PADRÃO PLÁSTICO TOM.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PADRÃO PLÁSTICO TOM."

Transcrição

1 PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma relação independente, uma ação compositiva separada dos ritmos estabelecidos pelas linhas e formas. No caso abaixo, os pretos são a exceção, ie. a ação, sobre um cinza padrão. Notem que módulos de preto, assim isolados, têm um contorno e, logo, tom e linha trabalham juntos. Isto quer dizer que, além de uma dinâmica tonal determinada pelos pretos, temos também uma dinâmica de formas, determinada pela linha de contorno do preto. A rigor um melhor exemplo de autonomia é o caso apresentado ao lado, onde os pretos criam uma ação compositiva, enquanto as linhas, áreas e formas estão quietas por estarem neutralizadas em um padrão. Se acrescentamos mais pretos, a relação direta entre eles começa a adquirir menos peso até que os ritmos criados se dissolvem em um padrão (abaixo).

2 Padrão Plástico na pintura de Paisagem No caso do elemento plástico tom, entretanto, as possibilidades se ampliam, pois podemos obter ritmos alternados de branco e preto, isto claro, no caso de trabalharmos sobre um padrão cinza médio como no caso ao lado. Entra em jogo também uma propriedade do elemento plástico tom. O ponto de maior peso tonal é onde o preto e o branco se encontram. Quanto maior o contraste de valor tonal, mais peso tem o local. Note, por exemplo, que o branco tem um peso maior quando colocado ao lado dos pretos. Como exemplo bastante objetivo da articulação de módulos tonais, escolhi mais um quadro de Cézanne. 25

3 O tom A escolha não foi casual. Este é um quadro resolvido mais na cor que no tom. Isso significa que predomina nele, tonalmente falando, o cinza médio. O que facilita a visualização dos módulos tonais. Se retirarmos as cores, ficamos assim: O ritmo de pretos tem certa objetividade. Provavelmente buscando, a princípio, uma triangulação, que foi logo dissolvida no contexto (padrão, vazio) para fugir de uma estrutura esquemática previsível. 26

4 Padrão Plástico na pintura de Paisagem Os brancos, por sua vez, como são deixados (Cézanne trabalha neste caso sobre fundo branco), estão espalhados por toda a composição. São uma espécie de vibração de luminosidade proveniente do fundo. É, portanto, difícil afirmar que foram articulados deliberadamente, criando determinado ritmo. Entretanto, encontramos locais onde ele provavelmente foi mantido intacto para se obter pontos de peso tonal através do contraste com os tons de cor mais escuros. Montando tudo junto... Ao olhar apressado, poderia passar despercebido que não estamos a tentar desenvolver uma simples análise da composição, onde o comum, o melhor método, é tentar apreender o que a imagem tem como característica mais evidente, onde se buscam as ações deliberadas, as intenções compositivas do pintor. Na análise do campo, pelo contrário, se impõe ver o que na imagem permanece escondido, por baixo, como base e fundo sobre o qual se estabelecem as ações. Devemos compreender a questão com clareza. O que é o padrão de um determinado quadro que observamos? E ainda, tem ele um padrão? Um neutro? Um vazio em termos de claro-escuro? Estas são as pergun- 27

5 O tom tas que devem sempre permanecer presentes nesta fase de em nosso estudo. Se assim perguntamos, percebemos que a ação dos tons escuros e claros, na tela anterior, é uma exceção e, neste sentido, de modo algum constitui um padrão. Preto e branco, por serem reduzidos, são elementos ativos dentro de um contexto, isto é, de um padrão formado por cinzas médios. Em verdade, pensando rigorosamente, nosso vazio na pintura anterior é reduzido. Linhas, tons e cores têm ação no campo plástico do quadro. O que mais se aproximaria de um padrão neutro nesta tela são as pinceladas em módulos, que se espalham por todo o campo. Foi em vão que desenvolvemos esta análise? Em parte sim. Mas ela nos faz ver, em outra tela de Cézanne (abaixo), uma ação muito mais neutra em termos tonais. Nesta tela, os tons escuros e claros se espalham pela composição numa proximidade muito maior de um padrão neutro. Poderíamos perseguir alguns sentidos compositivos principais, mas isso seria uma mera especulação, tal como ocorre quando estamos diante da própria natureza, onde podemos encontrar o que bem procurarmos. Esta composição é mais próxima de um padrão tonal e linear do que a que vimos antes. Neste sentido, a cor tem uma função muito mais autônoma e exclusiva. É ela, a cor, que cria a ação, notadamente uma tensão de cores complementares entre o laranja e o azul. Belo exemplo da possibilidade que temos de neutralizar diversos elementos plásticos para ativar vivamente a ação de um elemento plástico em particular. 28

6 Padrão Plástico na pintura de Paisagem O modo como Cézanne cria ritmos tonais com pequenas pinceladas de cor (a cor conduzindo em si um valor de claro-escuro), em muito se assemelha ao que vimos em relação aos triângulos. Pequenos módulos de um determinado tom, vão criando um caminho, sobre o fundo de um estado dado. Mas, vimos também, que podemos alcançar um padrão subdividindo o todo gradativamente. Os dois fundamentos do campo plástico o todo e as partes atuam aqui da mesma maneira que em relação à linha. Podemos espalhar pequenos módulos tonais pelo campo, partes soltas, que estabelecem uma relação de identidade ou contraste, harmonia ou tensão, um ritmo, tal como vimos em relação às linhas, ou dividir o campo em grandes áreas, subdivisões do todo, que gradativamente acabam por criar um padrão. Repetindo o exemplo linear anterior, onde dividimos o campo em grandes áreas, teríamos a seguinte seqüência: 29

7 O tom Há aqui uma diferença fundamental. As áreas não são iguais, seus tons são diferentes. Na última figura da seqüência, quando tudo se transforma em um padrão, vemos que tal diferença estabelece relações de afinidade e contraste. Os tons escuros estabelecem uma relação entre si, assim como os tons claros. O padrão resultante, é muito parecido com o padrão formado pelo processo dos módulos, visto anteriormente. Mas, a meio caminho, os dois processos são bem diferentes. No exemplo anterior, tínhamos a imagem ao lado: No caso de um processo tonal iniciado por grandes áreas, que ora estudamos, a meio caminho, temos algo bem diferente. O preto, por exemplo, não se relaciona com nenhum outro tom. Ele se mantém isolado e autônomo e, por isso, também mais estático e pesado. Mas, em meio a um contexto de tons isolados e autônomos como estes, sentimos uma dinâmica, uma passagem de tom a tom, que une e cria uma ação compositiva do primeiro plano escuro, ao último mais claro. Trata-se realmente de uma dinâmica de outra ordem, onde o preto e o branco funcionam como extremos de uma gradação de cinzas. Pensando em nossa questão, na relação entre ação compositiva e padrão neutro e inativo, podemos afirmar que nas imagens acima não há padrão neutro, nenhum fundo de um estado dado. Tudo é ação compositiva. Mas, no exemplo da direita, tanto o branco como o preto, mesmo participando de uma ação, pois são os extremos de uma dinâmica tonal, mantêm sua estabilidade e autonomia, permanecendo em si mesmos estáticos. Dois processos de formação diferentes que nos encaminham para questões completamente distintas. 30

8 Padrão Plástico na pintura de Paisagem Os quadros de Van Gogh e Monet, que vimos aqui, são deste segundo tipo. Vejamos: Em seu todo, o quadro de Van Gogh se divide em duas áreas principais de cinza. Uma mais escura na base e outra mais clara no céu. Sobre estas áreas, existe mais uma de branco, que funciona como sol, e outra de pretos (a rigor, tons mais escuros, e não pretos), configurando o semeador. Não há nenhum padrão tonal, tudo flui dinamicamente, sendo o branco e o preto pontos extremos e de peso. Mas, se observarmos um outro quadro de Van Gogh, deliberadamente exposto a- qui em preto e branco, tudo muda. A princípio, percebemos a mesma divisão do campo em grandes áreas tonais de cinza, uma mais escura na base, e outra mais clara no céu. Sobre a área da base, encontramos uma dinâmica muito animada de pretos, isto é, uma ação compositiva. Os brancos, as luzes, do mesmo modo, se espalham céu afora. A dinâmica dos brancos e pretos se apresenta muito mais ativa que no primeiro caso. Mas, se eles se espalharem em demasia, acabamos criando um padrão, como no caso da terceira obra, também de Van Gogh, onde encontramos um padrão tonal muito mais íntegro e coeso, sem uma divisão do campo em grandes áreas. 31

9 O tom A seqüência ao lado é um belo exemplo da importância do que estamos a analisar. No primeiro quadro, tonalmente mais minimalista, os claros e escuros, devido a seu isolamento, têm mais peso, mas são também mais estáticos e sem ação. No segundo, a meio caminho de um padrão cerrado, temos uma ação mais vigorosa dos pretos e brancos e, por isso, uma diminuição do peso de cada tom posto que preto compete com preto, branco com branco e cinza com cinza. Por fim, no terceiro quadro, um padrão onde os tons acabam por constituir um novo fundo de um estado dado. Dizendo isso, nos sentimos confortáveis, esclarecidos. Mas, perdemos algo que justamente diferencia a questão do padrão tonal do visto em relação a linha. Se, por exemplo, temos um só preto e um só branco em uma composição, como grosso modo na primeira pintura de Van Gogh, isso significa que não temos ritmo, que não imprimimos nenhuma ação compositiva efetiva? Negativo, pois podemos ter uma ação de outra ordem, relacionada as mudanças de tom a tom, e não a sua repetição. Penso na questão fundamental, ou antes, de fundo, de princípios. Não devemos confundir o ritmo de elementos semelhantes como a dinâmica tonal. Preto se relaciona com preto, mas triângulo também se relaciona com triângulo, cabeça com cabeça, cor com cor, etc. Módulos de preto sobre um campo, acabam inevitavelmente por criar um ritmo, um caminho, uma ação compositiva (figura.1). Do mesmo modo, uma mancha de preto pode formar uma dinâmica, por exemplo, sinuosa, que atravesse o campo plástico (fig.2). Apesar dos espíritos da mancha e dos módulos serem bem diferentes, fundamentalmente são ações de um mesmo e único elemento, o preto, sobre o padrão ou campo plástico

10 Padrão Plástico na pintura de Paisagem 3 4 Algo fundamentalmente diferente ocorre quando criamos uma dinâmica especificamente tonal (figs.3 e 4). Nela a ação é criada através de elementos (escala de cinzas) diferentes. É a mudança gradativa que cria a dinâmica e não a repetição de um mesmo elemento. Será que estamos a especular ao vasculhar coisas tão fundamentais, tão fugazes e veladas? Não creio. Retiramos daí uma sensibilidade mais apurada para observar o que foi feito, e horizontes mais vastos para nossa imaginação de pintores. Vejamos, por exemplo, o quadro de Monet. Tonalmente ele é muito parecido com o do semeador de Van Gogh. Na metade inferior do campo, um cinza escuro; na superior, um claro. Sobre o cinza escuro o personagem principal em termos tonais um grupo de três arvores escuras. Sobre o cinza claro do céu, ao invés de um sol, alguns contornos nas nuvens. Mas, em Monet, estes quatro tons não estão tão isolados. Existem diversas árvores localizadas tonalmente entre o cinza do terreno e os tons mais escuros das três árvores do grupo. Do mesmo modo, as luzes que contornam as nuvens não estão isoladas. Encontramos uma luminosidade mais marcante na linha do horizonte, que funciona como um tom intermediário entre a luz mais forte e o cinza claro do céu. De modo que Van Gogh dá saltos mais marcantes entre os tons, enquanto Monet explora mais a escala dos cinzas. Mas, que relações têm estas observações com nosso estudo de um padrão tonal? Vimos que as passagens da escala tonal, estabelecem uma dinâmica ativa, e assim negam o padrão. Um padrão tonal só é possível de ser obtido, repetindo-se os mesmos tons por diversas áreas do quadro. Isso surge mais naturalmente quando trabalhamos em módulos, e não em grandes áreas. 33

11 O tom Ao trabalhamos um quadro no qual a divisão em áreas é determinante, só podemos nos aproximar de um padrão, subdividindo as áreas com tons já utilizados anteriormente. No exemplo abaixo espalhamos o preto pelo campo. Assim, o preto, enquanto tom, participa de duas ações. Uma determinada pela escala de cinzas, tom a tom, e a outra, determinada por ele mesmo, resultado de sua repetição. O e- xemplo anterior ilustra tal afirmação na medida em que os pretos criam um padrão neutro, mas permanecem participando como o extremo da dinâmica tonal. Costumo conceituar esta diferença de caráter da ação, nomeando uma de ritmo, e outra de dinâmica. Sendo o ritmo usualmente compreendido como um som que se repete, no tempo, a intervalos regulares, ele se presta a nomear a repetição de um mesmo elemento sobre o campo plástico funciona tal como a batida de um tambor. A dinâmica, por sua vez, caracteriza mais apropriadamente a graduação em níveis de luminosidade dos tons, assim como as passagens gradativas de cor a cor que encontramos no círculo cromático. A dinâmica tem um caráter mais fluido, onde os elementos que dela participam se misturam, transformando-se gradativamente e conduzindo o olhar de um para o outro funciona como o som de um violino. Assim, no exemplo anterior, o preto, em si mesmo, cria um ritmo neutro e sem ação, mas permanece participando ativamente como um dos pontos extremos da dinâmica tonal. Isto, a rigor, é o que acontece. Compreender isso é perceber, na imagem, esta dupla possibilidade. Aproveitar criativamente este recurso plástico só é possível a partir daí. 34

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do Impressionismo Impressionismo O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século XX; O termo impressionismo foi imprimido

Leia mais

Fauvismo. 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino. Fauve = Fera

Fauvismo. 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino. Fauve = Fera Fauvismo 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino Fauve = Fera Fauves (feras) foi a palavra utilizada pelo crítico de arte Louis Vauxcelles para caracterizar um grupo de jovens pintores que expuseram em

Leia mais

Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz

Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado à Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial para obtenção

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

As cores são ações e paixões da luz.

As cores são ações e paixões da luz. As cores são ações e paixões da luz. Goethe Robert Delunay, Drama políltico, óleo e colagem sobre cartão, 88,7 x 67,3, 1914 Cada olhar envolve uma observação, cada observação uma reflexão, cada reflexão

Leia mais

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s C A P Í T U L O 1 4 I N F O R M A Ç Õ E S Ú T E I S P A R A A U X I L I A R A I N T E R P R E T A Ç Ã O V I S U A L D E I M A G E N S D E S A T É L I T E S M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s

Leia mais

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos.

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos. Impressionismo Questão 01 - Como os artistas realistas, que com a ciência haviam aprendido a utilizar determinados conhecimentos, os impressionistas se viram na necessidade de interpretar com maior vivacidade

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: DESENHO A ANO: º ANO LETIVO 0/0 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO "SE EU PUDESSE EXPLICAR MINHAS TELAS, ISSO SERIA CERTAMENTE UMA COISA INTELECTUAL. SE NÃO SE FOR ALÉM, É ALGO FRIO E MORTO; COISA DE TEÓRICO." (Miró) JEANINE TOLEDO É difícil determinar o processo de criação

Leia mais

P R O G R A M A. M ó d u l o d e G e o m e t r i a D e s c r i t i v a ( 2 4 h o r a s )

P R O G R A M A. M ó d u l o d e G e o m e t r i a D e s c r i t i v a ( 2 4 h o r a s ) DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN C U R S O L I V R E 2 0 0 9 P R E P A R A Ç Ã O P A R A A S P R O V A S D E A V A L I A Ç Ã O D E D E S E N H O E G E O M E T R I A D E S C R I T I V A E DE H I S T Ó R I

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela.

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela. 1 The Bridgeman Art Library SÉRIE 1: retrato/ Vincent van Gogh 1889 Óleo sobre tela. 4 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens (PRONAC 09-7945). para olhar pensar, imaginar...

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

Você sabe o que a Eletromar faz?

Você sabe o que a Eletromar faz? Você sabe o que a Eletromar faz? Linha Bauhaus 2 Faz parte da sua Vida. Um detalhe de originalidade e tecnologia, um mini-quadro de arte contemporânea, inspirado na harmonia da natureza. Um conceito, uma

Leia mais

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de 1 Aprenda nesta aula os primeiros passos para começar a sombrear de forma eficiente e estética. (Mateus Machado) PREENCHIMENTOS 1. CARACTERÍSTICAS DOS LÁPIS DE DESENHO Antes de realizarmos sombreamentos

Leia mais

Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura

Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura Plínio Santos Filho, Ph.D. CE 04 - Autoretrato 01 Caderno de Exercícios CE 04 O autoretrato é feito para marcar a passagem do tempo. É o momento em que

Leia mais

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida!

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida! Introdução e índice Eu sou a Claudia Regina (www.claudiaregina.com) e resolvi criar este pequeno Manual Básico de Fotografia para ajudar quem procura por bom conteúdo para iniciantes, em português. Aprender

Leia mais

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico Conceitos de Design Gráfico Disciplina de Design Gráfico Índice Projeto de Design Gráfico Layouts Efetivos Elementos de Design Princípios de Design Referências Bibliográficas 2 Projeto de Design Gráfico

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS CAMPO HARMÔNICO São Paulo 2013 SUMARIO O QUE É O CAMPO HARMÔNICO... 02 OUTROS CAMPOS MAIORES... 03 HARMONIZAÇÃO PELO C.H E DICA DE COMPOSIÇÃO... 05 O QUE

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE Fonte: http://www.musee-orsay.fr/fr/collections/catalogue-des-oeuvres/resultatcollection.html?no_cache=1&zoom=1&tx_damzoom_pi1%5bzoom%5d=0&tx_da mzoom_pi1%5bxmlid%5d=001089&tx_damzoom_pi1%5bback%5d=fr%2fcollec

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES

RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES EM UMA MESMA IMAGEM Maria da Glória Weissheimer Professora-Tutora Externa Marinilse Netto Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Curso Artes Visuais

Leia mais

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Fundamentos da Cor Aluno: Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Turma: 0195A Disciplina: Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Professora: Berenice Gonçalves Data de entrega:

Leia mais

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas TURMA 601 Aula 07 Formas Geométricas As figuras geométricas sempre chamaram a atenção dos artistas plásticos. As composições com figuras geométricas é um trabalho de buscar o equilíbrio entre as formas.

Leia mais

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914.

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. Expressionismo Expressionismo Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. A expressão, empregada pela primeira vez em 1.911 na revista Der Sturm [A Tempestade], marca oposição ao Impressionismo francês. Para

Leia mais

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex REVISÃO GESTALT Viviane Aiex 1. Leitura Visual do Objeto pelas Leis da Gestalt 1) Unidades: que são os elementos que configuram a forma; 2) Segregação: que é o ato se separar, perceber ou identificar as

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

Poderes da Pintura.indd 11

Poderes da Pintura.indd 11 Figura 1 Estranho e poderoso quadro (Figura 1). Quando o olho sou imediatamente arrastado por um movimento centrífugo que me lança no ar, rodopiando como uma hélice que gira da direita para a esquerda,

Leia mais

GUITARRA 1. da afinação ao improviso, escalas maiores, menores, pentatônicas e de blues, formação de acordes e bicordes. CD com solos e acompanhamento

GUITARRA 1. da afinação ao improviso, escalas maiores, menores, pentatônicas e de blues, formação de acordes e bicordes. CD com solos e acompanhamento GUITARRA 1 da afinação ao improviso, escalas maiores, menores, pentatônicas e de blues, formação de acordes e bicordes CD com solos e acompanhamento Apoios: Saulo van der Ley Guitarrista e violonista Composição

Leia mais

E-book. Passo-a-Passos Pintura em Madeira

E-book. Passo-a-Passos Pintura em Madeira E-book Passo-a-Passos Pintura em Madeira 1 Pintura em Madeira CAIXA COM ROSA Material necessário Pincel ref. 427 nº 8 e 18 Rolo de espuma 988 5 cm Esponja Abrasiva Duplla Ref. 860 Carbono Verniz acrílico

Leia mais

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações Tamanho da arte O site disponibiliza para download os Arquivos padrão, que são arquivos modelo para auxiliar a confecção do seu material. Eles possuem margens predefinidas e tamanho adequado ao tipo de

Leia mais

Cores Introdução. As cores como fenômenos físicos e químicos. 48 Capítulo 4

Cores Introdução. As cores como fenômenos físicos e químicos. 48 Capítulo 4 Cores Introdução O ser vivo é conectado ao meio ambiente por meio das sensações sonoras, luminosas, gustativas, táteis e olfativas. Portanto, a falta de qualquer um dos órgãos dos sentidos nos traz sérios

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA BANCO DE QUESTÕES - EDUCAÇÃO ARTÍSTICA 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO - PARTE 3 =============================================================================================

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA CORES

CLASSIFICAÇÃO DA CORES CLASSIFICAÇÃO DA CORES Na nossa vida cotidiana, estamos cercados por cores e as escolhemos regularmente, para nos vestir, decorar nossas casas ou mesmo para comprar um carro. Ter um olhar para as cores

Leia mais

SISTEMA DE FAIXA PARA ATLETAS DE 4 A 15 ANOS. Professores, pais e praticantes

SISTEMA DE FAIXA PARA ATLETAS DE 4 A 15 ANOS. Professores, pais e praticantes SISTEMA DE FAIXA PARA ATLETAS DE 4 A 15 ANOS Professores, pais e praticantes Para os desafios enfrentados pelos instrutores das escolas de Jiu-Jitsu, envolvendo o sistema de graduação das crianças e jovens

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC José Fernando Baldo Caneiro Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh São Paulo 2005 1 INTRODUÇÃO Van Gogh foi um artista como poucos. Influências de vários movimentos e

Leia mais

VIOLÃO 1. escalas, formação de acordes, tonalidade e um sistema inédito de visualização de trechos para improvisar.

VIOLÃO 1. escalas, formação de acordes, tonalidade e um sistema inédito de visualização de trechos para improvisar. VIOLÃO 1 escalas, formação de acordes, tonalidade e um sistema inédito de visualização de trechos para improvisar CD com solos e acompanhamento Saulo van der Ley Guitarrista e violonista Composição & Regência

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

11, 12, 13, 14. SÉRIE 4: dentro das paisagens. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. John Constable Baia Weymouth 1816 Óleo sobre tela.

11, 12, 13, 14. SÉRIE 4: dentro das paisagens. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. John Constable Baia Weymouth 1816 Óleo sobre tela. 10 The Bridgeman Art Library SÉRIE 4: dentro das paisagens John Constable Baia Weymouth 1816 Óleo sobre tela. 11, 12, 13, 14 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens (PRONAC

Leia mais

Elementos Básicos da Comunicação Visual

Elementos Básicos da Comunicação Visual Elementos Básicos da Comunicação Visual Elementos Básicos da Comunicação Visual Temos variados pontos de vista para analisarmos qualquer obra visual; um dos mais reveladores é decompô-la em seus elementos

Leia mais

Microsoft Excel 2010

Microsoft Excel 2010 Microsoft Excel 2010 Feito por Gustavo Stor com base na apostila desenvolvida por Marcos Paulo Furlan para o capacitação promovido pelo PET. 1 2 O Excel é uma das melhores planilhas existentes no mercado.

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa G eoff Rees Be neat h t he re ef, 199 2, s er igr af i a Fot o: Fau st o Fleur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

M A N U A L D E NOR M A S

M A N U A L D E NOR M A S MANUAL DE NORMAS A Construção de uma Marca é o resultado de uma pesquisa apurada. A sua construção obedece a regras precisas, que asseguram o equilíbrio da sua composição. Qualquer alteração das proporções

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

Saiba Como Fazer Descoloração mperfeita em 3 Passos

Saiba Como Fazer Descoloração mperfeita em 3 Passos Mas, o que Descoloração? Trata-se da retirada dos pigmentos naturais e ou artificiais do cabelo para torná-lo mais claro ou até quase branco. Sobre a Autora Sou Beth Dantas - Empresária, cabeleireira,

Leia mais

Critérios gerais de classificação da prova

Critérios gerais de classificação da prova 06 DESENHO Critérios de correção PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano: 0 ª fase - Julho 0º, º e º ano Critérios gerais de classificação da prova A classificação a atribuir a cada resposta resulta da

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 O desenho da figura humana ganha ainda mais vida quando a expressão do corpo é bem retratada. É através dela que deduzimos a intenção, expressão, direção ou trajetória realizada pelo personagem. Veja

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL. Versão 04 - publicado em 12/junho/2013.

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL. Versão 04 - publicado em 12/junho/2013. MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Versão 04 - publicado em 12/junho/2013. Marca Introdução A marca da nossa empresa tem vida: ela reflete nossos valores, cultura e imagem. Por isso, o respeito na aplicação da

Leia mais

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos:

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos: Princípios de Composição do Vestuário Para trabalhar com roupas mais elaboradas é importante conhecer os princípios de composição do vestuário. Neste nicho de mercado, este tipo de peça é desenvolvido

Leia mais

Aula Teórica 12 Reforço e Redução da Imagem de Prata Processos de Impressão com Prata - 5 de Janeiro de 2009

Aula Teórica 12 Reforço e Redução da Imagem de Prata Processos de Impressão com Prata - 5 de Janeiro de 2009 Aula Teórica 12 Reforço e Redução da Imagem de Prata Processos de Impressão com Prata - 5 de Janeiro de 2009 Licenciatura em Fotografia, 2º ano, 2008-2009 Departamento de Fotografia Luis Pavão Escola Superior

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

Recortar esta imagem com a Polygonal Lasso Tool seria uma tarefa maçante e tediosa. 1. Edição de imagens: Fundo da. imagem

Recortar esta imagem com a Polygonal Lasso Tool seria uma tarefa maçante e tediosa. 1. Edição de imagens: Fundo da. imagem 1 1. Edição de imagens: Fundo da imagem. O que eu, comumente, percebo é que para selecionar um objeto de interesse na imagem é quase que automático e unânime utilizar a ferramenta Polygonal Lasso Tool.

Leia mais

Exercícios de aquecimento. 1. Introdução

Exercícios de aquecimento. 1. Introdução Exercícios de aquecimento 1. Introdução Os exercícios de aquecimento são práticas de rotina necessárias para que o músico se prepare para performances em público, gravações, estudos, etc. Esses exercícios

Leia mais

A Pedagogia Clínica Biográfica

A Pedagogia Clínica Biográfica A Pedagogia Clínica Biográfica Josef David Yaari Sim, é isso que devo fazer, é isso que eu sou! Ocorre a urgência! O mundo, as empresas, iniciativas e muitos empreendimentos precisam de gente. Há uma demanda

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com ARTES diálogo Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com Nas suas intervenções artísticas, no domínio da escultura e da instalação, Gonçalo Barreiros pode

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

Relacionando os conceitos: Genética da Conservação*

Relacionando os conceitos: Genética da Conservação* MATERIAIS DIDÁTICOS Relacionando os conceitos: Genética da Conservação* Mauricio Papa Arruda Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Instituto de Biologia, Departamento de Biologia Estrutural e Funcional.

Leia mais

TUTORIAL: Criando e animando sprites no Inkscape

TUTORIAL: Criando e animando sprites no Inkscape TUTORIAL: Criando e animando sprites no Inkscape Pra quem não sabe, o Inkscape é um programa de desenho vetorial, assim como o Illustrator da Adobe, porém é software livre. Atualmente encontra-se na versão

Leia mais

46 Dona Nobis Pacem: alturas Conteúdo

46 Dona Nobis Pacem: alturas Conteúdo Introdução Formação de tríades maiores menores Arpejos maiores e menores Cânone Sobreposição de vozes formando acordes Inversão de acordes Versões do cânone Dona Nobis Tonalidades homônimas Armaduras Influência

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DAS PROVAS TEÓRICO-PRÁTICAS MATÉRIA - PROJETO DE DECORAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DAS PROVAS TEÓRICO-PRÁTICAS MATÉRIA - PROJETO DE DECORAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE BELAS ARTES CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPI DE SALVADOR - EDITAL Nº 03/2011 DEPARTAMENTO I - HISTORIA DA ARTE E PINTURA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

descontraindo o ambiente

descontraindo o ambiente descontraindo o ambiente Rafael Tenório ousa em empresa de tecnologia de informação e deixa o lugar mais criativo Por: Beth Oliveira Fotos: Lucas Oliveira A o entrar no escritório de 120 m² de área total

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL Ano Letivo 2011-2012

PROGRAMAÇÃO ANUAL Ano Letivo 2011-2012 PROGRAMAÇÃO ANUAL Ano Letivo 20-202 3ºCICLO OFICINA DE ARTES Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 2 A Disciplina de Oficina de Artes funcionando no 7º e no 8º ano em regime

Leia mais

Em duplas os alunos receberão uma folha contendo o material que será desenvolvido em aula.

Em duplas os alunos receberão uma folha contendo o material que será desenvolvido em aula. Série: 5ª série Carga horária: 2 períodos Conteúdo: Frações Objetivo: O aluno ao final da aula deverá verificar por meio de representações concretas, que o resultado de dividir a por b é o mesmo que dividir

Leia mais

Mulher de chapéu, Matisse. 1905, Óleo sobre tela

Mulher de chapéu, Matisse. 1905, Óleo sobre tela Mulher de chapéu, Matisse 1905, Óleo sobre tela O termo Fauvismo deriva de fauve (fera selvagem), exclamação feita pelo crítico de arte Louis Vauxcelles perante a exposição de pintura do Salão de Outono

Leia mais

02 ELABORADO POR PROFESSOR MUSICAL OTANIEL RICARDO

02 ELABORADO POR PROFESSOR MUSICAL OTANIEL RICARDO MÉTOO E VIOLINO NÍVEL INTERMEIÁRIO Vol. 02 ELBORO POR PROFESSOR MUSICL OTNIEL RICRO 1 UTOR Otaniel Ricardo Santos Foi Professor/Maestro da Banda Musical Ecos do Céu da Igreja Evangélica ssembléia de eus

Leia mais

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa portar-se institucionalmente, através dos tempos, de um

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa portar-se institucionalmente, através dos tempos, de um Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa portar-se institucionalmente, através dos tempos, de um modo que justifique e reafirme o seu lugar na vanguarda.

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

Boletim Técnico Máscaras de Solda de Escurecimento Automático 3M Speedglas 9100 CA 20574

Boletim Técnico Máscaras de Solda de Escurecimento Automático 3M Speedglas 9100 CA 20574 Boletim Técnico Máscaras de Solda de Escurecimento Automático 3M Speedglas 9100 CA 20574 Descrição: A máscara de solda Speedglas 9100: É aplicável para a maioria das operações de solda que necessitam de

Leia mais

Produtos para fazer um contorno perfeito:

Produtos para fazer um contorno perfeito: Introdução A maquiagem corretiva caiu no gosto das mulheres, e cada vez mais técnicas surgem para te ajudar na missão de afinar e ressaltar pontos estratégicos do rosto. Foi a pensar nisso que decidimos

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA www.joaogomes.com.br João Gomes Filho

Leia mais

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante

Leia mais

Arte abstrata ou abstracionismo é um estilo artístico moderno em que os objetos ou pessoas são representados, em de pinturas ou esculturas, através

Arte abstrata ou abstracionismo é um estilo artístico moderno em que os objetos ou pessoas são representados, em de pinturas ou esculturas, através Arte abstrata ou abstracionismo é um estilo artístico moderno em que os objetos ou pessoas são representados, em de pinturas ou esculturas, através de formas irreconhecíveis. O formato tradicional (paisagens

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL DISCIPLINA: ARTE PROFESSORA: Cristiana de Souza DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 6º ANO TURMA: ALUNO (A): RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL Nº: 01.

Leia mais

Quem somos nós? Política

Quem somos nós? Política Is the Future Quem somos nós? Somos um grupo de profissionais engenheiros, arquitectos, designers e artista plástico, estamos no mercado à 2 anos a propor soluções a nível de projecto, técnicas e soluções

Leia mais

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica professor Rafael Hoffmann Cor Modelos cromáticos - Síntese aditiva/cor-luz Isaac Newton foi o responsável pelo desenvolvimento da teoria das cores. Em

Leia mais

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL por: Danelectro Olá, amigos! Como vocês já devem ter percebido, o mundo moderno está repleto de coisas iguais. Carros, computadores, móveis, comida: tudo é fabricado

Leia mais

APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama

APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama APRENDA MÚSICA Vol I 1. As notas musicais no endecagrama Devido à grande extensão do teclado e conseqüentemente um grande número de notas, localizadas em diferentes oitavas, precisamos de dois pentagramas.

Leia mais

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX História da Arte Profª Natalia Pieroni IDADE CONTEMPORÂNEA LINHA DO TEMPO - HISTORIOGRAFIA Período PRÉ-HISTÓRIA Origens do homem até 40000 a. C IDADE ANTIGA 40000

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Eu gosto desta, porque tem uma menina com neve na cabeça

Eu gosto desta, porque tem uma menina com neve na cabeça Eu gosto desta, porque tem uma menina com neve na cabeça Eduarda Coquet Tenho na minha frente a Joana, a Inês, o André, o Lourenço, a Margarida, o Francisco, a Maria e outros tantos que vieram conversar

Leia mais

Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos.

Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos. Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos. Os tutoriais são apenas de diferentes maquiagens para os olhos, com a pele já preparada.

Leia mais

RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365

RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1 Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Índice Determinar o objectivo do realce Escolher do canal apropriado Pré-processamento de imagem

Leia mais

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Recomendações do Ministério das Relações Exteriores da República da Eslovênia para as fotos biométricas: o o tamanho da foto: 3,5 x 4,5 cm o o

Leia mais

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART SÃO PAULO 2011 OPTICAL ART Movimento da arte abstrata que se desenvolveu na década de 1960. A OP ART (abreviatura de óptical

Leia mais

Fotografia: conceitos e técnicas

Fotografia: conceitos e técnicas ca leo Carlos Leonardo S Mendes wwwcaleocombr caleo Carlos Leonardo dos S Mendes Fotografia: conceitos e técnicas Exposição Setembro de 2008 Versão 10 Nota: os textos ou fotos contidos neste material não

Leia mais

A Cor de 2014 Radiant Orchild 18-3224

A Cor de 2014 Radiant Orchild 18-3224 A Cor de 2014 Todos os anos, designers, estilistas, decoradores, representantes da Pantone e de fábricas de tintas se reúnem e determinam uma cor temática que permeará e inspirará as criações deste ano

Leia mais

Levantamento do estado de conservação da pintura Retrato de Marcel Duchamp de Albuquerque Mendes

Levantamento do estado de conservação da pintura Retrato de Marcel Duchamp de Albuquerque Mendes Resumo Levantamento do estado de conservação da pintura Retrato de Marcel Duchamp de Albuquerque Mendes Albuquerque Mendes (Trancoso, 1953) é um dos mais destacados e versáteis artistas contemporâneos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) «21. No ensino do desenho de observação, qual o maior motivo de principiantes sentirem dificuldades em desenhar rostos humanos? a) Porque rostos humanos

Leia mais

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção.

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção. Símbolo Veio Gente Detalhamento - Concepção. A concepção do símbolo do projeto Veio Gente nasceu das explicações da idéia e do conceito do evento durante conversas que tive com a Cris, principalmente a

Leia mais

numa seqüência de perguntas que, ao serem respondidas, ajudariam a montar um texto sobre a

numa seqüência de perguntas que, ao serem respondidas, ajudariam a montar um texto sobre a 189 FIGURA 8 FERNANDES, Millôr. O Grito. 2005, Revista Veja, 20 de abril de 2005. Partindo da identificação da obra Norwood sob a neve (FIGURA 4), do artista Camille Pissarro, a professora elaborou 4 questões

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS REGIONAIS COMPETÊNCIAS

Leia mais

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante CATEGORIAS SUBCATEGORIAS INDICADORES 1.1. Tempo de serviço docente ( ) 29 anos (1) 1.2. Motivações pela vertente artística ( ) porque

Leia mais

2. Resíduos sólidos: definição e características

2. Resíduos sólidos: definição e características 2. Resíduos sólidos: definição e características Definição e tipologia Lixo é, basicamente, todo e qualquer resíduo sólido proveniente das atividades humanas ou gerado pela natureza em aglomerações urbanas,

Leia mais