TAMANHO DAS SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE CULTIVARES DE FEIJOEIRO COMUM. SEED SIZE IN THE PHYSIOLOGIC QUALITY ON CULTIVARS COMMON BEANS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TAMANHO DAS SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE CULTIVARES DE FEIJOEIRO COMUM. SEED SIZE IN THE PHYSIOLOGIC QUALITY ON CULTIVARS COMMON BEANS."

Transcrição

1 TAMANHO DAS SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE CULTIVARES DE FEIJOEIRO COMUM. SEED SIZE IN THE PHYSIOLOGIC QUALITY ON CULTIVARS COMMON BEANS. Adilson Jauer 1 ; Nilson Lemos de Menezes 2 ; Danton Camacho Garcia 3. RESUMO O experimento foi conduzido no campo experimental e no Laboratório Didático e de Pesquisas em Sementes, ambos pertencentes ao Departamento de Fitotecnia, Universidade Federal de Santa Maria. O objetivo deste trabalho foi determinar o efeito do tamanho na qualidade fisiológica de sementes de quatro cultivares de feijoeiro comum. As cultivares utilizadas foram a TPS Bionobre, TPS Nobre, Xamego e IAPAR 44, nos seguintes tamanhos: mistura da amostra original, maior e menor do que 6mm. As avaliações constaram do peso de mil sementes, germinação, estatura de plântulas, condutividade elétrica e emergência em campo. Concluiu-se que o tamanho das sementes não afetou a germinação e o vigor das cultivares de feijoeiro TPS Bionobre, TPS Nobre e Xamego. Para a cultivar IAPAR 44, sem mostrar efeito sobre a germinação, as sementes do menor tamanho apresentaram menor vigor. Palavras-chave: Phaseolus vulgaris (L.), feijão, teste de vigor, tamanho de sementes. ABSTRACT The experiment was driven in the experimental field and in the Didactic and of Researches in Seeds Laboratory, both belonging to the Department of Crop Production, Federal University of Santa Maria. The objective of this work was to determine the effect of the size in the physiologic quality of seeds of four common bean cultivars. The cultivars used were the TPS Bionobre, TPS Nobre, Xamego and IAPAR 44, in the following sizes: mix of the original sample, larger and smaller than 6mm. The evaluations consisted of the weight of a thousand seeds, germination, seedlings stature, electric conductivity and emergency in field. It 1 Eng. Agr. MSc. Aluno de Pós-graduação em Agronomia UFSM. 2 Eng. Agr., Dr. Prof. Adj. Dpto de Fitotecnia, UFSM, Santa Maria, RS. 3 Eng. Agr., Dr. Prof. Adj. Dpto de Fitotecnia, UFSM, Santa Maria, RS.

2 Jauer, A. et al. 66 was ended that the size of the seeds didn't affect the germination and the vigor of the cultivars TPS Bionobre, TPS Nobre and Xamego. For the cultivar IAPAR 44, without showing effect on the germination, the seeds with small size presented smaller vigor. Key Words: Phaseolus vulgaris (L.), beans, vigor test, size seed. INTRODUÇÃO O aprimoramento de técnicas e métodos de produção com a finalidade de aumentar a produtividade e a qualidade, têm sido preocupação constante de todos os segmentos que compõem as cadeias produtivas da agricultura. O nível de impacto sobre a produtividade agrícola e o lucro obtido pelo uso de novas cultivares, está estreitamente relacionadas com a qualidade da semente colocada à disposição do agricultor (VIEIRA & RAVA, 2000). As sementes não melhoram seu estado fisiológico depois de produzidas, processadas e armazenadas. Sua qualidade é o reflexo dos cuidados adotados desde a escolha da melhor área, da época de semeadura mais adequada e de tecnologias aplicadas durante todo o processo produtivo (VIEIRA & RAVA, 2000). A qualidade das sementes tem sido atribuída a sua pureza física, elevado potencial genético, alta germinação e vigor, ausência de danos mecânicos, boa sanidade e uniformidade de tamanho. Este último é um atributo importante no aspecto visual para a comercialização e essencial para regulagem das semeadoras, que permitirão a emergência de estandes ajustados e, em muitos casos, economia de sementes por unidade de área (LIMA, 1997). Avaliando a qualidade de sementes de feijão de diversas densidades FANTINATTI et al. (2001) observaram que o vigor das sementes não foi influenciado pelo tamanho das sementes. Segundo estes autores, as sementes de densidades maiores (pesadas: 1,21-1,29g) apresentaram pequena redução na germinação após doze meses de armazenamento sem comprometer o estande no campo. O desempenho das sementes com densidades intermediárias (média: 1,17-1,21g) não foi satisfatório, para emergência de plântulas e velocidade de emergência em campo. Sementes de densidades menores (leves: 1,15-1,17g) apresentaram baixo desempenho em todos os testes, não sendo recomendadas para a semeadura. A emergência rápida e uniforme de plântulas sadias no campo é importante para o estabelecimento de estandes uniformes que irão proporcionar uma cobertura do solo mais rápida e, dependendo da cultura, maior competitividade com as plantas daninhas (LIMA, 1997). De acordo com WETZEL (1979), em média, as maiores

3 67 Tamanho das sementes... sementes, dentro de um mesmo lote, podem produzir hipocótilos quatro vezes mais pesados, do que os produzidos pelas sementes menores, em plântulas com nove dias de idade. A explicação comumente apresentada para a possível influência do tamanho das sementes sobre o vigor das plântulas e, posterior comportamento da planta tem sido a de que as sementes grandes possuem maior quantidade de tecido de reserva, podendo, portanto originar plântulas mais nutridas (CARVALHO & NAKAGAWA, 2000). Outro aspecto salientado pelos autores é que, em algumas circunstâncias, as sementes de maior tamanho podem apresentar pior desempenho devido às condições ambientais de produção não serem favoráveis para sua qualidade ou, por terem sofrido maior percentual de danos mecânicos que as demais classes. Após analisar vários trabalhos, LIMA (1997) deduziu que o tamanho das sementes de várias espécies é um indicativo de qualidade, sendo que quase sempre as sementes maiores apresentam maior índice de emergência em campo e desenvolvimento inicial das plantas. Em revisão sobre o assunto, CARVALHO & NAKAGAWA (2000) constataram que o número de trabalhos científicos que afirmam ter encontrado efeito do tamanho das sementes sobre a produção é próximo daqueles no qual os autores encontraram resultados opostos. O objetivo deste trabalho foi determinar o efeito do tamanho na qualidade fisiológica das sementes de quatro cultivares de feijoeiro comum. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido no campo experimental e no Laboratório Didático de Pesquisas em Sementes (LDPS), ambos pertencentes ao Departamento de Fitotecnia, Universidade Federal de Santa Maria-RS. As quatro cultivares de feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris L.) utilizadas foram: TPS Bionobre, TPS Nobre, Xamego e IAPAR 44, todas do grupo comercial preto. As sementes foram doadas pela Cooperativa Agrícola Mista Nova Palma Ltda. (CAMNPAL), sendo estas as cultivares disponíveis aos produtores associados para semeadura na safra de As sementes das cultivares foram classificadas além da mistura (amostra original) em dois tamanhos (> 6mm e <6mm de diâmetro, respectivamente sementes grandes e pequenas), sendo separadas com o auxilio de peneiras manuais, de furos redondos. Para a determinação do peso de mil sementes foram contadas e pesadas 8 repetições de 100 sementes para cada

4 Jauer, A. et al. 68 tamanho de semente. Os cálculos foram feitos de acordo com as Regras de Análise de Sementes (BRASIL, 1992). A germinação foi determinada utilizando quatro repetições de 50 sementes, para cada tratamento, sendo semeadas em papel germtest, os quais (rolos) foram colocados em câmara de germinação, a uma temperatura de 25 C. No quinto dia após a semeadura foi determinada a percentagem de plântulas normais (BRASIL, 1992). O vigor foi determinado com o auxilio de três testes. Estatura de plântulas: determinada em quatro repetições de 20 sementes por tratamento, semeadas e postas para germinar a 25 C. A semeadura foi no terço superior do papel substrato. As avaliações foram efetuadas nas plântulas normais, cinco dias após o início do teste. Emergência em campo: foram semeadas 100 sementes, a 2cm de profundidade, em linhas de 1,5 metros em terreno preparado. A contagem ocorreu aos 14 dias após a semeadura e foi determinada a percentagem de plântulas que emergiram. Condutividade elétrica: foi determinada utilizando quatro subamostras de 25 sementes, as quais foram pesadas e colocadas em um recipiente com 75 ml de água destilada e mantidas em câmara a 25 C, durante 24 horas. Após este período, efetuou-se a leitura da solução do exsudado com auxílio do condutivímetro, sendo calculada a condutividade em µs.cm- 1.g-1 de sementes, em função do peso inicial das sementes utilizadas. Devido a falta de sementes <6mm para a cultivar Bionobre, não foi realizada esta determinação. O experimento foi conduzido no delineamento inteiramente casualizado com quatro repetições e, os resultados para os diferentes tratamentos foram analisados segundo um fatorial 4 x 3 (cultivares x tamanho). Após a obtenção dos dados foi realizada a análise estatística pela análise da variância e, para comparação das médias dos tratamentos foi aplicado o teste de Tukey a 5% de probabilidade de erro. Os resultados, expressos em percentagem, foram transformados para arc sen%. RESULTADOS E DISCUSSÃO Na Tabela 1 estão apresentados os resultados relativos ao peso de mil sementes, germinação e vigor das quatro cultivares, separadas em diferentes tamanhos de sementes. Com relação ao peso de mil sementes, observaram-se diferenças significativas entre os tratamentos TPS Nobre, Xamego e IAPAR 44. Os maiores pesos foram verificados nas sementes retidas na peneira de 6mm, seguido da mistura e das sementes com diâmetros menores do que 6mm. Para a cultivar TPS Bionobre não foi observado diferenças significativas entre o mistura de

5 69 Tamanho das sementes... tamanhos e as sementes maiores, diferindo apenas das sementes menores que 6mm. A relação entre tamanho e peso observada em cada cultivar é normal, no entanto, quando se comparam diferentes cultivares, os resultados devem ser interpretados com cautela, por que além das diferenças genéticas, outros fatores tais como, as condições de produção e processamento podem interferir nos resultados (CAZETTA et al., 1995). Os resultados relativos a percentagem de germinação das sementes mostraram para a cultivar TPS Bionobre diferenças significativas entre tamanhos, ocorrendo maior germinação (87%) das sementes grandes, as quais diferiram da mistura original. As sementes pequenas, no entanto, não diferiram dos demais tratamentos, desse modo, não caracterizando de forma clara o efeito dos tamanhos sobre a germinação. Diferenças significativas entre os tratamentos para a variável germinação, foram observadas por CAZETTA et al., (1995), ao trabalharem com duas cultivares e cinco tamanhos de peneiras. A explicação mencionada pelos autores é que estas sementes eram muito desuniformes e, provavelmente, com deficiência na formação e maturidade. A desuniformidade das sementes capaz de gerar diferenças entre a qualidade das mesmas também pode ser atribuída às variações nas partes da planta, pois estas são determinadas pelo genótipo e modificadas pelo ambiente (Thopson apud LIMA, 1997). Quando foi comparado as médias das cultivares pelo teste de germinação, observaram-se diferenças significativas, sendo a cultivar IAPAR 44 a que apresentou menor germinação, não diferindo da cultivar Xamego. Apesar de não terem ocorrido diferenças significativas, entre as três primeiras cultivares, observou-se que TPS Bionobre e TPS Nobre foram às únicas que apresentaram germinação superior a 80%, valor este considerado como mínimo para a comercialização de sementes de feijão no Estado do Rio Grande do Sul (SAA, 1997). As cultivares TPS Bionobre, TPS Nobre, Xamego e IAPAR 44 apresentaram, respectivamente, 78, 62,6, 74,8 e 62,4% de sementes >6mm. Segundo resultados obtidos por CARVALHO & NAKAGAWA (2000), as menores sementes de lotes não beneficiados apresentam germinações significativa-mente menores do que as de tamanho maiores. Freqüentemente, as sementes que constituem esta fração são tão pequenas e, ocorrem em proporção tão baixa no lote que, durante o beneficiamento, são usualmente descartadas. Para CAZETTA et al., (1995), a nutrição da plântula ocorre tanto melhor,

6 Jauer, A. et al. 70 quanto maior as substâncias de reservas a sua disposição, sendo esperado, que sementes maiores possuam melhores condições de germinar em situações não ideais, como solo mal preparado ou em semeaduras em profundidades maiores que as comumente recomendadas. Por outro lado, POPININGIS (1985), cita que o tamanho da semente é um indicativo da qualidade fisiológica e a remoção de sementes menores, melhoraria a qualidade do lote, uma vez que estas apresentariam menor germinação. O tamanho da semente é um atributo importante no aspecto visual para a comercialização e essencial para regulagem das semeadoras, que permitirão a emergência de estandes ajustados e, em muitos casos, economia de sementes por unidade de área (LIMA, 1997). TABELA 01 - Resultados do peso de mil sementes (PMS), germinação (G) e dos testes de vigor em termos de comprimento de plântulas (EP), condutividade elétrica (CE) e emergência em campo (EC), em três tamanhos de sementes e quatro cultivares de feijoeiro comum. CULTIVAR TAMANHOS PMS (gr) TPS BIONOBRE G (%) VIGOR EP (cm) CE (µs.cm -1.g) EC (%) Mistura 259,15 a 78 b* 25,05 a 45,90 a 49 a >6mm 264,50 a 87 a 24,05 a 51,15 a 47 a <6mm 208,62 b 79 ab 23,07 a a Média 244,08 A 81A** 24,06 A 48,52 B 49 B TPS NOBRE Mistura 222,75 b 84 a 25,42 a 51,75 a 27 a >6mm 244,12 a 78 a 25,22 a 51,95 a 25 a <6mm 200,62 c 83 a 23,80 a 56,45 a 23 a Média 222,50 B 82 A 24,82 A 53,38 AB 25 D XAMEGO Mistura 229,37 b 77 a 24,15 a 50,30 a 57 a >6mm 241,62 a 76 a 23,82 a 53,70 a 55 a <6mm 194,62 c 80 a 23,52 a 54,13 a 62 a Média 221,87 B 78 AB 23,83 A 52,58 AB 58 A IAPAR 44 Mistura 203,62 b 78 a 26,92 a 56,80 b 51 a >6mm 223,50 a 77 a 24,42 ab 51,85 b 46 a <6mm 171,25 c 76 a 22,27 b 65,32 a 33 b Média 199,46 C 77 B 24,54 A 58,0 A 43,3 C CV (%) 1,80 4,93 6,57 9,40 7,27 *Médias ligadas pela mesma letra minúscula, para cada cultivar, na coluna não diferem entre si (tamanhos) pelo teste de Tukey ao nível de 5%. ** Médias ligadas pela mesma letra maiúscula na coluna não diferem entre si (cultivares) pelo teste de Tukey ao nível de 5%. O teste de germinação é realizado sob condições ótimas e, como consequência, sementes parcialmente deterioradas conseguem germinar e

7 71 Tamanho das sementes... produzir plântulas que, embora fracas, entram na percentagem de germinação, o que não condiz com o que normalmente é encontrado no campo. Com isso, há necessidade da utilização de testes de vigor para avaliar com maior segurança a qualidade fisiológica das sementes (PÁDUA, 1998). Com relação ao vigor das sementes, analisadas pela estatura das plantas, emergência em campo e condutividade elétrica, verificou-se diferenças entre as cultivares, sendo a IAPAR 44, o menor vigor dentre aquelas testadas. O tamanho das sementes não afetou o vigor das cultivares TPS Bionobre, TPS Nobre e Xamego, embora se tenha observado menores valores absolutos na estatura de plântulas, quando se usou sementes menores que 6mm. Notou-se, também, para as três cultivares, os maiores valores absolutos de condutividade elétrica nas sementes menores, o que significaria menor vigor. No entanto, não foram verificadas diferenças estatísticas que permitissem indicar o efeito do tamanho das sementes sobre o vigor. Tal fato poderia ser atribuído às dificuldades de execução dos testes, que podem gerar erros experimentais ou a diferenças muito pequenas no vigor, incapazes de serem caracterizadas pelos testes escolhidos. Para a cultivar IAPAR 44 foram detectadas diferenças significativas entre os tratamentos das sementes pelos testes de estatura de plântulas, condutividade elétrica e emergência em campo. Observou-se menor vigor nas sementes menores. Esses resultados concordam com diversos autores, entre eles CAZETTA et al.,(1995); LIMA (1997) e CARVALHO & NACAGAWA (2000), que encontraram maior índice de emergência e desenvolvimento inicial de plantas em sementes maiores. Quando comparada com as demais cultivares, a IAPAR 44 mostrou a menor qualidade de sementes, que parece ser reflexo da variação na qualidade individual das sementes, onde aquelas de tamanho inferior a 6mm apresentaram menor vigor. O comportamento divergente observado entre as cultivares pode ser atribuído, principalmente, aos genótipos testados, porém o efeito do tamanho das sementes é provável que se faça sentir de maneira diversa, de acordo com a cultivar, manejo pós-colheita e qualidade final do lote. CONCLUSÕES Considerando as condições de realização do trabalho, concluiu-se que: O tamanho das sementes não afetou a germinação e o vigor das cultivares de feijoeiro TPS Bionobre, TPS Nobre e

8 Jauer, A. et al. 72 Xamego. Para a cultivar IAPAR 44, sem mostrar efeito sobre a germinação, as sementes do menor tamanho apresentaram menor vigor. REFERÊNCIAS BRASIL. Ministério da Agricultura e da Reforma Agrária. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília, p. CARVALHO, N.M.; NAKAGAWA, J. Sementes: Ciência, Tecnologia e produção. 4ed. Jaboticabal: FUNEP, p. CAZETTA, J.O.; SADER, R.; IKEDA, M. Efeito do tamanho no desempenho germinativo de sementes de feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.). Científica, São Paulo, v.23, n.1, p.65-71, FANTINATTI, J.B.; HONÓRIO, S.L.; RAZERA, L.F. Qualidade de sementes de feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) de diversas densidades, obtidas em mesa gravitacional. Informativo ABRATES, Londrina, v.11, n.2 p.83, setembro, LIMA, R.M. Efeito do tamanho das sementes sobre alguns atributos fisiológicos e agronômicos. Anuário ABRASEM, Brasília p.168, PÁDUA, G.P. Vigor de sementes e seus possíveis efeitos sobre a emergência em campo e a produtividade. Informativo ABRATES, Londrina. V.8, n1/2/3, dezembro, POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. Brasília: AGIPLAN, 289p SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO (SAA). Departamento de Produção Vegetal. Comissão Estadual de Sementes e Mudas do Estado do Rio Grande do Sul (P. Alegre, RS). Normas e padrões de produção de sementes para o Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 140p VIEIRA, E.H.N.; RAVA, C.A. Sementes de feijão: produção e tecnologia / editado por Edson Herculano Neves Vieira, Carlos Augustin Rava. Santo Antônio de Goiás : Embrapa Arroz e Feijão, p WETZEL, C.T. Efeito do tamanho da semente de soja. In. Semana de Pesquisa da Soja. Londrina. Anais... Londrina. EMBRAPA-CNPSoja, v.1, p , 1979

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA CONVENCIONAL COLETADAS EM TRÊS POSIÇÕES DA PLANTA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA CONVENCIONAL COLETADAS EM TRÊS POSIÇÕES DA PLANTA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA CONVENCIONAL COLETADAS EM TRÊS POSIÇÕES DA PLANTA Tiago R. Sousa¹*(PG), Marina C. Guerrero²(PG), Itamar R. Teixeira³(PQ), Sebastião P. Silva Neto

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO.

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. Andréa dos Santos Oliveira, Renata Silva-Mann, Michelle da Fonseca Santos,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill)

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) Gleberson Guillen Piccinin 1, Lilian Gomes de Moraes

Leia mais

EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.)

EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) Reynaldo de Mello Torres Docente da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal de Garça SP. Dagoberto

Leia mais

LONGEVIDADE DE SEMENTES DE Crotalaria juncea L. e Crotalaria spectabilis Roth EM CONDIÇÕES NATURAIS DE ARMAZENAMENTO

LONGEVIDADE DE SEMENTES DE Crotalaria juncea L. e Crotalaria spectabilis Roth EM CONDIÇÕES NATURAIS DE ARMAZENAMENTO LONGEVIDADE DE SEMENTES DE Crotalaria juncea L. e Crotalaria spectabilis Roth EM CONDIÇÕES NATURAIS DE ARMAZENAMENTO Odilon Peixoto de Morais Júnior 1, Vladimir Sperandio Porto 1, Daniela Cleide Azevedo

Leia mais

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Gabriel Moraes Costa (1), Roberto Fontes Araujo (2), Eduardo Fontes Araujo (3), João Batista

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB Sandra Maria de Figueiredo 1, Fernanda Fernandes de Melo

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI DE DIFERENTES CULTIVARES

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI DE DIFERENTES CULTIVARES Área: Tecnologia e Produção de sementes GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI DE DIFERENTES CULTIVARES Joseani Santos Ávila 2 ; Pablo Alves da Rocha 2 ; Aderson Costa Araujo Neto 1 ; Renan Thiago Carneiro

Leia mais

EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS FEIJÃO E MAMONA SOB CONSÓRCIO

EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS FEIJÃO E MAMONA SOB CONSÓRCIO EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS FEIJÃO E MAMONA SOB CONSÓRCIO Lucas de Abreu Dias 1 ; Itamar Rosa Teixeira 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduando do curso de Engenharia

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2165

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2165 Página 2165 TAMANHO DAS SEMENTES DE AMENDOIM E SEUS EFEITOS SOBRE A GERMINAÇÃO E VIGOR Vicente de Paula Queiroga 1, Maria Elessandra Rodrigues Araújo 2, Valdemir Inácio de Lima 3, Riselane de Lucena Alcântara

Leia mais

EFEITO DA IDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA NOS RESULTADOS DO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO.

EFEITO DA IDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA NOS RESULTADOS DO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO. EFEITO DA IDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA NOS RESULTADOS DO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO. EFFECTS OF THE FISIOLOGIC AGE OF SOYBEAN SEEDS IN THE RESULTS OF THE TEST OF ACCELERATED AGING. Maria

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA PRODUZIDAS NO MUNICÍPIO DE FREDERICO WESTPHALEN-RS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA PRODUZIDAS NO MUNICÍPIO DE FREDERICO WESTPHALEN-RS AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA PRODUZIDAS NO MUNICÍPIO DE FREDERICO WESTPHALEN-RS Juliano dos Santos 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Neuri Antonio Feldmann 3, Anderson Rhoden 3 Palavras-chave:

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação do Tratamento de Sementes de Milho com os Inseticidas Tiodicarbe + Imidacloprido e Carbofuran + Zinco na

Leia mais

Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro

Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro Flávia M. Nascimento 1, José G. L. Rodrigues 2, Carlos A. Gamero 3, Jairo C. Fernandes 4, Sílvio J. Bicudo 5 1,2,4

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1 140 CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1 JULIANE DOSSI SALUM 2, CLAUDEMIR ZUCARELI 3, EDUARDO GAZOLA 4, JOÃO

Leia mais

POTENCIAL DO USO DA MESA DENSIMÉTRICA NA MELHORIA DA QUALIDADE DE SEMENTES COMERCIAIS DE MAMONA

POTENCIAL DO USO DA MESA DENSIMÉTRICA NA MELHORIA DA QUALIDADE DE SEMENTES COMERCIAIS DE MAMONA POTENCIL DO USO D MES DENSIMÉTRIC N MELHORI D QULIDDE DE SEMENTES COMERCIIS DE MMON ntônio Lucrécio dos Santos Neto 1, Maria Laene Moreira de Carvalho 1, Renato ugusto lves 1, Cláudio das Neves Vieira

Leia mais

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo PRANDO, A.M. 1 ; ZUCARELI, C. 1 ; FRONZA, V. 2 ; BASSOI, M.C. 2 ; OLIVEIRA, F.A. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

GERMINAÇÃO E SOBREVIVÊNCIA DA SOJA EM DIFERENTES MANEJOS DO SOLO

GERMINAÇÃO E SOBREVIVÊNCIA DA SOJA EM DIFERENTES MANEJOS DO SOLO GERMINAÇÃO E SOBREVIVÊNCIA DA SOJA EM DIFERENTES MANEJOS DO SOLO Alberto Kazushi Nagaoka 1 Kleber Pereira Lanças 2 Paulo Roberto Arbex Silva 3 Pedro Castro Neto 4 Antonio Carlos Fraga 5 RESUMO Do ponto

Leia mais

Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos

Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos Rendimento das cultivares de cenoura Alvorada e Nantes Forto cultivadas sob diferentes espaçamentos João Bosco C. da Silva; Jairo Vidal Vieira; Cristina Maria M. Machado; Graziella B. de Lima. Embrapa

Leia mais

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER Efeito Alelopático do Óleo Essencial de Citronela (Cymbopogon winterianus) Sobre a Germinação de Sementes de Picão-Preto e de Milho em Diferentes Épocas de Aplicação. MARIA LITA PADINHA CORREA 1, ANA PAULA

Leia mais

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica)

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica) UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE ( abyssinica) A busca por novas fontes alternativas de combustíveis tem despertado o interesse de agricultores para o cultivo de plantas com características

Leia mais

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ Definição x Conceito A palavra CONCEITO tem vários significados

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO PHYSIOLOGIC QUALITY OF SOYBEAN SEEDS IN FUNCTION OF GERMINATION Ayza Eugênio Viana Camargos (1) Resumo Antonio Pizolato Neto (2)

Leia mais

NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA

NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA Rafael Batista Ferreira 1 (PG)*, Ananda Helena Nunes Cunha 2 (PQ), Itamar Rosa Teixeira 3 (PQ) 1* Eng.

Leia mais

Comportamento da Crotalaria juncea em função de adubação com e sem revestimento com polímeros

Comportamento da Crotalaria juncea em função de adubação com e sem revestimento com polímeros Comportamento da Crotalaria juncea em função de adubação com e sem revestimento com polímeros Rafael da Costa Leite 1 ; Hamilton Kikuti 2 ; Ana Lúcia Pereira Kikuti 3 1 Estudante do Curso de Agronomia

Leia mais

Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS.

Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS. Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS. Mateus Cassol Tagliani 1, Katia Christina Zuffellato-Ribas 2 RESUMO: Biodiesel é

Leia mais

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89)

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) 3562-2274 Efeito do uso dos produtos da linha Celleron no tratamento de semente e na parte aérea, para o aumento do

Leia mais

143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES

143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES RESUMO Dércio Dutra 1 ; Derblai

Leia mais

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA *

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * Tarcísio Marcos de Souza Gondim 1, Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes:

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes: LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Planejamento Estrutura disponível

Leia mais

EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. ;José C.

EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. ;José C. EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. Ronaldo S. Viana ;José C. Lopes Bolsista, CNPq/PIVIC, Universidade Federal do

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

Formulário para submissão de trabalho

Formulário para submissão de trabalho Dados do Trabalho e do (a) Orientador (a) Formulário para submissão de trabalho Título do Projeto: Avaliação de substratos de germinação de rosa (Rosa sp.) variedade arco-íris Nível de Ensino: Graduação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.)

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.) AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.) Washigton Cézar de ANDRADE (1), Fabio TEZORI (1), Edson Pereira GUIA (1), Ediane Abadia SILVA (1),

Leia mais

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática Deterioração e vigor Profª Marcela Carlota Nery Deterioração Processo progressivo e irreversível Respiração Alterações na atividade enzimática Alterações no tegumento das sementes Alterações nas taxas

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011 TESTE DE GERMINAÇÃO PARA AVALIAR A QUALIDADE DA SEMENTE DO MILHO PIPOCA Laianny Morais Maia¹, Silvério de Paiva Freitas Júnior², Mikaelle Cavalcante de Brito¹, Cícero Secifram da Silva¹, Edilza Maria Felipe

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

DESEMPENHO DE NOVAS CULTIVARES DE CICLO PRECOCE DE MILHO EM SANTA MARIA 1

DESEMPENHO DE NOVAS CULTIVARES DE CICLO PRECOCE DE MILHO EM SANTA MARIA 1 DESEMPENHO DE NOVAS CULTIVARES DE CICLO PRECOCE DE MILHO EM SANTA MARIA 1 TOEBE, Marcos 2 ; CARGNELUTTI FILHO, Alberto 3 ; SILVEIRA, Tatiani Reis da 2 ; CASAROTTO, Gabriele 4 ; SCHWANTES, Ismael Albino

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE DUAS VARIEDADES DE FEIJÃO SUBMETIDAS A DIFERENTES ADUBAÇÕES FOLIARES

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE DUAS VARIEDADES DE FEIJÃO SUBMETIDAS A DIFERENTES ADUBAÇÕES FOLIARES QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE DUAS VARIEDADES DE FEIJÃO SUBMETIDAS A DIFERENTES ADUBAÇÕES FOLIARES Orival Gonçalves Junior Graduando em Agronomia, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

Leia mais

Efeito do tamanho de sementes no desempenho fisiológico de feijoeiro 1. Effect of seed size on the physiological performance of bean

Efeito do tamanho de sementes no desempenho fisiológico de feijoeiro 1. Effect of seed size on the physiological performance of bean Efeito do tamanho de sementes no desempenho fisiológico de feijoeiro 1 Lucas Vinícius de Souza Cangussú, 2 Andréia Márcia Santos de Souza David, 2 Hugo Tiago Ribeiro Amaro, 3 * Miquéias de Oliveira Assis

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Luis César Vieira Tavares 1, Larissa

Leia mais

TESTE DE GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SANSÃO-DO-CAMPO (Mimosa caesalpiniaefolia Benth. FABACEAE-MIMOSOIDEAE) 1

TESTE DE GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SANSÃO-DO-CAMPO (Mimosa caesalpiniaefolia Benth. FABACEAE-MIMOSOIDEAE) 1 47 TESTE DE GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SANSÃO-DO-CAMPO (Mimosa caesalpiniaefolia Benth. FABACEAE-MIMOSOIDEAE) 1 ANA DIONISIA DA LUZ COELHO NOVEMBRE 2 ; TANISE CARVALHO FARIA 3 ; DANIELA HONÓRIO VENTURA

Leia mais

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO Daniela GOETEN 1, Joacir do NASCIMENTO 2, Oscar Emilio Ludtke HARTHMANN 3 1 Acadêmica do curso de Agronomia

Leia mais

SUPERAÇÃO DE DORMÊNCIA DE SEMENTES DE Delonix Regia Raf. (LEGUMINOSAE - CAESALPINIOIDEAE )

SUPERAÇÃO DE DORMÊNCIA DE SEMENTES DE Delonix Regia Raf. (LEGUMINOSAE - CAESALPINIOIDEAE ) SUPERAÇÃO DE DORMÊNCIA DE SEMENTES DE Delonix Regia Raf. (LEGUMINOSAE - CAESALPINIOIDEAE ) Úrsula Lopes Vaz; Thalline Rodrigues da Silva 1 ; Daniela Cleide Azevedo de Abreu 2 Ivor Bergemann Aguiar 3 1

Leia mais

INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO

INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO Héria de Freitas TELES, Larissa Leandro PIRES, Marcos Gomes da CUNHA, Guilherme

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Componentes de Produção de Seis Cultivares de Milho na Região de Pompéia - SP. Elvio Brasil Pinotti 1, Silvio José

Leia mais

DESEMPENHO DE PLANTAS DE FEIJÃO ORIGINADAS DE LOTES DE SEMENTES COM DIFERENTES NÍVEIS DE QUALIDADE FISIOLÓGICA

DESEMPENHO DE PLANTAS DE FEIJÃO ORIGINADAS DE LOTES DE SEMENTES COM DIFERENTES NÍVEIS DE QUALIDADE FISIOLÓGICA DESEMPENHO DE PLANTAS DE FEIJÃO ORIGINADAS DE LOTES DE SEMENTES COM DIFERENTES NÍVEIS DE QUALIDADE FISIOLÓGICA PERFORMANCE OF BEAN PLANTS FROM SEED LOTS WITH DIFFERENT LEVELS OF PHYSIOLOGIC QUALITY Marcos

Leia mais

METODOLOGIA PARA A CONDUÇÃO DO TESTE DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE (Jatropha curcas L.)

METODOLOGIA PARA A CONDUÇÃO DO TESTE DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE (Jatropha curcas L.) METODOLOGIA PARA A CONDUÇÃO DO TESTE DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE (Jatropha curcas L.) Cristiane Alves Fogaça, PGCAF/UFRRJ, fogacac@yahoo.com.br Luany Leal da Silva, IF/UFRRJ, luany_leal@hotmail.com José

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA

DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA Rafael Garcia Gouzalez 1 Luiz Antônio Augusto Gomes 2 Antônio Carlos Fraga 3 Pedro Castro Neto 4 RESUMO Com o objetivo de avaliar

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Estrutura disponível Planejamento

Leia mais

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA INDIVIDUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA*

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA INDIVIDUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA* TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA INDIVIDUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA* Luciana Aparecida de Souza 1, Maria Laene Moreira de Carvalho 1, Carla Massimo Caldeira 1 Ayssa Baldoni

Leia mais

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA BONFADA, Élcio B. 1 ; FIORIN, Jackson E. 2 ; SILVA, Alieze N. da 3 ; WYZYKOWSKI, Tiago 4 Palavras-chave: Nutrição de Plantas.

Leia mais

Palavras-chave: Phaseolus lunatus. Zea mays. densidade de plantio.vigor.

Palavras-chave: Phaseolus lunatus. Zea mays. densidade de plantio.vigor. QUALIDADE FISIOLÓGICA DE VARIEDADES CRIOULAS DE FAVA E MILHO EM ARRANJOS POPULACIONAIS CONSORCIADOS. Sergio Marques Ebo 1, Maria Clarete Cardoso Ribeiro 2, Fred Denílson Barbosa da Silva 3, Renato Ferreira

Leia mais

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE Prof. Francisco Villela francisco.villela@ufpel.edu.br CUIDADOS DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA DIAS APÓS O FLORESCIMENTO MATURAÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil.

Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil. Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil. Luís Cláudio de Faria 1, Patrícia Guimarães Santos Melo 2, Leonardo Cunha Melo 1, 1, 1, Antônio Joaquim Braga

Leia mais

CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO

CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO Priscila Raiane Assunção de Andrade (1) ; Laura Rodrigues Araújo (2), Rodrigo Mendes de Oliveira

Leia mais

EFEITO DO ACONDICIONAMENTO E DO ARMAZENAMENTO SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI

EFEITO DO ACONDICIONAMENTO E DO ARMAZENAMENTO SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI EFEITO DO ACONDICIONAMENTO E DO ARMAZENAMENTO SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI E. M. TEÓFILO 1, A.S DUTRA 2, F. T. C. DIAS 3 Resumo - O presente trabalho foi realizado com o objetivo

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1)

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1) TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA Milena Fontenele dos Santos (1) 1 Aluna de graduação do curso de Agronomia do Centro Universitário de Patos de Minas

Leia mais

MOMENTO DE APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO EM COBERTURA EM TRIGO: QUALIDADE TECNOLÓGICA E RENDIMENTO DE GRÃOS

MOMENTO DE APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO EM COBERTURA EM TRIGO: QUALIDADE TECNOLÓGICA E RENDIMENTO DE GRÃOS MOMENTO DE APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO EM COBERTURA EM TRIGO: QUALIDADE TECNOLÓGICA E RENDIMENTO DE GRÃOS João Leonardo Fernandes Pires 1, Ricardo Lima de Castro 1, Eliana Maria Guarienti 1, Luiz Eichelberger

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L.

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L. INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L. Elisiane Martins de Lima 1 ; Milena Maria 2 ; Cosmo Rufino de Lima 3 ; Pablo Radamés Cabral

Leia mais

Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro

Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro Flávia M. Nascimento 1, José G. L. Rodrigues 2, Carlos A. Gamero 3, Jairo C. Fernandes 4, Sílvio J. Bicudo 5 1,2,4

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES

IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes DEPTO. DE PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ A SEMENTE É MATERIAL UTILIZADO PARA A MULTIPLICAÇÃO DE PLANTAS E,

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

ANÁLISE DE IMAGENS NA AVALIAÇÃO DE DANOS MECÂNICOS E CAUSADOS POR PERCEVEJOS EM SEMENTE DE FEIJÃO 1

ANÁLISE DE IMAGENS NA AVALIAÇÃO DE DANOS MECÂNICOS E CAUSADOS POR PERCEVEJOS EM SEMENTE DE FEIJÃO 1 121 ANÁLISE DE IMAGENS NA AVALIAÇÃO DE DANOS MECÂNICOS E CAUSADOS POR PERCEVEJOS EM SEMENTE DE FEIJÃO 1 VICTOR AUGUSTO FORTI 2, SILVIO MOURE CICERO 3, TAIS LEITE FERREIRA PINTO 4 RESUMO A possibilidade

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR 28 Resumos da XXXIII Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil - Londrina, PR, agosto de 203 5 PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA

Leia mais

EMERGÊNCIA NO CAMPO E CRESCIMENTO INICIAL DOS CULTIVARES BRS-ENERGIA E BRS- NORDESTINA EM RESPOSTA AO VIGOR DAS SEMENTES.

EMERGÊNCIA NO CAMPO E CRESCIMENTO INICIAL DOS CULTIVARES BRS-ENERGIA E BRS- NORDESTINA EM RESPOSTA AO VIGOR DAS SEMENTES. EMERGÊNCIA NO CAMPO E CRESCIMENTO INICIAL DOS CULTIVARES BRS-ENERGIA E BRS- NORDESTINA EM RESPOSTA AO VIGOR DAS SEMENTES Maria do Socorro Rocha 1, Maria Isaura P. de Oliveira 2, Catarina M. Bandeiras 1,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO SUPERDOCE PELO TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA SANTOS, R. DE S. 1 ;

Leia mais

Estudante do Curso de Agronomia da UEMS, Unidade Universitária de Aquidauana; /bolsista PIBIC/UEMS 2

Estudante do Curso de Agronomia da UEMS, Unidade Universitária de Aquidauana;   /bolsista PIBIC/UEMS 2 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE FEIJÃO COMUM (Phaseolus vulgaris L.) PRODUZIDAS EM AQUIDAUANA- MS Jiuli Ani Vilas Boas Regis 1 ; Agenor Martinho Correa 2 1 Estudante do Curso de Agronomia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA

AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA Mariéle Carolina EBERTZ 1 ; Gilmar Silvério da ROCHA 2 1 Aluna do Curso Técnico em Agropecuária, Instituto Federal Catarinense, Campus Rio do Sul,

Leia mais

Qualidade de Sementes de Milho Armazenadas em Embalagens Alternativas

Qualidade de Sementes de Milho Armazenadas em Embalagens Alternativas Qualidade de Sementes de Milho rmazenadas em Embalagens lternativas Maize Seeds Quality Stored in lternative Packages OLIVEIR,. C. S. UENF, kisanazario@yahoo.com.br; COELHO, F. C. UENF, fcoelho@uenf.br;

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE FISIOLÓGICA EM SEMENTES DE GIRASSOL COM E SEM PERICARPOS. Vicente de Paula Queiroga 1 ; José Maria Durán 2

ANÁLISE DA QUALIDADE FISIOLÓGICA EM SEMENTES DE GIRASSOL COM E SEM PERICARPOS. Vicente de Paula Queiroga 1 ; José Maria Durán 2 Página 1944 ANÁLISE DA QUALIDADE FISIOLÓGICA EM SEMENTES DE GIRASSOL COM E SEM PERICARPOS Vicente de Paula Queiroga 1 ; José Maria Durán 2 1 Embrapa Algodão, CP 174, Rua Osvaldo Cruz, 1143, Centenário,

Leia mais

Avaliação do desenvolvimento inicial de milho crioulo cultivados na região do Cariri Cearense através de teste de germinação

Avaliação do desenvolvimento inicial de milho crioulo cultivados na região do Cariri Cearense através de teste de germinação Juazeiro do Norte-CE, 17 a 19 de Dezembro de Avaliação do desenvolvimento inicial de milho crioulo cultivados na região do Cariri Cearense através de teste de germinação Rubens Rangel Rolim 1 Silvério

Leia mais

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Larissa Fatarelli Bento 1, Maria Aparecida Braga Caneppele 2, Dayse Félix do Nascimento 3, Aline Lehmkuhl 1, Carlos Caneppele 2 64 1

Leia mais

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA 14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA CULTURA DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar a eficácia dos herbicidas Boral, Classic, e Spider visando o manejo do complexo

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 02 AVALIAÇÃO DE CULTIVAR TECNOLOGIA RR2 (Intacta Objetivo Avaliar diferentes cultivares de soja com tecnologia RR2 (Intacta RR2 PRO) em duas épocas de semeadura em Lucas do Rio Verde MT. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

Qualidade fisiológica de sementes de milho crioulo cultivadas no norte de Minas Gerais.

Qualidade fisiológica de sementes de milho crioulo cultivadas no norte de Minas Gerais. Qualidade fisiológica de sementes de milho crioulo cultivadas no norte de Minas Gerais. Hugo C. R. M. Catão 1 ; Delacyr da S. Brandão Junior 1 ; Nilza de L. P. Sales 1 e Izabel C. P. V. Ferreira 1 1 Universidade

Leia mais

Vigor de Plântulas de Milho Submetidas ao Tratamento de Sementes com Produto Enraizador

Vigor de Plântulas de Milho Submetidas ao Tratamento de Sementes com Produto Enraizador Vigor de Plântulas de Milho Submetidas ao Tratamento de Sementes com Produto Enraizador RODRIGO B. SANTOS¹, ISABEL C. VINHAL-FREITAS 2, DIEGO A. F. FRANCO 3, CARLA V. FERREIRA 4 e HELVIO C. VIEIRA JUNIOR

Leia mais

FREQÜÊNCIA DE SEMENTES DE COLORAÇÃO ATÍPICA EM CACHOS DE MAMONA COLHIDOS EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO*

FREQÜÊNCIA DE SEMENTES DE COLORAÇÃO ATÍPICA EM CACHOS DE MAMONA COLHIDOS EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO* FREQÜÊNCIA DE SEMENTES DE COLORAÇÃO ATÍPICA EM CACHOS DE MAMONA COLHIDOS EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO* Amanda Micheline Amador de Lucena 1, Liv Soares Severino 2, Valdinei Sofiatti 2, Napoleão Esberard

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L)

UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L) UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L) Renato Augusto Alves 1, Maria Laene Moreira de Carvalho 1, Antônio Lucrécio dos

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

VIGOR EM SEMENTES DE MILHETO. DEA ALÉCIA M. NETTO, ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA e RAMIRO V. ANDRADE

VIGOR EM SEMENTES DE MILHETO. DEA ALÉCIA M. NETTO, ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA e RAMIRO V. ANDRADE VIGOR EM SEMENTES DE MILHETO DEA ALÉCIA M. NETTO, ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA e RAMIRO V. ANDRADE Embrapa Milho e Sorgo, Rod. MG 424 Km 65, CP 151, 35700-901, Sete Lagoas, MG. dea@cnpms.embrapa.br Palavras-chave:

Leia mais

QUALIDADE FISIOLOGICA DE SEMENTE DE SOJA EM FUNÇÃO DO TAMANHO DA SEMENTE E DA CULTIVAR

QUALIDADE FISIOLOGICA DE SEMENTE DE SOJA EM FUNÇÃO DO TAMANHO DA SEMENTE E DA CULTIVAR Qualidade Fisiológica de Sementes de Soja de Diferentes Tamanhos QUALIDADE FISIOLOGICA DE SEMENTE DE SOJA EM FUNÇÃO DO TAMANHO DA SEMENTE E DA CULTIVAR Ronaldo João Vendrame 1 Silmar Teichert Peske ² Ewerton

Leia mais

MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO. Resumo

MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO. Resumo MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO Denardin, J.E. 1 ; Kochhann, R.A. 1 Resumo Presume-se que semeadoras para plantio direto apresentam problemas operacionais para semear trigo

Leia mais

Feksa, H. 1, Antoniazzi, N. 1, Domit, R. P. 2, Duhatschek, B. 3. Guarapuava PR. Palavras-chave: aviação agrícola, fungicida, rendimento, FAPA OBJETIVO

Feksa, H. 1, Antoniazzi, N. 1, Domit, R. P. 2, Duhatschek, B. 3. Guarapuava PR. Palavras-chave: aviação agrícola, fungicida, rendimento, FAPA OBJETIVO Aviação Agrícola com Tecnologia BVO versus Fungicida visando o Controle de Diplodia macrospora e Cercospora zeae-maydis, nos Híbridos DKB 214/DKB 215 na Região de Guarapuava/PR. FAPA - Cooperativa Agrária

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ARROZ DA REGIÃO DE MATUPÁ-MT

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ARROZ DA REGIÃO DE MATUPÁ-MT 110 NOTA TÉCNICA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ARROZ DA REGIÃO DE MATUPÁ-MT LILIAN CHRISTIAN DOMINGUES DE SOUZA 1, MARCO ANTÔNIO CAMILLO DE CARVALHO 2, LÚCIA FILGUEIRAS BRAGA 3 E MARCÍLIO PEREIRA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE SORGO PELO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO 1

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE SORGO PELO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO 1 226 D.M. MIRANDA et al. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE SORGO PELO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO 1 DENISE MESA DE MIRANDA 2, ANA DIONISIA DA LUZ COELHO NOVEMBRE 3 E HELENA MARIA CARMIGNANI

Leia mais

Tipos de Bandejas e Número de Sementes por Célula Sobre o Desenvolvimento e Produtividade de Rúcula.

Tipos de Bandejas e Número de Sementes por Célula Sobre o Desenvolvimento e Produtividade de Rúcula. Tipos de Bandejas e Número de Sementes por Célula Sobre o Desenvolvimento e Produtividade de Rúcula. Luis Felipe V. Purquerio 1, Ary Gertes Carneiro Jr. 1, Rumy Goto 1. 1 UNESP-FCA, Depto. Produção Vegetal/Horticultura,

Leia mais

AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI. Bolsista PBIC/UEG, graduanda do curso de Agronomia, UnU Ipameri-UEG.

AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI. Bolsista PBIC/UEG, graduanda do curso de Agronomia, UnU Ipameri-UEG. AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI FERNANDA DE CÁSSIA SILVA 1, NEI PEIXOTO 2, MARIA MARTA ANTÔNIA DA SILVA 3, DIANA CRISTINA DA SILVA 3. 1 Bolsista PBIC/UEG,

Leia mais

DESEMPENHO FISIOLÓGICO BOTELHO, DE SEMENTES F. J. E. et al. DE FEIJÃO COLHIDAS EM DIFERENTES PERÍODOS DO DESENVOLVIMENTO

DESEMPENHO FISIOLÓGICO BOTELHO, DE SEMENTES F. J. E. et al. DE FEIJÃO COLHIDAS EM DIFERENTES PERÍODOS DO DESENVOLVIMENTO 900 DESEMPENHO FISIOLÓGICO BOTELHO, DE SEMENTES F. J. E. et al. DE FEIJÃO COLHIDAS EM DIFERENTES PERÍODOS DO DESENVOLVIMENTO Physiological performance of bean (Phaseolus vulgaris L.) seeds harvested in

Leia mais

TEMPO DE COZIMENTO DE RAÍZES DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA DE MESA (Manihot esculenta Crantz) SOB SISTEMA IRRIGADO E DE SEQUEIRO)

TEMPO DE COZIMENTO DE RAÍZES DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA DE MESA (Manihot esculenta Crantz) SOB SISTEMA IRRIGADO E DE SEQUEIRO) TEMPO DE COZIMENTO DE RAÍZES DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA DE MESA (Manihot esculenta Crantz) SOB SISTEMA IRRIGADO E DE SEQUEIRO) Rosangela Nascimento da Silva Ribeiro 1 ; Maurício Antônio Coelho Filho 2 ;

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GIRASSOL (Helianthus annuus L.)

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GIRASSOL (Helianthus annuus L.) QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GIRASSOL (Helianthus annuus L.) Jamille Ferreira dos Santos¹, Clovis Pereira Peixoto², José Augusto Reis de Almeida ³; Lucas de Oliveira Ribeiro 4, Ana Maria Pereira

Leia mais

Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo

Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo Francielly Q. G. Alves; Fabiano C. Silva; Andréia M. S. S. David; Irton J. S. Costa, Danilo A. Simões e Renato M. de Oliveira. UNIMONTES-Centro

Leia mais

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Teófilo, Elizita Maria; Dutra, Alek Sandro; Cunha Dias, Francisco Tiago Potencial fisiológico de sementes de

Leia mais