Planejamento de instalação de experimentos no campo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento de instalação de experimentos no campo"

Transcrição

1 Planejamento de instalação de experimentos no campo Antonio Williams Moita Embrapa Hortaliças Goiânia, 28 de novembro de 2012

2 Experimentação Agrícola Histórico John Bennet Lawes - após prolongadas experimentações (Rothamsted,1834 a 1842) sobre o efeito da adubação de plantas com superfosfato derivados de ossos e de fosfatos minerais obteve uma patente para o tratamento de rochas fosfatadas com ácido sulfúrico, e iniciou a primeira indústria de fertilizantes artificais.

3 Experimentação Agrícola Histórico John Bennet Lawes e Joseph Henry Gilbert - fundaram em Rothamsted no ano de 1843 a primeira estação experimental agrícola organizada do mundo. Pela importância dos trabalhos desenvolvidos por Lawes e Gilbert eles tem sido referidos como os pais do método científico na agricultura.

4 Experimentação Agrícola Histórico

5 Experimentação Agrícola Histórico Em 1912, John Russell, químico agrícola, preocupado com a grande quantidade de arquivos de dados gerados pelos 70 anos pesquisa da Estação Experimental de Rothamsted Ronald Aymler Fisher.

6 Experimentação Agrícola Histórico Fisher enfatizou o papel fundamental da repetição como uma base para a estimação do erro e por conseqüência para a avaliação da evidência em favor da realidade dos efeitos. Lançou a idéia inovadora da casualização, principalmente o de blocos casualizados, e de várias formas de delineamentos casualizados. Fisher salientou a importância dos experimentos fatoriais, A natureza prefere responder questões propostas conjuntamente em vez de questões isoladas.

7 Experimentação Agrícola objetivo Fazer comparações dos efeitos de tratamentos, seguindo determinados princípios básicos. As principais fases da experimentação são: planejamento execução análise dos dados interpretação dos resultados

8 Delineamento experimental é o modo de dispor as parcelas no ensaio (Pimentel Gomes) é o plano utilizado na experimentação e implica na forma como os tratamentos serão designados as unidades experimentais (Banzatto & Kronka )

9 Tratamento - é o objeto da pesquisa. É o termo genérico que usamos para designar o método, elemento ou material imposta à parcela, cujo efeito desejamos medir ou comparar em um experimento. Exemplo: Cultivares de tomate indústria Níveis de adubação Colheita manual vs mecânica

10 Unidade experimental ou parcela é a unidade em que é feita a aplicação casualizada do tratamento, de modo a fornecer os dados experimentais que deverão refletir o seu efeito. é a menor porção do material experimental onde os tratamentos são avaliados para testar a hipótese Exemplo: a parcela é formada por seis vasos, cada vaso contendo uma planta a parcela é formada por seis linhas, cada linha contendo 10 plantas.

11 X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X Legenda: X Bordadura X - Parcela útil

12 Requisitos básicos para o planejamento do experimento Quais as características ou variáveis que serão analisadas? Peso dos frutos de tomate da parcela útil Peso dos frutos comerciais de tomate da parcela útil Nº de frutos de tomate maduros Quais os fatores que afetam essas características? Variedades/Hibridos Densidade de plantio Sistema de irrigação Sistema de cultivo

13 Requisitos básicos para o planejamento do experimento Quais destes fatores serão estudados no experimento? Em experimentos simples, apenas um fator ou tratamento pode ser estudado de cada vez, os demais permanecem constantes Em experimentos mais complexos, mais de um fator pode ser estudado Como será constituída a unidade experimental? A unidade experimental ou parcela será constituída por 24 plantas, formada por quatro linhas, cada linha contendo seis plantas, o espaçamento entre linhas é de 1,5 m e entre plantas de 0,30m. A parcela útil é formada pelas oito plantas centrais.

14 Requisitos básicos para o planejamento do experimento Quantas repetições deverão ser utilizadas? Depende do nº de tratamentos e do delineamento experimental escolhido. Em geral, recomenda-se que o nº de unidades experimentais não seja inferior a 20, e que o nº de graus de liberdade associado aos fatores não controlados não seja inferior a 10. Como serão analisados os dados obtidos no experimento?

15 Requisitos básicos para o planejamento do experimento Quais destes fatores serão estudados no experimento? Em experimentos simples, apenas um fator ou tratamento pode ser estudado de cada vez, os demais permanecem constantes Em experimentos mais complexos, mais de um fator pode ser estudado Como será constituída a unidade experimental? A unidade experimental ou parcela será constituída por 24 plantas, formada por quatro linhas, cada linha contendo seis plantas, o espaçamento entre linhas é de 1,5 m e entre plantas de 0,30m. A parcela útil é formada pelas oito plantas centrais.

16 Variações existem três tipos de variações: variação premeditada, variação externa variação acidental.

17 Variação premeditada é aquela deliberadamente introduzida pelo pesquisador, que se origina dos diferentes tratamentos, com o propósito de fazer comparações. Variação externa são as variações não intencionais de causas conhecidas, que agem de modo sistemático. Exemplo: a heterogeneidade do solo, as variações de temperatura, umidade e insolação em uma casa de vegetação. Variação acidental é a de causa desconhecida, de natureza aleatória, e não esta sob o controle do pesquisador. Tal variação é conhecida como erro experimental. Ela ocorre devido a variação entre as parcelas que recebem o mesmo tratamento.

18 Hipótese Um dos principais objetivos da estatística é a tomada de decisões a respeito da população, com base na observação da amostra, ou seja, a obtenção de conclusões válidas para a toda a população, com base em amostras retiradas dessa população. Ao tentarmos tomar decisões, é conveniente formularmos hipóteses relativas às populações que podem ser verdadeiras ou não. As hipóteses estatísticas são considerações a respeito das distribuições de probabilidade das populações.

19 Hipótese são as suposições que o pesquisador formula acerca de um determinado parâmetro de uma variável. elas são testadas por meio de métodos de análise estatística que dependem do modo como as observações ou os dados foram obtidos

20 Hipótese a formulação da hipótese estatística tem como objetivo rejeitá-la ou invalidá-la. Por exemplo, quando vamos realizar um experimento de competição de cultivares de tomate para verificar se um cultivar é melhor do que o outro com relação à produção, a hipótese a ser formulada é: NÃO EXISTE DIFERENÇAS ENTRE OS SEUS EFEITOS Isto é, quaisquer diferenças observadas são devidas exclusivamente a fatores não controlados, ou seja, ao acaso

21 Hipótese esta hipótese inicial recebe o nome de HIPÓTESE NULA, e é representada por H0 Mas, se verificarmos a existência de diferenças acentuadas para os resultados dessa hipótese, com base na teoria das probabilidades, podemos concluir que estas diferenças observadas são significativas, e rejeitamos a hipótese de nulidade em favor de uma outra hipótese, chamada de HIPÓTESE ALTERNATIVA, e é representa por H1 ou Ha

22 Ao comparar a produção de duas variedade de tomate, pode ocorrer que uma variedade inferior, por um simples acaso, seja favorecida por uma série de fatores não controlados, e venha a ter uma maior produção que uma variedade superior. É dever do pesquisador reduzir ao máximo o erro experimental, a fim de não incorrer em resultados dessa natureza. Cabe a ele verificar se as diferenças observadas no experimento, tem ou não valor, ou seja, se são significativas ou não significativas

23 Uma diferença Significativa indica que existe um evidência estatística que os tratamentos avaliados são potencialmente diferentes. Enquanto que uma diferença não significativa implica que NÃO EXISTE EVIDÊNCIA ESTATÍSTICA DE QUE os tratamentos avaliados sejam diferentes. É ERRADO AFIRMAR QUE OS TRATAMENTOS SÃO IGUAIS.

24 Erros de decisão em possíveis testes de hipóteses Decisão H0 : verdadeira H0: Falsa Rejeição Erro do Tipo I Decisão correta Aceitação Decisão correta Erro do Tipo II

25 repetição; casualização; e controle local. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA EXPERIMENTAÇÃO:

26 Repetição - corresponde ao número de vezes que o tratamento aparece no experimento. Permite a estimativa do erro experimental; aumenta a precisão do experimento. Casualização consiste em se distribuir aleatoriamente os tratamentos nas parcelas, de modo que cada uma tenha a mesma chance de ocupar qualquer parcela na área experimental. Ela assegura a validade da estimativa do erro experimental, pois permite uma distribuição independente do erro experimental.

27 Controle local é usado quando as parcelas, antes de receberem os tratamentos, apresentam diferenças entre si. Assim faz-se necessário o agrupamento das parcelas homogêneas em blocos. Recomenda-se que a variação entre blocos seja a menor possível, e entre blocos não é importante.

28 Principais delineamentos: Inteiramente casualizado; Blocos ao acaso; Parcelas subdivididas; Quadrado latino; Blocos incompletos, etc.

29 Delineamento Inteiramente Casualizado é o mais simples de todos os delineamentos experimentais. É considerado o delineamento estatístico básico, sendo os demais considerados como modificações deste. Este delineamento só leva em conta dois princípios da experimentação: repetição e casualização.

30 Delineamento Inteiramente casualizado Vantagens: Qualquer número de tratamentos ou de repetições pode ser usado; O número de repetições pode variar de um tratamento para outro A análise estatística é a mais simples; O número de graus de liberdade para o resíduo é o maior possível. Desvantagens: Exige homogeneidade total das condições experimentais; Conduz a estimativas elevadas do erro experimental.

31

32 Delineamento Blocos Casualizado é o delineamentos mais utilizado na experimentação agronômica, devido a sua simplicidade, flexibilidade e alta precisão. Este delineamento leva em conta os três princípios da experimentação: repetição e casualização e o controle local que é neste caso representado pelos blocos. Dentro de cada bloco os tratamentos são atribuídos às parcelas aleatoriamente. O bloco deve conter todos os tratamentos.

33 Delineamento Blocos Casualizado Vantagens: A perda total de um ou mais blocos ou de um ou mais tratamentos em nada dificulta a análise estatística; Conduz a estimativas menos elevadas do erro experimental; A análise estatística é relativamente mais simples; Permite dentro de certos limites, tratamentos, e de blocos; utilizar qualquer número de Apresenta um número razoável de graus de liberdade para o resíduo; Controla a heterogeneidade do ambiente onde o experimento é conduzido;

34 Delineamento Blocos Casualizado Desvantagens: Exige que o quadro da análise de variância esteja completo para poder efetuar a análise; O princípio do controle local é usado com pouca precisão; Há uma redução do número de graus de liberdade para o resíduo, pela utilização do controle local.

35 T2 T3 T1 T3 T1 T2 T1 T2 T3

36 Experimentos fatoriais É quando mais de um efeito do fator é estudado simultaneamente. Exemplo, cultivar e densidade de plantio Cada subdivisão do fator é denominado de nível do fator. Exemplo: 20, 25, 30 e 35 mil plantas A casualização dos níveis dos fatores ocorrem simultaneamente, Exemplo: dois cvs (A, B) de tomate e três densidade de plantio (20, 25 e 30 mil plantas). A20 B25 B20 A30 B30 A25

37

38 Experimentos em parcelas subdivididas split-plot Tem dois tamanhos de parcelas, a maior é denominada de PARCELA PRINCIPAL, enquanto a menor é denominada de SUBPARCELA. Exemplo, cultivar e densidade de plantio A primeira casualização ocorre na parcela principal; a segunda casualização, correspondendo as subparcelas ocorre dentro de cada uma das parcelas principais.

39 Subparcela Parcela Principal

PRINCÍPIOS BÁSICOS DE EXPERIMENTAÇÃO. Profª. Sheila Regina Oro

PRINCÍPIOS BÁSICOS DE EXPERIMENTAÇÃO. Profª. Sheila Regina Oro PRINCÍPIOS BÁSICOS DE EXPERIMENTAÇÃO Livro: Curso de estatística experimental Autor: Frederico PIMENTEL-GOMES Capítulo: 2 Livro: Estatística experimental Autor: Sonia VIEIRA Capítulo: 1 Profª. Sheila Regina

Leia mais

Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL

Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Experimentos (testes) são realizados por pesquisadores em todos os campos de investigação, usualmente para descobrir

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes Questão 01 Os dados, a seguir, são referentes às notas de cinco alunos de uma turma para as provas P 1 e P 2. P 1 = {2, 3, 4, 5, 6} P 2 = {2, 2, 4, 5, 7} Analisando os resultados, é possível afirmar que:

Leia mais

DELINEAMENTO EM BLOCOS AO ACASO

DELINEAMENTO EM BLOCOS AO ACASO DELINEAMENTO EM BLOCOS AO ACASO Sempre que não houver condições experimentais homogêneas, devemos utilizar o principio do controle local, instalando Blocos, casualizando os tratamentos, igualmente repetidos.

Leia mais

Conceitosintrodutórios Planejamentode Experimentos. Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT

Conceitosintrodutórios Planejamentode Experimentos. Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT Conceitosintrodutórios Planejamentode Experimentos Prof. Dr. Fernando Luiz Pereira de Oliveira Sala1 ICEB I DEMAT Email: fernandoest@ig.com.br Um planejamento de experimentos consiste em um teste ou umas

Leia mais

ANOVA - parte I Conceitos Básicos

ANOVA - parte I Conceitos Básicos ANOVA - parte I Conceitos Básicos Erica Castilho Rodrigues 9 de Agosto de 2011 Referências: Noções de Probabilidade e Estatística - Pedroso e Lima (Capítulo 11). Textos avulsos. Introdução 3 Introdução

Leia mais

Questão 1: Questão 2: Defina tratamentos, fator, nível, parcela, subparcela, coeficiente de variação e interação entre fatores.

Questão 1: Questão 2: Defina tratamentos, fator, nível, parcela, subparcela, coeficiente de variação e interação entre fatores. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR DISCIPLINA: ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 3 a AVALIAÇÃO PROFESSOR: ROBERTO QUEIROGA Questão 1: Faça um croqui (disposição

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO AGRÍCOLA. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari

EXPERIMENTAÇÃO AGRÍCOLA. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari EXPERIMENTAÇÃO AGRÍCOLA Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br INTRODUÇÃO Muitas vezes, embora se tenha cuidado no planejamento e Ao planejar um experimento, o pesquisador

Leia mais

TEAZ Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia PLANO DE ENSINO

TEAZ Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia PLANO DE ENSINO TEAZ Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia PLANO DE ENSINO II EMENTA Principais delineamentos experimentais usados em pesquisas zootécnicas. Condução de pesquisas e análises estatísticas mais utilizadas.

Leia mais

AULA 4 DELINEAMENTO EM QUADRADO LATINO (DQL)

AULA 4 DELINEAMENTO EM QUADRADO LATINO (DQL) AULA 4 DELINEAMENTO EM QUADRADO LATINO (DQL) Características Utiliza-se de três princípios básicos da experimentação: repetição, casualização e controle local. Possui um controle local mais eficiente que

Leia mais

Análise de resíduos e transformação de dados em variáveis de tomateiro

Análise de resíduos e transformação de dados em variáveis de tomateiro Análise de resíduos e transformação de dados em variáveis de tomateiro Diogo Vanderlei Schwertner 1 Rélia Rodrigues Brunes 1 Fernando Machado Haesbaert 1 Daniel Santos 1 Denison Esequiel Schabarum 1 Alessandro

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA Tema 1: Princípios básicos de agrária. Conceitos básicos na Experimento - inquérito planeado para obtenção de novos factos ou para confirmar resultados de estudos prévios e para

Leia mais

Delineamentos Experimentais

Delineamentos Experimentais elineamentos Experimentais ada forma de aleatorizar dá em uma análise, ou seja, cada forma de distribuir ao acaso os tratamentos é que define a metodologia de análise. essa forma, essas disposições serão

Leia mais

Técnicas de Experimentação Agrícola

Técnicas de Experimentação Agrícola ProSavana Programa Especial de Capacitação e Treinamento Técnicas de Experimentação Agrícola Embrapa Arroz e Feijão Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Universidade Federal de Goiás Nampula,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPATAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS GABARITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPATAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS GABARITO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPATAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agropecuária Prova do Processo Seletivo para Mestrado 16- GABARITO N o de inscrição

Leia mais

Estimação parâmetros e teste de hipóteses. Prof. Dr. Alberto Franke (48)

Estimação parâmetros e teste de hipóteses. Prof. Dr. Alberto Franke (48) Estimação parâmetros e teste de hipóteses Prof. Dr. Alberto Franke (48) 91471041 Intervalo de confiança para média É um intervalo em que haja probabilidade do verdadeiro valor desconhecido do parâmetro

Leia mais

Cap 3 Introdução à Experimentação

Cap 3 Introdução à Experimentação 3.5. Exercícios 3.1. Um experimento deve conter no mínimo o(s) seguinte(s) princípio(s) básico(s) da experimentação: a) repetição b) casualização c) controle local d) repetição e controle local e) repetição

Leia mais

25 a 30 de novembro de 2013

25 a 30 de novembro de 2013 nderson R nálise de Introdução à nderson R Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação gronômica ESLQ/USP 25 a 30 de novembro de 2013 nderson R nálise de 1 2 3 nálise de Parte 4 - Conteúdo

Leia mais

DIC com número diferente de repetições por tratamento

DIC com número diferente de repetições por tratamento DIC com número diferente de repetições por tratamento Introdução Muitas vezes, embora se tenha cuidado no planejamento e Ao planejar um experimento, o pesquisador deve utilizar na execução do experimento,

Leia mais

DIC com número diferente de repetições por tratamento

DIC com número diferente de repetições por tratamento DIC com número diferente de repetições por tratamento Introdução Muitas vezes, embora se tenha cuidado no planejamento e Ao planejar um experimento, o pesquisador deve utilizar na execução do experimento,

Leia mais

EAE36AM - ESTATÍSTICA APLICADA A EXPERIMENTOS

EAE36AM - ESTATÍSTICA APLICADA A EXPERIMENTOS EAE36AM - ESTATÍSTICA APLICADA A EXPERIMENTOS AULA 1 PROFª SHEILA REGINA ORO EMENTA Planejamento de experimentos; Planejamento amostral; Delineamento experimental; Coleta e validação dos dados; Testes

Leia mais

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Pesquisa em laboratórios na Embrapa Anos 70 Anos 80 Anos 90 Século 21 Precisão em Laboratórios:

Leia mais

Análise Conjunta de Experimentos

Análise Conjunta de Experimentos Análise Conjunta de Experimentos Na experimentação agrícola é frequênte á instalação de grupos de ensaios, todos com a mesma estrutura, porém em anos e/ou locais distintos, visando a obtenção de conclusões

Leia mais

DELINEAMENTO FATORIAL. Profª. Sheila Regina Oro

DELINEAMENTO FATORIAL. Profª. Sheila Regina Oro DELINEAMENTO FATORIAL Profª. Sheila Regina Oro Existem casos em que vários fatores devem ser estudados simultaneamente para que possam nos conduzir a resultados de interesse. Experimentos fatoriais: são

Leia mais

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS Professor Dr. Moeses Andrigo Danner UTFPR, Câmpus Dois Vizinhos Experimentação é uma parte da estatística probabilística que estuda o planejamento, execução, coleta de dados,

Leia mais

Comparação de métodos para tratamento de parcelas perdidas em delineamento em blocos casualizados via simulação Monte Carlo

Comparação de métodos para tratamento de parcelas perdidas em delineamento em blocos casualizados via simulação Monte Carlo Comparação de métodos para tratamento de parcelas perdidas em delineamento em blocos casualizados via simulação Monte Carlo Marcela Costa Rocha 1 Maria de Lourdes Lima Bragion 1 1 Introdução A perda de

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA Tema : Delineamentos experimentais básicos (DCC/DBCC/DQL) Delineamento de Blocos Completos Casualizados (DBCC) Quando usar? Quando as unidades experimentais não apresentam características

Leia mais

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 Avaliação de diferentes cultivares de milho (Zea mays) para a produção de minimilho na região Bambuí MG Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 1 Estudante

Leia mais

DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO e CASUALIZADOS

DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO e CASUALIZADOS DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO e DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS Prof. Anderson Rodrigo da Silva anderson.silva@ifgoiano.edu.br 1. Objetivos Estudar o procedimento de instalação e análise de

Leia mais

Parte 8 Testes de hipóteses Comparação de dois grupos

Parte 8 Testes de hipóteses Comparação de dois grupos Parte 8 Testes de hipóteses Comparação de dois grupos Um objetivo frequente em estudos de diferentes áreas é a comparação de dois ou mais grupos (ou populações). Alguns exemplos: o Comparação dos salários

Leia mais

TEOR DE ÓLEO E RENDIMENTO DE MAMONA BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO

TEOR DE ÓLEO E RENDIMENTO DE MAMONA BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO TEOR DE ÓLEO E RENDIMENTO DE MAMONA BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO Tarcísio Marcos de Souza Gondim 1, Rosa Maria Mendes Freire 1, Catarina Chagas de Andrade 2, Liv Soares Serveino

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA. Prof. Anderson Rodrigo da Silva

INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA. Prof. Anderson Rodrigo da Silva INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Prof. Anderson Rodrigo da Silva anderson.silva@ifgoiano.edu.br Tipos de Pesquisa Censo: é o levantamento de toda população. Aqui não se faz inferência e sim uma descrição

Leia mais

Policultivos de coentro x beterraba x rúcula: Avaliação uni e multivariada da eficiência agronômica/biológica

Policultivos de coentro x beterraba x rúcula: Avaliação uni e multivariada da eficiência agronômica/biológica Policultivos de coentro x beterraba x rúcula: Avaliação uni e multivariada da eficiência agronômica/biológica Francisco Cicupira Andrade Filho 1 Francisco Bezerra Neto 2 Jailma Suerda Silva de Lima 2 Joserlan

Leia mais

Profa Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva TRATAMENTO CONTROLE

Profa Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva TRATAMENTO CONTROLE Profa Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva FCAA/FISMA - FEA TRATAMENTO CONTROLE Conjunto das características: Especificação da unidade experimental (u. e.) Definição da variável em análise e como será

Leia mais

o custo elevado dos fertilizantes fosfatados solúveis em água

o custo elevado dos fertilizantes fosfatados solúveis em água Avaliação da Eficiência Agronômica de Fosfatos Naturais, em Relação ao Superfosfato Triplo, na Cultivar de Cevada BR 2, em 1998 Peruzzo, G.' Introdução o custo elevado dos fertilizantes fosfatados solúveis

Leia mais

Análise da Variância. Prof. Dr. Alberto Franke (48)

Análise da Variância. Prof. Dr. Alberto Franke (48) Análise da Variância Prof. Dr. Alberto Franke (48) 91471041 Análise da variância Até aqui, a metodologia do teste de hipóteses foi utilizada para tirar conclusões sobre possíveis diferenças entre os parâmetros

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO. Ciências Vegetais EMENTA

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO. Ciências Vegetais EMENTA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA 15/01/2007 COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA Km 47 da BR 110 Bairro Presidente Costa e Silva CEP: 59625-900 C postal 137 Telefone (084)33151796 Telefax

Leia mais

1 - a ligação ficou bastante boa, em particular do ponto de vista de organização das idéias. no entanto, não falou na confiabilidade das conclusões,

1 - a ligação ficou bastante boa, em particular do ponto de vista de organização das idéias. no entanto, não falou na confiabilidade das conclusões, 1) os principios da experimentação: Repetição: Este princípio serve para atender com segurança os dados experimentais que serão utilizados os seus valores médios; Casualização: serve para que os tratamentos

Leia mais

Especialização em Engenharia de Processos e de Sistemas de Produção

Especialização em Engenharia de Processos e de Sistemas de Produção Especialização em Engenharia de Processos e de Sistemas de Produção Projetos de Experimento e Confiabilidade de Sistemas da Produção Prof. Claudio Luis C. Frankenberg 2ª parte Experimentos inteiramente

Leia mais

25 a 30 de novembro de 2013

25 a 30 de novembro de 2013 em em Introdução à Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agronômica ESALQ/USP 25 a 30 de novembro de 2013 Parte 3 - Conteúdo em em 1 em 2 em em em Permite estudar como uma (simples)

Leia mais

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO José C. Cruz 1 ; Israel A. Pereira Filho 1 ;

Leia mais

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB DISCIPLINA BIOEXPERIMENTAÇÃO Exercício de experimento fatorial resolução passo-à-passo Os dados apresentados abaixo são uma adaptação do exemplo apresentado por Banzato e Kronka (199) Os dados são valores

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Luis César Vieira Tavares 1, Larissa

Leia mais

UNIDADE V EXPERIMENTOS FATORIAIS (RC)

UNIDADE V EXPERIMENTOS FATORIAIS (RC) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIENCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE V EXPERIMENTOS FATORIAIS (RC) Profª Railene Hérica Carlos Rocha Pombal, PB. 1. Conceitos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO. Apostila de Bioestatística Experimentação Página 1 de 15

EXPERIMENTAÇÃO. Apostila de Bioestatística Experimentação Página 1 de 15 UNVERSDADE ESADUAL DE ALAGOAS UNEAL Campus Santana do panema CURSO: Zootecnia DSCPLNA: Bioestatística Professor: Wellyngton Chaves Monteiro da Silva EXPERMENAÇÃO É um modo de comprovar uma hipótese a partir

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

AULA 05 Teste de Hipótese

AULA 05 Teste de Hipótese 1 AULA 05 Teste de Hipótese Ernesto F. L. Amaral 03 de setembro de 2012 Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FAFICH) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução

Leia mais

SELETIVIDADE DO HERBICIDA TRIFLOXYSULFURON SODIUM NA MAMONEIRA (RICINUS COMMUNIS L.) CULTIVAR BRS NORDESTINA

SELETIVIDADE DO HERBICIDA TRIFLOXYSULFURON SODIUM NA MAMONEIRA (RICINUS COMMUNIS L.) CULTIVAR BRS NORDESTINA SELETIVIDADE DO HERBICIDA TRIFLOXYSULFURON SODIUM NA MAMONEIRA (RICINUS COMMUNIS L.) CULTIVAR BRS NORDESTINA Uilma Cardoso de Queiroz Ferreira 1, Wilton Nunes de Queiroz 1, Napoleão Esberard de Macedo

Leia mais

MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO. Resumo

MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO. Resumo MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO Denardin, J.E. 1 ; Kochhann, R.A. 1 Resumo Presume-se que semeadoras para plantio direto apresentam problemas operacionais para semear trigo

Leia mais

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL Adeliano Cargnin 1, João Augusto Müller 1, Fernando Daminelli Araújo Mello 1, Cláudia Martellet Fogaça 1 ( 1 Embrapa

Leia mais

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO

Leia mais

Planejamento da experimentação em áreas de produção de biocombustíveis e alimentos

Planejamento da experimentação em áreas de produção de biocombustíveis e alimentos 534 Capítulo 7 Planejamento da experimentação em áreas de produção de biocombustíveis e alimentos Décio Barbin José Ruy Porto de Carvalho Rubens Leite do Canto Braga Júnior Sônia Maria De Stefano Piedade

Leia mais

Enriquecimento de substrato com adubação NPK para produção de mudas de alface

Enriquecimento de substrato com adubação NPK para produção de mudas de alface Enriquecimento de substrato com adubação NPK para produção de mudas de alface Paulo Ricardo Cambraia (1) ; Sheila Isabel do Carmo Pinto (2) (1) Estudante de Agronomia do IFMG-Bambuí. (2) Professor Orientador

Leia mais

PESQUISA CAUSAL: Experimentação

PESQUISA CAUSAL: Experimentação RAD 1404 Pesquisa de Marketing PESQUISA CAUSAL: Experimentação Cap. 7 Pesquisa de Marketing Naresh K. Malhotra Prof. Dirceu Tornavoi de Carvalho Qual o Conceito de Causalidade? Pesquisa Causal Quando a

Leia mais

RESUMO DO CAPÍTULO 3 DO LIVRO DE WOOLDRIDGE ANÁLISE DE REGRESSÃO MÚLTIPLA: ESTIMAÇÃO

RESUMO DO CAPÍTULO 3 DO LIVRO DE WOOLDRIDGE ANÁLISE DE REGRESSÃO MÚLTIPLA: ESTIMAÇÃO RESUMO DO CAPÍTULO 3 DO LIVRO DE WOOLDRIDGE ANÁLISE DE REGRESSÃO MÚLTIPLA: ESTIMAÇÃO Regressão simples: desvantagem de apenas uma variável independente explicando y mantendo ceteris paribus as demais (ou

Leia mais

CEPEC/Fertilizantes Heringer S/A - Martins Soares - MG

CEPEC/Fertilizantes Heringer S/A - Martins Soares - MG EFEITO DE DIFERENTES FONTES DE FÓSFORO E DE ÉPOCAS DE APLICAÇÃO, NA COVA DE PLANTIO, SOBRE A PRODUTIVIDADE INICIAL DO CAFEEIRO CEPEC/Fertilizantes Heringer S/A - Martins Soares - MG Rosa, G. N. G. P.;

Leia mais

7. Testes de Hipóteses

7. Testes de Hipóteses 7. Testes de Hipóteses Suponha que você é o encarregado de regular o engarrafamento automatizado de leite numa determinada agroindústria. Sabe-se que as máquinas foram reguladas para engarrafar em média,

Leia mais

AMOSTRAGEM. É a parte da Teoria Estatística que define os procedimentos para os planejamentos amostrais e as técnicas de estimação utilizadas.

AMOSTRAGEM. É a parte da Teoria Estatística que define os procedimentos para os planejamentos amostrais e as técnicas de estimação utilizadas. AMOSTRAGEM É a parte da Teoria Estatística que define os procedimentos para os planejamentos amostrais e as técnicas de estimação utilizadas. Nos planejamentos amostrais, a coleta dos dados deve ser realizada

Leia mais

29 e 30 de julho de 2013

29 e 30 de julho de 2013 Introdução à Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agronômica ESALQ/USP 29 e 30 de julho de 2013 Dia 1 - Conteúdo 1 2 3 Alguns softwares recomen: R (Livre) /www.r-project.org/ SAS (SAS

Leia mais

INFLUÊNCIA DE BORDADURA NAS LATERAIS E NAS EXTREMIDADES DE FILEIRAS DE MILHO NA PRECISÃO EXPERIMENTAL 1

INFLUÊNCIA DE BORDADURA NAS LATERAIS E NAS EXTREMIDADES DE FILEIRAS DE MILHO NA PRECISÃO EXPERIMENTAL 1 INFLUÊNCIA DE BORDADURA NAS LATERAIS E NAS EXTREMIDADES DE FILEIRAS DE MILHO NA PRECISÃO EXPERIMENTAL 1 CASAROTTO, Gabriele 2 ; CARGNELUTTI FILHO, Alberto 3 ; BURIN, Cláudia 4 ; TOEBE, Marcos 5 ; SILVEIRA,

Leia mais

Estudo de Caso: Utilização de Análise de Variância para Medições de Corrente de Fuga em Isoladores Elétricos

Estudo de Caso: Utilização de Análise de Variância para Medições de Corrente de Fuga em Isoladores Elétricos Estudo de Caso: Utilização de Análise de Variância para Medições de Corrente de Fuga em soladores Elétricos Hiago R. S. C. M. Barbosa, Tarso V. Ferreira (Orientador) Departamento de Engenharia Elétrica

Leia mais

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA *

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * Tarcísio Marcos de Souza Gondim 1, Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva

Leia mais

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573 Página 1573 AVALIAÇÃO DE LINHAGENS DE MAMONEIRA NO MUNICÍPIO DE NOSSA SENHORA DAS DORES/SE Francisco Elias Ribeiro 1 ; Samuel Silva da Mata 1 ; Milena Mascarenhas de Jesus Ribeiro 2 ; Máira Milani 3 1Pesquisador

Leia mais

PROJETO E ANÁLISES DE EXPERIMENTOS (PAE) EXPERIMENTOS COM DOIS FATORES E O PLANEJAMENTO FATORIAL

PROJETO E ANÁLISES DE EXPERIMENTOS (PAE) EXPERIMENTOS COM DOIS FATORES E O PLANEJAMENTO FATORIAL PROJETO E ANÁLISES DE EXPERIMENTOS (PAE) EXPERIMENTOS COM DOIS FATORES E O PLANEJAMENTO FATORIAL Dr Sivaldo Leite Correia CONCEITOS E DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Muitos experimentos são realizados visando

Leia mais

TESTE DE HIPÓTESE. Introdução

TESTE DE HIPÓTESE. Introdução TESTE DE HIPÓTESE Introdução O teste de hipótese estatística objetiva decidir se uma afirmação sobre uma população, usualmente um parâmetro desta, é, ou não, apoiada pela evidência obtida dos dados amostrais.

Leia mais

Precisão experimental, na avaliação da produtividade de colmos, em ensaios de genótipos de cana-de-açúcar com colheita manual

Precisão experimental, na avaliação da produtividade de colmos, em ensaios de genótipos de cana-de-açúcar com colheita manual Precisão experimental, na avaliação da produtividade de colmos, em ensaios de genótipos de cana-de-açúcar com colheita manual Letícia Barão Medeiros 1 Alberto Cargnelutti Filho 2 Fernanda Martins Simões

Leia mais

ANÁLISE DE DADOS. Nome:

ANÁLISE DE DADOS. Nome: UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULADADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL Departamento de Economia Agrária e Desenvolvimento Rural Secção de Economia Agrária ANÁLISE DE DADOS 31.05.2012 Nome: 1. Das

Leia mais

Disciplina de Modelos Lineares Professora Ariane Ferreira

Disciplina de Modelos Lineares Professora Ariane Ferreira Disciplina de Modelos Lineares 2012-2 Regressão Logística Professora Ariane Ferreira O modelo de regressão logístico é semelhante ao modelo de regressão linear. No entanto, no modelo logístico a variável

Leia mais

DELINEAMENTO EM QUADRADO LATINO

DELINEAMENTO EM QUADRADO LATINO 37 8 LINMNTO M QURO LTINO O delineamento em quadrado latino, apesar de sua alta eficiência, é pouco utilizado na pesquisa agropecuária por ter uma flexibilidade muito menor que os outros, ou seja, ele

Leia mais

Testes de Hipóteses Paramétricos

Testes de Hipóteses Paramétricos Testes de Hipóteses Paramétricos Carla Henriques Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Introdução Exemplos Testar se mais de metade da população irá consumir um novo produto

Leia mais

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Júnio Oliveira Ferreira (1),

Leia mais

DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS COMPLETOS AUMENTADOS*

DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS COMPLETOS AUMENTADOS* DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS COMPLETOS AUMENTADOS* MARIA CRISTINA STOLF NOGUEIRA** F. PIMENTEL GOMES *** RESUMO O objetivo do presente trabalho consistiu em apresentar uma metodologia mais simples

Leia mais

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agropecuária Prova do Processo Seletivo para o Doutorado

Leia mais

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo EDUCAR para PRESERVAR el suelo y conservar la vida en La Tierra Cusco Perú, del 9 al 15 de Noviembre del 2014 Centro de Convenciones

Leia mais

Testes de Hipóteses Paramétricos

Testes de Hipóteses Paramétricos Testes de Hipóteses Paramétricos Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu (DepMAT ESTV) Testes de Hipóteses Paramétricos 1 / 41 Introdução. Hipóteses Estatísticas. Erro Tipo I

Leia mais

José Aparecido da Silva Gama¹. ¹Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas.

José Aparecido da Silva Gama¹. ¹Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas. Estudo e Aplicação dos Testes de Hipóteses Paramétricos e Não Paramétricos em Amostras da Estação Fluviométrica Três Maria (MG) da bacia Hidrográfica do Rio São Francisco José Aparecido da Silva Gama¹

Leia mais

AS TORTAS DE CACAU E DE ALGODÃO NA ADUBAÇÃO DA CANA

AS TORTAS DE CACAU E DE ALGODÃO NA ADUBAÇÃO DA CANA AS TORTAS DE CACAU E DE ALGODÃO NA ADUBAÇÃO DA CANA Tese aprovada no 10. Congresso Brasileiro de Química realizado em Junho de 1952 no Rio de Janeiro T. COURY E. MALAVOLTA G. RANZANI Secção Técnica "Química

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE BOTUCATU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ENERGIA NA AGRICULTURA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE BOTUCATU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ENERGIA NA AGRICULTURA PLANO DE ENSINO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ENERGIA NA AGRICULTURA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: ANÁLISE DE EXPERIMENTOS EM FITOTECNIA ÁREA: DOMÍNIO ESPECÍFICO ( ) NÍVEL: MESTRADO ( X ) DOMÍNIO CONEXO (X ) DOUTORADO

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR 28 Resumos da XXXIII Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil - Londrina, PR, agosto de 203 5 PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 )

EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 ) EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 ) HERMANO GARGANTINI e EDMIR SOARES (-), Seção de Fertilidade do Solo, Instituto Agronômico

Leia mais

Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo

Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo Iara Cristina Santos Curvelo (1), Elka Fabiana Aparecida Almeida

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA

DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA Rafael Garcia Gouzalez 1 Luiz Antônio Augusto Gomes 2 Antônio Carlos Fraga 3 Pedro Castro Neto 4 RESUMO Com o objetivo de avaliar

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

TESTES DE NORMALIDADE E SIGNIFICÂNCIA. Profª. Sheila Regina Oro

TESTES DE NORMALIDADE E SIGNIFICÂNCIA. Profª. Sheila Regina Oro TESTES DE NORMALIDADE E SIGNIFICÂNCIA Profª. Sheila Regina Oro A suposição de normalidade dos dados amostrais ou experimentais é uma condição exigida para a realização de muitas inferências válidas a respeito

Leia mais

Nome do candidato (a):

Nome do candidato (a): Questão de Estatística Geral Questão 1. Com base na série de dados apresentada na Tabela 1, 1. Calcule os três quartis e a amplitude (ou distância) interquartílica; 2. Construa um diagrama de caixa ("box

Leia mais

Aula 7: Delineamento em blocos ao acaso

Aula 7: Delineamento em blocos ao acaso Aula 7: Delineamento em blocos ao acaso Uma possível distribuição de parcelas é a esquematicamente mostrada na figura a seguir: Também denominado por delineamento em blocos casualizados é com certeza o

Leia mais

Em aplicações práticas é comum que o interesse seja comparar as médias de duas diferentes populações (ambas as médias são desconhecidas).

Em aplicações práticas é comum que o interesse seja comparar as médias de duas diferentes populações (ambas as médias são desconhecidas). Em aplicações práticas é comum que o interesse seja comparar as médias de duas diferentes populações (ambas as médias são desconhecidas). Na comparação de duas populações, dispomos de duas amostras, em

Leia mais

1.1. Definições importantes

1.1. Definições importantes Parte I. Inferência Estatística Trata-se do processo de se obter informações sobre uma população a partir dos resultados observados numa amostra. De um modo geral, tem-se uma população com um grande número

Leia mais

Qual o delineamento e quantas observações devo considerar em meu projeto? Ivan Barbosa Machado Sampaio Professor Emérito Escola de Veterinária - UFMG

Qual o delineamento e quantas observações devo considerar em meu projeto? Ivan Barbosa Machado Sampaio Professor Emérito Escola de Veterinária - UFMG Qual o delineamento e quantas observações devo considerar em meu projeto? Ivan Barbosa Machado Sampaio Professor Emérito Escola de Veterinária - UFMG Após 45 dias sob mesmo manejo... Foram selecionados

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FITOMASSA E COMPRIMENTO DAS RAÍZES DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA INFLUENCIADOS PELA FERTILIZAÇÃO ORGÂNICA

AVALIAÇÃO DA FITOMASSA E COMPRIMENTO DAS RAÍZES DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA INFLUENCIADOS PELA FERTILIZAÇÃO ORGÂNICA AVALIAÇÃO DA FITOMASSA E COMPRIMENTO DAS RAÍZES DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA INFLUENCIADOS PELA FERTILIZAÇÃO ORGÂNICA Márcia Maria Bezerra Guimarães 1, Vera Lúcia Antunes de Lima 1, Napoleão Esberard de

Leia mais

ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP INTRODUÇÃO

ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP INTRODUÇÃO Página 985 ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP Luiz Henrique Carvalho 1 ; Nelson Machado da Silva 1 ; Julio Isao Kondo 1 ; Edivaldo Cia 1 ; Ederaldo José Chiavegato

Leia mais

DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO

DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO 171 6 DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO O delineamento inteiramente casualizado é o mais simples de todos os delineamentos experimentais. É considerado o delineamento estatístico básico, sendo os demais

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1326

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1326 Página 1326 CARACTERIZACAO DA ARQUITETURA DE PLANTA EM GENOTIPOS DE ALGODOEIROS PORTADORES DO CARÁTER CLUSTER E NORMAL EM DIFERENTES ESPAÇAMENTOS Joyce Dorneles Moura 1 ; Julio Cesar Viglioni Penna 2 ;

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL

VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL Auri Fernando de Moraes 1, Alexandre Pereira Bonfá 1, Walter Quadros Ribeiro Júnior 2, Maria Lucrécia Gerosa Ramos 3, Júlio César Albrecht 2, Renato

Leia mais

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL: A EVOLUÇÃO NO PLANEJAMENTO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS EM FRUTICULTURA JOÃO RIBOLDI¹; ANA BEATRIZ COSTA CZERMAINSKI²

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL: A EVOLUÇÃO NO PLANEJAMENTO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS EM FRUTICULTURA JOÃO RIBOLDI¹; ANA BEATRIZ COSTA CZERMAINSKI² ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL: A EVOLUÇÃO NO PLANEJAMENTO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS EM FRUTICULTURA JOÃO RIBOLDI¹; ANA BEATRIZ COSTA CZERMAINSKI² INTRODUÇÃO O progresso da estatística tanto no planejamento

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Produção de Milho Verde em Diferentes Épocas de Semeadura em Janaúba - MG. Iran dias borges 1, Renata Santos Pereira

Leia mais

Melhoramento de autógamas por hibridação. João Carlos Bespalhok Filho

Melhoramento de autógamas por hibridação. João Carlos Bespalhok Filho Melhoramento de autógamas por hibridação João Carlos Bespalhok Filho O que necessitamos para fazer melhoramento? Variabilidade genética Populações com diferentes genótipos Como criar variabilidade genética?

Leia mais