Cap. 2. Conceito do meio contínuo, objectivos e restrições de MMC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cap. 2. Conceito do meio contínuo, objectivos e restrições de MMC"

Transcrição

1 Cap. 2. Conceito do meio contínuo, objectivos e restrições de MMC 1. Hierarquia de Mecânica Clássica ou Newtoniana 2. Meio contínuo 3. Objectivos de MMC 3.1 Carregamento 3.2 Resposta ao carregamento 3.3 Objectivos 3.4 Restrições

2 1. Hierarquia de Mecânica Clássica ou Newtoniana de acordo com o meio a examinar ( Teoria da Relatividade) Isaac Newton ( ) Albert Einstein ( ) Mecânica M. dos corpos rígidos M. dos fluídos M. dos corpos deformáveis ou meios contínuos ou sólidos M. dos materiais (resistência dos materiais)

3 Os corpos ou meios poderão estar em repouso ou em movimento. Daí seguem as outras separações: Estática: não há movimento Cinemática: há movimento, mas não se introduzem as forças que o causam Dinâmica: o movimento estuda-se juntamente com as forças que o causam Corpo rígido: não muda a sua forma Fluído: não resiste ao corte Corpos deformáveis: mudam de forma e resistem ao corte 2. Meio contínuo Tipos Sólidos Líquidos Gases Fluídos

4 Definição de MC Um domínio onde não existem quaisquer espaços vazios Definição usando vizinhança esférica vizinhança esférica do ponto P = uma esfera com o centro no ponto P Analogia com matemática: Meio contínuo unidimensional Intervalo dos números reais A qualquer ponto interior consegue-se sempre encontrar um raio de tal forma, que a vizinhança esférica correspondente estará completamente mergulhada no meio contínuo Qualquer que seja o ponto de superfície e qualquer que seja o raio da vizinhança esférica, esta contém sempre pelo menos um ponto interior e um ponto exterior

5 3. Objectivos de MMC Formular as equações que descrevem o movimento e o comportamento mecânico e térmico dos meios contínuos Estas equações devem servir para determinar a resposta do MC ao carregamento 3.1 Carregamento Solicitações às quais os MC estão sujeitos (acção do exterior) Estas solicitações actuam: Pelo contacto (por exemplo com os outros corpos) e assim criam-se as forças exteriores de superfície [N/m 2 ] À distância criam-se as forças exteriores de volume [N/m 3 ] como peso, forças de inércia, e a acção de variação de temperatura, em geral estes efeitos correspondem às acções de campos gravitacional, térmico, eléctrico, magnético,...

6 Notas sobre as forças externas Quando a área de contacto é muito inferior à área total, as forças distribuídas poderão ser substituídas pelas forças concentradas [N] ou forças de linha [N/m], o que representa uma simplificação da carga real Estática considerou corpos rígidos, onde forças corresponderam aos vectores deslizantes. As duas forças da figura ao lado são consideradas iguais ou equivalentes, porque têm a mesma linha de acção (direcção), a mesma intensidade e o mesmo sentido F 2 F 2 F 1 F 2 F 1 F 1 Na MMC estas forças são diferentes, porque a resposta do MC é diferente, como se vê na figura. As forças externas são vectores fixos, o ponto de aplicação da força, que corresponde a um ponto de superfície, é importante

7 3.2 Resposta ao carregamento A resposta do MC depende das propriedades mecânicas e térmicas do MC A resposta do MC exprime-se em termos de TENSÕES: campo tensorial de segunda ordem DEFORMAÇÕES: campo tensorial de segunda ordem DESLOCAMENTOS: campo vectorial MC é uma ficção, mas a escala em que vamos resolver os problemas (mm, cm, dm, m) não exige considerar a estrutura molecular Igualmente as medições que suportam a teoria usada são macroscópicas Neste caso para descrever o comportamento e a resposta do MC usam-se médias estatísticas dos fenómenos que ocorrem ao nível das partículas μm=10-6 m nm=10-9 m Microescala, micromecânica Nanoescala, nanomecânica

8 3.3 Objectivos O principal objectivo é determinar a resposta do MC ao carregamento Continuidade Propriedades e resposta de MC descrevem-se pelas funções contínuas Depois da aplicação de carga, o MC continua ser MC, os pontos interiores do MC mantém-se no interior e os pontos de superfície mantém-se na superfície Devido a continuidade o campo de deslocamentos tem que ser contínuo Também os campos de tensões e deformações terão que ser contínuos (solução clássica) Excepções: pode existir num MC um número finito de interfaces entre materiais diferentes, neste caso a continuidade de deslocamento não poderá ser violada, mas nestas superfícies certas componentes de tensão e de deformação poderão sofrer descontinuidades Além de determinar a resposta é preciso Avaliar Dimensionar Optimizar os elementos estruturais formados pelos MC

9 3.4 Restrições Devido a assumida continuidade, existem muitos fenómenos que MMC não consegue descrever e resolver, como por exemplo: criação de fendas e fissuras, que implica a violação de continuidade do meio

Física I 2010/2011. Aula 13 Rotação I

Física I 2010/2011. Aula 13 Rotação I Física I 2010/2011 Aula 13 Rotação I Sumário As variáveis do movimento de rotação As variáveis da rotação são vectores? Rotação com aceleração angular constante A relação entre as variáveis lineares e

Leia mais

Cinemática de Mecanismos

Cinemática de Mecanismos Cinemática de Mecanismos C. Glossário de Termos Paulo Flores J.C. Pimenta Claro Universidade do Minho Escola de Engenharia Guimarães 2007 In language, clarity is everything. Confucius C. GLOSSÁRIO DE

Leia mais

Condições especiais de Acesso e Ingresso ao Ensino Superior

Condições especiais de Acesso e Ingresso ao Ensino Superior Condições especiais de Acesso e Ingresso ao Ensino Superior Provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade, dos maiores de 23 anos, para a frequência dos cursos ministrados na Escola

Leia mais

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Mecânica é uma ciência física aplicada que trata dos estudos das forças e dos movimentos. A Mecânica descreve e prediz as condições de repouso ou movimento de

Leia mais

Transferência/Transformação de energia

Transferência/Transformação de energia Transferência/Transformação de energia As tranferências e as transformações de energia podem esquematizar-se recorrendo, por exemplo, a diagramas de Sankey. Transferência de energia Transformação de energia

Leia mais

Curso Física 1. Aula - 6. Leis de Newton Parte 1

Curso Física 1. Aula - 6. Leis de Newton Parte 1 Curso Física 1 Aula - 6 Leis de Newton Parte 1 As Leis do Movimento A Primeira Lei de Newton Força Massa A Segunda Lei de Newton A Terceira Lei de Newton Exemplos Cinemática e Dinâmica Cinemática: Descreve

Leia mais

Movimento Dulce Godinho

Movimento Dulce Godinho Forças e Movimento 02-20092009 1 Forças na Nossa Vida Inúmeras situações devidas à existência de forças: Forças Gravíticas São sempre atractivas Forças Eléctricas Atractivas ou repulsivas Forças Magnéticas

Leia mais

Física I 2010/2011. Aula 18. Mecânica de Fluidos I

Física I 2010/2011. Aula 18. Mecânica de Fluidos I Física I 2010/2011 Aula 18 Mecânica de Fluidos I Sumário Capítulo 14: Fluidos 14-1 O que é um Fluido? 14-2 Densidade e Pressão 14-3 Fluidos em Repouso 14-4 A Medida da pressão 14-5 O Princípio de Pascal

Leia mais

UC: STC 6 Núcleo Gerador: URBANISMO E MOBILIDADES Tema: Construção e Arquitectura Domínio de Ref.ª:RA1 Área: Ciência

UC: STC 6 Núcleo Gerador: URBANISMO E MOBILIDADES Tema: Construção e Arquitectura Domínio de Ref.ª:RA1 Área: Ciência UC: STC 6 Núcleo Gerador: URBANISMO E MOBILIDADES Tema: Construção e Arquitectura Domínio de Ref.ª:RA1 Área: Ciência Sumário: Betão armado armadura aplicações Equilíbrio estático de um ponto material Momento

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Multimédia Informação Prova da Disciplina de Física - Módulo: 1 Forças e Movimentos; Estática Modalidade da Prova: Escrita Ano

Leia mais

Física I 2010/2011. Aula 01. Forças e Movimentos I

Física I 2010/2011. Aula 01. Forças e Movimentos I Física I 2010/2011 Aula 01 Forças e Movimentos I Sumário Força e movimento Mecânica Newtoniana A 1.ª Lei de Newton Força Referenciais inerciais Massa A 2.ª Lei de Newton Alguns tipos de forças A força

Leia mais

Força. Aceleração (sai ou volta para o repouso) Força. Vetor. Aumenta ou diminui a velocidade; Muda de direção. Acelerar 1kg de massa a 1m/s 2 (N)

Força. Aceleração (sai ou volta para o repouso) Força. Vetor. Aumenta ou diminui a velocidade; Muda de direção. Acelerar 1kg de massa a 1m/s 2 (N) Força Empurrão ou puxão; Força é algo que acelera ou deforma alguma coisa; A força exercida por um objeto sobre o outro é correspondida por outra igual em magnitude, mas no sentido oposto, que é exercida

Leia mais

Unidade de Aprendizagem 1. Física I C. O que é a Física? Professor: Mário Forjaz Secca. Departamento t de Física

Unidade de Aprendizagem 1. Física I C. O que é a Física? Professor: Mário Forjaz Secca. Departamento t de Física Unidade de Aprendizagem 1 O que é a Física? Física I C Departamento t de Física Professor: Mário Forjaz Secca O Que é a Física? disciplina científica que estuda a energia e a matéria e as suas interacções

Leia mais

onde v m é a velocidade média do escoamento. O 2

onde v m é a velocidade média do escoamento. O 2 Exercício 24: São dadas duas placas planas paralelas à distância de 1 mm. A placa superior move-se com velocidade de 2 m/s, enquanto a inferior é fixa. Se o espaço entre a placas é preenchido com óleo

Leia mais

2 Energia em movimentos

2 Energia em movimentos 2 Energia em movimentos Lei da conservação de energia Se se considerar todas as contribuições energéticas, macroscópicas e microscópicas, total p macroscópica c macroscópica Sistema isolado 2 Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. Transmissão de calor. 3º ano

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. Transmissão de calor. 3º ano UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia Transmissão de calor 3º ano Aula 3 Equação diferencial de condução de calor Condições iniciais e condições de fronteira; Geração de Calor num Sólido;

Leia mais

Hidrocinemática 1.1 Conceitos básicos: A hidrocinemática

Hidrocinemática 1.1 Conceitos básicos: A hidrocinemática Hidrocinemática 1.1 Conceitos básicos: A hidrocinemática estuda o movimento dos fluidos desde o ponto de vista meramente descritivo, isto e, sem considerar as causas que o originam. Consideram-se unicamente

Leia mais

UFRPE: Física 11 Márcio Cabral de Moura 1. 2 aulas, 5 horas Capítulos 1 e 3 do Fundamentos de Física 1, de D. Halliday e R. Resnick, 3ª edição.

UFRPE: Física 11 Márcio Cabral de Moura 1. 2 aulas, 5 horas Capítulos 1 e 3 do Fundamentos de Física 1, de D. Halliday e R. Resnick, 3ª edição. UFRPE: Física 11 Márcio Cabral de Moura 1 1. Introdução 1 e 3 do Fundamentos de Física 1, de D. Halliday e R. Resnick, 3ª edição. 1.1 O objeto da Física O objeto da física é a natureza 1.2 O método físico.

Leia mais

Halliday Fundamentos de Física Volume 2

Halliday Fundamentos de Física Volume 2 Halliday Fundamentos de Física Volume 2 www.grupogen.com.br http://gen-io.grupogen.com.br O GEN Grupo Editorial Nacional reúne as editoras Guanabara Koogan, Santos, Roca, AC Farmacêutica, LTC, Forense,

Leia mais

MECÂNICA - MAC Prof a Michèle Farage. 14 de março de Programa Princípios Gerais Forças, vetores e operações vetoriais

MECÂNICA - MAC Prof a Michèle Farage. 14 de março de Programa Princípios Gerais Forças, vetores e operações vetoriais MECÂNICA - MAC010-01 Prof a Michèle Farage 14 de março de 2011 Programa Princípios Gerais Forças, vetores e operações vetoriais Programa 1. Introdução: conceitos e definições básicos da Mecânica, sistemas

Leia mais

Mecânica Newtoniana (Física I)

Mecânica Newtoniana (Física I) Tec. Processos Metalúrgicos 2013/1 Funcionamento da ciência O método científico: Funcionamento da ciência O método científico: Funcionamento da ciência A Física clássica: Funcionamento da ciência A Física

Leia mais

Nosso senso comum falha para descrever fenômenos: que envolvem dimensões reduzidas (átomos, moléculas, partículas...) =>> MECÂNICA QUÂNTICA que

Nosso senso comum falha para descrever fenômenos: que envolvem dimensões reduzidas (átomos, moléculas, partículas...) =>> MECÂNICA QUÂNTICA que Nosso senso comum falha para descrever fenômenos: que envolvem dimensões reduzidas (átomos, moléculas, partículas...) =>> MECÂNICA QUÂNTICA que envolvem altas velocidades (comparadas com a da luz) =>>

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 7 Flutuação e Empuxo. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 7 Flutuação e Empuxo. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 7 Flutuação e Empuxo Tópicos Abordados Nesta Aula Flutuação e Empuxo. Solução de Exercícios. Definição de Empuxo Quando se mergulha um corpo em um líquido, seu peso aparente diminui, chegando às vezes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 04/2016-PROGRAD PROVA ESCRITA ÁREA: FÍSICA GERAL Questão 1. (Valor 2,0) Um foguete modelo de 4,00 kg é lançado verticalmente para cima com

Leia mais

Força direção magnitude magnitude

Força direção magnitude magnitude Leis de Newton Sir Isaac Newton 1642 1727 Formulou as leis básicas da mecânica. Descobriu a Lei da Gravitação Universal. Inventou o cálculo Diferencial e Integral. Fez muitas observações sobre luz e óptica.

Leia mais

Aula 02 : EM-524. Capítulo 2 : Definições e Conceitos Termodinâmicos

Aula 02 : EM-524. Capítulo 2 : Definições e Conceitos Termodinâmicos Aula 02 : EM-524 Capítulo 2 : Definições e Conceitos Termodinâmicos 1. Termodinâmica Clássica; 2. Sistema Termodinâmico; 3. Propriedades Termodinâmicas; 4. As propriedades termodinâmicas pressão, volume

Leia mais

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido Do professor para o aluno ajudando na avaliação de compreensão do capítulo. Fundamental que o aluno tenha lido o capítulo. Introdução: Produto vetorial Ilustração da

Leia mais

Considerando a variação temporal do momento angular de um corpo rígido que gira ao redor de um eixo fixo, temos:

Considerando a variação temporal do momento angular de um corpo rígido que gira ao redor de um eixo fixo, temos: Segunda Lei de Newton para Rotações Considerando a variação temporal do momento angular de um corpo rígido que gira ao redor de um eixo fixo, temos: L t = I ω t e como L/ t = τ EXT e ω/ t = α, em que α

Leia mais

Resistência dos. Materiais. Capítulo 3. - Flexão

Resistência dos. Materiais. Capítulo 3. - Flexão Resistência dos Materiais - Flexão cetatos baseados nos livros: - Mechanics of Materials - Beer & Jonhson - Mecânica e Resistência dos Materiais V. Dias da Silva Índice Flexão Pura Flexão Simples Flexão

Leia mais

Mecânica Geral 1 Rotação de corpos rígidos Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Mecânica Geral 1 Rotação de corpos rígidos Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Bibliografia Básica: BEER, F. P.; JOHNSTON JUNIOR, E. R. Mecânica vetorial para engenheiros: cinemática e dinâmica 5ª ed. 2v. São Paulo: Makron, 1994. HIBBELER, R. C. Dinâmica: Mecânica para Engenharia.

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL FÍSICA. F = m a MÓDULO 1 FORÇAS E MOVIMENTOS. Prof: Marília Pacheco Ano lectivo

CURSO PROFISSIONAL FÍSICA. F = m a MÓDULO 1 FORÇAS E MOVIMENTOS. Prof: Marília Pacheco Ano lectivo CURSO PROFISSIONAL FÍSICA F = m a MÓDULO 1 FORÇAS E MOVIMENTOS Prof: Marília Pacheco Ano lectivo 2013-14 ÍNDICE 1. A FÍSICA ESTUDA A INTERACÇÃO ENTRE CORPOS... 2 1.1 INTERACÇÕES FUNDAMENTAIS... 2 FORÇAS...

Leia mais

Halliday & Resnick Fundamentos de Física

Halliday & Resnick Fundamentos de Física Halliday & Resnick Fundamentos de Física Mecânica Volume 1 www.grupogen.com.br http://gen-io.grupogen.com.br O GEN Grupo Editorial Nacional reúne as editoras Guanabara Koogan, Santos, Roca, AC Farmacêutica,

Leia mais

Carga axial. Princípio de Saint-Venant. Princípio de Saint-Venant

Carga axial. Princípio de Saint-Venant. Princípio de Saint-Venant Capítulo 4: Carga axial Adaptado pela prof. Dra. Danielle Bond Princípio de Saint-Venant Anteriormente desenvolvemos os conceitos de: Tensão (um meio para medir a distribuição de força no interior de um

Leia mais

Dinâmica. Leis de Newton.notebook aula preenchida.notebook. July 10, 2017

Dinâmica. Leis de Newton.notebook aula preenchida.notebook. July 10, 2017 Dinâmica Foi estudado até agora a CINEMÁTICA, que é a parte da Física (Mecânica) que estuda o movimento dos corpos sem se preocupar com as causas. Estudaremos agora a Dinâmica que é a parte da Física que

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Estudos Básicos e Instrumentais Mecânica dos Fluidos Física II Prof. Roberto Claudino Ferreira ÍNDICE ) - Introdução; ) - Densidade; 3) - Pressão;

Leia mais

As leis de Newton e suas aplicações

As leis de Newton e suas aplicações INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel As leis de Newton e suas aplicações Disciplina: Física Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este

Leia mais

Caso mais simples MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS. Álvaro Azevedo. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto

Caso mais simples MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS. Álvaro Azevedo. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS Álvaro Azevedo http://www.fe.up.pt/~alvaro Novembro 2000 Faculdade de Engenharia Universidade do Porto 1 Caso mais simples Método dos deslocamentos Comportamento linear elástico

Leia mais

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013 Décima aula de FT Segundo semestre de 2013 Vamos eliminar a hipótese do fluido ideal! Por que? Simplesmente porque não existem fluidos sem viscosidade e para mostrar que isto elimina uma situação impossível,

Leia mais

Princípio de Arquimedes: Empuxo. P r o f. T h i a g o M. d e o l i v e i r a

Princípio de Arquimedes: Empuxo. P r o f. T h i a g o M. d e o l i v e i r a Princípio de Arquimedes: Empuxo P r o f. T h i a g o M. d e o l i v e i r a A história... Contam os livros, que o sábio grego Arquimedes (282-212 AC) descobriu, enquanto tomava banho, que um corpo imerso

Leia mais

AULA 2: RESPOSTAS DOS MATERIAIS SEGUNDO A MECÂNICA DOS MEIOS CONTÍNUOS

AULA 2: RESPOSTAS DOS MATERIAIS SEGUNDO A MECÂNICA DOS MEIOS CONTÍNUOS Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Laboratório de Mecânica Computacional Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento

Leia mais

MOMENTO DE INÉRCIA DE UM CORPO RÍGIDO

MOMENTO DE INÉRCIA DE UM CORPO RÍGIDO Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T4 FÍSICA EXPERIMENTAL I - 007/08 MOMENTO DE INÉRCIA DE UM CORPO RÍGIDO 1. Objectivo Estudo do movimento de rotação de um corpo

Leia mais

Física Geral I F semestre, Aula 5 Força e movimento I: Leis de Newton

Física Geral I F semestre, Aula 5 Força e movimento I: Leis de Newton Física Geral I F -18 0 semestre, 010 Aula 5 Força e movimento I: Leis de Newton Leis de Newton (Isaac Newton, 164-177) Até agora apenas descrevemos os movimentos cinemática. É impossível, no entanto, prever

Leia mais

Sumário. Energia em movimentos 11/05/2015

Sumário. Energia em movimentos 11/05/2015 Sumário Unidade temática 2 Modelo da partícula material. Transferências de energia como trabalho. - Conceito de força (revisão). - As componentes duma força. - Trabalho de uma força constante e energia

Leia mais

Instituto de Física - UFF Profissional - 11 de Dezembro de 2009 Resolva 6 (seis) questões, com pelo menos uma questão de cada uma das

Instituto de Física - UFF Profissional - 11 de Dezembro de 2009 Resolva 6 (seis) questões, com pelo menos uma questão de cada uma das Exame de Ingresso na Pós-graduação Instituto de Física - UFF Profissional - 11 de Dezembro de 009 Resolva 6 (seis) questões, com pelo menos uma questão de cada uma das seções. A duração da prova é de 3

Leia mais

EP34D Fenômenos de Transporte

EP34D Fenômenos de Transporte EP34D Fenômenos de Transporte Prof. Dr. André Damiani Rocha arocha@utfpr.edu.br Introdução à Transferência de Calor 2 Introdução à Transferência de Calor O que é Transferência de Calor? Transferência de

Leia mais

Disciplina: Sistemas Estruturais Assunto: Principios da Estática e da Mecânica Prof. Ederaldo Azevedo Aula 2 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 2. PRINCIPIOS BÁSICOS DA ESTÁTICA E DA MECÂNICA A ciência

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV E HABILIDADES REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV 2 Vídeo - Primeira Lei de Newton - Lei da Inércia 3 As três leis de Newton do movimento Sir Isaac Newton desenvolveu as três

Leia mais

1 = Pontuação: Os itens A e B valem três pontos cada; o item C vale quatro pontos.

1 = Pontuação: Os itens A e B valem três pontos cada; o item C vale quatro pontos. Física 01. Duas pessoas pegam simultaneamente escadas rolantes, paralelas, de mesmo comprimento l, em uma loja, sendo que uma delas desce e a outra sobe. escada que desce tem velocidade V = 1 m/s e a que

Leia mais

Física e Química. Planificação. Curso Vocacional

Física e Química. Planificação. Curso Vocacional Física e Química Planificação Curso Vocacional 1º ano-2013/2014 2º ano-2014/2015 1º ano - Física Módulo Conteúdos Competências Avaliação Nº de aulas 1. A medida 1. Estimar grandezas físicas: - Estimativas

Leia mais

Unidade 5 : força e movimento

Unidade 5 : força e movimento Primeiro princípio da dinâmica (1ª Lei de Newton ou princípio da inércia) Todo corpo permanece em repouso ou em movimento retilíneo uniforme, a menos que uma força resultante diferente de zero atue sobre

Leia mais

MOVIMENTO ROTACIONAL E MOMENTO DE INÉRCIA

MOVIMENTO ROTACIONAL E MOMENTO DE INÉRCIA MOVIMENTO ROTACIONAL E MOMENTO DE INÉRCIA 1.0 Definições Posição angular: utiliza-se uma medida de ângulo a partir de uma direção de referência. É conveniente representar a posição da partícula com suas

Leia mais

Mecânica dos Fluidos Formulário

Mecânica dos Fluidos Formulário Fluxo volúmétrico através da superfície Mecânica dos Fluidos Formulário Fluxo mássico através da superfície Teorema do transporte de Reynolds Seja uma dada propriedade intensiva (qtd de por unidade de

Leia mais

DIAGRAMAS DE ESFORÇOS

DIAGRAMAS DE ESFORÇOS UNIVRSI O LGRV SOL SUPRIOR TNOLOGI Área epartamental de ngenharia ivil NÁLIS STRUTURS I IGRMS SORÇOS JOÃO MNUL RVLHO STÊVÃO RO 005/06 João M.. stêvão - ST - Ulg 1. onceitos básicos strutura - orpo ou conjunto

Leia mais

Sumário: Tensões de Cauchy. Tensões de Piolla Kirchhoff.

Sumário: Tensões de Cauchy. Tensões de Piolla Kirchhoff. Sumário e Objectivos Sumário: Tensões de Cauchy. Tensões de Piolla Kirchhoff. Objectivos da Aula: Apreensão das diferenças entre as grandes deformações e as pequenas deformações no contexto da análise

Leia mais

Flexão. Diagramas de força cortante e momento fletor. Diagramas de força cortante e momento fletor

Flexão. Diagramas de força cortante e momento fletor. Diagramas de força cortante e momento fletor Capítulo 6: Flexão Adaptado pela prof. Dra. Danielle Bond Diagramas de força cortante e momento fletor Elementos delgados que suportam carregamentos aplicados perpendicularmente a seu eixo longitudinal

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Tomar ÁREA INTERDEPARTAMENTAL DE FÍSICA

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Tomar ÁREA INTERDEPARTAMENTAL DE FÍSICA Engenharia Civil Exercícios de Física de Física Ficha 8 Corpo Rígido Capítulo 6 Ano lectivo 010-011 Conhecimentos e capacidades a adquirir pelo aluno Aplicação das leis fundamentais da dinâmica. Aplicação

Leia mais

AULA DO CAP. 15-2ª Parte Fluidos Ideais em Movimento DANIEL BERNOULLI ( )

AULA DO CAP. 15-2ª Parte Fluidos Ideais em Movimento DANIEL BERNOULLI ( ) AULA DO CAP. 15-2ª Parte Fluidos Ideais em Movimento DANIEL BERNOULLI (1700-1782) Radicada em Basiléia, Suíça, a família Bernoulli (ou Bernouilli) tem um papel de destaque nos meios científicos dos séculos

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTES AULA 1 FLUIDOS PARTE 1

FENÔMENOS DE TRANSPORTES AULA 1 FLUIDOS PARTE 1 FENÔMENOS DE TRANSPORTES AULA 1 FLUIDOS PARTE 1 PROF.: KAIO DUTRA Definição de Um Fluido Definição elementar: Fluido é uma substância que não tem uma forma própria, assume o formato do meio. Definição

Leia mais

Leis de Newton (Lei Fundamental da Dinâmica) e Forças de Atrito

Leis de Newton (Lei Fundamental da Dinâmica) e Forças de Atrito Leis de ewton (Lei undamental da Dinâmica) e orças de Atrito Movimentos sob a acção de uma força resultante constante Prof. Luís C. Perna LEI DA IÉRCIA OU 1ª LEI DE EWTO LEI DA IÉRCIA Para que um corpo

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AULAS 02

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AULAS 02 Engenharia da Computação 1 4º / 5 Semestre RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AULAS 02 Prof Daniel Hasse Tração e Compressão Vínculos e Carregamentos Distribuídos SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP Aula 04 Vínculos Estruturais

Leia mais

Série IV - Momento Angular (Resoluções Sucintas)

Série IV - Momento Angular (Resoluções Sucintas) Mecânica e Ondas, 0 Semestre 006-007, LEIC Série IV - Momento Angular (Resoluções Sucintas) 1. O momento angular duma partícula em relação à origem é dado por: L = r p a) Uma vez que no movimento uniforme

Leia mais

Enquanto o sólido deforma limitadamente, os fluidos (líquidos e gases) se deformam continuamente.

Enquanto o sólido deforma limitadamente, os fluidos (líquidos e gases) se deformam continuamente. MECÂNICA DO FLUIDOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO, DEFINIÇÃO E CONCEITOS. É a ciência que estuda o comportamento físico dos fluidos e as leis que regem este comportamento. Utilizado em diversos sistemas como:

Leia mais

Dinâmica de uma partícula

Dinâmica de uma partícula Dinâmica de uma partícula Cinemática : Como se move? Descrição do movimento de uma partícula Dinâmica : Porque se move? Razões pelas quais as partículas se movem. Estudo da relação entre o movimento de

Leia mais

MECÂNICA AS LEIS DO MOVIMENTO. o estudo do movimento. Vamos estudar os movimentos se preocupando com suas causas.

MECÂNICA AS LEIS DO MOVIMENTO. o estudo do movimento. Vamos estudar os movimentos se preocupando com suas causas. MECÂNICA o estudo do movimento Vamos estudar os movimentos se preocupando com suas causas. AS LEIS DO MOVIMENTO AS LEIS DO MOVIMENTO DINÂMICA FORÇA E MOVIMENTO cinemática Grandezas da Cinemática: interação

Leia mais

Mestrado e Doutorado em Física

Mestrado e Doutorado em Física UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO FUNDAÇÃO Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1996 São Luís Maranhão CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA Exame de Seleção

Leia mais

Capítulo 5 - Aplicações das leis de Newton. Hoje reconhecemos 4 forças da natureza. São elas (em ordem crescente de

Capítulo 5 - Aplicações das leis de Newton. Hoje reconhecemos 4 forças da natureza. São elas (em ordem crescente de Capítulo 5 - Aplicações das leis de Newton Hoje reconhecemos 4 forças da natureza. São elas (em ordem crescente de intensidade) Força Gravitacional Força Fraca Intensidade Força Eletromagnética Força Forte

Leia mais

1 a Questão: (2,0 pontos)

1 a Questão: (2,0 pontos) a Questão: (, pontos) Um bloco de massa m, kg repousa sobre um plano inclinado de um ângulo θ 37 o em relação à horizontal. O bloco é subitamente impulsionado, paralelamente ao plano, por uma marretada,

Leia mais

EXERCÍCIOS FÍSICA 10. e problemas Exames Testes intermédios Professor Luís Gonçalves

EXERCÍCIOS FÍSICA 10. e problemas Exames Testes intermédios Professor Luís Gonçalves FÍSICA 10 EXERCÍCIOS e problemas Exames 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Testes intermédios 2008 2009 2010 2011 Escola Técnica Liceal Salesiana do Estoril Professor Luís Gonçalves 2 3 Unidade 1 Do Sol ao

Leia mais

Escoamento em uma curva:

Escoamento em uma curva: Escoamento em uma curva: A vazão de ar nas condições padrões, num duto plano, deve ser determinada pela instalação de tomadas de pressão numa curva. O duto tem 0,3 m de profundidade por 0,1 m de largura.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS - MOVIMENTO HARMÔNICO SIMPLES (MHS) (versão 2014/2)

LISTA DE EXERCÍCIOS - MOVIMENTO HARMÔNICO SIMPLES (MHS) (versão 2014/2) LISTA DE EXERCÍCIOS - MOVIMENTO HARMÔNICO SIMPLES (MHS) (versão 2014/2) A CINEMÁTICA NO MHS 1.1.- (HALLIDAY, 4ª EDIÇÃO, CAP. 14, 1E) Um objeto sujeito a um movimento harmônico simples leva 0,25 s para

Leia mais

Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais. Irineu Yassuda

Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais. Irineu Yassuda Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais Irineu Yassuda 2013 Definição de Resistência dos Materiais É um ramo da mecânica que estuda as relações entre cargas externas aplicadas a um corpo deformável

Leia mais

Leis de Newton. Gravitacional Eletromagnética Forte Fraca

Leis de Newton. Gravitacional Eletromagnética Forte Fraca Leis de Newton O fenômeno mais fundamental que podemos observar na natureza é o movimento. A Terra e os outros planetas ao redor do Sol, um avião voando no ar, um carro viajando em uma rodovia, e tantos

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Vetores: Força e Posição Engenharia e Estática...1

SUMÁRIO. 1 Introdução Vetores: Força e Posição Engenharia e Estática...1 SUMÁRIO 1 Introdução... 1 1.1 Engenharia e Estática...1 1.2 Uma Breve História da Estática...3 Galileu Galilei (1564-1642)... 4 Isaac Newton (1643-1727)... 4 1.3 Princípios Fundamentais...5 Leis do movimento

Leia mais

Halliday Fundamentos de Física Volume 1

Halliday Fundamentos de Física Volume 1 Halliday Fundamentos de Física Volume 1 www.grupogen.com.br http://gen-io.grupogen.com.br O GEN Grupo Editorial Nacional reúne as editoras Guanabara Koogan, Santos, Roca, AC Farmacêutica, LTC, Forense,

Leia mais

Introdução Propriedades Básicas dos Fluidos

Introdução Propriedades Básicas dos Fluidos UNIFEB Fenômenos de Transporte I Mecânica dos Fluidos Introdução Propriedades Básicas dos Fluidos Prof. Marcelo Henrique Introdução Mecânica: Ciência que estuda o equilíbrio e o movimento de corpos sólidos,

Leia mais

Mecânica dos Fluidos (MFL0001) Curso de Engenharia Civil 4ª fase Prof. Dr. Doalcey Antunes Ramos

Mecânica dos Fluidos (MFL0001) Curso de Engenharia Civil 4ª fase Prof. Dr. Doalcey Antunes Ramos Mecânica dos Fluidos (MFL0001) Curso de Engenharia Civil 4ª fase Prof. Dr. Doalcey Antunes Ramos 1.1 Dimensões, Homogeneidade Dimensional e Unidades Aspectos qualitativos >>> GRANDEZA Natureza, Tipo, Características.

Leia mais

O centróide de área é definido como sendo o ponto correspondente ao centro de gravidade de uma placa de espessura infinitesimal.

O centróide de área é definido como sendo o ponto correspondente ao centro de gravidade de uma placa de espessura infinitesimal. CENTRÓIDES E MOMENTO DE INÉRCIA Centróide O centróide de área é definido como sendo o ponto correspondente ao centro de gravidade de uma placa de espessura infinitesimal. De uma maneira bem simples: centróide

Leia mais

PODEM. Fernando Lang da Silveira Instituto de Física UFRGS Rolando Axt Depto. de Física, Estatística e Matemática UNIJUÍ

PODEM. Fernando Lang da Silveira Instituto de Física UFRGS Rolando Axt Depto. de Física, Estatística e Matemática UNIJUÍ PODEM MOLAS EM QUEDA LIVRE TER ACELERAÇÃO MAIOR DO QUE A DA GRAVIDADE? PUBLICADO NA REVISTA FÍSICA NA ESCOLA, SÃO PAULO, V. 6, N. 2, P. 5 7, 2005. Fernando Lang da Silveira Instituto de Física UFRGS lang@if.ufrgs.br

Leia mais

APRENDER A APRENDER FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Forças

APRENDER A APRENDER FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Forças A Conteúdo: - Forças A Habilidades: - Caracterizar os diferentes tipos de força na física A Forças A palavra Força possui uma definição intuitiva. Em Física, Força designa um agente capaz de modificar

Leia mais

AF Aveiro Formação de Treinadores MSC Nuno Lobo Ribeiro DAS LEIS DO MOVIMENTO DE NEWTON E DAS INTERPRETAÇÕES DE EULER A ANÁLISE DA TÉCNICA DESPORTIVA

AF Aveiro Formação de Treinadores MSC Nuno Lobo Ribeiro DAS LEIS DO MOVIMENTO DE NEWTON E DAS INTERPRETAÇÕES DE EULER A ANÁLISE DA TÉCNICA DESPORTIVA DAS DE NEWTON E DAS INTERPRETAÇÕES DE EULER A ANÁLISE DA TÉCNICA DESPORTIVA 2.3 Força de Atrito 2.3 Força de Atrito 2.3 Força de Atrito Das forças de contacto, a de atrito é uma das mais importantes Caminhamos

Leia mais

FÍSICA GREGO PHYSIS QUE SIGNIFICA NATUREZA. É A CIÊNCIA QUE ESTUDA

FÍSICA GREGO PHYSIS QUE SIGNIFICA NATUREZA. É A CIÊNCIA QUE ESTUDA FÍSICA FÍSICA É UM TERMO COM ORIGEM NO GREGO PHYSIS QUE SIGNIFICA NATUREZA. É A CIÊNCIA QUE ESTUDA AS LEIS QUE REGEM OS FENÔMENOS NATURAIS SUSCETÍVEIS DE SEREM EXAMINADOS PELA OBSERVAÇÃO EXPERIMENTAÇÃO,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13 Tema B- Terra em Transformação Nº aulas prevista s Materiais Constituição do mundo material Substâncias e misturas de substâncias Relacionar aspectos do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme

Leia mais

Halliday Fundamentos de Física Volume 2

Halliday Fundamentos de Física Volume 2 Halliday Fundamentos de Física Volume 2 www.grupogen.com.br http://gen-io.grupogen.com.br O GEN Grupo Editorial Nacional reúne as editoras Guanabara Koogan, Santos, Roca, AC Farmacêutica, LTC, Forense,

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS II. Acréscimos de Tensão no Solo

MECÂNICA DOS SOLOS II. Acréscimos de Tensão no Solo MECÂNICA DOS SOLOS II Acréscimos de Tensão no Solo Aula 3 - Notas de aula Distribuição de Tensão no Solo Muitos problemas em obras de engenharia são causados por recalques, empuxos de terras, e capacidade

Leia mais

Regime: Semestre: GRANDEZAS FÍSICAS, UNIDADES E DIMENSÕES Conceito de Grandeza: Grandezas fundamentais e derivadas

Regime: Semestre: GRANDEZAS FÍSICAS, UNIDADES E DIMENSÕES Conceito de Grandeza: Grandezas fundamentais e derivadas FUNDAMENTOS DE FÍSICA [10400] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS O objectivo da disciplina de Física é o de adquirir conhecimentos técnicos baseados nos princípios físicos fundamentais à análise de problemas

Leia mais

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA VESTIBULAR UFPE UFRPE / 1998 2ª ETAPA NOME DO ALUNO: ESCOLA: SÉRIE: TURMA: FÍSICA 1 VALORES DE ALGUMAS GRANDEZAS FÍSICAS Aceleração da gravidade : 10 m/s 2 Número de Avogadro : 6,0 x 10 23 /mol Constante

Leia mais

Em que medida as forças estão relacionadas com o movimento?

Em que medida as forças estão relacionadas com o movimento? Em que medida as forças estão relacionadas com o movimento? 02-20092009 1 Será que são necessárias forças para manter um corpo em movimento? Se a Força resultante for nula E o corpo está em Repouso E o

Leia mais

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade TENSÃO Introdução A mecânica dos sólidos estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e a intensidade das cargas internas que agem no interior do corpo. Esse assunto também

Leia mais

F A. Existe um grande número de equipamentos para a medida de viscosidade de fluidos e que podem ser subdivididos em grupos conforme descrito abaixo:

F A. Existe um grande número de equipamentos para a medida de viscosidade de fluidos e que podem ser subdivididos em grupos conforme descrito abaixo: Laboratório de Medidas de Viscosidade Nome: n turma: Da definição de fluido sabe-se que quando se aplica um esforço tangencial em um elemento de fluido ocorre uma deformação. Considere a situação em que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLIÉCNICA DEPARAMENO DE CONSRUÇÃO E ESRUURAS O ENSOR ENSÃO DE CAUCHY João Augusto de Lima Rocha Módulo didático: DCE MD - 02/2002 O ENSOR ENSÃO DE CAUCHY João Augusto

Leia mais

Um caminhoneiro efetuou duas entregas de mercadorias e, para isso, seguiu o itinerário indicado pelos vetores deslocamentos d 1.

Um caminhoneiro efetuou duas entregas de mercadorias e, para isso, seguiu o itinerário indicado pelos vetores deslocamentos d 1. 37 e A unidade da força resultante F, experimentada por uma partícula de massa m quando tem uma aceleração a, é dada em newtons. A forma explícita dessa unidade, em unidades de base do SI, é a) kg.m/s

Leia mais

Programa da cadeira Termodinâmica e Teoria Cinética

Programa da cadeira Termodinâmica e Teoria Cinética Programa da cadeira Termodinâmica e Teoria Cinética Cursos: Engenharia Civil, Engenharia de Instrumentação e Electrónica Ano lectivo 2004-05, 2º semestre Docentes: Prof. Dr. Mikhail Benilov (aulas teóricas,

Leia mais

CINEMÁTICA DOS FLUIDOS

CINEMÁTICA DOS FLUIDOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: MECÂNICA DOS FLUIDOS CINEMÁTICA DOS FLUIDOS Prof. Dr. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br wp.ufpel.edu.br/hugoguedes

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS MAF- 04.05.2012 Prof. Dr. Antônio Newton Borges 1. Na caixa de 2,0 kg da figura abaixo são aplicadas duas forças, mais somente uma é mostrada. A aceleração da

Leia mais

MOVIMENTO OSCILATÓRIO

MOVIMENTO OSCILATÓRIO MOVIMENTO OSCILATÓRIO 1.0 Noções da Teoria da Elasticidade A tensão é o quociente da força sobre a área aplicada (N/m²): As tensões normais são tensões cuja força é perpendicular à área. São as tensões

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Disciplina de Fluidos e Processos Térmicos

Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Disciplina de Fluidos e Processos Térmicos Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Disciplina de Fluidos e Processos Térmicos Disciplina do 1 Semestre/2009-4 aulas semanais Professor: Nelson Elias Vogt Adaime Disciplina de Fluidos e Processos

Leia mais

FÍSICA II. (Dados sen 30 o = 0,5 e g = 10 m/s 2 )

FÍSICA II. (Dados sen 30 o = 0,5 e g = 10 m/s 2 ) FÍSCA Esta prova tem por finalidade verificar seus conhecimentos das leis que regem a natureza. nterprete as questões do modo mais simples e usual. Não considere complicações adicionais por fatores não

Leia mais

FÍSICA. Fornece uma compreensão quantitativa de certos fenómenos que ocorrem no Universo.

FÍSICA. Fornece uma compreensão quantitativa de certos fenómenos que ocorrem no Universo. Introdução e Vectores FÍSICA Prof. Marília Peres Adaptado de Serway & Jewett Sobre a Física Fornece uma compreensão quantitativa de certos fenómenos que ocorrem no Universo. Baseia-se em observações experimentais

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA CIVIL FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II 2º Período Prof.a: Érica Muniz UNIDADE 2. Propriedades Moleculares dos Gases

CURSO: ENGENHARIA CIVIL FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II 2º Período Prof.a: Érica Muniz UNIDADE 2. Propriedades Moleculares dos Gases CURSO: ENGENHARIA CIVIL FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II 2º Período Prof.a: Érica Muniz UNIDADE 2 Propriedades Moleculares dos Gases Estado Gasoso Dentre os três estados de agregação, apenas o estado gasosos

Leia mais

As variáveis de rotação

As variáveis de rotação Capítulo 10 Rotação Neste capítulo vamos estudar o movimento de rotação de corpos rígidos sobre um eixo fixo. Para descrever esse tipo de movimento, vamos introduzir os seguintes conceitos novos: -Deslocamento

Leia mais