A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol"

Transcrição

1 9º Seminário sobre Redução de Custos na Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 24 de Novembro de 2010

2 Modelo de Análise Econômico - Financeira MAEF Independente das informações tradicionais das Empresas. Baseado no Fluxo de Caixa e não nas informações contábeis. Confiabilidade baseada no princípio do Fluxo de caixa: Receitas Despesas = Resultado Saldo anterior + Entradas Saídas = Saldo atual Metodologia para a projeção do resultado da safra corrente e de safras futuras. Considera no Custo somente itens de despesa operacional Não estão incluídos valores de depreciação e despesas financeiras. Gastos com investimentos não entram, exceto plantio de cana.

3 Comparativo de Custos - Sucrotec Custos unitários baseados no padrão UNICOP COPERSUCAR. 1 saco açúcar 50 kg = 1 unicop 1 m³ álcool anidro = 31,72 unicop s 1 m³ álcool hidratado = 29,37 unicop s A conversão por unicop visa a equivalência de custos de produção entre os produtos. Outra forma poderia ser a conversão em Kg de ATR, visando a equivalência quantitativa em sacarose. 1 sc açúcar 50 kg = 52,475 kg ATR 1 m³ anidro = 1.765,10 kg ATR ou 33,64 sc açúcar 1 m³ hidratado = 1.691,30 kg ATR ou 32,23 sc açúcar

4 Comparativo de Custos - Sucrotec Amostra Sucrotec 7 Usinas, sendo 5 filiadas à Copersucar e 2 Independentes 6 no Estado de São Paulo e 1 em Minas Gerais Moagem total de 17,3 milhões de ton (~5% do total do estado de SP) Moagem mínima de 1,1 milhão ton e máxima de 3,1 milhões, média de 2,2 milhões ton Mix produção 47% açúcar e 53% etanol Participação da cana de fornecedores de 31% do total Nível de mecanização no corte de 68% Raio médio de 25 km Qualidade Média da Cana de 140 kg ATR (2010/11)

5 Evolução dos Custos de produção Fonte: Sucrotec

6 Evolução dos Custos de produção Canas de Fornecedores Arrendamentos Impostos Gastos Administrativos Insumos Industriais Manutenção Industrial Manutenção Agrícola Combustíveis e Lubrificantes Mão de obra + Serv. Contr Adubos, Herbicidas Participação no Total de Custos 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Fonte: Sucrotec

7 Evolução dos Custos de produção Canas de Fornecedores Arrendamentos Evolução na Participação nos Custos 22% 25% +12% 100% Impostos Gastos Administrativos Insumos Industriais Manutenção Industrial Manutenção Agrícola 6% 3% 5% 3% 3% -5% 5% 2% 8% 4% 7% -9% -7% -12% 8% 7% 6% 9% +22% +44% +39% 75% 50% Combustíveis e Lubrificantes Mão de obra + Serv. Contr Adubos, Herbicidas 35% 8% -11% -24% 31% 6% 25% 0% Fonte: Sucrotec Média 2000/01 a 2009/ /11(proj.)

8 Evolução dos Custos de produção % 250% 200% 150% 247% Variação de Preços dos Insumos Setor Sucroalcooleiro Acumulado 2000/01 a 2010/11 (até setembro/10) 199% 194% 184% 158% Variação Acumulada Unicop Índice Médio Setor 120% 100% 122% 120% 96% 78% 50% 78% 76% 0% -8% -50% Fonte: Sucrotec / FGV / Consecana

9 Evolução dos Custos de produção Unicop (IGP-DI) Diesel Ferro,aço En.Elétr. Adubos Máq.Agr. Prod.Quím. M.Obra Máq.Eq.Ind. Preços dos Insumos X Preços da Unicop Fonte: Sucrotec / FGV / Consecana

10 US /Libra 32,00 EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DO AÇÚCAR NO MERCADO FUTURO (Contrato no NY) R$/US$ 4,00 28,00 24,00 Dólar 3,50 3,00 20,00 16,00 1o. Futuro 2o. Futuro 2,50 2,00 12,00 1,50 8,00 1,00 4,00 0,50

11 O Real está sobrevalorizado? Pelo índice Big Mac da The Economist, o Dólar deveria valer cerca de R$ 2,40 para que o sanduíche do Mc Donald s custasse o mesmo que nos EUA, portanto, segundo este estudo, hoje o Real estaria sobrevalorizado em mais de 40% frente do Dólar Americano.

12 abr/00 jul/00 out/00 jan/01 abr/01 jul/01 out/01 jan/02 abr/02 jul/02 out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 30 EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DO AÇÚCAR NO MERCADO FUTURO (Contrato no NY) - Valores Históricos o. Futuro 2o. Futuro 16,11 11, ,20 5 0

13 abr/00 jul/00 out/00 jan/01 abr/01 jul/01 out/01 jan/02 abr/02 jul/02 out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/ o. Futuro 2o. Futuro EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DO AÇÚCAR NO MERCADO FUTURO (Contrato no NY) - Valores Corrigidos p/ Out/10 - Inflação Americana R$ / Saca 50 Kg 25,74 R$ / tonelada 514,79 R$ / Saca 50 Kg 17,01 R$ / tonelada 340,21 16,84 12,21 7,57 R$ / Saca 50 Kg 8,28 R$ / tonelada 165,62 0

14 jan/94 jun/94 nov/94 abr/95 set/95 fev/96 jul/96 dez/96 mai/97 out/97 mar/98 ago/98 jan/99 jun/99 nov/99 abr/00 set/00 fev/01 jul/01 dez/01 mai/02 out/02 mar/03 ago/03 jan/04 jun/04 nov/04 abr/05 set/05 fev/06 jul/06 dez/06 mai/07 out/07 mar/08 ago/08 jan/09 jun/09 nov/09 abr/10 set/10 Evolução dos Custos de produção 900 Commodities X Açúcar NY X Petróleo WTI TRJ/CRB Index Açucar NY 11( 2º fut.) Petróleo WTI

15 Evolução dos Custos de produção R$/Unicop 40,00 Custo de Produção Total X Preço Médio ( valores históricos) 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0,00 Fonte: Sucrotec / Consecana Preço médio Custo médio Exclusive Depreciações e Despesas financeiras

16 Evolução dos Custos de produção R$/Unicop 40,00 35,00 30,00 Custo de Produção Total X Preço Médio ( valores corrigidos para SET/10 pela variação do IGP-DI) 32,60 33,58 25,00 27,96 27,86 20,00 15,00 10,00 5,00 Preço médio Custo médio Fonte: Sucrotec / Consecana Exclusive Depreciações e Despesas financeiras

17 R$/ton cana própria+arrend 60,00 50,00 40,00 44,96 Evolução dos Custos de produção Custo Agrícola - Cana Própria ( exceto arrendamento) 42,64 41,35 44,05 39,54 45,42 54,36 51,39 40,78 38,47 39,41 30,00 20,00 10,00 0,00 Fonte: Sucrotec Histórico Corrigido (set/10) Exclusive Depreciações e Despesas financeiras

18 Evolução dos Custos de produção R$ / tonelada Custo Da Cana de Fornecedores 70,00 60,00 64,06 60,41 59,40 59,62 66,87 56,03 50,00 40,00 46,56 47,25 42,49 41,98 50,72 30,00 20,00 10,00 0,00 Fonte: Sucrotec Histórico Corrigido (set/10) Exclusive Depreciações e Despesas financeiras

19 Evolução dos Custos de produção R$ / UNICOP 7,00 Custo Industrial 6,00 5,00 4,00 5,98 5,42 5,20 4,72 4,46 4,65 4,99 4,76 3,92 4,36 4,18 3,00 2,00 Histórico Corrigido (set/10) 1,00 Fonte: Sucrotec 0,00 Exclusive Depreciações e Despesas financeiras

20 Evolução dos Custos de produção R$ / UNICOP Custo Administrativo 6,00 5,30 5,00 4,00 3,00 4,23 3,48 3,93 3,99 3,65 4,17 4,02 2,68 3,35 3,73 2,00 1,00 0,00 Fonte: Sucrotec Histórico Corrigido (set/10) Exclusive Depreciações e Despesas financeiras

21 Evolução dos Custos de produção R$ / UNICOP 40,00 Custo Total 35,00 34,43 30,00 25,00 30,45 28,46 27,86 25,80 25,06 29,28 29,33 24,77 27,96 27,86 20,00 15,00 10,00 5,00 0,00 Fonte: Sucrotec Histórico Corrigido (set/10) Exclusive Depreciações e Despesas financeiras

22 Evolução dos Custos de produção Média x Proj. 2010/11 Custo (R$ de set/10) média 00/01 a 09/ /11 (proj.) Var. % AGRÍCOLA (R$/tonelada) (2) 51,40 47,33-8% Mão de Obra 18,96 17,85-6% Manutenção 4,76 6,39 34% Adubos,Herb.e Sem. 8,97 6,34-29% -11% Combust.e Lubrificantes 7,31 9,50 30% Serv.Contratados/Diversos 4,30-0,67-116% Arrendamento 7,10 7,92 12% CANA FORNECEDORES (R$/t) 53,94 56,03 4% MATÉRIA-PRIMA (R$/t) 52,20 50,05-4% Rendimento Industrial (unicop's/t) 2,65 2,51-5% MATÉRIA-PRIMA (R$/Unicop) 19,68 19,95 1% INDUSTRIAL (R$/Unicop) 4,85 4,18-14% Mão de Obra 2,22 2,19-1% Manutenção 2,30 2,00-13% Insumos 0,70 0,77 10% Energia Elétrica 0,02-0,11-715% Outros -0,39-0,68 73% ADMINISTRAÇÃO (R$/Unicop) 3,88 3,73-4% Mão de Obra 1,58 1,64 4% Assistência Social 0,29 0,32 9% Encargos Tributar. 0,93 0,80-13% Despesas Diversas 1,08 0,96-11% CONSOLIDADO (R$/unicop) 28,40 27,86-2% RESULTADO OPERACIONAL 11% 17% (1) - Exclusive Depreciações e Despesas Financeiras (2) - Cana Própria + Arrendada Fonte: Sucrotec Venda Energia (1 Usina) Representa R$ 0,20 na média

23 Evolução dos Custos de produção Média x Proj. 2010/11 Custo (R$ de set/10) Custo Operacional média 00/01 a 09/ /11 (proj.) R$ por Saco Açúcar de 50 kg 28,40 27,86 R$ por litro de Etanol Anidro 0,90 0,88 R$ por litro de Etanol Hidratado 0,83 0,82 US Cents / Libra peso (NY) 17,98 17,70 DÓLAR MÉDIO R$ / US$ 1,74 1,74 CUSTO EXPORTAÇÃO US$ / TON. 70,00 70,00 - Não inclui Depreciação, Despesas Financeiras e Aquisição de Imobilizado - Inclui despesas com plantio de cana - Posto Usina Fonte: Sucrotec

24 abr/00 jul/00 out/00 jan/01 abr/01 jul/01 out/01 jan/02 abr/02 jul/02 out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/ o. Futuro 2o. Futuro EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DO AÇÚCAR NO MERCADO FUTURO (Contrato no NY) - Valores Corrigidos p/ Out/10 - Inflação Americana Custo Operacional (set/10) 17,70 16,84 12,21 7,57 5 0

25 Custos de produção Valores Históricos CUSTOS (R$ correntes) 2000/ / / / / / / / / / /11 Rendimento Agrícola (t/ha) 67,1 81,9 82,1 84,9 89,9 88,1 87,9 90,6 96,1 100,0 90,7 AGRÍCOLA (R$/tonelada) (2) 22,99 23,62 27,71 33,71 32,93 39,83 51,27 50,01 44,31 43,18 47,26 Mão de Obra 8,05 7,88 8,98 11,43 12,23 15,72 18,25 18,99 19,03 18,05 17,87 Manutenção 2,15 2,02 2,27 2,47 2,50 3,48 4,70 4,65 4,85 5,89 6,37 Adubos,Herb.e Sem. 3,80 4,57 5,33 6,88 6,95 7,22 8,09 8,79 6,51 5,35 6,33 Combust.e Lubrificantes 2,43 2,22 3,12 3,77 4,20 6,03 6,61 8,19 9,84 8,98 9,43 Serv.Contratados/Diversos 3,32 3,90 4,24 5,62 3,36 2,45 5,18 2,25-2,42-2,49-0,69 Arrendamento 3,24 3,04 3,77 3,54 3,70 4,94 8,45 7,14 6,50 7,41 7,94 CANA FORNECEDORES (R$/t) 28,14 29,17 34,40 31,89 34,93 45,74 52,72 35,69 39,24 47,25 56,36 Participação Cana Própria 75,7% 72,1% 69,4% 69,4% 67,6% 71,5% 69,2% 67,2% 60,8% 62,8% 68,8% Participação Cana Fornecedor 24,3% 27,9% 30,6% 30,6% 32,4% 28,5% 30,8% 32,8% 39,2% 37,2% 31,2% MATÉRIA-PRIMA (R$/t) 24,24 25,17 29,76 33,16 33,58 41,52 51,72 45,30 42,33 44,70 50,10 Rendimento Industrial (unicop's/t) 2,73 2,67 2,74 2,83 2,68 2,64 2,72 2,64 2,50 2,37 2,51 MATÉRIA-PRIMA (R$/Unicop) 8,89 9,44 10,84 11,71 12,53 15,71 19,02 17,17 16,90 18,84 19,97 INDUSTRIAL (R$/Unicop) 2,63 2,62 3,01 3,23 3,29 3,58 3,93 3,97 3,63 4,06 4,18 Mão de Obra 1,08 1,15 1,25 1,45 1,53 1,73 1,77 1,86 1,84 2,13 2,20 Manutenção 1,29 1,26 1,49 1,58 1,48 1,65 1,89 1,80 1,71 1,92 2,00 Insumos 0,27 0,28 0,33 0,49 0,50 0,53 0,54 0,67 0,85 0,70 0,77 Energia Elétrica 0,09 0,06 0,08 0,08 0,10-0,01-0,03-0,04-0,26-0,17-0,11 Outros -0,11-0,14-0,14-0,37-0,31-0,32-0,24-0,31-0,51-0,51-0,68 ADMINISTRAÇÃO (R$/Unicop) 1,86 1,68 2,28 2,73 2,70 3,20 4,18 3,36 2,49 3,13 3,74 Mão de Obra 0,86 0,77 0,89 1,11 1,02 1,13 1,26 1,42 1,22 1,50 1,64 Assistência Social 0,15 0,14 0,13 0,14 0,15 0,20 0,28 0,35 0,30 0,30 0,32 Encargos Tributar. 0,40 0,31 0,52 0,67 0,75 1,06 1,62 0,61 0,20 0,41 0,81 Despesas Diversas 0,45 0,47 0,73 0,81 0,78 0,81 1,02 0,98 0,77 0,92 0,96 CONSOLIDADO (R$/unicop) 13,38 13,74 16,13 17,67 18,53 22,50 27,14 24,51 23,02 26,03 27,89 RESULTADO OPERACIONAL 22,9% 21,1% 21,9% -0,2% 14,1% 13,7% 8,9% -12,8% 4,4% 16,0% 17,0% (1) - Exclusive Depreciações e Despesas Financeiras (2) - Cana Própria + Arrendada Fonte: Sucrotec

26 Custos de produção Valores Corrigidos (Set/10) CUSTOS (R$ de Setembro/10) 2000/ / / / / / / / / / /11 Rendimento Agrícola (t/ha) 67,1 81,9 82,1 84,9 89,9 88,1 87,9 90,6 96,1 100,0 90,7 AGRÍCOLA (R$/tonelada) (2) 52,34 48,93 47,85 49,22 44,54 51,84 65,07 59,97 47,81 46,41 47,33 Mão de Obra 18,32 16,31 15,51 16,69 16,54 20,46 23,14 22,70 20,46 19,42 17,85 Manutenção 4,90 4,19 3,91 3,60 3,38 4,53 5,96 5,57 5,24 6,32 6,39 Adubos,Herb.e Sem. 8,65 9,46 9,20 10,05 9,40 9,39 10,27 10,50 7,03 5,76 6,34 Combust.e Lubrificantes 5,54 4,60 5,39 5,50 5,68 7,85 8,41 9,86 10,58 9,67 9,50 Serv.Contratados/Diversos 7,56 8,07 7,32 8,21 4,54 3,18 6,58 2,76-2,53-2,70-0,67 Arrendamento 7,37 6,29 6,51 5,17 5,01 6,42 10,72 8,59 7,03 7,93 7,92 CANA FORNECEDORES (R$/t) 64,06 60,41 59,40 46,56 47,25 59,62 66,87 42,49 41,98 50,72 56,03 Participação Cana Própria 75,7% 72,1% 69,4% 69,4% 67,6% 71,5% 69,2% 67,2% 60,8% 62,8% 68,8% Participação Cana Fornecedor 24,3% 27,9% 30,6% 30,6% 32,4% 28,5% 30,8% 32,8% 39,2% 37,2% 31,2% MATÉRIA-PRIMA (R$/t) 55,18 52,13 51,39 48,41 45,42 54,06 65,63 54,23 45,52 48,01 50,05 Rendimento Industrial (unicop's/t) 2,73 2,67 2,74 2,83 2,68 2,64 2,72 2,64 2,50 2,37 2,51 MATÉRIA-PRIMA (R$/Unicop) 20,23 19,56 18,72 17,09 16,95 20,46 24,14 20,56 18,18 20,24 19,95 INDUSTRIAL (R$/Unicop) 5,98 5,42 5,20 4,72 4,46 4,65 4,99 4,76 3,92 4,36 4,18 Mão de Obra 2,47 2,39 2,16 2,12 2,06 2,25 2,24 2,21 1,98 2,29 2,19 Manutenção 2,94 2,61 2,57 2,30 2,01 2,15 2,40 2,16 1,84 2,06 2,00 Insumos 0,63 0,59 0,57 0,72 0,68 0,69 0,69 0,80 0,92 0,75 0,77 Energia Elétrica 0,21 0,13 0,14 0,12 0,13-0,01-0,04-0,04-0,27-0,18-0,11 Outros -0,25-0,30-0,24-0,54-0,42-0,41-0,30-0,37-0,55-0,55-0,68 ADMINISTRAÇÃO (R$/Unicop) 4,23 3,48 3,93 3,99 3,65 4,17 5,30 4,02 2,68 3,35 3,73 Mão de Obra 1,95 1,59 1,54 1,62 1,38 1,47 1,60 1,70 1,32 1,61 1,64 Assistência Social 0,34 0,28 0,23 0,20 0,21 0,27 0,36 0,42 0,33 0,32 0,32 Encargos Tributar. 0,91 0,64 0,91 0,98 1,01 1,37 2,05 0,74 0,21 0,44 0,80 Despesas Diversas 1,03 0,97 1,26 1,18 1,05 1,05 1,29 1,17 0,83 0,99 0,96 CONSOLIDADO (R$/unicop) 30,45 28,46 27,86 25,80 25,06 29,28 34,43 29,33 24,77 27,96 27,86 RESULTADO OPERACIONAL 22,9% 21,1% 21,9% -0,2% 14,1% 13,7% 8,9% -12,8% 4,4% 16,0% 17,0% (1) - Exclusive Depreciações e Despesas Financeiras (2) - Cana Própria + Arrendada Fonte: Sucrotec

27 9º Seminário sobre Redução de Custos na Agroindústria Canavieira OBRIGADO Assessoria e Consultoria Ltda. Rua Irmã Pia, Conjunto 501 Jaguaré São Paulo SP CEP Tel/Fax :

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 10º Seminário sobre Redução de Custos na Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 30 de Novembro de 2011 Modelo

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 11º Seminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 28 de Novembro de

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 12ºSeminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 04 de Dezembro de 2013

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 15º Seminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 30 de Novembro de

Leia mais

Relatório final da safra 2015/2016. Região Centro-Sul

Relatório final da safra 2015/2016. Região Centro-Sul Relatório final da safra 2015/2016 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2015/2016 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2014/2015 Cana-de-açúcar ¹ Açúcar ¹ Etanol anidro ² ATR ¹ Produtos

Leia mais

Relat ório final da safra 2016/2017. Região Centro-Sul

Relat ório final da safra 2016/2017. Região Centro-Sul Relat ório final da safra 2016/2017 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2016/2017 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2015/2016 Cana-de-açúcar ¹ Açúcar ¹ Etanol anidro ² ATR ¹ Produtos

Leia mais

21 de maio de Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016

21 de maio de Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016 21 de maio de 2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016 ROTEIRO I. Dados finais da safra 2014/2015 na região Centro-Sul Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e faturamento

Leia mais

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul Relatório final da safra 2013/2014 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2013/2014 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2012/2013 Produtos Safra 2012/2013 2013/2014 Var. (%) Cana-de-açúcar

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013

Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013 Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013 São Paulo, 20 de setembro de 2012 ROTEIRO I. Metodologia e fonte de dados II. Aspectos climáticos e condições agrícolas III. Evolução da safra da região

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Expectativas para a safra 2017/18 e as perspectivas para o setor nos próximos anos

Expectativas para a safra 2017/18 e as perspectivas para o setor nos próximos anos 15º Seminário sobre Produtividade & Redução de Custos Expectativas para a safra 2017/18 e as perspectivas para o setor nos próximos anos Luciano Rodrigues Gerente Economia e Análise Setorial 1 - SAFRA

Leia mais

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Posição até 01/11/2017 Vendas de hidratado avançam no Centro-Sul O volume de cana-de-açúcar processado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA

COLETIVA DE IMPRENSA COLETIVA DE IMPRENSA 17 de dezembro de 2013 Considerações sobre os dados Informações disponíveis a partir do sistema de benchmarking do CTC: Amostra contempla apenas cana própria Representatividade da

Leia mais

Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13

Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13 Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13 Vanessa Nardy Agribusiness Research & Knowledge Center Pricewaterhouse Coopers Situação do setor sucroenergético no Brasil

Leia mais

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Posição até 16/11/2016 Informações adicionais Safra 2016/2017 1ª quinzena de novembro A moagem pelas unidades produtoras da região Centro-Sul atingiu

Leia mais

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Realização Parceria Técnica Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Daniel Latorraca Ferreira daniel@imea.com.br Agenda Análise de mercado Escopo do trabalho Metodologia de composição dos clusters Resultados

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Relatório da administração

Relatório da administração Relatório da Administração Safra 2016/2017 Relatório da administração Avanhandava, 05 de junho de 2017. Senhores acionistas, Apresentamos o Relatório da Administração, as Demonstrações Financeiras combinadas

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T16

Teleconferência de Resultados 2T16 Teleconferência de Resultados 2T16 1 2 Destaques Receita Líquida de R$100,0 milhões no 6M16. Lucro Líquido de R$45,8 milhões no 6M16. EBITDA Ajustado de R$18,3 milhões no 6M16. Fornecimento de 1,0 milhão

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA Agosto de 2002 Produção Mensal na Região Centro-Sul Álcool

Leia mais

Mais de 5 milhões de toneladas de cana-deaçúcar moídas na safra 2012/2013 garantem elevado EBITDA nos resultados de 2012/13

Mais de 5 milhões de toneladas de cana-deaçúcar moídas na safra 2012/2013 garantem elevado EBITDA nos resultados de 2012/13 Mais de 5 milhões de toneladas de cana-deaçúcar moídas na safra 2012/2013 garantem elevado EBITDA nos resultados de 2012/13 Bocaina, 14 de maio de 2013 A Tonon Bionergia S/A anuncia hoje seus resultados

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO

CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO Dib Nunes Jr. Antonio Celso Silva Jr. Grupo IDEA Características Varietais 1. Florescimento: MENOR DENSIDADE DE CARGA MENOR VOLUME DE CALDO 2. Tombamento:

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 356 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 840.281

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL JUNHO DE 2017

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL JUNHO DE 2017 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

AGRICULTURA. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

AGRICULTURA. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AGRICULTURA Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA AGRICULTURA o o Algodão Embora não tenha alcançado recorde, as 3 últimas safras globais seguiram em recuperação

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T18

Teleconferência de Resultados 1T18 Teleconferência de Resultados 1T18 1 2 Destaques R$ 98,9 milhões Receita Líquida R$ 20,1 milhões Lucro Líquido R$ 33,7 milhões Ebitda Ajustado Distribuição de R$ 12,9 milhões em dividendos ou R$ 0,24 por

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

5 anos desde o IPO...

5 anos desde o IPO... 1 5 anos desde o IPO... 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Moagem: 10,3 MT Moagem: 12,0 MT Moagem: 12,9 MT Moagem: 13,1 MT Moagem: 14,5 MT Moagem: 14,5 MT IPO da SMTO Aquisição Usina Santa Luiza aprox. 1MT

Leia mais

Brasília,26 de novembro de SETOR SUCROALCOOLEIRO

Brasília,26 de novembro de SETOR SUCROALCOOLEIRO Brasília,26 de novembro de 2015. SETOR SUCROALCOOLEIRO Açúcar: Avaliação de Oferta e Demanda Mundial F o n t e : U S D A Superávit/Déficit Global S&D Safra 15/16 (base Out-Set) Produção / Demanda Balanço

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T16

Teleconferência de Resultados 3T16 Teleconferência de Resultados 3T16 1 2 Destaques Receita Líquida de R$95,0 milhões no 9M16. Lucro Líquido de R$27,8 milhões no 9M16. EBITDA Ajustado de R$17,2 milhões no 9M16. Obtenção de licenças para

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar Cana-de-açúcar 85 86 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DÉFICIT NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE AÇÚCAR, AUMENTO DA DEMANDA E QUEDA NOS ESTOQUES MANTERÃO TENDÊNCIA DE PREÇOS ALTOS A perspectiva é de

Leia mais

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho):

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho): Julho / 2012 Destaques Julho: - Exportação: 2º maior valor para julho (exp: US$ 21,0 bi); anterior jul-11 (US$ 22,3 bi); - Importação: 2º maior valor para julho (US$ 18,1 bi); anterior jul-11: US$ 19,1

Leia mais

Perspectivas para de dezembro de 2006 DEPECON/FIESP

Perspectivas para de dezembro de 2006 DEPECON/FIESP Perspectivas para 2007 13 de dezembro de 2006 DEPECON/FIESP Crescimento Econômico em 2005 = +2,3% CENÁRIOS O desempenho da economia em 2005 dependerá da política econômica a ser adotada. A) Redução de

Leia mais

Seminário. Oportunidades e desafio dos investimentos em usinas flex Desempenho econômico e ambiental do etanol produzido pela integração milho/cana

Seminário. Oportunidades e desafio dos investimentos em usinas flex Desempenho econômico e ambiental do etanol produzido pela integração milho/cana Seminário Oportunidades e desafio dos investimentos em usinas flex Desempenho econômico e ambiental do etanol produzido pela integração milho/cana Palestra: Desempenho econômico Carlos Eduardo Osório Xavier

Leia mais

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Liberação de Variedades RB de Cana-de-Açúcar DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) Ribeirão Preto, 08 de outubro

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA

GDOC INTERESSADO CPF/CNPJ PLACA Fatores válidos para recolhimento em 01/02/2017 JANEIRO 3,4634 3,3316 3,1086 2,9486 2,7852 2,6042 2,3996 2,2471 2,0710 1,9331 1,8123 1,6867 FEVEREIRO 3,4534 3,3078 3,0941 2,9384 2,7727 2,5859 2,3888 2,2349

Leia mais

Seminário de Desenvolvimento Sustentável: Panorama do Setor Sucroenergético

Seminário de Desenvolvimento Sustentável: Panorama do Setor Sucroenergético Seminário de Desenvolvimento Sustentável: Panorama do Setor Sucroenergético Agosto de 2017 SINDAÇÚCAR/PI Regiões de produção de cana no Brasil Uso da terra no Brasil Fonte: USP Fonte: USP Uso da terra

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

Resultados FY 11 São Paulo 07 de junho de 2011

Resultados FY 11 São Paulo 07 de junho de 2011 Resultados FY 11 São Paulo 07 de junho de 2011 1 Disclaimer Considerações Futuras Esta apresentação contém estimativas e projeções relacionadas a nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MANEJO VARIETAL NAS USINAS. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA

AVALIAÇÃO DO MANEJO VARIETAL NAS USINAS. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA AVALIAÇÃO DO MANEJO VARIETAL NAS USINAS Dib Nunes Jr. Grupo IDEA Estamos avaliando corretamente o desempenho comercial das variedades? Precisamos entender o que está ocorrendo atualmente com a gestão da

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índice de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12 0,99

Leia mais

meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03 0,53 4,19 6,

meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03 0,53 4,19 6, Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

Panorama do Setor de Açúcar e Álcool. Alexandre Enrico Figliolino

Panorama do Setor de Açúcar e Álcool. Alexandre Enrico Figliolino Panorama do Setor de Açúcar e Álcool Alexandre Enrico Figliolino AGOSTO, 2012 SUMÁRIO SEÇÃO 1 SEÇÃO 2 SEÇÃO 3 SEÇÃO 4 SEÇÃO 5 Avaliação Setorial Desempenho Econômico-Financeiro Quadro Evolutivo Setorial

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Brasileiro Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior

Desempenho do Comércio Exterior Brasileiro Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior Desempenho do Comércio Exterior Brasileiro -2013 Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior Resultados de 2013 - MAIO/2013 - Exportação:média diária (US$ 1,04 bi) acima de US$ 1 bilhão; 3ªmaior

Leia mais

COLETIVA DE SAFRA 2017/2018. Mário Campos Presidente SIAMIG

COLETIVA DE SAFRA 2017/2018. Mário Campos Presidente SIAMIG COLETIVA DE SAFRA 2017/2018 Mário Campos Presidente SIAMIG UBERABA 28/04/2017 MOAGEM DE CANA EM MINAS GERAIS ( mil toneladas) MIX DE PRODUÇÃO SAFRA MG 2016/2017 POSIÇÃO: 01-04-2017 PRODUTOS SAFRA VAR(%)

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índices de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12

Leia mais

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AGRICULTURA Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA AGRICULTURA o o Algodão Embora não tenha alcançado recorde, as 3 últimas safras globais seguiram em recuperação

Leia mais

1T15 Apresentação dos Resultados

1T15 Apresentação dos Resultados 1 1T15 Apresentação dos Resultados Ressalva sobre informações acerca de eventos futuros O material a seguir é uma apresentação de informações gerais básicas sobre a Tonon Bioenergia S.A. (coletivamente,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA CAMARA MUNICIPAL DE SALVADOR RECEITAS X DESPESAS 2015

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA CAMARA MUNICIPAL DE SALVADOR RECEITAS X DESPESAS 2015 RECEITAS X DESPESAS 2015 RECEITAS JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Repasse de Inativos PMS 5.071,83 9.761,76 5.472,38 5.539,98 5.667,28 5.788,79 5.739,96 24.411,51 67.453,49 Repasse dos

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

Relatório de Resultados: 2T 17

Relatório de Resultados: 2T 17 Os saldos e resultados apresentados neste relatório podem diferir daqueles reportados pela Cosan como sendo referentes à Raízen. Isto se deve a (i) o exercício social da Raízen ser de abril a março de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior O comércio exterior brasileiro e o desempenho do setor industrial Welber Barral Secretário SÃO PAULO (SP), 27

Leia mais

Esalq a vista 150,67-0,02 150,69

Esalq a vista 150,67-0,02 150,69 COTAÇÕES AGRÍCOLAS SEMANAL SEMANA: 43 sexta-feira, 21 de outubro de 216 BOI (contrato 33@) - Em R$/@ Esalq a vista 15,67 -,2 15,69 out/16 15,81 -,76 15,7 151, 263 9.546 151,57-25,8 nov/16 152,2 -,58 151,7

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA

COLETIVA DE IMPRENSA COLETIVA DE IMPRENSA São Paulo, 20 de dezembro de 2012 ROTEIRO I. Oferta de cana-de-açúcar na região Centro-Sul: condições agrícolas e climáticas II. Moagem e produção de açúcar e etanol na região Centro-Sul

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T17

Teleconferência de Resultados 4T17 Teleconferência de Resultados 4T17 1 2 Destaques Receita Líquida de R$193,5 milhões no FY17. Lucro Líquido de R$27,3 milhões no FY17. EBITDA Ajustado de R$42,5 milhões no FY17. Aquisição de 17.566 hectares

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

MOAGEM DE CANA CHEGA A 17 MILHÕES DE TONELADAS NA PRIMEIRA QUINZENA DE ABRIL

MOAGEM DE CANA CHEGA A 17 MILHÕES DE TONELADAS NA PRIMEIRA QUINZENA DE ABRIL Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XIX 01/maio/2017 n. 673 MOAGEM DE CANA CHEGA A 17 MILHÕES DE TONELADAS NA PRIMEIRA QUINZENA DE ABRIL A quarta semana de abril foi marcada pela atualização

Leia mais

Panorama Atual da Agricultura Brasileira e Desenvolvimento Sustentável: tá os Riscos do Risco

Panorama Atual da Agricultura Brasileira e Desenvolvimento Sustentável: tá os Riscos do Risco Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Panorama Atual da Agricultura Brasileira e Desenvolvimento Sustentável: tá os Riscos do Risco Luís Carlos Guedes Pinto Vice-Presidente de Agronegócios do Banco

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T16 e 2016

Teleconferência de Resultados 4T16 e 2016 Teleconferência de Resultados 4T16 e 2016 1 2 Destaques Receita Líquida de R$147,1 milhões no FY16. Lucro Líquido de R$10,6 milhões no FY16. Transformação de 6,6 mil hectares nas fazendas do Brasil e no

Leia mais

Desafios do crescimento. Março de 2008

Desafios do crescimento. Março de 2008 Insumos da Construção Desafios do crescimento Março de 2008 Insumos da construção: desafios do crescimento Crescimento da construção A pressão dos preços O mercado de materiais de construção O que pode

Leia mais

BOLETIM RURAL Bovinocultura de leite. Edição nº 09/2017 Outubro/2017 CONJUNTURA ECONÔMICA

BOLETIM RURAL Bovinocultura de leite. Edição nº 09/2017 Outubro/2017 CONJUNTURA ECONÔMICA BOLETIM RURAL Bovinocultura de leite. Edição nº 09/2017 Outubro/2017 CONJUNTURA ECONÔMICA Considerando os três principais índices de inflação (IPCA, IGP-M e IGP-DI) verifica-se valor menor em dois dos

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Avaliação de desempenho e recomendações das variedades de cana no Grupo Guarani

Avaliação de desempenho e recomendações das variedades de cana no Grupo Guarani Avaliação de desempenho e recomendações das variedades de cana no Grupo Guarani José Olavo Bueno Vendramini Gerente Técnico Corporativo Agenda Grupo Guarani Avaliação de Performance Varietal para Tomada

Leia mais

Etanol de milho: situação atual, desafios e perspectivas da produção Glauber Silveira

Etanol de milho: situação atual, desafios e perspectivas da produção Glauber Silveira Etanol de milho: situação atual, desafios e perspectivas da produção Glauber Silveira Aprosoja e Abramilho Mercado do milho Produção mundial Safra 17/18* EUA 370,3 CHINA 215,0 BRASIL 95,0 EUROPA 59,6 ARGENTINA

Leia mais

Tereos Internacional Resultados do Segundo Trimestre de 2013/14

Tereos Internacional Resultados do Segundo Trimestre de 2013/14 Tereos Internacional Resultados do Segundo Trimestre de São Paulo 14 de novembro de 2013 Destaques do Operacional Guarani: Melhoria na produtividade agrícola devido a investimentos passados e condições

Leia mais

Resultados do 4T09 Safra 2008 / 09

Resultados do 4T09 Safra 2008 / 09 4 Resultados do 4T09 Safra 2008 / 09 SÃO MARTINHO ATINGE EBITDA AJUSTADO DE R$ 189,8 MILHÕES NOS 12M09 COM MARGEM DE 24,5%. São Paulo, 29 de junho de 2009 SÃO MARTINHO S.A. (Bovespa: SMTO3; Reuters SMTO3.SA

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA Desde fevereiro os três principais índices de inflação (IPCA, IGP-M e IGP-DI) não registravam alta simultaneamente no mesmo mês. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor-Amplo (IPCA)

Leia mais

Açúcar: juros americanos, gasolina e preços baixos. Lucas Brunetti Economista

Açúcar: juros americanos, gasolina e preços baixos. Lucas Brunetti Economista Açúcar: juros americanos, gasolina e preços baixos Lucas Brunetti Economista A curva de juros nos EUA e o câmbio no curto prazo - Após o início do movimento de aumento dos juros americanos de 10 anos,

Leia mais

Aquisição. Usina Santa Cruz. Maio/2014

Aquisição. Usina Santa Cruz. Maio/2014 Aquisição Usina Santa Cruz Maio/2014 Disclaimer 2 Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções e metas operacionais

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2016 CEPEA AÇÚCAR & ETANOL I Análise Conjuntural II Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional (paridade

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO 2014-2015: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ABRIL, 2014 Fabiana D Atri Economista Sênior do Departamento de Pesquisas 1 e Estudos Econômicos - DEPEC 17/04/11 17/05/11 17/06/11

Leia mais

Aspectos Econômicos do Controle de Plantas Daninhas na Cultura da Cana-de-Acúcar

Aspectos Econômicos do Controle de Plantas Daninhas na Cultura da Cana-de-Acúcar Aspectos Econômicos do Controle de Plantas Daninhas na Cultura da Cana-de-Acúcar Simpósio sobre Controle de Ervas Daninhas na Cultura da Cana-de-Acúcar 8 de outubro de 22 Marli Dias Mascarenhas Oliveira

Leia mais

EBITDA Ajustado do 1T14 aumenta 95,8% e totaliza R$ 211,6 milhões

EBITDA Ajustado do 1T14 aumenta 95,8% e totaliza R$ 211,6 milhões EBITDA Ajustado do 1T14 aumenta 95,8% e totaliza R$ 211,6 milhões São Paulo, 12 de agosto de 2013 SÃO MARTINHO S.A. (BM&FBovespa: SMTO3; Reuters SMTO3.SA e Bloomberg SMTO3 BZ), um dos maiores produtores

Leia mais

Balanço Anual 2016 e Perspectivas Coletiva de Imprensa 06/02/2017

Balanço Anual 2016 e Perspectivas Coletiva de Imprensa 06/02/2017 Balanço Anual 2016 e Perspectivas 2017 Coletiva de Imprensa 06/02/2017 O PANO DE FUNDO INTERNACIONAL: PIB TRIMESTRAL Comparativo Internacional (Variação % em volume em relação aos 4 trimestres imediatamente

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

Açúcar/etanol: Revisão da safra brasileira 2016/17 30 de agosto de 2016

Açúcar/etanol: Revisão da safra brasileira 2016/17 30 de agosto de 2016 Açúcar/etanol: Revisão da safra brasileira 2016/17 30 de agosto de 2016 Com o desenvolvimento da safra no C-S do Brasil observamos que algumas das nossas premissas para a safra não se concretizaram e,

Leia mais

REUNIÃO. SAFRA 2016/2017 Unidade Ipê 23/06/2016

REUNIÃO. SAFRA 2016/2017 Unidade Ipê 23/06/2016 REUNIÃO FORNECEDORES SAFRA 2016/2017 Unidade Ipê 23/06/2016 Apresentação Abertura - Sergio Luiz Selegato Planejamento de safra 2016/2017- Sérgio Luiz dos Santos Extranet Canal com o Fornecedor João Vitor

Leia mais

2ª REUNIÃO DE FORNECEDORES. Usina da Pedra Agosto de 2017

2ª REUNIÃO DE FORNECEDORES. Usina da Pedra Agosto de 2017 2ª REUNIÃO DE FORNECEDORES Usina da Pedra Agosto de 2017 Apresentação Abertura Sérgio Luiz Selegato Acompanhamento de Mercado Sérgio Luiz Selegato Moagem e Término da Safra Hebert Trawitzki Potencial de

Leia mais

Expectativa de receita potencial para a safra 2017/18

Expectativa de receita potencial para a safra 2017/18 twitter.com/sistemacna facebook.com/sistemacna instagram.com/sistemacna www.cnabrasil.org.br www.canaldoprodutor.tv.br 7ª Edição - Setembro de 07 Expectativa de receita potencial para a safra 07/8 Desde

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 As exportações do Estado do Paraná, em abril de 2016, foram de US$ 1,499 bilhão. As principais contribuições foram de produtos alimentares (complexo

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite Ano 7, n. 52 - Junho/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 50.000 44.703 46.457 45.166 40.000 30.000 24.794

Leia mais

APIMEC - SP 16 de dezembro de 2008

APIMEC - SP 16 de dezembro de 2008 APIMEC - SP 16 de dezembro de 2008 DISCLAIMER Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções e metas operacionais e

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS JUNHO DE 2017

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641 BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 60,000 50,000 24,794 33,641 44,703 46,457 40,032

Leia mais

Índices de preços base: ago. 94 = 100

Índices de preços base: ago. 94 = 100 Índices de preços base: ago. 94 = 100 ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DISPONIBILIDADE INTERNA (IGP-DI) ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DO MERCADO (IGP-M) ÍNDICE DE PREÇOS AO PRODUTOR AMPLO DISPONIBILIDADE INTERNA (IPA-DI)

Leia mais