Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul"

Transcrição

1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Instrução Normativa REITORIA nº 01, de 07 de janeiro de Estabelece fluxo de Processos Administrativos Disciplinares e Sindicâncias do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul IFRS. A Reitora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul IFRS, no uso de suas atribuições legais, resolve: CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DEFINIÇÕES Art. 1º Estas normas têm por fim a regulamentação dos fluxos de Processos Administrativos Disciplinares e Sindicâncias do IFRS, conforme previsto na Constituição Federal de 1988; Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; Lei nº 8.429, de 02 de junho de 1992; Lei nº 9.527, de 10 de dezembro de 1997; e Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de º Conforme previsto no Art. 148, da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, o processo disciplinar é o instrumento destinado a apurar responsabilidade de servidor por infração praticada no exercício de suas atribuições, ou que tenha relação com as atribuições do cargo em que se encontre investido. 2º A autoridade pública que tiver ciência de irregularidades, a fim de manter a ordem em sua estrutura interna e na prestação de serviços, deve promover a apuração de irregularidades mediante Sindicância ou Processo Administrativo Disciplinar (PAD), assegurando ao acusado ampla defesa.

2 CAPÍTULO II DA COMISSÃO PERMANENTE DE PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR CPPAD Art. 2º A Reitoria nomeará uma Comissão Permanente de Processo Administrativo Disciplinar CPPAD com o objetivo de auxiliar nos encaminhamentos, prestar orientações e controlar a condução das apurações de irregularidades. 1º A Comissão prevista no Caput será composta por 3 (três) servidores lotados na Reitoria, sendo 1 (um) membro lotado na Diretoria de Gestão de Pessoas. 2º São requisitos desejáveis para compor a Comissão Permanente de Processo Administrativo Disciplinar: a) ser servidor estável; b) possuir capacitação em curso de sindicância e PAD; c) ter experiência em comissão de sindicância ou PAD; d) ser graduado em direito ou possuir notórios conhecimentos em direito administrativo; e) ter conhecimento ou acesso ao sistema CGU-PAD. Art. 3º São atribuições da Comissão Permanente de Processo Administrativo Disciplinar: I - elaborar modelos padronizados de atas, notificações, memorandos, formulários, relatórios e outros documentos pertinentes ao processo disciplinar; II - criar e manter atualizado, com o apoio da Diretoria de Gestão de Pessoas, um relatório com os nomes e dados de servidores aptos, por lei e por interesse da instituição, a participarem de comissões de Sindicância e PAD; III indicar os membros que poderão compor as comissões; IV - elaborar roteiros e manuais no âmbito da apuração de irregularidades; V - acompanhar o andamento dos trabalhos das comissões e, quando necessário, prestar suporte técnico, provendo os servidores com orientações técnicas, a fim de que todo o processo apuratório cumpra o que legalmente está estabelecido; VI - auxiliar o Departamento de Desenvolvimento de Pessoas na oferta de cursos de capacitação em Sindicância e Processo Administrativo Disciplinar; VII - alimentar e operacionalizar o sistema CGU-PAD (Sistema de Gestão de Processos Disciplinares); VIII realizar reuniões preparatórias ou elucidativas, quando solicitadas pela autoridade instauradora ou pelas comissões designadas; IX conduzir os processos apuratórios de maior complexidade, quando designada pela autoridade instauradora. 2

3 Parágrafo único. Deverão constar no relatório previsto no inciso II deste artigo as informações relativas à lotação do servidor, tempo de serviço, cargo, função, capacitações realizadas, nível de formação, experiência em comissão de sindicância ou PAD, entre outras informações pertinentes. CAPÍTULO III DOS PROCEDIMENTOS INICIAIS Art. 4º As representações ou denúncias sobre irregularidades deverão ser encaminhadas a autoridade competente, o Diretor da unidade, formuladas por escrito, devendo conter a identificação e o endereço do denunciante, salvo casos de denúncias por parte da comunidade externa. Art. 5º Ao ter ciência da representação ou denúncia, a autoridade deverá realizar o Juízo de Admissibilidade da ocorrência. 1º O Juízo de Admissibilidade tem como objetivo coletar elementos para verificar o cabimento da instauração de processo disciplinar. 2º Quando o fato narrado não configurar evidente infração disciplinar ou ilícito penal, a denúncia deverá ser arquivada, por falta de objeto. Art. 6º A autoridade deverá comunicar de imediato a CPPAD sobre a representação ou denúncia, anexando-a ao documento. Parágrafo único. Conforme os fatos, a CPPAD irá propor a instauração de uma Sindicância ou Processo Administrativo Disciplinar, Rito Ordinário ou Rito Sumário, indicando todos os membros aptos a compor uma comissão de Sindicância ou PAD. Art. 7º Com base nas informações repassadas pela CPPAD, a autoridade competente irá designar uma comissão para apuração das irregularidades. Parágrafo único. A comissão deverá ser composta por servidores estáveis designados pela autoridade competente que indicará, dentre eles, o seu presidente, que deverá ser ocupante de cargo efetivo superior ou de mesmo nível, ou ter nível de escolaridade igual ou superior ao do indiciado. Art. 8º Os procedimentos iniciais, bem como a abertura e o desfecho resumido dos processos de apuração de irregularidades, deverão seguir o fluxograma previsto no ANEXO I 3

4 CAPÍTULO IV DO FLUXO DOS PROCESSOS DISCIPLINARES SEÇÃO I SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA Art. 9º Será aberta uma Sindicância Administrativa quando a conduta irregular não estiver bem definida ou quando, ainda que definida, a denúncia não apresentar suspeito de autoria. 1º Para a execução do previsto no Caput, será nomeada uma Comissão de Sindicância composta por 3 (três) servidores estáveis. 2º Deverá ser executada em 30 (trinta) dias, podendo ser prorrogado por igual período. Art. 10 O início dos trabalhos da Comissão de Sindicância relacionados com a apuração dos fatos mencionados na portaria de instauração, ocorrerá pelas seguintes ações: a) designação o secretário; b) comunicação da instalação ao Diretor da Unidade, à CPPAD e à Diretoria de Gestão de Pessoas; c) análise dos autos do processo; d) investigação preliminar. 1º A análise dos autos do processo visa identificar claramente o que se pretende elucidar no inquérito. 2º A Investigação preliminar visa identificar a autoria da irregularidade. 3º Caso não seja possível identificar a autoria, o processo deverá ser arquivado e comunicado este fato à CPPAD. 4º Caso seja possível identificar a autoria, porém a previsão de penalidade seja superior a suspensão de 30 (trinta) dias, o processo deverá ser encaminhado para instauração de Processo Administrativo Disciplinar. Art. 11 Feita a identificação e não se configurando nenhuma das condições dos parágrafos 3º e 4º do artigo 10, a comissão seguirá seus trabalhos com a Instrução do Processo. 1º Inicia-se a Instrução pela Notificação do Servidor quanto à citação de seu nome nos autos. 2º Segue a instrução pela fase do Inquérito através de oitivas, diligências, reproduções, consultas, pesquisas, perícias, acareações e interrogatórios, inclusive pela indicação de testemunhas por parte dos citados. 3º Comprovada a inocência ou verificando-se a ausência de provas para responsabilização, o processo deverá ser arquivado e comunicado este fato à CPPAD. 4

5 Art. 12 Havendo a comprovação da autoria e da materializada, deverá ser feito o indiciamento do(s) acusados(s). 1º A Comissão de Sindicância deverá notificar o(s) acusados(s) para que apresente(m) a(s) defesa(s) escrita. 2º A não apresentação de defesa implica na consideração de revelia do(s) indiciado(s) que não apresentar(em) a(s) defesa(s) escrita, devendo a autoridade instauradora do processo designar um servidor como defensor dativo. Art. 13 Após a entrega da(s) defesa(s) escrita do(s) indiciado(s), a comissão elaborará um relatório minucioso e conclusivo quanto à inocência ou à responsabilidade do servidor. Parágrafo único. Após o procedimento previsto no Caput, a comissão enviará todo o processo à autoridade instauradora do processo. Art. 14 A autoridade instauradora do processo deverá julgar pela procedência ou não da possível irregularidade cometida pelo servidor, acatando o relatório da comissão, salvo quando contrário às provas dos autos. 1º sendo constatado a ocorrência de vício insanável no processo, a autoridade instauradora do processo deverá iniciar novamente o processo de Sindicância Administrativa. 2º Entendendo a autoridade instauradora do processo que não há a responsabilização de um ou mais indiciados, o processo deverá ser arquivado e comunicado este fato à CPPAD. 3º A autoridade instauradora do processo deverá aplicar a penalidade caso entenda que há a responsabilização de um ou mais indiciados e que a punição sugerida é de advertência ou suspensão de até 30 (trinta) dias. 4º Se a previsão de penalidade for superior a suspensão de 30 (trinta) dias, a autoridade instauradora do processo deverá ser encaminhado para instauração de Processo Administrativo Disciplinar. Art. 15 Os procedimentos da Sindicância Administrativa deverão seguir o fluxograma previsto no ANEXO II. SEÇÃO II PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR RITO ORDINÁRIO Art. 16 Será aberta um Processo Administrativo Disciplinar Rito Ordinário quando a conduta irregular estiver bem definida e a representação ou denúncia apresentar suspeito de autoria. 5

6 1º Para a execução do previsto no Caput, será nomeada uma Comissão de Processo Administrativo Disciplinar Rito Ordinário composta por 3 (três) servidores estáveis. 2º Deverá ser executada em 60 (sessenta) dias, podendo ser prorrogado por igual período. Art. 17 O início dos trabalhos da Comissão de Processo Administrativo Disciplinar relacionados com a apuração dos fatos mencionados na portaria de instauração, ocorrerá pelas seguintes ações: a) designação o secretário; b) comunicação da instalação ao Diretor da Unidade, à CPPAD e à Diretoria de Gestão de Pessoas; c) análise dos autos do processo; Parágrafo único A análise dos autos do processo visa identificar claramente o que se pretende elucidar no inquérito. Art. 18 A Comissão de Processo Administrativo Disciplinar seguirá seus trabalhos com a Instrução do Processo. 1º Inicia-se a Instrução pela Notificação do Servidor quanto à citação de seu nome nos autos. 2º Segue a instrução pela fase do Inquérito através de oitivas, diligências, reproduções, consultas, pesquisas, perícias, acareações e interrogatórios, inclusive pela indicação de testemunhas por parte dos citados. 3º Comprovada a inocência ou verificando-se a ausência de provas para responsabilização, o processo deverá ser arquivado e comunicado este fato à CPPAD. Art. 19 Havendo a comprovação da autoria e da materializada, deverá ser feito o indiciamento do(s) acusados(s). 1º A Comissão de Processo Administrativo Disciplinar deverá notificar o(s) acusados(s) para que apresente(m) a(s) defesa(s) escrita. 2º A não apresentação de defesa implica na consideração de revelia do(s) indiciado(s) que não apresentar(em) a(s) defesa(s) escrita, devendo a autoridade instauradora do processo designar um servidor como defensor dativo. Art. 20 Após a entrega da(s) defesa(s) escrita do(s) indiciado(s), a comissão elaborará um relatório minucioso e conclusivo quanto à inocência ou à responsabilidade do servidor. Parágrafo único. Após o procedimento previsto no Caput, a comissão enviará todo o processo à autoridade instauradora do processo. 6

7 Art. 21 A autoridade instauradora do processo deverá julgar pela procedência ou não da possível irregularidade cometida pelo servidor, acatando o relatório da comissão, salvo quando contrário às provas dos autos. 1º sendo constatado a ocorrência de vício insanável no processo, a autoridade instauradora do processo deverá iniciar novamente o Processo Administrativo Disciplinar. 2º Entendendo a autoridade instauradora do processo que não há a responsabilização de um ou mais indiciados, o processo deverá ser arquivado e comunicado este fato à CPPAD. 3º A autoridade instauradora do processo deverá aplicar a penalidade caso entenda que há a responsabilização de um ou mais indiciados, devendo ser comunicado este fato à CPPAD. Art. 22 Os procedimentos do Processo Administrativo Disciplinar deverão seguir o fluxograma previsto no ANEXO III. SEÇÃO III PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR RITO SUMÁRIO Art. 23 Será aberta um Processo Administrativo Disciplinar Rito Sumário quando a representação ou denúncia apresentar: suspeito de autoria e prova pré-constituída prevista no Art. 133 e/ou Art. 140, da Lei nº 8.112/90. 1º Para a execução do previsto no Caput, será nomeada uma Comissão de Processo Administrativo Disciplinar Rito Ordinário composta por 2 (dois) servidores estáveis. 2º Deverá ser executada em 30 (trinta) dias, podendo ser prorrogado por mais 15 (quinze) dias. Art. 24 O início dos trabalhos da Comissão de Processo Administrativo Disciplinar Rito Sumário relacionados com a apuração dos fatos mencionados na portaria de instauração, ocorrerá pelas seguintes ações: a) designação o secretário; b) comunicação da instalação ao Diretor da Unidade, à CPPAD e à Diretoria de Gestão de Pessoas; c) análise dos autos do processo; Parágrafo único A análise dos autos do processo visa identificar claramente o que se pretende elucidar no inquérito. Art. 25 A Comissão de Processo Administrativo Disciplinar Rito Sumário seguirá seus trabalhos com o indiciamento do(s) acusados(s). 7

8 1º A Comissão de Processo Administrativo Disciplinar Rito Sumário deverá notificar o(s) acusados(s) para que apresente(m) a(s) defesa(s) escrita. 2º A não apresentação de defesa implica na consideração de revelia do(s) indiciado(s) que não apresentar(em) a(s) defesa(s) escrita, devendo a autoridade instauradora do processo designar um servidor como defensor dativo. Art. 26 Após a entrega da(s) defesa(s) escrita do(s) indiciado(s), a comissão elaborará um relatório minucioso e conclusivo quanto à inocência ou à responsabilidade do servidor. Parágrafo único. Após o procedimento previsto no Caput, a comissão enviará todo o processo à autoridade instauradora do processo. Art. 27 A autoridade instauradora do processo deverá julgar pela procedência ou não da possível irregularidade cometida pelo servidor, acatando o relatório da comissão, salvo quando contrário às provas dos autos. 1º sendo constatado a ocorrência de vício insanável no processo, a autoridade instauradora do processo deverá iniciar novamente o Processo Administrativo Disciplinar Rito Sumário. 2º Entendendo a autoridade instauradora do processo que não há a responsabilização de um ou mais indiciados, o processo deverá ser arquivado e comunicado este fato à CPPAD. 3º A autoridade instauradora do processo deverá aplicar a penalidade de demissão, destituição do cargo ou cassação da aposentadoria caso entenda que há a responsabilização do indiciado, devendo ser comunicado este fato à CPPAD. Art. 28 Os procedimentos do Processo Administrativo Disciplinar deverão seguir o fluxograma previsto no ANEXO IV. CAPÍTULO V DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 29 Os processos aqui descritos estão comparados no ANEXO V. Art. 30 Os casos omissos serão dirimidos pelo Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul. Profª. Cláudia Schiedeck Soares de Souza Reitora do IFRS Decreto Presidencial de 11/10/2011 Publicado em 13/10/2011 8

9 ANEXO I 9

10 ANEXO II 10

11 ANEXO III 11

12 ANEXO IV 12

13 ANEXO V Processos Sindicância Administrativa PAD Rito Ordinário PAD Rito Sumário Abertura Quando a conduta irregular não estiver bem Quando a conduta irregular estiver bem Quando a representação ou denúncia apresentar: definida ou quando, ainda que definida, a definida e a representação ou denúncia suspeito de autoria e prova pré-constituída prevista denúncia não apresentar suspeito de autoria. apresentar suspeito de autoria. no Art. 133 e Art. 140, da Lei nº 8.112/90. Prazo Não excederá 30 (trinta) dias, podendo ser Não excederá 60 (trinta) dias, podendo ser Não excederá 30 (trinta) dias, podendo ser prorrogado por igual período. prorrogado por igual período. prorrogado por até mais 15 dias. Designação da Comissão Composta por 3 (três) servidores estáveis. Composta por 3 (três) servidores estáveis. Composta por 2 (três) servidores estáveis. Ata de Instalação Início aos trabalhos relacionados com a apuração dos fatos mencionados na portaria de instauração, deliberando-se preliminarmente: a) designar o secretário; b) comunicar a instalação ao Diretor da unidade, à CPPAD e à Diretoria de Gestão de Pessoas; e c) examinar os autos do processo. Estudo de autos Análise dos autos do processo com intuito de identificar claramente o que se pretende Existência de provas pré-constituídas. elucidar no inquérito. Investigação preliminar Visa identificar a autoria da irregularidade. Não se aplica. Não se aplica. Atos de Instrução Notificação do servidor e inquérito: oitivas, diligências, reproduções, consultas, pesquisas, Não se aplica. perícias, acareações e interrogatórios. Indiciação do servidor Especificação dos fatos a ele atribuídos e das respectivas provas. Citação para apresentar defesa Citação para o servidor apresentar sua defesa, considerando-se revel o indiciado que não apresentar a defesa escrita. Para defender o indiciado revel, a autoridade instauradora do processo designará um servidor como defensor dativo. Relatório Conclusivo A comissão elaborará um relatório minucioso e conclusivo quanto à inocência ou à responsabilidade do servidor. Julgamento A autoridade deve julgar pela procedência ou não da possível irregularidade cometida pelo servidor, acatando o relatório da comissão, salvo quando contrário às provas dos autos. Aplicação de penalidade Advertência ou suspensão de até 30 (trinta) Aplicação de penalidade prevista no Art. Demissão, destituição do cargo em comissão ou dias. 127, da Lei nº 8.112/90. cassação da aposentadoria. Fluxograma ANEXO I ANEXO II ANEXO III 13

14 14

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES INTRODUÇÃO SINDICÂNCIA DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES PROCEDIMENTOS FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR DEFINIÇÃO

Leia mais

Organização da Aula. Direito Administrativo Aula n. 6. Contextualização. Processo Administrativo. Instrumentalização. Processo Administrativo

Organização da Aula. Direito Administrativo Aula n. 6. Contextualização. Processo Administrativo. Instrumentalização. Processo Administrativo Organização da Aula Direito Administrativo Aula n. 6 Processo Administrativo Professor: Silvano Alves Alcantara Inserir o vídeo: Contextualização http://www.youtube.com/watch?v= HIk9czoUaXU De 0:00 à 1:47.

Leia mais

CORREGEDORIA EM AÇÃO NA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA

CORREGEDORIA EM AÇÃO NA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA CORREGEDORIA EM AÇÃO NA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA APRESENTAÇÃO CORREGEDORIA NA TRANSPARÊNCIA PROMOVER A ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FUNÇÃO DA CORREGEDORIA PREVENÇÃO X PUNIÇÃO VISITAS AOS ÓRGÃOS FISCALIZAR

Leia mais

Processo Administrativo Disciplinar. Fabrício Colombo

Processo Administrativo Disciplinar. Fabrício Colombo Processo Administrativo Disciplinar Fabrício Colombo APRESENTAÇÃO * Sistema de Correição do Poder Executivo Federal; * Dever de apuração da autoridade; * Espécies processuais; * Comissões disciplinares;

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL. SINDICÂNCIA e PROCESSO DISCIPLINAR MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL. SINDICÂNCIA e PROCESSO DISCIPLINAR MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO TOMADA DE CONTAS ESPECIAL SINDICÂNCIA e PROCESSO DISCIPLINAR MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO TOMADA DE CONTAS ESPECIAL Instrução Normativa N.TC-13/2012 Definição e Objetivo A tomada de contas

Leia mais

ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética EDUCATIVA ética CONSULTIVA ética CONCILIADORA RESPONSABILIZADORAética ética

ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética EDUCATIVA ética CONSULTIVA ética CONCILIADORA RESPONSABILIZADORAética ética ÉTICA EDUCATIVA CONCILIADORA PREVENTIVA RESPONSABILIZADORA COMISSÃO DE CONSULTIVA DO IFBA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFBA 3 Apresentação Esta guia tem como objetivo esclarecer, orientar e estimular a compreensão

Leia mais

Atualizar e difundir as diretrizes do Código de Ética.

Atualizar e difundir as diretrizes do Código de Ética. Comitê de Ética Composição O Comitê de Ética será um grupo formado por três pessoas da empresa: o CEO e mais duas pessoas vinculadas à empresa, preferencialmente com conhecimentos de Compliance, recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO UNICID. Prof. Átila

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO UNICID. Prof. Átila UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO UNICID CURSO SUPERIOR TECNOLÓGICO DE GESTÃO SEGURANÇA PRIVADA Prof. Átila GRUPO Nº. 06 Cleber Ricardo Impaléia Marilene M. C. Neto Anderson S. Moura Oséias A. Silva Vitor

Leia mais

Escrevente Técnico Judiciário/TJ SP. Comentários da prova de Direito Administrativo

Escrevente Técnico Judiciário/TJ SP. Comentários da prova de Direito Administrativo Olá, concurseiros! Escrevente Técnico Judiciário/TJ SP Comentários da prova de Direito Administrativo Seguem abaixo os comentários sobre a prova de Direito Administrativo realizada no dia 09 de setembro

Leia mais

PENALIDADES DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

PENALIDADES DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES PENALIDADES DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Os servidores públicos têm a obrigação de observar o estabelecido no artigo 37 da

Leia mais

RESOLUÇÃO CREF2/RS Nº 105/2016

RESOLUÇÃO CREF2/RS Nº 105/2016 Porto Alegre, 18 de março de 2016. RESOLUÇÃO CREF2/RS Nº 105/2016 Dispõe sobre o Processo Administrativo Disciplinar no âmbito do CREF2/RS e dá outras providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.363 INSTRUÇÃO Nº 1160-71.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a apuração de crimes

Leia mais

PROJETO DE LEI N. 020/2010. DISPÕE SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR NO ÂMBITO MUNICIPAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PROJETO DE LEI N. 020/2010. DISPÕE SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR NO ÂMBITO MUNICIPAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PROJETO DE LEI N. 020/2010. DISPÕE SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR NO ÂMBITO MUNICIPAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. DOUTOR FELIPE CARUSI FILHO, Vereador da Câmara Municipal de José Bonifácio,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.396 INSTRUÇÃO Nº 958-26.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a apuração de crimes eleitorais.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 106, DE 18 DE MAIO DE Publicada no Diário Oficial nº Art Art Art

LEI COMPLEMENTAR Nº 106, DE 18 DE MAIO DE Publicada no Diário Oficial nº Art Art Art LEI COMPLEMENTAR Nº 106, DE 18 DE MAIO DE 2016. Publicada no Diário Oficial nº 4.624 O Governador do Estado do Tocantins: Altera a Lei Complementar Estadual nº 51, de 2 de janeiro de 2008, que institui

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DAS PENALIDADES (Capítulo V Lei nº 8.112/90) Art. 127. São penalidades disciplinares: I - advertência; II - suspensão; III - demissão; IV - cassação de aposentadoria ou disponibilidade; V - destituição

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Procedimento Comum e Ordinário Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal PROCEDIMENTO COMUM E ORDINÁRIO LIVRO II Dos Processos em Espécie

Leia mais

TJ - SP Direito Administrativo Estatuto dos Funcionários Públicos GIULIANO MENEZES

TJ - SP Direito Administrativo Estatuto dos Funcionários Públicos GIULIANO MENEZES TJ - SP Direito Administrativo Estatuto dos Funcionários Públicos GIULIANO MENEZES 1. Extingue-se a punibilidade pela prescrição da falta sujeita à pena a) de repreensão, suspensão ou multa, em 2 (dois)

Leia mais

CONCEITO DE AUTORIDADE

CONCEITO DE AUTORIDADE - LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL - - Lei nº 4.898/65 - Abuso de Autoridade - Professor: Marcos Girão - CONCEITO DE AUTORIDADE 1 CONCEITO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898/65 Pode ser considerado autoridade o servidor

Leia mais

RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dias Toffoli. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre a apuração de crimes

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO Regimento Interno Art. 1 º A Comissão de Direito Securitário é composta de: I Membros Efetivos, dentre eles o Presidente, o Vice-Presidente, Secretário e Membros Consultores;

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 18/05 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV 2.3 PROCEDIMENTO DA LEI DE DROGAS (Lei 11.343/06) - Procedimento Previsto nos artigos 54 a 59 da

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO

ESTADO DE GOIÁS DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO ~ INSTRUÇÃO NORMATIVA N ()G5/2012/GS Estabelece normas complementares acerca da condução dos veículos utilizados pela administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo e, acerca da apuração

Leia mais

PORTARIA PFE/UFLA Nº 1, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013.

PORTARIA PFE/UFLA Nº 1, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. PORTARIA PFE/UFLA Nº 1, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o funcionamento da consultoria jurídica e assessoramento jurídico no âmbito da Procuradoria Federal na Universidade Federal de Lavras - PFE/UFLA.

Leia mais

21 e 22/10/2013/10/2013 Brasília DF SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR. Apresentação. Objetivo. Público-Alvo. Conteúdo Programático

21 e 22/10/2013/10/2013 Brasília DF SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR. Apresentação. Objetivo. Público-Alvo. Conteúdo Programático Apresentação Apresentar-se-á uma exposição dos dispositivos legais com uma rica abordagem teórica e principiológica do regime disciplinar, com firme fundamento na jurisprudência dos Tribunais Superiores,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA OUVIDORIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

REGULAMENTO GERAL DA OUVIDORIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI REGULAMENTO GERAL DA OUVIDORIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Artigo 1º Criar a Ouvidoria no âmbito dos câmpus e polos de apoio presencial da Universidade Anhembi Morumbi, como órgão de assessoramento do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 06/2015 Ementa: estabelece sistemática para realização de Visitas Técnicas como atividade integrante dos componentes curriculares dos cursos oferecidos pelo IFPE O

Leia mais

UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO

UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 279 - O Regime Disciplinar da Universidade Federal do Rio de Janeiro é regido pelas normas especificadas neste

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Considerações sobre o processo administrativo disciplinar Marcus Vinicius Corrêa Bittencourt* A competência disciplinar do Poder Público consiste no dever-poder de apurar ilícitos

Leia mais

REGIMENTO ELEITORAL - DE/HU

REGIMENTO ELEITORAL - DE/HU SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. POLYDORO ERNANI DE SÃO THIAGO DIRETORIA DE ENFERMAGEM REGIMENTO ELEITORAL - DE/HU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

REMOÇÃO DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

REMOÇÃO DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES REMOÇÃO DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É o deslocamento do servidor, a pedido ou de ofício, no âmbito do mesmo quadro,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 003/2011-CD

RESOLUÇÃO N. 003/2011-CD RESOLUÇÃO N. 003/2011-CD Aprova o Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Agentes Universitários da Fecilcam. O Diretor da Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão - Fecilcam, na qualidade

Leia mais

Tomadade Contas Especial. Perspectivas Normativas

Tomadade Contas Especial. Perspectivas Normativas Tomadade Contas Especial Pressupostos, Objetivos e Perspectivas Normativas Atribuições da Auditoria Interna Sobre o Processo de TCE Examinar e emitir parecer sobre a prestação de contas anual da entidade

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 77, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 77, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004 CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 77, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004 Regulamenta o artigo 8º da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993, disciplinando, no âmbito do Ministério

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais,

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais, DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014 DECRETA: Aprova a Instrução Normativa SPA nº. 01/2014 na Versão 001 do Controle Interno da Câmara Municipal de Paranatinga e dá outras Providências. O Presidente da Câmara

Leia mais

Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE CAPÍTULO I... 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 1 CAPÍTULO III...

Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE CAPÍTULO I... 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 1 CAPÍTULO III... RDC Nº 23 /2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº

Leia mais

Resolução nº 031, de 24 de maio de 2011.

Resolução nº 031, de 24 de maio de 2011. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP

Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP Art. 1º - A Comissão de Direito Marítimo e Portuário é composta de: I - Membros Efetivos,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Seção I Do Ciclo de Fiscalização

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Seção I Do Ciclo de Fiscalização INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 13, DE 28 DE JULHO DE 2016, DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO Dispõe sobre os procedimentos a serem observados para o Ciclo de Fiscalização e para a Intervenção Fiscalizatória, previstos

Leia mais

ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010.

ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. Aprova a regulamentação da sistemática de apuração de transgressão disciplinar e da aplicação da punição disciplinar. O COMANDANTE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FORÇA NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM PREÂMBULO

REGIMENTO INTERNO FORÇA NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM PREÂMBULO REGIMENTO INTERNO FORÇA NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM PREÂMBULO O Conselho Federal de Enfermagem - Cofen, Autarquia criada pela Lei 5.905 de 12 de Julho de 1973, tem como principal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE R E S O L V E: CAPÍTULO I. Das Finalidades CAPÍTULO II. Da Natureza Jurídica e Objetivos

RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE R E S O L V E: CAPÍTULO I. Das Finalidades CAPÍTULO II. Da Natureza Jurídica e Objetivos RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE Estabelece normas para a constituição e funcionamento dos Comitês Central e Setoriais de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO

Leia mais

REITORIA DO IFMG BOLETIM DE SERVIÇOS E X T R A O R D I N Á R I O. Publicado em Lei nº 4965 de Março 2017 Nº 1

REITORIA DO IFMG BOLETIM DE SERVIÇOS E X T R A O R D I N Á R I O. Publicado em Lei nº 4965 de Março 2017 Nº 1 REITORIA DO IFMG BOLETIM DE SERVIÇOS E X T R A O R D I N Á R I O Publicado em 28 03 2017 Lei nº 4965 de 05 05 1966 Março 2017 Nº 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

CODIFICAÇÃO FOLHA HUMANOS AE REITORIA 01 04

CODIFICAÇÃO FOLHA HUMANOS AE REITORIA 01 04 SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS AE 019 - REITORIA 01 04 Apuração de infrações disciplinares e instituição de Comissão Permanente de Inquérito Administrativo 15 03 91 01 TÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DISCIPLINA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SPRINKLERS - ABSPK

CÓDIGO DE ÉTICA E DISCIPLINA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SPRINKLERS - ABSPK CÓDIGO DE ÉTICA E DISCIPLINA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SPRINKLERS - ABSPK Introdução Os membros da ABSpk Brasileira de Sprinklers entendem que a atuação no mercado de proteção contra incêndio não é uma

Leia mais

1 - Determinação legal ou judicial de descontos e recolhimentos obrigatórios.

1 - Determinação legal ou judicial de descontos e recolhimentos obrigatórios. É o processamento mensal de descontos obrigatórios e facultativos nos contracheques dos servidores ativos, aposentados e beneficiários de pensão do Poder Executivo, executado por meio do Sistema Integrado

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR 1

PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR 1 CURSO DIREITO DISCIPLINA Direito Processual Administrativo (10º período) PROFESSOR Luciano Carlos Ferreira 1 - INTRODUÇÃO Universidade Federal do Tocantins Campus de Palmas Aula 5 Direito Processual Administrativo

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO N 52/2016 Macaé, 03 de outubro de 2016.

ORDEM DE SERVIÇO N 52/2016 Macaé, 03 de outubro de 2016. ORDEM DE SERVIÇO N 52/2016 Macaé, 03 de outubro de 2016. O Diretor Geral do campus Macaé do INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE, Marcos Antônio Cruz Moreira, nomeado pela Portaria

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Orientador Empresarial PREVIDÊNCIA SOCIAL RFB - Irregularidades Sindicância ou Processo Administrativo Disciplinar Instauração PORTARIA

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 50, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016, DA DIRETORIA DE NORMAS E HABILITAÇÃO DOS PRODUTOS Regulamenta a Resolução Normativa - RN nº 417, de 22 de dezembro de 2016, para dispor, em especial,

Leia mais

EXERCÍCIO 8112/90 PROFª. CAROL

EXERCÍCIO 8112/90 PROFª. CAROL EXERCÍCIO 8112/90 PROFª. CAROL 1. Denis, servidor público federal estável, foi inabilitado em estágio probatório relativo a outro cargo e Fabiola, servidora pública em efetivo exercício de cargo público

Leia mais

DESIGNAÇÃO / NOMEAÇÃO PARA FUNÇÃO DE CHEFIA

DESIGNAÇÃO / NOMEAÇÃO PARA FUNÇÃO DE CHEFIA DESIGNAÇÃO / NOMEAÇÃO PARA FUNÇÃO DE CHEFIA Cód.: DFG Nº: 44 Versão: 10 Data: 13/07/2016 DEFINIÇÃO Ato de investidura do servidor no exercício de função de confiança integrante do quadro de chefias da

Leia mais

Universidade Federal do Oeste do Pará. Boletim de Serviço. Ano VIII. Edição nº 86, Aditivo II 27 de abril de 2017

Universidade Federal do Oeste do Pará. Boletim de Serviço. Ano VIII. Edição nº 86, Aditivo II 27 de abril de 2017 Universidade Federal do Oeste do Pará Boletim de Serviço Ano VIII Edição nº 86, Aditivo II 27 de abril de 2017 ADMINISTRAÇÃO Reitora ANSELMO ALENCAR COLARES Vice-Reitor CLODOALDO ALCINO ANDRADE DOS SANTOS

Leia mais

SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA Nº 416, DE 22 DE JANEIRO DE 2014

SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA Nº 416, DE 22 DE JANEIRO DE 2014 SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA Nº 416, DE 22 DE JANEIRO DE 2014 Institui o Grupo Especial de Fiscalização do Trabalho em Transportes - GETRAC. O SECRETÁRIO DE INSPEÇÃO DO TRABALHO, no uso

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ETICA EM PESQUISA DO UNI-FACEF

REGIMENTO DO COMITÊ DE ETICA EM PESQUISA DO UNI-FACEF 1 REGIMENTO DO COMITÊ DE ETICA EM PESQUISA DO UNI-FACEF Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa (COMEP) do Centro Universitário de Franca (Uni-FACEF), instituído pela Resolução n 0 01 de treze de setembro

Leia mais

II docentes e pesquisadores na área específica, que utilizam animais no ensino ou pesquisa científica.

II docentes e pesquisadores na área específica, que utilizam animais no ensino ou pesquisa científica. CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL RESOLUÇÃO NORMATIVA CONCEA No 1, DE 9 DE JULHO DE 2010 Dispõe sobre a instalação e o funcionamento das Comissões de Ética no Uso de Animais (CEUAs).

Leia mais

MANUAL PARA INSTAURAÇÃO E TRAMITAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CNPJ Nº / NIRE

MANUAL PARA INSTAURAÇÃO E TRAMITAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CNPJ Nº / NIRE MANUAL PARA INSTAURAÇÃO E TRAMITAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CNPJ Nº 09.358.105/0001-91 NIRE 33.300.285.601 Manual CAPÍTULO I DO OBJETIVO Artigo 1º Fica instituído

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a instituição e definição das atribuições do Comitê de Extensão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PALESTRANTE: FRANCISCO FERNANDES AGENTES PÚBLICOS Conceito: São todas as pessoas físicas incumbidas, definitiva ou transitoriamente, ainda que sem remuneração, por

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Citação e Intimação Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal CITAÇÃO E INTIMAÇÃO TÍTULO X Das Citações e Intimações CAPÍTULO I DAS CITAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - A Secretaria de Relações Institucionais SERIN, criada pela Lei nº 10.549, de 28 de dezembro de 2006, tem

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS

RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS A Congregação da Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas, no uso de suas atribuições regimentais e tendo em vista o

Leia mais

PROVA DISCURSIVA P 2

PROVA DISCURSIVA P 2 PROVA DISCURSIVA P 2 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

REGULAMENTO PARA SOLICITAÇÃO DE PASSAGENS E DIÁRIAS

REGULAMENTO PARA SOLICITAÇÃO DE PASSAGENS E DIÁRIAS Serviço Público Federal Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Campus Camaçari Loteamento Espaço Alpha (BA 522) Bairro Limoeiro CEP 42.802-590 Camaçari-Ba Telefax

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 6) DAS PENALIDADES:

Leia mais

ESTADO DO PARÁ DEFENSORIA PÚBLICA GABINETE DO DEFENSOR GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 DE 08 DE FEVEREIRO DE 2011

ESTADO DO PARÁ DEFENSORIA PÚBLICA GABINETE DO DEFENSOR GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 DE 08 DE FEVEREIRO DE 2011 ESTADO DO PARÁ DEFENSORIA PÚBLICA GABINETE DO DEFENSOR GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 DE 08 DE FEVEREIRO DE 2011 Dispõe sobre procedimentos para atendimento cível ao assistido nos núcleos setoriais vinculados

Leia mais

Assim, fica revogada a Portaria nº 550, de 12/03/2010 que, até então, Estabelecia as instruções para prorrogação do contrato de Trabalho temporário.

Assim, fica revogada a Portaria nº 550, de 12/03/2010 que, até então, Estabelecia as instruções para prorrogação do contrato de Trabalho temporário. DEPARTAMENTO JURÍDICO ORIENTAÇÃO CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO FOI PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 03/07/14 A PORTARIA Nº 789 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO que Estabelece Instruções para

Leia mais

INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO

INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO TERMO CIRCUNSTANCIADO TERMO CIRCUNSTANCIADO -Substitui o inquérito policial, é utilizado para crimes de menor potencial ofensivo (pena máxima

Leia mais

Lei 8112 Regime disciplinar. Proibições (art. 117) Proibições (art. 117) Proibições (art. 117) Proibições. Proibições (art. 117)

Lei 8112 Regime disciplinar. Proibições (art. 117) Proibições (art. 117) Proibições (art. 117) Proibições. Proibições (art. 117) Lei 8112 Regime disciplinar Direito Administrativo Prof. Armando Mercadante Nov/2009 Art. 117 (...) I - ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia autorização do chefe imediato; II - retirar,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 7 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o registro de empresas de trabalho temporário. O Secretário de Relações do Trabalho

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 7 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o registro de empresas de trabalho temporário. O Secretário de Relações do Trabalho INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 7 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o registro de empresas de trabalho temporário. O Secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, no uso da atribuição

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos de emissão e homologação da Certidão de Tempo de Contribuição CTC. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI 1 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI Outubro/2005 Atualizado em jan.2013 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

Conselho Regional de Educação Física 11ª Região Mato Grosso do Sul e Mato Grosso

Conselho Regional de Educação Física 11ª Região Mato Grosso do Sul e Mato Grosso Resolução CREF11/MS-MT nº 124/2013. Campo Grande /MS, 02 de dezembro de 2013. VERSÃO ALTERADA PELA RESOLUÇÃO Nº 132/2014 Dispõe sobre a atuação da fiscalização, tabela de infrações, penalidades, aplicação

Leia mais

OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS OUVIDORIA DO CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º A Ouvidoria do Conselho Federal de Enfermagem tem por objetivo colaborar para o aperfeiçoamento e

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é uma atividade curricular obrigatória para

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1.024, DE 21 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO N 1.024, DE 21 DE AGOSTO DE 2009. RESOLUÇÃO N 1.024, DE 21 DE AGOSTO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de adoção do Livro de Ordem de obras e serviços de Engenharia, Arquitetura, Agronomia, Geografia, Geologia, Meteorologia e demais

Leia mais

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE 2016. REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS A Comissão Eleitoral Permanente, nomeada pela portaria 14/2016

Leia mais

1. SERVIDORES PÚBLICOS ESTATURÁRIOS FEDERAIS. Art. 2º da Lei Conceito de agente público: Juiz e promotor são agentes políticos?...

1. SERVIDORES PÚBLICOS ESTATURÁRIOS FEDERAIS. Art. 2º da Lei Conceito de agente público: Juiz e promotor são agentes políticos?... 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Servidores Públicos Estatutários Federais 1. SERVIDORES PÚBLICOS ESTATURÁRIOS FEDERAIS Art. 2º da Lei 8.429 Conceito de agente público: Art. 2 Reputa-se agente público,

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/6 A Coordenadoria do Sistema de Controle Interno do Município, considerando: a) o disposto na Lei Municipal nº 3.581, de 03 de novembro de 2005 que, em seu art. 8º dispõe sobre a possibilidade de regulamentação

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais

RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009

RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009 RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009 EMENTA: Institui procedimentos que deverão ser adotados no processamento das denúncias éticas que forem objeto de DESAFORAMENTO, conforme previsão do artigo

Leia mais

RELATÓRIO N 10/2016. Acompanhamento das Atividades dos Órgãos de Controle

RELATÓRIO N 10/2016. Acompanhamento das Atividades dos Órgãos de Controle RELATÓRIO N 10/2016 Acompanhamento das Atividades dos Órgãos de Controle Ação do PAINT: Ação 24 do Plano Anual de Auditoria Interna PAINT 2016 Resolução n 03.2016 - CONSUP Unidade Auditada: UNICOR Cronograma:

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 9 DE JULHO DE 2010

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 9 DE JULHO DE 2010 Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 9 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Lei nº de 17 de outubro de 2001.

Lei nº de 17 de outubro de 2001. Lei nº 3.103 de 17 de outubro de 2001. Estabelece normas para a escolha de diretores e vice-diretores nas escolas da rede municipal e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Faço saber,

Leia mais

Resolução nº 55 de 17/03/2005 / ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária (D.O.U. 21/03/2005)

Resolução nº 55 de 17/03/2005 / ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária (D.O.U. 21/03/2005) Resolução nº 55 de 17/03/2005 / ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária (D.O.U. 21/03/2005) Fica estabelecidos, por meio do presente regulamento, os requisitos mínimos relativos à obrigatoriedade,

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001

DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001 DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001 MINISTÉRIO DO ESPORTE E TURISMO EMBRATUR - Instituto Brasileiro de Turismo DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 426, DE 04 DE OUTUBRO DE 2001 A Diretoria da EMBRATUR

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004

ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004 ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004 Nº PAUTA: 210.1 ASSUNTO: PROCEDIMENTO DISCIPLINAR ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho REVOGAÇÕES: Orientação Normativa nº.21/2000, de 20/11/2000

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE ENSINO Orientação Normativa nº. 03/2009-PROEN/IFRN Natal, 15 de outubro de 2009. A PRÓ-REITORA

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 19/2014, DE 23 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 19/2014, DE 23 DE MAIO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de propriedade

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO REGULAMENTO DA MONOGRAFIA OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) CURSO DE DIREITO

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO REGULAMENTO DA MONOGRAFIA OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) CURSO DE DIREITO FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO REGULAMENTO DA MONOGRAFIA OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) CURSO DE DIREITO Olinda/2008 1 FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO REGULAMENTO DA MONOGRAFIA OU TRABALHO

Leia mais

PORTARIA TC Nº 407, DE 11 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA TC Nº 407, DE 11 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA TC Nº 407, DE 11 DE AGOSTO DE 2015. Disciplina a sistemática de apuração de extravio ou dano de pequeno valor a bem público e aprova o Termo Circunstanciado Administrativo na forma do Anexo Único

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO ao IFC

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO ao IFC ORDEM DE SERVIÇO CONJUNTA Nº 01/GR/PF-IFC, de 25 de NOVEMBRO DE 2013. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE E O PROCURADOR-CHEFE DA PROCURADORIA FEDERAL JUNTO AO IF

Leia mais

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação Aprovado pela Resolução

Leia mais

SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA: (Previsão Legal da Lei nº 5.247/1991)

SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA: (Previsão Legal da Lei nº 5.247/1991) SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA: (Previsão Legal da Lei nº 5.247/1991) Instruções elaboradas pela Comissão Permanente de Inquérito Administrativo da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas UNCISAL.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 44/2016

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 44/2016 Página 1 de 5 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Boletim de Serviço Eletrônico em EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 44/2016 O GERENTE DE ADMINISTRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS, SUBSTITUTO, DA AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais