Efeitos de um programa de exercícios físicos no local de trabalho sobre a percepção de dor musculoesquelética em trabalhadores de escritório

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Efeitos de um programa de exercícios físicos no local de trabalho sobre a percepção de dor musculoesquelética em trabalhadores de escritório"

Transcrição

1 Artigo original Efeitos de um programa de exercícios físicos no local de trabalho sobre a percepção de dor musculoesquelética em trabalhadores de escritório Effects of a workplace program of physical exercises on the perception of musculoskeletal pain in office workers Valquíria Aparecida de Lima 1, Ana Lúcia Aquilas 1, Mario Ferreira Junior 1 Este artigo contém uma parte dos resultados apresentados na dissertação de mestrado de Valquíria Aparecida de Lima de título Efeitos de um programa de exercícios físicos no local de trabalho sobre a flexibilidade e percepção de dor musculoesquelética entre trabalhadores de escritório, 129 p., defendida na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), em 15/4/2009, como parte do Programa de Pós-graduação em Fisiopatologia Experimental. RESUMO Contexto: O uso do computador, movimentos repetitivos e posturas estáticas do trabalho de escritório são frequentemente associados a dores musculoesqueléticas. Objetivos: Avaliar se sessões de exercícios físicos no ambiente de trabalho influenciam a percepção de dor musculoesquelética em trabalhadores administrativos de uma empresa farmacêutica. Métodos: Quarenta e nove sujeitos (21,5% dos 228 convidados), randomizados em três grupos de intervenção (GR2, n = 18; GR3, n = 15; GR5, n = 16), foram incentivados a participar 2, 3 e 5 vezes por semana, respectivamente, em sessões de 10 minutos de exercícios para alongamento e fortalecimento dos músculos da coluna e membros superiores. A participação era livre, mas o comparecimento registrado. Para avaliar a percepção de dor musculoesquelética utilizou-se um questionário com base no Inventário para Dor de Wisconsin. As avaliações foram feitas no início do programa e após 3 e 6 meses. Resultados: A média (± DP) de participação semanal efetiva dos trabalhadores nas sessões de exercícios foi: 1,39 (± 0,50), no GR2; 2,2 (± 0,86), no GR3 e 3,13 (± 1,10), no GR5. Houve redução do número absoluto de relatos de dor entre o início e o final do estudo (cerca de 44,5%), diminuição da intensidade relatada da dor mais forte sentida nas últimas 24 horas nos três grupos, e da dor mais fraca das últimas 24 horas, apenas no GR5. Conclusão: A adesão e a participação semanal dos trabalhadores no estudo ficaram abaixo do esperado, entretanto, o programa de exercícios físicos no local de trabalho contribuiu para a diminuição do número de relatos e da intensidade de dor musculoesquelética percebida pelos participantes. Palavras-chave: Exercícios físicos, local de trabalho, dor musculoesquelética, ginástica laboral, trabalhadores de escritório. Recebido: 29/5/2009 Aceito: 16/6/ Serviço de Clínica Geral do Centro de Ensino e Pesquisa em Promoção da Saúde do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). Endereço para correspondência: Mario Ferreira Junior. Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 155 Cerqueira César São Paulo, SP. Fones: (11) / / Fax: (11)

2 Exercícios físicos no local de trabalho e dor musculoesquelética ABSTRACT Background: The use of a personal computer, the repetitive movements and static postures in office working sets are frequently associated to musculoskeletal pain. Objectives: To evaluate whether workplace sessions of physical exercises influence or not the perception of musculoskeletal pain among office workers of a pharmaceutical company. Methods: 49 subjects randomized into three groups of intervention (RG2, n = 18; RG3, n = 15; RG5, n = 16) were stimulated to participate 2, 3 or 5 times per week, respectively, at 10-minute sessions of exercises to stretch and strengthen the muscles of the spine and upper limbs. The attendance was voluntary but registered. The perception of musculoskeletal pain was reported based upon the Wisconsin Brief Pain Questionnaire. Outcomes were measured at Baseline, and after 3 and 6 months. Results: The weekly mean (± SD) of the effective attendance was: 1,39 (± 0,50), to RG2; 2,2 (± 0,86), to RG3; 3,13 (± 1,10), to RG5. There was a reduction in the reports of pain after six months (about 44,5%); the perception for the worst pain in the last 24 hours dropped in the 3 groups, but only in the RG5 concerning the least pain in the last 24 hours. Conclusion: The adherence and the weekly participation of the workers were lower than expected, however, the workplace program of physical exercises have contributed to the drop of musculoskeletal pain reports and intensity among the participants. Keywords: Physical exercises, workplace, musculoskeletal pain, musculoskeletal disorders, office workers. INTRODUÇÃO As crescentes mudanças no ambiente de trabalho e nos processos produtivos acelerados nas últimas duas décadas com o advento da informática e a mudança no estilo de vida das pessoas contribuíram para o aumento do sedentarismo e a consequente deterioração das condições de saúde dos trabalhadores, em especial dos indivíduos que desenvolvem atividades de escritório 1-3. O uso frequente do computador, os movimentos repetitivos e as posturas constrangedoras e estáticas, mantidas por longos períodos 4,5 são fatores associados à tensão muscular, ao desconforto, à fadiga e às dores musculoesqueléticas. Os sintomas podem variar de desconforto e dor à redução da capacidade funcional e invalidez 6. Os trabalhadores submetidos à rotina de trabalho sedentário em escritório sofrem com frequência de desconforto musculoesquelético e dor 7. Os fatores de risco, físicos e psicossociais, presentes na maioria dos ambientes de trabalho atuais, podem interagir para aumentar as queixas de sintomas de distúrbios musculoesqueléticos da mão, do punho e dos membros superiores O custo destes distúrbios é extremamente elevado para as organizações, já que podem levar à diminuição da produtividade, ao absenteísmo 13 e ao excesso de utilização de assistência médica. Muitas empresas têm implantado programas de exercícios no ambiente de trabalho como tentativa de reduzir a incidência e a severidade do desconforto musculoesquelético, dores e lesões. Quando associados a uma abordagem ergonômica completa das condições de trabalho, podem contribuir para a redução dos sintomas musculoesqueléticos 14. Embora a efetividade desses programas ainda não tenha sido definitivamente comprovada, já que boa parte dos estudos não pôde ser reproduzida em virtude de deficiências metodológicas, destacadas em revisões já realizadas sobre o assunto 15,16, certos efeitos benéficos na prevenção de distúrbios musculoesqueléticos têm sido relatados após a implantação de sessões de exercícios no local de trabalho 17,18. O propósito deste estudo foi avaliar os efeitos de um programa estruturado, com sessões de exercícios no ambiente de trabalho, sobre a percepção de dor musculoesquelética em trabalhadores de escritório. MÉTODOS Todos os métodos adiante descritos constam do projeto de pesquisa aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CAPPesq) do Hospital das Clínicas da 12 Rev Bras Med Trab. São Paulo Vol

3 Lima VA, Aquilas AL, Ferreira Junior M Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP), sob o número de processo 180/06. População e amostra de estudo Um total de 228 funcionários de escritório de uma empresa do ramo farmacêutico localizada na cidade de São Paulo foi convidado a participar da pesquisa. O critério para a escolha da empresa foi esta nunca ter oferecido aos funcionários um programa de atividades físicas estruturado no ambiente de trabalho. Todos os sujeitos foram informados da natureza e dos detalhes do estudo por meio de palestra inicial. Do total convidado, 117 trabalhadores concordaram em participar e assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE). Para organizar a participação, de acordo com diferentes frequências semanais propostas, os 117 sujeitos que assinaram o TCLE foram alocados de maneira aleatória, casual simples, em três grupos: 2 vezes por semana (GR2), 3 vezes por semana (GR3) e 5 vezes por semana (GR5). Indivíduos que apresentavam quadros clínicos incompatíveis com o programa oferecido, como presença de alguma incapacidade ou doença preestabelecida, e indivíduos com necessidades especiais, foram excluí dos. Na análise de resultados, foram considerados apenas 49 sujeitos (21,5% do total), 22 (44,9%) do gênero masculino e 27 (55,1%) do gênero feminino, com idade média de 32,1 (± 10,3) anos, 100% com nível universitário e faixa salarial homogênea, que foram aqueles que permaneceram até o final, participando das sessões de exercícios, e preencheram o questionário em todos os momentos de avaliação. Questionário e momentos de avaliação O questionário utilizado fundamentou-se no Inventário para Dor de Wisconsin, na versão publicada em língua portuguesa por pesquisadores brasileiros 19. Os participantes foram solicitados a preenchê-lo em três momentos: no início do programa (M0), após 3 meses (M3) e após 6 meses (M6). Para documentar a região da dor que sentiam, os indivíduos utilizaram diagramas corporais contidos no questionário (parte anterior e posterior, lado direito e esquerdo). Para classificar a intensidade das dores foram utilizadas escalas analógicas com variação de 0 (sem dor) a 10 (pior dor imaginável), pedindo-se que cada trabalhador indicasse a sua percepção em relação à pior dor e à dor mais fraca, percebidas nas últimas 24 horas. A intenção desse método era que o examinando fizesse a sua avaliação por meio de um simples número que representasse globalmente a dor, tendo em conta intensidade ou sensação de desprazer 20,21. Para mensuração da percepção de dor, foram utilizadas apenas as seis primeiras questões do questionário e os participantes foram instruídos a relatar apenas dores musculoesqueléticas. Intervenção exercícios e palestras A intervenção foi composta por sessões práticas de exercícios e três palestras curtas. As sessões práticas de exercícios foram ministradas diariamente por um profissional de educação física em salas fechadas disponibilizadas pela empresa e tiveram duração aproximada de 10 minutos cada, com 5 minutos de intervalo entre as sessões, das 9h00 às 10h30, resultando em, aproximadamente, seis sessões diárias, pelo período de seis meses. Os sujeitos tinham de deixar o seu posto de trabalho e se deslocar até o local das sessões. Todos foram estimulados diariamente a participar, com liberdade para frequentar qualquer sessão, no horário que julgassem mais adequado, sendo orientados apenas a respeitar a frequência semanal do grupo para o qual foram sorteados, ou seja, GR2 2 vezes/semana, GR3 3 vezes/semana e GR5 5 vezes/semana. A frequência individual foi registrada diariamente, mas o comparecimento efetivo às sessões ficou a critério de cada um, sendo, portanto, livre. O conteúdo das sessões de exercícios foi desenvolvido a fim de abordar dois grupos musculares por semana, com o objetivo geral de englobar, ao término de cada mês, as regiões corporais mais exigidas na rotina diária do trabalho de escritório. Foram utilizados métodos de treinamento da flexibilidade (alongamento ativo, estático e passivo), resistência muscular e rotinas de massagem e automassagem. Os exercícios foram divididos em exercícios de alongamento (60%), técnicas de massagem, automassagem e relaxamento (20%) e exercícios de resistência muscular localizada (20%), com a seguinte divisão por regiões corporais: 1ª semana região lombar e isquiotibiais; 2ª semana região cervical e Rev Bras Med Trab. São Paulo Vol

4 Exercícios físicos no local de trabalho e dor musculoesquelética ombros; 3ª semana região torácica (anterior e posterior); 4ª semana punhos e antebraço; 5ª semana região cervical, ombros e região lombar. A elaboração e aplicação das sessões de exercícios seguiram o seguinte protocolo: 1) exercício de aquecimento: o primeiro exercício tinha como objetivo preparar as estruturas musculares e articulares para os exercícios específicos; 2) exercícios específicos: dois exercícios de acordo com o conteúdo definido para a semana; 3) finalização: exercícios de relaxamento para o retorno ao estado de repouso pré-exercício. Quanto à estratégia utilizada para a elaboração das sessões práticas, os pesquisadores propuseram que os exercícios específicos fossem aplicados também com o objetivo de alinhamento postural, com ênfase na respiração mais ampla e lenta. O tempo de permanência em cada exercício foi em média de 30 a 40 segundos, tempo de duração considerado efetivo por alguns autores para aumento da amplitude músculo-articular 22,23. Em cada sessão, os participantes receberam informações sobre a importância dos exercícios realizados para auxiliar na redução das tensões do trabalho e do encurtamento muscular. As palestras curtas tiveram duração aproximada de 10 minutos e foram ministradas bimestralmente nos mesmos locais em que foram aplicadas as sessões de exercícios. Foram utilizados materiais didáticos de apoio (informativos impressos), os quais foram entregues para cada participante. As palestras tiveram os seguintes temas: (a) O que é ginástica laboral; (b) Postura corporal dentro e fora do ambiente de trabalho; (c) Os benefícios da atividade física para a saúde e formas de praticar atividade física no local de trabalho, nos horários de lazer e no ambiente doméstico. Análise estatística dos resultados A análise estatística dos resultados foi realizada por meio de análise de variância (Anova) e teste de quiquadrado, utilizando-se o programa SPSS versão 15.0 e nível de significância estatística de 0,05. RESULTADOS O comparecimento efetivo dos funcionários dos três grupos randomizados às sessões de exercícios está mostrado na tabela 1. Nota-se que a participação efetiva ficou abaixo da recomendada para cada grupo randomizado (que seria 2, 3 e 5 vezes por semana, respectivamente), mas as comparações utilizando Anova monofatorial com teste de Tukey indicaram diferenças estatisticamente significativas entre as médias de comparecimento de cada um dos grupos. Tabela 1. Média e desvio-padrão do número de sessões efetivamente frequentadas por semana de cada grupo randomizado e comparação estatística. Número de sessões frequentadas por semana (M ± DP) Tabela 2. Número absoluto de relatos de dores musculoesqueléticas percebidas, totais e por região corporal, referidas no início (M0), após 3 meses (M3) e após 6 meses (M6) (amostra total, n = 49). Regiões corporais M0 M3 M6 Cabeça/cervical Ombros Coluna torácica Coluna lombar Braço Cotovelo 1 Punho 7 Membros inferiores* 4 3 Total a * Membros inferiores (glúteos, joelhos, panturrilhas, tornozelos e pés); a Diferença estatisticamente significativa em relação a M0 (p < 0,05) calculada por qui-quadrado. Grupo randomizado (GR) GR2 (n = 18) GR3 (n = 15) GR5 (n = 16) p 1,39 ± 0,50 2,2 ± 0,86 3,13 ± 1,10 0, Comparação por Anova monofatorial com teste post-hoc de Tukey, que demonstrou, também, diferenças estatisticamente significativas entre todos os grupos comparados dois a dois. Na tabela 2 são apresentados os resultados do número absoluto de relatos de dores musculoesqueléticas percebidas em cada região corporal, de acordo com o período de intervenção. Houve redução do relato de dores totais (da ordem de 44,5%) e por região, comparando-se o início (M0) e 180 dias (M6). 14 Rev Bras Med Trab. São Paulo Vol

5 Lima VA, Aquilas AL, Ferreira Junior M Os resultados apontados na tabela 3 indicam uma redução da intensidade da dor musculoesquelética percebida e referida como a mais forte, nas últimas 24 horas, em todos os grupos randomizados, porém somente no GR5 apareceu uma redução estatisticamente significativa da intensidade relatada da dor percebida como a mais fraca, também nas últimas 24 horas. DISCUSSÃO Aspecto importante, a baixa participação dos indivíduos neste estudo, e em outras iniciativas de promoção da saúde adotadas no ambiente de trabalho, tem sido considerada um fator limitante para a efetividade e a manutenção destes 24. Em um estudo interessante sobre adesão a programas de ginástica laboral, os autores descreveram sua angústia ao buscar elementos para entender o problema da baixa adesão. Os dados mostraram-se contraditórios, pois apesar do reconhecimento da importância dos objetivos do programa, o comparecimento às sessões foi muito baixo 25. No presente estudo, que corroborou estes achados, além dos fatores organizacionais do trabalho atual, que em geral impedem a dedicação do trabalhador a exercícios físicos durante a jornada, a pouca adesão pode estar também ligada ao método escolhido para ministrar as sessões, uma vez que os trabalhadores deviam abandonar o seu posto de trabalho e se deslocar até o local onde as sessões ocorriam, obrigando-os a interromper completamente as atividades de trabalho, incluindo atender telefonemas, ler mensagens eletrônicas, convocações ou conversas com as chefias. A consideração dos aspectos ligados à organização do trabalho parece ser fundamental para o sucesso de iniciativas de promoção da saúde nesse contexto. A baixa adesão dos trabalhadores ao programa de exercícios como um todo, que resultou em uma amostra final de 49 indivíduos, cerca de 21,5% do grupo convidado, o baixo número de indivíduos em cada um dos GR, e a baixa participação semanal, mesmo daqueles que aderiram, manifestada pelo comparecimento menor às sessões do que o recomendado para cada GR (Tabela 1), podem explicar também os resultados relativamente semelhantes obtidos nos três grupos (Tabela 3). O que se esperava era identificar uma possível correlação positiva entre o número de sessões semanais frequentadas e a melhora da percepção de dor musculoesquelética (ou seja, quanto maior a frequência maior o nível de melhora), o que não ocorreu. A divisão em três grupos foi uma estratégia metodológica usada para compensar a impossibilidade de agregar grupocontrole (sem intervenção) ao estudo. Implantar um grupo com alguns trabalhadores que não teriam acesso a sessões semanais de exercícios, já na fase de projeto da pesquisa, foi considerado eticamente reprovável, na medida em que poderia privá-los de uma ação potencialmente benéfica e discriminálos dos outros, gerando resistência das pessoas e da Tabela 3. Média aritmética e desvio-padrão (DP) da intensidade de dor musculoesquelética referida na escala analógica, segundo o período de avaliação início (M0), após 3 meses (M3), após 6 meses (M6) e o grupo randomizado (GR). GR2 (n = 18) Dor mais forte (últimas 24 horas) Dor mais fraca (últimas 24 horas) GR3 (n = 15) Dor mais forte (últimas 24 horas) Dor mais fraca (últimas 24 horas) GR5 (n = 16) Dor mais forte (últimas 24 horas) Dor mais fraca (últimas 24 horas) a Diferença estatisticamente significativa em relação a M0 (p < 0,05). M0 Média (± DP) 4,1 (± 1,8) 2,3 (± 1,4) 3,6 (± 2,4) 2,7 (± 1,9) 3,7 (± 2,4) 2,1 (± 1,4) M3 Média (± DP) 4,8 (± 2,3) 2,2 (± 1,6) 2,8 (± 1,7) 1,8 (± 0,8) 3,3 (± 2,5) 1,8 (± 1,3) M6 Média (± DP) 3,7 (± 2,3) a 2,3 (± 2,0) 2,6 (± 1,7) a 2,2 (± 0,9) 2,6 (± 1,4) a 1,6 (± 0,7) a Rev Bras Med Trab. São Paulo Vol

6 Exercícios físicos no local de trabalho e dor musculoesquelética gerência da empresa e, possivelmente, enviesando os resultados, como já foi descrito anteriormente, em outro estudo 26. Por outro lado, sessões de exercícios têm sido recomendadas para diminuir o desconforto musculoesquelético. Um estudo conduzido entre operadores de computador com queixas em coluna cervical e extremidades superiores, concluiu que a prevenção destes distúrbios e da dor é possível com um processo educativo apropriado e exercícios de mobilização, alongamento, fortalecimento e relaxamento, os quais podem reduzir a dor em curto prazo 27. Pesquisadores italianos demonstraram que a combinação de exercícios e processo educativo ajudou a reduzir queixas de dores na cabeça, pescoço e ombros, em um estudo realizado com 192 funcionários públicos de escritório 28. Revisões de literatura sobre programas de exercícios e de alongamento no local de trabalho têm suportado evidências positivas para o aumento da flexibilidade, capacidade funcional, diminuição da percepção de dor e fadiga dos trabalhadores 15,29,30. Neste estudo também foi constatada uma redução do número absoluto de relatos e da intensidade na percepção de dor musculoesquelética. No início do programa, os sujeitos relataram suas principais queixas de dor nas seguintes regiões: coluna lombar, cabeça/coluna cervical e ombros; ao final do sexto mês de intervenção, houve diminuição no número total de dores relatadas pelos participantes (Tabela 2). Além disso, trabalhadores de todos os GR indicaram níveis menores de intensidade da pior dor percebida nas últimas 24 horas, enquanto indivíduos do GR5, que tiveram média de comparecimento semanal às sessões de exercícios maior que a dos outros grupos, relataram melhora também em relação à dor mais fraca percebida nas últimas 24 horas. Apesar de preliminar, este dado pode sugerir que a participação em três ou mais sessões semanais pode ser mais efetivo na melhora das dores, mesmo as de menor intensidade. A necessidade de confirmação desses resultados tem respaldo na literatura. Um estudo realizado com digitadores evidenciou a impossibilidade de se relacionar os efeitos de um programa de exercícios durante pausas no trabalho, justamente pelo fato de a maioria dos participantes do grupo que não realizou exercícios ter caminhado durante as pausas normais e suplementares oferecidas. Nenhum efeito significativo foi observado sobre o desconforto e o desempenho dos participantes do grupo que realizou exercícios durante as pausas e o grupo-controle 16. Outro estudo conduzido para avaliar um programa de exercícios no local de trabalho, como método de prevenção das lesões por esforços repetitivos/distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (LER/ DORT), não comprovou eficácia na prevenção das afecções que compõem esses distúrbios 31. Porém, além dos benefícios físicos potenciais, ainda controversos, os exercícios regulares no ambiente de trabalho podem estabelecer melhor convivência entre trabalhadores e seus superiores hierárquicos. Funcionam como uma forma saudável de quebra da rotina, resultando em uma associação positiva entre atividade física, saúde e manutenção da capacidade funcional 32,33. Apesar dos achados positivos deste estudo, é possível que a baixa adesão e a participação semanal dos trabalhadores, a ausência de uma correlação nítida entre o número de sessões frequentadas e a melhora da percepção de dor musculoesquelética e o local onde as sessões foram oferecidas (fora do posto de trabalho) tenham limitado a interpretação dos resultados. CONCLUSÃO Os resultados deste estudo sugerem que a participação em um programa bem estruturado de exercícios no local de trabalho pode contribuir para a diminuição da percepção de dor musculoesquelética em trabalhadores de escritório, embora a confirmação disso ainda dependa de mais estudos, com um número maior de participantes efetivos. REFERÊNCIAS 1. Cagnie B, Danneels L, Van Tiggelen D, De Loose V, Cambier D. Individual and work related risk factors for neck pain among office workers: a cross sectional study. Eur Spine J. 2007;16(5): Bernaards CM, Ariëns GA, Knol DL, Hildebrandt VH. The effectiveness of a work style intervention and a lifestyle physical activity intervention on the recovery from neck and upper limb symptoms in computer workers. Pain. 2007;132(1-2): Johnston V, Souvlis T, Jimmieson NL, Jull G. Associations between individual and workplace risk factors for self-reported neck pain and disability among female office workers. Appl Ergon. 2008;39(2): Wahlström J. Ergonomics, musculoskeletal disorders and computer work. Occup Med (Lond). 2005;55(3): Rev Bras Med Trab. São Paulo Vol

7 Lima VA, Aquilas AL, Ferreira Junior M 5. Harman K, Ruyak P. Working through the pain: a controlled study of the impact of persistent pain on performing a computer task. Clin J Pain. 2005;21(3): European Agency for Safety and Health at Work, Podniece Z. Work-related musculoskeletal disorders: prevention report. Luxembourg: Office for Official Publications of the European Communities; Waikar AM, Bradshaw ME. Exercise in the workplace? Employee preferences! Int J Manpower. 1995;16(9): Ferreira Júnior M, de Souza Conceição GM, Saldiva PHN. Work organization is significantly associated with upper extremities musculoskeletal disorders among employees engaged in interactive computer-telephone tasks of an international bank subsidiary in Sao Paulo, Brazil. Am J Ind Med. 1997;31(4): Fredriksson K, Alfredsson L, Köster M, Thorbjörnsson CB, Toomingas A, Torgén M, et al. Risk factors for neck and upper limb disorders: results from 24 years of follow up. Occup Environ Med. 1999;56(1): Devereux JJ, Vlachonikolis IG, Buckle PW. Epidemiological study to investigate potential interaction between physical and psychosocial factors at work that may increase the risk of symptoms of musculoskeletal disorder of the neck and upper limb. Occup Environ Med. 2002;59(4): Melchior M, Roquelaure Y, Evanoff B, Chastang JF, Ha C, Imbernon E, et al. Why are manual workers at high risk of upper limb disorders? The role of physical work factors in a random sample of workers in France (the Pays de la Loire study). Occup Environ Med. 2006;63(11): Johnston V, Souvlis T, Jimmieson NL, Jull G. Associations between individual and workplace risk factors for self-reported neck pain and disability among female office workers. Appl Ergon. 2008;39(2): Stewart WF, Ricci JA, Chee E, Lipton R. Work-related cost of pain in the U.S.: results from the American Productivity Audit. Proceedings of the 10th World Congress. Seatle, WA: IASP Press; Alexandre NMC, Moraes MA, Corrêa Filho HR, Jorge SA. Evaluation of a program to reduce back pain in nursing personnel. Rev Saude Publica. 2001;35(4): Hess JA, Hecker S. Stretching at work for injury prevention: issues, evidence, and recommendations. Appl Occup Environ Hyg. 2003; 18(5): Costa BR, Vieira ER. Stretching to reduce work-related musculoskeletal disorders: a systematic review. J Rehabil Med. 2008;40(5): Henning RA, Jacques P, Kissel GV, Sullivan AB, Alteras-Webb SM. Frequent short rest breaks from computer work: effects on productivity and well-being at two field sites. Ergonomics. 1997;40(1): Moore TM. A workplace stretching program. Physiologic and perception measurements before and after participation. AAOHN J. 1998;46(12): Teixeira MJ, Lin TY, Kaziyama HHS, organizadores. Dor: síndrome dolorosa miofascial e dor músculo-esquelética. São Paulo: Rocca; Silva JA, Ribeiro-Filho NP. Avaliação e mensuração de dor: pesquisa, teoria e prática. Ribeirão Preto: Funpec; Lin TY, Kaziyama HHS, Teixeira MJ, Simons DG. Síndrome dolorosa miofascial. In: Teixeira MJ, Lin TY, Kaziyama HHS, organizadores. Dor: síndrome dolorosa miofascial e dor músculo-esquelética. São Paulo: Rocca; p Bandy WD, Irion JM, Briggler M. The effect of time and frequency of static stretching on flexibility of the hamstring muscles. Phys Ther. 1997;77(10): Achour Junior A. Flexibilidade e alongamento: saúde e bem-estar. Barueri: Manole; Shepard RJ. Worksite fitness and exercise programs: a review of methodology and health impact. Am J Health Promot. 1996;10(6): Soares RG, Assunção AA, Lima FPA. A baixa adesão ao programa de ginástica laboral: buscando elementos do trabalho para entender o problema. RBSO. 2006;114(31): Kääpä EH, Frantsi K, Sarna S, Malmivaara. A. Multidisciplinary group rehabilitation versus individual physiotherapy for chronic nonspecific low back pain: a randomized trial. Spine. 2006;31(4): Barredo RV, Mahon K. The effects of exercise and rest breaks on musculoskeletal discomfort during computer tasks: an evidence-based perspective. J Phys Ther Sci. 2007;19(2): Omer SR, Ozcan E, Karan A, Ketenci A. Musculoskeletal system disorders in computer users: effectiveness of training and exercise programs. J Back Musculoskeletal Rehabil. 2003/2004;17(1): Mongini F, Ciccone G, Rota E, Ferrero L, Ugolini A, Evangelista A, et al. Effectiveness of an educational and physical program in reducing headache, neck and shoulder pain: a workplace controlled trial. Cephalalgia. 2008;28(5): Proper KI, Koning M, van der Beek AJ, Hildebrandt VH, Bosscher RJ, van Mechelen W. The effectiveness of worksite physical activity programs on physical activity, physical fitness, and health. Clin J Sport Med. 2003;13(2): Galinsky T, Swanson N, Sauter S, Dunkin R, Hurrell J, Schleifer L. Supplementary breaks and stretching exercises for data entry operators: a follow-up field study. Am J Ind Med. 2007;50(7): Maciel ACC, Fernandes MB, Medeiros LS. Prevalência e fatores associados à sintomatologia dolorosa entre profissionais da indústria têxtil. Rev Bras Epidemiol. 2006;9(1): Resende MCF, Tedeschi CM, Bethônico FP, Martins TTM. Efeitos da ginástica laboral em funcionários de teleatendimento. Acta Fisiatr. 2007;14(1): Rev Bras Med Trab. São Paulo Vol

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Influence of Stretching Program in Factory Workers, Prevalence of Musculoskeletal Symptoms

Influence of Stretching Program in Factory Workers, Prevalence of Musculoskeletal Symptoms Influence of Stretching Program in Factory Workers, Prevalence of Musculoskeletal Symptoms Prevalência de Sintomatologia Músculoesquelética em Operários Fabris, Comparação da sua Capacidade para o Trabalho

Leia mais

Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 227-232, 2013. Recebido em: 27.10.2012. Aprovado em: 06.02.2013.

Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 227-232, 2013. Recebido em: 27.10.2012. Aprovado em: 06.02.2013. Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 227-232, 2013. Recebido em: 27.10.2012. Aprovado em: 06.02.2013. ISSN 2177-3335 O EFEITO DA GINÁSTICA LABORAL NAS DOENÇAS

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT PINHEIRO, L. C.; DUTRA, J.; BRASILINO, F.F; MORALES, P. J. C.; HUCH, T.P. Universidade da Região de Joinville Depto.

Leia mais

Formação Exercício Físico Laboral

Formação Exercício Físico Laboral Formação Exercício Físico Laboral 10 de Maio - Club Clínica das Conchas Área(s) de Formação: 813 - Desporto Unidades de crédito: 0.8 Duração: 4 Horas Apresentação A sociedade contemporânea apresenta características

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM FUNCIONÁRIOS QUE PARTICIPAM DE GINÁSTICA LABORAL.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM FUNCIONÁRIOS QUE PARTICIPAM DE GINÁSTICA LABORAL. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 127 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM FUNCIONÁRIOS QUE PARTICIPAM DE GINÁSTICA LABORAL. Josielli Souza Caetano, Leila

Leia mais

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO NO FISIOTERAPEUTA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO NO FISIOTERAPEUTA 60 DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO NO FISIOTERAPEUTA Cristiany Garcia de Deus*; Edilene Gonçalves de Sales*; Elisiane Tonon*; ÉrikaTonon* Christiane Pereira Mello Munhos** Hélio Vidrich

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1

OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1 OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1 Thiago Augusto Galliza 2 Alex Sandro Goetten 3 RESUMO: Este estudo traz como a Ginástica Laboral

Leia mais

A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador

A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador 23 A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador Maria Lúcia Cimadon Silvestre Graduada em Psicologia na Universidade São Francisco Especialista em Gestão da Qualidade de Vida

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

PERCEPÇÃO DE PRATICANTES DE GINÁSTICA LABORAL SOBRE PARÂMETROS DE SAÚDE GERAL E RELACIONADA AO TRABALHO

PERCEPÇÃO DE PRATICANTES DE GINÁSTICA LABORAL SOBRE PARÂMETROS DE SAÚDE GERAL E RELACIONADA AO TRABALHO Recebido: 02/09/2012 Emitido parece: 02/10/2012 Artigo original PERCEPÇÃO DE PRATICANTES DE GINÁSTICA LABORAL SOBRE PARÂMETROS DE SAÚDE GERAL E RELACIONADA AO TRABALHO Hyvnna Ribeiro Gomes¹, Lucas Lima

Leia mais

Ginástica Laboral em um setor administrativo: avaliação crítica de efetividade

Ginástica Laboral em um setor administrativo: avaliação crítica de efetividade Ginástica Laboral em um setor administrativo: avaliação crítica de efetividade Thiago de Oliveira Pegatin (PPGEP/UTFPR) thiagopegatin@yahoo.com.br Luciana Mitsumori luciana_mitsumori@ig.com.br Antonio

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS

EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS

Leia mais

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 Controle e Mapeamento de Doenças José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 O porque da realização do controle no TRF da 3ª região : 1. Procura espontânea dos Servidores 2. Processos

Leia mais

Prevalência de sintomas osteomusculares, postura e sobrecarga no trabalho em cirurgiões-dentistas

Prevalência de sintomas osteomusculares, postura e sobrecarga no trabalho em cirurgiões-dentistas ARTIGO ORIGINAL Prevalência de sintomas osteomusculares, postura e sobrecarga no trabalho em cirurgiões-dentistas Prevalence of musculoskeletal symptoms, posture and overload in the workplace of dentists

Leia mais

Implantação de um Programa de Ginástica Laboral para o corpo técnico-administrativo de uma Instituição de Ensino Superior

Implantação de um Programa de Ginástica Laboral para o corpo técnico-administrativo de uma Instituição de Ensino Superior Implantação de um Programa de Ginástica Laboral para o corpo técnico-administrativo de uma Instituição de Ensino Superior DÂNIA BARRO IDEAU Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai. dania@ideau.com.br

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

PREVALÊNCIA E INCIDÊNCIA DA DOR NAS CRIANÇAS E NOS PRÉ-ADOLESCENTES*

PREVALÊNCIA E INCIDÊNCIA DA DOR NAS CRIANÇAS E NOS PRÉ-ADOLESCENTES* 380 PREVALÊNCIA E INCIDÊNCIA DA DOR NAS CRIANÇAS E NOS PRÉ-ADOLESCENTES* Rita Novo Fernandes Licenciada em Fisioterapia Escola Superior de Saúde Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal 16535@ufp.edu.pt

Leia mais

Controle do desconforto músculo-esquelético no trabalho com microcomputador: avaliação da eficácia de um programa ergonômico auto-intrucional.

Controle do desconforto músculo-esquelético no trabalho com microcomputador: avaliação da eficácia de um programa ergonômico auto-intrucional. Controle do desconforto músculo-esquelético no trabalho com microcomputador: avaliação da eficácia de um programa ergonômico auto-intrucional. Por: Marcos dos Santos Almeida, PUC Minas Campus Poços de

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

Rev Saúde Pública 2002;36(3):307-12 www.fsp.usp.br/rsp

Rev Saúde Pública 2002;36(3):307-12 www.fsp.usp.br/rsp Rev Saúde Pública 2002;36(3):307-12 307 Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade Validity of the Nordic Musculoskeletal Questionnaire as morbidity measurement

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

www.fisiconcept.com QuickTime and a None decompressor are needed to see this picture.

www.fisiconcept.com QuickTime and a None decompressor are needed to see this picture. QuickTime and a None decompressor are needed to see this picture. O seu conceito de Fisioterapia está prestes a mudar... Problemas? Perturbações músculo-esqueléticas são as doenças mais comuns relacionadas

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL: PRÁTICA DE RESULTADO OU MODISMO? David Marcos Emérito de Araújo 1 Leyla Regis de Meneses Sousa 1

GINÁSTICA LABORAL: PRÁTICA DE RESULTADO OU MODISMO? David Marcos Emérito de Araújo 1 Leyla Regis de Meneses Sousa 1 GINÁSTICA LABORAL: PRÁTICA DE RESULTADO OU MODISMO? David Marcos Emérito de Araújo 1 Leyla Regis de Meneses Sousa 1 1 Professor(a) Departamento de Educação Física, UFPI d.emerito@uol.com.br RESUMO A Ginástica

Leia mais

Valquíria Aparecida de Lima

Valquíria Aparecida de Lima Valquíria Aparecida de Lima Efeitos de um programa de exercícios físicos no local de trabalho sobre a flexibilidade e percepção de dor musculoesquelética entre trabalhadores de escritório Dissertação apresentada

Leia mais

BENEFICIOS DA GINASTICA LABORAL EM EMPRESAS: UMA REVISÃO DE LITERATURA

BENEFICIOS DA GINASTICA LABORAL EM EMPRESAS: UMA REVISÃO DE LITERATURA ARTIGO DE REVISÃO BENEFICIOS DA GINASTICA LABORAL EM EMPRESAS: UMA REVISÃO DE LITERATURA Anibal De Moura Junior 1, Clodoaldo José Dechechi 2 RESUMO O presente trabalho teve como objetivo realizar uma revisão

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Distúrbios osteomusculares do trabalho: fatores de risco em trabalhadores de nutrição hospitalar

Distúrbios osteomusculares do trabalho: fatores de risco em trabalhadores de nutrição hospitalar Artigo original Distúrbios osteomusculares do trabalho: fatores de risco em trabalhadores de nutrição hospitalar Work related musculoskeletal disorders: risk factors among hospital food service workers

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

Qualidade de vida laboral

Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral INTRODUÇÃO: Prevenir doenças ocupacionais (DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho / LER Lesões por Esforços Repetitivos) decorrentes

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR

GINÁSTICA LABORAL: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR GINÁSTICA LABORAL: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR Carina Fátima Brum 1, Tahiana Cadore Lorenzet Zorzi 2 RESUMO: O projeto de ginástica laboral na Unochapecó iniciou suas atividades em fevereiro de 2003

Leia mais

Qualidade de vida e sofrimento: aspectos biopsicossociais da fadiga e da dor e a necessidade da integração disciplinar

Qualidade de vida e sofrimento: aspectos biopsicossociais da fadiga e da dor e a necessidade da integração disciplinar Qualidade de vida e sofrimento: aspectos biopsicossociais da fadiga e da dor e a necessidade da integração disciplinar RICARDO MARTINELI MASSOLA ESPECIALISTA EM GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA EMPRESA -

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse

Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse 12 Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse Ricardo Martineli Massola Mestre em Qualidade de Vida, Saúde Coletiva e Atividade Física na UNICAMP

Leia mais

MT 4 Biologo Mestre em Ecologia, docente das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia UNIVAR MT

MT 4 Biologo Mestre em Ecologia, docente das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia UNIVAR MT 113 A PREVALÊNCIA DE DOR EM FUNCIONÁRIOS DO SETOR ADMINISTRATÍVO E UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO BIPOLAR DE DELIBERATO Suyanne Alves Duarte 1 Fábio Eduardo

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

TÍTULO: A GINÁSTICA LABORAL RELACIONADA À QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO

TÍTULO: A GINÁSTICA LABORAL RELACIONADA À QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO TÍTULO: A GINÁSTICA LABORAL RELACIONADA À QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS PADRE

Leia mais

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria²

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria² V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 7 CONTRIBUIÇÕES DA GINÁSTICA LABORAL PARA A MELHORIA DA CONDIÇÃO FÍSICA DOS ORIENTADORES DE ESTACIONAMENTO REGULAMENTADO

Leia mais

Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho

Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho 45 Lista de verificação para a prevenção de más posturas de trabalho Parte A: Introdução Uma boa postura de trabalho é fundamental para prevenir lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho

Leia mais

Título: AVALIAÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR POR MEIO DA ANÁLISE ERGONÔMICA EM FUNCIONÁRIOS DA INDÚSTRIA CAMERA.

Título: AVALIAÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR POR MEIO DA ANÁLISE ERGONÔMICA EM FUNCIONÁRIOS DA INDÚSTRIA CAMERA. Título: AVALIAÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR POR MEIO DA ANÁLISE ERGONÔMICA EM FUNCIONÁRIOS DA INDÚSTRIA CAMERA. AQUINO, Ariane; HAAS, Daniela; PIRES, Ana Helena Braga; VIDAL, Paula Cristina V. Universidade

Leia mais

movimento & saúde REVISTAINSPIRAR

movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Estudos dos Efeitos da Ginástica Laboral na melhoria da Dor e Aumento da Disposição para Realização de Atividades de Trabalho Study of the Labored Gymnastic Effects on Improvement of Pain and Disposition

Leia mais

Ginástica Laboral: um Meio de Promover Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral: um Meio de Promover Qualidade de Vida no Trabalho 26 Ginástica Laboral: um Meio de Promover Qualidade de Vida no Trabalho Rossane Alves de Mancilha Especialista em Gestão da Qualidade de Vida na Empresa - UNICAMP Trabalhar em conjunto é uma copiosa fonte

Leia mais

6º FÓRUM FEBRABAN DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL DUPONT DO BRASIL

6º FÓRUM FEBRABAN DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL DUPONT DO BRASIL 6º FÓRUM FEBRABAN DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL DUPONT DO BRASIL 21 DE OUTUBRO DE 2009 Drª Lorene Marciano - IHS 2 DUPONT NO BRASIL Presença

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana O Método Pilates e os seus Efeitos em Termos de Autoeficácia na Musculatura do Pavimento Pélvico em Mulheres com Incontinência Urinária de

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

OS EFEITOS DA GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA DE GANHO FUNCIONAL PARA FUNCIONÁRIOS EM AMBIENTE CORPORATIVO INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ

OS EFEITOS DA GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA DE GANHO FUNCIONAL PARA FUNCIONÁRIOS EM AMBIENTE CORPORATIVO INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ OS EFEITOS DA GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA DE GANHO FUNCIONAL PARA FUNCIONÁRIOS EM AMBIENTE CORPORATIVO ORIENTADOR: PROF.MSC.EDVALDO CÉSAR DA SILVA OLIVEIRA ALUNO: DEBORAH TALLYTA MELO DA SILVA INSTITUTO

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ASSOCIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE E DOR MUSCULOESQUELÉTICA EM UM PROGRAMA

Leia mais

FATORES DE RISCO PARA SINTOMAS OSTEOMUSCULARES ENTRE OPERADORES DE UMA CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO DE UM BANCO LOCALIZADO EM SÃO PAULO

FATORES DE RISCO PARA SINTOMAS OSTEOMUSCULARES ENTRE OPERADORES DE UMA CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO DE UM BANCO LOCALIZADO EM SÃO PAULO FATORES DE RISCO PARA SINTOMAS OSTEOMUSCULARES ENTRE OPERADORES DE UMA CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO DE UM BANCO LOCALIZADO EM SÃO PAULO RISK FACTORS FOR MUSCULOSKELETAL SYMPTOMS AMONG CALL CENTER

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA Área Temática: Saúde Fabricio Boscolo Del Vecchio (Coordenador da Ação de

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Resumo No seu contexto geral a Ginástica Laboral procura promover a saúde e melhorar as condições dos

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR

PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR 1- Considerações gerais As cirurgias de coluna têm indicação médica conforme exames de imagem e apresentação clínica. As cirurgias

Leia mais

Cristiane Gonçalves da Mota e Ramílio João Pires Filho Discentes do curso de Educação Física da Universidade Municipal de São Caetano do Sul IMES.

Cristiane Gonçalves da Mota e Ramílio João Pires Filho Discentes do curso de Educação Física da Universidade Municipal de São Caetano do Sul IMES. ARTIGOS DE REVISÃO SAÚDE GINÁSTICA LABORAL E OS EFEITOS RELACIONADOS À DEMANDA DO TRABALHO: REVISÃO DE LITERATURA WELLNESS PROGRAM AND ITS EFFECTS ON THE WORKPLACE: LITERATURE REVIEW Cristiane Gonçalves

Leia mais

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Clarissa Biehl Printes (Ph.D.) cbprintes.isce@gmail.com Porto Alegre, 2015 Introdução A literatura descreve que 70 a 85% da população

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Implicações da Neurodinâmica

Implicações da Neurodinâmica Implicações da Neurodinâmica ATLETA Abril 2016 TIAGO GAMELAS CONTEÚDO PROGAMÁTICO Mobilização do Sistema Nervoso Neurodinâmica. Implicações no Atleta. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Conhecer o conceito de Neurodinâmica.

Leia mais

Artigo Original. Working conditions and prevalence of musculoskeletal symptoms among food service hospital workers in São Paulo, Brazil

Artigo Original. Working conditions and prevalence of musculoskeletal symptoms among food service hospital workers in São Paulo, Brazil Artigo Original Condições de trabalho e prevalência de sintomas osteomusculares entre trabalhadores de um serviço hospitalar de nutrição localizado em São Paulo, Brasil Working conditions and prevalence

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL 10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES Autores: Thays Vaiano, Mara Behlau, Ana Cláudia Guerrieri Palavras Chave: Dor, Voz, canto Introdução: Dor pode ser definida como "experiência sensitiva

Leia mais

BACHARELADO EM FISIOTERAPIA RAQUEL NETO DELFINO ROBERTA MOREIRA DE OLIVEIRA

BACHARELADO EM FISIOTERAPIA RAQUEL NETO DELFINO ROBERTA MOREIRA DE OLIVEIRA BACHARELADO EM FISIOTERAPIA RAQUEL NETO DELFINO ROBERTA MOREIRA DE OLIVEIRA EFEITOS DA GINÁSTICA LABORAL EM FUNCIONÁRIOS DE CONFECÇÃO TÊXTIL CATAGUASES 2010 BACHARELADO EM FISIOTERAPIA RAQUEL NETO DELFINO

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

& EFEITOS DOS EXERCÍCIOS DO MÉTODO PILATES EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA

& EFEITOS DOS EXERCÍCIOS DO MÉTODO PILATES EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA & EFEITOS DOS EXERCÍCIOS DO MÉTODO PILATES EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA Andréia Schossler; Taíse Andrades Valente 1 Darlene Costa de Bittencourt Márcio Junior Strassburger Resumo A dor lombar é

Leia mais

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 27 Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Simone Simões de Almeida Sganzerla Graduada em Educação Física Especialista em Gestão

Leia mais

Atividade Física no Ambiente de Trabalho

Atividade Física no Ambiente de Trabalho Atividade Física no Ambiente de Trabalho Centro de Medicina da Atividade Física e do Esporte CEMAFE Escola Paulista de Medicina - EPM Universidade Federal de São Paulo UNIFESP 2007 Ginástica Laboral Histórico

Leia mais

Factores de risco para doenças músculo-esqueléticas não específicas no sector das limpezas em serviços

Factores de risco para doenças músculo-esqueléticas não específicas no sector das limpezas em serviços ISBN: 1646-8929 IET Working Papers Series No. WPS05/2009 José Miquel Cabeças (e-mail: jmm-cabecas@fct.unl.pt) Factores de risco para doenças músculo-esqueléticas não específicas no sector das limpezas

Leia mais

Verificação de LER/DORT em Prontuários de Fisioterapia

Verificação de LER/DORT em Prontuários de Fisioterapia ORIGINAL/ORIGINAL Verificação de LER/DORT em Prontuários de Fisioterapia RSI/WRMD Verification in Physiotherapy Files RESUMO Esta pesquisa foi realizada no ambulatório de fisioterapia da Unidade Básica

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1

INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1 INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1 Luciana de Oliveira Forte 2 Inês Alessandra Xavier Lima 3 Resumo Este estudo teve como objetivo analisar a influência

Leia mais

Este capítulo é parte integrada do livro; Qualidade de Vida e Fadiga Institucional.

Este capítulo é parte integrada do livro; Qualidade de Vida e Fadiga Institucional. Este capítulo é parte integrada do livro; Qualidade de Vida e Fadiga Institucional. Como citar este capítulo: MASSOLA, R.M. Qualidade de vida e sofrimento: aspectos biopsicossociais da fadiga e da dor

Leia mais

A PRESCRIÇÃO DA GINÁSTICA LABORAL A PARTIR DA AVALIAÇÃO ERGONÔMICA THE PRESCRIPTION OF STRETCH EXERCISE STARTING FROM THE ERGONOMIC EVALUATION AT WORK

A PRESCRIÇÃO DA GINÁSTICA LABORAL A PARTIR DA AVALIAÇÃO ERGONÔMICA THE PRESCRIPTION OF STRETCH EXERCISE STARTING FROM THE ERGONOMIC EVALUATION AT WORK A PRESCRIÇÃO DA GINÁSTICA LABORAL A PARTIR DA AVALIAÇÃO ERGONÔMICA THE PRESCRIPTION OF STRETCH EXERCISE STARTING FROM THE ERGONOMIC EVALUATION AT WORK VÍVIAN DELGADO MONTEIRO NÚCLEO DE ERGONOMIA E SEGURANÇA

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA PÂMELLA RIBEIRO RODRIGUES ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Creme dental com alto teor de fluoreto Resumo completo Descrição: Os dentifrícios fluoretados foram introduzidos pela primeira vez na década de 1950. [1] O primeiro dentifrício fluoretado continha fluoreto

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

Consciência cinestésica como prática da Terapia Ocupacional no ambiente do trabalhador* Wilson C. Garves

Consciência cinestésica como prática da Terapia Ocupacional no ambiente do trabalhador* Wilson C. Garves Consciência cinestésica como prática da Terapia Ocupacional no ambiente do trabalhador* Wilson C. Garves *Trabalho apresentado no VIII Congresso Latino Americano de Terapia Ocupacional Lima - Peru, abril

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL PARA O TRABALHO FRENTE AO COMPUTADOR: UMA ABORDAGEM ERGONÔMICA.

PRESCRIÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL PARA O TRABALHO FRENTE AO COMPUTADOR: UMA ABORDAGEM ERGONÔMICA. PRESCRIÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL PARA O TRABALHO FRENTE AO COMPUTADOR: UMA ABORDAGEM ERGONÔMICA. Daniel Vila Hreczuck 1, Leandra Ulbricht 2 RESUMO A evolução da tecnologia tornou o computador

Leia mais

Método Mckenzie Aplicado a Dor Lombar em Indivíduos com Idade entre 20 50 Anos

Método Mckenzie Aplicado a Dor Lombar em Indivíduos com Idade entre 20 50 Anos Método Mckenzie Aplicado a Dor Lombar em Indivíduos com Idade entre 20 50 Anos Palavras-chaves: Dor Lombar, Método McKenzie e Fisioterapia. SANTOS, Nurian Jaslanne 1 SOUSA, Kemil Rocha 2 DINIZ, Danielle

Leia mais

Palavras-Chave: Sintomatologia, Dor, Construção Civil.

Palavras-Chave: Sintomatologia, Dor, Construção Civil. A INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE PONTA GROSSA/PR DA SINTOMATOLOGIA DA DOR E DO DESCONFORTO EM OPERÁRIOS ATRAVÉS DO DIAGRAMA DE CORLETT - MANENICA Autores Marcus William Hauser

Leia mais

Avaliação da saúde no trabalho - O papel da ginástica laboral na qualidade de vida dos garçons e garçonetes da TRIGOLEVE

Avaliação da saúde no trabalho - O papel da ginástica laboral na qualidade de vida dos garçons e garçonetes da TRIGOLEVE Avaliação da saúde no trabalho - O papel da ginástica laboral na qualidade de vida dos garçons e garçonetes da TRIGOLEVE Regiane Maria Soares Ramos Graduanda do curso de Educação Física (UFV) - regiane.ramos@ufv.br

Leia mais

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma habilidade motora - o largar e pontapear sem ressalto - em precisão. Nuno Amaro 1,2, Luis Neves 1,2, Rui Matos 1,2,

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil TARRAGÔ CANDOTTI, CLÁUDIA; STROSCHEIN, ROSEMERI; NOLL, MATIAS EFEITOS DA

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA

HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA Priscila

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais