Programa de Sinalização atinge 41 mil quilômetros de rodovias. Pág. 3. Obras revitalizam rodovia na Serra de São Vicente-MT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Sinalização atinge 41 mil quilômetros de rodovias. Pág. 3. Obras revitalizam rodovia na Serra de São Vicente-MT"

Transcrição

1 novembro/ dezembo 2009 novembro/ dezembro 2009 Ano IV, Número 15, Brasília/DF Informe DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES Programa de Sinalização atinge 41 mil quilômetros de rodovias Meio Ambiente Araraquara: Medidas compensatórias abrangem plantio de árvores Pág. 2 Pág. 3 DNIT prepara edital de licitação para executar Prosinal2, que vai sinalizar mais 16 mil quilômetros, distribuídos por 22 estados, alcançando 57 mil quilômetros de rodovias. Obras revitalizam rodovia na Serra de São Vicente-MT Nas obras do contorno ferroviário, também estão previstos programas educacionais e proteção dos recursos hídricos. Núcleo gerencia ações para funcionamento de terminais hidroviários Trechos recuperados facilitarão escoamento da produção agrícola. Pág. 5 Entrevista Luiz Antonio Pagot Diretor-geral do DNIT Depois de dois anos à frente do DNIT, o diretor geral vê avanços nos programas de manutenção de rodovias e na retomada dos investimentos em ferrovias e hidrovias, assim como na área de controle externo. Págs. 6 e 7 Pág. 5 Programa de manutenção melhora trafegabilidade nas rodovias Curtas DNIT investe R$ 19 milhões na construção de viadutos em Mogi das Cruzes Contratos em Pernambuco garantem manutenção de 67% da malha rodoviária Pág. 4 Pág. 8 Informe DNIT 15.indd 1 2/12/ :36:26

2 Ano IV, Número 15, Brasília/DF Meio ambiente Contorno ferroviário de Araraquara Licença Ambiental acelera obras em pátio de manobras Limpeza da área do pátio de Tutóia A s obras de implantação do contorno ferroviário de Araraquara e do pátio de manobras de Tutóia, em São Paulo, registram 35% de execução no contorno e 4% do pátio. Com a liberação da licença ambiental, que permitiu a supressão de vegetação no local onde será instalado o pátio, os serviços de terraplenagem alcançaram 70%, além de terem sidos iniciados os serviços de drenagem. Das quatro obras de arte especiais (pontes e viadutos) previstas, uma já foi executada. Como medida compensatória para a supressão de vegetação está, entre outras, o plantio de árvores em parques do município, conforme determinação do órgão ambiental. Outras medidas mitigadoras são programas de educação ambiental, de comunicação social, desapropriações e proteção dos recursos hídricos. Desde o mês de março deste ano, o empreendimento em Araraquara conta com serviços de gestão ambiental. A empresa contratada faz o acompanhamento dos licenciamentos ambientais faltantes e das condicionantes da licenças já emitidas. Incluído no Programa de Aceleração do Crescimento PAC, o empreendimento receberá investimentos de R$ 73 milhões para a implantação de 12 quilômetros Expediente Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT SAN Q. 03, Bloco A, Ed. Núcleo dos Transportes, 4º andar, s Brasília/DF Produzido pela equipe de técnicos da Ascom/ DNIT: Bruna Barros, Danielle Coimbra, Evandro Alvarenga, Lidiane Soares, Lilian Oliveira, Maíra Sardinha, Rebeca Boaventura e Regina Ribeiro. Chefe da ASCOM: Mariana Borella Tiragem: exemplares Periodicidade: mensal Impressão: Dupligráfica Editora ltda. 2 Informe DNIT 15.indd 2 de linha férrea no trecho entre os municípios de Presidente Vargas - Campinas e Colômbia - Araraquara. O projeto também prevê a transferência do pátio de manobras e oficinas para a região de Tutóia, que compreende a construção de mais 42 linhas férreas, totalizando 27,5 quilômetros. A estação de trem que opera, atualmente, no centro de Araraquara, será transferida para Tutóia. Por meio de convênio, o antigo prédio passará para a administração da Prefeitura Municipal, que vai transformá-lo em área de lazer, com sua transformação em museu e revitalização da área ao redor com a construção de praça. Um dos principais objetivos das obras no Contorno ferroviário de Araraquara é eliminar os conflitos existentes entre a via férrea que cruza a cidade e o seu sistema viário urbano. Com a obra, pedestres e motoristas terão mais segurança e a cidade terá menos poluição sonora. Além disso, a construção do contorno e do novo pátio vai atrair novas empresas de logística e transporte para a região. As ações do DNIT no modal ferroviário visam não apenas recuperar, expandir e integrar a malha, como também garantir maior segurança no tráfego, com a superação de trechos críticos. Obras de drenagem sob o futuro contorno de Araraquara Envie sugestões ou críticas ao Informe DNIT Fone: (61) Fax: (61) Aproveitamento de patrimônio da RFFSA na área de turismo é discutido Responsável pelos bens da Rede Ferroviária Federal RFFSA desde sua extinção, em 2007, o DNIT iniciou discussão com outros órgãos e entidades da administração federal visando o aproveitamento deste patrimônio na indústria do turismo. Podemos transformar vagões, trilhos e imóveis que estão se deteriorando ou sendo depredados em lugares habitáveis, que a população possa desfrutar de lazer e que possam ser integrados a roteiros turísticos, avalia o diretor geral do DNIT, Luiz Antonio Pagot. Participam das discussões representantes do Ministério do Turismo, da Agência Nacional de Transporte Terrestre ANTT, do BNDES, do Instituto Nacional do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e da Secretaria do Patrimônio da União (SPU). Segundo o diretor do DNIT, 28 mil quilômetros de trilhos pertencentes à antiga RFFSA foram concedidos à iniciativa privada, mas a autarquia ainda administra cerca de 30 mil quilômetros, além de grande quantidade de imóveis. Percebemos uma demanda crescente por pequenos trechos de ferrovias, estações, vagões e locomotivas para fins turísticos, relata Pagot. Em sua opinião, há possibilidade de aproveitamento não somente em museus e áreas de lazer como também para transporte de passageiros. 2/12/ :36:52

3 novembro/ dezembo 2009 Sinalização de rodovias: DNIT investe R$ 348,3 milhões Dispositivos de sinalização vertical e horizontal aumentam segurança de motoristas A sinalização de trânsito é a maneira pela qual o órgão responsável pela via se comunica com todos aqueles que por ela transitam. E nesta área, o DNIT está alcançando seus objetivos graças ao Prosinal Programa de Sinalização das Rodovias Federais, lançado em julho de Desde seu lançamento até setembro/09, nada menos que 41 mil quilômetros de rodovias receberam nova sinalização horizontal e vertical. Para isto, foram investidos R$ 348,3 milhões através de 57 contratos com empresas e consórcios especializados neste tipo de serviço, licitado há três anos. Segundo Luiz Cláudio Varejão, Coordenador Geral de Operações Rodoviárias, a tendência é de que a comunicação com os usuários através dos dispositivos de sinalização seja mantida em alta frequência por muito mais tempo. Primeiro, porque os contratos do Prosinal foram renovados até julho de 2010 e ainda poderão ser prorrogados por mais um ano, depois disso. Na opinião do Coordenador, isto se dá graças à postura do Governo federal ao considerar como de natureza continuada os serviços de sinalização. Segundo, porque pretendemos lançar, ainda este ano, a licitação do Prosinal 2, que contemplará outros 16 mil quilômetros de rodovias em todos os estados brasileiros. Da forma que foi implantado e se mantém, o Prosinal trouxe uma nova realidade não só para os usuários, mas também para os empresários do setor. Além de aumentar a demanda por serviços e materiais cada vez mais especializados, o Programa gerou expectativas e renovou esperanças dos que trabalham com sinalização de vias em todo país. Entre eles, há quem participou da licitação em 2006, com receio de que o programa não fosse bem executado, ou que os contratos não fossem honrados, com atrasos nos pagamentos. Este é o caso de Rodrigo Martire, Diretor Comercial e Operacional da Sinalisa Segurança Viária Ltda, empresa que hoje possui cinco contratos com o DNIT e já sinalizou quilômetros de rodovias federais em quatro estados brasileiros. Na época, tinha dúvidas quanto à capacidade do governo de executar um programa tão ambicioso dentro do prazo previsto, mas me surpreendi. Além do empenho e faturamento executados religiosamente em dia, a equipe do DNIT mantém um controle de qualidade minucioso e um processo de medição exemplar, explica Martire. O empresário, que antes de ocupar o cargo de diretor, trabalhou em campo, comenta que desde que atua na área, nunca tinha visto um programa tão objetivo. Em função da nossa participação na etapa atual, vamos investir todas as fichas no Prosinal 2, conclui. Para os usuários de algumas rodovias federais que ainda esperam trechos bem sinalizados, a nova etapa do programa indica o caminho. Ela atenderá a todos os trechos que ainda não receberam tal serviço. Informe DNIT 15.indd 3 Prosinal 2 contemplará mais 16 mil quilômetros P ara ter os 57 mil quilômetros de rodovias federais sob sua responsabilidade com boa sinalização, o DNIT finaliza edital para licitar a nova etapa do programa, já batizada de Prosinal 2. O objetivo é lançá-lo ainda neste ano, para que no primeiro semestre de 2010, os serviços de sinalização sejam executados em mais 16 mil quilômetros de rodovias, distribuídos por 22 estados. O edital deve dividir os serviços nos 16 mil quilômetros de rodovias em até 47 lotes, com extensões variadas. A previsão orçamentária para os novos contratos, que também terão duração de dois anos (com possibilidade de renovações), é de R$ 150 milhões. Na nova etapa, rodovias estadualizadas pela Medida Provisória nº 082/2002 também serão contempladas. Isto porque outra medida (MP-452/2008 Art.19) permite que o DNIT execute obras em tais trechos até dezembro de Temos a experiência adquirida na licitação e na implantação da primeira etapa do programa. Isto já facilita bastante. Outro detalhe é que agora existem muito mais tecnologia e capacitação entre as empresas do setor, explica Luiz Cláudio Varejão. Segundo ele, o objetivo do DNIT é garantir orientação adequada aos usuários de todas as rodovias, além dos principais eixos rodoviários atendidos na primeira etapa. Com isto haverá maior segurança e fluidez ao tráfego de veículos. Os serviços a serem executados pelo Prosinal 2 são os mesmos implantados na primeira etapa. Na sinalização horizontal, as faixas serão pintadas com material mais resistente, e terão dispositivos de segurança como tachas refletivas e balizadores. Já a sinalização vertical terá além de placas, painéis de mensagem variável em pontos de fluxo mais intenso. 3 2/12/ :36:59

4 Ano IV, Número 15, Brasília/DF Curtas Viadutos sobre linha férrea facilitam transporte em Mogi das Cruzes Rodovias em Pernambuco terão mais R$ 230 milhões Foto: Prefeitura de Mogi das Cruzes P Solenidade de assinatura do convênio com a prefeitura de Mogi das Cruzes. O DNIT investirá mais de R$ 40 milhões na construção de dois viadutos no município de Mogi das Cruzes, em São Paulo, para transposição da linha férrea. O empreendimento, que tem prazo de conclusão estipulado em um ano e meio, acabará com os transtornos no trânsito causados pelas passagens de nível. Cerca de meio milhão de habitantes serão beneficiados. O convênio foi firmado com a Prefeitura Municipal no dia 15 de setembro e a expectativa é de que até o final do ano ocorra o lançamento do edital e a contratação da empresa vencedora. Foram assinados dois convênios - um para a obra de execução dos dois viadutos e outro para estudos e projetos - a fim de se verificar as melhores alternativas para as transposições em Mogi das Cruzes, ao longo de todo o município. A partir desse convênio, o DNIT pode liberar os recursos, e a prefeitura, além de entrar com uma contrapartida de 10% do valor total, fica responsável pelo controle da obra. Ao final, a autarquia realiza uma vistoria para certificação do uso correto da verba. DNIT recupera porto fluvial em Santa Vitória do Palmar/RS Objetivo das obras é implantar Hidrovia do MercoSul Por meio de convênio firmado em outubro com a prefeitura de Santa Vitória do Palmar, o DNIT vai recuperar o porto deste município do Rio Grande do Sul. Serão investidos R$ 4,9 milhões, sendo 97% destes recursos transferidos pelo órgão à prefeitura. 4 Informe DNIT 15.indd 4 As obras fazem parte do programa de trabalho Implantação da Hidrovia do Mercosul trecho Estrela Santa Vitória do Palmar. Além da reforma do porto, estão previstas outras ações do DNIT em relação às hidrovias do Mercosul, como a dragagem e sinalização da Lagoa Mirim. O objetivo é melhorar o tráfego de embarcações na Lagoa Mirim. A expectativa das autoridades municipais é de que as obras permitam ao porto de Santa Vitória do Palmar operar com cargas de maior volume, interligando o Uruguai até o Porto de Estrela, via Lagoa Mirim. or meio de contratos firmados em outubro, a Superintendência do DNIT em Pernambuco assegurou a execução das obras de manutenção em quilômetros de rodovias, abrangendo 67% da malha federal no estado.os contratos fazem parte da primeira etapa do CREMA - Contrato de Restauração e Manutenção. Eles têm duração de dois anos, sendo que a restauração, com intervenções funcionais na pista de rolamento, deve ser feita em 365 dias. No segundo ano, as empresas têm que manter as rodovias em boas condições, incluindo limpeza de acostamentos, desobstrução de bueiros e conservação da faixa de domínio. Rodovias que serão restauradas: BR-101, de Prazeres até o Cabo de Santo Agostinho, e de Palmares até a divisa com Alagoas; BR-104, da divisa com a Paraíba até a divisa com Alagoas, passando por Agrestina, Panelas e Cupira, exceto o trecho em duplicação, que vai de Santa Cruz do Capibaribe a Caruaru; BR-116, da divisa com o Ceará até a divisa com a Bahia; BR-232, de São Caetano a Parnamirim, passando por Tacaimbó, Belo Jardim, Sanharo, Pesquisa, Arcoverde e Custódia; BR-316, da divisa com o Piauí até Parnamirim, passando por Araripina, Trindade e Ouricuri; BR-408, de Timbaúba e Carpina, passando por Aliança, Nazaré da Mata e Tracunhaém; BR-423, da divisa com Alagoas até Garanhuns, passando por Cachoeirinha, Lajeado, Jupi e Águas Belas; BR 424, de Garanhuns a Arcoverde,incluindo Pedro, Venturosa e Caetés; BR 428, de Petrolina ao Trevo do Ibó, Lagoa Grande, Santa Maria da Boa Vista, Orocó e Cabrobó. 2/12/ :37:07

5 novembro/ dezembo 2009 Núcleo fiscaliza convênios para construção de terminais hidroviários O DNIT firmou Termo de Cooperação com o Exército para a implantação do Núcleo de Fiscalização de Convênios das Instalações Portuárias Públicas de Pequeno Porte (NFC). O objetivo do Núcleo, instalado em outubro no 2º Grupamento de Engenharia do Exército, em Manaus, é supervisionar e acompanhar o andamento dos convênios firmados pela autarquia para construção dos terminais hidroviários. O DNIT possui 95 obras aquaviárias em cinco estados AM, PA, RO, RR e RS, em diferentes fases de execução, sendo 37 terminais hidroviários construídos com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento PAC. Os convênios são firmados com diversos entes, entre eles a Secretaria de Infraestrutura do Amazonas, a Companhia Docas do Maranhão - Codomar e diversas prefeituras municipais. O NFC gerencia todas as ações para compor o acervo técnico necessário ao funcionamento das futuras instalações portuárias que, ao término das obras, serão transferidas aos órgãos públicos (estados e municípios). As atividades do Núcleo visam assegurar a transferência do terminal hidroviário e seu pleno funcionamento, explica Wilson Izidorio Cruz, Coordenador Geral de Hidrovias e Portos Interiores, da Diretoria de Infraestrutura Aquaviária do DNIT. Entre as ações necessárias está a demarcação da Linha Média das Enchentes Ordinárias LMEO, com a qual é possível definir a propriedade dos terrenos onde estão sendo Terminal hidroviário de Manacapuru - AM construídos os terminais hidroviários. A LMEO é determinada a partir de plantas e documentos relativos ao ano de 1867 e de observações fluviométricas. O DNIT desenvolve este trabalho em conjunto com a Superintendência Estadual do Patrimônio da União no Amazonas (SPU). Há outros documentos que compõem o acervo técnico com o qual trabalha o NFC, a exemplo do Termo de Liberação de Operação expedido pela Agência Nacional de Transporte Aquaviário Antaq, do Manual de Operação e Manutenção das Instalações Portuárias, do Plano de Contingência que define ações para situações emergenciais e do Parecer de Uso do Espelho D Água, entre outros. Outras atividades do NFC são acompanhamento da expedição do habite-se para os terminais hidroviários e análises de prestações de contas, de alterações de projetos, de planilhas orçamentárias e das medições mensais executadas pelos conveniados. Avançam as obras de restauração na Serra de São Vicente em Mato Grosso Obra permitirá melhor escoamento da produção agrícola da região As obras de restauração na Serra de São Vicente, em Mato Grosso, estão a todo vapor. O trecho em obras, localizado na BR-070/163/364, possui 27 quilômetros de extensão, com investimentos do DNIT no valor de R$ 39,6 milhões. O primeiro trecho de revitalização iniciado possui 10 quilômetros, com 6 quilômetros de pista de rolamento-pavimento de concreto já concluído. Além disso, já foram executados 700 dos 2,5 metros de acostamento, e 1 quilômetro de pintura de faixa de segurança. A previsão de término total desses serviços, inclusive a sinalização, é para o mês de novembro. As várias frentes de serviço se concentram hoje em trabalhos de terraplenagem, desmonte de rocha (granito vermelho) e remoção, aterro, compactação, conclusão da base e sub-base. Um diferencial nesta obra é a aplicação do pavimento concreto (Whitetopping), que consiste na construção de um novo pavimento em concreto sobre o existente. Além disso, o concreto utilizado permite melhor aderência evitando, problemas como a aquaplanagem. Outro benefício é a durabilidade de 20 anos e a baixa manutenção. De acordo com a Superintendência do DNIT no Estado, a partir do mês de dezembro serão iniciados os serviços de fresagem, remendo profundo, sinalização nos 17 quilômetros restantes, assim como os serviços de pavimento de concreto. Na Serra de São Vicente também já foram iniciadas as obras de duplicação de 8,6 quilômetros, no valor de R$ 21,6 milhões. Com isso, todo o empreendimento soma 36 quilômetros de extensão, como recursos na ordem de R$ 61,2 milhões. A conclusão das obras trará um incremento para a economia da região, reduzindo o custo dos transportes e aumentando a segurança e conforto dos usuários que trafegam diariamente pela rodovia. 5 Informe DNIT 15.indd 5 2/12/ :37:14

6 Ano IV, Número 15, Brasília/DF Entrevista Luiz Antonio Pagot, diretor geral do DNIT De um dos órgãos públicos mais visados pelos entes fiscalizadores, o DNIT passou a ser exemplo, citado pelo Tribunal de Contas da União TCU, de uma das autarquias que se dedicaram a resolver os problemas e apresentaram avanços na área de controle externo. Desde que assumiu a direção geral da autarquia, há dois anos, Luiz Antonio Pagot instalou o Núcleo Sistêmico destinado ao atendimento dos órgãos de controle externo, como o próprio TCU e a Controladoria Geral da União CGU. É um trabalho árduo feito para melhorar procedimentos como, por exemplo, os licitatórios, consagrados pela edição do Edital Padrão que permitiu, de junho 2008 a setembro 2009, R$ 9 bilhões de licitações exitosas e com pouquíssimos questionamentos, relata Pagot. O objetivo, completa, é aperfeiçoar cada vez mais as metodologias para executar obras de qualidade por preços competitivos. Outros avanços citados pelo diretor são a superação do problema da falta de projetos e a definição de um novo programa de manutenção rodoviária, onde destacam-se o PIR IV, ou Crema 1ª Etapa, e Crema 2ª Etapa. Em sua avaliação, no entanto, ainda é preciso melhorar a fiscalização e gerenciamento de obras, agilizar os procedimentos na área ambiental e reduzir o prazo de pagamentos de obras, principalmente devido à extensa carteira de obras do Programa de Aceleração do Crescimento PAC sob a responsabilidade do DNIT. Entre estas obras estão: ampliação da capacidade de rodovias, como o Rodoanel de São Paulo, Arco Rodoviário do Rio de Janeiro, Via Expressa de Salvador, Rodovia do Parque (Porto Alegre) e duplicação das BRs 101 NE e SUL; construção de pontes internacionais; implantação de contornos ferroviários e terminais hidroviários, além da conclusão das eclusas de Tucuruí e implantação das eclusas de Lajeado e Estreito, que vão garantir a navegabilidade no rio Tocantins. Pagot defende o investimento em multimodalidade para assegurar o crescimento menos desigual às regiões brasileiras. Pelos serviços prestados nos dois anos que atua à frente do DNIT, o diretor geral foi homenageado, em outubro, pela Confederação Nacional dos Transportes CNT. Abaixo, os principais trechos da entrevista em que Luiz Antonio Pagot avalia esse período. Grandes Obras do DNIT Podemos citar as obras de duplicação e adequação da BR-101 NE e BR-101 Sul como formidáveis exemplos de trabalho de engenharia rodoviária, com destaque para obras em pavimento rígido. Esse trabalho dá uma consistência muito grande às nossas rodovias e reduz a manutenção. Também estamos realizando muitas pontes que ligam Brasil a seus vizinhos na América do Sul. Podemos citar a ponte sobre o rio Oiapoque, na divisa com a Guiana Francesa, e a ponte sobre o rio Itacutú, na divisa com a Guiana Inglesa (já concluída). Estamos na fase de projeto para depois contratar as obras da ponte em Guajará-Mirim, na fronteira com a Bolívia, e outras pontes na fronteira com a Argentina, Paraguai e Uruguai. Temos outras no Brasil, como a ponte sobre o rio Madeira, que está na fase de licitação, além de pontes no rio Araguaia e Tocantins. São exemplos de obras de infraestrutura que permitirão maior integração rodoviária com os países vizinhos. Estamos trabalhando também em um projeto para recuperação de mais de cem pontes que estão em situação precária. Projetos O DNIT possuía pouquíssimos projetos. A grande maioria eram projetos básicos com necessidade de transformar-se em executivo. Eram projetos antigos que deram um grande trabalho para serem atualizados. Mas, finalmente, essa parte está superada. Temos muitas obras a iniciar que dependem de licenças sócio-ambientais e também da conclusão de alguns projetos executivos. Isso demonstra que precisamos trabalhar muito na área de projetos e pesquisa para criarmos um estoque de projetos adequado às necessidades do país. Manutenção rodoviária No final de 2007 o ministro Alfredo Nascimento determinou ao DNIT o ordenamento de um novo programa de manutenção rodoviária. Esse programa foi formatado e aprovado em julho de 2008 e, a partir de então, a execução ocorre por meio de dois subprogramas: Crema 1ª etapa (ou PIR IV, com 32 mil quilômetros), e Crema 2ª etapa (com 30 mil quilômetros). A formatação e execução do programa de manutenção garantirão a preservação deste importante patrimônio que é a nossa malha rodoviária. Ferrovias Por intermédio de nosso Programa de Segurança Ferroviária Prosefer, estamos trabalhando 21 contornos para eliminar o conflito entre o tráfego ferroviário e o trânsito urbano, melhorando a trafegabilidade e, especialmente, garantindo maior segurança para o trânsito das composições ferroviárias. Foram identificados 901 pontos de conflito entre o tráfego ferroviário e o urbano, dos quais 122 foram catalogados como críticos e destes, trabalhamos, no momento, em 21. Precisamos de mais recursos para o setor ferroviário para que possamos aprimorar o Prosefer. Além deste programa, o DNIT é responsável pela fiscalização da malha ferroviária e está absorvendo o patrimônio da RFFSA, extinta em 2007, como oficinas, o remanescente da malha, galpões, depósitos de material, estações, dividindo essa responsabilidade com SPU e IPHAN. Obras aquaviárias Podemos destacar a continuidade das obras das eclusas de Tucuruí, que é a mais completa obra de engenharia nacional no momento e deve ficar pronta entre junho e setembro de Estamos licitando o projeto da eclusa de Estreito, 6 Informe DNIT 15.indd 6 2/12/ :37:28

7 novembro/ dezembo 2009 no rio Tocantins, e no segundo semestre de 2010 vamos licitar as obras. Uma vez licitadas as obras de Estreito, serão executadas, concomitantemente, as obras de Lajeado. Também foram autorizadas as obras no Pedral do Lourenço, no Rio Tocantins, que vão permitir a navegabilidade desde o lago de Tucuruí até Marabá. Há, ainda, o trabalho fundamental de implantação de terminais hidroviários que, além de ajudar o desenvolvimento regional, restabelecem a dignidade das pessoas e facilitam o transporte de cargas. Eles contribuem também para o ir e vir dos passageiros que hoje desembarcam em pranchas e, muitas vezes, têm que caminhar até 300 metros em lodo e lama para ter acesso às cidades, principalmente nos municípios localizados às margens dos rios. Temos 47 terminais em construção ou em fase final de licitação nos estados de Rondônia, Amazonas, Acre, Roraima, Pará e Rio Grande do Sul. Multimodalidade Um dos trabalhos desenvolvidos com a DPP e a DIR foi da multimodalidade. É fundamental para a competitividade nacional, geração de oportunidades e redução de desigualdades regionais. Temos um invejável potencial hídrico navegável que não aproveitamos por falta de recursos para projetos e obras. Estamos agora retomando a implantação de ferrovias. A combinação de novas rodovias e investimentos consistentes na área de ferrovias e hidrovias vai nos permitir, com certeza, gerar imensas oportunidades de negócios. Principalmente em regiões brasileiras que tem enorme potencialidade para projetos minerosiderurgcos, florestal, pesqueiro e de atividades relacionadas ao agronegócio. Resgate O PAC, nesta primeira fase de grandes obras rodoviárias, tem um caráter de recuperação do tempo perdido, de resgate após muitos anos com baixíssimos investimentos na área de infraestrutura que provocaram o sucateamento da malha rodoviária federal. A partir de 2005, começamos um amplo trabalho de recuperação, mas somente em 2007, com PAC, é que passamos a um orçamento disponível de mais de 2 bilhões por ano para reestruturação da malha. Esses investimentos são necessários até 2014 para estarmos com 100% da malha em boas condições. Hoje, de acordo com nossos levantamentos, feitos trimestralmente, temos 50% da malha federal em estado, 35% em satisfatório e 15% em precário. Na parte operacional, o Programa de Sinalização já está na 2ª fase, com grande velocidade de implantação. No Programa de Balanças, temos 78 implantadas e estamos licitando mais 144 para implantação a partir de No controle de velocidade, estamos concluindo o processo licitatório. Descentralização Na parte de gestão, um avanço foi a continuidade do processo de descentralização, iniciado na gestão anterior, transferindo maior responsabilidade para as Superintendências Regionais - SR. Muitas estavam com atividade exígua -praticamente recebiam os contratos e faziam a fiscalização. Hoje elas têm que desenvolver a cadeia total de atividades do DNIT, inclusive do programa de manutenção rodoviária, sendo responsáveis desde a aprovação dos projetos, licitados, até a execução dos programas. Equipe do DNIT A performance das equipes tem sido extremamente positiva. Atravessamos um período ruim de greves e quase moratória de serviços por conta de defasagens salariais e, aparentemente, isso está superado. Esperamos também que o reajuste salarial esteja contemplado já para Isso, com certeza, será extremamente motivador para as equipes, que têm se superado. Podemos comemorar, embora timidamente, a conclusão do processo de contratação de 100 novos engenheiros. O problema é que necessitamos de mais 500 profissionais e, no mínimo, mais 200 engenheiros. Pagamentos Ainda estamos lentos na parte de pagamentos de obras. São, em média, 45 dias desde o processo inicial da medição, feita por nosso engenheiro de campo, responsável pela obra; depois da planilha assinada, a medição vai para o engenheiro chefe e, então, para o superintendente regional, seguindo para nossas coordenadorias, nas diretorias, e finalmente, para a tesouraria. Precisaríamos reduzir toda a burocracia para um prazo máximo de 3 semanas 21 dias para podermos pagar as obras dentro do mês. O objetivo é termos um bom controle e construirmos com um melhor fluxo financeiro. Temos que melhorar de maneira coletiva: tanto nas superintendências como na sede, em nossas diretorias. Isso ajudaria muito a performance das obras. Socioambiental Outro setor que precisamos melhorar é a parte socioambiental. Pela quantidade de condicionantes impostas nas licenças prévias e de instalação, a Coordenação Geral de Meio Ambiente CGMAB está sobrecarregada. É fundamental uma revisão de legislação reduzindo burocracias que impedem a agilidade do licenciamento e a execução das obras. Muitas vezes não conseguimos que os órgãos que emitem as licenças cumpram os prazos para liberá-las e muitas obras acabam se arrastando indefinidamente por causa disso. Nos últimos 24 meses solicitamos 77 licenças ao Ibama e obtivemos 15. É um setor que o DNIT tem que melhorar a performance, mas depende de fatores externos. Além de nosso próprio quadro, estamos utilizando: institutos, fundações, universidades, centros de pesquisas e temos mais de 400 profissionais contratados ajudando na gestão desses processos. Controle externo Somos continuamente fiscalizados pelo TCU e CGU e, muitas vezes, nossas superintendências, coordenadorias e diretorias não dão a devida atenção aos pareceres dos técnicos e auditores. Notamos que, muitas vezes, os acórdãos do TCU e CGU refletem essa desatenção. Se tivéssemos respondido no momento correto, muitas das causas citadas em acórdãos já teriam sido eliminadas e até mesmo questões relacionadas a sobre preço poderiam ter sido esclarecidas. É imprescindível que as superintendências constituam um grupo de trabalho para fazer frente às demandas das auditorias. 7 Informe DNIT 15.indd 7 2/12/ :37:38

8 Ano IV, Número 15, Brasília/DF Crema garante boas condições em quase 30 mil quilômetros de rodovias Nova etapa do programa de recuperação trará ainda mais benefícios para os usuários BR 316 MA P avimento em bom estado e sinalização bem-cuidada são o que o usuário gosta e merece. Somente em 2009, o DNIT investe R$ 6 bilhões em contratos para que essa seja a realidade das rodovias federais brasileiras. Ao todo, são quilômetros que contarão com serviços de recuperação e manutenção. O Crema é um programa que, depois de revitalizar o pavimento, prevê que a empresa responsável pelos serviços mantenha as boas condições de tráfego por um período de até dois anos. Em geral, as maiores intervenções acontecem no primeiro ano do contrato. No ano seguinte, os serviços de manutenção garantem a segurança e o conforto de motoristas e passageiros. No momento, as obras já começaram em quilômetros, em rodovias de 17 estados brasileiros e no Distrito Federal. No momento, a Bahia é o estado com a maior extensão coberta por esse tipo de contrato. Quem passa por esses segmentos já sente a diferença. O Superintendente do DNIT no estado, Saulo Pontes, comenta que esses projetos trazem mais agilidade. Em um curto espaço de tempo, eles permitem uma Restauração Funcional na Rodovia, além de assegurar a sua manutenção por dois anos, com custos inferiores aos 8 Informe DNIT 15.indd 8 serviços necessários a uma Restauração Estrutural, explica. Mas há mais obras previstas: hoje o DNIT elabora projetos para mais quilômetros de rodovias. Outros estão em fase de licitação e em outros casos, a licitação já foi concluída. Esses quilômetros de rodovias incluem as que já estão em obras e aqueles trechos onde os serviços ainda vão começar, após a assinatura do contrato. Todos esses contratos já têm os recursos garantidos no orçamento do DNIT. Somente o Programa de Aceleração do Crescimento destina R$ 5,4 bilhões para esses serviços. Durante a apresentação do último balanço do PAC em Brasília, em outubro, a ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, deu destaque para a recuperação e manutenção das rodovias federais: Houve um imenso esforço para dar cobertura a toda malha rodoviária. Esse investimento gera retorno para a economia do país, pois com rodovias sempre em boas condições é possível diminuir o custo dos transportes e aumentar a competitividade. E isso se torna possível porque cada vez mais o DNIT investe em programas bem elaborados como o Crema, evitando obras de última hora. Estamos buscando e insistindo no planejamento. Só assim conseguiremos investir melhor os recursos públicos e garantir a longevidade das obras realizadas, afirma o Diretor Geral, Luiz Antonio Pagot. Essa busca constante já rende frutos. A nova etapa do Crema, chamada Pro Crema, trará projetos ainda melhores, que incluem a proibição de aditivos nos contratos, o que garante uma economia maior. Os editais já lançados prevêem outros tipos de intervenção no pavimento e uma forma de execução mais inteligente. Nessa próxima fase, 32 mil quilômetros de rodovias serão melhorados, com respaldo de recursos até BR 316 MA 2/12/ :37:44

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Estratégia Unindo Ações OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Fortalecer a capacidade de planejamento buscando o alinhamento das esferas de governo e sociedade Incorporar

Leia mais

105S - Adequação de Trecho Rodoviário - Divisa SE/BA - Entroncamento BR-324 - na BR-101 - no Estado da Bahia

105S - Adequação de Trecho Rodoviário - Divisa SE/BA - Entroncamento BR-324 - na BR-101 - no Estado da Bahia Programa 2075 - Transporte Rodoviário Número de Ações 227 105S - Adequação de Trecho Rodoviário - Divisa SE/BA - Entroncamento BR-324 - na BR-101 - no Estado da Bahia UO: 39252 - Departamento Nacional

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA O eixo de infraestrutura logística do PAC tem como objetivo ampliar a qualidade dos serviços de transporte, para aumentar a competitividade da

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador JOSÉ SERRA PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 Altera a Lei nº 11.314, de 3 de julho de 2006, que dispõe sobre o prazo referente ao apoio à transferência definitiva

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos

A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Conselho Superior Temático de Meio Ambiente - COSEMA Brasília, 19 de maio de 2009. Aspectos

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

Infraestrutura e Logística do Brasil. Bahia. Situação atual e perspectivas futuras. Ministério dos Transportes. Salvador/BA, 20 de maio de 2013

Infraestrutura e Logística do Brasil. Bahia. Situação atual e perspectivas futuras. Ministério dos Transportes. Salvador/BA, 20 de maio de 2013 Infraestrutura e Logística do Brasil Bahia Situação atual e perspectivas futuras Salvador/BA, 20 de maio de 2013 Ministério dos Transportes Dimensão dos Transportes no Brasil/Bahia Malha Rodoviária Federal

Leia mais

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Apresentação para o Grupo Votorantim Brasília, 05 de maio de 2009. Aspectos Institucionais Criada pela

Leia mais

PROGRAMAS REGIONAIS PROGRAMAS REGIONAIS NORTE FRONTEIRA NORTE NORDESTE ARAGUAIA- TOCANTINS FRONTEIRA NORTE OESTE NORTE SÃO FRANCISCO SUDOESTE LESTE

PROGRAMAS REGIONAIS PROGRAMAS REGIONAIS NORTE FRONTEIRA NORTE NORDESTE ARAGUAIA- TOCANTINS FRONTEIRA NORTE OESTE NORTE SÃO FRANCISCO SUDOESTE LESTE PROGRAMAS REGIONAIS PROGRAMAS REGIONAIS BR-174 BR-364 BR-317 BR-319 BR-230 BR-230 BR-163 BR-364 BR-230 BR-158 BR-364 MT-170 BR-010 BR-316 PA-150 BR-222 BR-020 BR-020 BR-230 BR-230 BR-304 BR-407 BR-101

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 Fevereiro/2014 1 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA), Associação

Leia mais

Tecnologia aumenta segurança na BR116/RS. Sistema de Transporte Inteligente ITS funcionará 24. hs/dia com câmeras distribuídas ao longo da rodovia e

Tecnologia aumenta segurança na BR116/RS. Sistema de Transporte Inteligente ITS funcionará 24. hs/dia com câmeras distribuídas ao longo da rodovia e Outubro Outubro de de 2010 2010 Informe Meio Ambiente Obra sobre rio Oiapoque DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES Pesquisas mostram melhoria das rodovias Vestígios encontrados em obras

Leia mais

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO NOVEMBRO 2013 ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE SOBRE O RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE OS MUNICÍPIOS DE PENEDO/AL E NEÓPOLIS/SE 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil. Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009

O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil. Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009 O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009 Hidrovia Paraná-Paraguai PAC FERROVIAS, HIDROVIAS E MARINHA MERCANTE Terminais

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS

SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS À SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS O QUE É O SAU? CONTRATO TT 107/07 00. PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS NO DISTRITO FEDERAL E NO ESTADO DE GOIÁS BR 040 BR 060 BR 153

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM. ARSESP - Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo Matriz de Transporte Modal Brasil Participação Estado de São Paulo Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s)

Indicador(es) Órgão(s) Programa 0237 Corredor Araguaia - Tocantins Objetivo Reduzir o custo do transporte de cargas na região que abrange os Estados do Pará, Tocantins, Maranhão, Mato Grosso e Goiás. Público Alvo Usuários de

Leia mais

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Resoluções Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO Nº 349, DE 16 DE AGOSTO DE 2004 Dispõe sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Curitiba Setembro/2013 Curitiba: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES Reestruturação do Setor de ESTRUTURA Transportes DE Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no, com

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES AÇÕES EXECUTADAS A retomada dos investimentos em transporte determinou a implantação de programas governamentais que otimizassem o gasto público por meio

Leia mais

JUSTIFICATIVA: Rodovia classificada como ruim/péssima (característica pavimento) na Pesquisa Rodoviária CNT 2007

JUSTIFICATIVA: Rodovia classificada como ruim/péssima (característica pavimento) na Pesquisa Rodoviária CNT 2007 Projeto 155 : Recuperação do pavimento BR-364, BR-317 e BR-319 E6 Rodoviária LOCALIZAÇÃO*: Humaitá - AM a Sena Madureira - AC INTERVENÇÃO: Adequação Categoria: Recuperação do Pavimento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

DECRETO Nº- 8.437, DE 22 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº- 8.437, DE 22 DE ABRIL DE 2015 DECRETO Nº- 8.437, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta o disposto no art. 7º, caput, inciso XIV, alínea "h", e parágrafo único, da Lei Complementar nº 140, de 8 de dezembro de 2011, para estabelecer as

Leia mais

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA)

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) O QUE É A FENAVEGA A FENAVEGA é uma Entidade de Classe de grau superior, constituída em conformidade com o disposto

Leia mais

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro:

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: A - SeMOB participa do Convênio em questão na condição de Concedente. O Convênio n 00112008 foi celebrado em 30/12/2008

Leia mais

Rodovia Perimetral Norte

Rodovia Perimetral Norte Buscando criar um novo caminho que integre as três rodovias Federais (Br s 101, 116 e 324), que cruzam Feira de Santana, a rodovia perimetral norte de 33 km, surge como uma alternativa muito importante

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia Plano Hidroviário Estratégico Belém, 01 de setembro de 2015 PHE - Objetivos Aumentar a participação do modal hidroviário

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 Corredores de Ônibus Manaus: Atendem três condicionantes: 1) Plano de Estruturação da Malha Viária do Governo do Estado do Amazonas; 2) Demanda

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Secretaria de Logística e Transportes Estrutura da Secretaria de Logística e Transportes Pátio 2 Obra Secretaria de Logística e Transportes Porto de São Sebastião Realizações 2011/2012 Descrição Nivelamento

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO

LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO LINHA DO TEMPO DA CONCESSÃO Abril/14 Julho/14 Agosto/14 Outubro/14 Dezembro/14 Abril/15 Via 040 assume a BR-040 Início dos trabalhos de conservação e manutenção, realizados de forma contínua desde então.

Leia mais

1 - Projetos de Investimentos. a) Terceira faixa na serra

1 - Projetos de Investimentos. a) Terceira faixa na serra 1 - Projetos de Investimentos a) Terceira faixa na serra A Serra de Teresópolis receberá a terceira faixa de rolamento em 12 de seus 14 quilômetros. O projeto, previsto no contrato de concessão, foi liberado

Leia mais

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão nº 338 agosto 2014 Odebrecht TransPort assume operação do Galeão Odebrecht 70 anos: trajetória em aeroportos Novos serviços para usuários-clientes de água e esgoto Rota do Oeste deve investir R$5,5 bilhões

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Esquema operacional de trânsito para a construção do BRT TransBrasil

Esquema operacional de trânsito para a construção do BRT TransBrasil Esquema operacional de trânsito para a construção do BRT TransBrasil Desde sábado, dia 10 de janeiro, a Avenida Brasil tem 2,5 faixas interditadas no trecho Caju e Manguinhos A Prefeitura do Rio, por meio

Leia mais

POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! 2 o semestre de 2015

POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! 2 o semestre de 2015 2º semestre de 2015 POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 1 A Engenharia

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Sólidos nos Terminais Rodoviários

Gerenciamento de Resíduos Sólidos nos Terminais Rodoviários Gerenciamento de Resíduos Sólidos nos Terminais Rodoviários Julho/2010 A SOCICAM Empresa brasileira de tecnologia e serviços voltados para sistemas de integração de transportes. Fundada em 1972, responde

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

AGU - Biênio 2007/2009

AGU - Biênio 2007/2009 AGU - Biênio 2007/2009 Economia/Arrecadação Economia/Arrecadação R$ 476 bilhões O orçamento da AGU no biênio foi de R$ 3,3 bilhões, o que corresponde a 0,7% do valor economizado/arrecadado. AGU representou

Leia mais

INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO

INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO PIL PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA NOVA ETAPA DE CONCESSÕES Investimentos projetados R$ 198,4 bilhões Rodovias R$ 66,1 bi Ferrovias R$ 86,4 bi Portos R$

Leia mais

Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB

Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB ARAÇOIABA 15.108 90 IGARASSU 82.277 323 ITAPISSUMA 20.116 74 ITAMARACÁ 15.858 65 PRAIA DE MARIA FARINHA A REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Municípios: 14 População:

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito?

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? SESSÃO TEMÁTICA Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? Brasília, 17 de novembro de 2009 Perspectivas de Investimentos O Brasil está diante de uma oportunidade inédita para aumentar de

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

Duplicação BR-101 Sul - Santa Catarina

Duplicação BR-101 Sul - Santa Catarina DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES Duplicação BR-101 Sul - Santa Catarina (Palhoça Passo de Torres/Divisa SC-RS) Relatório de andamento de obras Junho 2013 Fase 1 Obras contratadas

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU)

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Legenda da priorização das propostas: Ações que já foram iniciadas, devemos MONITORAR o andamento. Articular para 2013 o inicio da execução das Propostas. Sem prazo definido. Articular o inicio a medida

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes. A Melhoria da Estrutura Portuária

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes. A Melhoria da Estrutura Portuária MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes A Melhoria da Estrutura Portuária AGENDA PORTOS Coordenação das ações de governo, na Câmara de Política de Infra-estrutura,

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL. CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153

RELATÓRIO MENSAL. CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153 RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153 RODOVIA: BR-153 TO/GO TRECHO: Entre o entroncamento da BR-060 em Anápolis, no estado de Goiás, e o entroncamento com a TO-070 (Oeste)

Leia mais

INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO. (concluída) e a construção do Mercado Público Municipal. Ainda está prevista a criação de uma

INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO. (concluída) e a construção do Mercado Público Municipal. Ainda está prevista a criação de uma EIXO : INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento com opções de lazer projeto Blumenau 2050 prevê uma série de obras para alavancar o desenvol- O vimento econômico, o turismo e o lazer na cidade.

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Projeto de Portos no Amazonas Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches Curso: Engenharia Civil Duração: fevereiro de 2008 a junho de 2008

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 Regulamenta a Lei nº 11.483, de 31 de maio de 2007, no que se refere à avaliação da vocação logística

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA PLATAFORMAS LOGÍSTICAS E TERMINAIS HIDROVIÁRIOS 02.09.2015 SUMÁRIO 1 2 INTRODUÇÃO - Objetivos e Plano Estratégico

Leia mais

Gestão Ambiental de Infraestrutura de Transportes

Gestão Ambiental de Infraestrutura de Transportes Gestão Ambiental de Infraestrutura de Transportes S Gestão Ambiental no DNIT S O conceito de Gestão Ambiental em empreendimentos rodoviários foi institucionalizado em 2005 com o projeto de duplicação da

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos 7º Encontro de Logística e Transporte FIESP maio/2012 Conrado Grava de Souza Conselheiro ANPTrilhos Apoio: ANPTrilhos Objetivo

Leia mais

Principais Serviços. Projeto. Supervisão e Gerenciamento

Principais Serviços. Projeto. Supervisão e Gerenciamento A Empresa Engespro é uma empresa de engenharia consultiva criada há 30 anos, pelo Engenheiro Civil Jeronymo Pacheco Pereira que com grande força empreendedora vislumbrou oportunidades de mercado fundando

Leia mais

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais.

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais. BNDES PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 PROJETO BR-116 BR-381 BR 381 ES SP RJ Produto 3A ESTUDOS

Leia mais

Projeto 010 : Construção de contorno ferroviário de Tutóia. Ferroviária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Araraquara - SP

Projeto 010 : Construção de contorno ferroviário de Tutóia. Ferroviária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Araraquara - SP Projeto 010 : Construção de contorno ferroviário de Tutóia E6 Ferroviária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Araraquara - SP INTERVENÇÃO: Construção Categoria: Construção de Ferrovia EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

ANEXO VI 3583 REAPARELHAMENTO, ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO DOS POSTOS ADUANEIROS 2247 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR- SISCOMEX

ANEXO VI 3583 REAPARELHAMENTO, ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO DOS POSTOS ADUANEIROS 2247 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR- SISCOMEX PROGRAMA: 0910 ADEQUAÇÃO DE RODOVIAS FEDERAIS 5850 ADEQUAÇÃO DE RODOVIAS FEDERAIS 5851 ADEQUAÇÃO DE TRECHOS RODOVIÁRIOS NA REGIÃO SUDESTE 5868 ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE CAPACIDADE DE RODOVIAS PROGRAMA:

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

O DILEMA DOS GESTORES O DESAFIO DA GESTÃO

O DILEMA DOS GESTORES O DESAFIO DA GESTÃO 1 O DILEMA DOS GESTORES NECESSIDADES CRESCENTES RECURSOS LIMITADOS O DESAFIO DA GESTÃO SITUAÇÃO DE SAÚDE DA POPULAÇÃO Condições crônicas MODELO DE ATENÇÃO Condições agudas 3 Um sistema formador complexo

Leia mais

ESPECIAL. PAVISERVICE Com mais de 15 anos de mercado, empresa é referência em obras rodoviárias

ESPECIAL. PAVISERVICE Com mais de 15 anos de mercado, empresa é referência em obras rodoviárias ESPECIAL PAVISERVICE Com mais de 15 anos de mercado, empresa é referência em obras rodoviárias 22 Brasil Vias Edição 60 Maio/2012 Presente em vários Estados, a Paviservice está entre as cinco maiores empresas

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão Aeroviário Ferroviário Criciúma - Forquilinha/ Criciúma - Forquilinha/ Construção/Melhorias Não Planejado 8.081 N.A. Pós 2015 Florianópolis/ (Internacional Hercílio Luz) - Infraero Jaguaruna, Correia Pinto

Leia mais

CLIPPING EVENTO DO DIA 26/11 COM PRESIDENTE DA EPL

CLIPPING EVENTO DO DIA 26/11 COM PRESIDENTE DA EPL CLIPPING EVENTO DO DIA 26/11 COM PRESIDENTE DA EPL 27/11/2012 27/11/2012 27/11/2012 Meta da EPL é que Trem de Alta Velocidade Rio-São Paulo opere em 2018 Em palestra na Amcham Rio, o presidente da EPL,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA QUESTIONAMENTOS (preencha de forma clara, legível e objetiva os campos abaixo)

AUDIÊNCIA PÚBLICA. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA QUESTIONAMENTOS (preencha de forma clara, legível e objetiva os campos abaixo) NOME: RENATO SILVA JUNIOR ÓRGÃO/ENTIDADE/EMPRESA: PREFEITURA SANTA LUZIA DO ITANHY Como no trecho do Rio Piaui que liga a zona urbana a zona rural do Município de Estância, logo há um grande fluxo de veiculo

Leia mais

Negócios nos Trilhos ENCONTREM 2006

Negócios nos Trilhos ENCONTREM 2006 Negócios nos Trilhos ENCONTREM 2006 Conclusão da Linha 1 Eldorado / Vilarinho 28 km de linha em superfície 19 estações, com 5 terminais de integração 25 TUEs 142 mil passageiros dia útil (média out/06)

Leia mais

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012 CodeP0 Balanço 2012 Copa do Mundo Cidadesede Curitiba Brasília, CodeP1 Valores Consolidados R$ mi, abr/12 Total Empreendimentos Investimento Total Financiamento Federal Local Federal Privado Estádio 1

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) 2 Adequar/Ampliar o Sistema Viário PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

SETOR DE TRANSPORTE... 3. 1. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO... 5 1.1. Transporte hidroviário marítimo... 5 1.2. Transporte hidroviário fluvial...

SETOR DE TRANSPORTE... 3. 1. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO... 5 1.1. Transporte hidroviário marítimo... 5 1.2. Transporte hidroviário fluvial... Versão em EDIÇÃO SETOR DE TRANSPORTE... 3 1. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO... 5 1.1. Transporte hidroviário marítimo... 5 1.2. Transporte hidroviário fluvial... 5 2. TRANSPORTE TERRESTRE... 7 2.1. Estruturas Rodoviárias...

Leia mais

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras

1 Elaborar o Plano Diretor de Mobilidade Urbana (PDMU) Objetivo Indicador Métrica Proposta Entraves Ações Viabilizadoras PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DE MOBILIDADE URBANA E RODOVIAS -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que Santa Maria tenha em 2050 um Sistema Viário e de transporte público sustentável,

Leia mais

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento.

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. 2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. A Evolução Clique para das editar Hidrovias o estilo Brasileiras do subtítulo mestre Visão da CNT Marcos Machado Soares Advogado e Diretor

Leia mais

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária Dr. Adalmir José de Souza Abril de 2007 A Hidropolítica já é um dos temas mais importantes no mundo, numa humanidade que se projeta, os cursos

Leia mais

ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO

ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO 1 INTRODUÇÃO A ANTF Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários congrega oito empresas Concessionárias prestadoras dos serviços públicos de transporte

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DAS INST. FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR -DIFES COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - CGPO - SIMEC - SISTEMA

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO Marco regulatório Financiamento para o setor público marco regulatório O crédito para o setor público é regulado pela Resolução BACEN nº 2.827. Há duas formas de operar

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte VIII CONSE Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012 Apresentação Carlos Monte Conceitos Gerais A Engenharia é a profissão do Crescimento. Mais emprego, melhores sálarios e inclusão social com distribuição

Leia mais