M A R MODELO DE AVALIAÇÃO DE RISCOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "M A R MODELO DE AVALIAÇÃO DE RISCOS"

Transcrição

1 M A R MODELO DE AVALIAÇÃO DE RISCOS

2 ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR ACORDO DE CAPITAL DE BASILEIA - PILAR 2 PRINCÍPIOS DESTINADOS A REFORÇAR A LIGAÇÃO ENTRE O CAPITAL INTERNO DETIDO POR UMA INSTITUIÇÃO E OS RISCOS EMERGENTES DA SUA ACTIVIDADE DIRECTIVA 2006/48/CE (REQUISITOS DE CAPITAL) ARTIGO 123.º - PROCESSO DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO (ICAAP) CÁLCULO DO CAPITAL INTERNO EM FUNÇÃO DA NATUREZA E NÍVEL DE RISCOS DA ACTIVIDADE ARTIGO 124.º - PROCESSO DE REVISÃO E AVALIAÇÃO PELO SUPERVISOR (SREP) AVALIAÇÃO DOS RISCOS E DOS SISTEMAS IMPLEMENTADOS PELAS INSTITUIÇÕES PARA A SUA GESTÃO DECRETOS-LEIS 104/2007 E 103/2007 2

3 PROCESSO DE SUPERVISÃO INSTITUIÇÕES BANCO DE PORTUGAL GOVERNO DE SOCIEDADE ARTIGO 14.º RGICSF ICAAP ARTIGO 28.º DL 104/2007 INSTRUÇÃO 15/2007 PROCESSO DE AUTO-AVALIAÇÃO DESTINADO A IDENTIFICAR OS RISCOS E CONTROLOS EXISTENTES E O CAPITAL INTERNO ADEQUADO AO PERFIL DE RISCO CALCULADO DIÁLOGO REVISÃO E AVALIAÇÃO (SREP) ARTIGO 116.º-A RGICSF PROCESSO AUTÓNOMO DE AVALIAÇÃO DOS RISCOS INCORRIDOS PELAS INSTITUIÇÕES, DOS DISPOSITIVOS DE GOVERNO DE SOCIEDADE, DOS PRESSUPOSTOS E RESULTADOS DO ICAAP E DA ADEQUAÇÃO DOS FUNDOS PRÓPRIOS SUPORTADO MODELO DE POR AVALIAÇÃO UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RISCOS DE (MAR) RISCOS 3

4 PRINCÍPIOS BASE COMITÉ DE SUPERVISORES BANCÁRIOS EUROPEUS - CEBS GUIDELINES ON THE APPLICATION OF THE SUPERVISORY REVIEW PROCESS UNDER PILLAR 2 DEFINE STANDARDS MÍNIMOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE MODELOS DE AVALIAÇÃO DE RISCOS DEFINIÇÃO OBJECTIVA DOS RISCOS E CONTROLOS A AVALIAR DISTINÇÃO CLARA ENTRE OS CONCEITOS DE RISCO E CONTROLO AVALIAÇÃO INDIVIDUALIZADA DOS RISCOS E CONTROLOS AO NÍVEL DAS ÁREAS MATERIALMENTE RELEVANTES NUMA INSTITUIÇÃO EXISTÊNCIA DE PROCEDIMENTOS QUE GARANTAM A QUALIDADE E CONSISTÊNCIA DOS RESULTADOS 4

5 O QUE É, PARA QUE SERVE MÉTODO STANDARD PARA A AVALIAÇÃO DO PERFIL DE RISCO DAS INSTITUIÇÕES SISTEMATIZA E UNIFORMIZA A ACÇÃO DO SUPERVISOR MAIS EFICIÊNCIA E MAIOR CONSISTÊNCIA E TRANSPARÊNCIA DOS RESULTADOS MÉTODO QUE ATRIBUI UMA NOTAÇÃO ( RATING ) EM FUNÇÃO DO PERFIL DE RISCO PERMITE UMA PERCEPÇÃO COMPARATIVA DOS RESULTADOS DA SUPERVISÃO FACILITA AS ANÁLISES PEER GROUP E POSSIBILITA A DETECÇÃO DE DESVIOS MÉTODO FOCALIZADO NOS RISCOS DA ACTIVIDADE DAS INSTITUIÇÕES PERMITE A DETECÇÃO PRECOCE DE PROBLEMAS E A AFECTAÇÃO EFICIENTE DE RECURSOS PROMOVE UMA ACTUAÇÃO PREVENTIVA E MAXIMIZA A EFICÁCIA DA SUPERVISÃO 5

6 OBJECTIVOS DA AVALIAÇÃO DETERMINAR O PERFIL DE RISCO DA INSTITUIÇÃO MAGNITUDE DOS RISCOS DECORRENTES DA ACTIVIDADE QUALIDADE E SOLIDEZ DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO CRÉDITO CAMBIAL MERCADO TAXA DE JURO OPERACIONAL SIST. INF. COMPLIANCE ORGANIZAÇÃO REPUTAÇÃO ESTRATÉGIA GESTÃO CONTROLOS ESPECÍFICOS DE CADA RISCO (PROCESSOS DE IDENTIFICAÇÃO, AVALIAÇÃO, ACOMPANHAMENTO E CONTROLO DE RISCOS) AVALIAR A CONDIÇÃO FINANCEIRA SOLVABILIDADE LIQUIDEZ ADEQUAÇÃO DA POSIÇÃO QUALIDADE DO PROCESSO DE GESTÃO ADEQUAÇÃO DA POSIÇÃO QUALIDADE DO PROCESSO DE GESTÃO 6

7 ABORDAGEM NA AVALIAÇÃO DOS RISCOS RISCO RISCOS MITIGADOS POR CONTROLOS CONTROLOS RISCO LÍQUIDO RISCOS INTRÍNSECOS À ACTIVIDADE SELECÇÃ ÃO CONTROLOS INSTITUIÇÃO IMPLEMENTADOSMONITORIZAÇÃO PARA MITIGAR OS RISCOS 7

8 PRINCIPAIS FASES DO PROCESSO FASE DESCRIÇÃO E ANÁLISE FINANCEIRA BREAKDOWN POR ÁREAS FUNCIONAIS AVALIAÇÃO DE RISCOS E CONTROLOS AGREGAÇÃO E REPORTE DOS RESULTADOS O QUE É? RECOLHA DE DADOS QUALITATIVOS E QUANTITATIVOS SOBRE A INSTITUIÇÃO DECOMPOSIÇÃO DA INSTITUIÇÃO POR BLOCOS E IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS E CONTROLOS AVALIAÇÃO PELO SUPERVISOR DOS RISCOS E CONTROLOS DE CADA ÁREA SELECCIONADA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES NUMÉRICOS E EXTRACÇÃO DE CONCLUSÕES PARA QUE SERVE? COMPREENSÃO GLOBAL DA ACTIVIDADE E RISCOS DA INSTITUIÇÃO SELECCIONAR ÁREAS MATERIAIS E POSSIBILITAR A INTEGRAÇÃO DOS RESULTADOS DE ACÇÕES PARCIAIS IDENTIFICAR ÁREAS PROBLEMÁTICAS PARA ACTUAÇÃO DO SUPERVISOR COMPARAR E HIERARQUIZAR RESULTADOS PARA AFECTAR, DE FORMA EFICIENTE, OS RECURSOS 8

9 AVALIAÇÃO DE RISCOS E CONTROLOS BASEADA NA EXPERIÊNCIA E JUÍZO CRÍTICO DO SUPERVISOR MAS GUIADA POR CRITÉRIOS OBJECTIVOS DEFINIDOS EM MANUAL DE PROCEDIMENTOS 1 MAGNITUDE DOS RISCOS REDUZIDO TRADUZ-SE NA ATRIBUIÇÃO DE UMA NOTAÇÃO NUMÉRICA (ESCALA DE 4 PONTOS) 1 QUALIDADE DOS CONTROLOS BOM MODERADO MATERIAL ELEVADO POSSIBILITA A AGREGAÇÃO MATEMÁTICA DOS RESULTADOS E FACILITA A SUA COMPARAÇÃO ACEITÁVEL MELHORÁVEL DEFICIENTE NOTAÇÃO 3 NECESSIDADE DE MEDIDAS CORRECTIVAS 9

10 DIMENSÕES CONSIDERADAS PERFIL DE RISCO SOLVABILIDADE LIQUIDEZ RELEVÂNCIA SISTÉMICA 10

11 INTEGRAÇÃO NA ACTIVIDADE DE SUPERVISÃO RESULTADOS DO MAR ACÇÕES DE SUPERVISÃO PLANEAMENTO DA ACTIVIDADE DE SUPERVISÃO 11

12 INTERLIGAÇÃO COM O AVISO N.º 5/2008 (CONTROLO INTERNO) AVISO DO BANCO DE PORTUGAL N.º 5/2008 INTERNAL CONTROL INTEGRATED FRAMEWORK (COSO) CÓDIGO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CMVM) FRAMEWORK FOR INTERNAL CONTROL SYSTEMS IN BANKING ORGANIZATIONS (COMITÉ DE BASILEIA) NORMA REGULAMENTAR 14/2005-R (ISP) GUIDELINES ON THE APPLICATION OF THE SUPERVISORY REVIEW PROCESS UNDER PILLAR 2 (CEBS) MAR MODELO DE AVALIAÇÃO DE RISCOS 12

13 COMPONENTE DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO AMBIENTE DE CONTROLO REFLECTE A ATITUDE DA INSTITUIÇÃO PERANTE O CONTROLO INTERNO E ESTABELECE A ESTRUTURA E DISCIPLINA DO SISTEMA DE CONTROLO SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS VISA IDENTIFICAR, AVALIAR, ACOMPANHAR E CONTROLAR TODOS OS RISCOS QUE POSSAM INFLUENCIAR OS OBJECTIVOS DEFINIDOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DESTINA-SE A GARANTIR A CAPTAÇÃO, TRATAMENTO E TROCA DE DADOS PARA A GESTÃO E CONTROLO DA ACTIVIDADE PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO VISA ASSEGURAR A ADEQUAÇÃO E EFICÁCIA DO PRÓPRIO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO IMPLEMENTAÇÃO DE ACORDO COM O PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE 13

14 CONTROLO INTERNO AMBIENTE DE CONTROLO AMBIENTE DE CONTROLO IMPORTÂNCIA E ÊNFASE DO CONTROLO INTERNO REFLECTIDAS NAS MEDIDAS TOMADAS, NAS POLÍTICAS E PROCEDIMENTOS APROVADOS E NA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL EXISTENTE CULTURA ORGANIZACIONAL ESTRUTURA ORGANIZACIONAL PLANEAMENTO ESTRATÉGICO SUSTENTADA EM PADRÕES ELEVADOS DE ÉTICA, INTEGRIDADE E DE PROFISSIONALISMO DEFINIÇÃO CLARA DA ESTRUTURA, DAS RESPONSABILIDADES E COMPETÊNCIAS, DAS LINHAS DE REPORTE E DE AUTORIDADE DEFINIÇÃO DE OBJECTIVOS PARA A ACTIVIDADE, DA POLÍTICA DE RISCO E DE ORIENTAÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO 14

15 CONTROLO INTERNO SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS SISTEMA DE GESTÃO DE RISCOS VISA GARANTIR UMA IMPLEMENTAÇÃO ADEQUADA DA ESTRATÉGIA E O CUMPRIMENTO DOS OBJECTIVOS DEFINIDOS, COM BASE NA COMPREENSÃO APROPRIADA DA NATUREZA E DA MAGNITUDE DOS RISCOS SUBJACENTES À ACTIVIDADE DESENVOLVIDA IDENTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO ACOMPANHAMENTO CONTROLO CRÉDITO CAMBIAL MERCADO TAXA DE JURO LIQUIDEZ RISCOS COMPLIANCE OPERACIONAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRATÉGIA REPUTAÇÃO AS INSTITUIÇÕES PODEM ADOPTAR DEFINIÇÕES PRÓPRIAS DE RISCO, DESDE QUE, NO SEU CONJUNTO, ABARQUEM TODOS OS FACTORES DE RISCO ASSOCIADOS ÀS CATEGORIAS ANTERIORES 15

16 CONTROLO INTERNO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PROCESSO DE INFORMAÇÃO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO GARANTIR A EXISTÊNCIA DE INFORMAÇÃO QUE PERMITA UMA VISÃO GLOBAL E ABRANGENTE SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA ACTIVIDADE, O CUMPRIMENTO DA ESTRATÉGIA E DOS OBJECTIVOS DEFINIDOS, O PERFIL DE RISCO DA INSTITUIÇÃO E O COMPORTAMENTO E EVOLUÇÃO DO MERCADO OU MERCADOS RELEVANTES REPORTE TEMPESTIVO E ADEQUADO DA INFORMAÇÃO PARA OS INTERVENIENTES E FUNÇÕES APROPRIADOS ATRAVÉS DE PROCESSOS E LINHAS DE REPORTE FORMAIS E TRANSPARENTES, INTERNOS E EXTERNOS, QUE GARANTAM UMA COMUNICAÇÃO EFICAZ ATRAVÉS DA ORGANIZAÇÃO 16

17 CONTROLO INTERNO PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO ACÇÕES E AVALIAÇÕES DE CONTROLO DESENVOLVIDAS PELAS INSTITUIÇÕES COM VISTA A GARANTIR A EFICÁCIA E ADEQUAÇÃO DO SEU SISTEMA DE CONTROLO INTERNO, TENDO EM VISTA, NOMEADAMENTE, A IDENTIFICAÇÃO DE FALHAS E/OU FRAGILIDADES NO SISTEMA ACÇÕES DE CONTROLO PROCEDIMENTOS CONTÍNUOS DE REVISÃO DAS TAREFAS EXECUTADAS, PREVIAMENTE À SUA FORMALIZAÇÃO OU TRANSMISSÃO A TERCEIROS AVALIAÇÕES DE CONTROLO AUTÓNOMAS E EXECUTADAS POR FUNÇÃO DE AUDITORIA INTERNA OU SUBCONTRATADAS A ENTIDADES QUALIFICADAS PARA O EFEITO DISPENSA N. º COLABORADORES < 30 PROVEITOS OPERACIONAIS < 20 M 17

18 CONTROLO INTERNO RESPONSABILIDADES DA AUDITORIA INTERNA O AVISO N.º 5/2008 ATRIBUI À FUNÇÃO DE AUDITORIA INTERNA A S SEGUINTES RESPONSABILIDADES (ARTIGO 22.º, N.º 1): ELABORAR PLANO DE AUDITORIA PARA AVALIAR A ADEQUAÇÃO E A EFICÁCIA DAS DIVERSAS COMPONENTES DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA INSTITUIÇÃO, BEM COMO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO COMO UM TODO EMITIR RECOMENDAÇÕES BASEADAS NOS RESULTADOS DAS AVALIAÇÕES REALIZADAS E VERIFICAR A SUA OBSERVÂNCIA APRESENTAR AO ÓRGÃO DE ADMINISTRAÇÃO E AO ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO UM RELATÓRIO, DE PERIODICIDADE PELO MENOS ANUAL, SOBRE QUESTÕES DE AUDITORIA, COM UMA SÍNTESE DAS PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS DETECTADAS 18

19 CONTROLO INTERNO PRINCÍPIOS QUE DEVEM NORTEAR O PLANO DE AUDITORIA NA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AUDITORIA, DEVEM SER RESPEITADOS OS SEGUINTES PRINCÍPIOS (ARTIGO 22.º, N.º 2): O PLANO DE AUDITORIA DEVE ASSEGURAR UM EXAME ABRANGENTE, ORIENTADO PARA O RISCO, DAS ACTIVIDADES, SISTEMAS E PROCESSOS DA INSTITUIÇÃO PARA CADA AVALIAÇÃO DEVEM SER ESTABELECIDOS OS OBJECTIVOS DA AUDITORIA, IDENTIFICADAS AS ACTIVIDADES E OS PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO OBJECTO DE REVISÃO E FIXADOS OS RECURSOS NECESSÁRIOS PARA A SUA EXECUÇÃO DEVEM SER CLARAMENTE DEFINIDOS OS CRITÉRIOS PARA AVALIAR A ADEQUAÇÃO DE POLÍTICAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLOS ESPECÍFICOS IMPLEMENTADOS PELA INSTITUIÇÃO 19

20 CONTROLO INTERNO CONTEÚDO DO RELATÓRIO DE CONTROLO INTERNO O RELATÓRIO DE CONTROLO INTERNO DEVE INCLUIR (ENTRE OUTROS ASPECTOS): UMA DESCRIÇÃO DAS DEFICIÊNCIAS DETECTADAS PELA FUNÇÃO DE AUDITORIA INTERNA (AINDA NÃO CORRIGIDAS), ORGANIZADA POR ÁREAS FUNCIONAIS, INDICANDO A DATA DE DETECÇÃO E A DE COMUNICAÇÃO AO ÓRGÃO DE ADMINISTRAÇÃO, A CATEGORIA E GRAU RISCO ASSOCIADOS, AS SUAS POTENCIAIS IMPLICAÇÕES E AS MEDIDAS CORRECTIVAS ADOPTADAS UMA DESCRIÇÃO DO PLANO DE AUDITORIA INTERNA INDICAÇÃO DA DATA DA ÚLTIMA ACÇÃO DE AUDITORIA REALIZADA A CADA ÁREA FUNCIONAL DA INSTITUIÇÃO, DEVENDO SER EXPLICITAMENTE IDENTIFICADAS AQUELAS QUE NÃO TENHAM SIDO OBJECTO DE ACÇÕES DE AUDITORIA NO PERÍODO A QUE SE REPORTA O RELATÓRIO 20

21 CONCLUSÕES INTERLIGAÇÃO ENTRE A AVALIAÇÃO PREVISTA NO MAR COM AS OBRIGAÇÕES DECORRENTES DO AVISO N.º 5/2008 A AUDITORIA INTERNA DEVE TER PRESENTE OS CONCEITOS DE ÁREA FUNCIONAL E DE CATEGORIAS DE RISCO E DE CONTROLO QUE INTEGRAM O MAR PRINCÍPIOS DA METODOLOGIA MAR (POR EXEMPLO, PROCESSO DE BREAKDOWN, CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO) PODEM CONTRIBUIR PARA O CUMPRIMENTO DOS PRINCÍPIOS QUE DEVEM REGER O PLANO DE AUDITORIA TRABALHO DA AUDITORIA INTERNA FUNDAMENTAL PARA O DIÁLOGO ENTRE O BANCO DE PORTUGAL E AS INSTITUIÇÕES, SENDO ESTE DIÁLOGO UM ELEMENTO ESSENCIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROCESSO DE SUPERVISÃO NO ÂMBITO DO PILAR 2 21

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna 2015 Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Agenda 1. Enquadramento 2. Abordagem Operacional 3. Execução do Plano 2015 4. Plano de Auditoria Interna 2016

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

O Projecto Solvência II

O Projecto Solvência II 8.ª Reunião do Conselho Nacional do Mercado de Valores Mobiliários O Projecto Solvência II Fernando Nogueira Presidente do Instituto de Seguros de Portugal 20/12/2006 Solvência II Objectivos Incrementar

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 2008 INSTITUCIONAL GESTÃO DE RISCOS Com as constantes mudanças no cenário financeiro mundial mercado globalizado, diversidade de produtos e serviços financeiros

Leia mais

Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes. Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil

Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes. Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil Governança Corporativa e Prevenção a Fraudes Anthero de Moraes Meirelles Diretor de Fiscalização Banco Central do Brasil Agenda 1. A Supervisão do SFN e a importância da Governança Corporativa 2. Prevenção

Leia mais

CB.POL a. 1 / 7

CB.POL a. 1 / 7 CB.POL-.01 4 a. 1 / 7 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Esta política estabelece diretrizes e responsabilidades para a implementação e manutenção do Sistema de Controles Internos integrado ao Gerenciamento de

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S/A CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN 3.380/06 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição:

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: RESOLUÇÃO N 2554 Dispõe sobre a implantação e implemenação de sistema de controles internos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

Política de Gestão de Riscos Junho 2016

Política de Gestão de Riscos Junho 2016 Política de Gestão de Riscos Junho 2016 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. IDENTIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DOS RISCOS... 3 4.

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional

Relatório Anual Gerenciamento de Risco Operacional Relatório Anual 2015 Gerenciamento de Risco Operacional Sumário Introdução Estrutura de Risco Operacional Responsabilidades Metodologia de Gerenciamento Aprovação e Divulgação Conclusão 1 Introdução Em

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

RISCO DE TESOURARIA. Gestão de Operações e. 2ª Edição Curso Prático. Inscreva-se em OSEUFORMADOR

RISCO DE TESOURARIA. Gestão de Operações e. 2ª Edição Curso Prático. Inscreva-se em OSEUFORMADOR 2ª Edição Curso Prático Gestão de Operações e RISCO DE TESOURARIA SAIBA COMO REALIZAR UMA GESTÃO EFICIENTE, REDUZIR OS RISCOS E CONTROLAR O CASH FLOW OSEUFORMADOR Lisboa, 21, 22 e 23 de Novembro de 2016

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 10 13/5/2016 Informação

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) 1. A Comissão de Controlo do Governo Societário (CCGS) é designada pelo Conselho de Administração

Leia mais

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades:

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades: POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS A BAF Investimentos Ltda. ("BAF") tem como filosofia ser conservadora em sua atuação, visando à gestão eficiente dos riscos intrínsecos as suas atividades. Nesse sentido, os

Leia mais

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário -Sumário O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário 1.ª Convenção SOGILUB Porque o Óleo tem mais Vidas Enquadramento legal Comunitário nacional Mário Grácio 9 de Novembro de 2010 O sector

Leia mais

Mestrado em Gestão Industrial

Mestrado em Gestão Industrial Mestrado em Gestão Industrial Disciplina: CONTROLO DE GESTÃO Capítulo 1: Ideias Chave de Controlo de Gestão 1 SUMÁRIO O Valor e a medição da Performance As perspectivas de performance As implicações nos

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DEFINIÇÃO O BMB entende que uma gestão apropriada do risco operacional é importante,

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Organograma... 3 3. Vigência... 4 4. Abrangência... 4 5. Conceito... 5 5.1 Risco de liquidez do fluxo

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA Jerónimo Martins SGPS, S.A. ARTIGO 1.º (Atribuições) 1. A Comissão de Governo da Sociedade e de Responsabilidade Corporativa

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Estrutura da Área... 4 6. Análise de Risco de Crédito...

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES

ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II

Leia mais

A relação da função de Auditoria Interna com as entidades de Supervisão. Caixa de Pandora ou Oportunidade? 11.out.2016

A relação da função de Auditoria Interna com as entidades de Supervisão. Caixa de Pandora ou Oportunidade? 11.out.2016 A relação da função de Auditoria Interna com as entidades de Supervisão Caixa de Pandora ou Oportunidade? Mitologia Grega Caixa de Pandora é algo que: gera curiosidade mas que se deve manter por revelar

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

Engineering Solutions Consulting. Consulting

Engineering Solutions Consulting. Consulting Engineering Solutions Consulting Consulting Missão e compromisso A nossa missão é proporcionar uma abordagem inovadora, diferenciadora e que aporte valor, com uma equipa jovem, dedicada, empenhada e qualificada,

Leia mais

#pública. Risco Operacional

#pública. Risco Operacional #pública Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo 3 2. Estrutura Organizacional 3 3. Governança para a Gestão do Risco Operacional 4 3.1 Conselho de Administração 4 3.2 Diretoria

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO Pág.: 1/14 3/ OBJETIVO Política de Gestão de Risco Assegurar o atingimento dos objetivos e das estratégias de negócio, identificando e comunicando tempestivamente a necessidade

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS - ORIGINAL ASSET MANAGEMENT Índice A) OBJETIVOS 3 B) APROVAÇÃO 3 C) ABRANGÊNCIA 3 D) DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. DEFINIÇÕES 3 2. ESTRUTURA DE CONTROLE E DIRETRIZES

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO (Acordo assinado em 8 de Outubro de 2004, em Bruxelas, entre a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e as Associações Patronais Europeias) 1. Introdução O stress

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Introdução Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles internos a serem observados para o fortalecimento e funcionamento dos

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto:

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto: Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 21/2002-R Data: 28/11/2002 Assunto: POLÍTICA DE INVESTIMENTO DOS FUNDOS DE PENSÕES - REGRAS DE COMPOSIÇÃO DO PATRIMÓNIO E MECANISMOS DE DEFINIÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

Mod rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Fornecedores de Material de Escritório

Mod rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Fornecedores de Material de Escritório Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Fornecedores de Material de Escritório Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de um Sistema de Gestão

Leia mais

VI - Política de Conflitos de Interesses

VI - Política de Conflitos de Interesses VI - Política de Conflitos de Interesses Nos termos e para os efeitos do disposto no Artigo 309.º-A e seguintes do Código dos Valores Mobiliários, descreve-se, em seguida, a politica de conflitos de interesses

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

Instrução n. o 9/2016 BO n. o

Instrução n. o 9/2016 BO n. o Instrução n. o 9/2016 BO n. o 7 15-07-2016 Temas Supervisão Normas Prudenciais Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Autorização para a utilização de modelos internos para cálculo dos requisitos

Leia mais

Manual de Conformidade

Manual de Conformidade Manual de Conformidade Divisão de Conformidade BB Gestão de Recursos DTVM S.A. SUMÁRIO Introdução... 2 Definições... 3 1. Capítulo 1 - Segregação na Administração de Recursos de Terceiros... 4 2. Capítulo

Leia mais

Uso s I rres rre t s ri t to

Uso s I rres rre t s ri t to Título Formação Ciências Contábeis MBA Gestão Estratégica MMBA Marketing Estratégico Mestrado Executivo Internacional (Conclusão) Especialização HEC Paris HEC Montreal EADA Barcelona ADG/DGRV FIA FDC Luciano

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.685, DE 19 DE DEZEMBRO DE Lucio Rodrigues Capelletto

CARTA CIRCULAR Nº 3.685, DE 19 DE DEZEMBRO DE Lucio Rodrigues Capelletto CARTA CIRCULAR Nº 3.685, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Divulga o modelo de relatório do Processo Interno de Avaliação da Adequação de Capital (Icaap) de que trata a Circular nº 3.547, de 7 de julho de 2011.

Leia mais

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: GERÊNCIA DE RISCOS JULIANA PENTAGNA GUIMARÃES Diretoria da Sociedade LEANDRO SALIBA Diretoria da Sociedade INDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS... 2 3. CONCEITO... 2 4. ABRANGÊNCIA...

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Paulo Bornhausen) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Paulo Bornhausen) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Paulo Bornhausen) Dispõe sobre o exercício da profissão de supervisor de segurança portuária. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A profissão de supervisor de segurança

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso Anexo A Protocolo do Estudo de Caso 140 Protocolo do Estudo de Caso - Especificação do Processo de Recolha de Informação O processo de recolha de informação no decorrer do estudo de caso respeita a três

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 73, de 19 de Abril. AVISO N.º 02/2013 de 22 de Março

Publicado no Diário da República, I série, nº 73, de 19 de Abril. AVISO N.º 02/2013 de 22 de Março Publicado no Diário da República, I série, nº 73, de 19 de Abril AVISO N.º 02/2013 de 22 de Março ASSUNTO: CONTROLO INTERNO Considerando, por um lado, o desenvolvimento do sistema financeiro angolano,

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

2 Âmbito Esta Instrução de Trabalho aplica-se à Certificação do Controlo da Produção de Cabos, de acordo com a norma NS 9415.

2 Âmbito Esta Instrução de Trabalho aplica-se à Certificação do Controlo da Produção de Cabos, de acordo com a norma NS 9415. 1 Objectivo Esta Instrução de Trabalho define o esquema de certificação do controlo da produção de Cabos, nomeadamente os Planos de Controlo Externo e Interno a efectuar pela EIC e pelo produtor, respectivamente.

Leia mais

Workshop de Gestão de Recursos Humanos Objetivos Gerais Dotar os participantes de técnicas, métodos e instrumentos que vão fazer melhorar o planeamento, o acompanhamento e a Gestão dos Recursos Humanos.

Leia mais

POLÍTICA. Sistema de Gestão de Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Referência do Documento PL03 SGSI _V5

POLÍTICA. Sistema de Gestão de Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Referência do Documento PL03 SGSI _V5 POLÍTICA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Referência do Documento PL03 SGSI _V5 D Público 1 PL03 SGSI_V5 ÍNDICE 1. Referências Pág. 3 2. Documentos Associados Pág. 3 3. Registos Associados Pág. 3 4.

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A 1 1. SUMÁRIO Em atendimento a Instrução CVM nº 558, o Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. (doravante denominado simplesmente

Leia mais

LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA

LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=115179 LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA Documento

Leia mais

Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas Índice 1. Enquadramento... 2 2. Objectivos... 2 3. Âmbito do Plano... 3 4. Missão da Entidade... 3 5. Áreas avaliadas, Principais Riscos e formas de mitigação... 4 6. Mecanismos de Controlo... 9 7. Entidades

Leia mais

Artigo 1º ÂMBITO. Artigo 2º EQUIDADE, DILIGÊNCIA E TRANSPARÊNCIA

Artigo 1º ÂMBITO. Artigo 2º EQUIDADE, DILIGÊNCIA E TRANSPARÊNCIA REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GENERALI NO QUADRO DO SEU RELACIONAMENTO COM OS TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS Artigo 1º ÂMBITO 1. O presente Regulamento consagra

Leia mais

Six Sigma / Lean Six Sigma

Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Yellow Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Green Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Black Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Master Black Belt 1 Qualificações

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

Solvência II. Gabriel Bernardino 25 de Outubro de 2007

Solvência II. Gabriel Bernardino 25 de Outubro de 2007 Solvência II A visão o da Presidência Portuguesa Gabriel Bernardino 25 de Outubro de 2007 Sumário 1. O Solvência II e a Presidência Portuguesa 2. As traves mestras do Solvência II 3. Alguns temas para

Leia mais

efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS

efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Promovemos a sustentabilidade do seu negócio Júlio Faceira Guedes XZ Consultores, SA O MODELO DE GESTÃO efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Porto, 08 de Maio de 2012 O modelo de gestão efr 1. O que

Leia mais

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro Sessão de Esclarecimento e Debate sobre a Reforma da Administração Pública O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SIADAP * Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro 1 O SIADAP Portaria nº1633/2007

Leia mais

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL De acordo com o Plano Estratégico apresentado ao Conselho Geral da Universidade da Madeira (UMa) ficou estabelecida a constituição de um Observatório

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MESTRADO EM ENGENHARIA ALIMENTAR SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Sistema de controlo simples e lógico COMO FAZER O FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore Ana Santos,

Leia mais

Certificação ISO no

Certificação ISO no Certificação ISO 27001 no Instituto t de Informática, I.P. (MTSS) 30-11-2010 1 Agenda O Instituto t de Informática, I.P.; Sistema de Gestão Integrado (ISO 9001, 27001, 20000) Manutenção da Certificação

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho/2016 Sócios / Administração 1 / 7 Índice 1. Objetivo... 3 2. Estrutura... 3 a. Comitê de Risco... 3 3. Risco de Preço... 4 4. Risco de Liquidez e Concentração... 4 5.

Leia mais

Política de Gestão de Riscos AES Brasil

Política de Gestão de Riscos AES Brasil Política de Gestão de Riscos AES Brasil 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes gerais para a Gestão de Riscos do Grupo AES no Brasil, visando conceituar e documentar os princípios de Gestão de Riscos e atividades

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS DA JUNHO 2016 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo... 3 2. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 2.1. Diretrizes... 3 3. RISCO DE MERCADO... 4 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 5 4.1. Introdução...

Leia mais

As Tendências da Certificação

As Tendências da Certificação As Tendências da Certificação Seminário APCER - 2009 Apresentar o Sistema de Gestão da Qualidade e a Certificação do Produto Betão, dando a conhecer as Especificidades inerentes ao Sector da Construção

Leia mais

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO OBJECTIVO O objectivo deste regulamento é definir os requisitos para integração e manutenção de auditores na bolsa de auditores da Ordem dos Farmacêuticos. ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO Actividades desenvolvidas

Leia mais

Código de Ética Elaborado em Janeiro de 2016 Atualizado em Junho de 2016 1. INTRODUÇÃO Este Código de Ética estabelece as regras e princípios que nortearão os padrões éticos e de conduta profissional,

Leia mais

Manual de Compliance e Controles Internos Compliance

Manual de Compliance e Controles Internos Compliance Manual de Compliance e Controles Internos Compliance Junho de 2016 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. APLICABILIDADE... 2 3. RESPONSABILIDADES... 2 3.1. ÁREAS INTERNAS 2 3.2. COMPLIANCE 2 3.3. DIRETORIA 2 3.4.

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo N. 75 / 2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Inspecção do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Manual de Gerenciamento do Risco Operacional

Manual de Gerenciamento do Risco Operacional #pública Manual de Gerenciamento do Risco Operacional Aprovado pela Diretoria Executiva em 25/10/2016 Criação: 29/09/2016 Versão: 1.1 SUMÁRIO 1. CONTEXTO, FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES 3 1.1 CONTEXTO 3 1.2

Leia mais

Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática -

Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática - Boas Práticas da Distribuição - Da regulamentação à prática - 27 de outubro de 2016 Carmen Bessa Diretora de Logística AGENDA 1. Enquadramento 2. As principais alterações das BPD 3. A implementação 4.

Leia mais

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Conceito Política de Comunicação é o conjunto sistematizado de princípios, valores,

Leia mais

Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto

Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto Banco Mundial Governo de Moçambique Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto Revisão do Desempenho da Carteira de Projectos (CPPR) 18 de Setembro de 2009 Assuntos Críticos a Considerar Desafios e Recomendações

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 1. Introdução O Banco Espírito Santo, S.A. (o Banco) desenvolve diversas

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Objetivos Gerais Este Curso, homologado pelo IEFP, visa dotar os participantes das técnicas, conhecimentos e competências necessárias á apresentação com sucesso

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais