Sessão de Informação ERASMUS+

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sessão de Informação ERASMUS+"

Transcrição

1 Sessão de Informação ERASMUS+

2 Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal docente, diretores de escolas e profissionais ativos no domínio da juventude Mobilidade de estudantes do ensino superior e do ensino e formação profissional Garantia de acesso a empréstimos para estudantes Mestrados conjuntos Mobilidade para aprendizagem de beneficiários da UE e fora da UE Voluntariado e intercâmbio de jovens 3 tipos de ações-chave Cooperação para a inovação e o intercâmbio de boas práticas (KA2) Parcerias estratégicas entre instituições de educação e formação ou organizações de jovens e outros atores relevantes Parcerias de larga escala entre instituições de educação e formação e o mundo do trabalho: alianças de conhecimento & alianças de competências sectoriais Plataformas de TIC incluindo e-twinning Cooperação com países terceiros e enfoque nos países vizinhos Apoio à reforma das políticas (KA3) Métodos abertos de coordenação Iniciativas prospetivas Ferramentas de reconhecimento da UE Disseminação & exploração de resultados Diálogo no domínio das políticas com stakeholders, países terceiros e organizações internacionais Education and Culture

3 Ação-chave 1 Mobilidade Individual para aprendizagem Mobilidade de Staff Mobilidade de estudantes Mestrados conjuntos (ERASMUS MASTER) Mobilidade de jovens Projetos entre 16 e 24 meses Candidaturas até 17 de Março às 12 horas de Bruxelas para projetos a iniciar a 1 de Julho do mesmo ano.

4 KA1 Mobilidade Individual para aprendizagem Projetos liderados por uma IES (ECHE) apenas 1 candidatura / IES Projetos liderados por 1 Consórcio (CERTIFICADO - 3 anos) apenas 1 candidatura / consórcio (1 IES pode participar de vários consórcios)

5 KA1 Mobilidade Individual para aprendizagem - CONSÓRCIOS - Mínimo de 3 parceiros (2 IES de envio - ECHE); Qualquer tipo de entidade pode ser coordenador (mandates); Consórcios novos podem candidatar-se à acreditação e a financiamento, em simultâneo. Candidaturas sujeitas a avaliação qualitativa (Relevância Parceria Atividade Impacto); Matriz local, regional, nacional, setorial, etc.

6 Questões-chave transversais a todos os projetos (KA1) Qualidade Disseminação Competências linguísticas Reconhecimento das aprendizagens

7 Mobilidade de estudantes e formandos (1) Mobilidade para estudos (SMS) Mobilidade para estágios (SMP) Mobilidade para estágios para recémgraduados Ensino superior (Erasmus) Mobilidade estudantes todos os níveis; 3 a 12 meses (estágios 2 a 12) Até 12 meses por ciclo de estudos podendo combinar estudos com estágios (incluindo estágio como recém graduado)

8 Mobilidade de staff (1): Ensino superior Mobilidade para Missões de Ensino (STA) Ensino superior (Erasmus) (NÃO inclui conferências) Mobilidade de staff para fins de aprendizagem (STT) Mobilidade staff Períodos de ensino de 2 dias a 2 meses (sem viagens) e + de 8 horas ensino/semana; Períodos de formação (excluem-se conferências) 2 dias a 2 meses (sem viagens). Job shadowing, períodos observação,etc.

9 ERASMUS+ Mobilidade de estudantes e staff Ensino Superior Mobilidade de staff Mobilidade para estudos/estágio Ensino superior Mobilidade para recém-graduados (até 1 ano) Mobilidade estudantes todos os níveis; 3 a 12 meses (estágios 2 a 12) Até 12 meses por ciclo de estudos podendo combinar estudos com estágio Mobilidade staff Períodos de ensino de 2 dias a 2 meses (sem viagens) e + de 8 horas ensino/semana; Períodos de formação (excluemse conferências) 2 dias a 2 meses (sem viagens). Job shadowing, períodos observação,etc. Projetos entre 16 e 24 meses, submetidos até dia 17 de Março às 12 horas de Bruxelas para projetos a começar a 1 de Julho do mesmo ano

10 ERASMUS+ Mobilidade de estudantes Ensino Superior Financiamento Group 1 Programme Countries with higher living costs Austria, Denmark, Finland, France, Ireland, Italy, Lichtenstein, Norway, Sweden, Switzerland, United Kingdom Group 2 Programme Countries with medium living costs Group 3 Programme Countries with lower living costs Belgium, Croatia,Czech Republic, Cyprus, Germany, Greece, Iceland, Luxembourg, Netherlands, Portugal, Slovenia, Spain, Turkey Bulgaria, Estonia, Hungary, Latvia, Lithuania, Malta, Poland, Romania, Slovakia, Former Yugoslav Republic of Macedonia Países baixo custo: 150 a 400 Euro/mês Países custo médio: 200 a 450 Euro/mês Países custo alto: 250 a 500 Euro/mês (inclui viagens) Limites nacionais não decididos Organização : 350 por participante até 100, 200 seguintes

11 Mobilidade de staff Ensino Superior País de Destino ERASMUS+ Financiamento Min-Max ( per day) Grupo A - Denmark, Ireland, Netherlands, Sweden, United Kingdom Grupo B - Austria, Belgium, Bulgaria, Cyprus, Czech Republic, Finland, France, Greece, Hungary, Iceland, Italy, Liechtenstein, Luxemburg, Norway, Poland, Romania, Switzerland, Turkey Grupo C - Former Yugoslav Republic of Macedonia, Germany, Latvia, Malta, Portugal, Slovakia, Spain, Grupo D - Croatia, Estonia, Lithuania, Slovenia Viagens (subvenção por bandas ): 180 distâncias entre 100 e 499km; 275 distâncias entre 500 e 1999 km; 360 distâncias entre 2000 e 2999 km; 530 distâncias 3000 e 3999 km; 820 distâncias 4000 e 7999 km, 1100 distâncias 8000 e km. Organização : 350 por participante até 100, 200 seguintes Limites nacionais não decididos

12 Ação-chave 1 Mobilidade para aprendizagem Mobilidade de Staff Mobilidade de estudantes Mestrados conjuntos (ERASMUS MASTER) Mobilidade de jovens Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1)

13 ERASMUS+ Diplomas Conjuntos de Mestrado Exige um Consórcio Internacional: parceria constituída por um mínimo de 3 organizações de 3 países diferentes Programa de estudos internacional que atribui 60,90 ou 120 ECTS Participação mínima de 13 a 20 estudantes bolseiros), e de 4 professores / oradores convidados (por edição de curso) As IES de países do Programa têm que estar habilitadas pelas autoridades nacionais competentes para atribuírem o grau de Mestre O curso de mestrado (JMD) também tem que estar totalmente reconhecido pelas autoridades nacionais competentes

14 ERASMUS+ Diplomas Conjuntos de Mestrado Projetos de 4 ou 5 anos (em função da duração do próprio JMD), sendo o primeiro ano de preparação (+3 edições consecutivas) Em fase de candidatura JMD tem que estar pronto para ser divulgado e começar a ser operacionalizado Período de estudos do JMD tem que decorrer em, pelo menos, 2 países diferentes (dos representados no consórcio) Aprovação no JMD poderá garantir atribuição de: 1 só diploma (joint degree) em nome de duas ou mais IES 2 ou mais diplomas (multiple degrees), por parte de determinadas IES do consórcio IES de países parceiros (fora da Europa) poderão participar e estar envolvidas na atribuição dos diplomas

15 ERASMUS+ Diplomas Conjuntos de Mestrado Financiamento Despesas de GESTÃO: / ano preparatório e / anos seguintes; Bolsas de Estudos Custos de participação Custos de viagem e instalação Custos de subsistência Mínimo de 75% de bolsas atribuídas a estudantes de países parceiros (3ºs) Total do projeto deverá situar-se entre os 2 e os 3 milhões de Euro. Candidaturas à EACEA até 27 de Março às 12 horas de Bruxelas para projetos a iniciar entre 1 de Agosto e 31 de Outubro do mesmo ano.

16 Ação-chave 2 Cooperação para a Inovação e Intercâmbio de boas práticas Parcerias estratégicas Alianças de conhecimento & Alianças de competências setoriais Plataformas de TIC Capacitação no ensino superior

17 Cooperação para a inovação e o intercâmbio de boas práticas (KA2) Parcerias estratégicas entre instituições de educação e formação ou organizações de jovens e outros atores relevantes Parcerias de larga escala entre instituições de educação e formação e o mundo do trabalho: alianças de conhecimento & competências setoriais Plataformas TIC incluindo etwinning Cooperação com países terceiros e enfoque nos países vizinhos (Capacity Building)

18 Questões-chave transversais a todos os projetos (KA2) Relevância (objetivos e públicos-alvo) Qualidade (técnica e de implementação) Competência e dinâmica da Parceria Disseminação, Impacto e Sustentabilidade

19 Parcerias estratégicas (KA2) Projetos de cooperação transnacional Objetivos: Desenvolver e implementar práticas e ferramentas inovadoras Troca de experiências e boas práticas Investigação conjunta (pesquisa e análise)

20 Parcerias estratégicas (KA2) Possibilidade de atividades de mobilidade transnacional Reuniões de projeto, workshops, seminários (curta duração) Visitas e intercâmbios: docentes, não docentes e alunos (curta duração) Estágios de professores de longa duração numa organização parceira (mais de 2 meses)

21 Parcerias transetoriais Parcerias setoriais Mín. 3 parceiros Mín. 3 parceiros 1 coordenador 1 orçamento 1 contrato Duração de 2 ou 3 anos 1 coordenador 1 orçamento 1 contrato Duração de 2 ou 3 anos Parcerias estratégicas (KA2)

22 Candidatura Etapas do Projeto Avaliação de qualidade, validação, verificação Processo de seleção Contrato Financeiro Transferência da subvenção Relatório final Todas as parcerias estratégicas Entidade coordenadora AN coordenadora AN coordenadora AN coordenadora & Entidade coordenadora AN coordenadora - Entidade coordenadora Entidade coordenadora

23 Parcerias estratégicas (KA2) Financiamento baseado em custos unitários Valor total de subvenção até (máximo de / ano de projeto) Portadores de deficiência (comprovada) identificados já em candidatura: custos reais

24 Parcerias estratégicas (KA2) FINANCIAMENTO: CUSTOS ELEGÍVEIS Gestão do projeto (máximo financiado: 10 parceiros): coord. / parceiro Reuniões transnacionais (p/participante, p/reunião) Produções intelectuais (p/pax, p/dia de trabalho) Eventos multiplicadores (p/participante) Mobilidade de longa e curta duração

25 Parcerias estratégicas (KA2) FINANCIAMENTO: CUSTOS UNITÁRIOS Gestão do projeto (e.g. preparação, monitorização, apoio, validação, certificação, etc.) Mobilidade dos participantes Subsistência dos participantes Inscrições

26 Parcerias estratégicas (KA2) FINANCIAMENTO de Mobilidades (exceto reuniões) Eventos formativos de curta duração para staff e alunos Viagem + Subsistência p/ participante Mobilidades de longa duração para staff ( + de 2 meses) e de curta-duração para alunos (- de 2 meses) Viagem + Subsistência p/ participante Preparação linguística p/participante Candidaturas até 30 de Abril às 12 horas de Bruxelas para projetos a iniciar a 1 de Setembro do mesmo ano.

27 ERASMUS+ Parcerias de larga escala entre instituições de educação e formação e o mundo do trabalho Ação-Chave 2 - Ações centralizadas Alianças para o Conhecimento Caraterização: OBJETIVO: Aumentar a capacidade de inovação da Europa pela cooperação entre o ensino superior, as empresas e o tecido social Education and Culture

28 ERASMUS+ Aumentar a capacidade de inovação da Europa pela cooperação entre o ensino superior, as empresas e o tecido social Ação-Chave 2 - Ações centralizadas Alianças para o Conhecimento Impactos esperados: Desenvolver métodos de ensino, aprendizagem e governança inovadoras Estimular o empreendedorismo e as competências empreendedoras dos estudantes, académicos e staff das empresas Despoletar a inovação nas IES e ou empresas Fomentar atitudes cooperantes entre as Estimular a cocriação de conhecimento IES e todos os setores de atividade Aumentar Impactos o fluxo das trocas de informação e conhecimento Estimular a cooperação educação-empresas Education and Culture

29 ERASMUS+ Ação-Chave 2 - Ações centralizadas Alianças para o Conhecimento Financiamento: Projetos com 2 (máximo de de subvenção) ou 3 anos (máximo de de subvenção; Participação obrigatória em clusters temáticos como modo de garantir a permuta de boas práticas e aprendizagem mútua. Education and Culture

30 ERASMUS+ Ação-Chave 2 - Ações centralizadas Alianças para o Conhecimento Critérios de participação: Pelo menos 6 organizações de 3 países diferentes; A parceria tem que ter pelo menos 2 IES e 2 empresas; Candidaturas à EACEA até 03 de Abril às 12 horas de Bruxelas para projetos a iniciar a partir de 1 de Novembro do mesmo ano. Education and Culture

31 ERASMUS+ Ação-Chave 2 - Ações centralizadas Cooperação com Países 3ºs e enfoque nos países vizinhos Ensino Superior: Ação que dá continuidade a: Tempus Alfa Edulink Erasmus Mundus Education and Culture

32 ERASMUS+ Ação-Chave 2 - Ações centralizadas Cooperação com Países 3ºs e enfoque nos países vizinhos Ensino Superior: Ainda não foi lançado convite / ausente da atual versão do Guia do Programa; Projetos com países parceiros de várias regiões do globo (enfoque: Balcãs Ocidentais; Europa de Leste; Sul do Mediterrâneo); Parceria (mínima) 2 IES de 1 país parceiro; 1 IES de 3 países do Programa; Ministério de 1 país parceiro (Projetos Estruturais) Education and Culture

33 ERASMUS+ Ação-Chave 2 - Ações centralizadas Cooperação com Países 3ºs e enfoque nos países vizinhos Ensino Superior: Tipologia de Atividades PROJETOS CONJUNTOS: impacto ao nível das IES; PROJETOS ESTRUTURAIS: impacto ao nível das políticas; Componente especial de MOBILIDADE: Estudos, Estágios e/ou Mobilidade de Staff (entre países parceiros e entre estes e países do Programa) Education and Culture

34 ERASMUS ERASMUS Mobilidade Consórcios ERASMUS Programas Intensivos (IP) Cursos Intensivos de Línguas ERASMUS (EILC) KA1 Ensino Superior KA1 Ensino Superior KA2 Descontinuado

35 Programa Transversal Visitas de Estudo Descontinuado Visitas Preparatórias Descontinuado Projetos e redes centralizadas (todos os setores) KA2

36 Agência Nacional para a Gestão do Programa Aprendizagem ao Longo da Vida Praça de Alvalade, Lisboa Portugal Telf.: Fax.:

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO SEMINÁRIO DESAFIO PORTUGAL 2020 EDUCAÇÃO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO: IMPACTO NA ECONOMIA PORTUGUESA

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+

Sessão de Informação ERASMUS+ Sessão de Informação ERASMUS+ 18 de março de 2014 - Universidade de Évora Instituto de Investigação e Formação Avançada PROGRAMA APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROGRAMAS INTERNACIONAIS PARA O ENSINO SUPERIOR

Leia mais

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS CIM ALTO MINHO COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO ALTO MINHO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE PONTE DE LIMA 17 DE JULHO DE 2014 O projeto

Leia mais

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) É A AGÊNCIA PÚBLICA NACIONAL PARA A INVESTIGAÇÃO E A INOVAÇÃO EM PORTUGAL WWW.FCT.PT A VISÃO DA FCT É: TORNAR PORTUGAL UMA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA,

Leia mais

Ação Chave 1 Mestrados Conjuntos Erasmus Mundus (EMJMD)

Ação Chave 1 Mestrados Conjuntos Erasmus Mundus (EMJMD) Ação Chave 1 Mestrados Conjuntos Erasmus Mundus (EMJMD) Excelência Qualidade Inovação Internacionalização Instituições de Ensino Superior (IES) Objetivos Programáticos Qualidade Atração Espaço Europeu

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP e-ciência em Portugal IBERCIVIS: Lançamento do projecto SOLUVEL e apresentação de resultados do projecto AMILOIDE Museu da Ciência, U. de Coimbra, 1 de Julho de 211 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência

Leia mais

Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009

Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009 Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009 O Subsistema da Normalização do SPQ O IPQ é o Organismo Nacional de Normalização, desenvolvendo a coordenação global do Subsistema da Normalização

Leia mais

ERASMUS+ QUALIFICAÇÃO E AÇÃO PARA A INCLUSÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ QUALIFICAÇÃO E AÇÃO PARA A INCLUSÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o QUALIFICAÇÃO E AÇÃO PARA A INCLUSÃO SEMINÁRIO EMPODERAR COMUNIDADES, DESENVOLVER REGIÕES VISEU DÃO LAFÕES NA EUROPA AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL MANGUALDE,

Leia mais

ERASMUS+ MOBILIDADE TRANSNACIONAL, E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o FACTOR DE EMPREGABILIDADE

ERASMUS+ MOBILIDADE TRANSNACIONAL, E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o FACTOR DE EMPREGABILIDADE ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o MOBILIDADE TRANSNACIONAL, FACTOR DE EMPREGABILIDADE APG II CONGRESSO NACIONAL DO EMPREGO UNIVERSIDADE LUSÓFONA 30 DE SETEMBRO DE 2014 O projeto Europeu tem vindo

Leia mais

Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo

Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo Fórum Nacional Álcool e Saúde Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, Loures 14 de abril de 2015 Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos

Leia mais

Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação Manuel Fernandes e Rui Gato

Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação  Manuel Fernandes e Rui Gato Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação www.erasmusmais.pt Manuel Fernandes e Rui Gato O p r o g r a m a U E p a r a a E d u c a ç ã o, F o r m a ç ã o, J u v e n t u d e e D e s p o r

Leia mais

Programas de Mobilidade ERASMUS +

Programas de Mobilidade ERASMUS + Programas de Mobilidade ERASMUS + 1 Programas de Mobilidade ERASMUS+ e Outras mobilidades Os Programas de Mobilidade consistem em protocolos de cooperação com outras Instituições do Ensino Superior (IES)

Leia mais

Accountability & Compliance

Accountability & Compliance Accountability & Compliance 22-set-2016 Fernando Noronha Conteúdo Introdução Administrador Responsável Definição Transversalidade do conceito na aviação civil Aprovação Responsabilidades Mudança de Administrador

Leia mais

O Investimento em Protecção Social no Brasil: uma análise comparativa. Ronaldo Alves Nogueira

O Investimento em Protecção Social no Brasil: uma análise comparativa. Ronaldo Alves Nogueira O Investimento em Protecção Social no Brasil: uma análise comparativa Ronaldo Alves Nogueira Resumo do projeto de investigação Pergunta de partida: Quão distante estamos do nível de gasto com a função

Leia mais

MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) INFORMAÇÕES GERAIS

MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) INFORMAÇÕES GERAIS MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL ERASMUS ERASMUS PLACEMENT (SMP) Estágios Profissionais Erasmus INFORMAÇÕES GERAIS O Erasmus dá a possibilidade aos estudantes do ensino

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS

PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS ACES CÁVADO II GERÊS/CABREIRA 2015-03 - 13 Raul Varajão Borges ACES CÁVADO II GERÊS / CABREIRA O começo é a parte mais importante de qualquer trabalho. PLATÃO Distribution of antimicrobial

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL

DESPACHO. ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL DESPACHO N.º 29/2013 Data: 2013/06/21 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL 2012-2014. No

Leia mais

Projectos em desenvolvimento no IPQ enquanto Organismo Nacional de Normalização

Projectos em desenvolvimento no IPQ enquanto Organismo Nacional de Normalização Projectos em desenvolvimento no IPQ enquanto Organismo Nacional de Normalização Regras e Procedimentos para a NORMALIZAÇÃO PORTUGUESA Framework Partenership Agreement Projecto Juventude Disponibilização

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política FLS 5028 Métodos Quantitativos e Técnicas de Pesquisa em Ciência Política FLP0406 Métodos e

Leia mais

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI Albino Oliveira O que é o Programa Leonardo da Vinci? É um Programa Comunitário de Acção em Matéria de Formação Profissional que agora se encontra na sua segunda fase (01 de

Leia mais

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional 1 Uma porta aberta para a Europa Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional Albino Oliveira Serviço de Relações Internacionais da Universidade do Porto 2 1 Cinco tipos de Acção Mobilidade

Leia mais

Embalagens e Resíduos de Embalagem

Embalagens e Resíduos de Embalagem III Conferência Internacional de Resíduos Sólidos Urbanos DA NOVA DIRECTIVA À SOCIEDADE EUROPEIA DA RECICLAGEM A RESPONSABILIDADE ALARGADA DO PRODUTOR Embalagens e Resíduos de Embalagem Manuel Pássaro

Leia mais

Evolução Nacional e Comparações Internacionais

Evolução Nacional e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação 10 de Março de 2006 Evolução Nacional e Comparações Internacionais Facilitação da Compra de Computador com Ligação à Internet por Famílias com Estudantes Dedução fiscal

Leia mais

Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado)

Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado) PDF Acrobat www.drmoises.com 1 Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado) Os comerciantes do tratado são Vistos E-1, investidores do tratado são Vistos E-2. Estes

Leia mais

O Consumo Sustentável como um Vector de Mitigação das Alterações Climáticas

O Consumo Sustentável como um Vector de Mitigação das Alterações Climáticas O Consumo Sustentável como um Vector de Mitigação das Alterações Climáticas Ricardo Aguiar Unidade de Análise Energética e Alterações Climáticas MINISTÉRIO DA ECONOMIA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Focos

Leia mais

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º)

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º) Nicaragua (1º) Dominican Republic (2º) Brazil (3º) Honduras (4º) Guatemala (5º) Equatorial Guinea (6º) Panama (7º) Cuba (8º) El Salvador (9º) Uruguay (10º) Colombia (11º) Guyana (12º) Mexico (13º) Ecuador

Leia mais

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard 1 Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas 2010 03 26 Jean Pol Piquard Metodologia e estrutura do Benchmark individual e Colectivo Definições e Referencias para a leitura

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis.

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. por DO DESENVOLVIMENTO DO À SISTEMAS DE GESTÃO DO AMBIENTE 2004/2005 4.3 - PLANEAMENTO 4.3.1 - Aspectos Ambientais 4.3.2 - Requisitos Legais por e Outros Requisitos 4.3.3 - Objectivos e metas 4.3.4 - Programa

Leia mais

Sistemas de Ensino Superior na UE 06 de Junho de 2010 Vila do Conde

Sistemas de Ensino Superior na UE 06 de Junho de 2010 Vila do Conde Sistemas de Ensino Superior na UE 06 de Junho de 2010 Vila do Conde Federação Académica do Porto Maria da Graça a Carvalho Eurodeputada Parlamento Europeu Outline 1. Enquadramento 2. O Ensino Superior

Leia mais

A Transferência de Tecnologia em Portugal. Miguel Sousa

A Transferência de Tecnologia em Portugal. Miguel Sousa A Transferência de Tecnologia em Portugal Miguel Sousa Miguel.sousa@inovamais.pt INOVA+ A INOVA+, com sede no Porto, é uma empresa portuguesa ligada à maior rede privada europeia de serviços de inovação,

Leia mais

Projeto empresarial como resposta a uma situação de desemprego

Projeto empresarial como resposta a uma situação de desemprego Projeto empresarial como resposta a uma situação de desemprego Estudos internacionais indicam que: Aumento da actividade empreendedora Crescimento económico e redução do desemprego Conhecimento como fonte

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude.

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA PROGRAMA EMPREENDE JOVEM Objetivos Para quem Iniciativas PLATAFORMA EMPREENDEJOVEM MOVE YOUR WAY @ PORTO

Leia mais

Concursos de Principais alterações face a João Carreira

Concursos de Principais alterações face a João Carreira Concursos de 2014 Principais alterações face a 2013 João Carreira Que novos concursos são lançados hoje? São lançados 6 concursos: 2 Concursos de 2014: Principais alterações face a 2013 TIPOLOGIAS DE PROJETO:

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA

SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA IDN Instituto da Defesa Nacional Porto, 10 de fevereiro de 2014 José António de Barros Presidente da AEP 1 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

Leia mais

Europa Da Estratégia de Lisboa à nova Estratégia para a Europa

Europa Da Estratégia de Lisboa à nova Estratégia para a Europa Europa 2020 Da Estratégia de Lisboa à nova Estratégia para a Europa Novembro de 2010 O caminho para a Estratégia 2020 Estratégia de Lisboa 2000-2005 Estratégia de Lisboa relançada 2005-2010 Estratégia

Leia mais

FAQS MOBILIDADE DE DOCENTES PARA MISSÕES DE ENSINO ERASMUS OUTGOING 2 FAQS MOBILIDADE DE DOCENTES PARA MISSÕES DE ENSINO ERASMUS INCOMING 6

FAQS MOBILIDADE DE DOCENTES PARA MISSÕES DE ENSINO ERASMUS OUTGOING 2 FAQS MOBILIDADE DE DOCENTES PARA MISSÕES DE ENSINO ERASMUS INCOMING 6 FAQS MOBILIDADE DE DOCENTES PARA MISSÕES DE ENSINO ERASMUS OUTGOING 2 O QUE É O PROGRAMA ERASMUS+? 2 QUAIS SÃO OS PAÍSES PARTICIPANTES NO PROGRAMA ERASMUS+? 2 O QUE É UMA MISSÃO DE ENSINO ERASMUS+? 2 QUAIS

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA

A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA LISBOA, 4 DE ABRIL DE 2013 A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA MANUEL CALDEIRA CABRAL - UNIVERSIDADE DO MINHO Y = F ( K; L; RN) K- Capital L Trabalho RN Recursos

Leia mais

A identificação do ilícito penal e a recolha de prova no âmbito do cibercrime

A identificação do ilícito penal e a recolha de prova no âmbito do cibercrime A identificação do ilícito penal e a recolha de prova no âmbito do cibercrime David Silva Ramalho Congresso de Propriedade Intelectual Lisboa, 26 de Setembro de 2014 O CIBERCRIME 01 It is known of all

Leia mais

CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa

CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa CONCURSOS DE 2013: Acesso das ONG aos apoios do Programa FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Nuno Venade* Lisboa, 22 de março de 2013 Índice 1 2 3 4 5 6 Introdução Concursos Candidaturas Admissibilidade Seleção

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA DOS ESTÁGIOS ERASMUS NOS MESTRADOS DO ISEG (2º CICLO)

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA DOS ESTÁGIOS ERASMUS NOS MESTRADOS DO ISEG (2º CICLO) REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA DOS ESTÁGIOS ERASMUS NOS MESTRADOS DO ISEG (2º CICLO) Gabinete Erasmus e de Intercâmbio Página 1 de 8 A Decisão 2006/1729/CE do Parlamento Europeu e do Conselho estabelece no

Leia mais

Pesquisa TIC Domicílios 2011

Pesquisa TIC Domicílios 2011 Pesquisa TIC Domicílios 211 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil São Paulo, 31 de Maio de 212 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br

Leia mais

Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária

Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária 27/04/2009 1 Três Perguntas Básicas da Estratégia Onde queremos ir? Onde estamos?? Para onde o ambiente nos empurra? MARQUES (2006) 2 Prospectiva

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Abril de 2009 A escassez de café colombiano e o aumento sem precedentes dos prêmios pagos por esta origem continuam a dominar a evolução

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

COMO SE COMPORTA O MERCADO DE CERVEJA

COMO SE COMPORTA O MERCADO DE CERVEJA COMO SE COMPORTA O MERCADO DE CERVEJA No último ano 2012, o consumo de cerveja na Europa Ocidental foi de 267 Milhões de Hectolitros, decrescendo 3% face ao ano anterior. Em Portugal o consumo foi de 5

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Dezembro de 2008 Os níveis de preços confirmaram em dezembro a tendência baixista que se observava no mercado cafeeiro desde setembro de

Leia mais

Programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos II ENCONTRO NACIONAL DE MUNICÍPIOS Programa Mais Médicos Brasília- 02/03/16 Lançado em julho de 2013 para atender demanda histórica da insuficiência de médicos no Brasil, em especial, no SUS e na Atenção

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS. Artigo 1º. Missão

REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS. Artigo 1º. Missão REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS Artigo 1º Missão Os grupos de investigação têm como objetivo a promoção e desenvolvimento de atividades de investigação & desenvolvimento no âmbito das áreas científicas

Leia mais

Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão. José Antonio Gragnani

Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão. José Antonio Gragnani Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão José Antonio Gragnani Patrimônio dos Fundos de Pensão como proporção do PIB em 2014 (%) Países membros da OCDE Países não membros da OCDE O Patrimônio

Leia mais

Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência econômica afetará os salários no Brasil

Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência econômica afetará os salários no Brasil INFORMAÇÕES À IMPRENSA GWA Comunicação Integrada Caroline Mártire Tel.: (11) 3030-3000 ramal 229 / (11) 96396 6222 caroline@gwa.com.br Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência

Leia mais

Programa USP/U.Porto Edital 2015

Programa USP/U.Porto Edital 2015 1. Introdução A Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade do Porto (U.Porto) Portugal celebraram um Acordo de Cooperação Internacional objetivando a cooperação acadêmica em todas as áreas do conhecimento

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Instituto Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO 1 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

Descrição sucinta do novo Programa da União Europeia para Educação, Formação, Juventude e o Desporto para o período de

Descrição sucinta do novo Programa da União Europeia para Educação, Formação, Juventude e o Desporto para o período de Universidade Federal do Oeste da Bahia Assessoria de Políticas Nacionais e Internacionais Descrição sucinta do novo Programa da União Europeia para Educação, Formação, Juventude e o Desporto para o período

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo!

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! apresentação PORTUGAL 2020 www.in-formacao.com.pt Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! 03-02-2015 FAMALICÃO PORTO IN.03.03.00 1 INTRODUÇÃO O PORTUGAL 2020 é o Acordo de Parceria adotado

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

Agrocombustíveis, a política da UE e os projetos de MDL Nusa Urbancic

Agrocombustíveis, a política da UE e os projetos de MDL Nusa Urbancic Agrocombustíveis, a política da UE e os projetos de MDL Nusa Urbancic Esta apresentação A política europeia de biocombustíveis e seu contexto Novas informações sobre os planos dos países da UE e seu impacto

Leia mais

Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Fundo de mobilidade FLAD-UAc Crossing the Atlantic

Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Fundo de mobilidade FLAD-UAc Crossing the Atlantic Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento, elaborado nos termos do disposto na cláusula quinta do protocolo de cooperação

Leia mais

UNI EN ISO 9001:2008 UNI EN ISO 14001:2004 BS OHSAS 18001:2007 EC DIRECTIVE 2014/34/EU (ATEX) CERTIFIED MANAGEMENT SYSTEM

UNI EN ISO 9001:2008 UNI EN ISO 14001:2004 BS OHSAS 18001:2007 EC DIRECTIVE 2014/34/EU (ATEX) CERTIFIED MANAGEMENT SYSTEM PT ISM-BSM CERTIFIED Tecnologia Made in Italy Desde 1955 o Grupo Varvel projecta e fabrica redutores e variadores para aplicações de pequena e média potências. Parceiro de confiança na produção e comercialização

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. /2008

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. /2008 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. /2008 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

PROGRAMA ERASMUS + O Programa é gerido a nível nacional, pela Agência Nacional Erasmus +.

PROGRAMA ERASMUS + O Programa é gerido a nível nacional, pela Agência Nacional Erasmus +. PROGRAMA ERASMUS + O Programa Erasmus + é o novo programa da União Europeia para a Educação, Formação, Juventude e Desporto, de 2014 a 2020. Este programa vem substituir o antigo PROALV (Comenius, Erasmus,

Leia mais

Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS

Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS Boas Práticas no domínio da Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Crónicas na Europa: a experiência atual do Projeto JA-CHRODIS Luciana Costa Departamento de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças

Leia mais

A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA EM NÚMEROS THE PHARMACEUTICAL INDUSTRY IN FIGURES EDIÇÃO EDITION

A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA EM NÚMEROS THE PHARMACEUTICAL INDUSTRY IN FIGURES EDIÇÃO EDITION A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA EM NÚMEROS THE PHARMACEUTICAL INDUSTRY IN FIGURES EDIÇÃO 21 21 EDITION A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA EM NÚMEROS THE PHARMACEUTICAL INDUSTRY IN FIGURES EDIÇÃO 21 21 EDITION Índice I

Leia mais

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO METROPOLITANO PARA A AÇÃO SOCIAL NA AMP (PEMAS14.17)

PLANO ESTRATÉGICO METROPOLITANO PARA A AÇÃO SOCIAL NA AMP (PEMAS14.17) PLANO ESTRATÉGICO METROPOLITANO PARA A AÇÃO SOCIAL NA AMP 2014-2017 - (PEMAS14.17) - O PEMAS14.17 estrutura e operacionaliza as diretrizes avançadas pelo REF-AMP tendo em vista a sua implementação no quadro

Leia mais

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC Participamos do processo de escolha da Entidade Aferidora

Leia mais

O Mar no próximo QFP

O Mar no próximo QFP O Mar no próximo QFP 2014-2020 Fórum do Mar José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspectivas financeiras Estratégia Europa 2020 2020 Crescimento

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Compromisso para o Crescimento Verde Sessão de discussão pública Porto, 2 de dezembro de 2014 Apresentado por: Gabriela Prata Dias 1 Conceito de Eficiência Energética (EE) 2 As medidas

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO LEONARDO DA VINCI PROJECTO MOVE- MOBILITY OVER EUROPE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA

MANUAL DO ESTAGIÁRIO LEONARDO DA VINCI PROJECTO MOVE- MOBILITY OVER EUROPE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO LEONARDO DA VINCI PROJECTO MOVE- MOBILITY OVER EUROPE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E TECNOLOGIA V1. Junho 2011 ÍNDICE 1. PROGRAMA LEONARDO DA VINCI... 3 2. Projecto Move Mobility Over

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO P RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Janeiro de 2011 Problemas climáticos em muitos países exportadores continuaram a dominar a evolução do mercado, os preços do café e as notícias. Assim, os preços

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) Versão de 17 de maio de 2012 1 CARACTERIZAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS A.1. Instituição

Leia mais

NORMAS PARA A MOBILIDADE DE DOCENTES MISSÕES DE ENSINO ERASMUS+ AÇÃO-CHAVE 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL

NORMAS PARA A MOBILIDADE DE DOCENTES MISSÕES DE ENSINO ERASMUS+ AÇÃO-CHAVE 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL NORMAS PARA A MOBILIDADE DE DOCENTES MISSÕES DE ENSINO ERASMUS+ AÇÃO-CHAVE 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL 1. INTRODUÇÃO O presente documento institui as regras administrativas e financeiras inerentes à atividade

Leia mais

Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira

Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira Preâmbulo A garantia de qualidade pode descrever se como a atenção sistemática, estruturada e contínua à manutenção e

Leia mais

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior Headquarters: Rua Senhor da Paciência, 39 6200-158 Covilhã Portugal Telephone: +351 275 319 530 Fax: +351 275

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES EDITAL n o 023/2006-CGCI/CAPES Chamada Pública de Projetos para a Escola de Altos Estudos Cooperação

Leia mais

NORMAS DE CANDIDATURA. Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela

NORMAS DE CANDIDATURA. Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela NORMAS DE CANDIDATURA PROGRAMA DE ACÇÕES UNIVERSITÁRIAS INTEGRADAS LUSO FRANCESAS / PAUILF 2012 Convocatória para projectos de formaçãoo em parceria e/ou de teses em co-tutela Data de abertura: 22 de Março

Leia mais

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009 Duarte Rodrigues Coordenador adjunto do Observatório do QREN Sintra, 21 de Setembro 2009 O desafio da cooperação institucional As respostas Clusterização (EEC) Os factores críticos de sucesso Parcerias

Leia mais

Política de Coesão da UE

Política de Coesão da UE da UE 2014 2020 Propostas da Comissão Europeia da União Europeia Estrutura da apresentação 1. Qual é o impacto da política de coesão da UE? 2. A que se devem as alterações propostas pela Comissão para

Leia mais

Objetivos do Erasmus+

Objetivos do Erasmus+ Objetivos do Erasmus+ O Programa Erasmus+ contribui para - os objetivos da Estratégia Europa 2020, incluindo o grande objetivo em matéria de educação; - os objetivos do Quadro Estratégico para a cooperação

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Divulgação Erasmus+ novembro/dezembro 2014. VC/MF_Nov14

Divulgação Erasmus+ novembro/dezembro 2014. VC/MF_Nov14 Divulgação Erasmus+ novembro/dezembro 2014 VC/MF_Nov14 PROGRAMA APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROGRAMAS INTERNACIONAIS PARA O ENSINO SUPERIOR ERASMUS MUNDUS TEMPUS ALFA EDULINK PROGRAMAS BILATERAIS P r

Leia mais

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais sobre assistência à saúde da OECD e da Europa Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Por que a qualidade do cuidado

Leia mais

"SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro

SMS sem fronteiras: Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro IP/08/1144 Bruxelas, 15 de Julho de 2008 "SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro Os 2500 milhões de mensagens de texto enviadas

Leia mais

Quadro Europeu de Qualificações. um instrumento de transparência e de aprendizagem ao longo da vida

Quadro Europeu de Qualificações. um instrumento de transparência e de aprendizagem ao longo da vida Quadro Europeu de Qualificações um instrumento de transparência e de aprendizagem ao longo da vida Teresa Duarte Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP. 22 março de 2013 Quadro

Leia mais

3 A economia na sociedade actual

3 A economia na sociedade actual 3 A economia na sociedade actual 3.1. A evolução económica da humanidade Leituras: [D] I, II e III; [S] cap. 27 3.2. Efeitos sociais do desenvolvimento Leituras: [N] 6; [S] cap. 28 3 A economia na sociedade

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO DA REPUBLICA PORTUGUESA E O MINISTÉRIO FEDERAL DE TRABALHO E DE ASSUNTOS SOCIAIS DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA Considerando a necessidade

Leia mais