QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO."

Transcrição

1 QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. Andréa dos Santos Oliveira, Renata Silva-Mann, Michelle da Fonseca Santos, Itamara Bomfim Góis, Heloísa Oliveira dos Santos, Thiago Matos Andrade, José Bispo dos Santos Júnior e Fabrício Lopes de Macedo 1 Universidade Federal de Sergipe, RESUMO - No armazenamento, a qualidade inicial das sementes e condições do ambiente influenciam no processo de deterioração. Pensando na manutenção da viabilidade e vigor das sementes, este trabalho teve como objetivo submeter sementes de mamona a diferentes condições de armazenamento, visando a definição de tempo, embalagem e ambiente para preservação de sementes de mamona. Foram utilizadas sementes de mamona, cultivar Nordestina, oriundas da Embrapa Algodão, avaliando locais de armazenamento (ambiente e geladeira); embalagens (comercial e polipropileno (PET)), e 3 períodos (0, 72 e144 dias), totalizando 12 tratamentos com quatro repetições. A qualidade fisiológica das sementes foi avaliada por meio dos testes de grau de umidade (%U), condutividade elétrica (CE), germinação (%G) e índice de velocidade de germinação (IVG). Em local refrigerado, a porcentagem de germinação em 0 dia (44,8%) diferiu estatisticamente de demais tempos e nas embalagens, maiores médias foram observadas para embalagem de polipropileno (36%). No local ambiente, a porcentagem de germinação em 0 dia (44,8%) diferiu estatisticamente dos demais tempos e nas embalagens, maiores médias foram observadas para comercial (34,4%)%. No IVG, as maiores médias foram observadas para 0 dia (0,80) e sementes armazenadas em local ambiente e embalagem comercial obtiveram as maiores médias (1,00) em 144 dias. INTRODUÇÃO A obtenção de sementes de alta qualidade representa a meta prioritária dentro do processo de produção, pois, de um modo geral, a germinação e a emergência das plântulas são reflexos da qualidade fisiológica. A causa das falhas de germinação, ou mesmo da redução da velocidade de emergência, freqüentemente é atribuída ao baixo vigor, associado ao processo de deterioração (ROSSETO, 1997 b). Durante todo o processo de produção e processamento de sementes, providências devem ser tomadas para a obtenção e preservação da qualidade fisiológica, principalmente os relacionados a tratamentos de armazenamento de sementes. No armazenamento, a velocidade do processo deteriorativo pode ser controlada em função da longevidade, da qualidade inicial das sementes e das condições do ambiente. Como a longevidade é uma característica genética inerente à espécie, somente a qualidade inicial das sementes e as condições do ambiente de armazenamento podem ser manipuladas (CARVALHO e NAKAGAWA, 2000).

2 Avaliando o beneficiamento e armazenamento de sementes de mamona, cultivar Nordestina, observou-se que houve maiores valores da germinação em sementes armazenadas em bolsas de polietileno preto armazenadas em temperatura ambiente e uma melhor expressão do vigor, mantendo sua qualidade fisiológica por um período de 9 meses (SOARES, 2001). Pensando na manutenção da viabilidade e vigor das sementes, este trabalho teve como objetivo submeter diferentes condições de armazenamento, visando a definição de tempo, embalagem e ambiente para preservação de sementes de mamona. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido no laboratório de Tecnologia de Sementes da Universidade Federal de Sergipe, no período de agosto de 2005 a maio de Foram utilizadas sementes de mamona, cultivar Nordestina, oriundas da Embrapa Algodão (CNPA), em Campina Grande-PB. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado (DIC) em esquema fatorial 2X2X3, sendo dois locais de armazenamento ambiente (temperatura média de 28 C) e geladeira (temperatura média de 5 C); duas embalagens (comercial e polipropileno (PET) com volume de 500mL), e 3 períodos (0, 72 e144 dias), totalizando 12 tratamentos com quatro repetições. A qualidade fisiológica das sementes foi avaliada por meio dos testes de grau de umidade (%U), condutividade elétrica (CE), germinação (%G) e índice de velocidade de germinação (IVG). O grau de umidade foi determinado pelo método da estufa a 105º C ± 3ºC por 24 horas, utilizando-se quatro subamostras de 25 gramas, e os resultados obtidos pelo cálculo baseado no peso úmido (Brasil, 1992). Para a condutividade elétrica (CE) foram utilizadas quatro subamostras de 25 sementes colocadas em copos plásticos contendo 75mL de água deionizada a 25 C por 24 horas. Os lixiviados foram avaliados por meio de leitura em condutivímetro modelo Quimis Q145D e expressos em µs/cm/g (AOSA, 1983). Para os testes de germinação e índice de velocidade de germinação foram utilizadas quatro subamostras de 50 sementes, acondicionadas em caixas plásticas tipo gerbox. O substrato utilizado foi papel mata borrão umedecido com água destilada no volume equivalente a 2,5 vezes o peso do substrato. As sementes foram mantidas em germinador tipo Mangelsdorf 30ºC sob luz contínua e as avaliações realizadas diariamente, sendo os resultados expressos em percentagem média de plântulas normais, de acordo com os critérios estabelecidos pelas Regras para Análise de Sementes (BRASIL, 1992). Com os dados diários de plântulas normais, foi calculada a velocidade de germinação, segundo Maguire (1962). A análise estatística foi realizada utilizando-se o procedimento ANAVA do sistema

3 estatístico SANEST. Avaliaram-se os efeitos de embalagens, tempo e ambiente e a interação entre embalagens, tempo e ambientes nos respectivos tratamentos. RESULTADOS E DISCUSSÃO Dados observados na porcentagem de germinação e IVG permitem inferir que houve interação significativa entre tempos e locais e armazenamento de sementes de mamona (Tab. 1). Quanto ao armazenamento em ambiente refrigerado, maiores médias foram observadas para 0 dia (44,8%), diferindo estatisticamente de 72 (28,8%) e 144 dias (24,0%). No armazenamento em ambiente, maiores médias foram observadas para a 0 dia (44,8%), diferindo estatisticamente de 144 (34,4%) e 72 dias (15,6%) (Tab. 2). Na interação entre embalagens e locais, não houve diferença significativa entre os tratamentos (Tab. 3). Entretanto, as maiores médias foram observadas para armazenamento em embalagem de polipropileno em local refrigerado (36%), seguidos de embalagem comercial em local ambiente (34,4%), embalagem comercial em local refrigerado (29,7%) e embalagem de polipropileno em local ambiente (28,8%). No Índice de velocidade de germinação, houve interação entre locais, embalagens e tempo de armazenamento (Tab. 3). No local de armazenamento refrigerado e embalagem comercial, as maiores médias foram observadas para a 0 dia (0,80), seguido de 72 (0,40) e 144 dias (0,00). Para a embalagem de polipropileno armazenado em local refrigerado, maiores médias foram observadas para a 0 dia (0,80), seguido de 72 (0,60) e 144 dias (0,60). No local de armazenamento ambiente e embalagem comercial, as maiores médias foram observadas para 0 dia (0,80), seguido de 144 (1,00) e 72 dias (0,20). Para a embalagem de polipropileno armazenado em local refrigerado, maiores médias foram observadas para a 0 dia (0,80), seguido de 144 (0,20) e 72 dias (0,00) (Tab. 4). O grau de umidade das sementes decresceu ao longo do armazenamento, apresentando o mesmo comportamento em todos os tratamentos analisados (Fig. 1). Obteve-se maior grau de umidade no tempo de 0 dia (9,41%) e menor em 144 dias (4,81%). Para a conservação de sementes oleaginosas é indicado que a umidade esteja em torno de 6-7%. No armazenamento de sementes da mesma cultivar, avaliando tipos de beneficiamento, embalagem e tempo de armazenamento, foi observado valores de umidade em torno de 6%, com menores calores de umidade para a embalagem de polipropileno (SOARES, 2001). Na condutividade elétrica, maiores valores foram observados no tempo de 0 dia (103,2µS/cm/g), decrescendo ao longo tempo, independente da embalagem e do local de armazenamento (Fig. 2). Provavelmente, valores

4 elevados de condutividade elétrica se devem ao fato de, nestas sementes possuírem compostos fenólicos que possam elevar os valores da condutividade elétrica. CONCLUSÃO De acordo com os dados observados pode-se concluir que o tempo de 0 apresentou um melhor desempenho do que os demais tempos. Quanto à embalagem, pode ser utilizada tanto a de polipropileno quanto a comercial e no local de armazenamento pode ser em temperatura ambiente ou refrigerada. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIATION OF OFFICIAL SEED ANALYSIS. Seed vigor testing handbook. East Lansing: AOSA, p. (Contribution, 32). BRASIL. Ministério da Agricultura e da Reforma Agrária. Regras para análises de sementes. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV, p. CARVALHO, N.M., NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4. ed. Jaboticabal: FUNEP, p. ROSSETTO, C.A.V; NOVEMBRE, A.D. da L.C; MARCOS FILHO, J.; SILVA, W. R. da & NAKAGAWA, J.; Efeito da disponibilidade hídrica do substrato, da qualidade fisiológica e do teor de água inicial das sementes de soja no processo de germinação. Scientia Agricola, Jan./Ago Piracicaba, v.54, n. 1-2, p (b). SOARES, C. S. Beneficiamento e armazenamento de sementes de mamoneira (Ricinus communis L.) Campina Grande, p. Dissertação. Tabela 1. Resumo da Análise de variância da germinação de sementes de mamona submetidas a diferentes condições de armazenamento. São Cristóvão-SE, UFS, GERMINAÇÃO (%) Causas de Variação Quadrado Médio F Tempo 2677,0667 0,00001** Local 13,0667 0,74359 n.s. Embalagem 6,6667 0,81228 n.s. Tempo X Local 699,4667 0,00646** Tempo X Embalagem 25,8667 0,81404 n.s. Local X Embalagem 589,0667 0,03204 n.s. Tempo X Local X Embalagem 163,4667 0,27568 n.s. C.V. (%) 32,07

5 IVG Tempo 10,2105 0,00039** Local 0,4211 0,52647 n.s. Embalagem 0,0000 1,00000 n.s. Tempo X Local 3,8947 0,02633 n.s. Tempo X Embalagem 0,3158 0,73520 n.s. Local X Embalagem 10,5263 0,00249** Tempo X Local X Embalagem 3,2632 0,04651 n.s. C.V. (%) 74,61 ** valores significativos a 1% de probabilidade pelo teste de F * valores significativos a 5% de probabilidade pelo teste de F n.s. valores não significativos pelo teste de F Tabela 2. Porcentagem de germinação média de sementes de mamona (Ricinus communis L.) para diferentes tempos e locais, submetidas a diferentes condições de armazenamento. São Cristóvão-SE, UFS, TEMPO LOCAL REFRIGERADO AMBIENTE 0 44,80 a A 44,80 a A 72 28,80 b A 15,60 b A ,00 b A 34,40 b A * Médias seguidas de letra minúscula nas colunas, e maiúscula nas linhas não diferem entre si a 1% de probabilidade pelo teste de Tukey. Tabela 3. Porcentagem de germinação média de sementes de mamona (Ricinus communis L.) para diferentes embalagens e locais, submetidas a diferentes condições de armazenamento. São Cristóvão- SE, UFS, EMBALAGEM LOCAL REFRIGERADO AMBIENTE Comercial 29,07 a A 34,40 a A Polipropileno 36,00 a A 28,80 a A * Médias seguidas de letra minúscula nas colunas e maiúscula nas linhas não diferem entre si a 1% de probabilidade pelo teste de Tukey. Tabela 4. Índice de velocidade de germinação (IVG) de sementes de mamona (Ricinus communis L.) para diferentes tempos, embalagens e Locais. São Cristóvão-SE, UFS, ÍNDICE DE VELOCIDADE DE GERMINAÇÃO (IVG) Refrigerado Comercial 0,80 aa 0,40 aba 0,00 bb Polipropileno 0,80 aa 0,60 aa 0,60 aa Ambiente Comercial 0,80 aa 0,20 ba 1,00 aba Polipropileno 0,80 aa 0,00 ba 0,20 aba * Médias seguidas de letra minúscula, nas linhas e letra maiúscula nas colunas, não diferem entre si a 1% de probabilidade pelo teste de Tukey.

6 Grau de umidade (%U) Locais de arm azenam ento Ambiente comercial Ambiente polietileno Refrigerado comercial Refrigerado poleitileno Figura 1. Grau de umidade de (%U) de sementes de mamona (Ricinus communis L.) armazenadas em função dos locais e do tempo de armazenamento,. São Cristóvão-SE, UFS, Condutividade Elétrica (us/cm/g) Tempo (dias) Ambiente comercial Ambiente polietileno Refrigerado comercial Refrigerado poleitileno Figura 2. Condutividade elétrica (µs/cm/g) de sementes de mamona (Ricinus communis L.) armazenadas em função dos locais de e tempo de armazenamento. São Cristóvão-SE, UFS, 2006.

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB Sandra Maria de Figueiredo 1, Fernanda Fernandes de Melo

Leia mais

ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE JACARANDÁ-DE-MINAS (Jacaranda cuspidifolia Mart.) Graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG 2

ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE JACARANDÁ-DE-MINAS (Jacaranda cuspidifolia Mart.) Graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG 2 ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE JACARANDÁ-DE-MINAS (Jacaranda cuspidifolia Mart.) Sarah Cristine Martins Neri 1 ; Odilon Peixoto de Moraes Júnior 1 ; Saulo Araújo de Oliveira 2 1 Graduandos do Curso de Agronomia,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE SORGO PELO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO 1

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE SORGO PELO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO 1 226 D.M. MIRANDA et al. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE SORGO PELO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO 1 DENISE MESA DE MIRANDA 2, ANA DIONISIA DA LUZ COELHO NOVEMBRE 3 E HELENA MARIA CARMIGNANI

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA PRODUZIDAS NO MUNICÍPIO DE FREDERICO WESTPHALEN-RS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA PRODUZIDAS NO MUNICÍPIO DE FREDERICO WESTPHALEN-RS AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA PRODUZIDAS NO MUNICÍPIO DE FREDERICO WESTPHALEN-RS Juliano dos Santos 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Neuri Antonio Feldmann 3, Anderson Rhoden 3 Palavras-chave:

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill)

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) Gleberson Guillen Piccinin 1, Lilian Gomes de Moraes

Leia mais

CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO

CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO Priscila Raiane Assunção de Andrade (1) ; Laura Rodrigues Araújo (2), Rodrigo Mendes de Oliveira

Leia mais

Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS.

Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS. Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS. Mateus Cassol Tagliani 1, Katia Christina Zuffellato-Ribas 2 RESUMO: Biodiesel é

Leia mais

EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS FEIJÃO E MAMONA SOB CONSÓRCIO

EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS FEIJÃO E MAMONA SOB CONSÓRCIO EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS FEIJÃO E MAMONA SOB CONSÓRCIO Lucas de Abreu Dias 1 ; Itamar Rosa Teixeira 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduando do curso de Engenharia

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA

INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA Amanda Micheline Amador de Lucena 1, Liv Soares Severino 2, Valdinei Sofiatti 2, Maria Aline de

Leia mais

TEOR DE CINZAS E MATÉRIA ORGÂNICA DA TORTA DE MAMONA EM FUNÇÃO DO ARMAZENAMENTO EM DIFERENTES EMBALAGENS*

TEOR DE CINZAS E MATÉRIA ORGÂNICA DA TORTA DE MAMONA EM FUNÇÃO DO ARMAZENAMENTO EM DIFERENTES EMBALAGENS* TEOR DE CINZAS E MATÉRIA ORGÂNICA DA TORTA DE MAMONA EM FUNÇÃO DO ARMAZENAMENTO EM DIFERENTES EMBALAGENS* Robson César Albuquerque 1, Lígia Rodrigues Sampaio 2, Rúbia Rafaela Ferreira Ribeiro 2, Napoleão

Leia mais

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica)

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica) UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE ( abyssinica) A busca por novas fontes alternativas de combustíveis tem despertado o interesse de agricultores para o cultivo de plantas com características

Leia mais

Germinação e Vigor de Sementes de Milho Armazenadas nas Condições Ambientais do Sul do Tocantins

Germinação e Vigor de Sementes de Milho Armazenadas nas Condições Ambientais do Sul do Tocantins Germinação e Vigor de Sementes de Milho Armazenadas nas Condições Ambientais do Sul do Tocantins CARVALHO, E. V., AFFÉRRI, F. S., SIEBENEICHLER, S. C., MATOS, W. L. e SANTOS, R. P. L. flavio@uft.com.br;

Leia mais

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Barros Torres, Salvador Qualidade de sementes de melancia armazenadas em diferentes embalagens e ambientes

Leia mais

METODOLOGIA PARA A CONDUÇÃO DO TESTE DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE (Jatropha curcas L.)

METODOLOGIA PARA A CONDUÇÃO DO TESTE DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE (Jatropha curcas L.) METODOLOGIA PARA A CONDUÇÃO DO TESTE DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE (Jatropha curcas L.) Cristiane Alves Fogaça, PGCAF/UFRRJ, fogacac@yahoo.com.br Luany Leal da Silva, IF/UFRRJ, luany_leal@hotmail.com José

Leia mais

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo PRANDO, A.M. 1 ; ZUCARELI, C. 1 ; FRONZA, V. 2 ; BASSOI, M.C. 2 ; OLIVEIRA, F.A. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO SUPERDOCE PELO TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA SANTOS, R. DE S. 1 ;

Leia mais

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO Daniela GOETEN 1, Joacir do NASCIMENTO 2, Oscar Emilio Ludtke HARTHMANN 3 1 Acadêmica do curso de Agronomia

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L.

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L. INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L. Elisiane Martins de Lima 1 ; Milena Maria 2 ; Cosmo Rufino de Lima 3 ; Pablo Radamés Cabral

Leia mais

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER Efeito Alelopático do Óleo Essencial de Citronela (Cymbopogon winterianus) Sobre a Germinação de Sementes de Picão-Preto e de Milho em Diferentes Épocas de Aplicação. MARIA LITA PADINHA CORREA 1, ANA PAULA

Leia mais

EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. ;José C.

EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. ;José C. EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. Ronaldo S. Viana ;José C. Lopes Bolsista, CNPq/PIVIC, Universidade Federal do

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L)

UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L) UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L) Renato Augusto Alves 1, Maria Laene Moreira de Carvalho 1, Antônio Lucrécio dos

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011 TESTE DE GERMINAÇÃO PARA AVALIAR A QUALIDADE DA SEMENTE DO MILHO PIPOCA Laianny Morais Maia¹, Silvério de Paiva Freitas Júnior², Mikaelle Cavalcante de Brito¹, Cícero Secifram da Silva¹, Edilza Maria Felipe

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS Gislaine Paganucci Alves¹; Cinthia Eyng²; Valdiney Cambuy Siqueira²; Rodrigo

Leia mais

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA *

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * Tarcísio Marcos de Souza Gondim 1, Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva

Leia mais

EFEITO DO CONDICIONAMENTO OSMÓTICO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO COLORIDO (Gossypium hirsutum L. )

EFEITO DO CONDICIONAMENTO OSMÓTICO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO COLORIDO (Gossypium hirsutum L. ) 20 a 24 de outubro de 2008 EFEITO DO CONDICIONAMENTO OSMÓTICO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO COLORIDO (Gossypium hirsutum L. ) Raquel Romão Sevilha 1, Marilda Oliveira de Souza 2, Patricia

Leia mais

EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA.

EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA. EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA Joab Josemar Vitor Ribeiro do Nascimento 1, Maria José Vieira Tavares 2, Liv Soares Severino 3, Valdinei Sofiatti 3 1UFCG,

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE LOTES COMERCIAS DE SEMENTES DE ABOBRINHA (Cucurbita pepo L).

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE LOTES COMERCIAS DE SEMENTES DE ABOBRINHA (Cucurbita pepo L). QUALIDADE FISIOLÓGICA DE LOTES COMERCIAS DE SEMENTES DE ABOBRINHA (Cucurbita pepo L). Juliana Zambon Holzmann (PIBIC/Araucária/UENP-CLM), Tamiris Tonderys Villela, Cristina Batista de Lima (orientadora.

Leia mais

EFEITO DO RESÍDUO EXAURIDO DO CULTIVO DE COGUMELOS SOBRE A GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Eucalyptus dunnii

EFEITO DO RESÍDUO EXAURIDO DO CULTIVO DE COGUMELOS SOBRE A GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Eucalyptus dunnii EFEITO DO RESÍDUO EXAURIDO DO CULTIVO DE COGUMELOS SOBRE A GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Eucalyptus dunnii Claudia M. B. F. Maia * O cultivo do cogumelo Agaricus sp. gera um resíduo em avançado estado de compostagem

Leia mais

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática Deterioração e vigor Profª Marcela Carlota Nery Deterioração Processo progressivo e irreversível Respiração Alterações na atividade enzimática Alterações no tegumento das sementes Alterações nas taxas

Leia mais

EFEITO DO DEFICIT DE ÁGUA NO SOLO SOBRE A RELAÇÃO RAIZ/PARTE AÉREA NAS CULTIVARES DE MAMONA BRS 149 e BRS 188

EFEITO DO DEFICIT DE ÁGUA NO SOLO SOBRE A RELAÇÃO RAIZ/PARTE AÉREA NAS CULTIVARES DE MAMONA BRS 149 e BRS 188 EFEITO DO DEFICIT DE ÁGUA NO SOLO SOBRE A RELAÇÃO RAIZ/PARTE AÉREA NAS CULTIVARES DE MAMONA BRS 149 e BRS 188 Genival Barros Júnior 1, Hugo Orlando Carvallo Guerra 1, Mario Luiz Farias Cavalcanti 1, Rogério

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FISICO-QUÍMICA DO ÓLEO DE GENÓTIPOS DE MAMONA

CARACTERIZAÇÃO FISICO-QUÍMICA DO ÓLEO DE GENÓTIPOS DE MAMONA CARACTERIZAÇÃO FISICO-QUÍMICA DO ÓLEO DE GENÓTIPOS DE MAMONA Idila Maria da Silva Araújo 1, Tarcísio Marcos de Souza Gondim 2, Jonas dos Santos Sousa 3, Emanuel Neto Alves de Oliveira 3, Alexandre Barbosa

Leia mais

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Página 1650 COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Marcelo Abdon Lira 1 ; Máira Milani 2 ; Hélio Wilson Lemos de Carvalho 3 ; João

Leia mais

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Gabriel Moraes Costa (1), Roberto Fontes Araujo (2), Eduardo Fontes Araujo (3), João Batista

Leia mais

ENVELHECIMENTO ACELERADO COMO TESTE DE VIGOR PARA SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI

ENVELHECIMENTO ACELERADO COMO TESTE DE VIGOR PARA SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI ENVELHECIMENTO ACELERADO COMO TESTE DE VIGOR PARA SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI A. S. DUTRA e E. M. TEÓFILO 2 Resumo O trabalho foi desenvolvido com o objetivo de estudar os procedimentos para condução do teste

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.)

AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.) AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA REMOÇÃO DA MUCILAGEM DE SEMENTES DE TOMATE (Lycopersicon esculentum, MILL.) Washigton Cézar de ANDRADE (1), Fabio TEZORI (1), Edson Pereira GUIA (1), Ediane Abadia SILVA (1),

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.)

EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) Reynaldo de Mello Torres Docente da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal de Garça SP. Dagoberto

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONA DAS VARIEDADES BRS 149 NORDESTINA E BRS 188 PARAGUAÇU EM FUNÇÃO DO VOLUME DO RECIPIENTE

DETERMINAÇÃO DO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONA DAS VARIEDADES BRS 149 NORDESTINA E BRS 188 PARAGUAÇU EM FUNÇÃO DO VOLUME DO RECIPIENTE DETERMINAÇÃO DO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONA DAS VARIEDADES BRS 149 NORDESTINA E BRS 188 PARAGUAÇU EM FUNÇÃO DO VOLUME DO RECIPIENTE Djair Felix da Silva 1, Roseane Cristina Prédes Trindade 2, Mauro

Leia mais

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Larissa Fatarelli Bento 1, Maria Aparecida Braga Caneppele 2, Dayse Félix do Nascimento 3, Aline Lehmkuhl 1, Carlos Caneppele 2 64 1

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Piptadenia moniliformis BENTH.

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Piptadenia moniliformis BENTH. GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Piptadenia moniliformis BENTH. Laielle Lisboa da Silva (1) ; Alécio Martins Pereira da Silva (2). Estudante; UFPI/Universidade Federal do Piauí; laielle1@hotmail.com; (1) Estudante;

Leia mais

EFEITO DO ACONDICIONAMENTO E DO ARMAZENAMENTO SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI

EFEITO DO ACONDICIONAMENTO E DO ARMAZENAMENTO SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI EFEITO DO ACONDICIONAMENTO E DO ARMAZENAMENTO SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI E. M. TEÓFILO 1, A.S DUTRA 2, F. T. C. DIAS 3 Resumo - O presente trabalho foi realizado com o objetivo

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação do Tratamento de Sementes de Milho com os Inseticidas Tiodicarbe + Imidacloprido e Carbofuran + Zinco na

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139 Página 2139 QUIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) ARMAZENADAS 1 Givanildo Zildo da Silva¹; Joel Martins Braga Júnior¹; Riselane de Alcântara Bruno¹; Cibele dos Santos Ferrari¹;

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE SEMENTES DE MAMONA SEPARADAS EM CLASSES PELA COR DO TEGUMENTO

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE SEMENTES DE MAMONA SEPARADAS EM CLASSES PELA COR DO TEGUMENTO COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE SEMENTES DE MAMONA SEPARADAS EM CLASSES PELA COR DO TEGUMENTO Amanda Micheline Amador de Lucena 1 ; Liv Soares Severino 2 ; Napoleão Esberard de Macêdo Beltrão 2 ; Maria Aline de

Leia mais

Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro

Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro Flávia M. Nascimento 1, José G. L. Rodrigues 2, Carlos A. Gamero 3, Jairo C. Fernandes 4, Sílvio J. Bicudo 5 1,2,4

Leia mais

SISTEMA DE PLANTIO E PRODUTIVIDADE DA MAMONEIRA CULTIVADA EM ÁREA DE SEQUEIRO NO MUNICÍPIO DE CASA NOVA-BA

SISTEMA DE PLANTIO E PRODUTIVIDADE DA MAMONEIRA CULTIVADA EM ÁREA DE SEQUEIRO NO MUNICÍPIO DE CASA NOVA-BA SISTEMA DE PLANTIO E PRODUTIVIDADE DA MAMONEIRA CULTIVADA EM ÁREA DE SEQUEIRO NO MUNICÍPIO DE CASA NOVA-BA Marcos Antonio Drumond 1, José Barbosa dos Anjos 2 e Luiz Balbino Morgado 3 Embrapa Semi-Árido

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213 Página 1213 COMPORTAMENTO DA CULTIVAR DE MAMONA BRS ENERGIA CULTIVADA SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTIO EM IRECÊ, BA Jalmi Guedes Freitas 1, José Carlos Aguiar da Silva 1, Jocelmo Ribeiro Mota 1 Gilvando

Leia mais

Qualidade de Sementes de Milho Armazenadas em Embalagens Alternativas

Qualidade de Sementes de Milho Armazenadas em Embalagens Alternativas Qualidade de Sementes de Milho rmazenadas em Embalagens lternativas Maize Seeds Quality Stored in lternative Packages OLIVEIR,. C. S. UENF, kisanazario@yahoo.com.br; COELHO, F. C. UENF, fcoelho@uenf.br;

Leia mais

TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA.

TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA. TOLERÂNCIA DE CULTIVARES DE MAMONEIRA À TOXICIDADE DE ALUMÍNIO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Adriana Rodrigues Passos 1, Simone Alves Silva 1, Fernando Irajá Félix de Carvalho 2, Irineu Hartwig 2, Maraísa Crestani

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO ARMAZENADAS EM FUNÇÃO DE DIFERENTES TRATAMENTOS E CULTIVARES

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO ARMAZENADAS EM FUNÇÃO DE DIFERENTES TRATAMENTOS E CULTIVARES ISSN 1517-8595 43 QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO ARMAZENADAS EM FUNÇÃO DE DIFERENTES TRATAMENTOS E CULTIVARES Vicente de Paula Queiroga 1, Lílian Batista de Queiroz Castro 2, Josivanda Palmeira

Leia mais

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Propagação Vegetativa de Piper hispidum Sw.

Leia mais

GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE MILHO TRATADAS COM O MEDICAMENTO HOMEPÁTICO Antimonium crudum

GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE MILHO TRATADAS COM O MEDICAMENTO HOMEPÁTICO Antimonium crudum 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE MILHO TRATADAS COM O MEDICAMENTO HOMEPÁTICO Antimonium crudum Rosimar Maria Marques 1, Vicente Wagner Dias Casali 1,

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

COMBINAÇÃO DE CASCA E TORTA DE MAMONA COMO ADUBO ORGÂNICO PARA A MAMONEIRA

COMBINAÇÃO DE CASCA E TORTA DE MAMONA COMO ADUBO ORGÂNICO PARA A MAMONEIRA COMBINAÇÃO DE CASCA E TORTA DE MAMONA COMO ADUBO ORGÂNICO PARA A MAMONEIRA Rosiane de Lourdes Silva de Lima 1, Liv Soares Severino 2, Ligia Rodrigues Sampaio 3 Maria Aline de Oliveira Freire 4, Valdinei

Leia mais

Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2

Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2 ALTURA DE PLÂNTULAS E NÚMERO DE PARES DE FOLHAS DE MUDAS DE CAFEEIRO Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2 1 Estudante do curso de agronomia, Bolsista PET, Universidade Estadual de Mato Grosso do

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS DE MILHO DOCE 1 PEREIRA, André Ferreira 2 ; OLIVEIRA, Jaison Pereira de 2 ; BUENO, Luice Gomes

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS DE MILHO DOCE 1 PEREIRA, André Ferreira 2 ; OLIVEIRA, Jaison Pereira de 2 ; BUENO, Luice Gomes QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS DE MILHO DOCE 1 PEREIRA, André Ferreira 2 ; OLIVEIRA, Jaison Pereira de 2 ; BUENO, Luice Gomes 2 ; ASSUNÇÃO, Aracelle 2 ; MELO, Patrícia Guimarães Santos

Leia mais

Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo

Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo Francielly Q. G. Alves; Fabiano C. Silva; Andréia M. S. S. David; Irton J. S. Costa, Danilo A. Simões e Renato M. de Oliveira. UNIMONTES-Centro

Leia mais

Efeito do Bioestimulante na Qualidade Fisiológica de Sementes Colhidas em Diferentes Épocas

Efeito do Bioestimulante na Qualidade Fisiológica de Sementes Colhidas em Diferentes Épocas Efeito do Bioestimulante na Qualidade Fisiológica de Sementes Colhidas em Diferentes Épocas Patrícia M. da Conceição 1, Camilla A. Z. Sediyama 1, Maria Lita Padinha Corrêa 1, Juliane Karsten 2, Elaine

Leia mais

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA 14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA CULTURA DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar a eficácia dos herbicidas Boral, Classic, e Spider visando o manejo do complexo

Leia mais

Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos pré-germinativos

Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos pré-germinativos 125 Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos... Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos pré-germinativos Germination of watermelon triploid

Leia mais

COMPARAÇÃO DA PRECISÃO DOS RESULTADOS DO TESTE DE TETRAZÓLIO USANDO A METODOLOGIA ALTERNATIVA E A TRADICIONAL EM SEMENTES DE SOJA

COMPARAÇÃO DA PRECISÃO DOS RESULTADOS DO TESTE DE TETRAZÓLIO USANDO A METODOLOGIA ALTERNATIVA E A TRADICIONAL EM SEMENTES DE SOJA Original Article 47 COMPARAÇÃO DA PRECISÃO DOS RESULTADOS DO TESTE DE TETRAZÓLIO USANDO A METODOLOGIA ALTERNATIVA E A TRADICIONAL EM SEMENTES DE SOJA ACCURACY OF TETRAZOLIUM TEST RESULTS FOR SOYBEAN SEEDS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TABEBUIA CHRYSOTRICHA (MART.) STANDL ARMAZENADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TABEBUIA CHRYSOTRICHA (MART.) STANDL ARMAZENADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TABEBUIA CHRYSOTRICHA (MART.) STANDL ARMAZENADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS. Patrícia Andreani [PIBIT/ CNPq] 1, Jean Carlo Possenti [orientador] 2, Karina

Leia mais

EFEITO DA MASSA ESPECÍFICA E DO TAMANHO/ESPESSURA NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE PINHÃO-MANSO

EFEITO DA MASSA ESPECÍFICA E DO TAMANHO/ESPESSURA NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE PINHÃO-MANSO EFEITO DA MASSA ESPECÍFICA E DO TAMANHO/ESPESSURA NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE PINHÃO-MANSO JOÃO BATISTA ZONTA, EDUARDO FONTES ARAUJO 2, ROBERTO FONTES ARAUJO 3, JACSON ZUCHI 2 e JOÃO HENRIQUE

Leia mais

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1 140 CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1 JULIANE DOSSI SALUM 2, CLAUDEMIR ZUCARELI 3, EDUARDO GAZOLA 4, JOÃO

Leia mais

Avaliação do Sistema Radicular de Plântulas de Milho como Teste de Vigor em Sementes Submetidas a Diferentes Debulhas

Avaliação do Sistema Radicular de Plântulas de Milho como Teste de Vigor em Sementes Submetidas a Diferentes Debulhas Avaliação do Sistema Radicular de Plântulas de Milho como Teste de Vigor em Sementes Submetidas a Diferentes Debulhas Patrícia M. da Conceição 1, Camilla A. Z. Sediyama 1, Maristela A. Dias 1, Priscila

Leia mais

PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA

PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA Maria do Socorro Rocha 1,2, Maria Isaura P. de Oliveira 2, Napoleão Esberard de M. Beltrão 2, Julita Maria F.C. Carvalho

Leia mais

TESTES DE VIGOR NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO 1

TESTES DE VIGOR NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO 1 55 TESTES DE VIGOR NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO SALVADOR BARROS TORRES 2 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo avaliar a eficiência comparativa de diferentes testes

Leia mais

COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE MAMONA DE PORTE BAIXO AVALIADOS EM RORAIMA 2008

COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE MAMONA DE PORTE BAIXO AVALIADOS EM RORAIMA 2008 COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE MAMONA DE PORTE BAIXO AVALIADOS EM RORAIMA 2008 Oscar José Smiderle, CPAFRR, ojsmider@cpafrr.embrapa.br Gilvan B. Ferreira, CPAFRR, gilvan@cpafrr.embrapa.br Juliana Espindola

Leia mais

Comunicado. Técnico. Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar. Introdução

Comunicado. Técnico. Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar. Introdução Comunicado 54 Técnico ISSN 1414-9850 Junho, 2008 Brasília, DF Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar Warley Marcos Nascimento 1 Raquel Alves de Freitas 2 Mariana Dierings Croda 3

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO PHYSIOLOGIC QUALITY OF SOYBEAN SEEDS IN FUNCTION OF GERMINATION Ayza Eugênio Viana Camargos (1) Resumo Antonio Pizolato Neto (2)

Leia mais

Vigor de Plântulas de Milho Submetidas ao Tratamento de Sementes com Produto Enraizador

Vigor de Plântulas de Milho Submetidas ao Tratamento de Sementes com Produto Enraizador Vigor de Plântulas de Milho Submetidas ao Tratamento de Sementes com Produto Enraizador RODRIGO B. SANTOS¹, ISABEL C. VINHAL-FREITAS 2, DIEGO A. F. FRANCO 3, CARLA V. FERREIRA 4 e HELVIO C. VIEIRA JUNIOR

Leia mais

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Santos Oliveira, Andréa dos; Silva-Mann, Renata; Fonseca Santos, Michelle da; Bomfim Gois, Itamara; Cabral

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE FEIJÃO ENVELHECIDAS EM CONDIÇÕES DE ALTA TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE FEIJÃO ENVELHECIDAS EM CONDIÇÕES DE ALTA TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DOI: 10.5212/Publ.Exatas.v.16i1.0004 CDD. 635.652 QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE FEIJÃO ENVELHECIDAS EM CONDIÇÕES DE ALTA TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA PHYSIOLOGICAL QUALITY OF BEAN SEEDS AGED UNDER

Leia mais

INFLUÊNCIA DA EMBALAGEM E DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO 1

INFLUÊNCIA DA EMBALAGEM E DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO 1 EMBALAGEM E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE ALGODÃO 215 INFLUÊNCIA DA EMBALAGEM E DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO 1 EDNEI DE CONTI MACEDO 2, DORIS GROTH 3 e JACIRO SOAVE 4

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) SOBRE O VIGOR DE SEMENTES DE SOJA [Glycine Max (L.) MERRILL] ARMAZENADAS SOB 31ºC

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) SOBRE O VIGOR DE SEMENTES DE SOJA [Glycine Max (L.) MERRILL] ARMAZENADAS SOB 31ºC AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) SOBRE O VIGOR DE SEMENTES DE SOJA [Glycine Max (L.) MERRILL] ARMAZENADAS SOB 31ºC RESUMO Deyvid Rocha Brito 1 ; Raimundo Wagner de Souza Aguiar 2 ; Marcio

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI DE DIFERENTES CULTIVARES

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI DE DIFERENTES CULTIVARES Área: Tecnologia e Produção de sementes GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI DE DIFERENTES CULTIVARES Joseani Santos Ávila 2 ; Pablo Alves da Rocha 2 ; Aderson Costa Araujo Neto 1 ; Renan Thiago Carneiro

Leia mais

Alguns testes de velocidade de germinação em sementes de Carthamus tinctorius L. para a avaliação do efeito do nível de água do substrato

Alguns testes de velocidade de germinação em sementes de Carthamus tinctorius L. para a avaliação do efeito do nível de água do substrato 17 Workshop de Plantas Medicinais do Mato Grosso do Sul/7º Empório da Agricultura Familiar (FV) Alguns testes de velocidade de germinação em sementes de Carthamus tinctorius L. para a avaliação do efeito

Leia mais

Efeito do Tratamento de Sementes com Micronutrientes (Zn e Mo) Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays)

Efeito do Tratamento de Sementes com Micronutrientes (Zn e Mo) Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Efeito do Tratamento de Sementes com Micronutrientes (Zn e Mo) Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Amadeu J. de Melo Neto 1, Ernane R. da Costa 1, Hélio Alves Gomes Júnior e Marcelo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) TRATADAS COM INSETICIDAS SOB EFEITO DO ARMAZENAMENTO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) TRATADAS COM INSETICIDAS SOB EFEITO DO ARMAZENAMENTO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) TRATADAS COM INSETICIDAS SOB EFEITO DO ARMAZENAMENTO Gleberson Guillen

Leia mais

Diferentes ambientes de semeadura para a germinação de cultivares de Citrullus lanatuão

Diferentes ambientes de semeadura para a germinação de cultivares de Citrullus lanatuão Outubro a Dezembro de 2015 458 Diferentes ambientes de semeadura para a germinação de cultivares de Citrullus lanatuão Pablo Wenderson Ribeiro Coutinho 1, Lillian Matias de Oliveira 2, Ariele Carneiro

Leia mais

EFEITOS DE PREPARADOS HOMEOPÁTICOS NA GERMINAÇÃO DA SEMENTE DE ASTER BUQUÊ SORTIDA (Callistephus chinensis).

EFEITOS DE PREPARADOS HOMEOPÁTICOS NA GERMINAÇÃO DA SEMENTE DE ASTER BUQUÊ SORTIDA (Callistephus chinensis). EFEITOS DE PREPARADOS HOMEOPÁTICOS NA GERMINAÇÃO DA SEMENTE DE ASTER BUQUÊ SORTIDA (Callistephus chinensis). Semann, Eduardo scheneider 1 ; Longen, Maria Eduarda 2; Schilisting,Thalia 3; Giesel, Alexandre

Leia mais

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo EDUCAR para PRESERVAR el suelo y conservar la vida en La Tierra Cusco Perú, del 9 al 15 de Noviembre del 2014 Centro de Convenciones

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1 GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1 AGUIAR, A. R. de 2 ; GONÇALVES, C. E. P. 2 ; SILVA, C. M. S. 3 ; AGUIAR, D. 3 ; MACHADO, M. 4 ; KÖPP, M. M. 5; OLIVEIRA, J. C. P. 5 ; SILVA, A. C. F.

Leia mais

ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP INTRODUÇÃO

ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP INTRODUÇÃO Página 985 ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP Luiz Henrique Carvalho 1 ; Nelson Machado da Silva 1 ; Julio Isao Kondo 1 ; Edivaldo Cia 1 ; Ederaldo José Chiavegato

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE

PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE Antonio Flávio Arruda Ferreira 1 ; Edilson Costa 2 1 Estudante do Curso

Leia mais

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha

Leia mais

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DOSES E TIPOS DE ADUBOS NO DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA

INFLUÊNCIA DE DOSES E TIPOS DE ADUBOS NO DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA INFLUÊNCIA DE DOSES E TIPOS DE ADUBOS NO DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA Márcia Maria Bezerra Guimarães 1, Vera Lúcia Antunes de Lima 1, Napoleão Esberard de Macedo Beltrão 2, Fabiana Xavier

Leia mais

Influência da Embalagem e do Resfriamento no Vigor de Sementes de Soja, Glycine max (L.) Merrill

Influência da Embalagem e do Resfriamento no Vigor de Sementes de Soja, Glycine max (L.) Merrill Influência da Embalagem e do esfriamento no Vigor de Sementes de Soja, Glycine max (L.) Merrill 8 Zirvaldo Zenid Virgolino 1, Osvaldo esende 1, Douglas Nascimento Gonçalves 1, Kaique Alves Ferreira Marçal

Leia mais

FATTY ACIDITY ANALYSIS FOR WHEAT SEEDS (Triticum aestivum L.)

FATTY ACIDITY ANALYSIS FOR WHEAT SEEDS (Triticum aestivum L.) 22 Original Article ANÁLISE DE ACIDEZ GRAXA EM SEMENTES DE TRIGO (Triticum aestivum L.) FATTY ACIDITY ANALYSIS FOR WHEAT SEEDS (Triticum aestivum L.) Marco Antônio Martin BIAGGIONI 1 ; Rodrigo S. YANAGIWARA

Leia mais

EFEITO DE MÉTODOS DE EXTRAÇÃO DO ARILO E EMBEBIÇÃO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Punica granatum

EFEITO DE MÉTODOS DE EXTRAÇÃO DO ARILO E EMBEBIÇÃO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Punica granatum EFEITO DE MÉTODOS DE EXTRAÇÃO DO ARILO E EMBEBIÇÃO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Punica granatum Larissa Vinis Correia (PIBICV), João Gabriel Prandini (UENP), Babara Saque (UENP), Gizele Spigolon Figueiredo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO VIGOR EM SEMENTES DE AMENDOIM

AVALIAÇÃO DO VIGOR EM SEMENTES DE AMENDOIM PEREIRA, E. L., et al, 2005 9 AVALIAÇÃO DO VIGOR EM SEMENTES DE AMENDOIM EUSINIA LOUZADA PEREIRA 1, CLAUDIA ANTONIA VIEIRA ROSSETTO 1,2 1. Departamento de Fitotecnia, Universidade Federal Rural do Rio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA

DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA DESENVOLVIMENTO DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATO CONTENDO TORTA DE MAMONA Rafael Garcia Gouzalez 1 Luiz Antônio Augusto Gomes 2 Antônio Carlos Fraga 3 Pedro Castro Neto 4 RESUMO Com o objetivo de avaliar

Leia mais

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Reis Barbosa, Cylles Zara dos; Smiderle, Oscar Jose; Arcanjo Alves, José Maria; Alcantara Vilarinho, Aloisio;

Leia mais

Germinação algodão do campo em diferentes substratos nas condições de Laboratório e de Viveiro.

Germinação algodão do campo em diferentes substratos nas condições de Laboratório e de Viveiro. Germinação algodão do campo em diferentes substratos nas condições de Laboratório e de Viveiro. Maria de Fátima B. Coelho 1 ; Débora Márcia Sales 2 ; Maria Cristina de F. e Albuquerque 3. 1, 2,3 UFMT-

Leia mais

METODOLOGIA ALTERNATIVA DO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO PARA SEMENTES DE AZEVÉM

METODOLOGIA ALTERNATIVA DO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO PARA SEMENTES DE AZEVÉM Scientia Agraria ISSN 1519-1125 (printed) LOPES, and 1983-2443 R.R. et al. (on-line) Metodologia alternativa do teste de envelhecimento... METODOLOGIA ALTERNATIVA DO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO PARA

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Teste de Envelhecimento Acelerado em Sementes de Erva-Doce.

Teste de Envelhecimento Acelerado em Sementes de Erva-Doce. Teste de Envelhecimento Acelerado em Sementes de Erva-Doce. Salvador Barros Torres EMPARN, Depto. Produção Vegetal, C. Postal 188, 59062-500 - Natal, RN. Bolsista do CNPq; e-mail: sbtorres@digizap.com.br

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE MAMONEIRA NAS CONDIÇÕES AGROECOLÓGICAS DO RECÔNCAVO DA BAHIA

PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE MAMONEIRA NAS CONDIÇÕES AGROECOLÓGICAS DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE MAMONEIRA NAS CONDIÇÕES AGROECOLÓGICAS DO RECÔNCAVO DA BAHIA Karine de Almeida Cedraz 1, Juliana Firmino de Lima 2, Clovis Pereira Peixoto 3, Carlos Alberto da Silva Ledo

Leia mais