Inteligência Artificial Projecto 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inteligência Artificial Projecto 2"

Transcrição

1 Bantumi ESPECIFICAÇÕES O projecto destina-se a resolver um conjunto de problemas do jogo Bantumi utilizando métodos de procura em espaço de estados. Bantumi é um jogo derivado do jogo Mancala de origem Africana a centenas de anos atrás. Existem muitas variantes deste jogo, alterando o numero de pedras de cada cesto no inicio do jogo até ao modo como cada pedra é coleccionada na Mancala. O jogo Bantumi ocorre num tabuleiro, abaixo representado, em que inicialmente as peças estão distribúidas das seguintes formas: Figura 1 Tabuleiro inicial A Figura 2 Tabuleiro inicial B Cada jogador começa com o mesmo número de peças. Inicialmente, podemos começar ou com o tabuleiro A ou B, fica ao critério dos jogadores, pois são eles que devem escolher o tabuleiro inicial. Onde, as casas do jogador 1 são as de cima, por consequência as casas do jogador 2 são as de baixo. A Mancala é a casa onde os jogadores podem depositar pedras, de forma a acumularem pontos. Sendo, a Mancala da esquerda a do jogador 1 e a Mancala da direito a do jogador 2. Uma jogada consiste em que um jogador escolha uma das suas casas, agarrando nas pedras depositadas nessa mesma casa, e colocando-as, uma a uma, nas casas seguintes pela ordem contrária dos ponteiros do relógio. Sempre que passa na sua Mancala deve depositar uma pedra, caso passe na Mancala do adversário não deposita nenhuma pedra. Regras do jogo: Todos as jogadas são feitas ao contrário da rotação dos ponteiros do relógio. Figura 3 Rotação das jogadas Instituto Politécnico de Setúbal Eng. Adelaide Trabuco 1/7

2 Para jogar, o jogador devesse escolher uma das suas casa, agarrando nas pedras depositadas nessa mesma casa, e colocando-as, uma a uma, nas casas seguintes pela ordem contrária dos ponteiros do relógio Figura 4 Jogada Sempre que o jogador passa com pedras na sua Mancala, deve depositar uma pedra, aumentando a sua pontuação em Figura 5 Jogada com colecção de pedras na Mandala Sempre que o jogador passa com pedras na Mancala do adversário, não deposita nenhuma pedra Figura 6 Jogada complexa Instituto Politécnico de Setúbal Eng. Adelaide Trabuco 2/7

3 Se numa jogada, a última pedra for depositada na sua Mancala, o jogador pode jogar novamente Figura 7 Jogada que permite com que o jogador volte a jogar novamente Se numa jogada, a última pedra for depositada numa das suas casas, e essa mesma casa estiver vazia, a pedra passa automaticamente para a sua Mancala, e se a casa oposta do adversário tiver pedras, essas também são colocadas na Mancala do jogador, automaticamente Figura 8 Jogada complexa Instituto Politécnico de Setúbal Eng. Adelaide Trabuco 3/7

4 Se um dos jogadores não tiver nenhuma pedra em nenhuma das suas casas, o jogo termina. Se o adversário tiver pedras, são colocadas automaticamente na sua Mancala Figura 9 Fim de jogo O jogador vencedor é aquele que tiver mais pedras na sua "Mancala". DESENVOLVIMENTO DO JOGO O algoritmo que implementa a comutação entre jogadores inicia o jogo dando um nó com o tabuleiro inicial da figura 1, em que cada jogador tem 4 pedras por casa. O jogo desenrola-se chamando alternadamente o alfabeta do primeiro jogador e o alfabeta do segundo jogador, indicando o estado do jogo (posição das peças, i.e., tabuleiro actual, a lista de jogadas efectuadas e o número peças existentes no tabuleiro actual) o número da jogada e o tempo disponível para efectuar a jogada. Onde o tempo disponível é de apenas 5 segundos para efectuar a jogada. Nota: Para se obter uma melhor eficiência com o algoritmo alfabeta poderá optar por: marcar uma profundidade fixa na chamada do algoritmo alfabeta (aquela em que se obtém melhores resultados); chamar o algoritmo alfabeta com uma boa profundidade (por exemplo: 5), guardar a solução obtida, e se restar mais algum tempo, chamar novamente o algoritmo alfabeta mas com um nível de profundidade maior que o anterior (por exemplo: 7), e assim sucessivamente; por último, usar uma função de analisa previamente os nós sucessores e ordena-os consoante o seu peso, de seguida explora aquele que tem uma melhor avaliação, assim sucessivamente. Desta forma, poderá obter uma melhor performance do algoritmo alfabeta optimizando o tempo. NOTAÇÃO O algoritmo de jogo deve receber e devolver uma estrutura de dados com o formato: #S(no :tabuleiro ( ( ) ( ) ) :jogadas ( (2 2) ) :pecas ( ) ) Instituto Politécnico de Setúbal Eng. Adelaide Trabuco 4/7

5 Onde o tabuleiro é representado por uma lista de listas em LISP em que [] representa uma casa livre, [-1] representa uma casa inexistente, e [X] representa um casa com X pedras. O tabuleiro da figura 1 tem a seguinte representação: ( ( ) ( ) ) As jogadas são representadas por uma sequência de operações realizadas sobre as peças do tabuleiro, em que cada movimento é uma lista com a estrutura: (coluna linha) onde, a coluna representa o número da coluna correspondente ao tabuleiro, e linha representa o número da linha correspondente ao tabuleiro, e mesmo tempo representa o número do jogador que acabou de jogar. As colunas estão identificadas por a sequência de números de 1 a 8, as linhas estão identificadas por o número 1 e 2. A figura seguinte mostra a numeração correspondete às linhas e colunas num tabuleiro: Figura 1 Numeração das linhas e colunas do tabuleiro A lista de jogadas esta ordenada desde a jogada mais recente até à primeira jogada, tendo à cabeça a última jogada efectuada. As peças são uma lista com dois valores, o primeiro indica o número de pedras na mandala do primeiro jogador e o segundo valor corresponde ao número de pedras na mandala do segundo jogador presentes do tabuleiro actual. ALGORITMOS Todas as funções do projecto devem estar no ficheiro com o nome BANTUMI-N1-N2.lsp, onde N1 e N2 são os números dos alunos do grupo (por exemplo os alunos nº 3454 e nº 3344, devem criar o ficheiro BANTUMI lsp). Neste ficheiro deve existir uma função princípal com o seguinte formato: (BANTUMI-N1-N2 no jogador num-jogada tempo) A variável no contém a estrutura acima descrita. A variável jogador será 1 ou 2 caso seja o primeiro os segundo jogador. A variável num-jogada contém o número da jogada actual (começa em ) O tempo indica quantos segundos o algoritmo tem disponível para indicar a solução. O algoritmo de jogo é uma função que recebe duas funções passadas por parâmetro e comuta entre as duas funções fazendo a visualização dos tempos e das jogadas dos dois jogadores. Instituto Politécnico de Setúbal Eng. Adelaide Trabuco 5/7

6 ATENÇÃO: Todas as funções existentes no ficheiro do projecto devem acabar com os números dos alunos. Exemplo, se desejam implementar a função verificar, no ficheiro de entrega esta deve se chamar verificar CAMPEONATO O campeonato será uma competição em que todos jogam contra todos. Existirá um programa que porá todos os algoritmos a jogar e apresentará os resultados do campeonato. Uma vitória valerá 3 pontos, um empate 1 ponto e uma derrota pontos. O grupo vencedor do campeonato receberá 3 valores extra na nota do projecto. O grupo que ficar em segundo lugar receberá 2 valores extra na nota do projecto. O grupo que ficar em segundo lugar receberá 1 valores extra na nota do projecto. PENALIZAÇÔES O algoritmo que bloqueie, demore mais que o tempo disponibilizado perde o jogo. Em caso de batota, serão desclassificados do campeonato. GRUPOS Os projectos deverão ser realizados em grupos de 2 pessoas, sendo sempre sujeitos a avaliação oral individual. DATAS Entrega do projecto: 5 de Janeiro de 26. DOCUMENTAÇÃO A ENTREGAR A entrega do plano do projecto e do projecto final deverá ser feita juntando todos os ficheiros a entregar que, após compressão (zip) deverá ser enviada como attachment de uma mensagem , para o endereço do docente de laboratório, devidamente identificados e com o subject seguinte: IA-Projecto, até à data acima indicada. Após a entrega por os grupos deverão contactar pessoalmente o docente de laboratório, no prazo de 3 dias úteis, acompanhados de um original impresso dos documentos para ser concluída a entrega. Documentos do projecto final ManualTecnico.doc O Manual Técnico deverá conter o algoritmo geral e por partes devidamente comentado; descrição dos objectos que compõem o projecto, incluindo dados e procedimentos; identificação das limitações e opções técnicas. ManualUtilizador.doc O Manual do Utilizador deverá conter a identificação dos objectivos do programa, e descrição geral do seu funcionamento; explicação da forma como se usa o programa (acompanhada de exemplos); descrição da Instituto Politécnico de Setúbal Eng. Adelaide Trabuco 6/7

7 informação necessária e da informação produzida (écran/teclado e ficheiros); limitações do programa, do ponto de vista do utilizador, de natureza não técnica. AVALIAÇÃO A avaliação do projecto levará em linha de conta os seguintes aspectos: Data de entrega final - Há tolerância de uma semana, com a penalização de um valor por cada dia de atraso. Após uma semana de atraso a nota do projecto será zero. Correcção processual da entrega do projecto - ( ; manuais no formato correcto). Anomalias processuais darão origem a uma penalização que pode ir até 3 valores, sendo dada uma semana de tolerância para correcção de eventuais problemas que impeçam a análise do projecto. Após uma semana de atraso a nota do projecto será zero. Qualidade técnica - Objectivos atingidos; Código correcto; Facilidade de leitura e manutenção do programa; Opções técnicas correctas. Qualidade da documentação - Estrutura e conteúdo dos manuais que acompanham o projecto. Avaliação oral - Eficácia e eficiência da exposição; compreensão das limitações e possibilidades de desenvolvimento do programa. Nesta fase poderá haver lugar a uma revisão total da nota de projecto. Instituto Politécnico de Setúbal Eng. Adelaide Trabuco 7/7

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização Manual das condições gerais que regulam a utilização dos serviços disponibilizados pela aplicação Arquivo, plataforma de gestão de informação, do Municipio

Leia mais

EGEA ESAPL - IPVC. Resolução de Problemas de Programação Linear, com recurso ao Excel

EGEA ESAPL - IPVC. Resolução de Problemas de Programação Linear, com recurso ao Excel EGEA ESAPL - IPVC Resolução de Problemas de Programação Linear, com recurso ao Excel Os Suplementos do Excel Em primeiro lugar deverá certificar-se que tem o Excel preparado para resolver problemas de

Leia mais

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Índice Configuração dos documentos no Backofficce... 3 O Driver ERP Next... 6 Configurações principais... 6 Configurações do vendedor... 7 Configurações do

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL 2009-2013 DESPORTO ESCOLAR

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL 2009-2013 DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL 2009-2013 DESPORTO ESCOLAR ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. ESCALÕES ETÁRIOS/ BOLA DE JOGO/DURAÇÃO DE JOGO...4 3. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA...5 4. ARBITRAGEM...6 5. CLASSIFICAÇÃO/

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL 2009-2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESCALÕES ETÁRIOS/ BOLA DE JOGO/DURAÇÃO DE JOGO... 4 3. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA... 5 4.ARBITRAGEM... 6 5. CLASSIFICAÇÃO/ PONTUAÇÃO/DESEMPATE...

Leia mais

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO UM JOGO BINOMIAL São muitos os casos de aplicação, no cotidiano de cada um de nós, dos conceitos de probabilidade. Afinal, o mundo é probabilístico, não determinístico; a natureza acontece

Leia mais

8 Crie um pequeno sistema para controle automatizado de estoque, com os seguintes registros:

8 Crie um pequeno sistema para controle automatizado de estoque, com os seguintes registros: TRABALHO: REGISTROS 8 Crie um pequeno sistema para controle automatizado de estoque, com os seguintes registros: CLIENTES NOTAS ITENS_NOTAS PRODUTOS Cod_cliente Num_NF Num_NF Cod_produto Endereco Cod_cliente

Leia mais

GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS

GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS 2008/2009 1º SEMESTRE GUIÃO DA DISCIPLINA Docentes: Anabela Mendes Moreira, Professora Adjunta NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Modelo Relacional Normalização Diagramas E-R e Tabelas Originadas

Modelo Relacional Normalização Diagramas E-R e Tabelas Originadas Informática II Modelo Relacional Normalização Diagramas E-R e Tabelas Originadas (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Por: Artur Sousa / Jorge Loureiro Conceitos de entidade e atributo Tipos

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

MUNICÍPIOS DA PENÍNSULA DE SETÚBAL ASSOCIAÇÕES ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 BASQUETEBOL REGULAMENTO

MUNICÍPIOS DA PENÍNSULA DE SETÚBAL ASSOCIAÇÕES ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 BASQUETEBOL REGULAMENTO JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 BASQUETEBOL REGULAMENTO 1. Organização A organização da competição de Basquetebol dos Jogos do Futuro da Região de Setúbal 2016 é da responsabilidade da Câmara

Leia mais

MANUAL HAE - WEB MANUAL WEB HAE

MANUAL HAE - WEB MANUAL WEB HAE MANUAL HAE - WEB MANUAL WEB HAE PROJETO HAE - WEB www.cpscetec.com.br/hae *NÃO DEVERÃO ser lançados os projetos de Coordenação de Curso, Responsável por Laboratório, Coordenação de Projetos Responsável

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano Módulo de Princípios Básicos de Contagem Combinação Segundo ano Combinação 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Numa sala há 6 pessoas e cada uma cumprimenta todas as outras pessoas com um único aperto

Leia mais

Manual do Fénix. Gestão da ficha de unidade curricular (Portal de coordenador de ECTS) DSI 28-01-2010 (Versão 1.0)

Manual do Fénix. Gestão da ficha de unidade curricular (Portal de coordenador de ECTS) DSI 28-01-2010 (Versão 1.0) Manual do Fénix Gestão da ficha de unidade curricular (Portal de coordenador de ECTS) DSI 28-01-2010 (Versão 1.0) Este manual tem como objectivo auxiliar a tarefa de gestão de versões da ficha de unidade

Leia mais

MODULAÇÃO DE UM SINAL ANALÓGICO

MODULAÇÃO DE UM SINAL ANALÓGICO Relatório de Microprocessadores 2007/2008 Engenharia Física Tecnológica MODULAÇÃO DE UM SINAL ANALÓGICO USANDO UM PWM E UM CIRCUITO RC E AQUISIÇÃO ATRAVÉS DE UM ADC Laboratório IV Trabalho realizado por:

Leia mais

ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012

ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012 1 ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012 Introdução O material abaixo foi elaborado para orientar de forma objetiva

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL Índice 1. Introdução 3 2. Escalões Etários/Bola de Jogo/Duração de Jogo 3 3. Constituição da Equipa 4 4. Classificação/Pontuação 4 5. Arbitragem 5 6. Mesa de Secretariado 6 7. Regulamento Técnico-Pedagógico

Leia mais

Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3

Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3 Sumário Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3 Capítulo 2. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo XML 12 Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições

Leia mais

LEITURA E ESCRITA FOTO NOME DESCRIÇÃO

LEITURA E ESCRITA FOTO NOME DESCRIÇÃO MATERIAL DE INTERVENÇÃO LEITURA E ESCRITA FOTO NOME DESCRIÇÃO 28,29 + IVA (23%) Loto Palavras e Animais Loto de 72 animais para trabalhar a associação de duas formas: imagem com imagem ou imagem com palavra.

Leia mais

ATuLCo. Manual de Instruções. Gestor de Agência de Viagens. ATuLCo Gestor de Agencia de Viagens. Horário Abreu Nr. 53792. António Felgueiras Nr.

ATuLCo. Manual de Instruções. Gestor de Agência de Viagens. ATuLCo Gestor de Agencia de Viagens. Horário Abreu Nr. 53792. António Felgueiras Nr. Manual de Instruções ATuLCo Gestor de Agência de Viagens António Felgueiras Nr. 43481 Horário Abreu Nr. 53792 Ricardo Pinto Nr. 51835 1 Índice O que é o ATuLCo? ------------------------------------- 3

Leia mais

BASQUETEBOL. www.inatel.pt

BASQUETEBOL. www.inatel.pt NORMAS ESPECIFICAS www.inatel.pt NORMAS ESPECÍFICAS As normas específicas são regras estabelecidas pela Direção Desportiva, em complemento do Código Desportivo, para as provas organizadas pela Fundação

Leia mais

1º Concurso de Bandas de Garagem da Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Viseu

1º Concurso de Bandas de Garagem da Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Viseu 1º Concurso de Bandas de Garagem da Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Viseu Ficha de inscrição *Nome do projecto musical: Idade do projecto: anos e meses *Cidade de origem: *Género

Leia mais

REGRAS DAS PROVAS RELÂMPAGO

REGRAS DAS PROVAS RELÂMPAGO REGRAS DAS PROVAS RELÂMPAGO BALÃO Cada equipe apresentará um componente para esta prova. Os participantes deverão soprar o balão até estourar. Será estabelecida a ordem de classificação pelo tempo de estouro

Leia mais

Gestão de Actas Escolares. Manual Utilizador. (Versão 4)

Gestão de Actas Escolares. Manual Utilizador. (Versão 4) inovar TI Gestão de Actas Escolares Manual Utilizador (Versão 4) ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 FUNCIONALIDADES DO UTILACTAS... 3 1.ENTRAR NO PROGRAMA... 4 2.CONVOCAR UMA REUNIÃO... 5 2.1. CRIAR... 5 2.2. EDITAR...

Leia mais

M =C J, fórmula do montante

M =C J, fórmula do montante 1 Ciências Contábeis 8ª. Fase Profa. Dra. Cristiane Fernandes Matemática Financeira 1º Sem/2009 Unidade I Fundamentos A Matemática Financeira visa estudar o valor do dinheiro no tempo, nas aplicações e

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Manual do Usuário Módulo Laboratório Manual de Operação_Módulo Laboratório_Controle

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. (Revisto em Setembro de 2014)

REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. (Revisto em Setembro de 2014) REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL 2013 2017 (Revisto em Setembro de 2014) Índice 1. Introdução 2 2. Escalões etários 3 3. Constituição das Equipas 4 4. Regulamento Técnico Pedagógico 5 5. Classificação,

Leia mais

TESTES SOCIOMÉTRICOS

TESTES SOCIOMÉTRICOS TESTES SOCIOMÉTRICOS Docente: Mestre Mª João Marques da Silva Picão Oliveira TESTES SOCIOMÉTRICOS * O Teste Sociométrico ajuda-nos a avaliar o grau de integração duma criança/jovem no grupo; a descobrir

Leia mais

Gestão Documental. Gestão Documental

Gestão Documental. Gestão Documental Alcides Marques, 2007 Actualizado por Ricardo Matos em Junho de 2009 Neste capítulo pretende-se analisar a temática da, começando por apresentar um breve resumo dos conceitos subjacentes e apresentando

Leia mais

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (Hospital Regional do Mato Grosso do Sul- HRMS) Campo Grande MS MÊS /ANO TÍTULO/SUBTÍTULO DO PROJETO NOME DO (s) ALUNO

Leia mais

COBRANÇA BANCÁRIA CAIXA

COBRANÇA BANCÁRIA CAIXA COBRANÇA BANCÁRIA CAIXA ESPECIFICAÇÃO DE CÓDIGO DE BARRAS PARA BLOQUETOS DE COBRANÇA COBRANÇAS RÁPIDA E SEM REGISTRO GESER NOVEMBRO/2000 ÍNDICE PÁGINA 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESPECIFICAÇÕES...4 2.1 FORMATO......

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ORIENTAÇÕES GERAIS Cada aluno deve elaborar seu relatório, mesmo que o trabalho esteja sendo desenvolvido em grupo. Os relatórios devem

Leia mais

Árvores. ! utilizada em muitas aplicações. ! modela uma hierarquia entre elementos. ! O conceito de árvores está diretamente ligado à recursão

Árvores. ! utilizada em muitas aplicações. ! modela uma hierarquia entre elementos. ! O conceito de árvores está diretamente ligado à recursão Árvores 1 Árvores! utilizada em muitas aplicações! modela uma hierarquia entre elementos! árvore genealógica! diagrama hierárquico de uma organização! modelagem de algoritmos! O conceito de árvores está

Leia mais

GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento. Manual de Utilizador Front-Office

GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento. Manual de Utilizador Front-Office GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento Manual de Utilizador Front-Office Aviso de Propriedade e Confidencialidade Este documento é propriedade do INFARMED, I.P., e toda a informação nele incluído

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Comunicação em Grupo Referência Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Seção 10.4 pág. 304-311 2 Comunicação em Grupo Suponha que se deseja um serviço de arquivos único

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2009 Duração: 2 horas Prova com consulta Questão 1 (Construção de modelo ER) Deseja-se projetar a base de

Leia mais

Técnicas de Contagem I II III IV V VI

Técnicas de Contagem I II III IV V VI Técnicas de Contagem Exemplo Para a Copa do Mundo 24 países são divididos em seis grupos, com 4 países cada um. Supondo que a escolha do grupo de cada país é feita ao acaso, calcular a probabilidade de

Leia mais

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada.

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada. Página2 Cadastro de Categorias O cadastro de categoria é utilizado dentro do gestor para o controle financeiro da empresa, por ela é possível saber a origem e a aplicação dos recursos, como por exemplo,

Leia mais

ÍNDICE GIRA VOLEI REGRAS DE JOGO CAPÍTULO I FUNDAMENTOS E REGRAS DO JOGO. REGRA 1 Terreno de jogo (figs. 1 e 2) 1.1 Superfície de jogo. 1.

ÍNDICE GIRA VOLEI REGRAS DE JOGO CAPÍTULO I FUNDAMENTOS E REGRAS DO JOGO. REGRA 1 Terreno de jogo (figs. 1 e 2) 1.1 Superfície de jogo. 1. ÍNDICE CAPÍTULO I FUNDAMENTOS E REGRAS DO JOGO REGRA 1 Terreno de jogo (figs. 1 e 2) 1.1 Superfície de jogo 1.2 Linhas 1.3 Zona de serviço REGRA 2 Rede e postes 2.1 Altura da rede 2.2 Postes REGRA 3 Equipas

Leia mais

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael É parte do software, e deve atender os requisitos do usuário Controla o hardware, incluindo periféricos de entrada e saída Usa um conjunto de comandos e regras:

Leia mais

Central de Serviços- HSF Versão Junho/2014

Central de Serviços- HSF Versão Junho/2014 Central de Serviços- HSF Versão Junho/2014 São Francisco Centro de Serviços Compartilhados 1 OBJETIVO: A Central de Serviços HSF tem por objetivo a coleta e entrega de correspondências entre os setores

Leia mais

Graphing Basic no Excel 2007

Graphing Basic no Excel 2007 Graphing Basic no Excel 2007 Tabela de Conteúdos 1. Inserindo e formatando os dados no Excel 2. Criando o gráfico de dispersão inicial 3. Criando um gráfico de dispersão de dados de titulação 4. Adicionando

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Abril de 2009 Prova sem consulta duas horas de duração 1. (Peso 2 Deseja-se projetar um banco de dados para o sítio de uma prefeitura.

Leia mais

5.2.4 Análise de LCR segundo o tempo. 5.2.5 Regras de marcação LCR

5.2.4 Análise de LCR segundo o tempo. 5.2.5 Regras de marcação LCR Dial-In Control Server (servidor de controlo do acesso telefónico) O sistema selecciona o operador desejado por meio de um prefixo e marca, em seguida, o Dial-In Control Server (DICS). O código de autorização

Leia mais

Manual Instalação Web Services Client Web.NewHotel

Manual Instalação Web Services Client Web.NewHotel Web.NewHotel Versão: 2008-07-10 Rev. 2008-12-04 Versão de WSServer: 2008.10.27.0 Versão de WSClient: 2008.11.03.0 Versão de NewHotel: 2008.09.13 Av. Almirante Gago Coutinho, 70 1700-031 Lisboa PORTUGAL

Leia mais

Data: 13 de Julho de 2015 13º CAMPEONATO EUROPEU FEMININO EM MATERA, ITÁLIA

Data: 13 de Julho de 2015 13º CAMPEONATO EUROPEU FEMININO EM MATERA, ITÁLIA Para: De: FEDERAÇÕES EUROPEIAS PRESIDENTE DO CERH Data: 13 de Julho de 2015 Assunto: 13º CAMPEONATO EUROPEU FEMININO EM MATERA, ITÁLIA Exmºs Senhores: Sob organização da FIHP Federazione Italiana Hockey

Leia mais

Curso de Formação de Oficiais Conhecimentos Específicos ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

Curso de Formação de Oficiais Conhecimentos Específicos ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CADERNO DE QUESTÕES Curso de Formação de Oficiais Conhecimentos Específicos ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 a) (0,30) Defina gramáticas livre de contexto. b) (0,30) Crie uma gramática

Leia mais

1 Circuitos Pneumáticos

1 Circuitos Pneumáticos 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados

Leia mais

I Olimpíadas da Economia

I Olimpíadas da Economia I Olimpíadas da Economia Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O presente regulamento estabelece um conjunto de normas e orientações gerais sobre as I Olimpíadas da Economia (doravante

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Ano lectivo 2009/2010. Sites dinâmicos. Com Expression Web TI2009/10 EWD_1. Filipa Pires da Silva (2009)

Cadeira de Tecnologias de Informação. Ano lectivo 2009/2010. Sites dinâmicos. Com Expression Web TI2009/10 EWD_1. Filipa Pires da Silva (2009) Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/2010 Sites dinâmicos Com Expression Web TI2009/10 EWD_1 .ASPX vs.html HTML: HTML é uma linguagem para descrever páginas web HTML significa Hyper Text

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 1 Criação do Modelo do Mundo no ABB RobotStudio 5.15.01

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 1 Criação do Modelo do Mundo no ABB RobotStudio 5.15.01 ROBIN Robótica Industrial Guião do Trabalho Laboratorial Nº 1 Criação do Modelo do Mundo no ABB RobotStudio 5.15.01 Homepage: http://www.dee.isep.ipp.pt/~mss Email: mss@isep.ipp.pt Ano Letivo: 2013/2014

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR. - Inscrições Colégios. Colégios Participantes de Temporadas anteriores:

MANUAL DO PROFESSOR. - Inscrições Colégios. Colégios Participantes de Temporadas anteriores: MANUAL DO PROFESSOR - Inscrições Colégios Colégios Participantes de Temporadas anteriores: O Professor deverá acessar o link Inscrições Colégios no menu esquerdo da página inicial do site da LE2 e com

Leia mais

Sistema de Recuperação da Senha nos Sistemas Informáticos da FEUP

Sistema de Recuperação da Senha nos Sistemas Informáticos da FEUP Sistema de Recuperação da Senha nos Sistemas Informáticos da FEUP Unidade de Sistemas de Informação Centro de Informática Prof. Correia de Araújo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Índice

Leia mais

Trabalho Prático II - Resta 1 Data de Entrega: Conferir no calendário!

Trabalho Prático II - Resta 1 Data de Entrega: Conferir no calendário! ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS I DCC/UFMG Trabalho Prático II - Resta 1 Data de Entrega: Conferir no calendário! Pedro O.S. Vaz de Melo May 29, 2013 1 DESCRIÇÃO DO PROBLEMA O objetivo deste trabalho

Leia mais

A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio.

A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio. PLATAFORMA DE GESTÃO A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio. Principais funcionalidades Possui uma série de funcionalidades

Leia mais

Como devo fazer para me inscrever nos ambientes virtuais?

Como devo fazer para me inscrever nos ambientes virtuais? Obs.: Para acessar os links deste guia basta clicar sobre o link. Obs².: Clicando sobre o link das perguntas aqui embaixo você será direcionado diretamente para a resposta que você procura. 1) Como devo

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Combinatória - Nível 2. Jogos. 1. Simetria. Prof. Bruno Holanda

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Combinatória - Nível 2. Jogos. 1. Simetria. Prof. Bruno Holanda Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 6 Jogos Quando falamos em jogos, pensamos em vários conhecidos como: xadrez, as damas e os jogos com baralho. Porém,

Leia mais

Anabela Viegas, Recursos Humanos Portal de Gestão Documental do Colaborador Guia para consulta rápida

Anabela Viegas, Recursos Humanos Portal de Gestão Documental do Colaborador Guia para consulta rápida Anabela Viegas, Recursos Humanos Portal de Gestão Documental do Colaborador Slide 1 Agenda Portal de Gestão Documental do Colaborador Introdução Como aceder à plataforma? Como sair da plataforma? Problemas

Leia mais

Instituto Superior Técnico

Instituto Superior Técnico Introdução à Arquitectura de Computadores Instituto Superior Técnico Lisboa, Setembro de 2013 O Simulador Lógico Logisim 1 Introdução... 2 2 Exemplo de projecto... 3 2.1 Especificação do sistema... 3 2.2

Leia mais

Introdução à Inteligência Artificial 2007/08

Introdução à Inteligência Artificial 2007/08 Introdução à Inteligência rtificial 2007/08 Procura em contextos competitivos jogos Contexto Um agente vs multiagente mbiente cooperativo vs competitivo Teoria dos jogos (ramo da Economia) Sistema multiagente

Leia mais

Segurança de Rede. Criptografia

Segurança de Rede. Criptografia Segurança de Rede Criptografia Introdução Criptografia tem origem do grego kryptos (oculto) e graphein (escrita). A criptografia é o estudo de técnicas para a comunicação e armazenamento seguro de dados.

Leia mais

MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS

MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS Está disponível a partir da versão 2014.73 do XD Rest/Pos/Disco um novo formato no instalador em ambientes Microsoft Windows. O instalador passa a

Leia mais

Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC

Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC Apontamento técnico No. 5, Fevereiro de 2014 Como pedir apoio através do Ajuda Online do CAICC Sumário Enquadramento... 1 1. Introdução... 1 1º Passo: Como aceder o Ajuda Online?... 2 2º Passo: Página

Leia mais

EM8032 EM8033 Adaptador Powerline de 500Mbps com tomada elétrica

EM8032 EM8033 Adaptador Powerline de 500Mbps com tomada elétrica EM8032 EM8033 Adaptador Powerline de 500Mbps com tomada elétrica 2 PORTUGUÊS EM8032 EM8033 - Adaptador Powerline de 500Mbps com tomada elétrica Índice 1.0 Introdução... 2 1.1 Conteúdo da embalagem... 2

Leia mais

com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04

com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04 Layout Padrão de Arrecadação/Recebimento com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04 Vigência: a partir de 01.04.2005 não obrigatório manter contato prévio com os bancos G:\SERVBANC\CENEABAN\Padrões\Codbar4-v28052004.doc

Leia mais

Regras V1.0. Counter Strike:GO (5vs5)

Regras V1.0. Counter Strike:GO (5vs5) Regras V1.0 Counter Strike:GO (5vs5) -- Quem pode participar? --. Jogadores com idade igual ou superior a 16 anos.. Jogadores com menos de 16 anos necessitam de uma autorização dos Encarregados de Educação..

Leia mais

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Objetivos: Ativar e gerenciar compartilhamentos locais e remotos; Ativar e gerenciar o sistema de arquivos distribuídos (DFs); Gerenciar compartilhamentos ocultos;

Leia mais

Questões frequentes relativas à Instrução da CMVM n.º 1/2010 Deveres de Informação dos Emitentes:

Questões frequentes relativas à Instrução da CMVM n.º 1/2010 Deveres de Informação dos Emitentes: Questões frequentes relativas à Instrução da CMVM n.º 1/2010 Deveres de Informação dos Emitentes: A. GENERALIDADES 1. Como se poderá verificar que a informação enviada, via extranet, foi recebida pela

Leia mais

ACESSO HABITAÇÃO MUNICIPAL Candidatura online Manual do Utilizador

ACESSO HABITAÇÃO MUNICIPAL Candidatura online Manual do Utilizador ACESSO HABITAÇÃO MUNICIPAL Candidatura online Advertências e Indicações Antes das candidaturas serem formalizadas os candidatos deverão: Confirmar se reúnem as condições de acesso ao abrigo do Artigo 5º

Leia mais

Professor (a): William Alves. Disciplina: Matemática

Professor (a): William Alves. Disciplina: Matemática J+C Roteiro de Recuperação ª Etapa Professor (a) William Alves Disciplina Matemática º Ano Ensino Fundamental Objetivo Resolver problemas que envolvam caracterização, a representação e operações com números

Leia mais

RECEPÇÃO DE EMAIL E FAX P - DAG - 04

RECEPÇÃO DE EMAIL E FAX P - DAG - 04 OBJECTIVO: Definir o processo de recepção de emails e faxs no contexto da Câmara Municipal de Beja RESPONSÁVEL PELO PROCESSO: Responsável do Expediente ÂMBITO: Aplica-se a todos os email e fax recebidos

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

Tipos de investigação educacional diferenciados por:

Tipos de investigação educacional diferenciados por: Bento Março 09 Tipos de investigação educacional diferenciados por: Praticalidade Básica Aplicada Método Qualitativo Quantitativo Experimental Não experimental Questões Etnográfica Histórica Descritiva

Leia mais

FECHADURAS RFID PARA CACIFOS

FECHADURAS RFID PARA CACIFOS FECHADURAS RFID PARA CACIFOS DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE APLICAÇÃO NUM CENTRO DESPORTIVO SEQUÊNCIA NÚMERO 1: CRIAÇÃO DE CARTÃO/PULSEIRA As fechaduras RFID para cacifos controlam-se a partir de um cartão de

Leia mais

RENOVAÇÃO DE MATRÍCULAS via Controle Acadêmico de Graduação-CAGr

RENOVAÇÃO DE MATRÍCULAS via Controle Acadêmico de Graduação-CAGr RENOVAÇÃO DE MATRÍCULAS via Controle Acadêmico de Graduação-CAGr 1º Passo: Acesso ao CAGr. 1. Acesse o CAGr por meio da página do Campus Araranguá em estudante.ufsc.br >graduação>

Leia mais

Rentabilize a sua assistência pós-venda e, em simultâneo, surpreenda os seus clientes com o seu profissionalismo

Rentabilize a sua assistência pós-venda e, em simultâneo, surpreenda os seus clientes com o seu profissionalismo Descritivo completo Suporte 2008 Rentabilize a sua assistência pós-venda e, em simultâneo, surpreenda os seus clientes com o seu profissionalismo Benefícios Help-desk e suporte pósvenda controlados; Integrado

Leia mais

Manual de Utilização. Ao acessar o endereço www.fob.net.br chegaremos a seguinte página de entrada: Tela de Abertura do Sistema

Manual de Utilização. Ao acessar o endereço www.fob.net.br chegaremos a seguinte página de entrada: Tela de Abertura do Sistema Abaixo explicamos a utilização do sistema e qualquer dúvida ou sugestões relacionadas a operação do mesmo nos colocamos a disposição a qualquer horário através do email: informatica@fob.org.br, MSN: informatica@fob.org.br

Leia mais

SICEEL. Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica. Edital de Abertura

SICEEL. Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica. Edital de Abertura EESC - Escola de Engenharia de São Carlos UFSCar - Universidade Federal de São Carlos SICEEL Simpósio de Iniciação Científica da Engenharia Elétrica Edital de Abertura São Carlos, 17 de Agosto de 2015

Leia mais

Perguntas frequentes graduação sanduíche Ciência sem Fronteiras

Perguntas frequentes graduação sanduíche Ciência sem Fronteiras Perguntas frequentes graduação sanduíche Ciência sem Fronteiras Como fico sabendo se minha universidade assinou Entre em contato com o departamento responsável o acordo de adesão? pela graduação, ou órgão

Leia mais

Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil

Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Tutorial do aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Rede e-tec Brasil 2015 I F P A 1 0 5 a n o s SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 1 CALENDÁRIO

Leia mais

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006.

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006. ISS Eletrônico Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE Caro contribuinte. A transmissão de arquivos é uma facilidade fornecida pelo sistema de ISS Eletrônico

Leia mais

The Princes of Florence

The Princes of Florence The Princes of Florence Regras Simplificadas Resumo Jogo para 3 a 5 jogadores. Jogo com 7 rondas No final do jogo quem tem mais PP (pontos de prestígio) ganha o Em caso de empate ganha o jogador que tiver

Leia mais

Elaboração de relatório técnico e/ou científico, segundo a ABNT

Elaboração de relatório técnico e/ou científico, segundo a ABNT FURG UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD Sistema de Bibliotecas - SiB Elaboração de relatório técnico e/ou científico, segundo a ABNT Clériston Ramos Bibliotecário

Leia mais

Instalação de Carta de Correção Eletrônica Spalla

Instalação de Carta de Correção Eletrônica Spalla Instalação de Carta de Correção Eletrônica Spalla Introdução A Carta de Correção Eletrônica(CC-e) é um evento legal e tem por objetivo corrigir algumas informações da NF-e, desde que o erro não esteja

Leia mais

Manual do Usuário. VpetConverter Ferramenta para adequação de documentos para Petições Eletrônicas. http://www.voat.com.br/ contato@voat.com.

Manual do Usuário. VpetConverter Ferramenta para adequação de documentos para Petições Eletrônicas. http://www.voat.com.br/ contato@voat.com. Manual do Usuário VpetConverter Ferramenta para adequação de documentos para Petições Eletrônicas http://www.voat.com.br/ contato@voat.com.br Descrição Geral O VPetConverter é um programa que facilita

Leia mais

TCI Sistemas Integrados

TCI Sistemas Integrados TCI Sistemas Integrados Manual Gera arquivo Prefeitura 1 Índice 1 - Cadastros obrigatórios para Gerar Arquivo para Prefeitura...3 2 Gerar Arquivo...8 3 Retorno Arquivo Prefeitura...19 2 1 Cadastros obrigatórios

Leia mais

MANUAL DE INTEGRAÇÃO FORTES AC PESSOAL / CONTÁBIL

MANUAL DE INTEGRAÇÃO FORTES AC PESSOAL / CONTÁBIL MANUAL DE INTEGRAÇÃO FORTES AC PESSOAL / CONTÁBIL Página1 ÍNDICE 1. Integração de Movimentos (Folha, Férias, Adiantamento de Folha, Adiantamento de 13º, 13º Salário e Rescisão) Passo 1.1... pág. 3 Passo

Leia mais

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008 Universal Entrada 2008 Programa Programa - Manual do Aplicador Teste Universal - 2008 Teste Cognitivo Leitura/Escrita e Matemática Caro alfabetizador(a): Se você está recebendo este material, é porque

Leia mais

DF-e Manager Manual de uso Manifestação do destinatário Setembro de 2015

DF-e Manager Manual de uso Manifestação do destinatário Setembro de 2015 DF-e Manager Manual de uso Manifestação do destinatário Setembro de 2015 Copyright 2015 Synchro Solução Fiscal Brasil 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. A Manifestação do Destinatário no DF-e Manager...

Leia mais

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau Alunos: Nota: 1-2 - Data: Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau 1.1 Objetivo O objetivo deste experimento é mostrar como se obtém o modelo matemático de um sistema através

Leia mais

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido

1 Visão Geral. 2 Instalação e Primeira Utilização. Manual de Instalação do Gold Pedido Manual de Instalação do Gold Pedido 1 Visão Geral Programa completo para enviar pedidos e ficha cadastral de clientes pela internet sem usar fax e interurbano. Reduz a conta telefônica e tempo. Importa

Leia mais

REGULAMENTO VI COPA LOC GAMES DE FUTEBOL DIGITAL

REGULAMENTO VI COPA LOC GAMES DE FUTEBOL DIGITAL 1. AGRADECIMENTOS REGULAMENTO VI COPA LOC GAMES DE FUTEBOL DIGITAL Sem parceria e muita dedicação de pessoas e empresas envolvidas, esse projeto não seria possível, por isso, nossos sinceros agradecimentos

Leia mais

Objetivo do jogo 40 pontos todos os quadrados de um templo todos os quadrados amarelos todos os quadrados verdes Material do jogo 72 cartas

Objetivo do jogo 40 pontos todos os quadrados de um templo todos os quadrados amarelos todos os quadrados verdes Material do jogo 72 cartas Objetivo do jogo Cada jogador representa o papel de um sumo sacerdote na luta pelo poder em Tebas no antigo Egito. Ganha o jogador que primeiro: Conseguir 40 pontos, ou Ocupar todos os quadrados de um

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR

MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR 3300 ICP - 7.0 Conteúdo ACERCA DO TELEFONE IP 5201 1 Indicadores de estado do telefone 2 Para utilizadores dos sistemas 3300 ICP resilientes 2 Sugestões referentes ao conforto e à

Leia mais

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: APLICAÇÃO COMPUTORIZADA PARA O CONTROLO DE ROBOTS INDUSTRIAIS

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: APLICAÇÃO COMPUTORIZADA PARA O CONTROLO DE ROBOTS INDUSTRIAIS (11) Número de Publicação: PT 104730 A (51) Classificação Internacional: G05B 19/18 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2009.08.31 (30) Prioridade(s): (73) Titular(es):

Leia mais