Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul"

Transcrição

1 Relatório final da safra 2013/2014 Região Centro-Sul

2 Tabela 1. Balanço final da safra 2013/2014 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2012/2013 Produtos Safra 2012/ /2014 Var. (%) Cana-de-açúcar ¹ Açúcar ¹ Etanol anidro ² Etanol hidratado ² Etanol total ² ATR ¹ ATR/ tonelada de cana ³ ,07% ,58% ,09% ,32% ,72% ,21% 135,57 133,32-1,66% Mix (%) açúcar 49,54% 45,22% etanol 50,46% 54,78% Litros etanol/ tonelada de cana 40,10 42,83 6,83% Kg açúcar/ tonelada de cana 64,00 57,44-10,25% Fonte: UNICA. Nota: ¹ - mil toneladas; ² - milhões de litros; ³ - kg de ATR/ tonelada de cana. Para efeito de cálculo do "ATR produto", foi excluída a produção de etanol de milho já realizada (4,89 milhões de litros de etanol anidro e 32,14 milhões de litros de etanol hidratado);

3 Tabela 2. Balanço final da safra 2013/2014 na região Centro-Sul Comparativo com a previsão da safra 2014/2015 Produtos 2013/2014 Safra 2014/2015 Var. (%) (A) até 31/03 a partir de 01/04 Total (B) (B/A) Cana-de-açúcar ¹ Açúcar ¹ Etanol anidro ² Etanol hidratado ² Etanol total ² ATR ¹ ATR/ tonelada de cana ³ ,86% ,23% ,20% ,39% ,17% ,63% 133,32 105,38 135,19 135,00 1,26% Mix (%) açúcar 45,22% 36,77% 43,60% 43,56% etanol 54,78% 63,23% 56,40% 56,44% Fonte: UNICA. Nota: ¹ - mil toneladas; ² - milhões de litros; ³ - kg de ATR/ tonelada de cana-de-açúcar. Para efeito de cálculo do "ATR produto" para a região Centro-Sul, foi excluída a produção de etanol de milho.

4 Tabela 3. Moagem e produção por Estado da região Centro-Sul ESTADO Cana-de-açúcar¹ Açúcar¹ Etanol total² Etanol anidro² Etanol hidratado² 2012/ / / / / / / / / /2014 ES GO MT MS MG PR RJ RS SP TOTAL ESTADO Kg ATR/ton. cana Kg açúcar/ton. cana Litros etanol/ton. cana Mix açúcar (%) Mix etanol (%) 2012/ / / / / / / / / /2014 ES 116,31 117,21 28,06 32,62 50,47 48,23 25,32% 29,21% 74,68% 70,79% GO 137,94 138,07 35,57 30,49 59,36 62,55 27,06% 23,17% 72,94% 76,83% MT 133,75 133,32 30,14 24,59 59,73 64,97 23,65% 19,36% 76,35% 80,64% MS 135,96 125,80 46,66 32,96 51,35 53,77 36,02% 27,49% 63,98% 72,51% MG 135,10 133,11 66,04 55,88 38,52 43,53 51,30% 44,06% 48,70% 55,94% PR 137,14 135,41 77,69 71,94 32,71 35,24 59,45% 55,75% 40,55% 44,25% RJ 114,54 115,47 67,05 42,09 26,35 42,54 61,44% 38,25% 38,56% 61,75% RS 84,95 103,22 0,00 0,00 50,68 61,58 0,00% 0,00% 0% 0% SP 135,43 133,43 70,59 65,22 35,86 37,95 54,70% 51,29% 45,30% 48,71% TOTAL 135,57 133,32 64,00 57,44 40,10 42,83 49,54% 45,22% 50,46% 54,78% Fonte: UNICA. Nota: ¹ - mil toneladas; ² - milhões de litros; ³ - kg de ATR/ tonelada de cana. Para efeito de cálculo do "ATR produto" para a região Centro-Sul e o Estado do Mato Grosso do Sul na safra 2013/2014, excluiu-se a produção de etanol de milho.

5 Tabela 4. Moagem e produção pelas unidades anexas e autonômas da região Centro-Sul UNIDADES 2012/ /2014 ANEXAS Cana-de-açúcar¹ Açúcar¹ Etanol anidro² Etanol hidratado² Etanol total² AUTÔNOMAS Cana-de-açúcar¹ Açúcar¹ 0 0 Etanol anidro² Etanol hidratado² Etanol total² Fonte: UNICA. Nota: ¹ - mil toneladas; ² - mil m³; unidades anexas correspondem às usinas produtoras de etanol e de açúcar; unidades autonômas correspondem às destilarias, as quais produzem exclusivamente etanol.

6 Tabela 5. Histórico da moagem quinzenal, ACUMULADA, da região Centro-Sul CANA-DE-AÇÚCAR (toneladas) Quinzena São Paulo Centro-Sul Demais Estados 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) 16/ / / % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % Fonte: UNICA.

7 Tabela 6. Histórico da moagem quinzenal, ACUMULADA, da região Centro-Sul AÇÚCAR (toneladas) Quinzena São Paulo Centro-Sul Demais Estados 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) 16/ / / % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % Fonte: UNICA.

8 Tabela 7. Histórico da moagem quinzenal, ACUMULADA, da região Centro-Sul ETANOL TOTAL (m³) Quinzena São Paulo Centro-Sul Demais Estados 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % Fonte: UNICA. Nota: valores compreendem os volumes de etanol reprocessado e produção de etanol a partir do milho.

9 Tabela 8. Histórico da moagem quinzenal, ACUMULADA, da região Centro-Sul ETANOL ANIDRO (m³) Quinzena São Paulo Centro-Sul Demais Estados 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) 16/ % 0 0 0% 0 0 0% 01/ % 0 0 0% 0 0 0% 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % Fonte: UNICA. Nota: valores compreendem os volumes de etanol reprocessado e produção de etanol a partir do milho.

10 Tabela 9. Histórico da moagem quinzenal, ACUMULADA, da região Centro-Sul ETANOL HIDRATADO (m³) Quinzena São Paulo Centro-Sul Demais Estados 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % 16/ % % % 01/ % % % Fonte: UNICA. Nota: valores compreendem os volumes de etanol reprocessado e produção de etanol a partir do milho.

11 Tabela 10. Histórico quinzenal do mix de produção para etanol (%) da região Centro-Sul MIX DE PRODUÇÃO PARA ETANOL (%) Quinzena São Paulo Centro-Sul Demais Estados 2012/ / / / / / /04 33,03 65,95 85,25 67,50 69,26 16/04 60,88 66,32 62,98 70,95 64,72 80,24 01/05 55,92 54,51 59,95 58,19 64,10 64,86 16/05 50,82 51,62 54,89 56,35 59,36 65,46 01/06 47,31 51,95 51,69 58,34 59,49 68,62 16/06 47,95 51,92 54,29 57,74 61,77 66,32 01/07 46,49 51,11 52,21 58,20 60,26 69,53 16/07 44,47 47,86 49,76 54,54 58,36 64,78 01/08 43,92 47,92 49,41 54,91 57,86 65,18 16/08 42,96 45,31 48,50 52,11 57,59 62,57 01/09 43,07 44,65 48,42 51,30 57,24 61,51 16/09 43,16 43,85 48,44 50,72 57,05 61,89 01/10 46,21 46,04 51,44 53,10 58,97 63,09 16/10 43,99 46,66 48,55 53,68 56,75 63,67 01/11 43,92 46,29 48,73 52,01 56,64 61,93 16/11 45,31 46,78 49,72 52,06 58,99 61,28 01/12 45,43 50,41 49,49 56,17 58,44 65,99 16/12 49,22 56,24 53,52 59,67 64,61 65,64 Fonte: UNICA. Nota: para cálculo do mix de produção, excluiu-se a produção de etanol a partir do milho.

12 Fonte: UNICA. Evolução histórica do destino da cana-de-açúcar processada pela região Centro-Sul. Valores em %.

13 kg de ATR/ton de cana Tabela 11. Histórico quinzenal da qualidade da matéria-prima (kg de ATR por tonelada de cana-de-açúcar) da região Centro-Sul Quinzena 2012/ / / / / / /04 90,09 91,00 96,02 91,98 101,54 94,01 01/05 112,93 115,37 109,66 113,76 106,50 110,94 16/05 109,99 124,81 114,11 123,79 118,98 121,89 01/06 119,22 134,26 118,97 131,68 118,51 127,73 16/06 120,09 124,67 121,22 125,26 122,57 126,15 01/07 122,96 129,10 124,34 128,95 126,35 128,72 16/07 130,13 128,87 130,43 129,81 130,94 131,27 01/08 131,97 132,06 133,19 133,12 135,11 134,69 16/08 138,93 137,90 139,46 137,86 140,34 137,79 01/09 145,37 141,76 146,01 142,59 147,09 143,87 16/09 151,54 146,42 152,10 147,11 153,03 148,25 01/10 149,16 151,79 150,14 151,33 151,57 150,67 16/10 149,27 136,77 149,80 138,12 150,75 140,09 01/11 143,80 139,25 143,93 138,42 144,15 137,02 16/11 137,28 135,44 137,29 133,81 137,30 131,05 01/12 133,67 133,90 133,20 131,71 132,17 128,13 16/12 135,25 128,08 134,29 126,95 131,89 125,02 Fonte: UNICA. Nota: exclui-se a produção de etanol de milho. kg de ATR/ tonelada de cana-de-açúcar São Paulo Centro-Sul Demais Estados / / / / /14 Região Centro-Sul Quinzena

14 Tabela 12. Histórico da qualidade da matéria-prima (kg de ATR por tonelada de cana-de-açúcar), número de novas unidades produtoras e unidades produtoras fechadas, por safra, na região Centro-Sul Safra ATR médio da safra (kg ATR/ ton. canade-açúcar) Número de novas unidades Número de unidades fechadas 2007/ , / , / , / , / , / , / , /2015p 135, Fonte: UNICA. Nota: "p" - previsão

15 Tabela 13. Vendas mensais de etanol, por tipo de produto e mercado de destino, pelas unidades da região Centro-Sul (m³) Produto Etanol total Anidro Hidratado Mês Total Mercado externo Mercado interno 2012/ / / / / /2014 Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Total Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Total Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Total Fonte: UNICA. Nota: dados contemplam etanol carburante, outros fins, quebra e uso próprio pelas unidades produtoras, importação de etanol anidro por produtores e não produtores, além da transferência de volume utilizado para lastro do etanol duto.

16 Tabela 14. Vendas mensais de etanol outros fins ao mercado interno pelas unidades produtoras da região Centro-Sul (m³) Produto Etanol outros fins Mês Total Etanol anidro Etanol hidratado 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) 2012/ /2014 Var. (%) Abr ,48% ,62% ,28% Mai ,74% ,54% ,06% Jun ,34% ,74% ,04% Jul ,25% ,69% ,17% Ago ,76% ,03% ,31% Set ,66% ,45% ,81% Out ,89% ,74% ,57% Nov ,96% ,77% ,26% Dez ,56% ,95% ,85% Jan ,96% ,40% ,70% Fev ,05% ,83% ,32% Mar ,21% ,32% ,84% Total ,87% ,11% ,02% Fonte: UNICA. Nota: vendas de etanol ao mercado interno registradas na Tabela 13 compreendem o volume comercializado de etanol carburante, de etanol outros fins (exposto na tabela acima), quebra e uso próprio pelas unidades produtoras, além da importação e lastro do etanol duto.

17 Tabela 15. Exportações de açúcar pela região Centro-Sul (mil toneladas). Mês abril maio junho julho agosto setembro outubro novembro dezembro janeiro fevereiro março Total Safra 2012/ /2014 Var. (%) ,47% ,37% ,09% ,01% ,57% ,31% ,44% ,03% ,59% ,93% ,45% ,49% ,66% Fonte: Secex. Elaboração: UNICA.

18 Tabela 16. Importação de etanol pela região Centro-Sul (m³). Mês abril maio junho julho agosto setembro outubro novembro dezembro janeiro fevereiro março Total Importação dos EUA (%) Participação da importação no consumo de etanol Safra 2012/ /2014 Var. (%) ,95% ,82% ,67% ,51% ,48% ,26% ,41% ,33% ,14% ,56% % % ,15% 99,06% 99,40% 0,55% 0,41% Fonte: Secex (considerando a importação por local de desembarque) e ANP (para consumo de etanol na região Centro-Sul). Elaboração: UNICA.

19 Divisas geradas pelas exportações de etanol e de açúcar pela região Centro-Sul em diferentes safras (milhões US$) Fonte: Secex. Nota: agregação dos dados para a região Centro-Sul foi elaborada segundo o Estado exportador.

20 Tabela 17. Volume de etanol reprocessado pela região Centro-Sul (m 3 ) Fonte: UNICA. Mês Etanol anidro convertido para etanol hidratado Etanol hidratado convertido para etanol anidro 2012/ / / /2014 Abr 129,6 39,7 6,5 17,0 Mai 15,6 2,5 27,9 30,1 Jun 1,2 5,2 42,4 56,7 Jul 2,5 2,5 62,8 46,0 Ago 3,5 0,7 68,4 61,8 Set 0,6 0,5 64,1 84,2 Out 0,3 0,5 81,4 95,1 Nov 0,3 1,4 89,4 89,9 Dez 1,2 2,6 46,4 58,4 Jan 4,9 7,7 6,3 9,8 Fev 47,5 19,7 4,7 15,9 Mar 82,4 28,6 4,0 4,9 Total 289,5 111,6 504,2 569,7

21 Tabela 18. Balanço de oferta e demanda de etanol pela região Centro-Sul. Volume em mil m³. Etanol Anidro Etanol Hidratado Total Estoque em 01 de abril de safra 2013/ Produção realizada safra 2013/2014 a partir de 01/04/2013(*) Saídas no mercado doméstico - abril de 2013 a março de Saídas de etanol carburante Saídas de etanol outros fins e quebra e uso próprio Saídas mercado externo - abril de 2013 a março de Estoque em 01 de abril de safra 2013/ Fonte: UNICA. Nota: *produção refere-se ao volume produzido de etanol incorporando os reprocessos, importação de etanol anidro por produtores e não produtores, produção de etanol de milho e produção da nova safra (2014/2015) realizada em março.

22 Tabela 19. Balanço de oferta e demanda de açúcar pela região Centro-Sul. Valores em mil toneladas. 2012/ /2014 Var. (%) Estoque inicial ,69% Produção ,58% Exportação* ,66% Mercado interno** ,56% Estoque final ,54% Fonte: UNICA e Secex. Nota: *dados de exportação disponibilizados pelo Secex; **mercado interno calculado por diferença entre a somatória do estoque inicial e produção, subtraindo as vendas ao mercado externo e o estoque registrado ao final da safra.

23 Tabela 20. Preços médios do ATR e da cana-de-açúcar entregue por fornecedores no Estado de São Paulo. Valores nominais. Safra Kg de ATR/ ton. cana-de-açúcar R$/ton. cana-deaçúcar Cana-de-açúcar destinada à produção de açúcar R$/ton. cana-de-açúcar para Cana-de-açúcar destinada à produção de etanol 2007/ ,85 35,14 32,86 37, / ,80 39,45 39,49 39, / ,26 45,49 51,87 39, / ,07 56,74 62,19 51, / ,71 69,10 72,71 64, / ,43 64,03 68,08 59, / ,45 61,01 59,65 62,44 Fonte: Consecana, Orplana e Unica. Elaboração: UNICA.

24 Tabela 21. Produção de etanol a partir do milho pela região Centro-Sul na safra 2013/2014 (m³). ETANOL DE MILHO Quinzena Quinzenal Acumulado Etanol anidro Etanol hidratado Total Etanol anidro Etanol hidratado Total 16/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / Fonte: UNICA.

25 Preços mensais recebidos pelos produtores do Estado de São Paulo - etanol Etanol hidratado carburante (R$/litro) Etanol anidro carburante (R$/litro) Fonte: CEPEA. Elaboração: UNICA. Nota: preços sem frete e sem imposto; preços em destaque referentes à média da safra, calculados segundo ponderação pela curva de comercialização do Consecana; valores nominais.

26 Preços mensais recebidos pelos produtores do Estado de São Paulo - açúcar Açúcar branco - mercado interno (R$/ saca de 50 kg) Açúcar bruto mercado externo (R$/ saca de 50 kg) Fonte: CEPEA. Elaboração: UNICA. Nota: preços sem frete e sem imposto; preços em destaque referentes à média da safra, calculados segundo ponderação pela curva de comercialização do Consecana; a partir da safra 2013/2014, o levantamento do preço mensal foi realizado mediante nova metodologia

27 Produtividade agrícola da região Centro-Sul do Brasil. Valores em toneladas de cana-de-açúcar por hectare. Produtividade agrícola da cana-de-açúcar por estágio de corte - região Centro-Sul Produtividade agrícola por mês - região Centro-Sul

28 Produtividade agrícola por Estado da região Centro-Sul e macrorregiões do Estado de São Paulo na safra 2013/2014. Valores em toneladas de cana-de-açúcar por hectare , ,2 65,3 69,3 74,9 76,8 78,4 79,8 83,2 83,7 83,8 84,1 85, , ES MS MT PR ASS GO ARA CS SP SJRP PIR SCAR MG RIB ASS: macrorregião de Assis. ARA: macrorregião de Araraquara. CS: região Centro-Sul. SJRP: macrorregião de São José do Rio Preto. PIR: macrorregião de Piracicaba; SCAR: macrorregião de São Carlos; RIB: macrorregião de Ribeirão Preto.

29 Renovação dos canaviais na região Centro-Sul do Brasil Taxa de renovação dos canaviais - região Centro-Sul. Valores em % do total da área cultivada Estágio médio de corte dos canaviais da região Centro-Sul. Valores em nº de cortes

30 Média histórica da produtividade agrícola da região Centro-Sul. Valores em toneladas de cana-de-açúcar por hectare

31 Equipe responsável: Antônio de Pádua Rodrigues Diretor Técnico Luciano Rodrigues Gerente de Economia e Análise Setorial Celma Ramalho Gaudêncio Coordenadora Business Intelligence Cleber dos Santos Valin Assistente de planejamento Maria Andrade Pinheiro Analista Econômica Mariana Regina Zechin Analista Econômica Valdemir Nunes Machado Analista de sistemas Os dados de produção divulgados neste relatório são compilados e analisados pela UNICA, com números fornecidos pelas unidades produtoras e pelos seguintes sindicatos e associações da Região Centro-Sul: Associação dos Produtores de Etanol e Açúcar no Estado do Paraná (Alcopar); Associação dos Produtores de Bioenergia do Mato Grosso do Sul (Biosul); Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (SIAMIG); Sindicato da Indústria de Fabricação de Etanol do Estado de Goiás (SIFAEG); Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras de Mato Grosso (SINDALCOOL); Sociedade das Usinas e Destilarias do Espírito Santo (SUDES); Sindicato Fluminense dos Produtores de Açúcar e Etanol (SINDAAF). Os dados referentes ao acompanhamento das condições climáticas e agrícolas são disponibilizados pelo Centro de Tecnologia Canavieira (CTC). O presente material tem objetivo meramente informativo e pode ser obtido gratuitamente no site A UNICA procura garantir a precisão e confiabilidade dos dados e informações divulgadas. A entidade não se responsabiliza por qualquer decisão de caráter econômico-financeiro baseada no conteúdo publicado neste relatório. A reprodução parcial ou integral é permitida desde que a UNICA seja citada como fonte.

32 SUDES SINDAAF

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Posição até 16/11/2016 Informações adicionais Safra 2016/2017 1ª quinzena de novembro A moagem pelas unidades produtoras da região Centro-Sul atingiu

Leia mais

Expectativas para a safra 2017/18 e as perspectivas para o setor nos próximos anos

Expectativas para a safra 2017/18 e as perspectivas para o setor nos próximos anos 15º Seminário sobre Produtividade & Redução de Custos Expectativas para a safra 2017/18 e as perspectivas para o setor nos próximos anos Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial 1 - SAFRA

Leia mais

Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013

Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013 Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013 São Paulo, 20 de setembro de 2012 ROTEIRO I. Metodologia e fonte de dados II. Aspectos climáticos e condições agrícolas III. Evolução da safra da região

Leia mais

21 de maio de Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016

21 de maio de Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016 21 de maio de 2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016 ROTEIRO I. Dados finais da safra 2014/2015 na região Centro-Sul Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e faturamento

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA

COLETIVA DE IMPRENSA COLETIVA DE IMPRENSA 17 de dezembro de 2013 Considerações sobre os dados Informações disponíveis a partir do sistema de benchmarking do CTC: Amostra contempla apenas cana própria Representatividade da

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 04/12/2016 a 10/12/2016 Os

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 02/07/2017 a 08/07/2017 Os

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 356 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 840.281

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 10/09/2017 a 16/09/2017 Os

Leia mais

Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13

Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13 Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13 Vanessa Nardy Agribusiness Research & Knowledge Center Pricewaterhouse Coopers Situação do setor sucroenergético no Brasil

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Liberação de Variedades RB de Cana-de-Açúcar DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) Ribeirão Preto, 08 de outubro

Leia mais

Seminário de Desenvolvimento Sustentável: Panorama do Setor Sucroenergético

Seminário de Desenvolvimento Sustentável: Panorama do Setor Sucroenergético Seminário de Desenvolvimento Sustentável: Panorama do Setor Sucroenergético Agosto de 2017 SINDAÇÚCAR/PI Regiões de produção de cana no Brasil Uso da terra no Brasil Fonte: USP Fonte: USP Uso da terra

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 11º Seminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 28 de Novembro de

Leia mais

Relação de Troca até Jan17 Produto Agrícola x Fertilizante. Fabio Silveira André Melo

Relação de Troca até Jan17 Produto Agrícola x Fertilizante. Fabio Silveira André Melo Relação de Troca até Jan17 Produto Agrícola x Fertilizante Fabio Silveira André Melo Março 2017 Relação de Troca Produto Agrícola x Fertilizante Relação de troca em { Jan / 17 } Soja Milho Arroz Café Algodão

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA

COLETIVA DE IMPRENSA COLETIVA DE IMPRENSA São Paulo, 20 de dezembro de 2012 ROTEIRO I. Oferta de cana-de-açúcar na região Centro-Sul: condições agrícolas e climáticas II. Moagem e produção de açúcar e etanol na região Centro-Sul

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 10º Seminário sobre Redução de Custos na Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 30 de Novembro de 2011 Modelo

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL

REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL RELATÓRIO DA SAFRA DE SOJA E MILHO REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL Relatório do USDA traz levantamento das regiões de produção de soja no Brasil, com a concentração da produção

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 12ºSeminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 04 de Dezembro de 2013

Leia mais

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Realização Parceria Técnica Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Daniel Latorraca Ferreira daniel@imea.com.br Agenda Análise de mercado Escopo do trabalho Metodologia de composição dos clusters Resultados

Leia mais

CEPEA ETANÓIS ANIDRO E HIDRATADO. 1. Evolução dos Indicadores CEPEA/ESALQ dos etanóis anidro e hidratado (valores nominais) I - Análise Conjuntural

CEPEA ETANÓIS ANIDRO E HIDRATADO. 1. Evolução dos Indicadores CEPEA/ESALQ dos etanóis anidro e hidratado (valores nominais) I - Análise Conjuntural AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência:fevereiro/2016 CEPEA - AÇÚCAR & ETANOL I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional

Leia mais

O SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL E EM MINAS GERAIS. LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE SIAMIG/SINDAÇÚCAR-MG Belo Horizonte 21/08/2008

O SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL E EM MINAS GERAIS. LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE SIAMIG/SINDAÇÚCAR-MG Belo Horizonte 21/08/2008 O SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL E EM MINAS GERAIS LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE SIAMIG/SINDAÇÚCAR-MG Belo Horizonte 21/08/2008 SETOR SUCROALCOOLEIRO BRASILEIRO CANA-DE- AÇÚCAR AÇÚCAR ETANOL

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA Agosto de 2002 Produção Mensal na Região Centro-Sul Álcool

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Brasília,26 de novembro de SETOR SUCROALCOOLEIRO

Brasília,26 de novembro de SETOR SUCROALCOOLEIRO Brasília,26 de novembro de 2015. SETOR SUCROALCOOLEIRO Açúcar: Avaliação de Oferta e Demanda Mundial F o n t e : U S D A Superávit/Déficit Global S&D Safra 15/16 (base Out-Set) Produção / Demanda Balanço

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar Cana-de-açúcar 85 86 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DÉFICIT NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE AÇÚCAR, AUMENTO DA DEMANDA E QUEDA NOS ESTOQUES MANTERÃO TENDÊNCIA DE PREÇOS ALTOS A perspectiva é de

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T16

Teleconferência de Resultados 2T16 Teleconferência de Resultados 2T16 1 2 Destaques Receita Líquida de R$100,0 milhões no 6M16. Lucro Líquido de R$45,8 milhões no 6M16. EBITDA Ajustado de R$18,3 milhões no 6M16. Fornecimento de 1,0 milhão

Leia mais

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif.

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif. COMPLEXO SOJA CBOT - Soja (U$/Bushel = 27,216) Máx Min NOV 989,25 981,50 7,75 992,00 981,75 JAN 998,50 990,75 7,75 1.001,75 990,00 MAR 1005,50 997,25 8,25 1.007,75 996,25 MAI 1012,25 1004,00 8,25 1.014,25

Leia mais

PREÇOS E VENDAS DE ETANOL

PREÇOS E VENDAS DE ETANOL SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO DO MODELO CONSECANA SÃO PAULO Piracicaba, 16 de abril de 2014 PREÇOS E VENDAS DE ETANOL Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada Escola Superior de Agricultura Luiz de

Leia mais

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Zilmar José de Souza XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA Rio de Janeiro 23 de outubro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE Mercado Interno

BOVINOCULTURA DE CORTE Mercado Interno BOVINOCULTURA DE CORTE Mercado Interno No Mato Grosso do Sul, na semana de 10 a 14/ago, os preços da arroba do boi e da vaca registraram relativa estabilidade. Os preços registrados em agosto se acomodaram

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

2ª REUNIÃO DE FORNECEDORES. Usina da Pedra Agosto de 2017

2ª REUNIÃO DE FORNECEDORES. Usina da Pedra Agosto de 2017 2ª REUNIÃO DE FORNECEDORES Usina da Pedra Agosto de 2017 Apresentação Abertura Sérgio Luiz Selegato Acompanhamento de Mercado Sérgio Luiz Selegato Moagem e Término da Safra Hebert Trawitzki Potencial de

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 15º Seminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 30 de Novembro de

Leia mais

Boletim Cana-de-Açúcar - Safra 2017/18 SISTEMA TEMPOCAMPO. Clima, Agricultura, Tecnologia. Região Centro-Sul

Boletim Cana-de-Açúcar - Safra 2017/18 SISTEMA TEMPOCAMPO. Clima, Agricultura, Tecnologia. Região Centro-Sul Boletim Cana-de-Açúcar - Safra 2017/18 SISTEMA TEMPOCAMPO Clima, Agricultura, Tecnologia Região Centro-Sul N.2 Maio de 2017 1 Equipe TEMPOCAMPO-ESALQ Prof. Fábio Marin (Coordenador) Carolina Machado Marini

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Tabela 4.1: Produção de biocombustíveis no Brasil (litros)

Tabela 4.1: Produção de biocombustíveis no Brasil (litros) Biocombustíveis Tamar Roitman / Fernanda Delgado A) Produção A produção de etanol anidro e hidratado em março/217 superou em 143,5% e 122%, respectivamente, a produção de fevereiro/217. A maior produção

Leia mais

Associação Brasileira dos Produtores de Soja

Associação Brasileira dos Produtores de Soja Associação Brasileira dos Produtores de Soja 1. PREVISÃO DE SAFRA E DESTINAÇÃO De acordo com o 7 Levantamento de safra 2015/16, publicado em abril pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a área

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

1. Evolução dos Indicadores CEPEA/ESALQ dos etanóis anidro e hidratado (valores nominais)

1. Evolução dos Indicadores CEPEA/ESALQ dos etanóis anidro e hidratado (valores nominais) AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: OUTUBRO/2016 CEPEA AÇÚCAR & ETANOL I Análise Conjuntural II Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional (paridade

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL E NO MUNDO

CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL E NO MUNDO CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL E NO MUNDO Global Distribution of Sugarcane Netafim's Agriculture Department Valor e produção da cultura de cana-de-açúcar dos 20 principais produtores mundiais em 2010 FAO País

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2016 CEPEA AÇÚCAR & ETANOL I Análise Conjuntural II Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional (paridade

Leia mais

Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro

Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro CADERNO DE ESTATÍSTICAS Uma publicação da Representação do IICA/Brasil Elaboração: Daniela Faria e Diego Machado 1. Apresentação 2.

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO

DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO UFRJ DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO Estimativa do consumo de açúcar no mercado brasileiro Estimativa do consumo mundial de açúcar 166 182 201 Fonte: F.O.Licht, LMC e estimativa UNICA. Nota: o volume

Leia mais

ABIOVE - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A disponibilidade de óleo de soja com a crescente demanda de biodiesel

ABIOVE - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A disponibilidade de óleo de soja com a crescente demanda de biodiesel A disponibilidade de óleo de soja com a crescente demanda de biodiesel Leonardo Botelho Zilio leonardo@abiove.org.br m³ ABIOVE - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Sistematização de

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.619 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

COLETIVA DE SAFRA 2017/2018. Mário Campos Presidente SIAMIG

COLETIVA DE SAFRA 2017/2018. Mário Campos Presidente SIAMIG COLETIVA DE SAFRA 2017/2018 Mário Campos Presidente SIAMIG UBERABA 28/04/2017 MOAGEM DE CANA EM MINAS GERAIS ( mil toneladas) MIX DE PRODUÇÃO SAFRA MG 2016/2017 POSIÇÃO: 01-04-2017 PRODUTOS SAFRA VAR(%)

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 399.473,26 422.403,60 501.033,08 371.050,32 437.918,87 2.131.879,13 Valor

Leia mais

Tabela 1 - Produção brasileira de cana-de-açúcar, açúcar e etanol, por safra

Tabela 1 - Produção brasileira de cana-de-açúcar, açúcar e etanol, por safra O Boletim do Setor Sucroalcooleiro de Jun./2017 traz informações sobre produção e produtividade, nacional e por regiões do Brasil, dos itens cana-de-açúcar, açúcar e etanol. Além disso, o Boletim também

Leia mais

Mamona Período: janeiro de 2016

Mamona Período: janeiro de 2016 Mamona Período: janeiro de 2016 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 78,96 93,13 88,33

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

Evolução e alterações recentes nos Indicadores de Preços de Açúcar para o Consecana ESP

Evolução e alterações recentes nos Indicadores de Preços de Açúcar para o Consecana ESP Evolução e alterações recentes nos Indicadores de Preços de Açúcar para o Consecana ESP CONSECANA PIRACICABA 16/04/2014 Heloisa Burnquist Professora Esalq/USP Pesquisadora Cepea Ph.D. Cornell University

Leia mais

BOVINOCULTURA DE LEITE

BOVINOCULTURA DE LEITE BOVINOCULTURA DE LEITE CONJUNTURA ECONÔMICA O principal índice de inflação da economia brasileira, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor- Amplo (IPCA) apresentou variação positiva de 0,33% em fevereiro

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O principal índice de inflação da economia brasileira, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor- Amplo (IPCA) foi 0,14% em abril, taxa menor que março e inferior ao mesmo período

Leia mais

Informe UBABEF. Grãos. ANO 1 / NÚMERO 3 11 de NOVEMBRO de 2013

Informe UBABEF. Grãos. ANO 1 / NÚMERO 3 11 de NOVEMBRO de 2013 Informe UBABEF Grãos ANO 1 / NÚMERO 3 11 de NOVEMBRO de 2013 Mil toneladas Exportação Brasileira de Milho Milho: Exportações Mensais (1.000 toneladas) 2012 72.980 2013** 81.007 Exportações Mil ton 4.500

Leia mais

CIDE Combustíveis e a Federação

CIDE Combustíveis e a Federação CIDE Combustíveis e a Federação O objetivo desta análise é investigar as possíveis causas da queda de arrecadação da CIDE no primeiro trimestre de 2009, na comparação com o primeiro trimestre de 2008.

Leia mais

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A cultura da soja apresenta relevante importância para a economia brasileira, sendo responsável por uma significativa parcela na receita cambial do Brasil, destacando-se

Leia mais

Relatório da administração

Relatório da administração Relatório da Administração Safra 2016/2017 Relatório da administração Avanhandava, 05 de junho de 2017. Senhores acionistas, Apresentamos o Relatório da Administração, as Demonstrações Financeiras combinadas

Leia mais

GIRASSOL Período: Julho de 2012

GIRASSOL Período: Julho de 2012 GIRASSOL Período: Julho de 2012 QUADRO I PREÇOS PAGO AO PRODUTOR (R$ 60/Kg) Centro de Referência Un Período Anteriores Período atual Variação (%) Julho/11 Julho/12 Preços Mínimos (60/Kg) Centro Sul 60

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 16 MAIO DE 214 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

Mamona Período: março de 2014

Mamona Período: março de 2014 Mamona Período: março de 2014 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 128,18 130,38 126,73

Leia mais

1 Lavouras. Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2008

1 Lavouras. Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2008 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A quinta estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas 1, indica uma produção da ordem de 144,3 milhões de toneladas,

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T16

Teleconferência de Resultados 3T16 Teleconferência de Resultados 3T16 1 2 Destaques Receita Líquida de R$95,0 milhões no 9M16. Lucro Líquido de R$27,8 milhões no 9M16. EBITDA Ajustado de R$17,2 milhões no 9M16. Obtenção de licenças para

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

União dos Produtores de Bioenergia

União dos Produtores de Bioenergia União dos Produtores de Bioenergia O Futuro da Bioenergia no Contexto do Agronegócio Brasileiro José Carlos Toledo Do Petróleo aos Biocombustíveis Fator Econômico dólar/barril 80 70 60 50 40 30 25 30 40

Leia mais

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2015

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2015 LEITE E DERIVADOS JULHO / 2015 1. Mercado nacional 1.1 Preços pagos ao produtor Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em ho, ponderados pela produção, dos e estados pesquisados pelo Centro

Leia mais

Edição 37 (Março2014)

Edição 37 (Março2014) Edição 37 (Março2014) Cenário Econômico: PIB brasileiro cresce 2,3% em 2013 e chega a R$ 4,8 trilhões A economia brasileira cresceu 0,7% no quarto trimestre de 2013, na comparação com os três meses anteriores,

Leia mais

Perspectivas para o Agribusiness em 2007 e Pecuária de Corte

Perspectivas para o Agribusiness em 2007 e Pecuária de Corte Perspectivas para o Agribusiness em 2007 e 2008 - Pecuária de Corte Fabio Dias, Zootecnista, MSc Diretor Executivo / Assocon 24 de abril de 2007 1 TAXA DE CRESCIMENTO (5 ANOS) Os 50 maiores confinamentos

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia Brasília/DF 2010 2011 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Todos os direitos reservados. Permitida

Leia mais

Mamona Período: janeiro de 2015

Mamona Período: janeiro de 2015 Mamona Período: janeiro de 2015 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 96,02 79,16 76,18

Leia mais

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Diretoria de Pesquisas COAGRO/GEAGRI LSPA Junho de 217 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Março/2016

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Março/2016 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Março/2016 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no Campo

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite Ano 7, n. 52 - Junho/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA Desde fevereiro os três principais índices de inflação (IPCA, IGP-M e IGP-DI) não registravam alta simultaneamente no mesmo mês. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor-Amplo (IPCA)

Leia mais

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. PERFIL DA PRODUÇÃO Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 935 mil empregos formais (RAIS 2014). Divisas Externas: US$

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite Ano 7, n. 56 - Outubro/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015 ANO 1 Nº9 O ritmo intenso de plantio da soja em Mato Grosso ao longo de todo o mês de novembro contribuiu para que a marca de 95,6% fosse atingida

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 19 AGOSTO DE 214 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

(41) (41) Engenheiro-agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas

(41) (41) Engenheiro-agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OS MERCADOS DE SOJA e MILHO EM 13/14 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro-agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas SINDIADUBOS Curitiba (PR), 31/out/13 www.agrural.com.br fmuraro@agrural.com.br

Leia mais

Ajuste de distribuições para preços recebidos pelos agricultores de soja da cidade de São Paulo

Ajuste de distribuições para preços recebidos pelos agricultores de soja da cidade de São Paulo Ajuste de distribuições para preços recebidos pelos agricultores de soja da cidade de São Paulo 1 Introdução Kamylla Rodrigues Leandro 1 Marcelo Tavares 2 No Brasil, a atividade agrícola destaca pela participação

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR PARA A ÍNDIA CAEM 18% EM MARÇO

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR PARA A ÍNDIA CAEM 18% EM MARÇO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XIX 24/abril/2017 n. 672 EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR PARA A ÍNDIA CAEM 18% EM MARÇO Os dados mais atualizados sobre as exportações de açúcar bruto, refinado e

Leia mais