Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO"

Transcrição

1 Lista de problemas número 1 Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO 1) Determinar as propriedades do R-134 nas seguintes condições: a) t = - 40 o C x = 1 b) p = 1 MPa t = 80 0 C c) p = 0.4 MPa t = 30 0 C d) h = 500 kj/ kg p = 1 MPa e) t = 10 0 C p = 0.2 MPa f) v = 0.06 m 3 / kg t = 80 o C g) t = 0 o C x = 0 i) h = 200 kj/ kg p = 1 MPa j) v = 0.02 m 3 / kg t = 180 o C 2) Um reservatório armazena R-134 e contém líquido na presença de vapor e está em um local onde a temperatura ambiente vale 40 o C. Qual a pressão em bar indicada pelo manômetro do reservatório? 3) Um sistema frigorífico com condensação a ar usa R-134 e atende a uma câmara para armazenagem de carne mantida a 0 o C. Sabendo que o diferencial térmico do evaporador vale 10 o C calcular em bar, as pressões manométricas de evaporação e condensação. 1

2 4) Um sistema de refrigeração que usa R- 134 atende a um recinto mantido a 10 o C. A carga térmica calculada vale 5 TR e o diferencial térmico do evaporador é 10 o C. Admitindo que a condensação seja a água e que o vapor na saída do evaporador é saturado seco calcular a vazão em massa circulada pelo compressor, a potência consumida pelo sistema sabendo que o rendimento do compressor vale 85% e o deslocamento volumétrico necessário sabendo que o rendimento volumétrico vale 80%. 5) Um compressor tem capacidade volumétrica de 35 m 3 /h e deve ser instalado em uma instalação frigorífica com condensação a ar, que usa R-134 e opera com temperatura de evaporação de 0 o C. Calcular a capacidade frigorífica em TR e o coeficiente de desempenho da instalação sabendo que o rendimento do compressor vale 80%. 6) Um aparelho de ar condicionado tem capacidade frigorífica de 3 TR e seu compressor consome uma potência de 14 kw. Calcule o coeficiente de desempenho do sistema de refrigeração, o calor dissipado no condensador e o consumo de energia em kw. 7) Uma válvula de expansão termostática com equalização interna carga de líquido opera em um sistema com temperaturas de evaporação e condensação de 0 o C e 40 o C. O superaquecimento fornecido pela válvula é de 10 o C. Sabendo que o refrigerante é o R134 calcule a pressão da mola e a vazão de refrigerante em kg/s que circula pela válvula admitindo que o refrigerante entre na válvula como líquido saturado. 8) Se a válvula do problema anterior fosse utilizada em um sistema que operasse com temperatura de evaporação de -20 o C com a mesma temperatura de condensação e a mesma regulagem de mola, estime o superaquecimento na saída do evaporador. 2

3 9) Calcule em m 3 /h o deslocamento volumétrico de um compressor alternativo, 4 cilindros, com diâmetro de 5 cm, curso de 4 cm e velocidade angular de 800 rotações por minuto. 10) Se o compressor do exemplo anterior fosse instalado em um sistema de refrigeração que usa R-134 e opera com temperaturas de evaporação e condensação de 0 o C e 50 o C estimar seu rendimento volumétrico e seu rendimento mecânico. OBS) Para a solução deste item use o gráfico existente na apostila de refrigeração. 3

4 B) PSICROMETRIA 1) Determinar, usando a Carta Psicrométrica, as propriedades do ar úmido a 101 kpa nas condições abaixo. a) tbs = 26 o C tpo = 15 o C b) tbs = 10 o C UR = 40% c) tpo = 10 o C tbu = 18 o C d) tpo = 10 o C UR = 40% e) tbs = 20 o C UR = 20% f) tbs = 30 o C tbu = 30 o C g) UR = 100% tbs = 20 o C h) UR = 40% h = 50 kj / kg g) tbu = 20 o C UR = 100% h) W = kg V / kg A tbs= 20 0 C 2) Uma vazão de 800 m 3 /h de ar saturado a 20 o C é aquecida por meio de resistências elétricas até uma umidade relativa final de 60%. Calcular a temperatura final e a potência elétrica em watts necessária ao aquecimento. 3) Deseja-se aquecer, em uma serpentina de vapor, 1000 m 3 / h de ar inicialmente a 20 o C com umidade relativa de 10% até uma temperatura final de 40 o C usando vapor d água que se condensa totalmente no processo. Sabendo que o calor latente de condensação do vapor vale 2400 kj / kg, calcular ao final do processo a umidade relativa, a temperatura de bulbo úmido, a 4

5 temperatura de orvalho e a vazão de vapor d água necessária ao aquecimento. 4) Se no problema anterior o aquecimento fosse realizado em uma serpentina de água quente, calcular a vazão de água em litros por hora adotando uma variação de temperatura da água de 10 o C. Calor específico da água: 4180 J / kg. K 5) Mistura-se uma corrente de 400 m 3 /h de ar a 30 o C com umidade relativa de 20% com outra corrente de 600 m 3 / h com temperaturas de bulbo seco e úmido valendo 40 o C e 28 o C. Calcular a temperatura, umidade relativa e entalpia da mistura. 6) Uma corrente de 1000 m 3 / h de ar a 40 o C e umidade relativa de 10% é umidificado com vapor d água até uma umidade relativa final de 40%. Determinar a umidade absoluta, a entalpia específica no estado final e a vazão de vapor d água em kg / h necessária à umidificação. 7) Ar úmido saturado a 10 o C é aquecido por meio de resistências elétricas até uma umidade relativa de 20% sofrendo em seguida um processo de resfriamento evaporativo em um lavador de ar, com eficiência de 80%. Determinar a temperatura de bulbo seco, a entalpia e a umidade absoluta ao final do processo. 8) Uma corrente de 2000 m 3 /h de ar a 26 o C com umidade relativa de 50% escoa sobre uma serpentina onde sofre um processo de resfriamento com desumidificação. Sabendo que a temperatura e a umidade relativa ao final do processo valem 15 o C e 90% calcular em watts a perda de calor do ar no processo, a massa de água condensada em litros por hora, o fator de by-pass da serpentina e a capacidade térmica da serpentina expressa em TR. 9) Uma corrente de 1000 m 3 /h de ar com temperatura de 15 o C e umidade relativa de 90% é insuflado em um recinto onde atinge uma temperatura e umidade relativa finais de 24 o C e 50%. 5

6 Calcular em watts o calor sensível, o calor latente, o calor total e a massa de vapor em kg por hora absorvido pelo ar. 10) Um recinto tem cargas térmicas, sensível e latente, valendo respectivamente W e 9000 W. Calcular o fator de calor sensível do recinto. 11) As cargas térmicas, total e latente, de uma serpentina de um aparelho de ar condicionado valem W e 5000 W. Calcular o fator de calor sensível da serpentina. 12) Um recinto mantido a 24 o C e umidade relativa de 50% tem cargas térmicas, sensível e latente, valendo respectivamente watts e 6150 watts. Sabendo que a vazão de ar insuflada é de 8500 m 3 / h calcular as temperaturas de bulbo seco e úmido do ar de insuflamento de modo a garantir a temperatura e a umidade relativa do recinto. 13) Um recinto mantido a 24 o C com umidade relativa de 50% tem cargas térmica sensível e latente valendo respectivamente 5860 W e 2600 W. A temperatura de bulbo seco medida na saída da grelha vale 14 o C. Calcular a vazão de ar em m 3 /h e a temperatura de bulbo úmido de insuflamento. Despreze a variação de temperatura do ar no ventilador e no duto. 14) Ar com temperaturas de bulbo seco e bulbo úmido valendo 27 o C e 19.4 o C escoa em uma serpentina de onde sai a com temperaturas de bulbo seco e úmido de 15 o C e 14 o C. Calcular o fator de contacto, o fator de desvio (by-pass) e a temperatura de ponto de orvalho da serpentina. 15) Um recinto condicionado mantido a 24 o C com umidade relativa de 50% tem cargas térmicas, sensível e latente, valendo respectivamente W e 6885 W. A vazão de ar exterior, com temperaturas de bulbo seco e úmido, de 35 o C e 26.5 o C, é de 1020 m 3 /h. Sabendo que o ar é insuflado a 14 o C pede-se: 6

7 1) A capacidade frigorífica em TR da unidade compacta que atende ao recinto. 2) A vazão de ar para o dimensionamento da rede de dutos. 3) A vazão de ar para a seleção da veneziana de retorno. 4) A umidade relativa do ar insuflado. 5) A vazão de água em m 3 /h se o processo de resfriamento com desumidificação do ar fosse realizado na serpentina de água gelada de um fan-coil, adotando uma variação de temperatura de 6 o C para a água. 7

Universidade Federal de Santa Catarina EMC Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo

Universidade Federal de Santa Catarina EMC Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo Universidade Federal de Santa Catarina EMC 5472 - Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo EXERCÍCIOS SUPLEMENTARES DE CONDICIONAMENTO DE AR 01) Uma câmara frigorífica para resfriamento

Leia mais

Sistemas de Climatização e Componentes - I

Sistemas de Climatização e Componentes - I Sistemas de Climatização e Componentes - I PME 2515 - Ar Condicionado e Ventilação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa

Leia mais

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Principais Tipos Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Resfriados a água sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Trocador casco e tubo

Leia mais

Conforto Humano. Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual.

Conforto Humano. Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual. 1 Conforto Humano 2 Acústico; antropométrico; olfativo; tátil; térmico; visual. Conforto Térmico Interação Térmica entre o Corpo Humano e o Ambiente Radiação Convecção Ar ambiente Perda de Calor Sensível

Leia mais

Sistemas e Componentes II

Sistemas e Componentes II Sistemas e Componentes II Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa do autor 1 Serpentina de resfriamento e desumidificação

Leia mais

Exercícios e exemplos de sala de aula Parte 1

Exercícios e exemplos de sala de aula Parte 1 PME2398 Termodinâmica e suas Aplicações 1 o semestre / 2013 Prof. Bruno Carmo Exercícios e exemplos de sala de aula Parte 1 Propriedade das substâncias puras: 1- Um tanque rígido com volume de 1m 3 contém

Leia mais

SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2. Profa. Roberta S. Leone

SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2. Profa. Roberta S. Leone SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2 Profa. Roberta S. Leone SECAGEM Definição: Secagem é a remoção de pequenas quantidades de líquido, geralmente água, de um sólido. O objetivo é reduzir o teor

Leia mais

Lista de Exercícios Solução em Sala

Lista de Exercícios Solução em Sala Lista de Exercícios Solução em Sala 1) Um conjunto pistão-cilindro área de seção transversal igual a 0,01 m². A massa do pistão é 101 kg e ele está apoiado nos batentes mostrado na figura. Se a pressão

Leia mais

Problema 1 Problema 2

Problema 1 Problema 2 1 Problema 1 7ª Edição Exercício: 2.42 / 8ª Edição Exercício: 1.44 A área da seção transversal da válvula do cilindro mostrado na figura abaixo é igual a 11cm 2. Determine a força necessária para abrir

Leia mais

3. Um gás ideal passa por dois processos em um arranjo pistão-cilindro, conforme segue:

3. Um gás ideal passa por dois processos em um arranjo pistão-cilindro, conforme segue: 1. Um arranjo pistão-cilindro com mola contém 1,5 kg de água, inicialmente a 1 Mpa e título de 30%. Esse dispositivo é então resfriado até o estado de líquido saturado a 100 C. Calcule o trabalho total

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-82 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos 2.5 EXEMPLOS ILUSTRATIVOS Procedimentos para

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Coeficiente de Performance do Ciclo (COP) - É um parâmetro importante na análise das instalações

Leia mais

Energética Industrial

Energética Industrial Universidade do Minho Departamento de Engenharia Mecânica Energética Industrial Problemas propostos José Carlos Fernandes Teixeira 1) 1.5 kg de gelo à temperatura de 260 K, funde-se, à pressão de 1 bar,

Leia mais

Sistemas de Ar Condicionado Residenciais

Sistemas de Ar Condicionado Residenciais Eng. Dr. Fulvio Vittorino - IPT 1 Sistemas de Ar Condicionado Residenciais Eng. Dr. Fúlvio Vittorino IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Objetivo Processos e equipamentos mecânicos

Leia mais

26/08/ Agosto/2012

26/08/ Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Refrigeração. 26/08/2012 2 Circuito Frigorifico O ciclo de refrigeração ou ciclo frigorífico é um ciclo termodinâmico que constitui o modelo matemático que define o funcionamento

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS E PROCESSOS CONTÍNUOS

MÁQUINAS TÉRMICAS E PROCESSOS CONTÍNUOS MÁQUINAS TÉRMICAS E PROCESSOS CONTÍNUOS AULA 4-5 SISTEMAS DE POTÊNCIA A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA Modelando Sistemas de Potência a Vapor A grande maioria das instalações elétricas de geração consiste em

Leia mais

Carga Térmica Renovação e Infiltração de ar

Carga Térmica Renovação e Infiltração de ar Carga Térmica Renovação e Infiltração de ar PME 2515 - Ar Condicionado e Ventilação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO

EXERCÍCIOS DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO EXERCÍCIOS DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO 1- Desenhe uma torre de arrefecimento típica e indique os nomes dos seus componentes: As torres de arrefecimento têm como função arrefecer a água utilizada

Leia mais

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO QUANDO PRECISAMOS DE AR CONDICIONADO? DIAGRAMA BIOCLIMATICO DE GIVONI 30 30 zon Estratégias mais eficientes a 1 Conforto higrotérmico 10

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análise através de volume de controle Segunda lei da termodinâmica Conversão de energia EM-54 Fenômenos de Transporte Variação de entropia em um sistema Num sistema termodinâmico a equação

Leia mais

Refrigeração e Ar Condicionado

Refrigeração e Ar Condicionado Refrigeração e Ar Condicionado Condensadores Filipe Fernandes de Paula filipe.paula@engenharia.ufjf.br Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Faculdade de Engenharia Universidade Federal de

Leia mais

CICLOS MOTORES A VAPOR. Notas de Aula. Prof. Dr. Silvio de Oliveira Júnior

CICLOS MOTORES A VAPOR. Notas de Aula. Prof. Dr. Silvio de Oliveira Júnior CICLOS MOTORES A VAPOR Notas de Aula Prof. Dr. Silvio de Oliveira Júnior 2001 CICLO RANKINE ESQUEMA DE UMA CENTRAL TERMELÉTRICA A VAPOR REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA TERMELÉTRICA DIAGRAMAS DO CICLO IDEAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS ZOOTECNIA CURSO DE BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS ZOOTECNIA CURSO DE BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS ZOOTECNIA CURSO DE BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk

Leia mais

Msc. Eng. Fernando Pozza

Msc. Eng. Fernando Pozza Sistemas de Climatização por Condensação a Ar: Maximizando o Desempenho do Sistema em Cargas Parciais Através da Análise do Perfil de Temperaturas Externas Msc. Eng. Fernando Pozza Situação da Energia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL. MINISTERIO DA EDyCAÇÃ~ 'UNIVERSIDADE FEDERAL RURÀL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUA ÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL. MINISTERIO DA EDyCAÇÃ~ 'UNIVERSIDADE FEDERAL RURÀL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUA ÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTERIO DA EDyCAÇÃ~ 'UNIVERSIDADE FEDERAL RURÀL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE GRADUA ÃO IDENTIFICACÃO CURSO{S) I DEPARTAMENTO Engenharia Mecânica I Dep. de Ciências Ambientais

Leia mais

Módulo V Balanço de Entropia para Sistemas Fechados. Balanço de Entropia para Volume de Controle.

Módulo V Balanço de Entropia para Sistemas Fechados. Balanço de Entropia para Volume de Controle. Módulo V Balanço de Entropia para Sistemas Fechados. Balanço de Entropia para Volume de Controle. Balanço de Entropia para Sistemas Fechados O balanço de entropia é uma expressão da segunda lei conveniente

Leia mais

A importância da ABNT NBR e a QUALIDADE DO AR INTERIOR

A importância da ABNT NBR e a QUALIDADE DO AR INTERIOR A importância da ABNT NBR 16401-1 e a QUALIDADE DO AR INTERIOR Validade: a partir de 04 / set / 2.008 NBR 16401-1 Projetos e Instalações NBR 16401-2 Parâmetros de Conforto Térmico NBR 16401-3 Qualidade

Leia mais

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça.

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. A perda de peso ou perda de umidade em uma carcaça dentro de uma câmara de resfriamento ocorre por duas situações: 1.

Leia mais

2 SISTEMAS DE COMPRESSÃO A VAPOR DE ÚNICO ESTÁGIO

2 SISTEMAS DE COMPRESSÃO A VAPOR DE ÚNICO ESTÁGIO 12 2 SISTEMAS DE COMPRESSÃO A VAPOR DE ÚNICO ESTÁGIO O sistema de compressão a vapor é o mais usado na prática. Neste sistema, o vapor é comprimido, condensado, tendo posteriormente sua pressão diminuída

Leia mais

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DA ESPESSURA DE ISOLANTE NECESSÁRIA A UMA APLICAÇÃO Volume III Curso

Leia mais

Homologado pelos fabricantes de equipamentos

Homologado pelos fabricantes de equipamentos Homologado pelos fabricantes de equipamentos Confiabilidade e durabilidade são indispensáveis. A suspensão de uma sessão de radioterapia ou a perda de hélio em uma ressonância magnética precisam ser evitadas

Leia mais

Capítulo 5. Ciclos de Refrigeração

Capítulo 5. Ciclos de Refrigeração Capítulo 5 Ciclos de Refrigeração Objetivos Estudar o funcionamento dos ciclos frigoríficos por compressão de vapor idealizados e reais Apontar as distinções entre refrigeradores e bombas de calor 5.1.

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado DAP A 3 3 3 E AO Nota 2 Nota 1 Tensão Entrada Numero de Fases Capacidade de Refrigeração Tipo Modelo de Série 2-220V 3-380V 4-440/480V 2 - MONOFASÍCO 3 - TRIFÁSICO 60Hz 1

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" Campus de Guaratinguetá, Departamento de Energia

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Guaratinguetá, Departamento de Energia UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" Campus de Guaratinguetá, Departamento de Energia Disciplina: Laboratório de Sistemas Térmicos Professor: José Alexandre Matelli LEVANTAMENTO DO

Leia mais

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada

Nota: Campus JK. TMFA Termodinâmica Aplicada TMFA Termodinâmica Aplicada 1) Considere a central de potência simples mostrada na figura a seguir. O fluido de trabalho utilizado no ciclo é água e conhece-se os seguintes dados operacionais: Localização

Leia mais

7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS

7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS 91 7 TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS A maioria dos equipamentos dos sistemas de refrigeração rejeita calor para a atmosfera. Embora existam aplicações onde o calor rejeitado do ciclo

Leia mais

Módulo I Ciclo Rankine Ideal

Módulo I Ciclo Rankine Ideal Módulo I Ciclo Rankine Ideal Sistema de Potência a Vapor As usinas de potência a vapor são responsáveis pela produção da maior parte da energia elétrica do mundo. Porém, para o estudo e desenvolvimento

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS

MÁQUINAS TÉRMICAS UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA EXERCÍCIOS DAS AULAS PRÁTICAS MÁQUINAS TÉRMICAS 2010-2011 DOCENTES RESPONSÁVEIS DEM Fernando Neto DEM João Oliveira DISCIPLINA Código 40544 Ano

Leia mais

Aula 7 Refrigeração e bombeamento de calor

Aula 7 Refrigeração e bombeamento de calor Universidade Federal do ABC P O S M E C Aula 7 Refrigeração e bombeamento de calor MEC202 Refrigeração Transferência de calor a partir de uma região de temperatura mais baixa para uma região com temperatura

Leia mais

Regulador bypass de gás quente, tipo CPCE Misturador de gás líquido, tipo LG (acessório)

Regulador bypass de gás quente, tipo CPCE Misturador de gás líquido, tipo LG (acessório) MAKING MODERN LIVING POSSIBLE Ficha Técnica Regulador bypass de gás quente, tipo CPCE Misturador de gás líquido, tipo LG (acessório) By-pass regulador de gás quente CPCE adapta a capacidade do compressor

Leia mais

SISTEMAS MULTIPRESSÃO

SISTEMAS MULTIPRESSÃO SISTEMAS MULTIPRESSÃO O sistema multipressão é um sistema de refrigeração, por compressão de vapor, que possui dois ou mais níveis de baixa pressão A capacidade e a eficiência de um sistema de refrigeração

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a vapor

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a vapor Termodinâmica Ciclos motores a vapor 1 v. 1.1 Por que estudar ciclos? Pergunta: Quanto custa operar uma usina termelétrica de 1000 MW de potência elétrica, queimando combustível fóssil, operando segundo

Leia mais

Cap. 4: Análise de Volume de Controle

Cap. 4: Análise de Volume de Controle Cap. 4: Análise de Volume de Controle AR Ar+Comb. www.mecanicavirtual.org/carburador2.htm Cap. 4: Análise de Volume de Controle Entrada, e Saída, s Conservação da Massa em um Sistema dm dt sist = 0 Conservação

Leia mais

PLANO DE CURSO DE EXTENSÃO (NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO / RECICLAGEM) DETALHAMENTO E EMENTA

PLANO DE CURSO DE EXTENSÃO (NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO / RECICLAGEM) DETALHAMENTO E EMENTA 1/5 PLANO DE CURSO DE EXTENSÃO (NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO / RECICLAGEM) 1. ÁREAS DO CONHECIMENTO Engenharia Elétrica / Engenharia Mecânica. 2. TÍTULO DO CURSO DETALHAMENTO E EMENTA INDUSTRIAIS / COMERCIAIS

Leia mais

Gestão de energia : 2010/2011

Gestão de energia : 2010/2011 Gestão de energia : 2010/2011 Aula # P1 Balanços de energia Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt PROBLEMA 1 - Permutador Uma fábrica textil tem um efluente resultante de águas sujas quentes cujo

Leia mais

CALORIMETRIA. 1. (Efomm 2017) Um painel coletor de energia solar para aquecimento residencial de água,

CALORIMETRIA. 1. (Efomm 2017) Um painel coletor de energia solar para aquecimento residencial de água, Prof.Silveira CALORIMETRIA 1. (Efomm 2017) Um painel coletor de energia solar para aquecimento residencial de água, seja de minuto. 2 20 m. com 0% de eficiência, tem superfície coletora com área útil de

Leia mais

Regulador de pressão de condensação, tipo KVR Válvula de pressão diferencial, tipo NRD

Regulador de pressão de condensação, tipo KVR Válvula de pressão diferencial, tipo NRD MAKING MODERN LIVING POSSIBLE Ficha técnica Regulador de pressão de condensação, tipo KVR Válvula de pressão diferencial, tipo NRD O sistema de regulagem com KVR e NRD é usado para manter uma pressão do

Leia mais

Climatização e Refrigeração EXERCÍCIOS PSICROMETRIA

Climatização e Refrigeração EXERCÍCIOS PSICROMETRIA EXERCÍCIOS PSICROMETRIA Quantidade de vapor de água no ar ambiente 1. Uma sala com 5m x 5m x 3m contém ar a 25ºC e 100kPa com uma humidade relativa de 75%. Determine: a) Pressão parcial do ar seco (97,62kPa).

Leia mais

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos Workshop Climatização e Cogeração Abril de 2008 Ronaldo Andreos Cia de Gás de São Paulo Fone: (11) 4504-5238/5072 Cel.: (11) 9638-8907 e-mail: randreos@comgas.com.br Climatização (Ar Condicionado) Agenda

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética. Sistemas de Refrigeração Parte II

SEL-0437 Eficiência Energética. Sistemas de Refrigeração Parte II SEL-0437 Eficiência Energética Sistemas de Refrigeração Parte II 1 Tópicos da Aula de Hoje Sistemas de ar condicionado Redução do consumo de energia elétrica Termoacumulação Exercícios 2 Sistemas de Ar

Leia mais

PME 2378 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS

PME 2378 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS PME 2378 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS CALOR E TRABALHO ALBERTO HERNANDEZ NETO 1/60 Calor (Q) : energia em trânsito devido a diferença de temperatura não associada a transferência de massa 1 B C A 2

Leia mais

Máquinas Térmicas Turbinas a Gas. Jurandir Itizo Yanagihara

Máquinas Térmicas Turbinas a Gas. Jurandir Itizo Yanagihara Máquinas Térmicas Turbinas a Gas 1 Vantagens da Vantagens Turbinas a gás tendem a ser mais compactas, isto é, tem uma maior razão potência/peso (até 70% em relação a outros motores). Por isso, elas são

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética em Sistemas de Climatização

Gestão de Energia e Eficiência Energética em Sistemas de Climatização PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão de Energia e Eficiência Energética em Sistemas de Climatização Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Modalidade: Presencial 1 1 OBJETIVOS EDUCACIONAIS 1.1 OBJETIVO

Leia mais

Trabalho em uma transformação

Trabalho em uma transformação Trabalho em uma transformação Trabalho (W) é uma medida da energia transferida pela aplicação de uma força ao longo de um deslocamento W = a b F dx A unidade de trabalho, no SI, é o Joule (J); 1 J = 1

Leia mais

Medição de Umidade Conceitos Básicos

Medição de Umidade Conceitos Básicos Medição de Umidade Conceitos Básicos Medição de Umidade: Conceitos Básicos Conceito Umidade Relativa % Definimos como umidade relativa o cociente de vapor de água realmente presente no ar e a máxima massa

Leia mais

EXCELÊNCIA EXPERIÊNCIA EXPANSÃO. Principais Características EM ECONOMIA DE ENERGIA Nº DE UNIDADES CONECTÁVEIS FAIXA DE CAPACIDADE 8HP 60HP 22HP

EXCELÊNCIA EXPERIÊNCIA EXPANSÃO. Principais Características EM ECONOMIA DE ENERGIA Nº DE UNIDADES CONECTÁVEIS FAIXA DE CAPACIDADE 8HP 60HP 22HP Principais Características EXCELÊNCIA EM ECONOMIA DE ENERGIA Conta com os novos compressores duplos rotativos DC Inverter altamente eficientes e com tecnologia capaz de proporcionar eficiência ESEER acima

Leia mais

Unidades multitubulares com compressores scroll. Modelo CMAA Capacidade de refrigeração kw Capacidade de aquecimento kw

Unidades multitubulares com compressores scroll. Modelo CMAA Capacidade de refrigeração kw Capacidade de aquecimento kw Unidades multitubulares com compressores scroll Modelo CMAA Capacidade de refrigeração 45-485 kw Capacidade de aquecimento 50-670 kw Unidades multitubulares CMAA Aquecimento e refrigeração em simultâneo

Leia mais

Válvula de expansão termostática

Válvula de expansão termostática STANDARD Válvula de expansão termostática As válvulas de expansão termostática da série RFKA são usadas para ajustar o fluxo de massa do refrigerante dentro do evaporador enquanto controlam o sobreaquecimento

Leia mais

Equipamentos, Sistemas e Instalações VIII. Capítulo

Equipamentos, Sistemas e Instalações VIII. Capítulo 1 Refrigeração II Aplicações e Certificação Equipamentos, Sistemas e Instalações Capítulo VIII LEGENDA: 1 Fluido frigorigéneo 2 Capilar 3 Compressor hermético 4 Evaporador estático 5 Temperatura de condensação

Leia mais

PHD 313 HIDRÁULICA E EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS

PHD 313 HIDRÁULICA E EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA PHD 313 HIDRÁULICA E EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS Aula 12: Instalações de Água Quente Prof. Miguel Gukovas Prof. Rodolfo S Martins Prof. Ronan Cleber Contrera PHD

Leia mais

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 4 Prof. Clélio AULA 4. Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7. Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 4 Prof. Clélio AULA 4. Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7. Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros. AULA 4 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7 Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros. 1 LINHAS DE VAPOR Nas linhas de vapor sempre haverá água líquida (condensado) resultante da condensação

Leia mais

1ª Lei da Termodinâmica lei da conservação de energia

1ª Lei da Termodinâmica lei da conservação de energia 1ª Lei da Termodinâmica lei da conservação de energia É de bastante interesse em análises termodinâmicas conhecer o balanço energético dos sistemas, principalmente durante trocas de estado A 1ª Lei da

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos de Refrigeração. v. 2.0

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos de Refrigeração. v. 2.0 Termodinâmica Ciclos de Refrigeração 1 v. 2.0 Ciclo de refrigeração A transferência de calor de compartimentos de baixa temperatura para outros a temperaturas maiores é chamada de refrigeração; Equipamentos

Leia mais

Intercambiador de Calor

Intercambiador de Calor C6-003 Intercambiador de Calor Séries ICH-DX, ICV-DX Expansão Direta TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br

Leia mais

Catálogo Técnico. Fan Coil 42LS. Fan Coil 42LS - Água Gelada Modelos Horizontais e Verticais

Catálogo Técnico. Fan Coil 42LS. Fan Coil 42LS - Água Gelada Modelos Horizontais e Verticais Catálogo Técnico Fan Coil 42LS Fan Coil 42LS - Água Gelada s Horizontais e Verticais ÍNDICE 1 - Descrição dos s Disponíveis... 2 - Nomenclatura... - Características Técnicas... 4 - Controle...4 - Performance

Leia mais

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT TO EN M A Ç N LA CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM HARMONIA COM SEU AMBIENTE. QUALIDADE E AR CONDICIONADO LINHA SPLIT 00485mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:20:24 Cassete Apresentação

Leia mais

Unidades de quatro tubos com compressores de parafuso. Modelo RTMA Capacidade de refrigeração kw Capacidade de aquecimento kw

Unidades de quatro tubos com compressores de parafuso. Modelo RTMA Capacidade de refrigeração kw Capacidade de aquecimento kw Unidades de quatro tubos com compressores de parafuso Modelo RTMA Capacidade de refrigeração 344-661 kw Capacidade de aquecimento 361-714 kw Unidades de quatro tubos RTMA Aquecimento e arrefecimento simultâneo

Leia mais

Regulador de pressão do evaporador Tipo KVP

Regulador de pressão do evaporador Tipo KVP Ficha técnica Regulador de pressão do evaporador KVP O KVP é montado na linha de sucção após o evaporador e é usado para:. Manter uma pressão constante de evaporação e assim há uma temperatura constante

Leia mais

EME902 REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO. Professor: Osvaldo J. Venturini Refrigeração Industrial (34 horas) Ar Condicionado (30 horas)

EME902 REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO. Professor: Osvaldo J. Venturini Refrigeração Industrial (34 horas) Ar Condicionado (30 horas) Prof. Osvaldo UNIFEI J. Venturini - IEM/UNIFEI IEM EME902 REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO Professor: Osvaldo J. Venturini Refrigeração Industrial (34 horas) Ar Condicionado (30 horas) Horários - Salas (quinta-feira

Leia mais

Condensador. T sai. T entra. Refrigerante. Temperatura. Desuperaquecimento. Condensação Sub-resfriamento. Meio de condensação

Condensador. T sai. T entra. Refrigerante. Temperatura. Desuperaquecimento. Condensação Sub-resfriamento. Meio de condensação Profª Karla Silva Temperatura Condensador Esfria e condensa o vapor superaquecido vindo da compressão nas instalações frigoríficas. Para isso usa: ar ou água ou ar e água em contato. Fases da transmissão

Leia mais

TIPOS DE VÁLVULAS. Válvulas de interesse em refrigeração: 1. Bloqueio: 2. Retenção: 3. Expansão:

TIPOS DE VÁLVULAS. Válvulas de interesse em refrigeração: 1. Bloqueio: 2. Retenção: 3. Expansão: VÁLVULAS TIPOS DE VÁLVULAS Válvulas de interesse em refrigeração: 1. Bloqueio: 2. Retenção: 3. Expansão: 1. VÁLVULA DE BLOQUEIO Utilizada em diversos pontos das linhas; Função de isolar um componente ou

Leia mais

Componentes dos ciclos termodinâmicos

Componentes dos ciclos termodinâmicos Componentes dos ciclos termodinâmicos Componentes dos ciclos termodinâmicos Quais podem ser os componentes de um ciclo termodinâmico? Turbinas, válvulas, compressores, bombas, trocadores de calor (evaporadores,

Leia mais

Armacell Brasil A Importância do Isolamento Térmico em Sistemas de Refrigeração Antonio Borsatti Eng. de Desenvolvimento de Produtos e Aplicação

Armacell Brasil A Importância do Isolamento Térmico em Sistemas de Refrigeração Antonio Borsatti Eng. de Desenvolvimento de Produtos e Aplicação Armacell Brasil A Importância do Isolamento Térmico em Sistemas de Refrigeração Antonio Borsatti Eng. de Desenvolvimento de Produtos e Aplicação Quem somos A Armacell é a empresa que criou a espuma elastomérica

Leia mais

Lista de Exercícios de Operações Unitárias I

Lista de Exercícios de Operações Unitárias I Lista de Exercícios de Operações Unitárias I Bombas Prof. Dra. Lívia Chaguri Monitor Victor Ferreira da Motta L. Fonseca ¹Exercício 1) Considere a instalação mostrada na Figura 1. Azeite de Oliva a 20

Leia mais

TERMODINÂMICA I 1º SEMESTRE DE 2015 Docente: Anderson H.R. Ferreira 2º LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE II PROPRIEDADES TERMODINÂMICAS

TERMODINÂMICA I 1º SEMESTRE DE 2015 Docente: Anderson H.R. Ferreira 2º LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE II PROPRIEDADES TERMODINÂMICAS 1 TERMODINÂMICA I 1º SEMESTRE DE 2015 Docente: Anderson H.R. Ferreira 2º LISTA DE EXERCÍCIOS Instruções: Tenha sempre em mãos uma Calculadora Científica, pois a mesma será utilizada exaustivamente no curso

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO DO EVAPORADOR DE UM APARELHO DE AR CONDICIONADO SPLIT COM GEOMETRIA OTIMIZADA

ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO DO EVAPORADOR DE UM APARELHO DE AR CONDICIONADO SPLIT COM GEOMETRIA OTIMIZADA ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO DO EVAPORADOR DE UM APARELHO DE AR CONDICIONADO SPLIT COM GEOMETRIA OTIMIZADA Tese inédita apresentada ao Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal do

Leia mais

Mini Chiller Linha Ice Control Mini Chiller compactos com condensação a AR

Mini Chiller Linha Ice Control Mini Chiller compactos com condensação a AR Mini Chiller Linha Ice Control Mini Chiller compactos com condensação a AR A linha de Unidades trocadora de CALOR (MGA ) Ice Control é uma solução econômica e compacta desenvolvida para atender diversas

Leia mais

EXTREME POWER MODELO - TST MODELO - TX. Unidade Split de Alta Capacidade

EXTREME POWER MODELO - TST MODELO - TX. Unidade Split de Alta Capacidade ETREME POWER MODELO - TST Unidade Split de lta Capacidade MODELO - T Eficiência é cuidar da vida s Unidades Split lta Capacidade da TRO possuem altos índices de eficiência energética e performance, são

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Figura I Figura V Figura III Figura IV Figura II Figura VI Considerando as figuras apresentadas, que ilustram componentes de sistemas de refrigeração, julgue os itens que se seguem.

Leia mais

Refrigeração na Indústria de Alimentos

Refrigeração na Indústria de Alimentos UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO Faculdade de Engenharia e Arquitetura Refrigeração na Indústria de Alimentos Prof. Eng. MILTON SERPA MENEZES Passo Fundo - RS, agosto/2010. 2 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1. APLICAÇÕES

Leia mais

2 Análise do Volume de Controle

2 Análise do Volume de Controle 2 Análise do Volume de Controle 2.1 Introdução Neste capítulo apresentar-se-ão as definições do volume de controle elementar, as equações do balanço de massa e energia a ele associadas, a geometria e as

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 BOMBA DE CALOR PARA DESUMIDIFICAÇÃO E AQUECIMENTO DO AR DE SECAGEM Luiz, M. R. *,1, Amorim, J. A. 1, Silva, M. G. 2,

Leia mais

Válvula para água controlada por pressão Tipo WVO

Válvula para água controlada por pressão Tipo WVO MAKING MODERN LIVING POSSIBLE Ficha técnica Válvula para água controlada por pressão Tipo WVO A válvula para água controlada por pressão WVO é usada para regular o fluxo de água no sistema de refrigeração

Leia mais

ANEXO-II FREQÜÊNCIA DE MANUTENÇÃO

ANEXO-II FREQÜÊNCIA DE MANUTENÇÃO ANEXO-II FREQÜÊNCIA DE MANUTENÇÃO EQUIPAMENTO: CHILLER MODELO: RCU0303AS2A5P HITACHI AR CONDICIONADO DO BRASIL LTDA. Circuito de refrigerante Compressor Ventiladores do equipamento Serpentina do condensador

Leia mais

Catálogo de Seleção e Aplicação Unidades Condensadoras Slim Pack

Catálogo de Seleção e Aplicação Unidades Condensadoras Slim Pack MAKING MODERN LIVING POSSIBLE Catálogo de Seleção e Aplicação www.danfoss.com.br Homologada para R22 / R404A/507 / R402B (HP81) Vantagens e benefícios Silenciosa - Baixo nível de ruído, própria para instalações

Leia mais

Gama AQUASET AQUASET-PHTJ. Aplicações. Soluções domésticas com bombas de calor ar/água. Bombas de Calor Ar/Água monobloco ON/OFF Alta temperatura 65 C

Gama AQUASET AQUASET-PHTJ. Aplicações. Soluções domésticas com bombas de calor ar/água. Bombas de Calor Ar/Água monobloco ON/OFF Alta temperatura 65 C Soluções domésticas com bombas de calor ar/ Bombas de Calor Ar/ monobloco ON/OFF Alta temperatura Gama AQUASET ÁGUA GAS R40A T ext. -6 C T Máx. 65 C AQUASET-PHTJ PHTJ 4/9 Consulte os esquemas hidráulicos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II. Revisão Conservação de Energia e Massa

LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II. Revisão Conservação de Energia e Massa LISTA DE EXERCÍCIOS - FENÔMENO DE TRANSPORTES II Revisão Conservação de Energia e Massa 1) Determinar a velocidade do jato de líquido no orifício do tanque de grande dimensões da figura abaixo. Considerar

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 1 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 UTILIZACÂO DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA ALTERACÂO NA ESCALA DE UM ROTÂMETRO PARA OPERAR COM UM FLUIDO QUALQUER Dias

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos A carga térmica é a quantidade de calor

Leia mais

23/06/2010 ETIQUETAGEM DO PROCEL EDIFICA - ASPECTO DO CONDICIONAMENTO DE AR. Nathan Mendes - PUCPR Fernando Westphal ETIQUETAGEM PROCEL/INMETRO

23/06/2010 ETIQUETAGEM DO PROCEL EDIFICA - ASPECTO DO CONDICIONAMENTO DE AR. Nathan Mendes - PUCPR Fernando Westphal ETIQUETAGEM PROCEL/INMETRO ETIQUETAGEM DO PROCEL EDIFICA - ASPECTO DO CONDICIONAMENTO DE AR Nathan Mendes - PUCPR Fernando Westphal ETIQUETAGEM PROCEL/INMETRO 1 ENCE Etiqueta Nacional de Conservação de Energia Etiqueta Edifício

Leia mais

UTFPR Termodinâmica 1 Avaliando Propriedades Termodinâmicas

UTFPR Termodinâmica 1 Avaliando Propriedades Termodinâmicas UTFPR Termodinâmica 1 Avaliando Propriedades Termodinâmicas Princípios de Termodinâmica para Engenharia Capítulo 3 Parte 2 Tabelas de Saturação As Tabelas A-2 e A-3 listam os valores de propriedades para

Leia mais

Unidade Intercambiadora de Calor Série YE

Unidade Intercambiadora de Calor Série YE Unidade Intercambiadora de Calor Série YE A unidade intercambiadora de calor Série YE foi desenvolvida para proporcionar o máximo conforto térmico em ambientes. Projetada para atender diferentes demandas

Leia mais

Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto

Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto 5/09/0 Universidade Federal do ABC BC309 Termodinâmica Aplicada Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto ana.neto@ufabc.edu.br Bloco A, torre, sala 637 Calor, Trabalho e Primeira Lei da Termodinâmica 5/09/0

Leia mais

EM34F Termodinâmica A

EM34F Termodinâmica A EM34F Termodinâmica A Prof. Dr. André Damiani Rocha arocha@utfpr.edu.br Energia 2 Energia Transferência de Energia por Calor Sempre que existir diferença de temperatura haverá transferência de calor. Se

Leia mais

Lista de Exercícios para P2

Lista de Exercícios para P2 ENG 1012 Fenômenos de Transporte II Lista de Exercícios para P2 1. Estime o comprimento de onda que corresponde à máxima emissão de cada de cada um dos seguintes casos: luz natural (devido ao sol a 5800

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO. CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL/PERÍODO MEC0954 Condicionamento de Ar 4ª/8º

PROGRAMA DE ENSINO. CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL/PERÍODO MEC0954 Condicionamento de Ar 4ª/8º PROGRAMA DE ENSINO UNIDADE UNIVERSITÁRIA: UNESP CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA CURSO: ENGENHARIA (Resolução UNESP nº 74/04 - Currículo: 4) HABILITAÇÃO: OPÇÃO: DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Engenharia Mecânica CÓDIGO

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração. Psicrometria. Estudo das propriedades do ar (mistura do ar com vapor d água)

Ar Condicionado e Refrigeração. Psicrometria. Estudo das propriedades do ar (mistura do ar com vapor d água) Estudo das propriedades do ar (mistura do ar com vapor d água) Ar puro: mistura dos gases presentes em nossa atmosfera, com as seguintes porcentagens (em volume): 78% de nitrogênio 2% de oxigênio 0,97%

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife Dorival

Leia mais

PROJETERM Projetos e Consultoria Ltda

PROJETERM Projetos e Consultoria Ltda PROJETO DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DO HCVL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARCIAIS - Rev. 4 Estas Especificações Técnicas versam sobre o Projeto de Ar Condicionado e Ventilação do Centro Cirúrgico, Centro

Leia mais

a) pressão máxima do ciclo; b) rendimento térmico; c) pressão média

a) pressão máxima do ciclo; b) rendimento térmico; c) pressão média Lista 1 de Motores de Combustão Interna 1. Para alguns motores Diesel é adequada a representação do ciclo motor segundo um ciclo dual, no qual parte do processo de combustão ocorre a volume constante e

Leia mais