Trabalho, técnica e cultura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho, técnica e cultura"

Transcrição

1 Trabalho, técnica e cultura Não há qualquer actividade humana, seja ela prática, pragmática ou mesmo teórica pura, que não tenha necessariamente uma dimensão física. O trabalho intelectual é propriamente trabalho, isto é, implica o uso de energia em seu sentido físico fundacional. Implica degradação de energia, em certo sentido, de modo a, noutro nível e sentido, proporcionar ou poder proporcionar uma re-gradação positiva da energia na forma de uma melhor organização do mundo, mormente do mundo humano. Tudo isto é trabalho, tudo necessita da técnica apropriada para que sequer possa ocorrer, melhor ou pior, conforme a qualidade da técnica empregue. Mas, se bem que não possa haver trabalho e técnica em seus sentidos humanos sem esta dimensão física, tal dimensão, servindo de condição basal necessária, incontornável, não resume tudo o que «trabalho» e «técnica» são enquanto coisas propriamente humanas. O trabalho, como realidade puramente física, dispensa a realidade humana: poderia nunca ter havido realidade humana alguma e a realidade física trabalho permaneceria o que sempre foi sem a existência de entidades humanas. Por outro lado, do ponto de vista estritamente físico, a entidade humana é um objecto físico e apenas físico como qualquer outro: um corpo em queda com forma física humana e massa a ela adequada tanto cai de forma física normalíssima se for propriamente um corpo humano (isto é, vivo), como se for um cadáver, como se for um boneco com características físicas exactamente homólogas. A pura física ignora o próprio específico do ser humano enquanto tal. Já a técnica, enquanto tal na sua especificidade própria irredutível, tendo uma necessária dimensão física, é algo de absolutamente dependente

2 do ser humano. Quando se fala de técnica em outros ambientes, está a usarse uma analogia, que será válida apenas se for tomada analogicamente, inválida se for autonomizada: as formigas não possuem técnica nós é que chamamos técnica a procedimentos das formigas que nós interpretamos analogamente. A técnica das formigas é constituída por procedimentos lógicos naturais independentes das formigas: não foram elas que os criaram do mesmo modo que Volta criou a pilha (As analogias com o próprio dos seres humanos em ciência podem ser epistemologicamente muito perigosas e são sempre antropocêntricas ) Ora, porque possuem a mesma origem profunda, «trabalho humano» e «técnica» são ambos criações do ser humano, da «humanidade», se quisermos entrar em metáforas epistemologicamente perigosas. Trabalho e técnica são criações de seres humanos que imediatamente contribuem quer para a realidade desses seres humanos quer para a realidade de todos os seres humanos presentes e futuros que de tal criação vão poder usufruir e realmente vão usufruir. Aquilo a que habitualmente chamamos «cultura» em seu sentido mais lato refere-se a toda a produção e criação feita pelos seres humanos desde que existem: é mesmo esta evidência cultural, isto é, da existência destes produtos, que até nós chegaram como monumentos (em seu sentido histórico de objectos físicos), que permite inferir que em certo lugar estiveram presentes seres humanos e não outros quaisquer, pois apenas os seres humanos produzem este tipo de monumentos. Podemos, agora, perceber que isso a que chamamos cultura é, então, todo o produto do trabalho humano, em que a técnica tem um papel sempre fundamental. Mas, neste mesmo sentido, podemos também perceber que, a partir destes achados, é indiscernível o que é trabalho e técnica humana e o que é o próprio ser humano como agente de tal produção.

3 Em termos culturais, o ser humano é indiscernível da cultura que produz, logo, é indiscernível do trabalho que faz e da técnica que nele usa. No que é a sua pura interioridade de sentido, há mais ser humano do que o seu trabalho, do que o trabalho que realiza, mesmo aquele que acontece como movimento próprio interno de seu corpo, cérebro incluído, pois não pode haver confusão possível entre o cérebro e sua física e química em acto e o sentido que tal acto consegue criar, mas, em termos culturais, políticos, isto é, de inter-acção, o ser humano é o trabalho que de si transparece, que de si se transcende. Isto carrega consigo uma grande dignidade antropológica, porque imediatamente, como Platão percebeu, relaciona de forma necessária todos os seres humanos com todos os seres humanos e a possibilidade de bem de todos fica, assim, absolutamente co-implicada. Mas também carrega grandes perigos, pois, o que é a escravatura, antiga ou contemporânea, senão a redução do ser humano à sua dimensão de trabalho, de trabalhador, de produtor, sem mais? O mesmo instrumento antropológico de possibilidade de nossa libertação é também aquele que permite a nossa servidão, se mal usado. Como se pode perceber, a partir de uma interpretação não mítica do relato bíblico da expulsão de Adão e Eva do paraíso, o trabalho possui ambas as facetas de possível libertação e de possível condenação. O paraíso representava o estado em que os seres humanos não precisavam de trabalhar, em sentido propriamente humano, isto é, não precisavam de fazer mais do que deixar que o trabalho físico decorresse e dele tudo lhes provinha, sem esforço: é uma condição puramente natural, não há cultura, não há técnica, não há trabalho humano, porque é totalmente desnecessário. É uma condição próximo-angélica. O trabalho humano, a técnica, a cultura nascem quando o ser humano é privado da condição natural de integrado no movimento e trabalho puramente naturais e vai ter de

4 produzir, de criar os seus mesmos meios de sustento, a técnica, e de o fazer por meio de um esforço próprio: o trabalho humano. Mas o que parece ser difícil de entender é que, neste mesmo momento, o ser humano adquire a possibilidade e os meios da sua liberdade, já não como algo de natural, mas como algo de autoral, de verdadeiramente próprio. O preço desta propriedade auto-litúrgica fundamental é o «suor do rosto», símbolo do esforço que todo o trabalho humano implica. Mas é o preço da mesma possibilidade de autonomia. Trabalho e técnica são, assim, os meios incarnados próprios de uma condição não-paradisíaca, em que o que o ser humano é se deve ao seu labor, não a qualquer permanente dom, próprio de uma outra condição, essa celestial, legítima apenas se imediatamente decorrente de um acto de absoluta amizade entre Criador e criatura e em que a criatura vive ainda da vida do Criador, directamente; ou se decorre de um merecimento próprio, caso da recompensa em bem final pelo bem medial do trabalho de uma vida, ou de um acto de perdão, acto que transcende toda a economia dos terrenos trabalho e técnica, mesmo da terrena cultura, sendo, aliás, em sua mesma transcendência absoluta, o possível acto fundador de toda a cultura e trabalho, pois é o acto que lembra ser possível a abolição de tudo o que, no mundo, funciona como entrópico, como degradação de energia, de que o pecado é a versão antropológica perfeita em sua mesma imperfeição absoluta. Trabalho e técnica são, assim, o modo, único, que o ser humano tem ao seu dispor para se construir ou reconstruir segundo o modo do movimento, do tempo, da vida que se encaminha para uma morte certa e sem apelo. Mas o acto e o tempo mediais reclamam o ser humano, mortal e, assim, absolutamente único e precisos, como poeta de si próprio, autor sempre imperfeito da sua possível perfeição como imperfeito. O trabalho é sempre uma tarefa de Sísifo. Mas não é uma tarefa absurda como não é

5 absurdo o Sísifo que, tendo de fazer o que tem de fazer e não podendo ou querendo morrer imediatamente, seja perfeito no que faz, pois o que faz é o que pode fazer do modo melhor para ser perfeito. Mas perfeito na sua imperfeição? É que todo o bem realizado no seu melhor possível é perfeito enquanto tal. A grandeza humana no seio da entropia não apenas física, mas também metafísica simbolizada pela saída do paraíso, reside na possibilidade e realidade se realizada a possibilidade de construir uma perfeição relativa, tão preciosa em sua finitude e imperfeição quanto a infinita em sua infinitude e imperfeição. Janeiro de 2016 Américo Pereira

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO Questão Problema: O conhecimento alcança-se através da razão ou da experiência? (ver página 50) Tipos de conhecimento acordo a sua origem Tipos de juízo de acordo com

Leia mais

Descartando Descartes

Descartando Descartes Descartando Descartes Este livro foi criado com o proposito de ser independente e de ser, pessoalmente, o meu primeiro trabalho como escritor. Isaac Jansen - 2015 Quem foi René Descartes? Dono da razão,

Leia mais

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz Asociedade depende fundamentalmente da linguagem. O que é a linguagem, porém?

Leia mais

O corpo físico é mau e inferior à alma?

O corpo físico é mau e inferior à alma? O corpo físico é mau e inferior à alma? Compreendendo a natureza humana por Paulo Sérgio de Araújo INTRODUÇÃO Conforme a teoria das idéias (ou teoria das formas ) do filósofo grego Platão (428-347 a.c.),

Leia mais

Aristóteles. (384 a.c 347 a.c)

Aristóteles. (384 a.c 347 a.c) Aristóteles (384 a.c 347 a.c) Trajetória histórica Nasce em Estagira império macedônio Encontro com Platão academia aos 17 anos (fica 20 anos) Preceptor de Alexandre Muito estudo biblioteca e investigação

Leia mais

ECONOMIA AMBIENTAL. Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade. Jeferson Alberto de Lima

ECONOMIA AMBIENTAL. Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade. Jeferson Alberto de Lima ECONOMIA AMBIENTAL Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade Jeferson Alberto de Lima CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Hans Kelsen em sua obra Teoria Pura do Direito : I. Define a Teoria Pura do Direito como uma teoria do Direito positivo

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo Intervenção do Deputado Sérgio Ferreira no período legislativo de Novembro de 2006. Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo Mais milhão,

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

A importância da família

A importância da família 1436 A importância da família < الربتغايلة > Por: Sheikh Aminuddin Mohamad أمني ادلين حممد مراجعة: الشيخ/محمد إبراهيم فقير 1 A importância da família O Isslam tem a sua forma única e equilibrada para a

Leia mais

DATA WIRES. Figura 1 O mesmo bloco motor com o data hub fechado e aberto

DATA WIRES. Figura 1 O mesmo bloco motor com o data hub fechado e aberto DATA WIRES Com a excepção do bloco de espera (wait block), todos os blocos de programação podem usar fios de dados (data wires) e alguns blocos requerem o uso de fios de dados. Trabalhar com os fios de

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

ROBUSTEZ, ERGONOMIA, Desde 1958 FIABILIDADE. e mais. Unidades, cadeiras e carros dentários

ROBUSTEZ, ERGONOMIA, Desde 1958 FIABILIDADE. e mais. Unidades, cadeiras e carros dentários ROBUSTEZ, ERGONOMIA, Desde 1958 FIABILIDADE. e mais Unidades, cadeiras e carros dentários BENVINDO AO MUNDO ANCAR Bem-vindo ao mundo do trabalho feito com prazer e a uma empresa que, desde 1958, cresceu

Leia mais

O Âmago do Evangelho. A justificação é o âmago do Evangelho?

O Âmago do Evangelho. A justificação é o âmago do Evangelho? O Âmago do Evangelho A justificação é o âmago do Evangelho? Introdução Qual é o centro do Evangelho? Muitos vão dizer que a justificação é a base do Evangelho, pois sem justificação não poderíamos nos

Leia mais

Metafísica & Política

Metafísica & Política Aristóteles (384-322 a.c.) Metafísica & Política "0 homem que é tomado da perplexidade e admiração julga-se ignorante." (Metafisica, 982 b 13-18). Metafísica No conjunto de obras denominado Metafísica,

Leia mais

Deus. Coisas físicas Nº1

Deus. Coisas físicas Nº1 A ESSÊNCIA DE TUDO, A Santidade, Retidão e Justiça de Nº1 Deus Deus é diferente de todos os outros seres. Só Ele é infinito e não criado. Todos os demais são finitos e criados. O termo bíblico para essa

Leia mais

Postfacio: E agora? Maria Emília Brederode Santos

Postfacio: E agora? Maria Emília Brederode Santos Postfacio: E agora? Maria Emília Brederode Santos Este Congresso teve certamente resultados muito positivos: questionaram-se lugares comuns, consensos equívocos, ilusões quanto à bondade intrínseca de

Leia mais

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa.

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa. O ESPAÇO GEOGRÁFICO As sociedades humanas desenvolvem, durante sua história, modos próprios de vida. Estes decorreram da combinação de formas de subsistência material - com culturas diversas -, de diferentes

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA Perfeição: entre a gradação e a completude Aylton Fernando Andrade 1 fs_nandodrummer@hotmail.com O tema da concepção de perfeição é debatido

Leia mais

Notas de Aula. Laboratório de Sistemas Digitais

Notas de Aula. Laboratório de Sistemas Digitais Notas de Aula Laboratório de Sistemas Digitais Sumário 1.Introdução...1 2.Tensão, Corrente, Resistência e LEDs...1 3.Protoboards...4 1 1. Introdução Esta apostila possui o conteúdo relacionado aos conceitos

Leia mais

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 1 ESTATÍSTICA Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Estatística descritiva : o objectivo é sintetizar e representar de uma forma

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO. Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO. Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais PROJECTO DE RESOLUÇÃO Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exmo. Sr. Presidente do Governo Exma. Sra. e

Leia mais

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo.

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. FILOSOFIA MODERNA Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. Período histórico: Idade Moderna (século XV a XVIII). Transformações que podemos destacar: A passagem do feudalismo para o capitalismo

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Formadora - Magda Sousa MÓDULO 1 NORMATIVOS LEGAIS OBJECTIVO Interpretar e aplicar a legislação, regulamentos

Leia mais

Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje

Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje Como vive e pensa o jovem que chega à Universidade Estrutura da Exposição I ANÁLISE FENOMENOLÓGICA DA

Leia mais

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Princípios Gerais Artigo 1º Funções O Provedor do Cliente é um órgão independente da APAVT, que tem por função principal a defesa e promoção dos direitos e interesses legítimos

Leia mais

A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega.

A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega. A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega. Colégio Cenecista Dr. José ferreira Professor Uilson Fernandes Fevereiro de 2016 A forma como os filósofos clássicos definem

Leia mais

A vida passa num instante...

A vida passa num instante... QUALIDADE DE VIDA Dr. Euler Ribeiro 26/05/2013 A vida passa num instante... O HOMEM E O TRABALHO O trabalho possui inegável espaço na existência humana, constituindo o principal regulador da organização

Leia mais

Invalidade do ato administrativo

Invalidade do ato administrativo Invalidade do ato administrativo» Validade: aptidão do ato para produzir os efeitos a que tende em consequência da sua conformidade com as normas que o regulam» Validade depende da legitimidade: conformidade

Leia mais

CONTRIBUTO E PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À LEI DO CINEMA PELA ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES DE CINEMA

CONTRIBUTO E PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À LEI DO CINEMA PELA ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES DE CINEMA NOTA PRÉVIA ESTE CONTRIBUTO DA APC É COMPLEMENTAR DO QUE ESTA ASSOCIAÇÃO SUBSCREVEU EM CONJUNTO COM OUTRAS ASSOCIAÇÕES E NÃO SE TRATA DE UMA PROPOSTA DE LEI NOVA MAS SIM UMA ANÁLISE À PROPOSTA DE LEI DA

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO PROVA 715/C/11 Págs. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias Duração da prova: 120

Leia mais

Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa.

Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa. Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa. 1. Hipnose é causada pelo poder do hipnotizador Naturalmente o hipnotizador deve ter o devido conhecimento e a força mental

Leia mais

Notas para reflexão sobre a Economia de Moçambique. Carlos Nuno Castel-Branco Machava,

Notas para reflexão sobre a Economia de Moçambique. Carlos Nuno Castel-Branco Machava, Notas para reflexão sobre a Economia de Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco Machava, 27-01-2007 Estrutura da Apresentação Uma nota introdutória Uma questão de método Sobre a neutralidade da taxa de crescimento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º./XIII/1.ª RECONHECE O DIREITO A 25 DIAS DE FÉRIAS NO SETOR PRIVADO

PROJETO DE LEI N.º./XIII/1.ª RECONHECE O DIREITO A 25 DIAS DE FÉRIAS NO SETOR PRIVADO Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º./XIII/1.ª RECONHECE O DIREITO A 25 DIAS DE FÉRIAS NO SETOR PRIVADO Exposição de motivos O direito a férias está consagrado no artigo 59.º, n.º 1, al. d) da Constituição

Leia mais

Seminário 1 O mundo de Sofia - Aristóteles

Seminário 1 O mundo de Sofia - Aristóteles Seminário 1 O mundo de Sofia - Aristóteles Leonardo Mendes Padilha Alex Campolina Marcelo Melo Flávio Gonçalves Jacqueline Pawlowsk Gerson Freitas Wellington Souza Fernanda Modesto Departamento de Organização

Leia mais

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana.

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana. 1 Antropologia, a Ciência do homem A ciência - antropologia divide-se em dois campos: 1) Antropologia Física - Refere-se à forma Física do Homem (biologia humana); 2) Antropologia Social - Comportamento

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE. 40 audiências gerais

NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE. 40 audiências gerais NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE 40 audiências gerais CRISTO FALA DO CORAÇÃO HUMANO Mateus 5, 27-28 CRISTO FALA DO CORAÇÃO HUMANO O "coração" é esta dimensão da humanidade,

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S Ética e Moral EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S 2009/2010 Valores No mundo contemporâneo o Homem já não segue valores modelos mas cria os seus próprios valores em função

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

Osho. Tantra: Espiritualidade e Sexo.

Osho. Tantra: Espiritualidade e Sexo. Osho Tantra: Espiritualidade e Sexo www.pgem.hpg.com.br SUMÁRIO Introdução... 7 Tantra e Ioga... 8 Técnicas de Meditação: O Amor Tântrico... 21 O Total Deixar Acontecer no Sexo... 30 A Espiritualidade

Leia mais

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano Módulo de Princípios Básicos de Contagem Combinação Segundo ano Combinação 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Numa sala há 6 pessoas e cada uma cumprimenta todas as outras pessoas com um único aperto

Leia mais

ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade ÁLGEBRA BOOLEANA E LÓGICA DIGITAL AULA 04 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores

Leia mais

POWER LINE COMMUNICATION: A rede na tomada

POWER LINE COMMUNICATION: A rede na tomada INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL - IFRS CÂMPUS PORTO ALEGRE CURSO REDES DE COMPUTADORES ELETRICIDADE APLICADA PROFESSOR: SÉRGIO MITTMANN DOS SANTOS POWER LINE COMMUNICATION:

Leia mais

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação

Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Agrupamento de Escolas Terras de Larus Escola Básica 2,3 da Cruz de Pau Ciências Naturais 8º Ano Ficha de Avaliação Nome: n.º Turma: Data: Classificação: Prof: Enc. Edu. 1. As figuras seguintes ilustram

Leia mais

Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P.

Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P. Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P. A Conquista da Liderança Profª. Drª. Maria Aparecida Rhein Schirato Rhein-Schirato Associados A organização social é a vitória da civilização sobre a barbárie. Ambas

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação 2014 Roteiro Revisão Matemática Função matemática, função

Leia mais

O INÍCIO DA TRISTEZA DO HOMEM

O INÍCIO DA TRISTEZA DO HOMEM Bíblia para crianças apresenta O INÍCIO DA TRISTEZA DO HOMEM Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Byron Unger; Lazarus Adaptado por: M. Maillot; Tammy S. O texto bíblico desta história é extraído ou

Leia mais

Desenvolvimento definição

Desenvolvimento definição Desenvolvimento definição O termo situação de foi criado para retratar a de um país, dentro dos moldes capitalistas. Países desenvolvidos são também chamados de: ; ; ; Fatores do Desenvolvimento Crescimento

Leia mais

O Plano de Deus para Salvação, 2ª Parte

O Plano de Deus para Salvação, 2ª Parte A ESSÊNCIA DE TUDO, Nº6 O Plano de Deus para Salvação, 2ª Parte Em A Essência de Tudo, Nº5: O Plano de Deus para Salvação, 1ª Parte, vimos quatro conceitos que ilustram como funciona o plano de Deus para

Leia mais

A filosofia de Espinosa

A filosofia de Espinosa A filosofia de Espinosa Para tratar de qualquer âmbito da filosofia de Espinosa, é necessário de antemão compreender a imagem de Deus feita pelo filósofo, bem como a importância d Ele para sua filosofia.

Leia mais

2.1 - SISTEMA ECONÔMICO

2.1 - SISTEMA ECONÔMICO Sistemas Econômicos 2.1 - SISTEMA ECONÔMICO Um sistema econômico pode ser definido como a forma na qual uma sociedade está organizada em termos políticos, econômicos e sociais para desenvolver as atividades

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus?

Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus? A ESSÊNCIA DE TUDO, O Que Significa Ser Feito à Imagem de Deus? Nº3 Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus? Em Gênesis 1:26 27 (ESV), a Bíblia diz: E disse Deus: Façamos

Leia mais

O Diário de Minha Mãe

O Diário de Minha Mãe O Diário de Minha Mãe Lúcifer não é satanás: a verdadeira origem do mal O Que a Bíblia Diz? Quem é "Lúcifer"? O nome Lúcifer é frequentemente aplicado a Satanás, mas não há base bíblica para esta ideia.

Leia mais

Ideias [COMPROVADAS] Ensina Passo a Passo Como Começar A Ganhar Dinheiro Na Internet!

Ideias [COMPROVADAS] Ensina Passo a Passo Como Começar A Ganhar Dinheiro Na Internet! 2016-6 Ideias [COMPROVADAS] Ensina Passo a Passo Como Começar A Ganhar Dinheiro Na Internet! www.maisdinheiroesaude.com Tenha Tempo Para A Sua Família, Com Paz, Segurança & Estabilidade Usando O Poder

Leia mais

SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde

SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Situações de perigo SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde As situações de perigo para a criança ou o jovem encontram-se tipificadas no n.º 2 do art. 3.º da Lei 147/99: a) Estar

Leia mais

Descartes. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31)

Descartes. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) Descartes René Descartes ou Cartesius (1596-1650) Naceu em La Haye, França Estudou no colégio jesuíta de La Flèche Ingressa na carreira militar Estabeleceu contato com Blayse Pascal Pai da filosofia moderna

Leia mais

* O que originou a designação Operational Research no Reino Unido, A origem da Investigação Operacional (IO)?

* O que originou a designação Operational Research no Reino Unido, A origem da Investigação Operacional (IO)? A origem da Investigação Operacional (IO)? A IO surgiu no final da II Guerra Mundial quando os Aliados se viram confrontados com problemas (relativamente aos recursos logísticos e às operações* das forças

Leia mais

A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E POLÍTICAS DE FORMAÇÃO

A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E POLÍTICAS DE FORMAÇÃO A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E POLÍTICAS DE FORMAÇÃO Profa. Dra. Denise Maria de Carvalho Lopes UFRN Centro de Educação PPGEd/Curso de Pedagogia Fortaleza, abril de 2014. Docência na Educação Infantil

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Pró-Reitoria de Pesquisa Núcleo de Inovação Tecnológica DIREITO AUTORAL

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Pró-Reitoria de Pesquisa Núcleo de Inovação Tecnológica DIREITO AUTORAL DIREITO AUTORAL O direito autoral é um conjunto de prerrogativas conferidas pela lei nº. 9610/98 à pessoa física ou jurídica criadora da obra intelectual, para que ela possa gozar dos benefícios morais

Leia mais

UNIÃO ESTE BRASILEIRA. Associação Ministerial

UNIÃO ESTE BRASILEIRA. Associação Ministerial UNIÃO ESTE BRASILEIRA Associação Ministerial Comentários sobre a Música Comentários sobre a Música Pr. Graciliano Martins Percepção Humana da Música A música é percebida pelo tálamo, estação de transmissão

Leia mais

JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY

JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY Trabalho de Graduação apresentado ao Curso de Filosofia, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná.

Leia mais

DEVOLUTIVA DA CONSULTA PÚBLICA SETEMBRO 2014

DEVOLUTIVA DA CONSULTA PÚBLICA SETEMBRO 2014 DEVOLUTIVA DA CONSULTA PÚBLICA SETEMBRO 2014 PRINCÍPIO 7 PADROES DE CERTIFICAÇÃO LIFE Instituto LIFE 2014 Todos os direitos reservados. Apenas documentos disponíveis no website do Instituto LIFE podem

Leia mais

Partilha de Recursos. Através da Plataforma DropBox

Partilha de Recursos. Através da Plataforma DropBox Partilha de Recursos Através da Plataforma DropBox Autor: Fernando Rui Campos Licenciamento: Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal Versão 1.0 9 Janeiro 2011 Página 1 de 10 Introdução

Leia mais

1. Verificar a Validade de silogismos: - Em cada caso identifique os termos, as figuras e os modos.

1. Verificar a Validade de silogismos: - Em cada caso identifique os termos, as figuras e os modos. 1 Exercícios de Lógica: 1. Verificar a Validade de silogismos: - Em cada caso identifique os termos, as figuras e os modos. 1.a Nenhum palhaço é feliz Alguns comediantes não são felizes Alguns comediantes

Leia mais

Páscoa: carne da misericórdia

Páscoa: carne da misericórdia Páscoa: carne da misericórdia O tempo pascal mostra incontrovertivelmente que para se poder ser cristão, isto é, digno seguidor de Cristo, não se pode ser cobarde. Não por causa das pobres emoções de nível

Leia mais

Caridade ou a graça de fazer o bem

Caridade ou a graça de fazer o bem Caridade ou a graça de fazer o bem Partindo de seu acto de voluntária fraqueza tem a humanidade, não apenas a cristã, de muitas formas, escolhido como seu deus o mal e como sua liturgia a maldade. Se bem

Leia mais

O HOMEM AGENTE CULTURAL

O HOMEM AGENTE CULTURAL CAPÍTULO 10 O HOMEM AGENTE CULTURAL Fonte: www.afam.com.br/img/jpg/livros-cultural.jpg "O homo culturalis representa a dimensão cultural do próprio homem em sua produção geral, ou seja, a cultura implica

Leia mais

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Fabiana Chinalia Professora de Metodologia para o Ensino de Ciências Naturais e Meio Ambiente Data: 05 e 06/04/2011 Descobertas sociocientíficas

Leia mais

PALAVRA & VIDA 4º TRIMESTRE/2016

PALAVRA & VIDA 4º TRIMESTRE/2016 LIÇÃO 11 A SEGUNDA VIAGEM DE PAULO ENCONTROS DIVINOS Textos Bíblicos: Atos 15:36 a 18:22 Objetivos: - Apresentar cinco encontros divinos que marcaram a segunda viagem missionaria. - Aprender que a desavença

Leia mais

O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea.

O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea. O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea. Professor: Danilo Borges A Idade Média não alterou substancialmente

Leia mais

CONVÍVIO DE MINI-HÓQUEI EM PATINS REGULAMENTO. Setembro 2016 DTN Luis Sénica

CONVÍVIO DE MINI-HÓQUEI EM PATINS REGULAMENTO. Setembro 2016 DTN Luis Sénica CONVÍVIO DE MINI-HÓQUEI EM PATINS REGULAMENTO Setembro 2016 DTN Luis Sénica 1. INTRODUÇÃO O principal objetivo do Mini HP é permitir a crianças de ambos os sexos a sua primeira experiência no Hóquei em

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2,

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2, AV1 - MA 11-01 Questão 1. Prove que se a, b, c e d são números racionais tais que a + b 3 = c + d 3 então a = c e b = d. A igualdade a + b 3 = c + d 3 implica que (a c) = (d b) 3. Suponha que tenhamos

Leia mais

UMA POLÍTICA DE LÍNGUA PARA O PORTUGUÊS * INTRODUÇÃO

UMA POLÍTICA DE LÍNGUA PARA O PORTUGUÊS * INTRODUÇÃO 1 UMA POLÍTICA DE LÍNGUA PARA O PORTUGUÊS * INTRODUÇÃO A inexistência de uma política de língua é uma afirmação que ouvimos a especialistas e professores, aos que trabalham sobre a língua portuguesa em

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES SARTRE (UFU) Liberdade, para Jean-Paul Sartre (1905-1980), seria assim definida: A) o estar sob o jugo do todo para agir em conformidade consigo mesmo, instaurando

Leia mais

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Multidisciplinaridade: é a organização de conteúdos mais tradicional. Os conteúdos escolares são apresentados por matérias independentes umas das outras.

Leia mais

Inteligência Computacional

Inteligência Computacional Inteligência Computacional INTRODUÇÃO ÀS REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros Na Aula Passada... O que é uma

Leia mais

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos Prof.:

Leia mais

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior Regulamento Interno PASS Considerando a necessidade de regulamentar a resposta social, Programa de Acompanhamento (PASS), elaborou-se o presente regulamento com a finalidade de definir linhas orientadoras.

Leia mais

Fechando as teorias clássicas americanas: Teoria da Informação

Fechando as teorias clássicas americanas: Teoria da Informação Fechando as teorias clássicas americanas: Teoria da Informação A Teoria da Informação (Teoria Matemática da Comunicação) é uma das vertentes que estudam a Comunicação de maneira mecanicista, ou seja, como

Leia mais

Como Criar Seu Primeiro Negócio 100% Digital

Como Criar Seu Primeiro Negócio 100% Digital 1 2 Por Tiago Bastos Como Criar Seu Primeiro Negócio 100% Digital Por Tiago Bastos Declaração De Ganhos Com O Uso De Nossos Produtos A empresa Seu Primeiro Negócio Digital" não pode fazer garantias sobre

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo. Divisão Euclidiana

MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo. Divisão Euclidiana MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo Divisão Euclidiana Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material

Leia mais

indivíduoeasociedade decidem (escolhem) empregar recursos produtivos escassos na produção de bens e e grupos da sociedade, a fim de satisfazer as

indivíduoeasociedade decidem (escolhem) empregar recursos produtivos escassos na produção de bens e e grupos da sociedade, a fim de satisfazer as Economia é a ciência social que estuda como o indivíduoeasociedade decidem (escolhem) empregar recursos produtivos escassos na produção de bens e serviços, de modo adistribuí-los ib entre as várias pessoas

Leia mais

Por todo o Estado, com todos os mineiros.

Por todo o Estado, com todos os mineiros. Por todo o Estado, com todos os mineiros. Fóruns Regionais: a voz de Minas Gerais São espaços que vão reunir a sociedade civil e representantes dos governos estadual e municipal para apontar e debater,

Leia mais

GrupoFercar. Um grupo de referência

GrupoFercar. Um grupo de referência GrupoFercar Um grupo de referência Com 30 anos de experiência, know how e talento, o Grupo Fercar tornou-se uma referência capaz de providenciar uma vasta gama de produtos e serviços, dos quais se destacam

Leia mais

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador Acção Espaço Tempo Personagem Narrador A acção é constituída por sequências narrativas (acontecimentos) provocadas ou experimentadas pelas personagens, que se situam num espaço e decorrem num tempo, mais

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Circuitos Lógicos Sequenciais (Parte

Leia mais

Composição Química das Células: Água

Composição Química das Células: Água A Química da Vida Composição Química das Células: Água As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição cerca de 75/85% de água. Ou seja, cerca de 80% do corpo de um

Leia mais

Olimpíadas Portuguesas de Matemática

Olimpíadas Portuguesas de Matemática Justifica convenientemente as tuas respostas e indica os principais cálculos. Não é permitido o uso de calculadoras. Duração: 2 horas 1. A mãe da Ana Margarida vende doces e pediu-lhe que embrulhasse 2003

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais APPACDM de Braga 2010 Tendo como pano de fundo a Convenção aprovada pelos Estados membros da ONU sobre os Direitos das Pessoas

Leia mais

Gosta de acompanhar os rumos das linguagens de programação? Então não fique de fora dessa! Descubra o que é o HTML 5!

Gosta de acompanhar os rumos das linguagens de programação? Então não fique de fora dessa! Descubra o que é o HTML 5! O que é HTML 5? Gosta de acompanhar os rumos das linguagens de programação? Então não fique de fora dessa! Descubra o que é o HTML 5! Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/navegador/2254-o-que-e-html-5-.htm#ixzz2xyr1tlam

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO. Preâmbulo

CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO. Preâmbulo CARTA INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO DESPORTO DA UNESCO Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, reunida em Paris, na sua 20ª sessão,

Leia mais

ESPERANÇA. porque não te queres matar?», p PESSOA Fernando, Poesias de Álvaro de Campos, Lisboa, Ática, 1980, Poema «Se te queres matar,

ESPERANÇA. porque não te queres matar?», p PESSOA Fernando, Poesias de Álvaro de Campos, Lisboa, Ática, 1980, Poema «Se te queres matar, ESPERANÇA «Se te queres matar, porque não te queres matar? Ah, aproveita! Que eu, que tanto amo a morte e a vida, Se ousasse matar-me, também me mataria Ah, se ousares, ousa!». 1 Começamos esta reflexão

Leia mais