Não, Isso Não é Coisa pra Homem - Masculinidades e os Processos de Inclusão/Exclusão em uma Escola da Baixada Fluminense RJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Não, Isso Não é Coisa pra Homem - Masculinidades e os Processos de Inclusão/Exclusão em uma Escola da Baixada Fluminense RJ"

Transcrição

1 Não, Isso Não é Coisa pra Homem - Masculinidades e os Processos de Inclusão/Exclusão em uma Escola da Baixada Fluminense RJ No, This is Not a Man Thing - Masculinity and the Processes of Inclusion/Exclusion in a School in the Leandro Teofilo de Brito Universidade Estadual do Rio de Janeiro - Brasil José Guilherme de Oliveira Freitas Universidade Federal do Rio de Janeiro - Brasil Mônica Pereira dos Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro - Brasil Resumen Esta pesquisa, de inspiração etnográfica, tem por objetivo compreender de que modo os processos de inclusão/exclusão se fazem presentes nas construções de masculinidades de alunos de turmas do ensino fundamental, em uma escola pública municipal de Nova Iguaçu, região da Baixada Fluminense, estado do Rio de Janeiro. A partir da análise dos dados encontrados no campo de pesquisa, constatamos que a modificação ou a construção de novas culturas de inclusão relacionadas às questões de gênero no espaço escolar, em especial ao reconhecimento de variadas e múltiplas formas de masculinidades, que se diferenciem de e contestem - sua forma hegemônica, mostra-se como o principal fator de mudança e de combate aos processos de exclusões, influenciando políticas e práticas escolares na busca incansável e incessante pelo movimento da inclusão no contexto educacional. Palavras-chave: Gênero; Masculinidades; Inclusão/Exclusão; Educação; Baixada Fluminense. Abstract This ethnographically-inspired research aims to understand how the processes of inclusion/exclusion are present in the constructions of masculinity in elementary school students, in a public school in Nova Iguaçu, in the Baixada Fluminense region of Rio de Janeiro. From the analysis of the data found in field search, we found that the modification or building of new cultures of inclusion related to gender issues within the school, particularly the recognition of varied and multiple forms of masculinity, that differ from and challenge its hegemonic form, appears as the main factor of change and combat against social exclusion processes, influencing school policies and practices in a tireless and unceasing search for the movement of inclusion in the educational context. Keywords: Gender; Masculinity; Inclusion/Exclusion; Education; Baixada Fluminense.

2 Introdução Reconhecido como um dos maiores desafios da escola no nosso presente, a educação básica de qualidade por meio da inclusão escolar, na qual o respeito pelas diferenças culturais, sociais e individuais de cada educando deve ser garantido e colocado em prática configura-se como uma das grandes buscas contemporâneas no que tange à educação de uma maneira geral. Pautandose nestes princípios, o termo inclusão, muitas vezes direcionado somente a ações para a educação especial ou confundido com a integração de pessoas com deficiências, está inserido em um contexto mais amplo, devendo ser compreendido como um processo, reiterando princípios democráticos de participação social plena e visto como um movimento de luta em todas as áreas da vida humana (SANTOS, 2009). O conceito de inclusão, em que este trabalho se apoia, é discutido a partir da relação dialética e complexa com o termo exclusão, sob uma característica dinâmica e indissociável, na qual os termos não podem ser considerados, nem compreendidos de forma separada. A inclusão ocorre justamente porque existem exclusões, não se constituindo como um fim em si mesmo. Aprofundaremos esta discussão ao longo do trabalho. Neste contexto, considerando que a utilização do termo gênero objetiva designar as relações sociais entre os sexos, Scott (1995) afirma que o uso do conceito, durante determinado tempo, foi sinônimo de 'mulheres', principalmente nos trabalhos de cunho acadêmico, que visavam um maior reconhecimento político e busca de legitimidade para os estudos feministas, nos anos de Posteriormente, sugeriu-se que qualquer informação sobre as mulheres seria necessariamente informação também sobre os homens, onde um implicava o estudo do outro, e, desta forma, o termo gênero dissociou-se única e exclusivamente de 'estudos das mulheres', referindo-se também a questões sobre homens e à construção de masculinidades. Esses estudos problematizam questões de extrema importância e relevância no tocante ao reconhecimento das diferenças entre os sujeitos nas sociedades ocidentais, seja nas questões relacionais entre os próprios homens ou entre homens e mulheres. Para Santos (2006), no contexto educacional, é muito comum atribuir aos sujeitos do sexo masculino toda uma mitologia comportamental, onde meninos devem apresentar-se como inquietos, curiosos, mal comportados, geralmente com notas baixas em português e sempre habilidosos nos esportes, ou seja, modelos essencialistas e hierarquizados associados ao significado de 'ser homem'. Quando os mesmos não se apresentam nestes padrões, que podemos associar a projetos de masculinidade hegemônica (CONNELL, 1995), possivelmente surgem as exclusões, pois se impõe papéis pré-estabelecidos para os homens nos grupos sociais, não se levando em conta as diferenças individuais dos sujeitos, que são inerentes ao sexo e à história de vida de cada um. O reconhecimento da existência de formas múltiplas e variadas de masculinidades na nossa sociedade, consequentemente refletindo-se no contexto educacional, se faz primordial na construção de processos de inclusão em educação associados às questões de gênero. Desta forma, buscamos compreender a partir de uma pesquisa de inspiração etnográfica, no cotidiano de uma escola pública da região da Baixada Fluminense - RJ, de que modo os processos de inclusão/exclusão se fazem presentes nas construções de masculinidades de alunos de turmas do ensino fundamental. Discutiremos em seguida, a compreensão e a amplitude do conceito de Inclusão em Educação, em que este trabalho se baseia. 115

3 Inclusão em Educação Compreende-se como Inclusão em Educação um processo teórico/prático que reconhece as diferenças e a diversidade no âmbito educacional, levando-se em conta que abordagens de inclusão relativas ao ensino e aprendizagem devem basear-se nessas diferenças existentes entre os sujeitos para propor mudanças profundas no contexto escolar. Racismo, sexismo, classismo, homofobia e deficientismo são alguns modelos de intolerância à diferença e abuso de poder, refletidos no ambiente escolar, que perpetuam desigualdades, promovendo barreiras à participação e à aprendizagem, e consequentemente promovendo formas de exclusão (BOOTH & AINSCOW, 2002). Como citamos anteriormente, os termos inclusão/exclusão são entendidos a partir de um processo dialético e complexo, o que significa considerar o dinamismo com que se configura, se constrói e se estabelece nas relações humanas a partir de variados significados, desde se referir a um determinado grupo de excluídos, onde haverá uma representação de esforços da sociedade para lutar contra a situação de exclusão, considerando neste caso um sentido mais estrito, ou como um movimento históricopolítico interminável, dentro de uma visão mais ampla (SANTOS, 2009). Além das características dialética e complexa, os processos de inclusão/exclusão também apresentam três dimensões indissociáveis: a construção de culturas, desenvolvimento de políticas e orquestração de práticas de inclusão. Denomina-se esta como uma característica tridimensional dos processos de inclusão/exclusão. A construção de culturas se refere aos valores, concepções, crenças e justificativas que construímos e expressamos sobre dada questão, situação, pessoa, etc., representando aquilo que se acredita e que se considera. O desenvolvimento de políticas diz respeito aos planejamentos pedagógicos, projetos escolares, regras disciplinares, etc., em nível micro (institucional e pessoal) e macro, expressos a partir de leis, decretos, moções, dentre outros. A orquestração de práticas se refere às culturas e políticas colocadas em ação no fazer do nosso dia a dia, seja o fazer pedagógico, didático, pessoal, performático, etc. Considerar as dimensões culturas, políticas e práticas de inclusão/exclusão em uma relação dialética e complexa uma com a outra, é pensar a inclusão em educação de forma omnilética. Santos (2013) designa como uma perspectiva omnilética de Inclusão em Educação um modo de explicar/conceber e ser ao mesmo tempo, um conceito de caráter tanto reflexivo, como contemplativo e aplicável às nossas práticas e ao nosso modo de ser. Significa compreender os processos de inclusão/exclusão de uma maneira ampla, como por exemplo, uma percepção totalizante e integralizadora de dado evento citamos um fenômeno social - que compõe, em si mesmo, possibilidades de variações infinitas e nem sempre imediatamente perceptíveis, visíveis ou imagináveis, mas nem por isso ausentes ou impossíveis, pois seu caráter relacional, pertinente, referencial e participativo - no sentido de ser parte - torna aquilo que se percebe dele tanto sua parte quanto seu criador. Essa perspectiva objetiva reconfigurar nossa compreensão do ambiente escolar a partir da tentativa de visualizar o que escape ao binarismo, a uma visão polarizada, contemplar o que ainda não seja visível, o que ainda nos seja estranho, o que ainda não seja passível de imaginação em uma percepção inicial, mas que ali está como uma possibilidade. De acordo com Santos (2013): Em resumo, assumir uma perspectiva omnilética de análise significa pensar 116

4 em termos de integralidade, dubiedade, complementaridade e transgressividade das dimensões culturas, políticas e práticas em relação e ao mesmo tempo dialética e complexa (p.26). Os processos e mecanismos de inclusão/exclusão estão presentes em variadas instâncias de nossa sociedade, como classe, raça, etnia, gênero, sexualidade, dentre outras, e refletem-se na luta de grupos sociais segregados, oprimidos e excluídos pela garantia de seus direitos e reconhecimento social. Desta forma a Inclusão em Educação tem uma importância fundamental no sentido de reconhecimento das diferenças em sua pluralidade no contexto escolar, assim como das necessidades educacionais específicas apresentadas por alunos e alunas, no combate ou pelo menos na minimização das exclusões neste contexto. Uma visão omnilética sobre questões relacionadas à construção de masculinidades no contexto escolar significa operar na lógica de desconstrução de categorias fixas e estáveis, partindo da ideia singular de masculinidade, como um modelo único, hegemônico e heteronormativo a ser seguido pelos sujeitos do sexo masculino, para um dinamismo que considera masculinidades, a partir de suas ambiguidades, subjetividades, multiplicidades e hibridismos. Aprofundaremos em seguida as principais vertentes teóricas sobre masculinidades nos estudos de gênero. Masculinidades nos estudos de gênero Para Silva (2007) os estudos que se debruçam na construção de masculinidades já são significativos e reconhecidos no campo das investigações de gênero, desmistificando uma associação muito comum que perdurou durante muito tempo: a 'análise de gênero' como sinônimo de 'estudo das mulheres'. Todavia, grande parte destes trabalhos continuam sendo desenvolvidos e permanecem pautados sob uma ótica feminista, segundo o autor. Citamos os trabalhos de Connell (1995, 2003), dentre os principais, na produção teórica sobre homens e masculinidades, no contexto dos estudos de gênero e sexualidade nas ciências sociais e humanas. Connell (1995) afirma que: a masculinidade é uma configuração de prática em torno da posição dos homens na estrutura das relações de gênero (p. 188). Para a autora 1 falar das estruturas das relações de gênero significa enfatizar algo além das interações entre homens e mulheres, significa o reconhecimento do gênero como uma estrutura ampla, que engloba a economia, o estado, a família, entre outras instâncias e o gênero como uma estrutura bem mais complexa, que abarca diferentes masculinidades produzidas num mesmo contexto social. As relações de dominação, subordinação, e porque não falarmos também de exclusão, onde a chamada masculinidade hegemônica possui outros três tipos de masculinidades subordinada, cúmplice e marginalizada - agrupadas ao seu redor, foi um esquema pensado por Connell (2003) para descrever os modelos hierarquizados de masculinidades nas sociedades ocidentais. A masculinidade hegemônica é aquela ligada à legitimidade do patriarcado, garantindo uma posição de dominância dos homens, subordinação das mulheres e das outras três masculinidades. A masculinidade subordinada refere-se aos homens homossexuais, subordinados e excluídos pelos homens heterossexuais e aos meninos, levando-se em consideração a subordinação e a exclusão por um homem heterossexual adulto. A masculinidade cúmplice diz respeito aos homens que não se enquadram no padrão hegemônico de masculinidade, mas que se beneficiam dos dividendos patriarcais obtidos pela 117

5 masculinidade hegemônica. A masculinidade marginalizada está associada à dominação e exclusão em relação à raça, classe social e a grupos étnicos minoritários. Connell (Idem) também aponta que a relação de marginalização pode estar presente na masculinidade subordinada. Mais atualmente, fazendo uma reavaliação do conceito de masculinidade hegemônica, Connell & Messerschimidt (2013) afirmam que a combinação da pluralidade de masculinidades e a hierarquia entre elas, característica fundamental do conceito, deve ser mantida, pois: padrões múltiplos de masculinidade têm sido identificados em muitos estudos, em uma variedade de países e em diferentes contextos institucionais e culturais (p. 262). Alguns outros pontos, para os autores, podem ser rejeitados como o modelo muito simples das relações sociais no contexto da masculinidade hegemônica. De acordo com os mesmos, os traços psicológicos e ideias psicanalíticas na formulação inicial do modelo hegemônico de masculinidade, acabaram caindo numa configuração específica de traços (hipóteses), abrindo caminho para o tratamento da masculinidade hegemônica através de um caráter fixo. Desta forma, qualquer modelo essencialista das masculinidades e a abordagem de traços para compreensão do gênero devem ser transcendidos. Sobre as reformulações do conceito, Connell & Messerschimidt (Ibidem) apontam quatro grandes áreas: a hierarquia de gênero, trazendo essa compreensão para um contexto mais amplo, no qual os estudos sobre masculinidades serão direcionados para problemas em outros campos das ciências sociais, como a violência e os efeitos da globalização; a geografia das masculinidades, em que se busca uma estrutura analítica de masculinidades hegemônicas em nível local, regional e global, havendo ligações entre os níveis e ao mesmo tempo reconhecendo suas especificidades; incorporação social, na qual a masculinidade hegemônica está ligada à representação e uso dos corpos dos homens, devendo ser um ponto melhor teorizado nestes estudos; e por fim a dinâmica das masculinidades, que aponta para a construção e transformação das masculinidades ao longo do tempo. No contexto educacional, a problemática das masculinidades, a partir das proposições de Raewyn Connell, também vem sendo discutida por pesquisadores/as que reconhecem a importância dessas questões na formação escolar de meninos e jovens. Em pesquisa sobre gênero e desempenho escolar, Carvalho (2008) aponta algumas concepções das professoras participantes das investigações, pautadas em relação ao desinteresse dos meninos pelos estudos, pois segundo as mesmas, características como desleixo, descompromisso e desinteresse faziam parte da postura dos alunos com dificuldades de aprendizagem, percebida como mais rebelde e mais assertiva que a postura das meninas que apresentavam as mesmas dificuldades. A questão do 'capricho' em um caderno de um aluno, também foi um ponto levantado na pesquisa de Carvalho (Ibidem), na qual a professora classifica como um caso isolado e uma exceção um menino apresentar-se com seu material organizado, fazendo com que a mesma confundisse o seu caderno com o de uma menina. As características no comportamento dos meninos, pelas concepções das professoras, eram atribuídas a uma naturalização de características oriundas da masculinidade hegemônica, pautada em preceitos essencialistas da identidade de gênero masculina. Silva Junior (2011) ao investigar representações de masculinidades em uma escola de determinada periferia urbana, destaca que o discurso dos jovens no ambiente escolar, esteve em grande parte 118

6 pautado no modelo hegemônico e em uma valorização da heterossexualidade como norma, embora uma gama de masculinidades fossem construídas e se entrecruzavam no cotidiano da escola, em busca de afirmação: [...] as masculinidades são construídas, onde cada adolescente fabrica seu corpo, realiza sua performance, se apresenta como um projeto a ser construído, buscando atender ou responder às expectativas criadas sobre o que é ser homem (p. 57). Nessa direção, Pereira (2008) enfatiza que a ideia construída de que o homem não é portador de sentimentos e emoções, sendo voltado apenas para pensar, raciocinar e questionar faz parte de um modelo de masculinidade que o imaginário social instituiu, mas que pode e deve ser modificado pela educação, uma arma importante de luta para o equilíbrio e igualdade de oportunidades sociais, incluindo neste contexto as questões de gênero e consequentemente a construção de novas masculinidades. A pesquisa de campo A pesquisa de campo, do tipo etnográfico (ANDRÉ, 2009), ocorreu em uma escola da rede municipal da cidade de Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, região metropolitana do estado do Rio de Janeiro. A região da baixada fluminense, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE 2 ) é composta por treze municípios: Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaguaí, Japeri, Magé, Mesquita, Nilópolis, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados, São João de Meriti e Seropédica. A escola investigada é pertencente ao bairro de Vila de Cava 3, que está a quatorze quilômetros do centro de Nova Iguaçu, sendo classificada como uma área pertencente à zona rural da região. Considerada a principal escola municipal do bairro no atendimento de alunos que cursam a Educação infantil, as séries iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano) e a Educação de jovens e adultos, foi inaugurada no ano de 2001, contando com três turnos em funcionamento e 933 alunos no ano de 2012, período em que a pesquisa de campo foi realizada. Nossa escolha pelos sujeitos da pesquisa se deu pelas turmas de 5º ano do ensino fundamental. Paechter (2009) afirma que o currículo do ensino fundamental apresenta às crianças uma imagem do mundo e de seu lugar nele como homem e mulher, permitindo que elas construam identidades como aprendizes, em alinhamento ou em contraposição a essas imagens, além de que é na faixa de idade entre 11 e 12 anos que as mesmas encontram na escola o local principal para a construção de suas identidades de gênero, segundo a autora. Em relação a técnicas de pesquisa, André (2009) designa a observação participante, a entrevista e a análise de documentos como as técnicas que tradicionalmente são associadas à etnografia. Utilizamos, especificamente nesta pesquisa, a observação participante, com uso de diário de campo para anotações, além de entrevistas dos tipos semiestruturada e informal. Assim, apresentaremos e discutiremos alguns dados referentes à pesquisa sobre masculinidades e os processos de inclusão/exclusão no cotidiano escolar. Masculinidades e as aulas de artes No contexto da pesquisa, as aulas de Artes foram colocadas em discussão por alunos e alunas, quando se percebeu nas observações, certa resistência dos meninos ao participarem das atividades propostas. Destacamos a seguir um diálogo entre alunos, alunas e um dos pesquisadores: 4 Se fosse pela gente, nós nem faríamos desenho [...]. (Aluno 1) Teve um dia que a professora colocou 119

7 um passarinho e tinha uma flor no meio e nenhum menino gostou (Aluno 2) Flor não é coisa pra menino, então? (Pesquisador) Não, isso não é coisa pra homem (Todos os meninos) A tia também coloca desenho pra menino e pra menina (Aluna 1) O que vocês acham disso: colocar um desenho pra menino e outro pra menina? (Pesquisador) Não tem como dar um desenho de menina pra menino fazer, não dá (Aluno 3) Só uma vez que ela colocou dois bonecos, um menino e uma menina. Esse todo mundo podia pintar (Aluna 2) A tia não pode colocar desenho de menina pra gente fazer, mas teve uma vez que ela colocou o desenho do Batman e ela (aponta para a Aluna 1) quis fazer, mas isso é desenho de menino (Aluno 1) Levantamos neste caso as pressões sociais e culturais que recaem sobre os meninos, em relação a um comportamento masculino que tende a negar constantemente o que é associado ao feminino, pautado no modelo hegemônico de masculinidade, sob uma matriz heterossexual (BUTLER, 2010), influenciando seu comportamento e seu interesse por determinadas tarefas dentro da escola. Pode-se perceber nessas falas uma oposição dos alunos às tarefas das aulas de artes, onde os mesmos se contrapunham a fazer qualquer atividade que estivesse relacionada ao que o imaginário social considera feminino, como desenhos de flores e de um passarinho, citados no exemplo. Connell (2003) exalta que do ponto de vista da masculinidade hegemônica, a homossexualidade, classificada como masculinidade subordinada, mantém aproximação com a feminilidade e, desta forma a negação e o distanciamento do feminino são cruciais na afirmação de meninos como homens em qualquer contexto. Outra questão a ser colocada é a generificação das disciplinas escolares. Paechter (2009) afirma que algumas disciplinas são fortemente marcadas como masculinas e femininas e, desta forma meninos e meninas apoiam-se nestas premissas, alinhando-se ou opondo-se às noções vigentes e normatizadoras de masculinidades e feminilidades, para direcionarem seus gostos e interesses pessoais pelas matérias e conteúdos escolares. A forma como isso ocorre varia conforme a imagem da disciplina, seus conteúdos e suas práticas. Neste caso, os meninos, sob o discurso da masculinidade hegemônica, mostram-se favoráveis ao que o senso comum reconhece como delicado e feminino, mostrando-se assim resistentes e desinteressados às atividades das aulas de artes. Culturas generificadas e consequentemente excludentes, em relação às disciplinas escolares tendem a reforçar não apenas a divisão entre meninos e meninas, mas o afastamento daqueles e daquelas que independente do gênero, apresentem afinidades direcionadas para determinadas disciplinas marcadas pela oposição entre masculino e feminino. Exclusão na prática do futebol Os meninos das turmas investigadas reuniam-se constantemente para jogar futebol ao final das aulas, especialmente quando saíam mais cedo. Até pelo fato de não haver aulas de educação física para as turmas de 5º ano 5, a direção da escola permitia o uso da quadra pelos meninos, quando já haviam sido liberados das aulas. Dentre os meninos que não apresentavam interesse em jogar futebol, citamos os alunos Sandro, Leonardo e Guilherme 6 que poderiam ser considerados os alunos mais assíduos e estudiosos de sua turma. Amigos também fora da escola, 120

8 Sandro e Leonardo construíam suas masculinidades através dos estudos e do bom comportamento na escola, assim como Guilherme, que fora da escola era um pouco mais afastado dos dois. Sandro também era mais distante do restante dos meninos da turma, diferente de Leonardo e Guilherme que interagiam um pouco mais com os outros meninos da sala. Sandro relata suas causas pessoais do não interesse pelo futebol: Eu não gosto de jogar nada com bola. Sou até mais de ficar dentro de casa (Aluno Sandro). Já Leonardo e Guilherme retratam situações de exclusões vivenciadas na escola ao tentarem jogar futebol com os meninos da turma: Eu não gosto, porque já fui muito xingado na hora do futebol, por perder um gol na cara... tem muita gente marrenta que gosta de futebol. Eu jogava com eles depois da aula, mas depois desse dia não fui mais... (Aluno Leonardo). Uma vez eu também fui jogar futebol aqui na escola e sem querer eu fiz gol contra, daí começaram a me xingar e quase me bateram... (Aluno Guilherme). As culturas identificadas entre os meninos expressam uma rejeição pelo futebol: Sandro aponta apenas não gostar de esportes com bola, mas Guilherme e Leonardo retratam situações pessoais de exclusões vivenciadas durante os jogos que participaram com os outros meninos na escola. Nestes dois últimos casos, uma prática de exclusão gerou uma cultura de repúdio à atividade esportiva, em específico ao futebol. Dunning (1992) afirma que grande parte dos desportos são, em sua essência, competitivos, possibilitando assim a emergência da agressão, e no caso específico do futebol, assim como alguns outros esportes de confronto simulado, constituemse como áreas privilegiadas para uma expressão socialmente aceitável, ritualizada e de certa forma controlada em relação à violência física entre homens, fato constatado nos relatos dos alunos Leonardo e Guilherme. Em estudo recente sobre os processos de inclusão/exclusão em aulas de uma turma masculina de educação física no ensino fundamental, Brito & Santos (2013) apontaram que a masculinidade hegemônica fez-se predominante entre os meninos no espaço das aulas, através da competitividade exacerbada na prática do futebol: A competitividade, como uma das características centrais desta forma dominante de masculinidade, mostrouse como o principal mecanismo gerador dos processos de inclusão/exclusão durante as observações, permeada pela valorização do domínio das habilidades físicas e motoras dos mais aptos para a prática do Futebol. De forma secundária, masculinidades cúmplices e subordinadas estiveram presentes entre os meninos durante as aulas, sendo visivelmente dominadas pela sua forma hegemônica (p ). Paechter (2009) afirma que a prática de esportes contribui para a construção de identidades masculinas, onde vigor, força física e boa forma corporal classificam-se como valores simbólicos que representam culturalmente o que é ser homem. A autora aponta que meninos que se mostram resistentes à sua prática nas escolas, acabam sendo excluídos de comunidades de masculinidades dominantes e hegemônicas, configurando-se desta forma, quase que uma obrigação do sexo masculino em internalizar o esporte como um dever na sua formação: 121

9 [...] a educação física e os esportes escolares não somente ensinam formas determinadas de ser um homem, mas também induzem os meninos a integrarem uma comunidade ampla de práticas de masculinidade nas quais, em virtude de sua performance relativa, alguns são dominantes e outros subordinados [...] (PAECHTER, 2009, p.137). A cultura excludente, historicamente construída pelas práticas esportivas, na qual os mais aptos terão mais possibilidades de sucesso frente aos menos aptos, onde a violência masculina permeia e se justifica pela vitória a todo custo, acabam por afastar e excluir aqueles que não se adequam às normas instituídas pelo esporte competitivo. Situações como as descritas pelos alunos, permeadas por situações de exclusões, culminam na construção de culturas de rejeição e repúdio às práticas esportivas. Desta forma, teremos sempre meninos que não corresponderão ao modelo preestabelecido pela masculinidade hegemônica, que possui o apreço pelo esporte como algo naturalizado na construção de suas identidades, levando-se em consideração os mecanismos de exclusão associados ao esporte e à consolidação do modelo dominante hegemônico - de masculinidade. Uma prática de exclusão, a partir de um jogo de futebol na escola, é capaz de gerar entre os sujeitos excluídos, uma cultura de desapreço e desprezo pela prática de esportes, podendo até ir além do espaço escolar, sendo levada para toda a vida. Sexualidade e masculinidades Apresentamos abaixo três relatos retirados do diário de campo 7 : Durante o recreio, na fila do refeitório, meninos brincavam de apertar o pênis e o testículo uns dos outros. A funcionária de apoio, responsável pela limpeza, ao perceber a brincadeira indaga: tem alguém que é bicha aqui nessa fila? Deixa a professora de vocês saber de uma coisa dessas.... Ignorando a bronca os meninos seguem com a brincadeira até perceberem a presença do pesquisador homem na observação da cena, quando logo em seguida pararam com a brincadeira, mostrando-se envergonhados (Diário de campo em 09/03/2012). Durante a aula, o aluno Claudio, usando uma calça jeans bem justa, circula pela sala, e é repreendido pela professora: Claudio você só está em pé para que todo mundo veja o seu bumbum grande nesta calça apertada, não é?. O aluno ri e senta envergonhado. A professora fala para a turma: o mundo realmente está ficando gay, porque só o que eu vejo são homens com calças justas e eu acho ridículo (Diário de campo em 14/05/2012). Na fila dos meninos, para voltar à sala de aula após o recreio, Gabriel recebe de Sandro uma massagem nas costas, em meio a uma brincadeira de sentir cócegas. Os outros meninos da turma que estão na fila percebem e começam a rir da situação. Sandro, sem graça, para a massagem imediatamente e Gabriel afirma para os outros meninos que era só uma brincadeira. A turma volta em fila para sala com todos rindo e debochando dos dois alunos (Diário de campo em 28/05/2012). Podemos perceber, assim, que qualquer indício de desvio da norma heterossexual estará suscetível a uma prática de exclusão, conforme se constatou nos três fragmentos apresentados. Seja na brincadeira 'subversiva' realizada pelos meninos durante o recreio, seja na linguagem sexista e homofóbica, apresentada pela professora sobre a calça de 122

10 um aluno, ou nos risos e deboches dos alunos, frente a uma maior aproximação entre dois sujeitos masculinos, as representações de masculinidades encontram-se sob total atenção daqueles e daquelas que procuram mantê-la dentro de um padrão e de uma coerência, ajustados às noções de heteronormatividade, tão ressaltadas pela sociedade, de uma maneira geral. Segundo Butler (2010): [...] as normas regulatórias do "sexo" trabalham de uma forma performativa para constituir a materialidade dos corpos e, mais especificamente, para materializar o sexo do corpo, para materializar a diferença sexual a serviço da consolidação do imperativo heterossexual (p. 111). Para Louro (2000), a produção da heterossexualidade masculina pautada na masculinidade hegemônica - é acompanhada da rejeição à homossexualidade, havendo também, historicamente, uma articulação muito forte entre masculinidade e sexualidade, quando comparada ao gênero feminino, conforme constatado no primeiro e no terceiro relato. A homofobia funciona como um obstáculo a uma maior aproximação entre homens, como também aos gestos e comportamentos autorizados para um 'macho', fazendo com que meninos e homens sejam vigilantes e cautelosos nas suas ações e em suas relações entre pares. A autora complementa: Esse sentimento, experimentado por mulheres e homens, parece ser mais fortemente incutido na produção da identidade masculina. Na cultura brasileira, a manifestação de afetividade entre meninos e homens é alvo de uma vigilância muito mais intensa do que entre as meninas e mulheres. De modo especial, as expressões físicas de amizade e de afeto entre homens são controladas, quase impedidas, em muitas situações sociais (p. 81). Tecendo um olhar omnilético sobre os relatos apresentados, percebe-se que há uma resistência nos meninos em apresentarem-se e apropriarem-se a todo o momento de características pertencentes à masculinidade hegemônica. Embora tenham consciência de que poderiam ser chamados à atenção, os alunos no primeiro excerto só param com a brincadeira após perceberem um olhar masculino sobre a atitude de apertarem o pênis e o testículo uns dos outros; no segundo excerto o uso da calça justa só é visto como algo 'problemático' quando a professora chama a atenção e expõe os seus valores sobre homens que usam calças justas; e por fim, na terceira situação apresentada, caso não houvesse a chacota dos outros alunos, a brincadeira de massagem e cócegas continuaria ocorrendo normalmente entre os dois meninos. Novas masculinidades, resistentes ao modelo hegemônico, manifestam-se a todo o momento, contestando a sua hierarquização e os mecanismos de exclusões impostos pela mesma. A escola deveria ser um ambiente, no mínimo, inclusivo e acolhedor, e não um palco de discriminações e exclusões às diversidades apresentadas pelos alunos em suas expressões de identidades, em particular quando a sexualidade é colocada em evidência, como afirma Freitas (2009). Neste contexto, o autor também complementa: No que diz respeito ao gênero, pensamos que seja essencial à vida humana que cada qual possa, sem constrangimentos ou medos, viver sua identidade de gênero, sem aniquilar suas subjetividades, nem limitar suas possibilidades ou tampouco escandalizar os hipócritas. É preciso, sim, que tenham o direito de ser e de se 123

11 sentirem iguais, em valor como ser humano, nas sociedades em que vivem (p.171). Considerações finais As representações e construções de masculinidades entre os meninos das turmas investigadas, de acordo com os dados apresentados, estiveram a todo o momento, em suas expressões, influenciadas pelos processos de inclusão/exclusão. O espaço escolar se mostra como uma das principais instâncias produtoras de identidades generificadas, e no tocante às masculinidades, como um local no qual a vigilância e a regulação se fazem presentes no intuito de manter o modelo hegemônico de masculinidade como o principal a ser seguido por meninos e jovens, ao firmarem-se como homens em nossa sociedade. Acreditamos que a modificação ou a construção de novas culturas de inclusão relacionadas às questões de gênero no espaço escolar, em especial ao reconhecimento de diversas e múltiplas masculinidades, que se diferenciem de e contestem - sua forma hegemônica, mostra-se como o principal fator de mudança e de combate aos processos de exclusões, influenciando políticas e práticas escolares na busca incansável e incessante pelo movimento, sempre dialético e complexo, da inclusão no contexto educacional. 1 Raewyn Connell é uma mulher transexual. Seus principais trabalhos, entre as décadas de 80 e início dos anos 2000, foram escritos pelo nome de Robert W. Connell. 2 Disponível em < > Acesso em: 13 de Outubro de O bairro de Vila de Cava situa-se na região leste do município de Nova Iguaçu, próximo ao limite com a divisa de Duque de Caxias, município também pertencente à Baixada Fluminense e localizado no entorno direto da tradicional Reserva Biológica Federal de Tinguá. É uma região que possui sérios problemas em saneamento básico e no investimento de políticas públicas em educação (VIÉGAS, 2006). 4 As falas dos sujeitos participantes da pesquisa serão destacadas do texto e apresentadas em itálico. 5 Havia uma carência de professores de educação física na escola investigada, durante o período da pesquisa. 6 Os nomes apresentados são fictícios preservando o anonimato dos sujeitos. 7 Os relatos retirados do diário de campo estão descritos com as datas referentes ao dia da observação. Referências ANDRÉ, Marli Elisa. A etnografia da prática escolar. 16ª ed. Campinas: Papirus, BOOTH, Tony; AINSCOW, Mel. Index Para a Inclusão: Desenvolvendo a aprendizagem e a participação na escola. Traduzido por: Mônica Pereira dos Santos. Produzido pelo LaPEADE, BRITO, Leandro Teofilo de; SANTOS, Mônica Pereira dos. Masculinidades na Educação Física escolar: um estudo sobre os processos de inclusão/exclusão. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 27, n.2, p , BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão de identidade. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, CARVALHO, Marília Pinto de. Gênero na sala de aula: a questão do desempenho escolar. In: MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa; CANDAU, Vera Maria (Orgs.). Multiculturalismo: Diferenças Culturais e 124

12 Práticas Pedagógicas. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2008, p CONNELL, Robert. Políticas da masculinidade. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p jul./dez., CONNELL, Robert. Masculinidades. México: UNAM-PUEG, CONNELL, Raewyn.; MESSERSCHIMIDT, James W. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n.1, p , janeiro-abril/2013. DUNNING, Erik. O desporto como área masculina reservada: notas sobre os fundamentos sociais da identidade masculina e as suas transformações. In: ELIAS, Norbert. (Org.). A busca da excitação. Lisboa: Diefel, 1992, p FREITAS, José Guilherme de Oliveira. Inclusão e Gênero. In: SANTOS, Mônica Pereira dos; FONSECA, Michele Pereira de Souza da; MELO, Sandra Cordeiro de. (Orgs.). Inclusão em Educação: diferentes interfaces. Curitiba: Editora CRV, 2009, p LOURO, Guacira Lopes. Currículo, gênero e sexualidade. Porto: Editora Porto, PAECHTER, Carrie. Meninos e Meninas: aprendendo sobre masculinidades e feminidades. Porto Alegre: Artmed, PEREIRA, Erik Giuseppe Barbosa. Discutindo gênero, corpo e masculinidade. In: ROMERO, Elaine; PEREIRA, Erik Giuseppe Barbosa (Org.). Universo do corpo: masculinidades e feminilidades. Rio de Janeiro: Shape, 2008, p SANTOS, Mônica Pereira dos. Dialogando sobre inclusão em educação: contando casos (e descasos). Curitiba: Editora CRV, SANTOS, Mônica Pereira dos. Inclusão pela educação: gênero, etnia e juventude. In: MELO, Vítor; TAVARES, Carla (Orgs.). O Exercício Reflexivo do Movimento: educação física, lazer e inclusão social. Rio de Janeiro: Shape. 2006, p SANTOS, Mônica Pereira dos. Inclusão. In: SANTOS, Mônica Pereira dos; FONSECA, Michele Pereira de Souza da; MELO, Sandra Cordeiro de. (Org.). Inclusão em Educação: diferentes interfaces. Curitiba: Editora CRV, 2009, p SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p , julho/dezembro, SILVA JUNIOR, Paulo Melgaço da. A construção social das masculinidades no ambiente escolar: uma visão de masculinidades possíveis nas periferias urbanas. Revista Sensus, v.1, n2, p , SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2ª. ed. 11ª reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, VIÉGAS, Rodrigo Nuñez. Desigualdade Ambiental e Zonas de Sacrifício. Rio de Janeiro: FASE/IPPUR, Recebido em 25 de novembro de Aceito em 09 de fevereiro de

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS OLIVEIRA, Márcio de (UEM) MAIO, Eliane Rose (UEM) INTRODUÇÃO A proposta central desse

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, CURRÍCULO E CIDADANIA: O CASO DO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, CURRÍCULO E CIDADANIA: O CASO DO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS EDUCAÇÃO AMBIENTAL, CURRÍCULO E CIDADANIA: O CASO DO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS Cleonice Puggian - Doutora em Educação, Universidade de Cambridge. Docente do Programa de Ensino das Ciências na Educação

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n.

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. 23 Introdução A maternidade tem se constituído cada vez

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS.

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. Michele Ignacio Pires Orientadora: Profª Drª Aura Helena Ramos

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

AS RELAÇÕES DE PODER, GÊNERO E SEXUALIDADES ENTRE DISCENTES E DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA - UEPG, PARANÁ.

AS RELAÇÕES DE PODER, GÊNERO E SEXUALIDADES ENTRE DISCENTES E DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA - UEPG, PARANÁ. OLIVEIRA, Fábia A. S. Acadêmica do curso de Bacharelado em Geografia e Aluna pesquisadora do Grupo de Estudos Territoriais GETE, Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG, fabialessandra.geo@gmail.com

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOBRE GÊNERO DE PROFESSORAS ALFABETIZADORAS: "NORMAL" E O "ANORMAL"

REPRESENTAÇÃO SOBRE GÊNERO DE PROFESSORAS ALFABETIZADORAS: NORMAL E O ANORMAL REPRESENTAÇÃO SOBRE GÊNERO DE PROFESSORAS ALFABETIZADORAS: "NORMAL" E O "ANORMAL" Claudiane de Souza Almeida 1 (FaE-UFMG) Em diversos espaços sociais e de diferentes formas crianças, jovens e adultos,

Leia mais

A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR

A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR Carla de Oliveira Romão 1 Resumo: O presente artigo problematiza os sentidos de gênero nas pesquisas do campo educacional. Tendo como marco do estudo

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA SILVA, Sueley Luana da Especialista em Geografia do Brasil pela UFG/CAC, aluna do Programa de Mestrado em Geografia/UFG/CAC/Bolsista Capes.

Leia mais

A REFLEXIVIDADE DOS FORMADORES DE PROFESSORES DIANTE DAS POLÍTICAS DE INCLUSÃO DE UNIVERSIDADES PÚBLICAS

A REFLEXIVIDADE DOS FORMADORES DE PROFESSORES DIANTE DAS POLÍTICAS DE INCLUSÃO DE UNIVERSIDADES PÚBLICAS 226 A REFLEXIVIDADE DOS FORMADORES DE PROFESSORES DIANTE DAS POLÍTICAS DE INCLUSÃO DE UNIVERSIDADES PÚBLICAS Alline do Nascimento dos Santos Giselle de Oliveira Araujo Manoella Senna Michele Pereira de

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

GÊNERO E DIVERSIDADE: REFLEXÕES PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO ESCOLAR

GÊNERO E DIVERSIDADE: REFLEXÕES PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO ESCOLAR GÊNERO E DIVERSIDADE: REFLEXÕES PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO ESCOLAR Girlani de Lima Aylla Milanez Pereira Edna Maria do Nascimentos Silva Janiely Macedo de Vasconcelos Wanessa Costa Santos Universidade Federal

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR Evelyn Santos Pereira Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Luterana do Brasil e Secretaria de Educação,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás Corpos em cena na formação crítica docente Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás 1 Nosso trabalho na perspectiva crítica Objetivo: problematizar questões sociais e relações desiguais de poder

Leia mais

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Deiseane Louise Santos Oliveira (PPGE/UFAL) Resumo A preocupação com a temática surgiu a partir de uma prática interventiva em que atuei como bolsista

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL PACÍFICO, Juracy Machado/UNIR 1 RESUMO: O texto aborda a temática das diferenças étnico-raciais e socioculturais presentes também nas escolas de educação

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE 399 A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE Maryana Barrêtto Pereira¹; Solange Mary Moreira Santos² e Kamilla de Fátima Magalhães

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA Resumo Gisele Brandelero Camargo 1 - UEPG Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

Palavras-chave: Currículo, educação inclusiva; formação de professores. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Palavras-chave: Currículo, educação inclusiva; formação de professores. CONSIDERAÇÕES INICIAIS FORMAÇÃO DOCENTE E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM OLHAR SOBRE O CURRÍCULO DO ENSINO SUPERIOR EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Cibele Barbosa de Araujo Santana (Universidade Estadual de Feira de Santana - Bolsista de Mestrado

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO EM LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NO ESTADO DO MARANHÃO Mauro Guterres Barbosa Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Palavras-Chave: Currículo, Escolas democráticas, Multiculturalismo, Formação de professores.

CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES. Palavras-Chave: Currículo, Escolas democráticas, Multiculturalismo, Formação de professores. CURRÍCULO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Sérgio Donizeti Mariotini (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: O presente artigo levanta reflexões sobre a formação do currículo no Brasil a partir da influência

Leia mais

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia Diversidade, ensino de História e as práticas educativas na Educação Básica: uma abordagem histórica. ROSYANE DE OLIVEIRA ABREU A escola pública brasileira enfrenta hoje grandes desafios. A começar pela

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS Nilson Sousa Cirqueira 1 - UESB José Valdir Jesus de Santana 2 - UESB Grupo de Trabalho - Educação da Infância Agência Financiadora: Não

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

ORIENTAÇÃO SEXUAL NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

ORIENTAÇÃO SEXUAL NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DISJUNÇÕES DA SEXUALIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS E NOS PROJETOS ESCOLARES DE EDUCAÇÃO SEXUAL Denise da Silva Braga UERJ Agência Financiadora: CNPQ Os discursos atuais sobre a sexualidade

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR E INDISCIPLINA

FORMAÇÃO DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR E INDISCIPLINA FORMAÇÃO DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR E INDISCIPLINA CAVALHEIRO, Roberto PUC/PR r_cavalheiro@hotmail.com SIMON, Ingrid FADEP ingridsimon02@hotmail.com Eixo Temático: Formação de Professores e Profissionalização

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Rosana Maria Gessinger Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS rosana.gessinger@pucrs.br Valderez Marina

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

É DE MENINO, DE MENINA OU DE QUEM QUISER? ARTE E DIÁLOGOS ENTRE CRIANÇAS.

É DE MENINO, DE MENINA OU DE QUEM QUISER? ARTE E DIÁLOGOS ENTRE CRIANÇAS. É DE MENINO, DE MENINA OU DE QUEM QUISER? ARTE E DIÁLOGOS ENTRE CRIANÇAS. Poliane Lacerda Fonseca 1 Ainda hoje estudos sobre identidades de gênero na infância são escassos. Entretanto, se desde essa etapa

Leia mais

EDUCAÇÃO E GÊNERO: UMA ABORDAGEM SOBRE MENINOS E MENINAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

EDUCAÇÃO E GÊNERO: UMA ABORDAGEM SOBRE MENINOS E MENINAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO E GÊNERO: UMA ABORDAGEM SOBRE MENINOS E MENINAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MORAIS, Elyziane Rhaquel Araújo UNINTER DUARTE, Lívia Maria Serafim FIP A escola é perpassada por questões de gênero e que

Leia mais

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Bianca das Neves Silva Professora da rede municipal de Jundiaí Profa. Dra. Luciene Farias de Melo Coord. do Curso de Educação Física da Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO

A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO Ideojane Melo Conceição 1 - UNEB Grupo de trabalho - Educação e Direitos Humanos Agencia

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE...

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... Cintia Cristina de Castro Mello EMEF Alberto Santos Dummont RESUMO Este relato apresenta o trabalho desenvolvido no EMEF Alberto Santos Dumont, com as turmas 1ª e 3ª séries

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA E A PRÁTICA NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO MUNICIPAL DE MANAUS

POLÍTICA PÚBLICA E A PRÁTICA NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO MUNICIPAL DE MANAUS POLÍTICA PÚBLICA E A PRÁTICA NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO MUNICIPAL DE MANAUS Luzia Mara dos Santos - UFAM Maria Almerinda de Souza Matos - UFAM Agência Financiadora: CAPES Resumo:

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA *Sandra Rejane Silva Vargas **Luiz Fernandes Pavelacki RESUMO O presente trabalho tem como principal objetivo identificar qual a importância

Leia mais

A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS FURTADO, Claudia Mendes de Abreu Graduada em História pela UFPE, Especialista em Educação de Jovens e Adultos pela

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade 251 No contexto de um Sistema Nacional Articulado de Educação e no campo das políticas educacionais, as questões que envolvem

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO.

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL HILDA TEIXEIRA GOMES VILMA GOMES SAMPAIO ctbiha@rioeduca.net INSTITUTO MUNICIPAL HELENA ANTIPOFF 1 INTRODUÇÃO Pensando em uma escola

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú Fernando Deodato Crispim Junior 1 ; Matheus dos Santos Modesti 2 ; Nadia Rocha Veriguine 3 RESUMO O trabalho aborda a temática da

Leia mais

O OLHAR DAS CRIANÇAS SOBRE A ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL

O OLHAR DAS CRIANÇAS SOBRE A ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL O OLHAR DAS CRIANÇAS SOBRE A ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL Resumo DEBOVI, Andreia Kirsch UNISUL andreiadebovi@branet.com.br GOULART, Mariléia Mendes UNISUL marileia.goulart@unisul.br Eixo Temático: Didática:

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

O BRINCAR E A SEGREGAÇÃO DE GÊNERO NA ESCOLA: UMA ANÁLISE DO DOCUMENTO GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLA

O BRINCAR E A SEGREGAÇÃO DE GÊNERO NA ESCOLA: UMA ANÁLISE DO DOCUMENTO GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLA O BRINCAR E A SEGREGAÇÃO DE GÊNERO NA ESCOLA: UMA ANÁLISE DO DOCUMENTO GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLA Samatha Cristina Macedo Périco (PICV), Maria Cristina Simeoni (Orientadora), e-mail gestaoadm@hotmail.com.

Leia mais

SEXUALIDADE, GÊNERO E MÍDIA: PROJETO DE EDUCAÇÃO SEXUAL COM ESTUDANTES DE COMUNICAÇÃO E PSICOLOGIA 1

SEXUALIDADE, GÊNERO E MÍDIA: PROJETO DE EDUCAÇÃO SEXUAL COM ESTUDANTES DE COMUNICAÇÃO E PSICOLOGIA 1 SEXUALIDADE, GÊNERO E MÍDIA: PROJETO DE EDUCAÇÃO SEXUAL COM ESTUDANTES DE COMUNICAÇÃO E PSICOLOGIA 1 [2013] Marcela Pastana. Psicóloga. Mestranda em Educação Escolar. Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é OS SURDOS : SUJEITOS DE UMA CULTURA PRÓPRIA NUM ESPAÇO MULTICULTURAL? Valéria Simplício 1 (Faculdade São Luís de França) RESUMO O presente trabalho procura fazer uma reflexão acerca da relação entre a

Leia mais

Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar

Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar Juliana Keller Nogueira, Delton Aparecido Felipe, Teresa Kazuko Teruya (UEM) Educação escolar, formação de

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA E ESCOLA REGULAR: PONTOS E CONTRAPONTOS DA PROPOSTA

EDUCAÇÃO INCLUSIVA E ESCOLA REGULAR: PONTOS E CONTRAPONTOS DA PROPOSTA ARTIGO 1 EDUCAÇÃO INCLUSIVA E ESCOLA REGULAR: PONTOS E CONTRAPONTOS DA PROPOSTA 1 FERNANDES, Ivani Márcia da Costa. RESUMO: A educação inclusiva é pauta de pesquisas, projetos, documentos e debates variados

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais