Registro Hospitalar de Câncer - RHC HC-UFPR Casos de 2007 a 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Registro Hospitalar de Câncer - RHC HC-UFPR Casos de 2007 a 2009"

Transcrição

1 Registro Hospitalar de Câncer - RHC HC-UFPR Casos de 2007 a 2009 Rosa Helena Silva Souza Coordenadora do RHC

2 Distribuição das neoplasias segundo a faixa etária, o sexo e o ano de primeira consulta no HC-UFPR, de 2007 a 2009 Casos analíticos e não analíticos ANO SEXO Criança Adolescente Adulto 0 a 4 5 a 9 10 a a a a a a a a e mais total fem masc total fem masc total fem masc total

3 Distribuição das neoplasias segundo a faixa etária e o ano de primeira consulta no HC-UFPR, de 2007 a 2009

4 Distribuição do 10 tipos histológicos mais frequentes com idade entre 0 e 19 anos segundo o sexo, HC-UFPR, 2007 a 2009

5 Distribuição das neoplasias mais frequentes em adultos no sexo feminino, HC-UFPR, de 2007 a 2009 Casos analíticos e não analíticos Localização fem. % mama ,5 colo de útero ,4 S. Hematop ,9 colorretal 92 5,8 tireóide 52 3,3 ovário 51 3,2 corpo do útero 39 2,5 Tu 1º desconhec 27 2,2 encéfalo 33 2,1 pele ,7 Entre os tumores malignos mais frequentes nas mulheres, destacam-se as leucemias em 3º lugar, evidenciando o perfil de atendimento oncológico do HCUFPR.

6 Distribuição das neoplasias mais frequentes em adultos no sexo masculino, HC-UFPR, de 2007 a 2009 Localização masc. % próstata ,6 S. hematop ,3 colorretal 89 9,2 estômago 48 3,9 Tu 1º desc. 41 3,3 fígado 40 3,2 bexiga 33 3 encéfalo 30 2,4 pele ,8 A tabela mostra o perfil de atendimento do hospital, que é referência em Serviço de Hematologia, Transplante de Medula Óssea e Transplante Hepático. As leucemias são o 2º tumor mais frequente entre os homens e as neoplasias hepáticas o 6º.

7 Percentual de neoplasia de mama segundo a faixa etária, 2007 a 2009, HC-UFPR.

8 Percentual de neoplasia de mama segundo o Estadiamento Clínico, 2007 a 2009, HC-UFPR.

9 Neoplasia de mama segundo o primeiro tratamento realizado, 2007 a 2009, HC-UFPR. Primeiro Tratamento Realizado f % CIRURGIA + QT 45 18,3 CIRURGIA 24 9,8 CIRURGIA + HORMONIOTERAPIA 21 8,5 QT 18 7,3 QT + CIRURGIA + RADIOTERAPIA 14 5,7 CIRURGIA + RADIOTERAPIA 13 5,3 QT + CIRURGIA 12 4,9 CIRURGIA + QT + HORMONIOTERAPIA 10 4,1 CIRURGIA + QT + RADIOTERAPIA + HORMONIOTERAPIA 7 2,8 CIRURGIA + RADIOTERAPIA + HORMONIOTERAPIA 7 2,8 Outras combinações de tratamento 49 19,8

10 Percentual de neoplasias de mama segundo o estado da doença após 1 ano do início do tratamento no HC-UFPR, de 2007 a 2009 N=214

11 Percentual de neoplasia de próstata segundo a faixa etária no HC-UFPR, 2007 a Casos analíticos

12 Neoplasia de próstata segundo o primeiro tratamento recebido no HC-UFPR, de 2007 a TIPO DE TRATAMENTO f % NENHUM 62 39,7 CIRURGIA 51 32,7 HORMONIO 24 15,4 RXT + HORMONIO 7 4,5 HORM. + QT 4 2,6 CIRURGIA + RXT 3 1,9 CX+ HORMONIO 3 1,9 HORM. + RXT + QT 2 1,3

13 Casos de neoplasia de próstata segundo o motivo pelo qual o tratamento não foi realizado no HC-UFPR, 2007 a 2009 Casos não analíticos motivo para não tratar f recusa de tratamento 10 doença avançada/ associada 4 abandono de tratamento 1 complicação do tratmento 1 óbito 5 outras causas 37 sem informação 4 total 62 Entre os 62 casos que não fizeram o tratamento no hospital, destacam-se como outras causas o encaminhamento para radioterapia em outros centros e não retornaram para continuação do tratamento; demora no agendamento de consulta de retorno por falta de vaga no ambulatório; casos que só fazem acompanhamento (observação vigilante).

14 Percentual de câncer de próstata segundo o estado da doença após o primeiro tratamento no HC-UFPR, de 2007 a Casos tratados no HC: 76

15 Percentual de neoplasia de cólon e reto segundo a faixa etária, HC-UFPR, de 2007 a Casos analíticos e não analíticos

16 Percentual de neoplasia de cólon e reto segundo o Estadiamento Clínico, HC-UFPR, de 2007 a Casos analíticos e não analíticos

17 Neoplasias colorretal segundo o 1º tratamento recebido no HC-UFPR, de 2007 a 2009 Casos analíticos TIPO DE TRATAMENTO f % CIRURGIA + QT 59 37,6 CIRURGIA 52 33,1 QT + RXT + CIRURGIA 21 13,4 CIRURGIA + RXT + QT 8 5,1 QT + RADIOTERAPIA 8 5,1 QT 7 4,5 RADIOTERAPIA 2 1,3

18 Percentual de câncer colorretal segundo o estado da doença após 1 ano do início do tratamento no HC-UFPR, de 2007 a Casos analíticos N= 169

19 Percentual de leucemias em adultos segundo a classificação histológica, HC-UFPR, de 2007 a Casos analíticos e não analíticos N= 224 casos

20 Percentual de leucemias em adultos segundo a faixa etária, HC-UFPR, de 2007 a Casos analíticos e não analíticos

21 Percentual de leucemias em adultos segundo o estado da doença após 1 ano de tratamento no HC-UFPR, de 2007 a Casos analíticos

22 Percentual de linfoma em adultos, segundo a classificação histológica, HC-UFPR, de 2007 a Casos analíticos e não analíticos N= 49

23 Percentual de linfoma em adultos, segundo a faixa etária, no HC-UFPR, de 2007 a Casos analíticos e não analíticos

24 Percentual de linfoma em adultos segundo o tratamento realizado no HC-UFPR, 2007 a 2009.

25 Percentual de linfomas em adultos segundo o estado da doença após o primeiro tratamento no HC-UFPR, de 2007 a Casos analíticos

26 O Registro Hospitalar de Câncer mantém o banco de dados no Serviço de Epidemiologia e pode disponibilizar os mesmos para pesquisa, seguindo as normas da instituição. Fone: Equipe Registradora: Monica Klimczuk Fernandes Coordenadora RHC: Rosa Helena S. Souza Chefe do SEpiH: Suzana Dal Ri Moreira

NEOPLASIAS DO APARELHO DIGESTIVO de 2003 a 2011. REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Rosa Helena Silva Souza

NEOPLASIAS DO APARELHO DIGESTIVO de 2003 a 2011. REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Rosa Helena Silva Souza NEOPLASIAS DO APARELHO DIGESTIVO de 2003 a 2011 REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Rosa Helena Silva Souza Percentual das neoplasias do aparelho digestivo atendidas no HC/UFPR segundo a localização topográfica.

Leia mais

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede 4ª Reunião do GT de Oncologia Projeto OncoRede Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Rio de Janeiro, 02 de Setembro de 2016 Clique para editar local e data Pauta da 4ª

Leia mais

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo GBECAM O Câncer de Mama no Estado de São Paulo Dra. Maria Del Pilar Estevez Diz Coordenadora Médica -Oncologia Clínica Diretora Médica Instituto do Câncer do Estado de São Paulo -ICESP Epidemiologia Incidência

Leia mais

Aumento dos suicídios em 2014

Aumento dos suicídios em 2014 Causas de Morte 2014 23 de maio de 2016 Aumento dos suicídios em 2014 As doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de 30,7% dos óbitos registados em 2014, mais 2,4% do que no ano anterior. Devido

Leia mais

Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo

Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo Causas de Morte 23 de maio de 2017 Morre-se mais de doenças do aparelho circulatório, mas os tumores malignos matam mais cedo As doenças do aparelho circulatório continuaram a ser a principal causa de

Leia mais

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS

TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS QUIMIOTERAPIA PALIATIVA: 03.04.02.015-0 - Quimioterapia Paliativa do Carcinoma de Nasofaringe avançado (estádio IV C ou doença recidivada) C11.0, C11.1, C11.2, C11.3, C11.8,

Leia mais

Estratégias Nutricionais na Alta Hospitalar e em Casa: Dificuldades e Soluções Ambulatório. Nut. Maria Emilia Fabre

Estratégias Nutricionais na Alta Hospitalar e em Casa: Dificuldades e Soluções Ambulatório. Nut. Maria Emilia Fabre Estratégias Nutricionais na Alta Hospitalar e em Casa: Dificuldades e Soluções Ambulatório Nut. Maria Emilia Fabre Recursos Financeiros 4% 96% SUS Convênios Consultório de Nutrição Acesso ao Ambulatório

Leia mais

Dra. Mariana de A. C. Lautenschläger Dr. Milton Flávio Marques Lautenschläger Dr. Rafael Aron Schmerling

Dra. Mariana de A. C. Lautenschläger Dr. Milton Flávio Marques Lautenschläger Dr. Rafael Aron Schmerling Dra. Mariana de A. C. Lautenschläger Dr. Milton Flávio Marques Lautenschläger Dr. Rafael Aron Schmerling O que é Câncer Como isso acontece Por que é tão perigoso A proliferação do Câncer O Câncer pode

Leia mais

Vigilância Epidemiológica em Câncer. Acadêmicos: Daniel Ferreira Sousa Dayane Silva Martins Gabriel Gonçalves Freitas Gabriella Ribeiro Marinho

Vigilância Epidemiológica em Câncer. Acadêmicos: Daniel Ferreira Sousa Dayane Silva Martins Gabriel Gonçalves Freitas Gabriella Ribeiro Marinho Vigilância Epidemiológica em Câncer Acadêmicos: Daniel Ferreira Sousa Dayane Silva Martins Gabriel Gonçalves Freitas Gabriella Ribeiro Marinho A palavra câncer tem origem grega Karkínos que quer dizer

Leia mais

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Código: ENF- 218 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo:

Leia mais

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Código: ENF- 218 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo:

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa SUDCAN Sobrevivência de Cancro em Países Europeus de Língua Latina Luísa Glória SUDCAN Sobrevivência indicador global de avaliação de qualidade

Leia mais

RRAS 08 DRS Sorocaba (Regiões de Saúde: Itapetininga, Itapeva e Sorocaba)

RRAS 08 DRS Sorocaba (Regiões de Saúde: Itapetininga, Itapeva e Sorocaba) Caracterização da assistência oncológica nas Redes Regionais de Atenção à Saúde no estado de São Paulo RRAS 08 DRS Sorocaba (Regiões de Saúde: Itapetininga, Itapeva e Sorocaba) Fundação Oncocentro de São

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa Estudo de Alta Resolução Tumores Malignos do Pulmão Maria Teresa Almodovar Objetivos 1. Detectar as diferenças na sobrevivência do cancro do pulmão

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM REGIME DE RESIDÊNCIA MÉDICA Processo Seletivo 2017 Resultado da Primeira Fase e Situação dos Candidatos para a Segunda Fase

ESPECIALIZAÇÃO EM REGIME DE RESIDÊNCIA MÉDICA Processo Seletivo 2017 Resultado da Primeira Fase e Situação dos Candidatos para a Segunda Fase 29 ECOCARDIOGRAFIA - 02 VAGAS 1 13274 30546362 73,33 HABILITADO 2 11102 352801360 70,00 HABILITADO 3 13106 211177688 66,67 HABILITADO 3 13694 4652758 66,67 HABILITADO 5 13795 439076754 63,33 HABILITADO

Leia mais

ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER Modelo de Riscos proporcionais de COX

ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER Modelo de Riscos proporcionais de COX ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER Modelo de Riscos proporcionais de COX Renato Azeredo Teixeira (UFMG / SES-MG) Prof a. Arminda Lucia Siqueira (UFMG) Ana Paula Azevedo Travassos (UFMG) Fonte

Leia mais

CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS RELATÓRIO DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELA EQUIPE DO NÚCLEO HOSPITALAR DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA JANEIRO A DEZEMBRO DE 2014

CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS RELATÓRIO DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELA EQUIPE DO NÚCLEO HOSPITALAR DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA JANEIRO A DEZEMBRO DE 2014 CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS RELATÓRIO DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELA EQUIPE DO NÚCLEO HOSPITALAR DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA JANEIRO A DEZEMBRO DE 24 NATAL / RN DEZEMBRO / 24 CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS Diretores

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa Estudo de Alta Resolução Linfomas Maria Gomes da Silva Objetivos 1. Descrever a epidemiologia dos diferentes tipos de linfomas na região do ROR

Leia mais

Registros Hospitalares de Câncer

Registros Hospitalares de Câncer MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Informação dos Registros Hospitalares de Câncer como estratégia de transformação Perfil do Instituto Nacional de Câncer

Leia mais

FUNDAÇÃO ONCOCENTRO DE SÃO PAULO Secretaria de Estado da Saúde. MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE SÃO PAULO, 1988 a 1998

FUNDAÇÃO ONCOCENTRO DE SÃO PAULO Secretaria de Estado da Saúde. MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE SÃO PAULO, 1988 a 1998 FUNDAÇÃO ONCOCENTRO MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO, 1988 a 1998 Apresentação Os dados aqui disponibilizados fazem parte de um estudo de mortalidade realizado pela Fundação Oncocentro de São Paulo e apresentado

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA, ESTADIAMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER

EPIDEMIOLOGIA, ESTADIAMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA, ESTADIAMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER Felipe Trevisan Radioterapia HCFMRP USP Fevereiro / 2012 Epidemiologia Descritiva Incidência Mortalidade Analítica Estudo das causas das doenças Epidemiologia

Leia mais

Indicações de tratamento paliativo em pacientes oncológicos

Indicações de tratamento paliativo em pacientes oncológicos Indicações de tratamento paliativo em pacientes oncológicos Dra Ana Paula de O Ramos Setor de Cuidados Paliativos Disciplina de Clínica Médica UNIFESP/EPM 2009 O que é câncer??? Definição - câncer É uma

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ.

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. COORDENADOR Prof a. Dr a. Denise Siqueira de Carvalho AUTOR

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 5, 6 e 7 Fevereiro 206 Lisboa Leucemia Mielóide Crónica Anabela Neves Classificação ICD-O 3ª Edição Tumores com comportamento maligno (/3) 9863 Leucemia mielóide crónica, SOE 9875

Leia mais

Dia Mundial de Combate ao Câncer: desmistifique os mitos e verdades da doença

Dia Mundial de Combate ao Câncer: desmistifique os mitos e verdades da doença Dia Mundial de Combate ao Câncer: desmistifique os mitos e verdades da doença Enviado por Link Comunicação 03-Abr-2014 PQN - O Portal da Comunicação Link Comunicação É mito ou verdade? Câncer tem cura?

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

O cancro no concelho de Santa Maria da Feira

O cancro no concelho de Santa Maria da Feira O cancro no concelho de Santa Maria da Feira António M. F. Araújo, MD, PhD Director do Serviço de Oncologia Médica do Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga Director do Serviço de Oncologia Médica do

Leia mais

PORTARIA No , DE 8 DE DEZEMBRO DE 2016

PORTARIA No , DE 8 DE DEZEMBRO DE 2016 PORTARIA No - 1.074, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2016 Defere projetos apresentados no âmbito do âmbito do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON). O SECRETÁRIO-EXECUTIVO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE,

Leia mais

É um nódulo pulmonar?

É um nódulo pulmonar? Avaliação dos Pequenos Nódulos Pulmonares Alexandre Dias Mançano Radiologia Anchieta Hospital Regional de Taguatinga DF É um nódulo pulmonar? Até 20% são imagens que mimetizam nódulos ao RX Fratura de

Leia mais

EDITAL TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CANCEROLOGIA CLÍNICA

EDITAL TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CANCEROLOGIA CLÍNICA EDITAL TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CANCEROLOGIA CLÍNICA - 2016 A Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC), sociedade de especialidade médica filiada a Associação Médica Brasileira, sendo seu Departamento

Leia mais

O que é e para que serve a Próstata

O que é e para que serve a Próstata O que é e para que serve a Próstata A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho genital masculino. Está localizada abaixo da bexiga, atravessada pela uretra. Seu tamanho e forma correspondem a

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas Fortaleza 2010 Lesões raras, acometendo principalmente mandíbula e maxila Quadro clínico

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS RCBP e Vigilância de DCNT Ferramenta para vigilância e monitoramento das neoplasias

Leia mais

Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA. Comissão de Residência Médica COREME

Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA. Comissão de Residência Médica COREME Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA Comissão de Residência Médica COREME Programa de Residência Médica CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA Instituída pelo Decreto nº 80.281, de 5 de setembro de 1977,

Leia mais

5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL

5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL 5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL 5.1. Introdução A criação de sistemas de informação que permitam a recolha sistemática de dados de morbilidade e mortalidade é indispensável para o estudo e vigilância

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

Câncer em adolescentes e adultos jovens no município de São Paulo: tendências na incidência ( ) e mortalidade ( )

Câncer em adolescentes e adultos jovens no município de São Paulo: tendências na incidência ( ) e mortalidade ( ) IZA ALZIRA CAVALHERI SCONZA Câncer em adolescentes e adultos jovens no município de São Paulo: tendências na incidência (1997-2010) e mortalidade (1997-2012) Dissertação apresentada ao Curso de Pós- Graduação

Leia mais

Programa de Aperfeiçoamento ONCOLOGIA ORTOPÉDICA. Comissão de Residência Médica COREME

Programa de Aperfeiçoamento ONCOLOGIA ORTOPÉDICA. Comissão de Residência Médica COREME Comissão de Residência Médica COREME A.C.CAMARGO CANCER CENTER O sonho do Prof. Dr. Antônio Prudente de oferecer assistência integrada a pacientes com câncer, formar profissionais especialistas e disseminar

Leia mais

Desafios para a promoção, prevenção e tratamento do câncer: O panorama global e o Brasil

Desafios para a promoção, prevenção e tratamento do câncer: O panorama global e o Brasil Desafios para a promoção, prevenção e tratamento do câncer: O panorama global e o Brasil André Medici Economista de Saúde, Editor do Blog Monitor de Saúde (www.monitordesaude.blogspot.com) ABRALE, São

Leia mais

O câncer afeta hoje mais de 15 milhões de pessoas no mundo todos os anos, levando cerca de 8 milhões a óbito.

O câncer afeta hoje mais de 15 milhões de pessoas no mundo todos os anos, levando cerca de 8 milhões a óbito. O câncer afeta hoje mais de 15 milhões de pessoas no mundo todos os anos, levando cerca de 8 milhões a óbito. No Dia Nacional de Combate ao Câncer, celebrado em 27 de novembro, o site Coração & Vida faz

Leia mais

PROTOCOLOS DO CEP/CEPON 2006

PROTOCOLOS DO CEP/CEPON 2006 PROTOCOLOS DO CEP/CEPON 2006 001/2006 Avaliação respiratória em pacientes submetidos à cirurgia para tratamento do câncer de mama Pesquisador Principal: Mirella Dias (orientadora) em 03/03/2006 002/2006

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

EXPANSÃO DA RADIOTERAPIA NO BRASIL: NOVAS ESTRATÉGIAS PARA AMPLIAR A OFERTA NO PAÍS

EXPANSÃO DA RADIOTERAPIA NO BRASIL: NOVAS ESTRATÉGIAS PARA AMPLIAR A OFERTA NO PAÍS EXPANSÃO DA RADIOTERAPIA NO BRASIL: NOVAS ESTRATÉGIAS PARA AMPLIAR A OFERTA NO PAÍS No Brasil, seguindo tendência mundial, a taxa de mortalidade por câncer está aumentando. Dados epidemiológicos apresentados

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

A importância das neoplasias na população idosa brasileira de 2000 a 2005

A importância das neoplasias na população idosa brasileira de 2000 a 2005 ARTIGO ORIGINAL A importância das neoplasias na população idosa brasileira de 2000 a 2005 Importance of cancer among the Brazilian elderly population from 2000 to 2005 Angelo Bezerra de Souza Fêde 1, Vanessa

Leia mais

INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO

INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO Enfª Katia Moreira Enfª Maria Cavalcanti Enfª Fabiana Verdan INCA 74 ANOS DE HISTÓRIA INCA DE HOJE O INCA DE AMANHÃ MISSÃO Ações nacionais integradas para

Leia mais

A PREVENÇÃO faz a diferença

A PREVENÇÃO faz a diferença 1 Localização da Próstata A probabilidade de se ter cancro da próstata ao longo da vida é elevada. Em média, em cada seis homens, um terá cancro da próstata. Contudo, a probabilidade de se morrer por cancro

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário.

Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário. Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário. 1 - Um homem de 50 anos com queixas de fadiga muito acentuada fez um exame médico completo que incluiu RX do tórax. Identificaram-se lesões

Leia mais

Políticas de expansão do atendimento oncológico

Políticas de expansão do atendimento oncológico Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas Políticas de expansão do atendimento oncológico Atenção Básica: Reforço da prevenção (câncer de colo de útero e câncer de mama): Atualização das

Leia mais

Avaliação do Doente Oncológico. José Alberto Fonseca Moutinho

Avaliação do Doente Oncológico. José Alberto Fonseca Moutinho Avaliação do Doente Oncológico José Alberto Fonseca Moutinho A determinação do tratamento oncológico depende da gravidade da doença Evitar: - Sub-tratamento (risco de recidiva) - Hipertratamento (aumento

Leia mais

SIMULAÇÃO DO TRATAMENTO DE CÂNCER DE PULMÃO

SIMULAÇÃO DO TRATAMENTO DE CÂNCER DE PULMÃO SIMULAÇÃO DO TRATAMENTO DE CÂNCER DE PULMÃO Thalhofer, J.L 1., Silva, A.X 1., Rebello, W.F.J 2., Correa, S.C.A 3 ; Reis, J.P 1., Souza, E.M 4., Batista, D.V.S. 5 1 Programa de Engenharia Nuclear UFRJ.

Leia mais

Diferenças no Tratamento do Câncer entre o SUS e a Saúde Suplementar. Dra Karina Costa Maia Vianna Oncologista Clínica- Hospital de Clínicas- UFPR

Diferenças no Tratamento do Câncer entre o SUS e a Saúde Suplementar. Dra Karina Costa Maia Vianna Oncologista Clínica- Hospital de Clínicas- UFPR Diferenças no Tratamento do Câncer entre o SUS e a Saúde Suplementar Dra Karina Costa Maia Vianna Oncologista Clínica- Hospital de Clínicas- UFPR Conjunto de mais de 100 tipos diferentes de doenças Crescimento

Leia mais

RADIOTERAPIA e ONCOLOGIA

RADIOTERAPIA e ONCOLOGIA RADIOTERAPIA e ONCOLOGIA Radioterapia FILA ÚNICA - A partir de 11.07.2014 todas as solicitações de radioterapia do município reguladas em fila única; PROGRAMAÇÃO NO SISREG oferta das unidades executantes

Leia mais

ALTERAÇÃO DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS Diário Oficial da União Nº 249, Seção I, de 30 de dezembro de 2009

ALTERAÇÃO DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS Diário Oficial da União Nº 249, Seção I, de 30 de dezembro de 2009 Circular 001/2010 São Paulo, 05 de janeiro de 2010. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) ALTERAÇÃO DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS Diário Oficial da União Nº 249, Seção I, de 30 de dezembro

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

Rua Teixeira Soares, Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (0**54) e Fax.: (0**54) End. Eletrônico: http: //www.hsvp.com.

Rua Teixeira Soares, Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (0**54) e Fax.: (0**54) End. Eletrônico: http: //www.hsvp.com. HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULO DA SOCIEDADE HOSPITALAR BENEFICENTE SÃO VICENTE DE PAULO Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (0**54)311.2000 e Fax.: (0**54) 311.6669 End. Eletrônico:

Leia mais

Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS*

Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS* Mortalidade por Causas Evitáveis e Implementação do Sistema Único no Brasil - SUS* Daisy Maria Xavier de Abreu Cibele Comini César Elisabeth Barboza França * Parte integrante da Tese de Doutorado apresentada

Leia mais

Unidade de Hemato-oncologia Pediátrica Hospital Pediátrico Integrado Centro Hospitalar São João. Maria do Bom-Sucesso Coordenadora 1.11.

Unidade de Hemato-oncologia Pediátrica Hospital Pediátrico Integrado Centro Hospitalar São João. Maria do Bom-Sucesso Coordenadora 1.11. Unidade de Hemato-oncologia Pediátrica Hospital Pediátrico Integrado Centro Hospitalar São João Maria do Bom-Sucesso Coordenadora 1.11.14 UHOP O prognóstico dos tumores pediátricos é determinado pela precocidade

Leia mais

Licenciatura em Ciências Biomédicas Laboratoriais. Oncobiologia 2016/17. Aula 3. Inês Rodrigues Gab. 2.

Licenciatura em Ciências Biomédicas Laboratoriais. Oncobiologia 2016/17. Aula 3. Inês Rodrigues Gab. 2. Licenciatura em Ciências Biomédicas Laboratoriais Oncobiologia 2016/17 Aula 3 Inês Rodrigues igrodrigues@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Sumário Epidemiologia Cancro nas populações Factores epidemiológicos

Leia mais

RELATÓRIO Oncohematologia Pediátrica - Hospital Federal da Lagoa/RJ. Responsável: Dra. Soraia Rouxinol

RELATÓRIO Oncohematologia Pediátrica - Hospital Federal da Lagoa/RJ. Responsável: Dra. Soraia Rouxinol RLATÓRIO 2013-2015 Oncohematologia Pediátrica - Hospital Federal da Lagoa/RJ Responsável: Dra. oraia Rouxinol INTRODUÇÃO Objetivo do Relatório: Prestação de contas dos recursos recebidos pelo etor de Oncohematologia

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR - PR. Interação entre Serviço e Ensino

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR - PR. Interação entre Serviço e Ensino VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR - PR Interação entre Serviço e Ensino Definição - Vigilância Epidemiológica Lei Orgânica da Saúde (Lei 8.080/90) Conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007

MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007 Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-15 MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007 Resumo Eva

Leia mais

Neoplasias. Margarida Ascensão. Teresa Matias

Neoplasias. Margarida Ascensão. Teresa Matias Neoplasias Margarida Ascensão Teresa Matias 01-04-2012 1 Objetivos Identificar as principais dificuldades da codificação da doença Neoplásica Diagnóstico principal Identificar os principais erros na codificação

Leia mais

ONCOLOGIA ORTOPÉDICA

ONCOLOGIA ORTOPÉDICA Programa de Capacitação Profissional ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Comissão de Residência Médica COREME A.C.CAMARGO CANCER CENTER O sonho do Prof. Dr. Antônio Prudente de oferecer assistência integrada a pacientes

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES COM NEOPLASIA DE MAMA EM TRATAMENTO COM TRANSTUZUMABE EM HOSPITAL NO INTERIOR DE ALAGOAS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES COM NEOPLASIA DE MAMA EM TRATAMENTO COM TRANSTUZUMABE EM HOSPITAL NO INTERIOR DE ALAGOAS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES COM NEOPLASIA DE MAMA EM TRATAMENTO COM TRANSTUZUMABE EM HOSPITAL NO INTERIOR DE ALAGOAS Andreia Herculano da Silva Casa de Saúde e Maternidade Afra Barbosa Andreiah.silva@hotmail.com

Leia mais

Programa de Mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais

Programa de Mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Escola Nacional de Ciências Estatísticas ENCE Reconhecida pelo Decreto n0 51.163, de 08/08/61,

Leia mais

Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente

Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento. Joaquim Valente Sistema Informações em Mortalidade - SIM Funcionamento Joaquim Valente jvalente@ensp.fiocruz.br Organização Geral Nível Local Nível Regional Nível Central Estadual Nível Central Federal Fluxo da Informação

Leia mais

Subsídios para um novo modelo de atenção ao câncer no Estado de São Paulo

Subsídios para um novo modelo de atenção ao câncer no Estado de São Paulo artigo original Subsídios para um novo modelo de atenção ao câncer no Estado de São Paulo Subsidies for a new cancer care model in the State of São Paulo RESUMO São apresentados inicialmente aspectos da

Leia mais

RADIOTERAPIA EXTERNA CONFORMACIONAL 3D NO TRATAMENTO DE CARCINOMAS DA NASOFARINGE: EXPERIÊNCIA DE UM SERVIÇO

RADIOTERAPIA EXTERNA CONFORMACIONAL 3D NO TRATAMENTO DE CARCINOMAS DA NASOFARINGE: EXPERIÊNCIA DE UM SERVIÇO RADIOTERAPIA EXTERNA CONFORMACIONAL 3D NO TRATAMENTO DE CARCINOMAS DA NASOFARINGE: EXPERIÊNCIA DE UM SERVIÇO Centro Hospitalar Lisboa Norte Serviço de Radioterapia SUMÁRIO Introdução Objetivos Material

Leia mais

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009 RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 29 Doenças e Agravos Não Transmissíveis DANT/SMS Porto Alegre Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Estudo Epidemiológico de Casos de Câncer no Estado de Mato Grosso do Sul - MS

Estudo Epidemiológico de Casos de Câncer no Estado de Mato Grosso do Sul - MS Estudo Epidemiológico de Casos de Câncer no Estado de Mato Grosso do Sul - MS Study Cancer Epidemiology Case in Mato Grosso do Sul - MS TRENKEL, Fernanda Adriéli 1 ; MAIA, Sebastião Gabriel Chaves 2 1

Leia mais

Guia de seleção de documentos para as fontes de informação da BVS Prevenção e Controle de Câncer

Guia de seleção de documentos para as fontes de informação da BVS Prevenção e Controle de Câncer Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva (INCA) Guia de seleção de documentos para as fontes de informação da BVS Prevenção e Controle de Câncer Rio de Janeiro-RJ

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA MULTIDISCIPLINAR: RELATO DE EXPERIÊNCIA DAS ATIVIDADES DA LIGA DA MAMA EM 2010

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA MULTIDISCIPLINAR: RELATO DE EXPERIÊNCIA DAS ATIVIDADES DA LIGA DA MAMA EM 2010 EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA MULTIDISCIPLINAR: RELATO DE EXPERIÊNCIA DAS ATIVIDADES DA LIGA DA MAMA EM 2010 GOMES, Higor Costa 1 ; CABERO, Flávia Vidal 2 ; FREITAS-JUNIOR, Ruffo 3 ; RAHAL, Rosemar Macedo Sousa

Leia mais

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 1 VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 2 3 Como muitas mulheres, Ângela Helena tem uma vida corrida. Ela trabalha, cuida da família, faz cursos e também reserva um tempo para cuidar

Leia mais

O MUNICÍPIO DE SANTA ROSA

O MUNICÍPIO DE SANTA ROSA O MUNICÍPIO DE SANTA ROSA LOCALIZAÇÃO: Noroeste do RS 500 Km de Porto Alegre. POPULAÇÃO: 67.743 habitantes 58.000 na zona urbana 9.743 na zona rural Pólo de uma região com 229. 922 habitantes, formados

Leia mais

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Currículo Disciplina Carga Horária Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Assistência de Enfermagem a Criança a ao Adolescente Grave ou de Risco Estágio

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento,

Leia mais

Projeções de Incidência de Cancro Região Norte , 2015 e 2020

Projeções de Incidência de Cancro Região Norte , 2015 e 2020 Projeções de Incidência de Cancro Região Norte - 2013, 2015 e 2020 2 Sobrevivência Global RORENO 2005-2006 Projeções de Incidência de Cancro Região Norte - 2013, 2015 e 2020 Elaborado pelo Registo Oncológico

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ÁREA DE CONHECIMENTO: CIRURGIA GERAL 4. Cuidados Pré, trans e pós operatório. 5. Resposta endócrina e metabólica ao trauma. 6. Infecção

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS REALIZADOS EM IDOSOS COM INFECÇÃO RELACIONADA À SAÚDE EM UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA NO TRATAMENTO DO CÂNCER

CARACTERIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS REALIZADOS EM IDOSOS COM INFECÇÃO RELACIONADA À SAÚDE EM UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA NO TRATAMENTO DO CÂNCER CARACTERIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS REALIZADOS EM IDOSOS COM INFECÇÃO RELACIONADA À SAÚDE EM UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA NO TRATAMENTO DO CÂNCER Joice Silva do Nascimento (1); Aryele Rayana Antunes

Leia mais

Importância dos. em Ginecologia Ramon Andrade R2 Prof. Dr. Maurício Magalhães - Orientador

Importância dos. em Ginecologia Ramon Andrade R2 Prof. Dr. Maurício Magalhães - Orientador Importância dos marcadores tumorais em Ginecologia Ramon Andrade R2 Prof. Dr. Maurício Magalhães - Orientador Definição Macromoléculas (principalmente proteínas) Origem Gênese tumoral Resposta do organismo

Leia mais

Sarcomas de partes moles do adulto Estudo Populacional/Institucional Regiões do Alentejo e Algarve

Sarcomas de partes moles do adulto Estudo Populacional/Institucional Regiões do Alentejo e Algarve Sarcomas de partes moles do adulto Estudo Populacional/Institucional Regiões do Alentejo e Algarve Jornadas do ROR Sul Teresa Alexandre Oncologia Médica IPO Lisboa 17 Fevereiro 2016 Introdução Sarcomas

Leia mais

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA Bases da Radioterapia Tipos de Radioterapia Efeitos Colaterais Enf. Alexandre Barros Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein - SP Paciente :

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O DIAGNÓSTICO PRECOCE E A MELHORIA NO PROGNÓSTICO DE CRIANÇAS COM CÂNCER

A RELAÇÃO ENTRE O DIAGNÓSTICO PRECOCE E A MELHORIA NO PROGNÓSTICO DE CRIANÇAS COM CÂNCER A RELAÇÃO ENTRE O DIAGNÓSTICO PRECOCE E A MELHORIA NO PROGNÓSTICO DE CRIANÇAS COM CÂNCER Débora V M A Duarte 1 ; Maine V A Confessor 2 1- Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande 2- DOCENTE/ ORIENTADOR

Leia mais

Acadêmicas do Curso de Enfermagem da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Acadêmicas do Curso de Enfermagem da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. PERFIL CLÍNICO E EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES ONCOLÓGICOS. RESUMO Dagmar Scholl Lauter 1 Gerli Elenise Gehrke Herr 2 Marina Mazzuco de Souza 3 Jaqueline Oss Ceratti 3 Adriane Cristina Bernat Kolankiewicz

Leia mais

Braquiterapia Ginecológica

Braquiterapia Ginecológica Braquiterapia Ginecológica Indicações e recomendações clínicas American Brachytherapy Society (ABS) European Society for Radiotherapy & Oncology (GEC-ESTRO) Rejane Carolina Franco Hospital Erasto Gaertner-

Leia mais

MORTALIDADE POR DE CÂNCER DE MAMA NO ESTADO DA PARAÍBA ENTRE 2006 E 2011

MORTALIDADE POR DE CÂNCER DE MAMA NO ESTADO DA PARAÍBA ENTRE 2006 E 2011 MORTALIDADE POR DE CÂNCER DE MAMA NO ESTADO DA PARAÍBA ENTRE 2006 E 2011 Tayná Lima dos Santos; Ideltonio José Feitosa Barbosa Universidade Federal da Paraíba. Email: taynalima95@hotmail.com Universidade

Leia mais

Relatório Anual de Actividades de 2006

Relatório Anual de Actividades de 2006 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRECÇÃO NACIONAL DE SAÚDE REPARTIÇÃO DE DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PROGRAMA DE REGISTO DE CANCRO DE BASE POPULACIONAL BEIRA Introdução Relatório Anual de Actividades

Leia mais

Câncer de Próstata. Dr.Adolfo Oliveira

Câncer de Próstata. Dr.Adolfo Oliveira Câncer de Próstata Dr.Adolfo Oliveira Câncer de Próstata Aproximadamente 46 mil casos/ano Cerca 24% de chance de desenvolver Câncer de Próstata durante a vida Aproximadamente 30% não são avaliadas para

Leia mais

BIG NECK 2017 MANEJO DE PACIENTES JOVENS 04 A 06 DE MAIO DE 2017 CENTRO DE CONVENÇÕES REBOUÇAS AV. REBOUÇAS, 600 CERQUEIRA CÉSAR SÃO PAULO/SP

BIG NECK 2017 MANEJO DE PACIENTES JOVENS 04 A 06 DE MAIO DE 2017 CENTRO DE CONVENÇÕES REBOUÇAS AV. REBOUÇAS, 600 CERQUEIRA CÉSAR SÃO PAULO/SP 4ª SECCAPE USP SEMANA DA CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO DA USP BIG NECK 2017 MANEJO DE PACIENTES JOVENS 04 A 06 DE MAIO DE 2017 CENTRO DE CONVENÇÕES REBOUÇAS AV. REBOUÇAS, 600 CERQUEIRA CÉSAR SÃO PAULO/SP

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER Dra Juliana Monteiro Ramos Coelho Coordenadora da Área Técnica da Saúde da Mulher Responsável Técnica da Policlínica da Mulher OBJETIVOS Programar, qualificar, humanizar

Leia mais

Tecidos Normais X Neoplasia. Efeitos Tardios

Tecidos Normais X Neoplasia. Efeitos Tardios Radioterapia Intra-operatória Eduardo Weltman Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Hospital Israelita Albert Einstein Radiobiologia Radiossensibilidade Radiocurabilidade Radiossensibilidade

Leia mais

Registo Oncológico Pediátrico Português. 1º Seminário de Oncologia Pediátrica Lisboa,1 Novembro de 2014

Registo Oncológico Pediátrico Português. 1º Seminário de Oncologia Pediátrica Lisboa,1 Novembro de 2014 Registo Oncológico Pediátrico Português 1º Seminário de Oncologia Pediátrica Lisboa,1 Novembro de 2014 CANCRO Importante problema de saúde pública no mundo 1ª ou 2ª causa de morte na maioria dos países

Leia mais

&PREVALÊNCIA DE CÂNCER ENTRE USUÁRIOS

&PREVALÊNCIA DE CÂNCER ENTRE USUÁRIOS A r t i g o &PREVALÊNCIA DE CÂNCER ENTRE USUÁRIOS DE UM HOSPITAL LOCALIZADO NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL Carina Siqueira Martelli da Silva 1 Priscila de Oliveira Bolzan Bonadiman 2 Elenir Fedosse

Leia mais

Fontes que contribuíram para o estudo do Cancro em Portugal. Breve resenha histórica

Fontes que contribuíram para o estudo do Cancro em Portugal. Breve resenha histórica Breve resenha histórica O estudo do Cancro em Portugal surge com a criação da Comissão encarregada para o estudo do Cancro a 20 de Janeiro de 1904 Esta comissão foi incentivada por Azevedo Neves que tinha

Leia mais