Plano Diretor de Tecnologia da Informação Universidade Federal de São Paulo PDTI UNIFESP 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Diretor de Tecnologia da Informação Universidade Federal de São Paulo PDTI UNIFESP 2010"

Transcrição

1 Plan Diretr Tecnlgia da Infrmaçã Universida Feral Sã Paul P UNIFESP 2010 Versã 30/0/2010

2 UNIVERSADE FEDERAL DE SÃO PAULO Cmitê Estratégic Tecnlgia da Infrmaçã CETI REITOR Prf. Dr. Walter Manna Albertni VICE REITOR (Presinte d CETI) Prf. Dr. Ricard Luiz Smith PRÓ REITOR DE ADMINISTRAÇÃO (Vice Presinte d CETI) Prf. Dr. Vilnei Mattili Leite PROFESSORA TITULAR DO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA EM SAÚDE (Crnadra Executiva d CETI) Prfa. Dra. Heimar Fátima Marin DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Sr. Jair Marlla DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DO HU HSP Prf. Dr. Mei Silva Ançã CHEFE DO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA EM SAÚDE DIS Prf. Dr. Ivan Trres Pisa DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING INSTITUCIONAL Sra. Miriam Elena Cabral Bacet DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA Prf. Dr. Nivald Benedit Ferreira Camps REPRESENTANTE DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Prf. Dr. Otavi August Lazzarini Lems 2

3 Glssári ABIN Agência Brasileira Inteligência AGS Análise e Gestã Serviçs AIN Análise Impact ns Negócis APF Administraçã Pública Feral AR Arquitetura referência CAP Capacitaçã ds recurss humans CAPES Crnaçã Aperfeiçament Pessal Nível Superir CMMI Capability Maturity Ml Integratin COBIT Cntrl Objectives fr Infrmatin and related Technlgy COM Cmunicaçã DA Departament Administraçã DB Databases (Banc dads) DGI Departament Gestã da Infrmaçã DIS Departament Infrmática em Saú Departament Tecnlgia da Infrmaçã EAD Ensin à distância EAOC Escla Artes, Ofícis e Cmputaçã e MAG Ml Acessibilida Gvern Eletrônic e PING Padrões Interperabilida Gvern Eletrônic GSI/PR Gabinete Segurança Institucinal da Presidência da República HU Hspital Universitári IN0 Instruçã Nrmativa nº 0 19/05/2008 (Dispõe sbre prcess cntrataçã serviçs Tecnlgia da Infrmaçã pela Administraçã Pública Feral direta, autárquica e fundacinal) INF Infra estrutura serviçs IPSec IP Security Prtcl (Prtcl Segurança IP) LCD Liquid crystal display (Display cristal líquid) LDAP Lightweight Directry Access Prtcl Mbps Megabit pr segund 3

4 MEC Ministéri da Educaçã MP Ministéri Públic MPLS Multiprtcl Label Switching MPOG Ministéri d Planejament, Orçament e Gestã OS Orm serviç PABX Private Autmatic Branch Exchange (Trca autmática ramais privads) P Plan Diretr Tecnlgia da Infrmaçã PING IFES Platafrma Integraçã dads das Instituições Ferais Ensin Superir PKI Public Key Infrastructures (Infra estrutura chaves públicas) PNPC Prgrama Nacinal Prteçã a Cnheciment QS Quality f service (Qualida Serviç) RAC Real Applicatin Clusters REUNI Prgrama Api a Plans Reestruturaçã e Expansã das Universidas Ferais RH Recurss Humans SEG Segurança da Infrmaçã SGBD Sistema gerenciament banc dads SI Sistemas Infrmaçã SIAPE Sistema Integrad Administraçã Recurss Humans SISP Sistema Administraçã ds Recurss Infrmaçã e Infrmática SLA Definiçã níveis serviç SOR Suprte Operaçã e Re SPDM Scieda Paulista para Desenvlviment da Medicina SSO Single Sing n TCU Tribunal Cntas da Uniã TI Tecnlgia da Infrmaçã UNIFESP Universida Feral Sã Paul VB Visual Basic VLAN Virtual lcal area netwrk (Re lcal virtual) VIP Vz sbre IP (Telefnia em banda larga)

5 Sumári Plan Diretr Tecnlgia da Infrmaçã (P) da Universida Feral Sã Paul (UNIFESP) Definiçã abrangência... 6 Objetivs estratégics... 6 Equipe senvlviment d P... 7 Alinhament d P as mais instruments Planejament... 8 Plan Metas TI da UNIFESP 2009/ Diagnóstic necessidas...10 Análise e Gestã Serviçs AGS...11 Capacitaçã ds recurss humans CAP...12 Cmunicaçã COM...13 Infra estrutura serviçs INF...15 Segurança da Infrmaçã SEG...18 Sistemas Infrmaçã SI...20 Suprte Operaçã e Re SOR...23 Planejament das Ações...26 Análise e Gestã Serviçs AGS...27 Capacitaçã ds recurss humans CAP...28 Cmunicaçã COM...30 Infra estrutura serviçs INF...32 Segurança da Infrmaçã SEG...35 Sistemas Infrmaçã SI...37 Suprte Operaçã e Re SOR...1 5

6 Plan Diretr Tecnlgia da Infrmaçã (P) da Universida Feral Sã Paul (UNIFESP) 2010 Este dcument apresenta Plan Diretr Tecnlgia da Infrmaçã (P) para s exercícis Um plan envlvend TI nã p ser estátic, restringind as atividas ds grups envlvids cm a manda e prestaçã serviçs na área. Deve ser revisad peridicamente md a avaliar a sua aquaçã à realida da TI na instituiçã. As iniciativas TI na UNIFESP vem ser balizadas pr este plan, mantend uma cerência estrita entre planejament e a execuçã das ações. Definiçã abrangência Neste P estã cntidas as diretrizes estratégicas a serem seguidas pel Departament Tecnlgia da Infrmaçã () da UNIFESP, pr utrs órgãs da universida e prestadres que utilizam e prvêem serviçs Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã (TIC) na universida. O presente plan abrda: Objetivs estratégics Equipe senvlviment d P Alinhament d P as mais instruments Planejament Plan Metas TI da UNIFESP 2009/2010 Diagnóstic necessidas Planejament das ações Objetivs estratégics prpst: N cntext da Tecnlgia da Infrmaçã da UNIFESP verã ser atingids s seguintes bjetivs através d plan Prmver a mrnizaçã infra estrutura infrmaçã e cmunicaçã md a incrementar a dispnibilida, sempenh e a segurança ds recurss tecnlógics; Prmver e incentivar a utilizaçã sftware livre nas situações n a qualida técnica esteja assegurada; Adtar estratégia senvlviment sistemas baseads em arquitetura rientada a serviçs; Implantar sluções infrmações gerenciais para subsidiar acmpanhament e avaliaçã das ações da universida; Fmentar a Gvernança TI baseada em padrões estabelecids; Otimizar s fluxs trabalh ds prcesss administrativs e acadêmics; Prmver a capacitaçã cntínua ds prfissinais envlvids. 6

7 Equipe senvlviment d P A elabraçã ste P se u através da clabraçã uma equipe servidres e funcináris ds diferentes órgãs envlvids cm TIC na universida, cm as pró reitrias, campi, partaments acadêmics e administrativs. A participaçã ds principais atres envlvids cm TI na instituiçã é fundamental para a elabraçã um plan abrangente e que reflita as necessidas da universida além atenr às nrmas e diretrizes vigentes na Administraçã Pública Feral (APF). As reuniões para a elabraçã d P fram registradas em atas dispnibilizadas na área senvlviment d Departament Tecnlgia da Infrmaçã. Pró reitria Extensã Pró reitria Graduaçã Pró reitria Pós Graduaçã Representante d Campus Baixada Santista Representante d Campus Diama Representante d Campus Guarulhs Representante d Campus Sã Jsé ds Camps Departament Gestã da Infrmaçã DGI Departament Infrmática em Saú DIS Departament Tecnlgia da Infrmaçã Departament Tecnlgia da Infrmaçã d Hspital Universitári HU Albert Cebukin Fábi Luís Falchi Magalhães Jerônim Gerlin Leandr Gnçalves Everald Amrim Brun Dmingues Barbsa Walfran Carvalh Arauj André Prad Kátia Diana Marcell Sampai di Pietr Andréa Pereira Simões Pelgi Fabríci Landi Mraes Paul Bandiera Paiva Edda La Selva Fernanda Aparecida Sbral Luiz Fernand Tled Junir Jair Marlla Magda Meirs Machad Marcs Lucian Carrilh Nei Tmk Nishidmi Trige Rafael Vinicius Dare Giusti Ricard Juli Bertuza Da Silva Rdrig Santin Rgéri Alves Lurenç Vicente Meirs da Silva Csta Mei Silva Ançã 7

8 Alinhament d P as mais instruments Planejament Id u Princípi Tip Origem 1 Arquitetura sftware rientada a serviç Princípi Cmitê Técnic TI 2 Utilizaçã sftware livre Princípi Gvern Feral 3 Alta dispnibilida serviçs Princípi Cmitê Técnic TI Inclusã Digital Capacitaçã tds s funcináris Cmissã capacitaçã da UNIFESP 5 Sistema gerenciament infrmações acadêmicas aquad às necessidas atuais Infra estrutura cmunicaçã entre campi Frtaleciment das atividas EAD Prgrama Api a Plans Reestruturaçã e Expansã das Universidas Ferais REUNI UNIFESP 2007/ Padrnizaçã d ambiente TI quant a: Ml Desenvlviment sistemas Serviçs sftware Mls Inventáris Adçã padrões gvern cm e PING e e MAG Catálg padrã dads Mls planejament aquisiçã bens e serviçs e gestã cntrats Ministéri d Planejament / Plan Metas 7 Aperfeiçament da Gestã TI (us COBIT) e alinhament cm planejament institucinal d órgã MEC RESOLUÇÃO Nº, DE 31 DE JULHO DE 2008 e PORTARIA N 1.080, DE 9 DE SETEMBRO DE 2009 (Plan Metas) 8 Planejament Orçamentári das ações e investiments da área TI Ministéri d Planejament / Plan Metas 8

9 Plan Metas TI da UNIFESP 2009/2010 Meta referência Meta Ações Praz Aperfeiçament da gestã TI Instituiçã d Cmitê Tecnlgia Infrmaçã Criaçã cmitê TI cmpst pr servidres das Pró Reitrias e d, além cnvidads Jul/2009 Elabraçã P Frmaçã d cmitê para elabraçã d P nv/2009 Instituiçã d Cmitê Estratégic Tecnlgia Infrmaçã CETI Criaçã cmitê em substituiçã a COINFO Mar/2010 Aprvaçã P Discussã e aprvaçã d P Abr/2010 Elabraçã rçament TI Elabraçã rçament TI cm base n planejament (P) Jul/2010 Cntrataçã TI Cm base n planejament (P) cntratar serviçs TI em cnfrmida cm a IN 0 Mai/2010 Planejament e gestã cntrats TI Capacitaçã em gestã cntrats Re fazer cntrats que nã sejam arentes à IN0 Mai/2010 Gestã mandas Mapeament d prcess manda pr sistemas Implementaçã d cntrle mandas serviçs Jul/2010 Aprimrament qualitativ / quantitativ RH Aquaçã d RH e equipes suprte, peraçã e senvlviment Definiçã equipes Capacitaçã servidres z/2010 Adçã padrões Padrnizaçã ambientes TI Revisã e frmalizaçã ds ambientes e sluções TI utilizadas Intificaçã ds frnecedres serviçs interns e externs, Definiçã da arquitetura referência (AR) Adçã da (AR) nas cntratações TI jun/2010 Plíticas segurança e gestã risc Capacitaçã pessal Elabrar plíticas segurança Implementar plíticas Criaçã Grup Respsta e Tratament Incintes jun/2010 Alta dispnibilida ds sistemas Catálgs serviçs Definiçã níveis serviç (SLA) Aquaçã datacenters mar/2011 Garantir a cnectivida Cntrataçã peradra através cntrat únic para tds s campi Mnitrament da utilizaçã das cnexões e revisã das bandas cntratadas z/2010 9

10 Diagnóstic necessidas Neste tópic sã scritas a situaçã atual da TI na UNIFESP e intificadas as necessidas a serem atendidas pel plan diretr, acrd cm ml referência P d MPOG. As necessidas intificadas fram divididas em sete áreas: Análise e Gestã Serviçs AGS: Planejament e gestã cntrats TI; Capacitaçã ds recurss humans CAP: Mapeament cmpetências, sistema gestã cnheciment, centr invaçã e capacitaçã; Cmunicaçã COM: Site institucinal, re scial, cmunicaçã acadêmica e administrativa; Infra estrutura serviçs INF: Prjets re, telefnia integrada, datacenters e servidres; Segurança da Infrmaçã SEG: Definiçã plíticas us serviçs TI, cntrle acess, plans cntingências, filtrs cnteúd, tratament e respsta a incintes; Sistemas Infrmaçã SI: Análise, senvlviment e manutençã sistemas administrativs, acadêmics e para tmada cisã, finiçã arquiteturas e metdlgias; Suprte Operaçã e Re SOR: Manutençã da re, equipaments, telefnia integrada, serviçs impressã, administraçã servidres, treinament usuáris em sistemas crprativs. 10

11 Análise e Gestã Serviçs AGS Id Requisitante Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticida Praz Impact AGS1 Gerenciament cntrats prestaçã serviçs TI Tdas as unidas Tdas as unidas Cntrat anual cm a Oracle, Panda, Frtigate, Red Hat, HP, entre utrs. Nã há gestã cntrats Execuçã cntínua 3 AGS2 Gerenciament Cicl Vida Serviçs TI Iniciativas lcais Nã há gerenciament cicl vida 3 Execuçã cntínua 3 11

12 Capacitaçã ds recurss humans CAP Id Requisitante Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticida Praz Impact CAP1 Mapeament cmpetências e talents Cmitê técnic, DIS, DGI, DIS, equipes TI das Pró Reitrias DRH e nã têm este mapa servidres talhad, prém td servidr tem seu Currícul Vitae n SIAPE Váris servidres (ex: Assistente em Administraçã) fizeram u fazem curss superires na área TI e priam ser remanejads para algum setr TI, prém nã existe esta relaçã 5 Jul/ CAP2 Bibliteca, Centr invaçã e capacitaçã tecnlgia infrmaçã Cmitê técnic, DIS, DGI, DIS, equipes TI das Pró Reitrias Nã existem Sã pucs s incentivs para capacitaçã e invaçã na área TI, a mairia ds servidres está acstumada apenas a executar rns u fazer da frma cm sempre fizeram. 5 Dez/ CAP3 Sistema Gestã d cnheciment Cmitê técnic, DIS, DGI, DIS, equipes TI das Pró Reitrias Os servidres armazenam cnheciment apenas frma implícita O cnheciment é puc replicad e cstuma se perr quand servidr está ausente. Reinventa se a rda muitas vezes ns váris setres TI da instituiçã 5 Jul/

13 Cmunicaçã COM Id Requisitante Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticidad e Praz Impact COM 1 Ví e web cnferências e ví streaming para fins acadêmics e administrativ s. Pró reitrias Administraç ã e Graduaçã, e Dept. Cmunicaçã. Tdas as Unidas Existem 2 salas aprpriadas para aten à necessida Nã aten a tda a manda. 3 3 COM 2 Telas LCD para cnteúd infrmativ Departamen t Cmunicaçã Departament Cmunicaçã e Diretrias Administrativ as ds campi Infrmes e events expsts na Intranet, e mail em massa e em painéis Nã há telas LCD para este fim 1 2 COM 3 Re scial interna Pró reitrias acadêmicas Pró reitrias e Departament Cmunicaçã Inexistência Site ds aluns n Ning nã ficial (senvlvid pr aluna SJC) 2 Dez/ COM Repsitóri bjets multimídia Pró reitria Graduaçã / Departamen t Cmunicaçã Pró reitrias e Departament Cmunicaçã e Departament Gestã da Infrmaçã Dispnível na Intranet, um banc imagens insuficiente. Aten a mandas lcais. 2 Dez/ COM 5 Plíticas divulgaçã da infrmaçã ns sites institucinais Departamen t Cmunicaçã Departament Cmunicaçã, DIS, DGI, Página externa mantida pel Setr Desenvlvimen t Web (DIS), Framewrk Intranet senvlvid pel DGI, aplicações cm dads institucinais mantidas pel Nã há clareza para usuári ds prvedres ds diferentes serviçs ferecids através da re IP 3 COM 6 Plítica cncessã Cmitê Técnic e prvedres Prvedres serviç Nã há cntrle 13

14 Id Requisitante Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticidad e Praz Impact serviçs TI serviçs TI implantam sistemas e slicitam a Setr Res Cmputadres () a alcaçã prtas e nmes dmíni. sbre s serviçs ferecids, prvedres habilitam serviçs e nã estã cmprmetid s cm sua manutençã. 1

15 Infra estrutura serviçs INF Id Requisitant e Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticidad e Praz Impact INF 1 Ampliaçã e mrnizaçã ds servidres re Tdas as unidas Equipaments adquirids sb manda. Atendiment parcial da manda 2 Execuçã cntínua 3 INF 2 Prjets Atualizaçã e Expansã da Re Tdas unidas, Administraçã e Engenharia Prjets realizads cm praz muit curt. A atualizaçã da infra estrutura é realizada frma ineficiente As equipes TI lidam cm cada prjet expansã e/u melhrament re frma islada, sem a utilizaçã um prcess padrnizad Execuçã Cntínua 3 INF 3 Segmentaçã res Tdas as unidas Realizada sb manda, cm meta finida e praz cnclusã. 2/3 das estações trabalh da re estã em uma única re lcal nminada "Default". O restante ds equipaments está dividid em 71 VLANs. 3 Dez/ INF Melhria da cnectividad e entre campi Expansã da UNIFESP e campi Re MPLS Mpbs Full Mesh entre s Campi e 16Mbps cm a Vila Clementin. Instalaçã Appliances Segurança. Cntrat firmad em Outubr/2009. Em fase implantaçã. A instalaçã ds appliances segurança está em andament. Já instalada em 2 ds campi (Diama e Guarulhs). aditament d prcess para inclusã da unida Sant Amar e Campus Fev/

16 Id Requisitant e Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticidad e Praz Impact Osasc. INF 5 Implantaçã cnectividad e wireless interna Tdas as unidas Tdas as unidas Prjet FINEP iniciará atendiment a campus Vila Clementin Em prcess licitaçã para instalaçã e implantaçã da re wireless. 2 Fev/ INF 6 Cnexões wireless externas Imóveis islads e Engenharia Existem 60 rádis cm tecnlgias diversas. Nã há atendiment a manda cm relaçã à dispnibilidad e e banda insuficiente. Dez/201 0 INF 7 Implantaçã sistema telefnia integrada Tdas as unidas e Engenharia Realizad sb manda, cm prazs curts para implementaçã Infra estrutura da re necessita trca Hubs pr switches. Segmentaçã lógica da re e implementaçã QS ns switches acess. Execuçã cntínua INF 8 Interligaçã das imóveis islads através fibras óticas Imóveis islads e Engenharia Cntrat cessã us através da Eletrpaul Telecm. 1 "casinhas" (0 sã beneficiadas indiretamente ) sã interligadas hje através fibras óticas da Eletrpaul Telecm. O cntrat prá ser renvad pela última vez n an em Jan cntrataçã nv serviç. Out/201 0 INF Melhrar Atendiment A infra 5 Dez/201 16

17 Id Requisitant e Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticidad e Praz Impact 9 Ambientes infraestrutura serviçs TI Datacenters parcial. estrutura ds datacenters nã aten s requisits mínims, pis peram sem níveis aquads redundância elétrica e climatizaçã 0 17

18 Segurança da Infrmaçã SEG Id Requisitant e Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticidad e Praz Impact SEG 1 Definiçã Plíticas us serviçs TI na instituiçã Legislaçã vigente e bas práticas Departament TI e representante s tda a instituiçã. Term us, Privacida e Segurança da Internet n Cmplex UNIFESP /SPDM dispnível na Intranet As nrmas vigentes nã têm a sejada eficácia. A mair parte da manda suprte e é causada pel us incrret ds serviçs TI. Oficialmente nã pssui cntrle nem ações punitivas SEG 2 Cntrles acess lógic através mecanisms intificaçã, autenticaçã e autrizaçã Legislaçã vigente e bas práticas Em geral, cada sistema e cada ambiente têm sua própria cnfiguraçã acess Inexistência plíticas : acess, senhas. Existência um diretóri intidas digitais (LDAP) que precisa ser melhrad SEG 3 Plíticas Segurança da Infrmaçã Decret n , 13 junh 2000 A cnscientizaçã da imprtância da segurança n us da TI é feita frma incipiente. Ausência plítica classificaçã da infrmaçã SEG Plans Cntingências Legislaçã vigente e bas práticas Inexistente Inexistência um Plan Cntingências SEG 5 Levantament da Infrmaçã e cnheciment sensível Legislaçã vigente e bas práticas Departament TI e representante s tda a instituiçã, especialmente área acadêmica. Inexistente Risc vazament infrmações acerca, principalment e, cnheciment s científics,

19 Id Requisitant e Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticidad e Praz Impact pesquisas e prjets acadêmics. SEG 6 Instituir Cmitê Segurança da Infrmaçã e implementar equipe tratament e respsta a incintes Instruçã Nrmativa GSI/PR nº 1, 13 junh 2008 Inexistente Nã há uma equipe para liberar sbre assunts segurança da infrmaçã nem respnsáveis e prcess frmal para tratar incintes segurança SEG 7 Implementaçã filtrs cnteúd Web. Tdas as unidas Filtr cnteúd aplicad as campi Diama e Guarulhs Nã há nada aplicad as mais campi Dez/

20 Sistemas Infrmaçã SI Id Requisitante Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticida Praz Impact SI1 Reaquaçã sistemas administrativ s Pró reitria Administraç ã Departament s Administrativ s Sistemas senvlvids e implantads internamente (Cliente/Servid r) Sistemas implantads nã atenm plenamente à manda requerida pela Área Administrativ a da UNIFESP 5 Execuçã Cntínua 5 SI2 Reaquaçã sistema gestã acadêmica Pró Reitrias Acadêmicas Pró reitrias acadêmicas e Sistemas senvlvids e implantads internamente (Cliente/Servid r) Sistemas implantads nã atenm plenamente à manda riginada pela expansã da UNIFESP, além da manda reprimida antes da expansã. A UNIFESP nã tem equipe suficiente para implantaçã um nv sistema intern. 5 Junh/ SI3 Definiçã e padrnizaçã arquitetura sistemas e metdlgias senvlvime nt Cmitê Técnic TI Inexistente Cada prcess segue um flux própri e nã ficialmente finid ntr da equipe Execuçã Cntínua 3 SI Frneciment Infrmações Estratégicas Api à Decisã Pró reitrias e Diretrias Acadêmicas Relatóris sã senvlvids pntualmente pr cada Pró Reitria Os atuais sistemas nã geram infrmações para tmadas Deficitária. Nã se tem infrmações em temp real para tmada cisã 5 Junh/

21 Id Requisitante Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticida Praz Impact cisã SI5 Manutençã ds sistemas administrativ s Departamen t Administrati v e diretrias administrativ as Mesmas equipes que senvlvem, realizam a manutençã e seu suprte Deficitária. Equipe pria estar planejand s nvs sistemas. Execuçã Cntínua 5 SI6 Manutençã ds sistemas acadêmics Pró reitrias acadêmicas Pró reitrias acadêmicas e Mesmas equipes que senvlvem, realizam a manutençã e seu suprte Deficitária. Equipe pria estar planejand s nvs sistemas. Execuçã Cntínua 5 SI7 Nvas mandas emergenciais das Pró Reitrias Pró reitrias acadêmicas Pró reitrias acadêmicas e Sistemas senvlvids e implantads internamente (utilizand Scriptcase graduaçã e VB pósgraduaçã) Equipe das Pró reitrias acadêmicas acabam senvlvend sluções pntuais acrd cm suas necessidas, frma nã integrada à estrutura crprativa 5 Execuçã Cntínua 5 SI8 Manutençã e suprte ds sistemas acadêmics mandas emergenciais das Pró Reitrias Pró reitrias acadêmicas Pró reitrias acadêmicas e Mesmas equipes que senvlvem, realizam a manutençã e seu suprte Equipe interna atuand n suprte e manutençã ds sistemas administrativ s. Execuçã Cntínua 5 SI9 Ampliaçã da utilizaçã d Ensin a Distância Pró reitrias acadêmicas Pró reitrias acadêmicas, DIS e Mdle, Breese Equipe EAD d DIS mantém área para api a ensin presencial, prém ainda nã é plenamente utilizad pr tds s campi da UNIFESP Execuçã Cntínua 5 SI1 Sistemas para Hspital e 5 Execuçã 5 21

22 Id Requisitante Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticida Praz Impact 0 Hspital Universitári Universitári Diretria d HU Cntínua SI1 1 Manutençã ds sistemas d Hspital Universitári Hspital Universitári e Diretria d HU Execuçã Cntínua 5 22

23 Suprte Operaçã e Re SOR Id Requisitante Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticida Praz Impact SOR1 Suprte a estações trabalh e infra estrutura re Tdas as unidas Tdas as unidas Atendiment telefônic, presencial u através OS eletrônica Chamads atendids em média em 2h O númer mensal médi slicitações é 300 Telefne e enreç eletrônic únics para pedids suprte na Vila Clementin Execuçã cntínu a 3 SOR2 Manutençã da cnectivida entre campi Expansã da UNIFESP e campi Links insuficiente s para atenr a manda Vi INF8 Execuçã cntínu a SOR3 Suprte as res wireless Tdas as unidas Tdas as unidas Nã há re wireless ficial. Em prcess licitaçã para instalaçã e implantaçã da re wireless. Vi INF9 2 Execuçã cntínu a 3 SOR Gerenciament da Cnfiguraçã Inventári ds dispsitivs re e servidres realizads manualmen te através ferramenta própria. Mens 10% das estações trabalh inventariadas (hardware e sftware) Inventári estações trabalh, servidres e dispsitivs re satualizads 1 Execuçã Cntínu a 3 SOR5 Administraçã ds bancs dads institucinais Tdas as unidas Tdas as unidas Cntrat anual cm cnsultria Aplicaçã patch sets, atualizaçã versã d DB, análise das auditrias, migraçã DB 3 Execuçã cntínu a 3 SOR6 Sluçã Departamen e DA Realizad Cada setr 2 Execuçã 3 23

24 Id Requisitante Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticida Praz Impact serviçs impressã t administrati v maneira nã padrnizad a pssui equipaments própris e tem que prver seus supriments cntínu a SOR7 Administraçã ds servidres re e administradr es lcais Em padrnizaçã. Nã há acrds frmais sbre as respnsabilida s da administraçã ds servidres re partamentai s. Os nvs servidres re estã send instalads ntr uma padrnizaçã que facilita a administraçã Execuçã Cntínu a SOR8 Manutençã ds equipaments re Realizad sb manda. Executad maneira manual e nã suficiente. Questões cm: Atualizaçã firmware, backup cnfiguraçã e cnfigurações segurança e QS. 1 Execuçã Cntínu a 1 SOR9 Manutençã da re física 2 prfissinai s executam a manutençã da re cbre. Nã há manutençã da re interna fibras óticas. Realizad maneira insuficiente para a parte cbre, pr falhas na caia supriments. E nã realizada na re fibras óticas internas. Execuçã Cntínu a 3 SOR1 Hsting e Tdas as Servidres Realizad 1 Execuçã 1 2

25 Id Requisitante Envlvids Sluçã Atual Situaçã Criticida Praz Impact 0 Clcatin servidres re prjets pesquisa unidas alcads n Datacenter d Dept. Infrmática em Saú maneira satisfatória, prém nã há cntrats frmais para a prestaçã sta mdalida serviçs Cntínu a SOR1 1 Serviçs manutençã a equipaments cm sktps, ntebks, mnitres, impressras e periférics em geral. Tdas as unidas Tdas as unidas Inexistente Existência váris equipaments as quais nã tems cndições prestar suprte, nã é vantajs vid à diversificaçã d parque 2 Execuçã cntínu a 2 SOR1 2 Suprte as serviçs telefnia integrada Tdas as Unidas e Dept. Engenharia Nã suprte ficial Nã há atendiment a manda Execuçã cntínu a SOR1 3 Treinament e reciclagem e criaçã manuais para usuáris ns sistemas crprativs /DRH De acrd cm a necessidad e Cada sistema tem sua plítica Execuçã cntínu a SOR1 Definiçã das respnsabilida s suprte e peraçã ds diverss aplicativs implantads Inexistente Os sistemas sã implantads sem cnheciment d 2 Execuçã cntínu a 2 25

26 Planejament das Ações O planejament elabrad a partir das necessidas diagnsticadas n tópic anterir. Para cada necessida intificada sã estabelecidas as metas sejadas e ações a serem realizadas para atingi las. O planejament ações fi dividid nas mesmas áreas d tópic necessidas: Análise e Gestã Serviçs AGS Capacitaçã ds recurss humans CAP Cmunicaçã COM Infra estrutura serviçs INF Segurança da Infrmaçã SEG Sistemas Infrmaçã SI Suprte Operaçã e Re SOR 26

27 Análise e Gestã Serviçs AGS Gerenciament cntrats prestaçã serviçs TI AGS1 Cntinuida serviçs essenciais Cntrle Níveis serviç (SLA Service Level Agreement) Avaliaçã cntinuada serviçs cntratads Gestres/fiscais cntrat capacitads Gerenciament Cicl Vida Serviçs TI Gerenciament d cicl vida cntrats TI (Cntract Life cycle Management) Adçã Sistema gerenciament cntrats Registr prestadres/frnecedres serviçs. Definiçã metdlgias avaliaçã serviçs cntratads Capacitaçã ds servidres que atuam na gestã cntrats serviçs TI. Elabraçã um prcess acmpanhament execuçã cntratual cnfrme rientações d TCU e MP/SISP. AGS2 AGS1.1 AGS1.2 AGS1.3 AGS1. Alinhar s serviçs TI a negóci Realizar análise ds plans negóci AGS2.1 Gerenciar Prtfóli e Catálg Serviçs TI Ambientes teste, hmlgaçã e prduçã Avaliaçã da perfrmance e qualida ds serviçs TI Prduzir prtfóli serviçs Prduzir catálg serviçs Criar um prcess autrizaçã para a inclusã u alteraçã serviçs TI Definiçã metdlgia transiçã serviçs TI Definiçã metdlgias avaliaçã tds s serviçs AGS2.2 AGS2.3 AGS2. AGS2.5 AGS2.6 27

28 Capacitaçã ds recurss humans CAP Mapeament cmpetências e talents CAP1 Mapa cmpetências necessárias a nv cenári TI da UNIFESP Mapeament das cmpetências atuais e talents ds servidres TI da UNIFESP (Banc Talents) Centr invaçã e capacitaçã tecnlgia infrmaçã Definiçã cmpetências necessárias para as crnações e grups TI Mapeament cmpetências atuais e talents das crnações e grups TI CAP2 CAP1.1 CAP1.2 Implantaçã da Bibliteca TI da UNIFESP Implantaçã d Centr invaçã TI da UNIFESP Implantaçã d Centr capacitaçã TI da UNIFESP Sistema Gestã d cnheciment Criaçã da Bibliteca Definiçã áreas cnheciment estratégicas para api a, DGI, DSI e equipes TI Pró Reitrias e campi Realizar mapeament bibligrafia: livrs e periódics TI Aquisiçã ds livrs e periódics TI Definiçã rçament para setr a fim atenr a aquisiçã s livrs e periódics TI da UNIFESP Criaçã d Centr invaçã Definiçã ds grups pesquisa e equipe servidres para cada grup Cntrataçã nvs servidres para nvs u grups pesquisa ficitáris Definiçã rçament para setr Criaçã d Centr capacitaçã TI da UNIFESP Definiçã e cntrataçã instrutres e empresas que prestam serviç capacitaçã Definiçã das priridas curss e vagas a serem ferecids a partir d Mapa cmpetências necessárias Definiçã rçament para setr a fim atenr a realizaçã curss capacitaçã às equipes TI da UNIFESP CAP3 CAP2.1 CAP2.2 CAP2.3 CAP2. CAP2.5 CAP2.6 CAP2.7 CAP2.8 CAP2.9 CAP2.10 CAP2.11 CAP2.12 CAP

29 Implantaçã um Sistema Gestã d cnheciment Definiçã d grup pesquisa e senvlviment sse sistema Desenvlviment um Sistema Gestã d cnheciment TI da UNIFESP CAP3.1 CAP3.2 29

30 Cmunicaçã COM Ví e web cnferências e ví streaming para fins acadêmics e administrativs. COM1 Implantaçã salas reuniões cm equipaments ví cnferência stinads a técnics, dcentes e discentes. Implantaçã salas aula cm equipaments ví e web cnferência stinads a dcentes e discentes Mrnizaçã d Teatr Marcs Linnberg (Vila Clementin) e Teatr Adamastr Pimenta (Guarulhs) cm equipaments Web cnferência stinada agravaçã e transmissã Events (Slenidas, Cngresss, Palestras, Semináris, Culturais, etc.) Telas LCD para cnteúd infrmativ Levantament ds padrões sftware, prtcls e recurss já utilizads na instituiçã. Levantament das sluções existentes n mercad em bservância as padrões já adtads na instituiçã. Definiçã ds lcais instalaçã das salas em cada um ds campi, em cnjunt cm a Pró Reitria Administraçã e Diretrias Administrativas ds campi, bservand cndições iluminaçã, lcalizaçã e acústica. Aquisiçã equipaments e serviçs para a implantaçã. Levantament ds padrões sftware, prtcls e recurss já utilizads na instituiçã. Levantament das sluções existentes n mercad em bservância as padrões já adtads na instituiçã. Desenvlviment prjet prjet técnic integraçã tecnlgia e engenharia. Definiçã ds lcais instalaçã das salas em cada um ds campi, em cnjunt cm a Pró Reitria Administraçã e Diretrias Administrativas ds campi, bservand cndições iluminaçã, lcalizaçã e acústica. Levantament ds padrões sftware, prtcls e recurss já utilizads na instituiçã. Levantament das sluções existentes n mercad em bservância as padrões já adtads na instituiçã. Desenvlviment prjet prjet técnic integraçã tecnlgia e engenharia. COM2 COM1.1.1 COM1.1.2 COM1.1.3 COM1.1. COM1.2.1 COM1.2.2 COM1.2.3 COM1.2. COM1.3.1 COM1.3.2 COM

31 Utilizaçã Telas LCD para cmplementar as ações cmunicaçã infrmes e events da Intranet, cartazes eletrônics, clips ntícias e transmissões slenidas em área circulaçã Interna, cm uma TV crprativa, via WEB. Re scial interna Definiçã ds lcais instalaçã telas em cada um ds campi, em cnjunt cm a Pró Reitria Administraçã, Engenharia e Diretrias Administrativas cada um ds campi. Desenvlviment sftware para transmissã infrmações e gra prgramaçã integrada à intranet. Aquisiçã equipaments e serviçs para a implantaçã COM3 COM2.1 COM2.2 COM2.3 Criaçã site para membrs da cmunida UNIFESP interagirem virtualmente Dispnibilizaçã ferramentas web atuais n site da UNIFESP Criaçã cntas ficiais da UNIFESP em sites relacinament Repsitóri Objets Multimídia Avaliaçã ferramentas existentes Definiçã serviçs a serem ferecids Avaliaçã ferramentas existentes Definiçã serviçs a serem ferecids Avaliaçã ferramentas existentes Definiçã serviçs a serem ferecids COM COM3.1 COM3.2 COM3.3 COM3. COM3.5 COM3.6 Implementaçã d repsitóri Objets Multimídia Divulgaçã d repsitóri Estud das sluções dispníveis em Open Surce COM.1 Plíticas us ds recurss ferecids Definiçã plíticas us COM.2 31

Plano Diretor de Tecnologia da Informação Universidade Federal de São Paulo PDTI UNIFESP 2010/2011

Plano Diretor de Tecnologia da Informação Universidade Federal de São Paulo PDTI UNIFESP 2010/2011 Plan Diretr Tecnlgia da Infrmaçã Universida Feral Sã Paul P UNIFESP 2010/2011 Versã preliminar cmplet 07/0/2010 1 Sumári Sumári... 2 Plan Diretr Tecnlgia da Infrmaçã (P) da Universida Feral Sã Paul (UNIFESP)

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI.

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI. Cnstatações 1.1.3.1 Ausência de prcess de mnitrament e avaliaçã da execuçã d PDTI. 1.1.3.2 Cmitê de TI nã atuante e inefetiv. 1.1.3.3 Quantidade insuficiente de servidres para a gestã de TI. 1.1.3.4 Falhas

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

SIG Sistema Integrado de Gestão

SIG Sistema Integrado de Gestão SIG Sistema Integrad de Gestã SIGRH -Sistema Integrad de Gestã de Recurss Humans Gustav Bertld Quatrin Deivid Firin Agenda Cntextualizaçã Visã Geral ds seguintes sistemas: SIPAC, SGPP, SIGAA, SIGADMIN,

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE Institut Instituiçã fcada na geraçã de sluções para a implementaçã e gestã pedagógica de Núcles de Treinament e Capacitaçã de prfissinais e acadêmics

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO AGOSTO/2011 Presidenta da República Dilma Russeff Ministr da Educaçã

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial;

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial; CURSO: ADMINISTRAÇÃO SEMESTRE: 5 DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE CARGA HORARIA: 80 HORAS / AULAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ementári: Nções de sistemas de infrmaçã e seus cmpnentes, seus tips e principais aplicações

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO Item 01 02 03 04 05 06 Refere a dcument PQN-02 PQN-02 07 PQN-05 08 09 10 Identificaçã Nme d registr Cntrle de emissã e distribuiçã de dcuments Matriz ds registrs da qualidade Ficha de cntrle de atualizações

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Traz para sua empresa:

Traz para sua empresa: Traz para sua empresa: Link Internet para Prfissinais Liberais, Pequenas e Médias Empresas e inclusive as Grandes Empresas Características Nex Cnnect Small Business é serviç de Link Internet destinad às

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Guia de Leitura do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Guia de Leitura do Plano Diretor de Tecnologia da Informação Guia de Leitura d Plan Diretr de Tecnlgia da Infrmaçã O Plan Diretr de Tecnlgia da Infrmaçã (PDTI) é um instrument de diagnóstic, planejament e gestã ds recurss e prcesss de Tecnlgia da Infrmaçã (TI).

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Intranet Municipal

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Intranet Municipal Intranet Municipal Sumári INTRODUÇÃO... 3 O que é Intranet... 3 HISTÓRICO DO DOCUMENTO... 3 BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DE UMA INTRANET... 4 CONCEITUANDO UMA INTRANET... 4 PRINCIPAIS VANTAGENS NA UTILIZAÇÃO

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

Essentra BAX Application Server IPCentrex (SoftSwitch, Classe 5)

Essentra BAX Application Server IPCentrex (SoftSwitch, Classe 5) Essentra BAX Applicatin Server IPCentrex (SftSwitch, Classe 5) O Applicatin Server Essentra BAX tem cm tarefa principal dar máxim de facilidades para usuári de uma rede de telecm prvend serviçs que vã

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Infrmações Institucinais 1.1.1 Caracterizaçã, Missã e Objetivs O BNDES é uma empresa pública federal dtada de persnalidade

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1 Sã Paul, 26 de dezembr de 2005 Plan Prmcinal de Frneciment de Infra-estrutura de Acess a Serviçs Internet de Banda Estreita Dial Prvider 1 Telecmunicações de Sã Paul S.A - TELESP. ( Telesp ), tend em vista

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

PLANEJAMENTO - 2012 GESTÃO 2012-2015

PLANEJAMENTO - 2012 GESTÃO 2012-2015 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia Catarinense Câmpus Santa Rsa d Sul PLANEJAMENTO - 2012 GESTÃO 2012-2015 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia Catarinense Câmpus Santa Rsa d Sul

Leia mais

Gestão Sindical Eficiente

Gestão Sindical Eficiente Gestã Sindical Eficiente Apresentaçã O Agile Sindical é a sluçã para apiar a implementaçã de uma gestã estruturada das atividades sindicais. A sluçã apresenta móduls para gerenciament ds prcesss-chave

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Modelo de Gestão de Portfólio de Projetos de TIC

Modelo de Gestão de Portfólio de Projetos de TIC Mdel de Gestã de Prtfóli de Prjets de TIC Versã 1.0 Mai de 2015 INDICE HISTÓRICO DE VERSÕES... 4 COMPOSIÇÃO... 5 1. INTRODUÇÃO... 6 1.1 REFERÊNCIAS... 6 1.2 SIGLAS E ACRÔNIMOS... 6 1.3 PREMISSAS... 7 1.4

Leia mais

Onde estamos. Campus Santa Rita do Sapucaí MG. Escritório São Paulo SP WTC - World Trade Center - 18º andar

Onde estamos. Campus Santa Rita do Sapucaí MG. Escritório São Paulo SP WTC - World Trade Center - 18º andar Onde estams Campus Santa Rita d Sapucaí MG Escritóri Sã Paul SP WTC - Wrld Trade Center - 18º andar Santa Rita d Sapucaí MG Vale da Eletrônica +40 mil Habitantes R$ 2.7 bi Faturament d setr em 2014 +14.000

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa Serviçs Cnsultria Treinament Lgís5ca Reversa Cnsul'ng Prjets de Supply Chain Implementaçã de Sistemas Lgís5cs Diagnós5c Operacinal Oprtunidades de Reduçã de Cust Reestruturaçã de Operações Lgís5ca Internacinal

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS AUXILIAR DE SECRETARIA Organizar e manter atualizad serviç de escrituraçã esclar. Redigir fícis, expsições de mtivs, atas, declarações, certidões de cntagem

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

DBA Sybase Nº vagas: 01

DBA Sybase Nº vagas: 01 Sã Lepld, 16 de agst de 2012 A HCL é uma empresa de 6,2 bilhões dólares líder glbal em tecnlgia e TI que cmpreende duas empresas listadas na Índia - a HCL Technlgies e a HCL Infsystems. Fundada em 1976,

Leia mais