A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)"

Transcrição

1

2 A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) É A AGÊNCIA PÚBLICA NACIONAL PARA A INVESTIGAÇÃO E A INOVAÇÃO EM PORTUGAL

3 A VISÃO DA FCT É: TORNAR PORTUGAL UMA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ASSEGURAR QUE O CONHECIMENTO GERADO PELA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA É COLOCADO AO SERVIÇO DO DESENVOLVIMENTO DO PAÍS E DO BEM-ESTAR ECONÓMICO E SOCIAL DOS CIDADÃOS.

4 A FCT É UM INSTITUTO PÚBLICO, TUTELADO PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. ORÇAMENTO DE CERCA DE 400 MILHÕES DE EUROS: ORÇAMENTO DO ESTADO UNIÃO EUROPEIA. Em 2014* * Orçamento para 2014 não inclui fundos provenientes do atual Programa Quadro europeu que se iniciou em 2014, ainda em negociação com a Comissão Europeia

5 O APOIO DIRETO À INVESTIGAÇÃO É UMA PRIORIDADE MAIS DE DOIS TERÇOS DO SEU ORÇAMENTO EM APOIO DIRETO À INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA: BOLSAS E CONTRATOS PARA DOUTORADOS PROJETOS DE I&D FINANCIAMENTO COMPETITIVO A CENTROS DE INVESTIGAÇÃO. Cooperação Internacional 9% Sociedade da Informação 0,1% B-on e Rede Ciência Tecnologia & Sociedade 4% Outros* 1% Investimento direto em Ciência em 2013 Bolsas de Formação Avançada 36% Instituições de I&D 16% Projetos de I&D 25% Emprego Científico 9% * Inclui Fundo de Apoio à Comunidade Científica FACC, Promoção da Cultura Científica

6 A FCT APOIA TODAS AS ÁREAS DO CONHECIMENTO OS CONSELHOS CIENTÍFICOS (4) ACONSELHAM SOBRE PLANOS ESTRATÉGICOS DA FCT.

7 O QUE FAZEMOS A FCT APOIA, FINANCIA E AVALIA OS INVESTIGADORES MAIS CRIATIVOS, AS IDEIAS MAIS INOVADORAS E OS CENTROS DE INVESTIGAÇÃO INTERNACIONALMENTE MAIS COMPETITIVOS. A FCT TEM UMA AÇÃO INTERNACIONAL. COOPERA COM PAÍSES LÍDERES EM CIÊNCIA E INOVAÇÃO E COM NAÇÕES EMERGENTES, EM TODOS OS CONTINENTES. A FCT LIGA A INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA ÀS EMPRESAS E À SOCIEDADE. PESSOAS IDEIAS INSTITUIÇÕES INFRA- ESTRUTURAS TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO COOPERAÇÃO INTERNACIONAL Avaliação transparente, exigente e rigorosa Coordenação das políticas públicas para a Sociedade da Informação Ser um think-tank para a ciência e a política de ciência Comunicação com a comunidade científica e os cidadãos

8 A FCT INFORMA AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA E DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO A NÍVEL NACIONAL, EUROPEU E INTERNACIONAL. PUBLICOU A PRIMEIRA ANÁLISE DO SISTEMA DE I&I PORTUGUÊS. FAZ PARTE DE UM GRUPO INTERMINISTERIAL PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA NACIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE REPRESENTA PORTUGAL EM VÁRIAS ORGANIZAÇÕES EUROPEIAS E INTERNACIONAIS: OCDE SCIENCE EUROPE EU-AFRICA HIGH LEVEL POLICY DIALOGUE ON STI OUTROS

9 PESSOAS Apoio direto a quase investigadores FORMAÇÃO AVANÇADA Bolsas de Doutoramento (7 500) Bolsas de Pós-doutoramento (2 700) Programas de Doutoramento FCT (431 bolsas) Investigador FCT (369) EMPREGO CIENTÍFICO Contratos Ciência (~400) Programa Welcome II (~30)

10 IDEIAS Mais de projetos de I&D em curso Em 287 centros de investigação A FCT ATRIBUI FINANCIAMENTOS COMPETITIVOS ÀS PROPOSTAS MAIS INOVADORAS, EM TODAS AS ÁREAS DO CONHECIMENTO. OS PROJETOS VENCEDORES SÃO SELECIONADOS ATRAVÉS DE REVISÃO POR PARES, NUM PROCESSO TRANSPARENTE E RIGOROSO, SEGUINDO PADRÕES INTERNACIONAIS. Envolvendo Investigadores E cerca de bolsas de investigação

11 INSTITUIÇÕES 293 Unidades de I&D & 26 Laboratórios Associados Mais de investigadores

12 TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO Promover a ligação entre I&D académico e a indústria, para crescimento e maior impacto económico APOIO DIRETO A EMPRESAS INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO Parcerias Internacionais com EUA (~80 empresas; ~20 startups) UTEN University Technology Enterprise network (4 incubadoras; 6 parques tecnológicos; 90 Gabinetes de TT) Participação em Projetos de I&D (FCT financia a 50%) Programa EUROSTARS para PMEs com atividades de I&D Gabinete de Ligação Industrial em Organizações Internacionais (CERN, ESO, ESA, ESRF) Transferência de Tecnologia e Políticas de Propriedade Intelectual

13 COOPERAÇÃO INTERNACIONAL Com cerca de 60 países Membro de organizações internacionais de prestígio (ESA, ESO, EMBO, CERN) ALGERIA ANGOLA ARGENTINA AUSTRIA BELGIUM BOLIVIA BRAZIL BULGARIA CANADA CAPE VERDE CHILE CHINA COLOMBIA COSTA RICA CROATIA CUBA CYPRUS CZECH REPUBLIC DENMARK DOMINICAN REPUBLIC ECUADOR EGYPT EL SALVADOR ESTONIA FINLAND FRANCE GERMANY GREECE GUATEMALA GUINEA-BISSAU HONDURAS HUNGARY ICELAND INDIA IRELAND ISRAEL ITALY LATVIA LITHUANIA LUXEMBOURG MALAYSIA MEXICO MOROCCO MOZAMBIQUE NETHERLANDS NICARAGUA NORWAY PANAMA PARAGUAY PERU POLAND REPUBLIC OF KOREA ROMANIA S. TOMÉ E PRÍNCIPE SERBIA SLOVAKIA SLOVENIA SOUTH AFRICA SPAIN SWEDEN SWITZERLAND TUNISIA TURKEY U.S.A. UKRAINE UNITED KINGDOM URUGUAY VENEZUELA

14 FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA AV. D. CARLOS I, LISBOA PORTUGAL PHONE: FAX:

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º)

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º) Nicaragua (1º) Dominican Republic (2º) Brazil (3º) Honduras (4º) Guatemala (5º) Equatorial Guinea (6º) Panama (7º) Cuba (8º) El Salvador (9º) Uruguay (10º) Colombia (11º) Guyana (12º) Mexico (13º) Ecuador

Leia mais

A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro

A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro 40 Anos da Editoria de Economia de O Globo Marcelo Neri mcneri@fgv.br Décadas: 60 e 70 Milagre Crescimento 80 Redemocratização 90 Estabilização

Leia mais

Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado)

Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado) PDF Acrobat www.drmoises.com 1 Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado) Os comerciantes do tratado são Vistos E-1, investidores do tratado são Vistos E-2. Estes

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência econômica afetará os salários no Brasil

Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência econômica afetará os salários no Brasil INFORMAÇÕES À IMPRENSA GWA Comunicação Integrada Caroline Mártire Tel.: (11) 3030-3000 ramal 229 / (11) 96396 6222 caroline@gwa.com.br Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO P RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Janeiro de 2011 Problemas climáticos em muitos países exportadores continuaram a dominar a evolução do mercado, os preços do café e as notícias. Assim, os preços

Leia mais

UNI EN ISO 9001:2008 UNI EN ISO 14001:2004 BS OHSAS 18001:2007 EC DIRECTIVE 2014/34/EU (ATEX) CERTIFIED MANAGEMENT SYSTEM

UNI EN ISO 9001:2008 UNI EN ISO 14001:2004 BS OHSAS 18001:2007 EC DIRECTIVE 2014/34/EU (ATEX) CERTIFIED MANAGEMENT SYSTEM PT ISM-BSM CERTIFIED Tecnologia Made in Italy Desde 1955 o Grupo Varvel projecta e fabrica redutores e variadores para aplicações de pequena e média potências. Parceiro de confiança na produção e comercialização

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Dezembro de 2008 Os níveis de preços confirmaram em dezembro a tendência baixista que se observava no mercado cafeeiro desde setembro de

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Abril de 2009 A escassez de café colombiano e o aumento sem precedentes dos prêmios pagos por esta origem continuam a dominar a evolução

Leia mais

A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP

A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP 2ª CONFERÊNCIA SOBRE O FUTURO DA LÍNGUA PORTUGUESA NO SISTEMA MUNDIAL 30 de outubro2013 Maria João Maia Departamento das Relações Internacionais,

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP e-ciência em Portugal IBERCIVIS: Lançamento do projecto SOLUVEL e apresentação de resultados do projecto AMILOIDE Museu da Ciência, U. de Coimbra, 1 de Julho de 211 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

PERFIL DO MERCADO Automotive Business VII Forum 2016

PERFIL DO MERCADO Automotive Business VII Forum 2016 28/03/2016 PERFIL DO MERCADO Automotive Business VII Forum 2016 Vitor Klizas, Presidente, JATO Dynamics Brasil WTC São Paulo - Brasil A GLOBAL COMPANY JATO Dynamics JATO North America USA Canada JATO China

Leia mais

Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009

Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009 Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009 O Subsistema da Normalização do SPQ O IPQ é o Organismo Nacional de Normalização, desenvolvendo a coordenação global do Subsistema da Normalização

Leia mais

Avanços, Amortecedores e Agenda Social - Brasil

Avanços, Amortecedores e Agenda Social - Brasil Avanços, Amortecedores e Agenda Social - Brasil Os BRICs sob uma nova Perspectiva Fecomércio e ESPM São Paulo, 2 de Dezembro de 2008 Marcelo Neri mcneri@fgv.br (*leia-se: Processo de Equalização Recente

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo

Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo Fórum Nacional Álcool e Saúde Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, Loures 14 de abril de 2015 Indicadores sobre o álcool em Portugal e no mundo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos

Leia mais

Embalagens e Resíduos de Embalagem

Embalagens e Resíduos de Embalagem III Conferência Internacional de Resíduos Sólidos Urbanos DA NOVA DIRECTIVA À SOCIEDADE EUROPEIA DA RECICLAGEM A RESPONSABILIDADE ALARGADA DO PRODUTOR Embalagens e Resíduos de Embalagem Manuel Pássaro

Leia mais

Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão. José Antonio Gragnani

Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão. José Antonio Gragnani Desafios Futuros dos Investimentos dos Fundos de Pensão José Antonio Gragnani Patrimônio dos Fundos de Pensão como proporção do PIB em 2014 (%) Países membros da OCDE Países não membros da OCDE O Patrimônio

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+

Sessão de Informação ERASMUS+ Sessão de Informação ERASMUS+ Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal docente, diretores de escolas e profissionais ativos no domínio da juventude

Leia mais

Programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos II ENCONTRO NACIONAL DE MUNICÍPIOS Programa Mais Médicos Brasília- 02/03/16 Lançado em julho de 2013 para atender demanda histórica da insuficiência de médicos no Brasil, em especial, no SUS e na Atenção

Leia mais

Serviços de Informação do Benchmark de Métricas da Força de Trabalho

Serviços de Informação do Benchmark de Métricas da Força de Trabalho Serviços de Informação do Benchmark de Métricas da Força de Trabalho Transformando dados em conhecimento que você pode aplicar imediatamente Foco em composição da força de trabalho e métricas de retenção.

Leia mais

A reputação das cidades-sede da Copa do Mundo de Futebol 2014 no Brasil Resultados da Pesquisa City RepTrak Brasil

A reputação das cidades-sede da Copa do Mundo de Futebol 2014 no Brasil Resultados da Pesquisa City RepTrak Brasil A reputação das cidades-sede da Copa do Mundo de Futebol 2014 no Brasil Resultados da Pesquisa City RepTrak Brasil Maio de 2014 O ESTUDO A reputação é um dos temas que tem cada vez mais ganhado espaço

Leia mais

Inclusão digital e desenvolvimento

Inclusão digital e desenvolvimento Inclusão digital e desenvolvimento André Urani IETS e IE-UFRJ 46 o Painel Telebrasil Florianópolis, 30 de maio de 2003 Diagnóstico socioeconômico Brasil não é um país pobre, mas um país com muitos pobres

Leia mais

Evolução Nacional e Comparações Internacionais

Evolução Nacional e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação 10 de Março de 2006 Evolução Nacional e Comparações Internacionais Facilitação da Compra de Computador com Ligação à Internet por Famílias com Estudantes Dedução fiscal

Leia mais

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior Headquarters: Rua Senhor da Paciência, 39 6200-158 Covilhã Portugal Telephone: +351 275 319 530 Fax: +351 275

Leia mais

SC 67/ setembro 2016 Original: inglês

SC 67/ setembro 2016 Original: inglês SC 67/16 16 setembro 2016 Original: inglês P Comitê de Estatística 11. a reunião 20 setembro 2016 Londres, Reino Unido Cumprimento da exigência de fornecer dados estatísticos Anos cafeeiros de 2007/08

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA

A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA LISBOA, 4 DE ABRIL DE 2013 A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA MANUEL CALDEIRA CABRAL - UNIVERSIDADE DO MINHO Y = F ( K; L; RN) K- Capital L Trabalho RN Recursos

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

O Investimento em Protecção Social no Brasil: uma análise comparativa. Ronaldo Alves Nogueira

O Investimento em Protecção Social no Brasil: uma análise comparativa. Ronaldo Alves Nogueira O Investimento em Protecção Social no Brasil: uma análise comparativa Ronaldo Alves Nogueira Resumo do projeto de investigação Pergunta de partida: Quão distante estamos do nível de gasto com a função

Leia mais

Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária

Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária 27/04/2009 1 Três Perguntas Básicas da Estratégia Onde queremos ir? Onde estamos?? Para onde o ambiente nos empurra? MARQUES (2006) 2 Prospectiva

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA

SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA IDN Instituto da Defesa Nacional Porto, 10 de fevereiro de 2014 José António de Barros Presidente da AEP 1 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política FLS 5028 Métodos Quantitativos e Técnicas de Pesquisa em Ciência Política FLP0406 Métodos e

Leia mais

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

Sistemas DYWIDAG 36mm

Sistemas DYWIDAG 36mm Sistemas DYWIDAG 36mm SISTEMA DYWIDAG 36mm As barras e componentes DYWIDAG excedem os limites requeridos pelas normas brasileiras. Sua rosca robusta proporciona máxima aderência aço/concreto, única no

Leia mais

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios:

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios: CREBi Media Kit Atualmente, somos a mais representativa mídia eletrônica do setor de jóias e afins e também já superamos em muito as maiores médias de outras categorias de mídia. O CREBi oferece três canais

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAIU DA CRISE Crecemento do PIB espanhol 4 3 2 1 0-1 -2-3 0.1 0.3 0.5 0.5 0.7 0.9 1 0.8-0.1 0-0.4-0.3-0.5-0.4-0.6-0.6-0.5-0.3-0.3-0.10.3-0.9-0.8-1

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

Tudo o que precisa para tornar a sua oficina limpa, segura e eficiente

Tudo o que precisa para tornar a sua oficina limpa, segura e eficiente Tudo o que precisa para tornar a sua oficina limpa, segura e eficiente Melhore a sua oficina Fumos de escape e de soldadura, pó de lixagem e rebarbagem, derrames de óleo e mangueiras desarrumadas estes

Leia mais

ICC abril 2006 Original: francês. Estudo. Conselho Internacional do Café Nonagésima quinta sessão maio 2006 Londres, Inglaterra

ICC abril 2006 Original: francês. Estudo. Conselho Internacional do Café Nonagésima quinta sessão maio 2006 Londres, Inglaterra ICC 95-3 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 19 abril 2006 Original: francês Estudo P Conselho Internacional

Leia mais

Accountability & Compliance

Accountability & Compliance Accountability & Compliance 22-set-2016 Fernando Noronha Conteúdo Introdução Administrador Responsável Definição Transversalidade do conceito na aviação civil Aprovação Responsabilidades Mudança de Administrador

Leia mais

Limas Rotativas de Metal Duro. Gama alargada 2016

Limas Rotativas de Metal Duro. Gama alargada 2016 Limas Rotativas de Metal Duro Gama alargada 2016 1 LIMAS ROTATIVAS DE METAL DURO Gama alargada 2016 INTRODUÇÃO A gama de Limas Rotativas de Metal Duro da Dormer, é um programa de elevada qualidade, abrangente,

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS

PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS ACES CÁVADO II GERÊS/CABREIRA 2015-03 - 13 Raul Varajão Borges ACES CÁVADO II GERÊS / CABREIRA O começo é a parte mais importante de qualquer trabalho. PLATÃO Distribution of antimicrobial

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

SISTEMA GEWI 50mm PROPRIEDADES DO SISTEMA

SISTEMA GEWI 50mm PROPRIEDADES DO SISTEMA Sistemas GEWI 50mm SISTEMA GEWI 50mm O sistema GEWI é composto por barras e componentes de ancoragem de alta capacidade. Possuem rosca esquerda, duplo filetada e robusta, por toda sua extensão. Esta característica

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Diâmetro Nominal mm

Diâmetro Nominal mm Sistemas GEWI SISTEMAS GEWI O sistema GEWI é composto por barras e componentes de ancoragem de alta capacidade. Possuem rosca esquerda duplo filetada e robusta por toda sua extensão, característica vantajosa

Leia mais

3 A economia na sociedade actual

3 A economia na sociedade actual 3 A economia na sociedade actual 3.1. A evolução económica da humanidade Leituras: [D] I, II e III; [S] cap. 27 3.2. Efeitos sociais do desenvolvimento Leituras: [N] 6; [S] cap. 28 3 A economia na sociedade

Leia mais

Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160

Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160 Rio Collection 1 2 3 4 Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160 5 6 Tank Top: TT 4286 Color: 477 Bra Top: BT 3331 Color: 160 Legging: LE 4069 Color: 160 Rio Collection Bra Top: BT 3331 Color:

Leia mais

Projectos em desenvolvimento no IPQ enquanto Organismo Nacional de Normalização

Projectos em desenvolvimento no IPQ enquanto Organismo Nacional de Normalização Projectos em desenvolvimento no IPQ enquanto Organismo Nacional de Normalização Regras e Procedimentos para a NORMALIZAÇÃO PORTUGUESA Framework Partenership Agreement Projecto Juventude Disponibilização

Leia mais

Fresas de Metal Duro Integral

Fresas de Metal Duro Integral Fresas de Metal Duro Integral Introdução O programa de Fresas de Roscar de Metal Duro da Dormer, consiste numa completa gama de ferramentas de alto rendimento que oferecem uma impressionante economia de

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

CABOS SUBMARINOS E SERVIÇOS DA ANTEL IX (PTT) FÓRUM 10. Eng. Fernando López

CABOS SUBMARINOS E SERVIÇOS DA ANTEL IX (PTT) FÓRUM 10. Eng. Fernando López CABOS SUBMARINOS E SERVIÇOS DA ANTEL IX (PTT) FÓRUM 10 Eng. Fernando López Agenda ANTEL CABOS SUBMARINOS SERVIÇOS DE CONECTIVIDADE ANTEL Uruguai Empresa lider em telecomunicações do país (53% da telefonia

Leia mais

Soluções para exaustão e filtragem nos processos de corte térmico Melhore a segurança e aumente a produtividade

Soluções para exaustão e filtragem nos processos de corte térmico Melhore a segurança e aumente a produtividade Soluções para exaustão e filtragem nos processos de corte térmico Melhore a segurança e aumente a produtividade Maior produtividade e melhoria das condições de higiene Corte Térmico é o termo genérico

Leia mais

Ações da EUREPGAP para a garantia da rastreabilidade dos produtos que certifica.

Ações da EUREPGAP para a garantia da rastreabilidade dos produtos que certifica. II Simpósio Brasileiro de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos Ações da EUREPGAP para a garantia da rastreabilidade dos produtos que certifica. EUREPGAP Segurança a Alimentar Proteção do Meio-ambiente

Leia mais

Empreendedorismo em Israel. Gilberto Sarfati

Empreendedorismo em Israel. Gilberto Sarfati Empreendedorismo em Israel Gilberto Sarfati gilberto.sarfati@fgv.br Empreendedorismo O empreendedor é aquele que gera valor através da criação ou expansão da atividade econômica identificando novos produtos,

Leia mais

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard 1 Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas 2010 03 26 Jean Pol Piquard Metodologia e estrutura do Benchmark individual e Colectivo Definições e Referencias para a leitura

Leia mais

Teoria e Sistemas da Inovação

Teoria e Sistemas da Inovação A technology gap approach to why growth rates differ FAGERBERG, Jan Trabalho elaborado por: Fernando Machado 1. Introdução (Porque diferem as taxas de crescimento entre países?) Introdução Diferenças do

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro

BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro 2 Conteúdo Introdução... 3 Campos de Aplicação... 4 Principais Vantagens... 4 Descrição do Sistema... 4 Componentes do Sistema... 4

Leia mais

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal 0 Sumário e conclusões 1 - O peso das receitas fiscais totais no PIB 2 O peso dos impostos sobre o rendimento

Leia mais

Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum

Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum José Viegas Secretário Geral International Transport Forum 19º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito, Brasília,

Leia mais

Lista de telefones de emergência em São Paulo

Lista de telefones de emergência em São Paulo Lista de telefones de emergência em São Paulo Telefones de emergência Polícia: Disque 190 Emergências médicas (ambulância): Disque 192 *Se desejar ser atendido em hospital particular, notifique os respondentes.

Leia mais

Limas Rotativas. Gama 2016 expandida

Limas Rotativas. Gama 2016 expandida Limas Rotativas Gama 2016 expandida 1 LIMAS ROTATIVAS Gama 2016 expandida INTRODUÇÃO A linha de limas rotativas Dormer possui alta qualidade, compreendendo um programa completo de geometrias e formatos

Leia mais

Contributos para a caracterização das TIC no. Ensino Superior e no Sistema Científico-Tecnológico em Portugal

Contributos para a caracterização das TIC no. Ensino Superior e no Sistema Científico-Tecnológico em Portugal Contributos para a caracterização das TIC no Ensino Superior e no Sistema Científico-Tecnológico em Portugal OCES Observatório da Ciência e do Ensino Superior 2006 Contributos para a caracterização das

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação Aveiro, 10 Mar 2006 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

Pesquisa TIC Domicílios 2011

Pesquisa TIC Domicílios 2011 Pesquisa TIC Domicílios 211 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil São Paulo, 31 de Maio de 212 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO PARA OS ESTUDANTES DA EDUCAÇAO SUPERIOR PRIVADA CAMARA DOS DEPUTADOS AUDIENCIA PUBLICA 25 DE OUTUBRO DE 2016

FONTES DE FINANCIAMENTO PARA OS ESTUDANTES DA EDUCAÇAO SUPERIOR PRIVADA CAMARA DOS DEPUTADOS AUDIENCIA PUBLICA 25 DE OUTUBRO DE 2016 FONTES DE FINANCIAMENTO PARA OS ESTUDANTES DA EDUCAÇAO SUPERIOR PRIVADA CAMARA DOS DEPUTADOS AUDIENCIA PUBLICA 25 DE OUTUBRO DE 2016 Fluxograma de Recursos Na Teoria: O Espírito do Financiamento Estudantil

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

Da Ciência que Sonha ao Verso que Investiga

Da Ciência que Sonha ao Verso que Investiga Aula 1 Da Ciência que Sonha ao Verso que Investiga Glauco Arbix Depto de Sociologia USP Optativa 1º sem. 2016 Cinco Imagens do Brasil Desigualdade coeficiente de Gini 0,65 0,64 0,63 0,62 0,61 0,60 0,59

Leia mais

Bolso dos Brasileiros por Classes Econômicas

Bolso dos Brasileiros por Classes Econômicas Objetivo :traçar um retrato resumido das condições de brasileiras a partir da miríade de informações pnadianas. O capítulo dos indicadores sociais baseados em renda, traduz salário, jornada, ocupação,

Leia mais

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo ED 2068/09 16 junho 2009 Original: inglês P Obstáculos ao consumo 1. Cumprimentando os Membros, o Diretor-Executivo recorda-lhes que, de acordo com o Artigo 33 do Convênio Internacional do Café de 2001

Leia mais

A identificação do ilícito penal e a recolha de prova no âmbito do cibercrime

A identificação do ilícito penal e a recolha de prova no âmbito do cibercrime A identificação do ilícito penal e a recolha de prova no âmbito do cibercrime David Silva Ramalho Congresso de Propriedade Intelectual Lisboa, 26 de Setembro de 2014 O CIBERCRIME 01 It is known of all

Leia mais

Portugal e a economia do conhecimento. A despesa empresarial em Investigação e Desenvolvimento

Portugal e a economia do conhecimento. A despesa empresarial em Investigação e Desenvolvimento IET Inovação Empresarial e do Trabalho Portugal e a economia do conhecimento A despesa empresarial em Investigação e Desenvolvimento (Draf paper) Nuno F.F.G. Boavida nunoboavida@gmail.com Maio de 28 RESUMO

Leia mais

Redução da desigualdade da renda no Governo Lula Análise comparativa

Redução da desigualdade da renda no Governo Lula Análise comparativa Redução da desigualdade da renda no Governo Lula Análise comparativa Reinaldo Gonçalves 1 20 junho 2011 PRINCIPAIS CONCLUSÕES 1. há tendência de queda da desigualdade da renda no Brasil no Governo Lula;

Leia mais

SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105

SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105 Sistemas DYWIDAG SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105 As barras e componentes DYWIDAG excedem os limites requeridos pelas normas brasileiras. Sua rosca robusta proporciona máxima aderência aço/concreto, única no

Leia mais

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Claudia Bindo Gerente de Novos Negócios GfK 2013 1 Empresas de Ótica & Eyewear Pesquisa do Mercado Global feita para você TM Apresentação corporativa GfK 2013

Leia mais

VISÃO GERAL uma das mais prestigiadas instituições de ensino e investigação melhores universidades da Europa uma das mais prestigiadas

VISÃO GERAL uma das mais prestigiadas instituições de ensino e investigação melhores universidades da Europa uma das mais prestigiadas PORTUGAL 2014 VISÃO GERAL A Universidade do Porto é uma das mais prestigiadas instituições de ensino e investigação científicas portuguesas, classificada entre as 100-150 melhores universidades da Europa.

Leia mais

Associação KNX Portugal

Associação KNX Portugal Associação KNX Portugal Organização KNX e rede de parceiros KNX Association International Page No. 3 Associações Nacionais: Membros Membros KNX Nacionais: Fabricantes: Empresas fabricantes ou representantes

Leia mais

COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO ÂMBITO DO CNPq

COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO ÂMBITO DO CNPq INSTRUMENTOS DE COOPERAÇÃO OPORTUNIDADES INTERNACIONAL DE NO AMBITO DO CNPq COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO ÂMBITO DO CNPq Reunião das Sociedades e Associações de Física da América Latina 2 de fevereiro de

Leia mais

A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante dos Pobres. Marcelo Neri

A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante dos Pobres. Marcelo Neri A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante dos Pobres Marcelo Neri mcneri@fgv.br /ncm2014 021 98681211 marcelo.neri@fgv.br Retrato Global - Onde estão os BRICS? Comparados aos EUA e ao Mundo Percentil

Leia mais

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 MVNO Operadoras Virtuais no Brasil Conhecendo o usuário brasileiro Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 O estudo A&R contempla 17 países com mais de 20 mil entrevistas, agrupadas em 3 categorias: Mature,

Leia mais

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Impacto Positivo de uma Redução de Tributos para Empresas e Consumidores Rio de Janeiro, 27 de maio de 2009 Em 2008, o mercado brasileiro de CDs e DVDs

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2016 PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION 2016 1 ESTES SÃO OS RESULTADOS DA NOVA EDIÇÃO DA PESQUISA PERIGOS DA PERCEPÇÃO DA IPSOS. OS RESULTADOS

Leia mais

O Consumo Sustentável como um Vector de Mitigação das Alterações Climáticas

O Consumo Sustentável como um Vector de Mitigação das Alterações Climáticas O Consumo Sustentável como um Vector de Mitigação das Alterações Climáticas Ricardo Aguiar Unidade de Análise Energética e Alterações Climáticas MINISTÉRIO DA ECONOMIA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Focos

Leia mais

UNIVERSITY OF CAMPINAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSITY OF CAMPINAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNIVERSITY OF CAMPINAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 6 Campuses: Campinas, Piracicaba, Limeira, Paulínia 24 Schools & Institutes 2 Technical High Schools Courses 36 technical high school 66 undergraduate

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

Europa Da Estratégia de Lisboa à nova Estratégia para a Europa

Europa Da Estratégia de Lisboa à nova Estratégia para a Europa Europa 2020 Da Estratégia de Lisboa à nova Estratégia para a Europa Novembro de 2010 O caminho para a Estratégia 2020 Estratégia de Lisboa 2000-2005 Estratégia de Lisboa relançada 2005-2010 Estratégia

Leia mais

Agrocombustíveis, a política da UE e os projetos de MDL Nusa Urbancic

Agrocombustíveis, a política da UE e os projetos de MDL Nusa Urbancic Agrocombustíveis, a política da UE e os projetos de MDL Nusa Urbancic Esta apresentação A política europeia de biocombustíveis e seu contexto Novas informações sobre os planos dos países da UE e seu impacto

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Patrícia Jardim da Palma Professora Universitária no ISCSP Coordenadora do Hélios Directora do INTEC ppalma@iscsp.utl.pt Agenda O empreendedorismo

Leia mais

Participar no Horizonte 2020

Participar no Horizonte 2020 Gabinete de Promoção dos Programa Quadro ID&I Participar no Horizonte 2020 Elisabete Pires NCP ICT, FET e Administração pública Castelo Branco 06/04/2016 GPPQ Criado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais