DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL JUNHO DE 2017

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL JUNHO DE 2017"

Transcrição

1 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções. Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso.

2 PRODUTOS

3 SAFRA 2016/ % mercado interno CANA DE AÇÚCAR 685 milhões de toneladas 47% Açúcar 10% China 70% exportação 10% Bangladesh 53% Etanol 40% Anidro (misturado à gasolina) 60% Hidratado (usado como combustível) 8% Argélia 94% Mercado Interno 6% Exportação 50% EUA 25% Coréia do Sul Fonte: CONAB E SECEX, Bradesco

4 A cana-de-açúcar é uma cultura tropical, porém o açúcar também pode ser obtido em regiões de clima frio, por meio da beterraba e do milho. O açúcar obtido da cana-de-açúcar tem menor custo de produção e maior rendimento; representa 80% do açúcar produzido globalmente; O álcool pode ser obtido da cana (Brasil), do milho (EUA), do eteno (Arábia Saudita) e do carvão mineral (África do Sul).

5 SAZONALIDADE

6 CICLO OPERACIONAL DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR PLANTIO COLHEITA MOAGEM DA CANA utilização plena da capacidade instalada - operação 24 horas em 3 turnos Tomada de ACC Embarque de 70% das Exportações Ociosidade manutenção

7 COLHEITA/PROCESSAMENTO BRASIL CENTRO-SUL: abril a novembro BRASIL NORTE-NORDESTE: setembro a abril EUA, UNIÃO EUROPÉIA, ÍNDIA: outubro a maio TAILÂNDIA: novembro a junho AUSTRÁLIA: julho a fevereiro BRASIL É O ÚNICO GRANDE PLAYER COM SAFRA NO 1º SEMESTRE DO ANO

8 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez SAZONALIDADE DAS EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR 12,0% 10,0% 10,3% 11,1% 10,7% 11,1% 10,0% 8,7% 9,2% 8,0% 6,6% 6,7% 6,0% 5,9% 5,4% 4,5% 4,0% 2,0% Fonte: SECEX, Bradesco

9 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez SAZONALIDADE DAS EXPORTAÇÕES DE ETANOL 13,0% 11,0% 12,5% 12,1% 11,2% 11,6% 9,0% 8,6% 7,9% 7,8% 7,0% 6,6% 5,0% 5,5% 5,0% 5,3% 6,0% 3,0% 1,0% Fonte: SECEX, Bradesco

10 A cana-de-açúcar é uma cultura perene, ou seja, da mesma planta pode ser colhida cana até 5 vezes; depois de plantada a cana demora até 18 meses para ser colhida. Geralmente as usinas renovam em torno de 20% do canavial por ano e a cada 5 anos fazem rotação de cultura com a soja; Após o corte a cana é perecível, devendo ser processada em no máximo 48 horas.

11 VANTAGENS COMPETITIVAS DO BRASIL

12 O BRASIL É REFERÊNCIA INTERNACIONAL EM TECNOLOGIA SUCROALCOOLEIRA

13 CUSTOS DE PRODUÇÃO DO BRASIL (Região Centro/Sul são os menores do mundo) Clima favorável e terras férteis garantem elevado teor de sacarose da cana; Baixo custo da terra e da mão-de-obra; Elevada produtividade; O Brasil usa o bagaço e a palha de cana para a co-geração de energia elétrica, garantindo o auto-consumo ou a venda de energia; As usinas de outros países são essencialmente açucareiras, ao passo que as usinas brasileiras têm flexibilidade de destino da cana, para álcool ou para açúcar, podendo maximizar receitas.

14 CUSTOS DE PRODUÇÃO DA LAVOURA DE CANA-DE-AÇÚCAR EM PERÍODOS DE BAIXA RENTABILIDADE, OS PRINCIPAIS GASTOS CORTADOS SÃO OS TRATOS CULTURAIS E A RENOVAÇÃO DOS CANAVIAIS, QUE JUNTOS REPRESENTAM 53% DOS CUSTOS Gastos com Plantio 20% Tratos Culturais 33% Corte da Cana 20% Transporte 27% Fonte: ORPLANA, Bradesco

15 As unidades produtoras mistas (produzem açúcar e álcool) têm capacidade limitada de fabricação de açúcar e de álcool, portanto não é possível a concentração em um só produto quando este apresenta maior rentabilidade.

16 FORNECEDORES

17 Há usinas que têm canaviais próprios, bem como usinas que adquirem cana de fornecedores; Em média, os fornecedores independentes de cana-deaçúcar representam cerca de 30% do consumo total de matéria-prima. Nos demais players a cana é adquirida totalmente de terceiros; Não há relação integrada entre usinas e produtores independentes; O pagamento aos fornecedores é balizado no teor de sacarose e pureza da cana.

18 REGIONALIZAÇÃO

19 PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR (por região - safra 2015/2016) Safra - set a abr N/NE 7,7% CENTRO-SUL 92,3% Safra - abr a nov Fonte: CONAB, Bradesco

20 PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR POR REGIÃO (por região - safra 2015/2016) Norte 0,5% Nordeste 7,2% Sul 6,7% Centro-Oeste 19,7% Sudeste 65,8% Fonte: CONAB, Bradesco

21 PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR POR UF (safra 2015/2016) MS 7,0% AL 2,6% PR 6,7% MT 2,1% PE 2,0% Outros 3,6% MG 10,1% SP 55,2% GO 10,7% Fonte: CONAB, Bradesco

22 RANKING

23 PLAYERS MUNDIAIS

24 60% do etanol produzido no mundo é originado da cana-de-açúcar e da beterrada, os 40% restantes são de grãos como o milho.

25 MAIORES PRODUTORES MUNDIAIS DE AÇÚCAR (safra 2015/16) África do Sul 1,0% Indonésia 1,3% Outros 20,1% Brasil 20,3% Guatemala 1,7% Rússia 2,7% Índia 16,6% Austrália 2,9% Paquistão 3,2% México 3,7% EUA 4,6% China 6,1% Tailândia 6,3% UE 9,4% Fonte: USDA, Bradesco

26 MAIORES CONSUMIDORES MUNDIAIS DE AÇÚCAR (safra 2015/16) Outros 36,6% Índia 16,2% UE 10,9% Tailândia 1,5% México 2,7% Paquistão 2,8% Indonésia 3,2% Rússia 3,4% EUA 6,2% Brasil 6,5% China 10,1% Fonte: USDA, Bradesco

27 MAIORES EXPORTADORES MUNDIAIS DE AÇÚCAR (safra 2015/16) México 2,6% UE 2,7% Guatemala 4,3% África do Sul 1,3% Cuba 1,6% Outros 16,7% Brasil 43,4% Índia 4,6% Austrália 6,7% Tailândia 16,1% Fonte: USDA, Bradesco

28 MAIORES EXPORTADORES MUNDIAIS DE AÇÚCAR (safra 2015/16) BRASIL Consumo Interno 32% Exportação 9% UE Exportação 68% Consumo Interno 91% TAILÂNDIA Consumo Interno 19% Consumo Interno 27% AUSTRÁLIA Exportação 81% Exportação 73% Fonte: USDA, Bradesco

29 MAIORES IMPORTADORES MUNDIAIS DE AÇÚCAR (safra 2015/16) China 10,5% Indonésia 6,1% EUA 5,9% Outros 57,4% UE 5,4% Emirados Árabes Malásia 4,8% 4,0% Fonte: USDA, Bradesco Rússia 2,2% Coréia do Sul 3,6%

30 MAIORES PRODUTORES MUNDIAIS DE ETANOL (2015) Argentina 0,8% India Canada 1,7% Tailândia 0,8% 1,3% Outros 1,5% UE 5,4% China 3,2% Brasil 27,7% EUA 57,5% Fonte: RFA, Bradesco

31 PLAYERS NACIONAIS

32 EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR E ETANOL REPRESENTAM 5,2% DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

33 PAUTA DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS (2015) Madeira e Manufaturas 1,2% Fumo e Cigarros 1,1% Materiais Elétricos e Eletrônicos 1,8% Calçados e Couro 1,9% Café 3,4% Máquinas e Instrumentos 3,9% Papel e Celulose 4,1% Açúcar e Etanol 5,2% Suco de Laranja 0,5% Outros 14,3% Produtos Químicos 7,2% Produtos Siderúrgicos e Metalúrgicos 7,3% Complexo Carnes 7,6% Complexo Soja 13,0% Material de Transporte 9,8% Minérios Metalúrgicos 9,0% Petróleo e Derivados 8,7% Fonte: SECEX, Bradesco

34 CONSUMIDORES

35 A cultura é exportadora o consumo interno de açúcar é estável em torno de 11 milhões de toneladas por ano, isso significa que qualquer crescimento da produção nacional gera maior excedente exportável; Os preços do açúcar são balizados no mercado internacional, na Bolsa de Nova Iorque NYBOT açúcar demerara (bruto), sendo a unidade de medida a libra peso (453,6 gramas). O açúcar branco ou refinado tem contrato na Bolsa de Londres; a unidade de medida é a tonelada; A comercialização interna de álcool é realizada das destilarias diretamente para as companhias distribuidoras de combustível, que buscam o álcool nas destilarias em caminhões próprios; A mistura de etanol na gasolina é realizada nas distribuidoras.

36 No mercado doméstico o tipo mais utilizado de açúcar é o refinado amorfo (açúcar branco). Cerca de 60% da produção interna é voltada para o consumidor final e 40% para a indústria (fabricação de biscoitos, sorvetes, refrigerantes); O consumo de açúcar é determinado pelo nível de renda e pelo crescimento populacional; O consumo de álcool está mais relacionado ao preço da gasolina, lançamentos da indústria automobilística e do percentual de mistura de álcool à gasolina que oscila entre 20% e 27%. O anidro passa pelo processo desidratação para eliminar o máximo de água, por isso o custo de produção é maior.

37 PAÍSES DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR (2015) China 10,4% Outros 32,9% Bangladesh 10,3% Argelia 6,8% Índia 6,3% Malásia 4,1% Rússia 4,3% Egito 4,5% Nigéria 5,6% Emirados Árabes Unidos 6,0% Fonte: SECEX, Bradesco Arábia Saudita 4,7%

38 AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ÁLCOOL PARA OS EUA SÃO TAXADAS EM US$ 0,54 POR GALÃO. PARA CONTORNAR A TARIFA, A MAIOR PARTE DAS VENDAS SÃO FEITAS VIA PAÍSES DO CARIBE, COMO EL SALVADOR, JAMAICA E COSTA RICA, ONDE NÃO HÁ COBRANÇA DE TARIFAS

39 PAÍSES DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DE ETANOL (2015) Países Baixos 3,4% Japão 2,6% Arábia Saudita 1,8% Nigéria 2,5% Turquia 1,0% Outros 2,9% Índia 5,0% China 6,4% EUA 49,2% Coréia do Sul 25,2% Fonte: SECEX, Bradesco

40 FATORES DE RISCO

41 Risco Climático; Incidência de pragas e doenças; Setor exportador dependente do comportamento do câmbio; Commodity sujeita ao comportamento das cotações internacionais. Risco elevado em períodos de alta volatilidade dos preços nos mercados futuros, o que pode levar a perdas com ajuste de margem; Custos de produção cotados em dólar e dependendes da matéria-prima petroquímica (fertilizantes e defensivos agrícolas).

42 CENÁRIO ATUAL E TENDÊNCIAS

43 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* PRODUÇÃO MUNDIAL X CONSUMO MUNDIAL DE AÇÚCAR (mil ton) Fonte e (*) Projeção: USDA Elaboração: Bradesco mil ton Produção mundial x consumo mundial de açúcar Produção Consumo Mundial Fonte: USDA, Bradesco

44 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 Excedente de produção sobre o consumo mundial e relação estoque consumo de açúcar FONTE: USDA ELABORAÇÃO: BRADESCO EXCEDENTE DE PRODUÇÃO SOBRE O CONSUMO MUNDIAL E RELAÇÃO ESTOQUE CONSUMO DE AÇÚCAR (mil ton) EM MIL TONELADAS ,2% ,7% 24,9% ,2% ,3% ,8% 29,1% excedente de produção sobre o consumo Relação Estoque Consumo ,1% ,7% ,2% ,1% ,9% 22,6% ,0% 27,0% 23,0% 22,3% 19,0% 15,0% Fonte: USDA, Bradesco

45 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* Relação estoque consumo mundial de açúcar Projeção de estoque e consumo: USDA RELAÇÃO FONTE: USDA e NYBOT ESTOQUE ELABORAÇÃO: - BRADESCO CONSUMO Projeção de MUNDIAL preço: média dos DE preços AÇÚCAR futuros (US$ c / libra peso) US$ c / libra peso 31,0% Relação Estoque Consumo 29,8% 27,14 29,1% 29,1% 29,0% Preços Internacionais 28,3% 28,1% 27,5% 27,2% 27,1% 27,0% 26,3% 26,2% 22,36 25,7% 25,9% 24,9% 25,0% 23,8% 23,9% 14,64 23,0% 22,3% 22,4% 16,34 22,0% 12,5421,7% 12,13 21,7% 20,8% 21,0% 20,2% 19,9% 8,34 19,2% 9,91 19,0% 19,0% 18,2% 6,16 6,44 17,0% 18,14 30,0 25,0 20,0 16,74 22,6% 22,3% 15,0 13,14 10,0 5,0 15,0% 0,0 Fontes: USDA e NYBOT, Bradesco

46 Em US$ cents por libra peso PREÇOS INTERNACIONAIS DE AÇÚCAR (NYBOT preço futuro 1º vencto US$ cents/libra peso) Jan/00 Jan/01 Jan/02 Jan/03 Jan/04 Jan/05 Preços internacionais de açúcar NYBOT Preço futuro 1º Vencto Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco Jan/06 Jan/07 Jan/08 Jan/09 Jan/10 Jan/11 Jan/12 Jan/13 Jan/14 Jan/15 Jan/16 Jan/17 dez/ Fonte: BLOOMBERG, Bradesco

47 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* Área Plantada com Cana-de-Açúcar ÁREA PLANTADA COM CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL Fonte e projeção: Conab Elaboração: Bradesco (mil ha) mil ha 9,500 9,000 8,500 8,000 7,500 7,000 7,080 7,410 8,056 8,485 9,005 9,049 8,839 8,655 6,500 6,000 6,163 5,840 5,500 5,000 4,500 4,832 4,924 4,556 4,345 5,393 5,055 4,829 5,300 4,211 4,189 4,000 3,868 3,500 Fonte: CONAB, Bradesco

48 Fonte e projeção : Conab Elaboração. Bradesco 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 Produção Nacional de Cana-de-Açúcar PRODUÇÃO NACIONAL DE CANA-DE-AÇÚCAR (mil ton) 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 mil toneladas 17/18* 650, , ,000 Safra 16/17 Mil ton Var. Abs. Var. % 1º Levantamento Abr/ º Levantamento Ago/ ,9% 3º Levantamento Dez/ ,4% 4º Levantamento Abr/ ,4% 431, , , , , , , , , , , , ,000222, , , , , , , ,000 Fonte: CONAB, Bradesco

49 em m il t 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* kg por hectare Produtividade da Cana-de-Açúcar PRODUTIVIDADE DA CANA-DE-AÇÚCAR (ton/ha) Safra 16/17 ton/ha Var. Abs. Var. % 1º Levantamento Abr/16 76,2 2º Levantamento Ago/16 76,3 0 0,2% 3º Levantamento Dez/16 76,2 0-0,1% 4º Levantamento Abr/17 72,6-3,6-4,8% Fonte: CONAB, Bradesco

50 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* PRODUÇÃO NACIONAL DE AÇÚCAR (mil ton) mil toneladas Produção Nacional de Açúcar Fonte: Conab 41,000 36,000 31,000 Safra 16/17 Mil ton Var. Abs. Var. % 1º Levantamento Abr/ º Levantamento Ago/ ,5% 3º Levantamento Dez/ ,4% 4º Levantamento Abr/ ,8% 27,500 30,224 33,075 31,622 38,168 35,968 38,691 37,878 38,702 35,560 33,489 26,000 24,944 22,381 21,000 16,000 12,651 17,961 19,380 18,994 16,020 14,848 11,000 9,249 6,000 Fonte: CONAB, Bradesco

51 milhões de litros 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 Produção Nacional de Álcool PRODUÇÃO NACIONAL DE ETANOL (milhões de litros) 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 Fonte: Conab 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* 35,000 30,000 Safra 16/17 Milhões litros Var. Abs. Var. % 1º Levantamento Abr/ º Levantamento Ago/ ,1% 3º Levantamento Dez/ ,0% 4º Levantamento Abr/ ,2% 26,682 27,595 28,660 30,462 27,808 26,451 25,000 23,007 24,926 20,000 15,000 12,671 15,408 13,078 11,468 14,640 16,997 17,471 10,000 5,000 Fonte: CONAB, Bradesco

52 Fonte e (*) Projeção: Conab Elaboração: Bradesco PRODUÇÃO NACIONAL DE AÇÚCAR E DE ETANOL (açúcar em mil ton - etanol em milhões de litros) 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* 43,000 36,000 AÇÚCAR ÁLCOOL 38,168 38,691 38,702 29,000 26,682 27,957 30,462 27,808 26,451 22,000 19,380 23,640 15,000 12,692 11,700 8,000 10,518 Fonte: CONAB, Bradesco

53 PRODUÇÃO Fonte e (*) Projeção: NACIONAL Conab Elaboração: DE Bradesco AÇÚCAR E DE ETANOL (Var %) Var. % da produção nacional de açúcar e de etanol % AÇÚCAR 20.0% 15.0% 16.0% ETANOL 15.4% 18.3% 15.5% 10.0% 5.0% 0.0% 1.1% 4.6% 7.1% 6.6% 2.5% 6.3% 0.0% -5.0% -10.0% -3.4% -5.8% -9.7% -5.2% -1.2% -6.1% -5.8% -8.7% -4.9% -15.0% -20.0% 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* Fonte: CONAB, Bradesco

54 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* PRODUÇÃO NACIONAL DE AÇÚCAR (por região em mil ton) PRODUÇÃO NACIONAL DE AÇÚCAR POR REGIÃO FONTE E PROJEÇÃO: CONAB ELABORAÇÃO: BRADESCO 40,000 35,000 NORTE/NORDESTE CENTRO SUL 34,417 35,585 35,466 30,000 31,350 30,881 25,000 20,000 15,000 16,900 22,481 10,000 12,636 6,188 5,000 3, ,211 2,782 3,789 4,213 4,618 3,107 3,236 Fonte: CONAB, Bradesco

55 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* PRODUÇÃO NACIONAL DE ETANOL (por região em milhões de litros) Produção - Álcool - por região 31,000 26,000 NORTE/NORDESTE CENTRO SUL 25,613 28,467 26,521 26,204 24,756 21,000 21,793 16,000 13,255 15,294 11,000 10,856 6,000 9,064 1,734 1,000 2,266 1,631 1,471 1,729 1,983 1,995 1,603 1,696 Fonte: CONAB, Bradesco

56 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* ETANOL ANIDRO E HIDRATADO Produção nacional de etanol anidro e hidratado Fonte e (*) Projeção: Conab Elaboração: Bradesco (produção nacional em milhões de litros) em mil litros 20,000 ÁLCOOL ANIDRO - misturado à gasolina 19,579 19,253 18,000 16,000 ÁLCOOL HIDRATADO - usado nos veículos flex fuel 16,620 16,735 14,000 12,000 10,000 9,590 8,000 9,723 8,768 9,105 10,064 13,788 11,824 9,852 11,073 15,067 11,384 6,000 4,000 2,999 2,000 5,700 4,933 5,872 6,950 Fonte: CONAB, Bradesco

57 ETANOL ANIDRO E HIDRATADO (variação da produção nacional) Fonte e (*) Projeção: Conab Elaboração: Bradesco Var. % da produção nacional de açúcar e de etanol % 20.0% ÁLCOOL ANIDRO - misturado à gasolina hidratado usado nos veículos flex 21.6% 20.0% 16.9% 15.7% 15.4% 17.0% 13.2% 13.7% 10.0% 0.0% -10.0% 4.1% 1.1% -9.1% -0.8% 5.0% -4.4% 2.8% -1.2% -10.0% -13.1% -20.0% -22.5% -30.0% -40.0% -30.9% 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* Fonte: CONAB, Bradesco

58 PERCENTUAL DE CANA CONVERTIDA EM AÇÚCAR E EM ETANOL 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17 17/18* 100.0% açúcar etanol 90.0% 80.0% 70.0% 48% 45% 43% 53% 57% 52% 54% 51% 50% 54% 57% 60% 54% 53% 60.0% 50.0% 40.0% 30.0% 20.0% 52% 55% 57% 47% 43% 48% 46% 49% 50% 46% 43% 40% 46% 47% 10.0% 0.0% Fonte: CONAB, Bradesco

59 Elaboração: Bradesco em mil toneladas CONSUMO INTERNO E EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR (mil ton) Mercado Interno 29,000 Exportações 25,800 27,650 26,100 24,000 20,850 24,650 24,350 19,000 18,020 17,090 19,500 14,000 11,600 10,630 12,000 11,260 10,800 9,450 9,000 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 15/16 16/17* Fonte: USDA, Bradesco

60 Fonte: SECEX em m ilhões US$ Exportações de Açúcar - em volume VOLUME DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE AÇÚCAR (mil ton) mil t Fonte: SECEX, Bradesco

61 em m ilhões US$ Exportações de Açúcar - em valor VALOR DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE AÇÚCAR (milhões de US$) Fonte: SECEX, Bradesco

62 em milhões US$ VOLUME DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ETANOL (milhões de litros) jan-mar/2016 jan-mar/ Exportação Importação Fonte: SECEX, Bradesco

63 Fonte: SECEX Coeficiente de Exportações de Álcool COEFICIENTE DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ETANOL 25.0% 20.0% 19.8% 15.0% 14.1% 14.8% 14.8% 13.2% 10.0% 11.9% 7.6% 8.3% 11.0% 10.1% 5.0% 2.8% 5.4% 5.0% 4.8% 6.1% 0.0% Fonte: SECEX e CONAB, Bradesco

64 mil US$ Exportações de Álcool - em valor VALOR DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ETANOL (milhões de US$) Fonte: SECEX Fonte: SECEX, Bradesco

65 jan/00 jan/01 jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 jan/15 jan/16 jan/17 PREÇOS INTERNOS DO AÇÚCAR CRISTAL (R$/sc 50 kg praça SP) Em R$ por saca 50 kg PREÇOS INTERNOS DO AÇÚCAR CRISTAL - PRAÇA SP Fonte: Cepea Esalq Elaboração: Bradesco 112,0 102,0 98,1 92,0 82,0 72,0 72,5 76,3 75,7 74,3 62,0 52,0 42,0 32,0 25,4 25,6 45,2 51,7 36,8 48,4 40,4 50,0 44,8 46,9 22,0 19,0 12,0 18,8 18,2 26,1 23,2 Fonte: Cepea Esalq, Bradesco

66 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 jan/15 jan/16 jan/17 PREÇOS INTERNOS DO ÁLCOOL ANIDRO (preço na usina - praça SP - R$/litro) em R$ por litro ÁLCOOL ANIDRO PRAÇA SP Fonte: Cepea Esalq ÁLCOOL ANIDRO misturado à gasolina na proporção de 20% a 27%. Tem 99,5% de álcool 2,80 2,30 2,25 2,10 2,08 1,80 1,30 0,98 1,21 1,08 1,30 1,58 1,34 1,56 1,64 0,80 0,68 0,83 0,30 Fonte: Cepea Esalq, Bradesco

67 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 jan/15 jan/16 jan/17 PREÇOS INTERNOS DO ÁLCOOL HIDRATADO (preço na usina - praça SP - R$/litro) em R$ por litro PREÇOS INTERNOS DO ÁLCOOL HIDRATADO (PREÇO NA USINA) - PRAÇA SP Fonte: Cepea Esalq Elaboração: Bradesco 2,10 ÁLCOOL HIDRATADO usado como combustível nos veículos. Tem 95% de álcool 1,90 1,92 1,82 1,70 1,50 1,51 1,42 1,48 1,30 1,22 1,19 1,10 1,17 0,90 0,84 1,01 0,70 0,50 0,59 0,72 0,30 Fonte: Cepea Esalq, Bradesco

68 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 out/16 jan/17 abr/17 ETANOL HIDRATADO X GASOLINA (relativo de preços) RELATIVO DE PREÇOS ETANOL HIDRATADO X GASOLINA Fonte: ANP Elaboração: Bradesco 85.0% 83% 80.0% 77% 75.0% 70.0% 70% 76% 74.7% 72.9% 72.6% 65.0% 64% 66% 66.9% 67.3% 61% 59% 62.5% 60.0% 61% 59% 56% 55.0% 55% 52% 53% 50.0% Fonte: ANP, Bradesco

69 ETANOL HIDRATADO E GASOLINA (R$/litro) abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 jan/16 abr/16 jul/16 out/16 jan/17 abr/ Gasolina Etanol Diesel Fonte: ANP, Bradesco

70 VENDAS NACIONAIS DE ÁLCOOL HIDRATADO Fonte: ANP Elaboração: Bradesco em milhões de litros (*) acumulado 12 meses até fevereiro ÁLCOOL HIDRATADO (vendas nacionais em milhões de litros) 20,000 18,000 16,000 16,471 15,074 17,863 14,000 13,290 12,994 12,000 10,000 9,367 10,899 9,850 11,755 8,000 6,000 4,000 4,604 3,502 3,792 3,245 4,355 4,667 6,187 2, Fonte: ANP, Bradesco

71 ÁLCOOL HIDRATADO (Var. % das vendas nacionais) 60.0% 50.0% 40.0% 30.0% 20.0% 34.2% 32.6% 51.4% 41.9% 23.9% 19.3% 37.5% 10.0% 7.2% 10.5% 0.0% -10.0% -20.0% -8.5% -9.6% -30.0% -40.0% -27.7% Fonte: ANP, Bradesco

72 DEPEC-BRADESCO

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

CARNE AVÍCOLA JUNHO DE 2017

CARNE AVÍCOLA JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO 2014-2015 10 DE OUTUBRO DE 2014 Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC CENÁRIO AGRÍCOLA PRODUÇÃO GLOBAL DE GRÃOS SAFRA 2014/15

Leia mais

AGRICULTURA. Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

AGRICULTURA. Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AGRICULTURA Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA AGRICULTURA o o Algodão A safra mundial 2017/18 será maior, mas com melhor ajuste de estoques já que o consumo

Leia mais

AGRICULTURA. Abril de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

AGRICULTURA. Abril de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AGRICULTURA Abril de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA AGRICULTURA o o Algodão Ainda que a relação estoque/consumo mundial esteja confortável, a expectativa de redução

Leia mais

SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2016

SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ JUNHO DE 2017

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ JUNHO DE 2017 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

AGRICULTURA. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

AGRICULTURA. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AGRICULTURA Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA AGRICULTURA o o Algodão Embora não tenha alcançado recorde, as 3 últimas safras globais seguiram em recuperação

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

PECUÁRIA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

PECUÁRIA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PECUÁRIA Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA PECUÁRIA o o Carne bovina O consumo doméstico de carne bovina registrou recuo nos dois últimos anos e ainda

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AGRICULTURA Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA AGRICULTURA o o Algodão Embora não tenha alcançado recorde, as 3 últimas safras globais seguiram em recuperação

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

CAFÉ NOVEMBRO DE 2016

CAFÉ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Setembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Setembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Setembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise, com o crescimento global se sustentando em ritmo positivo,

Leia mais

PECUÁRIA. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

PECUÁRIA. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PECUÁRIA Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA PECUÁRIA o o Carne bovina O consumo doméstico de carne bovina registrou recuo nos dois últimos anos e continuou

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o o o o Riscos reduzidos de crise, com o crescimento global se sustentando em ritmo positivo,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAMINHÕES JANEIRO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

CARNE BOVINA JUNHO DE 2017

CARNE BOVINA JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2016

CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise. O crescimento global continua a ganhar tração, com maior

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS JUNHO DE 2017

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Março de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Março de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Março de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise, a despeito da volatilidade recente. O crescimento global segue

Leia mais

Relatório final da safra 2012/2013. Região Centro-Sul

Relatório final da safra 2012/2013. Região Centro-Sul Relatório final da safra 2012/2013 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2012/2013 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2011/2012 Produtos Cana-de-açúcar ¹ Safra 2011/2012 2012/2013

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA JUNHO DE 2017

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA JUNHO DE 2017 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise. O crescimento global continua a ganhar tração, com maior

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Junho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Não há dúvidas de que o efeito do maior protecionismo é contracionista para a atividade

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o o o o Apesar de uma leve desaceleração no ritmo de crescimento do primeiro trimestre em

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ÔNIBUS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Maio de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Maio de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Maio de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o O ambiente global tende a se estabilizar nos próximos meses. Há sinais mais positivos vindos

Leia mais

DESAFIOS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Março de 2016

DESAFIOS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Março de 2016 DESAFIOS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Março de 2016 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração China. Aumento de juros nos EUA, mas de forma gradual.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO Junho de 2017 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Riscos reduzidos de crise, com o crescimento global se sustentando em ritmo positivo, de forma generalizada. Aumento gradual de juros nos EUA.

Leia mais

Relatório final da safra 2014/2015. Região Centro-Sul

Relatório final da safra 2014/2015. Região Centro-Sul Relatório final da safra 2014/2015 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2014/2015 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2013/2014 Produtos Safra 2013/2014 2014/2015 Var. (%) Cana-de-açúcar

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Dezembro de 2016

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Dezembro de 2016 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Dezembro de 2016 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração moderada da China. Aumento gradual de juros nos EUA. Esperamos

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Novembro de 2016 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração moderada da China. Aumento de juros nos EUA, mas de forma gradual.

Leia mais

Relatório final da safra 2015/2016. Região Centro-Sul

Relatório final da safra 2015/2016. Região Centro-Sul Relatório final da safra 2015/2016 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2015/2016 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2014/2015 Cana-de-açúcar ¹ Açúcar ¹ Etanol anidro ² ATR ¹ Produtos

Leia mais

Relat ório final da safra 2016/2017. Região Centro-Sul

Relat ório final da safra 2016/2017. Região Centro-Sul Relat ório final da safra 2016/2017 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2016/2017 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2015/2016 Cana-de-açúcar ¹ Açúcar ¹ Etanol anidro ² ATR ¹ Produtos

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO Julho de 2017 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Riscos reduzidos de crise, com o crescimento global se sustentando em ritmo positivo, de forma generalizada. Aumento gradual de juros nos EUA.

Leia mais

Relat ório final da safra 2017/2018. Região Centro-Sul

Relat ório final da safra 2017/2018. Região Centro-Sul Relat ório final da safra 2017/2018 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2017/2018 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2016/2017 Cana-de-açúcar ¹ Açúcar ¹ Etanol anidro ² Etanol

Leia mais

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul Relatório final da safra 2013/2014 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2013/2014 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2012/2013 Produtos Safra 2012/2013 2013/2014 Var. (%) Cana-de-açúcar

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Janeiro de 2017 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities, com estabilização dos preços nos últimos meses. Desaceleração moderada da China.

Leia mais

Panorama do comércio internacional do complexo sucroalcooleiro

Panorama do comércio internacional do complexo sucroalcooleiro Panorama do comércio internacional do complexo sucroalcooleiro Marta R. Castilho Instituto de Economia Universidade Federal do Rio de Janeiro IV Workshop INFOSUCRO Roteiro Evolução do comércio mundial

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA AGOSTO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA AGOSTO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA AGOSTO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Junho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Os desafios do cenário global têm crescido. O fortalecimento do dólar em relação às demais

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Julho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Os desafios do cenário global têm crescido. O fortalecimento do dólar em relação às demais

Leia mais

Bens de capital. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Bens de capital. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Bens de capital Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO BENS DE CAPITAL o o o Desempenho atual: elevação da produção industrial neste ano reflete, em grande medida,

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Janeiro de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o o o o o O final do ano passado foi marcado por forte ajuste dos preços de diversos ativos:

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A SAFRA 2012/2013

PERSPECTIVAS PARA A SAFRA 2012/2013 Perspectivas do Setor Sucroenergético MBF AGRIBUSINESS PERSPECTIVAS PARA A SAFRA 2012/2013 Luciano Rodrigues Gerente de Economia e Análise Setorial da UNICA Sertãozinho, 24 de maio de 2012 2000/01 2001/02

Leia mais

20 de dezembro de Coletiva de imprensa BALANÇO PRELIMINAR SAFRA 2018/2019

20 de dezembro de Coletiva de imprensa BALANÇO PRELIMINAR SAFRA 2018/2019 20 de dezembro de 2018 Coletiva de imprensa BALANÇO PRELIMINAR SAFRA 2018/2019 ROTEIRO I. Condições climáticas e agronômicas II. Dados preliminares - produção safra 2018/2019 na região Centro-Sul até 16/12/2018

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Outubro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Outubro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Outubro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o o o o o Nos últimos meses, o ambiente externo tem se tornado mais complexo e desafiador,

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Os dados recentes de atividade sugerem que o PIB de 2019 pode ficar abaixo do 0,8% projetado

Leia mais

21 de maio de Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016

21 de maio de Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016 21 de maio de 2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016 ROTEIRO I. Dados finais da safra 2014/2015 na região Centro-Sul Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e faturamento

Leia mais

Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro

Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro CADERNO DE ESTATÍSTICAS Uma publicação da Representação do IICA/Brasil Elaboração: Daniela Faria e Diego Machado 1. Apresentação 2.

Leia mais

A SAFRA CANAVIEIRA DE 2012 E AS TENDÊNCIAS DE MERCADO DE AÇUCAR E ETANOL. Eng. Agr. Dib Nunes Grupo IDEA

A SAFRA CANAVIEIRA DE 2012 E AS TENDÊNCIAS DE MERCADO DE AÇUCAR E ETANOL. Eng. Agr. Dib Nunes Grupo IDEA A SAFRA CANAVIEIRA DE 2012 E AS TENDÊNCIAS DE MERCADO DE AÇUCAR E ETANOL Eng. Agr. Dib Nunes Grupo IDEA JUNHO 2012 Evolução da produção brasileira de CANA nos últimos 60 anos Ano Toneladas (milhões) Década

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

Etanol de milho: situação atual, desafios e perspectivas da produção Glauber Silveira

Etanol de milho: situação atual, desafios e perspectivas da produção Glauber Silveira Etanol de milho: situação atual, desafios e perspectivas da produção Glauber Silveira Aprosoja e Abramilho Mercado do milho Produção mundial Safra 17/18* EUA 370,3 CHINA 215,0 BRASIL 95,0 EUROPA 59,6 ARGENTINA

Leia mais

INDÚSTRIA. Dezembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

INDÚSTRIA. Dezembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA Dezembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA INDÚSTRIA A indústria está com os níveis de estoques mais ajustados e vem apontando melhora do nível de confiança

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MOTOCICLETAS DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA JANEIRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA JANEIRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA JANEIRO DE 2016 PRODUTOS MERCADO NACIONAL DE INFORMÁTICA - 2012 35% Aladi ex-argentina 1,7% exportação 34% Argentina Informática Faturamento

Leia mais

São Paulo. Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

São Paulo. Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos São Paulo Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PERFIL DA POPULAÇÃO SÃO PAULO São Paulo 45,09 15,37 milhões* milhões* População Domicílios Classe B 5% Classe A 7% Classe E

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar Cana-de-açúcar 85 86 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DÉFICIT NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE AÇÚCAR, AUMENTO DA DEMANDA E QUEDA NOS ESTOQUES MANTERÃO TENDÊNCIA DE PREÇOS ALTOS A perspectiva é de

Leia mais

Novembro de Consumo global de açúcar segue se expandindo nos países emergentes e baixos estoques devem dar piso às cotações internacionais

Novembro de Consumo global de açúcar segue se expandindo nos países emergentes e baixos estoques devem dar piso às cotações internacionais Novembro de 2011 global de açúcar segue se expandindo nos países emergentes e baixos estoques devem dar piso às cotações internacionais Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

CENÁRIO E PERSPECTIVAS PARA A SAFRA 2013/2014

CENÁRIO E PERSPECTIVAS PARA A SAFRA 2013/2014 Palestra anual para os fornecedores de cana Usina da Pedra CENÁRIO E PERSPECTIVAS PARA A SAFRA 2013/2014 Luciano Rodrigues Gerente Economia e Estatística - UNICA Serrana, 20 de junho de 2013 ROTEIRO I.

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. 1 DESAFIOS E INCERTEZAS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO E GLOBAL 2 2 Fabiana

Leia mais

Secretaria de Relações Internacionais - MAPA - Missões Prioritárias rias Desempenho recente e cenários para 2009

Secretaria de Relações Internacionais - MAPA - Missões Prioritárias rias Desempenho recente e cenários para 2009 Secretaria de Relações Internacionais - MAPA - Missões Prioritárias rias Desempenho recente e cenários para 2009 Exportações do Agronegócio Retrospecto de 10 anos Exportações Brasileiras do Agronegócio

Leia mais

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio

Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio 21 de junho de 2018 Perspectivas para a safra 2018/2019 e RenovaBio Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial ROTEIRO I. Considerações sobre a safra 2017/2018 Moagem e produção Preços II. Perspectivas

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético

Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético XIX Seminário ABMR&A Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético Luciano Rodrigues Assessor Econômico da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo 01 de outubro de 2008

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO 2014-2015: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ABRIL, 2014 Fabiana D Atri Economista Sênior do Departamento de Pesquisas 1 e Estudos Econômicos - DEPEC 17/04/11 17/05/11 17/06/11

Leia mais

Mato Grosso. Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Mato Grosso. Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Mato Grosso Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PERFIL DA POPULAÇÃO MATO GROSSO Mato Grosso 3,34 milhões* 1,14 milhão* População Domicílios 50,4% 49,6% Gênero 32,0 36,8 2017

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO 18 DE MAIO DE 2015 ELLEN REGINA STETER Economista do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 1 CENÁRIO GLOBAL 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990

Leia mais

MELHORA DA SINALIZAÇÃO DA POLÍTICA ECONÔMICA DEVERÁ GERAR CUSTOS DE CURTO PRAZO, MAS BENEFÍCIOS EM HORIZONTES MAIS DILATADOS.

MELHORA DA SINALIZAÇÃO DA POLÍTICA ECONÔMICA DEVERÁ GERAR CUSTOS DE CURTO PRAZO, MAS BENEFÍCIOS EM HORIZONTES MAIS DILATADOS. MELHORA DA SINALIZAÇÃO DA POLÍTICA ECONÔMICA DEVERÁ GERAR CUSTOS DE CURTO PRAZO, MAS BENEFÍCIOS EM HORIZONTES MAIS DILATADOS Dezembro de 2015 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities.

Leia mais

Maranhão. Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Maranhão. Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maranhão Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PERFIL DA POPULAÇÃO MARANHÃO Maranhão 7 milhões* 1,98 milhão* População Domicílios 49,4% 50,6% Gênero 29,2 33,9 2017 2030 Idade

Leia mais

Minas Gerais. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Minas Gerais. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Minas Gerais Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PERFIL DA POPULAÇÃO MINAS GERAIS 21,12 milhões* População 49,2% 50,8% Gênero 35,1 Minas Gerais 2017 2030 Idade média anos

Leia mais

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO Analista de Mercado Élcio A. Bento elcio@safras.com.br ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/@ Preço Mínimo R$ 44,6/@ ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/2 Jul A FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

PERSPECTIVAS DE MERCADO AÇÚCAR & ETANOL ABRIL,

PERSPECTIVAS DE MERCADO AÇÚCAR & ETANOL ABRIL, PERSPECTIVAS DE MERCADO AÇÚCAR & ETANOL ABRIL, 2013 PANORAMA MUNDIAL Açúcar & Etanol CICLOS SAFRA HEMISFÉRIOS NORTE E SUL CICLO 2013/14 ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR Hem. NORTE ENTRESSAFRA

Leia mais

Minas Gerais. Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Minas Gerais. Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Minas Gerais Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PERFIL DA POPULAÇÃO MINAS GERAIS 21,12 milhões* População 49,2% 50,8% Gênero 35,1 Minas Gerais 2017 2030 Idade média anos

Leia mais

Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13

Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13 Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13 Vanessa Nardy Agribusiness Research & Knowledge Center Pricewaterhouse Coopers Situação do setor sucroenergético no Brasil

Leia mais

Sudeste Janeiro de 2019

Sudeste Janeiro de 2019 Sudeste Janeiro de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PIB Variação anual real (em%) PIB - VARIAÇAO REAL 6,00 4,00 3,5037 3,9 3,0 Sudeste Brasil 2,00 1,9,00 0,5-2,00 -,4595-4,00-3,5-3,3-6,00

Leia mais

Congresso Internacional do Trigo Abitrigo Alexandre Mendonça de Barros

Congresso Internacional do Trigo Abitrigo Alexandre Mendonça de Barros Congresso Internacional do Trigo Abitrigo Alexandre Mendonça de Barros 24 de Setembro de 2018 Contexto atual do setor de grãos Excelentes resultados da safra 2017/18 para o setor de grãos Guerra comercial

Leia mais