PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES"

Transcrição

1 PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES INTRODUÇÃO SINDICÂNCIA DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES PROCEDIMENTOS FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES PROCEDIMENTOS FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

2 INTRODUÇÃO Ninguém poderá ser punido sem antes ter garantido o direito de ampla defesa e do contraditório. Assim de acordo com o art. 143 da Lei 8.112/90, a autoridade que tiver ciência de irregularidade no serviço público está obrigada a promover a sua apuração imediata, por meio de sindicância e do processo administrativo assegurando a ampla defesa do acusado.

3 SINDICÂNCIA DEFINIÇÃO É a apuração com a finalidade de averiguar e levantar informações, esclarecimentos necessários à determinação do verdadeiro significado de fato ou fatos denunciados, de forma que a autoridade competente possa adotar as medidas cabíveis.

4 INFORMAÇÕES GERAIS Ocorrência de irregularidade e conhecimentos pela autoridade de infração disciplinar ou ilícito penal.

5 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES 1. O ofício ou memorando que comunicar a ocorrência de irregularidades à autoridade competente deverá conter os seguintes dados: a) narração detalhada dos fatos, tanto quanto possível, acompanhada de elementos comprobatórios ou de sua indicação; b) relação de testemunhas, sempre que possível; c) data; d) assinatura do denunciante. 2. A denúncia de irregularidade poderá ser de iniciativa de qualquer pessoa, pertencente ou não ao quadro da UFSCar. 3. Quando o fato denunciado não configurar evidente infração disciplinar ou ilícito penal, a denúncia será arquivada por falta de objeto. 4. Quando o fato narrado não configurar evidente infração disciplinar ou ilícito penal, a denúncia será arquivada por ausência de objeto. 5. A abertura de sindicância interrompe o prazo de prescrição da ação disciplinar, até a decisão final proferida por autoridade competente, começando a correr novamente após cessar esta interrupção. 6. A autoridade que tiver ciência de irregularidade no serviço público é obrigada a promover sua apuração imediata, mediante sindicância, assegurada ao acusado ampla defesa. 7. Como medida cautelar e a fim de que o servidor não venha a influir na apuração da irregularidade, a autoridade competente poderá determinar

6 seu afastamento do cargo, pelo prazo de até 60 (sessenta) dias, sem prejuízo da remuneração. Esse prazo poderá ser prorrogado por igual período. Se após a prorrogação o processo não estiver concluído, o servidor deverá retornar ao exercício de suas atividades. 8. O processo de Sindicância será conduzido por Comissão composta de 3 (três) servidores estáveis, sendo o Presidente indicado dentre eles. Cabe ao Presidente da Comissão a designação do Secretario, através de Portaria, logo no início dos trabalhos, podendo tal designação recair em um dos membros da Comissão ou de servidor estranho à mesma 9. Não poderá participar da Comissão de Sindicância cônjuge, companheiro ou parente do acusado, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral até o terceiro grau (pais, filhos, avós, netos, irmãos, tios, sobrinhos, sogros e cunhados). 10. O prazo para conclusão da sindicância não excederá 30 (trinta) dias, podendo ser prorrogado por igual período, a critério da autoridade superior, quando as circunstâncias exigirem. 11. Sempre que necessário, os membros da Comissão dedicarão tempo integral a seus trabalhos, ficando dispensados do ponto, até a entrega do Relatório Final. 12. A Comissão desenvolverá seus trabalhos em sigilo necessário à elucidação dos fatos, tendo as reuniões e audiências em caráter reservado. As reuniões e audiências serão registradas em atas que deverão detalhar as deliberações adotadas.

7 13. Da Sindicância poderá resultar: I. arquivamento do processo; II. aplicação de penalidade de advertência ou suspensão de até 30 (trinta) dias; III. instauração do processo administrativo disciplinar. 14. O processo de Sindicância com o relatório final da Comissão será remetido à autoridade que determinou sua instauração, para análise do processo, para decisão final, e, em caso de instauração de inquérito, seus autos integrarão, como peça informativa da instrução. 15. No caso da decisão final resultar na instauração de processo administrativo disciplinar, os autos da Sindicância integrarão como peça informativa da instrução. 16. Se o relatório da Sindicância concluir que a infração está capitulada como ilícito penal, a autoridade competente encaminhará cópia ao Ministério Público, independentemente da imediata instauração de processo disciplinar. 17. As penalidades de advertência e suspensão terão seus registros cancelados, não surtindo efeitos retroativos, após o período de 03 (três) e 5 (cinco) anos de efetivo exercício, respectivamente, se o servidor não houver, nesse período, praticado nova infração disciplinar.

8 PROCEDIMENTOS A autoridade competente inicia o processo de sindicância, por iniciativa própria ou a partir de denúncia de irregularidade por qualquer pessoa, mediante ofício ou memorando, contendo a narração detalhada dos fatos, acompanhada de elemento que comprove o fato ou de sua indicação.

9 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 1. Art. 131, 141 a 152 e 154, da Lei nº 8.112/90.

10 PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR DEFINIÇÃO É o instrumento destinado a apurar responsabilidade do servidor por infração praticada no exercício de suas atribuições ou que tenha relação com as atribuições do cargo em que se encontre investido.

11 INFORMAÇÕES GERAIS Ocorrência de irregularidade ou infração disciplinar. Ter o processo de sindicância concluído pela instauração de Processo Disciplinar, se for o caso.

12 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES RECOMENDA-SE: 1. Como medida cautelar e com a finalidade de que o servidor não venha a influir na apuração da irregularidade, a autoridade competente poderá determinar o seu afastamento do cargo, pelo prazo de até 60 (sessenta) dias, sem prejuízo da remuneração. Este afastamento poderá ser prorrogado por igual prazo, devendo o servidor reassumir suas funções ao término da prorrogação, ainda que o processo não esteja concluído. 2. A Comissão de Inquérito será composta por 3 (três) servidores estáveis, designados pela autoridade competente, que indicará, dentre eles, o seu Presidente. A formação da Comissão deve assegurar o sigilo necessário à constatação dos fatos. 3. Cabe ao Presidente da Comissão a designação de Secretário, logo no início dos trabalhos, podendo tal designação recair em um dos membros ou em estranho à Comissão. 4. Não poderá participar da Comissão de Sindicância ou Inquérito: cônjuge, companheiro ou parente do acusado, consangüíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau (pais, avós, filhos, netos, tios, sobrinhos, sogros e cunhados). 5. Sempre que necessário, os membros da Comissão de Inquérito dedicarão tempo integral a esse trabalho, ficando dispensados do ponto, até a entrega do Relatório final.

13 6. As reuniões da Comissão terão caráter reservado e serão registradas em atas que deverão detalhar todas as deliberações adotadas. 7. O prazo para conclusão do Inquérito é de 60 (sessenta) dias, contados da data de publicação, em Boletim de Serviço, do ato que constituiu a Comissão, admitida sua prorrogação, por igual período, quando as circunstâncias o exigirem. 8. Após a tipificação da infração disciplinar o servidor será indiciado, com a especificação dos fatos a ele imputados e das respectivas provas. 9. Uma vez indiciado o servidor será citado por mandado expedido pelo Presidente da Comissão para apresentar defesa escrita, no prazo de 10 (dez) dias. Esse prazo poderá ser prorrogado por igual período, para cumprimento de diligências indispensáveis. 10. Considerar-se-á revel o indiciado que, regularmente citado, não apresentar defesa no prazo legal. Nesse caso, o dirigente da IFE designará um servidor ocupante de cargo de nível igual ou superior ao do indiciado para atuar como seu "defensor dativo". 11. Durante a realização do Inquérito a Comissão tomará depoimentos, fará acareações, investigações e diligências, objetivando coletar provas. Quando necessário à completa elucidação dos fatos, poderá recorrer a técnicos e peritos.

14 12. Quando houver dúvida sobre a sanidade mental do acusado, a Comissão proporá à autoridade competente sua submissão a exame por Junta Médica oficial, da qual participe pelo menos um médico psiquiatra. 13. Inicialmente, a Comissão intimará as testemunhas que deverão depor e, concluída a inquirição, promoverá o interrogatório do acusado. No caso de mais de um acusado, cada um deles será ouvido separadamente. 14. O Inquérito Administrativo assegurará ampla defesa ao acusado, permitindo a utilização dos meios e recursos admitidos em direito, em obediência ao princípio do contraditório. 15. É assegurado ao acusado o direito de acompanhar o processo, pessoalmente ou por intermédio de advogado, arrolar e reinquirir testemunhas, produzir provas e contraprovas e formular quesitos, quando se tratar de prova pericial. 16. O advogado do acusado poderá assistir ao interrogatório e à inquirição de testemunhas, vedado o direito de interferir nas perguntas e respostas, podendo, entretanto, reinquiri-las por intermédio do Presidente da Comissão. 17. O Relatório final da Comissão será sempre conclusivo quanto à inocência ou à responsabilidade do servidor, sendo remetido à autoridade competente para julgamento a ser proferido no prazo de 20 (vinte) dias. Se a penalidade a ser aplicada fora de demissão ou cassação de aposentadoria ou disponibilidade, o julgamento caberá ao Presidente da República e,

15 quando a infração estiver enquadrada como crime, o inquérito será remetido ao Ministério Público para instauração de ação penal. 18. O Inquérito poderá ser revisto a qualquer tempo, a pedido ou de ofício, quando surgirem fatos novos ou circunstâncias que justifiquem a inocência do punido ou a inadequação da penalidade aplicada. Nesse caso, o ônus da prova caberá ao requerente. 19. A comissão revisora terá até 60 (sessenta) dias para a conclusão dos trabalhos. 20. Da revisão do processo não poderá resultar agravamento da penalidade. 21. Prescreverão em 5 (cinco) anos as infrações puníveis com demissão, cassação de aposentadoria ou disponibilidade e destituição de Cargo de Direção, e, em 2 (dois) anos, as infrações puníveis com suspensão. 22. A penalidade de suspensão terá seu registro cancelado, não surtindo efeitos retroativos, após o decurso de 5 (cinco) anos de efetivo exercício se o servidor não houver, nesse período, praticado nova infração disciplinar. 23. O servidor que responder a Inquérito só poderá ser exonerado a pedido ou aposentado voluntariamente após a conclusão do processo e o cumprimento da penalidade, acaso aplicada.

16 PROCEDIMENTOS Denúncia da irregularidade à autoridade competente. Ato de designação de Comissão de Processo Administrativo Disciplinar.

17 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 1. Artigo 148 da Lei nº 8.112/90.

PROJETO DE LEI N. 020/2010. DISPÕE SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR NO ÂMBITO MUNICIPAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PROJETO DE LEI N. 020/2010. DISPÕE SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR NO ÂMBITO MUNICIPAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PROJETO DE LEI N. 020/2010. DISPÕE SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR NO ÂMBITO MUNICIPAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. DOUTOR FELIPE CARUSI FILHO, Vereador da Câmara Municipal de José Bonifácio,

Leia mais

Organização da Aula. Direito Administrativo Aula n. 6. Contextualização. Processo Administrativo. Instrumentalização. Processo Administrativo

Organização da Aula. Direito Administrativo Aula n. 6. Contextualização. Processo Administrativo. Instrumentalização. Processo Administrativo Organização da Aula Direito Administrativo Aula n. 6 Processo Administrativo Professor: Silvano Alves Alcantara Inserir o vídeo: Contextualização http://www.youtube.com/watch?v= HIk9czoUaXU De 0:00 à 1:47.

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Instrução Normativa REITORIA nº 01, de 07 de janeiro de

Leia mais

RESOLUÇÃO CREF2/RS Nº 105/2016

RESOLUÇÃO CREF2/RS Nº 105/2016 Porto Alegre, 18 de março de 2016. RESOLUÇÃO CREF2/RS Nº 105/2016 Dispõe sobre o Processo Administrativo Disciplinar no âmbito do CREF2/RS e dá outras providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE

Leia mais

TJ - SP Direito Administrativo Estatuto dos Funcionários Públicos GIULIANO MENEZES

TJ - SP Direito Administrativo Estatuto dos Funcionários Públicos GIULIANO MENEZES TJ - SP Direito Administrativo Estatuto dos Funcionários Públicos GIULIANO MENEZES 1. Extingue-se a punibilidade pela prescrição da falta sujeita à pena a) de repreensão, suspensão ou multa, em 2 (dois)

Leia mais

PENALIDADES DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

PENALIDADES DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES PENALIDADES DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Os servidores públicos têm a obrigação de observar o estabelecido no artigo 37 da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DAS PENALIDADES (Capítulo V Lei nº 8.112/90) Art. 127. São penalidades disciplinares: I - advertência; II - suspensão; III - demissão; IV - cassação de aposentadoria ou disponibilidade; V - destituição

Leia mais

Lei 8112 Regime disciplinar. Proibições (art. 117) Proibições (art. 117) Proibições (art. 117) Proibições. Proibições (art. 117)

Lei 8112 Regime disciplinar. Proibições (art. 117) Proibições (art. 117) Proibições (art. 117) Proibições. Proibições (art. 117) Lei 8112 Regime disciplinar Direito Administrativo Prof. Armando Mercadante Nov/2009 Art. 117 (...) I - ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia autorização do chefe imediato; II - retirar,

Leia mais

Escrevente Técnico Judiciário/TJ SP. Comentários da prova de Direito Administrativo

Escrevente Técnico Judiciário/TJ SP. Comentários da prova de Direito Administrativo Olá, concurseiros! Escrevente Técnico Judiciário/TJ SP Comentários da prova de Direito Administrativo Seguem abaixo os comentários sobre a prova de Direito Administrativo realizada no dia 09 de setembro

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS EMPREGADOS PÚBLICOS DO SISTEMA COFEN/CONSELHOS REGIONAIS DE ENFERMAGEM. Título I. Do Regime Disciplinar. Capítulo I.

CÓDIGO DE ÉTICA DOS EMPREGADOS PÚBLICOS DO SISTEMA COFEN/CONSELHOS REGIONAIS DE ENFERMAGEM. Título I. Do Regime Disciplinar. Capítulo I. CÓDIGO DE ÉTICA DOS EMPREGADOS PÚBLICOS DO SISTEMA COFEN/CONSELHOS REGIONAIS DE ENFERMAGEM Título I Do Regime Disciplinar Capítulo I Dos Deveres Art.1º São deveres dos empregados do sistema Cofen/Conselhos

Leia mais

Desafio: 8112/90 - Parte I

Desafio: 8112/90 - Parte I Desafio: 8112/90 - Parte I 1. Como se chama o conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional que devem ser cometidas a um servidor. 2. Como se chama a retribuição pecuniária

Leia mais

Lei 8.112/1990 Regime Disciplinar: PENALIDADES

Lei 8.112/1990 Regime Disciplinar: PENALIDADES REGIME DISCIPLINAR Lei 8.112/1990 Regime Disciplinar: PENALIDADES E-mail: luiz@lacconcursos.com.br O regime disciplinar a que estão submetidos os servidores públicos civis federais está tratado nos artigos

Leia mais

ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética EDUCATIVA ética CONSULTIVA ética CONCILIADORA RESPONSABILIZADORAética ética

ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética EDUCATIVA ética CONSULTIVA ética CONCILIADORA RESPONSABILIZADORAética ética ÉTICA EDUCATIVA CONCILIADORA PREVENTIVA RESPONSABILIZADORA COMISSÃO DE CONSULTIVA DO IFBA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFBA 3 Apresentação Esta guia tem como objetivo esclarecer, orientar e estimular a compreensão

Leia mais

Dir. Administrativo Lei nº 8.112/90 AULA 4

Dir. Administrativo Lei nº 8.112/90 AULA 4 Dir. Administrativo Lei nº 8.112/90 AULA 4 Deveres Proibições Acumulação Responsabilidades Penalidades Processo Administrativo Disciplinar Afastamento preventivo Sindicância Processo disciplinar Inquérito

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 77, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 77, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004 CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 77, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004 Regulamenta o artigo 8º da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993, disciplinando, no âmbito do Ministério

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS E SANÇÕES DISCIPLINARES DO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO PSD-GHC

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS E SANÇÕES DISCIPLINARES DO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO PSD-GHC REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS E SANÇÕES DISCIPLINARES DO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO PSD-GHC Da Denominação Art. 1º O Regulamento dos Procedimentos e Sanções Disciplinares do Grupo Hospitalar Conceição (PSD-GHC)

Leia mais

EXERCÍCIO 8112/90 PROFª. CAROL

EXERCÍCIO 8112/90 PROFª. CAROL EXERCÍCIO 8112/90 PROFª. CAROL 1. Denis, servidor público federal estável, foi inabilitado em estágio probatório relativo a outro cargo e Fabiola, servidora pública em efetivo exercício de cargo público

Leia mais

Processo Administrativo Disciplinar. Fabrício Colombo

Processo Administrativo Disciplinar. Fabrício Colombo Processo Administrativo Disciplinar Fabrício Colombo APRESENTAÇÃO * Sistema de Correição do Poder Executivo Federal; * Dever de apuração da autoridade; * Espécies processuais; * Comissões disciplinares;

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 18/05 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV 2.3 PROCEDIMENTO DA LEI DE DROGAS (Lei 11.343/06) - Procedimento Previsto nos artigos 54 a 59 da

Leia mais

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO UNICID. Prof. Átila

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO UNICID. Prof. Átila UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO UNICID CURSO SUPERIOR TECNOLÓGICO DE GESTÃO SEGURANÇA PRIVADA Prof. Átila GRUPO Nº. 06 Cleber Ricardo Impaléia Marilene M. C. Neto Anderson S. Moura Oséias A. Silva Vitor

Leia mais

CORREGEDORIA EM AÇÃO NA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA

CORREGEDORIA EM AÇÃO NA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA CORREGEDORIA EM AÇÃO NA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA APRESENTAÇÃO CORREGEDORIA NA TRANSPARÊNCIA PROMOVER A ÉTICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FUNÇÃO DA CORREGEDORIA PREVENÇÃO X PUNIÇÃO VISITAS AOS ÓRGÃOS FISCALIZAR

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Considerações sobre o processo administrativo disciplinar Marcus Vinicius Corrêa Bittencourt* A competência disciplinar do Poder Público consiste no dever-poder de apurar ilícitos

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PALESTRANTE: FRANCISCO FERNANDES AGENTES PÚBLICOS Conceito: São todas as pessoas físicas incumbidas, definitiva ou transitoriamente, ainda que sem remuneração, por

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL. SINDICÂNCIA e PROCESSO DISCIPLINAR MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL. SINDICÂNCIA e PROCESSO DISCIPLINAR MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO TOMADA DE CONTAS ESPECIAL SINDICÂNCIA e PROCESSO DISCIPLINAR MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO TOMADA DE CONTAS ESPECIAL Instrução Normativa N.TC-13/2012 Definição e Objetivo A tomada de contas

Leia mais

LEI N 5.955, DE 12 DE JULHO DE Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte

LEI N 5.955, DE 12 DE JULHO DE Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte LEI N 5.955, DE 12 DE JULHO DE 1994. O GOVERNADOR DO ESTADO DA PARAÍBA: Acrescenta e modifica dispositivos ao Código de Organização Judiciária. Lei: Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono

Leia mais

MARATONA INSS LEI 8.112/90. Rodrigo Cardoso

MARATONA INSS LEI 8.112/90. Rodrigo Cardoso MARATONA INSS LEI 8.112/90 Rodrigo Cardoso Acerca das responsabilidades e penalidades do servidor público, julgue os itens que se seguem. 1. (CESPE 2015/TJDFT/ANALISTA JUDICIÁRIO/ÁREA JUDICIÁRIA) A aplicação

Leia mais

REMOÇÃO DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

REMOÇÃO DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES REMOÇÃO DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É o deslocamento do servidor, a pedido ou de ofício, no âmbito do mesmo quadro,

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Procedimento Comum e Ordinário Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal PROCEDIMENTO COMUM E ORDINÁRIO LIVRO II Dos Processos em Espécie

Leia mais

Atualizar e difundir as diretrizes do Código de Ética.

Atualizar e difundir as diretrizes do Código de Ética. Comitê de Ética Composição O Comitê de Ética será um grupo formado por três pessoas da empresa: o CEO e mais duas pessoas vinculadas à empresa, preferencialmente com conhecimentos de Compliance, recursos

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI COMPLEMENTAR Nº 323, de 02 de março de 2006 Estabelece Estrutura de Carreira, reestrutura o sistema de remuneração e dispõe sobre o regime disciplinar dos servidores da Secretaria de Estado da Saúde

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.396 INSTRUÇÃO Nº 958-26.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a apuração de crimes eleitorais.

Leia mais

LFG MAPS. INQUÉRITO POLICIAL 08 questões. qualquer diligência, que será realizada, ou não, a juízo da autoridade.

LFG MAPS. INQUÉRITO POLICIAL 08 questões. qualquer diligência, que será realizada, ou não, a juízo da autoridade. NOÇÕES DE DIREITO PENAL Nível de importância Tema QTDE de Questões Porcentagem (%) 1 Inquérito Policial 8 32% 2 Prisões 7 28% 3 Provas 6 24% 4 Ação Penal 2 8% 5 Habeas Corpus 2 8% TOTAL 25 100% INQUÉRITO

Leia mais

ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010.

ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. Aprova a regulamentação da sistemática de apuração de transgressão disciplinar e da aplicação da punição disciplinar. O COMANDANTE

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais,

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais, DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014 DECRETA: Aprova a Instrução Normativa SPA nº. 01/2014 na Versão 001 do Controle Interno da Câmara Municipal de Paranatinga e dá outras Providências. O Presidente da Câmara

Leia mais

CODIFICAÇÃO FOLHA HUMANOS AE REITORIA 01 04

CODIFICAÇÃO FOLHA HUMANOS AE REITORIA 01 04 SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS AE 019 - REITORIA 01 04 Apuração de infrações disciplinares e instituição de Comissão Permanente de Inquérito Administrativo 15 03 91 01 TÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Inquérito Policial Professor Joeberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal INQUÉRITO POLICIAL TÍTULO II Do Inquérito Policial Art. 4º A polícia judiciária

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. FAÇO SABER que a Assembleia Legislativa do Estado do Acre decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. FAÇO SABER que a Assembleia Legislativa do Estado do Acre decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI ESTADUAL Nº 2.993, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015. Publicado no D.O.E. nº 11.672, de 29/10/2015, fls. 70 a 80. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração dos Servidores do Ministério Público

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.363 INSTRUÇÃO Nº 1160-71.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a apuração de crimes

Leia mais

RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. RESOLUÇÃO N XXXXXXX INSTRUÇÃO N xxx-xx.20xx6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dias Toffoli. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre a apuração de crimes

Leia mais

LEI N.º 4.133, DE 4 DE DEZEMBRO DE ANTÔNIO CANTELMO NETO, Prefeito Municipal de Francisco Beltrão, Estado do Paraná

LEI N.º 4.133, DE 4 DE DEZEMBRO DE ANTÔNIO CANTELMO NETO, Prefeito Municipal de Francisco Beltrão, Estado do Paraná LEI N.º 4.133, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre o regime disciplinar dos servidores públicos do Município de Francisco Beltrão/PR e dá outras providências. ANTÔNIO CANTELMO NETO, Prefeito Municipal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO Nº 238-CONSUN, de 1º de julho de 2015. Aprova o Regulamento Disciplinar do Corpo Discente da Universidade Federal do Maranhão. O Reitor da Universidade Federal do Maranhão, na qualidade de PRESIDENTE

Leia mais

EDITAL DO 7º CONCURSO DE REMOÇÃO DE SERVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS

EDITAL DO 7º CONCURSO DE REMOÇÃO DE SERVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS EDITAL DO 7º CONCURSO DE REMOÇÃO DE SERVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O Procurador-Geral de Justiça do Estado de Goiás, nos termos do artigo 15, VII da Lei Complementar Estadual n. 25,

Leia mais

Direito Processual. Prof. Keops Castro de Souza

Direito Processual. Prof. Keops Castro de Souza Direito Processual Prof. Keops Castro de Souza INQUÉRITO POLICIAL MILITAR 1- Conceito, natureza jurídica,características e finalidade; 2-Prazos do IPM 3- Modos por que pode ser iniciado; 4- Medidas preliminares

Leia mais

INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO

INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO INQUÉRITO POLICIAL - V TERMO CIRCUNSTANCIADO - ARQUIVAMENTO TERMO CIRCUNSTANCIADO TERMO CIRCUNSTANCIADO -Substitui o inquérito policial, é utilizado para crimes de menor potencial ofensivo (pena máxima

Leia mais

1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que:

1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PROCESSUAL PENAL 1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que: I - De acordo com o Código de Processo Penal, as

Leia mais

Ofício GP/PSTC Nº 011/2016 Itapemirim-ES, 25 de janeiro de 2016.

Ofício GP/PSTC Nº 011/2016 Itapemirim-ES, 25 de janeiro de 2016. Ofício GP/PSTC Nº 011/2016 Itapemirim-ES, 25 de janeiro de 2016. Ao Excelentíssimo Vereador Waldemir Pereira Gama Presidente da CP 1031/2015 NESTA Assunto: Informações sobre o rito do Decreto-Lei 201/1967

Leia mais

DECRETO N.º 3464, DE 30 DE NOVEMBRO DE (alterado pelo DECRETO Nº 3487, DE 20 DE JANEIRO DE 2016)

DECRETO N.º 3464, DE 30 DE NOVEMBRO DE (alterado pelo DECRETO Nº 3487, DE 20 DE JANEIRO DE 2016) DECRETO N.º 3464, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. (alterado pelo DECRETO Nº 3487, DE 20 DE JANEIRO DE 2016) "DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE ADICIONAL DE PERICULOSIDADE AO SERVIDOR PÚBLICO DETENTOR DE CARGO EFETIVO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009

RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009 RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009 EMENTA: Institui procedimentos que deverão ser adotados no processamento das denúncias éticas que forem objeto de DESAFORAMENTO, conforme previsão do artigo

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Orientador Empresarial PREVIDÊNCIA SOCIAL RFB - Irregularidades Sindicância ou Processo Administrativo Disciplinar Instauração PORTARIA

Leia mais

Regulamento PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR =PAD = Prefeitura Municipal de Muniz Freire

Regulamento PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR =PAD = Prefeitura Municipal de Muniz Freire Regulamento do PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR =PAD = Prefeitura Municipal de Muniz Freire Muniz Freire Espírito Santo Ano: 2010 Praça Divino Espírito Santo nº 292 CENTRO CEP:29.380-000 - TEL.:(28)

Leia mais

21 e 22/10/2013/10/2013 Brasília DF SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR. Apresentação. Objetivo. Público-Alvo. Conteúdo Programático

21 e 22/10/2013/10/2013 Brasília DF SINDICÂNCIA E PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR. Apresentação. Objetivo. Público-Alvo. Conteúdo Programático Apresentação Apresentar-se-á uma exposição dos dispositivos legais com uma rica abordagem teórica e principiológica do regime disciplinar, com firme fundamento na jurisprudência dos Tribunais Superiores,

Leia mais

Ato Normativo nº. 502-PGJ, de 28 de março de 2007 (pt. nº /98)

Ato Normativo nº. 502-PGJ, de 28 de março de 2007 (pt. nº /98) Ato Normativo nº. 502-PGJ, de 28 de março de 2007 (pt. nº. 47.159/98) Revogado pelo Ato (N) 542 PGJ, de 28/06/2008 Regulamenta os procedimentos a serem adotados na apuração das infrações disciplinares

Leia mais

REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE DOS OBJETIVOS E FINS Art. 1º O presente Regime tem por objetivo estabelecer as normas disciplinares do corpo discente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Inquérito Policial Esquematizado - PF

Inquérito Policial Esquematizado - PF Inquérito Policial Esquematizado - PF SUMÁRIO UNIDADE 1 Processo Penal UNIDADE 2 Persecução penal 2.1 Diferença entre Policia Administrativa e Polícia Judiciária UNIDADE 3 Conceito 3.1 Finalidade UNIDADE

Leia mais

CONCEITO DE AUTORIDADE

CONCEITO DE AUTORIDADE - LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL - - Lei nº 4.898/65 - Abuso de Autoridade - Professor: Marcos Girão - CONCEITO DE AUTORIDADE 1 CONCEITO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898/65 Pode ser considerado autoridade o servidor

Leia mais

RESOLUÇÃO TJ/ OE/ RJ nº 35/2013

RESOLUÇÃO TJ/ OE/ RJ nº 35/2013 RESOLUÇÃO TJ/ OE/ RJ nº 35/2013 Disciplina, no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro, o quantitativo de Juízes Leigos, suas atribuições e remuneração. O ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Leia mais

Processo administrativo Lei 9.784/99. Disposições gerais (art. 1º) Início do processo (art. 5º) Disposições gerais (art. 1º, 1º)

Processo administrativo Lei 9.784/99. Disposições gerais (art. 1º) Início do processo (art. 5º) Disposições gerais (art. 1º, 1º) Processo administrativo Lei 9.784/99 Direito Administrativo Prof. Armando Mercadante Nov/2009 Disposições gerais (art. 1º) Art. 1º Esta Lei estabelece normas básicas sobre o processo administrativo no

Leia mais

1 - Determinação legal ou judicial de descontos e recolhimentos obrigatórios.

1 - Determinação legal ou judicial de descontos e recolhimentos obrigatórios. É o processamento mensal de descontos obrigatórios e facultativos nos contracheques dos servidores ativos, aposentados e beneficiários de pensão do Poder Executivo, executado por meio do Sistema Integrado

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Citação e Intimação Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal CITAÇÃO E INTIMAÇÃO TÍTULO X Das Citações e Intimações CAPÍTULO I DAS CITAÇÕES

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga)

PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga) *C0059067A* C0059067A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga) Estabelece normas de atuação dos advogados das instituições de ensino superior que mantenham atendimento

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 6) DAS PENALIDADES:

Leia mais

Relatório Declaração Atestado médico Prontuário médico Declaração de óbito

Relatório Declaração Atestado médico Prontuário médico Declaração de óbito Documentos médicos Relatório Declaração Atestado médico Prontuário médico Declaração de óbito Atestado Atestado médico Atestado médico Conceito Afirmação escrita e assinada, que uma pessoa faz da verdade

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 106, DE 18 DE MAIO DE Publicada no Diário Oficial nº Art Art Art

LEI COMPLEMENTAR Nº 106, DE 18 DE MAIO DE Publicada no Diário Oficial nº Art Art Art LEI COMPLEMENTAR Nº 106, DE 18 DE MAIO DE 2016. Publicada no Diário Oficial nº 4.624 O Governador do Estado do Tocantins: Altera a Lei Complementar Estadual nº 51, de 2 de janeiro de 2008, que institui

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR. CAPÍTULO I Princípios fundamentais. Artigo 1º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DISCIPLINAR. CAPÍTULO I Princípios fundamentais. Artigo 1º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I Princípios fundamentais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento Disciplinar é aplicável aos estudantes da Universidade Católica Portuguesa. 2. A perda

Leia mais

MANUAL PARA INSTAURAÇÃO E TRAMITAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CNPJ Nº / NIRE

MANUAL PARA INSTAURAÇÃO E TRAMITAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CNPJ Nº / NIRE MANUAL PARA INSTAURAÇÃO E TRAMITAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CNPJ Nº 09.358.105/0001-91 NIRE 33.300.285.601 Manual CAPÍTULO I DO OBJETIVO Artigo 1º Fica instituído

Leia mais

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA E A RESOLUÇÃO 135/2010 DO CNJ

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA E A RESOLUÇÃO 135/2010 DO CNJ RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA E A RESOLUÇÃO 135/2010 DO CNJ Em 13.7.2011, foi expedida pelo Conselho Nacional de Justiça a Resolução nº 135 visando à uniformização de normas relativas ao procedimento

Leia mais

É o deslocamento do servidor com o respectivo cargo para outra IFE.

É o deslocamento do servidor com o respectivo cargo para outra IFE. Página 1 de 5 REDISTRIBUIÇÃO DEFINIÇÃO É o deslocamento do servidor com o respectivo cargo para outra IFE. PÚBLICO-ALVO Servidores efetivos pertencentes ao quadro permanente de pessoal das instituições

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 03 O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte

LEI COMPLEMENTAR Nº 03 O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte LEI COMPLEMENTAR Nº 03 O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Lei: Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Art. 1º - O 3º e o 4ª, ambos do artigo 17; o parágrafo único

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA OUVIDORIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

REGULAMENTO GERAL DA OUVIDORIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI REGULAMENTO GERAL DA OUVIDORIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Artigo 1º Criar a Ouvidoria no âmbito dos câmpus e polos de apoio presencial da Universidade Anhembi Morumbi, como órgão de assessoramento do

Leia mais

OBJETO: CONTROLE DAS ATIVIDADES DOS PROCURADORES MUNICIPAIS ESPECIALIZADOS AUTÁRQUICOS E SETORIAIS.

OBJETO: CONTROLE DAS ATIVIDADES DOS PROCURADORES MUNICIPAIS ESPECIALIZADOS AUTÁRQUICOS E SETORIAIS. PROVIMENTO DA PGM N. 007/2014 OBJETO: CONTROLE DAS ATIVIDADES DOS PROCURADORES MUNICIPAIS ESPECIALIZADOS AUTÁRQUICOS E SETORIAIS. Considerando a necessidade de acompanhamento das funções institucionais

Leia mais

Regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal.

Regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal. LEI Nº 9.784, DE 29 DE JANEIRO DE 1999 Business Online Comunicação de Dados Regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

NORMA PARA ALTERAÇÃO DE REGIME DE TRABALHO DO DOCENTE PERTENCENTE À CARREIRA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR NA UNIFEI

NORMA PARA ALTERAÇÃO DE REGIME DE TRABALHO DO DOCENTE PERTENCENTE À CARREIRA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR NA UNIFEI NORMA PARA ALTERAÇÃO DE REGIME DE TRABALHO DO DOCENTE PERTENCENTE À CARREIRA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR NA UNIFEI 1 Norma para alteração de regime de trabalho do docente pertencente à carreira de Magistério

Leia mais

Conflitos entre o Processo do

Conflitos entre o Processo do Conflitos entre o Processo do Trabalho e o Novo CPC Jordão Medeiros Jurídico Ambev AmBev Conflito x Impactos CLT Art. 769 - Nos casos omissos, o direito processual comum será fonte subsidiária do direito

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA Ato Normativo nº 978/2016-PGJ, de 05 de setembro de 2016 (Protocolado nº 122.

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA Ato Normativo nº 978/2016-PGJ, de 05 de setembro de 2016 (Protocolado nº 122. A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA Ato Normativo nº 978/2016-PGJ, de 05 de setembro de 2016 (Protocolado nº 122.738/16-MP) Disciplina o procedimento preparatório eleitoral no âmbito do Ministério

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943

DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943 DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943 Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, DECRETA: TÍTULO II DAS

Leia mais

Veda o assédio moral no âmbito da administração pública estadual direta, indireta e fundações públicas.

Veda o assédio moral no âmbito da administração pública estadual direta, indireta e fundações públicas. Relação de trabalho Lei paulista pune assédio moral no serviço público por Fernando Porfírio A Assembléia Legislativa de São Paulo derrubou o veto do governador Geraldo Alckmin ao projeto de lei 422/01,

Leia mais

ANEXO CÓDIGO DE PROCESSO ÉTICO-PROFISSIONAL. Capítulo I Do processo em geral Seção I Das disposições gerais

ANEXO CÓDIGO DE PROCESSO ÉTICO-PROFISSIONAL. Capítulo I Do processo em geral Seção I Das disposições gerais ANEXO CÓDIGO DE PROCESSO ÉTICO-PROFISSIONAL Capítulo I Do processo em geral Seção I Das disposições gerais Art. 1º As sindicâncias e os processos ético-profissionais nos Conselhos de Medicina serão regidos

Leia mais

Código de Processo Ético-Profissional

Código de Processo Ético-Profissional Código de Processo Ético-Profissional CAPÍTULO I DO PROCESSO EM GERAL SEÇÃO I Das Disposições Gerais Art. 1º - 0 processo ético-profissional, nos Conselhos de Medicina, reger-se-á por este Código e tramitará

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Gestão Pública Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais de Pessoal Coordenação-Geral de Elaboração, Orientação e Consolidação das Normas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 792/2015

RESOLUÇÃO Nº 792/2015 Publicação: 24/04/15 DJE: 23/04/15 RESOLUÇÃO Nº 792/2015 Dispõe sobre a função de juiz leigo, de que trata a Lei federal nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, no âmbito dos Juizados Especiais do Estado

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL I. Fontes e Princípios Aplicáveis ao Direito Processual Penal... 002 II. Lei Processual Penal e Sistemas do Processo Penal... 005 III. Inquérito Policial... 006 IV. Processo e

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO

ATOS DO PODER EXECUTIVO Página 1 de 9 ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 8.754, DE 10 DE MAIO DE 2016 Altera o Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, que dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação

Leia mais

TÍTULO I CAPÍTULO ÚNICO Das Disposições Preliminares

TÍTULO I CAPÍTULO ÚNICO Das Disposições Preliminares RESOLUÇÃO 01/2015 Dispõe sobre Regulamento Geral de Pessoal O Presidente do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável do Território da Costa do Descobrimento, no uso de suas atribuições legais e regimentais.

Leia mais

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários por Administradores, Empregados, Colaboradores e pela Própria Empresa

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários por Administradores, Empregados, Colaboradores e pela Própria Empresa CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Apresentação 1.1. A ABM Gestora de Recursos Ltda. ( ABM Capital ) é uma sociedade limitada dedicada à prestação de serviços de administração de carteiras de valores mobiliários, notadamente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UTINGA C.N.P.J / Rua 15 de Novembro, 08 Centro, CEP Utinga - BA

PREFEITURA MUNICIPAL DE UTINGA C.N.P.J / Rua 15 de Novembro, 08 Centro, CEP Utinga - BA 2 LEI Nº 356, DE 28 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE UTINGA O Prefeito Municipal de UTINGA-BAHIA,

Leia mais

SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA: (Previsão Legal da Lei nº 5.247/1991)

SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA: (Previsão Legal da Lei nº 5.247/1991) SINDICÂNCIA ADMINISTRATIVA: (Previsão Legal da Lei nº 5.247/1991) Instruções elaboradas pela Comissão Permanente de Inquérito Administrativo da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas UNCISAL.

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Código Disciplinar da Unioeste. Código Disciplinar da Unioeste

Código Disciplinar da Unioeste. Código Disciplinar da Unioeste 1 Código Disciplinar da Unioeste 2 Código Disciplinar da Unioeste RESOLUÇÃO Nº 046/2008-COU Aprova o Código Disciplinar da Universidade Estadual do Oeste do Paraná -Unioeste. Considerando o disposto no

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 IN-02-ACW

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 IN-02-ACW 1 NATAL - RIO GRANDE DO NORTE ACADEMIA CORONEL WALTERLER CNPJ Nº 08.314.434/0001-78 Reconhecida como de Utilidade Pública pela Lei nº. 8.932, de 29.12.06 PERDÕE OS SEUS INIMIGOS, MAS NUNCA ESQUEÇA O NOME

Leia mais

Política de Rateio e Divisão de Ordens entre Carteiras de Valores Mobiliários

Política de Rateio e Divisão de Ordens entre Carteiras de Valores Mobiliários CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Apresentação 1.1. A ABM Gestora de Recursos Ltda. ( ABM Capital ) é uma sociedade limitada dedicada à prestação de serviços de administração de carteiras de valores mobiliários, notadamente

Leia mais

PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 584, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014

PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 584, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014 PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 584, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP, no uso das atribuições que

Leia mais

REGRAS DE PROCEDIMENTO - TIMN

REGRAS DE PROCEDIMENTO - TIMN 1 XIII SIMULAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS SOI 2013 REGRAS DE PROCEDIMENTO - TIMN 2 REGULAMENTO DO TRIBUNAL INTERNACIONAL MILITAR DE NUREMBERG SIMULAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS 2013 CAPÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE MAIO DE 2005 REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS. Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários

POLÍTICA DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS. Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Versão 2016.1 Editada em Junho de 2016 1. OBJETIVO Esta Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários define os padrões de condutas internas exigidas

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Nº XXX, DE 2013 Dispõe sobre a investigação criminal e dá outras providências. A Presidenta da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Capítulo

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria Geral de Justiça

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria Geral de Justiça LEI COMPLEMENTAR Nº 207, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2004 - D.O. 29.12.04. D.O. 18.03.05. Autor: Poder Executivo Institui o Código Disciplinar do Servidor Público Civil do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso,

Leia mais

TJ-SP. Escrevente Técnico Judiciário. Prof. Guilherme Rittel

TJ-SP. Escrevente Técnico Judiciário. Prof. Guilherme Rittel TJ-SP Escrevente Técnico Judiciário Prof. Guilherme Rittel EDITAL DIREITO PROCESSUAL PENAL: Código de Processo Penal - com as alterações vigentes até a publicação do Edital - artigos 251 a 258; 261 a 267;

Leia mais

PROVA DISCURSIVA P 2

PROVA DISCURSIVA P 2 PROVA DISCURSIVA P 2 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

Facilitadora: Hozana Silva

Facilitadora: Hozana Silva ESCOLA DE CONSELHOS Facilitadora: Hozana Silva Competências e Habilidades dos Conselheiros Tutelares e de Direito. Competência e Habilidade Competência - Atribuição, de desempenhar certos encargos ou de

Leia mais

Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 4. Temas: Tipos de Documentos Oficiais

Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 4. Temas: Tipos de Documentos Oficiais Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 4 Temas: Tipos de Documentos Oficiais Tipos de Documentos Oficiais Nesta aula, continuaremos conhecendo os principais documentos a que temos acesso na Instituição.

Leia mais