Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB,

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB,"

Transcrição

1 Grupo MARTIFER Um Case-Study Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB,

2 AGENDA 1.Apresentação do Grupo Martifer 2.Motivação 3.Metodologia 4.Resultados / diagnóstico 5.Acções de melhoria 2

3 Perspectiva histórica Fundada em 1990 Objectivo: Construir Edifícios Industriais Metálicos Liderança do mercado Nacional desde 1996 Início do processo de internacionalização em 1999 com a abertura da Martifer España 3

4 Perspectiva histórica Diversificação da actividade Retail & Warehousing Equipamentos para Energia Biocombustíveis Electricidade Mais de 1800 colaboradores OPA sobre a Repower Systems juntamente com a indiana Suzlon em Maio de 2007 Admissão das acções a negociação na Euronext Lisbon no dia 25 de Junho de

5 Perspectiva histórica Taxa média de crescimento superior a 30% A Martifer é a empresa portuguesa que está a crescer 3 vezes mais rápido do que a China Manuel Pinho Ministro da Economia 5

6 Presença Global A Martifer está presente em 15 Países em 4 Continentes 6

7 Áreas de Negócio Construções Metalomecânicas Equipamentos para Energia Electricidade Biocombustíveis 7

8 Porquê IDI? INOVAÇÃO Conhecimento Sendo o CONHECIMENTO a base da geração de riqueza nas sociedades avançadas e a investigação e o desenvolvimento um dos pilares da criação desse conhecimento, é na INOVAÇÃO que se encontra o meio de transformar esse conhecimento em desenvolvimento económico. NP4457:2007 8

9 Motivação Sistema de innovation scoring Avaliação das actividades de inovação. Verificar a eficácia da medição das actividades de inovação. Ferramenta de autodiagnóstico relativamente àinovação. contribuir para a reflexão estratégica das empresas, permitindo a identificação de áreas para potencial melhoria e um melhor conhecimento das diferentes dimensões que sustentam o processo de inovação empresarial. 9

10 Motivação Sustentabilidade Excelência Honestidade Inovação Valores Responsabilidade Social Confiança dos Stakeholders Desenvolvimento de Talentos 10

11 Metodologia Auto-avaliação Inexistente Condições Recursos Processos Resultados Abordagem Aplicação Reactiva Definida Integrada Excelente Fraco Pouco desenvolvido Razoável Muito desenvolvido Excelente 11

12 Metodologia Identificação de actores-chave Equipa multidisciplinar do Grupo Martifer (e não só da MT Energia) Administração Directores fabris Directores QSA Directores IDI Directores de obra Consultor externo 1 sábado completo (fora da pressão diária de trabalho!) 12

13 Metodologia Apresentação breve dos objectivos da sessão reflexão sobre metodologias de suporte à Gestão da Inovação Divisão em dois grupos multidisciplinares Cada grupo abordou metade da grelha Trabalho em grupo durante a manhã Discussão conjunta durante a tarde 13

14 Metodologia Agenda ( ) Horário Tema 09:00 Apresentação dos objectivos da Sessão 09:30 Trabalho de Grupo 11:00 Intervalo para café 11:15 Trabalho de Grupo (continuação) 13:00 Almoço 14:00 Apresentação e discussão de resultados do trabalho de grupo 15:30 Intervalo para café 15:45 Apresentação e discussão de resultados do trabalho de grupo (continuação) 17:30 Encerramento da Sessão 14

15 Condições Cultura + Valores organizacionais Abertura internacional Empreendedorismo interno Comunicação interna algo dispersa - Liderança Visão da empresa Adaptabilidade da estrutura de liderança Responsabilização e autonomia dos colaboradores Envolvimento da gestão de topo Estratégia Envolvimento de colaboradores na definição de estratégia Estabelecimento de metas e objectivos Estratégia de marketing Controlo da envolvente externa e avaliação de oportunidades 15

16 Recursos + - Capital Humano Gestão da equipa e cooperação interdepartamental Políticas de capital humano insuficientemente sistematizadas Competências Relacionamentos Externos Actividades comerciais Gestão da IDI Cooperação com entidades externas Networking Identificação e avaliação de competências efectuadas, mas necessário criar suporte informático Planeamento e evolução de competências não devidamente formalizadas Estruturas Estruturas organizacionais de IDI Estruturas físicas Estruturas de gestão do conhecimento algo incipientes 16

17 Processos Gestão de Actividades de IDI Aprendizagem e Melhoria Sistemática Protecção e Valorização de Resultados Processos sistemáticos de gestão de marketing Colaboração interdepartamental Formação e mandato das equipas Melhoria sistemática das actividades de suporte Avaliação e decisão sobre a protecção e a valorização dos resultados + Planeamento, validação e avaliação do risco com abordagem reactiva e insuficientemente planeada Processos de captação e análise de ideias insuficientes - Identificação e selecção de novos conceitos com necessidade de sistematização Avaliação e revisão sistemática dos resultados Codificação, partilha e difusão de conhecimentos com abordagem informal Identificação e implementação de melhores práticas com necessidade de estender a actividades do Grupo 17

18 Resultados + - Financeiros e Operacionais Contribuição das actividades de IDI para o desempenho financeiro Mercado Impacto da inovação na quota de mercado e/ou expansão para novos mercados Contribuição da inovação para o prestígio da organização e dos seus produtos Sociedade Impacto em termos de emprego qualificado Implicações para o desenvolvimento sustentável 18

19 Acções de melhoria Gestão do conhecimento Criação e desenvolvimento das condições organizacionais internas que catalisam todos os processos relacionados com o conhecimento no sentido da concretização dos objectivos organizacionais Sistematização / Formalização Gestão de ideias Inovações de marketing 19

20 Conclusão Não existe Inovação sem criatividade Não existe criatividade sem pessoas Qualquer abordagem do IDI nas empresas vai passar pelo envolvimento dos seus colaboradores. Para a empresa será tão importante a Inovação Radical como a Inovação Incremental, e nesta os colaboradores têm muitas vezes soluções muito válidas. 20

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO A GESTÃO DA INOVAÇÃO Enquadramento: O ambiente no qual hoje actuam as empresas mudou radicalmente: imprevisibilidade, turbulência, mudança, rapidez,..., são constantes do processo de decisão. Num mundo

Leia mais

Factores-chave para a Gestão da Inovação

Factores-chave para a Gestão da Inovação Factores-chave para a Gestão da Inovação Uma proposta João M. Alves da Cunha CCDR Alg, Maio de 009 Introdução O Innovation Scoring enquanto instrumento de apoio à gestão da Inovação SG IDI Sistema de Gestão

Leia mais

Terminologia. Comissão Técnica 169. Atividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação

Terminologia. Comissão Técnica 169. Atividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação Comissão Técnica 169 Atividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação INTRODUÇÃO A Comissão Técnica 169 foi criada em 2007 pelo Organismo de Normalização Nacional (IPQ) no âmbito da Iniciativa "Desenvolvimento

Leia mais

- COTEC GAPI II / UATEC

- COTEC GAPI II / UATEC Sessão de Sensibilização para a Inovação Inovar para Ganhar Gouveia Leal - COTEC GAPI II / UATEC - Novembro de 2009 A sua empresa na rota da Inovação 1. COTEC; Missão, Estratégia e Iniciativas 2. Por que

Leia mais

Roadshow Boas Práticas de Gestão de Inovação. Paulo Cruz. Euroresinas - Indústrias Químicas, S.A. Sonae Indústria, SGPS, SA

Roadshow Boas Práticas de Gestão de Inovação. Paulo Cruz. Euroresinas - Indústrias Químicas, S.A. Sonae Indústria, SGPS, SA Roadshow Boas Práticas de Gestão de Inovação Paulo Cruz Euroresinas - Indústrias Químicas, S.A. Sonae Indústria, SGPS, SA 1 MENSAGEM do Presidente Condição necessária para o nosso sucesso Inovação Ferramenta

Leia mais

Inovar para Ganhar. Uma prática abordagem para transformar as acções de. Paulo Nordeste. Setembro de 2008

Inovar para Ganhar. Uma prática abordagem para transformar as acções de. Paulo Nordeste. Setembro de 2008 Inovar para Ganhar Uma prática abordagem para transformar as acções de IDI em crescimento e geração de valor Paulo Nordeste Setembro de 2008 A sua empresa na rota da Inovação 1. Por que inovar? Uma falsa

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

Ferramenta SG IDI para o STV

Ferramenta SG IDI para o STV para o STV 31 de maio de 2012 Assunção Mesquita amesquita@citeve.pt para o STV SG IDI o que são? Sua importância no STV Estrutura da ferramenta SG IDI o que são? para o STV Estruturas empresariais alinhadas

Leia mais

- COTEC GAPI II / UATEC

- COTEC GAPI II / UATEC Sessão de Sensibilização para a Inovação Inovar para Ganhar Gouveia Leal - COTEC GAPI II / UATEC - Janeiro de 2010 A sua empresa na rota da Inovação 1. COTEC; Missão, Estratégia e Iniciativas 2. Por que

Leia mais

INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO

INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO 1- O Mundo Global e os fenómenos de inserção colectiva O processo de globalização competitiva, o terrorismo religioso, a escassez do petróleo

Leia mais

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de QREN: Uma oportunidade para potenciar a inovação nas empresas O que é o QREN? Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de 2007-2013. As suas

Leia mais

Gestão baseada no desempenho

Gestão baseada no desempenho Gestão baseada no desempenho Enquadramento conceptual do modelo em aplicação no Centro Hospitalar de Lisboa Central Daniel Ferro 7.12.2007 Modelo de Gestão do desempenho Permite: aumento da produtividade

Leia mais

SOLUÇÃO. PLANO INTEGRADO DE SUCESSÃO FAMILIAR

SOLUÇÃO. PLANO INTEGRADO DE SUCESSÃO FAMILIAR ESTRATÉGIA MARKETING COMUNICAÇÃO GESTÃO COMERCIAL INTERNACIONALIZAÇÃO SOLUÇÃO. PLANO INTEGRADO DE SUCESSÃO FAMILIAR Como? >Análise FAMÍLIA e suas dinâmicas >Desenho >Acção >Resultados PROCESSO seguro

Leia mais

por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008

por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008 por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008 biblioteca municipal de santa maria da feira: certificação: a qualidade ao serviço dos utilizadores Etelvina Araújo, Rui Campos, Tânia Gonçalves

Leia mais

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Maria José Roxo O papel do Comité de Ciência e Tecnologia Estabelecido pelo artigo 24 da Convenção Mandato e termos de referência adoptados

Leia mais

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO Congresso da Administração Pública 2015 Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO ENQUADRAMENTO Visão do INA: ser reconhecido como um serviço de referência na qualificação e

Leia mais

Universidade de Aveiro 2010/02/05

Universidade de Aveiro 2010/02/05 Universidade de Aveiro 2010/02/05 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c

Leia mais

Portugal Reinvente o seu Modelo de Negócio com o apoio da WINNING! Financie os seus projetos com as tipologias VALE Projeto Simplificado

Portugal Reinvente o seu Modelo de Negócio com o apoio da WINNING! Financie os seus projetos com as tipologias VALE Projeto Simplificado Portugal 2020 Financie os seus projetos com as tipologias VALE Projeto Simplificado Os apoios previstos são concedidos sob a forma de Incentivo Não Reembolsável até 75%. O limite máximo de despesa elegível

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL POLÍTICA DA QUALIDADE

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL POLÍTICA DA QUALIDADE INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL POLÍTICA DA QUALIDADE Missão O IPS procura, de forma permanente e em articulação com os parceiros sociais, contribuir para a valorização e o desenvolvimento da sociedade,

Leia mais

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação. Normas. José Nina de Andrade. Janeiro de 2010

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação. Normas. José Nina de Andrade. Janeiro de 2010 Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação Normas José Nina de Andrade Janeiro de 2010 A sua empresa na rota da Inovação 1. Normas IDI 2. Implantação de um SGIDI 3. Exemplos de Empresas Certificadas

Leia mais

SI INOVAÇÃO REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO MP = 0,30 A + 0,30 B + 0,15 C + 0,25 D

SI INOVAÇÃO REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO MP = 0,30 A + 0,30 B + 0,15 C + 0,25 D SI INOVAÇÃO PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO Nº 34 /SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO MP = 0,30 A + 0,30 B + 0,15 C + 0,25 D A. Qualidade do Projecto: A = 0,30 A 1 + 0,40

Leia mais

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos Seminário APCER Maio 2008 Agenda O Modelo CAF o que é; para que

Leia mais

Área de Intervenção. - Região Norte Porto e Vila Real. - Região Centro Coimbra e Castelo Branco. - Região Alentejo Évora e Beja

Área de Intervenção. - Região Norte Porto e Vila Real. - Região Centro Coimbra e Castelo Branco. - Região Alentejo Évora e Beja Área de Intervenção - Região Norte Porto e Vila Real - Região Centro Coimbra e Castelo Branco - Região Alentejo Évora e Beja Pertinência O Contexto -Factores Motivacionais: relacionados com a própria filosofia

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE ANOS DA CRIAÇÃO DO CIUEM 3ª FASE DO DESENVOLVIMENTO DO CIUEM 2009 2013 TICs PARA TODOS NO ENSINO, INOVAÇÃO E INVESTIGAÇÃO Tecnologias de Informação e Comunicação A expansão

Leia mais

Índice CONCEITOS E FUNDAMENTOS. Parte I. Capítulo 1 A natureza do problema estratégico 21

Índice CONCEITOS E FUNDAMENTOS. Parte I. Capítulo 1 A natureza do problema estratégico 21 Índice Introdução 15 Parte I CONCEITOS E FUNDAMENTOS Capítulo 1 A natureza do problema estratégico 21 1. Introdução 21 2. A estratégia deve assegurar a satisfação equilibrada das diversas legitimidades

Leia mais

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Agenda Preparação do trabalho a realizar no ano letivo 2015/2016 Regulamento Interno disponível no portal do agrupamento www.esvalongo.org

Leia mais

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA.

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. 1 Sector de Actividade: Calçado Actividade Principal: Produção de calçado CEO: Joaquim Carvalho Telefone: +351 255310690 Fax: +351 255310699 E-mail: js@mail.calafe.com Morada:

Leia mais

Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial: Perspectivas para o Futuro. Novembro de 2007

Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial: Perspectivas para o Futuro. Novembro de 2007 Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial: Perspectivas para o Futuro Novembro de 2007 Preocupações fundamentais da COTEC na condução das suas iniciativas Consistência das iniciativas a desenvolver,

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia Isabel Catarina Abreu Rodrigues Conselho Regional para a Modernização Administrativa 19 de Outubro de 2005

Leia mais

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva Gestão da Qualidade 1 Índice Introdução... 3 Objectivo geral... 4 Objectivos específicos... 4 Qualidade... 5 Gestão da Qualidade Total (TQM)... 6 Os princípios básicos da qualidade total são:... 7 Qualidade

Leia mais

CURSOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

CURSOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Página 1 de 8 CURSOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Formação Interna Financiada pelo Programa Operacional da Administração Pública (POAP) Acção-Tipo 2.1.1.2 Formação Autónoma Formação Profissional para Funcionários

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2016 FEDERAÇÃO DE DOENÇAS RARAS DE PORTUGAL INTRODUÇÃO 2/8 Objectivos Estratégicos A FEDRA definiu para o ano de 2016, no Plano de Actividades que foi apresentado aos sócios, três

Leia mais

10/8/2011. Administração de Recursos Humanos TREINAMENTO: DESENVOLVIMENTO: Concluindo: T&D é o processo educacional aplicado de

10/8/2011. Administração de Recursos Humanos TREINAMENTO: DESENVOLVIMENTO: Concluindo: T&D é o processo educacional aplicado de TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL Administração de Recursos Humanos É o processo de desenvolver qualidades nos RHs para habilitá-los a serem mais produtivos e contribuir melhor para o alcance dos

Leia mais

MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus. Quadro de Competências-chave para o Mentoring

MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus. Quadro de Competências-chave para o Mentoring MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus Proj. nº: 2014-1-PL01-KA202-003383 Quadro de Competências-chave para o Mentoring Maio 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Quadro de Competências-Chave

Leia mais

Diagnóstico Competências

Diagnóstico Competências Diagnóstico de Competências em Pequenas e Médias Empresas (PME) Direção de Assistência Empresarial Lisboa, maio de 2013 Índice DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS...... 3 O que é............ 3 A quem se destina............

Leia mais

KEY FACTORS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO IDI

KEY FACTORS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO IDI Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial Outubro de 2008 KEY FACTORS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO IDI José Nina de Andrade Índice 1. Adequabilidade do SGIDI à empresa 2. A implementação

Leia mais

AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST

AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST AUDITORIA DA A3ES AO SISTEMA INTERNO DE GARANTIA DA QUALIDADE DO IST 1 Marta Pile Área de Estudos e Planeamento Cecília Moreira Área para Qualidade e Auditoria Interna Workshop sobre Qualidade no Ensino

Leia mais

O Kit da Produtividade componente de valorização da oferta nacional prevista no projecto promovido pela AEP designado Compro o que é Nosso"

O Kit da Produtividade componente de valorização da oferta nacional prevista no projecto promovido pela AEP designado Compro o que é Nosso A elaboração do Kit da Produtividade é uma iniciativa da AEP, em co-produção com o IAPMEI, visando o desenvolvimento de uma campanha de melhoria da competitividade das empresas portuguesas O Kit da Produtividade

Leia mais

MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO!

MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO! MUDE PARA UMA NOVA EMPRESA, A SUA! APOSTE NA FORMAÇÃO! IPN - INSTITUTO PEDRO NUNES APRESENTAÇÃO Criado em 1991, por iniciativa da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra, o Instituto

Leia mais

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio José Soares Ferreira Projecto financiado com apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO GOALS OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? OBJECTIVOS - Passado: Evolução Histórica da SHT no SNS - Presente: Modelo de Gestão de SHT(Gestão de Risco) - O Futuro: uma abordagem estratégica INTRODUÇÃO

Leia mais

RoadFix Cork Inovar na Refinação

RoadFix Cork Inovar na Refinação RoadFix Cork Inovar na Refinação ÍNDICE ENQUADRAMENTO 3 CONTEXTO 3 IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS 4 DESCRIÇÃO 4 RESULTADOS ATINGIDOS 5 CONCLUSÕES 6 REFERÊNCIAS

Leia mais

(2004/C 73/13) Tendo em conta a comunicação da Comissão Investir na investigação: um plano de acção para a Europa COM(2003) 226 final;

(2004/C 73/13) Tendo em conta a comunicação da Comissão Investir na investigação: um plano de acção para a Europa COM(2003) 226 final; Parecer do Comité das Regiões sobre a «Comunicação da Comissão Investir na investigação: um plano de acção para a Europa» (2004/C 73/13) O COMITÉ DAS REGIÕES, Tendo em conta a comunicação da Comissão Investir

Leia mais

SESSÃO DE SENSIBILIZAÇÃO CAF

SESSÃO DE SENSIBILIZAÇÃO CAF SESSÃO DE SENSIBILIZAÇÃO CAF Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação 30 de abril de 2012 Powerpoint Templates APRESENTAÇÃO Powerpoint Templates EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO Nomes Setor da

Leia mais

Agenda Factores de Competitividade

Agenda Factores de Competitividade QREN Agenda Factores de Competitividade 12 Novembro 07 1 Objectivos desenvolvimento de uma economia baseada no conhecimento e na inovação; incremento da produção transaccionável e de uma maior orientação

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

The balanced scorecard is like the dials in an airplane cockpit: it gives managers complex information at a glance.

The balanced scorecard is like the dials in an airplane cockpit: it gives managers complex information at a glance. The balanced scorecard is like the dials in an airplane cockpit: it gives managers complex information at a glance. Robert S. Kaplan and David P. Norton Harvard Business School Case Study Análise da metodologia

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS 2012 MAR 06 A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS JOSÉ CARLOS CALDEIRA Administrador executivo PÓLO PRODUTECH Director INESC Porto (jcc@inescporto.pt) INDÚSTRIA TRANFORMADORA

Leia mais

O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto. José António Sarsfield Cabral

O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto. José António Sarsfield Cabral O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto José António Sarsfield Cabral 14.03.2008 1 Estrutura da apresentação A Universidade do Porto Introdução Contexto Dificuldades na Gestão da Qualidade

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

Six Sigma / Lean Six Sigma

Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Yellow Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Green Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Black Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Master Black Belt 1 Qualificações

Leia mais

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra INICIATIVA MATÉRIAS PRIMAS: RUMO AO FORNECIMENTO SEGURO E À GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS MINERAIS EUROPEUS 23 de Fevereiro de 2010 Raw Materials Initiative: towards to mineral resources secure supply

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010)

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) Ficha de Registo Avaliação do Desempenho Docente do Ensino Básico e

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CASCAIS

DECLARAÇÃO DE CASCAIS DECLARAÇÃO DE CASCAIS 30.10.2004 INTRODUÇÃO Considerando a vontade de continuar a estreitar laços e a desenvolver formas de cooperação em matéria de desenvolvimento sustentável e protecção do ambiente

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO. Colaboradores

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO. Colaboradores RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Colaboradores 2010 1. PROCEDIMENTO Os questionários de avaliação do desempenho dos colaboradores foram aplicados, em suporte papel, pelos respectivos responsáveis de

Leia mais

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR Quem Somos QUEM SOMOS A Bioqual é uma empresa especializada em Qualidade, Higiene e Segurança Alimentar. Presente em todo o país através de uma rede de escritórios, com consultores especializados e experiência

Leia mais

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 Estratégia e Marketing EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 A Estrutura Organizacional é o que vai servir como ponte de ligação entre a Formulação e a Implementação da Estratégia para que a empresa

Leia mais

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE _ ENQUADRAMENTO GERAL _ Gabinete de Avaliação e Promoção da Qualidade Instituto Superior de Ciências Educativas 2015, Outubro Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Leia mais

TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME Matriz Referencial de Análise das Entidades Beneficiárias Critérios de selecção

TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME Matriz Referencial de Análise das Entidades Beneficiárias Critérios de selecção TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1.PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME Matriz Referencial de Análise das Entidades Beneficiárias Critérios de selecção Parte A - da Entidade Beneficiária Valorização Pontuação

Leia mais

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO 1 2 3 4 O contexto incentea DESAFIOS DO NEGÓCIO Um Sistema Integrado ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA A Segurança de Informação SUSTENTAÇÃO

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM

Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM É uma pessoa coletiva de direito público de natureza associativa e âmbito territorial e visa a realização de interesses comuns aos Municípios que a integram,

Leia mais

PROJETO CRIAR SABERES 2018

PROJETO CRIAR SABERES 2018 1 PROJETO CRIAR SABERES 2018 O ISG Instituto Superior de Gestão (Business & Economics School), integrado no Grupo ENSINUS, com o objetivo de reforçar o conhecimento dos alunos e professores das escolas

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

PROJECTO PROVISÓRIO DO PROGRAMA DE TRABALHO. Tema: Materializar o Potencial de África como um Pólo de Crescimento Global

PROJECTO PROVISÓRIO DO PROGRAMA DE TRABALHO. Tema: Materializar o Potencial de África como um Pólo de Crescimento Global ` CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL DAS NAÇÕES UNIDAS COMISSÃO ECONÓMICA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA ÁFRICA Trigésima Primeira reunião do Comité de Peritos Reunião do Comité de Peritos da 5ª Reunião Anual Conjunta

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA. Relatório Final. Ano Lectivo 2010/ Plano de trabalhos/ acções previsto

GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA. Relatório Final. Ano Lectivo 2010/ Plano de trabalhos/ acções previsto GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA Relatório Final Ano Lectivo 2010/2011 1. Plano de trabalhos/ acções previsto Escola Secundária Dr. José Afonso RF: 2010-11 Calendarização dos principais processos

Leia mais

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA Case study 2010 Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA O grupo Águas de Portugal (AdP) actua nas áreas de abastecimento de água, saneamento de águas residuais e tratamento

Leia mais

SOLUÇÃO INTEGRADA CAPTAR, GERIR E FIDELIZAR CLIENTES

SOLUÇÃO INTEGRADA CAPTAR, GERIR E FIDELIZAR CLIENTES GESTÃO EFICAZ DE CLIENTES NA ÁREA DA SAÚDE SOLUÇÃO INTEGRADA CAPTAR, GERIR E FIDELIZAR CLIENTES >Identificar >Segmentar >Conquistar >Gerir >Dinamizar >Fidelizar CLIENTES SOLUÇÃO SAÚDE >Análise Serviços

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO TECNOLOGIAS AMBIENTAIS. SALA 61 OU 62 OU 63 quarta (14/05) manhã

ADMINISTRAÇÃO. TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO TECNOLOGIAS AMBIENTAIS. SALA 61 OU 62 OU 63 quarta (14/05) manhã TipoTrabalho TRABALHO LinhaPesquisa LOCAL DATA HORARIO NOVO DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO NACIONAL SALA 61 OU 62 OU 63 manhã EMPRESARIAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL SEGURANÇA NO TRABALHO E RESPONSABILIDADE

Leia mais

Innovation Hub: Instrumento de revitalização e criatividade urbanas para a competitividade e a sustentabilidade

Innovation Hub: Instrumento de revitalização e criatividade urbanas para a competitividade e a sustentabilidade Innovation Hub: Instrumento de revitalização e criatividade urbanas para a competitividade e a sustentabilidade Natalino Martins Departamento de Prospectiva e Planeamento MAOTDR Oeiras, 26/03/07 1 Innovation

Leia mais

SESSÃO 10 EXPLORANDO NOVAS POSSIBILIDADES: ALAVANCANDO A CAPACIDADE INOVADORA NUM MUNDO GLOBAL

SESSÃO 10 EXPLORANDO NOVAS POSSIBILIDADES: ALAVANCANDO A CAPACIDADE INOVADORA NUM MUNDO GLOBAL SESSÃO 10 EXPLORANDO NOVAS POSSIBILIDADES: ALAVANCANDO A CAPACIDADE INOVADORA NUM MUNDO GLOBAL TEMAS A ABORDAR Iniciativas de investidores não tradicionais Empresas Metanacionais Born Globals Projectos

Leia mais

A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz

A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz OS DESAFIOS DO SÉCULO XXI Acompanhar a revolução tecnológica

Leia mais

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI Norma Portuguesa NP 4457 Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI Gestion de la Recherche, Développement et Innovation (RDI) Exigences du système

Leia mais

CAPÍTULO 9 ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

CAPÍTULO 9 ALIANÇAS ESTRATÉGICAS CAPÍTULO 9 ALIANÇAS ESTRATÉGICAS 9.1 DEFINIÇÃO COOPERAÇÃO, JV E FUSÕES Fonte: Jonas Puck (2013) ALIANÇA ESTRATÉGICA Acordo formal ou informal, potencialmente duradouro, considerado relevante pela empresa

Leia mais

Lançamento do Centro Tecnológico. - Praia, 25 de Março de Discurso de sua Excelência, o Primeiro Ministro, José Maria Neves

Lançamento do Centro Tecnológico. - Praia, 25 de Março de Discurso de sua Excelência, o Primeiro Ministro, José Maria Neves Lançamento do Centro Tecnológico - Praia, 25 de Março de 2010 Discurso de sua Excelência, o Primeiro Ministro, José Maria Neves Senhoras Ministras; Senhores Ministros; Senhor Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

Modelo Estratégico da CCE-AML

Modelo Estratégico da CCE-AML Modelo Estratégico da CCE-AML Compras Públicas Sustentáveis Formação no âmbito dos projectos PRO-EE e SMART-SPP Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG) 25 de Fevereiro de 2010 Agenda 1. Diagnóstico

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

Excelência em Gestão: dimensão estratégica para a eficiência operacional

Excelência em Gestão: dimensão estratégica para a eficiência operacional Excelência em Gestão: dimensão estratégica para a eficiência operacional Jairo Martins Belo Horizonte, 12.08.2014 Agenda A gestão das organizações O desafiador cenário atual Excelência da Gestão: estratégia

Leia mais

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização Anexo D Guião de Entrevista Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização 151 Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização Guião de Entrevista Organizações:

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

INNOVATION SCORING. Manual de Apoio ao Preenchimento. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial Projecto 4

INNOVATION SCORING. Manual de Apoio ao Preenchimento. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial Projecto 4 INNOVATION SCORING Manual de Apoio ao Preenchimento do Sistema de Innovation Scoring da COTEC Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial Projecto 4 Novembro de 2007 ÍNDICE Prefácio 4 Introdução

Leia mais

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Debate Regional "Crescimento Sustentável: desafios e prioridades para a Região Oeste Portugal Metodologia Estratégia 2020 Oeste Portugal Dr. André Macedo da Oeste

Leia mais

Microsoft Corporation INVESTIR EM PORTUGAL. Nuno Duarte. Director Geral Microsoft Portugal

Microsoft Corporation INVESTIR EM PORTUGAL. Nuno Duarte. Director Geral Microsoft Portugal Microsoft Corporation INVESTIR EM PORTUGAL Nuno Duarte Director Geral Microsoft Portugal Enquadramento Microsoft 18 Anos de parcerias em Portugal Pilar de Crescimento e Inovação Microsoft Portugal é um

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Sustentabilidade como alavanca de valor. Campinas, 7 novembro de 2013

Sustentabilidade como alavanca de valor. Campinas, 7 novembro de 2013 Sustentabilidade como alavanca de valor Campinas, 7 novembro de 2013 Visão Energia é essencial ao bem-estar das pessoas e ao desenvolvimento da sociedade. Nós acreditamos que produzir e utilizar energia

Leia mais

Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital. A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato

Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital. A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital 1 2 3 4 A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato 1 Blueway Nossa organização Somos a Blueway, uma consultoria que atua na transformação organizacional

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

O relatório de auto-avaliação no âmbito do SIADAP 1

O relatório de auto-avaliação no âmbito do SIADAP 1 W O R K S H O P O relatório de auto-avaliação no âmbito do SIADAP 1 Jorge Caldeira Lisboa, 2 de Julho de 2008 Agenda Papel da DGPJ - intercalar Conceitos Vantagens - Arquitectura dos processos de monitorização

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 I - Enquadramento legal Definição do âmbito da Autoavaliação do AEFS Decreto-Lei n.º 137/2012 de 2 de julho (alteração

Leia mais

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação:

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação: Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências Tema da Comunicação: O envolvimento das organizações e dos enfermeiros no desenvolvimento e reconhecimento

Leia mais

Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde, Dr. Manuel Teixeira,

Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde, Dr. Manuel Teixeira, Ciclo de Conferências Saber Investir Saber Inovar 2015 Adicionar Valor ao Sistema de Saúde em Portugal 2 de Junho - CCB Intervenção do Presidente da APIFARMA Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde,

Leia mais

Princípios Orientadores

Princípios Orientadores Escola de Engenharia Candidatura para a Eleição dos Representantes dos Professores e Investigadores ao Conselho de Escola da Escola de Engenharia da Universidade do Minho 2013-2016 Princípios Orientadores

Leia mais