Engenharia Informática de Gestão Projecto Final de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia Informática de Gestão Projecto Final de Curso"

Transcrição

1 Engenhariia IInformátiica de Gestão Projecto Fiinal de Curso Datamining Oriientadores:: Prof.. Nuno Piina Gonçalves Profa.. Leonor Piires Corpo Diiscente:: Ruii Afonso 3013 Tiiago Nasciimento 2981 Entregue em::

2 Não cometas nenhum acto vergonhoso nem na presença de outros nem em segredo. A tua primeira lei deve ser o respeito a ti mesmo. Pitágoras, Filósofo e Matemático Grego PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 2

3 Índice 1. Introdução Cronograma Metodologia Enquadramento Organizacional Apresentação da Organização Objectivos Cultura Organizacional Parcerias Cooperação com outras instituições Análise Estratégica Análise SWOT Considerações Globais Fundamentos, objectivos e efeitos esperados do projecto Objectivos, definição e razões de ser do Projecto Articulação com projectos já existentes no seio da instituição Efeitos esperados ao nível da produtividade Sistema de Informação Análise de requisitos Especificação Técnicas da parte Informática: Desenho, Implementação e integração de módulos Arquitectura do Sistema de Informação Desenvolvimento da Interface Web Base de Dados Migração de dados de SqlServer para IBM DB2 Universal Database Aplicação de técnicas de Mining...26 Conclusão...28 Bibliografia...29 PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 3

4 1. Introdução Este projecto insere-se no âmbito da cadeira de Projecto de Fim de Curso, do 3º ano, 6º semestre do curso de Engenharia Informática de Gestão, da Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico de Setúbal. Irá ser desenvolvido para a Escola Superior de Tecnologia de Setúbal, estabelecendo parcerias, não só com órgãos associativos da EST, mas também com a IBM, utilizando o programa IBM Intelligent Minner explorando as suas capacidades de Datamining. Aparece, então, no seguimento de um outro projecto, realizado no passado ano lectivo (2000/2001), exactamente com o mesmo nome (In)sucesso Escolar. O seu objectivo primordial é, no seguimento do anterior, formular um modelo teórico onde seja possível identificar as variáveis que estarão implícitas ao facto de existir insucesso nesta Instituição. O grande desafio será, nesta fase, melhorar significativamente a qualidade dos dados a recolher, pelo que será feita uma análise ao projecto elaborado com o fim de reduzir/eliminar os eventuais erros detectados e por outro lado, extrair informação que nos permita concluir acerca de novas questões a inserir no modelo que possam acrescentar valor ao produto final. Será realizada a migração dos dados anteriormente recolhidos para IBM DB2 formato utilizado pelo IBM Intelligent Minner executando assim o tratamento dos mesmos com esta poderosa ferramenta. O novo questionário a ser desenvolvido, baseado no questionário anterior, será apresentado aos alunos com uma nova interface. Interface esta, mais amigável, do ponto de vista do utilizador, e mais robusta quanto à recolha de dados. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 4

5 Serão usadas ferramentas de edição para web que permitam a criação de páginas dinâmicas. O questionário deverá ser integralmente gerado com base nas respostas do utilizador. Para o efeito todo o site deverá ser programado utilizando as ferramentas adequadas Cronograma Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Seguintes Conclusão Projecto Anterior Análise Global Cálculo do CIP do aluno Desenvolvimento Questionário Desenvolvimento Interface Desenvolvimento BD Testes Correcções Conclusões Recolha de Dados Minning aos Dados 1.2. Metodologia A primeira fase deste projecto consiste na conclusão do projecto elaborado no passado ano lectivo. Será então, necessário efectuar a normalização dos dados obtidos e posteriormente, realizar uma análise e apurar as conclusões necessárias que servirão de apoio para a elaboração do novo questionário. Numa segunda fase, será necessário elaborar um novo questionário adequado às nossas necessidades, ou seja, terão que ser elaboradas questões que nos guiem à informação que pretendemos extrair. Paralelamente será desenvolvido o website que servirá de interface a todo questionário. O site terá que ser PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 5

6 desenvolvido, necessariamente, com um software que permita a implementação de páginas dinâmicas, por exemplo a programação XML (extended Mark-up Language). Será ainda, durante esta fase, desenvolvida a Base de Dados que irá comportar toda a informação recolhida. Passando agora à 3ª fase do projecto, iremos utilizar técnicas de Minning sobre os dados recolhidos com a finalidade de apurar conclusões objectivas sobre as verdadeiras causas do insucesso. Finalizando, e já numa 4ª fase deste trabalho, iremos proceder à elaboração de um relatório final onde irão ser apresentadas todas as conclusões alcançadas. Paralelamente, iremos executar um estudo, no ponto de vista de gestão, que consistirá nos seguintes pontos: 1. Realizar toda uma análise da Instituição ESTSetúbal; 2. Calcular o Custo de Produção do produto (aluno); 3. Fazer uma Análise Custo/Benefício de todo este estudo; 4. Calcular o custo que um aluno que reprove representa para a ESTSetúbal. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 6

7 2. Enquadramento Organizacional 2.1. Apresentação da Organização Este Projecto Fim de Curso será desenvolvido na Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Esta, iniciou as suas actividades em instalações próprias no ano lectivo de 1988/1989. Com umas instalações modernas e amplas (18283 m 2 de área total coberta) encontram-se adaptadas à utilização por deficientes motores. Estas instalações estão, hoje em dia, a ser alvo de melhoramentos a todos os níveis, quer estéticos, quer funcionais. Encontram-se em construção novos auditórios e novos espaços de lazer, todo o enquadramento ambiental está também a ser melhorado. Inserida na região da Costa Azul, no campus IPS (Instituto Politécnico de Setúbal) Estefanilha, a 5 km da cidade de Setúbal e a cerca de 50 km da cidade de Lisboa possui fácil acesso às Auto-estradas A2 e A12 (Ponte 25 de Abril, Ponte Vasco da Gama, Torres Novas, Barreiro, entre outros destinos). PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 7

8 Objectivos A ESTSetúbal tem como principais objectivos: a formação de técnicos, a nível superior, através de um ensino integrado (científico, técnico e prático), podendo ainda instituir cursos de especialização, de reciclagem e de curta duração, seminários, palestras e outros eventos de idêntica natureza; o ensino das matérias necessárias à formação científica e tecnológica dos seus discentes; a realização de actividades de investigação e desenvolvimento; a prestação de serviços nas áreas científicas e tecnológicas em que exerce a sua actividade; promover, no seio do seu âmbito, a investigação experimental, estabelecendo a ligação do ensino a actividades produtivas e sociais; a participação em projectos de cooperação nacional e internacional; o intercâmbio cultural, científico e técnico com instituições congéneres nacionais e estrangeiras Cultura Organizacional A ESTSetúbal possui um estatuto e uma missão perfeitamente definidos, conforme está referido nos seus Estatutos: 1. A ESTSetúbal é uma pessoa colectiva de direito público, dotada de autonomia estatutária, científica, pedagógica, administrativa e financeira. 2. A ESTSetúbal é um centro de criação, transmissão e difusão da cultura, da ciência e da tecnologia, cabendo-lhe ministrar a preparação para o exercício de actividades profissionais altamente qualificadas e promover o desenvolvimento da região em que se insere. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 8

9 A ESTSetúbal, é uma instituição de ensino público com padrões de qualidade e exigência bem definidos e segundo os quais se rege e se guia de forma a evoluir no panorama das instituições nacionais que se enquadram no mesmo tipo de cursos e conteúdos leccionados na EST. Só desta forma será possível trabalhar de forma a colocar a escola num patamar cada vez mais elevado em termos de prestígio e notoriedade, enquanto escola de engenharia de qualidade. Os níveis de exigência referidos derivam na sua essência dos seguintes tópicos: Níveis elevados de exigência ao nível pedagógico a que corresponde também uma coerente capacidade de oferta em meios materiais, nomeadamente laboratórios. Uma cultura de proximidade entre docentes e alunos que permite aos segundos tirar o máximo partido e motivação da disponibilidade e empenho dos primeiros. Procura constante de elevar a capacidade científica dos docentes Política de defesa da Dedicação Exclusiva a que correspondeu uma dedicação efectiva ao desenvolvimento da Escola e apoio à actividade lectiva por parte do corpo docente. Um doseamento equilibrado de experiência de prática de engenharia por parte do corpo docente. Turmas com dimensões compatíveis com metodologias de qualidade. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 9

10 Parcerias A ESTSetúbal e a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT/UNL), consideram de interesse mútuo e de manifesta importância para vários sectores da sociedade com que se relacionam, o estabelecimento de cooperação em vários domínios das suas actividades. Para isso, as duas instituições, através dos seus legítimos representantes, celebram presentemente um acordo de parceria. Este acordo de parceria tem como objectivo fundamental estabelecer as formas de cooperação entre a ESTSetúbal e a FCT/UNL, visando a utilização de recursos existentes e a criar nas duas instituições, para o desempenho de tarefas específicas de cada uma ou de acções conjuntas, valorizando-se assim a acção de ambas, ao serviço do País Cooperação com outras instituições Neste sentido estão a ser estabelecidos contactos com uma outra instituição de ensino, concretamente a Universidade de Aveiro. E porquê, foi escolhida esta instituição? Esta instituição foi escolhida, devido ao facto de já ter realizado e/ou se encontrar a realizar presentemente trabalhos nesta área e que poderão transmitir informação que acabe por se revelar uma mais valia para o desenvolvimento do nosso projecto. Para tal, estão a ser promovidas algumas reuniões e encontros, entre as duas instituições, mais concretamente entre os professores coordenadores e também colaboradores internos da Escola Superior de Tecnologia e colaboradores das outras instituições. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 10

11 2.2. Análise Estratégica A ESTSetúbal encontra-se inserida no centro industrial do distrito de Setúbal, possuindo assim um enorme potencial que lhe permite atrair alunos apresentando aliciantes perspectivas de colocação no mercado de trabalho local. A Instituição oferece várias opções aos seus candidatos, entre outras, bacharelatos e licenciaturas bi-etápicas. Devido a esta variedade de opções torna-se um marco importante nesta região, oferecendo às organizações aqui existentes um alargado leque de potenciais quadros altamente qualificados. A sua estratégia prende-se essencialmente na profissionalização e na preparação, quer dos bacharéis, quer dos licenciados, para a sua fácil integração nas empresas e rápida capacidade de adaptação às várias funções que poderão desempenhar, garantindo ainda as competências suficientes que possibilitam responder com sucesso aos desafios da constante mudança tecnológica. É nesta perspectiva que a ESTSetúbal se tem vindo a preocupar cada vez mais com as elevadas taxas de insucesso que se têm vindo a registar entre os seus estudantes. Assim o projecto do insucesso escolar torna-se essencial na tentativa de minimizar o insucesso instalado nesta instituição. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 11

12 Análise SWOT Pontos Fortes Relação docente/aluno; Acessibilidade do edifício; Cursos integrados na região; Boa formação profissional; Actualização dos cursos; Regime nocturno Licenciaturas bi-etápicas. Pontos Fracos Condições de estudo fora do horário normal; Infra-estruturas desactualizadas e saídas de emergência; Elevada taxa de insucesso em algumas disciplinas, derivada a um perfil inadequado dos alunos face às exigências lectivas; Não reconhecimento dos cursos pela Ordem dos Engenheiros. Oportunidades As elevadas potencialidades do e-learning; Localização, no sentido de se encontrar no seio de um centro industrial, Setúbal; A elevada procura das Tecnologias de informação; Avanço tecnológico; A crescente procura de Institutos Politécnicos; PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 12

13 Ameaças Corte orçamental; Instabilidade do governo face à diferenciação entre politécnicos e universidades; Má formação dos alunos em cadeiras de conhecimento científico, nomeadamente Matemática e Física Considerações Globais Finalizando este ponto, gostaríamos de salientar que existem ainda ameaças à consolidação da ESTSetúbal, originados quer em factores de conjuntura externa, que em factores internos (uns por negligência dos órgãos competentes e outros como consequências de decisões correctamente tomadas). Interessa ter presentes alguns dos factores, nomeadamente: candidatos ao ensino superior com perfil comprometedor para a frequência de cursos de engenharia, e que tem como uma das consequências o preocupante insucesso escolar existente na Escola; crescimento demasiado rápido da Escola, arrastando (1) uma alteração da estrutura do corpo docente em que se tem vindo a atenuar a componente profissional, (2) falta de tempo para enquadrar devidamente os novos docentes e os novos alunos. Ao esforço de elevação das qualificações académicas dos docentes resultou alguma indisponibilidade dos mesmos, necessariamente com algumas repercussões quando 40% dos docentes estão em formação, tendo que desenvolver essa actividade nos estabelecimentos universitários. Por outro lado, mesmo depois de obtidos os graus PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 13

14 académicos, a actividade científica tende a ficar subordinada aos interesses e dinâmicas de grupos de investigação exteriores à Escola. Alguma falta de visibilidade da Escola junto da comunidade envolvente, sobretudo na componente social e política, que não na técnica e científica. Aos aspectos anteriormente referidos acresce ainda o facto de esta Instituição ter atingido a lotação máxima no período diurno. Assim, a resposta à procura de formação na ESTSetúbal terá de evoluir em diferentes moldes. Deste modo, e com vista a melhorar os seus serviços, a ESTSetúbal definiu para os próximos três anos alguns objectivos estratégicos que passamos a enunciar: 1. Concretizar o aumento do número de doutorados para 50 (ou 25% dos ETI s) e de Mestres para 130 (ou 65% dos ETI s), na sequência da estratégia de formação dos docentes em acção na Escola; 2. Consolidar a componente profissional dos cursos bi-etápicos; 3. Criar oferta nocturna de formação nos cursos bi-etápicos; 4. Criar oferta de pós-graduações e formação complementar nos cursos bietápicos; 5. Criar mecanismos que diminuam o insucesso escolar; 6. Estabelecer parcerias na área da formação e I&D com entidades nacionais e estrangeiras; 7. Consolidar capacidade de prestação de serviços e investigação; PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 14

15 8. Modernizar, actualizar e ampliar as instalações e equipamentos; 9. Modernizar e melhorar as condições de estudo e trabalho; 10. Consolidar a modernização administrativa dos serviços; 11. Consolidar a organização pedagógica e científica; 12. Consolidar a cultura de exigência e qualidade. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 15

16 3.Fundamentos, objectivos e efeitos esperados do projecto 3.1. Objectivos, definição e razões de ser do Projecto Com o desenvolvimento deste projecto pretendemos estudar uma matéria que na grande maioria do universo da escola é ignorada mas que pode ser de fulcral importância para o futuro da instituição, pois só com um conhecimento mais profundo das causas do insucesso se podem tentar encontrar medidas preventivas que permitam combater, contrariar e alterar o que de menos bom actualmente existe e que pode vir a condicionar o normal funcionamento da instituição num futuro não muito longínquo. É necessário compreender as razões que levam a que uma percentagem tão elevada de discentes, reprovem no ano de ingresso no ensino superior, pois se este se tornar um facto corrente (i.e., de ano para ano), o que sucederá é que inevitavelmente cada vez mais se registará um aglomerado de alunos retidos no 1º ano. Consequentemente a percentagem de alunos colocados no mercado de trabalho irá ser gradualmente reduzida o que poderá trazer complicações para o normal funcionamento da EST, pois se a escola não apresenta resultados concretos em termos de eficácia de ensino pode ver os seus financiamentos estaduais serem substancialmente reduzidos. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 16

17 Assim, com menor capacidade financeira menor será a capacidade para contratar pessoal qualificado ou apostar na formação contínua dos recursos humanos existentes. Pelo contrário se não for possível acompanhar a constante evolução do mercado e todas as alterações que daí advêm, dificilmente será possível manter a escola num patamar que lhe confira, assim como a todos os seus colaboradores, (essencialmente docentes e discentes), notoriedade e prestígio. E é essencial manter um nível elevado, pois apenas dessa forma será possível continuar a formar discentes capazes de enfrentar as adversidades que com certeza irão encontrar. E a escola tem esse papel fundamental, pois os seus discentes mais não são que futuros membros activos da sociedade de trabalho e para com os quais a escola tem grande responsabilidade pois para além de ser sua missão formar bons profissionais é igualmente e não menos importante formar pessoas, na verdadeira acepção palavra, pessoas capazes de enfrentar o mercado de trabalho e a vida e deve contribuir para o desenvolvimento da apetência e competência para aprender e continuar a aprender por si próprio 1. De uma forma mais sucinta, iremos trabalhar no sentido de determinar os principais factores que determinam o insucesso escolar ou a falta de aproveitamento na ESTSetúbal. 1 in Análise do insucesso escolar PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 17

18 3.2. Articulação com projectos já existentes no seio da instituição Iremos realizar uma análise exaustiva ao trabalho realizado no ano transacto, cujo tema incidia igualmente no Insucesso Escolar. A análise a realizar, irá ser focada essencialmente ao nível dos dados obtidos aquando da aplicação dos inquéritos aos alunos no ano transacto. Numa primeira fase a extracção de dados será feita a nível de Excel, pois a utilização das ferramentas de mining só serão usadas numa fase mais avançada do projecto. Isto é possível, visto a base de dados ter sido convertida para este formato, de forma a permitir nesta fase inicial, a obtenção de dados que se revelassem úteis no desenrolar do trabalho em curso. Seguidamente à extracção de dados iremos proceder à sua análise e sintetizar a informação mais relevante de forma a obtermos o tal contributo válido para o desenvolvimento do nosso projecto. Desta articulação com o trabalho do ano transacto, estamos esperançados em que a informação obtida nos permita conseguir realizar um projecto globalmente melhor, não cometendo erros do passado e/ou melhorando substancialmente aspectos que consideramos relevantes de merecer a nossa atenção. Depois desta análise entraremos numa outra fase, a de reformulação do questionário por forma a obter resultados mais objectivos e concisos quanto à realidade dos factos aos quais se fica a dever o (In)sucesso escolar nesta instituição. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 18

19 De realçar que também nesta fase, entrarão em linha de conta, a análise realizada e os dados obtidos na fase referida anteriormente (extracção de dados Excel). E entrarão no sentido em que da análise à base de dados, muito provavelmente iremos concluir que determinadas questões estão mal estruturadas, mal enquadradas, ou que não fazem mesmo sentido algum se encontrarem no questionário. Implicitamente, poderá ser pertinente proceder à elaboração de novas questões. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 19

20 3.3 Efeitos esperados ao nível da produtividade Com a realização deste projecto pretendemos obter indicadores que permitam incrementar os níveis de produtividade, relativamente ao insucesso escolar, de forma substancial. De forma mais específica, pretendemos que com a realização deste projecto possamos identificar de forma clara e precisa as causas que estão na origem do insucesso escolar e mais importante e relevante, pretendemos fornecer informação, passível de ser utilizada em futuras implementações de medidas que permitam minimizar ou eliminar as causas determinadas. Se estes objectivos forem alcançados julgamos que o projecto desenvolvido terá sido proveitoso para a organização, mas consideramos estritamente necessário dar continuidade ao mesmo pois apenas com uma constante actualização dos factores, que de ano para ano condicionam ou estão na origem do insucesso escolar, será possível implementar medidas preventivas ou correctivas no sentido de eliminar ou minimizar as causas. Falamos em minimizar, porque temos a consciência de que eliminar de forma radical as causas que estão na origem do insucesso, é algo que não se consegue num espaço curto de tempo. Isto só será possível se houver continuidade do trabalho em curso. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 20

21 4. Sistema de Informação 4.1 Análise de requisitos Com o objectivo de efectuar uma análise de requisitos coerente com as necessidades do projecto, realizamos um estudo de necessidades, tanto a nível de recursos informáticos, como a nível de recursos humanos. Outro aspecto que não descuramos, e que mereceu a nossa atenção, foi o projecto antecedente. A análise do projecto anteriormente realizado, serviu-nos de base, ou ponto de partida, para a realização da análise de requisitos do nosso projecto, visto o tipo de recursos utilizados ter sido similar. Através da combinação entre a análise realizada ao anterior projecto e o estudo de necessidades independente do mesmo, elaboramos aquela que consideramos ser a mais correcta análise de requisitos, para o ideal desenvolvimento do projecto. Assim sendo, na fase inicial contámos, com a colaboração de determinadas pessoas, fundamentais para o arranque de todo o projecto. Especificamente, colaboraram nesta fase a Drª Kátia Cruz, o Prof. Nuno Pina e a Profª Leonor Pires. Ficou também desde o início estabelecido que iremos contar com a preciosa colaboração do Dr. Luís Gregório (Consultor da IBM Portugal), no que concerne à disponibilização de software e formação a nível de manuseamento do mesmo. Para além desta colaboração, iremos ainda contar com a igualmente preciosa colaboração de outros elementos internos à escola, nomeadamente o Prof. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 21

22 Joaquim Filipe e o Prof. Rodrigo Lourenço e provavelmente elementos ligados aos quadros directivos da instituição. Nesta fase, procedeu-se à determinação, e estruturação das restantes etapas, assim como tentamos estabelecer prazos de execução, ainda que nesta fase precoce do projecto, algumas etapas ou os prazos dessas etapas, possam estar condicionados à evolução de fases antecedentes. Este facto foi ponderado e considerado, pois existirão fases que surgirão na sequência de outras, logo se existir algum contratempo que possa de alguma forma atrasar o normal desenrolar de determinada fase, consequentemente a fase subsequente também o será. Em termos de software, determinamos as ferramentas que serão usadas, mas não na sua totalidade, visto que ainda não nos decidimos em relação a uma ferramenta a usar. Mas esse facto, em nada atrasará o normal desenrolar do projecto, pois é uma ferramenta que apenas será usada numa fase mais avançada. Estamos a referirmo-nos à ferramenta a usar para desenvolver a interface Web. Decidimos apenas que a mesma terá de ser uma ferramenta de desenvolvimento de páginas web, de forma dinâmica. Estamos a considerar algumas hipóteses, a utilização de XML(Extended Mark-UP Language), ASP s( Active Server Pages), ou Php, sendo que iremos estudar qual a que apresenta melhores recursos, face às nossas necessidades. Outro aspecto a ter em conta na decisão final sobre porque ferramenta optar, prende-se com o tipo de servidor de Internet que será disponibilizado. Falta portanto decidir que ferramenta usar para o desenvolvimento das páginas que servirão de interface ao utilizador, assim como faltar saber que tipo de servidor será disponibilizado pela escola para alojar a aplicação a desenvolver. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 22

23 No que concerne ao restante software, ficou assegurada a utilização da ferramenta de Minning, IBM DB2 Intelligent Miner for Data, com vista ao tratamento estatístico da informação extraída da base de dados. Também iremos utilizar outra ferramenta da IBM, o IBM DB2 Universal Database, visto a ferramenta de mining a utilizar, funcionar sobre a plataforma de base de dados, agora referida. Esta é uma opção natural e que garante, coerência e fiabilidade dos dados, visto os dados passíveis de serem interpretados pelo Intelligent Minner se encontrarem em formato DB2. De referir que todas estas ferramentas (da IBM), serão gentilmente cedidas pela IBM Portugal, na pessoa do Dr. Luís Gregório. Na fase de recolha inicial dos dados, isto é, aquando do preenchimento dos questionários pelos utilizadores, iremos guardar toda a informação relativa aos mesmos numa ferramenta designada por SQLServer DataBase (Oracle). Relativamente ao hardware, estabelecemos que as máquinas onde se irá proceder ao desenvolvimento projecto, terão de ser máquinas com bons desempenhos, devido às exigências das ferramentas a utilizar. Assim ficou definido que um dos aspectos essenciais, seria trabalhar em máquinas com um mínimo de memória RAM, de 256 Mb e um processador que esteja actualizado com as actuais configurações disponibilizadas no mercado. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 23

24 4.2. Especificação Técnicas da parte Informática: Desenho, Implementação e integração de módulos Arquitectura do Sistema de Informação Desenvolvimento da Interface Web Iremos desenvolver uma aplicação informática que servirá de interface e que suportará de forma segura e íntegra os formulários construídos para o estudo em causa. Esta aplicação será desenvolvida numa linguagem, ainda em fase de estudo de forma a encontrar a melhor solução face ao projecto, que garanta segurança e PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 24

25 que garanta igualmente uma interface bastante agradável, ou seja, que não se torne cansativa de interagir. Apesar de se encontrar em fase de estudo, qual a linguagem em especifico, uma certeza temos, qualquer que seja a linguagem escolhida, a mesma tem de ser dinâmica de forma a que a interactividade do utilizador com a interface (formulários) se processe de uma forma sequencial, isto é, consoante a resposta será gerada a fase seguinte de questões Base de Dados A interface por nós desenhada e construída estará em interacção com uma base de dados, cujo desenho e concepção será por nós inteiramente elaborada em, SQLServer DataBase (software Microsoft ), onde todos os dados serão guardados de forma a serem posteriormente tratados estatisticamente com vista a se obterem os resultados finais aos formulários elaborados para o estudo do insucesso escolar Migração de dados de SqlServer para IBM DB2 Universal Database Numa fase antecedente ao tratamento estatístico dos dados, procederemos à migração dos dados recolhidos e até aqui guardados na base de dados da Microsoft (SQLServer), para IBM DB2 Universal Database (software IBM), pois este tipo de formato de base de dados, é o formato compatível com a ferramenta da IBM, denominada IBM DB2 Intelligent Miner for Data, e cuja aplicação será explicada no ponto seguinte. IBM DB2 Intelligent Miner for Data, que será a ferramenta que iremos usar para realizar o tratamento estatístico dos dados e permitir chegar às conclusões finais do nosso projecto. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 25

26 Aplicação de técnicas de Mining Neste última fase, iremos utilizar a ferramenta, IBM DB2 Intelligent Miner for Data, tendo em vista o tratamento estatístico dos dados. Apenas após a realização destas técnicas estaremos habilitados a proceder às conclusões finais do nosso projecto. Algumas das técnicas que iremos provavelmente manipular durante o uso desta ferramenta de mining, são: Funções estatísticas disponibilizam diversos métodos estatísticos que auxiliam a tomada de decisão; operam sobre os dados que entram (input data) e produzem resultados (output data); uma das técnicas a usar através destas funções, pode por exemplo ser a teoria de regressão linear. Funções de associação O objectivo destas funções é encontrar itens, numa transacção, que impliquem a presença de outros itens na mesma transacção. Clustering O seu objectivo, é agrupar registos com características similares. Classificação O objectivo de prever uma classificação, é criar um modelo baseado em dados conhecidos; Este modelo pode ser usado para analisar uma certa classificação que tenha sido gerada, ou para classificar novos dados. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 26

27 Previsão Descobrir a variação do valor de um campo com base nos valores de outros campos do mesmo registo; Gera assim um modelo que permite prever um valor para esse campo em particular, num novo registo do mesmo Form, baseado em valores de outros campos. PFCII II ((IIn))sucesso Escolar 3ºº Ano 6ºº Semesttre 27

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE DE DADOS E GESTÃO DE INFORMAÇÃO Grupo de trabalho Armando Mendes Áurea Sousa Fátima Brilhante Rita Marques Brandão Osvaldo Silva Fevereiro 2010 Enquadramento e justificação

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial CURSO Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial (2.º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

Banca, Seguros e Mercados Financeiros

Banca, Seguros e Mercados Financeiros Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Vasco da Gama Sines Tecnopolo Pós-Graduação Banca, Seguros e Mercados Financeiros Edital 2ª Edição 2011 1 Enquadramento A Escola Superior

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Realizado por: o Bruno Martins Nº 17206 o Cátia Chasqueira Nº 17211 o João Almeida Nº 17230 1 Índice 1 Índice de Figuras... 3 2 Versões... 4 3 Introdução... 5 3.1 Finalidade...

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

notícias 18.11.2002 - Divulgação do COSI

notícias 18.11.2002 - Divulgação do COSI notícias 18.11.2002 - Divulgação do COSI A AEISGB entregou na quinta-feira, 14 de Novembro, à Direcção do ISGB o seguinte Caderno com as conclusões da consulta aos Alunos e Docentes sobre o tema "Divulgação

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ese

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009 Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água Ano de 2008/2009 Comissão Coordenadora Maria da Natividade Ribeiro Vieira Directora de Curso Vítor Manuel Oliveira Vasconcelos Luís Filipe

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

Relatório de Avaliação da Acção de Formação

Relatório de Avaliação da Acção de Formação Relatório de Avaliação da Acção de Formação Este relatório resulta da análise de um questionário online administrado a todos os formandos de forma anónima. O questionário continha questões fechadas, que

Leia mais

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal INSCRIÇÕES ABERTAS NOS SERVIÇOS ACADÉMICOS!!! Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal Reabilitação Urbana e do Património Edificado

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação Gestão Logística Edital 1ª Edição 2012 1 Enquadramento Tem vindo a ser reconhecida, por políticas governamentais

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Dezembro, 2010 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro / Instituto Politécnico

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário,

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário, RECENSÃO : Revisões das Políticas Nacionais para a Educação Ensino Terciário 1 em Portugal: Relatório dos Observadores (EDU/EC (2006) 25) Catarina Cristino Pereira Licenciada em Ciências da Educação pela

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR Rua Henrique Bravo, 6929 e 6967 4465-167 S. Mamede de Infesta Portugal 1 Filosofia/Historial A 3infor é uma empresa especializada em software profissional, com um produto inovador

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS RELATÓRIO DE ANÁLISE AOS INQUÉRITOS DE INGRESSO DOS NOVOS ALUNOS

Leia mais

Investigação científica aproxima meio académico das empresas

Investigação científica aproxima meio académico das empresas Investigação científica aproxima meio académico das empresas Maria José Fernandes, responsável pela primeira unidade de investigação nas áreas da Contabilidade e da Fiscalidade em Portugal, acredita que

Leia mais

SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores

SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores Luís Morgado, Pedro Sousa, Ana Borges, Fernanda Barbosa, Jorge Barbosa Resumo Descreve-se uma aplicação desenvolvida para o controlo, gestão e actividade

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Objectivos e Metodologia Sistema Integrado de Gestão Análise

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING EM SAÚDE

PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING EM SAÚDE Duração 2 semestres Condições de selecção Curriculum profissional; curriculum académico e entrevista (se necessário) ECTS

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre).

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre). N.º 65 31 de Março de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 4928-(5) Despacho n. o 7287-B/2006 (2. a série). O regime jurídico dos graus académicos e diplomas do ensino superior prevê que os estabelecimentos

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL Índice Introdução 1 Recursos Humanos afectos ao PSE... 3 1.1 Caracterização...

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas SiDEI Sistema de Avaliação Automática de Alunos Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Disciplina de Engenharia de Software Instituto Superior de Engenharia do Porto Alunos: André Serafim

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Overview do Processo de Avaliação de Projectos e Despesas TIC www.ama.pt Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Gestão de Equipamentos PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Instalação e Manutenção de Equipamentos Escolas Proponentes / Autores ETAP

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

Análise Matemática II

Análise Matemática II Página Web 1 de 7 Análise Matemática II Nome de utilizador: Arménio Correia. (Sair) LVM AM2_Inf Questionários INQUÉRITO ANÓNIMO» AVALIAÇÃO de AM2 e dos DOCENTES Relatório Ver todas as Respostas View Todas

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Controlo interno das instituições de auditoria do governo

Controlo interno das instituições de auditoria do governo SEMINÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE AUDITORIA 26 27.02.2009 Controlo interno das instituições de auditoria do governo Autor: Lau Tak Kun (Terence) Comissariado da Auditoria de Macau Índice

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO (Artigo 66-A.º do Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25 de Junho) INSTITUTO SUPERIOR

Leia mais

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES ANO LECTIVO 2011/2012 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares... 4 1º Semestre - Resultados

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade. das Indústrias Criativas. da Universidade de São José

Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade. das Indústrias Criativas. da Universidade de São José Correspondente especial Vanessa Amaro www.usj.edu.mo Formar talentos para contribuir para o sucesso das indústrias criativas em Macau Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade das Indústrias Criativas

Leia mais

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014 MBA Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é um curso de pós-graduação desenvolvido pela Escola Superior de Ciências Empresariais

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro RELATÓRIO ANUAL 2012-2013 IPAM Aveiro Índice Nota Introdutória... 3 1. Do grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 4 2. Da realização dos objetivos estabelecidos;... 4 3. Da eficiência

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

MESTRADO EM FISCALIDADE

MESTRADO EM FISCALIDADE MESTRADO EM FISCALIDADE 1 - APRESENTAÇÃO Grau Académico: Mestre em Fiscalidade Duração do curso: 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema Europeu de Transferência de Créditos:

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Programa de Acção da Candidatura a Presidente

Programa de Acção da Candidatura a Presidente Programa de Acção da Candidatura a Presidente do Instituto Politécnico de Beja de Manuel Alberto Ramos Maçães 1 Índice I. O Porquê da Candidatura II. III. IV. Intenção Estratégica: Visão, Envolvimento

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO OS CURSOS NA FEUP Dulce Campos (ee12134); Flávio Dantas (ee12153); João Neves (ee12035); João Espírito Santo (ee12057); Miguel Costa (ee12091); 0 1MIEEC07_3

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO LICENCIATURA EM ENGENHARIA E GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ( T

Leia mais

Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores

Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores Faculdade de Ciências, Universidade do Porto Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 2006-2008 http://www.dcc.fc.up.pt/mi

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães

a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães processo de modernização administrativa prestação de um melhor serviço aos cidadãos utilização mais eficiente dos seus recursos no

Leia mais

RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2009/2010 RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2009/2010 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro Documento onde se estabelecem as linhas orientadoras para elaboração dos Relatórios de Concretização

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Artigo 1 o (Definição) O Laboratório de Cálculo Automático, adiante designado por Lc, é um dos laboratórios do Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal

A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal 1 A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal Luís Almeida Espinoza info@linguas.com Resumo da Comunicação Nesta intervenção são abordados os problemas dos jovens tradutores

Leia mais