Conteúdo: - Alfabeto - letras k, w, y e vogais - Uso do dicionário FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER I DESAFIO DO DIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conteúdo: - Alfabeto - letras k, w, y e vogais - Uso do dicionário FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER I DESAFIO DO DIA"

Transcrição

1

2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Conteúdo: - Alfabeto - letras k, w, y e vogais - Uso do dicionário 2

3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Habilidades: - Interagir com seus colegas de classe e professor, estabelecendo uma boa convivência e parceria com o grupo - Identificar as vogais no alfabeto brasileiro - Entender o manuseio do dicionário e confeccionar um dicionário próprio 3

4 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I O alfabeto O nosso alfabeto é composto por 26 letras, usamos as letras para escrever palavras, frases e textos presentes em livros, revistas, jornais, placas, cartas, bilhetes e etc. 4

5 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Aa Bb Cc Dd Ee Ff Gg Hh Ii Jj Kk Ll Mm Nn Oo Pp Qq Rr Ss Tt Uu Vv Ww Xx Yy Zz 5

6 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Nosso nome contém algumas dessas letras contidas no nosso alfabeto. Vejamos um exemplo: QUEILA PATRÍCIA 6

7 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Meu tio tinha ido deitar-se no leito em que se entregava ao estudo. Levantou-se, porém, e dirigiu-se a um lugar elevado de onde podia observar bem o seguinte prodígio: uma nuvem subia aos ares, sem ser possível determinar de qual montanha partira. Fonte: ENCICLOPÉDIA do Estudante. Ciências da terra e do Universo. São Paulo: Moderna,

8 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Você conhece a palavra destacada no texto? O que você faz quando não conhece o significado de uma palavra? 8

9 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Dicionário Um dicionário nos auxilia quando não sabemos o significado de alguma palavra. Ele é organizado em ordem alfabética. 9

10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Por que usar o dicionário? Quando entramos em contato com algo novo, nem sempre entendemos exatamente do que se trata. Nossa curiosidade e sede de saber, entretanto, requerem um entendimento pleno. 10

11 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I No caso das palavras, para satisfazer plenamente tal entendimento, há um recurso muito simples e prático: o dicionário. Segundo o próprio dicionário, a definição para esta palavra é: "conjunto de vocábulos de uma língua ou de termos próprios de uma ciência ou arte, dispostos, em geral, alfabeticamente, e com respectivo significado, ou a sua versão em outra língua." 11

12 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I De acordo com o Ministério da Educação (MEC), fora ou dentro da escola, um dicionário pode prestar muitos e variados serviços; cada um deles associado a um determinado aspecto da descrição lexicográfica, ou seja, do conjunto de explicações que ele fornece sobre cada uma das palavras registradas. Fonte: Educar para Crescer, disponível em 12

13 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II Vamos criar nosso dicionário da EJA? Com auxílio do dicionário, crie seu Dicionário da EJA. Nele você deverá anotar todas as palavras novas com seus respectivos significados. Capriche! 13

14 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II O Alfabeto Que o nosso alfabeto é composto por 26 letras você já sabe, não é? Talvez, o que você não saiba é que as letras K, W e Y só foram consideradas letras do alfabeto brasileiro recentemente, a partir do Novo Acordo Ortográfico. 14

15 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II Antes, elas eram usadas de maneira informal, principalmente em nomes ou palavras estrangeiras, agora são, oficialmente, parte constituinte de nossa língua. Essas três letras fizeram parte de nosso alfabeto até o ano de 1943, quando foram consideradas desnecessárias, tendo apenas 23 letras no alfabeto brasileiro. 15

16 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II Seu uso só era admitido em palavras estrangeiras e em algumas abreviaturas. Essa situação perdurou até pouco tempo, quando foram novamente admitidas. Agora nosso alfabeto possuí 26 letras contendo 5 vogais e 21 consoantes. Fonte: 16

17 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Z Y Z 17

18 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II Hora da Atividade! Entendendo o texto - Qual o título do texto? - Quais letras foram desconsideradas no alfabeto brasileiro após o ano de 1943? - Quantas eram as letras do alfabeto após o ano de 1943? 18

19 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II - Quando as letras k,w e y foram reconsideradas parte do alfabeto brasileiro? - Quantas vogais há em nosso alfabeto? - Quantas consoantes há no alfabeto brasileiro atualmente? 19

20 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II Alfabeto Móvel Formar dois grupos onde estes deverão confeccionar um alfabeto móvel (de A a Z) em letras de forma em tamanho médio. Caprichem! 20

21 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II As Vogais As vogais são representadas pelas letras: A E - I O U São fonemas (som) que ao emití-los o ar passa livremente pela boca (ou também pelo nariz), sem obstrução. 21

22 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II Vejamos alguns exemplos: ABACAXI 22

23 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II ESCADA 23

24 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II ILHA 24

25 APRENDENDO I LER PARA SER MAIS APRENDENDO II A II ÓCULOS 25

26 APRENDENDO III HOJE EU APRENDI Escreva as letras do alfabeto em letra de forma e posteriormente circule as cinco vogais que nele contém. Escreva seu primeiro nome e destaque todas as consoantes que nele há. Depois copie quais são essas consoantes. Exemplo: QUEILA Q L 26

27 APRENDENDO III HOJE EU APRENDI A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z QUEILA 27

28 APRENDENDO III HOJE EU APRENDI Hoje eu aprendi... 28

Manual de Identidade Visual. Programa de Avaliação de Desempenho dos Técnico-Administrativos em Educação da UFJF

Manual de Identidade Visual. Programa de Avaliação de Desempenho dos Técnico-Administrativos em Educação da UFJF Manual de Identidade Visual Apresentação e Variações Manual de Identidade Visual Apresentação e Variações Manual de Identidade Visual Apresentação e Variações Manual de Identidade Visual Apresentação e

Leia mais

Manual de Comunicação

Manual de Comunicação Manual de Comunicação Índice 1 - Os Elementos da Identidade... 3 1.1 - Logotipo...4 - Construção e Proporção... 5 - Área de Segurança e Redução Máxima...6 - Cores... 7 - Versões...8 - Aplicação sobre fundos

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual ÍNDICE APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO MANUAL 1ASSINATURA ESCALA DE CORES TIPOGRAFIA DE APOIO 2APLICAÇÃO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL PEÇAS GRAFICAS 2.1 Arejamento/Proteção 2.2 Redução

Leia mais

Análise de Circuitos II. Sumário

Análise de Circuitos II. Sumário Sumário Laboratório de Eletrônica Transformador... 3 Laboratório de Eletrônica Retificador de meia onda... 6 Laboratório de Eletrônica Retificador de onda completa... 8 Laboratório de Eletrônica Retificador

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Por que um Manual da Marca

Por que um Manual da Marca Manual da Marca Por que um Manual da Marca A marca é a identidade da empresa. Construída a partir de valores e princípios praticados ao longo do tempo, a marca expressa compromissos, inspira confiança,

Leia mais

Projeto de Lei n.º 359/XII/2ª

Projeto de Lei n.º 359/XII/2ª Projeto de Lei n.º 359/XII/2ª Procede à 7.ª alteração da Lei n.º 5/2004, de 10 de Fevereiro, que estabelece o regime jurídico aplicável às redes e serviços de comunicações eletrónicas e aos recursos e

Leia mais

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES.

Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. Manual pra quê? O que move uma marca? Ela é movida pela CONFIANÇA E PERCEPÇÃO DE VALOR POR SEUS CONSUMIDORES. E a marca HEAVYLOAD transmite essa confiança e, também, cria essa percepção! Em cada momento

Leia mais

PREFEITURA MU ICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MU ICIPAL DE GOVER O

PREFEITURA MU ICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MU ICIPAL DE GOVER O LEI COMPLEMENTAR Nº 273, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera o art. 59 da Lei nº 386, de 17 de fevereiro de 1993, e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS Faço saber que a Câmara Municipal de Palmas

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª

PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 514/XII/3.ª ESTABELECE QUE A TAXA MUNICIPAL DE DIREITOS DE PASSAGEM PASSA A SER PAGA DIRETAMENTE PELAS OPERADORAS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS E PREVÊ SANÇÕES PARA O

Leia mais

fev 17 MANUAL DA MARCA versão 01.

fev 17 MANUAL DA MARCA versão 01. fev 17 MANUAL DA MARCA versão 01. 4. abal manual da 1. MaRCa elementos Básicos este capítulo define um conjunto de regras e recomendações que garantem a correta implementação dos elementos básicos da abal.

Leia mais

Apresentação... 02. Introdução... 04. Marca... 05. Grid de construção... 06. Reserva de integridade... 07. Marca completa e simplificada...

Apresentação... 02. Introdução... 04. Marca... 05. Grid de construção... 06. Reserva de integridade... 07. Marca completa e simplificada... M a n u a l d e I d e n t i d a d e V i s u a l M a n u a l d e I d e n t i d a d e V i s u a l Manual de Identidade Visual Índice Apresentação................................... 02 Introdução.....................................

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS

INSTRUÇÕES GERAIS ÍNDICE APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO MANUAL 1 2 3 4 5 INSTRUÇÕES GERAIS APLICAÇÃO APLICAÇÃO APLICAÇÃO ORIGINAIS DIGITAIS ASSINATURAS ESCALA DE COR TIPOGRAFIA TIPOGRAFIA DE APOIO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL PEÇAS

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA

CURSO: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA Distúrbios Relativos à QE 1,5 Tensão [PU] 1 0,5 0-0,5-1 -1,5 Tempo CURSO: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO DE: QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA DIRIGIDO

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual 2013 Introdução A MARCA A identidade Visual Corporativa da Cral foi elaborada com a finalidade de promover a padronização da aplicação da Marca, do padrão de pintura Cral em

Leia mais

Sumário. Introdução 02. Símbolo 03. Definição cromática. Alfabeto padrão. Variante de uso ANEXO

Sumário. Introdução 02. Símbolo 03. Definição cromática. Alfabeto padrão. Variante de uso ANEXO Sumário Introdução 02 Símbolo 03 Definição cromática Alfabeto padrão Variante de uso 04 05 06 Dominante horizontal Dominante central Diagramas de construção Usos preferenciais de cores Reduções Exemplo

Leia mais

Manual Resumido Identidade Corporativa Projeto Piatam

Manual Resumido Identidade Corporativa Projeto Piatam Manual Resumido Identidade Corporativa Projeto Piatam Fevereiro de 2007 Manaus - Amazonas Ao Usuário Este documento contém os objetivos da marca Piatam com as regras básicas de sua utilização e aplicação.

Leia mais

½ x. ½ x. Manual de identidade visual

½ x. ½ x. Manual de identidade visual Manual de identidade visual SUMÁRIO. Introdução... 02 Primeira Marca Fase Sport... 03 Nova Marca Fase Sport... 04 Evolução da Marca... 05 Composição da Marca... 06 Formação da Marca... 07 Construção da

Leia mais

Manual simpli cado de Identidade Visual da Marca

Manual simpli cado de Identidade Visual da Marca Manual simpli cado de Identidade Visual da Marca Índice 1. O Festival 1.1 Apresentação...03 1.2 Responsabilidade Sócio-ambiental...04 2. Logo 2.1 Conceito...05 2.2 Equilíbrio...06 2.3 Logotipo...07 2.4

Leia mais

Sumário. manual da marca Pet Pois

Sumário. manual da marca Pet Pois Sumário. ois Pet Pet Poi ois Pet Pet Poi ois Pet Pet Poi ois Pet Manual da Marca. Pet Poi Marca. conceito. Marca composta pela representação sintética de uma garrafa PET, onde um círculo preenchido com

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 313/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 313/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 313/XII Exposição de Motivos O XIX Governo Constitucional implementou, ao longo da presente legislatura, importantes e significativas reformas no setor da administração local, em que

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA 001

TERMOS DE REFERÊNCIA 001 TERMOS DE REFERÊNCIA 001 CONSULTORIA TÉCNICA PARA PREPARAR INFORMAÇÕES PARA SUBISIDIAR O MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS COM O ODM #7 1. Objetivo Contratação

Leia mais

promotoria (futura ocupação) promotoria fazenda pública assessoria assessoria assessoria PLC 003Z PLC 003P PLC 001G PLC 005A PLC 001F

promotoria (futura ocupação) promotoria fazenda pública assessoria assessoria assessoria PLC 003Z PLC 003P PLC 001G PLC 005A PLC 001F sala reunião escritório analista jurídico ( fazenda pública) I.S..15 PLC 004B PLC 003BB fazenda pública fazenda pública (futura ocupação) (futura ocupação) PLC 003AA coordenação fazenda pública PLC 003Z

Leia mais

Registro de descartes de lixo

Registro de descartes de lixo s de Lixo: A B C D E Plásticos; Restos de comida; Lixo doméstico (produtos de papel, trapos, vidro, metais, garrafas, louça, etc.); Óleo de cozinha; Cinzas de incinerador; F G H I Lixo operacional; Resíduos

Leia mais

Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Matriz de Avaliação de Matemática

Matriz de Avaliação de Matemática Matriz de Avaliação de Matemática A prova de matemática do TRLQ (Teste de Raciocínio Lógico Quantitativo) tem por objetivo avaliar o preparo das pessoas que a realizam para cursar programas de ensino que

Leia mais

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012 NIVELAMENTO MATEMÁTICA 202 Monitor: Alexandre Rodrigues Loures Monitor: Alexandre Rodrigues Loures SUMÁRIO. LOGARITMOS... 3.. Mudança de base... 3.2. Propriedades dos logaritmos... 4 2. DERIVADAS... 4

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Perguntas e Respostas de Parametrização de Inversores de Frequência VFNC3

Perguntas e Respostas de Parametrização de Inversores de Frequência VFNC3 Perguntas e Respostas de Parametrização de Inversores de Frequência VFNC3 1. Qual a primeira coisa a fazer após ligar o NC3 pela primeira vez? 2 2. Como faço para alterar os parâmetros? 2 3. Como instalar

Leia mais

F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A D E E D U C A Ç Ã O CENTRO EDUCACIONAL DE NITERÓI

F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A D E E D U C A Ç Ã O CENTRO EDUCACIONAL DE NITERÓI F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A D E E D U C A Ç Ã O CENTRO EDUCACIONAL DE NITERÓI DIREÇÃO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM TURMA:. ALUNO: PROFº:

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CLASSIFICAÇÃO-N.º/VERSÃO:PGR-27/01 ENTRADA EM VIGOR: 17-10-2008 DATA DE APROVAÇÃO: 23-10-2008 Âmbito: PRODER E PRORURAL 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho?

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS 681 1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANEXO 4 - ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS SUJEITO UNIDADE DE CONTEXTO UNIDADE

Leia mais

SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 1. PLANO DIRETOR Com o intuito de gerenciar, planejar, avaliar e recompensar, criando e mantendo um ambiente profissional e positivo na organização, passamos a seguinte análise e plano de ação. *Obs.:

Leia mais

DESCRIÇÃO FINALIDADE FLUXOGRAMA DE FUNCIONAMENTO

DESCRIÇÃO FINALIDADE FLUXOGRAMA DE FUNCIONAMENTO MANUAL DO USUÁRIO DESCRIÇÃO O SR5 Evolution permite ligar vários amplificadores e crossovers sequencialmente, evitando o surto inicial gerado na alimentação quando todo o sistema de som é ligado simultaneamente.

Leia mais

RESOLUÇÃO PPGECEA/UEFS N 02/2008

RESOLUÇÃO PPGECEA/UEFS N 02/2008 U N II V EE R S II D A D EE EE S TT A D U A LL D EE FF EE II R A D EE S A N TT A N A Autorizada pelo Decreto Federal N o 77.496 de 27/04/76 Reconhecida pela Portaria Ministerial N o 874/86 de 19/12/86

Leia mais

ESTUDO DE CASO LOJA DE PEÇAS MOTOPEÇAS

ESTUDO DE CASO LOJA DE PEÇAS MOTOPEÇAS ESTUDO DE CASO LOJA DE MOTO 1. Objetivo 1.1. Construção do modelo lógico de dados corporativo da empresa Motopeças através de: 1.1.1. elaboração do modelo lógico de dados dos subsistemas de Controle de

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS DE IDENTIDADE VISUAL DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS DE IDENTIDADE VISUAL DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS DE IDENTIDADE VISUAL DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ÍNDICE UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Introdução Composição Grelha de Construção Símbolo Logótipo Horizontal Logótipo

Leia mais

Oficina C. Imagem e som: A arte da Comunicação

Oficina C. Imagem e som: A arte da Comunicação Oficina C Imagem e som: A arte da Comunicação Cariacica, 08 de agosto de 2014 Data Proposta 27/03 (5ªf) Encontro Inaugural 07/04 (2ªf) Oficina A Presença da equipe da A Gazeta 16/05 (6ª f) Oficina B 03/06

Leia mais

Município de Porto Moniz DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO MONIZ

Município de Porto Moniz DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO MONIZ DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO MONIZ Nos termos do artigo 34.º da Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, na sua atual redação em conjugação com os artigos 35.º, 36.º e 37.º do Código

Leia mais

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 02/06/2014 Índice ÍNDICE... 2 APRESENTAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PROCESSO DE INSTALAÇÃO... 4 ATUALIZANDO UM SEGUNDO AMBIENTE... 25 Página 2 de 26 Apresentação Este

Leia mais

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato ANEXO III AO EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 5-1-2014 Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato a) Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Nossa identidade Um manual completo de normas

Nossa identidade Um manual completo de normas Nossa identidade Um manual completo de normas Versão 1.0 Novembro 2010 2010, Laureate International Universities SUMÁRIO Parte 1 - Bem vindo 03 Laureate International Universities 04 Parte 2 - Aplicação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre EDITAL Nº 02, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre EDITAL Nº 02, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 EDITAL COMPLEMENTAR Nº 06, DE 07 DE MARÇO DE 2014 RETIFICAÇÃO Nº 02 O Reitor Pro Tempore, do - IFAC, no uso de suas atribuições legais, conferidas pela Portaria Ministerial nº 1.041, de 20.08.2012, publicada

Leia mais

Manual SBCL + VPLUG

Manual SBCL + VPLUG Manual SBCL + VPLUG Antes de avançarmos com o SBCL, temos de configurar o receptor SAT da seguinte forma (estas indicações têm por base os firmwares dos Tekas&Clones): - carregar na tecla vermelha do comando

Leia mais

Inteiros. Inteiros. Congruência. Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006.

Inteiros. Inteiros. Congruência. Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006. Inteiros Inteiros. Congruência. Referência: Capítulo: 4 Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006 1 Números reais A relação binária em R é uma ordem parcial

Leia mais

FICHA CADASTRAL DA EFPC PARA INSCRIÇÃO NO QUADRO SOCIAL

FICHA CADASTRAL DA EFPC PARA INSCRIÇÃO NO QUADRO SOCIAL 11 )) IIN FFO RRM AA ÇÇÕ EE SS GG EE RR AA II SS Nome Completo: CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Nome Reduzido: CAGEPREV Endereço: AV. TREZE DE MAIO, 1116 SALAS 904/905 FÁTIMA Cidade:

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. ISIDORO DE SOUSA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESPANHOL. Domínios

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. ISIDORO DE SOUSA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESPANHOL. Domínios Ano letivo 2012/2013 3º- ciclo 1 2 3 Domínios Afetivo Cognitivo Tem uma atitude negativa em relação à aprendizagem; Mostra-se desatento: não abre o livro, não copia apontamentos; Não faz, habitualmente,

Leia mais

UM ALGORITMO PARA LIDAR COM O ROTEAMENTO DE VEÍCULOS CAPACITADOS

UM ALGORITMO PARA LIDAR COM O ROTEAMENTO DE VEÍCULOS CAPACITADOS UM ALGORITMO PARA LIDAR COM O ROTEAMENTO DE VEÍCULOS CAPACITADOS Jeferson Silva Martins, jsm.ctl@gmail.com Thiago Alves de Queiroz, th.al.qz@catalao.ufg.br Resumo: Este trabalho apresenta um algoritmo

Leia mais

1. Observe este quadro do pintor René Magritte.

1. Observe este quadro do pintor René Magritte. 9 Corel 1. Observe este quadro do pintor René Magritte. RENÉ MAGRITTE. O mês da vindima. 1959. Óleo sobre tela: color.; 130 x 160 cm. Coleção particular, Paris. Grandes pintores do século XX: Magritte.

Leia mais

A DIREÇÃO DE ARTE NO COMÉRCIO POPULAR A CONSTRUÇÃO DO LIVRO O DESIGN NOSSO DE CADA DIA

A DIREÇÃO DE ARTE NO COMÉRCIO POPULAR A CONSTRUÇÃO DO LIVRO O DESIGN NOSSO DE CADA DIA RESUMO A DIREÇÃO DE ARTE NO COMÉRCIO POPULAR A CONSTRUÇÃO DO LIVRO O DESIGN NOSSO DE CADA DIA Douglas Azevedo Duarte Rodrigo Cristiano Alves Este trabalho trata de uma pesquisa que visou observar e analisar

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Diário da República, 1.ª série N.º 163 21 de agosto de 2015 6231 mediante acordo dos respetivos titulares, solicitar a integração parcial ou total e ou a redistribuição das respetivas potências. 3 O pedido

Leia mais

Sugestão de Estudo. 1º ano. 1- Complete o alfabeto com letra cursiva. Observe o traçado da letra.

Sugestão de Estudo. 1º ano. 1- Complete o alfabeto com letra cursiva. Observe o traçado da letra. _ 1- Complete o alfabeto com letra cursiva. Observe o traçado da letra. 2- Copie da ficha, em seu caderno de estudo, o alfabeto minúsculo com letra cursiva. 3- Escreva, em seu caderno de estudo, seu nome

Leia mais

A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA

A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA Histórico do Programa 1975 a 1996 100% convencional 1996 a 2005 convencional e RR1 2005 a 2008 RR1, convencional e cultivance 2008 a 2014 RR1, Intacta,

Leia mais

Abordagem Construtivista da alfabetização. Aula de 02/05/2010

Abordagem Construtivista da alfabetização. Aula de 02/05/2010 Abordagem Construtivista da alfabetização Aula de 02/05/2010 Dicas práticas para o planejamento do trabalho 1. LEIA EM VOZ ALTA TODOS OS DIAS... Textos literários: contos tradicionais, histórias contemporâneas,

Leia mais

ROTARY INTERNATIONAL DISTRITO 4600 Governador Antonio Custódio Filho Ano Rotário P E T S

ROTARY INTERNATIONAL DISTRITO 4600 Governador Antonio Custódio Filho Ano Rotário P E T S ROTARY INTERNATIONAL DISTRITO 4600 Governador Antonio Custódio Filho Ano Rotário 2015-2016 P E T S Ivanir Chappaz PETS 14 de março de 2015 Histórico Em 2001/02, Rotary International começou a desenvolver

Leia mais

Série MICRO Origa OSP-P. Cilindros sem haste

Série MICRO Origa OSP-P. Cilindros sem haste ilindros sem haste Série MIRO Origa OSP-P... Temperatura... Fluido... Pressão de trabalho... urso máximo... onstruções especiais Guarnições... Materiais... ilindro sem haste de dupla ação, com amortecimento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010. Regulamenta a Lei nº 11.934, de 5 de maio de 2009, no que se refere aos limites à exposição humana a campos

Leia mais

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL 1 o º ciclo Índice ABRIR O WORD..2 E AGORA VAMOS À ESCRITA....4 TIPO DE LETRA.. 5 IMAGENS E GRAFISMOS...5 GUARDAR UM DOCUMENTO...6 IMPRIMIR UM DOCUMENTO...7 SAIR DO DOCUMENTO E DO WORD. 8 TUTORIAL O que

Leia mais

Manual de Identidade Visual Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Manual de Identidade Visual Universidade Tecnológica Federal do Paraná Manual de Identidade Visual Universidade Tecnológica Federal do Paraná Versão 2011 01 Índice Apresentação 02 Uso dos termos Câmpus A logomarca da UTF 03 04 Logomarca 05 Reprodução em Cor - Escala CMYK

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Colégio Sagrado Coração de Jesus

Colégio Sagrado Coração de Jesus Tarefa semana 25 a 28/02 a 01/03/2013 Segunda-feira ( 25/02/2013 ) 1- Procurar no dicionário 3 palavras com B. Escrever a palavra e o seu significado. 2- Escreva como se lê de 1 a 10. 3- Sequência numérica

Leia mais

Ficheiros de texto 1. Ficheiros de texto. 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro.

Ficheiros de texto 1. Ficheiros de texto. 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro. Ficheiros de texto 1 Ficheiros de texto 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro. 2. Implementar um programa que procure num ficheiro uma palavra lida do teclado.

Leia mais

HIPÓTESES DE ESCRITA Certezas Provisórias. Dúvidas Temporárias

HIPÓTESES DE ESCRITA Certezas Provisórias. Dúvidas Temporárias HIPÓTESES DE ESCRITA Certezas Provisórias Todas as crianças passam por níveis de hipóteses conceituais de escrita até atingirem a alfabetização: Uns alunos são mais rápidos que outros para se alfabetizarem;

Leia mais

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes.

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes. A UU L AL A Sistemas de cotagem Você já sabe que, embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. Os profissionais que

Leia mais

PRÁTICA SIGNIFICATIVA DO GÊNERO TEXTUAL AOS JOGOS DE CONSCIÊNCIA SILÁBICA PROFESSORA RAFAELA NATIVIDADE SE MARY CONTÊ CMEI RECANTO INFANTIL

PRÁTICA SIGNIFICATIVA DO GÊNERO TEXTUAL AOS JOGOS DE CONSCIÊNCIA SILÁBICA PROFESSORA RAFAELA NATIVIDADE SE MARY CONTÊ CMEI RECANTO INFANTIL PRÁTICA SIGNIFICATIVA DO GÊNERO TEXTUAL AOS JOGOS DE CONSCIÊNCIA SILÁBICA PROFESSORA RAFAELA NATIVIDADE SE MARY CONTÊ CMEI RECANTO INFANTIL Gêneros Textuais São modelos comunicativos que nos possibilitam

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas Curriculares de Português 1º CICLO PORTUGUÊS 1º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS

Leia mais

Carla Jobling (Advogada) Luís Figueira (Jurista) JurIndex3

Carla Jobling (Advogada) Luís Figueira (Jurista) JurIndex3 Carla Jobling (Advogada) Luís Figueira (Jurista) JurIndex3 Termos de utilização: 1. Versão livre para utilização sem finalidade lucrativa. 2. Não é autorizada a utilização para fins comerciais ou noutras

Leia mais

OE 2011 Alterações ao Código Contributivo

OE 2011 Alterações ao Código Contributivo OE 2011 Alterações ao Código Contributivo Artigo 69.º - Alteração à Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro 1 - Os artigos 4.º, 5.º e 6.º da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro, alterada pela Lei n.º 119/2009,

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM 1º CICLO Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Novo Programa de Português /Metas Curriculares de Português do 1º Ciclo do

Leia mais

C O N Q U I S TA L U G A R PA R A O S

C O N Q U I S TA L U G A R PA R A O S NN.º.º 88 88 M M AA RR Ç Ç OO // AA B B RR II LL 22 00 11 66 B B II M M EE SS TT RR AA LL INÊS HENRIQUES C O N Q U I S TA L U G A R PA R A O S JOGOS OLÍMPICOS! 6 de Março INÊS HENRIQUES EM 2.º LUGAR NO

Leia mais

Boas férias e um ótimo estudo! Um enorme abraço! Profª Juliana

Boas férias e um ótimo estudo! Um enorme abraço! Profª Juliana Espero, que ao retornarmos às aulas, todo o empenho desse 1º semestre e mais o esforço das férias sejam recompensados pela alegria de sentir o quanto é bom aprender!!! E o quanto vale a pena acreditar

Leia mais

ATA N.º 1 ORDEM DO DIA 1) - 2) 3) 4) III. ORDEM DO DIA: 1. Calendarização das Reuniões Ordinárias: -

ATA N.º 1 ORDEM DO DIA 1) - 2) 3) 4) III. ORDEM DO DIA: 1. Calendarização das Reuniões Ordinárias: - ATA N.º 1 Reunião Ordinária da Câmara Municipal de Alenquer, celebrada em 15 de outubro de 2013. ---- -----No dia 15 de outubro de 2013, na sala a esse fim, formalmente, destinada nos Paços do Concelho,

Leia mais

Lista 3 Figuras planas

Lista 3 Figuras planas Profa. Debora Cristiane arbosa Kirnev Disciplina: Geometria Descritiva I Curso: rquitetura e urbanismo 2º Semestre Nome: 1. Construa o que se pede: Lista 3 Figuras planas a) Semi-reta de origem e que passa

Leia mais

Atividades de ortografia para imprimir

Atividades de ortografia para imprimir Atividades de ortografia para imprimir Atividades de português com ortografia para imprimir, com as seguintes letras do alfabeto: G e J, P e B, Ch e X, Lh, SS e Sc, entre outros exercícios do tipo: Vamos

Leia mais

A transliteração leal ao Nome do Pai é "YAOHUH", pronunciando-se "IÁORRU", com a tônica na primeira sílaba.

A transliteração leal ao Nome do Pai é YAOHUH, pronunciando-se IÁORRU, com a tônica na primeira sílaba. LENDO O NOME DO PAI SEM OS SINAIS MASSORÉTICOS יהוה A transliteração leal ao Nome do Pai é "YAOHUH", pronunciando-se "IÁORRU", com a tônica na primeira sílaba. VAMOS ENTENDER ISSO Seu Nome é escrito pelas

Leia mais

MATEMÁTICA. Aula 2 Teoria dos Conjuntos. Prof. Anderson

MATEMÁTICA. Aula 2 Teoria dos Conjuntos. Prof. Anderson MATEMÁTICA Aula 2 Teoria dos Conjuntos Prof. Anderson CONCEITO Na teoria dos conjuntos, um conjunto é descrito como uma coleção de objetos bem definidos. Estes objetos são chamados de elementos ou membros

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Caderno de Educação Especial

A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Caderno de Educação Especial A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Caderno de Educação Especial O que devemos considerar no processo de Alfabetização? Criança Ouvinte Criança Surda Faz uso das propriedades fonológicas

Leia mais

Índice. Grupo Módulo 4

Índice. Grupo Módulo 4 GRUPO 5.4 MÓDULO 4 Índice 1. Níveis Conceituais Linguísticos...3 2. Nível 1 Pré-Silábico...3 3. Nível 2 Intermediário I...4 4. Nível 3 Silábico...5 5. Nível 4 Intermediário II ou Silábico-Alfabético...5

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO METODOLOGIA DE ALINHAMENTO ESTRATÉGICO: Metodologia de alinhamento estratégico por painéis de contribuição, com apoio de mapas mentais, do TRT da 8ª Região (Método APCMM/TRT8) Belém PA 2013 METODOLOGIA

Leia mais

APRENDENDO ESCRITA DE SINAIS SignWriting

APRENDENDO ESCRITA DE SINAIS SignWriting APRENDENDO ESCRITA DE SINAIS SignWriting SERGIO S. RIBEIRO SignWriting Aprendendo a Escrita de Sinais I N T R O D U Ç Ã O SignWriting é um sistema visual escrito para todas as línguas de sinais ao redor

Leia mais

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Metas/Domínios Objetivos gerais Conteúdos Programáticos Critérios 1º Ano Oralidade O1 Comprensão do oral Expressão oral Respeitar regras da interação discursiva Escutar discursos breves para aprender

Leia mais

EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI

EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI EJA 3ª FASE PROF.ª GABRIELA ROCHA PROF.ª QUEILA POLTRONIERI ÁREA DO CONHECIMENTO Linguagens Matemática Ciências Humanas 2 TEMA 1º Bimestre Conhecendo a nossa história. 3 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DE SAÚDE - MÉDICOS

ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DE SAÚDE - MÉDICOS ESCOLA DE SAÚDE DO EXÉRCITO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DE SAÚDE - MÉDICOS 1. DURAÇÃO DO CURSO: 1400 horas - 35 semanas. 2. OBJETIVOS GERAIS DO CURSO: Habilitar os profissionais de saúde da área médica

Leia mais

SUGESTÕES PARA ESCREVER MELHOR

SUGESTÕES PARA ESCREVER MELHOR SUGESTÕES PARA ESCREVER MELHOR Trueffelpix / Shutterstock.com A MELHOR MANEIRA DE APRIMORAR A ESCRITA É... ESCREVENDO! Nas telas seguintes você conhecerá algumas estratégias interessantes para desenvolver

Leia mais

2013 Man a u n al a l de d e C om o an a d n os o CAP-02 21/ /2 /

2013 Man a u n al a l de d e C om o an a d n os o CAP-02 21/ /2 / 2013 Manual de Comandos CAP-02 21/10/2013 Sumário Introdução... 2 Comando de Abastecimento... 2 Comando de Abastecimento Identificado... 3 Comando de Abastecimento com PAF... 4 Comando Limpeza de memória

Leia mais

EXPRESSÕES RELACIONAIS

EXPRESSÕES RELACIONAIS AULA 7 EXPRESSÕES RELACIONAIS 7.1 Operadores relacionais Uma expressão relacional, ou simplesmente relação, é uma comparação entre dois valores de um mesmo tipo. Esses valores são representados na relação

Leia mais

Alterações da Versão 5.8.7.2 para a 5.8.8

Alterações da Versão 5.8.7.2 para a 5.8.8 Documento Atualizado em: 23/11/2011 - Versão: 1.1 Prezados Clientes: Abaixo, estão os Novos Recursos da versão 2.0.6 BUILD: 5.8.8.1 em relação ao Build 5.8.7.2. Dividimos as alterações por Menus, sendo

Leia mais

( 1) FIS Projeto de Apoio Eletromagnetismo. 5ª Lista de Problemas Tema: Capacitores. Ceq. = k. ΔV é igual para os dois capacitores e sendo.

( 1) FIS Projeto de Apoio Eletromagnetismo. 5ª Lista de Problemas Tema: Capacitores. Ceq. = k. ΔV é igual para os dois capacitores e sendo. FIS1053 - Projeto de Apoio Eletromagnetismo 5ª Lista de Problemas Tema: Capacitores 1ª Questão: Dois capacitores, de capacitância C1=4μF e C=1 μf, estão ligados em série a uma bateria de 1 V. Os capacitores

Leia mais

Extração de características de imagens. Descritores de cor

Extração de características de imagens. Descritores de cor Extração de características de imagens Descritores de cor Descritores de imagens Problema: computar, de forma eficiente, valores que descrevam uma imagem (ou parte dela) Vetores de características (feature

Leia mais

GABARITO. Prova 3 (points: 128/100; bonus: 8 ; time: 100 ) FMC1, (Turmas do Thanos) Regras: Esclarecimentos: Boas contas! Gabarito 09/12/2016

GABARITO. Prova 3 (points: 128/100; bonus: 8 ; time: 100 ) FMC1, (Turmas do Thanos) Regras: Esclarecimentos: Boas contas! Gabarito 09/12/2016 FMC1, 2016.2 (Turmas do Thanos) Prova 3 (points: 128/100; bonus: 8 ; time: 100 ) Nome: Θάνος Gabarito 09/12/2016 Regras: I. Não vires esta página antes do começo da prova. II. Nenhuma consulta de qualquer

Leia mais

MATERNAL I MANHÃ - Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica. Atividade fotocopiada

MATERNAL I MANHÃ - Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica. Atividade fotocopiada MATERNAL I TARDE MATERNAL I MANHÃ MATERNAL I MANHÃ - Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica 2ª E 3ª AULA Parlendas atividade prática ( colorir painéis de acordo com o que estão ouvindo)

Leia mais

BASES DO SISTEMA MÉTRICO DECIMAL NOÇÕES BÁSICAS DE CONVERSÃO DE UNIDADES

BASES DO SISTEMA MÉTRICO DECIMAL NOÇÕES BÁSICAS DE CONVERSÃO DE UNIDADES 1 PROFESSOR DA TURMA: WLADIMIR 1. INTRODUÇÃO BASES DO SISTEMA MÉTRICO DECIMAL NOÇÕES BÁSICAS DE CONVERSÃO DE UNIDADES Este material apresenta um resumo dos principais conhecimentos básicos necessários

Leia mais

conselho SuPerior incompatibilidade AbSolutA Processo n.º 59/2014 cs/r

conselho SuPerior incompatibilidade AbSolutA Processo n.º 59/2014 cs/r conselho SuPerior incompatibilidade AbSolutA Processo n.º 59/2014 cs/r relator: Dr. José manuel mesquita Sumário Há incompatibilidade absoluta entre o exercício da advocacia e o exercício do mandato de

Leia mais

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL)

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) Professor (a): Silvana Mara Silvestrin Brustolin EMEF NOVA SARDENHA Turma: 2 Ano NOME DO LIVRO: O MENINO QUE DESCOBRIU AS PALAVRAS AUTORES: Cineas Santos e Gabriel Archanjo

Leia mais

1. O Ap.e [A.] pediu que as Ap.as [RR.] fossem condenadas a prestar-lhe uma pensão alimentícia mensal de Pte $00:

1. O Ap.e [A.] pediu que as Ap.as [RR.] fossem condenadas a prestar-lhe uma pensão alimentícia mensal de Pte $00: PN. 42/001; AP: TC Reguengos de Monsaraz; Ap.e: Ap.as: Acordam no Tribunal da Relação de Évora 1. O Ap.e [A.] pediu que as Ap.as [RR.] fossem condenadas a prestar-lhe uma pensão alimentícia mensal de Pte.

Leia mais

PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental

PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental UNIDADE I: GÊNEROS LITERÁRIOS Contos poemas Narração. Fábula Dicionário Receita Trabalhar conceitos, estruturas e produções

Leia mais