Gestão Ambiental. Gestão ambiental no contexto da ISO Professora: Msc Ketlin C. B. Mancinelli

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão Ambiental. Gestão ambiental no contexto da ISO Professora: Msc Ketlin C. B. Mancinelli"

Transcrição

1 Gestão Ambiental Gestão ambiental no contexto da ISO Professora: Msc Ketlin C. B. Mancinelli

2 Introdução O atual cenário das organizações tem exigido profissionais mais qualificados e preparados para os desafios do mercado. O mundo globalizado permite a transferência de informação e conhecimento exigindo dos gestores uma visão sistêmica, conhecimento e habilidade para solução dos problemas. O conceito de sustentabilidade nos negócios é reconhecido como um diferencial competitivo. E com isso, além das dimensões econômicas, empresas buscam incorporar na gestão de seus negócios as dimensões ambientais e sociais. 2

3 Introdução Identificar as necessidades e expectativas das partes interessadas é uma boa prática para a organização levantar oportunidades e mapear os impactos do seu negócio no meio ambiente e na sociedade. A sustentabilidade nos negócios tem relação direta com o atendimento dos interesses das partes interessadas. Investidores Mercados Clientes Organização Público interno Comunidade A organização e seus grupos de interesse. Concorrentes Leis 3

4 Introdução A Lei n /1981 (Política Nacional do Meio Ambiente) se aplica a qualquer organização onde possa ocorrer degradação da qualidade ambiental, resultante da atividades que direta ou indiretamente: Prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população. Criem condições adversas às atividades sociais e econômicas. Afetem desfavoravelmente a biota. Afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente. Lancem matéria ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos. 4

5 Introdução Neste contexto se insere a contribuição de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) que forneça um processo estruturado para atingir a melhoria contínua da qualidade ambiental, cujo ritmo e amplitude sejam determinados pela organização à luz de circunstâncias econômicas e demais condicionantes. 5

6 Introdução Integração do SGA com as demais funções organizacionais A integração das questões ambientais como o sistema de gestão global da organização pode contribuir para a efetiva implementação do SGA, bem como para sua eficiência e clareza de atribuições. 6

7 SGA segundo a ISO É a norma internacional sobre sistema de gestão ambiental, pertecente à Série de Normas ISO A área da ISO responsável pela Série ISO é o Comitê Técnico Ambiental 207, chamado ISO/TC207, fundado em Seu correspondente, na ABNT, é o Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, o CB-38. Em 2004, a norma internacional sobre Sistema de Gestão Ambiental foi revisada, ISO 14001:2004, já publicada em português pela ABNT, como NBR ISO 14001:2004. SGA: a parte do sistema de gestão global que inclui estrutura organizacional, atividades de planejamento, responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos para desenvolver, implementar, atingir, analisar criticamente e manter a política ambiental 7

8 Introdução A norma ISO aplica-se a qualquer organização que deseje: implementar, manter e aprimorar um SGA; assegurar-se de sua conformidade com a política ambiental definida; demonstrar tal conformidade a terceiros; buscar certificação ou registro do seu SGA por uma organização externa; realizar uma autoavaliação e emitir autodeclaração de conformidade com essa norma. 8 Barbieri (2004)

9 SGA segundo a ISO É esperado que o SGA permita a uma organização: Estabelecer uma política ambiental apropriada para si. Identificar os aspectos ambientais decorrentes de atividades, produtos ou serviços da organização, passados, existentes ou planejados, para determinar os impactos ambientais significativos. Identificar os requisitos legais e regulamentares aplicavéis. Identificar prioridades e estabelecer objetivos e metas ambientais apropriados. Estabelecer uma estrutura e programa(s) para implementar a política e atingir os objetivos e metas. Facilitar as atividades de planejamento, controle, monitoramento, ação corretiva, auditoria e análise crítica, de forma a assegurar que a política seja obedecida e que o sistema de gestão ambiental permaneça apropriado. Ser capaz de adaptar-se às mudanças das circunstâncias. 9

10 SGA Conceitos importantes 1. Política ambiental: 2. Sistema de gestão ambiental: 3. Aspectos ambientais: 4. Impacto ambiental: 5. Auditoria ambiental: 6. Objetivo ambiental: 7. Meta ambiental: 8. Desempenho ambiental: 9. Parte interessada: 10. Prevenção da poluição: 10

11 SGA Conceitos importantes Política ambiental: declaração da organização, expondo suas intenções e princípios em relação ao seu desempenho ambiental global, que provê uma estrutura para ação e definição se seus objetivos e metas ambientais. Objetivo ambiental: propósito ambiental global, decorrente da política ambiental, que uma organização se propõe a atingir, sendo quantificado sempre que exequível. Meta ambiental: requisito de desempenho detalhado, quantificado sempre que exequível, aplicável à organização ou parte dela, resultante dos objetivos ambientais e que necessita ser estabelecido e atendido para que tais objetivos sejam atingidos. 11

12 SGA Requisitos básicos Requisitos relativos a um SGA que uma organização deve levar em conta ao desenvolver e implementar uma política ambiental e cumprir os objetivos ambientais decorrentes. Os requisitos são o que é necessário fazer para se ter um SGA implementado e funcionando, cumprindo a política ambiental, praticando a prevenção da poluição e comprovando a melhoria contínua do desempenho ambiental, adotando-se a abordagem do ciclo PDCA. 12

13 Estrutura do SGA segundo modelo PDCA POLÍTICA AMBIENTAL ANÁLISE CRÍTICA PELA ADMINISTRAÇÃO VERIFICAÇÃO E AÇÃO CORRETIVA - Monitoramento e medição - Não conformidade e ações corretivas e preventivas - Registros - Auditorias do SGA 13 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PLANEJAMENTO - Aspectos ambientais - Requisitos legais e outros requisitos - Objetivos e metas - Programa(s) de GA IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO - Estrutura e responsabilidade - Treinamento, conscientização e competência. - Comunicação - Documentação do SGA - Controle de Documentos - Controle operacional - Preparação e atendimento a emergências.

14 14

15 SGA Etapas Análise crítica inicial É recommendável para uma organização que ainda não possua sistema de gestão ambiental que estabeleça, inicialmente, sua posição atual em relação aos aspectos ambientais através de uma avaliação ambiental inicial. Determinar Identificar Definir - Pontos fortes e fracos da empresa com relação à legislação - Principais demandas de partes interessadas externas e internas 15 - Principais acidentes - Passivo ambiental - Selecionar práticas exemplares (benchmarking) - Principais aspectos/impactos - Modelo se SGA e estabelecer estratégias para integrá-lo - Alinhamento do SGA com os básicos de liderança da organização: valores, visão e missão, códigos de ética etc.

16 SGA Etapa 1- Definição da política É o elemento motor para a implementação e o aprimoramento do sistema de gestão ambiental, permitindo que seu desempenho ambiental seja mantido e potencialmente aperfeiçoado. Deve refletir o comprometimento da alta administração em relação ao atendimento às leis aplicáveis e à melhoria contínua, constituindo a base para o estabelecimento dos objetivos e metas da organização e, ainda, ser suficientemente clara para seu entendimento pelas partes interessadas, internas e externas, permitindo sua periodica analise e revisão. Temas que devem estar presentes ISO

17 SGA Etapa de planejamento 1- Definição da política - exemplo Uma empresa líder no desenvolvimento, fabricação e calibração de instrumentos para o mercado sul americano e no fornecimento de instrumentos para o mercado internacional, é comprometida com a proteção do meio ambiente e assume: Atender os requisitos estipulados pela legislação e a outros requisitos relacionados a seus aspectos ambientais; Identificar e buscar a prevenção da poluição decorrente das operações fabris, com ênfase na minimização da geração de resíduos e redução do consumo de recursos naturais; Considerar os aspectos ambientais na execução diária das tarefas; Buscar a melhoria continua do desenvolvimento ambiental, por meio de incentivo à reciclagem a ao reuso, e ao envolvimento de seus colaboradores na conscientização ambiental, despertando o interesse pelo meio ambiental, por meio de processos educativos. 17

18 SGA Etapa de planejamento Levantamento de aspectos e impactos ambientais Aspectos: levar em consideração as entradas e saídas associadas às suas atividades, produtos e/ou serviços atuais e passados, se pertinentes. Impactos: identificar os impactos ambientais associados aos espectos, sendo necessário determinar se são ou não significativos. A organização deve documentar essas informações, mantê-las atualizadas e assegurar que os aspectos ambientais significativos sejam cobertos no estabelecimento, implementação e manutenção do SGA. 18

19 SGA Etapa de planejamento Levantamento de Aspectos e Impactos (LAI) Situações Normais Início e fim das operações Emergência Atividades anteriores, produtos e serviços Reais ou potenciais Selecionar o processo ou atividade Identificar os aspectos da atividade Identificar Impactos Ambientais Aspectos Emissões para o ar Liberação para a água Resíduos Despejos no solo Utilização de matériaprima Questões da comunidade 19

20 ENTRADAS SAÍDAS - Matéria-prima - Produtos Auxiliares - Água - Ar - Energia - Recursos PROCESSO INDUSTRIAL - Produtos - Efluentes Líquidos - Emissões para a atmosfera - Resíduos - Perdas 20

21 SGA Etapa de planejamento Aspectos Emissões atmosféricas; lançamentos em corpos d água; lançamentos no solo; uso de matérias-primas e recursos naturais; uso de energia; energia emitida (calor, radiação, vibração); resíduos e subprodutos, atributos físicos (tamanho, cor, forma, aparência) Adicionalmente aos aspectos ambientais que podem ser controlados diretamente, a organização deve também considerar aspectos que possam influenciar, como aqueles associados a bens e serviços por ela utilizados e produtos e serviços que ela fornece: Distribuição e uso de água; lixo produzido; descarte de embalagens; efluentes sanitários; emissão de gases poluentes; uso de material de papelaria; qualidade do ar; descarte de produtos químicos 21

22 SGA Etapa de planejamento Aspectos atividades, produtos e serviços da organização Projetos e desenvolvimento Processos de fabricação Embalagem e transporte Desempenho ambiental e práticas de prestadoras de serviços e fornecedores Gerenciamento de resíduos Extração e distribuição de matérias-primas e recursos naturais Distribuição, uso e fim de vida de produtos Vida selvagem e biodiversidade 22

23 SGA Etapa de planejamento Impacto categorias de impactos ambientais Ecotoxicidade Fumaça fotoquímica oxidante Redução da camada de ozônio Consumo de recursos naturais Consumo de energia Efeito estufa Contribuição para a ruptura das camada de ozônio Acidificação Toxicidade humana Alteração da qualidade do ar, solo, das águas superficiais, subterrâneas Degradação do ecossistema Assoreamento de cursos d água Contribuição para o esgotamento dos recursos naturais são renováveis Incômodo e desconforto 23

24 SGA Etapa de planejamento Requisitos legais e outros requisitos Requisitos legais aplicáveis ás suas atividades, e outros requiditos, tais como normas, códigos e princípios setoriais. 24

25 25

26 SGA Etapa de planejamento Objetivos e metas objetivos e metas ambientais devem ser estabelecidos, implementados, documentados e mantidos por uma organização, um funções e níveis relevantes de responsabilidades, definidos no SGA. Ao estabelecer e analisar seus objetivos e metas, uma organização deve considerar os requisitos legais e outros requisitos por ela subscritos, e seus aspectos ambientias significativos. Deve também considerar suas opções tecnológicas, seus requisitos financeiros, operacionais, comerciais e a visão das partes interessadas. Devem ser específicos e mensuráveis, quando possível, e coerentes com a política ambiental, incluindo todos os comprometimentos nela expressos. 26

27 SGA Etapa de planejamento Objetivos e metas exemplo Objetivo: promover educação ambiental junto à comunidade. Meta: distribuição de 1001 mudas de árvores para colaboradores, clientes e/ou comunidade no decorrer de um ano. 27

28 SGA Etapa de planejamento Programa de gestão ambiental Deve ser estabelecido e mantido, de modo a atender os objetivos e metas fixadas pela organização, incluindo: a) Atribuição de responsabilidades para atingir os objetivos e metas em cada função e nível pertinente da organização; b) Os meios, envolvendo aplicação de técnicas e operações, e os prazos envolvidos; c) O alcance de objetivos e metas ambientais. 28

29 29

30 SGA Etapa de planejamento Modelo de Plano de Ação 5W 1H Item O quê? Onde? Quando? Quem? Como? Por que? 1 Troca de lâmpadas incandescentes por fluorescentes 2 O que deverá ser executado Setor A x/x/x João Solicitando troca à manutenção Local Data Responsável Como executar a ação Redução do consumo de energia Motivo da ação 30

31 31

32 SGA Etapa de implementação e operação Estrutura, recursos, funções, responsabilidades e autoridades A administração deve assegurar a disponibilidade de recursos essenciais para estabelecer, implementar, manter e melhorar o SGA. Esses recursos incluem recursos humanos e habilidades especializadas, infraestrutura organizacional, tecnologia e recursos financeiros. A organização deve definir, documentar e comunicar os papéis, as responsabilidades e autoridades para facilitar uma efetiva gestão ambiental. A alta administração deve propor recursos humanos, tecnológicos e financeiros, que sejam essenciais à implantação e o controle do SGA. Deve indicar representante(s) específico(s) da administração, o(s) qual(is), independentemente de outras responsabilidades, deve(m) ter função, responsabilidade e autoridade definidas: - Assegurar que o SGA seja estabelecido, implementado e mantido com os requisitos da Norma; - Relatar à alta administração o desempenho do SGA, para análise, incluindo recomendações para melhoria. 32

33 Exemplo de matriz de responsabilidade 33

34 SGA Etapa de implementação e operação Treinamento, conscientização e competência É recomendado que a organização estabeleça e mantenha procedimento para a identificação das necessidades de treinamento. Todas as pessoas da organização que possam criar um impacto significativo ao meio ambiente devem receber treinamento apropriado. A organização deve estabelecer e manter procedimentos para conscientização dos seus empregados em todos os níveis, sobre: A importância da política ambiental A significância dos impactos ambientais Os papéis e responsabilidades no cumprimento da política ambiental As consequências da violação de procedimentos operacionais especificados 34

35 Exemplificação genérica de matriz de treinamento TIPO DE TREINAMENTO PÚBLICO PROPÓSITOS Conscientização sobre a importância estratégica da gestão ambiental Conscientização sobre questões ambientais em Geral Aperfeiçoamento de habilidades Cumprimento de Requisitos 35 Gerência executiva Obter o comprometimento e harmonização com a política ambiental Todos os empregados Obter o comprometimento com a política ambiental, seus objetivos e metas, e fornecer um senso de responsabilidade individual Empregados com Responsabilidades ambientais Empregados cujas ações possam afetar o cumprimento dos requisitos Melhorar o desempenho em áreas específicas da organização tais como operações, engenharia, pesquisa e desenvolvimento Assegurar que os requisitos legais e internos para treinamento sejam cumpridos

36 SGA Etapa de implementação e operação Comunicação 36 A organização deve estabelecer procedimentos para: Manter comunicação interna entre os diversos níveis e funções da organização. Receber, documentar e responder a iniciativas de comunicação relevantes de partes interessadas externas. A organização deve considerar a comunicação externa sobre aspectos ambientais e sistema de gestão ambiental, a organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para: Comunicação interna entre os vários níveis e funções da organização Recebimento, documentação e resposta a comunicações pertinentes oriundas de partes interessadas externas A organização deve decidir se realizará comunicação externa sobre seus aspectos ambientais significativos, devendo documentar sua decisão.

37 Exemplo de programa de comunicação ambiental Comunicação interna Estão estruturados diversos canais de comunicação internos, gerenciados pela Assessoria de Comunicação e Responsabilidade Social, com o apoio do Comitê de Comunicação, que é constituído por representantes de diversas áreas, atendendo aos objetivos de: promover a disseminação de informações de interesse corporativo, tais como a identidade organizacional, a política da gestão, os objetivos e as metas do sistema integrado de gestão, as estratégias e planos da organização, os indicadores de desempenho e as conclusões da análise crítica; possibilitar o fluxo de informações em todos os níveis da organização apoiando os processos de análise e tomada de decisão, de realização das atividades e de melhoria dos seus processos internos; reforçar a conscientização de todos os colaboradores para a qualidade dos produtos e serviços; e disseminar os conceitos e práticas de gestão ambiental, saúde, segurança e responsabilidade social. 37

38 Comunicação externa Como forma de estreitar o relacionamento com as partes interessadas externas, estão estruturados diversos meios para o recebimento, documentação e resposta às manifestações, como canais telefônicos (0800 Comunidade) e site na internet, atendendo aos objetivos de: atender as solicitações de informações sobre os produtos e serviços, aprimorar o relacionamento comercial e fornecer suporte técnico relativo às especificações e aplicações dos produtos; demonstrar para a comunidade, os colaboradores e seus familiares, o comprometimento da organização com a qualidade, meio ambiente, saúde e segurança e responsabilidade social; responder às manifestações das partes interessadas; comunicar aos fornecedores ocorrências de não-conformidades relativas aos seus produtos e serviços e responsabilidade social, solicitando as devidas correções e reparações; e responder às manifestações das autoridades governamentais. A empresa comunica regularmente, a todas as partes interessadas, dados e informações relativas ao desempenho do SIG, incluindo os indicadores de monitoramento e os resultados da reunião de análise crítica. 38

39 SGA Etapa de implementação e operação Documentação e controle de documentos Segundo a ISO, os documentos requeridos pelo SGA devem ser controlados. É recomendável que o nível de detalhamento da documentação seja suficiente para descrever os elementos principais do SGA e sua interação, fornecendo orientação sobre fontes de informação mais detalhadas sobre o funcionamento de partes específicas do SGA. - Essa documentação pode ser integrada com as de outros sistemas implementados pela organização, não precisando estar na forma de um único manual. Pode incluir: Informações sobre processos, organogramas, normas internas e procedimentos operacionais e planos locais de emergência. 39

40 SGA Etapa de implementação e operação Documentação e controle de documentos - deve incluir ainda: Política, objetivos e metas ambientais Descrição do escopo do sistema de gestão ambiental Descrição dos principais elementos do SGA e sua interação e referência aos documentos associados Documentos, incluindo registros, requeridos por esta Norma Documentos, incluindo registros, determinados pela organização como sendo necessários para assegurar o planejamento, operação e controle eficazes dos processos que sejam associados com seus aspectos ambientais significativos. 40

41 41

42 SGA Etapa de implementação e operação Documentação e controle de documentos - A organização deve estabelecer e manter procedimento para controlar todos os documentos requeridos pelo SGA, devendo garantir que estejam/sejam: Localizados, revisados e disponíveis em todos os locais, onde as operações acontecem Legíveis, datados e facilmente identificados Deve haver procedimentos e responsabilidades referentes à criação e alterações dos vários tipos de documentos. 42

43 SGA Etapa de implementação e operação Controle operacional A organização deve identificar e planejar todas as operações que estejam associadas com os aspectos ambientais significativos, identificados de acordo com a sua política, objetivos e metas ambientais para assegurar que elas sejam realizadas sob condições especificadas, por meio de procedimentos documentados para abranger situações onde sua ausência possa acarretar desvios em relação à política ambiental e aos objetivos e metas. 43

44 SGA Etapa de implementação e operação Preparação e resposta a emergência Exemplos de matriz de resposta a emergência. 44

45 SGA Estrutura de verificação e ação corretiva Nesta fase, os Programas Ambientais já estão em operação, gerando registros regulares que permitirão o monitoramento contínuo da performance ambiental da organização a luz das metas e objetivos definidos. Três objetivos básicos: Verificar se as atividades e os resultados cumprem os requisitos da Norma. Verificar se processos/procedimentos, planejados e documentados forma implementados. Verificar se o SGA mostra-se adequado para atingir os objetivos e metas ambientais. 45

46 SGA Estrutura de verificação e ação corretiva Para essas verificações, parte-se da necessária coleta de informações em campo, com o formato de auditorias internas. De um modo geral, o resultado dessas auditorias são analisadas pela alta administração da organização, permitindo que se decida sobre os passos do novo ciclo PDCA, por exemplo, ou sobre mudanças que podem alcançar a própria política ambiental da organização. 46

47 SGA Análise crítica pela administração Para manter a melhoria contínua, adequação e eficácia do SGA, e consequentemente o seu desempenho, é recomendável que a administração da organização analise criticamente e avalie o SGA em intervalos definidos. 47

48 SGA O SUCESSO DO SGA VAI DEPENDER: Comprometimento da alta direção; Estar integrado ao planejamento estratégico da empresa; Estar integrado ao planejamento estratégico da empresa; Envolvendo todos os setores e pessoas responsáveis pela sua implementação; Refletir a política ambiental; Garantir uma mudança de comportamento; Considerar recursos humanos, físicos e financeiros necessários; Ser dinâmico e sofrer revisão periódica. 48

49 SGA ISO 14001: informações importante Nunca se deve utilizar o logotipo/símbolo da ISO, associado à informação sobre certificação ISO 14001:2004 de uma organização. Este logotipo é uma marca registrada e não foi feito para identificar a certificação, mas sim a organização internacional de normalização. Nunca se deve sugerir que a ISO emitiu um certificado referente à conformidade a uma ou várias de suas normas. Esta organização apenas desenvolve normas internacionais e não realiza auditorias ou emite certificados. 49

50 SGA ISO 14001: informações importante Não se pode dar a falsa impressão de que a certificação ISO é um selo ambiental de qualidade, um selo verde ou de significado semelhante, de um produto ou serviço de uma organização. O certificado ISO 14001:2004 significa que um auditor independente (a empresa auditora/certificadora) verificou se os processos de uma organização que influenciam os impactos ambientais de suas atividades estão em conformidade com os requisitos da norma. Portanto, o certificado deve ser associado diretamente à organização ou parte dela e não aos seus produtos e serviços, fazendo parte deles e de sua embalagem, como um selo. 50

51 Referências: ADISSI, Paulo José; PINHEIRO, Francisco Alves; CARDOSO, Rosangela da Silva (Org.). Gestão ambiental de unidades produtivas. Rio de Janeiro: Elsevier, Melhore a competitividade com o Sistema de Gestão Ambiental - SGA / Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. São Paulo : FIESP,

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Questões sobre a IS014001

Questões sobre a IS014001 Professor: Carlos William Curso/ Disciplina/Período: Administração/ Gestão Ambiental/ 2º ano Aluno: Lázaro Santos da Silva Questões sobre a IS014001 1. A NBR ISO 14001:2004 foi concebida para estabelecer

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

Módulo 8. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios

Módulo 8. NBR ISO Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios Módulo 8 NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 4.4.6, 4.4.7, 4.5.1, 4.5.2, 4.5.3, 4.5.4, 4.5.5, 4.6 Exercícios 4.4.6 Controle Operacional A organização deve identificar e planejar aquelas operações

Leia mais

Apresentação do representante Técnico

Apresentação do representante Técnico Apresentação do representante Técnico Alfredo Fonseca Bacharel em Administração de Empresas Pós Graduado em Gestão Estratégica e Gestão da Segurança no Trabalho Auditor ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Sistemas de Gestão ambiental

Sistemas de Gestão ambiental ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL Sistemas de Gestão ambiental Profa. Dra. Dione Mari Morita Dra. Zeila Chitolina Piotto Abordagem das empresas para a questão ambiental.

Leia mais

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios Módulo 4 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios 5.4 - Planejamento 5.4.1 - Objetivos da qualidade Os objetivos da qualidade devem

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Ana Carolina de Moraes Alessandra Novak Santos

GESTÃO AMBIENTAL. Ana Carolina de Moraes Alessandra Novak Santos GESTÃO AMBIENTAL Ana Carolina de Moraes Alessandra Novak Santos Apresentando Unidade 5 Sistemas de Gestão Ambiental Conteúdo da Aula: Capítulo 5 Sistemas de Gestão Ambiental (SGA): Conceituando o SGA;

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL NORMA ISO DIRETRIZES\PARA AUDITORIA

AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL NORMA ISO DIRETRIZES\PARA AUDITORIA AUDITORIA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL BALISAR SISTEMA E CORRIGIR FALHAS NORMA ISO 19011 DIRETRIZES\PARA AUDITORIA INSTRUMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL QUE PODE SER APLICADO A QUALQUER EMPREENDIMENTO 1 AUDITORIA

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 ISO 14001:2004 ISO 14001:2015 Introdução Introdução 1.Escopo 1.Escopo 2.Referências normativas 2.Refências normativas 3.Termos e definições 3.Termos

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho O novo

Leia mais

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 Engenharia de Software 2o. Semestre

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 5 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Auditoria Ambiental Questionário Pré-Auditoria É um instrumento utilizado na etapa de pré-auditoria,

Leia mais

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços Famílias Todos Todos Todas Critério SMS Critério CONJUNTO DE REQUISITOS DE SMS PARA CADASTRO CRITÉRIO DE NOTAS DO SMS Portal do Cadastro SMS MEIO AMBIENTE Certificação ISO 14001 - Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO

AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING. Prof. Wilson LAPO AO aula 12 GESTÃO E BENCHMARKING Prof. Wilson LAPO 1 Excelência é uma habilidade que se conquista com treinamento e prática. Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um ato,

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Empresa: Cristal Raidalva Rocha OBJETIVO Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos

Leia mais

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS)

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS) H.E. BanKi-moon Secretário Geral Nações Unidas Nova York, NY10017 EUA Referência: COMUNICAÇÃO DO PROGRESSO (COP - Communication on Progress) Período: 07/2015 à 06/2016 1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO

Leia mais

Auditoria de Primeira Parte

Auditoria de Primeira Parte 1 4 Auditoria de Primeira Parte Corresponde a declaração feita pela própria empresa, atestando, sob a sua exclusiva responsabilidade, que um produto, processo ou serviço está em conformidade com uma norma

Leia mais

ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004

ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004 ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004 JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA 1 ALAN FERNANDO TORRES 2 RESUMO A utilização de sistemas integrados se torna, cada vez mais,

Leia mais

Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação potencialmente indesejável.

Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação potencialmente indesejável. A Ação Corretiva Ação para eliminar a causa de uma não-conformidade identificada ou outra situação indesejável. Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios.

Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios. Módulo 5 Implementação, operação, verificação e análise crítica do SGSSO, exercícios. 4.4 - Implementação e operação 4.4.1 - Recursos, papéis, responsabilidades e autoridade 4.4.2 - Competência, treinamento

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência XIX Seminário de Boas Práticas CIC Caxias do Sul A Importância da Liderança na Cultura da Excelência Msc. Eng. Irene Szyszka 04/ABR/2013 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão dos clientes e mercado;

Leia mais

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco.

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto 1 Introdução Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. 2 Introdução 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução O projeto se inicia com a definição de quais objetivos

Leia mais

Modelo de documentação Universidade de Brasília

Modelo de documentação Universidade de Brasília 1 OBJETIVO Assegurar o bom andamento de um projeto e desenvolvimento, conforme diretrizes regais de qualidade. 2 DEFINIÇÕES 2.1 WBS Work Breakdown Structure. Com base na técnica de decomposição que se

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO PRINCÍPIOS ISO 9001:2015 1. Foco no cliente 2. Liderança 3. Engajamento das pessoas 4. Abordagem de processo 5. Melhoria

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH MITRAUD Diana Palhano Ludmila Ventilari O que é Qualidade? Conceito de gestão: Conforme Deming: é a satisfação do cliente e melhoria contínua O que

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

ATENDER REQUISITOS LEGAIS E DA ORGANIZAÇÃO (AUMENTO DE SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS)

ATENDER REQUISITOS LEGAIS E DA ORGANIZAÇÃO (AUMENTO DE SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS) SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 ATENDER REQUISITOS LEGAIS E DA ORGANIZAÇÃO (AUMENTO DE SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS) ALINHAMENTO P (Plan) planejar:4.1, 4.2, 4.3, 4.3.1, 4.3.2, 4.3.3

Leia mais

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROF.: KAIO DUTRA Gerenciamento da Integração do Projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar,

Leia mais

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 RESOLUÇÃO CONAMA nº 306, de 5 de julho de 2002 Publicada no DOU n o 138, de 19 de julho de 2002, Seção 1, páginas 75-76 Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 Estabelece

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1 FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1 Curso realizado de 23 a 26 de agosto /2010 OBJETIVO PARTE 1: Capacitar os participantes para: Ter habilidade para avaliar os requisitos da

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim Missão do Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

Definição / Abordagem de Processos

Definição / Abordagem de Processos Definição / Abordagem de Processos Ao longo da história dos processos produtivos e administrativos, as organizações têm crescido em tamanho, complexidade e requisitos. Para assegurar a qualidade, a eficácia

Leia mais

Capítulo VII. Análise estratégica sobre a ABNT NBR ISO e as oportunidades para o mercado de eficiência energética Parte 2

Capítulo VII. Análise estratégica sobre a ABNT NBR ISO e as oportunidades para o mercado de eficiência energética Parte 2 52 Capítulo VII Análise estratégica sobre a ABNT NBR ISO 50001 e as oportunidades para o mercado de eficiência energética Parte 2 Requisitos gerais O capítulo 4 da ABNT NBR ISO 50001 Requisitos do Sistema

Leia mais

Principais alterações ISO 14001:2015

Principais alterações ISO 14001:2015 Principais alterações ISO 14001:2015 André Ramos Diretor de Marketing Agenda Comissão Técnica O processo de revisão da ISO 14001 Orientações para Revisão Inquérito aos utilizadores Calendário Alterações

Leia mais

Nomenclatura usada pela série ISO Série ISO 9000

Nomenclatura usada pela série ISO Série ISO 9000 Slide 1 Nomenclatura usada pela série ISO 9000 (ES-23, aula 03) Slide 2 Série ISO 9000 ISO 9000 (NBR ISO 9000, versão brasileira da ABNT): Normas de gestão da qualidade e garantia da qualidade. Diretrizes

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL A PUMA TAMBORES, com o objetivo de divulgar a sua política ambiental e conscientizar seus fornecedores e prestadores de serviços quanto aos aspectos ambientais, elaborou este Manual de Requisitos Ambientais

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim A Estrutura do Atuação Responsável Elemento Visão Missão Valores Princípios Diretrizes

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

Gerência de Projetos de Software. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC.

Gerência de Projetos de Software. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC dovicchi@inf.ufsc.br http://www.inf.ufsc.br/~dovicchi Programa Projetos e Metodologias Tipos e abordagens Organização Estimativas de Esforço e Gerência de Riscos

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho DEZ 2000 NBR ISO 9004 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: RiodeJaneiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7 Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5-Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/200

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 PRINCÍPIOS... 3 4 REFERÊNCIAS... 4 5 CONCEITOS... 4 6 PRERROGATIVAS... 4 7 DIRETRIZES... 5 8 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba

Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba Viviane Lanunce Paes Supervisora da Gestão Integrada - CAP Carlos Eduardo Tavares de Castro Superintendente

Leia mais

Norma 2110 Governança

Norma 2110 Governança Norma 2110 Governança A atividade de auditoria interna deve avaliar e propor recomendações apropriadas para a melhoria do processo de governança no seu cumprimento dos seguintes objetivos: Promover a ética

Leia mais

Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental

Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental Transição da ISO 14001:2004 para ISO 14001:2015 Sistema de Gestão Ambiental Lisiane Emilia Grams Metz Caxias do Sul, 31 de agosto de 2016 Endereço: Rua Gregório de Mattos, 111 - Estância Velha/RS Fone:

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Workshop da CT 150 SC 4 Avaliação do desempenho ambiental

Workshop da CT 150 SC 4 Avaliação do desempenho ambiental Workshop da CT 150 SC 1 Sistemas de gestão ambiental SC 2 Auditorias ambientais SC 3 Rotulagem ambiental SC 4 Avaliação do desempenho ambiental SC 5 Avaliação do ciclo de vida SC 6 Termos e definições

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Introdução à Gestão de Projetos; Gestão de Escopo; Gestão de Prazos; Gestão de Custos; Gestão de Pessoas; Gestão de Comunicação; Gestão

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - REQUISITOS COM ORIENTAÇÕES PARA USO - ITENS 1 A

SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - REQUISITOS COM ORIENTAÇÕES PARA USO - ITENS 1 A SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - REQUISITOS COM ORIENTAÇÕES PARA USO - ITENS 1 A 10 (Tradução livre por Eymard de Meira Breda - Engenheiro Químico - CRQ 02300/276-05/8/2015) 1. ESCOPO Esta Norma especifica

Leia mais

ISO 9000 e ISO 14.000

ISO 9000 e ISO 14.000 DISCIPLINA: QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: ALEXSANDRA GOMES PERÍODO: 3º PERÍODO CARGA HORÁRIA: 60 HORAS ISO 9000 e ISO 14.000 ISO 9000 A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE ANO:2010

GESTÃO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE ANO:2010 GESTÃO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE ANO:2010 1 Professor: José Antonio Lopes Macedo Ano: 2010 2 1 APRESENTAÇÕES Nome: Onde trabalha: Quanto tempo: Experiência em gestão da Qualidade: Objetivos: 3 APRESENTAÇÃO

Leia mais

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem 1 OBJETIVOS Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL Planejamento Execução Verificação Aprendizagem 2 INTRODUÇÃO Na aula passada, conhecemos os 11 Fundamentos

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão SOBRE A EQUIPE A equipe da I9Gestão é formada por consultores experientes, altamente qualificados e apaixonados pelo que fazem. SOBRE A I9Gestão A I9Gestão Consultoria & Treinamento é especializada na

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS

GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO PROF. BARBARA TALAMINI VILLAS BÔAS 9 ÁREAS DE CONHECIMENTO DE GP / PMBOK / PMI DEFINIÇÃO O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar

Leia mais

ISO/IEC Processo de ciclo de vida

ISO/IEC Processo de ciclo de vida ISO/IEC 12207 Processo de ciclo de vida O que é...? ISO/IEC 12207 (introdução) - O que é ISO/IEC 12207? - Qual a finalidade da ISO/IEC 12207? Diferença entre ISO/IEC 12207 e CMMI 2 Emendas ISO/IEC 12207

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

PROC. 04 ANÁLISE CRÍTICA

PROC. 04 ANÁLISE CRÍTICA 1 de 7 ANÁLISE CRÍTICA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO ANÁLISE CRÍTICA ANÁLISE CRÍTICA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÕES...

Leia mais

NBR ISO 14001:2015 COMENTADA Elaboração: Engª Química Daniela de Matos

NBR ISO 14001:2015 COMENTADA Elaboração: Engª Química Daniela de Matos NBR ISO 14001:2015 COMENTADA Elaboração: Engª Química Daniela de Matos Página 1 de 14 OBJETIVOS DA ELABORAÇÃO DA NORMA COMENTADA Os comentários aqui realizados têm como enfoque principal as alterações

Leia mais

Estágio 2 Auditoria de Certificação. Plano de Ações. Follow up. Emissão do Certificado

Estágio 2 Auditoria de Certificação. Plano de Ações. Follow up. Emissão do Certificado As atividades a serem conduzidas para a Certificação do Sistema de Gestão de sua Empresa serão realizadas de acordo com os requisitos, princípios, critérios e práticas de auditoria, com o objetivo de se

Leia mais

Profª Mônica Suely G. de Araujo

Profª Mônica Suely G. de Araujo Profª Mônica Suely G. de Araujo Desempenho Características Confiabilidade Reputação 2 1 Durabilidade Utilidade Resposta Estética 3 Projeto Conformidade Capabi lidade Atendi mento ao Cliente Cultura da

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S/A CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN 3.380/06 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Normas da série ISO 9000 Foram lançadas pela ISO (International Organization for Standardization) Entidade não governamental criada em 1947, com sede em Genebra - Suíça.

Leia mais

ABNT / CB-38 COMITÊ BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL

ABNT / CB-38 COMITÊ BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (2004), FEVEREIRO 2006 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO Em 2001, o CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas,

Leia mais

Administração de Projetos

Administração de Projetos Administração de Projetos gerenciamento do escopo Prof. Robson Almeida Gerenciamento do Escopo Sendo o primeiro passo do Planejamento do Projeto, esta fase identifica e documenta o trabalho que produzirá

Leia mais

OHSAS 18001:2007 Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Requisitos

OHSAS 18001:2007 Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Requisitos OHSAS 18001:2007 Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Requisitos Prefácio Esta Norma da Série de Avaliação de Segurança e Saúde Ocupacional Occupational Health and Safety Series (OHSAS)

Leia mais

PISTAS PARA IMPLEMENTAR ISO 14001:1996

PISTAS PARA IMPLEMENTAR ISO 14001:1996 PISTAS PARA IMPLEMENTAR ISO 14001:1996 A NORMA NP EN ISO 14001 REVISÃO PELA DIRECÇÃO E MELHORIA PLANEAMENTO COMPROMETIMENTO/ POLÍTICA ACOMPANHAMENTO E MEDIÇÃO IMPLEMENTAÇÃO 1 ISO 14001 4.1 - REQUISITOS

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso GRC e Continuidade de Negócios Claudio Basso claudio.basso@sionpc.com.br Governança um atributo de administração dos negócios que procura criar um nível adequado de transparência através da definição clara

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Gerenciamento de risco Químico Edson Haddad CETESB Gerenciamento de risco Propósito do PGR Programa de Gerenciamento

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico IV Desenho de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto desenho de serviço desenho de serviço Objetivo: desenhar e especificar serviços novos ou alterados para

Leia mais

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP Controle - 3 Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho 1 Realizar o Controle da Qualidade Preocupa-se com o monitoramento dos resultados do trabalho, a fim de verificar se estão sendo cumpridos

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Gerenciamento do Escopo Projeto - Ciclo de Vida Fases 3 EXECUÇÃO / CONTROLE 4 FECHAMENTO NÍVEL DE ATIVIDADE 1 CONCEPÇÃO / INICIAÇÃO 2 PLANEJAMENTO TEMPO Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS. Determinar as competências necessárias para a atuação dos profissionais na empresa;

GESTÃO DE PESSOAS. Determinar as competências necessárias para a atuação dos profissionais na empresa; 1. OBJETIVO Estabelecer política para gestão de pessoas que busca atuar na captação de talentos, no desenvolvimento dos profissionais, na mediação das relações entre os níveis hierárquicos, bem como proporcionar

Leia mais