PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Intranet Municipal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Intranet Municipal"

Transcrição

1 Intranet Municipal

2 Sumári INTRODUÇÃO... 3 O que é Intranet... 3 HISTÓRICO DO DOCUMENTO... 3 BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DE UMA INTRANET... 4 CONCEITUANDO UMA INTRANET... 4 PRINCIPAIS VANTAGENS NA UTILIZAÇÃO DE REDES INTRANET... 4 PORQUE É UMA TECNOLOGIA NECESSÁRIA... 6 SERVIÇOS DE PREFEITURAS... 7 Tds s Órgãs... 7 DIVERSÃO AO FUNCIONÁRIO... 8 VÍDEO E IMAGENS... 9 Outrs... 9 Crdenadria de Tecnlgia da Infrmaçã Cntat Tel.: (27) Página 2 de 9

3 INTRODUÇÃO A Prefeitura de Vila Velha quer ficar ainda mais próxima d servidr. A partir deste prjet, um site será desenvlvid especialmente para vcê trcar infrmações, cnhecer melhr s clegas de trabalh e prprcinar mair interaçã. O QUE É INTRANET Vcê pde chamar de Intranet, uma rede de cmputadres interna, nde sejam utilizads s prtcls da Internet, seus prgramas e seus cnceits. Intranet é um cnjunt de tecnlgias e arquiteturas Internet para a implantaçã de redes lcais. A Intranet é cnsiderada a primeira grande decrrência da Internet. As redes internas Intranet prprcinam um aument da eficiência rganizacinal (n ambiente intern) e uma melhria ds serviçs a cidadã (n ambiente extern). Nã é uma tecnlgia revlucinária, mas evlucinária. Intranet é a evluçã de tds s cmputadres e seus prgramas! 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Nme d Prjet Analistas respnsáveis Intranet Municipal Fernand Alves Trancs 2. HISTÓRICO DO DOCUMENTO Data Versã Descriçã Autr/Revisr 07/10/ Elabraçã d dcument Fernand A. Trancs 07/10/ Revisã Will Rbsn Lpes Crdenadria de Tecnlgia da Infrmaçã Cntat Tel.: (27) Página 3 de 9

4 BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DE UMA INTRANET Aument da prdutividade Reduçã de custs Cmpartilhament de Infrmações Um únic e gratuit prgrama visualizadr Melhr tmada de decisões Segurança e rapidez n acess às infrmações Padrnizaçã ds dcuments e na sua utilizaçã. As Intranets pdem ser ligadas à Internet, cm segurança, utilizand firewalls que permitem restrições de us e acess, pr exempl, permitind as funcináris acessarem as infrmações desejadas das Secretarias e restringind acess de utrs as dads privads da rganizaçã. CONCEITUANDO UMA INTRANET Eis mais alguns cnceits sbre term Intranet: Uma Intranet tem as mesmas capacidades de uma Internet, send que a diferença entre elas encntra-se n fat de que a Intranet é aplicada dentr das rganizações. Intranets sã estabelecidas cm uma Internet de pequen prte. A Intranet é uma prçã de uma rede de uma rganizaçã dentr de um firewall (sistema de segurança cntra invasões se estiver cnectada à Internet). Intranet frnece acess rápid e fácil as dads crprativs. Intranet é a tecnlgia de rede que está crescend mais rápid n mund. PRINCIPAIS VANTAGENS NA UTILIZAÇÃO DE REDES INTRANET Simplifica a interaçã d usuári, trnand fácil acess a aplicações e a infrmações estáticas e dinâmicas, nã imprtand nde esteja u qual a platafrma utilizada (Windws, Linux, OS2, Mac...); Fc n relacinament cm usuári/munícipe e excelência a lng praz; Viabiliza dcumentaçã em temp real, cm infrmaçã muit mais atual, favrecend desempenh ds funcináris da rganizaçã; Criam-se e dispnibilizam-se facilmente: manuais, sistemas, frmuláris padrnizads, prgramas utilitáris, dicas, e-curss, nrmas, leis, decrets, prtarias... e as cmunicações eletrônicas: Cmunicaçã Interna: CI de pedids de máquinas, CI cm reclamações e cmunicads Crdenadria de Tecnlgia da Infrmaçã Cntat Tel.: (27) Página 4 de 9

5 CI de liberaçã de senhas e lgins CI requisitand acess Internet CI requisitand cnserts e treinament... Memrands, Ofícis, Cmunicads, Publicidade, Agendas, Aviss de events... Aumenta alcance da divulgaçã das infrmações; Auxilia n prcess de descentralizaçã das infrmações, da distribuiçã de dads e d desenvlviment de aplicações; Permite mair participaçã d usuári final na criaçã de aplicações; Diminui custs de negciaçã interna e externa (frnecedres, cntribuintes, financiadres...); Permite as funcináris trabalhar cm mais eficiência entre si e cm s munícipes, frnecedres e públic em geral. Mair facilidade e rapidez n acess a infrmações técnicas, de nrmas, prcediments administrativs, regiments interns e de marketing (cmunicaçã), d própri departament u de utr; Uma base de pesquisa mais cmpreensiva, pis simplifica a parafernália de tips de dcuments; Aument da precisã e reduçã de temp n acess à infrmaçã; Uma única interface amigável e cnsistente para aprender e usar (mesma aparência); Facilidade de utilizaçã, pis a interface cm usuári é a mesma da Internet; Infrmaçã e Treinament imediat (Just-in-Time); As infrmações dispníveis sã visualizadas cm clareza; Simplificaçã e/u reduçã das licenças de sftware (pis dcuments feits em digams, Crel Draw, PAGEMAKER, pdem ser dispnibilizads para tds sem a necessidade de terem instalad Crel Draw u PAGEMAKER em suas máquinas); Baix cust de implantaçã, pdend reutilizar parte da estrutura já existente, tend a pçã de utilizar sftware gratuit; Pssibilidade de cnectar diferentes platafrmas na mesma rede, uma vez que prtcl adtad é suprtad pels mais diverss sistemas peracinais; Suprte para cnectividade cm a Internet; Facilita e demcratiza acess à infrmaçã, sistematizand a base de cnheciment. A intranet buscará agilizar a circulaçã e distribuiçã de infrmações entre tds s órgãs da Prefeitura, independente de hierarquia rganizacinal, de frma a diminuir a circulaçã de papéis e dcuments, tend cm bjetiv a reduçã ds custs peracinais e a melhra qualitativa e quantitativa ds serviçs ferecids à sciedade. RESUMINDO Otimizar recurss humans - Os setres de suprte, assistência técnica, especificaçã de materiais e prduts, cmpras, transprte, inspeçã, armazenament, fiscalizaçã, acmpanhament de prjets u bras, gerência de cntrats, jurídic, pessal, nrmas, cmunicaçã scial, auditria, Crdenadria de Tecnlgia da Infrmaçã Cntat Tel.: (27) Página 5 de 9

6 financeir, cntas a pagar, cntas a receber, tesuraria, prtcl, gerência e diretria sã s principais beneficiads pela rapidez e facilidade de cnsulta e respsta a cliente. Tds s setres da rganizaçã se beneficiam cm estas nvas ferramentas e devem saber utilizá-las. Reduçã d temp de busca de uma infrmaçã - A utilizaçã de sites interns de cada setr da rganizaçã, na Intranet, pssibilita a respsta instantânea às perguntas efetuadas pels secretáris, gerentes, diretres e públic em geral. A utilizaçã da Intranet passa a ser fundamental para a crreta e rápida dispnibilizaçã de infrmações gerenciais. As FAQ (Perguntas mais frequentes) fazem cm que cnheciment da rganizaçã cresça e cm ele nível de atendiment. Uma dúvida esclarecida passa a ser de cnheciment de tds e cm ist se ganha temp. Enfim cria-se uma plítica de geraçã de inteligência e geraçã de histórics de atendiment e ações, que pssibilitará melhrias de qualidade em tds s setres. PORQUE É UMA TECNOLOGIA NECESSÁRIA A implementaçã de uma Intranet permite a clabraçã e cmpartilhament de infrmações mais eficaz entre s funcináris de uma Prefeitura e até entre s munícipes e frnecedres, de frma simples e intuitiva. Em uma Intranet, tdas as infrmações sã rganizadas em um únic pnt, de md a permitir acess ande quer que se esteja, seja dentr u fra da rganizaçã, utilizand um simples navegadr u brwser (Internet Explrer, Netscape, Opera e Mzila). Qualquer alteraçã é imediatamente dispnibilizada a tds. Cm cnseqüência direta, crre uma diminuiçã sensível n flux de papéis, além da racinalizaçã de rtinas e prcesss. Trazend esta tecnlgia nã prprietária e ppular da Internet para dentr d ambiente crprativ, a rganizaçã aumenta a prdutividade e eficiência da cmunicaçã interna e externa, reduzind custs e preservand a mairia ds investiments já realizads em infrmática. Alguns exempls de infrmações estáticas e dinâmicas que pdem ser dispnibilizadas em uma Intranet: Cnsultas e gráfics estratégics para api à decisã; Cnsultas de acmpanhament de frnecedres e de finanças; Especificaçã e prjets em desenvlviment; Tópics mais imprtantes e mais utilizads da tributaçã e nrmas ISO, DIN e ABNT, além de artigs técnics de interesse geral e específic; Cnsultas diversas: relatóris de nã cnfrmidade, prcesss, listas de arrecadaçã, faturament, câmbi, bletins externs, índices ficiais, resultads peracinais, ramais telefônics, CEP e utrs; Nrmas próprias de algumas secretarias; Plans de marketing e publicidade interna; Frmuláris padrnizads para preenchiment de lauds técnics, requisições de manutençã, exames de rtina ds funcináris, fiscalizações e prtcls; Plíticas Internas: administrativas, de RH, de qualidade e de respnsabilidade fiscal; Crdenadria de Tecnlgia da Infrmaçã Cntat Tel.: (27) Página 6 de 9

7 Padrnizaçã n treinament de funcináris; Calendári e agendament; Guia d turista e d turism; Bletim de balneabilidade; Cartilha d cidadã; Cm bter dcuments; Jrnal intern. SERVIÇOS DE PREFEITURAS Abaix apresentams algumas estimadas Secretarias que pdem existir, e s prváveis dcuments e infrmações que cada uma pderá criar e dispnibilizar na Intranet. Tds s órgãs Estrutura administrativa, rgangrama, endereçs, telefnes e nmes ds dirigentes; Regiments interns; Nrmas e prcediments específics de cada área; Agenda de atividades e events (diária, semanal e mensal); Divulgaçã de atividades, prgramas e prjets em andament, a realizar e realizads. Secretaria de Planejament Prgramas da Crdenaçã de Planejament; Dads sbre sistema viári d municípi: tráfeg, transprte urban (itinerári, hráris e tabela de preçs)...; (u internet) Dads sbre cncessã de alvará (zneament urban cm detalhament das atividades cmerciais permitidas). (u internet) Prcuradria Geral d Municípi Prgramas da Prcuradria Geral d Municípi; Leis, Decrets, Regulamentações, Pareceres e utras nrmas legais (u internet); Dads sbre Prcesss Licitatóris (editais, pareceres jurídics, resultads, recurss e questinaments) (u internet). Crdenadria d Gvern Municipal Prgramas d Gvern Municipal; Leis de Estruturaçã da Prefeitura e seus Órgãs; Agenda plítica d Prefeit; Atividades plíticas da Prefeitura Municipal e seus Órgãs; Ntas e reprtagens de interesse d Municípi; Fts e imagens d acerv de dcuments d Municípi; Atividades industriais e cmerciais d Municípi (incentivs, dads estatístics...). Departament/Divisã de Infrmática Prgramas d Departament u da Divisã de Infrmática; Dispnibilizaçã de Infrmações e Relatóris Gerenciais d sistema em us; Dicas Infrmática: Sftware e Hardware; Crdenadria de Tecnlgia da Infrmaçã Cntat Tel.: (27) Página 7 de 9

8 CAU - Central de Atendiment a Usuári: Manutençã e Cntrle de Chamads e Atendiments Técnics; Índices de Leis, Decrets e Prtarias; Frmuláris Administrativs; Infrmativ cm bletins técnics, pareceres, nvidades em hardware e sftware; Dispnibilizaçã de Prgramas Utilitáris e Sistemas; Curss pela Intranet; Manuais Diverss. Secretaria Municipal de Administraçã Plan de Cargs, Carreiras e Saláris; Editais de Cncurss Interns (calendáris gerais de realizaçã, participaçã, resultad, lcais de prvas). Tds s funcináris pdem ter sua ficha funcinal digitalizada. Secretaria Municipal de Educaçã, Esprte e Cultura Identificaçã das Unidades esclares; Dads sóci educacinais da ppulaçã; Calendári de events (realizaçã, divulgaçã, avaliaçã); Patrcinadres e Instituições (históric de parcerias); História d Municípi (fats histórics, fts, imagens e seus dadres e/u frnecedres). Secretaria Municipal da Saúde Identificaçã e cntrle de cnvênis existentes e cntemplads pela Prefeitura; Secretaria Municipal de Urbanism Obras e Serviçs (identificaçã, rçament, lcalizaçã, crngrama, equipe de execuçã, slicitante); DIVERSÃO AO FUNCIONÁRIO Praticidade prmete ser um ds sinônims da intranet. Na página Serviçs a Servidr, diversas cnsultas pderã ser feitas de maneira rápida e fácil. Os usuáris terã acesss a tds s serviçs que atualmente estã n Prtal d Servidr, n site ficial da Prefeitura, e a muits utrs. O jrnal Gente Nssa deve se dispnibilizad na intranet A seçã Classificads da intranet é canal para fazer bns negócis. Nesta página, usuári pde clcar e cnferir anúncis de frma rápida e fácil. Ttalmente gratuit, serviç é exclusiv as servidres municipais. Para anunciar é muit simples. Basta fazer lgin na intranet e aceitar term de respnsabilidade. Feit iss, usuári deve esclher em qual seçã deseja fazer a publicaçã (imóveis, veículs, animais, entre utrs), descrever anúnci e, se desejar, anexar uma ft. O serviç permite a cada usuári publicar dez anúncis pr mês. Aprveite esta prtunidade e ba srte! Crdenadria de Tecnlgia da Infrmaçã Cntat Tel.: (27) Página 8 de 9

9 VÍDEO E IMAGENS Dizem que imagens valem mais que mil palavras. Pensand niss, a intranet tem um espaç exclusiv para cntar que acntece na Prefeitura pr mei de fts. Caras e bcas estã n Álbum de Fts, seçã em que sã publicads s registrs de events ds servidres. A página será mantida, principalmente, cm a clabraçã ds usuáris. As fts das cnfraternizações e despedidas que acntecem ns departaments, pr exempl, pdem ser enviadas para publicaçã na intranet. Aprveite esta chance de deixar ainda mais marcad s mments vivids na Prefeitura! OUTROS Anunci para clabradres (venda de bicicleta, pr exempl); Quadr de aniversariantes - DIA; Blg Intern; Agenda; Vagas d Cine; Fale Cnsc; Prtal de Invaçã; Gerenciadr de Ntícias; Enquete; Galeria de Fts; Calendári; Serviçs Imprtantes; INTEGRAÇÃO COM O ACTIVE DIRECTORY (Tecnlgia); Centralizadr de pequens serviçs cmum a tds. (atalh); Links de Twiter, Facebk, Yutube, pderã estar dispníveis diretamente na intranet a invés de usuári ter que acessar estes sites. Lenard Pereira Carvalh Subsecretári de Tecnlgia Prefeitura Municipal de Vila Velha Crdenadria de Tecnlgia da Infrmaçã Cntat Tel.: (27) Página 9 de 9

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

SIG Sistema Integrado de Gestão

SIG Sistema Integrado de Gestão SIG Sistema Integrad de Gestã SIGRH -Sistema Integrad de Gestã de Recurss Humans Gustav Bertld Quatrin Deivid Firin Agenda Cntextualizaçã Visã Geral ds seguintes sistemas: SIPAC, SGPP, SIGAA, SIGADMIN,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

BRIEFING DO WEBSITE E SISTEMAS FEMURN A FEMURN. Página de conteúdo estático. Página de conteúdo estático. Página de conteúdo estático.

BRIEFING DO WEBSITE E SISTEMAS FEMURN A FEMURN. Página de conteúdo estático. Página de conteúdo estático. Página de conteúdo estático. www.maxmei.cm BRIEFING DO WEBSITE E SISTEMAS FEMURN A FEMURN Históric Diretria Ex-presidentes Estatut Página de cnteúd estátic. Página de cnteúd estátic. Página de cnteúd estátic. Página de cnteúd estátic.

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOS DOS CONVÊNIOS...

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Procedimentos para o uso de TI no DRH

Procedimentos para o uso de TI no DRH Prcediments para us de TI n DRH As clabradres d DRH Cm parte das diretrizes divulgadas através d memrand nº 243/2008-SAM01, e visand melhrias na manutençã de cmputadres, segurança das infrmações e cntrle

Leia mais

MANUAL QUERO UM BICHO - ONG ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

MANUAL QUERO UM BICHO - ONG ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS MANUAL QUERO UM BICHO - ONG ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS 2007 1 MISSÃO A missã d Quer Um Bich é a preservaçã da vida e ds direits básics de subsistência, independentemente da espécie. Cabe as mais afrtunads,

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões Artig 13 Cm mntar um Lava Jat para Caminhões O lava jat para caminhões tem cm diferencial atender veículs grandes e mercad específic, pis já está estabelecid nich de mercad. O sucess para este empreendiment

Leia mais

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações.

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações. Vensis Assciaçã Vensis ERP Entidades, Sindicats e Federações. Vensis Assciaçã O Vensis Assciaçã é um sistema desenvlvid para entidades cm sindicats, assciações, federações, fundações e utras de natureza

Leia mais

Política de Privacidade Qrush Cards

Política de Privacidade Qrush Cards Plítica de Privacidade Qrush Cards Última atualizaçã em 21/09/2013 A Qrush Tecnlgia e Serviçs Ltda repeita a privacidade de seus clientes e usuáris e desenvlveu esta Plítica de Privacidade para demnstrar

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

Gestão Sindical Eficiente

Gestão Sindical Eficiente Gestã Sindical Eficiente Apresentaçã O Agile Sindical é a sluçã para apiar a implementaçã de uma gestã estruturada das atividades sindicais. A sluçã apresenta móduls para gerenciament ds prcesss-chave

Leia mais

Desenvolvimento do Plano de Modernização Tecnológica do IPAAM, AFLORAM e SDS. Relatorio

Desenvolvimento do Plano de Modernização Tecnológica do IPAAM, AFLORAM e SDS. Relatorio 1 R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO Item 01 02 03 04 05 06 Refere a dcument PQN-02 PQN-02 07 PQN-05 08 09 10 Identificaçã Nme d registr Cntrle de emissã e distribuiçã de dcuments Matriz ds registrs da qualidade Ficha de cntrle de atualizações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Plano de Assessoria de Comunicação do Projeto de Estágio e Empregabilidade - PROJEM

Plano de Assessoria de Comunicação do Projeto de Estágio e Empregabilidade - PROJEM XX Prêmi Expcm 2013 Expsiçã da Pesquisa Experimental em Cmunicaçã Plan de Assessria de Cmunicaçã d Prjet de Estági e Empregabilidade - PROJEM August Sares de Mel e SOUZA 1 Felipe de Oliveira TODESCHINI

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento Pabx Alcatel - APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office A Cnintel apresenta para mercad a linha de prduts cnvergentes PABX Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel Mdular, escalável, pders, flexível,

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais