tecnologia e desenvolvimento via Internet

SciDev.Net na América Latina: Notícias de ciência, tecnologia e desenvolvimento via Internet SciDev.Net na América Latina: Notícias de ciência, tecnologia e desenvolvimento via Internet Luisa Massarani Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz Brasil Introdução É sabido que uma parcela importante

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Previsões só no fim do jogo: selecção natural irrelevante

Previsões só no fim do jogo: selecção natural irrelevante Previsões só no fim do jogo: selecção natural irrelevante Suponhamos que o leitor tem uma característica que lhe dá uma ligeira vantagem na luta pela sobrevivência. Por exemplo, um pescoço maior, que lhe

Leia mais

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com Engenharia de Software: conceitos e aplicações Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com 1 Objetivos da aula Apresentar os conceitos de Engenharia de Software e explicar a sua importância.

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 Jaciara-MT 2013 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO FORMATO Os trabalhos acadêmicos devem ser em conformidade com os apontamentos a seguir. Papel branco, Formato A4 (21

Leia mais

FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores

FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores ESTRUTURA DO ARTIGO 1. Recomenda-se a utilização do processador

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA ATRAVÉS DO QUALIS i

A CLASSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA ATRAVÉS DO QUALIS i XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (SNBU) Salvador, BA, 22 a 27 de outubro de 2006 Tema central: Acesso Livre à Informação Científica e Bibliotecas Universitárias Eixo temático: Sub-tema:

Leia mais

FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO EM GRUPO

FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO EM GRUPO PARTE III O GRUPO CAPÍTULO 8 FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO EM GRUPO Prof. Germano G. Reis germanoglufkereis@yahoo.com.br Prof. Luciel H. de Oliveira luciel@uol.com.br 2006 by Pearson Education OBJETIVOS

Leia mais

Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem

Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem economicamente? Thomas J Trebat Centro de Estudos Brasileiros Columbia University Junho de 2011 Uma visão mais favorável sobre

Leia mais

Women for Science since Budapest 1999: a view from Brazil. Alice Abreu Director of ICSU-LAC

Women for Science since Budapest 1999: a view from Brazil. Alice Abreu Director of ICSU-LAC Women for Science since Budapest 1999: a view from Brazil Alice Abreu Director of ICSU-LAC Primer Foro Regional sobre Políticas de Ciencia, Tecnología e Innovación en América Latina y el Caribe: Primer

Leia mais

TÍTULO: BIOÉTICA NOS CURSOS SUPERIORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

TÍTULO: BIOÉTICA NOS CURSOS SUPERIORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO TÍTULO: BIOÉTICA NOS CURSOS SUPERIORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE PRESBITERIANA

Leia mais

Muito além. Outros nichos de biodiversidade na Amazônia

Muito além. Outros nichos de biodiversidade na Amazônia ECOLOGI Muito além das florestas FOTO GETTYIMGES Outros nichos de biodiversidade na mazônia 32 CIÊNCIHOJE 306 VOL. 51 densa floresta tropical que cobre a região amazônica abriga uma diversidade biológica

Leia mais

Projeto de Pesquisa. Def.: Plano de ação contendo intenções que poderão (ou não) ser concretizadas na pesquisa.

Projeto de Pesquisa. Def.: Plano de ação contendo intenções que poderão (ou não) ser concretizadas na pesquisa. Projeto de Pesquisa Def.: Plano de ação contendo intenções que poderão (ou não) ser concretizadas na pesquisa. É um guia de ação para seu autor. O projeto de pesquisa é uma seqüência de etapas estabelecida

Leia mais

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura HARRIS, Ana Lúcia Nogueira de Camargo (1) Av. Prof. Almeida Prado trav.2 n o 271 Cidade Universitária 05508-900 São Paulo SP Tel.: (011)

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais