SIGOWeb Informática Ltda CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA À CONCESSÃO DO BENEFÍCIO ACIDENTÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIGOWeb Informática Ltda CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA À CONCESSÃO DO BENEFÍCIO ACIDENTÁRIO"

Transcrição

1 CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA À CONCESSÃO DO BENEFÍCIO ACIDENTÁRIO Dr. Airton Kwitko: A partir de 2010 o País convive com o Fator Acidentário de Prevenção (FAP). O FAP é calculado através de complexos cálculos, que incluem os índices de: freqüência, gravidade e custo. O índice de freqüência contempla CATs emitidas e doenças reconhecidas como ocupacionais pela perícia medica da Previdência Social. Os índices de gravidade e custo são conseqüências do índice de freqüência: quanto menor o numero de CATs e de doenças ocupacionais, menor o índice de freqüência, e isso repercute nos demais índices. Assim, se há interesse em diminuir o FAP, é necessário reduzir freqüências de CATs e doenças ocupacionais. Isso é feito através de ações mitigatórias dos riscos e dos processos. Como a imensa maioria doas benefícios acidentários é constituída por acidentes/doenças cuja CID corresponde aos agrupamentos da série S, M ou F (a ordem de prevalência depende da atividade da empresa), esses são os agrupamentos- CID que necessitam ser priorizados para análise e implantação/implementação de intervenções que possam conduzir à redução da freqüência. Mesmo sendo o título desse artigo dirigido para a contestação dos benefícios acidentários, iniciei tratando de aspectos relativos à diminuição da freqüência dos eventos (CATs e doenças ocupacionais), pois são os mesmos que conduzem ao eventual benefício acidentário, o qual requer a contestação administrativa. E principiei dessa forma porque a elaboração da contestação envolve um acentuado grau de timing errado. Explico: A necessidade de se elaborar a contestação significa que: (1) o indivíduo já se afastou (com ou sem CAT), (2) a perícia médica da Previdência Social concedeu o Página 1

2 benefício acidentário por qual dos 3 tipos de nexos (ver IN 31), (3) a empresa já consultou o site da Previdência para saber que isso ocorreu e poder de forma tempestiva elaborar a contestação, (4) a mesma elaborou-se através de consistentes subsídios médicos e de segurança no trabalho, (5) foi protocolada em alguma agência da Previdência, e (6) a empresa fica acompanhando o desenrolar dos acontecimentos pois após tudo isso existem diversos desdobramentos (ver a citada IN 31). Analise o périplo acima e responda ao check-list. O sob controle, e que pode ser respondido como sim /não significa que a situação descrita está controlada ou não em termos de existir um conhecimento / gestão de todas as etapas. Nº O que? Sob controle Sim Não 1 O indivíduo já se afastou (com ou sem CAT) 2 A perícia médica da Previdência Social concedeu o benefício acidentário por qual dos três tipos de nexos (ver IN 31) 3 A empresa já consultou o site da Previdência para saber que isso ocorreu e poder de forma tempestiva elaborar a contestação 4 A mesma elaborou-se através de consistentes subsídios médicos e de segurança no trabalho 5 Foi protocolada em alguma agência da Previdência 6 A empresa fica acompanhando o desenrolar dos acontecimentos, pois após tudo isso existem diversos desdobramentos (ver a citada IN 31). Quando afirmo que a prática da contestação apresenta o timing errado estou me referindo às necessidades acima expostas. Essas nem sempre podem ter sido gerenciadas de forma eficaz e dessa forma a contestação ou não é efetuada, ou o é de forma inconsistente. Em nenhuma dessas duas situações haverá êxito nas intenções da empresa: descaracterizar o caráter acidentário do benefício concedido. Ainda, outros dois aspectos que merecem consideração: 1. A contestação encerra termos que soam como familiares aos ouvidos jurídicos da empresa, pois o benefício é acidentário e para o mesmo é requerida uma resposta. Isso parece semelhante a uma atividade de jurídico trabalhista e por isso mesmo, muitas vezes as contestações são elaboradas pelo advogado e nem sempre subsidiadas pela área de saúde e segurança do trabalho. Página 2

3 Entretanto, a contestação não encerra nada de jurídico, ao menos no estudo de cada caso, pois trata de: a) Um benefício acidentário concedido por um acidente, na empresa ou no trajeto: se for na empresa, e para o qual ocorreu a emissão da CAT, não há o que ser contestado; se foi de trajeto é preciso que tenha havido a devida caracterização do mesmo, em termos de estudo do trajeto, horários, registros de atendimento hospitalar ou policial, etc. b) Uma doença que a empresa irá tentar argumentar pela não existência de nexo laboral: essa situação é eminentemente médica e em alguns casos, poderá haver participação da segurança quanto às informações sobre inexistência de possível agente causador da doença no setor/cargo de trabalho. A atividade jurídica poderá então se resumir na elaboração do documento que será protocolado (ato administrativo), e isso se a empresa quiser que seja feito dessa forma, para imprimir um ar de formalidade. Diante disso é inócuo argumentar que o FAP é inconstitucional, só poderia ocorrer mediante lei, não houve transparência nas informações, afrontou o principio da publicidade, a Previdência mais arrecada do que gasta com benefícios, não houve direito a ampla defesa, ao contraditório, a Previdência penaliza empresas que investem, os demonstrativos de investimento mostram que a empresa está atenta, o FAP é arrecadatório, e o que mais? 2. A contestação não vai argumentar de uma forma jurídica tradicional a respeito do caráter não acidentário do evento, a exemplo do que ocorre na ação de reparação trabalhista por danos patrimoniais e/ou morais, originada por suposto acidente/doença ocupacional. Nessa última, nada ainda foi julgado e existem possibilidades de argumentação, juntada de documentos, testemunhas, etc. Na contestação que aqui abordo o julgamento já foi feito: cabe à empresa provar que o nexo laboral inexiste. Como se sabe, provar pela negação é feito muito difícil, pois sempre algum argumento/fato pode não ser abordado e dar margem para que a intenção da empresa não prospere. Isso é especialmente significativo na contestação ao benefício acidentário que é concedido por doença osteomuscular ou psicosocial, as duas mais prevalentes entre os benefícios concedidos por doenças ocupacionais (considerando os benefícios da série G como causados por questões osteomusculares). O quadro abaixo mostra uma distribuição percentual de benefícios acidentários concedidos em 2009 em diversas empresas. Observe-se que, com exceção da Transportadora de Valores, os benefícios da série M se constituem na maior prevalência. Assim, diante desse volume expressivo de benefícios por CIDs dessas Página 3

4 séries, como provar que lombalgia, dor no ombro ou tenossinovite não têm causa ocupacional? Como provar que depressão ou stress não foram gerados pelo trabalho? (S) - Lesões, envenenamento e algumas outras conseqüências de causas externas (M) - Doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo (G) - Doenças do sistema nervoso (F) - Transtornos mentais e comportamentais Se a essa dificuldade quanto a essas CIDs agregarmos a absoluta inutilidade da contestação para os acidentes que ocorreram na empresa, pois para esses houve a emissão da CAT, se constata que a expectativa na contestação encerra como disse acima, um timing inócuo no que diz respeito à Gestão de Benefícios Acidentários. Assim: para os que apresentam CID da série S pode ter havido uma emissão de CAT e isso é a confissão da culpa, pelo que aqui não cabe contestação; para os que têm CID de outras séries muitas vezes não há com o que se argumentar. Evidentemente que tudo muda de figura caso a empresa disponha de consistente sistema de revisão de atestados médicos externos, de central de emissão de CATs ou ao menos de protocolos rígidos para a sua emissão, e ainda de um sistema médico informatizado e atualizado, para que TUDO a respeito do empregado seja registrado e mais do que isso, que os dados resultem em informação, seja individual seja epidemiológica. Nesse TUDO há a necessidade de uma ênfase especial quanto aos aspectos osteomusculares, a fim de prevenir aqueles que possam estar relacionados ao trabalho (DORT). As ações preventivas adotadas, se eficazes, podem por um lado proporcionar argumentos para as contestações, ao apresentar ações que demonstrem não ser a patologia de causa ocupacional, e por outro lado irão diminuir o número de problemas osteomusuculares, com que ocorrerá diminuição de afastamentos por essas condições, e conseqüentemente menor possibilidade de que benefícios acidentários sejam concedidos, o que diminui a necessidade da contestação. A figura abaixo mostra a possível diferença entre gestão EFICAZ ou não de fatos geradores de afastamentos por questões osteomusuculares. Página 4

5 O quadro abaixo mostra uma distribuição numérica e percentual de benefícios concedidos em 2009 em diversas empresas. Observe-se que a relação entre benefícios previdenciários (B31) e acidentários (B91) corresponde aproximadamente a quatro para um (na empresa têxtil essa relação é ainda menor). Ou seja: de cada cinco pessoas que são encaminhadas à Previdência, uma retorna com benefício acidentário. A conclusão a partir desses achados é óbvia: Há que se diminuir a freqüência de afastamentos. E isso se aplica a todo e qualquer afastamento, tenha ele ou não uma CID que esteja vinculada ao CNAE da empresa. Isso porque a concessão do benefício acidentário pode ocorrer tanto pelo nexo técnico causal como pelo epidemiológico. Diante do exposto, fica demonstrado que a contestação ao benefício acidentário é prática restrita e vinculada ao que a empresa dispõe para utilizar como argumentação; caso contrário, é perda de tempo, de esforços e de expectativa. Finalmente, se comprova que ainda a melhor forma de diminuir o FAP é diminuindo as freqüências de afastamentos, para que possa haver menor incidência de Página 5

6 concessão dos benefícios acidentários, e em conseqüência a essa menor freqüência, menor gravidade e custo. Ou seja: um FAP possivelmente menor. Como fazer isso: investindo na área de saúde e segurança do trabalho. Ela agora pode gerar savings e não apenas se constituir em custo. Página 6

Dr. José Carlos Steola

Dr. José Carlos Steola n t e p f a p r a t (s a t) Dr. José Carlos Steola Médico do Trabalho Coordenador do Depto de Proteção no Trabalho ( UNIMED de Araras) Médico do Trabalho da Usina Sta Lúcia Araras Médico Coordenador de

Leia mais

SAT, NTEP E FAP. Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação

SAT, NTEP E FAP. Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação SAT, NTEP E FAP Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação SAT, NTEP E FAP Airton Kwitko: Médico. Consultor de Empresas. Colunista da Revista CIPA (Coluna "O Ruído

Leia mais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais MORAIS, Leonardo Bianchini. O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico

Leia mais

A importância do RH no processo de contestação do FAP. WOLNEI TADEU FERREIRA Outubro 2014 FIESP

A importância do RH no processo de contestação do FAP. WOLNEI TADEU FERREIRA Outubro 2014 FIESP A importância do RH no processo de contestação do FAP WOLNEI TADEU FERREIRA Outubro 2014 FIESP Como é definido o FAP? Como é calculado: o FAP anual reflete a aferição da acidentalidade nas empresas relativa

Leia mais

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE)

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Página 1 de 5 O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Texto extraído do Jus Navigandi http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=10065 Leonardo Bianchini Morais

Leia mais

PASSIVO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIO: RISCO NA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS

PASSIVO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIO: RISCO NA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS PASSIVO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIO: RISCO NA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS Autor: Dr. Airton Kwitko E-mail: kwitko@sigoweb.com.br Site: www.sigoweb.com.br No mundo competitivo todas as empresas vêm tentando

Leia mais

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários

Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Impactos dos Acidentes do Trabalho e Afastamentos Previdenciários Gustavo Nicolai Gerente de Saúde e Medicina Ocupacional 1. Sistema de Gestão Integrada de QMSR Ciência 2. Política de QMSR 3. Estrutura

Leia mais

E o pior temos ciência de empresas de consultoria que conseguiram este acesso junto a Previdência e estão "vendendo o serviço".

E o pior temos ciência de empresas de consultoria que conseguiram este acesso junto a Previdência e estão vendendo o serviço. Consultoria Virtual Pergunta Bom Dia! Sou representante da Empresa junto ao INSS - sistema de convenio. Entendendo que é um direito da empresa obter todo conhecimento necessário referente aos eventos previdenciários

Leia mais

IV REUNIÃO CIENTÍFICA APAMT IV REUNIÃO CIENTÍFICA APAMT IV REUNIÃO CIENTÍFICA APAMT Impacto Percentual do Adoecimento nos Custos da Folha de Pagamento Folha de Pagamento Líquido - 80,6% RAT - 3,00% FAP

Leia mais

Orientações sobre Benefícios do INSS

Orientações sobre Benefícios do INSS Orientações sobre Benefícios do INSS A PREFEITURA DE GUARULHOS MANTÉM UM CONVÊNIO COM O INSS AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DE GUARULHOS PARA REQUERIMENTO DOS SEGUINTES BENEFÍCIOS: AUXÍLIO DOENÇA PREVIDENCIÁRIO,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 31, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 31, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 31, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008 Dispõe sobre procedimentos e rotinas referentes ao Nexo Técnico Previdenciário, e dá outras providências. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei nº 8.212, de

Leia mais

ACIDENTES DO TRABALHO. Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas. Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv.

ACIDENTES DO TRABALHO. Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas. Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv. ACIDENTES DO TRABALHO Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv.br Acidente do Trabalho Lei 8.213/91, art. 19: Ocorre pelo

Leia mais

FAP E NTEP: ATUALIZANDO.

FAP E NTEP: ATUALIZANDO. FAP E NTEP: ATUALIZANDO. Dr. Airton Kwitko: kwitko@seguir.com.br Publicado no DOU de 13.02.2007, o Decreto nº 6042 de 12.02.2007 alterou o Regulamento da Previdência Social (Dec. 3048/99), disciplinando

Leia mais

CAT. Perguntas e Respostas sobre a. Telefones úteis:

CAT. Perguntas e Respostas sobre a. Telefones úteis: Telefones úteis: Perguntas e Respostas sobre a CAT SUBDELEGACIA DO TRABALHO: (19) 3433-9563 INSS: 0800-780191 / 135 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO: (19) 3796-9600 DELEGACIA SECCIONAL: (19) 3434-4133 SERVIÇO

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA A PREVENÇÃO

INFORMAÇÃO PARA A PREVENÇÃO FALANDO SOBRE NEXO EPIDEMIOLOGICO Um dos objetivos do CPNEWS é tratar de assuntos da área de Segurança e Medicina do Trabalho de forma simples de tal forma que seja possível a qualquer pessoa compreender

Leia mais

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS Ana Maria Selbach Rodrigues Médica do Trabalho SAÚDE Saúde: do latim, salute salvação, conservação da vida (Dicionário Aurélio) OMS = saúde é um estado

Leia mais

Seguro de Acidente de Trabalho. Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010

Seguro de Acidente de Trabalho. Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010 Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010 Cálculo do Seguro de Acidente de Trabalho até 2009 Para 2010 Surge o FAP! "! #$% &!'( )*+,-./, Previdência divulgou que 92% das empresas serão

Leia mais

PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS

PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS 1. PRINCÍPIO DA PARTICIPAÇÃO DO MAGISTRADO. ATUAÇÃO COLABORATIVA. Tendo em vista os termos do artigo 225

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - MPS. Novo FAP Setor Financeiro

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - MPS. Novo FAP Setor Financeiro Novo FAP Setor Financeiro 1. Fortalecimento da Cultura de Prevenção na Seguridade Social: Proteção constit. e legal: Valor social do Trabalho. Fortalecer a ação da melhoria ambiental no trabalho: maior

Leia mais

Denilson Cazuza dos Santos

Denilson Cazuza dos Santos LEGISLAÇÃO E NORMAS. SEGURANÇA E MEDICINA NO TRABALHO Denilson Cazuza dos Santos denilsoncazuza@terra.com.br NORMAS APLICAVEIS CF - Constituição Federal 88 Código Civil, art. 186 e 927 Código Penal ART.

Leia mais

PANORAMA DOS RECURSOS JUNTO À PREVIDÊNCIA SOCIAL. Salvador Marciano Pinto Presidente do CRPS

PANORAMA DOS RECURSOS JUNTO À PREVIDÊNCIA SOCIAL. Salvador Marciano Pinto Presidente do CRPS PANORAMA DOS RECURSOS JUNTO À PREVIDÊNCIA SOCIAL Salvador Marciano Pinto Presidente do CRPS O CRPS é um órgão integrante da estrutura do MPS, subordinado diretamente ao Ministro de Estado da Previdência

Leia mais

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 Controle e Mapeamento de Doenças José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 O porque da realização do controle no TRF da 3ª região : 1. Procura espontânea dos Servidores 2. Processos

Leia mais

Acidente no Trabalho. Telmo Francisco C. Cirne Jr. Advogado Especialista em Direito Civil e Direito do Trabalho. 24/04/2013

Acidente no Trabalho. Telmo Francisco C. Cirne Jr. Advogado Especialista em Direito Civil e Direito do Trabalho. 24/04/2013 Acidente no Trabalho Telmo Francisco C. Cirne Jr. Advogado Especialista em Direito Civil e Direito do Trabalho. 24/04/2013 Atual panorama da Justiça do Trabalho (empresa x empregador): a) Defere indenização

Leia mais

Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário - NTEP. Profa. Juliana Ribeiro

Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário - NTEP. Profa. Juliana Ribeiro Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário - NTEP Profa. Juliana Ribeiro Meio Ambiente Lei 6.938/81, Art. 3º, I O conjunto de condições, leis, influências e alterações de ordem física, química e biológica,

Leia mais

Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina

Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina Deveres dos médicos com relação à saúde do trabalhador Versa sobre normas específicas para médicos que atendam o trabalhador Fonte: Diário Oficial da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16/INSS/PRES, DE 27 DE MARÇO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16/INSS/PRES, DE 27 DE MARÇO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16/INSS/PRES, DE 27 DE MARÇO DE 2007 Dispõe sobre procedimentos e rotinas referentes ao Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário NTEP, e dá outras providências. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

Leia mais

GESTÃO DO NTEP E DO FAP NA ÁREA DA SAÚDE

GESTÃO DO NTEP E DO FAP NA ÁREA DA SAÚDE GESTÃO DO NTEP E DO FAP NA ÁREA DA SAÚDE 3ª JORNADA DE SAÚDE OCUPACIONAL EM HOSPITAS E DEMAIS SERVIÇOS DE SAÚDE FAP - Fator Acidentário de Prevenção NTEP - Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário Nexo

Leia mais

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Proposta Inicial Versão Preliminar Junho/2013 MODELO DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE LABORAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO 1 - DEFINIÇÃO 1.1 - Acidente de trabalho Qualquer prejuízo à saúde ou integridade física do trabalhador ocorrida no trabalho ou em decorrência do trabalho. 1.1.1 - Acidente Típico Acidente que ocorre numa

Leia mais

O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho

O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho Marco Antônio César Villatore 1 O Assédio Moral no Ambiente de Trabalho é um fenômeno antigo,

Leia mais

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS PPRDOC PROGRAMA DE E DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS APRESENTAÇÃO Prezados, A MCA Saúde e Bem-Estar é uma empresa especializada em planejar, implantar, aperfeiçoar e coordenar programas, projetos e

Leia mais

Responsabilidades do Empregador

Responsabilidades do Empregador Responsabilidades do Empregador RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA trabalhador poderá exigir que a obrigação seja satisfeita integralmente por um dos coobrigados (p.ex.: grupo de empresas, empreiteiros) RESPONSABILIDADE

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.488/1998 (Publicada no D.O.U.,de 06 março 1998, Seção I, pg.150 ) Modificada pela Resolução CFM n. 1.810/2006 Modificada pela Resolução CFM nº 1.940/2010

Leia mais

Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo

Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo São Paulo, xx de xxxxx de xxxx Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo Na qualidade de assistente técnico da empresa reclamada apresento, respeitosamente, a Vossa Excelência: ANÁLISE DE LAUDO

Leia mais

23/08/2011 (Artigo) Por que as empresas não fazem gestão de FAP?

23/08/2011 (Artigo) Por que as empresas não fazem gestão de FAP? 23/08/2011 (Artigo) Por que as empresas não fazem gestão de FAP? Airton Kwitko* Eduardo Milaneli* O Fator Acidentário de Prevenção - FAP, é um flexibilizador da alíquota do Risco Ambiental do Trabalho

Leia mais

Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais

Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais Benefícios por incapacidade no serviço público Aspectos conceituais XIII Seminário Sul-Brasileiro de Previdência Pública AGIP Gramado (RS) - 2015 Baldur Schubert, médico. Representante da Organização Iberoamericana

Leia mais

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano 17 Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano Lilian de Fatima Zanoni Terapeuta Ocupacional pela Universidade de Sorocaba Especialista em Gestão de Qualidade de Vida na Empresa pela

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO Aizenaque Grimaldi de Carvalho Conselheiro do CREMESP Especialista em Medicina do Trabalho Especialista em Medicina Legal e Perícias Médicas Ex Vice-Presidente da Associação Nacional de Medicina do Trabalho

Leia mais

Artigo 120, da Lei n. 8.213/91

Artigo 120, da Lei n. 8.213/91 Artigo 120, da Lei n. 8.213/91 Art. 120. Nos casos de negligência quanto às normas padrão de segurança a e higiene do trabalho indicados para a proteção individual e coletiva, a Previdência Social proporá

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

FAP2 ROTEIRO PRÁTICO PARA CONTESTAÇÃO DO FAP 2014 P2014

FAP2 ROTEIRO PRÁTICO PARA CONTESTAÇÃO DO FAP 2014 P2014 FAP2 AP201 FAP ROTEIRO PRÁTICO P2014 FAP 2014 O Fator Acidentário de Prevenção (FAP) altera o Risco Ambiental do Trabalho (RAT), podendo majorar ou reduzir a alíquota de tarifação individual da empresa

Leia mais

Análise do absenteísmo durante o ano de 2010. Comparação evolutiva no período de 2007 a 2010

Análise do absenteísmo durante o ano de 2010. Comparação evolutiva no período de 2007 a 2010 ANÁLISE DO ABSENTEÍSMO POR LICENÇAS MÉDICAS NO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO DURANTE O ANO DE 2010 E COMPARAÇÃO EVOLUTIVA NO PERÍODO DE 2007 A 2010 Autor e apresentador: Lorenzo Giuseppe Franzero

Leia mais

APRENDENDO OS CAMINHOS DA PERÍCIA MÉDICA NO INSS E OS BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE

APRENDENDO OS CAMINHOS DA PERÍCIA MÉDICA NO INSS E OS BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE APRENDENDO OS CAMINHOS DA PERÍCIA MÉDICA NO INSS E OS BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE SEGURIDADE SOCIAL SAÚDE PREVIDÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL Definição de Seguridade Social É um conjunto de ações destinado

Leia mais

Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho

Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho 1 1º Boletim Quadrimestral Coordenação-Geral de Monitoramento Benefício por Incapacidade CGMBI/DPSSO/SPS/MPS Informe Especial por Ocasião do

Leia mais

AS REPERCUSSÕES DO FAP / NTEP

AS REPERCUSSÕES DO FAP / NTEP AS REPERCUSSÕES DO FAP / NTEP FAP/NTEP FAP - Fator Acidentário de Prevenção NTEP-Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário FAP/NTEP FAP - é um multiplicador a ser aplicado às alíquotas de 1%, 2% ou 3%

Leia mais

FAP FATOR ACIDENTÁRIO DE PREVENÇÃO

FAP FATOR ACIDENTÁRIO DE PREVENÇÃO FAP FATOR ACIDENTÁRIO DE PREVENÇÃO PERGUNTAS FREQÜENTES 1. Qual é a fonte dos dados que foram utilizados no processamento do FAP? O Processamento do FAP 2009 ocorreu no ambiente Dataprev e teve como ponto

Leia mais

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO.

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. Eduardo Carvalho Abdalla Advogado, Especialista em Gestão Jurídica da Empresa Consultor de Saúde, Segurança

Leia mais

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Página 1 de 7 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer procedimentos técnico-administrativos para Registro, Análise e Investigação de Acidente do Trabalho envolvendo os servidores públicos e empregados fundacionais

Leia mais

RH: CADASTRAMENTO DE ALGUM TRABALHADOR AFASTADO > 15 DIAS MT- CONTATO COM MÉDICO ASSISTENTE PARA ESCLARECER A CAUSA

RH: CADASTRAMENTO DE ALGUM TRABALHADOR AFASTADO > 15 DIAS MT- CONTATO COM MÉDICO ASSISTENTE PARA ESCLARECER A CAUSA ! " #!$! %% &'%()*+, '%()*+,-!!./0 %)*,%.1 12* * 3&'*//4/ 1%5./4% 12* * 67*4 %18/%%/./ $9 RH: CADASTRAMENTO DE ALGUM TRABALHADOR AFASTADO > 15 DIAS MT- CONTATO COM MÉDICO ASSISTENTE PARA ESCLARECER A CAUSA

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão do Futuro

A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão do Futuro MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Secretaria de Políticas de Previdência Social Departamento de Políticas de Saúde e Segurança Ocupacional A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO O QUE É É o que ocorre pelo exercício da atividade a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou perda ou redução, permanente

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Fator Acidentário de Prevenção - FAP

Fator Acidentário de Prevenção - FAP Fator Acidentário de Prevenção - FAP Lei nº 10.666 De 8 de maio de 2003. quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010 Constituição Federal Direitos e Garantias Fundamentais (Título II) Direitos Sociais (Capítulo

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial ARTIGOS FAP: AS MUDANÇAS PARA AS EMPRESAS COM A FLEXIBILIZAÇÃO DAS ALÍQUOTAS PARA O CUSTEIO DOS RISCOS AMBIENTAIS DO TRABALHO

Leia mais

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL NF-e Abrangência ECD esocial EFD EFD - IRPJ CT-e NFS-e E-Lalur FCont O esocial é um projeto do governo federal que vai unificar

Leia mais

FAP-RAT-NTEP EFEITOS NA GESTÃO EMPRESARIAL

FAP-RAT-NTEP EFEITOS NA GESTÃO EMPRESARIAL FAP-RAT-NTEP EFEITOS NA GESTÃO EMPRESARIAL 2 FAP-RAT-NTEP EFEITOS NA GESTÃO EMPRESARIAL Carta do Presidente Benjamin Steinbruch As crescentes dificuldades e as barreiras enfrentadas pelo setor produtivo

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

NOTA TÉCNICA 034/2000

NOTA TÉCNICA 034/2000 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COORDENAÇÃO DE NORMALIZAÇÃO Brasília, 20 de julho de 2000. NOTA TÉCNICA 034/2000 ASSUNTO:

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 3 ACIDENTE DO TRABALHO 4 SITUAÇÕES ANORMAIS NO INTERIOR DA UO 1 - Conceito de Perigo, Risco É a fonte ou

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

TEMA:Fator acidentário de prevenção e o nexo técnico epidemiológico

TEMA:Fator acidentário de prevenção e o nexo técnico epidemiológico 1 TEMA:Fator acidentário de prevenção e o nexo técnico epidemiológico AUTORIA: Maria Beatriz Ribeiro Dias 1 RESUMO: O artigo busca analisar o conceito e a aplicação do fator acidentário de prevenção e

Leia mais

Atuais regras do FAP valem por mais um ano

Atuais regras do FAP valem por mais um ano Page 1 of 5 Texto publicado segunda, dia 26 de setembro de 2011 NOTÍCIAS Atuais regras do FAP valem por mais um ano POR MARÍLIA SCRIBONI As atuais regras do Fator Previdenciário de Proteção vão valer por

Leia mais

LIMA ADVOGADOS ASSOCIADOS ASSESSORIA E CONSULTORIA JURÍDICA. Porto Alegre, 07 de novembro de 2009.

LIMA ADVOGADOS ASSOCIADOS ASSESSORIA E CONSULTORIA JURÍDICA. Porto Alegre, 07 de novembro de 2009. LIMA ADVOGADOS ASSOCIADOS ASSESSORIA E CONSULTORIA JURÍDICA Porto Alegre, 07 de novembro de 2009. Prezados Senhores, Oferecemos aos nossos clientes alguns dados e sugestões que reputamos importantes para

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

ILEGALIDADES E IRREGULARIDADES

ILEGALIDADES E IRREGULARIDADES Melissa Folmann melissa@vvf.adv.br INCONSTITUCIONALIDADES, ILEGALIDADES E IRREGULARIDADES DO FAP COMO PROCEDER? Melissa Folmann Breve histórico do SAT CF/88, art. 7: Art. 7º - São direitos dos trabalhadores

Leia mais

Acidente de Trabalho Aspectos gerais e prevenção

Acidente de Trabalho Aspectos gerais e prevenção Acidente de Trabalho Aspectos gerais e prevenção Cássio Ariel Moro Estatísticas No Brasil: 2003: 340.000 acidentes de trabalho; 2009: 653.000 acidentes; 2010: 723.000 acidentes, com 2.496 mortes. No Espírito

Leia mais

Ações Judiciais Perícia Médica Previdenciária. O INSS é o maior litigante da Justiça Brasileira

Ações Judiciais Perícia Médica Previdenciária. O INSS é o maior litigante da Justiça Brasileira Ações Judiciais O INSS é o maior litigante da Justiça Brasileira INSS - RGPS Segundo Maior Orçamento da LDO Peso na Previdência Em 1995, de cada 22 benefícios pagos pelo RGPS, apenas UM era por incapacidade.

Leia mais

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados:

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados: Abono de faltas e a acreditação na avaliação médica. A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de abono de faltas mediante atestado médico: Constituem motivos justificados:

Leia mais

01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016

01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016 BOLETIM INFORMATIVO Nº 28/2015 ANO XII (13 de agosto de 2015) 01. esocial confirma fiscalização trabalhista total em 2016 Embora o esocial passe efetivamente a ser obrigatório a partir de setembro de 2016,

Leia mais

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Natalia Sousa ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Para cada exame médico ocupacional realizado, o médico emitirá o ASO (Atestado de Saúde Ocupacional) em duas vias:

Leia mais

d) condições ergonômicas não ensejam aposentadoria especial e) o trabalho penoso é aceito para enquadramento para aposentadoria especial.

d) condições ergonômicas não ensejam aposentadoria especial e) o trabalho penoso é aceito para enquadramento para aposentadoria especial. QUESTÕES DE PROVA BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS 1. Considerando a análise do direito ao auxílio doença, analise as situações abaixo e assinale S (sim) ou N (não) quanto a essa concessão. A seguir, assinale

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL fls. 1 CONCLUSÃO Aos 12 de julho de 2013, faço os presentes autos conclusos ao MM. Juiz de Direito Dr. LUIZ GUSTAVO ROCHA MALHEIROS. Eu (Daniela Dacyszyn Leme Macedo), Escrivã Judicial II Substituta, digitei.

Leia mais

O IMPACTO DO SAT E FAP NAS EMPRESAS

O IMPACTO DO SAT E FAP NAS EMPRESAS O IMPACTO DO SAT E FAP NAS EMPRESAS DEZEMBRO 2009 O IMPACTO DO SAT E FAP NAS EMPRESAS O CHAMADO SAT SEGURO ACIDENTE DE TRABALHO O CHAMADO SAT Aspectos gerais Previsão legal: art. 195, I, a da Constituição

Leia mais

VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011

VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011 VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011 Psiquiatria Ocupacional Prof. Duílio Antero de Camargo Psiquiatra clínico e forense Médico do Trabalho Instituto de Psiquiatria HC FM USP Núcleo

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão

Procedimento Operacional Padrão Data de Vigência: Página 1 de 6 1- Objetivo: Estabelecer e padronizar os procedimentos a serem adotados na ocorrência de acidentes de trabalho com empregados da Sede Inspetorial, Departamentos e Filiais

Leia mais

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO 1 DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO Beatriz Adrieli Braz (Discente do 4º ano de administração AEMS) Bruna P. Freitas Godoi (Discente do 4º ano de administração AEMS) Ângela de Souza Brasil (Docente Esp.

Leia mais

O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA

O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA TRABALHADORA CONCEITO DE SAÚDE DA OMS "um estado de completo

Leia mais

DIRETRIZES SOBRE PROVA PERICIAL EM ACIDENTES DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS

DIRETRIZES SOBRE PROVA PERICIAL EM ACIDENTES DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS DIRETRIZES SOBRE PROVA PERICIAL EM ACIDENTES DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS Propõe sugestões de diretrizes para a avaliação e a elaboração da prova pericial em questões referentes ao meio ambiente,

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO Definição: Acidente de trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional, de caráter temporário ou permanente.

Leia mais

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho 1. OBJETIVO Padronizar e estabelecer requisitos mínimos para a comunicação, investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Nas dependências e em atividades externas

Leia mais

ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 138, DE 11 DE MAIO DE 2006 - REVOGADA. Revogada pela RESOLUÇÃO INSS/PRES Nº 271, DE 31/01/2013

ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 138, DE 11 DE MAIO DE 2006 - REVOGADA. Revogada pela RESOLUÇÃO INSS/PRES Nº 271, DE 31/01/2013 ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 138, DE 11 DE MAIO DE 2006 - REVOGADA Revogada pela RESOLUÇÃO INSS/PRES Nº 271, DE 31/01/2013 Alterada pela ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 164, DE 26 /03/2007 Dispõe

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário NTEP Fator Acidentário de Prevenção FAP

Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário NTEP Fator Acidentário de Prevenção FAP Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário NTEP Fator Acidentário de Prevenção FAP Milton do Nascimento Médico do Trabalho 30.10.2007 1 Objetivos Apresentar, discutir e compreender algumas das ferramentas

Leia mais

Rafael E Kieckbusch. Economista, Mestre e Doutor em Engenharia de Produção. Especialista em Relações do Trabalho na Confederação Nacional da Indústria

Rafael E Kieckbusch. Economista, Mestre e Doutor em Engenharia de Produção. Especialista em Relações do Trabalho na Confederação Nacional da Indústria Rafael E Kieckbusch Economista, Mestre e Doutor em Engenharia de Produção Especialista em Relações do Trabalho na Confederação Nacional da Indústria Ambiente Empresarial Ambiente de Produção Tecnologia

Leia mais

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO Acórdão 10a Turma RECURSO ORDINÁRIO. DOENÇA PROFISSIONAL. AUSÊNCIA DO NEXO DE CAUSALIDADE. PROVA PERICIAL. Para se reconhecer a doença profissional, o que é possível mesmo após a ruptura do contrato, ainda

Leia mais

Saúde do Bancário. Guia de direitos

Saúde do Bancário. Guia de direitos Saúde do Bancário Guia de direitos 1 Expediente: Publicação do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região. Presidente: Jeferson Boava. Diretora de Imprensa: Maria Aparecida da Silva. Jornalista: Jairo

Leia mais

Seguro de Acidente de Trabalho. Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010

Seguro de Acidente de Trabalho. Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010 Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) Mais encargos em 2010 Cálculo do Seguro de Acidente de Trabalho até 2009 Valor do Seguro = Folha de Pagamentos X Alíquota SAT SAT - Seguro de Acidente de Trabalho -

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.083, DE 2009 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.083, DE 2009 I RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.083, DE 2009 Institui a obrigatoriedade de realização de ginástica laboral no âmbito dos órgãos e entidades da administração pública federal

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS - PROCEDIMENTOS INTERNOS - Divisão Administrativa Serviço de Segurança e Higiene no Trabalho Índice CÂMARA Nota Prévia...2 1. Legislação Aplicável...2 2. Âmbito...3 3. Conceitos...3

Leia mais

NR-15 (Texto para Consulta Pública)

NR-15 (Texto para Consulta Pública) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para alteração da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

RH Saúde Ocupacional

RH Saúde Ocupacional Programa de Promoção da Saúde no Ambiente de Trabalho RH Saúde Ocupacional Objetivo Tem como principal objetivo propiciar ambiente de Tem como principal objetivo propiciar ambiente de trabalho e clima

Leia mais