Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13"

Transcrição

1 Panorama do setor sucroenergético para a safra atual e perspectivas para 2012/13 Vanessa Nardy Agribusiness Research & Knowledge Center Pricewaterhouse Coopers

2 Situação do setor sucroenergético no Brasil Quebra de safra estimada em 9% - primeira vez em 10 anos Os custos absorveram grande parte do benefício dos altos preços do açúcar Idade média do canavial de 3,8 anos Encerramento precoce da safra e capacidade ociosa de 100 milhões tons nas usinas do Centro-Sul Queda de 2,7% no rendimento industrial Aumento de 13% na produção do Nordeste GAP de 134 milhões de toneladas de cana Fonte: Datagro (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 2

3 Principais players 54,2 34,2 Principais grupos por moagem efetiva Safra 2010/11 (milhões de toneladas) O setor de 442 usinas ainda é relativamente pulverizado. 19, ,8 10,8 10,3 9,5 9,2 8,9 7,8 7,8 7,8 7,4 7,2 6,3 6,1 6,1 5,9 2% Os quatro maiores grupos empresariais (CR4) têm 19,4% da capacidade de moagem do setor, enquanto os oito maiores grupos (CR8) ficam com 26%. 80% 18% Açúcar Etanol Mistas Fonte: Anuário da Cana Procana (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 3

4 Novas indústrias sucroalcooleiras Mercado vivencia alta nos preços das usinas prontas devido à forte demanda por açúcar e etanol / / / / / / /12 A construção de greenfields se torna viável a partir do preço médio de US$ 150/ton de cana pedido por usinas prontas. Fonte: UNICA / COSAN / Itau BBA (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 4

5 Fatores Determinantes da Oferta Produtividade dos fatores Preço dos fatores Custo de oportunidade do capital Tecnologia e Processos Fonte: Agribusiness Research & Knowledge Center.

6 Situação do setor sucroenergético no Brasil Produção de cana (milhões t) CAGR=3,6% / / / / /12* O Brasil possui hoje 442 usinas em operação com capacidade média de 1,6 milhão de toneladas Produção de etanol (bilhões l) Produção de açúcar (milhões t) CAGR=4,1% CAGR=0,4% 45 27,6 27,7 38, , ,4 22,8 31,3 31, , / / / / /12* 2007/ / / / /12* * Estimativa Conab Fonte: MAPA e Estimativa Conab (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 6

7 Produtividade Ton/ha Produtividade - Centro-Sul e Norte-Nordeste Norte e Nordeste Centro-Sul ATR ,3 84,5 81 CAGR= -2,7% ,86 146,57 56,1 60,6 65,4 143,25 61,3 132,75 143,36 57,4 71,3 60,6 137,2 CAGR= 1,5% ATR Qtde./ ton de cana / / / / / /12* 120 *projeção Os valores do ATR foram obtidos do Consecana-SP ; para safra 2011/12 foi usada a estimativa para o ATR da Datagro Fonte: Datagro, Conab e Consecana-SP (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 7

8 Características da produção do Centro-Sul e Nordeste Nordeste Tradicional região produtora Manutenção da área plantada Tendências de expansão para o MAPITOBA Setor pulverizado, com presença de empresas familiares Destinação da cana: - 60% açúcar - 40% etanol Produção de etanol: - 53% etanol anidro - 47% etanol hidratado Maior estado produtor: Alagoas Centro-Sul Maior pólo produtor Expansão para GO, MT e MS Problemas climáticos afetam a produção Setor consolidado, com presença de grandes grupos internacionais Destinação da cana: - 48% açúcar - 52% etanol Produção de etanol: - 37% etanol anidro - 63% etanol hidratado Maior estado produtor: São Paulo Fonte: Conab (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 8

9 Evolução do preço da cana Evolução dos preços médios recebidos pelos agricultores (R$/ton) Fonte: IEA/SP (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 9

10 3. Evolução do preço do açúcar Açúcar Cepea R$/saca 50kg Fonte: Cepea (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 10

11 Evolução do preço do etanol Etanol Cepea R$/L 3 2,5 2 1,5 Anidro Hidratado 1 0,5 0 Fonte: Cepea (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 11

12 Evolução dos custos de produção Tipo de custo 2007/ / / /11 Preparo do Solo 419,16 525,74 452,3 458,6 Plantio 548,8 615,33 614,54 657,43 Tratos cana planta 1.215, , ,82 Tratos cana soca 517,31 559,54 579,66 597,00 CCT 1.125, , , ,4 Administração 419,6 476,3 517,6 591,16 Total (R$/ha) , , ,8 Total (R$/ton) 36,54 44,06 49,06 49,58 +20% +11% +0,9% Fonte: Agrianual (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 12

13 Situação econômica das empresas Aportes agrícolas encerrarão o ciclo 2011/12 entre R$ 5 e 6 bilhões Geração de caixa destinada à renovação e ampliação dos canaviais Situação geral dos indicadores: Dívida líquida tonelada de cana será MAIOR A produção de cana ficará comprometida nesta safra Margem EBITDA deve recuar de 30% para 29% O aumento dos custos pressionaram a remuneração Dívida líquida EBITDA De 2,7 vezes em 2010/11 para 2,6 vezes em 2011/12 Fonte: Itaú BBA (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 13

14 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 Perspectivas futuras para o açúcar - preços Contrato Futuro Nova York Vencimento Preço US$ cents/lp Mar/12 23,09 Mai/12 22,78 Jul/12 22,55 Out/12 22,67 Mar/13 23 Mai/13 22,75 Jul/13 22,68 Out/13 22,68 Mar/14 22,80 Jul/14 22,53 Out/14 22,50 Projeção em R$/saca 50kg 43, , , , Fonte: ICE e Cepea (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center.

15 Perspectivas futuras para o etanol - preços Contrato Futuro Chicago Vencimento Preço US$/gal Dez/11 2,5 Jan/12 2,26 Fev/12 2,16 Mar/12 2,16 Abr/12 2,17 Mai/12 2,17 Jun/12 2,20 Jul/12 2,20 Ago/12 2,19 Set/12 2,13 Out/12 2,06 Nov/12 1,99 Dez/12 1,98 Jan/13 2,00 Projeção em R$/Litro 1,2 1,1 1 0,9 0,8 0,7 0,6 15 Fonte: CBOT e Cepea (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center.

16 Ameaça da perda de competitividade Cogeração: Energia eólica Cogeração com bagaço de cana Etanol hidratado: Custo de produção do etanol hidratado na usina: 2005 R$ 0,50/Litro 1 MW hora Investimentos de R$ 5,8 milhões 1 MW hora Investimentos de R$ 7,9 milhões 2011 R$ 1,10/Litro R$ 2 milhões Preço médio da gasolina na bomba no estado de SP (2011): R$ 2,63/Litro Fonte: Itaú BBA e ANP (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 16

17 Perspectiva de crescimento do setor Depois da quebra de safra 1400 Em milhões de toneladas CAGR= 9% / / / / / / / / / /21 Para chegar a 1 bilhão de toneladas, são necessários no mínimo: novas plantas de 2 milhões de ton ou novas plantas de 3 milhões de ton Fonte: UNICA (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 17

18 Milhões de Ton O que motiva esse crescimento? O Brasil é detentor de 53% do mercado mundial de açúcar Para continuarmos mantendo esse share de participação nas exportações, o Brasil precisará aumentar suas exportações em 13 milhões de toneladas em 2020, o que demandará mais 100 milhões de toneladas de cana. A participação dos carros flex na frota total é de 51% hoje Seguindo o ritmo de vendas, em 2020 a frota flex será 80% do total. Para abastecer 50% desses veículos e atender o mandato americano de biocombustíveis e a demanda por outros fins, o Brasil precisará moer mais 823 milhões de toneladas. Como fazer isso? Aumento de Produtividade: MT MT Fonte: UNICA (2011). Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 18

19 Perspectivas para a próxima safra Safra de recuperação Início da safra em Maio/12 Expectativa de moagem: Centro Sul milhões toneladas Nordeste - 67 milhões de toneladas Crescimento da demanda mundial por etanol em 13% ao ano e por açúcar em 2% ao ano Baixa oferta de açúcar e etanol manterão os preços internos elevados Índia volta a exportar açúcar e Rússia conquista o posto de maior produtora de açúcar de beterraba Fonte: Datagro (2011).Adaptado por Agribusiness Research & Knowledge Center. 19

20 Desafios para a próxima safra Crescente preocupação com a sustentabilidade ambiental e social. Incerteza nas políticas públicas voltadas para o setor: intervenção da ANP, Código Florestal e restrição compra de terras por estrangeiros. Marco Regulatório para o etanol. Necessidade de maiores investimentos na área agrícola, principalmente na renovação dos canaviais. Governança Corporativa como base da perenidade da indústria de açúcar e etanol. Oportunidades de melhorias em termos de gestão estratégica e operacional de custos. Fonte: Agribusiness Research & Knowledge Center. 20

21 Obrigada! 21

Desafios para o Investimento em Novas Usinas de Etanol no Brasil

Desafios para o Investimento em Novas Usinas de Etanol no Brasil Desafios para o Investimento em Novas Usinas de Etanol no Brasil Dezembro, 2011 11 Sumário SEÇÃO 1 SEÇÃO 2 SEÇÃO 3 SEÇÃO 4 Rápida Avaliação Setorial Desempenho Econômico-Financeiro Quadro Evolutivo Setorial

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 11º Seminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 28 de Novembro de

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 15º Seminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 30 de Novembro de

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 12ºSeminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 04 de Dezembro de 2013

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 10º Seminário sobre Redução de Custos na Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 30 de Novembro de 2011 Modelo

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA Agosto de 2002 Produção Mensal na Região Centro-Sul Álcool

Leia mais

Reunião Pública com Analistas e Investidores

Reunião Pública com Analistas e Investidores 2014 Reunião Pública com Analistas e Investidores Grupo São Martinho 300.000 Ha Área agrícola de colheita 4 usinas São Martinho, Iracema, Santa Cruz e Boa Vista 20 milhões de toneladas Capacidade de processamento

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Teleconferência dos Resultados do 1T10 Ano Safra 2009/2010

Teleconferência dos Resultados do 1T10 Ano Safra 2009/2010 Teleconferência dos Resultados do 1T10 Ano Safra 2009/2010 DISCLAIMER Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MAIO/2016 CEPEA AÇÚCAR & ETANOL I Análise Conjuntural II Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional (paridade

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos www.imea.com.br Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos Daniel Latorraca Superintendente Agenda Visão da cadeia de grãos nos últimos 10 anos Visão da pecuária nos últimos

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia Brasília/DF 2010 2011 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Todos os direitos reservados. Permitida

Leia mais

Brasília,26 de novembro de SETOR SUCROALCOOLEIRO

Brasília,26 de novembro de SETOR SUCROALCOOLEIRO Brasília,26 de novembro de 2015. SETOR SUCROALCOOLEIRO Açúcar: Avaliação de Oferta e Demanda Mundial F o n t e : U S D A Superávit/Déficit Global S&D Safra 15/16 (base Out-Set) Produção / Demanda Balanço

Leia mais

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. PERFIL DA PRODUÇÃO Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 935 mil empregos formais (RAIS 2014). Divisas Externas: US$

Leia mais

Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal. Biosol Agroindústria SA. Apresentação ao Congresso Nacional

Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal. Biosol Agroindústria SA. Apresentação ao Congresso Nacional Apresentação ao Congresso Nacional 1 Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal Biosol Agroindústria SA Álcool e Energia Elétrica Estado Roraima Maio de 2012 Índice 2 1. Setor Sucroalcoleiro

Leia mais

Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol

Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol BMFBovespa Seminário Perspectivas do Agribusiness 2012-2013 Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol Andy Duff, Food & Agribusiness Research, Rabobank Brasil 22 de maio de 2012 Food & Agribusiness

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA

COLETIVA DE IMPRENSA COLETIVA DE IMPRENSA São Paulo, 20 de dezembro de 2012 ROTEIRO I. Oferta de cana-de-açúcar na região Centro-Sul: condições agrícolas e climáticas II. Moagem e produção de açúcar e etanol na região Centro-Sul

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

ALBIOMA I SEMINÁRIO MINEIRO DE BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA-DE-AÇÚCAR

ALBIOMA I SEMINÁRIO MINEIRO DE BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA-DE-AÇÚCAR ALBIOMA I SEMINÁRIO MINEIRO DE BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA-DE-AÇÚCAR Outubro 2016 NOSSO OBJETIVO COMUM 1. Disponibilidade de biomassa 2. Tecnologia consolidada 3. Condições econômicas voltam

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015 ANO 1 Nº9 O ritmo intenso de plantio da soja em Mato Grosso ao longo de todo o mês de novembro contribuiu para que a marca de 95,6% fosse atingida

Leia mais

Implicações para o Crédito Rural

Implicações para o Crédito Rural II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Implicações para o Crédito Rural Mesa 5: Debilidade da governança de terras: o impacto no setor privado Felipe Prince Silva. Ms. Economista

Leia mais

Esalq a vista 148,77-0,77 149,54

Esalq a vista 148,77-0,77 149,54 COTAÇÕES AGRÍCOLAS SEMANAL SEMANA: 52 sexta-feira, 23 de dezembro de 216 BOI (contrato 33@) - Em R$/@ Esalq a vista 148,77 -,77 149,54 dez/16 149,59 -,12 149,5 149,99 1 2.59 149,71-39,6 jan/17 149,5 1,1

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Gerson Teixeira Diretor de Economia e Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Ministério do

Leia mais

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura produtiva: 430 unidades produtoras Produtores de cana-de-açúcar: 70.000 Empregos diretos: 1,2 milhão PIB

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre 2016 Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 Avisos Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas

Leia mais

Aquisição da Usina Mandú. 01 de Junho de 2010

Aquisição da Usina Mandú. 01 de Junho de 2010 01 de Junho de 2010 Aviso As afirmações contidas neste documento relacionadas a perspectivas sobre os negócios, projeções sobre resultados operacionais e financeiros e aquelas relacionadas a perspectivas

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016

CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016 ANO 2 Nº14 A colheita avança e começa a derrubar os preços da soja em Mato Grosso. De acordo com dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL MAIO

CONJUNTURA MENSAL MAIO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL MAIO ANO 1 Nº1 O mercado de soja tem observado movimentação de queda em seus preços, decorrente principalmente das evoluções no lado da oferta, tanto em âmbito nacional

Leia mais

i t soluções para destravar o setor Plinio Nastari DATAGRO 14o. ENCONTRO FIESP DE ENERGIA MATRIZ SEGURA E COMPETITIVA 5 e 6 de Agosto de 2013

i t soluções para destravar o setor Plinio Nastari DATAGRO 14o. ENCONTRO FIESP DE ENERGIA MATRIZ SEGURA E COMPETITIVA 5 e 6 de Agosto de 2013 Biocombustíveis/etanol: i t soluções para destravar o setor Plinio Nastari DATAGRO 14o. ENCONTRO FIESP DE ENERGIA MATRIZ SEGURA E COMPETITIVA 5 e 6 de Agosto de 2013 Demanda Potencial Produção Brasileira

Leia mais

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2014 MUNDO SAFRA 2014/15 Devido ao aumento das cotações nas últimas safras, principalmente na comparação com o milho, o cultivo da soja vem aumentando

Leia mais

Reunião Pública 2013 Safra 13/14

Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Grupo São Martinho 300.000 ha Área agrícola de colheita 4 usinas São Martinho, Iracema, Santa Cruz e Boa Vista 21 milhões de tons Capacidade de processamento de cana de

Leia mais

Panorama da Inovação no Setor e Efeitos Econômicos da Paridade. Depto de Biocombustíveis BNDES Marcelo Soares Valente

Panorama da Inovação no Setor e Efeitos Econômicos da Paridade. Depto de Biocombustíveis BNDES Marcelo Soares Valente Panorama da Inovação no Setor e Efeitos Econômicos da Paridade Depto de Biocombustíveis Marcelo Soares Valente Principais Pontos Tratados Panorama e importância histórica (e para o futuro) da Inovação

Leia mais

Allan Kardec Duailibe Diretor

Allan Kardec Duailibe Diretor Allan Kardec Duailibe Diretor Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Minas e Energia 25 de Maio, 2011 A POLÍTICA DOS BIOCOMBUSTÍVEIS NO BRASIL Objetivos definidos na Lei n º 9.478/97: Alargar

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins

Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins Novembro 2015 1 Logística 2 Logística 3 Logística 4 Logística 5 Logística 6 Logística 7 Logística 8 Logística 9 Modais Comparativo

Leia mais

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências AMCHAM 13 de Julho de 2016 Agronegócio - Balança Comercial - US$ Bilhões Fonte: WTO. Elaboração MBAGro. Brasil: Liderança Global no Agronegócio Suco de laranja

Leia mais

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Seminário Internacional de Energias Renováveis Brasília, DF 11 de Abril de 2006 POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Paulo C. R. Lima, M.Sc., Ph.D. Consultor Legislativo da Câmara dos

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Financiamento de Projetos de P&D Produção de Etanol 2G. Elias Ramos de Souza SUPERINTENDENTE DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

Financiamento de Projetos de P&D Produção de Etanol 2G. Elias Ramos de Souza SUPERINTENDENTE DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Financiamento de Projetos de P&D Produção de Etanol 2G Elias Ramos de Souza SUPERINTENDENTE DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Seminário ANP/CTC BDEP, Rio de Janeiro, 24 de Setembro de 2013 Por

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 31/03/2016

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 31/03/2016 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 31/03/2016 ANO 2 Nº17 A colheita praticamente finalizada em Mato Grosso e o recuo do dólar têm contribuído para o movimento de baixa dos preços, mesmo com a

Leia mais

Edição 37 (Março2014)

Edição 37 (Março2014) Edição 37 (Março2014) Cenário Econômico: PIB brasileiro cresce 2,3% em 2013 e chega a R$ 4,8 trilhões A economia brasileira cresceu 0,7% no quarto trimestre de 2013, na comparação com os três meses anteriores,

Leia mais

Panorama do Setor de Açúcar e Álcool. Alexandre Enrico Figliolino

Panorama do Setor de Açúcar e Álcool. Alexandre Enrico Figliolino Panorama do Setor de Açúcar e Álcool Alexandre Enrico Figliolino SETEMBRO, 2012 SUMÁRIO SEÇÃO 1 SEÇÃO 2 SEÇÃO 3 SEÇÃO 4 SEÇÃO 5 Avaliação Setorial Desempenho Econômico-Financeiro Quadro Evolutivo Setorial

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T12

Apresentação de Resultados 2T12 Apresentação de Resultados 2T12 Aviso Geral Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. Tais afirmações estão sujeitas a riscos conhecidos e desconhecidos

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

VP Negócios Emergentes SN Agronegócios. Crédito Rural

VP Negócios Emergentes SN Agronegócios. Crédito Rural VP Negócios Emergentes SN Agronegócios Crédito Rural Agronegócio no Brasil fonte: SECEX/MDIC PIB Brasil 2013 R$ 4.838 bi Agronegócios R$ 1.020 bi * 21.08% US$ Bilhões 300 250 200 Exportações Brasileiras

Leia mais

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio São Paulo, 22 de Setembro de 2015 Parece que estamos decolando ECONOMIA A BRASILEIR Agronegócio - Balança Comercial

Leia mais

Gerenciamento de risco no agronegócio Ivan Wedekin

Gerenciamento de risco no agronegócio Ivan Wedekin Gerenciamento de risco no agronegócio Ivan Wedekin Junho de 2008 Assim caminha a humanidade 1. O consumidor é o grande beneficiário da inovação tecnológica no agronegócio. 2. Mais integração e adensamento

Leia mais

PANORAMA DO SETOR LÁCTEO AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA FEDERAL. Brasília, 27 de Agosto de 2015

PANORAMA DO SETOR LÁCTEO AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA FEDERAL. Brasília, 27 de Agosto de 2015 PANORAMA DO SETOR LÁCTEO AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA FEDERAL Brasília, 27 de Agosto de 2015 PRODUÇÃO MUNDIAL Ano 2013 2014 Crescimento Produção Total de 717,72 778,15 8,42% Leite Cru Total de Leite Inspecionado

Leia mais

A CRISE ATUAL: RISCOS E OPORTUNIDADES PARA O CENTRO-OESTE BRASILEIRO. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP

A CRISE ATUAL: RISCOS E OPORTUNIDADES PARA O CENTRO-OESTE BRASILEIRO. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP GB A CRISE ATUAL: RISCOS E OPORTUNIDADES PARA O CENTRO-OESTE BRASILEIRO Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP A MACROECONOMIA O CRESCIMENTO DE LONGO PRAZO BRASIL,1850-2008 10 9 8 GB 7 6 5 4 PIB 3 2 1 PIB PC 0

Leia mais

CENÁRIO DO TRIGO PARA O BRASIL

CENÁRIO DO TRIGO PARA O BRASIL CENÁRIO DO TRIGO PARA O BRASIL EDSON CSIPAI BUNGE ALIMENTOS S.A. 25-10-2010 A importância do TRIGO no CUSTO dos negócios... Moinho de Trigo 80% Indústria de Macarrão 85% A formação do preço do trigo...

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Mamona Período: janeiro de 2016

Mamona Período: janeiro de 2016 Mamona Período: janeiro de 2016 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 78,96 93,13 88,33

Leia mais

CONJUNTURA DO MERCADO DE MANDIOCA E DERIVADOS NO BRASIL

CONJUNTURA DO MERCADO DE MANDIOCA E DERIVADOS NO BRASIL CONJUNTURA DO MERCADO DE MANDIOCA E DERIVADOS NO BRASIL 1 SEMESTRE/2011 Fábio Isaías Felipe Pesquisador do Cepea/ESALQ/USP E-mail: fifelipe@esalq.usp.br Fone: 55 19 3429-8847 Fax: 55 19 3429-8829 http://www.cepea.esalq.usp.br

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Petrobras e Tereos Internacional: Um passo transformador para a indústria brasileira de cana-de-açúcar e biocombustíveis.

Petrobras e Tereos Internacional: Um passo transformador para a indústria brasileira de cana-de-açúcar e biocombustíveis. : Um passo transformador para a indústria brasileira de cana-de-açúcar e biocombustíveis 3 de maio de 2010 1 Aviso Importante O Grupo Tereos anunciou que considera uma oferta primária de ações da Tereos

Leia mais

II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis

II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis 29 de Maio de 2012 Bioenergia

Leia mais

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Reunión Ministerial Iberoamericana

Leia mais

TRIGO ABASTECIMENTO NACIONAL

TRIGO ABASTECIMENTO NACIONAL TRIGO ABASTECIMENTO NACIONAL Paulo Magno Rabelo Diretoria de Política Agrícola e Informações Analista de Mercado SITUAÇÃO NO MUNDO PRODUÇÃO MUNDIAL E BRASILEIRA DOS PRINCIPAIS GRÃOS EM 2014/15 ÁREA, PRODUÇÃO,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS CICLO DE DEBATES O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE ASSSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS BELO HORIZONTE - MG 29/10/2009 A CANA COMO

Leia mais

Mamona Período: janeiro de 2015

Mamona Período: janeiro de 2015 Mamona Período: janeiro de 2015 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 96,02 79,16 76,18

Leia mais

Solavancos não impedem recorde na soja

Solavancos não impedem recorde na soja Solavancos não impedem recorde na soja Perdas pontuais afetam potencial do Brasil, mas país registra marca histórica na produção da oleaginosa, chegando a 99,2 milhões de toneladas O balanço entre área

Leia mais

Finanças e Negócios Sustentáveis BRITCHAM 17/08/06

Finanças e Negócios Sustentáveis BRITCHAM 17/08/06 Finanças as e Negócios Sustentáveis BRITCHAM 17/08/06 Desde 1979, mais de 20% da calota polar ártica derreteu, devido ao aquecimento global. O que isso tem haver com os Bancos? Fronteira congelada do mar

Leia mais

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT Biodiesel: Panorama e perspectivas 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT 1 Sumário Tecnologias de produção; A biomassa na matriz energética; Capacidade agrícola brasileira; Histórico do PNPB; Mercado; Novo marco

Leia mais

Perspectivas para as Safras 14/15 e 15/16

Perspectivas para as Safras 14/15 e 15/16 BrasilAgro Day 2014 Perspectivas para as Safras 14/15 e 15/16 18 de Dezembro de 2014 Soja Soja/EUA Oferta e Demanda (milhões de toneladas) 107,7 80,7 91,5 90,7 84,3 82,8 91,4 Est. Finais 48,1 50,7 48,4

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio Diretoria de Agronegócios BB e o Agronegócio Importância do Agronegócio no Brasil + 35% nas exportações do país 197,9 40,9% 41,1% 37,4% 55,1 58,2 60,4 20,6 23,8 24,8 41,9% 73,1 30,6 160,6 40,4% 137,5 118,3

Leia mais

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Representante da União da Indústria de Cana-de-Açúcar O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura produtiva: 430 unidades produtoras

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Relações de preços no mercado de combustíveis e o potencial das Bolsas de Futuros para o álcool nacional 1

Relações de preços no mercado de combustíveis e o potencial das Bolsas de Futuros para o álcool nacional 1 Relações de preços no mercado de combustíveis e o potencial das Bolsas de Futuros para o álcool nacional 1 Etanol IV Mercado Futuro Lourival C. Monaco Neto Aluno de Graduação em Agronomia da ESALQ/USP

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS EDIÇÃO N o 87 Abril/2015 SUMÁRIO

Leia mais

Resumo Quinzenal do Biodiesel

Resumo Quinzenal do Biodiesel Tel: (21) 3547-1539 / (21) 9565-0444 Resumo Quinzenal do Biodiesel 16/06 à 30/06/11 Este relatório é confidencial e de uso exclusivo do destinatário, e não pode ser enviado ou compartilhado com terceiros

Leia mais

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil

Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar para a produção de Etanol e Açúcar no Brasil Ministério da Agricultura/EMBRAPA Casa Civil MMA/MDA/MME/ Celso Vainer Manzatto Embrapa Meio Ambiente www.cnpma.embrapa.br

Leia mais

Teleconferência e Webcast

Teleconferência e Webcast Teleconferência e Webcast Divulgação dos Resultados 3T13 19 de Novembro de 2013 Aviso Legal Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos e/ou resultados futuros

Leia mais

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 No segmento de refino, a produção de derivados atingiu 2,02 milhões de barris/dia,

Leia mais

ALHO 2011/12 MARCO ANTONIO LUCINI

ALHO 2011/12 MARCO ANTONIO LUCINI ALHO Perspectivas Safra 2011/12 MARCO ANTONIO LUCINI Perspectivas Safra 2011/12 IMPORTAÇÕES PRODUÇÃO NACIONAL CENÁRIOS POSSÍVEIS Importações em 2009 TOTAL - milhões cx 20,00 15,00 10,00 5,00-15,17/ano

Leia mais

Coletiva de imprensa BALANÇO DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa BALANÇO DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa BALANÇO DA SAFRA 2014/2015 ROTEIRO Safra 2014/2015 Bioeletricidade Políticas Públicas e Setoriais 1 - SAFRA 2014/2015 SAFRA 2014/2015 REGIÃO CENTRO-SUL Condições agrícolas e operacionais

Leia mais

Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira. Cenário da cacauicultura

Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira. Cenário da cacauicultura Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira Cenário da cacauicultura Helinton Rocha Diretor Geral Brasília, DF 00:30 Brasília, 1º de abril de 2015

Leia mais

SEAB Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento DERAL - Departamento de Economia Rural. MILHO PARANENSE - SAFRA 2013/14 Novembro de 2013

SEAB Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento DERAL - Departamento de Economia Rural. MILHO PARANENSE - SAFRA 2013/14 Novembro de 2013 MILHO PARANENSE - SAFRA 2013/14 Novembro de 2013 A estimativa para a 1ª safra de milho, temporada 2013/14, aponta uma redução de aproximadamente 180 mil hectares, que representa um decréscimo de 23% em

Leia mais

Release de Resultados 1T de abril de 2016

Release de Resultados 1T de abril de 2016 Release de Resultados 1T16 27 de abril de 2016 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin Panorama do Mercado Brasileiro Richard Nicolas De Jardin Linha do Tempo Falta de Infraestrutura Poucos Postos Segmento de Taxi Privatizações Crescimento da Infraestrutura Novos mercados Aumento das Vendas

Leia mais

Mamona Período: março de 2014

Mamona Período: março de 2014 Mamona Período: março de 2014 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 128,18 130,38 126,73

Leia mais

LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO Conjuntura e Projeções, Safra 15/16 CÂMARA SETORIAL DE AÇÚCAR E ÁLCOOL, SETEMBRO/15

LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO Conjuntura e Projeções, Safra 15/16 CÂMARA SETORIAL DE AÇÚCAR E ÁLCOOL, SETEMBRO/15 LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO Conjuntura e Projeções, Safra 15/16 CÂMARA SETORIAL DE AÇÚCAR E ÁLCOOL, SETEMBRO/15 CHINA / EUA Momento complicado para um aumento na taxa de juros Energia C O N J U N T U R

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA "Polí&cas Públicas: Buscando Estabilidade e Previsibilidade" MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Ricardo de Gusmão Dornelles Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis

Leia mais

GIRASSOL Período: Julho de 2012

GIRASSOL Período: Julho de 2012 GIRASSOL Período: Julho de 2012 QUADRO I PREÇOS PAGO AO PRODUTOR (R$ 60/Kg) Centro de Referência Un Período Anteriores Período atual Variação (%) Julho/11 Julho/12 Preços Mínimos (60/Kg) Centro Sul 60

Leia mais

5ª Conferência de Petróleo, Gás e Indústria Naval do Espirito Santo Painel 1 Petróleo e Gás no Espirito Santo

5ª Conferência de Petróleo, Gás e Indústria Naval do Espirito Santo Painel 1 Petróleo e Gás no Espirito Santo 5ª Conferência de Petróleo, Gás e Indústria Naval do Espirito Santo Sumário A conjuntura global do setor petróleo Mercado Investimento Impacto na cadeia global de fornecedores - O futuro do petróleo Perspectivas

Leia mais