VOTO. INTERESSADO: Ministério de Minas e Energia e Agentes do Setor Elétrico.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VOTO. INTERESSADO: Ministério de Minas e Energia e Agentes do Setor Elétrico."

Transcrição

1 VOTO PROCESSO: / INTERESSADO: Ministério de Minas e Energia e Agentes do Setor Elétrico. RELATOR: Diretor Romeu Donizete Rufino. RESPONSÁVEL: Comissão Especial de Licitação - CEL e Superintendência de Estudos do Mercado - SEM. ASSUNTO: Instauração de audiência pública visando colher subsídios e informações para aprimoramento da minuta do Edital e respectivos anexos do Leilão nº 5/ Leilão para Contratação de Energia de Reserva, tendo por objeto a contratação de energia de reserva proveniente de empreendimentos de geração a partir de fonte eólica. I RELATÓRIO Em 25 de outubro de 2012, a ANEEL publicou o Despacho nº 2.865/2012, por meio do qual delegou à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE a operacionalização dos leilões de contratação de energia de reserva, de outorga de concessão de geração e venda de energia elétrica oriunda de empreendimentos novos ou existentes, em qualquer de suas modalidades, até 31 de dezembro de A Portaria MME nº 132, de 25 de abril de 2013, determinou à ANEEL a realização, direta ou indiretamente, no dia 23 de agosto de 2013, de leilão para contratação de energia de reserva, denominado Leilão de Energia de Reserva de 2013, para fontes eólicas, com início de suprimento de energia elétrica a partir de 1º de setembro de Em 14 de junho de 2013, a Comissão Especial de Licitação (i) apresentou a minuta do Edital e dos Anexos do Leilão nº 05/2013; (ii) destacou as principais alterações em relação às regras de certames anteriores; e (iii) recomendou a abertura de audiência pública, exclusivamente por intercâmbio documental, no período de 19 de junho a 4 de julho de 2013, a fim de subsidiar a aprovação do Edital É o relatório. 1 Nota Técnica nº 07/2013.

2 II FUNDAMENTAÇÃO 5. As modificações no presente Edital em relação ao do último Edital de LER (Leilão 03/2011) aprovado pela Diretoria dividem-se em dois grupos: (i) alterações já contempladas em editais posteriores ao do LER de 2011 e (ii) inovações propostas para o presente caso. 6. Com relação às modificações relativas ao primeiro grupo, parcela significativa dessas foram propostas quando da apresentação dos modelos de editais 2, bem como já foram contempladas no Edital do Leilão nº 06/2012, A-5 de 2012, entre as quais se destacam: a) As garantias de participação e de fiel cumprimento deverão ter a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE como destinatária e o agente vendedor como tomador. b) Os documentos de habilitação deverão ser entregues na CCEE. O prazo para a entrega dessa documentação passou de 25 dias úteis para 20 dias úteis após a realização do Leilão, com o propósito de permitir que a CEL tenha melhores condições para análise da documentação. c) O cronograma físico de implantação do empreendimento apresentado pelo vendedor deverá ser compatível com o habilitado pela Empresa de Pesquisa Energética - EPE. d) O prazo para o início de adesão à CCEE passou de 10 dias úteis para 15 dias úteis após a realização do Leilão, de maneira a coadunar-se com o aumento do prazo para constituição de SPE, que passou de 15 dias corridos para 15 dias úteis. e) As receitas resultantes da execução da Garantia de Participação e de Fiel Cumprimento serão revertidas para a Conta de Energia de Reserva - CONER e destinadas à redução do Encargo de Energia de Reserva EER. f) Ficou estabelecida de forma mais clara a possibilidade de participação de entidades de previdência complementar. g) Aprimorou-se a redação no sentido de esclarecer que não será permitida a participação de Fundos de Investimento em Participação - FIPs e nem de entidades de previdência complementar na forma individual, tendo em vista que a natureza jurídica dessas entidades indica incompatibilidade da forma de sua atuação com os requisitos necessários para uma boa gestão da outorga de autorização. h) Em caso de descumprimento das regras do Edital, ficou estabelecido no item 8.11 que não haverá devolução de Garantia de Participação executada por determinação da ANEEL. 2 Processo nº /

3 i) Para vendedora com outorga que possua Garantia de Fiel Cumprimento retida pela ANEEL em razão de leilão anterior, passa-se a exigir a adequação do objeto dessa garantia ao leilão atual. j) No que se refere à opção de execução da Garantia de Fiel Cumprimento decorrente de atraso de mais de 60 dias, o cronograma referência passa a ser aquele resultante da habilitação técnica realizada pela EPE; k) Havendo a constituição de SPE para fins da outorga de Autorização, a Garantia de Fiel Cumprimento deverá ter a SPE como tomadora. l) Serão solicitadas as certidões de nada consta em certidão civil de falência, concordata e recuperação judicial e extrajudicial ou nada consta em certidão de insolvência civil de SPEs constituídas em ano civil anterior ao ano de realização do Leilão, a fim de que se verifique a existência de situação irregular. m) O empreendedor deverá apresentar junto aos documentos de qualificação econômicofinanceira a certidão de adimplência perante a CCEE. Esse item foi incluso tendo em vista os diversos casos de inadimplência ocorridos nos últimos anos envolvendo agentes geradores. Essa sugestão encontra respaldo nas recentes normas editadas pela ANEEL, tais quais (i) as últimas resoluções sobre exportação; e (ii) a alteração da Resolução Normativa nº 433/2003 promovida pela Resolução Normativa nº 437/2011. n) Estabelecimento de prazo e condições para reivindicar a revisão de cronograma de obras ou de início de suprimento em face de atraso na outorga de autorização não imputável ao agente. Nesse sentido, seguiu-se a diretriz estabelecida por esta Diretoria, no sentido de prever, nos editais de leilões de geração, prazo vinculado para a implantação do empreendimento a partir da emissão da outorga ou da assinatura do contrato associado à licitação, incluindo-se o item e subitens que determinam que as alterações quanto às instalações de conexão deverão ser submetidas previamente à avaliação e anuência da ANEEL. 7. Além dessas alterações, já registradas em leilões anteriores, o presente Edital traz inovações que passo a descrever a seguir. 8. O Leilão será realizado em duas fases subsequentes, conforme dispõe o 1º do 5º da Portaria do MME nº 132/2013: (i) primeira fase, com classificação por ordem de preço considerando a capacidade de escoamento da Rede Básica e de fronteira e de cada instalação para conexão dos empreendimentos de geração ao sistema de transmissão; e (ii) segunda fase, com negociação da energia proveniente das usinas associadas aos lances vencedores da primeira fase. 9. Segundo o 2º do art. 5º da Portaria MME nº 132/2013, o Operador Nacional do Sistema - ONS e a EPE elaborarão nota técnica conjunta, cujo conteúdo detalhará a configuração do sistema para a primeira fase, considerando a capacidade de escoamento de energia elétrica nas transformações e nas linhas de transmissão da Rede Básica e de fronteira. Tal Nota Técnica consta no Anexo X do Edital.

4 10. Ainda conforme a Portaria MME nº 132/2013, os pedidos de alterações nas características técnicas de empreendimento habilitado pela EPE, que provocarem alterações de garantia física, de capacidade instalada e de localização da central geradora, serão instruídos pela ANEEL e encaminhados aos MME, a quem competirá autorizar as modificações. Esse tipo de solicitação só poderá ocorrer após a emissão de outorga, mantido o prazo contratual de entrega de energia. 11. Ademais, não será permitida a comercialização de parcela da garantia física não comprometida com o CER no Ambiente de Contratação Livre - ACL ou em outros Leilões do Ambiente de Contratação Regulada - ACR. 12. Para FIP que figurar na condição de controlador serão exigidas certidões de regularidade fiscal perante a Fazenda Pública Federal. 13. Ficam também estabelecidos percentuais para execução parcial de garantias de fiel cumprimento, na hipótese de descumprimento de marcos intermediários, constantes no cronograma físico de implantação do empreendimento. 14. Por fim, conforme dispõe o art. 15 da Portaria MME nº 132/2013, passa a constituir hipótese de resolução do CER e, quando for o caso, extinção da respectiva outorga: (i) o atraso por mais de 30 dias no adimplemento da obrigação de reconstituição dos valores originalmente aportados para as Garantias de Participação e de Fiel Cumprimento, e (ii) o atraso superior a 120 dias em qualquer um dos marcos de implantação constantes do ato de outorga do empreendimento contratado. Cumpre salientar que o normativo previsto no item (ii) trouxe a hipótese de revogação da garantia física do empreendimento. III DIREITO 15. A presente análise foi realizada com observância dos seguintes dispositivos legais e regulamentares: Lei nº 9.427, de 1996; Decreto nº 2.003, de 1996; Lei nº , de 2004; Decreto nº 5.163, de 2004; Lei nº , de 2009; Portaria MME nº 514, de 2011; Portaria MME nº 132, de IV DISPOSITIVO 16. Do exposto e do que consta do Processo nº / , voto pela Instauração de audiência pública, exclusivamente por intercâmbio de documentos, no período de 19 de junho a 4 de julho de , visando colher subsídios e informações para aprimoramento da minuta do Edital e respectivos anexos do Leilão nº 5/ Leilão para Contratação de Energia de Reserva, tendo por objeto a contratação de energia de reserva proveniente de empreendimentos de geração a partir de fonte eólica, com início de suprimento de energia elétrica a partir de 1º de setembro de Conforme justificado no item 22 da Nota Técnica nº 07/2013-CEL/ANEEL, em observância ao disposto no 1º do art. 17 da Norma de Organização ANEEL 001, aprovada pela Resolução Normativa n. 273/2007.

5 Brasília, 18 de junho de ROMEU DONIZETE RUFINO Diretor-Geral

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 172, DE 10 DE MAIO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF. VOTO PROCESSO: 48500.000349/2016-11 INTERESSADA: Tijoa Participações e Investimentos S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF.

Leia mais

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO SCT

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO SCT FL. 1 de 4 VOTO PROCESSO: 48500.002341/2014-19 e 48500.002396/2014-29 INTERESSADO: Furnas Centrais Elétricas S.A. Furnas RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.926, DE 28 DE JULHO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.926, DE 28 DE JULHO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.926, DE 28 DE JULHO DE 2015 Voto Aprova o Edital do Leilão nº 08/2015-ANEEL e seus Anexos, denominado 1º Leilão de Energia de Reserva

Leia mais

TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO CCEAR Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE).

TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO CCEAR Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE). TERMO DE CESSÃO AO CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO Nº / - Produto / POR (QUANTIDADE ou DISPONIBILIDADE). Pelo presente instrumento contratual e na melhor forma de direito,

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº035/2010

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº035/2010 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº035/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CCEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso

Leia mais

21º Leilão de Energia Nova

21º Leilão de Energia Nova 1 21º Leilão de Energia Nova Realização: 30/04/2015 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 17:30 do dia 29/04/2015)

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT

VOTO. INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT VOTO PROCESSO: 48500.003437/2013-13 INTERESSADO: Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG-GT. RELATOR: Diretor Edvaldo Alves de Santana. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão

Leia mais

VENDA DE EXCEDENTES COMISSÃO METROFERROVIÁRIA - GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA. Marcia Baptista da Silva. São Paulo, 14 de setembro de 2010

VENDA DE EXCEDENTES COMISSÃO METROFERROVIÁRIA - GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA. Marcia Baptista da Silva. São Paulo, 14 de setembro de 2010 VENDA DE EXCEDENTES DE ENERGIA ELÉTRICA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA - GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA Marcia Baptista da Silva São Paulo, 14 de setembro de 2010 COMISSÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO DE TRABALHO DE

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições:

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 56, DE 6 DE ABRIL DE 2004. Estabelece procedimentos para acesso das centrais geradoras participantes do PROINFA, regulamentando o art.

Leia mais

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE

ER - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE - TRATAMENTO DA ENERGIA DE RESERVA NA CCEE www.ccee.org.br Nº 36 Novembro/2012 0800 10 00 08 O objetivo desse relatório é apresentar os valores associados ao encargo, fundo de garantia e saldo da CONER

Leia mais

1) A quem devo me reportar para solicitar esclarecimentos sobre o conteúdo dos documentos da Chamada Pública.

1) A quem devo me reportar para solicitar esclarecimentos sobre o conteúdo dos documentos da Chamada Pública. Objetivo: Divulgar respostas a questionamentos específicos apresentados pelas partes interessadas na Chamada Pública, de forma a garantir a ampla divulgação de todas as informações relevantes e pertinentes

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA - SFF.

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA - SFF. VOTO PROCESSO: 48500.006756/2014-61 INTERESSADAS: Tangará Energia S.A. Tangará. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA - SFF. ASSUNTO:

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

Aspectos Jurídicos e Regulatórios Relacionados à Participação em Leilões de Comercialização de Energia Elétrica

Aspectos Jurídicos e Regulatórios Relacionados à Participação em Leilões de Comercialização de Energia Elétrica Aspectos Jurídicos e Regulatórios Relacionados à Participação em Leilões de Comercialização de Energia Elétrica André F. Edelstein // Eduardo R. Evangelista Advocacia Waltenberg Avenida Arruda Botelho,

Leia mais

CARTILHA DE INFORMAÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO CREDITÍCIO

CARTILHA DE INFORMAÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO CREDITÍCIO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Programa de Apoio ao Empreendimento Produtivo do Distrito Federal CARTILHA DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

COLETA DE PREÇOS nº 01/2014

COLETA DE PREÇOS nº 01/2014 COLETA DE PREÇOS nº 01/2014 1. PREÂMBULO 1.1. A ASSOCIAÇÃO MUSEU AFRO BRASIL, torna pública a realização de Seleção de Fornecedores na modalidade Coleta de Preços, pelo critério de menor preço, objetivando

Leia mais

VOTO. INTERESSADOS: Central Energética Palmeiras S/A e Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE.

VOTO. INTERESSADOS: Central Energética Palmeiras S/A e Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE. VOTO PROCESSO: 48500.005161/2013-16 INTERESSADOS: Central Energética Palmeiras S/A e Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE. RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior. RESPONSÁVEL: Superintendência

Leia mais

Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador

Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP 5º Encontro de Negócios de Energia Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador 10 de agosto de 2004 São Paulo SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral

Leia mais

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

CAPÍTULO II Fornecedores SEÇÃO I Qualificação de fornecedores de produtos e insumos

CAPÍTULO II Fornecedores SEÇÃO I Qualificação de fornecedores de produtos e insumos REGULAMENTO PRÓPRIO PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E COMPRAS COM RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO. CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer normas de padronização para aquisição de materiais,

Leia mais

Estado do Pará PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FÉLIX DO XINGU Controladoria Geral do Munícipio PARECER DE REGULARIDADE DO CONTROLE INTERNO

Estado do Pará PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FÉLIX DO XINGU Controladoria Geral do Munícipio PARECER DE REGULARIDADE DO CONTROLE INTERNO PARECER DE REGULARIDADE DO CONTROLE INTERNO Parecer CGM nº 006/2016 Solicitante: Departamento de Licitação Expediente: Processo Licitatório nº TP010/2015 Modalidade: Tomada de Preço Tratam os autos de

Leia mais

VOTO. INTERESSADOS: Costa Oeste Transmissora de Energia S.A. ( Costa Oeste ).

VOTO. INTERESSADOS: Costa Oeste Transmissora de Energia S.A. ( Costa Oeste ). VOTO PROCESSOS: 48500.002729/2010-96. INTERESSADOS: Costa Oeste Transmissora de Energia S.A. ( Costa Oeste ). RELATOR: Diretor Tiago de Barros Correia. RESPONSÁVEL: DIR. ASSUNTO: Requerimento da Costa

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL RESOLUÇÃO CONJUNTA N o 4, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014. Aprova o preço de referência para o compartilhamento de postes

Leia mais

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE O Papel da ANEEL 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE Eduardo Ellery Diretor Sumário O Papel da ANEEL I. Competências II. Características III. Relacionamento e participação

Leia mais

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica 1 Modelo atual do setor elétrico brasileiro a partir de 2004 2 Marcos Regulatórios do Novo

Leia mais

VOTO PROCESSO N.º: / INTERESSADO: Eletrobrás Distribuição Alagoas - CEAL. RELATOR: Diretor José Jurhosa Júnior

VOTO PROCESSO N.º: / INTERESSADO: Eletrobrás Distribuição Alagoas - CEAL. RELATOR: Diretor José Jurhosa Júnior VOTO PROCESSO N.º: 48500.005842/2014-57 INTERESSADO: Eletrobrás Distribuição Alagoas - CEAL RELATOR: Diretor José Jurhosa Júnior RESPONSÁVEL: Diretoria. ASSUNTO: Recurso administrativo interposto pela

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

INSTRUMENTOS E PARÂMETROS DOS LEILÕES DE A-3 E A-5 DE Instrumentos e Parâmetros da Licitação

INSTRUMENTOS E PARÂMETROS DOS LEILÕES DE A-3 E A-5 DE Instrumentos e Parâmetros da Licitação INSTRUMENTOS E PARÂMETROS DOS LEILÕES DE A-3 E A-5 DE 2007 Instrumentos e Parâmetros da Licitação GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME/SPE ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO Ministério

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Companhia Paulista de Força e Luz CPFL Paulista.

VOTO. INTERESSADO: Companhia Paulista de Força e Luz CPFL Paulista. VOTO PROCESSO: 48500.005137/2015-31. INTERESSADO: Companhia Paulista de Força e Luz CPFL Paulista. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões, Permissões e Autorizações

Leia mais

ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94

ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94 ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94 1. Sociedades Seguradoras Nacionais, Sociedades de Capitalização e Sociedades de Previdência Privada Aberta com fins lucrativos. 1.1- ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA - AGE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SETOR DE LICITAÇÕES

PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SETOR DE LICITAÇÕES PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SETOR DE LICITAÇÕES EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO 009/2011 Secretaria Municipal de Administração Processos: 100094/2011 ROMILDO BOLZAN

Leia mais

DISPENSA DE LICITAÇÃO

DISPENSA DE LICITAÇÃO DISPENSA DE LICITAÇÃO Processo: Secretaria: Empresa: CNPJ: Objeto: LISTA DE VERIFICAÇÕES Justificativa - deverá ser elaborada pela Secretaria Requisitante, a qual identificará a necessidade administrativa

Leia mais

Licitação da Solução de Registro Eletrônico em Saúde. Paulo Cesar de Araújo Gerente

Licitação da Solução de Registro Eletrônico em Saúde. Paulo Cesar de Araújo Gerente Paulo Cesar de Araújo Gerente SRES Constituída dos seguintes serviços: 1. Disponibilização do Software RES 2. Serviços de Integração com a Base Única 3. Serviços de Manutenção Evolutiva 4. Serviços de

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA DE COLINAS DO TOCANTINS Comissão Permanente de Licitação

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA DE COLINAS DO TOCANTINS Comissão Permanente de Licitação EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO DE FORNECEDORES O Município de Colinas do Tocantins, Estado do Tocantins, com fundamento nos artigos 34 a 37 da Lei nº 8.666/93 e demais alterações, torna público

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO Nº - 02/2016

EDITAL DE LEILÃO Nº - 02/2016 EDITAL DE LEILÃO Nº - 02/2016 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL LONGO PRAZO A BTG PACTUAL COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA., ("PROMOTOR"), inscrito no CNPJ/MF sob o nº 07.133.522/0001-00

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação

Leia mais

FATO RELEVANTE CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS S/A CNPJ: / COMPANHIA ABERTA

FATO RELEVANTE CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS S/A CNPJ: / COMPANHIA ABERTA CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS S/A CNPJ: 00.001.180/0001-26 COMPANHIA ABERTA Centrais Elétricas Brasileiras S/A ( Companhia ou Eletrobras ) esclarece aos seus acionistas e ao mercado em geral que, conforme

Leia mais

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 O PRESIDENTE

Leia mais

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo.

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo. Tribunal de Contas da União MANUAL PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS DE LICITAÇÃO PARA OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. CARACTERÍSTICAS GERAIS O exame de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.048, DE 19 DE AGOSTO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.048, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.048, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. Nota Técnica nº 254/2010-SRE/ANEEL Relatório Voto Homologação das tarifas de fornecimento de energia

Leia mais

ANEXO III MODELOS DE DECLARAÇÕES E COMPROMISSOS

ANEXO III MODELOS DE DECLARAÇÕES E COMPROMISSOS ANEXO III MODELOS DE DECLARAÇÕES E COMPROMISSOS MODELO 1 - CARTA DE ENCAMINHAMENTO DOS DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO Ref. Concorrência nº. / Campo O (Licitante), (qualificação), por meio de seu representante

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

Ministério de Minas e Energia. Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia. Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 197, DE 1 o DE ABRIL DE 2011. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Resolução Normativa RN n 395/2016

Resolução Normativa RN n 395/2016 Resolução Normativa RN n 395/2016 Rodrigo Aguiar Gerente Geral de Assessoramento da Diretoria de Fiscalização Rio de Janeiro, janeiro de 2016. O que apresentamos aqui? Resolução Normativa RN n 395/2015,

Leia mais

Anexo I - TERMO DE REFERÊNCIA

Anexo I - TERMO DE REFERÊNCIA Anexo I - TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE PNEUS PARA USO NA FROTA DE VEÍCULOS PERTENCENTES À DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO I - Objeto Registro de preço para eventual aquisição de

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS PARA INCLUSÃO DA CONSULTORIA NA LISTA CURTA

PRÉ-REQUISITOS PARA INCLUSÃO DA CONSULTORIA NA LISTA CURTA PRÉ-REQUISITOS PARA INCLUSÃO DA CONSULTORIA NA LISTA CURTA A etapa pública do processo de licitação se iniciada pelo chamamento público à manifestação de Interesse de consultorias (pessoa jurídica), que

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Situação: PARCIALMENTE CONVERGENTE 1. Introdução O IAS 31 Interests in Joint Ventures trata da contabilização das

Leia mais

COP Comissão de Obras Públicas da CBIC

COP Comissão de Obras Públicas da CBIC INSTITUIÇÃO DO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS RDC Analise e posicionamento da Comissão de Obras Públicas COP da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Com ampla participação das entidades

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012 Secretaria de Energia Elétrica SEE MODELO ATUAL DO SETOR ELÉTRICO PILARES SEGURANÇA ENERGÉTICA UNIVERSALIZAÇÃO

Leia mais

Prestação de serviço de manutenção e reparo em equipamentos de rede Roteadores.

Prestação de serviço de manutenção e reparo em equipamentos de rede Roteadores. TERMO DE REFERÊNCIA DADOS CADASTRAIS 1-IDENTIFICAÇÃO SOLICITANTE 1.1 Diretoria DR 1.2 Unidade SOR-PB 1.3 Endereço completo da unidade solicitante: AV. Presidente Carlos Luz, 1275 1.5 - Cidade: 1.6 - UF:

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Faixa Azul Indústria de Móveis para Escritório Ltda.

VOTO. INTERESSADO: Faixa Azul Indústria de Móveis para Escritório Ltda. FL. 1 de 6 VOTO PROCESSO: 00000.746624/1983-22. INTERESSADO: Faixa Azul Indústria de Móveis para Escritório Ltda. RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre escritório de representação, no País, de ressegurador admitido, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 09/2014

TERMO DE REFERÊNCIA 09/2014 TERMO DE REFERÊNCIA Concessão de uso de áreas destinadas à exploração comercial de MÁQUINA PARA VENDA DE REFRIGERANTES, SALGADO E/OU SUCO e área para DEPÓSITO DE MERCADORIAS, localizadas no Terminal de

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES POR QUE PLANEJAR? Há necessidade de prever as possibilidades do amanhã para esboçar, com

Leia mais

Eletrobrás CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE

Eletrobrás CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE Centrais Elétricas Brasileiras S/A DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL JANEIRO/2006 CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO TÍTULO

Leia mais

VOTO. INTERESSADOS: Petrobrás Distribuidora S.A., Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobrás, Companhia de Gás do Amazonas Cigás.

VOTO. INTERESSADOS: Petrobrás Distribuidora S.A., Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobrás, Companhia de Gás do Amazonas Cigás. VOTO PROCESSO: 48500.000289/2014-66 INTERESSADOS: Petrobrás Distribuidora S.A., Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobrás, Companhia de Gás do Amazonas Cigás. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO- BRASILEIRO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO- BRASILEIRO CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO- BRASILEIRO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016 PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Bolsas de Iniciação Científica tem como objetivo incentivar

Leia mais

EDITAL DE OFERTA PÚBLICA DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

EDITAL DE OFERTA PÚBLICA DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE OFERTA PÚBLICA DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA 5-0-2012 1. INFORMAÇÕES GERAIS OBJETO Venda de energia elétrica convencional no Submercado Sul por meio de fac-símile ou e-mail, assegurando publicidade,

Leia mais

Regulamentação do art. 3º., inciso XIII, da Lei nº , de 26/12/1996, incluído pela Lei nº , de 26/04/2002.

Regulamentação do art. 3º., inciso XIII, da Lei nº , de 26/12/1996, incluído pela Lei nº , de 26/04/2002. Regulamentação do art. 3º., inciso XIII, da Lei nº. 9.427, de 26/12/1996, incluído pela Lei nº. 10.438, de 26/04/2002. Brasília DF Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira I Objetivo Propor

Leia mais

Comunicado 4 Credenciamento TSE nº 1/2015 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA ALIANÇA ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS DE SAÚDE S.A E RESPOSTAS EMITIDAS PELO TSE:

Comunicado 4 Credenciamento TSE nº 1/2015 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA ALIANÇA ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS DE SAÚDE S.A E RESPOSTAS EMITIDAS PELO TSE: Comunicado 4 Credenciamento TSE nº 1/2015 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA ALIANÇA ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS DE SAÚDE S.A E RESPOSTAS EMITIDAS PELO TSE: 1. De acordo com a alínea f do item 1.3 do Edital em

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRINHO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRINHO EDITAL Nº 005/2016 EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS PARA INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO NO CADASTRO DE FORNECEDORES DA. De conformidade com o disposto no artigo 34 da Lei Federal nº 8666, de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Manutenção dos caixilhos de concreto e vidro da fachada FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA Manutenção dos caixilhos de concreto e vidro da fachada FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Manutenção dos caixilhos de concreto e vidro da fachada FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO ÍNDICE DO TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA 1. OBJETIVO GERAL 2. JUSTIFICATIVA 3. DA MODALIDADE DA

Leia mais

Planejamento da transmissão

Planejamento da transmissão MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Fórum: Os Desafios da Transmissão Planejamento da transmissão Thiago Guilherme Ferreira Prado CoordenadorGeral de Planejamento de Energia Elétrica Substituto 14 de abril de

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS PARECER TÉCNICO - AGB PEIXE VIVO - 002/2011 PROCESSO Nº 04734 / 2010 - Vale S.A Empreendimento: Execução de barramento em curso de água sem captação - Barragem Forquilha IV, para contenção de rejeitos

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANALISE DE CRÉDITO IMÓVEL IMÓVEL URBANO 1ª ETAPA - DOCUMENTOS CONSORCIADO PESSOA JURÍDICA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANALISE DE CRÉDITO IMÓVEL IMÓVEL URBANO 1ª ETAPA - DOCUMENTOS CONSORCIADO PESSOA JURÍDICA do Cartão de CNPJ Inscrição Estadual ou Municipal IMÓVEL URBANO 1ª ETAPA - DOCUMENTOS CONSORCIADO PESSOA JURÍDICA Contrato Social e sua última alteração ou Estatuto de Constituição Comprovante de renda

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2016 SENADO FEDERAL

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2016 SENADO FEDERAL PRESTAÇÃO DE CONTAS 2016 SENADO FEDERAL Prestação de Contas ANEEL Comissão de Infraestrutura do Senado Federação (CI) 2016 Brasília - DF 15 de junho de 2016 Diretoria Colegiada da ANEEL ESTRUTURA INSTITUCIONAL

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 76 75 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 72 - Data 24 de maio de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS PRESTADORES DE SERVIÇOS DA FIFA. APRESENTAÇÃO

Leia mais

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Segundo a lei federal no. 10.848, esse novo modelo tem três objetivos principais: garantir a segurança no suprimento da energia elétrica, atingir a modicidade

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Vítor F. Alves de Brito outubro/2014

REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Vítor F. Alves de Brito outubro/2014 REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA Vítor F. Alves de Brito outubro/2014 1 IMPACTOS DA GARANTIA FÍSICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO Art. 20, 3º, do Decreto nº 2.655,

Leia mais

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA CONCORRÊNCIA Nº. 002/2010 CONCORRÊNCIA Nº. 002/2010

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA CONCORRÊNCIA Nº. 002/2010 CONCORRÊNCIA Nº. 002/2010 À DME Distribuição S/A - DMED A empresa..., inscrita no CNPJ/MF sob o n..., estabelecida à Av./Rua..., n..., bairro..., na cidade de..., CEP..., telefone..., fax..., e-mail..., vem pela presente apresentar

Leia mais

10. Instrução Normativa AGE Nº 001, de 25 de Abr. de DOE

10. Instrução Normativa AGE Nº 001, de 25 de Abr. de DOE 10. Instrução Normativa AGE Nº 001, de 25 de Abr. de 2008. DOE 28.04.2008 Instrução Normativa AGE nº 001, de 25 de abril de 2008. Institui normas e rotinas para padronização e uniformização dos procedimentos

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação:

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação: SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação: 304-16 Em conformidade com o Regulamento de Compras e Contratações de Obras e Serviços da Organização Social de Cultura Associação Amigos do Projeto Guri, decreto nº.

Leia mais

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador Nacional do Sistema Elétrico, de que trata a Lei n o 9.648, de

Leia mais

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação Luiz Fernando Leone Vianna 04.07.2013 A APINE 60 associados Geradores privados e concessionárias

Leia mais

RESOLUÇÃO IBA N 02/2008 RESOLVE

RESOLUÇÃO IBA N 02/2008 RESOLVE INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA RESOLUÇÃO IBA N 02/2008 Dispõe sobre a Certificação do Atuário Responsável Técnico e do Atuário Independente O Instituto Brasileiro de Atuária - IBA, por decisão de sua

Leia mais

CONCORRÊNCIA Nº 2016/02373 (7421) REGISTRO DE PREÇOS ESCLARECIMENTO 3

CONCORRÊNCIA Nº 2016/02373 (7421) REGISTRO DE PREÇOS ESCLARECIMENTO 3 CONCORRÊNCIA Nº 2016/02373 (7421) REGISTRO DE PREÇOS ESCLARECIMENTO 3 OBJETO: Registro de Preços para eventuais e futuras contratações visando à instalação, relocalização e adequações diversas em agências

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS CONSELHO SUPERIOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 44/CS, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece normas e procedimentos para reversão voluntária de

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA RC/PEE 001/2016

CHAMADA PÚBLICA RC/PEE 001/2016 CHAMADA PÚBLICA RC/PEE 001/2016 RESULTADO - CHAMADA PÚBLICA RC/PEE 001/2016 CPFL SANTA CRUZ 28 de junho de 2016 O grupo CPFL ENERGIA comunica que na CHAMADA PÚBLICA RC/PEE 001/2016, após análise da Comissão

Leia mais

ATA DE ABERTURA E JULGAMENTO DOS ENVELOPES COM OS DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO E PROPOSTAS DE PREÇO

ATA DE ABERTURA E JULGAMENTO DOS ENVELOPES COM OS DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO E PROPOSTAS DE PREÇO ATA DE ABERTURA E JULGAMENTO DOS ENVELOPES COM OS DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO E PROPOSTAS DE PREÇO PROCESSO N 004/2016 - EDITAL Nº. 004/2016 COTAÇÃO DE PREÇOS Nº. 004/2016 ATA N.º 01 Após a entrega dos envelopes

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS RESOLUÇÃO Nº 003/2007 DP/SUSER Estabelece e regulamenta o Programa de Estacionamento Especial para pessoas com deficiência e dificuldade de locomoção e dá outras providências O DIRETOR PRESIDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA GERAL SEG

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA GERAL SEG 1. Processo n.: PNO 13/00178415 2. Assunto: Processo Normativo - Projeto de Resolução - Altera a Resolução n. TC-16/94 3. Interessado(a): Salomão Ribas Junior 4. Unidade Gestora: Tribunal de Contas do

Leia mais

PERGUNTA 1: O Edital do Pregão Eletrônico prevê, em seu item 4.1.1:

PERGUNTA 1: O Edital do Pregão Eletrônico prevê, em seu item 4.1.1: Esclarecimentos I PERGUNTA 1: O Edital do Pregão Eletrônico prevê, em seu item 4.1.1: 4.1.1 Deverão ser protocolados na ANP, Avenida Rio Branco nº 65, 16º andar, Superintendência de Abastecimento, Centro,

Leia mais

EDITAL PIBID/UFCG Nº 03/2015 SELEÇÃO PÚBLICA DE ALUNOS BOLSISTAS

EDITAL PIBID/UFCG Nº 03/2015 SELEÇÃO PÚBLICA DE ALUNOS BOLSISTAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EDITAL PIBID/UFCG Nº 03/2015 SELEÇÃO

Leia mais

Programa de Certificação da Bioeletricidade

Programa de Certificação da Bioeletricidade Programa de Certificação da Bioeletricidade Iniciativa: Apresentação sobre as Diretrizes Gerais Zilmar José de Souza UNICA Parceria: São Paulo, 26 de janeiro de 2015 1. OBJETIVOS DA INICIATIVA Geração

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

Prefeitura Municipal de Goiatuba. ATA DE REALIZAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 058/ Sessão Nº 001

Prefeitura Municipal de Goiatuba. ATA DE REALIZAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 058/ Sessão Nº 001 1 ATA DE REALIZAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 058/013 - Sessão Nº 001 Processo : 01306070 Objeto Contratação de Empresa Especializa em Fornecimento de Refeições, Marmitex e Pão, destinado a : Manutenção

Leia mais

4 Verificação das curvas de subsídios (Não paralelismo para capitais Regionais < 250 mil)

4 Verificação das curvas de subsídios (Não paralelismo para capitais Regionais < 250 mil) Reunião Fev 2016 ASSUNTOS 1 - Informações gerais sobre o PMCMV Posição sobre o Faixa 1,5 2 Questões operacionais referentes aos contratos 3 Atualização da Tabela de classificação de Municípios 4 Verificação

Leia mais

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C.

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C. ANEXO II CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DAS USINAS HIDRELÉTRICAS INTEGRANTES DO LOTE C O Lote C é composto pelas Usinas Hidrelétricas Garcia, Bracinho, Cedros, Salto e

Leia mais

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo Dezembro 2015 O serviço refere-se ao processo de depósito de valores mobiliários (ativos) na Central Depositária da BM&FBOVESPA, sem que estejam admitidos à negociação em sua plataforma eletrônica. O oferece

Leia mais

Publicada no D.O. de RESOLUÇÃO CONJUNTA SEPLAG/SETRAB Nº 265 DE 17 DE ABRIL DE 2013

Publicada no D.O. de RESOLUÇÃO CONJUNTA SEPLAG/SETRAB Nº 265 DE 17 DE ABRIL DE 2013 Publicada no D.O. de 18.04.2013 RESOLUÇÃO CONJUNTA SEPLAG/SETRAB Nº 265 DE 17 DE ABRIL DE 2013 PROMOVE A INSCRIÇÃO DE ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE GERAÇÃO

Leia mais

Sistemática Convencional x Check List

Sistemática Convencional x Check List 1) Analisa a operação Atualização Crédito Aprovado Proposta contendo as condições de Financiamento: Dados do comprador (CNPJ, endereço, local de instalação,cnae, etc...); CNAE Solicitação de Carta de Finalidade,

Leia mais

CIRCULAR Nº Art. 7º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação.

CIRCULAR Nº Art. 7º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. CIRCULAR Nº 2825 Documento normativo revogado pela Circular 3280, de 09/03/2005. Estabelece, altera e sistematiza os procedimentos cambiais relativos às exportações financiadas. A Diretoria Colegiada do

Leia mais