Segurança Alimentar na Restauração. Controlo de Temperaturas na Restauração

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança Alimentar na Restauração. Controlo de Temperaturas na Restauração"

Transcrição

1 Segurança Alimentar na Restauração Controlo de Temperaturas na Restauração 1

2 Índice Controlo de temperaturas na restauração... 3 Controlo da temperatura na receção das matérias-primas e produtos alimentares... 4 Armazenamento à temperatura ambiente... 4 Armazenamento a temperaturas de refrigeração e congelação... 5 Controlo da temperatura na confeção dos alimentos... 6 Controlo da temperatura no serviço das refeições/alimentos... 6 Instrumentos de medição da temperatura, suas características e modo de utilização... 6 Modo de utilização de termómetros... 7 Higienização dos termómetros... 7 Manutenção dos termómetros

3 Controlo de temperaturas na restauração Abaixo dos 4ºC as bactérias não morrem, no entanto também não se multiplicam com facilidade, ficando inativas a temperaturas muito baixas (menos de -18ºC). Algumas bactérias podem permanecer viáveis por longos períodos de tempo em alimentos congelados. A resistência das bactérias a altas temperaturas depende das suas características. Na realidade, deve-se falar do efeito da combinação tempo-temperatura no crescimento microbiano. O controlo efetivo destes dois parâmetros é assim um dos principais aspetos a considerar nas medidas de controlo de segurança alimentar a implementar. O controlo da temperatura é importante no armazenamento de todas as matérias-primas, quer estas sejam armazenadas à temperatura ambiente quer a baixas temperaturas. Para as matérias-primas ou alimentos que não possam ser armazenados com segurança à temperatura ambiente, o controlo da temperatura assume um papel mais critico, de modo a assegurar que a cadeia de frio não é quebrada. 3

4 Controlo da temperatura na receção das matérias-primas e produtos alimentares Matéria-prima Temperatura máxima admitida à receção ( C) Queijo 5 Produtos lácteos Iogurtes 5 Queijo fresco 5 Leite do dia 5 Manteigas e margarinas 5 Carne Carnes e derivados congelados -15 Fresca 5 Aves e criação 4 Fiambre, salsicharia, etc 7 Pescado Congelado -15 Fresco 4 Ovos Frescos 20 Pasteurizados 3 Pastelaria variada com creme 6 Gelados -12 Hortofrutícolas Frescos 16 Congelados -13 Armazenamento à temperatura ambiente Para a conservação de alimentos à temperatura ambiente ser bem-sucedida, a temperatura deve manter-se entre os 10 e os 21ºC. É importante que esta não sofra grandes oscilações, pois pode originar a formação de condensações, o que terá como consequência o facto de as embalagens ficarem húmidas e consequentemente potenciar o desenvolvimento microbiano nos produtos. Os operadores responsáveis por este armazenamento devem verificar e registar diariamente a temperatura ambiente na folha de registo específica. 4

5 Armazenamento a temperaturas de refrigeração e congelação Matéria-prima Temperatura de armazenamento recomendada ( C) Produtos lácteos Iogurtes 1 a 5 Queijo fresco 1 a 4 Leite do dia 1 a 5 Manteigas e margarinas 1 a 5 Carne Carnes e derivados congelados Inferior a -18 Fresca -1 a 1 Aves e criação -1 a 1 Fiambre, salsicharia, etc. 1 a 5 Pescado Congelado Inferior a -18 Fresco 1 a 3 Ovos Frescos 1 a 20 Pasteurizados 1 a 3 Pastelaria variada com creme 1 a 5 Hortofrutícolas Frescos 7 a 10 Congelados Inferior a -18 Em caso de avaria do sistema de frio, deve ser imediatamente afixada uma etiqueta que indique essa situação, de modo a evitar ao máximo a abertura das câmaras frigoríficas ou de conservação de congelados, para permitir a manutenção das temperaturas. Caso exista equipamento de frio alternativo os alimentos devem ser imediatamente transferidos. Nestas situações, a temperatura dos alimentos deve ser controlada, e caso ultrapasse os -10ºC para os alimentos congelados, estes devem ser armazenados em câmaras de refrigeração até descongelarem completamente e depois consumidos num prazo de 24 horas. Para alimentos refrigerados se as temperaturas ultrapassarem os 8ºC, estes devem ser imediatamente consumidos. A temperatura das câmaras frigoríficas ou de conservação de congelados deve ser verificada e registada pelo menos 2 vezes por dia. A folha de registo (obrigatório) das temperaturas deve estar colocada em local visível e facilmente acessível junto às câmaras. Deve existir pelo menos um termómetro portátil calibrado, isto para além dos termómetros fixos, acoplados aos equipamentos de frio. 5

6 Controlo da temperatura na confeção dos alimentos Nos óleos de fritura o controlo da temperatura poderá ser efetuado através de sensores do próprio equipamento de fritura, o qual disparará um alarme sempre que a temperatura ultrapasse os 180ºC. Assim o termóstato das fritadeiras deve estar regulado para temperaturas entre 160 e 180ºC. Para além do termostato incorporado no equipamento, o operador responsável deve proceder à medição da temperatura do óleo utilizando um termómetro devidamente calibrado, verificando se a temperatura do óleo corresponde na realidade à indicada no termóstato. Controlo da temperatura no serviço das refeições/alimentos Após a confeção, caso os alimentos não sejam para consumo imediato, deve-se proceder ao seu rápido arrefecimento até aos 10ºC, isto no período máximo de 2 horas, e posteriormente acondicionados a temperaturas iguais ou inferiores a 4ºC. Caso os alimentos se destinem a ser consumidos frios em estabelecimentos de self-service e permaneçam em equipamentos de exposição equipados com sistema de frio antes do seu consumo, estes devem ser mantidos a temperaturas de 4ºC ou ligeiramente inferiores. Outros aspetos importantes a ter em consideração no controlo de temperaturas no serviço de refeições incluem: - Manutenção dos molhos quentes a temperaturas superiores a 63ºC e os molhos frios a uma temperatura entre 1 a 4ºC; - Medição da temperatura interna dos alimentos com um termómetro calibrado com intervalos de 30 minutos; - Conservação até 7 dias de alimentos submetidos a arrefecimento se forem mantidos a temperaturas inferiores a 4ºC. Instrumentos de medição da temperatura, suas características e modo de utilização Tipos de termómetro - Termómetro de leitura instantânea; - Termómetro digital; - Sondas de forno; -Termómetros tipo garfo. No setor alimentar nunca devem ser utilizados termómetros de vidro, que contenham mercúrio ou álcool para medir a temperatura dos alimentos. Estes termómetros podem-se partir e colocar em risco a saúde dos consumidores e dos próprios operadores. Os termómetros não devem apresentar um erro máximo superior a 1ºC. 6

7 Modo de utilização de termómetros - Antes de o usar, deve-se assegurar que se encontra higienizado e completamente seco; - Só depois dos valores visualizados no mostrador do termómetro estabilizarem é que se deve proceder à leitura e registo da temperatura; - A temperatura deve ser medida em várias partes do alimento, isto porque diferentes pontos do alimento podem-se encontrar a diferentes temperaturas; - Deve-se proceder à limpeza e desinfeção do termómetro, sempre que se termine a leitura da temperatura de um alimento; - Quando se pretende medir a temperatura de alimentos embalados congelados, deve-se colocar a haste do termómetro entre duas embalagens. Neste caso, obtemos apenas uma temperatura aproximada, conseguindo no entanto, que a embalagem não seja violada; - No caso de se utilizar o mesmo termómetro para medir a temperatura de alimentos quentes e frios, deve-se esperar que o termómetro volte à temperatura ambiente (+/- 21ºC), antes de efetuar nova medição; - Quando se mede a temperatura de alimentos que estejam expostos em vitrinas de manutenção a quente ou a frio, deve-se proceder a essa medição em mais do que um alimento, isto em virtude destes expositores, poderem não apresentar a mesma temperatura em diferentes pontos. Higienização dos termómetros Como a sonda ou haste do termómetro entra em contacto com o alimento, esta deve ser sempre limpa e desinfetada antes de ser utilizada noutros alimentos. Os termómetros podem ser higienizados cumprindo o seguinte procedimento: - Lavar com água e detergente; - Desinfetar a haste ou sonda, de modo que não afete o funcionamento do termómetro, utilizando algodão ou lenços de papel embebidos em álcool, ou outra solução (autorizada pelo setor alimentar) proposta pelo fabricante; - Enxaguar o desinfetante, caso se verifique ser necessário; - Secar muito bem a haste ou sonda do termómetro, com a ajuda de uma toalha descartável de papel. Manutenção dos termómetros O termómetro deve ser mantido em bom estado de funcionamento. Isto significa que devemos trocar as baterias e repará-lo sempre que se verifique que não funciona, ou que funciona deficientemente. É também conveniente manter a sua precisão, ou seja o termómetro deve ser corretamente calibrado, seguindo as instruções do fabricante. 7

Conservação dos Alimentos

Conservação dos Alimentos Conservação dos Alimentos Temperatura Local Adequado Higiene Data de validade Como conservar os alimentos Para que os alimentos sejam conservados da melhor maneira e não estraguem: Atenção- Temperatura

Leia mais

Unidade de Saúde Pública PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS

Unidade de Saúde Pública PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS Os cuidados de higiene durante a preparação e confecção dos alimentos tem como objectivo evitar a sua contaminação e preservar a

Leia mais

A. PROCEDIMENTO A ADOTAR PARA ALIMENTOS DOADOS POR GRANDES SUPERFÍCIES PROCEDIMENTOS A SEGUIR PONTO DE RECOLHA TRANSPORTE ENTIDADE RECETORA

A. PROCEDIMENTO A ADOTAR PARA ALIMENTOS DOADOS POR GRANDES SUPERFÍCIES PROCEDIMENTOS A SEGUIR PONTO DE RECOLHA TRANSPORTE ENTIDADE RECETORA TIPO DE PRODUTO 1). Pratos cozinhados e sobremesas não préembaladas A. PROCEDIMENTO A ADOTAR PARA ALIMENTOS DOADOS POR GRANDES SUPERFÍCIES PONTO DE RECOLHA TRANSPORTE ENTIDADE RECETORA Declaração de responsabilidade

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO PPRO s E PCC s

PLANO DE MONITORIZAÇÃO PPRO s E PCC s 4. Lavagem/ desinfecção (PCC1) - Concentração (dosagem) do desinfectante desinfecção - Realização de uma boa pré-lavagem Conforme N- DSA-9 Em cada desinfecção, para todos os lavagem/ hortícolas e desinfecção

Leia mais

Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira

Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira Plano de Controlo Oficial do Leite na RAM (PCOL) Maria Celeste da Costa Bento Divisão de Controlo da Cadeia Agroalimentar São Vicente, 19

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Aprovisionamento na Restauração

Segurança Alimentar na Restauração. Aprovisionamento na Restauração Segurança Alimentar na Restauração Aprovisionamento na Restauração Índice Compra de matérias-primas e produtos alimentares... 3 Receção de mercadorias (matérias-primas/produtos alimentares)... 3 Área/zona

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados Auditoria nº IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO Nome: Categoria profissional: Função IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Morada: Telefone: Número de trabalhadores: Período de laboração:

Leia mais

PLANO DE VERIFICAÇÃO PPR s (INCLUINDO PPRO s) E PCC s

PLANO DE VERIFICAÇÃO PPR s (INCLUINDO PPRO s) E PCC s PCC1 - Lavagem/ desinfecção - Concentração (Etapa 4) (dosagem) do desinfectante ou desinfecção ) E: s microbiológicas a saladas (antes e após desinfecção) Ver Plano de s DSA Boletins de PCC2 Confecção

Leia mais

Alimento Perigos Carnes cozinhadas Microbiológicos Resíduos de medicamentos veterinários eite cru Microbiológicos Metais pesados; resíduos de medicame

Alimento Perigos Carnes cozinhadas Microbiológicos Resíduos de medicamentos veterinários eite cru Microbiológicos Metais pesados; resíduos de medicame MEMO-FICHA 1 CONTAMINAÇÃO DE AIMENTOS NA RESTAURAÇÃO Alimentos e Perigos Associados Alimento Perigos Hortofrutícolas Microbiológicos Terra; pequenas pedras Matérias das plantas indesejadas; insectos e

Leia mais

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I 1) Quais as condições para que ocorra doença por via da acção de agentes biológicos? 2) Qual a diferença entre intoxicação e infecção alimentar? 3) Quais os microrganismos mais frequentemente considerados

Leia mais

FORNECIMENTO DE REFEIÇÕES

FORNECIMENTO DE REFEIÇÕES ANO LETIVO 2017/2018 FORNECIMENTO DE REFEIÇÕES 1. Preço da refeição: Sem escalão Escalão B Escalão A / Transportado 1.46 0.73 0 2. A empresa adjudicatária deverá dar todo o apoio necessário nas unidades

Leia mais

Prevenção de Toxinfeções Alimentares

Prevenção de Toxinfeções Alimentares Boas práticas de Segurança Alimentar Prevenção de Toxinfeções Alimentares Material de apoio à formação em contexto escolar: Terceiro ciclo (7º, 8º e 9º anos) PARTE II ---------------------- Alimento Seguro

Leia mais

COMO ORGANIZAR A SUA MARMITA. Assessoria de Assuntos Estudantis - Pró-Reitoria de Ensino. Assistência Estudantil. Campus Serra

COMO ORGANIZAR A SUA MARMITA. Assessoria de Assuntos Estudantis - Pró-Reitoria de Ensino. Assistência Estudantil. Campus Serra COMO ORGANIZAR A SUA MARMITA Assessoria de Assuntos Estudantis - Pró-Reitoria de Ensino Assistência Estudantil Campus Serra COMO ORGANIZAR A SUA MARMITA Escolha Escolha uma uma marmita marmita que que

Leia mais

PLANO DE HIGIENE E LIMPEZA

PLANO DE HIGIENE E LIMPEZA PLANO DE HIGIENE E LIMPEZA PREÂMBULO Pretende-se com este regulamento/plano definir as principais regras relativas ao planeamento das atividades para a manutenção de um ambiente limpo nos locais de atendimento

Leia mais

Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização das pontas e limas SATELEC

Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização das pontas e limas SATELEC Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização das pontas e limas SATELEC Avisos: Não utilize esfregões ou produtos de limpeza abrasivos. Evite usar soluções que contenham iodo ou uma elevada

Leia mais

CompoCool WB. Instruções Operacionais. Cuidado!

CompoCool WB. Instruções Operacionais. Cuidado! CompoCool WB Instruções Operacionais Cuidado! Estas Instruções Operacionais no formato pdf são apenas informativas. Elas não substituem as Instruções Operacionais fornecidas com a máquina/dispositivo e

Leia mais

LISTA DE AVALIAÇÃO PARA CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO PORTARIA Nº817

LISTA DE AVALIAÇÃO PARA CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO PORTARIA Nº817 LISTA DE AVALIAÇÃO PARA CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO PORTARIA Nº817 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 1.Razão Social: 2. Nome fantasia: 3-Alvará/ Licença sanitária: 4-Inscrição Estadual / Municipal:

Leia mais

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas Análise de s ETAPA: Recepção das matérias-primas s considerados: Biológicos: bactérias patogénicas (forma vegetativa ou esporulada), parasitas e vírus Químicos: micotoxinas, aminas e toxinas naturais,

Leia mais

Processo de Conserva do Atum

Processo de Conserva do Atum Processo de Conserva do Atum LEAL 2009/2010 PGA Índice Introdução... 3 Fluxograma da conserva de Atum... 4 Fases da Produção da conserva de Atum... 6 Recepção do peixe fresco... 6 Preparação e corte do

Leia mais

ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DE PESCADO Produtos Frescos e Congelados

ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DE PESCADO Produtos Frescos e Congelados SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DE AGRICULTURA EM MATO GROSSO SERVIÇO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Capacitação continuada Módulo de nivelamento 2017 Cadeia produtiva da Piscicultura ESTABELECIMENTO

Leia mais

PREPARANDO OS ALIMENTOS

PREPARANDO OS ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN PREPARANDO OS ALIMENTOS CUIDADOS COM HIGIENIZAÇÃO E CONSERVAÇÃO Natália Boia Soares Nutricionista

Leia mais

Grupo de Trabalho para a Guia de Boas Práticas para a Metrologia na Saúde: TERMÓMETROS CLÍNICOS

Grupo de Trabalho para a Guia de Boas Práticas para a Metrologia na Saúde: TERMÓMETROS CLÍNICOS Grupo de Trabalho para a Guia de Boas Práticas para a Metrologia na Saúde: TERMÓMETROS CLÍNICOS Sílvia Moutinho Publicado a 9 maio 2016 no site do IPQ 2 3 Termómetros Clínicos Grupo de Trabalho para a

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL DESCRIÇÃO: Produto preparado a partir das cultivares de Solanum tuberosum. Deverão apresentar-se frescas, limpas, sãs, no estado de maturação industrial conveniente, lavadas, peladas, cortadas, calibradas

Leia mais

MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes

MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes Definição de Alimento De acordo com o Código Nacional de Saúde, Decreto-Lei 986/1969, alimento é toda substância ou mistura de substâncias, no estado

Leia mais

Índice. Legislação Pertinente. Expediente

Índice. Legislação Pertinente. Expediente Índice Legislação Pertinente/ Expediente Pág 1 Declaração Sindigêneros Caxias Pág 2 Portaria SES-RS nº66 com nova redação - Portaria N 146 Pág 3 Orientações Gerais Pág 4 Proibido aos Açougues Pág 6 Embalar

Leia mais

Alimentação Saudável e Segurança Alimentar

Alimentação Saudável e Segurança Alimentar Alimentação Saudável e Segurança Alimentar Índice Orientações para uma Alimentação Saudável pág.3 Consumo Excessivo de sal nas Escolas pág.5 Consumo Excessivo de Açúcar pelas Crianças pág.6 Consumo Excessivo

Leia mais

Zona Balcão e Clientes

Zona Balcão e Clientes Operações de Higienização Página 1 de 2 Zona Balcão e Clientes Mês de de Dias/Área 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Balcão Refrigerador Vitrina Refrig.

Leia mais

DIVINO SABOR SALGADOS MANUAL DO CLIENTE

DIVINO SABOR SALGADOS MANUAL DO CLIENTE DIVINO SABOR SALGADOS MANUAL DO CLIENTE 2014/2015 RUA JOÃO GOMES BATISTA, 312 TELEFONE 5677-1651 PREPARO SALGADOS ASSADOS ESFIHAS; PASTÉIS; BAURU; DOGUINHO; HAMBURGÃO; TORTINHAS; TROUXINHAS, TRANCINHAS.

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Preparação e Confeção de Alimentos

Segurança Alimentar na Restauração. Preparação e Confeção de Alimentos Segurança Alimentar na Restauração Preparação e Confeção de Alimentos Índice Preparação e confeção de alimentos... 3 Preparação de alimentos... 3 Preparação de alimentos crus... 4 Preparação de carnes...

Leia mais

A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria. Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013

A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria. Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013 A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013 Estruturas e Normas de Higiene e de Refrigeração na recolha e transporte do leite de ovelha

Leia mais

Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017

Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017 Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017 Redação atualizada pela Portaria SES nº 146 de 23/03/2017, publicada no DOE em 29 março de 2017 Estabelece os requisitos e exigências

Leia mais

Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária

Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária SEGURANÇA ALIMENTAR Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária Princípios da segurança alimentar A política de segurança dos alimentos deve basear-se numa

Leia mais

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DA ESPESSURA DE ISOLANTE NECESSÁRIA A UMA APLICAÇÃO Volume III Curso

Leia mais

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO O valor agregado em produtos de pescado não deve necessariamente estar vinculado à elaboração de produtos sofisticados

Leia mais

Manual de Instrucoes. Chapa Quente Eletrica. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Chapa Quente Eletrica. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Chapa Quente Eletrica o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação que entregamos

Leia mais

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada Unidade de apoio a todos os serviços assistenciais e de diagnóstico que necessitem de artigos odonto-médico-hospitalares para a prestação da assistência a seus clientes; Pode ser: Centralizada Semi-centralizada

Leia mais

REFRIGERAR COZINHAR REGRAS BÁSICAS PARA PREVENIR AS INTOXICAÇÕES ALIMENTARES

REFRIGERAR COZINHAR REGRAS BÁSICAS PARA PREVENIR AS INTOXICAÇÕES ALIMENTARES ENVELHECER MELHOR Segurança Alimentar para a Geração Sénior Grupo de Segurança Alimentar Rua Dr. António Bernardino de Almeida 4200-072 Porto Tel.: 22 558 00 85 Fax: 22 558 00 88 http://www.esb.ucp.pt/seniores

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA ASPECTOS REGULATÓRIOS REFERENTES À CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO FRIO

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA ASPECTOS REGULATÓRIOS REFERENTES À CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO FRIO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA ASPECTOS REGULATÓRIOS REFERENTES À CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO FRIO Cláudia Azevedo Versiani Veloso Médica Veterinária, M. Sc Fiscal Federal Agropecuário

Leia mais

Manual do Cliente. Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores

Manual do Cliente. Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores Manual do Cliente Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores 2 Conteúdos 1 Normas Gerais... 2. Normas de Segurança... 3. Normas de Utilização... 3.1 Instalação da Máquina... 3.2

Leia mais

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES 09/11 658-09-05 773987 REV.2 FRITADEIRA Frita-Fácil Plus 3 www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto da linha Britânia. Para garantir

Leia mais

3M Microbiologia. Soluções. para Cadeias de Frio

3M Microbiologia. Soluções. para Cadeias de Frio 3M Microbiologia Soluções para Cadeias de Frio 3M MonitorMark Indicadores de Tempo e Temperatura Os Indicadores de Tempo e Temperatura 3M TM MonitorMark TM são utilizados para monitorar qualquer produto

Leia mais

QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições

QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, É AQUELA PREPARADA COM OS CUIDADOS DE HIGIENE E QUE

Leia mais

Objectivos Gerais. Índice. - Conhecer os requisitos inerentes: - Ao controlo de operações - À manutenção e higienização - Ao transporte

Objectivos Gerais. Índice. - Conhecer os requisitos inerentes: - Ao controlo de operações - À manutenção e higienização - Ao transporte Pré - Requisitos Pré-requisitos Objectivos Gerais - Conhecer os requisitos inerentes: - Ao controlo de operações - À manutenção e higienização - Ao transporte Índice 1. Recepção 1.1 Especificações para

Leia mais

BB-DIESEL BIODIESEL SOLUTIONS

BB-DIESEL BIODIESEL SOLUTIONS Unidade de produção de biodiesel O biodiesel é um metil-éster que resulta de uma reacção entre um álcool (geralmente o metanol) e óleos vegetais ou gorduras animais em ambiente alcalino. Para que a reacção

Leia mais

FOGÃO 50X60 ELÉCTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES

FOGÃO 50X60 ELÉCTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES FOGÃO 50X60 ELÉCTRICO MODELO JFE4TTB MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO: JFE4TI 1 Caro utilizador: O nosso objectivo é que este produto lhe proporcione os melhores resultados. É fabricado nas nossas modernas

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE SERVIÇO DE RESTAURANTE-BAR PLANIFICAÇÃO MODULAR DISCIPLINA: RESTAURANTE-BAR 11º10 HORAS / TEMPOS OBJETIVOS AVALIAÇÃO

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE SERVIÇO DE RESTAURANTE-BAR PLANIFICAÇÃO MODULAR DISCIPLINA: RESTAURANTE-BAR 11º10 HORAS / TEMPOS OBJETIVOS AVALIAÇÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE SERVIÇO DE RESTAURANTE-BAR PLANIFICAÇÃO MODULAR DISCIPLINA: RESTAURANTE-BAR 11º10 CONTEÚDOS OBJETIVOS HORAS / TEMPOS AVALIAÇÃO MÓDULO N.º 01 SERVIÇOS DE MESA II 1. SERVIÇO

Leia mais

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE Revisão 00 POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE RETIRAR A CARNE DO CONGELADOR COM ANTECEDÊNCIA ; COLOCAR EM UM RECIPIENTE ; DEIXAR DENTRO DA GELADEIRA POR NO MÁXIMO 72 HS. >RESPONSÁVEL: Manipulador. >

Leia mais

Qualidade e segurança alimentar. Ação de capacitação 2017

Qualidade e segurança alimentar. Ação de capacitação 2017 Qualidade e segurança alimentar Ação de capacitação 2017 CONTEÚDOS Segurança alimentar Porquê e para quê? Sistema HACCP pré-requisitos Sistema HACCP Implementação Sistema HACCP Etapas Qualidade vs Segurança

Leia mais

1. Instalações e Equipamentos. Layout. Instalações

1. Instalações e Equipamentos. Layout. Instalações 01/06 Anexo II Regras de Higiene e Segurança Alimentar O presente anexo tem por objetivo a aplicabilidade dos requisitos e boas práticas mais relevantes em matéria de segurança alimentar a implementar

Leia mais

Uso de proteínas animais transformadas no fabrico de alimentos para animais de aquicultura

Uso de proteínas animais transformadas no fabrico de alimentos para animais de aquicultura Segurança Alimentar Uso de proteínas animais transformadas no fabrico de alimentos para animais de aquicultura Direção Geral de Alimentação e Veterinária Esclarecimento 11 /2014 Resumo: O presente esclarecimento

Leia mais

REFEITÓRIOS ADJUDICADOS

REFEITÓRIOS ADJUDICADOS DSRNORTE (281) REFEITÓRIOS ADJUDICADOS DSRCENTRO (175) DSRLVT (285) DSRALENTEJO (32) JULHO 2017 PRAZO DE EXECUÇÃO DO CONTRATO 1 agosto de 2017 a 31 agosto de 2020 PERÍODO LETIVO PERÍODO NÃO LETIVO: -Paragens

Leia mais

3.1. Preparação e execução do serviço de mesa em cozinha de sala

3.1. Preparação e execução do serviço de mesa em cozinha de sala Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Serviço Especiais de Mesa / CEF Empregado de Mesa Planificação a Longo Prazo

Leia mais

PREVENÇÃO NA PREPARAÇÃO DE ALIMENTOS

PREVENÇÃO NA PREPARAÇÃO DE ALIMENTOS . Como sempre afirmamos em nosso treinamento entender o conceito de prevenção como algo que se aplica apenas ao mundo do trabalho é um grande erro que precisa ser corrigido na cabeça das pessoas. Prevenção

Leia mais

1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte?

1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte? CAPÍTULO 1 1.1. Quais os principais princípios para a escolha do transporte? 1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte? 1.3. Em que medida a respiração

Leia mais

Monitorização. da Temperatura Wireless

Monitorização. da Temperatura Wireless Monitorização da Temperatura Wireless Atualmente e face à globalização dos mercados, a monitorização da Temperatura assume um papel fundamental e obrigatório na maioria das empresas, as quais necessitam

Leia mais

AMOSTRA MICROBIOLÓGICA Água Potável

AMOSTRA MICROBIOLÓGICA Água Potável QUANDO O KIT FOR ENTREGUE NO ESTABELECIMENTO, POR FAVOR, COLOCAR A BOLSA DE GELO NO CONGELADOR AMOSTRA MICROBIOLÓGICA Água Potável 1. Preparação Limpeza Lavar as mãos e antebraços com água e sabão neutro

Leia mais

Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização do conjunto peça de mão e cabo Piezotome SATELEC

Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização do conjunto peça de mão e cabo Piezotome SATELEC Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização do conjunto peça de mão e cabo Piezotome SATELEC Avisos Não utilize esfregões ou produtos de limpeza abrasivos. Evite usar soluções que contenham

Leia mais

GUIA PARA ESTUFAGEM DE CARGA EM CONTÊINER REEFER

GUIA PARA ESTUFAGEM DE CARGA EM CONTÊINER REEFER GUIA PARA ESTUFAGEM DE CARGA EM CONTÊINER REEFER APRESENTAMOS UM GUIA COMPLETO QUE AUXILIE NO CARREGAMENTO DO CONTÊINER, PERMITINDO UM MELHOR ACONDICIONAMENTO DE SUA CARGA. Tratamento prévio dos produtos

Leia mais

- CURSO CONGELAMENTO DE ALIMENTOS -

- CURSO CONGELAMENTO DE ALIMENTOS - - CURSO CONGELAMENTO DE ALIMENTOS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610).

Leia mais

CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS

CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS Crescimento e atividade de microrganismos; Insetos; DETERIORAÇÃO DOS ALIMENTOS Ação de enzimas autolíticas do próprio alimento; Reações químicas espontâneas não catalisadas por

Leia mais

MANUAL INSTRUÇÕES FORNO ELÉCTRICO MODELO: OR 23A CAPACIDADE: 23 LITROS V~50/60Hz, 1500W

MANUAL INSTRUÇÕES FORNO ELÉCTRICO MODELO: OR 23A CAPACIDADE: 23 LITROS V~50/60Hz, 1500W MANUAL INSTRUÇÕES FORNO ELÉCTRICO MODELO: OR 23A CAPACIDADE: 23 LITROS 220-240V~50/60Hz, 1500W Antes da primeira utilização, leia o manual de instruções atentamente. GUARDE ESTE MANUAL Somente para uso

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Rod. Washington Luiz, S/N Cond. Compark Rua 6 Km 172 Pista Sul Rio Claro/SP - CEP:

INSTRUÇÕES DE USO. Rod. Washington Luiz, S/N Cond. Compark Rua 6 Km 172 Pista Sul Rio Claro/SP - CEP: INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Lâminas Descartáveis NOME COMERCIAL: Lâminas Cirúrgicas Engimplan Fabricante: ENGIMPLAN ENGENHARIA DE IMPLANTE IND. E COM. LTDA. Rod. Washington Luiz, S/N Cond. Compark

Leia mais

Manual de Instrucoes. Vitrine Expositora Refrigerada para Sushi. o futuro chegou a cozinha

Manual de Instrucoes. Vitrine Expositora Refrigerada para Sushi. o futuro chegou a cozinha Manual de Instrucoes Vitrine Expositora Refrigerada para Sushi o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com

Leia mais

Refrigeração e Ar Condicionado

Refrigeração e Ar Condicionado Refrigeração e Ar Condicionado Câmaras Frigoríficas Filipe Fernandes de Paula filipe.paula@engenharia.ufjf.br Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Faculdade de Engenharia Universidade Federal

Leia mais

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária Este documento de procedimentos de processo de fabrico é distribuído a todos os colaboradores com responsabilidades a nível de operação de mistura. Todos os trabalhadores envolvidos na operação de mistura

Leia mais

A Transformação dos Alimentos

A Transformação dos Alimentos Unidade 2 A Transformação dos Alimentos Na fábrica e na cozinha O QUE VAMOS APRENDER? Sumário Página A transformação dos alimentos. 2 A conservação dos alimentos.... 7 Como é que se organiza o frigorífico?.

Leia mais

PORTFÓLIO DE PRODUTOS

PORTFÓLIO DE PRODUTOS PORTFÓLIO DE PRODUTOS PORTFÓLIO FOOD HYGIENE INDÚSTRIA ALIMENTAR MIDA - FEEL SAFE WITH US 1 A marca MIDA Sob a marca MIDA, a Christeyns oferece uma gama alargada de produtos e soluções para higienização

Leia mais

Este protocolo diz respeito às peças de mão Suprasson, Newtron e Newtron LED

Este protocolo diz respeito às peças de mão Suprasson, Newtron e Newtron LED PEÇAS DE MÃO DESTARTARIZADORAS: SUPRASSON/NEWTRON/NEWTRON LED Protocolo de pré-desinfecção/lavagem manual e de esterilização das peças de mão destartarizadoras SATELEC Este protocolo diz respeito às peças

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS

UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS Ivo Rodrigues 2007/2008 1. Aplicação do frio na conservação de Alimentos... prolongar a vida útil dos alimentos minimizando as reacções de

Leia mais

Questionário para o Painel das PME da Rede Europeia de Empresas Perfis nutricionais dos alimentos que ostentam alegações

Questionário para o Painel das PME da Rede Europeia de Empresas Perfis nutricionais dos alimentos que ostentam alegações Comissão Europeia Direção-Geral da Saúde e da Segurança dos Alimentos Questionário para o Painel das PME da Rede Europeia de Empresas Perfis nutricionais dos alimentos que ostentam alegações Contexto O

Leia mais

Manual de Instrucoes. Frigideira Basculante Eletrica. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Frigideira Basculante Eletrica. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Frigideira Basculante Eletrica o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação

Leia mais

Visor. Sonda de imersão/penetração. Evitar riscos por electricidade : Não efectuar medições em ou próximo de locais com carga eléctrica!

Visor. Sonda de imersão/penetração. Evitar riscos por electricidade : Não efectuar medições em ou próximo de locais com carga eléctrica! 1. Informação geral 39 1. Informação geral Por favor, leia este documento cuidadosamente e familiarize-se com o funcionamento do instrumento antes de o utilizar. Mantenha esta documentação à mão para a

Leia mais

Pilar: Empresa (Rotina)

Pilar: Empresa (Rotina) Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Pilar: Empresa (Rotina) 1. EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES 1.10 INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS PARA OS MANIPULADORES:

Leia mais

Doar Alimentos em Segurança

Doar Alimentos em Segurança Doar Alimentos em Segurança ROTULAGEM E DATAS DE VALIDADE DOS PRODUTOS ALIMENTARES 27 de junho de 2017 Fábio Fernandes Maria Manuel Mendes Graça Mariano DGAV e Interligação com stakeholders Definição,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem animal

Plano de Trabalho Docente Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem animal Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia Habilitação Profissional: Técnico em Alimentos

Leia mais

02/ REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Panquequeira. Manual de Instruções

02/ REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Panquequeira. Manual de Instruções 02/13 963-09-05 781955 REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Panquequeira Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto,

Leia mais

GUIA DE APOIO SONDA DE ALIMENTAÇÃO GABINETE DE ESTOMATERAPIA IPO DE COIMBRA

GUIA DE APOIO SONDA DE ALIMENTAÇÃO GABINETE DE ESTOMATERAPIA IPO DE COIMBRA GUIA DE APOIO SONDA DE ALIMENTAÇÃO GABINETE DE ESTOMATERAPIA IPO DE COIMBRA SONDA DE ALIMENTAÇÃO GABINETE DE ESTOMATERAPIA IPO DE COIMBRA Este guia destina-se a apoiar os doentes e cuidadores na alimentação

Leia mais

ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE ESPECIALISTAS NA CADEIA DE FRIO RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS

ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE ESPECIALISTAS NA CADEIA DE FRIO  RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS ESPECIALISTAS EM SISTEMAS PARA MANUTENÇÃO DA CADEIA DE FRIO RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE CADEIA DE FRIO SOLUÇÕES PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS ALIMENTARES

Leia mais

ELABORAÇÃO Grupo Técnico Segurança Alimentar AGAS BASE LEGAL

ELABORAÇÃO Grupo Técnico Segurança Alimentar AGAS BASE LEGAL Cartilha de orientação ao comércio varejista e atacadista sobre a manipulação de produtos de origem animal em açougues e fiambrerias no Estado do Rio Grande do Sul. ELABORAÇÃO Grupo Técnico Segurança Alimentar

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DE LENTES DE CONTATO HIDROFÍLICAS (GELATINOSAS) DESCARTÁVEIS OU DE TROCA ANUAL

MANUAL DO USUÁRIO DE LENTES DE CONTATO HIDROFÍLICAS (GELATINOSAS) DESCARTÁVEIS OU DE TROCA ANUAL MANUAL DO USUÁRIO DE LENTES DE CONTATO HIDROFÍLICAS (GELATINOSAS) DESCARTÁVEIS OU DE TROCA ANUAL As lentes gelatinosas descartáveis ou de troca anual são fabricadas em grande diversidade de tipos. Em função

Leia mais

Necessidade presente e futuro em linha fria

Necessidade presente e futuro em linha fria Hospitais da Universidade de Coimbra Unidade de Nutrição e Dietética Coordenadora: Profª Dr.ª Lélita Santos Necessidade presente e futuro em linha fria Maria da Graça Osório Técnica Superior Saúde da U.

Leia mais

Protocolo experimental

Protocolo experimental Protocolo experimental Quem semeia, colhe 1 Enquadramento Teórico O Banco Mundial de Sementes (figura 1), localizado na ilha norueguesa de Spitsbergen, foi inaugurado no ano de 2008. Neste local estão

Leia mais

Desejamos agradecê-la pela confiançca demonstrada, preferindo um produto Polti.

Desejamos agradecê-la pela confiançca demonstrada, preferindo um produto Polti. R Prezado Cliente, Desejamos agradecê-la pela confiançca demonstrada, preferindo um produto Polti. A tábua de passar a ferro que escolheu constitui um perfeito complemento ao vapor produzido pelo seu ferro.

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL e SEGURA. Menos SAL Mais Sabor a VIDA

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL e SEGURA. Menos SAL Mais Sabor a VIDA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL e SEGURA Menos SAL Mais Sabor a VIDA Formação para Profissionais de Escolas e IPSS Unidade Local de Saúde Pública - Aveiro Maio de 2015 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A prática de uma alimentação

Leia mais

FICHA DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS NA ÁREA DE ALIMENTOS

FICHA DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS NA ÁREA DE ALIMENTOS FICHA DE INSPEÇÃO DE ESTABELECIMENTOS NA ÁREA DE ALIMENTOS (CVS- Resolução SS-196, de 29-12-98) ADAPTADA FONTE: Guia de Verificação do Sistema APPCC - Programa Alimentos Seguros (PAS), 2000. (Série Qualidade

Leia mais

ADEGA DE VINHOS VCL-720

ADEGA DE VINHOS VCL-720 Manual de Instruções ADEGA DE VINHOS VCL-720 Leia atentamente as informações contidas neste manual antes de usar o aparelho. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA: Antes de utilizar a adega, leia atentamente às instruções

Leia mais

Equipamentos, Sistemas e Instalações VIII. Capítulo

Equipamentos, Sistemas e Instalações VIII. Capítulo 1 Refrigeração II Aplicações e Certificação Equipamentos, Sistemas e Instalações Capítulo VIII LEGENDA: 1 Fluido frigorigéneo 2 Capilar 3 Compressor hermético 4 Evaporador estático 5 Temperatura de condensação

Leia mais

7º Seminário Prevenção e Controlo de Infeção ERPI/Lares/UCCI 8 de Novembro Unidade de Saúde Publica ACES Loures/Odivelas

7º Seminário Prevenção e Controlo de Infeção ERPI/Lares/UCCI 8 de Novembro Unidade de Saúde Publica ACES Loures/Odivelas Prevenção e Controlo de Infeção ERPI/Lares/UCCI 8 de Novembro 2016 Unidade de Saúde Publica ACES Loures/Odivelas ACES Loures/Odivelas Unidade de Saúde Pública Médicos de Saúde Pública / Autoridades de

Leia mais

Manual de Instrucoes. Forno Eletrico. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Forno Eletrico. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Forno Eletrico o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação que entregamos

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO/A DE COZINHA/PASTELARIA Planificação anual de Serviços Específicos de Cozinha/Pastelaria ºAno

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO/A DE COZINHA/PASTELARIA Planificação anual de Serviços Específicos de Cozinha/Pastelaria ºAno CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO/A DE COZINHA/PASTELARIA Planificação anual de Serviços Específicos de Cozinha/Pastelaria 2016-2017 10ºAno Turma H Professor(es): Carla Whittle/ José Augusto Lima 1 - Estrutura

Leia mais

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Profa. Gladis Ferreira Corrêa

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Profa. Gladis Ferreira Corrêa Profa. Angélica Pinho Zootecnista Fones: 3243-7300 Email: angelicapinho@unipampa.edu.br Profa. Gladis Ferreira Corrêa Unidade 1. Introdução à tecnologia de alimentos: conceitos fundamentais, definições

Leia mais

Professora Vanessa Bernardelli

Professora Vanessa Bernardelli Tecnologia de Alimentos Professora Vanessa Bernardelli Esterilização UHT/UAT do Creme de Leite André Luis Cruz Fernanda Cabral Roncato Natália Chiapetta Tarcísio Henrique Zabarelli Thaisa Mendonça PRODUTO

Leia mais

Direção Geral de Alimentação e Veterinária ROTULAGEM DE ORIGEM. Novas regras. Maria Teresa Carrilho DSNA-DAH

Direção Geral de Alimentação e Veterinária ROTULAGEM DE ORIGEM. Novas regras. Maria Teresa Carrilho DSNA-DAH ROTULAGEM DE ORIGEM Novas regras Maria Teresa Carrilho DSNA-DAH Congresso Nacional da Indústria Portuguesa de Carnes. Lisboa, 6 de maio de 2014 REGULAMENTO (UE) N.º 1169/2011 06-05-2014 2 Principais alterações

Leia mais

Manual de Instrucoes. Vitrine Expositora Aquecida Euro. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Vitrine Expositora Aquecida Euro. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Vitrine Expositora Aquecida Euro o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E EMPRATAMENTO DE REFEIÇÕES

DISTRIBUIÇÃO E EMPRATAMENTO DE REFEIÇÕES DISTRIBUIÇÃO E EMPRATAMENTO DE REFEIÇÕES Liliana Brandão 2012 CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VERDE OBJECTIVOS Conhecer e aplicar as boas práticas de higiene na distribuição de refeições; Desenvolver as regras

Leia mais

Termografia de Infravermelhos Aplicada a Instalações de Refrigeração

Termografia de Infravermelhos Aplicada a Instalações de Refrigeração Avances em Ciências e Técnicas do Frio - IV Termografia de Infravermelhos Aplicada a Instalações de Refrigeração João Garcia 1*, Paulo Fontes 2 1 EST SETÚBAL, Campus do IPS, Estefanilha, 2910-761 Setúbal,

Leia mais

Unidade de Saúde Pública 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES

Unidade de Saúde Pública 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES HIGIENE DAS INSTALAÇÕES Os locais de preparação e serviço de refeições devem ser concebidos por forma a facilitar a sua limpeza e desinfecção adequadas, bem como, reduzir os

Leia mais

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Wats: (53)

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Wats: (53) Profa. Angélica Pinho Zootecnista Fones: 3243-7300 Wats: (53) 999913331 Email: angelicapinho@unipampa.edu.br Profa. Luciane Segabinazzi Prof. Paulo Lopes Unidade 1. Introdução à tecnologia de alimentos:

Leia mais

Mês Promocional dos Laticínios

Mês Promocional dos Laticínios JANEIRO Mês Promocional dos Laticínios Os laticínios são alimentos importantes para o crescimento e saúde dos ossos. São ricos em proteínas, cálcio e vitaminas. Ano Letivo 2016/2017 Janeiro 2017 1 - LATICÍNIOS

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE ALIMENTOS S/SUBPAV/SPS/Instituto de Nutrição Annes Dias INFORMATIVO Nº03/2011 NOVEMBRO

CONTROLE DE QUALIDADE DE ALIMENTOS S/SUBPAV/SPS/Instituto de Nutrição Annes Dias INFORMATIVO Nº03/2011 NOVEMBRO Os gêneros alimenticios INDUSTRIALIZADOS são alimentos produzidos e embalados segundo critérios técnicos e de acordo com a legislação, protegendo o alimento de contaminantes e mantendo suas características

Leia mais