Trabalho, técnica e cultura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho, técnica e cultura"

Transcrição

1 Trabalho, técnica e cultura Não há qualquer actividade humana, seja ela prática, pragmática ou mesmo teórica pura, que não tenha necessariamente uma dimensão física. O trabalho intelectual é propriamente trabalho, isto é, implica o uso de energia em seu sentido físico fundacional. Implica degradação de energia, em certo sentido, de modo a, noutro nível e sentido, proporcionar ou poder proporcionar uma re-gradação positiva da energia na forma de uma melhor organização do mundo, mormente do mundo humano. Tudo isto é trabalho, tudo necessita da técnica apropriada para que sequer possa ocorrer, melhor ou pior, conforme a qualidade da técnica empregue. Mas, se bem que não possa haver trabalho e técnica em seus sentidos humanos sem esta dimensão física, tal dimensão, servindo de condição basal necessária, incontornável, não resume tudo o que «trabalho» e «técnica» são enquanto coisas propriamente humanas. O trabalho, como realidade puramente física, dispensa a realidade humana: poderia nunca ter havido realidade humana alguma e a realidade física trabalho permaneceria o que sempre foi sem a existência de entidades humanas. Por outro lado, do ponto de vista estritamente físico, a entidade humana é um objecto físico e apenas físico como qualquer outro: um corpo em queda com forma física humana e massa a ela adequada tanto cai de forma física normalíssima se for propriamente um corpo humano (isto é, vivo), como se for um cadáver, como se for um boneco com características físicas exactamente homólogas. A pura física ignora o próprio específico do ser humano enquanto tal. Já a técnica, enquanto tal na sua especificidade própria irredutível, tendo uma necessária dimensão física, é algo de absolutamente dependente

2 do ser humano. Quando se fala de técnica em outros ambientes, está a usarse uma analogia, que será válida apenas se for tomada analogicamente, inválida se for autonomizada: as formigas não possuem técnica nós é que chamamos técnica a procedimentos das formigas que nós interpretamos analogamente. A técnica das formigas é constituída por procedimentos lógicos naturais independentes das formigas: não foram elas que os criaram do mesmo modo que Volta criou a pilha (As analogias com o próprio dos seres humanos em ciência podem ser epistemologicamente muito perigosas e são sempre antropocêntricas ) Ora, porque possuem a mesma origem profunda, «trabalho humano» e «técnica» são ambos criações do ser humano, da «humanidade», se quisermos entrar em metáforas epistemologicamente perigosas. Trabalho e técnica são criações de seres humanos que imediatamente contribuem quer para a realidade desses seres humanos quer para a realidade de todos os seres humanos presentes e futuros que de tal criação vão poder usufruir e realmente vão usufruir. Aquilo a que habitualmente chamamos «cultura» em seu sentido mais lato refere-se a toda a produção e criação feita pelos seres humanos desde que existem: é mesmo esta evidência cultural, isto é, da existência destes produtos, que até nós chegaram como monumentos (em seu sentido histórico de objectos físicos), que permite inferir que em certo lugar estiveram presentes seres humanos e não outros quaisquer, pois apenas os seres humanos produzem este tipo de monumentos. Podemos, agora, perceber que isso a que chamamos cultura é, então, todo o produto do trabalho humano, em que a técnica tem um papel sempre fundamental. Mas, neste mesmo sentido, podemos também perceber que, a partir destes achados, é indiscernível o que é trabalho e técnica humana e o que é o próprio ser humano como agente de tal produção.

3 Em termos culturais, o ser humano é indiscernível da cultura que produz, logo, é indiscernível do trabalho que faz e da técnica que nele usa. No que é a sua pura interioridade de sentido, há mais ser humano do que o seu trabalho, do que o trabalho que realiza, mesmo aquele que acontece como movimento próprio interno de seu corpo, cérebro incluído, pois não pode haver confusão possível entre o cérebro e sua física e química em acto e o sentido que tal acto consegue criar, mas, em termos culturais, políticos, isto é, de inter-acção, o ser humano é o trabalho que de si transparece, que de si se transcende. Isto carrega consigo uma grande dignidade antropológica, porque imediatamente, como Platão percebeu, relaciona de forma necessária todos os seres humanos com todos os seres humanos e a possibilidade de bem de todos fica, assim, absolutamente co-implicada. Mas também carrega grandes perigos, pois, o que é a escravatura, antiga ou contemporânea, senão a redução do ser humano à sua dimensão de trabalho, de trabalhador, de produtor, sem mais? O mesmo instrumento antropológico de possibilidade de nossa libertação é também aquele que permite a nossa servidão, se mal usado. Como se pode perceber, a partir de uma interpretação não mítica do relato bíblico da expulsão de Adão e Eva do paraíso, o trabalho possui ambas as facetas de possível libertação e de possível condenação. O paraíso representava o estado em que os seres humanos não precisavam de trabalhar, em sentido propriamente humano, isto é, não precisavam de fazer mais do que deixar que o trabalho físico decorresse e dele tudo lhes provinha, sem esforço: é uma condição puramente natural, não há cultura, não há técnica, não há trabalho humano, porque é totalmente desnecessário. É uma condição próximo-angélica. O trabalho humano, a técnica, a cultura nascem quando o ser humano é privado da condição natural de integrado no movimento e trabalho puramente naturais e vai ter de

4 produzir, de criar os seus mesmos meios de sustento, a técnica, e de o fazer por meio de um esforço próprio: o trabalho humano. Mas o que parece ser difícil de entender é que, neste mesmo momento, o ser humano adquire a possibilidade e os meios da sua liberdade, já não como algo de natural, mas como algo de autoral, de verdadeiramente próprio. O preço desta propriedade auto-litúrgica fundamental é o «suor do rosto», símbolo do esforço que todo o trabalho humano implica. Mas é o preço da mesma possibilidade de autonomia. Trabalho e técnica são, assim, os meios incarnados próprios de uma condição não-paradisíaca, em que o que o ser humano é se deve ao seu labor, não a qualquer permanente dom, próprio de uma outra condição, essa celestial, legítima apenas se imediatamente decorrente de um acto de absoluta amizade entre Criador e criatura e em que a criatura vive ainda da vida do Criador, directamente; ou se decorre de um merecimento próprio, caso da recompensa em bem final pelo bem medial do trabalho de uma vida, ou de um acto de perdão, acto que transcende toda a economia dos terrenos trabalho e técnica, mesmo da terrena cultura, sendo, aliás, em sua mesma transcendência absoluta, o possível acto fundador de toda a cultura e trabalho, pois é o acto que lembra ser possível a abolição de tudo o que, no mundo, funciona como entrópico, como degradação de energia, de que o pecado é a versão antropológica perfeita em sua mesma imperfeição absoluta. Trabalho e técnica são, assim, o modo, único, que o ser humano tem ao seu dispor para se construir ou reconstruir segundo o modo do movimento, do tempo, da vida que se encaminha para uma morte certa e sem apelo. Mas o acto e o tempo mediais reclamam o ser humano, mortal e, assim, absolutamente único e precisos, como poeta de si próprio, autor sempre imperfeito da sua possível perfeição como imperfeito. O trabalho é sempre uma tarefa de Sísifo. Mas não é uma tarefa absurda como não é

5 absurdo o Sísifo que, tendo de fazer o que tem de fazer e não podendo ou querendo morrer imediatamente, seja perfeito no que faz, pois o que faz é o que pode fazer do modo melhor para ser perfeito. Mas perfeito na sua imperfeição? É que todo o bem realizado no seu melhor possível é perfeito enquanto tal. A grandeza humana no seio da entropia não apenas física, mas também metafísica simbolizada pela saída do paraíso, reside na possibilidade e realidade se realizada a possibilidade de construir uma perfeição relativa, tão preciosa em sua finitude e imperfeição quanto a infinita em sua infinitude e imperfeição. Janeiro de 2016 Américo Pereira

Descartando Descartes

Descartando Descartes Descartando Descartes Este livro foi criado com o proposito de ser independente e de ser, pessoalmente, o meu primeiro trabalho como escritor. Isaac Jansen - 2015 Quem foi René Descartes? Dono da razão,

Leia mais

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO lugafap@yahoo.com.br jlgabriel.blogspot.com POSITIVISMO JURÍDICO: O NORMATIVISMO DE HANS KELSEN BITTAR e ALMEIDA, Curso de Filosofia do

Leia mais

Lição 9 para 26 de novembro

Lição 9 para 26 de novembro Lição 9 para 26 de novembro Embora não tivesse a Palavra de Deus escrita tal como a conhecemos hoje, Jó tinha suficientes indícios do plano de salvação divina para apegar-se à esperança de um Salvador.

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE PASTORAL DISCIPLINA: EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE PASTORAL DISCIPLINA: EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO 1º PERÍODO UL1 - As origens ÉTICA E MORAL Calendarização - 26 aulas A. Construir uma chave de leitura religiosa Os dados da ciência sobre a origem do Diálogo com os alunos, relacionado da pessoa, da vida

Leia mais

Páscoa: carne da misericórdia

Páscoa: carne da misericórdia Páscoa: carne da misericórdia O tempo pascal mostra incontrovertivelmente que para se poder ser cristão, isto é, digno seguidor de Cristo, não se pode ser cobarde. Não por causa das pobres emoções de nível

Leia mais

TRABALHO, SOCIEDADE E DESIGUALDADES

TRABALHO, SOCIEDADE E DESIGUALDADES TRABALHO, SOCIEDADE E DESIGUALDADES Prof. Francisco E. B. Vargas Instituto de Filosofia, Sociologia e Política Cursos de Ciências Sociais Pelotas, agosto de 2014 O QUE É O TRABALHO? (I) 1. A etimologia:

Leia mais

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO Questão Problema: O conhecimento alcança-se através da razão ou da experiência? (ver página 50) Tipos de conhecimento acordo a sua origem Tipos de juízo de acordo com

Leia mais

Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo!

Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo! Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo! Exercícios de raciocínio lógico-dedutivo a favor de Deus. Primeiramente devemos entender o conceito da dedução lógica, para então, realizarmos o seu exercício.

Leia mais

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea V Congresso Espiritismo O Céu e o Inferno de Platão e Dante à Kardec O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea Agosto de 2015 Claudio C. Conti www.ccconti.com Qual a melhor receita para uma vitamina

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA Perfeição: entre a gradação e a completude Aylton Fernando Andrade 1 fs_nandodrummer@hotmail.com O tema da concepção de perfeição é debatido

Leia mais

O Âmago do Evangelho. A justificação é o âmago do Evangelho?

O Âmago do Evangelho. A justificação é o âmago do Evangelho? O Âmago do Evangelho A justificação é o âmago do Evangelho? Introdução Qual é o centro do Evangelho? Muitos vão dizer que a justificação é a base do Evangelho, pois sem justificação não poderíamos nos

Leia mais

Ser humano como animal simbólico. Fundamentação teórica

Ser humano como animal simbólico. Fundamentação teórica Ser humano como animal simbólico Fundamentação teórica Para casa Baixar o texto Ser humano, um animal simbólico do blog, estudá-lo e trazer as perguntas contidas nele respondidas na próxima aula; Na próxima

Leia mais

Curso de Teologia de Leigos

Curso de Teologia de Leigos Curso de Teologia de Leigos O MISTÉRIO DA CRIAÇÃO; DEUS MANTÉM E SUSTENTA A CRIAÇÃO; DEUS REALIZA O SEU PROJETO: A DIVINA PROVIDÊNCIA; A DIVINA PROVIDÊNCIA E AS CAUSAS SEGUNDAS; A DIVINA PROVIDÊNCIA E

Leia mais

Noções de massa, comum e terra

Noções de massa, comum e terra 1 Noções de massa, comum e terra 2 Common, Earth, Neutral massa common terra earth/ground neutro neutral Confusão de conceitos e símbolos Relacionados, mas diferentes!!! 3 Three phase system Sistema trifásico

Leia mais

ESPIRITUALIDADE O DEVER PARA COM DEUS DO DEVER DO CRISTÃO PARA COM DEUS

ESPIRITUALIDADE O DEVER PARA COM DEUS DO DEVER DO CRISTÃO PARA COM DEUS E5 ESPIRITUALIDADE 2 Só é possível compreender racionalmente o que possa ser algo como o «dever para com Deus» se compreendermos três realidades, as que estão em acto nesta relação, pois de uma relação

Leia mais

Técnica e trabalho como poética antropológica

Técnica e trabalho como poética antropológica Técnica e trabalho como poética antropológica Considerações iniciais Esta reflexão acerca da técnica na sua relação com o trabalho, funcionará segundo uma perspectiva epistemológica em que se privilegia

Leia mais

Caridade ou a graça de fazer o bem

Caridade ou a graça de fazer o bem Caridade ou a graça de fazer o bem Partindo de seu acto de voluntária fraqueza tem a humanidade, não apenas a cristã, de muitas formas, escolhido como seu deus o mal e como sua liturgia a maldade. Se bem

Leia mais

UMA POLÍTICA DE LÍNGUA PARA O PORTUGUÊS * INTRODUÇÃO

UMA POLÍTICA DE LÍNGUA PARA O PORTUGUÊS * INTRODUÇÃO 1 UMA POLÍTICA DE LÍNGUA PARA O PORTUGUÊS * INTRODUÇÃO A inexistência de uma política de língua é uma afirmação que ouvimos a especialistas e professores, aos que trabalham sobre a língua portuguesa em

Leia mais

Sumário. Nota do Editor... xv Introdução: O quarto quadrante do círculo de Álvaro Vieira Pinto... 1

Sumário. Nota do Editor... xv Introdução: O quarto quadrante do círculo de Álvaro Vieira Pinto... 1 Sumário VOLUME I Nota do Editor.................................................. xv Introdução: O quarto quadrante do círculo de Álvaro Vieira Pinto............. 1 Parte Um Análise de algumas noções fundamentais

Leia mais

Que mandais fazer de mim? Que mandais fazer de mim?

Que mandais fazer de mim? Que mandais fazer de mim? Que mandais fazer de mim? 1 / 6 Vontade própria. Eis uma dos maiores tesouros que guardamos conosco. Dificilmente algo nos é tão caro e precioso quanto a possibilidade de decidir por nós mesmos o que fazer,

Leia mais

O corpo físico é mau e inferior à alma?

O corpo físico é mau e inferior à alma? O corpo físico é mau e inferior à alma? Compreendendo a natureza humana por Paulo Sérgio de Araújo INTRODUÇÃO Conforme a teoria das idéias (ou teoria das formas ) do filósofo grego Platão (428-347 a.c.),

Leia mais

A existência de deus. Por: Sheikh Aminuddin Mohamad مراجعة: الشيخ/محمد إبراهيم فقير

A existência de deus. Por: Sheikh Aminuddin Mohamad مراجعة: الشيخ/محمد إبراهيم فقير 1436 A existência de deus < الربتغايلة > Por: Sheikh Aminuddin Mohamad أمني ادلين حممد مراجعة: الشيخ/محمد إبراهيم فقير 1 A existência de deus A existência de Deus é a questão base das religiões, daí que

Leia mais

O CÉU E A TERRA Catequese com adultos Chave de Bronze

O CÉU E A TERRA Catequese com adultos Chave de Bronze O CÉU E A TERRA 07-01-2011 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze O que significa que Deus é omnipotente? Deus revelou-se como «o Forte, o Potente», Aquele para quem «nada é impossível». A sua omnipotência

Leia mais

Deus. Coisas físicas Nº1

Deus. Coisas físicas Nº1 A ESSÊNCIA DE TUDO, A Santidade, Retidão e Justiça de Nº1 Deus Deus é diferente de todos os outros seres. Só Ele é infinito e não criado. Todos os demais são finitos e criados. O termo bíblico para essa

Leia mais

O Plano de Deus para Salvação, 2ª Parte

O Plano de Deus para Salvação, 2ª Parte A ESSÊNCIA DE TUDO, Nº6 O Plano de Deus para Salvação, 2ª Parte Em A Essência de Tudo, Nº5: O Plano de Deus para Salvação, 1ª Parte, vimos quatro conceitos que ilustram como funciona o plano de Deus para

Leia mais

antropologia & cultura

antropologia & cultura antropologia & cultura carlos joão correia estudos africanos filosofia artes & humanidades 2011-2012/2ºsemestre Dopamina Serotonina Acetilcolina Glutamato Opiáceos (ex: endorfinas) Noradrelanina... a presença

Leia mais

O INÍCIO DA TRISTEZA DO HOMEM

O INÍCIO DA TRISTEZA DO HOMEM Bíblia para crianças apresenta O INÍCIO DA TRISTEZA DO HOMEM Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Byron Unger; Lazarus Adaptado por: M. Maillot; Tammy S. O texto bíblico desta história é extraído ou

Leia mais

ESPERANÇA. porque não te queres matar?», p PESSOA Fernando, Poesias de Álvaro de Campos, Lisboa, Ática, 1980, Poema «Se te queres matar,

ESPERANÇA. porque não te queres matar?», p PESSOA Fernando, Poesias de Álvaro de Campos, Lisboa, Ática, 1980, Poema «Se te queres matar, ESPERANÇA «Se te queres matar, porque não te queres matar? Ah, aproveita! Que eu, que tanto amo a morte e a vida, Se ousasse matar-me, também me mataria Ah, se ousares, ousa!». 1 Começamos esta reflexão

Leia mais

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA O ser humano ao longo de sua existência foi construindo um sistema de relação com os demais

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

O Diário de Minha Mãe

O Diário de Minha Mãe O Diário de Minha Mãe Lúcifer não é satanás: a verdadeira origem do mal O Que a Bíblia Diz? Quem é "Lúcifer"? O nome Lúcifer é frequentemente aplicado a Satanás, mas não há base bíblica para esta ideia.

Leia mais

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7)

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) Silêncio: o caminho para Deus Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) 1 / 5 Não há dúvidas: nascemos para Deus e apenas nele podemos encontrar o repouso para nossas almas

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 3 INTRODUÇÃO Este trabalho enfoca o tema epistemologia crítica e foi elaborado segundo a técnica de resumo do texto com

Leia mais

Importância da Água. Biosfera. Hidrosfera. Geosfera. Atmosfera

Importância da Água. Biosfera. Hidrosfera. Geosfera. Atmosfera Importância da Água Hoje em dia deparamo-nos com uma maior desigualdade em relação á distribuição de água, no planeta e em grande parte, devido às acções humanas. Como já vimos. É necessário perceber a

Leia mais

O presente caso prático apresenta as seguintes situações, que importa analisar:

O presente caso prático apresenta as seguintes situações, que importa analisar: Resolução do Caso Prático 20, da Colectânea de casos práticos Direito Administrativo casos práticos, de Fausto de Quadros, Margarida Cabral, João Tiago Silveira e Mafalda Carmona, AAFDL, Lisboa, 2002 (com

Leia mais

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 2, Ano BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 2, Ano BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO 30 BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO Moura Tolledo mouratolledo@bol.com.br Brasília-DF 2006 31 BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

A importância da família

A importância da família 1436 A importância da família < الربتغايلة > Por: Sheikh Aminuddin Mohamad أمني ادلين حممد مراجعة: الشيخ/محمد إبراهيم فقير 1 A importância da família O Isslam tem a sua forma única e equilibrada para a

Leia mais

ECONOMIA AMBIENTAL. Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade. Jeferson Alberto de Lima

ECONOMIA AMBIENTAL. Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade. Jeferson Alberto de Lima ECONOMIA AMBIENTAL Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade Jeferson Alberto de Lima CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo.

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. FILOSOFIA MODERNA Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. Período histórico: Idade Moderna (século XV a XVIII). Transformações que podemos destacar: A passagem do feudalismo para o capitalismo

Leia mais

18 Introdução à. Semântica

18 Introdução à. Semântica 18 Introdução à Semântica 5 Introdução UNIDADE 1: O significado 9 1. Objectivos da Unidade 1 9 1.1. Em busca do sentido 13 1.2. A semiótica 22 1.3. A semântica 30 1.4. A semântica e a cognição UNIDADE

Leia mais

O Capital Crítica da Economia Política. Capítulo 4 Transformação do dinheiro em capital

O Capital Crítica da Economia Política. Capítulo 4 Transformação do dinheiro em capital O Capital Crítica da Economia Política Capítulo 4 Transformação do dinheiro em capital 1 Resumo do capítulo III sobre o dinheiro Na análise do dinheiro, Marx distingue: Funções básicas do dinheiro: medida

Leia mais

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA.

I O regime de incompatibilidades com o exercício da advocacia encontra-se prescrito nos artigos 81º e 82º do EOA. PARECER Nº 32/PP/2016-P SUMÁRIO: Existência ou não de incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de sócio gerente de sociedade comercial cujo objecto é Promoção Imobiliária, Compra e

Leia mais

O Homem é capaz de Deus. Chave da semana

O Homem é capaz de Deus. Chave da semana O Homem é capaz de Deus Chave da semana Catequese com adultos 11-12 Chave de bronze 15-10-2011 DEUS VEM AO ENCONTRO DO HOMEM 22-10-2011 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Quem somos? Revelamo-nos

Leia mais

O resultado final de ambas as alternativas é, claramente, o mesmo: Não há um limite.

O resultado final de ambas as alternativas é, claramente, o mesmo: Não há um limite. O QUE É O INFINITO Apesar de não termos uma ideia de como experimentá-lo totalmente, temos a capacidade de definir o infinito, senão como algo palpável, mas, pelo menos, como uma ideia. De certa maneira,

Leia mais

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ Aviso importante! Esta disciplina é uma propriedade intelectual de uso exclusivo e particular do aluno da Saber e Fé, sendo proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo, exceto em breves citações

Leia mais

PALAVRA & VIDA 4º TRIMESTRE/2016

PALAVRA & VIDA 4º TRIMESTRE/2016 LIÇÃO 11 A SEGUNDA VIAGEM DE PAULO ENCONTROS DIVINOS Textos Bíblicos: Atos 15:36 a 18:22 Objetivos: - Apresentar cinco encontros divinos que marcaram a segunda viagem missionaria. - Aprender que a desavença

Leia mais

Verdades inabaláveis sobre a ressurreição dos salvos

Verdades inabaláveis sobre a ressurreição dos salvos Lição 5 Verdades inabaláveis sobre a ressurreição dos salvos Pr. José Lima IEB Betel Porto Alegre, RS Texto Áureo Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra,

Leia mais

Aterramento, ruído e segurança

Aterramento, ruído e segurança Page 1 of 5 Aterramento, ruído e segurança Informação técnica para usuários de produtos de áudio profissional da Yamaha O aterramento inadequado pode criar risco mortal. Mesmo que não venha a causar perigo,

Leia mais

Atividade de Integração

Atividade de Integração Aula nº: Data: / / Tema: Leis Morais - Lei do Trabalho Atividade de Integração Sugestão para aplicação do conteúdo doutrinário 1 o. Momento: Distribuir em recortes de papel as 12 perguntas e respostas,

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais APPACDM de Braga 2010 Tendo como pano de fundo a Convenção aprovada pelos Estados membros da ONU sobre os Direitos das Pessoas

Leia mais

ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO ACTIVIDADE ECONOMICA / NECESSIDADES E CONSUMO

ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO ACTIVIDADE ECONOMICA / NECESSIDADES E CONSUMO ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO ACTIVIDADE ECONOMICA / NECESSIDADES E CONSUMO Ano lectivo Outubro 2008 I Neste grupo, em cada um dos itens, SELECCIONE a alternativa CORRECTA. É atribuída a cotação zero pontos

Leia mais

O nome do Senhor é Torre Forte; o justo foge para ela e está seguro (Provérbios 18.10)

O nome do Senhor é Torre Forte; o justo foge para ela e está seguro (Provérbios 18.10) Nossa Torre Forte O nome do Senhor é Torre Forte; o justo foge para ela e está seguro (Provérbios 18.10) Introdução O nome do Senhor! Seria difícil começar uma declaração sobre o Refúgio divino de forma

Leia mais

SIM 16/17 T6 Processamento de Sinal e Imagem Médica. Hélder Filipe Pinto de Oliveira

SIM 16/17 T6 Processamento de Sinal e Imagem Médica. Hélder Filipe Pinto de Oliveira SIM 16/17 T6 Processamento de Sinal e Imagem Médica Hélder Filipe Pinto de Oliveira Resumo Sinal e Imagem Médica Sinal Digital Processamento de Sinal Processamento de Imagem Sinal e Imagem na Medicina

Leia mais

Osho. Tantra: Espiritualidade e Sexo.

Osho. Tantra: Espiritualidade e Sexo. Osho Tantra: Espiritualidade e Sexo www.pgem.hpg.com.br SUMÁRIO Introdução... 7 Tantra e Ioga... 8 Técnicas de Meditação: O Amor Tântrico... 21 O Total Deixar Acontecer no Sexo... 30 A Espiritualidade

Leia mais

HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO RISCOS PROFISSIONAIS (recapitular) Qualquer situação de perigo que seja associada a uma actividade profissional, podendo atingir a saúde do trabalhador. O desconhecimento

Leia mais

Nossos filhos se tornaram adultos e tiveram filhos. O nascimento de um neto é evidência de que não somos mais necessários para a perpetuação de

Nossos filhos se tornaram adultos e tiveram filhos. O nascimento de um neto é evidência de que não somos mais necessários para a perpetuação de Dr. Dráusio Varella Nossos filhos se tornaram adultos e tiveram filhos. O nascimento de um neto é evidência de que não somos mais necessários para a perpetuação de nossos genes. Desse momento em diante

Leia mais

Benção da fartura com São Miguel Arcanjo

Benção da fartura com São Miguel Arcanjo Benção da fartura com São Miguel Arcanjo Esta é uma poderosa forma de trazer fartura e abundância para a sua vida com a ajuda de S. Miguel Arcanjo! Envolve carinho e caridade, por isso funciona mesmo!

Leia mais

Poética e política no ensaísmo de Eduardo Lourenço

Poética e política no ensaísmo de Eduardo Lourenço Poética e política no ensaísmo de Eduardo Lourenço Colecção Iberografias Volume 23 Título: Metafísica da Revolução Poética e política no ensaísmo de Eduardo Lourenço Autor: Maria Teresa Filipe Revisão:

Leia mais

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Princípios Gerais Artigo 1º Funções O Provedor do Cliente é um órgão independente da APAVT, que tem por função principal a defesa e promoção dos direitos e interesses legítimos

Leia mais

Carlos Aguiar de Medeiros *

Carlos Aguiar de Medeiros * A recente queda da desigualdade Carlos Aguiar de Medeiros 41 de renda no Brasil: análise de dados da PNAD, do Censo Demográfico e das Contas Nacionais por Rodolfo Hoffman e Marlon Gomes Ney Carlos Aguiar

Leia mais

ROBUSTEZ, ERGONOMIA, Desde 1958 FIABILIDADE. e mais. Unidades, cadeiras e carros dentários

ROBUSTEZ, ERGONOMIA, Desde 1958 FIABILIDADE. e mais. Unidades, cadeiras e carros dentários ROBUSTEZ, ERGONOMIA, Desde 1958 FIABILIDADE. e mais Unidades, cadeiras e carros dentários BENVINDO AO MUNDO ANCAR Bem-vindo ao mundo do trabalho feito com prazer e a uma empresa que, desde 1958, cresceu

Leia mais

Como entender a ação do signo fora do contexto da vida cognitiva?

Como entender a ação do signo fora do contexto da vida cognitiva? Fisio-Semiótica Como entender a ação do signo fora do contexto da vida cognitiva? Peirce: o universo está repleto de signos, se não for composto exclusivamente de signos justifica-se esta concepção tão

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana.

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana. 1 Antropologia, a Ciência do homem A ciência - antropologia divide-se em dois campos: 1) Antropologia Física - Refere-se à forma Física do Homem (biologia humana); 2) Antropologia Social - Comportamento

Leia mais

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz Asociedade depende fundamentalmente da linguagem. O que é a linguagem, porém?

Leia mais

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias TEXTOS SAGRADOS Noções introdutórias A ORIGEM Os Textos Sagrados, via de regra, tiveram uma origem comum: Experiência do sagrado. Oralidade. Pequenos textos. Primeiras redações. Redação definitiva. Organização

Leia mais

2) Cite três conseqüências da desigualdade socioeconômica presente entre os povos nos países em desenvolvimento. (0,8)

2) Cite três conseqüências da desigualdade socioeconômica presente entre os povos nos países em desenvolvimento. (0,8) TEXTO PARA AS QUESTÕES 1 A 4 De acordo com a ONU (2007), a população mundial é de aproximadamente 6,6 bilhões de pessoas. Desse total mais de 5,0 bilhões vivem em nações subdesenvolvidas. Apesar da existência

Leia mais

ATENÇÃO: O bloco de exercício que verá a seguir, é um dos 64 que pertencem ao módulo 1 do Curso de Eletroeletrônica Analógica e Digital.

ATENÇÃO: O bloco de exercício que verá a seguir, é um dos 64 que pertencem ao módulo 1 do Curso de Eletroeletrônica Analógica e Digital. ATENÇÃO: O bloco de exercício que verá a seguir, é um dos 64 que pertencem ao módulo 1 do Curso de Eletroeletrônica Analógica e Digital. A partir dele terá uma idéia de onde o treinamento poderá lhe levar.

Leia mais

- Nos três primeiros dias, Deus foi preparando., para, nos três dias seguintes enchê-los com vida.

- Nos três primeiros dias, Deus foi preparando., para, nos três dias seguintes enchê-los com vida. Gênesis 2:1 a 25 * Como Deus criou o homem? - Nos três primeiros dias, Deus foi preparando o ambiente terreno habitat, para, nos três dias seguintes enchê-los com vida. - Em toda a obra criadora, a Bíblia

Leia mais

Matemática Discreta - 05

Matemática Discreta - 05 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Sociedade. O homem é, por natureza, um animal político Aristóteles.

Sociedade. O homem é, por natureza, um animal político Aristóteles. Sociedade O homem é, por natureza, um animal político Aristóteles. É impossível saber, historicamente, qual foi a primeira sociedade. O Homem vive em sociedade desde sua existência. A sociedade é uma necessidade

Leia mais

A filosofia de Espinosa

A filosofia de Espinosa A filosofia de Espinosa Para tratar de qualquer âmbito da filosofia de Espinosa, é necessário de antemão compreender a imagem de Deus feita pelo filósofo, bem como a importância d Ele para sua filosofia.

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A JANEIRO 2012

FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A JANEIRO 2012 FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A JANEIRO 2012 APSA Nº12 11º Ano de Escolaridade 1- As ondas electromagnéticas são utilizadas nas comunicações a longas distâncias. Porquê? Dê exemplos em que essas

Leia mais

mercados e liberalização Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa

mercados e liberalização Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Regulação económica, mercados e liberalização Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Princípio geral para a actividade económica - funcionamento do mercado (trocas livres e

Leia mais

DATA : Quarta-feira, 29 de Novembro de 1995 NÚMERO : 276/95 SÉRIE I-A. EMISSOR : Ministério do Emprego e da Segurança Social

DATA : Quarta-feira, 29 de Novembro de 1995 NÚMERO : 276/95 SÉRIE I-A. EMISSOR : Ministério do Emprego e da Segurança Social DATA : Quarta-feira, 29 de Novembro de 1995 NÚMERO : 276/95 SÉRIE I-A EMISSOR : Ministério do Emprego e da Segurança Social DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 324/95 SUMÁRIO : Transpõe para a ordem jurídica

Leia mais

ECONOMIA POLÍTICA MATERIAL PREPARADO PARA A DISCIPLINA DE ECONOMIA POLÍTICA, PROFESSORA CAMILA MANDUCA.

ECONOMIA POLÍTICA MATERIAL PREPARADO PARA A DISCIPLINA DE ECONOMIA POLÍTICA, PROFESSORA CAMILA MANDUCA. ECONOMIA POLÍTICA AULA BASEADA NO CAPÍTULO 2 CATEGORIAS DA CRÍTICA DA ECONOMIA POLÍTICA, DO LIVRO ECONOMIA POLÍTICA- UMA INTRODUÇÃO CRÍTICA, DE JOSÉ PAULO NETTO E MARCELO BRAZ MATERIAL PREPARADO PARA A

Leia mais

Projeto de Reconversão: Arquitetura Contemporânea face ao espaço rural. Anexos. Obras de interesse/ casos de Estudo

Projeto de Reconversão: Arquitetura Contemporânea face ao espaço rural. Anexos. Obras de interesse/ casos de Estudo Projeto de Reconversão: Arquitetura Contemporânea face ao espaço rural Anexos. Obras de interesse/ casos de Estudo Dissertação de Mestrado Integrado em Arquitetura realizada por Paulo Miguel Teixeira de

Leia mais

SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO

SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO Objetivo geral do encontro: Ao final deste encontro, o grupo deverá ser capaz de compreender o Matrimônio como uma instituição elevada à categoria de Sacramento por Jesus Cristo,

Leia mais

Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa.

Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa. Entrevista com o Prof. Luiz Carlos Crozera, autor da Hipnose Condicionativa. 1. Hipnose é causada pelo poder do hipnotizador Naturalmente o hipnotizador deve ter o devido conhecimento e a força mental

Leia mais

Intervenção do Ministro da Defesa Nacional. José Pedro Aguiar-Branco. Cerimónia de Assinatura do contrato de subconcessão da

Intervenção do Ministro da Defesa Nacional. José Pedro Aguiar-Branco. Cerimónia de Assinatura do contrato de subconcessão da Intervenção do Ministro da Defesa Nacional José Pedro Aguiar-Branco Cerimónia de Assinatura do contrato de subconcessão da utilização privativa do domínio público e das áreas afetas à concessão dominial

Leia mais

Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A I Conteúdo: - Encontros vocálicos - Formação de palavras simples - Quadro de arte - pintura 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

AGOSTINHO O FILÓSOFO

AGOSTINHO O FILÓSOFO Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz AGOSTINHO O FILÓSOFO ENTRE O BEM E O MAL OU SE CORRER, O BICHO PEGA; SE FICAR, O BICHO COME. Santo Agostinho no detalhe

Leia mais

A MICROECONOMIA estuda como os preços podem harmonizar a OFERTA e a DEMANDA, gerando equilíbrio.

A MICROECONOMIA estuda como os preços podem harmonizar a OFERTA e a DEMANDA, gerando equilíbrio. Microeconomia A MICROECONOMIA estuda como os preços podem harmonizar a OFERTA e a DEMANDA, gerando equilíbrio. É responsável pela análise de formação de preços no mercado, ou melhor, como a empresa e o

Leia mais

Lei n.º 2/92. De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º - Objecto. ARTIGO 2º - Modalidade

Lei n.º 2/92. De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º - Objecto. ARTIGO 2º - Modalidade Lei n.º 2/92 De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º - Objecto A presente lei estabelece as condições de atribuição, aquisição, perda e requisição da Nacionalidade Guineense. ARTIGO 2º

Leia mais

Contando o Infinito: os Números Cardinais

Contando o Infinito: os Números Cardinais Contando o Infinito: os Números Cardinais Sérgio Tadao Martins 4 de junho de 2005 No one will expel us from the paradise that Cantor has created for us David Hilbert 1 Introdução Quantos elementos há no

Leia mais

Bíblia para crianças apresenta O SEMEADOR E A SEMENTE

Bíblia para crianças apresenta O SEMEADOR E A SEMENTE Bíblia para crianças apresenta O SEMEADOR E A SEMENTE Escrito por: Edward Hughes Ilustrado por: M. Maillot; Lazarus Adaptado por: E. Frischbutter; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido por:

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE. 40 audiências gerais

NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE. 40 audiências gerais NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE 40 audiências gerais CRISTO FALA DO CORAÇÃO HUMANO Mateus 5, 27-28 CRISTO FALA DO CORAÇÃO HUMANO O "coração" é esta dimensão da humanidade,

Leia mais

O Cristão Carnal Aula 10 Texto Básico Rm 7 ; 1 co 3.1-4

O Cristão Carnal Aula 10 Texto Básico Rm 7 ; 1 co 3.1-4 O Cristão Carnal Aula 10 Texto Básico Rm 7 ; 1 co 3.1-4 Nosso estudo lida com a realidade de nossa natureza regenerada. Não temos mais a natureza caída de quando nascemos, fomos regenerados. Também não

Leia mais

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Ana Maria Boavida Escola Superior de Educação de Setúbal Maria de Fátima Guimarães Escola Superior de

Leia mais

As anfetaminas são drogas estimulantes da atividade do sistema nervoso central, isto é, fazem o cérebro trabalhar mais depressa, deixando as pessoas

As anfetaminas são drogas estimulantes da atividade do sistema nervoso central, isto é, fazem o cérebro trabalhar mais depressa, deixando as pessoas Anfetaminas As anfetaminas são drogas estimulantes da atividade do sistema nervoso central, isto é, fazem o cérebro trabalhar mais depressa, deixando as pessoas mais acesas, ligadas, com menos sono, elétricas

Leia mais

Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual

Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual Ramiro Marques Instituto politécnico de Santarém Página pessoal: http://www.eses.pt/usr/ramiro/index.htm

Leia mais

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 6: Jesus, o Filho de Deus - 1ª parte.

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 6: Jesus, o Filho de Deus - 1ª parte. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 6: Jesus, o Filho de Deus - 1ª parte. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 31 de maio de 2012. revisão, comentários e dúvidas sobre as aulas anteriores.

Leia mais

Acontecimentos na Bíblia que devem ser esclarecidos:

Acontecimentos na Bíblia que devem ser esclarecidos: Acontecimentos na Bíblia que devem ser esclarecidos: Os Semitas são povos que falam línguas que tiveram a mesma origem, foram formadas de uma mesma raiz. São os povos do Oriente, como hebreus, árabes...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto Como pode a escola católica promover o desenvolvimento da inteligência espiritual? O A educação deve

Leia mais

ebooksbrasil

ebooksbrasil ebooksbrasil www.ebooksbrasil.com Simplesmente... Jacinto Luigi de Morais Nogueira Edição ebooksbrasil Versão para ebook ebooksbrasil.com Fonte Digital Documento do Autor Copyright: 2001 Jacinto Luigi

Leia mais

A MENINA QUE VIVEU DUAS VEZES

A MENINA QUE VIVEU DUAS VEZES Bíblia para crianças apresenta A MENINA QUE VIVEU DUAS VEZES Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio METÁFORAS Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio Para falar de histórias terapêuticas precisamos primeiro falar sobre metáforas. - Metáforas. O que são metáforas? -

Leia mais

Lei de Decaimento Radioativo. O Decaimento Radioativo é um fenômeno Linear? Como medir o Decaimento Radioativo?

Lei de Decaimento Radioativo. O Decaimento Radioativo é um fenômeno Linear? Como medir o Decaimento Radioativo? Lei de Decaimento Radioativo O Decaimento Radioativo é um fenômeno Linear? Como medir o Decaimento Radioativo? ! Na medicina nuclear o decaimento radioativo não é observado apenas como um fenômeno, mas

Leia mais