TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA INDIVIDUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA*

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA INDIVIDUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA*"

Transcrição

1 TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA INDIVIDUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA* Luciana Aparecida de Souza 1, Maria Laene Moreira de Carvalho 1, Carla Massimo Caldeira 1 Ayssa Baldoni 1, Vinícius Rocha de Oliveira 1 1 UFLA, RESUMO - O aumento na demanda por sementes de mamona de alta qualidade, vem desencadeando um grande interesse em testes rápidos que possibilitem a diferenciação entre lotes, dentre estes testes a condutividade elétrica se destaca. Para verificar a eficiência do teste de condutividade elétrica individual na avaliação da qualidade fisiológica de sementes de mamona, foram utilizados quatro lotes da cultivar, os quais foram submetidos ao teste de condutividade elétrica individual em três períodos de embebição (2, 4 e 6 horas). A caracterização dos lotes foi realizada pelos testes de germinação, primeira contagem, emergência, estande inicial, índice de velocidade de emergência, condutividade elétrica de massa e tetrazólio. Também foram determinados a sanidade e o teor de água das sementes. A determinação da condutividade individual foi realizada com analisador automático de sementes SAD-9000S, utilizando-se 200 sementes por lote acondicionadas em BOD, a 25 C; no entanto o método não foi eficiente em separar lotes de sementes de mamona com diferentes níveis de qualidade de acordo com os testes tradicionais de vigor. * Financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG Palavras-chave: Ricinus communis L., lixiviação, vigor. INTRODUÇÃO As pesquisas com a mamona, principalmente na área de controle de qualidade de sementes, são essenciais para o estabelecimento da cultura e se justificam pela potencialidade da espécie e pela escassez de informações referentes à tecnologia de produção de sementes. Dessa maneira, torna-se necessário adequar tecnologias que permitam avaliar com rapidez e eficiência lotes de sementes, auxiliando nas tomadas de decisão em relação ao destino dos lotes. Um dos métodos mais rápidos e eficientes utilizado para avaliação da qualidade de sementes é o teste de condutividade elétrica que pode ser conduzido pelo método de massa que analisar uma amostra por vez e fornece como resultado, uma média de condutividade da solução em que estão as sementes ou pela avaliação da condutividade de cada semente em particular, teste de condutividade individual (COSTA, 2004). O princípio básico dessa técnica é a medição da quantidade de eletrólitos liberados pela semente na água de embebição. Essa quantidade é diretamente proporcional ao grau de desorganização da membrana plasmática e de sua permeabilidade (KRZYZANOWSKI et al., 1999).

2 Apesar de suas vantagens, o teste de condutividade elétrica individual necessita de ajustes especiais para a sua utilização na espécie em questão. A presente pesquisa foi conduzida com o objetivo de verificar a eficiência do teste de condutividade elétrica individual para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de mamona. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido no Laboratório de Análise de Sementes da UFLA. Foram utilizados 4 lotes de sementes de mamona da cultivar, safra 05/06, armazenados em câmara fria e seca (10 C e 40% UR) até a realização das avaliações. Na caracterização dos lotes foram utilizados os testes e determinações descritos a seguir: teor de água - foi efetuado pelo método de estufa a 105 ± 3 C por 24 horas conforme Brasil, (1992); teste de germinação - realizado a 25 C com 4 repetições de 50 sementes por lote. As contagens foram efetuadas aos 7 e 14 dias após a semeadura (BRASIL,1992); primeira contagem de germinação - consistiu no registro de plântulas normais no sétimo dia após a semeadura; emergência - realizada com 4 repetições de 50 sementes por lote, em canteiros, sendo o resultado computado aos 21 dias após a semeadura. avaliando-se o número de plântulas emergidas. O cálculo do índice de velocidade de emergência foi realizado conforme Maguire (1962); tetrazólio com embebição das sementes entre papel umedecido em água a 30 C por 3 horas, retirada do tegumento e cortes nas laterais dos embriões. Foram utilizadas 4 repetições de 25 sementes imersas em solução de tetrazólio a 0,5% e mantidas no escuro em BOD a temperatura de 30 C, por 6 horas (OLIVEIRA et al., 2006). O teste de condutividade elétrica de massa foi realizado com 4 repetições de 25 sementes colocadas para embeber em 75 ml de água deionizada e mantidas em BOD, a 25 C por 6 horas (SOUZA, 2007). O teste de sanidade foi conduzido pelo método de incubação em papel de filtro sem congelamento (blotter test) com 8 repetições de 25 sementes por lote. A incidência foi avaliada em porcentagem de fungos encontrados. Para o método de condutividade elétrica individual foi utilizado o analisador automático de sementes SAD 9000S, sendo analisadas 4 repetições de 50 sementes por lote. As sementes foram mantidas a temperatura de 25 C, por três períodos de embebição: 2, 4 e 6 horas. Os valores de condutividade de cada semente e o valor médio de condutividade dos lotes foram expressos em S/cm. Os resultados dos testes realizados foram analisados segundo delineamento inteiramente casualizado e as médias foram comparadas pelo teste de Scott-Knott a 5% de probabilidade.

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Os resultados obtidos na caracterização dos lotes estão apresentados na Tabela 1. O valor médio referente ao teor de água das sementes foi de 6,3% para os lotes da cultivar. De acordo com os dados de germinação, o lote 2 se destacou como sendo de melhor qualidade fisiológica. Essa tendência permaneceu nos resultados de primeira contagem de germinação, emergência, índice de velocidade de emergência e tetrazólio. A germinação dos lotes 3 e 4 foi comprometida devido a alta incidência de fungos, que ocasionou maior número de plântulas anormais infeccionadas. Verificou-se com os resultados do teste de condutividade elétrica de massa, uma lixiviação de eletrólitos mais evidente no lote 2. O período de 6 horas de embebição para sementes desse lote, pode ter causado danos de embebição à estas sementes. Danos de embebição são resultantes da rápida absorção de água pelos cotilédones durante o processo de embebição, levando à morte da célula e à alta lixiviação de solutos das sementes (POWELL; MATTHEWS, 1978). Pelos resultados médios da incidência de fungos encontrados nas sementes de mamona (Tabela 2), observou-se um maior percentual de contaminação pelos fungos dos gêneros Aspergillus spp, em todos os lotes estudados. Geralmente, as espécies de Aspergillus ssp. depreciam a qualidade das sementes durante o armazenamento, causando reduções ou perda da capacidade germinativa, descoloração, apodrecimento e aquecimento da massa de sementes, culminando com o aumento da velocidade de deterioração (MACHADO, 1988). O lote 2 foi menos afetado pelos fungos, em razão disso foi mais vigoroso. Os dados obtidos pelo teste de condutividade elétrica individual dos lotes da cultivar estão apresentados na Tabela 3. Houve um aumento gradativo nos valores de condutividade elétrica individual com o decorrer do teste para todos os lotes, entretanto, o método individual não proporcionou distinção em relação ao potencial fisiológico dos lotes em todas as avaliações realizadas. Os resultados obtidos pelo teste corresponderam apenas aos resultados obtidos na emergência. De acordo com Souza (2007), que utilizou o teste de condutividade elétrica para avaliação da qualidade em sementes de mamona, o método individual não foi adequado pois, não possibilitou caracterizar de maneira eficiente os lotes, devido as muitas variações entre os resultados deste teste e os dos demais testes convencionais. Dias e Marcos Filho (1996) concluíram que a condutividade elétrica individual não forneceu informações consistentes sobre o potencial relativo dos lotes, apresentando eficiência variável de acordo com a cultivar de soja estudada. É interessante acrescentar que as sementes de mamona foram armazenadas em câmara fria antes da realização dos testes e, conforme relato de Vieira et al. (2001), o teste de condutividade elétrica em sementes de soja não separou os lotes em diferentes níveis de qualidade, uma vez que, à temperatura de 10 C, os danos causados às membranas segundo os autores, não ocorrem na mesma

4 intensidade que no armazenamento à temperatura de C. Talvez este fato possa ter influenciado na avaliação da condutividade elétrica individual. CONCLUSÃO Os resultados do teste de condutividade elétrica individual na metodologia adotada, não são consistentes para a avaliação de lotes de sementes de mamona da cultivar, pois o método não foi eficiente em separar lotes com diferentes níveis de qualidade de acordo com os testes tradicionais de vigor. * Financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Ministério da Agricultura. Regras para análise de sementes. Brasília: SND/CLAV, 1992, 365 p. DIAS, D. C. F. S.; MARCOS FILHO, J. Testes de condutividade elétrica para avaliação do vigor de sementes de soja (Glycine max (L.) Merril). Scientia Agricola., Piracicaba, v. 53, n. 1, p , jan./abr KRYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, p. MAGUIRE, J. D. Speeds of germination aid selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 2, p , OLIVEIRA, L. M.; CARVALHO, M. L. M.; CALDEIRA, C. M.; SILVA, C. D.; SILVA, D. G. Teste de tetrazólio em sementes de mamona. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MAMONA, 2., 2006, Aracaju. Anais... Campina Grande: Embrapa Algodão CD-ROM. POWELL, A. A.; MATTHEWS, S. The damaging effect of water on dry pea embryos during imbibition. Journal of Experimental Botany, Oxford, v. 29, n. 112, p , 1978.

5 VIEIRA, R. D.; TEKRONY, D. M.; EGLI, D. B. Electrical conductivity of soybean seeds after storage in several environments. Seed Science & Technology, Zurich, v. 29, n. 3, p , SOUZA, L. A. Teste de condutividade elétrica para avaliação da qualidade de sementes de mamona p. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Lavras, Lavras. Tabela 1. Valores médios (%) dos resultados de germinação (G), primeira contagem de germinação (PC), emergência (E), tetrazólio (TZ), além da condutividade elétrica de massa (CE) e o índice de velocidade de emergência (IVE), dos lotes de sementes das cultivar. Testes Cultivar Lote G PC E IVE TZ CE 1 77 b 21 b 64 a 0,739 b 76 a 58,06 a 2 93 a 44 a 83 a 1,437 a 83 a 67,40 b 3 69 c 22 b 76 a 0,962 b 72 a 61,42 a 4 64 c 14 b 70 a 1,194 a 50 b 58,42 a CV (%) 8,36 37,69 14,08 19,61 15,74 7,82 As médias seguidas de mesma letra na coluna não diferem entre si pelo teste de Scott-Knott a 5% de probabilidade. Tabela 2. Incidência média (%) de fungos encontrados nas sementes de mamona das cultivar, em diferentes lotes. Fungos Cultivar Lote Fusarium A. flavus A.ocraceus A. niger Rhizopus Penicilium Tabela 3. Valores médios ( S/cm) de condutividade elétrica individual para as sementes dos lotes das cultivar, em cada período de pré-condicionamento. Períodos de embebição (h) Cultivar Lote ,51 a 219,68 a 231,79 a 2 213,27 a 237,84 a 247,51 a 3 206,83 a 225,61 a 243,38 a 4 188,46 a 216,49 a 226,88 a CV (%) 7,77 6,89 8,43 As médias seguidas de mesma letra na coluna não diferem entre si pelo teste de Scott-Knott a 5% de probabilidade.

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO.

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. Andréa dos Santos Oliveira, Renata Silva-Mann, Michelle da Fonseca Santos,

Leia mais

PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA

PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA Maria do Socorro Rocha 1,2, Maria Isaura P. de Oliveira 2, Napoleão Esberard de M. Beltrão 2, Julita Maria F.C. Carvalho

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L)

UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L) UTILIZAÇÃO DE RAIOS-X NA AVALIAÇÃO DE DANOS INTERNOS E SEUS EFEITOS NA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L) Renato Augusto Alves 1, Maria Laene Moreira de Carvalho 1, Antônio Lucrécio dos

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Gabriel Moraes Costa (1), Roberto Fontes Araujo (2), Eduardo Fontes Araujo (3), João Batista

Leia mais

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA A AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE ABOBRINHA 1

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA A AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE ABOBRINHA 1 CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM SEMENTES DE ABOBRINHA 7 TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA A AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE ABOBRINHA ALEK SANDRO DUTRA 2, ROBERVAL DAITON VIEIRA 3 RESUMO - O teste de condutividade

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB Sandra Maria de Figueiredo 1, Fernanda Fernandes de Melo

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE POPULAÇÕES SEGREGANTES DE DIFERENTES CRUZAMENTOS EM SOJA A COMPARISON OF SEGREGANT POPULATIONS FROM DIFFERENT SOYBEAN CROSSES

ESTUDO COMPARATIVO DE POPULAÇÕES SEGREGANTES DE DIFERENTES CRUZAMENTOS EM SOJA A COMPARISON OF SEGREGANT POPULATIONS FROM DIFFERENT SOYBEAN CROSSES ESTUDO COMPARATIVO DE POPULAÇÕES SEGREGANTES DE DIFERENTES CRUZAMENTOS EM SOJA A COMPARISON OF SEGREGANT POPULATIONS FROM DIFFERENT SOYBEAN CROSSES Resumo Elise de Matos Pereira (1) Fabiana Mota da Silva

Leia mais

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ Definição x Conceito A palavra CONCEITO tem vários significados

Leia mais

EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.)

EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) Reynaldo de Mello Torres Docente da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal de Garça SP. Dagoberto

Leia mais

ENVELHECIMENTO ACELERADO COMO TESTE DE VIGOR PARA SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI

ENVELHECIMENTO ACELERADO COMO TESTE DE VIGOR PARA SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI ENVELHECIMENTO ACELERADO COMO TESTE DE VIGOR PARA SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI A. S. DUTRA e E. M. TEÓFILO 2 Resumo O trabalho foi desenvolvido com o objetivo de estudar os procedimentos para condução do teste

Leia mais

POTENCIAL DO USO DA MESA DENSIMÉTRICA NA MELHORIA DA QUALIDADE DE SEMENTES COMERCIAIS DE MAMONA

POTENCIAL DO USO DA MESA DENSIMÉTRICA NA MELHORIA DA QUALIDADE DE SEMENTES COMERCIAIS DE MAMONA POTENCIL DO USO D MES DENSIMÉTRIC N MELHORI D QULIDDE DE SEMENTES COMERCIIS DE MMON ntônio Lucrécio dos Santos Neto 1, Maria Laene Moreira de Carvalho 1, Renato ugusto lves 1, Cláudio das Neves Vieira

Leia mais

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática Deterioração e vigor Profª Marcela Carlota Nery Deterioração Processo progressivo e irreversível Respiração Alterações na atividade enzimática Alterações no tegumento das sementes Alterações nas taxas

Leia mais

AMOSTRAGEM SEQÜENCIAL NA CONDUÇÃO DO TESTE DO RAIOS X EM SEMENTES DE MAMONA (RICINUS COMMUNIS)

AMOSTRAGEM SEQÜENCIAL NA CONDUÇÃO DO TESTE DO RAIOS X EM SEMENTES DE MAMONA (RICINUS COMMUNIS) AMOSTRAGEM SEQÜENCIAL NA CONDUÇÃO DO TESTE DO RAIOS X EM SEMENTES DE MAMONA (RICINUS COMMUNIS) Verônica Yumi Kataoa, Débora Gabriela Silva, Maria Laene Moreira Carvalho, Marcelo Silva de Oliveira, Adriana

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TAXA DE CRESCIMENTO DAS PLÂNTULAS NA AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE SOJA 1

UTILIZAÇÃO DA TAXA DE CRESCIMENTO DAS PLÂNTULAS NA AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE SOJA 1 90 S.R.P. SCHUAB et al. UTILIZAÇÃO DA TAXA DE CRESCIMENTO DAS PLÂNTULAS NA AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE SOJA 1 SANDRA REGINA PELEGRINELLO SCHUAB 2, ALESSANDRO DE LUCCA E BRACCINI 3, JOSÉ DE BARROS

Leia mais

CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO

CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM DOIS LOTES DE SEMENTES DE Moringa oleífera Lam. EM DIFERENTES TEMPOS DE EMBEBIÇÃO Priscila Raiane Assunção de Andrade (1) ; Laura Rodrigues Araújo (2), Rodrigo Mendes de Oliveira

Leia mais

Germinação e Vigor de Sementes de Milho Armazenadas nas Condições Ambientais do Sul do Tocantins

Germinação e Vigor de Sementes de Milho Armazenadas nas Condições Ambientais do Sul do Tocantins Germinação e Vigor de Sementes de Milho Armazenadas nas Condições Ambientais do Sul do Tocantins CARVALHO, E. V., AFFÉRRI, F. S., SIEBENEICHLER, S. C., MATOS, W. L. e SANTOS, R. P. L. flavio@uft.com.br;

Leia mais

EFEITO DO ACONDICIONAMENTO E DO ARMAZENAMENTO SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI

EFEITO DO ACONDICIONAMENTO E DO ARMAZENAMENTO SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI EFEITO DO ACONDICIONAMENTO E DO ARMAZENAMENTO SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE FEIJÃO-CAUPI E. M. TEÓFILO 1, A.S DUTRA 2, F. T. C. DIAS 3 Resumo - O presente trabalho foi realizado com o objetivo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA PRODUZIDAS NO MUNICÍPIO DE FREDERICO WESTPHALEN-RS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA PRODUZIDAS NO MUNICÍPIO DE FREDERICO WESTPHALEN-RS AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA PRODUZIDAS NO MUNICÍPIO DE FREDERICO WESTPHALEN-RS Juliano dos Santos 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Neuri Antonio Feldmann 3, Anderson Rhoden 3 Palavras-chave:

Leia mais

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA NA AVALIAÇÃO DE SEMENTES DE GIRASSOL ARMAZENADAS SOB DIFERENTES TEMPERATURAS 1

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA NA AVALIAÇÃO DE SEMENTES DE GIRASSOL ARMAZENADAS SOB DIFERENTES TEMPERATURAS 1 635 TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA NA AVALIAÇÃO DE SEMENTES DE GIRASSOL ARMAZENADAS SOB DIFERENTES TEMPERATURAS 1 Luciana Aparecida de Souza Abreu 2, Maria Laene Moreira de Carvalho 3, Crislaine Aparecida

Leia mais

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO Daniela GOETEN 1, Joacir do NASCIMENTO 2, Oscar Emilio Ludtke HARTHMANN 3 1 Acadêmica do curso de Agronomia

Leia mais

Qualidade de Sementes de Milho Armazenadas em Embalagens Alternativas

Qualidade de Sementes de Milho Armazenadas em Embalagens Alternativas Qualidade de Sementes de Milho rmazenadas em Embalagens lternativas Maize Seeds Quality Stored in lternative Packages OLIVEIR,. C. S. UENF, kisanazario@yahoo.com.br; COELHO, F. C. UENF, fcoelho@uenf.br;

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO VIGOR EM SEMENTES DE AMENDOIM

AVALIAÇÃO DO VIGOR EM SEMENTES DE AMENDOIM PEREIRA, E. L., et al, 2005 9 AVALIAÇÃO DO VIGOR EM SEMENTES DE AMENDOIM EUSINIA LOUZADA PEREIRA 1, CLAUDIA ANTONIA VIEIRA ROSSETTO 1,2 1. Departamento de Fitotecnia, Universidade Federal Rural do Rio

Leia mais

TESTE DE EMBEBIÇÃO EM ÁGUA PARA SEMENTES DE SOJA DUNK TEST WATER FOR SOYA BEANS

TESTE DE EMBEBIÇÃO EM ÁGUA PARA SEMENTES DE SOJA DUNK TEST WATER FOR SOYA BEANS 178 TESTE DE EMBEBIÇÃO EM ÁGUA PARA SEMENTES DE SOJA Carlos Henrique Queiroz Rego 1, Naiane Cristina de Oliveira 1, Flávia Mendes dos Santos Lourenço 1, Josué Bispo da Silva 2 e Charline Zaratin Alves

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2165

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2165 Página 2165 TAMANHO DAS SEMENTES DE AMENDOIM E SEUS EFEITOS SOBRE A GERMINAÇÃO E VIGOR Vicente de Paula Queiroga 1, Maria Elessandra Rodrigues Araújo 2, Valdemir Inácio de Lima 3, Riselane de Lucena Alcântara

Leia mais

Qualidade fisiológica de sementes de milho crioulo cultivadas no norte de Minas Gerais.

Qualidade fisiológica de sementes de milho crioulo cultivadas no norte de Minas Gerais. Qualidade fisiológica de sementes de milho crioulo cultivadas no norte de Minas Gerais. Hugo C. R. M. Catão 1 ; Delacyr da S. Brandão Junior 1 ; Nilza de L. P. Sales 1 e Izabel C. P. V. Ferreira 1 1 Universidade

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill)

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) Gleberson Guillen Piccinin 1, Lilian Gomes de Moraes

Leia mais

Potencial fisiológico de sementes de soja e sua relação com a emergência das plântulas em campo

Potencial fisiológico de sementes de soja e sua relação com a emergência das plântulas em campo Potencial fisiológico de sementes de soja e sua relação com a emergência das plântulas em campo Sandra Regina Pelegrinello Schuab 1, Alessandro de Lucca e Braccini 2*, José de Barros França Neto 3, Carlos

Leia mais

Revista Ceres ISSN: X Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Ceres ISSN: X Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Vanzolini, Silvelena; Martinelli-Seneme, Adriana; da Silva, Marco Antonio TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM SEMENTES

Leia mais

CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM SEMENTES DE MELANCIA 1

CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM SEMENTES DE MELANCIA 1 CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM SEMENTES DE MELANCIA 1 CHERUBIN, M. R. 2 ; MORAES, M. T. 2 ; FABBRIS, C. 2 ; WEIRICH, S. W. 2 ; DA ROCHA, E. M. T. 2 ; KULCZYNSKI, S. M. 3 1 Trabalho de Iniciação Científica Universidade

Leia mais

Qualidade de sementes de café produzidas na Fazenda Experimental de Três Pontas da EPAMIG Sul de Minas

Qualidade de sementes de café produzidas na Fazenda Experimental de Três Pontas da EPAMIG Sul de Minas Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Qualidade de sementes de café produzidas na Fazenda Experimental de Três Pontas da EPAMIG Sul de Minas Júlia Vaz Tostes Miluzzi

Leia mais

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Machado, Carla Gomes; Martins, Cibele Chalita; Garcia de Santana, Denise; Silva Cruz, Simério Carlos;

Leia mais

Qualidade fisiológica de sementes de girassol avaliadas por condutividade elétrica 1

Qualidade fisiológica de sementes de girassol avaliadas por condutividade elétrica 1 Qualidade fisiológica de sementes de girassol avaliadas por condutividade elétrica 1 Fabrícia Nascimento de Oliveira 2, Salvador Barros Torres 3, Francisco Elvis Ramos Vieira 2, Emanoela Pereira de Paiva

Leia mais

143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES

143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES RESUMO Dércio Dutra 1 ; Derblai

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) SOBRE O VIGOR DE SEMENTES DE SOJA [Glycine Max (L.) MERRILL] ARMAZENADAS SOB 31ºC

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) SOBRE O VIGOR DE SEMENTES DE SOJA [Glycine Max (L.) MERRILL] ARMAZENADAS SOB 31ºC AVALIAÇÃO DO EFEITO DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) SOBRE O VIGOR DE SEMENTES DE SOJA [Glycine Max (L.) MERRILL] ARMAZENADAS SOB 31ºC RESUMO Deyvid Rocha Brito 1 ; Raimundo Wagner de Souza Aguiar 2 ; Marcio

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE TESTES DE VIGOR PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TOMATE

COMPARAÇÃO ENTRE TESTES DE VIGOR PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TOMATE 12 COMPARAÇÃO ENTRE TESTES DE VIGOR PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TOMATE DANIELLA INÁCIO BARROS 1, HELBER VÉRAS NUNES 1, DENISE CUNHA FERNANDES S. DIAS 2, MARIA CARMEN BHERING

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ SUBMETIDAS A DIFERENTES TEMPOS DE HIDRATAÇÃO EM ÁGUA

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ SUBMETIDAS A DIFERENTES TEMPOS DE HIDRATAÇÃO EM ÁGUA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ SUBMETIDAS A DIFERENTES TEMPOS DE HIDRATAÇÃO EM ÁGUA João Paulo MARANA 1 E mail: joaopaulomarana@yahoo.com.br, Édison MIGLIORANZA 2 emiglior@uel.br 1 Aluno de Mestrado em

Leia mais

Métodos para o condicionamento fisiológico de sementes de cebola

Métodos para o condicionamento fisiológico de sementes de cebola Métodos para o condicionamento fisiológico de sementes de cebola Roseli Fátima Caseiro 1 ; Mark A. Bennett 2 Julio Marcos Filho 1 1 Universidade de São Paulo - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Leia mais

VIGOR EM SEMENTES DE MILHETO. DEA ALÉCIA M. NETTO, ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA e RAMIRO V. ANDRADE

VIGOR EM SEMENTES DE MILHETO. DEA ALÉCIA M. NETTO, ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA e RAMIRO V. ANDRADE VIGOR EM SEMENTES DE MILHETO DEA ALÉCIA M. NETTO, ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA e RAMIRO V. ANDRADE Embrapa Milho e Sorgo, Rod. MG 424 Km 65, CP 151, 35700-901, Sete Lagoas, MG. dea@cnpms.embrapa.br Palavras-chave:

Leia mais

Teste de condutividade elétrica para avaliar o vigor de sementes em milho-pipoca (Zea mays L.)

Teste de condutividade elétrica para avaliar o vigor de sementes em milho-pipoca (Zea mays L.) 772 Deise Menezes Ribeiro et al. Teste de condutividade elétrica para avaliar o vigor de sementes em milho-pipoca (Zea mays L.) Deise Menezes Ribeiro 1, Scheilla Marina Bragança 2, André Luis Duarte Goneli

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM PROPRIEDADES FÍSICAS DOS FRUTOS DE MAMONA DURANTE A SECAGEM André Luís Duarte Goneli 1, Paulo César Corrêa 1, Osvaldo Resende 2, Fernando Mendes Botelho 1 1 Universidade Federal de Viçosa, andregoneli@vicosa.ufv.br,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE SORGO PELO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO 1

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE SORGO PELO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO 1 226 D.M. MIRANDA et al. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE SORGO PELO TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO 1 DENISE MESA DE MIRANDA 2, ANA DIONISIA DA LUZ COELHO NOVEMBRE 3 E HELENA MARIA CARMIGNANI

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE FISIOLÓGICA EM SEMENTES DE GIRASSOL COM E SEM PERICARPOS. Vicente de Paula Queiroga 1 ; José Maria Durán 2

ANÁLISE DA QUALIDADE FISIOLÓGICA EM SEMENTES DE GIRASSOL COM E SEM PERICARPOS. Vicente de Paula Queiroga 1 ; José Maria Durán 2 Página 1944 ANÁLISE DA QUALIDADE FISIOLÓGICA EM SEMENTES DE GIRASSOL COM E SEM PERICARPOS Vicente de Paula Queiroga 1 ; José Maria Durán 2 1 Embrapa Algodão, CP 174, Rua Osvaldo Cruz, 1143, Centenário,

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo PRANDO, A.M. 1 ; ZUCARELI, C. 1 ; FRONZA, V. 2 ; BASSOI, M.C. 2 ; OLIVEIRA, F.A. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Envelhecimento acelerado como teste de vigor para sementes de milho e soja

Envelhecimento acelerado como teste de vigor para sementes de milho e soja Ciência Rural, Santa Maria, v.34, Envelhecimento n.3, p.715-721, acelerado mai-jun, 2004 como teste de vigor para sementes de milho e soja. ISSN 0103-8478 715 Envelhecimento acelerado como teste de vigor

Leia mais

ÊNFASE À CONDUTIVIDADE ELÉTRICA

ÊNFASE À CONDUTIVIDADE ELÉTRICA TESTES PARA AVALIAÇÃO Testes para DO avaliação VIGOR do vigor DE de SEMENTES sementes... DE SORGO COM391 ÊNFASE À CONDUTIVIDADE ELÉTRICA Vigor tests in sorghum seeds with emphasis to electrical conductivity

Leia mais

Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences ARTIGO

Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences ARTIGO Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ARTIGO ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) Testes de envelhecimento acelerado e de condutividade

Leia mais

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA LUCIANA APARECIDA DE SOUZA

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA LUCIANA APARECIDA DE SOUZA TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA LUCIANA APARECIDA DE SOUZA 2007 LUCIANA APARECIDA DE SOUZA TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER Efeito Alelopático do Óleo Essencial de Citronela (Cymbopogon winterianus) Sobre a Germinação de Sementes de Picão-Preto e de Milho em Diferentes Épocas de Aplicação. MARIA LITA PADINHA CORREA 1, ANA PAULA

Leia mais

COMPARISON OF METHODS FOR ASSESSING THE VIGOR OF COTTON SEEDS

COMPARISON OF METHODS FOR ASSESSING THE VIGOR OF COTTON SEEDS SOUZA, G. E.; STEINER, F.; ZOZ, T.; OLIVEIRA, S. S. C.; CRUZ, S. J. S. Comparação entre métodos para a avaliação do vigor de sementes de algodão. COMPARAÇÃO ENTRE MÉTODOS PARA A AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES

Leia mais

LIXIVIAÇÃO DE POTÁSSIO NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE AMENDOIM 1

LIXIVIAÇÃO DE POTÁSSIO NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE AMENDOIM 1 QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTE DE AMENDOIM 7 LIXIVIAÇÃO DE POTÁSSIO NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE AMENDOIM 1 SILVELENA VANZOLINI 2 ; JOÃO NAKAGAWA 3 RESUMO - O presente trabalho

Leia mais

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Reis Barbosa, Cylles Zara dos; Smiderle, Oscar Jose; Arcanjo Alves, José Maria; Alcantara Vilarinho, Aloisio;

Leia mais

Teste de lixiviação de potássio para a avaliação do vigor de sementes de arroz 1

Teste de lixiviação de potássio para a avaliação do vigor de sementes de arroz 1 117 Teste de lixiviação de potássio para a avaliação do vigor de sementes de arroz 1 Ana Paula Piccinin Barbieri 2 *, Nilson Lemos de Menezes 2, Gerusa Massuquini Conceição 2, Lilian Madruga de Tunes 2

Leia mais

EFEITO DO CONDICIONAMENTO OSMÓTICO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO COLORIDO (Gossypium hirsutum L. )

EFEITO DO CONDICIONAMENTO OSMÓTICO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO COLORIDO (Gossypium hirsutum L. ) 20 a 24 de outubro de 2008 EFEITO DO CONDICIONAMENTO OSMÓTICO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE ALGODÃO COLORIDO (Gossypium hirsutum L. ) Raquel Romão Sevilha 1, Marilda Oliveira de Souza 2, Patricia

Leia mais

TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DE MAMONA

TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DE MAMONA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DE MAMONA Luciana Magda de Oliveira, Maria Laene Moreira de Carvalho, Carla Massimo Caldeira, Cláudia Denise da Silva e Débora Gabriela Silva. Universidade Federal de Lavras

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L.

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L. INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MÉTODOS DE SEMEADURA PARA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CORIANDRUM SATIVUM L. Elisiane Martins de Lima 1 ; Milena Maria 2 ; Cosmo Rufino de Lima 3 ; Pablo Radamés Cabral

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS DE MILHO DOCE 1 PEREIRA, André Ferreira 2 ; OLIVEIRA, Jaison Pereira de 2 ; BUENO, Luice Gomes

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS DE MILHO DOCE 1 PEREIRA, André Ferreira 2 ; OLIVEIRA, Jaison Pereira de 2 ; BUENO, Luice Gomes QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS DE MILHO DOCE 1 PEREIRA, André Ferreira 2 ; OLIVEIRA, Jaison Pereira de 2 ; BUENO, Luice Gomes 2 ; ASSUNÇÃO, Aracelle 2 ; MELO, Patrícia Guimarães Santos

Leia mais

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM SEMENTES DE AVEIA PRETA 1

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM SEMENTES DE AVEIA PRETA 1 138 TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM SEMENTES DE AVEIA PRETA 1 NILSON LEMOS DE MENEZES, DANTON CAMACHO GARCIA 3, CARLOS ANDRÉ BAHRY 4, NILSON MATHEUS MATTIONI 5 RESUMO - A determinação do potencial fisiológico

Leia mais

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Página 1650 COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Marcelo Abdon Lira 1 ; Máira Milani 2 ; Hélio Wilson Lemos de Carvalho 3 ; João

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES METODOLOGIAS DO TESTE DE FRIO EM SEMENTES DE ALFACE EFFECT OF DIFFERENT METHODOLOGIES OF COLD TEST IN LETTUCE SEEDS

EFEITO DE DIFERENTES METODOLOGIAS DO TESTE DE FRIO EM SEMENTES DE ALFACE EFFECT OF DIFFERENT METHODOLOGIES OF COLD TEST IN LETTUCE SEEDS 55 EFEITO DE DIFERENTES METODOLOGIAS DO TESTE DE FRIO EM SEMENTES DE ALFACE EFFECT OF DIFFERENT METHODOLOGIES OF COLD TEST IN LETTUCE SEEDS 1 2 3 Amanda Regina GODOY ; Charline Zaratin ALVES ; Naiane Cristina

Leia mais

ENVELHECIMENTO ACELERADO EM SEMENTES DE BRÓCOLIS (Brassica oleracea L. var. italica Plenk)

ENVELHECIMENTO ACELERADO EM SEMENTES DE BRÓCOLIS (Brassica oleracea L. var. italica Plenk) Original Article 173 ENVELHECIMENTO ACELERADO EM SEMENTES DE BRÓCOLIS (Brassica oleracea L. var. italica Plenk) ACCELERATED AGING OF BROCCOLI SEEDS (Brassica oleracea L. var. italica Plenk) Lilian Madruga

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO SUPERDOCE PELO TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA SANTOS, R. DE S. 1 ;

Leia mais

Teste de Envelhecimento Acelerado em Sementes de Erva-Doce.

Teste de Envelhecimento Acelerado em Sementes de Erva-Doce. Teste de Envelhecimento Acelerado em Sementes de Erva-Doce. Salvador Barros Torres EMPARN, Depto. Produção Vegetal, C. Postal 188, 59062-500 - Natal, RN. Bolsista do CNPq; e-mail: sbtorres@digizap.com.br

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 05 INCIDÊNCIA DE GRÃOS ARDIDOS EM HÍBRIDOS DE MILHO EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar a incidência de grãos ardidos em híbridos de milho em dois níveis de

Leia mais

TESTE DE LIXIVIAÇÃO DE POTÁSSIO PARA AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM 1

TESTE DE LIXIVIAÇÃO DE POTÁSSIO PARA AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM 1 10 TESTE DE LIXIVIAÇÃO DE POTÁSSIO PARA AVALIAÇÃO DO VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM 1 HAMILTON KIKUTI 2, PRISCILA FRATIN MEDINA 3, ANA LÚCIA PEREIRA KIKUTI 4, NILZA PATRICIA RAMOS 2 RESUMO O teste de lixiviação

Leia mais

EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS FEIJÃO E MAMONA SOB CONSÓRCIO

EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS FEIJÃO E MAMONA SOB CONSÓRCIO EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GENÓTIPOS FEIJÃO E MAMONA SOB CONSÓRCIO Lucas de Abreu Dias 1 ; Itamar Rosa Teixeira 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduando do curso de Engenharia

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1 GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1 AGUIAR, A. R. de 2 ; GONÇALVES, C. E. P. 2 ; SILVA, C. M. S. 3 ; AGUIAR, D. 3 ; MACHADO, M. 4 ; KÖPP, M. M. 5; OLIVEIRA, J. C. P. 5 ; SILVA, A. C. F.

Leia mais

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil

Revista Ciência Agronômica ISSN: Universidade Federal do Ceará Brasil Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Barros Torres, Salvador Qualidade de sementes de melancia armazenadas em diferentes embalagens e ambientes

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA Autores: Jéssica Tainara IGNACZUK 1, Leandro Luiz MARCUZZO 2 Identificação

Leia mais

Teste de condutividade elétrica para sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) 1

Teste de condutividade elétrica para sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) 1 Volumen 29, Nº 2. Páginas 79-86 IDESIA (Chile) Mayo-Agosto, 20 Teste de condutividade elétrica para sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Electrical conductivity test for physic nut (Jatropha curcas

Leia mais

Efeito do Bioestimulante na Qualidade Fisiológica de Sementes Colhidas em Diferentes Épocas

Efeito do Bioestimulante na Qualidade Fisiológica de Sementes Colhidas em Diferentes Épocas Efeito do Bioestimulante na Qualidade Fisiológica de Sementes Colhidas em Diferentes Épocas Patrícia M. da Conceição 1, Camilla A. Z. Sediyama 1, Maria Lita Padinha Corrêa 1, Juliane Karsten 2, Elaine

Leia mais

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica)

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica) UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE ( abyssinica) A busca por novas fontes alternativas de combustíveis tem despertado o interesse de agricultores para o cultivo de plantas com características

Leia mais

Diferentes ambientes de semeadura para a germinação de cultivares de Citrullus lanatuão

Diferentes ambientes de semeadura para a germinação de cultivares de Citrullus lanatuão Outubro a Dezembro de 2015 458 Diferentes ambientes de semeadura para a germinação de cultivares de Citrullus lanatuão Pablo Wenderson Ribeiro Coutinho 1, Lillian Matias de Oliveira 2, Ariele Carneiro

Leia mais

Vigor de sementes de girassol pela análise computadorizada de plântulas

Vigor de sementes de girassol pela análise computadorizada de plântulas Vigor de sementes de girassol pela análise computadorizada de plântulas Sunflower seed vigor determined by computerized seedling analysis Carla Massimo CALDEIRA 1,2 ; Maria Laene Moreira de CARVALHO 3

Leia mais

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Thiago Henrique Carvalho de Souza

Leia mais

SEÇÃO 2 TECNOLOGIA DE SEMENTES

SEÇÃO 2 TECNOLOGIA DE SEMENTES 45 SEÇÃO 2 TECNOLOGIA DE SEMENTES DESEMPENHO DE LOTES DE SEMENTES DE SOJA SUBMETIDOS AO TESTE DETERIORAÇÃO CONTROLADA Yara Camila Fabrin Cabral 1, Marizangela Rizzatti Ávila 2 e Thiago Alberto Ortiz 1

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO PHYSIOLOGIC QUALITY OF SOYBEAN SEEDS IN FUNCTION OF GERMINATION Ayza Eugênio Viana Camargos (1) Resumo Antonio Pizolato Neto (2)

Leia mais

COMPARAÇÃO DA PRECISÃO DOS RESULTADOS DO TESTE DE TETRAZÓLIO USANDO A METODOLOGIA ALTERNATIVA E A TRADICIONAL EM SEMENTES DE SOJA

COMPARAÇÃO DA PRECISÃO DOS RESULTADOS DO TESTE DE TETRAZÓLIO USANDO A METODOLOGIA ALTERNATIVA E A TRADICIONAL EM SEMENTES DE SOJA Original Article 47 COMPARAÇÃO DA PRECISÃO DOS RESULTADOS DO TESTE DE TETRAZÓLIO USANDO A METODOLOGIA ALTERNATIVA E A TRADICIONAL EM SEMENTES DE SOJA ACCURACY OF TETRAZOLIUM TEST RESULTS FOR SOYBEAN SEEDS

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS MÉTODOS DE ENVELHECIMENTO ACELERADO E DE DETERIORAÇÃO CONTROLADA PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA

COMPARAÇÃO ENTRE OS MÉTODOS DE ENVELHECIMENTO ACELERADO E DE DETERIORAÇÃO CONTROLADA PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA COMPARAÇÃO ENTRE OS MÉTODOS DE ENVELHECIMENTO ACELERADO E DE DETERIORAÇÃO CONTROLADA PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA C.A.V. ROSSETTO; J. MARCOS FILHO Departamento de Agricultura

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) TRATADAS COM INSETICIDAS SOB EFEITO DO ARMAZENAMENTO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) TRATADAS COM INSETICIDAS SOB EFEITO DO ARMAZENAMENTO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) TRATADAS COM INSETICIDAS SOB EFEITO DO ARMAZENAMENTO Gleberson Guillen

Leia mais

Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo

Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo Francielly Q. G. Alves; Fabiano C. Silva; Andréia M. S. S. David; Irton J. S. Costa, Danilo A. Simões e Renato M. de Oliveira. UNIMONTES-Centro

Leia mais

MÉTODO ALTERNATIVO PARA SUBMETER SEMENTES DE AMENDOIM À SOLUÇÃO DE TETRAZÓLIO 1

MÉTODO ALTERNATIVO PARA SUBMETER SEMENTES DE AMENDOIM À SOLUÇÃO DE TETRAZÓLIO 1 18 MÉTODO ALTERNATIVO PARA SUBMETER SEMENTES DE AMENDOIM À SOLUÇÃO DE TETRAZÓLIO 1 NELSON MOREIRA DE CARVALHO 2, JOSUÉ BISPO DA SILVA 3, CÉSAR MARTORELLI DA SILVEIRA 4, RENATA ALVES HORVAT 5 RESUMO - A

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES PELETIZADAS DE CEBOLA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES PELETIZADAS DE CEBOLA GONÇALVES, A. S.D., et al, 2006 5 9 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES PELETIZADAS DE CEBOLA ANNE SUELI DINIZ GONÇALVES 1 ; CLAUDIA ANTONIA VIEIRA ROSSETTO 2 1,2. Instituto de Agronomia, UFRRJ,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA

INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA Amanda Micheline Amador de Lucena 1, Liv Soares Severino 2, Valdinei Sofiatti 2, Maria Aline de

Leia mais

ph Do Exsudato Para Sementes De Pinhão-Manso

ph Do Exsudato Para Sementes De Pinhão-Manso ph Do Exsudato Para Sementes De Pinhão-Manso Fernanda Vieira Santana (1), Tássia Fernanda Santos Neri Soares (2), Michelle Conceição Vasconcelos (3), Joel Conceição Costa (4), Renata Silva-Mann (5). (1)

Leia mais

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA SEMENTES DE FEIJÃO MANTEIGUINHA

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA SEMENTES DE FEIJÃO MANTEIGUINHA Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA SEMENTES DE FEIJÃO MANTEIGUINHA José Elienir Nunes Silva Universidade Federal do Acre - UFAC André Luiz

Leia mais

TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO EM SEMENTES DE SOJA

TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO EM SEMENTES DE SOJA TESTE DE ENVELHECIMENTO ACELERADO EM SEMENTES DE SOJA Marjana Martens 1 ; Alfredo José Martini 1 ; Juliane Buss 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Patrícia Kramer 1 ; Fabiana Raquel Mühl 2 ; Neuri Antonio Feldmann

Leia mais

Seleção de cultivares Bourbon visando à produção de cafés especiais

Seleção de cultivares Bourbon visando à produção de cafés especiais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Seleção de cultivares Bourbon visando à produção de cafés especiais Antonio Alfredo de Figueiredo Rodrigues (1), Gladyston Rodrigues

Leia mais

Soluções de condicionamento na longevidade de inflorescências de copo-de-leite colhidas em diferentes fases de abertura da espata

Soluções de condicionamento na longevidade de inflorescências de copo-de-leite colhidas em diferentes fases de abertura da espata Soluções de condicionamento na longevidade de inflorescências de copo-de-leite colhidas em diferentes fases de abertura da espata Ingrid Santos da Fonseca (1), Elka Fabiana Aparecida Almeida (2), Simone

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1)

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1) TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA Milena Fontenele dos Santos (1) 1 Aluna de graduação do curso de Agronomia do Centro Universitário de Patos de Minas

Leia mais

AVALIACÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE MELANCIA 1 EVALUATION OF THE PHYSIOLOGICAL POTENTIAL OF WATERMELON SEEDS

AVALIACÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE MELANCIA 1 EVALUATION OF THE PHYSIOLOGICAL POTENTIAL OF WATERMELON SEEDS AVALIACÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE MELANCIA 1 EVALUATION OF THE PHYSIOLOGICAL POTENTIAL OF WATERMELON SEEDS Andréia da Silva Almeida 1 Jonas Farias Pinto 2 Cristiane Deuner 3 ; Francisco

Leia mais

Formulário para submissão de trabalho

Formulário para submissão de trabalho Dados do Trabalho e do (a) Orientador (a) Formulário para submissão de trabalho Título do Projeto: Avaliação de substratos de germinação de rosa (Rosa sp.) variedade arco-íris Nível de Ensino: Graduação

Leia mais

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA SEMENTES DE FEIJÃO-MUNGO-VERDE 1

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA SEMENTES DE FEIJÃO-MUNGO-VERDE 1 23 TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA SEMENTES DE FEIJÃO-MUNGO-VERDE Roberto Fontes Araujo 2, João Batista Zonta 3, Eduardo Fontes Araujo 4, Elaine Heberle 3, Flávia Miranda Garcia Zonta 3 RESUMO - A

Leia mais

Envelhecimento acelerado e ocorrência de fungos em duas cultivares de soja. Accelerated aging test and occurrence of fungi in two soybean cultivars

Envelhecimento acelerado e ocorrência de fungos em duas cultivares de soja. Accelerated aging test and occurrence of fungi in two soybean cultivars Envelhecimento acelerado e ocorrência de fungos em duas cultivares de soja Accelerated aging test and occurrence of fungi in two soybean cultivars Tereza Cristina de Carvalho 1* ; Ana Dionisia da Luz Coelho

Leia mais

Testes de vigor utilizados na avaliação da qualidade fisiológica de lotes de sementes de milho-doce (sh2)

Testes de vigor utilizados na avaliação da qualidade fisiológica de lotes de sementes de milho-doce (sh2) Ciência 2402 Rural, Santa Maria, v.39, n.9, p.2402-2408, dez, 2009 Coimbra et al. ISSN 0103-8478 Testes de vigor utilizados na avaliação da qualidade fisiológica de lotes de sementes de milho-doce (sh2)

Leia mais

Condução do teste de condutividade elétrica utilizando partes de sementes de feijão

Condução do teste de condutividade elétrica utilizando partes de sementes de feijão Condução do teste de condutividade elétrica utilizando partes de sementes de feijão Electrical conductivity test with parts of bean seeds Vanessa N. Silva 1, Clarissa Ana Zambiasi 2, Maria Angêla A. Tillmann

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. DE PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ Qualidade de sementes: conjunto de características que determinam

Leia mais