Projecto de Algoritmos e Estruturas de Dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto de Algoritmos e Estruturas de Dados"

Transcrição

1 Projecto de Algoritmos e Estruturas de Dados Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrónica 1 o ano, 2 o Semestre, 2005/2006 Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa corpo docente de

2 Descrição do Projecto Projecto de - Objectivo é movimentar viaturas dentro de um tabuleiro de forma a conduzir a viatura do jogador à saída a o e p x q r c g h corpo docente de

3 Descrição do Projecto Tabuleiro é um quadriculado de 6 6 posições Há viaturas de comprimento 2 e 3 Movimento das viaturas obedece a regras simples: apenas se pode mover na linha ou na coluna onde está colocada (e só numa delas); nunca pode colidir com o posicionamento de outra viatura; apenas se pode deslocar de uma posição; Saída é única, à direita na 3 a linha corpo docente de

4 Dado uma descrição do tabuleiro que inclui, para cada viatura: o seu posicionamento a sua direcção (vertical ou horizontal) o seu comprimento (2 ou 3) se é a viatura do jogador pretende-se movimentar as viaturas de forma a permitir que a do jogador chegue à saída Número de movimentos deve ser o menor possível corpo docente de

5 a o e p x q r c g h corpo docente de

6 p a o e x q r c g h corpo docente de

7 a p e x r c g h q o corpo docente de

8 Como encontrar a solução do puzzle? Em cada momento há múltiplas jogadas possíveis quantas? como saber quais são? qual é a melhor? Durante o jogo: devemos evitar passar por configurações idênticas? como saber quais são? Como detectar quando o jogo terminou? corpo docente de

9 Como encontrar a solução do puzzle? corpo docente de

10 uma solução possível seria representar as várias configurações possíveis que têm origem no movimento das viaturas. através de uma árvore podem-se representar-se essas várias configurações possíveis e apenas é necessário procurar uma solução. reduziu-se o problema a um problema de procura numa abordagem deste tipo torna-se por vezes necessário efectuar uma avaliação de cada configuração corpo docente de

11 : Jogo de Engarrafamento corpo docente de

12 : Árvore de Configurações corpo docente de

13 : Árvore de Configurações corpo docente de

14 : Árvore de Configurações corpo docente de

15 : Árvore de Configurações corpo docente de

16 : Árvore de Configurações corpo docente de

17 : Árvore de Configurações corpo docente de

18 : Árvore de Configurações corpo docente de

19 : Árvore de Configurações corpo docente de

20 : Árvore de Configurações corpo docente de

21 : Árvore de Configurações corpo docente de

22 : Árvore de Configurações corpo docente de

23 Largura e profundidade da árvore são dependentes do problema árvore pode crescer muito. sobretudo se não se detectarem configurações iguais (que não vale a pena avaliar/expandir múltiplas vezes). para muitos problemas não seria possível ter a árvore toda em memória nesse caso teria de se parar a expansão e tomar uma decisão qual a função de avaliação (também conhecida por heurística) que se deve utilizar? corpo docente de

24 Se detectarmos sempre que são geradas configurações repetidas: crescimento da árvore é controlado. é possível gerar toda a árvore (mas pode não ser preciso). eficiência do jogador aumenta Detecção de configurações idênticas deve ser rápida não pode ser feito por comparação com todas as anteriormente vistas. solução é Hashing das configurações! corpo docente de

25 Como abordar o problema? Quais as estruturas de dados a utilizar? Quais os algoritmos mais eficientes? Solução encontrada Complexidade temporal e de memória É acerca destes tópicos que o projecto será avaliado. corpo docente de

26 O ficheiro que contém a descrição do tabuleiro é do tipo: a b c o r d e f x g h k... Comentarios... Primeira linha diz quantas viaturas estão presentes. Cada linha seguinte descreve uma viatura. a d x o b c e g h r f k corpo docente de

27 Para gerar o ficheiro de saída é obrigatório utilizar a função escreve saida() fornecida pelo corpo docente. Cada chamada a esta função indica um movimento de uma dada peça num dado sentido a d x b e c f g h k Solução do tabuleiro à esquerda é: gd1 xr1 hd1 xr1 xr1 xr1 Solução não é única! o r corpo docente de

28 - Interface Gráfica O corpo docente disponibiliza um programa que permite a visualização gráfica da solução gerada por cada grupo (e logo a sua verificação). O programa permite também que o utilizador jogue o jogo do Engarrafamento (existe um conjunto de tabuleiros pré-definidos. Descrição da sintaxe do programa: $./verify [file.des file.mov [-i]] argumentos são o ficheiro de descrição, o output do jogador e (opcional) uma opção para ver a evolução dos movimentos interactivamente. corpo docente de

29 Descrição do Projecto Data de entrega do pré-relatório: na semana de 22 a 26 de Maio na aula de laboratório ou em horário a combinar com o docente de laboratório. Data de entrega do trabalho: 9 Junho, 6 a feira, às 10h, pretende-se relatório final em papel e respectivo software em diskette ou CD. programas que não compilem nos computadores do laboratório não serão aceites o relatório é uma componente muito importante da avaliação Espera-se que os alunos cumpram o código de honestidade académica corpo docente de

Resolução de Problemas. Universidade Católica de Pelotas Engenharia da Computação Disciplina: Inteligência Artificial

Resolução de Problemas. Universidade Católica de Pelotas Engenharia da Computação Disciplina: Inteligência Artificial Resolução de Problemas Universidade Católica de Pelotas Engenharia da Computação Disciplina: Inteligência Artificial 2 Resolução de Problemas Introdução Componentes Solução Busca de soluções 3 Resolução

Leia mais

Inteligência Artificial Projecto 1

Inteligência Artificial Projecto 1 Bantumi ESPECIFICAÇÕES O projecto destina-se a resolver um conjunto de problemas do jogo Bantumi utilizando métodos de procura em espaço de estados. Bantumi é um jogo derivado do jogo Mancala de origem

Leia mais

Inteligência Artificial. Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 5 Resolvendo Problemas

Inteligência Artificial. Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 5 Resolvendo Problemas Inteligência Artificial Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 5 Resolvendo Problemas 1 Agente solucionador de problemas (guiado por objetivo) O agente reativo Escolhe suas ações com base apenas nas percepções

Leia mais

Jogo de Damas. Alunos: Sávio Mendes de Figueiredo Sômulo Nogueira Mafra

Jogo de Damas. Alunos: Sávio Mendes de Figueiredo Sômulo Nogueira Mafra Jogo de Damas Alunos: Sávio Mendes de Figueiredo (savio@cos.ufrj.br) Sômulo Nogueira Mafra (somulo@cos.ufrj.br) Prof.: Inês dutra Inteligência artificial Coppe sistemas - UFRJ 1. Algumas Frases 2. Origens

Leia mais

21090 Programação e-fólio Recurso 2013/2014. e-fólio Recurso

21090 Programação e-fólio Recurso 2013/2014. e-fólio Recurso e-fólio Recurso O e-fólio de Recurso consiste na simulação do Jogo da Vida (http://pt.wikipedia.org/wiki/jogo_da_vida). Existe 4 alíneas, que devem ser realizadas sequencialmente, valendo cada alínea 1

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados. Grupo 1

Algoritmos e Estruturas de Dados. Grupo 1 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Algoritmos e Estruturas de Dados Trabalho prático P1B 2003/04 2 o semestre Efectue as tarefas de programação descritas abaixo, usando a linguagem

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 2008/09

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 2008/09 INTELIGÊNI RTIFIIL 2008/09 PROUR 1) onsidere o problema da torre de Hanoi com discos. Neste problema, existem três pinos, e e discos de diâmetros diferentes, estando no início todos os discos colocados

Leia mais

Fernando Silva DCC-FCUP. Estruturas de Dados

Fernando Silva DCC-FCUP. Estruturas de Dados 3. Recursividade, Bactracking e Dividir-para-Conquistar Fernando Silva DCC-FCUP Estruturas de Dados Fernando Silva (DCC-FCUP) 3. Recursividade, Bactracking e Dividir-para-Conquistar Estruturas de Dados

Leia mais

Buscas Informadas ou Heurísticas - Parte II

Buscas Informadas ou Heurísticas - Parte II Buscas Informadas ou Heurísticas - Parte II Prof. Cedric Luiz de Carvalho Instituto de Informática - UFG Graduação em Ciência da Computação / 2006 FUNÇÕES HEURÍSTICAS - 1/7 FUNÇÕES HEURÍSTICAS - 2/7 Solução

Leia mais

Resolução de problemas por meio de busca. Inteligência Artificial

Resolução de problemas por meio de busca. Inteligência Artificial 1 Resolução de problemas por meio de busca (Capítulo 3 - Russell) Inteligência Artificial Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto 2 Estrutura 1. Agente de resolução de problema 2. Tipos de problema

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores 1º ano 1º semestre Trabalho nº 5 Funções http://tele1.dee.fct.unl.pt/pm

Leia mais

Spider 4 em Linha. (Trabalho 12) Relatório de Avaliação Intercalar do 1º Trabalho Prático da Disciplina de Programação em Lógica

Spider 4 em Linha. (Trabalho 12) Relatório de Avaliação Intercalar do 1º Trabalho Prático da Disciplina de Programação em Lógica Relatório de Avaliação Intercalar do 1º Trabalho Prático da Disciplina de Programação em Lógica Spider 4 em Linha (Trabalho 12) Grupo 55 (Turma 5) 80509011 ei08011@fe.up.pt André Daniel Moreira Pinto Riboira

Leia mais

Resolução de Problemas

Resolução de Problemas Resolução de Problemas 1 Agente de Resolução de Problemas (1/2) 2 O agente reativo Escolhe suas ações com base apenas nas percepções atuais não pode pensar no futuro, não sabe aonde vai 4 5 8 1 6 7 2 3?

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2009 / 2010

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2009 / 2010 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2009 / 2010 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho nº 5 Funções e Vectores

Leia mais

Curso Ano Semestre Docente. 1º 2º Bruno Silva

Curso Ano Semestre Docente. 1º 2º Bruno Silva Curso Ano Semestre Docente CCO: Licenciatura em Comunicação, Cultura e Organizações 1º 2º Bruno Silva Objectivos: Dotar os alunos de competência na Área das Tecnologias de Informação, com particular ênfase

Leia mais

Resolução de problemas por meio de busca. Capítulo 3 Inteligência Artificial Sistemas de Informação

Resolução de problemas por meio de busca. Capítulo 3 Inteligência Artificial Sistemas de Informação Resolução de problemas por meio de busca Capítulo 3 Inteligência Artificial Sistemas de Informação Conteúdo Um exemplo Resolução de problemas por meio de busca Exemplos de problemas Em busca de soluções

Leia mais

Computação e Programação. MEMec - LEAN 1º Semestre

Computação e Programação. MEMec - LEAN 1º Semestre Computação e Programação MEMec - LEAN 1º Semestre 2010-2011 Instituto Superior Técnico, Dep. de Engenharia Mecânica - ACCAII Objectivos de CP Pretende-se promover o desenvolvimento de, Competências que

Leia mais

FORMAÇÃO DE MICROSOFT EXCEL 2010

FORMAÇÃO DE MICROSOFT EXCEL 2010 FORMAÇÃO DE MICROSOFT EXCEL 2010 Mário de Almeida Pedro, M. Sc. Novembro 2013 Bemvindo Identificação da UFCD UFCD nº 0756 Folha de Cálculo, com a duração de 50 horas Microsoft Excel 2010 Objectivos: No

Leia mais

Manual Nero InfoTool. Nero AG

Manual Nero InfoTool. Nero AG Manual Nero InfoTool Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero InfoTool e todo o respectivo conteúdo estão protegidos por direitos de autor e são propriedade da Nero AG. Todos

Leia mais

Gatos & Cães Simon Norton, 1970s

Gatos & Cães Simon Norton, 1970s Gatos & Cães Simon Norton, 970s Um tabuleiro quadrado 8 por 8. 8 peças gato e 8 peças cão (representadas respectivamente por peças negras e brancas). Ganha o jogador que realizar a última jogada. zona

Leia mais

SME Introdução à Programação de Computadores Primeiro semestre de Trabalho: jogo Semáforo

SME Introdução à Programação de Computadores Primeiro semestre de Trabalho: jogo Semáforo SME0230 - Introdução à Programação de Computadores Primeiro semestre de 2017 Professora: Marina Andretta (andretta@icmc.usp.br) Monitores: Douglas Buzzanello Tinoco (douglas.tinoco@usp.br) Amanda Carrijo

Leia mais

LERCI/LEIC TAGUSPARK INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 2005/06 PROCURA

LERCI/LEIC TAGUSPARK INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 2005/06 PROCURA LERI/LEI TGUSPRK INTELIGÊNI RTIFIIL 005/06 PROUR ) onsidere o espaço de estados definido pelo estado inicial,, e pela função que gera os sucessores de um estado, sucessores(n)={n, n+}. onsiderando o estado

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica de Telecomunicações de Computadores Guia de utilização do Moodle (Versão 1.6.2) Vista do Professor Versão 2.0 Outubro

Leia mais

Ex. 1) Considere que a árvore seguinte corresponde a uma parte do espaço de estados de um jogo de dois agentes: f=7 f=7 f=1 f=2

Ex. 1) Considere que a árvore seguinte corresponde a uma parte do espaço de estados de um jogo de dois agentes: f=7 f=7 f=1 f=2 LERCI/LEIC Tagus 2005/06 Inteligência Artificial Exercícios sobre Minimax: Ex. 1) Considere que a árvore seguinte corresponde a uma parte do espaço de estados de um jogo de dois agentes: Max Min f=4 f=7

Leia mais

Busca com informação e exploração. Inteligência Artificial. Revisão da aula passada: Heurística Admissível. Revisão da aula passada: Busca A *

Busca com informação e exploração. Inteligência Artificial. Revisão da aula passada: Heurística Admissível. Revisão da aula passada: Busca A * Inteligência Artificial Aula 6 Profª Bianca Zadrozny http://www.ic.uff.br/~bianca/ia Busca com informação e exploração Capítulo 4 Russell & Norvig Seção 4.2 e 4.3 Revisão da aula passada: Busca A * Idéia:

Leia mais

Métodos de Busca. Inteligência Artificial. Busca Heurística. Busca Heurística. Prof. Ms. Luiz Alberto Contato:

Métodos de Busca. Inteligência Artificial. Busca Heurística. Busca Heurística. Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: Inteligência Artificial Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com Métodos de Busca Busca Cega ou Exaustiva: Não sabe qual o melhor nó da fronteira a ser expandido. Apenas distingue o estado objetivo

Leia mais

Especificações do Trabalho Prático de Informática I

Especificações do Trabalho Prático de Informática I Especificações do Trabalho Prático de Informática I (Contabilidade/Marketing e Comércio Internacional) Ano Lectivo 2002/2003 Cada grupo (4 elementos) deverá definir a entidade alvo do estudo (que poderá

Leia mais

Tecnologias. de Informação e Comunicação. 7ºAno. 1.º Período. Aula 5, 6. 1 Magda Lopes

Tecnologias. de Informação e Comunicação. 7ºAno. 1.º Período. Aula 5, 6. 1 Magda Lopes Tecnologias de Informação e Comunicação 7ºAno 1.º Período Aula 5, 6 1 - Introdução às Tecnologias da Informação e Comunicação. 1.3 Introdução à estrutura e funcionamento de um sistema informático. informático

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores 4º Trabalho de Laboratório Programação Assembly Objetivo: Pretende-se que os alunos compreendam a metodologia usada no desenvolvimento de programas em assembly, incluindo o

Leia mais

Epaminondas. Ludus. Material

Epaminondas. Ludus. Material Epaminondas Ludus História Este jogo foi inventado por Robert Abbott em. Chamava-se originalmente Crossings e foi publicado pela primeira vez em em [GG]. Nessa altura, o jogo ocorria num tabuleiro de linhas

Leia mais

Guião do trabalho prático TP7

Guião do trabalho prático TP7 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Disciplina Automação Ramos Energia e Automação Guião do trabalho prático TP7 Projecto de Porta Automática baseado em Autómato Programável

Leia mais

Projecto # 4: HangMan

Projecto # 4: HangMan Projecto # 4: HangMan Entrega: 17 de Junho as 23:59 Para este problema sua missão é escrever um programa que implementa o jogo Hangman. Deve-se ter em conta dois objectivos. Primeiro, o programa é desenhado

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO. Ri-Li

SOFTWARE EDUCATIVO. Ri-Li SOFTWARE EDUCATIVO Ri-Li BENTO GONÇALVES Setembro de 2015 Sumário Apresentação do software... 3 O que é?... 3 Requisitos... 3 Objetivos... 3 Como funciona?... 4 Link para download... 4 Funcionamento do

Leia mais

Busca em Memória Primária Estrutura de Dados II

Busca em Memória Primária Estrutura de Dados II Centro de Ciências Exatas, Naturais e de Saúde Departamento de Computação Busca em Memória Primária Estrutura de Dados II Estrutura de Dados II COM10078 2017-I Prof. Marcelo Otone Aguiar marcelo.aguiar@ufes.br

Leia mais

Criar um recurso para QIM com ActivInspire - Studio

Criar um recurso para QIM com ActivInspire - Studio Como criar um recurso com o Software ActivInspire Studio Depois de abrir o Software ActivInspire deve criar uma nova página, ficheiro Novo e de seguida escolher o formato desejado. Nota: De forma a este

Leia mais

Windows 95/98/Me/2000

Windows 95/98/Me/2000 Windows 95/98/Me/2000 Mais que um Sistema Operativo, o MS-Windows é um ambiente de trabalho que simula no ecrã o trabalho diário sobre uma secretária. A ideia base do MS-Windows foi a de esconder a organização

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS

INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS INSTRUMENTAÇÃO E MEDIDAS TRABALHO N.º2 CONTROLO DE UM DISPLAY DE 7 SEGMENTOS ATRAVÉS DA PORTA PARALELA USANDO COMUNICAÇÃO SÉRIE E PARALELA. Duração do trabalho 2 aulas práticas Ano Lectivo 2002/2003 Página

Leia mais

Manual do KBounce. Tomasz Boczkowski Revisão: Eugene Trounev Tradução: José Pires

Manual do KBounce. Tomasz Boczkowski Revisão: Eugene Trounev Tradução: José Pires Tomasz Boczkowski Revisão: Eugene Trounev Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Como Jogar 7 3 Regras do Jogo, Estratégias e Sugestões 8 3.1 Regras do Jogo........................................

Leia mais

Sistemas Baseados em Conhecimento

Sistemas Baseados em Conhecimento Departamento de Informática Faculdade de Ciências Universidade de Lisboa Sistemas Baseados em Conhecimento Primeiro Teste 24 de Abril de 2008 Nome Completo: Nº Aluno: Licenciatura: com consulta 1 hora

Leia mais

Vantagens da Folha de Cálculo. UFCD 3776 Informática folha de cálculo e base de dados. Formadora: Sónia Rodrigues.

Vantagens da Folha de Cálculo. UFCD 3776 Informática folha de cálculo e base de dados. Formadora: Sónia Rodrigues. UFCD 776 Informática folha de cálculo e base de dados Objectivos da UFCD: Utilizar aplicações informáticas de folha de cálculo e de base de dados. UFCD 776 Informática folha de cálculo e base de dados

Leia mais

Anatomia do motor de um programa de xadrez. Hugo Vinicius M. D. Santana Orientador: José Coelho de Pina

Anatomia do motor de um programa de xadrez. Hugo Vinicius M. D. Santana Orientador: José Coelho de Pina Anatomia do motor de um programa de xadrez Hugo Vinicius M. D. Santana Orientador: José Coelho de Pina Conteúdo Objetivo O que é um motor de xadrez? Arquitetura Entrada e saída Representação do tabuleiro

Leia mais

Aprendendo a jogar Xadrez

Aprendendo a jogar Xadrez O núcleo de xadrez da nossa Escola continua particularmente activo, e dando continuidade ao material produzido para o número anterior da nossa revista, onde detalhou a forma como se procede à anotação

Leia mais

CAPÍTULO 1. Os elementos. O jogo de xadrez é um desafio para a mente. J. W. von Goethe O TABULEIRO DE XADREZ

CAPÍTULO 1. Os elementos. O jogo de xadrez é um desafio para a mente. J. W. von Goethe O TABULEIRO DE XADREZ CAPÍTULO 1 Os elementos O jogo de xadrez é um desafio para a mente. J. W. von Goethe O TABULEIRO DE XADREZ Joga-se xadrez sobre um tabuleiro quadrado, formado por 64 casas quadradas, sendo sua cor, alternadamente,

Leia mais

Como começar a Jogar? Para iniciar o jogo a forma mais fácil é ir a e começar a jogar.

Como começar a Jogar? Para iniciar o jogo a forma mais fácil é ir a  e começar a jogar. Manual do Utilizador Como começar a Jogar? Para iniciar o jogo a forma mais fácil é ir a http://mega.ist.utl.pt/~jsnl/sudoku/ e começar a jogar. O que preciso para jogar? Precisa de um computador, ligação

Leia mais

Regras do jogo equipe de evolução de software /6/2006 versão 2.1

Regras do jogo equipe de evolução de software /6/2006 versão 2.1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 Regras do Jogo Objetivo do jogo: Os jogadores competem para terminar um projeto

Leia mais

GUIÃO DE EXPLORAÇÃO DO WORD

GUIÃO DE EXPLORAÇÃO DO WORD AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO II Tutoriais para alunos GUIÃO DE EXPLORAÇÃO DO WORD Equipa da BE Ano Lectivo 2010/2011 O Programa Microsoft Office Word possibilita conjugar imagens e texto. Este programa

Leia mais

Algoritmos de retrocesso

Algoritmos de retrocesso Algoritmos de retrocesso Algoritmos em que se geram escolhas que vão sendo testadas e eventualmente refeitas Problemas para os quais não existem algoritmos eficientes: retrocesso é melhor que pesquisa

Leia mais

Aula 04 / LAB 01 Resolução de problemas por meio de busca Prof. Dr. Alexandre da Silva Simões. Exercício 1. Problema dos jarros de água

Aula 04 / LAB 01 Resolução de problemas por meio de busca Prof. Dr. Alexandre da Silva Simões. Exercício 1. Problema dos jarros de água Aula 04 / LAB 01 Resolução de problemas por meio de busca Prof. Dr. Alexandre da Silva Simões Exercício 1 Prof. Dr. Alexandre da Silva Simões Problema dos jarros de água Problema dos jarros de água: modelagem

Leia mais

Busca com informação e exploração. Capítulo 4 Russell & Norvig Seção 4.2 e 4.3

Busca com informação e exploração. Capítulo 4 Russell & Norvig Seção 4.2 e 4.3 Busca com informação e exploração Capítulo 4 Russell & Norvig Seção 4.2 e 4.3 1 Revisão da aula passada: Busca A * Idéia: evitar expandir caminhos que já são caros Função de avaliação f(n) = g(n) + h(n)

Leia mais

Instituto Federal de Minas Gerais - Campus Bambuí

Instituto Federal de Minas Gerais - Campus Bambuí Instituto Federal de Minas Gerais - Campus Bambuí Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet Disciplina de Linguagem de Programação I Prof. Msc. Marlon Marcon Data de Entrega: 27/06/2011 A nota do trabalho

Leia mais

XXIX OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA TERCEIRA FASE NÍVEL 1 (5 a. e 6 a. Séries)

XXIX OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA TERCEIRA FASE NÍVEL 1 (5 a. e 6 a. Séries) TERCEIRA FASE NÍVEL 1 (5 a. e 6 a. Séries) PROBLEMA 1 Parte das casas de um quadriculado com o mesmo número de linhas (fileiras horizontais) e colunas (fileiras verticais) é pintada de preto, obedecendo

Leia mais

Nesse texto vamos abordar como construir dois jogos utilizando os recursos gráficos, funções matemáticas e comandos internos do GeoGebra.

Nesse texto vamos abordar como construir dois jogos utilizando os recursos gráficos, funções matemáticas e comandos internos do GeoGebra. 66 Nesse texto vamos abordar como construir dois jogos utilizando os recursos gráficos, funções matemáticas e comandos internos do GeoGebra. COMANDO SE O comando Se, ou condicional, será muito útil no

Leia mais

Definição e avaliação de métricas para solucionadores SAT

Definição e avaliação de métricas para solucionadores SAT Definição e avaliação de métricas para solucionadores SAT Fernando Augusto Fernandes Braz Orientador: Mark Alan Junho Song Departamento de Ciência da Computação PUC Minas 9 de dezembro de 2009 Sumário

Leia mais

MAC425/5739 Inteligência Artificial 3. Busca informada

MAC425/5739 Inteligência Artificial 3. Busca informada MAC425/5739 Inteligência Artificial 3. Busca informada Denis Deratani Mauá (largamente baseado no material de aula dos Profs. Edileri de Lima e Leliane de Barros) MÉTODOS DE BUSCA Busca cega ou sistemática:

Leia mais

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC 2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC Procedimentos para instalar e aceder a um programa Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Windows Prof.: Alexandra Matias Sumário Conhecer os procedimentos associados

Leia mais

Algoritmos e Tipos Abstractos de Informação

Algoritmos e Tipos Abstractos de Informação Engenharia Informática Engenharia Electrónica e Computadores Algoritmos e Tipos Abstractos de Informação FASE 1 1 Introdução O objectivo deste trabalho é desenvolver um programa Caça ao Tesouro. Este jogo

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial INF 1771 Inteligência Artificial Aula 01 Resolução de problemas por meio de Busca Edirlei Soares de Lima Introdução Agentes Autônomos: Entidades autônomas capazes de observar o ambiente

Leia mais

Introdução a Algoritmos Aula 1

Introdução a Algoritmos Aula 1 Introdução a Algoritmos Aula 1 Professor: Maurício Archanjo Nunes Coelho Metodologia Aulas expositivas Transparências Quadro negro Material disponível em PDF Resolução de exercícios Leitura/Estudo do material

Leia mais

Manual do Picmi. Jakob Gruber Tradução: Marcus Gama

Manual do Picmi. Jakob Gruber Tradução: Marcus Gama Jakob Gruber Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Como jogar 7 3 Regras do jogo, estratégias e dicas 8 3.1 Regras............................................ 8 4 Visão geral da Interface 9

Leia mais

Fundamentos de Programação. operações sobre grafos dirigidos.

Fundamentos de Programação. operações sobre grafos dirigidos. Licenciatura em Engenharia Informática e de omputadores Fundamentos de Programação Projecto - Terceira Parte 27 de bril de 2012 Operações sobre grafos dirigidos O objectivo deste projecto é o desenvolvimento

Leia mais

Árvore de Jogos Minimax e Poda Alfa-Beta

Árvore de Jogos Minimax e Poda Alfa-Beta Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Árvore de Jogos Minimax e Poda Alfa-Beta Inteligência Artificial Site: http://jeiks.net E-mail: jacsonrcsilva@gmail.com

Leia mais

JOGOS LIVRO REGRAS M AT E M Á T I CO S. 11.º Campeonato Nacional

JOGOS LIVRO REGRAS M AT E M Á T I CO S. 11.º Campeonato Nacional Vila Real JOGOS M AT E M Á T I CO S.º Campeonato Nacional LIVRO DE REGRAS Semáforo Autor: Alan Parr Material Um tabuleiro retangular por. 8 peças verdes, 8 amarelas e 8 vermelhas partilhadas pelos jogadores.

Leia mais

1ª Colocação 10 pontos. 2ª Colocação 08 pontos. 3ª Colocação 06 pontos

1ª Colocação 10 pontos. 2ª Colocação 08 pontos. 3ª Colocação 06 pontos Regras: Jogo do Xadrez 1. Sorteio: Os confrontos serão definido através de sorteio e relacionados no chaveamento da competição; A ordem de disputa será de acordo com a ordem de retira no sorteio. PS: 2

Leia mais

Matrizes esparsas: definição

Matrizes esparsas: definição Matrizes esparsas: definição o objetivo é mostrar os métodos de armazenamento e manipulação de matrizes esparsas esparsidade de uma matriz é a relação entre o número de elementos nulos de uma matriz e

Leia mais

Engenharia do Conhecimento

Engenharia do Conhecimento Engenharia do Conhecimento 1º Projecto 23 de Março de 2015 BattleShip Jess Prazo de Entrega: 19 de Abril Objectivo Geral: Pretende-se desenvolver em Jess uma das variantes do jogo clássico da Batalha Naval.

Leia mais

Dispositivos externos

Dispositivos externos Dispositivos externos Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações aqui contidas estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. As únicas garantias que cobrem

Leia mais

ESCOLA EMEF PROFª MARIA MARGARIDA ZAMBON BENINI - PIBID 08/10/2014, 29/10/2014 e 05/11/2014

ESCOLA EMEF PROFª MARIA MARGARIDA ZAMBON BENINI - PIBID 08/10/2014, 29/10/2014 e 05/11/2014 ESCOLA EMEF PROFª MARIA MARGARIDA ZAMBON BENINI - PIBID 08/10/2014, 29/10/2014 e 05/11/2014 Bolsistas: Mévelin Maus, Milena Poloni Pergher e Odair José Sebulsqui. Supervisora: Marlete Basso Roman Disciplina:

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM EXPRESSÃO GRÁFICA DISCIPLINA: CEG201-INTRODUÇÃO À EXPRESSÃO GRÁFICA. Professora Vaz. 1º semestre 2015

CURSO DE BACHARELADO EM EXPRESSÃO GRÁFICA DISCIPLINA: CEG201-INTRODUÇÃO À EXPRESSÃO GRÁFICA. Professora Vaz. 1º semestre 2015 CURSO DE BACHARELADO EM EXPRESSÃO GRÁFICA DISCIPLINA: CEG201-INTRODUÇÃO À EXPRESSÃO GRÁFICA Professora Vaz 1º semestre 2015 1 AULA 01 (03 DE MARÇO) Professora Vaz 1º semestre 2015 2 EMENTA Definição e

Leia mais

a) Defina em Prolog iguais/1, um predicado que recebe um estado do jogo e que verifica que todas as pilhas têm o mesmo número de peças.

a) Defina em Prolog iguais/1, um predicado que recebe um estado do jogo e que verifica que todas as pilhas têm o mesmo número de peças. Introdução à Inteligência Artificial 2ª Época 29 Janeiro 2015 Nº Aluno: Nome Completo: Exame com consulta. Responda às perguntas nesta própria folha, nos espaços indicados. (I) O jogo do Nim (também chamado

Leia mais

Backtracking. Backtracking

Backtracking. Backtracking Notas de aula da disciplina IME 0-0 ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS II Paulo Eustáquio Duarte Pinto (pauloedp arroba ime.uerj.br) É uma técnica de solução de problemas (construção de algoritmos) que eamina

Leia mais

Concursos de Pessoal Docente

Concursos de Pessoal Docente Concursos de Pessoal Docente Ano Escolar 2011/2012 Contratação cíclica Manifestação, por via electrónica, da vontade de continuar em concurso para efeitos de contratação cíclica RAM * SREC * 14-04-2011

Leia mais

Objetivos. Sistema Operativo em Ambiente Gráfico. Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação

Objetivos. Sistema Operativo em Ambiente Gráfico. Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação Objetivos Definir o conceito de Sistema Operativo Caracterizar os diferentes elementos do Ambiente de trabalho Explicar a finalidade da barra de tarefas Trabalhar ao mesmo tempo com várias janelas Definir

Leia mais

4. Corpos finitos. Aula 22 - Álgebra II. [Conclusão da aula anterior: exemplos de polinómios resolúveis e polinómios não resolúveis]

4. Corpos finitos. Aula 22 - Álgebra II. [Conclusão da aula anterior: exemplos de polinómios resolúveis e polinómios não resolúveis] [Conclusão da aula anterior: exemplos de polinómios resolúveis e polinómios não resolúveis] Corpos finitos Neste capítulo final vamos estudar as propriedades fundamentais dos corpos finitos e descrever

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação INTRODUÇÃO AOS ALGORITMOS E À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARTE 3 Renato Dourado Maia Universidade Estadual de Montes Claros Engenharia Civil Linguagens de Programação Uma linguagem

Leia mais

3º Trabalho de Laboratório Objectivo Geral: Largura de banda de impulsos; Espectros de sinais básicos; Propriedades da transformada de Fourier.

3º Trabalho de Laboratório Objectivo Geral: Largura de banda de impulsos; Espectros de sinais básicos; Propriedades da transformada de Fourier. Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Informática Grupo: nº e 3º Trabalho de

Leia mais

CONTROLADOR do MOTOR de PASSO

CONTROLADOR do MOTOR de PASSO UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE ELECTRÓNICA INDUSTRIAL Laboratórios Integrados II CONTROLADOR do MOTOR de PASSO Trabalho Prático nº 7 ÍNDICE ÍNDICE...ii 1. OBJECTIVOS DO TRABALHO... 1 2. ETAPAS DO

Leia mais

Planeamento de Unidade Linux no programa de TIC do 9º e 10º ano

Planeamento de Unidade Linux no programa de TIC do 9º e 10º ano Planeamento de Unidade Linux no programa de do 9º e 10º ano Tecnologias da Informação e Comunicação Versão Date: Pages: Issue: State: Access: Reference: 23/9/2004 14 Draft Public i Approved Version: RR

Leia mais

Índice. LeYa Multimédia

Índice. LeYa Multimédia Índice 1. Conhecer o 20 Aula Digital... 3 2. Registo no 20 Aula Digital... 4 3. Autenticação... 5 3.1. Editar os dados de perfil... 5 3.2. Ativar código... 5 4. Página de entrada... 6 4.1. Pesquisar um

Leia mais

Engenharia de Sistemas e Informática Guia do Trabalho / º Ano/ 1.º Semestre

Engenharia de Sistemas e Informática Guia do Trabalho / º Ano/ 1.º Semestre Sistemas de Instrumentação Departamento de Informática esi Engenharia de Sistemas e Informática Guia do Trabalho 2 2005/2006 2.º Ano/ 1.º Semestre Título: Teoria Técnicas de Aquisição, Geração e Processamento

Leia mais

Portfolio MEEC 1. Portfolio MEEC. J. Miranda Lemos. Professor Catedrático do IST 2014/2015

Portfolio MEEC 1. Portfolio MEEC. J. Miranda Lemos. Professor Catedrático do IST 2014/2015 Portfolio MEEC 1 Portfolio MEEC J. Miranda Lemos Professor Catedrático do IST 2014/2015 Portfolio MEEC 2 Aula 1 Apresentação da unidade curricular Objectivos Apresentação dos objectivos, conteúdo, organização

Leia mais

CONTROLO. 3º ano 1º semestre 2003/2004. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 3 Diagramas de Blocos

CONTROLO. 3º ano 1º semestre 2003/2004. Transparências de apoio às aulas teóricas. Capítulo 3 Diagramas de Blocos Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores (LEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores (DEEC) CONTROLO º ano º semestre 00/004 Transparências de apoio às aulas teóricas

Leia mais

Tutorial de apoio ao estudante

Tutorial de apoio ao estudante Sumário: No final da leitura deste tutorial o estudante será capaz de utilizar algumas das funcionalidades básicas da plataforma elearning.ul.pt: 1 - Como editar o perfil 2 Como participar/publicar num

Leia mais

Plano Director Municipal. Tecnologias de Informação Geográfica

Plano Director Municipal. Tecnologias de Informação Geográfica Plano Director Municipal Tecnologias de Informação Geográfica munwebgis Com o objectivo de difundir a utilização da informação geográfica, agilizar e simplificar os processos administrativos dentro dos

Leia mais

Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig

Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig Enunciados dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig 1. (2.2) Tanto a medida de desempenho quanto a função de utilidade medem o quanto um agente está desempenhando bem suas atividades. Explique a diferença

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO. Manual CHILDSPLAY

SOFTWARE EDUCATIVO. Manual CHILDSPLAY SOFTWARE EDUCATIVO Manual CHILDSPLAY BENTO GONÇALVES Setembro de 2015 Sumário O que é?... 3 Requisitos... 3 Objetivos... 3 Link para download... 4 Tela Inicial... 5 Jogo da Memória... 6 Aquário... 7 Teclado...

Leia mais

Tópicos Avançados em Algoritmos

Tópicos Avançados em Algoritmos Tópicos Avançados em Algoritmos Armando Matos 2008 Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 2 Tópicos Avançados de Algoritmos Armando B. Matos DCC-FC-UP 2009

Leia mais

Projecto e Desenvolvimento de Programas

Projecto e Desenvolvimento de Programas Projecto e Desenvolvimento de Programas Projecto de programas Metodologia de desenvolvimento Construção de algoritmos Instituto Superior Técnico, Dep. de Engenharia Mecânica - ACCAII Programa de Computador

Leia mais

DCC / ICEx / UFMG. O Jogo SimulES. Eduardo Figueiredo.

DCC / ICEx / UFMG. O Jogo SimulES. Eduardo Figueiredo. DCC / ICEx / UFMG O Jogo SimulES Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo O Jogo SimulES Simulação de Engenharia de Software http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo/simules/ O jogo foi fortemente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Nível 1 - POTI Aula 1 - Combinatória

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Nível 1 - POTI Aula 1 - Combinatória UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Nível 1 - POTI Aula 1 - Combinatória Exercícios: 1. Maria inventou uma brincadeira. Digitou alguns algarismos na primeira linha de uma folha. Depois, no segunda linha, fez

Leia mais

Trabalho 1: Caminho mais curto entre duas cidades. Discentes: Ricardo Seromenho a23842 Rui Dias a24254

Trabalho 1: Caminho mais curto entre duas cidades. Discentes: Ricardo Seromenho a23842 Rui Dias a24254 Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engª Electrónica e Informática Inteligência Artificial (2005/2006 2º Semestre) Trabalho 1: Caminho mais curto entre duas cidades

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Prof. Rafael Stubs Parpinelli DCC / UDESC-Joinville parpinelli@joinville.udesc.br www.joinville.udesc.br/portal/professores/parpinelli www2.joinville.udesc.br/~coca/ Agentes solucionadores

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica. Comunicação sem fios 2007/2008

Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica. Comunicação sem fios 2007/2008 Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica Comunicação sem fios 2007/2008 1º Trabalho: Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Índice Introdução...3 Objectivos...4 Relatório...7

Leia mais

Laboratórios de Informática II LEI (1 o ano) Projecto Integrado. Ano Lectivo de 2006/07

Laboratórios de Informática II LEI (1 o ano) Projecto Integrado. Ano Lectivo de 2006/07 Laboratórios de Informática II LEI (1 o ano) Projecto Integrado Ano Lectivo de 2006/07 1 Objectivos Com este projecto integrado pretende-se sedimentar os conhecimentos introduzidos nas aulas teóricas de

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Universidade dos Açores Departamento de Matemática www.uac.pt/~hguerra!! do Gr. logiké, arte de raciocinar!! s. f., ciência que tem por objecto o estudo dos métodos e princípios que

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CIÊNCIAS EXATAS E E NATURAIS NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark Sistemas Distribuídos e Engenharia de Software Projecto de 2010/2011

Leia mais

Manual do Granatier. Mathias Kraus Tradução: José Pires

Manual do Granatier. Mathias Kraus Tradução: José Pires Mathias Kraus Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Como jogar 6 3 Regras do Jogo, Estratégias e Sugestões 7 3.1 Os Itens............................................ 7 3.1.1 A Arena.......................................

Leia mais

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2. Tabelas e Diagramas de Freqüência

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2. Tabelas e Diagramas de Freqüência Tabelas e Diagramas de Freqüência Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 2 O primeiro passo na análise e interpretação dos dados de uma amostra consiste na descrição (apresentação) dos dados

Leia mais

Manual de utilizador

Manual de utilizador Manual de utilizador Índice Introdução... 1 NOTAS IMPORTANTES... 1 Declarações Legais... 3 Instalação e Configuração... 5 Requisitos do Sistema... 5 Instalação... 5 Activação... 7 Actualização Automática...

Leia mais

Apresentar de forma resumida a evolução histórica do Sistema Operativo Linux;

Apresentar de forma resumida a evolução histórica do Sistema Operativo Linux; PLANIFICAÇÃO A MÉDIO PRAZO DISCIPLINA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Unidade de Ensino Aprendizage m Sistema Operativo Linux 10ºAn o - Total de 20-1º PERÍODO Objectivos Conteúdos Metodologias

Leia mais