O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto. José António Sarsfield Cabral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto. José António Sarsfield Cabral"

Transcrição

1 O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto José António Sarsfield Cabral

2 Estrutura da apresentação A Universidade do Porto Introdução Contexto Dificuldades na Gestão da Qualidade no ES Conceitos Qualidade Garantia da Qualidade Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade na U.Porto A avaliação institucional A avaliação dos cursos A avaliação científica 2

3 A Universidade do Porto é a maior universidade portuguesa e uma das mais prestigiadas instituições de ensino superior e investigação científica de Portugal. 3

4 3 Pólos Universitários 14 Faculdades 1 Business School 4

5 1 854 Docentes ETI Funcionários não-docentes 5

6 Estudantes licenciatura mestrado integrado 3421 mestrado doutoramento 6

7 69 Unidades de Investigação 31 Unidades de Investigação com classificação Excelente ou Muito Bom 13 Laboratórios Associados ao Estado 7

8 Introdução Contexto Pressões financeiras resultantes da expansão do Ensino Superior (ES) governos mais atentos à eficácia das instituições de ES Elevada competição por recursos (financeiros, estudantes, ) Crescente dimensão e complexidade dos sistemas de ensino superior com autonomia crescente como forma de agilização do sistema. Em troca: maior transparência na prestação de contas (accountability) mais garantia da Qualidade (quality assurance) Na Europa, pressões competitivas externas: evolução da quality assurance para a acreditação estratificação dos sistemas de ensino superior necessidade de reconhecimento que garanta um posicionamento favorável nos rankings internacionais 8

9 Introdução Dificuldades (na Gestão da Qualidade) Multidimensionalidade e complexidade do conceito de Qualidade nas instituições de ES Variedade dos actores e interesses envolvidos: - poder político, agências e departamentos estatais - professores, staff, alunos, empregadores, associações profissionais, etc. Diversidade potencial nos objectivos: - accountability interna e externa - melhoria de qualidade Diversidade potencial das implicações: - no financiamento - na capacidade de atracção de bons professores e alunos 9

10 Introdução Dificuldades (continuação) Universidade uma não-organização «gerir uma universidade é como conduzir um rebanho de gatos» - requer liderança - necessidade de envolvimento colectivo - necessidade de muita informação proveniente de múltiplas fontes 10

11 Conceitos O Conceito de Qualidade De uma forma simples: A Qualidade resulta da relação entre as expectativas (requisitos, especificações, desejos, necessidades, etc.) e os resultados 11

12 Conceitos A Gestão da Qualidade GARANTIA DA QUALIDADE (rigor, disciplina, procedimentos, estabilidade) MELHORIA CONTÍNUA (liberdade, criatividade, responsabilidade, autocontrolo, autonomia) A conciliação destes dois aspectos quase antagónicos requer liderança! A Gestão da Qualidade não acontece espontaneamente! 12

13 Gestão da Qualidade na U.Porto Os Pilares Ao nível central foi crida uma unidade (serviço de Melhoria Contínua) que é responsável por planear e controlar o Sistema de Gestão da Qualidade O sistema tem por objectivo: Promover uma cultura de Qualidade, suportada: Num sistema de informação, integrado e modular, suportado por uma base de dados relacional (SIGARRA) O sistema foi desenhado como uma ferramenta/infra-estrutura que facilita o cumprimento de procedimentos, promove boas práticas e fornece informação relevante para a melhoria. Os resultados obtidos são excelentes em termos da melhoria da Qualidade da informação e da Qualidade organizacional Na avaliação institucional de cada Faculdade e da Universidade como um todo (de 4 em 4 anos) Na avaliação dos cursos (anual) Na avaliação científica (de 4 em 4 anos) 13

14 Avaliação Institucional Princípio geral A avaliação institucional da U.Porto baseia-se no principio da auditoria académica (que, ao contrário do assessment, não procura avaliar directamente a qualidade) Foca-se nos processos que se acredita produzirem Qualidade e nas metodologias para a controlar/melhorar Na auditoria académica assume-se que as unidades orgânicas avaliam a Qualidade dos seus programas de ensino e de investigação (internal quality assessment). Um dos objectivos principais da auditoria é, justamente, verificar a eficácia dos procedimentos de avaliação em prática nas instituições 14

15 Avaliação Institucional Princípios gerais (continuação) Na avaliação institucional não se procura medir directamente a qualidade atingida, mas sobretudo a qualidade do sistema de planeamento, controlo e melhoria! No âmbito da sua autonomia, as Faculdades podem adoptar ou certificar-se por qualquer referencial: Normas ISO 9000:2000 Modelo EFQM (European Foundation for Quality Management) Modelo ABET (Leadership and Quality Assurance in Applied Science, Computing, Engineering, and Technology) ModeloEQUIS(European Quality Improvement System) para as escolas de Gestão e Negócios 15

16 Avaliação Institucional O processo de avaliação institucional Passos 1. Auto-avaliação Oportunidade para promover internamente uma profunda e frutífera reflexão e debate Estímulo para rever os processos e mecanismos de assegurar e melhorar qualidade Identificação de áreas de melhoria 2. O relatório de auto-avaliação Traduz as conclusões da auto-avaliação, nomeadamente: Os mecanismos internos de monitorização A capacidade da instituição para mudar O plano de melhoria 3. Avaliação externa (visita academic review) Juízo independente assente na revisão das várias dimensões consideradas na autoavaliação 16

17 Avaliação Institucional O processo de avaliação (continuação) Na Universidade do Porto este processo está a ser conduzido em duas etapas: 1) Auto-avaliação de cada uma das 14 Faculdades A avaliação externa de cada Faculdade é efectuada por uma Comissão de Avaliação de outra Faculdade Cada Faculdade produz um plano de melhoria 2) A auto-avaliação da Universidade (globalmente) Traduz as conclusões da auto-avaliação das 14 Faculdades A avaliação externa é efectuada por uma agência internacional credível (por exemplo a EUA) 17

18 Avaliação Institucional O Guião de autoavaliação das Faculdades Foca-se: Na estrutura institucional (modelo de governo, etc.) Nos processos de decisão Na relevância dos processos e mecanismos internos de monitorização e de melhoria da qualidade (incluindo as suas fraquezas) Utiliza: A análise SWOT como ferramenta de suporte, conduzida à luz da missão e dos objectivos da U.Porto e de cada Faculdade Exige: Um plano de melhoria para cada Faculdade 18

19 Avaliação Institucional A avaliação externa Comissões de Avaliação externa Os auditores não avaliam o desempenho académico: O foco está na eficácia do processo que a Faculdade implementou para garantir e melhorar a qualidade A auditoria centra-se na comparação/confronto entre práticas e objectivos Exemplo: Novo curso a auditoria deverá avaliar, aos vários níveis, a forma como o currículo foi planeado, desenhado e aprovado (os procedimentos utilizados e a sua estabilidade) 19

20 Avaliação de Cursos Objectivos gerais Objectivos do processo de monitorização e avaliação de cursos (1ºe 2º ciclos): permitir formular juízos fundamentados acerca da qualidade dos cursos promover o seu aperfeiçoamento desenvolver uma cultura institucional de melhoria contínua O sistema, que foi testado durante alguns anos na Faculdade de Engenharia com base nos requisitos de avaliação dos cursos do CNAVES, será generalizado a toda a Universidade no próximo ano lectivo (2008/09) 20

21 Avaliação de Cursos Princípios gerais A responsabilidade da avaliação pertence aos Directores de curso (1º ciclo) e aos Directores de ciclos de estudo (2º ciclo e mestrado integrado) Os Directores de curso produzem anualmente um Relatório de Curso que submetem ao Conselho Pedagógico. O Relatório de Curso é produzido de uma forma semiautomática no SIGARRA através de uma aplicação específica Em cada uma das Faculdades é redigido um relatório de síntese, que resulta da agregação dos relatórios dos cursos (que possuem todos a mesma estrutura) Este processo é monitorizado a nível central (Reitoria) 21

22 Avaliação de Cursos Relatório de avaliação dos Cursos (continuação) 22

23 Avaliação de Cursos Relatório de avaliação dos Cursos (continuação) 23

24 Avaliação de Cursos Procedimento Geral de avaliação dos Cursos Este procedimento será submetido ao Senado da U.Porto para aprovação, em Março de 2008 i. Elaboração dos Relatórios de Curso e de propostas de melhoria, pelos respectivos Directores ii. Apreciação pelo Conselho Pedagógico dos Relatórios de Curso e dos planos de melhoria iii. Apreciação pelos Conselhos Científicos e pelo Conselhos Directivos das acções a empreender para a melhoria dos cursos, com definição de objectivos e imputação de responsabilidades iv. Elaboração do Relatório Síntese pela Direcção da Faculdade e do respectivo plano global de melhoria v. Apresentação do Relatório Síntese e do plano global de melhoria à Reitoria da Universidade do Porto 24

25 Avaliação Científica Procedimento As 69 actuais unidades de investigação da U.Porto são avaliadas periodicamente (aproximadamente de 4 em 4 anos): A entidade avaliadora é FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia organismo pertencente ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior A FCT recorre a painéis que maioritariamente formados por peritos internacionais Os resultados da avaliação têm consequências muito importantes ao nível do funcionamento das unidades 25

A Gestão da Qualidade no contexto universitário:

A Gestão da Qualidade no contexto universitário: A Gestão da Qualidade no contexto universitário: a experiência da U.Porto José António Sarsfield Cabral 22.10.2008 1 Estrutura da apresentação O contexto Dificuldades na Gestão da Qualidade no ES Alguns

Leia mais

Nova versão do procedimento de Monitorização e Avaliação dos Primeiros e Segundos Ciclos de Estudo e de Mestrado Integrado Universidade do Porto

Nova versão do procedimento de Monitorização e Avaliação dos Primeiros e Segundos Ciclos de Estudo e de Mestrado Integrado Universidade do Porto Nova versão do procedimento de Monitorização e Avaliação dos Primeiros e Segundos Ciclos de Estudo e de Mestrado Integrado Universidade do Porto Serviço de Melhoria Contínua Universidade do Porto 26 de

Leia mais

ANEXO II RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO IPS

ANEXO II RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO IPS ANEXO II RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO IPS Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade Orgânica

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

Panel Modelos de Gestión de la Calidad del Postgrado y el Doctorado. Experiencias institucionales

Panel Modelos de Gestión de la Calidad del Postgrado y el Doctorado. Experiencias institucionales Panel Modelos de Gestión de la Calidad del Postgrado y el Doctorado. Experiencias institucionales Gestão da qualidade da pós-graduação a experiência da Universidade de Aveiro Teresa Bettencourt tbett@ua.pt

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

SIADAP LEI N.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro

SIADAP LEI N.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro Âmbito de aplicação (art.º 2.º) SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SIADAP Âmbito genérico de aplicação: - Administração directa do Estado; - Administração

Leia mais

Manual do Processo de Monitorização da Auto- Avaliação da ESCS

Manual do Processo de Monitorização da Auto- Avaliação da ESCS Manual do Processo de Monitorização da Auto- Avaliação da ESCS O processo de monitorização das U.C. tem como objectivo apreciar a percepção dos estudantes sobre o funcionamento das U.C. pertencentes ao

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade 1 Conceitos da qualidade Modelo de excelência Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa/Escola Superior do Vale do Ave European Foundation of Quality Management 2 MODELO EFQM DE EXCELÊNCIA NA GESTÃO -Como

Leia mais

Modelos de Contabilidade Analítica nas Universidades Portuguesas

Modelos de Contabilidade Analítica nas Universidades Portuguesas Modelos de Contabilidade Analítica nas Universidades Portuguesas O c a s o d a U n i v e r s i d a d e d e C o i m b r a Índice 1 Contexto 2 O conceito de Contabilidade Analítica 3 O caso da Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR 22-03-2007 O Programa do XVII Governo Constitucional identificou, como objectivos para a política de ensino superior, de entre outros, a melhoria da qualidade

Leia mais

Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira

Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira Regulamento do Sistema Interno de Garantia da Qualidade da Universidade da Madeira Preâmbulo A garantia de qualidade pode descrever se como a atenção sistemática, estruturada e contínua à manutenção e

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) Versão de 17 de maio de 2012 1 CARACTERIZAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS A.1. Instituição

Leia mais

Qualidade da Gestão de Educação Contínua no Ensino Superior: Caso de Estudo e o Projecto DAETE

Qualidade da Gestão de Educação Contínua no Ensino Superior: Caso de Estudo e o Projecto DAETE Qualidade da Gestão de Educação Contínua no Ensino Superior: Caso de Estudo e o Projecto DAETE Alfredo Soeiro 1 Universidade do Porto avsoeiro@fe.up.pt O caso de estudo de qualidade na gestão de educação

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Manual do Sistema Interno de Garantia da Qualidade

Manual do Sistema Interno de Garantia da Qualidade Manual do Sistema Interno de Garantia da Qualidade ESSATLA Escola Superior de Saúde Atlântica 2017 GAQ-Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade Índice 1 Âmbito e objetivos... 3 2 Enquadramento normativo...

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade CURSOS DE NEUROFISIOLOGIA/ CARDIOPNEUMOLOGIA 1 Conceitos da qualidade Modelo de excelência Escola Superior de Saúde do Vale do Ave 2 1 Conceitos da qualidade 3 1 Conceitos da qualidade 4 1 Conceitos da

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade CURSOS DE NEUROFISIOLOGIA/ CARDIOPNEUMOLOGIA 1 Conceitos da qualidade Modelo de excelência Escola Superior de Saúde do Vale do Ave 2 1 Conceitos da qualidade MODELO EFQM DE EXCELÊNCIA NA GESTÃO -Como uma

Leia mais

AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST

AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST 1 Marta Pile Área de Estudos e Planeamento Cecília Moreira Área para Qualidade e Auditoria Interna Workshop sobre Qualidade no Ensino

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular.

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. O MODELO DE AUTO-AVALIA AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. ESRDL/CREM CREM/Carlos Carlos Carvalho 1 Interacção Sociedade-Escola Escola-NTI Vivemos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

Qualidade: do mundo empresarial ao Ensino Superior

Qualidade: do mundo empresarial ao Ensino Superior Qualidade: do mundo empresarial ao Ensino Superior José António Sarsfield Cabral Universidade do Porto Garantia da Qualidade e Acreditação Universidade de Coimbra, Auditório da Reitoria 30092009 1 Os conceitos

Leia mais

Avaliação Institucional para as Instituições de Ensino Superior

Avaliação Institucional para as Instituições de Ensino Superior Avaliação Institucional para as Instituições de Ensino Superior II Congresso Internacional Desafios da Qualidade em Instituições de Ensino novos referenciais para a avaliação das organizações educativas

Leia mais

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. A METODOLOGIA EFQM E O QUESTIONÁRIO PARA AUTO- AVALIAÇÃO... 4 3. A METODOLOGIA EM PROJECTOS

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia Isabel Catarina Abreu Rodrigues Conselho Regional para a Modernização Administrativa 19 de Outubro de 2005

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) 1 Índice I Disposições Legais...3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

VISÃO GERAL uma das mais prestigiadas instituições de ensino e investigação melhores universidades da Europa uma das mais prestigiadas

VISÃO GERAL uma das mais prestigiadas instituições de ensino e investigação melhores universidades da Europa uma das mais prestigiadas PORTUGAL 2014 VISÃO GERAL A Universidade do Porto é uma das mais prestigiadas instituições de ensino e investigação científicas portuguesas, classificada entre as 100-150 melhores universidades da Europa.

Leia mais

Principais alterações ISO 14001:2015

Principais alterações ISO 14001:2015 Principais alterações ISO 14001:2015 André Ramos Diretor de Marketing Agenda Comissão Técnica O processo de revisão da ISO 14001 Orientações para Revisão Inquérito aos utilizadores Calendário Alterações

Leia mais

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva Gestão da Qualidade 1 Índice Introdução... 3 Objectivo geral... 4 Objectivos específicos... 4 Qualidade... 5 Gestão da Qualidade Total (TQM)... 6 Os princípios básicos da qualidade total são:... 7 Qualidade

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS ARTº. 1 (NATUREZA, OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO) 1. O Departamento de Engenharia

Leia mais

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB,

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, Grupo MARTIFER Um Case-Study Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, 23.11.2007 AGENDA 1.Apresentação do Grupo Martifer 2.Motivação 3.Metodologia 4.Resultados / diagnóstico

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. (Ensino Universitário)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. (Ensino Universitário) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (Ensino Universitário) Janeiro.2017 A1.1 Instituição de ensino superior A1.2 Entidade instituidora I A INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR A2

Leia mais

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos Seminário APCER Maio 2008 Agenda O Modelo CAF o que é; para que

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

O Repositorio Aberto da U.PORTO

O Repositorio Aberto da U.PORTO O Repositorio Aberto da U.PORTO Eugénia Matos Fernandes efernand@reit.up.pt Lígia Maria Ribeiro lmr@reit.up.pt 4ª Conferência sobre o Acesso Livre ao Conhecimento Universidade do Minho, Braga 26 e 27 de

Leia mais

M A R MODELO DE AVALIAÇÃO DE RISCOS

M A R MODELO DE AVALIAÇÃO DE RISCOS M A R MODELO DE AVALIAÇÃO DE RISCOS ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR ACORDO DE CAPITAL DE BASILEIA - PILAR 2 PRINCÍPIOS DESTINADOS A REFORÇAR A LIGAÇÃO ENTRE O CAPITAL INTERNO DETIDO POR UMA INSTITUIÇÃO E OS

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Liderança e Gestão Intermédia na Escola 14 15 Edição Instituto

Leia mais

Planeamento Estratégico e Qualidade: a experiência do IST

Planeamento Estratégico e Qualidade: a experiência do IST Planeamento Estratégico e Qualidade: a experiência do IST Marta Pile Área de Estudos e Planeamento/ Instituto Superior Técnico ORGANIZAÇÃO 1. SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE a) MODELO b) DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

ACEF/1213/11237 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/11237 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/11237 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C)

Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C) Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C) www.sinase.pt Márcio Rodrigues 29 de Maio de 2010 ÁREAS DE INTERVENÇÃO Áreas de Intervenção Qualidade, Ambiente,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fragoso 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fragoso

Leia mais

RELATÓRIO INICIAL SOBRE O SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DA UAL UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA LUÍS DE CAMÕES

RELATÓRIO INICIAL SOBRE O SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DA UAL UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA LUÍS DE CAMÕES RELATÓRIO INICIAL SOBRE O SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DA UAL UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA LUÍS DE CAMÕES SETEMBRO DE 2014 ÍNDICE Conteúdo 1. Objetivo do Diagnóstico... 1 2. Breve caracterização

Leia mais

Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade

Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade Conferência Qualidade ao serviço da Educação de Adultos Revisão por Pares : uma proposta inovadora? Lisboa, 4 de Maio 2017 Sistema de Certificação

Leia mais

CAPACIDADE PARA MUDAR

CAPACIDADE PARA MUDAR CAPACIDADE PARA MUDAR Carlos Carapeto Inovações Organizacionais na Administração Pública: O caso dos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) REUNIÃO NACIONAL DE DIRECTORES EXECUTIVOS DOS AGRUPAMENTOS DE

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS)

PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS) PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS) Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Despacho n.º 69/2009 de 31 Agosto -Ministra da Saúde Aprova o Modelo de

Leia mais

Base de Dados do CNAQ

Base de Dados do CNAQ Índice Base de Dados do CNAQ... 2 Módulo de Auto-Avaliação... 3 Papéis envolvidos no Modulo... 3 1. Acesso a Base de Dados... 4 2. Pedido de Acreditação... 4 3. Inicio do Processo de Auto-Avaliação...

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO SEGUNDO A NP EN ISO 22000:2005 NA APCER SEMINÁRIO: CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR. A NORMA NP EN ISO 22000

O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO SEGUNDO A NP EN ISO 22000:2005 NA APCER SEMINÁRIO: CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR. A NORMA NP EN ISO 22000 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO SEGUNDO A NP EN ISO 22000:2005 NA APCER SEMINÁRIO: CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR. A NORMA NP EN ISO 22000 19 Maio 2006 Andreia Magalhães www.apcer.pt Agenda

Leia mais

Doutoramento em Economia

Doutoramento em Economia Doutoramento em Economia 2010/2011 O Programa O Programa de Doutoramento em Economia tem como objectivo central proporcionar formação que permita o acesso a actividades profissionais de elevada exigência

Leia mais

Integração dos princípios e atividades da GESTÃO DO RISCO no Sistema de Qualidade

Integração dos princípios e atividades da GESTÃO DO RISCO no Sistema de Qualidade 1ª Edição do Curso : New RISK Assessment Paradigma in Pharma Integração dos princípios e atividades da GESTÃO DO RISCO no Sistema de Qualidade Guidelines para Medicamentos, Dispositivos Médicos e IVD O

Leia mais

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização NP 4469-1 Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização Sonia Pires APEE soniapires@apee.pt Relação com a ISO 26000 Segue o mesmo espírito:

Leia mais

Auto-avaliação de escolas e produção de conhecimento com o projecto QUALIS. Ana Moura Arroz

Auto-avaliação de escolas e produção de conhecimento com o projecto QUALIS. Ana Moura Arroz Auto-avaliação de escolas e produção de conhecimento com o projecto QUALIS Ana Moura Arroz aarroz@uac.pt 2º Colóquio Avaliação de Escolas Angra do Heroísmo 2 de Outubro, 2010 Esperar-se-ia que a realização

Leia mais

Fases do Processo de Avaliação do Desempenho Docente

Fases do Processo de Avaliação do Desempenho Docente Fases do Processo de Avaliação do Desempenho Docente 4. O CDC e o CE reúnem com cada docente avaliado e apresentam a proposta de notação a atribuir em cada item. O CE e o CDC entregam o Formulário e Relatório

Leia mais

BALANÇO DO ANO LECTIVO

BALANÇO DO ANO LECTIVO BALANÇO DO ANO LECTIVO 2015 www.isptec.co.ao Introdução No termo de mais um ano académico, torna-se imprescindível apresentar o Balanço do Ano Académico 2015, sempre no âmbito do cumprimento dos princípios

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. (Ensino Politécnico)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. (Ensino Politécnico) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (Ensino Politécnico) Janeiro.2017 A1.1 Instituição de ensino superior A1.2 Entidade instituidora I A INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR A2

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST

UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST Carla Patrocinio, Núcleo de Estatística e Prospectiva Marta Pile, Gabinete de Estudos e Planeamento 1 Sumário Novo Regime

Leia mais

da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório

da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório Regulamento da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório Capítulo I Generalidades Artigo 1.º Objecto O presente regulamento, editado com base nos artigos 74.º-A a 74.º-C do ECDU,

Leia mais

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário João Noronha ESAC/IPC 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança

Sistemas Integrados de Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança Sistemas Integrados de Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança Um SIG-QAS é um sistema global de uma organização, que inclui práticas, processos e recursos para desenvolvimento e implementação do seu

Leia mais

Formação LRQA LRQA Lisboa Portugal

Formação LRQA LRQA Lisboa Portugal Formação LRQA 2017 LRQA Portugal CONTEÚDO Qualidade Q2 Gestão da Qualidade ISO 9001:2015... P.06 Q3 Auditor Interno ISO 9001:2015... P.07 Segurança Alimentar SA1 Gestão da Segurança Alimentar ISO 22000:2005...

Leia mais

Conselho Nacional de Avaliação da Qualidade do Ensino Superior (CNAQ)

Conselho Nacional de Avaliação da Qualidade do Ensino Superior (CNAQ) 1 Conselho Nacional de Avaliação da Qualidade do Ensino Superior (CNAQ) 2 República de Moçambique Conselho Nacional de Avaliação da Qualidade do Ensino Superior (CNAQ) Regulamento dos procedimentos de

Leia mais

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos.

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. Para efeitos de implementação do Quadro de Referência Europeu de Garantia

Leia mais

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES NORMA I ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1. O presente regulamento, em conformidade com

Leia mais

Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA. Princípios internacionais

Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA. Princípios internacionais Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA. Princípios internacionais IMPACTES AMBIENTAIS 2 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2016/2017. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2016/2017. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 2016 2017 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2016/2017 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 16.11.2016 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre. Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA

Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre. Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA IMPACTES AMBIENTAIS 2 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 I - Enquadramento legal Definição do âmbito da Autoavaliação do AEFS Decreto-Lei n.º 137/2012 de 2 de julho (alteração

Leia mais

Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social

Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social Nota de Apresentação Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social (Referencial) O presente documento constitui uma proposta de referencial do processo de monitorização

Leia mais

Acção 1. Quem pode participar? Programas conjuntos de mestrado e doutoramento, incluindo um sistema de bolsas de estudo

Acção 1. Quem pode participar? Programas conjuntos de mestrado e doutoramento, incluindo um sistema de bolsas de estudo Co m i s s ã o E u r o p e i a m e s t Acção 1 Programas conjuntos de mestrado e doutoramento, incluindo um sistema de bolsas de estudo Os programas conjuntos de reconhecida qualidade académica são concebidos

Leia mais

REFERENCIAIS PARA OS SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR (Versão de outubro de 2016, adaptada aos ESG 2015)

REFERENCIAIS PARA OS SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR (Versão de outubro de 2016, adaptada aos ESG 2015) REFERENCIAIS PARA OS SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR (Versão de outubro de 2016, adaptada aos ESG 2015) Os referenciais a seguir apresentados, formulados

Leia mais

António José Mendes Ferreira

António José Mendes Ferreira INFORMAÇÃO PESSOAL António José Mendes Ferreira Covilhã (Portugal) tozeferr@hotmail.com POSTO DE TRABALHO A QUE SE CANDIDATA Docente EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL 09/12/2016 Presente Investigador CEFAGE Ano

Leia mais

Relatório da Visita. Comissão de Avaliação do IPL. 1 Introdução. Unidade Orgânica: Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Relatório da Visita. Comissão de Avaliação do IPL. 1 Introdução. Unidade Orgânica: Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Relatório da Visita Unidade Orgânica: Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Data: 14 de Dezembro de 2010 Comissão de Avaliação do IPL - Maria de Lurdes Serrazina, Vice-presidente do IPL; - Professor

Leia mais

Regulamento de criação, acreditação interna e creditação dos cursos de formação na área da educação contínua da UPorto

Regulamento de criação, acreditação interna e creditação dos cursos de formação na área da educação contínua da UPorto Regulamentos Regulamento de criação, acreditação interna e creditação dos cursos de formação na área da educação contínua da UPorto Secção Permanente do Senado de 07 de Abril de 2004 Alterado pela Secção

Leia mais

Funcionamento das Unidades Curriculares de Dissertação de Mestrado (Preparação e Elaboração)

Funcionamento das Unidades Curriculares de Dissertação de Mestrado (Preparação e Elaboração) Mestrado em Engenharia Informática Funcionamento das Unidades Curriculares de Dissertação de Mestrado (Preparação e Elaboração) Este documento descreve o regime de funcionamento das duas unidades curriculares

Leia mais

Doutoramento em História Económica e Social

Doutoramento em História Económica e Social Doutoramento em História Económica e Social 2010/2011 O Programa O Programa de Doutoramento em História Económica e Social criado pela Universidade Técnica de Lisboa em 1991 e adequado ao espaço europeu

Leia mais

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS CAPÍTULO I NATUREZA E MISSÃO Art.º 1º (Definição e âmbito) O Departamento de Produção e Sistemas da Universidade do Minho, a seguir designado por Departamento,

Leia mais

GRUPO DE HELSÍNQUIA As Mulheres e a Ciência

GRUPO DE HELSÍNQUIA As Mulheres e a Ciência GRUPO DE HELSÍNQUIA As Mulheres e a Ciência POLÍTICAS NACIONAIS SOBRE MULHERES E CIÊNCIA NA EUROPA * RESUMO * 2 Tem-se observado um interesse crescente a nível da União Europeia (UE) sobre as questões

Leia mais

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1 Encontro na Ordem 1 Aspectos a Abordar 1. Entrada em Vigor 2. Objectivos do ISQC1 3. Elementos do Sistema de Controlo de Qualidade 4. Aspectos Práticos

Leia mais

COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL.

COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL. COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL Contexto A Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral

Leia mais

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio)

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DE QUALIDADE E AMBIENTE DE ACORDO COM OS REFERENCIAIS NORMATIVOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação Organizacional sobre

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS MEDIEVAIS INDICADORES DE PRODUTIVIDADE

INSTITUTO DE ESTUDOS MEDIEVAIS INDICADORES DE PRODUTIVIDADE INSTITUTO DE ESTUDOS MEDIEVAIS INDICADORES DE PRODUTIVIDADE INVESTIGADORES INTEGRADOS DOUTORADOS (IID) 1. PRODUÇÃO CIENTÍFICA Critérios mínimos Cada investigador integrado deve cumprir, por triénio, três

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos GESTÃO de PROJECTOS para a maioria dos projectos Gestor de Projectos Luís Manuel Borges Gouveia 1 atitude positiva dos clientes (empresa, alta direcção) inter-relações e empenho geral as fases de definição

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL POLÍTICA DA QUALIDADE

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL POLÍTICA DA QUALIDADE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL POLÍTICA DA QUALIDADE Missão O IPS procura, de forma permanente e em articulação com os parceiros sociais, contribuir para a valorização e o desenvolvimento da sociedade,

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO

O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR NA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA JOANA MARQUES jmarques@unl.pt jmarques@ie.ul.pt DA FORMAÇÃO PEDAGÓGICA AO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS)

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES TURÍSTICAS (2º CICLO) MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DOS DESTINOS TURÍSTICOS (2º CICLO) DOUTORAMENTO

Leia mais

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES Regulamento Artigo 1º Definição O Centro Novas Oportunidades é uma estrutura que tem como missão proporcionar a todos os adultos uma oportunidade de qualificação e de certificação, de nível básico ou secundário,

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE AMBIENTE INTERNO: PONTOS FORTES E PONTOS FRACOS GT2 Gestão da Qualidade no Ensino Superior 13.11.2103 / IPAM Porto Introdução Trabalho fruto

Leia mais

REGULAMENTOS. Política de Acesso Livre (Open Access) da U.PORTO

REGULAMENTOS. Política de Acesso Livre (Open Access) da U.PORTO REGULAMENTOS Política de Acesso Livre (Open Access) da U.PORTO Regulamentos Política de Acesso Livre (Open Access) da U.PORTO (REGULAMENTO) Exposição de Motivos A Internet e a evolução tecnológica têm

Leia mais

Processo de Avaliação de Desempenho dos Docentes Aplicação do Regulamento n.º 398/2010 de 05 de Maio de 2010

Processo de Avaliação de Desempenho dos Docentes Aplicação do Regulamento n.º 398/2010 de 05 de Maio de 2010 INDICADORES ALERTA: Todos os indicadores apresentados nas diversas vertentes tem campos de preenchimento obrigatório e facultativo. Para facilitar a validação do indicador pela Comissão de Avaliação recomenda-se

Leia mais

CEF/0910/26666 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26666 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26666 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

DO SGA À CERTIFICAÇÃO

DO SGA À CERTIFICAÇÃO por DO À CERTIFICAÇÃO Planeamento do à Certificação por 1. Acreditação e Entidades Acreditadas 2. Auditoria de Certificação 3. Certificações 4. Planear 1 por IPQ O Instituto Português da (IPQ) é a entidade

Leia mais

ACEF/1112/14427 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14427 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14427 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Bragança A.1.a.

Leia mais

Avaliação em Portugal Para quê? Para quem?

Avaliação em Portugal Para quê? Para quem? Há mais vida (avaliação) para além da área comunitária? Avaliação em Portugal Para quê? Para quem? Maria do Rosário Torres Subinspectora-Geral Inspecção-Geral de Finanças 1 Estatuto transdisciplinar Heterogeneidade

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FIGUEIRA NORTE FIGUEIRA NORTE: A CONSTRUIR UM CAMINHO!

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FIGUEIRA NORTE FIGUEIRA NORTE: A CONSTRUIR UM CAMINHO! AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FIGUEIRA NORTE FIGUEIRA NORTE: A CONSTRUIR ANO LETIVO 2015-2016 Nota introdutória O nosso Agrupamento, durante o presente ano letivo, vai implementar um processo

Leia mais