O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO"

Transcrição

1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora.

2 O que são palestras gerenciais? Compartilhar conhecimento de forma a gerar melhorias empresariais, aproveitando oportunidades e estimulando a percepção de possibilidades e tendências. PALESTRA: DESENVOLVER SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA PEQUENAS EMPRESAS O negócio e as necessidades do mercado Objetivos Explanar sobre as metodologias para o fornecimento de tecnologias da informação, aplicativos, equipamentos e conectividade, adequados à realidade das pequenas empresas, de forma a atender suas necessidades de mercado.

3 UM NEGÓCIO COM POTENCIAL LUCRATIVO: FORNECER SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA PEQUENAS EMPRESAS Como se adequar a este mercado

4 POR QUE INVESTIR NO MERCADO DAS PEQUENAS EMPRESAS? 4,0 milhões de pequenas empresas no país, correspondendo a 98% do total. 53% sem computadores. 61% necessitam de aplicativos. Fonte: SEBRAE-SP

5 O QUE DESEJAM OS CONSUMIDORES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO? Que a empresa fornecedora entenda do seu negócio. Compreender o aplicativo comprado e/ou alugado. Que as tecnologias adquiridas atendam as necessidades empresariais. Oferecer qualidade ao atendimento. Acompanhamento a evolução do negócio.

6 O QUE OS FORNECEDORES DEVEM OFERECER AOS CONSUMIDORES? Atendimento através de linguagem acessível. Produtos e serviços voltados para o negócio. Implantação simplificada. Treinamento e acompanhamento. Suporte técnico ativo. Evolução dos produtos e serviços, compatíveis com o negócio. Preços de produtos e serviços adequados a cada negócio.

7 CENÁRIO ATUAL DO MERCADO FORNECEDOR AMBAS AS PARTES CONSUMIDOR Não acompanha o mercado empresarial Adequação de forma genérica Manual sem foco no negócio Não realiza evoluções Serviços robotizados Não conhecem o negócio Inadequados tecnicamente Dificuldades de comunicação Vinculados às suas verdades Despreparo nas tecnologias Não conhece a tecnologia para tomada de decisão Desconhece o volume de investimento Valoriza o imobilizado Acredita nos mistérios da informática

8 CENÁRIO PROPOSTO Conhecer os diversos setores empresariais. Formar parcerias nos diversos estágios que não façam parte da inteligência da empresa. Elaborar critérios de acompanhamento e treinamento. Fidelizar o cliente através de serviços. Inserir o Plano de Informatização.

9 APLICATIVOS - QUAL CRIAR? Genérico Preço Baixo Pacote pronto Adequação da empresa Auto implantação Especializado Preço Médio Pacote pronto Adequado ao setor empresarial Implantação assistida Específico Preço Alto Criado Adequado à empresa Implantação assistida

10 COMO OFERECER OS PRODUTOS E SERVIÇOS Genérico Especializado Site Específico Gestão Fase 1 Fase 2 Fase 0 Fase 3 Fase 4 tempo Segurança Continuidade Padronização Eficiência Evolução Acompanhamento Investimento Custos Parceria Valor agregado

11 NECESSIDADES BÁSICAS EMPRESAS FORNECEDORAS Infra-estrutura Equipamentos adequados Funcionários especializados Organização e controles Ambiente de Negócios Site para suporte Logística de atendimento Sistemas de comunicação eficientes

12 LUCRATIVIDADE SOBRE OS SERVIÇOS Gestão de Negócios Necessidade de melhorar os resultados operacionais e financeiros da empresa. Aplicativos por preços justos ao mercado. Serviços evolutivos sobre a utilização dos produtos. Lucro sobre o serviço. Busca da fidelização.

13 SERVIÇOS QUE AGREGAM VALOR IMPLANTAÇÃO ASSISTIDA Etapas Diagnóstico Adequação Apresentação Contrato Treinamento Evolução em parceria Resultados esperados Pré-implantação Implantação dos processos Adequação ao negócio Acompanhamento Aprendizado em conjunto Visão constante do mercado

14 ANÁLISE FINANCEIRA FORMAÇÃO DOS PREÇOS Aplicativos Custos Operacionais - Depreciação dos equipamentos - Software para o desenvolvimento - Pesquisa - Desenvolvimento - Custos fixos e variáveis Quantidade de cópias Margem de lucro Lucro líquido Serviços Custos Operacionais - Custos de MOD, interna e externa - Capacidade de h-h - Padrão de h-h para os atendimentos Quantidade de empresas e casos atendidos Margem de lucro Lucro líquido

15 PRINCIPAIS SETORES PARA A INFORMATIZAÇÃO SETOR ATIVIDADES MAIS INFORMATIZADAS Indústria Borracha e Plásticos Máquinas e Equipamentos Edição e Gráfica Construção Civil (Edificações, etc.) Comércio Farmácia e Perfumaria Autopeças Materiais de Construção Livrarias ATIVIDADES MENOS INFORMATIZADAS Couros e Calçados Alimentos e Bebidas Móveis e Diversos Confecções Metalúrgica - não-equipamentos Têxtil Bebidas Bazar e comércio de produtos diversos Mercearias e Minimercados Móveis e Iluminação Quitandas, Avícolas e Peixarias Armarinhos Oficinas Mecânicas, Lava-rápidos, etc. Vestuário Serviços Serviços de Atividades de informática Servs. de Alim. (p.ex. lanchonetes) Aluguel de Veículos, Máqs e Objs. Pessoais Servs. Pessoais (higiene e beleza, lavanderias) Imobiliárias Servs. Transporte Às Empresas (cont, arq e eng, copiadoras) Agências de Viagem Recreação (acad. ginástica, natação etc)

16 PRINCIPAIS PARÂMETROS PARA A INFORMATIZAÇÃO Necessidade de Controles Estoques Cadastros Financeiro - Demonstrativos - Fluxo de caixa - Custos - Faturamento Indicadores (gestão empresarial) ECF PCP (para as indústrias)

17 NECESSIDADES BÁSICAS Atender a operacionalidade do aplicativo. Estar dentro do orçamento da empresa. Proporcionar possibilidade de atualizações e integrações. Ter um Modem para acesso à Internet. Evitar periféricos, atraentes, mas desnecessários.

18 TELAS DE GESTÃO INFORMAÇÕES MENSAIS Faturamento Custos fixos Custos variáveis Impostos Lucro líquido Ponto de equilíbrio Planejamento do negócio Controles físicos e financeiros de estoque Margem de lucro por produto e/ou grupos Fluxo de Caixa integrado Visão geral das operações financeiras

Evolução das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Município de Guarulhos

Evolução das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Município de Guarulhos Evolução das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Município de Guarulhos Análise comparativa 2004 x 2000 SEBRAE-SP São Paulo - 2006 Objetivos O objetivo deste estudo é analisar a evolução das micro e pequenas

Leia mais

LUCRATIVIDADE : CRESCER, SOBREVIVER OU MORRER

LUCRATIVIDADE : CRESCER, SOBREVIVER OU MORRER LUCRATIVIDADE : CRESCER, SOBREVIVER OU MORRER SALVADOR SERRATO salvadors@sebraesp.com.br O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orientar na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Plano de franquia WebMais. Mais rapido, Mais seguro, Mais completo.

Plano de franquia WebMais. Mais rapido, Mais seguro, Mais completo. Plano de franquia WebMais Mais rapido, Mais seguro, Mais completo. Quem somos? A Webmais Sistemas é uma empresa de base nacional, no mercado desde de Novembro de 2005, especializada no desenvolvimento

Leia mais

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço S A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMNSTRAÇÃO DE SUA EMPRESA ndústria Comércio Serviço S O GestãoPro foi desenvolvido para atender as empresas que atuam nos setores da indústria, comércio e serviço. O grande diferencial

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de autopeças.

Leia mais

SEGMENTO DE CERVEJARIA ARTESANAL_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE

SEGMENTO DE CERVEJARIA ARTESANAL_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE SEGMENTO DE CERVEJARIA ARTESANAL_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE DESEMPENHO E QUALIDADE_ O Open Manager é um sistema de gestão empresarial dinâmico e intuitivo, aplicado a gerenciar e operacionalizar processos

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

Promoções para alavancar as vendas de Natal

Promoções para alavancar as vendas de Natal Promoções para alavancar as vendas de Natal OBJETIVOS DO ESTUDO Compreender a opinião dos micro e pequenos empresários no que diz respeito à intenção de oferecer promoções em seu negócio para alavancar

Leia mais

Oportunidades de Negócios para a Copa Identificação de tendências e oportunidades. pequenos negócios nos bairros de Natal/RN TIROL

Oportunidades de Negócios para a Copa Identificação de tendências e oportunidades. pequenos negócios nos bairros de Natal/RN TIROL Oportunidades de Negócios para a Copa do Mundo: Identificação de tendências e oportunidades para os pequenos negócios nos bairros de Natal/RN TIROL Natal/RN Junho/2014 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende

Leia mais

Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro

Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro Quantidade de MPEs por Regional - Dados da RFB Setor Campanha Centro Metropolitana Noroeste Norte Planalto Serra Sinos

Leia mais

Tendências e cenários sobre micro e pequenas empresas

Tendências e cenários sobre micro e pequenas empresas Tendências e cenários sobre 0800 570 0800 www.sebraesp.com.br twitter.com/sebraesp facebook.com/sebraesp youtube.com/user/sebraesaopaulo olanda Estatísticas básicas da participação das MPEs na economia

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Emerson Carlos Baú Msc Ciências Econômicas

PLANO DE NEGÓCIOS. Emerson Carlos Baú Msc Ciências Econômicas PLANO DE NEGÓCIOS Emerson Carlos Baú Msc Ciências Econômicas O QUE É PLANO DE NEGÓCIO? Um Plano de Negócio é um documento que descreve os objetivos de um negócio e quais passos devem ser dados para que

Leia mais

APRENDA A FORMAR PREÇO DE VENDA. 08 a 11 de outubro de a 12 de novembro de 2016

APRENDA A FORMAR PREÇO DE VENDA. 08 a 11 de outubro de a 12 de novembro de 2016 APRENDA A FORMAR PREÇO DE VENDA 08 a 11 de outubro de 2014 09 a 12 de novembro de 2016 Missão do Sebrae Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orientar na implantação e no desenvolvimento de

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E EMPREGABILIDADE NA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

EMPREENDEDORISMO E EMPREGABILIDADE NA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EMPREENDEDORISMO E EMPREGABILIDADE NA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 EMPREENDEDORISMO O empreendedorismo é um comportamento e não um traço da personalidade Peter Drucker CARACTERÍSTICAS DO COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR

Leia mais

O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006)

O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006) O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006) REALIZAÇÕES SEBRAE BAHIA - 2015 Onde essas empresas estão Os Pequenos Negócios representam

Leia mais

Prêmio Nacional de Inovação

Prêmio Nacional de Inovação Prêmio Nacional de Inovação 2013 Caderno de Avaliação Categoria EMPRESA: Agentes Locais de Inovação Método: Esta dimensão visa facilitar o entendimento de como estão sendo utilizados sistemas, métodos

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Maio 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 02. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 02. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Exercício 01 Conceitue e-business e quais o seu principal objetivo? Exercício 01 Resposta Conceitue e-business e quais o seu principal objetivo? É todo

Leia mais

Redes de Cooperação. A força da união

Redes de Cooperação. A força da união Redes de Cooperação A força da união POR QUE FORMAR E PARTICIPAR DE REDES? TROCA DE INFORMAÇÕES E APRENDIZAGEM À medida que o processo de integração entre as empresas evolui, as barreiras de comunicação

Leia mais

Aula 01. Administração de Sistemas de Informação. Sistemas de Informação

Aula 01. Administração de Sistemas de Informação. Sistemas de Informação Administração de Aula 01 Decisões eficazes são baseadas na análise de dados e informações. (NBR ISO 9000 29/01/2001). Sistema de Informações pode ser considerado como centro de inteligência ou o cérebro

Leia mais

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2 Segundo Módulo: Parte 2 As visões de Negócio 1 Quais são visões de Negócio? Para conhecer o negócio o Analista de precisa ter: - Visão da Estratégia - Visão de Processos (Operação) - Visão de Valor da

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

Reduções de Custos Logísticos na Cadeia de Suprimentos

Reduções de Custos Logísticos na Cadeia de Suprimentos Reduções de Custos Logísticos na Cadeia de Suprimentos Ricardo Amadeu Da Silva Coordenador Comitê de Logística CEISE Br Diretor Presidente - TransEspecialista 1 Gestão de Suprimentos A gestão da cadeia

Leia mais

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos negócios Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos Negócios Agenda Um pouco do do Bradesco Sustentabilidade e o Bradesco Planejamento

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

PEQUENA EMPRESA: TRANSFORME INFORMAÇÕES EM BONS NEGÓCIOS

PEQUENA EMPRESA: TRANSFORME INFORMAÇÕES EM BONS NEGÓCIOS Palestras Gerenciais PEQUENA EMPRESA: TRANSFORME INFORMAÇÕES EM BONS NEGÓCIOS COMO O USO ADEQUADO DA INFORMAÇÃO PODE COLABORAR PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Manual do participante Autoria:

Leia mais

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade Objetivo do programa Desenvolvimento competitivo e sustentável Produtividade Promoção de parcerias estratégicas Valor agregado Ganho de qualidade Contextualização Os 3 Pilares para o desenvolvimento da

Leia mais

Como parametrizar o custo e formar corretamente o Preço de Venda no segmento digital

Como parametrizar o custo e formar corretamente o Preço de Venda no segmento digital am Como parametrizar o custo e formar corretamente o Preço de Venda no segmento digital Como parametrizar o custo e formar corretamente o Preço de Venda no segmento digital Junho 2013 Conteúdo Custo, Preço

Leia mais

A composição ideal para impulsionar o seu negócio.

A composição ideal para impulsionar o seu negócio. A composição ideal para impulsionar o seu negócio. 2ANOS DE ATUAÇÃO 30 + CLIENTES ATENDIDOS +40PROJETOS REALIZADOS 400 + % DE CRESCIMENTO EM 2015 Nós criamos iniciativas de marketing, comunicação e inovação

Leia mais

CORREDORES DE NEGÓCIOS. São Luís - MA. CORREDOR 8: Avenida Guajajaras/ São Cristóvão

CORREDORES DE NEGÓCIOS. São Luís - MA. CORREDOR 8: Avenida Guajajaras/ São Cristóvão CORREDORES DE NEGÓCIOS São Luís - MA CORREDOR 8: Avenida Guajajaras/ São Cristóvão 0. APRESENTAÇÃO Este resumo refere-se a atualização de informações do caderno de Corredores de Negócios de São Luís, indicativo

Leia mais

Projeto Extensão Produtiva e Inovação

Projeto Extensão Produtiva e Inovação Projeto Extensão Produtiva e Inovação Núcleo de Extensão Produtiva e Inovação - NEPI UNILASALLE Dez/2013 Projeto Extensão Produtiva e Inovação Política Industrial Ações Transversais Programa de Fortalecimentodas

Leia mais

COMPRAS POR GRUPO DE PRODUTOS

COMPRAS POR GRUPO DE PRODUTOS COMPRAS POR GRUPO DE PRODUTOS Compras Por Grupo de Produtos Escopo do projeto Realizar a divisão de compra de grupo de produtos entre os compradores Alinhamento estratégico Tema: Suprimentos. Objetivo

Leia mais

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 leitos 19 leitos de UTI 5 Salas Cirúrgicas 300 Cirurgias/mês

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE GESTÃO DA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA GESTÃO DE PESSOAS DIREITO EMPRESARIAL E TRABALHISTA CONTABILIDADE Os recursos

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 O Processo de Inovação na Empresa Brasileira: Avanços e Desafios Prof. Dr. Ruy Quadros Unicamp e Innovarelab Belo Horizonte 4/11/2013 O Processo de Inovação na Empresa

Leia mais

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços da Petrobras Plano Estratégico PETROBRAS Missão Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nos mercados nacional e internacional,

Leia mais

CORREDORES DE NEGÓCIOS. São Luís - MA. CORREDOR 7: Avenida Jerônimo de Albuquerque / Cohab

CORREDORES DE NEGÓCIOS. São Luís - MA. CORREDOR 7: Avenida Jerônimo de Albuquerque / Cohab CORREDORES DE NEGÓCIOS São Luís - MA CORREDOR 7: Avenida Jerônimo de Albuquerque / Cohab 01. APRESENTAÇÃO Este resumo refere-se a atualização de informações do caderno de Corredores de Negócios de São

Leia mais

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 WORKSHOPS CH DATA HORÁRIO INVESTIMENTO CONTEÚDO 1. Mudança nas relações com clientes em vendas. 2. Vendedor consultor: Gestor de negócio. 3. Planejamento em vendas.

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS. Prof. Fernando Leonel

Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS. Prof. Fernando Leonel Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Processo de inventário físico 2. Gestão de compras / contratos de fornecimento 3. Comprar ou fabricar?

Leia mais

FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro de março, 2010

FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro de março, 2010 FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro 22-26 de março, 2010 ESTUDO DE CASO: Projeto de Desenvolvimento Econômico Regional do Ceará (Cidades do Ceara Cariri Central) Emanuela Rangel Monteiro CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

Departamento Nacional do SENAI

Departamento Nacional do SENAI do SENAI Rede SENAI de Serviços Técnicos e Tecnológicos Sérgio Motta 16 de Agosto de 2011 O que é o SENAI - Criado em 1942 por iniciativa do empresariado do setor industrial; - Maior complexo de educação

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

Gestão de frotas pesadas gestão com econômia, segurança e eficiência

Gestão de frotas pesadas gestão com econômia, segurança e eficiência Gestão de frotas pesadas gestão com econômia, segurança e eficiência O Rei do Truck Diesel O Rei do Truck Diesel é uma empresa focada em Gestão e Solução de Manutenção de Frotas. Nosso objetivo é entender

Leia mais

PROPOSTA DE ASSESSORIA E CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL E CONTROLES INTERNOS GERENCIAIS PARA MELHORIA DE DESEMPENHO

PROPOSTA DE ASSESSORIA E CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL E CONTROLES INTERNOS GERENCIAIS PARA MELHORIA DE DESEMPENHO FERNANDO SANTOS FILHO GESTÃO EMPRESARIAL GESTÃO E CONTROLES INTERNOS GERENCIAIS PROPOSTA DE ASSESSORIA E CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL E CONTROLES INTERNOS GERENCIAIS PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÁGIO CAIRU

PROGRAMA DE ESTÁGIO CAIRU PROGRAMA DE ESTÁGIO CAIRU O Programa de Estágio Cairu 2017 visa transformar e desenvolver o potencial de jovens universitários da região, preparando-os para desbravar novos caminhos se aperfeiçoando nas

Leia mais

Apresentação. Atenção:

Apresentação. Atenção: 100 95 75 25 5 0 capa_azul2009 Tuesday, December 02, 2008 11:50:46 AM Apresentação Este Panorama Logístico tem como tema a, e traz análises sobre as experiências e expectativas das empresas com relação

Leia mais

Disciplina: Orçamento Empresarial. Contextualização

Disciplina: Orçamento Empresarial. Contextualização Disciplina: Orçamento Empresarial Contextualização A complexidade do ambiente onde as empresas atuam requer a adoção de estratégias e ferramentas adequadas para lidar com os constantes desafios e com a

Leia mais

Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP

Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP EAC 0548 Sistemas de Informações Contábeis AULA 08 ERP Prof. Dr. Joshua

Leia mais

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing Curso do Superior de Tecnologia em Objetivos do curso 1.5.1 Objetivo Geral O Curso Superior de Tecnologia em na modalidade EaD da universidade Unigranrio, tem por objetivos gerais capacitar o profissional

Leia mais

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato.

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato. Projeto Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS Palestra de sensibilização Na Medida Compreender a relevância do papel dos micro e pequenos empresários na economia brasileira e a necessidade da adoção das melhores

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre os sócios, pois são responsáveis pela proposta do negócio. Caso ocorra necessidade, inserir mais campos, linhas ou colunas. Sócio 1 - Nome: Sócio 2 - Nome:

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 04/04/1963 - Distância da capital: 320 km - Área: 1.129 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Chapada do Apodi - População: 12.374 (IBGE/2007)

Leia mais

METODOLOGIA. 250 empresas avaliadas 2 formas de análise: Análise Comparativa de Performance Qualitativa Análise de Processos - quantitativa

METODOLOGIA. 250 empresas avaliadas 2 formas de análise: Análise Comparativa de Performance Qualitativa Análise de Processos - quantitativa METODOLOGIA 250 empresas avaliadas 2 formas de análise: Análise Comparativa de Performance Qualitativa Análise de Processos - quantitativa ANÁLISE COMPARATIVA DE PERFORMANCE - QUALITATIVA Faturamento mensal

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Design & Ilustração Aplicativos Jogos Realidade Virtual Apresentação da Empresa Nossa Proposta de Valor Entregar Soluções em Software Mobile, resolvendo problemas do mundo real ou criando novas oportunidades

Leia mais

Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning)

Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) O que significa ERP? ERP - Enterprise Resource Planning (Planejamento de Recursos Empresariais) são sistemas de informações que integram todos os dados e processos

Leia mais

Terceirização de ATMs: uma realidade

Terceirização de ATMs: uma realidade Terceirização de ATMs: uma realidade Laerte H Fagundes Jr 2002 IBM Corporation Redes de Auto-Atendimento nos Estados Unidos 1969-1996 I Pré Tarifas 1996-1998 II Tarifas 1998-2000 III Transição 2001 IV

Leia mais

DISCIPLINA: Administração de Sistemas de Informação

DISCIPLINA: Administração de Sistemas de Informação DISCIPLINA: Administração de Sistemas de Informação Profa. Msc. Cláudia Brazil Marques PLANO DE AULA 5 01.01. PROBLEMA Identificar as tendências em SI 01.02. CONHECIMENTOS (DCN, artigo 5º) Os papéis atribuídos

Leia mais

BOBINAR SISTEMA DE CONTROLE PARA MANUTENÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS

BOBINAR SISTEMA DE CONTROLE PARA MANUTENÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BOBINAR SISTEMA DE CONTROLE PARA MANUTENÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS Murilo Cesar Cardoso Prof. Wilson Pedro Carli ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Gestão Estratégica do Sistema de Iluminação Pública. Fernando Mirancos da Cunha Salto, 31 de julho de 2013

Gestão Estratégica do Sistema de Iluminação Pública. Fernando Mirancos da Cunha Salto, 31 de julho de 2013 Gestão Estratégica do Sistema de Iluminação Pública Fernando Mirancos da Cunha Salto, 31 de julho de 2013 1 InovaFocus Criada em 2008 Áreas de atuação Centros de Operação e Controle Contact Center e Callcenters

Leia mais

PANORAMA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS NA INDÚSTRIA CATARINENSE - CENÁRIO 2013 Apresentação: Prof. Carlos Taboada e Marisa Nilson LDL /UFSC Florianópolis, 20

PANORAMA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS NA INDÚSTRIA CATARINENSE - CENÁRIO 2013 Apresentação: Prof. Carlos Taboada e Marisa Nilson LDL /UFSC Florianópolis, 20 PANORAMA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS NA INDÚSTRIA CATARINENSE - CENÁRIO 2013 Apresentação: Prof. Carlos Taboada e Marisa Nilson LDL /UFSC Florianópolis, 20 de novembro de 2014. Realização: FIESC Câmara de Assuntos

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO DO COMÉRCIO VAREJISTA: INOVAÇÃO

PESQUISA DE OPINIÃO DO COMÉRCIO VAREJISTA: INOVAÇÃO PESQUISA DE OPINIÃO DO COMÉRCIO VAREJISTA: INOVAÇÃO Inovação Em um ambiente altamente competitivo como o setor do comércio, o diferencial de um estabelecimento pode garantir aos negócios sobrevivência

Leia mais

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MISSÃO DA UNIDADE: Fomentar a atividade acadêmica, promover o intercâmbio da Universidade com órgãos públicos, empresas privadas e

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos

Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos 24/01/2017 Iniciou suas atividades em 1998 Oferece um amplo conjunto de serviços especializados de consultoria

Leia mais

Considerações O mundo alcançou seu colapso nas esferas: social, ambiental e econômica, e o apelo para implantar o desenvolvimento sustentável não é

Considerações O mundo alcançou seu colapso nas esferas: social, ambiental e econômica, e o apelo para implantar o desenvolvimento sustentável não é Considerações O mundo alcançou seu colapso nas esferas: social, ambiental e econômica, e o apelo para implantar o desenvolvimento sustentável não é moda, é uma necessidade urgente. Em setembro de 2015,

Leia mais

De empregado a patrão

De empregado a patrão capa De empregado a patrão CRF-SP firma convênio com Sebrae-SP para orientar farmacêuticos empresários ou que pretendem abrir sua farmácia Luiz Prado / Agência Luz 26 Ana Carolina de Oliveira, gerente

Leia mais

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS Tabela 1 Tipo de empreendimento Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) Associação ou Sindicato 31 3,33 Cooperativa 5 0,54 Empresa Individual (Antiga Firma

Leia mais

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016 Tipos de Indicadores 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho ; OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Perfil do Microempreendedor Individual Sebrae Goiás

Perfil do Microempreendedor Individual Sebrae Goiás Perfil do Microempreendedor Individual 2015 Sebrae Goiás Metodologia Entrevistas por telefone com 9.657 Microempreendedores Individuais no Brasil; 384 Microempreendedores Individuais em Goiás; Entrevistas

Leia mais

TGM Tecnologia de Gestão Martins

TGM Tecnologia de Gestão Martins 1 O Que é TGM Tecnologia Gestão Martins? 2 Rentabilidade - 3 Central de Atendimento TGM O que é TGM? Tecnologia de Gestão Martins. É uma área da UMV Universidade Martins do Varejo, através do uso de tecnologia,

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Desenvolvimento de Negócios Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Gestão Estratégica Para quê? Por Quê? Para fazer acontecer e trazer

Leia mais

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DISCIPLINA Aplicações de Sistemas de Informação Prof. Wagner Däumichen Barrella E-commerce e E-business Além de auxiliar na Gestão Empresarial, os Sistemas de Informação

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre os sócios, pois são responsáveis pela proposta do negócio. Caso ocorra necessidade, inserir mais campos, linhas ou colunas. Sócio 1 - Nome: RG: Órgão Emissor:

Leia mais

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os CRISE Contabilidade Escreve, oficializa É a ciência que registra os Possuem denominador financeiro comum acontecimentos verificados no patrimônio de uma entidade Conjunto de bens direitos e obrigações

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTOS PRODUTIVOS COMPETITIVIDADE SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO PRODUTIVIDADE CADEIA DE VALOR APRESENTAÇÃO O

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 6: Cadeia de Abastecimento Logística Interna na Construção Civil Supply Chain Management Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Cadeia de Abastecimento

Leia mais

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL BPM Congress Brasília, 27 de novembro de 2012. Carlos Padilla, CBPP, Assessor da Gerência de Negócios. PANORAMA DA APEX-BRASIL

Leia mais

Marcelo Henrique dos Santos

Marcelo Henrique dos Santos Marcelo Henrique dos Santos Mestrado em Educação (em andamento) MBA em Marketing e Vendas (em andamento) Especialista em games Bacharel em Sistema de Informação Email: marcelosantos@outlook.com TECNOLOGIA

Leia mais

10 de agosto de 2009

10 de agosto de 2009 10 de agosto de 2009 1 A Missão Empresarial Brasileira à China 2009 faz parte do Programa de Ações Integradas de Promoção Comercial, desenvolvido pela Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO DA NOVA GESTÃO. Presidente Joilson Barcelos

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO DA NOVA GESTÃO. Presidente Joilson Barcelos PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO DA NOVA GESTÃO Presidente Joilson Barcelos RESGATANDO NOSSA HISTÓRIA 1963 1964 a 2015 2016 Fundada em 30 de maio, fruto de um movimento nacional, com a finalidade de fortalecer

Leia mais

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato: do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: CEP:

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato:  do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: CEP: PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL - 2015 Dados, informações, fatos, análises. Este questionário em PDF é para auxiliar na coleta de dados. As perguntas devem ser respondidas no link: www.cmpesquisa.com.br/t&d

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

O que são serviços de TI?

O que são serviços de TI? O que são serviços de TI? Para começar a compreender a área de TI como prestadora de serviços às organizações usuárias de tecnologia, torna-se necessário compreender o que é um serviço. Serviço é toda

Leia mais

6.6 - Avaré. de autopeças (aumento de 44,6%).

6.6 - Avaré. de autopeças (aumento de 44,6%). 6.6 - Avaré AVARÉ Na Região de Governo de Avaré 29, em 2004, o grupo das micro e pequenas empresas (MPEs), existiam 6.491 estabelecimentos no comércio, 2.389 no setor de serviços e 1.117 na indústria.

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

Intercâmbio Eletrônico Diretoria de Integração Cooperativista e Mercado Dr. Valdmário Rodrigues Jr

Intercâmbio Eletrônico Diretoria de Integração Cooperativista e Mercado Dr. Valdmário Rodrigues Jr Intercâmbio Eletrônico Diretoria de Integração Cooperativista e Mercado Dr. Valdmário Rodrigues Jr Clientes no Intercâmbio Intercâmbio Eletrônico Nacional Intercâmbio Um diferencial da marca e um desafio

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA A QUALIDADE

MOTIVAÇÃO PARA A QUALIDADE MOTIVAÇÃO PARA A QUALIDADE Irene Szyszka 07/11/2002 Lucem Sistemas Integrados de Gestão - Direitos Reservados 1 O QUE É MOTIVAÇÃO? MOTIVOS PARA AÇÃO??? Segundo Michaelis: Ato de motivar. Espécie de energia

Leia mais

MANUTENÇÃO SISTEMAS INFORMATIZADOS PARA O PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO. CCMS- Computer Maintenance Management System

MANUTENÇÃO SISTEMAS INFORMATIZADOS PARA O PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO. CCMS- Computer Maintenance Management System MANUTENÇÃO SISTEMAS INFORMATIZADOS PARA O PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO CCMS- Computer Maintenance Management System Prof. Dissenha professor@dissenha.net SISTEMAS INFORMATIZADOS PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

PRECISA MELHORAR O SEU NEGÓCIO?

PRECISA MELHORAR O SEU NEGÓCIO? PRECISA MELHORAR O SEU NEGÓCIO? PROGRAMAÇÃO 1º Trimestre - e Região PARA MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS, MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Importante! As vagas para cada evento são limitadas A

Leia mais

Conferência de Resultados 2T13 15 de agosto, 2013

Conferência de Resultados 2T13 15 de agosto, 2013 Conferência de Resultados 2T13 15 de agosto, 2013 Operacionais & Financeiros Receita bruta de R$845,4 milhões, um crescimento de 13,2% ante o 2T12 Margem bruta de 31,5%, 1,4p.p acima do 2T12 SSS de 9,8%

Leia mais

Ricardo Augusto Bordin Guimarães Auditoria Administrativa Hospitalar ricardo@rgauditoria.com.br (51) 9841.7580 www.rgauditoria.com.br www.twitter.com/ricardorgaud Qualidade e Gestão em Saúde através da

Leia mais

3 Empresa de Gases Alfa

3 Empresa de Gases Alfa 3 Empresa de Gases Alfa A Empresa de Gases Alfa é a maior empresa de gases industriais da América do Sul e está presente em nove países do continente. A empresa é fornecedora de gases de processo (gás

Leia mais

Tendências em Sistemas de Informação

Tendências em Sistemas de Informação Prof. Glauco Ruiz Tendências em Sistemas de Informação Os papéis atribuídos à função dos SI têm sido significativamente ampliados no curso dos anos. De 1950 a 1960 Processamento de Dados Sistemas de processamento

Leia mais