Segurança Alimentar na Restauração. Controlo de Temperaturas na Restauração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança Alimentar na Restauração. Controlo de Temperaturas na Restauração"

Transcrição

1 Segurança Alimentar na Restauração Controlo de Temperaturas na Restauração 1

2 Índice Controlo de temperaturas na restauração... 3 Controlo da temperatura na receção das matérias-primas e produtos alimentares... 4 Armazenamento à temperatura ambiente... 4 Armazenamento a temperaturas de refrigeração e congelação... 5 Controlo da temperatura na confeção dos alimentos... 6 Controlo da temperatura no serviço das refeições/alimentos... 6 Instrumentos de medição da temperatura, suas características e modo de utilização... 6 Modo de utilização de termómetros... 7 Higienização dos termómetros... 7 Manutenção dos termómetros

3 Controlo de temperaturas na restauração Abaixo dos 4ºC as bactérias não morrem, no entanto também não se multiplicam com facilidade, ficando inativas a temperaturas muito baixas (menos de -18ºC). Algumas bactérias podem permanecer viáveis por longos períodos de tempo em alimentos congelados. A resistência das bactérias a altas temperaturas depende das suas características. Na realidade, deve-se falar do efeito da combinação tempo-temperatura no crescimento microbiano. O controlo efetivo destes dois parâmetros é assim um dos principais aspetos a considerar nas medidas de controlo de segurança alimentar a implementar. O controlo da temperatura é importante no armazenamento de todas as matérias-primas, quer estas sejam armazenadas à temperatura ambiente quer a baixas temperaturas. Para as matérias-primas ou alimentos que não possam ser armazenados com segurança à temperatura ambiente, o controlo da temperatura assume um papel mais critico, de modo a assegurar que a cadeia de frio não é quebrada. 3

4 Controlo da temperatura na receção das matérias-primas e produtos alimentares Matéria-prima Temperatura máxima admitida à receção ( C) Queijo 5 Produtos lácteos Iogurtes 5 Queijo fresco 5 Leite do dia 5 Manteigas e margarinas 5 Carne Carnes e derivados congelados -15 Fresca 5 Aves e criação 4 Fiambre, salsicharia, etc 7 Pescado Congelado -15 Fresco 4 Ovos Frescos 20 Pasteurizados 3 Pastelaria variada com creme 6 Gelados -12 Hortofrutícolas Frescos 16 Congelados -13 Armazenamento à temperatura ambiente Para a conservação de alimentos à temperatura ambiente ser bem-sucedida, a temperatura deve manter-se entre os 10 e os 21ºC. É importante que esta não sofra grandes oscilações, pois pode originar a formação de condensações, o que terá como consequência o facto de as embalagens ficarem húmidas e consequentemente potenciar o desenvolvimento microbiano nos produtos. Os operadores responsáveis por este armazenamento devem verificar e registar diariamente a temperatura ambiente na folha de registo específica. 4

5 Armazenamento a temperaturas de refrigeração e congelação Matéria-prima Temperatura de armazenamento recomendada ( C) Produtos lácteos Iogurtes 1 a 5 Queijo fresco 1 a 4 Leite do dia 1 a 5 Manteigas e margarinas 1 a 5 Carne Carnes e derivados congelados Inferior a -18 Fresca -1 a 1 Aves e criação -1 a 1 Fiambre, salsicharia, etc. 1 a 5 Pescado Congelado Inferior a -18 Fresco 1 a 3 Ovos Frescos 1 a 20 Pasteurizados 1 a 3 Pastelaria variada com creme 1 a 5 Hortofrutícolas Frescos 7 a 10 Congelados Inferior a -18 Em caso de avaria do sistema de frio, deve ser imediatamente afixada uma etiqueta que indique essa situação, de modo a evitar ao máximo a abertura das câmaras frigoríficas ou de conservação de congelados, para permitir a manutenção das temperaturas. Caso exista equipamento de frio alternativo os alimentos devem ser imediatamente transferidos. Nestas situações, a temperatura dos alimentos deve ser controlada, e caso ultrapasse os -10ºC para os alimentos congelados, estes devem ser armazenados em câmaras de refrigeração até descongelarem completamente e depois consumidos num prazo de 24 horas. Para alimentos refrigerados se as temperaturas ultrapassarem os 8ºC, estes devem ser imediatamente consumidos. A temperatura das câmaras frigoríficas ou de conservação de congelados deve ser verificada e registada pelo menos 2 vezes por dia. A folha de registo (obrigatório) das temperaturas deve estar colocada em local visível e facilmente acessível junto às câmaras. Deve existir pelo menos um termómetro portátil calibrado, isto para além dos termómetros fixos, acoplados aos equipamentos de frio. 5

6 Controlo da temperatura na confeção dos alimentos Nos óleos de fritura o controlo da temperatura poderá ser efetuado através de sensores do próprio equipamento de fritura, o qual disparará um alarme sempre que a temperatura ultrapasse os 180ºC. Assim o termóstato das fritadeiras deve estar regulado para temperaturas entre 160 e 180ºC. Para além do termostato incorporado no equipamento, o operador responsável deve proceder à medição da temperatura do óleo utilizando um termómetro devidamente calibrado, verificando se a temperatura do óleo corresponde na realidade à indicada no termóstato. Controlo da temperatura no serviço das refeições/alimentos Após a confeção, caso os alimentos não sejam para consumo imediato, deve-se proceder ao seu rápido arrefecimento até aos 10ºC, isto no período máximo de 2 horas, e posteriormente acondicionados a temperaturas iguais ou inferiores a 4ºC. Caso os alimentos se destinem a ser consumidos frios em estabelecimentos de self-service e permaneçam em equipamentos de exposição equipados com sistema de frio antes do seu consumo, estes devem ser mantidos a temperaturas de 4ºC ou ligeiramente inferiores. Outros aspetos importantes a ter em consideração no controlo de temperaturas no serviço de refeições incluem: - Manutenção dos molhos quentes a temperaturas superiores a 63ºC e os molhos frios a uma temperatura entre 1 a 4ºC; - Medição da temperatura interna dos alimentos com um termómetro calibrado com intervalos de 30 minutos; - Conservação até 7 dias de alimentos submetidos a arrefecimento se forem mantidos a temperaturas inferiores a 4ºC. Instrumentos de medição da temperatura, suas características e modo de utilização Tipos de termómetro - Termómetro de leitura instantânea; - Termómetro digital; - Sondas de forno; -Termómetros tipo garfo. No setor alimentar nunca devem ser utilizados termómetros de vidro, que contenham mercúrio ou álcool para medir a temperatura dos alimentos. Estes termómetros podem-se partir e colocar em risco a saúde dos consumidores e dos próprios operadores. Os termómetros não devem apresentar um erro máximo superior a 1ºC. 6

7 Modo de utilização de termómetros - Antes de o usar, deve-se assegurar que se encontra higienizado e completamente seco; - Só depois dos valores visualizados no mostrador do termómetro estabilizarem é que se deve proceder à leitura e registo da temperatura; - A temperatura deve ser medida em várias partes do alimento, isto porque diferentes pontos do alimento podem-se encontrar a diferentes temperaturas; - Deve-se proceder à limpeza e desinfeção do termómetro, sempre que se termine a leitura da temperatura de um alimento; - Quando se pretende medir a temperatura de alimentos embalados congelados, deve-se colocar a haste do termómetro entre duas embalagens. Neste caso, obtemos apenas uma temperatura aproximada, conseguindo no entanto, que a embalagem não seja violada; - No caso de se utilizar o mesmo termómetro para medir a temperatura de alimentos quentes e frios, deve-se esperar que o termómetro volte à temperatura ambiente (+/- 21ºC), antes de efetuar nova medição; - Quando se mede a temperatura de alimentos que estejam expostos em vitrinas de manutenção a quente ou a frio, deve-se proceder a essa medição em mais do que um alimento, isto em virtude destes expositores, poderem não apresentar a mesma temperatura em diferentes pontos. Higienização dos termómetros Como a sonda ou haste do termómetro entra em contacto com o alimento, esta deve ser sempre limpa e desinfetada antes de ser utilizada noutros alimentos. Os termómetros podem ser higienizados cumprindo o seguinte procedimento: - Lavar com água e detergente; - Desinfetar a haste ou sonda, de modo que não afete o funcionamento do termómetro, utilizando algodão ou lenços de papel embebidos em álcool, ou outra solução (autorizada pelo setor alimentar) proposta pelo fabricante; - Enxaguar o desinfetante, caso se verifique ser necessário; - Secar muito bem a haste ou sonda do termómetro, com a ajuda de uma toalha descartável de papel. Manutenção dos termómetros O termómetro deve ser mantido em bom estado de funcionamento. Isto significa que devemos trocar as baterias e repará-lo sempre que se verifique que não funciona, ou que funciona deficientemente. É também conveniente manter a sua precisão, ou seja o termómetro deve ser corretamente calibrado, seguindo as instruções do fabricante. 7

Unidade de Saúde Pública PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS

Unidade de Saúde Pública PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS Os cuidados de higiene durante a preparação e confecção dos alimentos tem como objectivo evitar a sua contaminação e preservar a

Leia mais

Conservação dos Alimentos

Conservação dos Alimentos Conservação dos Alimentos Temperatura Local Adequado Higiene Data de validade Como conservar os alimentos Para que os alimentos sejam conservados da melhor maneira e não estraguem: Atenção- Temperatura

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO PPRO s E PCC s

PLANO DE MONITORIZAÇÃO PPRO s E PCC s 4. Lavagem/ desinfecção (PCC1) - Concentração (dosagem) do desinfectante desinfecção - Realização de uma boa pré-lavagem Conforme N- DSA-9 Em cada desinfecção, para todos os lavagem/ hortícolas e desinfecção

Leia mais

PLANO DE VERIFICAÇÃO PPR s (INCLUINDO PPRO s) E PCC s

PLANO DE VERIFICAÇÃO PPR s (INCLUINDO PPRO s) E PCC s PCC1 - Lavagem/ desinfecção - Concentração (Etapa 4) (dosagem) do desinfectante ou desinfecção ) E: s microbiológicas a saladas (antes e após desinfecção) Ver Plano de s DSA Boletins de PCC2 Confecção

Leia mais

Manual do Cliente. Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores

Manual do Cliente. Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores Manual do Cliente Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores 2 Conteúdos 1 Normas Gerais... 2. Normas de Segurança... 3. Normas de Utilização... 3.1 Instalação da Máquina... 3.2

Leia mais

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DA ESPESSURA DE ISOLANTE NECESSÁRIA A UMA APLICAÇÃO Volume III Curso

Leia mais

Alimentação Saudável e Segurança Alimentar

Alimentação Saudável e Segurança Alimentar Alimentação Saudável e Segurança Alimentar Índice Orientações para uma Alimentação Saudável pág.3 Consumo Excessivo de sal nas Escolas pág.5 Consumo Excessivo de Açúcar pelas Crianças pág.6 Consumo Excessivo

Leia mais

Manual de Instrucoes. Chapa Quente Eletrica. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Chapa Quente Eletrica. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Chapa Quente Eletrica o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação que entregamos

Leia mais

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I 1) Quais as condições para que ocorra doença por via da acção de agentes biológicos? 2) Qual a diferença entre intoxicação e infecção alimentar? 3) Quais os microrganismos mais frequentemente considerados

Leia mais

Manual de Instrucoes. Vitrine Expositora Refrigerada para Sushi. o futuro chegou a cozinha

Manual de Instrucoes. Vitrine Expositora Refrigerada para Sushi. o futuro chegou a cozinha Manual de Instrucoes Vitrine Expositora Refrigerada para Sushi o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com

Leia mais

Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização das pontas e limas SATELEC

Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização das pontas e limas SATELEC Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização das pontas e limas SATELEC Avisos: Não utilize esfregões ou produtos de limpeza abrasivos. Evite usar soluções que contenham iodo ou uma elevada

Leia mais

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO O valor agregado em produtos de pescado não deve necessariamente estar vinculado à elaboração de produtos sofisticados

Leia mais

Manual de Instrucoes. Vitrine Expositora Aquecida Euro. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Vitrine Expositora Aquecida Euro. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Vitrine Expositora Aquecida Euro o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação

Leia mais

Alimento Perigos Carnes cozinhadas Microbiológicos Resíduos de medicamentos veterinários eite cru Microbiológicos Metais pesados; resíduos de medicame

Alimento Perigos Carnes cozinhadas Microbiológicos Resíduos de medicamentos veterinários eite cru Microbiológicos Metais pesados; resíduos de medicame MEMO-FICHA 1 CONTAMINAÇÃO DE AIMENTOS NA RESTAURAÇÃO Alimentos e Perigos Associados Alimento Perigos Hortofrutícolas Microbiológicos Terra; pequenas pedras Matérias das plantas indesejadas; insectos e

Leia mais

Processo de Conserva do Atum

Processo de Conserva do Atum Processo de Conserva do Atum LEAL 2009/2010 PGA Índice Introdução... 3 Fluxograma da conserva de Atum... 4 Fases da Produção da conserva de Atum... 6 Recepção do peixe fresco... 6 Preparação e corte do

Leia mais

MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes

MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes Definição de Alimento De acordo com o Código Nacional de Saúde, Decreto-Lei 986/1969, alimento é toda substância ou mistura de substâncias, no estado

Leia mais

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas Análise de s ETAPA: Recepção das matérias-primas s considerados: Biológicos: bactérias patogénicas (forma vegetativa ou esporulada), parasitas e vírus Químicos: micotoxinas, aminas e toxinas naturais,

Leia mais

LISTA DE AVALIAÇÃO PARA CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO PORTARIA Nº817

LISTA DE AVALIAÇÃO PARA CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO PORTARIA Nº817 LISTA DE AVALIAÇÃO PARA CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO PORTARIA Nº817 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 1.Razão Social: 2. Nome fantasia: 3-Alvará/ Licença sanitária: 4-Inscrição Estadual / Municipal:

Leia mais

Prevenção de Toxinfeções Alimentares

Prevenção de Toxinfeções Alimentares Boas práticas de Segurança Alimentar Prevenção de Toxinfeções Alimentares Material de apoio à formação em contexto escolar: Terceiro ciclo (7º, 8º e 9º anos) PARTE II ---------------------- Alimento Seguro

Leia mais

PREPARANDO OS ALIMENTOS

PREPARANDO OS ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN PREPARANDO OS ALIMENTOS CUIDADOS COM HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO Natália Boia Soares Nutricionista

Leia mais

FOGÃO 50X60 ELÉCTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES

FOGÃO 50X60 ELÉCTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES FOGÃO 50X60 ELÉCTRICO MODELO JFE4TTB MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO: JFE4TI 1 Caro utilizador: O nosso objectivo é que este produto lhe proporcione os melhores resultados. É fabricado nas nossas modernas

Leia mais

DIVINO SABOR SALGADOS MANUAL DO CLIENTE

DIVINO SABOR SALGADOS MANUAL DO CLIENTE DIVINO SABOR SALGADOS MANUAL DO CLIENTE 2014/2015 RUA JOÃO GOMES BATISTA, 312 TELEFONE 5677-1651 PREPARO SALGADOS ASSADOS ESFIHAS; PASTÉIS; BAURU; DOGUINHO; HAMBURGÃO; TORTINHAS; TROUXINHAS, TRANCINHAS.

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL DESCRIÇÃO: Produto preparado a partir das cultivares de Solanum tuberosum. Deverão apresentar-se frescas, limpas, sãs, no estado de maturação industrial conveniente, lavadas, peladas, cortadas, calibradas

Leia mais

QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições

QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, É AQUELA PREPARADA COM OS CUIDADOS DE HIGIENE E QUE

Leia mais

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada Unidade de apoio a todos os serviços assistenciais e de diagnóstico que necessitem de artigos odonto-médico-hospitalares para a prestação da assistência a seus clientes; Pode ser: Centralizada Semi-centralizada

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Preparação e Confeção de Alimentos

Segurança Alimentar na Restauração. Preparação e Confeção de Alimentos Segurança Alimentar na Restauração Preparação e Confeção de Alimentos Índice Preparação e confeção de alimentos... 3 Preparação de alimentos... 3 Preparação de alimentos crus... 4 Preparação de carnes...

Leia mais

ADEGA DE VINHOS VCL-720

ADEGA DE VINHOS VCL-720 Manual de Instruções ADEGA DE VINHOS VCL-720 Leia atentamente as informações contidas neste manual antes de usar o aparelho. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA: Antes de utilizar a adega, leia atentamente às instruções

Leia mais

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES 09/11 658-09-05 773987 REV.2 FRITADEIRA Frita-Fácil Plus 3 www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto da linha Britânia. Para garantir

Leia mais

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE Revisão 00 POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE RETIRAR A CARNE DO CONGELADOR COM ANTECEDÊNCIA ; COLOCAR EM UM RECIPIENTE ; DEIXAR DENTRO DA GELADEIRA POR NO MÁXIMO 72 HS. >RESPONSÁVEL: Manipulador. >

Leia mais

ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE ESPECIALISTAS NA CADEIA DE FRIO RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS

ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE ESPECIALISTAS NA CADEIA DE FRIO  RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS ESPECIALISTAS EM SISTEMAS PARA MANUTENÇÃO DA CADEIA DE FRIO RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE CADEIA DE FRIO SOLUÇÕES PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS ALIMENTARES

Leia mais

REFEITÓRIOS. Novembro de 2016

REFEITÓRIOS. Novembro de 2016 REFEITÓRIOS ADJUDICADOS PRAZO DE EXECUÇÃO DO CONTRATO 1 janeiro 2015 a 31 julho de 2017 PERÍODO LETIVO PERÍODO NÃO LETIVO Comunicação/Autorização DGEstE OBJETIVO DO CONTRATO Serviço de Refeições Equilibradas

Leia mais

Monitorização. da Temperatura Wireless

Monitorização. da Temperatura Wireless Monitorização da Temperatura Wireless Atualmente e face à globalização dos mercados, a monitorização da Temperatura assume um papel fundamental e obrigatório na maioria das empresas, as quais necessitam

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADOR DE CERVEJA

MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADOR DE CERVEJA MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADOR DE CERVEJA ZBC-05 A felicita-o (a) pela escolha deste Refrigerador de Cerveja. Por favor leia atentamente as Instruções deste Manual. Este Refrigerador de Cerveja proporcionar-lhe-á

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA ASPECTOS REGULATÓRIOS REFERENTES À CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO FRIO

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA ASPECTOS REGULATÓRIOS REFERENTES À CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO FRIO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA ASPECTOS REGULATÓRIOS REFERENTES À CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO FRIO Cláudia Azevedo Versiani Veloso Médica Veterinária, M. Sc Fiscal Federal Agropecuário

Leia mais

1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte?

1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte? CAPÍTULO 1 1.1. Quais os principais princípios para a escolha do transporte? 1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte? 1.3. Em que medida a respiração

Leia mais

Equipamentos, Sistemas e Instalações VIII. Capítulo

Equipamentos, Sistemas e Instalações VIII. Capítulo 1 Refrigeração II Aplicações e Certificação Equipamentos, Sistemas e Instalações Capítulo VIII LEGENDA: 1 Fluido frigorigéneo 2 Capilar 3 Compressor hermético 4 Evaporador estático 5 Temperatura de condensação

Leia mais

Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017

Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017 Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017 Redação atualizada pela Portaria SES nº 146 de 23/03/2017, publicada no DOE em 29 março de 2017 Estabelece os requisitos e exigências

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DETERMINAÇÃO DO TEMPO DE PRESA E DA EXPANSIBILIDADE DO CIMENTO. DOCENTE: Engº Elson Almeida 2006

Leia mais

SUPER PRESS GRILL INSTRUÇÕES. Ari Jr. DATA. Diogo APROV. Nayana. Super Press Grill. Folheto de Instrução - User Manual 940-09-05. Liberação do Arquivo

SUPER PRESS GRILL INSTRUÇÕES. Ari Jr. DATA. Diogo APROV. Nayana. Super Press Grill. Folheto de Instrução - User Manual 940-09-05. Liberação do Arquivo N MODIFICAÇÃO POR 0 Liberação do Arquivo Ari Jr 10-12-2012 1 Inclusão da informação sobe uso doméstico (certificação) Ari Jr 14-02-2013 PODERÁ SER UTILIZADO POR TERCEIROS DA BRITÂNIA ELETRODOMÉSTICOS LTDA.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES, FUNCIONAMENTO E CERTIFICADO DE GARANTIA

MANUAL DE INSTRUÇÕES, FUNCIONAMENTO E CERTIFICADO DE GARANTIA MANUAL DE INSTRUÇÕES, FUNCIONAMENTO E CERTIFICADO DE GARANTIA BALCÕES SELF SERVICE TÉRMICOS PROMAQ Proselft-04, Proselft-06 Proselft-08, Proseft-10 Proselft-12 30/10/2014 Rev.0 AMIGO CLIENTE Você está

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE ALIMENTOS Instituto de Nutrição Annes Dias INFORMATIVO Nº05/2010 OUTUBRO

CONTROLE DE QUALIDADE DE ALIMENTOS Instituto de Nutrição Annes Dias INFORMATIVO Nº05/2010 OUTUBRO PICADOR DE CARNE DESCASCADOR PROCESSADOR DE ALIMENTOS A utilização destes equipamentos possibilita a execução das tarefas com menos desgaste para o manipulador de alimentos e uma maior qualidade na preparação

Leia mais

Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária

Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária SEGURANÇA ALIMENTAR Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária Princípios da segurança alimentar A política de segurança dos alimentos deve basear-se numa

Leia mais

FORNO ELÉTRICO VCC-8028

FORNO ELÉTRICO VCC-8028 Manual de Instruções FORNO ELÉTRICO VCC-8028 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Leia atentamente as informações contidas neste manual antes de usar o aparelho. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA: 1. Antes de utilizar o

Leia mais

A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria. Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013

A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria. Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013 A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013 Estruturas e Normas de Higiene e de Refrigeração na recolha e transporte do leite de ovelha

Leia mais

02/ REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Panquequeira. Manual de Instruções

02/ REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Panquequeira. Manual de Instruções 02/13 963-09-05 781955 REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Panquequeira Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem animal

Plano de Trabalho Docente Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem animal Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia Habilitação Profissional: Técnico em Alimentos

Leia mais

PORTFÓLIO DE PRODUTOS

PORTFÓLIO DE PRODUTOS PORTFÓLIO DE PRODUTOS PORTFÓLIO FOOD HYGIENE INDÚSTRIA ALIMENTAR MIDA - FEEL SAFE WITH US 1 A marca MIDA Sob a marca MIDA, a Christeyns oferece uma gama alargada de produtos e soluções para higienização

Leia mais

phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Características Especificações Técnicas Embalagem contém: equipamentos

phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Características Especificações Técnicas Embalagem contém: equipamentos phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Ideais para uso em rotinas de aferições de ph em soluções. Ampla possibilidade de uso em escolas, laboratórios, indústrias, universidades, centros de pesquisa, entre

Leia mais

3.1. Preparação e execução do serviço de mesa em cozinha de sala

3.1. Preparação e execução do serviço de mesa em cozinha de sala Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Serviço Especiais de Mesa / CEF Empregado de Mesa Planificação a Longo Prazo

Leia mais

Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização do conjunto peça de mão e cabo Piezotome SATELEC

Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização do conjunto peça de mão e cabo Piezotome SATELEC Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização do conjunto peça de mão e cabo Piezotome SATELEC Avisos Não utilize esfregões ou produtos de limpeza abrasivos. Evite usar soluções que contenham

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DE LENTES DE CONTATO HIDROFÍLICAS (GELATINOSAS) DESCARTÁVEIS OU DE TROCA ANUAL

MANUAL DO USUÁRIO DE LENTES DE CONTATO HIDROFÍLICAS (GELATINOSAS) DESCARTÁVEIS OU DE TROCA ANUAL MANUAL DO USUÁRIO DE LENTES DE CONTATO HIDROFÍLICAS (GELATINOSAS) DESCARTÁVEIS OU DE TROCA ANUAL As lentes gelatinosas descartáveis ou de troca anual são fabricadas em grande diversidade de tipos. Em função

Leia mais

10 - Técnicas de Congelamento transformam panificação

10 - Técnicas de Congelamento transformam panificação 10 - Técnicas de Congelamento transformam panificação O desenvolvimento tecnológico moderno é intenso. Vivemos um período de inovações constantes e isso tem impactado toda a economia global. A cada feira

Leia mais

A Original-Gebrauchsanleitung V1/0516

A Original-Gebrauchsanleitung V1/0516 6L A100268 Original-Gebrauchsanleitung V1/0516 P Especificações técnicas Nome Nº de ref.: A100268 Execução: Conjunto de panelas térmicas 6L Conjunto composto de: panela com tampa em vidro, recipiente térmico:

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) L 67/22 REGULAMENTO (UE) 2016/355 DA COMISSÃO de 11 de março de 2016 que altera o anexo III do Regulamento (CE) n. o 853/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho no que se refere aos requisitos específicos

Leia mais

Professora Vanessa Bernardelli

Professora Vanessa Bernardelli Tecnologia de Alimentos Professora Vanessa Bernardelli Esterilização UHT/UAT do Creme de Leite André Luis Cruz Fernanda Cabral Roncato Natália Chiapetta Tarcísio Henrique Zabarelli Thaisa Mendonça PRODUTO

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se

Leia mais

FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS

FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Estadual da Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS Méd. Vet. Ayres

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE ALIMENTOS S/SUBPAV/SPS/Instituto de Nutrição Annes Dias INFORMATIVO Nº03/2011 NOVEMBRO

CONTROLE DE QUALIDADE DE ALIMENTOS S/SUBPAV/SPS/Instituto de Nutrição Annes Dias INFORMATIVO Nº03/2011 NOVEMBRO Os gêneros alimenticios INDUSTRIALIZADOS são alimentos produzidos e embalados segundo critérios técnicos e de acordo com a legislação, protegendo o alimento de contaminantes e mantendo suas características

Leia mais

CAFETEIRA SINGLE CADENCE CAF110

CAFETEIRA SINGLE CADENCE CAF110 CAFETEIRA SINGLE CADENCE CAF110 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA Após desembalar o produto, os invólucros plásticos e outros materiais da embalagem deverão ficar longe do alcance de crianças e animais

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança. Condições de Instalação Verifique

Leia mais

Boas Práticas de Produção: Influência na Qualidade do Leite

Boas Práticas de Produção: Influência na Qualidade do Leite Boas Práticas de Produção: Influência na Qualidade do Leite Fatores Importantes para o Sucesso das Boas Práticas de Produção Aceitação e cumprimento do Plano por parte do Produtor Rural; Engajamento de

Leia mais

Termo-Higrômetro Digital Modelo ITHT 2210

Termo-Higrômetro Digital Modelo ITHT 2210 Termo-Higrômetro Digital Modelo ITHT 2210 Termo-Higrômetro Digital Modelo ITHT 2210 DESCRIÇÃO GERAL Este instrumento é um termo-hidrômetro de alta precisão para a medição da temperatura ambiente e umidade

Leia mais

PRODUTOS DE APOIO AO HACCP

PRODUTOS DE APOIO AO HACCP PRODUTOS DE APOIO AO HACCP Rev.00 TERMÓMETROS TERMÓMETRO FRIO ANALÓGICO Termómetro analógico em plástico Gama de medição: -40 a 30ºC REF: 14.4005 TERMÓMETRO FRIO DIGITAL Termómetro digital para frio, com

Leia mais

Adapte a sua instalação à base legal da segurança alimentar.

Adapte a sua instalação à base legal da segurança alimentar. CAMRegis.H-PT Adapte a sua instalação à base legal da segurança alimentar. Novos Registadores Homologados para a recolha, armazenamento e registo de temperaturas submetidas a um Controlo Metrológico de

Leia mais

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Profa. Gladis Ferreira Corrêa

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Profa. Gladis Ferreira Corrêa Profa. Angélica Pinho Zootecnista Fones: 3243-7300 Email: angelicapinho@unipampa.edu.br Profa. Gladis Ferreira Corrêa Unidade 1. Introdução à tecnologia de alimentos: conceitos fundamentais, definições

Leia mais

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária Este documento de procedimentos de processo de fabrico é distribuído a todos os colaboradores com responsabilidades a nível de operação de mistura. Todos os trabalhadores envolvidos na operação de mistura

Leia mais

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Wats: (53)

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Wats: (53) Profa. Angélica Pinho Zootecnista Fones: 3243-7300 Wats: (53) 999913331 Email: angelicapinho@unipampa.edu.br Profa. Luciane Segabinazzi Prof. Paulo Lopes Unidade 1. Introdução à tecnologia de alimentos:

Leia mais

VOLUME HOOD DRYER HS 6780

VOLUME HOOD DRYER HS 6780 VOLUME HOOD DRYER HS 6780 F E C B D A 2 SEGURANÇA Durante a colocação em funcionamento do aparelho, por favor, respeite as seguintes indicações: 7 Este aparelho destina-se apenas ao uso doméstico. 7 Este

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES, FUNCIONAMENTO E CERTIFICADO DE GARANTIA

MANUAL DE INSTRUÇÕES, FUNCIONAMENTO E CERTIFICADO DE GARANTIA MANUAL DE INSTRUÇÕES, FUNCIONAMENTO E CERTIFICADO DE GARANTIA FORNO A GÁS 300 PROMAQ Progs-1, Progs-2,Progs-3, Progs- 4, Progd-1, Progd-2, Progd-3, Progd-4, Progt-1, Progt-2, Progt-3, Progt-4 FORNOS ELÉTRICOS

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DOS EFLUENTES. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DOS EFLUENTES. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DOS EFLUENTES Método de ensaio L9.224 AGO/93 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Normas complementares...2 3 Definições...2 4 Aparelhagem...2

Leia mais

Visor. Sonda de imersão/penetração. Evitar riscos por electricidade : Não efectuar medições em ou próximo de locais com carga eléctrica!

Visor. Sonda de imersão/penetração. Evitar riscos por electricidade : Não efectuar medições em ou próximo de locais com carga eléctrica! 1. Informação geral 39 1. Informação geral Por favor, leia este documento cuidadosamente e familiarize-se com o funcionamento do instrumento antes de o utilizar. Mantenha esta documentação à mão para a

Leia mais

Limpeza e desinfeção Prismas de medição para tonómetro, lentes de contacto e Desinset

Limpeza e desinfeção Prismas de medição para tonómetro, lentes de contacto e Desinset SVENSKA NEDERLANDS PORTUGUÊS ESPAÑOL ITALIANO FRANÇAIS DEUTSCH ENGLISH MANUAL DE INSTRUÇÕES Limpeza e desinfeção Prismas de medição para tonómetro, lentes de contacto e Desinset 5. Edição / 2015 02 HAAG-STREIT

Leia mais

Data Loggers de Temperatura e Umidade USB, Wireless & WEB

Data Loggers de Temperatura e Umidade USB, Wireless & WEB Data Loggers de Temperatura e Umidade, Wireless & WEB A Empresa Accuracy Measurement Beyond Nós somos a MaxiTrack A Maxitrack é especializada no desenvolvimento de soluções para medição, controle e fornecimento

Leia mais

REFRIGERAÇÃO UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS

REFRIGERAÇÃO UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS REFRIGERAÇÃO Ivo Rodrigues 2007/2008 1. Objectivos da refrigeração de Alimentos... prolongar a vida útil dos alimentos aumentando as possibilidades de conservação (geral) 1 1. Objectivos da refrigeração

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO INSTRUÇÃO E OPERAÇÃO DO CORTADOR ALUMINIUM

MANUAL DO USUÁRIO INSTRUÇÃO E OPERAÇÃO DO CORTADOR ALUMINIUM ATENÇÃO Antes de retirar o cortador da embalagem, leia atentamente este manual. MANUAL DO USUÁRIO INSTRUÇÃO E OPERAÇÃO DO CORTADOR ALUMINIUM ÍNDICE 1. PRECAUÇÕES 2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 3. INSTRUÇÕES

Leia mais

Anemômetro Digital Portátil ITAN-710

Anemômetro Digital Portátil ITAN-710 Anemômetro Digital Portátil ITAN-710 1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA Leia cuidadosamente as informações de segurança antes de operar o aparelho.utilize o aparelho somente nas condições descritas neste manual.

Leia mais

MEDIDOR DE PH DIGITAL DE BOLSO À PROVA D ÁGUA MODELO PH-1800

MEDIDOR DE PH DIGITAL DE BOLSO À PROVA D ÁGUA MODELO PH-1800 MANUAL DE INSTRUÇÕES MEDIDOR DE PH DIGITAL DE BOLSO À PROVA D ÁGUA MODELO PH-1800 TERMOS DE GARANTIA Este aparelho é garantido contra possíveis defeitos de fabricação ou danos, que se verificar por uso

Leia mais

Protocolo experimental

Protocolo experimental Protocolo experimental Quem semeia, colhe 1 Enquadramento Teórico O Banco Mundial de Sementes (figura 1), localizado na ilha norueguesa de Spitsbergen, foi inaugurado no ano de 2008. Neste local estão

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES TRANSFORMADOR A SECO ÍNDICE DESCRIÇÃO PÁGINA 1 Instruções para a instalação.................................... 02 2 Instruções para a manutenção..................................

Leia mais

Manual instruções bomba submersível poço

Manual instruções bomba submersível poço Manual instruções bomba submersível poço Bomba Submersível Poço 1. Recomendações Antes de proceder à instalação, leia atentamente o conteúdo deste manual. Ele pretende fornecer toda a informação necessária

Leia mais

- CURSO CONGELAMENTO DE ALIMENTOS -

- CURSO CONGELAMENTO DE ALIMENTOS - - CURSO CONGELAMENTO DE ALIMENTOS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610).

Leia mais

FAQ perguntas e respostas

FAQ perguntas e respostas 1. O que é a desidratação? 2. Como conservar os desidratados? 3. Como utilizar os desidratados? 4. Quais as vantagens dos alimentos desidratados? 5. Porquê variedades regionais? 6. O que são produtos biológicos

Leia mais

TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER MODELO CTR313

TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER MODELO CTR313 TERMO-HIGRÓMETRO COM DATA LOGGER CTR313 Medidor portátil, muito fácil de usar, com tempo de resposta elevado, sendo um equipamento ideal para higiene e segurança no trabalho, monitorizações contínuas de

Leia mais

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Calibração e utilização de um sensor de temperatura Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2006 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng.

Leia mais

Objectivos Gerais. Índice. - Conhecer os requisitos inerentes: - Ao controlo de operações - À manutenção e higienização - Ao transporte

Objectivos Gerais. Índice. - Conhecer os requisitos inerentes: - Ao controlo de operações - À manutenção e higienização - Ao transporte Pré - Requisitos Pré-requisitos Objectivos Gerais - Conhecer os requisitos inerentes: - Ao controlo de operações - À manutenção e higienização - Ao transporte Índice 1. Recepção 1.1 Especificações para

Leia mais

Programação Linear. O Problema da Dieta. André Ferreira. Liliana Pinho

Programação Linear. O Problema da Dieta. André Ferreira. Liliana Pinho Programação Linear O Problema da Dieta André Ferreira Liliana Pinho Coimbra, 7 de Dezembro de 2012 1 Índice 1.Introdução... 3 2.Motivação... 3 3.Modelação... 4 Tabela Nutricional e de preços... 6 4. Formulação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Vasos de Expansão Pressurizados. Sistemas de Aquecimento, Água Potável e Solar PORTUGUÊS

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Vasos de Expansão Pressurizados. Sistemas de Aquecimento, Água Potável e Solar PORTUGUÊS PORTUGUÊS MANUAL DE INSTRUÇÕES Vasos de Expansão Pressurizados Sistemas de Aquecimento, Água Potável e Solar versão. Mar. 2015 Agradecemos a aquisição do nosso produto. Antes de utilizar o equipamento,

Leia mais

Comunicado técnico nº7

Comunicado técnico nº7 Comunicado técnico nº7 Gestão da umidade no beneficiamento Parte 1 A umidade do algodão: um critério essencial para o desempenho do beneficiamento Giancarlo Goldoni Jr. 1. Generalidades e justificativas

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL POP nº 2.3 - GENÉTICA FORENSE Publicado em SET/2013 PRESERVAÇÃO E ENVIO DE VESTÍGIOS

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO PROPRIEDADES TÉRMICAS DOS ALIMENTOS CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS Objetivos Inibir ou retardar o desenvolvimento microbiano e enzimático. Proteger e destruir os microrganismos.

Leia mais

05/ / REV1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR

05/ / REV1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO.  Manual de Instruções ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 05/08 278-05/00 072449 REV1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR Manual de Instruções RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Durante a operação, se a tampa (17)/moedor

Leia mais

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água 2 Conteúdos 1 Boas Práticas de Utilização... 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água... 1.2 Normas de Segurança... 1.3 Recomendações de Ergonomia... 1.4 Normas de Utilização... 2 Resolução de

Leia mais

*Imagens meramente ilustrativas SOPRADOR TÉRMICO. Manual de Instruções

*Imagens meramente ilustrativas SOPRADOR TÉRMICO. Manual de Instruções *Imagens meramente ilustrativas SOPRADOR TÉRMICO Manual de Instruções 1. DADOS TÉCNICOS SOPRADOR TÉRMICO Modelo V8-ST-1800 V8-ST-2000 Tensão nominal 220V / mono 220V / mono Frequência 60Hz 60Hz Potência

Leia mais

Processo de Congelação De Ervilhas

Processo de Congelação De Ervilhas Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Produção Geral de Alimentos Ano Lectivo 2007/2008 Processo de Congelação De Ervilhas Ana Catarina Gaspar 20603019 Joana Catarina Ferreira

Leia mais

E-QP-ECD-082 REV. B 24/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - PROCESSO DE MEDIÇÃO DE PEÇA VAZADA - NÍVEL BÁSICO

E-QP-ECD-082 REV. B 24/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - PROCESSO DE MEDIÇÃO DE PEÇA VAZADA - NÍVEL BÁSICO E-QP-ECD-082 REV. B 24/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - PROCESSO DE MEDIÇÃO DE PEÇA VAZADA - NÍVEL BÁSICO Procedimento Operacional ENGENHARIA Os comentários e sugestões referentes a este

Leia mais

ITHT Calibrador de Loop Digital ITCAL-9800

ITHT Calibrador de Loop Digital ITCAL-9800 Termo-higrômetro Digital Portátil ITHT- 2220 Calibrador de Loop Digital ITCAL-9800 Termo-higrômetro Digital Portátil ITHT 2220 Manual de Instruções: Por favor, leia este manual cuidadosamente antes de

Leia mais

Este protocolo diz respeito às peças de mão Suprasson, Newtron e Newtron LED

Este protocolo diz respeito às peças de mão Suprasson, Newtron e Newtron LED PEÇAS DE MÃO DESTARTARIZADORAS: SUPRASSON/NEWTRON/NEWTRON LED Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização das peças de mão destartarizadoras SATELEC Este protocolo diz respeito às peças

Leia mais

Análise da qualidade no processo produtivo de leite pasteurizado do tipo C em um laticínio de pequeno porte

Análise da qualidade no processo produtivo de leite pasteurizado do tipo C em um laticínio de pequeno porte Análise da qualidade no processo produtivo de leite pasteurizado do tipo C em um laticínio de pequeno porte Alyne Resende Piassi ¹; Ana Carolina de Oliveira 1 ; Bianca Ribeiro de Moura¹; Bruna Beatriz

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se

Leia mais