Manual de Identidade Visual. Programa de Avaliação de Desempenho dos Técnico-Administrativos em Educação da UFJF

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Identidade Visual. Programa de Avaliação de Desempenho dos Técnico-Administrativos em Educação da UFJF"

Transcrição

1 Manual de Identidade Visual

2 Apresentação e Variações Manual de Identidade Visual

3 Apresentação e Variações Manual de Identidade Visual

4 Apresentação e Variações Manual de Identidade Visual

5 Apresentação e Variações Manual de Identidade Visual

6 Conceito A Universidade Federal de Juiz de Fora apresentou o como um projeto sistêmico, pedagógico e contínuo, que tem como objetivo analisar o desempenho e o potencial de cada servidor no seu cargo, na sua função e no ambiente de trabalho. A partir desse conceito, a logomarca vem transmitir a ideia de meta, valorização do trabalho em equipe, humanização e desenvolvimento. Para remeter à ideia de meta, a logomarca assumiu o formato de uma estrela de quatro pontas. As estrelas sempre indicam um caminho; são tidas como referência. Na época das grandes navegações, por exemplo, a partir da localização das estrelas no céu, os navegantes tomavam seu rumo e seguiam seu destino. Assim, pode-se fazer uma analogia, afirmando que o é um guia e que ele sugere caminhos a serem seguidos. Essa estrela é representada através de um espiral que se inicia com quatro partes distintas (cada ponta da estrela), as quais vão se intrincando e se sobrepondo, até terminar no centro. Esse movimento sugere um túnel, indicando um caminho, um objetivo. A formação do espiral a partir dessas quatro partes distintas - e o fato de elas se apresentarem intrincadas - sugere a ideia de trabalho em equipe. Portanto, para se realizar um bom trabalho e atingir um objetivo, é necessário que todos os participantes do programa estejam envolvidos, unidos e comprometidos a fim de atingir o ideal proposto. A logomarca não apresenta linhas totalmente retas e nem curvas perfeitas. Isso significa que é um objeto a ser trabalhado, lapidado, assim como é o, que requer sempre uma reciclagem, uma renovação a cada momento. E esse trabalho de lapidação, de dar forma ao programa, cabe a todos os envolvidos. Por fim, a escolha de tons na cor laranja tem a finalidade de refletir a energia e a vivacidade impulsiva e natural dessa coloração. Isso, porque o laranja é comumente associado a conceitos como entusiasmo, vitalidade, movimento, criatividade e alegria, assim como coragem, confiança, iniciativa, espontaneidade e atitude positiva frente à vida. Manual de Identidade Visual

7 Esquema de Cores C:0% M:45% Y:53% K:0% C:0% M:14% Y:16% K:0% C:0% M:59% Y:70% K:0% C:0% M:53% Y:55% K:0% C:0% M:17% Y:18% K:0% C:0% M:70% Y:72% K:0% C:0% M:64% Y:69% K:0% C:0% M:10% Y:11% K:0% C:0% M:44% Y:47% K:0% C:0% M:40% Y:45% K:0% C:0% M:18% Y:20% K:0% C:0% M:64% Y:74% K:0% C:61% M:61% Y:61% K:0% C:0% M:0% Y:0% K:7% C:0% M:0% Y:0% K:29% C:0% M:0% Y:0% K:27% C:0% M:0% Y:0% K:9% C:0% M:0% Y:0% K:38% C:0% M:0% Y:0% K:32% C:0% M:0% Y:0% K:7% C:0% M:0% Y:0% K:25% C:0% M:0% Y:0% K:21% C:0% M:0% Y:0% K:12% C:0% M:0% Y:0% K:35% Manual de Identidade Visual

8 Tipografia Fonte: Futura Hv BT Fonte: Univers Condensed Fonte: Futura Hv BT Aa Bb Cc Dd Ee Ff Gg Hh Ii Jj Kk Ll Mm Nn Oo Pp Qq Rr Ss Tt Uu Vv Xx Zz Fonte: Univers Condensed Aa Bb Cc Dd Ee Ff Gg Hh Ii Jj Kk Ll Mm Nn Oo Pp Qq Rr Ss Tt Uu Vv Xx Zz Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual ÍNDICE APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO MANUAL 1ASSINATURA ESCALA DE CORES TIPOGRAFIA DE APOIO 2APLICAÇÃO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL PEÇAS GRAFICAS 2.1 Arejamento/Proteção 2.2 Redução

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª

PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª ESTABELECE QUE A TAXA MUNICIPAL DE DIREITOS DE PASSAGEM PASSA A SER PAGA DIRETAMENTE PELAS OPERADORAS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS E PREVÊ SANÇÕES PARA O

Leia mais

Conteúdo: - Alfabeto - letras k, w, y e vogais - Uso do dicionário FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER I DESAFIO DO DIA

Conteúdo: - Alfabeto - letras k, w, y e vogais - Uso do dicionário FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER I DESAFIO DO DIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Conteúdo: - Alfabeto - letras k, w, y e vogais - Uso do dicionário 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Habilidades:

Leia mais

½ x. ½ x. Manual de identidade visual

½ x. ½ x. Manual de identidade visual Manual de identidade visual SUMÁRIO. Introdução... 02 Primeira Marca Fase Sport... 03 Nova Marca Fase Sport... 04 Evolução da Marca... 05 Composição da Marca... 06 Formação da Marca... 07 Construção da

Leia mais

Apresentação... 02. Introdução... 04. Marca... 05. Grid de construção... 06. Reserva de integridade... 07. Marca completa e simplificada...

Apresentação... 02. Introdução... 04. Marca... 05. Grid de construção... 06. Reserva de integridade... 07. Marca completa e simplificada... M a n u a l d e I d e n t i d a d e V i s u a l M a n u a l d e I d e n t i d a d e V i s u a l Manual de Identidade Visual Índice Apresentação................................... 02 Introdução.....................................

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Projeto de Lei n.º 359/XII/2ª

Projeto de Lei n.º 359/XII/2ª Projeto de Lei n.º 359/XII/2ª Procede à 7.ª alteração da Lei n.º 5/2004, de 10 de Fevereiro, que estabelece o regime jurídico aplicável às redes e serviços de comunicações eletrónicas e aos recursos e

Leia mais

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES.

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. E a marca HEAVYLOAD transmite essa confiança e, também, cria essa percepção! Em cada momento

Leia mais

Manual Resumido Identidade Corporativa Projeto Piatam

Manual Resumido Identidade Corporativa Projeto Piatam Manual Resumido Identidade Corporativa Projeto Piatam Fevereiro de 2007 Manaus - Amazonas Ao Usuário Este documento contém os objetivos da marca Piatam com as regras básicas de sua utilização e aplicação.

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual 2013 Introdução A MARCA A identidade Visual Corporativa da Cral foi elaborada com a finalidade de promover a padronização da aplicação da Marca, do padrão de pintura Cral em

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA 001

TERMOS DE REFERÊNCIA 001 TERMOS DE REFERÊNCIA 001 CONSULTORIA TÉCNICA PARA PREPARAR INFORMAÇÕES PARA SUBISIDIAR O MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS COM O ODM #7 1. Objetivo Contratação

Leia mais

PREFEITURA MU ICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MU ICIPAL DE GOVER O

PREFEITURA MU ICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MU ICIPAL DE GOVER O LEI COMPLEMENTAR Nº 273, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera o art. 59 da Lei nº 386, de 17 de fevereiro de 1993, e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS Faço saber que a Câmara Municipal de Palmas

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA

CURSO: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA Distúrbios Relativos à QE 1,5 Tensão [PU] 1 0,5 0-0,5-1 -1,5 Tempo CURSO: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO DE: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA DIRIGIDO

Leia mais

Sumário. Introdução 02. Símbolo 03. Definição cromática. Alfabeto padrão. Variante de uso ANEXO

Sumário. Introdução 02. Símbolo 03. Definição cromática. Alfabeto padrão. Variante de uso ANEXO Sumário Introdução 02 Símbolo 03 Definição cromática Alfabeto padrão Variante de uso 04 05 06 Dominante horizontal Dominante central Diagramas de construção Usos preferenciais de cores Reduções Exemplo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 313/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 313/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 313/XII Exposição de Motivos O XIX Governo Constitucional implementou, ao longo da presente legislatura, importantes e significativas reformas no setor da administração local, em que

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CLASSIFICAÇÃO-N.º/VERSÃO:PGR-27/01 ENTRADA EM VIGOR: 17-10-2008 DATA DE APROVAÇÃO: 23-10-2008 Âmbito: PRODER E PRORURAL 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 1. PLANO DIRETOR Com o intuito de gerenciar, planejar, avaliar e recompensar, criando e mantendo um ambiente profissional e positivo na organização, passamos a seguinte análise e plano de ação. *Obs.:

Leia mais

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato ANEXO III AO EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 5-1-2014 Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato a) Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS DE IDENTIDADE VISUAL DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS DE IDENTIDADE VISUAL DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS DE IDENTIDADE VISUAL DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ÍNDICE UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Introdução Composição Grelha de Construção Símbolo Logótipo Horizontal Logótipo

Leia mais

promotoria (futura ocupação) promotoria fazenda pública assessoria assessoria assessoria PLC 003Z PLC 003P PLC 001G PLC 005A PLC 001F

promotoria (futura ocupação) promotoria fazenda pública assessoria assessoria assessoria PLC 003Z PLC 003P PLC 001G PLC 005A PLC 001F sala reunião escritório analista jurídico ( fazenda pública) I.S..15 PLC 004B PLC 003BB fazenda pública fazenda pública (futura ocupação) (futura ocupação) PLC 003AA coordenação fazenda pública PLC 003Z

Leia mais

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012 NIVELAMENTO MATEMÁTICA 202 Monitor: Alexandre Rodrigues Loures Monitor: Alexandre Rodrigues Loures SUMÁRIO. LOGARITMOS... 3.. Mudança de base... 3.2. Propriedades dos logaritmos... 4 2. DERIVADAS... 4

Leia mais

Matriz de Avaliação de Matemática

Matriz de Avaliação de Matemática Matriz de Avaliação de Matemática A prova de matemática do TRLQ (Teste de Raciocínio Lógico Quantitativo) tem por objetivo avaliar o preparo das pessoas que a realizam para cursar programas de ensino que

Leia mais

RESOLUÇÃO PPGECEA/UEFS N 02/2008

RESOLUÇÃO PPGECEA/UEFS N 02/2008 U N II V EE R S II D A D EE EE S TT A D U A LL D EE FF EE II R A D EE S A N TT A N A Autorizada pelo Decreto Federal N o 77.496 de 27/04/76 Reconhecida pela Portaria Ministerial N o 874/86 de 19/12/86

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho?

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS 681 1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANEXO 4 - ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS SUJEITO UNIDADE DE CONTEXTO UNIDADE

Leia mais

Nossa identidade Um manual completo de normas

Nossa identidade Um manual completo de normas Nossa identidade Um manual completo de normas Versão 1.0 Novembro 2010 2010, Laureate International Universities SUMÁRIO Parte 1 - Bem vindo 03 Laureate International Universities 04 Parte 2 - Aplicação

Leia mais

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 02/06/2014 Índice ÍNDICE... 2 APRESENTAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PROCESSO DE INSTALAÇÃO... 4 ATUALIZANDO UM SEGUNDO AMBIENTE... 25 Página 2 de 26 Apresentação Este

Leia mais

A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA

A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA Histórico do Programa 1975 a 1996 100% convencional 1996 a 2005 convencional e RR1 2005 a 2008 RR1, convencional e cultivance 2008 a 2014 RR1, Intacta,

Leia mais

FICHA CADASTRAL DA EFPC PARA INSCRIÇÃO NO QUADRO SOCIAL

FICHA CADASTRAL DA EFPC PARA INSCRIÇÃO NO QUADRO SOCIAL 11 )) IIN FFO RRM AA ÇÇÕ EE SS GG EE RR AA II SS Nome Completo: CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Nome Reduzido: CAGEPREV Endereço: AV. TREZE DE MAIO, 1116 SALAS 904/905 FÁTIMA Cidade:

Leia mais

Manual de Identidade Visual Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Manual de Identidade Visual Universidade Tecnológica Federal do Paraná Manual de Identidade Visual Universidade Tecnológica Federal do Paraná Versão 2011 01 Índice Apresentação 02 Uso dos termos Câmpus A logomarca da UTF 03 04 Logomarca 05 Reprodução em Cor - Escala CMYK

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010. Regulamenta a Lei nº 11.934, de 5 de maio de 2009, no que se refere aos limites à exposição humana a campos

Leia mais

DESCRIÇÃO FINALIDADE FLUXOGRAMA DE FUNCIONAMENTO

DESCRIÇÃO FINALIDADE FLUXOGRAMA DE FUNCIONAMENTO MANUAL DO USUÁRIO DESCRIÇÃO O SR5 Evolution permite ligar vários amplificadores e crossovers sequencialmente, evitando o surto inicial gerado na alimentação quando todo o sistema de som é ligado simultaneamente.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Diário da República, 1.ª série N.º 163 21 de agosto de 2015 6231 mediante acordo dos respetivos titulares, solicitar a integração parcial ou total e ou a redistribuição das respetivas potências. 3 O pedido

Leia mais

Carla Jobling (Advogada) Luís Figueira (Jurista) JurIndex3

Carla Jobling (Advogada) Luís Figueira (Jurista) JurIndex3 Carla Jobling (Advogada) Luís Figueira (Jurista) JurIndex3 Termos de utilização: 1. Versão livre para utilização sem finalidade lucrativa. 2. Não é autorizada a utilização para fins comerciais ou noutras

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO METODOLOGIA DE ALINHAMENTO ESTRATÉGICO: Metodologia de alinhamento estratégico por painéis de contribuição, com apoio de mapas mentais, do TRT da 8ª Região (Método APCMM/TRT8) Belém PA 2013 METODOLOGIA

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL DE

RELATÓRIO SEMESTRAL DE A rr t i gg oo 11... º ee ) PP rr oo cc ee dd ee rr àà ee l aa bb oo rr aa çç ãã oo dd ee N aa t uu rr ee zz aa dd oo cc uu m ee nn t oo ss ee ss t rr aa t éé gg i cc oo ss pp aa rr aa A D i rr ee cc çç

Leia mais

Lista 3 Figuras planas

Lista 3 Figuras planas Profa. Debora Cristiane arbosa Kirnev Disciplina: Geometria Descritiva I Curso: rquitetura e urbanismo 2º Semestre Nome: 1. Construa o que se pede: Lista 3 Figuras planas a) Semi-reta de origem e que passa

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO Junho 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Os textos agora propostos para consulta pública carecem ainda de aperfeiçoamentos

Leia mais

ESTUDO DE CASO LOJA DE PEÇAS MOTOPEÇAS

ESTUDO DE CASO LOJA DE PEÇAS MOTOPEÇAS ESTUDO DE CASO LOJA DE MOTO 1. Objetivo 1.1. Construção do modelo lógico de dados corporativo da empresa Motopeças através de: 1.1.1. elaboração do modelo lógico de dados dos subsistemas de Controle de

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS REGULAMENTO DA QUALIDADE DO SERVIÇO Regulamento da Qualidade de Serviço Índice Capítulo I Disposições Gerais... 1 Artigo 1.º Objecto... 1 Artigo 2.º Âmbito...

Leia mais

Jornal da República LEI N.º 3 / 2012. de 13 de Janeiro. Autorização Legislativa em Matéria Ambiental

Jornal da República LEI N.º 3 / 2012. de 13 de Janeiro. Autorização Legislativa em Matéria Ambiental LEI N.º 3 / 2012 de 13 de Janeiro Autorização Legislativa em Matéria Ambiental Os desafios que o país enfrenta ao nível da proteção e conservação ambientais, exigem a definição urgente das bases de uma

Leia mais

manual de identidade corporativa

manual de identidade corporativa manual de identidade corporativa Manual Identidade Corporativa Projeto Piatam Fevereiro de 2007 Manaus - Amazonas Ao Usuário Este documento contém os objetivos da marca Piatam com as regras básicas de

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DE SAÚDE - MÉDICOS

ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DE SAÚDE - MÉDICOS ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DE SAÚDE - MÉDICOS 1. DURAÇÃO DO CURSO: 1400 horas - 35 semanas. 2. OBJETIVOS GERAIS DO CURSO: Habilitar os profissionais de saúde da área médica

Leia mais

ANEXO I 1.5 TIPOS DE APARELHOS DE AR CONDICIONADO E QUANTIDADE A SEREM INSTALADAS. TIPO MAT./Serv. Material consumo. Material. consumo.

ANEXO I 1.5 TIPOS DE APARELHOS DE AR CONDICIONADO E QUANTIDADE A SEREM INSTALADAS. TIPO MAT./Serv. Material consumo. Material. consumo. ANEXO I 1.1 Este Termo de Referência tem por objetivo a contratação de empresa especializada em prestação de serviços de Instalação de aparelhos de ar condicionado tipo split (unidade condensadora, unidade

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 208 26 de outubro de 2012 6103. Artigo 72.º. Artigo 67.º. (Revogado.)

Diário da República, 1.ª série N.º 208 26 de outubro de 2012 6103. Artigo 72.º. Artigo 67.º. (Revogado.) Diário da República, 1.ª série N.º 208 26 de outubro de 2012 6103 (Revogado.) Artigo 67.º CAPÍTULO IX Disposições finais Artigo 72.º Operação logística de mudança de comercializador de gás natural O regime

Leia mais

C O N Q U I S TA L U G A R PA R A O S

C O N Q U I S TA L U G A R PA R A O S NN.º.º 88 88 M M AA RR Ç Ç OO // AA B B RR II LL 22 00 11 66 B B II M M EE SS TT RR AA LL INÊS HENRIQUES C O N Q U I S TA L U G A R PA R A O S JOGOS OLÍMPICOS! 6 de Março INÊS HENRIQUES EM 2.º LUGAR NO

Leia mais

Alterações da Versão 5.8.7.2 para a 5.8.8

Alterações da Versão 5.8.7.2 para a 5.8.8 Documento Atualizado em: 23/11/2011 - Versão: 1.1 Prezados Clientes: Abaixo, estão os Novos Recursos da versão 2.0.6 BUILD: 5.8.8.1 em relação ao Build 5.8.7.2. Dividimos as alterações por Menus, sendo

Leia mais

UM ALGORITMO PARA LIDAR COM O ROTEAMENTO DE VEÍCULOS CAPACITADOS

UM ALGORITMO PARA LIDAR COM O ROTEAMENTO DE VEÍCULOS CAPACITADOS UM ALGORITMO PARA LIDAR COM O ROTEAMENTO DE VEÍCULOS CAPACITADOS Jeferson Silva Martins, jsm.ctl@gmail.com Thiago Alves de Queiroz, th.al.qz@catalao.ufg.br Resumo: Este trabalho apresenta um algoritmo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

G T G 2015-06. Plano Complexo. Construção do Plano Complexo no Sketchpad. ferramentas e exemplos. plano_complexo.gsp

G T G 2015-06. Plano Complexo. Construção do Plano Complexo no Sketchpad. ferramentas e exemplos. plano_complexo.gsp Construção do no Sketchpad 1 Construção do no Sketchpad Capítulo 3 Conjunto de problemas, demonstrações de resultados elementares e importantes da geometria do plano e construção de curvas especiais 2

Leia mais

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL 1 o º ciclo Índice ABRIR O WORD..2 E AGORA VAMOS À ESCRITA....4 TIPO DE LETRA.. 5 IMAGENS E GRAFISMOS...5 GUARDAR UM DOCUMENTO...6 IMPRIMIR UM DOCUMENTO...7 SAIR DO DOCUMENTO E DO WORD. 8 TUTORIAL O que

Leia mais

. Aplicações - Impresso e Digital...21 Suporte: papel offset 90 g/m². . Aplicações - Cartão de Visitas...22 Impressão: jato de tinta

. Aplicações - Impresso e Digital...21 Suporte: papel offset 90 g/m². . Aplicações - Cartão de Visitas...22 Impressão: jato de tinta MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL. Fevereiro/2009 01 Índice. A Identidade Corporativa do Ministério Público do Estado do Amazonas...5 ÍNDICE. Marca MP-AM...6. Composição do brasão (símbolo)...6. Espada...6.

Leia mais

REGRAS CONJUNTAS DE CONTRATAÇÃO DA PORTUGAL ESPANHA CAPACIDADE DA INTERLIGAÇÃO. Novembro 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

REGRAS CONJUNTAS DE CONTRATAÇÃO DA PORTUGAL ESPANHA CAPACIDADE DA INTERLIGAÇÃO. Novembro 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGRAS CONJUNTAS DE CONTRATAÇÃO DA CAPACIDADE DA INTERLIGAÇÃO PORTUGAL ESPANHA Novembro 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303

Leia mais

UM ANO DE REGIME PROCESSUAL CIVIL EXPERIMENTAL

UM ANO DE REGIME PROCESSUAL CIVIL EXPERIMENTAL A rr t i gg oo 11... º N aa t uu rr ee zz aa A D i rr ee cc çç ãã oo - G ee rr aa l dd aa PP oo l í t i cc aa dd ee JJ uu ss t i çç aa,,, aa bb rr ee vv i aa dd aa m ee nn t ee dd ee ss i gg nn aa dd aa

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS DE SERVIÇOS PARA AS OBRAS DE COBERTURA DE QUADRAS POLIESPORTIVAS EM UNIDADES ESCOLARES

ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS DE SERVIÇOS PARA AS OBRAS DE COBERTURA DE QUADRAS POLIESPORTIVAS EM UNIDADES ESCOLARES ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS DE SERVIÇOS PARA AS OBRAS DE COBERTURA DE QUADRAS POLIESPORTIVAS EM UNIDADES ESCOLARES 01. PRELIMINARES Todos os serviços contratados serão executados rigorosamente de acordo com

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL Abril 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

REGIMENTO da CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS

REGIMENTO da CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS REGIMENTO da CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS (Regimento da Câmara Municipal de Oeiras (RCMO) aprovado pela Deliberação n.º 947/2013, na reunião da Câmara Municipal de Oeiras, realizada no dia 27/11/2013, e

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 194 8 de outubro de 2012 5588-(45)

Diário da República, 1.ª série N.º 194 8 de outubro de 2012 5588-(45) Diário da República, 1.ª série N.º 194 8 de outubro de 2012 5588-(45) portaria, um sistema inteligente, tendo em conta o cumprimento das obrigações europeias e respetivos prazos de cumprimento. 5 A portaria

Leia mais

UNICAMP 2015 (2ª Fase)

UNICAMP 2015 (2ª Fase) Questão 1 Sejam ll, mm, gg e vv as quantidades de infrações leves, médias, graves e gravíssimas, respectivamente. Assim, devemos ter que 3ll + 4mm + 5gg + 7vv = 13. Claramente, vv = 1 ou vv = 0. Se vv

Leia mais

B E L G O B E K A E R T A R A M E S S. A.

B E L G O B E K A E R T A R A M E S S. A. A TT S O U R C E Sistemas completos de exaustão localizada e filtragem de fumos metálicos e demais particulados gerados em diversos processos industriais. Filtros para névoa de óleo. Sistemas de aspiração

Leia mais

PORTARIA Nº 1.032, DE 5 DE MAIO DE 2010

PORTARIA Nº 1.032, DE 5 DE MAIO DE 2010 PORTARIA Nº 1.032, DE 5 DE MAIO DE 2010 Inclui procedimento odontológico na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses e Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde - SUS, para atendimento

Leia mais

EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 002 ANEXO III - DEFINIÇÕES E PREMISSAS APLICÁVEIS AO EDITAL

EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 002 ANEXO III - DEFINIÇÕES E PREMISSAS APLICÁVEIS AO EDITAL EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 002 ANEXO III - DEFINIÇÕES E PREMISSAS APLICÁVEIS AO EDITAL a) Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL : órgão

Leia mais

FIS Projeto de Apoio Eletromagnetismo

FIS Projeto de Apoio Eletromagnetismo FIS1053 - Projeto de Apoio Eletromagnetismo 7ª Lista de Problemas Tema: Biot-Savart 1º Questão: Seja a espira mostrada na figura ao lado que está no plano xy e na qual passa uma corrente i no sentido anti-horário.

Leia mais

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO SEGURADORAS E RESSEGURADORAS, DE FUNDOS DE PENSÕES E SUAS SOCIEDADES GESTORAS E OUTRAS SOCIEDADES

Leia mais

BASES DO SISTEMA MÉTRICO DECIMAL NOÇÕES BÁSICAS DE CONVERSÃO DE UNIDADES

BASES DO SISTEMA MÉTRICO DECIMAL NOÇÕES BÁSICAS DE CONVERSÃO DE UNIDADES 1 PROFESSOR DA TURMA: WLADIMIR 1. INTRODUÇÃO BASES DO SISTEMA MÉTRICO DECIMAL NOÇÕES BÁSICAS DE CONVERSÃO DE UNIDADES Este material apresenta um resumo dos principais conhecimentos básicos necessários

Leia mais

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REGISTRO DE PREÇOS PARA CONTRATAÇÃO DE: SOLUÇÃO DE VIRTUALIZAÇÃO DE STORAGES E REPLICAÇÃO REMOTA

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REGISTRO DE PREÇOS PARA CONTRATAÇÃO DE: SOLUÇÃO DE VIRTUALIZAÇÃO DE STORAGES E REPLICAÇÃO REMOTA ANEXO II ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REGISTRO DE PREÇOS PARA CONTRATAÇÃO DE: SOLUÇÃO DE VIRTUALIZAÇÃO DE STORAGES E REPLICAÇÃO REMOTA LOTE 01 DESCRIÇÃO ITEM 1 Sistema de armazenamento Storage IBM StorWize

Leia mais

ANEXO XIII MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO XIII MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO XIII MEMORIAL DESCRITIVO 1. APRESENTAÇÃO O presente MEMORIAL DESCRITIVO tem por finalidade determinar os detalhes de acabamento, tipo e a qualidade dos materiais a serem utilizados na reforma do

Leia mais

Parágrafo Quinto Integram este CONTRATO de forma inseparável os seguintes Anexos, devidamente rubricados pelas PARTES:

Parágrafo Quinto Integram este CONTRATO de forma inseparável os seguintes Anexos, devidamente rubricados pelas PARTES: CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM AMÉRICA ENERGIA S.A. E [COMPRADOR] Pelo presente Instrumento: De um lado, AMÉRICA ENERGIA S.A., com sede na Rua Olimpíadas, 200 5º andar

Leia mais

Cinco eixos, dentro da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, visam fortalecer as políticas públicas e dar

Cinco eixos, dentro da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, visam fortalecer as políticas públicas e dar M A N U A L D E I D E N T I D A D E V I S U A L Cinco eixos, dentro da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, visam fortalecer as políticas públicas e dar voz e vez às pessoas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º. Exposição de Motivos PL 437/2012 2012.09.10 Exposição de Motivos O Governo tem vindo a empreender um conjunto de iniciativas de natureza legiferante cujos pressupostos materiais decorrem dos objetivos oportunamente enunciados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL IDENTIFICAÇÃO Disciplina: ECO-02215 Contabilidade Social Carga horária: 4 horas/aula semanais Créditos: 04 Turmas: A e B Professor: Carlos Henrique Horn 1. Introdução ao estudo da Contabilidade Social

Leia mais

ANEXO I DO EDITAL TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I DO EDITAL TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO ANEXO I DO EDITAL TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 Registro de preços para eventual contratação de serviços de agenciamento de viagens para voos não atendidos pelas companhias aéreas credenciadas, domésticos

Leia mais

EDITAL PFN MS nº 07/2015, de 05 de outubro de 2015

EDITAL PFN MS nº 07/2015, de 05 de outubro de 2015 14AA14 EDITAL PFN MS nº 07/2015, de 05 de outubro de 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARACONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO NÍVEL SUPERIOR - CURSO DE DIREITO - PFN MS A Presidente da Comissão Organizadora do

Leia mais

manual de identidade visual Cremer

manual de identidade visual Cremer manual de identidade visual Cremer 2 A marca Cremer apresenta sua nova identidade visual. A percepção dos em contato com a nova logomarca dependerá da máxima clareza e coerência na sua forma de aplicação.

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE LAGOS Índice CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 Artigo 1.º Lei habilitante... 5 Artigo 2.º Objeto... 5 Artigo 3.º Âmbito de aplicação... 5 Artigo

Leia mais

MATÉRIAS DE EXAME DE GRADUAÇÃO EM KICK BOXING / BOXE CHINÊS/ MUAY THAI

MATÉRIAS DE EXAME DE GRADUAÇÃO EM KICK BOXING / BOXE CHINÊS/ MUAY THAI KICK BOXING 2 GRAU FAIXA AMARELA/ BOXE CHINES 3 GRADUAÇÃO - FAIXA AMARELA MUAY THAI 3 NIVEL - KRUANG VERMELHA E 4 NIVEL KRUANG BRANCO COM PONTA AZUL CLARA a. 10 MINUTOS DE CORDA b. 50 FLEXÕES DE BRAÇO

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA UNIDADE DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA

REPÚBLICA DE ANGOLA UNIDADE DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 1. OBJECTIVO O presente Guia visa concretizar os pressupostos para

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 5324 Diário da República, 1.ª série N.º 167 30 de agosto de 2013 respetiva nota discriminativa e justificativa, nos termos e prazos previstos no artigo 25.º do RCP. 2 [Revogado.] Artigo 46.º [ ] Até à

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Ano de Elaboração 2014 Apresentação A empresa E. Orlando Roos Comércio de Cereais Ltda, vem através deste documento consolidar o bem mais valioso que uma instituição pode ter:

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5588-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 194 8 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 215-A/2012 de 8 de outubro O Decreto -Lei n.º 78/2011, de 20 de junho, que veio

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS 2014 Nota justificativa A prestação dos serviços de abastecimento de água e de saneamento de

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Normas e padrões de utilização

Manual de Identidade Visual. Normas e padrões de utilização Manual de Identidade Visual Normas e padrões de utilização Apresentação A Fundep - Fundação de Desenvolvimento da pesquisa, vem através deste documento consolidar o bem mais valioso que uma instituição

Leia mais

Módulo 3. Variabilidade - PRÁTICAS

Módulo 3. Variabilidade - PRÁTICAS Módulo 3. Variabilidade - PRÁTICAS Construção de modelos estocásticos em folha de cálculo Bibliografia: Donovan, TM, and JE Goetz. 1999. Exploring demographic and environmental stochasticity with spreadsheets.

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios. Municipalismo integrado e fortalecido

Associação Matogrossense dos Municípios. Municipalismo integrado e fortalecido RESOLUÇÃO Nº. 013/2012. Aprova a Instrução Normativa do Sistema de Controle Interno - SCF nº. 001/2012 VERSÃO 001/2012, que dispõe sobre a elaboração de instruções normativas para do Sistema de Controle

Leia mais

INFARMED Gabinete Jurídico e Contencioso 35 G1

INFARMED Gabinete Jurídico e Contencioso 35 G1 Decreto-Lei n.º 20/2013, de 14 de fevereiro Procede à sétima alteração ao Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de agosto, que estabelece o regime jurídico dos medicamentos de uso humano, transpondo a Diretiva

Leia mais

RELATÓRIO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL DO PROJETO MARIANA ITABIRITOS - LIGAÇÃO FERROVIÁRIA - PERA DE CARREGAMENTO VOLUME III RELATÓRIO TÉCNICO

RELATÓRIO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL DO PROJETO MARIANA ITABIRITOS - LIGAÇÃO FERROVIÁRIA - PERA DE CARREGAMENTO VOLUME III RELATÓRIO TÉCNICO RELATÓRIO RELATÓRIO TÉCNICO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL DO PROJETO MARIANA ITABIRITOS - LIGAÇÃO FERROVIÁRIA - PERA DE CARREGAMENTO VOLUME III Preparado para: Vale S/A Número do Relatório: Distribuição:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO PARECER TÉCNICO I IDENTIFICAÇÃO IC N.º 0064.2013.12.000/3 INQUIRIDO(A): ITAÚ UNIBANCO S.A. II OBJETIVO Foram analisados os registros de benefícios previdenciários contidos no arquivo de planilha eletrônica

Leia mais

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção FICHAS TÉCNICA DOS INDICADORES DE MEDICINA DO TRABALHO VERSÃO PRELIMINAR Aprovada pelo Comitê de Medicina do Trabalho em 24 de Junho de 2015 (: as inclusões

Leia mais

ANO 17 N O 36 2002 NOVOS RUMOS

ANO 17 N O 36 2002 NOVOS RUMOS NOVOS RUMOS ANO 17 N O 36 2002 ANO 17 N O 36 2002 NOVOS RUMOS NOVOS RUMOS ANO 17 N O 36 2002 ANO 17 N O 36 2002 NOVOS RUMOS NOVOS RUMOS ANO 17 N O 36 2002 ANO 17 N O 36 2002 NOVOS RUMOS NOVOS RUMOS ANO

Leia mais

Manual de Acolhimento

Manual de Acolhimento Índice I P O LÍ T ICA E ESTRATÉGIA DA ESCOLA................. 2 II ENSINO/FORMAÇÃO... 5 1. ESTRUTURA DO ENSINO/FORMAÇÃO...6 2. FORMAÇÃO... 8 III ÓRGÃOS DA ESCOLA... 10 1. ESTRUTURA ORGÂNICA...11 2. ORGANIGRAMA...12

Leia mais