O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 )"

Transcrição

1 O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 ) Ao lado de Greenaway, Dziga Vertov pode ser considerado um dos grandes "cineastas de banco-de-dados" do século XX. Seu O homem com uma câmera talvez seja o mais importante exemplo de uma "imaginação banco-de-dados" [database imagination] na arte com meios modernos. Em uma de suas tomadas chave, repetida algumas vezes durante o filme, vemos uma sala de montagem com várias prateleiras empregadas para guardar e organizar material filmado.. As estantes estão nomeadas como "máquinas", "clube", "o movimento de uma cidade", "exercício físico", "um ilusionista", e assim por diante. Este é o banco-de-dados do material filmado. A montadora - a esposa de Vertov, Elizaveta Svilova - é mostrada trabalhando com este banco-dedados: acessando alguns rolos, devolvendo rolos usados, acrescentando novos. Apesar de eu ter apontado que a montagem cinematográfica pode ser comparada de forma geral à criação de uma trajetória através de um banco de dados, no caso de O homem com uma câmera esta comparação constitui o próprio método do filme. Seu assunto principal é a batalha de um cineasta para revelar a estrutura (social) por entre múltiplos fenômenos observados. Seu projeto é uma corajosa tentativa de construir uma epistemologia empírica que dispõe somente de uma ferramenta - a percepção. Sua meta é decodificar o 1 Trata-se apenas do trecho final do artigo Database as a symbolic form. O original pode ser lido na íntegra no site A presente tradução é somente para uso dos alunos da disciplina Siestemas Hipermídia III no curso de Tecnologia e Mídias Digitais da PUC-SP. 2 Esta tradução pode ser empregada para quaisquer usos não comerciais desde que respeitada a autoria do texto e da tradução. Deve-se também ter em conta de esta é uma tentativa ligeira de traduzir o conteúdo original com vistas ao seu uso em sala de aula. Não se trata de uma tradução que leve em conta com rigor, por exemplo, características estilísticas do original. Lev Manovich: O banco de dados como forma simbólica. 1/5 1

2 mundo unicamente através das superfícies visíveis aos olhos (naturalmente, um olho amplificado por uma câmera de cinema). O co-autor do filme, Mikhail Kaufman, o descreve assim: "Uma pessoa comum se encontra em algum tipo de ambiente, perde-se em meio a zilhões de fenômenos, e observa estes fenômenos a partir de um ângulo pouco vantajoso. Ele registra um fenômeno muito bem, registra um segundo e um terceiro, mas não tem nenhuma idéia de para onde eles levam... Mas o homem com a câmera está inspirado pela idéia de que ele está vendo o mundo para outras pessoas. Você entende? Ele reúne estes fenômenos a outros de outros lugares, que podem até nem ter sido filmados por ele. Como uma espécie de cientista, ele está apto a colher informações em um lugar, depois em outro. E é a partir daí que o mundo acaba por ser compreendido." 3 Portanto, em contraste com o modo de montagem tradicional, que consiste em selecionar e ordenar material previamente filmado de acordo com um roteiro pré-existente, aqui o processo traçar as relações entre as tomadas, ordena-las e reordena-las para descobrir a ordem oculta do mundo constitui o próprio método do filme. O homem com uma câmera percorre seu banco-de-dados numa determinada ordem para constituir um argumento. Registros retirados de um banco-de-dados e arranjados em determinada ordem se tornam um retrato da vida moderna. - mas, simultaneamente, um argumento sobre esta vida, uma interpretação daquilo que estas imagens, que encontramos todos os dias, todos os segundos, realmente significam 4. 3 Mikhail Kaufman, "An interview", October 11 (Winter 1979): Pode ser dito que Vertov emprega o "efeito Kuleshov" para dar sentido aos registros do banco-de-dados colocando-os numa determinada ordem. Lev Manovich: O banco de dados como forma simbólica. 2/5 2

3 Será que está audaciosa tentativa tem sucesso? A estrutura geral do filme é bastante complexa, e, à primeira vista tem pouco a ver com um banco-dedados. Assim como objetos realizados com os novos meios [new media objects] contêm uma hierarquia de níveis (interface - conteúdo; sistema operacional - aplicativo; página da web - código HTML; programação de alto nível - linguagem assembly - linguagem de máquina), o filme de Vertov consiste em ao menos três níveis. Um nível é a história de um cameraman filmando o material para seu filme. O segundo nível são as tomadas de uma platéia assistindo o filme finalizado numa sala de cinema. O terceiro filme, que consiste de material filmado em Moscou, Kiev e Riga e é editado de acordo com a progressão de um dia: despertar - trabalho - atividades de lazer. Se este terceiro nível é um texto, os outros dois podem ser pensados como meta-textos. Vertov avança e recua de um nível entre os três níveis, saltando entre os textos e os meta-textos 5 : entre a produção de um filme, sua recepção pelo público e o filme em si. Mas se focamos nossa atenção no filme dentro do filme (ou seja, o nível do texto), e deixamos de lado os efeitos especiais empregados para criar muitas das tomadas, descobrimos quase uma impressão linear, pode-se dizer, de um banco-de-dados: O paradigma é projetado sobre o sintagma. O resultado é um catálogo banal, mecânico, de assuntos que se poderia esperar encontrar em uma cidade dos anos 20: bondes, a praia da cidade, cinemas, fábricas... 5 Linguística, semiótica e filosofia empregam o conceito de metalinguagem. Metalinguagem é linguagem utilizada para a análise do objeto linguagem. Assim, uma metalinguagem pode ser entendida como uma linguagem a respeito de outra linguagem. Um metatexto é um texto numa metalinguagem sobre um texto numa linguagem objeto. Por exemplo, um artigo numa revista de moda é um metatexto sobre o texto das (os) [cloves]. (NT: em inglês, "clove" quer dizer "cravo" ou outros significados similares. Pode ser que Manovich tenha escrito "gloves" - luvas - errado, o que daria um pouco mais de sentido á frase. mesmo assim, o sentido exato é duvidoso). Ou, um arquivo em HTML é um metatexto que descreve o texto e uma página na Web. Lev Manovich: O banco de dados como forma simbólica. 3/5 3

4 Mas é claro que assistir O homem com uma câmera é qualquer coisa menos uma experiência banal. Mesmo após os anos 90, durante os quais imagens computadorizadas e video-makers exploraram sistematicamente cada novo recurso de imagem, o original ainda é espantoso. O que o torna espantoso não são seus assuntos e as associações que Vertov tenta estabelecer entre eles para impor "o entendimento comunista do mundo" mas o fantástico catálogo de técnicas fílmicas nele contido. "Fades" e superposições, frames congelados, aceleração, divisão da tela [split-screens], vários tipos de ritmo e corte - aquilo que a "scholar" Annette Michelson chamou "um resumo dos recursos e técnicas do cinema mudo" 6 - e, é claro, a profusão de pontos-de-vista inusitados, "construtivistas", são reunidos de maneira tão densa que o filme não pode ser simplesmente batizado como "vanguarda". Se um filme de vanguarda "normal" ainda propõe uma linguagem coerente que seja diferente da linguagem do cinema dominante, isto é, um pequeno conjunto de técnicas que são repetidas, O homem com uma câmera nunca chega a algo como uma linguagem bem definida. Ao invés, propõe uma indomável e aparentemente inesgotável demonstração de técnicas cinemáticas, ou, para usar a linguagem contemporânea, "efeitos", como o modo de falar novo trazido pelo cinema. Porque razão no caso dos vídeos e animações em computador de Whitney os efeitos são somente efeitos, ao passo que, nas mãos de Vertov, eles adquirem significado? Porque no filme de Vertov eles são motivados por um argumento em particular, de que as novas técnicas para obter e manipular imagens, sintetizadas por Vertov no termo "cine-olho" 7 ["kino-eye"] podem ser empregadas para decodificar o mundo. À medida que o filme avança, tomadas 6 Kaufman, "An Interview": O termo "cine-olho" é empregado na tradução dos textos de Vertov no livro editado por Ismail Xavier, "A experiência do cinema" (Graal/Embrafilme, 1989). Lev Manovich: O banco de dados como forma simbólica. 4/5 4

5 "tradicionais" dão lugar a imagens manipuladas; novas técnicas aparecem uma a uma, atingindo um clímax orgástico na seqüência final, uma verdadeira orgia cinematográfica. É como se Vertov re-encenasse sua descoberta do cineolho para nós. Junto com Vertov, percebemos gradualmente o conjunto das possibilidades oferecidas pela câmera. A meta de Vertov é nos seduzir para a sua maneira de ver e pensar, para fazer-nos partilhar seu entusiasmo, seu processo gradual de descoberta da nova linguagem do filme. Este processo de descoberta é a principal narrativa do filme e e apresentado através de um catálogo das descobertas que vão sendo feitas. Assim, nas mãos de Vertov, um banco-de-dados, esta forma normalmente estática e "objetiva" torna-se dinâmica e subjetiva. E, o mais importante, Vertov consegue alcançar algo que os designers dos novos meios [new media designers] ainda precisam aprender - como juntar narrativa e banco-de-dados em uma nova forma. Lev Manovich: O banco de dados como forma simbólica. 5/5 5

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS PROJETO CINEMA MUDO CONSTRUINDO HISTÓRIAS NO DIA DOS PAIS PROFESSORA LIA HEBERLÊ DE ALMEIDA TURMA KANDINSKY PROJETO CINEMA MUDO CONSTRUINDO HISTÓRIAS NO DIA

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Introdução. O que é o Registro do Windows

Introdução. O que é o Registro do Windows Introdução O objetivo deste tutorial é mostrar alguns conceitos básicos para a manipulação do Registro do Windows. Desde já o InfoWester deixa claro que é necessário cautela. Qualquer precipitação pode

Leia mais

Algoritmos e Programação I

Algoritmos e Programação I Algoritmos e Programação I Introdução a Computação Prof. Fernando Maia da Mota mota.fernandomaia@gmail.com CPCX/UFMS Fernando Maia da Mota 1 Computadores são dispositivos que só sabem fazer um tipo de

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress.

Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress. 1 TUTORIAL PARA DEIXAR POSTAGENS E PÁGINAS BEM POSICIONADAS Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress. Conhecimento básico de Html

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS Área temática: Preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro Professora Drª Adriane Borda (coordenador da Ação de Extensão) Vanessa da Silva Cardoso 1,

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Máquinas Multiníveis Prof. Sergio Ribeiro Computador digital máquina que resolve problemas executando uma série de instruções. Programa conjunto de instruções

Leia mais

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS Vânia de Moura Barbosa Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco vanibosa@terra.com.br Introdução Um dos primeiros questionamentos

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Tutorial de animação

Tutorial de animação Tutorial de animação Uma animação nada mais é que uma sequência de imagens estáticas que, quando mostradas rapidamente, dão a ilusão de movimento. Selecionamos um conjunto de dicas para você, professor(a),

Leia mais

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann Aula 3 - Direção, movimento e ritmo professor Rafael Hoffmann Direção Ascenção Intabilidade Direção Direção Todas as formas básicas expressam três direções visuais básicas e significativas: o quadrado,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO

O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO REZENDE,Liberalina Teodoro 1 Resumo Este trabalho se traduz na descrição e análise acerca de algumas experiências ocorridas no ano de dois

Leia mais

COMO TRABALHAR COM VÍDEOS DE INTERNET. A presente metodologia que se construiu foi desenvolvida e aplicada em uma

COMO TRABALHAR COM VÍDEOS DE INTERNET. A presente metodologia que se construiu foi desenvolvida e aplicada em uma COMO TRABALHAR COM VÍDEOS DE INTERNET Jackes Alves de Oliveira 1º momento: Contextualização A presente metodologia que se construiu foi desenvolvida e aplicada em uma tradicional escola da Rede Municipal

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Jamer Guterres de Mello 1 Resumo Este trabalho pretende demonstrar de que forma as imagens digitais produzem

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

Como Montar Seu Negocio OnlineAltamente Lucrativo e Multiplicável Em 30 Dias Ou Menos A Partir Do Zero!Garantido...

Como Montar Seu Negocio OnlineAltamente Lucrativo e Multiplicável Em 30 Dias Ou Menos A Partir Do Zero!Garantido... Como Montar Seu Negocio OnlineAltamente Lucrativo e Multiplicável Em 30 Dias Ou Menos A Partir Do Zero!Garantido... Como Começar um Blog de Sucesso Formula Negocio Online O Fantástico Treinamento Fórmula

Leia mais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais 4.1. Confecção de um Relatório 4.1.1. Organização do relatório Um relatório é uma descrição detalhada, clara e objetiva de

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

Manual do Artikulate. Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do Artikulate. Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Conceito de aprendizagem................................. 5 1.2 Primeiros passos no Artikulate..............................

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos 27 a 29 de Novembro UEPB Campina Grande, Paraíba. 2014 BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação

Leia mais

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional? página 01 Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional A definição de Objeto Educacional, adotada pela equipe do projeto Arte com Ciência, é um

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira PSICOLOGIIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa Aplicativos Web e Webdesign Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa 1 Roteiro Apresentação da disciplina e Introdução ao HTML Desenvolvimento de Web sites e Sistemas Web; Projeto de sites web; 2 Quem é

Leia mais

Utilizando a ferramenta de criação de aulas

Utilizando a ferramenta de criação de aulas http://portaldoprofessor.mec.gov.br/ 04 Roteiro Utilizando a ferramenta de criação de aulas Ministério da Educação Utilizando a ferramenta de criação de aulas Para criar uma sugestão de aula é necessário

Leia mais

Tutorial Windows Movie Maker. Grupo de Educação Tutorial da Engenharia Computacional

Tutorial Windows Movie Maker. Grupo de Educação Tutorial da Engenharia Computacional Tutorial Windows Movie Maker Grupo de Educação Tutorial da Engenharia Computacional Fazendo o download do Windows Movie Maker Digite : http://windows.microsoft.com/pt-br/windows-live/moviemaker#t1=overview

Leia mais

Movie Maker: Recurso para produção e comunicação.

Movie Maker: Recurso para produção e comunicação. Movie Maker: Recurso para produção e comunicação. O que é o Windows Movie Maker? O Windows Movie Maker é um programa de computador que permite criar vídeos ou editar os que já existem e transformá-los

Leia mais

Animação. Animação. Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais

Animação. Animação. Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais Criação de imagens em movimento a partir de frames individuais Em sentido literal: Dar vida P.ex. Produzir uma sequência de desenhos em papel nos quais a posição de personagens muda ligeiramente em cada

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO 1.1 Histórico de Linguagens de Programação Para um computador executar uma dada tarefa é necessário que se informe a ele, de uma maneira clara, como ele

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Modelagem de Interação

Modelagem de Interação 1 Modelagem de Interação Turma 3WA: Profa Clarisse de Souza Aula 16: 23/05/2012 Um cenário simples para pensar Aplicação: MS Word Função: Gravação e Uso de Macros Cenário em questão: Um usuário avançado

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

MANUAL. Perfil de Professor

MANUAL. Perfil de Professor MANUAL Perfil de Professor Índice 1. Acesso 1.1. Acessando o Canal do Norte... 03 2. Disciplinas 2.1. Acessando Disciplinas... 07 3. Recursos 3.1. Adicionando Recursos... 10 3.2. Página de texto simples...

Leia mais

Modelos Conceptual e Mental

Modelos Conceptual e Mental Interfaces Pessoa Máquina 08-10-2012 Modelos Conceptual e Mental Cap. 6 Conceptualização da Interação 06 Melhor e Pior? 1 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Análise de Utilizadores O que é? Porquê? O

Leia mais

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Oi! Meu nome é David. Atualmente estou em Imperatriz, Maranhão ajudando pessoas como você aprenderem inglês. Já faz

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

Tipos de Resumo. Resumo Indicativo ou Descritivo. Resumo Informativo ou Analítico

Tipos de Resumo. Resumo Indicativo ou Descritivo. Resumo Informativo ou Analítico Resumir é apresentar de forma breve, concisa e seletiva um certo conteúdo. Isto significa reduzir a termos breves e precisos a parte essencial de um tema. Saber fazer um bom resumo é fundamental no percurso

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

IMAGENS 3D VIRTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: RECONSTRUÇÕES DE UM MODELO ANALÓGICO DO OLHO HUMANO EM APLICATIVO MULTIMÍDIA 1

IMAGENS 3D VIRTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: RECONSTRUÇÕES DE UM MODELO ANALÓGICO DO OLHO HUMANO EM APLICATIVO MULTIMÍDIA 1 IMAGENS 3D VIRTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: RECONSTRUÇÕES DE UM MODELO ANALÓGICO DO OLHO HUMANO EM APLICATIVO MULTIMÍDIA 1 Welerson R. MORAIS (CEFET-MG) 2 Ronaldo L. NAGEM (CEFET-MG) 3 Resumo O uso de imagens

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS 1 Material utilizado 1.1 Tracker: um programa de análise de imagens Para a execução da proposta foi utilizado o programa livre

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes Pág 4 Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 APRESENTAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR A unidade curricular de Lógica para a programação tem como objetivo promover o estudo dos principais

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO 07-05-2013 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO Aula I Docente: Eng. Hercílio Duarte 07-05-2013 2 Objectivo Sistemas Modelos Dados Vs. Informação Introdução aos sistemas de Informação 07-05-2013 3 Introdução

Leia mais

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Modelo de domínio Introdução! 1 Modelos de Domínio! 1 Identificação de classes conceituais! 2 Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Passos para a elaboração do modelo de domínio! 2 Passo 1

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

Extração de Requisitos

Extração de Requisitos Extração de Requisitos Extração de requisitos é o processo de transformação das idéias que estão na mente dos usuários (a entrada) em um documento formal (saída). Pode se entender também como o processo

Leia mais

ANEXO - Introdução a Informática

ANEXO - Introdução a Informática ANEXO - Introdução a Informática Regitros do Windows maiores informações 1 Introdução O objetivo deste tutorial é mostrar alguns conceitos básicos para a manipulação do Registro do Windows. Desde já avisamos,

Leia mais

Power Point. Autor: Paula Pedone

Power Point. Autor: Paula Pedone Power Point Autor: Paula Pedone INTRODUÇÃO O POWER POINT é um editor de apresentações, pertencente ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de apresentações através da

Leia mais

Design. Design. Citação: Tal como os autores, também os designers para Multimedia e a Web

Design. Design. Citação: Tal como os autores, também os designers para Multimedia e a Web Citação: Uma regra diz Deve-se fazer desta forma". Um princípio diz Isto funciona e tem funcionado desde que há memória! Autores inexperientes e ansiosos obedecem regras conhecidas. Autores rebeldes e

Leia mais

O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador.

O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador. O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador. Linguagem de Programação Uma linguagem de programação é um método padronizado para expressar

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

Programação I. Introdução a Lógica de Programação

Programação I. Introdução a Lógica de Programação Engenharia de Controle e Automação Programação I Introdução a Lógica de Programação Lara Popov Zambiasi Bazzi Oberderfer Ementa Introdução a lógica de programação e algoritmos. Constantes, variáveis e

Leia mais

Prática 6 ActionScript

Prática 6 ActionScript Prática 6 ActionScript 1. Objetivos Se familiarizar com o ActionScript. Usar comandos e funções básicas. 2. Recursos Necessários Computador com o programa Macromedia Flash MX ou superior. 3. Conceitos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES Ao organizar um trabalho escolar é necessário que algumas normas sejam observadas pelo aluno. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) encarrega-se

Leia mais

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras.

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras. 6 6 NOME DA AULA: 6 Algoritmos Duração da aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10-25 minutos (dependendo da disponibilidade de tangrans prontos ou da necessidade de cortá-los à mão) Objetivo principal:

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 A maior Ambição do Homem é querer Colher aquilo que Não Semeou. Hebert Schiavelli (Empreendedor) Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade

Leia mais

SEGURANÇA DO WINDOWS Análise sobre as APIs. Por: Fergo

SEGURANÇA DO WINDOWS Análise sobre as APIs. Por: Fergo SEGURANÇA DO WINDOWS Análise sobre as APIs Por: Fergo INTRODUÇÃO Você já se perguntou alguma vez sobre o porquê do Windows suscetível à falhas e a execução de códigos mal intencionados? Neste artigo eu

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 Nome: Nº 6º ano Data: / /2015 Professor: Nota: (valor: 2.0) A - Introdução Neste ano, sua pontuação foi inferior a 60,0 pontos e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

Introdução às Linguagens de Programação

Introdução às Linguagens de Programação Introdução às Linguagens de Programação Histórico de Linguagens de Programação O computador não faz nada sozinho Precisamos informar, de forma clara, como ele deve executar as tarefas Ou seja, o computador

Leia mais

mais memoráveis com um filme Click to edit Master title style Torne as suas aulas Click to edit Master text styles Click to edit Master text styles

mais memoráveis com um filme Click to edit Master title style Torne as suas aulas Click to edit Master text styles Click to edit Master text styles Torne as suas aulas mais memoráveis com um filme Não é segredo que as crianças crescem a ver filmes, a apreciar programas televisivos e a aprender através deles. Os locais, sons e acção de um filme, dão

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I 11 - Kelly George Kelly (1905-1967) Estágio Curricular Supervisionado em Física I www.fisica-interessante.com 1/33 www.fisica-interessante.com 2/33 Kelly Ponto de Partida formou-se em Matemática e Física

Leia mais

Vinte dicas para o Word 2007

Vinte dicas para o Word 2007 Vinte dicas para o Word 2007 Introdução O Microsoft Word é um dos editores de textos mais utilizados do mundo. Trata-se de uma ferramenta repleta de recursos e funcionalidades, o que a torna apta à elaboração

Leia mais

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio 1. Substitua as palavras destacadas e copie as frases, tornando os fragmentos abaixo mais elegantes, além de mais próximos à língua padrão e à proposta

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP CAPÍTULO 1 O melhor do PHP Este livro levou bastante tempo para ser feito. Venho usando agora o PHP por muitos anos e o meu amor por ele aumenta cada vez mais por sua abordagem simplista, sua flexibilidade

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 4

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 4 Mic crosoft Excel 201 0 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 4 Interface... 4 Guias de Planilha... 5 Movimentação na planilha... 6 Entrada de textos e números... 7 Congelando painéis... 8 Comentários nas Células...

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

Algoritmos não se aprendem: Copiando algoritmos Estudando algoritmos Algoritmos só se aprendem: Construindo algoritmos Testando algoritmos

Algoritmos não se aprendem: Copiando algoritmos Estudando algoritmos Algoritmos só se aprendem: Construindo algoritmos Testando algoritmos 1. INTRODUÇÃO A ALGORITMOS O uso de algoritmos é quase tão antigo quanto a matemática. Com o passar do tempo, entretanto, ele foi bastante esquecido pela matemática. Com o advento das máquinas de calcular

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais