MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO AGOSTO/2011

2 Presidenta da República Dilma Russeff Ministr da Educaçã Fernand Haddad Reitr Jsé Carls Tavares Carvalh Vice Reitr Antni Sergi Mnteir Filcrea Pró-reitria de Administraçã e Planejament Selniel Barrs ds Reis DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Diretr Rafael Pntes Lima Setr de Suprte e Manutençã Jeffersn da Silva Martins Setr de Redes e Infraestrutura Paul Rbert Alves Setr de Desenvlviment de Sistemas Rbsn Rdrigues Neves Setr de Capacitaçã Rhyan Wad Pantja de Carvalh

3 Equipe de Elabraçã d PDTIC Crdenadr d Prcess Rafael Pntes Lima Elabradres (respnsáveis pel cnteúd) Rafael Pntes Lima Jeffersn Martins Paul Rbert Alves Clabradres Eventuais Rbsn Rdrigues Neves Jsé Luis Sares Batista Rhyan Wad Samir Patrice

4 SUMÁRIO INDICE DE ILUSTRAÇÕES... 5 INDICE DE TABELAS... 6 INTRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DIAGNÓSTICO DOS FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA TI ADEQUAÇÃO DO PRÉDIO DO NTIC INVENTÁRIO DE NECESSIDADES DIAGNÓSTICOS DE NECESSIDADES PLANO DE METAS E AÇÕES BENEFÍCIOS DO PDTI PROCESSO DE MANUTENÇÃO DO PTDI BIBLIOGRAFIA... 39

5 INDICE DE ILUSTRAÇÕES Fig01 Organgrama Prpst para DINFO...16 Fig02 Prcess de Manutençã d PDTIC...34

6 INDICE DE TABELAS Tab-01 Legenda das Necessidades...21 Tab-02 Diagnóstic das Necessidades...22 Tab-03 Plan de Metas e Ações...26 Tab-04 calendári de revisã d PDTIC...34

7 7 INTRODUÇÃO N an 2000, Gvern Brasileir prmulgu uma nva Plítica Nacinal de Gestã da Tecnlgia da Infrmaçã e da Cmunicaçã, a decretar em 03 de abril de 2000 a criaçã d Gvern Eletrônic. Esta plítica trna-se balizadr para ações estratégicas ds órgãs gvernamentais. Segund Cmitê Gestr d Prgrama de Gvern Eletrônic, as ações d prgrama pririzam us das tecnlgias da infrmaçã e cmunicaçã (TIC's) para demcratizar acess à infrmaçã, visand ampliar debate e a participaçã ppular na cnstruçã das plíticas públicas, cm também aprimrar a qualidade ds serviçs e infrmações públicas prestadas. O Gvern Eletrônic u E-GOV, visa ainda transfrmar a relaçã d gvern cm a sciedade e prmver interatividade cm cidadãs, empresas e órgãs gvernamentais melhra prcess de demcratizaçã d país, dinamiza s serviçs públics e prprcina uma administraçã pública mais eficiente, já que, agra, a sciedade pssui instruments para se manifestar junt às ações gvernamentais. Lg, a partir a criaçã d E-GOV, s órgãs de gvern passaram a adtar plíticas de us das Tecnlgias da Infrmaçã em Cmunicaçã (TIC), alinhadas e integradas às suas ações estratégicas e administrativas. As Universidades Públicas Federais de Ensin Superir, balizadas pr nrmas e diretrizes d Ministéri da Educaçã e Cultura (MEC), passam adtar em seu Prjet Institucinal (PI), Prjets Plítics Pedagógics (PPP) e n seu Plan de Desenvlviment Institucinal (PDI) ações que alinham as plíticas de TIC às plíticas administrativas e pedagógicas que nrteiam estad atual e planejament futur, visand desenvlviment da instituiçã. A Unifap seguind rientações e nrmas estabelecidas pel MEC, e pels órgãs de cntrle cm Tribunal de Cntas da Uniã (TCU), Crregedria Geral da Uniã (CGU), Secretaria de Lgística e Tecnlgia da Infrmaçã (SLTI) d Ministéri d Planejament, Orçament e Gestã (MPOG), inicia em 2011 a criaçã d seu Plan Diretr de Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã (PDTI), cm bjetiv de alinhar as plíticas de TIC às metas e planejaments estabelecids ns PPP e PDI para desenvlviment da instituiçã. O desenvlviment e criaçã d primeir Plan Diretr de Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã (PDTIC 2011) representa a definiçã e dcumentaçã d cnjunt de estratégias definidas pel Departament de Infrmática da Unifap (DINFO/UNIFAP), para agregar máxim de valr estratégic às suas partes interessadas. A partir de uma filsfia de alinhament ttal cm as diretrizes institucinais, que é a base de sustentaçã d sistema de

8 8 trabalh d DINFO, s prcesss, prduts e serviçs sã desenhads para garantir uma cultura interna vltada a garantir psiçã de destaque n segment de Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã (TIC) para Instituições de Federais de Ensin Superir (IFES). Esta primeira versã d PDTIC vem cnslidar empenh, determinaçã e capacidade técnica da equipe d DINFO n intuit de atender as rientações ds órgãs de cntrle, mas principalmente em garantir a qualidade ds serviçs e prduts desenvlvids. Lg, este dcument, em sua primeira versã, trna-se uma matriz que será revisada anualmente. O dcument tem cm referencia metdlógica para a sua cnstruçã mdel de referencia prvid pela SLTI. E visa à definiçã de diretriz para planejament, execuçã, cntrle e avaliaçã ds prjets, prcesss e atividades executads pela UNIFAP n que se refere à Tecnlgia da Infrmaçã. Buscand se trnar uma ferramenta efetiva de api a alinhament ds bjetivs d departament de TI cm s da instituiçã. Esta primeira versã d PDTIC estabelece diretrizes para um períd de 3 ans ( ), cnfrme períd estabelecid para PDI da UNIFAP. N entant este dcument deve ser um dcument dinâmic e interativ, para estruturar as estratégias, as táticas, s sistemas de infrmaçã e a infra-estrutura de TI necessárias para atendiment das decisões, ações e respectivs prcesss da rganizaçã, revisad e atualizad anualmente. O PDTIC é uma ferramenta indispensável para tmada de decisã, que fi cnstruíd a partir d Planejament Estratégic da UNIFAP. Aqui será elencada uma serie critéris fundamentais para frmulaçã de parâmetrs de cmpreensã d atual grau de maturidade d departament de TI da UNIFAP, para pder prjetar que a TI alcançará em um futur próxim.

9 9 1. CARACTERIZAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA O Departament de Infrmática da UNIFAP (DINFO), teve sua estrutura rganizacinal alterada na 1ª Reuniã d Cmitê Gestr de Tecnlgia da Infrmaçã, em març/2012, qual deliberu sbre a substituiçã da nmenclatura de Departament de Infrmática, para Núcle de Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã (NTIC), subrdinad a Reitria. N entant, s dcuments que irã prmver esta alteraçã ainda tramitam n Cnselh Diretr da UNIFAP, aguardand sua hmlgaçã, cnfrme prpsta de reestruturaçã anexa a este dcument. Para elabraçã d PDTI, mante-ve a estrutura atual enquant Departament de Infrmática (DINFO) e, ainda neste dcument, apresenta-se a nva estrutura rganizacinal d Núcle de Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã (NTIC). Assim, Departament de Infrmática (DINFO) enquant unidade administrativa ligada a PROAP - Pró-Reitria de Administraçã e Planejament e, de acrd cm Art. 36 d Regiment Geral da Instituiçã, tem cm bjetiv: participar da elabraçã d plan glbal de desenvlviment da UNIFAP; assessrar Cmitê Gestr de Tecnlgia da Infrmaçã quant a elabraçã d Plan Diretr de TI e quant a planejament estratégic de metas para a área de TI da UNIFAP; assessrar Cmitê de Segurança da Infrmaçã quant a elabraçã de Plíticas de Segurança da Infrmaçã; rganizar, gerenciar e cntrlar tds s esfrçs e iniciativas de utilizaçã da tecnlgia da infrmaçã e cmunicaçã ns prcesss mei e fim da UNIFAP; desenvlver e manter ferramentas autmatizadas (sistemas) que frneçam infrmações a tds s setres da instituiçã; definir plíticas e cuidar da segurança das infrmações da UNIFAP veiculadas em mei eletrônic; capacitar s usuáris da instituiçã n us de tecnlgia da infrmaçã de frma adequada; divulgar as ações e plíticas de Tecnlgia da Infrmaçã. MISSÃO Identificar, desenvlver, implantar e gerenciar sluções que utilizem a tecnlgia da infrmaçã e cmunicaçã cm ferramenta para a UNIFAP desempenhar melhr suas atividades de ensin, pesquisa e extensã.

10 10 VISÃO O DINFO quer ser recnhecid cm uma das unidades que cntribui de frma eficiente cm desenvlviment da Universidade e d Estad d Amapá, através de sluções tecnlógicas em infrmática e cmunicaçã. PRINCÍPIOS E DIRETRIZES Cm princípis e diretrizes, DINFO valriza, estimula e adta práticas que cntemplem s mdels de referência de bas práticas em gestã e gvernança de TI, a utilizaçã de sftware livre e a adçã de padrões de interperabilidade estabelecidas a nível federal. A seguir sã listads alguns princípis que devem permear tds s órgãs de Gvern que adtam as Plíticas de Gvern Eletrônic, tal cm a UNIFAP, uma vez que tdas as ações previstas neste dcument sã balizadas em tais princípis prpsts pel gvern federal. Us de Sftware Livre Gestã d Cnheciment Racinalizaçã de Recurss Aderência a padrões de gvern e bas práticas de Gvernança Aprimrar a gestã rçamentária de TI Aperfeiçar a gestã de prcesss de TI Interperabilidade de sistemas cm baix acplament A aplicaçã destes princípis pel DINFO busca prmver diretrizes que garantam as bas praticas e rientações determinadas pels dcuments e nrmas gvernamentais. As ações praticadas pel departament de infrmática pdem ser definidas pr: Apiar a Missã e s Objetivs da UNIFAP O desenvlviment e aplicaçã de metas, prjets e investiments em TI devem ser rientads pels seguintes fatres: Buscar ferecer de frma eficiente para a cmunidade acadêmica ferramentas aprpriadas para melhr desempenh das suas atividades; Suprte priritári as serviçs de TI já implantads;

11 11 Prmver um ambiente estável e segur d pnt de vista tecnlógic; As tmadas de decisã deverã ser balizadas pels seguintes critéris: Adesã a missã da UNIFAP Demandas internas e Externas Relaçã cust-benefíci Qualidade almejada Descentralizaçã ds prcesss. Gerir ambiente de TI da UNIFAP: A TI dever ser gerida buscand maximizar valr a ser agregad as bjetivs da instituiçã a luz da realidade vivida pels órgãs públics de recurss limitads, para tal departament de TI deverá: Estabelecer e acmpanhar plíticas, prcediments e nrmas que assegurem us cerente ds serviçs de TI da instituiçã; Padrnizar ferramentas e platafrmas; Adtar melhres práticas de mercad; Melhrar cntinuamente a eficiência peracinal através de analise e realinhament ds bjetivs e recurss adtads; Induzir a gestã d cnheciment visand facilitar a manutençã e peraçã da infra-estrutura, sistemas e serviçs existentes; Sempre que pssível reutilizar e nã reinventar; Avaliar criterisamente cust-benefíci de cmprar sluções em relaçã a desenvlviment intern. Prver infrmações e transparência das ações vltadas a TI: A prestaçã de cntas cm a cmunidade acadêmica das ações de TI, bem cm levar a cnheciment da cmunidade infrmações sbres s serviçs de TI é um fatr critic de sucess, para tal algumas medidas devem ser tmadas, entre elas incluem: Usar a estrutura de gvernança existente na UNIFAP cm Cmitê Gestr de TI, Cmitê de Segurança da Infrmaçã e

12 12 CONSU para discutir pções, alternativas e priridades em relaçã às decisões vltadas a TI; Divulgar ns meis de cmunicaçã da UNIFAP, cm Site, e Intranet, amplamente as decisões, nrmas e prcediments vltadas às ações e plíticas de TI; Prmver a transparência e a clabraçã nas ferramentas de planejament e gestã de TI. ANÁLISE E DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO A administraçã e s gestres devem ter adequad equilíbri de cnheciment entre s fatres interns e externs da instituiçã. Para tal, listams s pnts frtes e fracs, tal cm as ameaças de riscs e prtunidades que expressam a realidade atual d Departament de Infrmática da UNIFAP. Assim, chegams a psicinament estratégic glbal que indica a adçã de uma Estratégia de Manutençã, u seja, atuaçã de frma equilibrada, buscand nvas prtunidades sem se descuidar das fraquezas levantadas pel grup gestr. AMBIENTE INTERNO Pnts Frtes Cmprmetiment d pessal Autnmia n planejament e na execuçã de prjets Decisã clegiada entre s membrs da equipe de TI Cmpartilhament intern de infrmações Liberdade de invaçã e prpsiçã de nvas sluções Funções gerenciais cm pessas d quadr efetiv Pririzaçã da esclha ds gestres pr cmpetências Participaçã em events da área de TI Implantaçã d Cnselh Gestr TI Prjeta sluções pensand n us intern e extern Prcesss cm frma de alinhament cm s negócis Capacitaçã/frmaçã da equipe Pnts Fracs Participaçã em Reuniões de Gestã Institucinal Sbrecarga de trabalh ds servidres d DINFO Falta de experiência prfissinal d pessal

13 13 Espaç físic inadequad Falta de acmpanhament d desempenh gerencial Falta de Prcesss de auditria Ausência de indicadres e metas frmalizadas Ausência de plíticas e nrmas frmalizadas Falta de funções cmissinadas vltadas a gestã de TI Maturidade inicial ds prcesss de desenvlviment de sftware, gerenciament de prjets e gestã de serviçs Nã participaçã n planejament rçamentári e definiçã de priridades que envlvem a área de TI AMBIENTE EXTERNO OPORTUNIDADES Prjets clabrativs cm utrs órgãs u entidades Relacinament cm órgãs e entidades externas Interaçã cm dcentes e discentes ds curss de Engenharia Elétrica e de áreas afins a TI. Participaçã n desenvlviment reginal d Amapá Liberdade e invaçã Aquisições de TIC descentralizadas Participaçã em prjets da RNP AMEAÇAS Mudanças ns bjetivs estratégics da Instituiçã e d Gvern Federal Plan de carreira ds cargs da área de TIC estã cm valres muit inferires a d mercad 2. DIAGNÓSTICO DOS FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO Três cmpnentes essenciais frmam lócus central d planejament de TI. Essas sã infra-estrutura, sistemas de infrmações, serviçs e capacitaçã. Cada cmpnente suprta s elements essenciais a api às atividades administrativas e acadêmicas. Para cada cmpnente, um cnjunt de princípis rientadres e diretrizes fi elencad:

14 14 Infra-Estrutura: sã elements d ambiente de tecnlgia que frnecem s recurss fundamentais para s sistemas e s serviçs, cm ativs de cabs e de fibras ópticas de rede, armáris de cmunicaçã, servidres, centr de prcessament de dads, labratóris e utrs. Princípis: A infra-estrutura dever ser suficientemente rbusta para suprtar as necessidades ds sistemas de infrmações bem cm a demanda pr internet, e serviçs de redes e cmunicaçã infrmacinal; O investiment cntínu em infra-estrutura é necessári para entrega estável e manutençã da qualidade ds serviçs. Diretriz Criar e manter uma infra-estrutura dispnível e segura; Manter parque tecnlógic atualizad em relaçã as ferramentas e equipaments dispníveis n mercad de TI. Implantar infra-estrutura baseadas em nrmas da ABNT Sistemas de Infrmaçã: Sã aplicações de cmputadres usads para gestã acadêmica, administrativa, manipulaçã e transmissã das infrmações da universidade. Adequada cncepçã, implantaçã, manutençã e gestã ds sistemas sã fatres crítics para funcinament da UNIFAP. Princípis Os sistemas devem ser cncebids e mantids para garantir a cnfiabilidade ds dads; Os sistemas devem prmver / habilitar a eficiência peracinal; Gerenciament centralizad de sistemas; Os sistemas devem cumprir requisits legais, plíticas e prcediments; Diretrizes Desenvlver instruments que facilitem a cmpreensã d Cmitê Gestr de TI sbre s sistemas; Aprveitar e maximizar us da infra-estrutura e das infrmações existentes; Implantar prcesss padrnizads de desenvlviment de sftwares. Serviçs: sã meis de entregar valr as clientes, facilitand s resultads que s clientes querem alcançar, sem terem que se precupar

15 15 cm a tecnlgia envlvida. A escassez de recurss exige uma análise cuidadsa na identificaçã ds serviçs que sã mais crítics. Princípis Os serviçs devem ser claramente definids e dcumentads; Os serviçs devem evluir de frma cntinua a satisfazer a necessidades d cliente e respnder as mudanças ds avançs tecnlógics. Diretrizes Cnhecer s serviçs que estã send entregues; Entender valr que serviç tem para usuári; Garantir que s resultads realmente facilitem a metas a serem alcançadas pels clientes; Cnslidar e integrara serviçs redundantes; Definir e dcumentar serviçs; Prmver a publicidade ds serviçs fertads. Capacitaçã: Sã curss e treinaments que visem difundir cnheciment sbre as tecnlgias de infrmaçã e cmunicaçã dispníveis n mercad e/u desenvlvida pel departament de infrmática da UNIFAP. Muits servidres, dcentes e discentes sã leigs quant as ferramentas cmputacinais e demandam pr curss da área de TI para bm us e desenvlviment das suas atividades funcinais. Princípis Os curss devem ser vltads para a melhria d desenvlviment das atividades funcinais ds servidres da UNIFAP; A capacitaçã deve estar pautada em material didátic adequad a linguagem técnica e acessível a nível de cnheciment d usuári. Os curss devem ser divulgads e acessíveis a tds s usuáris da UNIFAP. Diretrizes Cnhecer a necessidade de capacitaçã ds usuáris; A entrega ds prduts de sftware e serviçs deve ser precedida pr curss de capacitaçã para adequad us das ferramentas. Prmver a publicidade ds curss e material didátic.

16 16 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA TI Atualmente Departament de Infrmática (DINFO) da UNIFAP nã cnta cm uma estrutura de setres definidas ficialmente em seu rgangrama. Cm a alteraçã da nmenclatura de Departament de Infrmática (DINFO) subrdinad a PROAP, para Núcle de Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã (NTIC), subrdinad a Reitria, prpõe-se a ficializaçã da nva estrutura rganizacinal a seguir, cnfrme Anex-01, que trata da rerganizaçã funcinal d NTIC. O NTIC, de acrd cm as necessidades definidas, deve ser cmpst basicamente pels seguintes setres: Núcle de Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã (NTIC); Secretaria Administrativa; Divisã Suprte e Manutençã; Divisã de Redes e Telecmunicaçã; Divisã de Desenvlviment de Sistemas; Divisã de Capacitaçã; Crdenaçã de TI ns campi da UNIFAP (setr d NTIC ns campi); Núcle de Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã Secretaria Divisã de Suprte (Help Desk) Divisã de Redes e Telecmunicaçã Divisã de Desenvlviment e de Sistemas Cmputacinais Divisã de Capacita çã Setr de Segurança (cntrle de usuáris, nrmas de us) Setr de Telefnia Setr de WEB e AVA Setr de desenvlviment e Manutençã de Sistemas Fig01 Organgrama Prpst para NTIC

17 17 Cada setr terá um respnsável indicad pel Diretr d NTIC e designad pel Reitr. Atribuições das áreas de atuaçã Diretr d Núcle de Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã Instrumentalizar Cmitê Gestr de Tecnlgia da Infrmaçã cm infrmações gerenciais relacinadas à Tecnlgia da Infrmaçã e da Cmunicaçã, n âmbit da UNIFAP; exercer as funções de Núcle de Tecnlgia da Infrmaçaõ, clabrand cm a alta administraçã da UNIFAP, na análise e prpsições de mecanisms, prcesss, e ats nrmativs, cm vistas a cntínu aperfeiçament das atividades desenvlvidas; prmver a articulaçã cm tds s setres da UNIFAP, infrmand e rientand quant a cumpriment das nrmas vigentes sbre us de bens e serviçs de Tecnlgia da Infrmaçã e da Cmunicaçã; exercer as funções de Unidade de Mnitrament e de Avaliaçã, de md a ferecer subsídis técnics na definiçã de cnceits e ds prcediments específics nas ações relativas a Plan Diretr de Tecnlgia da Infrmaçã e da Cmunicaçã, n âmbit da UNIFAP; planejar, crdenar, gerir e supervisinar s prjets das áreas de desenvlviment de sistemas, suprte e manutençã de equipaments, redes e telecmunicaçã e capacitaçã em Tecnlgia da Infrmaçã e da Cmunicaçã; estabelecer e crdenar a execuçã da plítica de segurança de Tecnlgia da Infrmaçã, n âmbit UNIFAP; definir e adtar metdlgia de desenvlviment de sistemas e crdenar a prspecçã de nvas Tecnlgias de Infrmaçã e da Cmunicaçã n âmbit da UNIFAP;

18 18 prmver ações visand garantir a dispnibilidade, a qualidade e a cnfiabilidade ds prcesss, prduts e serviçs de Tecnlgia da Infrmaçã e da Cmunicaçã, n âmbit da UNIFAP; crdenar, supervisinar, rientar, acmpanhar e avaliar a elabraçã e execuçã ds plans, prgramas, prjets e as cntratações estratégicas de Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã da UNIFAP; planejar e implementar estratégias de sluções de Tecnlgia da Infrmaçã e da Cmunicaçã, de acrd cm as diretrizes definidas pel Cmitê Gestr de Tecnlgia da Infrmaçã; garantir que s prduts e serviçs relativs à Tecnlgia da Infrmaçã e da Cmunicaçã sejam cnduzids de acrd cm a legislaçã pertinente; e representar institucinalmente a UNIFAP em assunts de Tecnlgia da Infrmaçã e da Cmunicaçã. Secretaria Administrativa: Crdenar e realizar s serviçs gerais da secretaria; Receber, crdenar e distribuir s serviçs slicitads as setres d DINFO; Elabrar, junt cm a Diretria d DINFO, crngrama de curss e events ferecids pel DINFO; Gerenciar e crdenar a utilizaçã da Bibliteca de Infrmática d DINFO, pr usuáris em geral. Divisã de Redes e Telecmunicaçã O setr de redes e telecmunicaçã será respnsável pela manutençã, expansã, cnfiguraçã, administraçã e gerenciament da rede e da telefnia da Unifap e da cnexã desta cm a Internet, tant a nível físic (Hardware) cm lógic (sftware), de acrd cm Plan Diretr de Infrmática. Cmpete a respnsável pel setr de redes e telecmunicaçã:

19 19 Assessrar Cmitê Gestr de Segurança da Infrmaçã na elabraçã de plíticas que visem garantir a segurança da infrmaçã eletrônica na UNIFAP; Instrumentalizar a diretria d NTIC cm infrmações gerenciais relacinadas a gestã de segurança da infrmaçã, infraestrutura de redes e telecmunicaçã; Manter em funcinament a rede da Universidade, dispnibilizand e timizand s recurss cmputacinais para s usuáris; Garantir a integraçã da rede UNIFAPNET cm Backbne d Pnt de Presença da RNP, acatand as nrmas técnicas definidas para a utilizaçã da UNIFAPNET; Cntrlar acess ds usuáris da Universidade à rede UNIFAPNET; Garantir a integridade ds dads ds usuáris da rede UNIFAPNET, gerenciand e prpnd plíticas de segurança; Cntrlar e gerenciar s sistemas peracinais e aplicativs ds cmputadres cnectads à rede da Universidade; Gerenciar e dar manutençã as serviçs de infrmaçã via rede de cmputadres, mantids pela Universidade; Gerenciar e dar manutençã as serviçs de telefnia PABX analógica e Digital e telefnia Vz sbre IP; Prpr, desenvlver e implantar ampliações na rede e ns serviç de telefnia da Universidade; Desenvlver e implantar treinament de utilizaçã da rede da Universidade e ds sistemas de infrmaçã via rede de cmputadres mantids pela Universidade; Apresentaçã d relatóri semestral de atendiments (númer, tip de atendiments, bem cm temp médi entre chamadas e atendiments e funcináris envlvids).

20 20 Prduçã e distribuiçã de dcumentaçã e infrmações inerentes às aplicações da área; Seguir as nrmas e prcediments técnics definids pelas instâncias superires da administraçã de redes da Universidade. Divisã de Suprte a Usuári Instrumentalizar a diretria d NTIC cm infrmações gerenciais relacinadas as serviçs de suprte e atendiment de usuáris e quant a manutençã de equipaments e serviçs; Assessrar n planejament de nrmas e plíticas que estabeleçam regras para us e aquisiçã ds equipaments de infrmática; Suprte técnic as usuáris da Universidade; Prvidenciar a instalaçã e cnfiguraçã de nvs periférics e sftwares devidamente dcumentads; Prmver a capacitaçã e aperfeiçament ds usuáris através de treinament e curss; Manter um cadastr de equipaments de infrmática e sftwares da Universidade; Gerenciament da agenda de atendiment as usuáris; Gerenciament da agenda de licenças de hardware da Universidade; Apresentaçã d relatóri mensal de atendiments (númer, tip de atendiment, bem cm temp médi entre chamadas e atendiments e funcináris envlvids). Prduçã e distribuiçã de dcumentaçã e infrmações inerentes às aplicações da área; Seguir as nrmas e prcediments técnics definids pelas instâncias superires da administraçã de suprte e manutençã da Universidade.

21 21 Divisã de Desenvlviment de Sistemas Cmputacinais Instrumentalizar a diretria cm infrmações gerenciais relacinadas as sistemas utilizads e mantids pel NTIC; Assessrar n planejament ds prcediments que definam prcess de desenvlviment de sistemas; Assessrar quant às plíticas de us e gestã ds usuáris ds sistemas implantads na UNIFAP; Assessrar quant às plíticas de segurança da infrmaçã a serem adtads n us e desenvlviment ds sistemas; Definir s prcediments e metdlgia para desenvlviment de sistemas; Efetuar s levantaments de dads e estuds de viabilidade para definir bjetivs, estabelecer requisits e definir diretrizes para s prjets de sistemas; Desenvlver e implantar prjets de sistemas de infrmaçã; Efetuar s levantaments de dads e estuds de viabilidade para definir bjetivs, estabelecer requisits e definir diretrizes para s prjets de Prtais WEB da Universidade; Efetuar s levantaments de dads e estuds de viabilidade para definir bjetivs, estabelecer requisits e definir diretrizes para s prjets de Ambientes Virtuais de Aprendizagem; Desenvlver e implantar Prtais de Prfessres e Departaments; Desenvlver e implantar Ambientes Virtuais de Aprendizagem para Prfessres e Departaments; Dcumentar sistema e dar treinament as usuáris; Realizar manutenções ds sistemas e prgramas implantads; Acmpanhar a implantaçã de sistemas realizads pr pessal extern; Administrar e realizar manutençã ns sistemas de infrmaçã;

22 22 Apresentaçã d relatóri semestral de atendiments (númer, tip de atendiment, bem cm temp médi entre chamadas e atendiments e funcináris envlvids); Prduçã e distribuiçã de dcumentaçã e infrmações inerentes às aplicações da área; Seguir as nrmas e prcediments técnics definids pelas instâncias superires da administraçã de desenvlviment de sistemas da Universidade. Divisã de Capacitaçã Instrumentalizar a diretria cm infrmações gerenciais relacinadas as demandas de capacitaçã ds usuaris de serviçs, equipaments e sistemas d NTIC; Assessrar n planejament de curss de capacitaçã e prduçã de manuais para rientaçã de us ds serviçs, equipaments e sistemas d NTIC, para s usuáris; Preparar material didátic e manuais para us ds sistemas cmputacinais e serviçs dispníveis a cmunidade acadêmica da UNIFAP, prduzids pel DINFO u adquirids de terceirs; Realizar a capacitaçã ds usuáris da Unifap; Manter s labratóris de infrmática em plena cndições de us; Fazer gerenciament d agendament d us ds labratóris de infrmática da UNIFAP. Atuaçã d DINFO ns Campi d Interir Atualmente existem s seguintes campi da Universidade n interir: Campus Santana; Campus Mazagã; Campus Laranjal d Jari; Campus Oiapque;

23 23 Deve-se implantar crdenações de infrmática ns campi d interir, subrdinadas a Departament de Infrmática d Campus Marc Zer, dtadas de um gerente de TI, cm respnsável pels serviçs de infrmática. Estas crdenações devem exercer suas funções a partir das nrmas e recurss determinads pel DINFO. 4. ADEQUAÇÃO DO PRÉDIO DO NTIC A rerganizaçã d Departament de Infrmática, em Núcle de Tecnlgia da Infrmaçã e Cmunicaçã NTIC - implicará em demanda pr um nv espaç físic, cnsiderand uma nva realidade de serviçs a serem atendids, clabradres atuand ns nvs setres a serem incrprads pel NTIC e as setres que serã expandids, n que tange a necessidade de cntrataçã de nvs servidres. Para que se tenha uma estrutura predial adequada, prpõe-se n Anex- 02 deste dcument, uma prpsta de expansã d atual prédi d NTIC, para atender de frma satisfatória as necessidades ds setres d departament. Esta expansã d prédi, será um anex a atual prédi d NTIC, cupand espaç lateral d prédi, n sentid a blc de sala de aula e de labratóris d curs de Bilgia. Tem-se detalhament das salas, para atender a seguinte estrutura ds setres: - Salas ds Setres d NTIC: - Ambientes Cmuns - 02 Jgs de Banheirs; - Auditóri para 50 pessas; - Víde Cnferência; - 02 Salas de estud; - Sala de Reuniã; - Labratóri de Infrmática; - Cpa; - Diretria - Espaç de vivência; - Secretaria; - Sala d Diretr; - Suprte e Manutençã - Chefia d Setr;

24 24 - Almxarifad de equipaments para manutençã; - Almxarifad de equipaments para baixa; - Labratóri de manutençã de equipaments; - Redes e Infraestrutura - Chefia d Setr; - CPD UNIFAP; - CPD POP/RNP; - Labratóri de Redes; - Labratóri d POP/RNP; - Desenvlviment de Sistemas e Serviçs WEB - Labratóri de Desenvlviment de Sistemas. 5. INVENTÁRIO DE NECESSIDADES As necessidades aqui apresentadas fram apntadas pela equipe de elabraçã d PDTIC a partir de uma minucisa análise d plan de desenvlviment institucinal da UNIFAP. Cabe ressaltar que as necessidades citadas abaix estã interligadas, send interdependentes e nã sã excludentes. Para a pririzaçã das necessidades a equipe de elabraçã d PDTIC elencu as necessidades, s envlvids, a situaçã atual e psterirmente definida a gravidade e impact pntuand cada item cnfrme a tabela abaix: Tab-01 Legenda das Necessidades Gravidade Impact 5 Os prejuízs u dificuldades sã É necessária uma açã extremamente graves imediata 4 Muit graves Cm alguma urgência 3 Graves O mais ced pssível 2 Puc graves Pde esperar um puc 1 Sem gravidade Nã tem Pressa

25 25

26 26 6. DIAGNÓSTICOS DE NECESSIDADES Tab-02 Diagnóstic das Necessidades DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ID NECESSIDADE REQUISITANTE DO SERVIÇO ATORES ENVOLVIDO S SOLUÇÃO ATUAL SITUAÇÃO PRAZ O STATUS NS1 Implantar Tds s setres Tds s Us da Sistema sem 01/ módul prtcl Setres Intranet manutençã e n SIGU suprte e em migraçã para SIGU NS2 Implantar Tds s setres DINFO, DRH e Gerenciamen Infrmaçã 01/ módul prtaria PROAP t em mala em papel, cm direta e emissã de arquivs islads. prtarias sem bedecer prazs. NS3 Cnslidar s PROGRAD PROGRAD Em Relatóris 02/ Relatóris d (COEG e (COEG e preparaçã manuais. Módul Acadêmic DERCA), DERCA), ds d SIGU, para PROPESPG. PROPESPG e frmuláris gestã das DINFO. e requisits infrmações. para s relatóris. NS4 Cnslidar a BIBLIOTECA BIBLIOTECA E Us d Dads e 03/2012 4

27 27 implantaçã d DINFO Módul Bibliteca, cm as funcinalidades de Circulaçã. NS5 Módul de Geraçã Tds s Setres Tds s de Frmuláris de Setres Avaliaçã e Pesquisa Institucinal n SIGU NS6 Módul Patrimôni DEPAG DEPAG, Patrimôni, Almxarifad, DINFO sistema antig para circulaçã de exemplares. Frmuláris de Pesquisa islads. Sistema cedid pr utra Ifes. infrmações cnflitantes e de difícil gestã. Relatóris manuais pels DINFO pr demanda. Infrmações registradas à mã. Gestã ruim, sem us de sistema de infrmaçã. 04/ ID NECESSIDADE REQUISITANTE DO SERVIÇO NR1 Manutençã na Rede Elétrica d Data Center. REDES E TELECOMUNICAÇÃO ATORES ENVOLVIDO S SOLUÇÃO ATUAL Tds s setres Prefeitura Funcinament precári e cm alt risc SITUAÇÃO Dans ns equipament s devids as PRAZ O 11/2011 STATUS 5

28 28 NR2 Manutençã e aprimrament ds sistemas de cmunicaçã de dads e vz. ID NECESSIDADE REQUISITANTE DO SERVIÇO NSM1 Manutençã ds Equipaments de TI de queima ds Nbreaks e equipaments d Data Center. Tds s setres DINFO, RNP Sistema de Telefnia e VOIP. Tds s setres SUPORTE E MANUNTEÇÃO ATORES ENVOLVIDO S DINFO, Frnecedres SOLUÇÃO ATUAL Manutençã n DINFO quedas pics elétrics. e Cust das 12/ ligações elevads para móvel e interurban. SITUAÇÃO Retrabalh na instalaçã de sftwares; Inventári de equipament s nã cnslidad; Alta demanda de suprte presencial PRAZ O STATUS 02/2012 3

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI.

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI. Cnstatações 1.1.3.1 Ausência de prcess de mnitrament e avaliaçã da execuçã d PDTI. 1.1.3.2 Cmitê de TI nã atuante e inefetiv. 1.1.3.3 Quantidade insuficiente de servidres para a gestã de TI. 1.1.3.4 Falhas

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Infrmações Institucinais 1.1.1 Caracterizaçã, Missã e Objetivs O BNDES é uma empresa pública federal dtada de persnalidade

Leia mais

PLANEJAMENTO - 2012 GESTÃO 2012-2015

PLANEJAMENTO - 2012 GESTÃO 2012-2015 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia Catarinense Câmpus Santa Rsa d Sul PLANEJAMENTO - 2012 GESTÃO 2012-2015 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia Catarinense Câmpus Santa Rsa d Sul

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE Institut Instituiçã fcada na geraçã de sluções para a implementaçã e gestã pedagógica de Núcles de Treinament e Capacitaçã de prfissinais e acadêmics

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

SIG Sistema Integrado de Gestão

SIG Sistema Integrado de Gestão SIG Sistema Integrad de Gestã SIGRH -Sistema Integrad de Gestã de Recurss Humans Gustav Bertld Quatrin Deivid Firin Agenda Cntextualizaçã Visã Geral ds seguintes sistemas: SIPAC, SGPP, SIGAA, SIGADMIN,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Guia de Leitura do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Guia de Leitura do Plano Diretor de Tecnologia da Informação Guia de Leitura d Plan Diretr de Tecnlgia da Infrmaçã O Plan Diretr de Tecnlgia da Infrmaçã (PDTI) é um instrument de diagnóstic, planejament e gestã ds recurss e prcesss de Tecnlgia da Infrmaçã (TI).

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Intranet Municipal

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Intranet Municipal Intranet Municipal Sumári INTRODUÇÃO... 3 O que é Intranet... 3 HISTÓRICO DO DOCUMENTO... 3 BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DE UMA INTRANET... 4 CONCEITUANDO UMA INTRANET... 4 PRINCIPAIS VANTAGENS NA UTILIZAÇÃO

Leia mais

Relatório de Atividades. Programa de Desenvolvimento das Cadeias Produtivas de Hortaliças, caqui, Nêspera e Cogumelos da Região do Alto Tietê.

Relatório de Atividades. Programa de Desenvolvimento das Cadeias Produtivas de Hortaliças, caqui, Nêspera e Cogumelos da Região do Alto Tietê. Mgi das Cruzes, 24 de setembr de 2008. Relatóri de Atividades. Prgrama de Desenvlviment das Cadeias Prdutivas de Hrtaliças, caqui, Nêspera e Cgumels da Regiã d Alt Tietê. Prcess n.: 3196/2007 Cnveni n.:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Avaliando a Gestão para Resultados nas áreas fiscais dos Estados

Avaliando a Gestão para Resultados nas áreas fiscais dos Estados Banc Interamerican de Desenvlviment Instituições para Desenvlviment Avaliand a Gestã para Resultads nas áreas fiscais ds Estads DOCUMENTO PARA DISCUSSÃO # IDB-DP-276 Pedr Luiz Bezerra Ana Lúcia Dezlt Cai

Leia mais

Modelo de Gestão de Portfólio de Projetos de TIC

Modelo de Gestão de Portfólio de Projetos de TIC Mdel de Gestã de Prtfóli de Prjets de TIC Versã 1.0 Mai de 2015 INDICE HISTÓRICO DE VERSÕES... 4 COMPOSIÇÃO... 5 1. INTRODUÇÃO... 6 1.1 REFERÊNCIAS... 6 1.2 SIGLAS E ACRÔNIMOS... 6 1.3 PREMISSAS... 7 1.4

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta de critérios e procedimentos para seleção de chefias do INPE Referência: CPA-077-2008 Versã: 1.0 Status: Ativ Data: 09/julh/2008 Natureza: Abert Númer de páginas: 13 Origem: GCMIG e GEOPI Revisad pr: GCMIG Aprvad pr: GCMIG Títul: Prpsta de critéris e prcediments

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS AUXILIAR DE SECRETARIA Organizar e manter atualizad serviç de escrituraçã esclar. Redigir fícis, expsições de mtivs, atas, declarações, certidões de cntagem

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CICLO DE ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk A partir d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American de Adaptaçã

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Um «site Internet» para aprimorar a atuação do Estado e fomentar a comercialização da madeira manejada do interior do Amazonas RESUMO EXECUTIVO

Um «site Internet» para aprimorar a atuação do Estado e fomentar a comercialização da madeira manejada do interior do Amazonas RESUMO EXECUTIVO Flresta Viva Prjet de prmçã d manej sustentável das flrestas pela prduçã e cmercializaçã da madeira n Amaznas Um «site Internet» para aprimrar a atuaçã d Estad e fmentar a cmercializaçã da madeira manejada

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA ÍNDICE DOS CAPÍTULOS 1 Dispsições Gerais 1.1 Definiçã 1.2 Objetiv 2 Cntextualizaçã da BB Previdência 2.1 Arcabuç Legal e Regulatóri 2.2 Dcuments de Gvernança 2.3 Identidade

Leia mais

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O Prgrama Ciência sem Frnteiras, lançad n dia 26 de julh de 2011, é um prgrama d Gvern Federal que busca prmver a cnslidaçã, a expansã e a internacinalizaçã

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais