Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA"

Transcrição

1 GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA 1

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO A METODOLOGIA EFQM E O QUESTIONÁRIO PARA AUTO- AVALIAÇÃO A METODOLOGIA EM PROJECTOS EM PARCERIA PRINCIPAIS DIFICULDADES / ESTRATÉGIAS DE SUPERAÇÃO COMO ACEDER AO QUESTIONÁRIO BIBLIOGRAFIA

3 1. INTRODUÇÃO Este Guia pretende disponibilizar a todas as entidades/parcerias uma metodologia para auto-avaliação em projectos de parceria, que foi aplicada no âmbito do projecto 2WORKSAFE, e baseada na metodologia EFQM e no respectivo questionário de auto-avaliação. Consiste portanto na narrativa da experiência do projecto 2WORKSAFE, os passos seguidos, as principais dificuldades e como foram superadas bem, como algumas sugestões para futuras aplicações. 3

4 2. A METODOLOGIA EFQM E O QUESTIONÁRIO PARA AUTO- AVALIAÇÃO Para além da avaliação externa prevista, este projecto tem a sua própria autoavaliação, baseada na metodologia EFQM (European Foundation for Quality Management) que inclui um questionário para auto-avaliação (Determining Excellence, Taking the first steps a questionnaire approach, EFQM), a ser aplicada duas vezes durante a execução do projecto. A primeira aplicação estava prevista a meio da implementação do projecto e a segunda no final. O questionário foi desenvolvido para ajudar qualquer organização ou empresa a determinar a sua posição numa escala de excelência do negócio. É baseado num experimentado e testado método de avaliação de organizações numa variedade de aspectos, que no seu conjunto definem excelência em termos de capacidades e resultados da organização. O questionário considera excelência num sentido alargado e não se limita a considerar os aspectos dos sistemas de gestão da qualidade (tais como a ISO 9000). São analisadas áreas tais como a eficiência dos procedimentos, a obtenção de melhorias contínuas nos produtos e serviços, o empenho da organização no desenvolvimento dos seus recursos humanos para o alcançar das suas metas e de excelentes resultados. O questionário consiste em 50 questões, com igual impacto no resultado final obtido pela organização, e que se distribuem por 9 secções, que são: 1. Qualidade da Liderança 2. Politicas e Estratégias 3. Pessoas 4. Parcerias e Recursos 4

5 5. Processos 6. Resultados para clientes/público alvo 7. Resultados para pessoas envolvidas 8. Resultados para sociedade 9. Resultados de desempenho Estes nove aspectos constituem o Modelo de Excelência da EFQM. Tendo sido desenvolvido pela EFQM é actualmente utilizado por uma grande parte dos países europeus, no sentido de identificar as organizações que demonstram um desempenho superior. Os principais benefícios para a organização que decide preencher o questionário são os seguintes: ajuda a identificar o posicionamento actual da organização e a determinar as prioridades e orientações para o futuro; permite comparações com outras organizações; encoraja a organização a monitorizar o seu progresso a partir duma base definida; avalia as diferentes visões dos membros da organização relativamente aos sucessos e fraquezas daquela; cria um ponto de partida para a implementação das melhorias prioritárias não deixando ao mesmo tempo que a organização avance com demasiadas acções de melhoria em simultâneo. O questionário pode ser preenchido de diferentes maneiras: individualmente, para uma melhor identificação com o Modelo de Excelência EFQM e para uma avaliação individual da organização; 5

6 por várias pessoas individualmente sendo as respostas depois agregadas, determinando-se o resultado médio e as áreas de maior divergência de opiniões; como um exercício de grupo, em que os pontos fortes e pontos a melhorar da organização são analisados previamente, por forma a se obter um resultado do grupo na avaliação da organização. A metodologia tem também definida a forma de cálculo dos resultados obtidos pela organização após o exercício de responder às diferentes questões, podendo estes resultados ser apresentados de diferentes formas, que são complementares: em gráficos, de barras, radar, etc em forma de tabela, apresentando os cálculos parcelares que conduziram ao resultado por tópico. 6

7 3. A METODOLOGIA EM PROJECTOS EM PARCERIA Esta metodologia foi originalmente desenvolvida para ser aplicada em empresas/organizações o que implica naturalmente algumas adaptações quando queremos aplicá-la a uma parceria de um projecto. A. Assim a primeira adaptação que foi efectuada foi pensar na parceria do projecto como uma empresa, uma organização, com as seguintes correspondências: responsáveis séniores elementos que representam cada parceiro responsáveis responsáveis em cada parceiro pelas diferentes actividades, participantes nas reuniões pessoas restantes elementos de cada parceiro envolvidos ou não no projecto clientes públicos-alvo, entidades gestoras projecto, empresas, empregados, indivíduos fornecedores outros projectos em curso no âmbito da actividade dos parceiros, outras empresas fornecedoras de algum tipo de serviço para este projecto. B. O passo seguinte foi responder às questões de cada tópico, analisando sempre a sua pertinência, no conteúdo e no tempo, e adaptando à realidade da parceria. Aqui optou-se por existir um facilitador, que para cada questão, fazia uma breve adaptação ao contexto da parceria e do projecto. Cada parceiro era depois convidado a atribuir a sua pontuação e a adicionar comentários como suporte à sua avaliação. 7

8 Na primeira aplicação do questionário, foram definidas as questões consideradas não aplicáveis e que não seriam respondidas no âmbito deste projecto e que foram, por tópico: 4. Parcerias e recursos as questões 4 e 5 7. Resultados para pessoas envolvidas as questões 1, 2 e 3. Estas questões estão relacionadas com recursos de uma empresa, tais como edifícios, equipamentos, materiais, novas tecnologias e por outro lado com aspectos como absentismo, rotatividade, níveis de formação, taxas de acidentes, que não têm aplicação no âmbito do funcionamento da parceria. C. O timing da aplicação do questionário também é importante. Quando foi aplicado numa fase intermédia do projecto verificou-se que, por não existirem ainda resultados objectivos ou porque o tempo decorrido ainda não era suficiente para uma correcta avaliação, algumas questões tiveram de ser pontuadas com Não iniciado. E aqui podemos dar o exemplo das questões dos tópicos 6, 8 e 9. Na aplicação no final do projecto já foi possível responder a todas aquelas questões. D. A parceria utilizou formas de preenchimento diferentes em cada um dos momentos de aplicação da metodologia. Assim no primeiro momento (a meio da implementação do projecto) optou por um preenchimento individual por cada parceiro (uma resposta por parceiro) e a obtenção de consenso no âmbito da reunião da parceria em que foi realizado o exercício. No final do projecto, na aplicação da metodologia, a parceria optou por responder a alguns dos tópicos duma forma global, por existir dificuldade em diferenciar as respostas por questão. 8

9 E. A apresentação dos resultados foi efectuada utilizando um gráfico de barras com o resultado global e o resultado por tópico, a que se adicionou uma análise por tópico, salientando os principais comentários de cada parceiro, no decorrer do exercício de avaliação. 9

10 Resultados da aplicação da metodologia EFQM no final da implementação do projecto: Exemplo da análise por tópico: 1. Liderança Resultados para Liderança foram 80% Management Plan é o nosso documento estratégico e é usado como tal. Foi definida uma estrutura organizacional. Foi criada uma Plataforma Informática de Gestão e os documento relacionados com o projecto estão lá organizados. Existe comunicação entre reuniões através da plataforma de gestão. Esta última e o são utilizados frequentemente: A parceria entende ter que intensificar a comunicação com os clientes 5. Processos Resultados para procesos foram 100 % Foi criado um eficiente sistema de documentação/comunicação: a plataforma de gestão. - Foi realizado o Diagnóstico de necesidades de formação e o questionário de avaliação de necesidades de comunicação está on-line em Foi definido um sistema de auto-avaliação do projecto e parceria: EFQM Determining Excellence. Foram estabelecidos Planos de trabalho para todas as actividades do projecto. Foi criado um sistema de avaliação de todas as reuniões. Foram discutidos e são discutidos os resultados/conclusões da avaliação em cada reunião, no seu início. - Foi criado e está em funcionamento o Painel de avaliadores externos (experts externos) Foram atingidos os resultados esperados e agora é possível perceber se os objectivos serão atingidos em termos de disseminação. 10

11 4. PRINCIPAIS DIFICULDADES / ESTRATÉGIAS DE SUPERAÇÃO As principais dificuldades encontradas prendem-se com a capacidade de ver a parceria como uma organização e conseguir adaptar as questões à realidade da parceria. Assim foi importante existirem na parceria alguns elementos com experiência anterior de aplicação desta metodologia num contexto semelhante, e que para cada questão, conseguiam traduzir, numa forma mais clara, o aspecto em análise para o contexto da parceria. As vantagens da utilização desta metodologia são, para além do facto de ser uma ferramenta muito utilizada na Europa e disponível em várias línguas, o facto de permitir analisar o desempenho da parceria num conjunto de vertentes chave para o sucesso do projecto, ajudar na reflexão individual e conjunta sobre o contributo de cada parceiro para os objectivos do projecto e facilitar a detecção de pontos a melhorar e o desencadear de medidas correctivas. 11

12 5. COMO ACEDER AO QUESTIONÁRIO O questionário descrito anteriormente está acessível apenas através da publicação: - EFQM Determining Excellence, Taking the first steps a questionnaire approach, EFQM, Brussels. Em Portugal pode ser adquirida através da APQ Associação Portuguesa para a Qualidade (versão em inglês). Existem as versões em espanhol, italiano, etc. 12

13 6. BIBLIOGRAFIA - Occupational EFQM Determining Excellence, Taking the first steps a questionnaire approach, EFQM, Brussels

O Modelo de Excelência da EFQM. IPQ - 14 de Dezembro de 2011

O Modelo de Excelência da EFQM. IPQ - 14 de Dezembro de 2011 O Modelo de Excelência da EFQM IPQ - 14 de Dezembro de 2011 O Modelo de Excelência 9 Critérios: 5 Meios + 4 Resultados 32 Partes de Critério i Pontos de Orientação O RADAR Resultados Abordagens Desdobramento

Leia mais

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos Seminário APCER Maio 2008 Agenda O Modelo CAF o que é; para que

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade 1 Conceitos da qualidade Modelo de excelência Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa/Escola Superior do Vale do Ave European Foundation of Quality Management 2 MODELO EFQM DE EXCELÊNCIA NA GESTÃO -Como

Leia mais

Qualidade da Gestão de Educação Contínua no Ensino Superior: Caso de Estudo e o Projecto DAETE

Qualidade da Gestão de Educação Contínua no Ensino Superior: Caso de Estudo e o Projecto DAETE Qualidade da Gestão de Educação Contínua no Ensino Superior: Caso de Estudo e o Projecto DAETE Alfredo Soeiro 1 Universidade do Porto avsoeiro@fe.up.pt O caso de estudo de qualidade na gestão de educação

Leia mais

Guia Metodológico do Utilizador dos

Guia Metodológico do Utilizador dos Guia Metodológico do Utilizador dos Produtos @Risco Projecto desenvolvido por: Co-financiado por: O Projecto @Risco é co financiado pela Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho e é desenvolvido

Leia mais

Committed to Excellence

Committed to Excellence Committed to Excellence Brochura Informativa Apoiar as organizações na decisão de candidatura Níveis de Excelência da EFQM Os Níveis de Excelência da EFQM estão concebidos de forma a motivar e encorajar

Leia mais

EDIÇÃO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A QUALIDADE ANO XLIV Qualidade Glocal Entrevista a presidente da RELACRE 40 º Colóquio da Qualidade

EDIÇÃO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A QUALIDADE ANO XLIV Qualidade Glocal Entrevista a presidente da RELACRE 40 º Colóquio da Qualidade EDIÇÃO 04 ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A QUALIDADE ANO XLIV 2015 5 Qualidade Glocal Entrevista a presidente da RELACRE 40 º Colóquio da Qualidade espaço APQ UM PERCURSO EM ETAPAS PARA A EXCELÊNCIA ORGANIZACIONAL

Leia mais

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 (Decreto-regulamentar n.º 26/2012, de 21 de Fevereiro) A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço educativo e das

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade CURSOS DE NEUROFISIOLOGIA/ CARDIOPNEUMOLOGIA 1 Conceitos da qualidade Modelo de excelência Escola Superior de Saúde do Vale do Ave 2 1 Conceitos da qualidade MODELO EFQM DE EXCELÊNCIA NA GESTÃO -Como uma

Leia mais

A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz

A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz A QUALIDADE COMO FACTOR DE COMPETITIVIDADE DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Isabel Catarina Rodrigues 02 de Março de 2007 Auditório da Casa da Luz OS DESAFIOS DO SÉCULO XXI Acompanhar a revolução tecnológica

Leia mais

Proposta para a definição de procedimentos metodológicos para a avaliação da qualidade dos Serviços da Universidade de Évora

Proposta para a definição de procedimentos metodológicos para a avaliação da qualidade dos Serviços da Universidade de Évora Proposta para a definição de procedimentos metodológicos para a avaliação da qualidade dos Serviços da Universidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Promoção da Qualidade Dezembro de 2010 Nota

Leia mais

Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos - Um caso de estudo na Região de Aveiro - M. Couto, C. Ferreira, A. Silva-Afonso, V.M.

Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos - Um caso de estudo na Região de Aveiro - M. Couto, C. Ferreira, A. Silva-Afonso, V.M. Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos - Um caso de estudo na Região de Aveiro - M. Couto, C. Ferreira, A. Silva-Afonso, V.M. Ferreira POVT-09-142-FEDER-000022 O Desafio Em Portugal, a necessidade

Leia mais

Avaliação Prática de Governação

Avaliação Prática de Governação Avaliação Prática de Governação Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia Isabel Catarina Abreu Rodrigues Conselho Regional para a Modernização Administrativa 19 de Outubro de 2005

Leia mais

O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto. José António Sarsfield Cabral

O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto. José António Sarsfield Cabral O Sistema de Gestão da Qualidade da Universidade do Porto José António Sarsfield Cabral 14.03.2008 1 Estrutura da apresentação A Universidade do Porto Introdução Contexto Dificuldades na Gestão da Qualidade

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminário Final do Projeto Aveiro, 30/05/2012 Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-09-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio Em

Leia mais

Recognised for Excellence

Recognised for Excellence Brochura Informativa Apoiar as organizações na decisão de candidatura Níveis de Excelência da EFQM Os Níveis de Excelência da EFQM estão concebidos de forma a motivar e encorajar as organizações para a

Leia mais

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP Norma Portuguesa NP 4397 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos Systèmes de gestion de la sécurité et santé du travail Exigences Occupational health and safety management systems

Leia mais

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES NORMA I ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1. O presente regulamento, em conformidade com

Leia mais

O Processo de Avaliação de Desempenho dos Docentes

O Processo de Avaliação de Desempenho dos Docentes O Processo de Avaliação de Desempenho dos Docentes Serviço Qualidade Pedagógica da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade de Coimbra Janeiro 2014 Este documento encontra-se estruturado

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

Avaliação em Portugal Para quê? Para quem?

Avaliação em Portugal Para quê? Para quem? Há mais vida (avaliação) para além da área comunitária? Avaliação em Portugal Para quê? Para quem? Maria do Rosário Torres Subinspectora-Geral Inspecção-Geral de Finanças 1 Estatuto transdisciplinar Heterogeneidade

Leia mais

PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up)

PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up) PLANO GLOBAL DE AVALIAÇÃO 2014-2020 Orientações para o acompanhamento da implementação das recomendações das avaliações do Portugal 2020 (follow-up) julho 2016 Orientações para o acompanhamento da implementação

Leia mais

Certificação ISO no

Certificação ISO no Certificação ISO 27001 no Instituto t de Informática, I.P. (MTSS) 30-11-2010 1 Agenda O Instituto t de Informática, I.P.; Sistema de Gestão Integrado (ISO 9001, 27001, 20000) Manutenção da Certificação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

TREINO. Transmissão de informações

TREINO. Transmissão de informações Treino nas Organizações Recrutamento e Selecção As quatro classes de mudança do comportamento Transmissão de informações Aumentar o conhecimento das pessoas Informação sobre a organização, seus produtos

Leia mais

Balanced Scorecard Rumo à Excelência

Balanced Scorecard Rumo à Excelência Balanced Scorecard Rumo à Excelência Vontade que nos ata ao leme 15 de Setembro de 2011 Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652 / 660 fax. (+351)

Leia mais

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos.

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. Para efeitos de implementação do Quadro de Referência Europeu de Garantia

Leia mais

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde 95 96 Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Princípio 1 Foco no cliente: dado que as organizações dependem

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde, Dr. Manuel Teixeira,

Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde, Dr. Manuel Teixeira, Ciclo de Conferências Saber Investir Saber Inovar 2015 Adicionar Valor ao Sistema de Saúde em Portugal 2 de Junho - CCB Intervenção do Presidente da APIFARMA Exmo. Senhor Secretário de Estado da Saúde,

Leia mais

Balanced Scorecard A experiência do IGFSS

Balanced Scorecard A experiência do IGFSS A experiência do IGFSS - IGFSS- 1 AGENDA 1. Quem somos 2. Balanced Scorecard 3. Resultados - IGFSS- 2 1. Quem Somos - IGFSS- 3 QUEM SOMOS? Somos o primeiro e único organismo da AP em Portugal com o reconhecimento

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade 1 Conceitos da qualidade Gestão da qualidade Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa/Escola Superior do Vale do Ave Alguns mitos da qualidade (Pires, 2007) A qualidade não se controla, fabrica-se a qualidade

Leia mais

Questionário de Satisfação dos clientes da CPCJ de Silves

Questionário de Satisfação dos clientes da CPCJ de Silves Questionário de Satisfação dos clientes da CPCJ de Silves INDÍCE Pag. I Introdução 2 II - Método de Recolha e tratamento de dados 2 III - Perfil dos Clientes 3 IV Análise 3 V - Conclusões finais 14 VI

Leia mais

Plano de Intervenção Avaliadores

Plano de Intervenção Avaliadores Plano de Intervenção Avaliadores Apresentam-se algumas especificidades do processo SIADAP 2012 visando o esclarecimento da abordagem a prosseguir pelos Avaliadores. Para obter esclarecimentos adicionais

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO N.º 15 / SI/ 2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio)

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DE QUALIDADE E AMBIENTE DE ACORDO COM OS REFERENCIAIS NORMATIVOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO Entidades Parceiras/Financiadoras 2016 DOC. 412.1 1. PROCEDIMENTO Na prestação de serviços a CSBJ aposta numa política de qualidade, que tem como fim último a satisfação

Leia mais

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva Gestão da Qualidade 1 Índice Introdução... 3 Objectivo geral... 4 Objectivos específicos... 4 Qualidade... 5 Gestão da Qualidade Total (TQM)... 6 Os princípios básicos da qualidade total são:... 7 Qualidade

Leia mais

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro Sessão de Esclarecimento e Debate sobre a Reforma da Administração Pública O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SIADAP * Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro 1 O SIADAP Portaria nº1633/2007

Leia mais

Padrões dos Projectos ABC

Padrões dos Projectos ABC Padrões dos Projectos ABC Adaptação com Base na Comunidade (ABC) é uma nova área para muitos profissionais do desenvolvimento. A ABC envolve reflexões sobre questões novas e por vezes complexas. Ela envolve

Leia mais

GUIA DOFORMANDO. Sistemas de Gestão da Segurança da Informação ISO/IEC

GUIA DOFORMANDO. Sistemas de Gestão da Segurança da Informação ISO/IEC GUIA DOFORMANDO Sistemas de Gestão da Segurança da Informação ISO/IEC 27001 www.intedya.pt 1. Bem-vindos ao campus virtual 2. Objetivos do curso 3. Índice de conteúdos 4. Guia de realização do curso 5.

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Perguntas mais frequentes Sucesso ao Alcance de Todos Pág: 1 de 7 Índice 1. Que posso conseguir com esta oportunidade?... 3 2. Tenho de ter exclusividade?... 3 3. Será que funciona? Será um negócio de

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO PARA OS CLIENTES 2016

INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO PARA OS CLIENTES 2016 Última Chamada. Sara Barbas: Animanostra, 2016 INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO PARA OS CLIENTES 2016 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO [Janeiro de 2017] Índice 1. Introdução 2 2. Objetivos 2 3. Metodologia do Inquérito 2

Leia mais

O desafio da transformação pela excelência em gestão

O desafio da transformação pela excelência em gestão O desafio da transformação pela excelência em gestão Conheça o novo Modelo de Excelência da Gestão - MEG 21ª Edição Gilmar Casagrande Sócio e Diretor da Casattos 23/08/2017 O PGQP, há 25 anos, mobiliza

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

A Gestão da Qualidade no contexto universitário:

A Gestão da Qualidade no contexto universitário: A Gestão da Qualidade no contexto universitário: a experiência da U.Porto José António Sarsfield Cabral 22.10.2008 1 Estrutura da apresentação O contexto Dificuldades na Gestão da Qualidade no ES Alguns

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 ONTEM... tendo magníficas colecções de informação, um ambiente físico inspirador ou uma rede avançada de tecnologia de informação.

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

O processo de. definição e implementação da Estratégia. Chapter Title. 15/e PPT

O processo de. definição e implementação da Estratégia. Chapter Title. 15/e PPT McGraw-Hill/Irwin 2007 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. 2 O processo de Chapter Title definição e implementação da Estratégia 15/e PPT Screen graphics created by: Jana F. Kuzmicki,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO (CAF)

QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO (CAF) QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO (CAF) Instruções Questionários do Pessoal Docente e Pessoal Não Docente O questionário encontra-se dividido em duas partes: 1. Caracterização estatística do colaborador 2.

Leia mais

A PROPÓSITO da MONITORIZAÇÃO das CARTAS EDUCATIVAS

A PROPÓSITO da MONITORIZAÇÃO das CARTAS EDUCATIVAS A PROPÓSITO da MONITORIZAÇÃO das CARTAS EDUCATIVAS O que se entende por monitorização? A monitorização é o procedimento que permite acompanhar e controlar o processo de intervenção e identificar eventuais

Leia mais

Funcionamento das Unidades Curriculares de Dissertação de Mestrado (Preparação e Elaboração)

Funcionamento das Unidades Curriculares de Dissertação de Mestrado (Preparação e Elaboração) Mestrado em Engenharia Informática Funcionamento das Unidades Curriculares de Dissertação de Mestrado (Preparação e Elaboração) Este documento descreve o regime de funcionamento das duas unidades curriculares

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES Ana Maria Duarte 1, Claudia Silva

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA COM VISTA À CONSTITUIÇÃO DE UMA LISTA DE RESERVA. Assistente de TI (M/F)

ANÚNCIO DE VAGA COM VISTA À CONSTITUIÇÃO DE UMA LISTA DE RESERVA. Assistente de TI (M/F) ANÚNCIO DE VAGA COM VISTA À CONSTITUIÇÃO DE UMA LISTA DE RESERVA Designação do cargo Grupos de funções/grau AST 3 Tipo de contrato Referência Prazo para apresentação de candidaturas Local de afetação Assistente

Leia mais

Especificação e aquisição

Especificação e aquisição Especificação e aquisição especificação: utilidade, linguagem e estilo especificação: estrutura e conteúdo o processo de aquisição aquisição: diálogo com os fornecedores Objectivos - sensibilizar para

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES Câmara Municipal de Miranda do Douro

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES Câmara Municipal de Miranda do Douro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES 2014 Câmara Municipal de Miranda do Douro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. A IMPORTANCIA DE MEDIR A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES 2 3. OBJECTIVOS 2 4. METODOLOGIA

Leia mais

Monitorização dos sinais vitais

Monitorização dos sinais vitais Monitorização dos sinais vitais a gestão de tempo potenciais problemas com a informação técnicas de melhoria na gestão de informação eliminação de burocracia Os planos devem constituir-se como uma ferramenta

Leia mais

por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008

por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008 por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008 biblioteca municipal de santa maria da feira: certificação: a qualidade ao serviço dos utilizadores Etelvina Araújo, Rui Campos, Tânia Gonçalves

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Manual de apoio à utilização do Formulário de Avaliação de Projectos e Despesas TIC www.ama.pt

Leia mais

POAT/FSE QREN ( ) Critérios de Análise de Projecto

POAT/FSE QREN ( ) Critérios de Análise de Projecto POAT/FSE QREN (2007 2013) Critérios de Análise de Projecto Índice Página 1 - Critérios de análise 3 2 - Critérios comuns 4 3 - Critérios específicos 5 4 - Classificação 6 5 - Anexos 7 2 1. Critérios de

Leia mais

Responsabilidade Empresarial: Auto-Avaliação de Fornecedores. V 1.8 June Siemens 2010, All Rights reserved.

Responsabilidade Empresarial: Auto-Avaliação de Fornecedores. V 1.8 June Siemens 2010, All Rights reserved. Responsabilidade Empresarial: Auto-Avaliação de Fornecedores V 1.8 June 2010 Siemens 2010, All Rights reserved. Munique, Setembro de 2009. Caros Parceiros, A Siemens pretende conduzir seu crescimento econômico

Leia mais

segunda-feira, 17 de Outubro de 2011

segunda-feira, 17 de Outubro de 2011 Relatório de Feedback da Avaliação 360º segunda-feira, 17 de Outubro de 2011 Teste 360 Questionário de Vendas Privado & Confidencial Conteúdos Introdução Compreender o seu Relatório de Feedback da Avaliação

Leia mais

Avaliação 360 Graus. Relatório Individual John Smith Example

Avaliação 360 Graus. Relatório Individual John Smith Example Queremos que nossos relatórios tenham impacto em você, mas não no meio ambiente. Por favor, imprima somente as páginas que precisar. Avaliação 360 Graus Relatório Individual John Smith Example Quantidade

Leia mais

Durante os últimos meses, a parceria tem trabalhado nos produtos finais do projecto T-STORY, a saber:

Durante os últimos meses, a parceria tem trabalhado nos produtos finais do projecto T-STORY, a saber: T- Story NEWSLETTER April 2014 June 2013 Edition N. Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA COM VISTA À CONSTITUIÇÃO DE UMA LISTA DE RESERVA. Especialista de TI (M/F)

ANÚNCIO DE VAGA COM VISTA À CONSTITUIÇÃO DE UMA LISTA DE RESERVA. Especialista de TI (M/F) ANÚNCIO DE VAGA COM VISTA À CONSTITUIÇÃO DE UMA LISTA DE RESERVA Designação do cargo Grupos de funções/grau AD 6 Tipo de contrato Referência Prazo para apresentação de candidaturas Local de afetação Especialista

Leia mais

CURSO DE TRATAMENTO DA DIABETES NO HOSPITAL

CURSO DE TRATAMENTO DA DIABETES NO HOSPITAL ACÇÃO DE FORMAÇÃO Nº 05 / 2016 CURSO DE TRATAMENTO DA DIABETES NO HOSPITAL INTRODUÇÃO: Mais de metade dos recursos económicos gastos no tratamento da Diabetes (DM), são atribuídos à abordagem da pessoa

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL

TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL 1. CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO A informação sanitária tem uma importância crucial

Leia mais

Da preparação à avaliação das propostas: questões a considerar Ricardo Miguéis Daniela Guerra Marisa Borges

Da preparação à avaliação das propostas: questões a considerar Ricardo Miguéis Daniela Guerra Marisa Borges Fundação para a Ciência e Tecnologia Agência de Inovação Da preparação à avaliação das propostas: questões a considerar Ricardo Miguéis Daniela Guerra Marisa Borges Julho de 2015 O Consórcio - Condições

Leia mais

O ENSINO E APRENDIZAGEM UTILIZANDO O RECURSO TESTE DO MOODLE

O ENSINO E APRENDIZAGEM UTILIZANDO O RECURSO TESTE DO MOODLE O ENSINO E APRENDIZAGEM UTILIZANDO O RECURSO TESTE DO MOODLE Cristina M.R. Caridade Instituto Superior de Engenharia de Coimbra caridade@isec.pt Maria do Céu Faulhaber Instituto Superior de Engenharia

Leia mais

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminários de Divulgação nos Municípios da CIRA Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-15-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio

Leia mais

Apoio do GPPQ Ricardo Migueis Todos os direitos reservados a GPPQ

Apoio do GPPQ Ricardo Migueis Todos os direitos reservados a GPPQ Apoio do GPPQ Ricardo Migueis O apoio do GPPQ aos proponentes nacionais ao H2020 3-4 meses 5 meses 3 meses 1º contacto O que é o H2020 Como funciona? Verificação da ideia A minha ideia integra-se numa

Leia mais

4º ENCONTRO REDE PME INOVAÇÃO COTEC

4º ENCONTRO REDE PME INOVAÇÃO COTEC 4º ENCONTRO REDE PME INOVAÇÃO COTEC CONTRIBUTO DAS GRANDES EMPRESAS PARA O CRESCIMENTO DAS PME ORADOR CARLOS BARBOT PRESIDENTE DO GRUPO BARBOT Lisboa, 09 de Novembro de 2010 Cooperação empresarial um caminho

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO Ministério da Economia IAPMEI - Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. MISSÃO: Promover a inovação e executar políticas de estímulo ao desenvolvimento empresarial, visando o reforço da competitividade

Leia mais

Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP

Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro SIADAP: PERIODICIDADE: bianual Requisitos para a avaliação:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA PLANO DE MELHORIA Cuba Julho de 2012 1- Introdução A avaliação é um procedimento que permite à organização que o implementa modelar a sua identidade, analisar os pontos fortes

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJECTOS. Projetos de inovação

ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJECTOS. Projetos de inovação ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJECTOS Projetos de inovação Definições Criatividade=Invenção=Inovação? Definições Criatividade Produto do génio humano, enquanto gerador de novas ideias, conceitos e teorias

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL Síntese do Workshop Nacional sobre o Projecto de Centros de Excelência do Ensino Superior para África

Leia mais

Formação Professores Programa A Empresa Junior Achievement Portugal

Formação Professores Programa A Empresa Junior Achievement Portugal Formação Professores Programa A Empresa Junior Achievement Portugal Nuno Fernandes Lisboa, 13 Novembro 2015 Do sonho... À Realidade... Ideia Plano Marketing Plano de Negócio 2 Junior Achievement Portugal

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro Comissão Executiva da Especialização em Engenharia de Segurança ORDEM DO 16 de Dezembro, 2015 ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2015-2020 - Por um trabalho seguro, saudável e produtivo

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular.

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. O MODELO DE AUTO-AVALIA AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. ESRDL/CREM CREM/Carlos Carlos Carvalho 1 Interacção Sociedade-Escola Escola-NTI Vivemos

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. . Pessoa de contacto. Tel.

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal.  . Pessoa de contacto. Tel. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO Empresa. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. E-mail. Pessoa de contacto. Tel. A presente Checklist, composta por três partes,

Leia mais

Modelo de autoavaliação da ESARS

Modelo de autoavaliação da ESARS 2014-2017 Modelo de autoavaliação da ESARS Observatório da Qualidade Índice Introdução 2 Enquadramento 3 Trabalho desenvolvido no ano letivo 2013-2014 e 2014-2015 4 Missão e Finalidades 6 Princípios Orientadores

Leia mais

Developing your business through qualified people and efficient operations

Developing your business through qualified people and efficient operations Developing your business through qualified people and efficient operations Apresentação actualizada em 20Mar08 e mail@vnetg.com t +351 305525530 f +351 305525559 w www.vnetg.com quem somos A ValueNetworks

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EVENTOS

AVALIAÇÃO DE EVENTOS AVALIAÇÃO DE EVENTOS Marketing, Publicidade e Relações Públicas /2008 AVALIAÇÃO DE EVENTOS A avaliação de um evento consiste no processo de observação, medição e acompanhamento crítico da sua implementação,

Leia mais

Alterações à parte Prioridade 1: Ciências da vida, genómica e biotecnologia para a saúde da Decisão C(2003)1952 da Comissão, de 27 de Junho de 2003

Alterações à parte Prioridade 1: Ciências da vida, genómica e biotecnologia para a saúde da Decisão C(2003)1952 da Comissão, de 27 de Junho de 2003 Alterações à parte Prioridade 1: Ciências da vida, genómica e biotecnologia para a saúde da Decisão C(2003)1952 da Comissão, de 27 de Junho de 2003 Alteração nº 1 Na página 25, alínea c) Luta contra as

Leia mais

Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social

Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social Nota de Apresentação Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social (Referencial) O presente documento constitui uma proposta de referencial do processo de monitorização

Leia mais

PLANEAMENTO MONITORIA AVALIAÇÃO (PMA) NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL (FP)

PLANEAMENTO MONITORIA AVALIAÇÃO (PMA) NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL (FP) Jornada Internacional O desenvolvimento de competências para aumentar produtividade e emprego 27 28 de Março 2012, Luanda PLANEAMENTO MONITORIA AVALIAÇÃO (PMA) NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL (FP) Julia Giebeler

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA DOCT/1975/CSE/EM 18ª DECISÃO DA SECÇÃO PERMANENTE S MACROECONÓMICAS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO SOBRE CONTAS NACIONAIS E REGIONAIS RELATIVO À ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE NOS OUTROS SERVIÇOS Considerando

Leia mais

Criar capacidade básica em compras sustentáveis em Portugal o projeto Building SPP. Paula Trindade Investigadora LNEG Coordenadora Building SPP

Criar capacidade básica em compras sustentáveis em Portugal o projeto Building SPP. Paula Trindade Investigadora LNEG Coordenadora Building SPP Criar capacidade básica em compras sustentáveis em Portugal o projeto Building SPP Paula Trindade Investigadora LNEG Coordenadora Building SPP Coordenação internacional: LNEG/UEE Parceiros nacionais: CM

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais