A percepção do ritmo entre possibilidades sonoras e visuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A percepção do ritmo entre possibilidades sonoras e visuais"

Transcrição

1 A percepção do ritmo entre possibilidades sonoras e visuais Samira Machado de Oliveira 1 Resumo Com base em conceitos sobre os elementos fundamentais das linguagens visual e sonora, é possível perceber fenômenos que surgem em função das composições com eles construídas. Um deles é o ritmo, sobre o qual se pode traçar algumas relações entre o ritmo visual e o ritmo sonoro. Num segundo momento, com auxílio de textos sobre a obra do artista, foram identificados aspectos rítmicos em uma obra de Paul Klee. Palavras-Chave: ritmo sonoro; ritmo visual; Paul Klee. Abstract Based on some concepts about the fundamental elements of visual language and of language of sound, it is possible to perceive phenomena that occur due to the composition of them. One of these is the rhythm, on which some definitions are presented in a way that become perceptible some possible relationships between the visual rhythm and sound rhythm. In a second moment, based on previous considerations, rhythm aspects in Klee s work were identified. Key Words: sound rhythm; visual rhythm; Paul Klee. 1. Paralelos entre duas linguagens e a percepção do ritmo Este texto é resultado do recorte de uma pesquisa de mestrado que procura relacionar as linguagens visual e sonora. O interesse nessas relações veio inicialmente de uma formação acadêmica na área do design gráfico, que possibilitou acesso à conteúdos e imagens da arte, bem como aos complexos mecanismos que atuam numa composição visual. Os conhecimentos de música, provenientes de uma formação livre em violino, despertaram questões sobre quais relações poderiam ser traçadas entre essas duas linguagens, dotadas de estruturas completamente diferentes mas com muitos fenômenos em comum. A procura de diálogos entre as diferentes linguagens na arte não é uma questão que pertence somente aos dias atuais e já foi explorada por artistas como Paul Klee e Wassily Kandinsky. 1 Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC. É Bacharel em Design Gráfico pela mesma universidade. Atualmente realiza projeto com foco nas relações entre as linguagens visual e sonora. 1

2 Kandinsky, cuja formação inicial foi em Direito, optou pela vida de artista depois de alguns acontecimentos, entre eles uma experiência que viveu ao assistir a representação de uma ópera de Wagner, Lohengrin, no Teatro Real de Moscou. Düchting (2005) conta que a instrumentação de sons, até então inéditos para ele, o comoveu profundamente e cita algumas palavras do artista: Imaginei todas as minhas cores, elas estavam mesmo à frente dos meus olhos. Linhas selvagens, quase frenéticas, desenhavam se à minha frente (KANDINSKY apud DÜCHTING, 2005, p.10). Düchting (2005, p.10) conta ainda que Esta experiência sinestésica abriu a Kandinsky as portas para o poder da música e, simultaneamente, a possibilidade de pressentir os poderes ainda por descobrir da pintura. As relações que ele não apenas supunha, mas que considerava realmente existentes, entre as cores e os sons e a música e a pintura fascinavam-no de tal forma que esta correpondência secreta da arte se tornou a chave principal da sua convicção artística, para não dizer, o ponto de partida de toda a sua pintura. Em suas obras, Kandinsky procurou desenvolver algumas possibilidades de relações entre os elementos da música e da pintura, como correspondências entre cores e notas musicais. Klee, por sua vez, nasceu e se criou numa família de músicos: seu pai era um professor de música e sua mãe era cantora. Klee tornou-se violinista e permaneceu em contato com a música durante toda a sua vida. Düchting (2008) afirma que a música foi sempre o elemento norteador da vida de Klee, que nunca a considerou apenas uma forma artística de entretenimento. O processo de relacionar diferentes linguagens na arte pode contribuir positivamente para os processos cognitivos humanos. Em termos perceptivos, Schafer (1991) observa que os sentidos humanos foram fragmentados para que se pudesse aguçar os mecanismos da percepção, a fim de que certas sutilezas se tornassem apreciáveis. Ou seja, a fragmentação possibilitou uma especialização dos sentidos. O estudo da música, por exemplo, é útil como um meio de cultivar a capacidade auditiva, através da observação e análise de seus fenômenos acústicos específicos. No entanto, Schafer (1991, p. 291) afirma que uma total e prolongada separação dos sentidos resulta em fragmentação da experiência. Perpetuar esse estado de coisas pela vida a fora pode não ser saudável. Gostaria que considerássemos mais uma vez a possibilidade de síntese das artes. Como Schafer, Arnheim (1996), ao tratar da linguagem visual, aponta a importância de aprimorar a percepção de outros sentidos para o desenvolvimento de outras linguagens. Segundo ele, compreender as coisas através de outros sentidos é um poder que tem sido negligenciado, de forma que, na dificuldade de descobrir significado naquilo que se vê, os indivíduos recorrem ao familiar meio da linguagem verbal. O próprio desenvolvimento da 2

3 linguagem verbal, entretanto, depende de outros mecanismos perceptivos como a visão, a audição e o tato. Se os processos cognitivos humanos dependem da percepção dos fenômenos que ocorrem ao redor dos indivíduos, é imprescindível que se conheça os diferentes mecanismos perceptivos que atuam nesses indivíduos e, a partir daí, as possibilidades expressivas que oferecem as diferentes linguagens humanas, assim como suas possíveis inter-relações. A linguagem visual e a linguagem sonora dependem de órgãos distintos para a captação de sensações e para a percepção de estímulos do ambiente. Cada uma destas linguagens possui códigos e regras, o que possibilita seu registro, seu aprendizado e análise. Apesar de matrizes distintas, são muitos os fenômenos que ocorrem em ambas as linguagens, o que permite traçar alguns paralelos entre som e imagem, entre música e artes visuais. Ao deparar-se com uma imagem, um observador pode, através de alguma análise, identificar elementos que são relativos à sua composição. O ponto, a linha e o plano foram apontados por Kandinsky (2006) como os elementos básicos da composição visual. Além destes elementos, Ostrower (2004) fala a respeito da superfície, do volume, da cor e da luz como elementos fundamentais da composição visual. Aqui, algumas considerações a respeito desses elementos se fazem necessárias. Kandinsky (2006) compara o ponto geométrico ao silêncio, uma herança semântica da linguagem verbal, onde sua ocorrência no texto escrito marca uma pausa no discurso. Entre diversas definições que se pode apresentar, o ponto geométrico pode ser percebido como uma forma concisa que se mantém firme no espaço. Uma linha surge do resultado da atuação de uma força aplicada em um ponto, que o empurra para alguma direção. Ostrower (2004) explica que a linha nasce do poder de abstração humana e configura apenas uma dimensão no espaço, bem como estabelece uma direção de movimento. A superfície, por sua vez, abrange duas dimensões no espaço e surge do fechamento de algumas linhas num contorno ou, bem como pode ser definida por uma área interior. O volume surge da relação que é estabelecida entre superfícies e abrange três dimensões no espaço, ultrapassando o que Ostrower (2004) chama de plano pictórico. Ela considera elementos mais dinâmicos o volume, a luz e a cor, quando comparados à linha e à superfície. De modo que, enquanto o ponto, a linha e a superfície estão diretamente ligados ao plano pictórico, o volume, a luz e a cor ultrapassam a abrangência desse plano. 3

4 A luz surge do contraste formal entre claro e escuro, que gera efeitos de profundidade, como a sensação de algo que avança ou recua no espaço. A cor é percebida principalmente com base nas relações que entre elas se estabelecem. Ostrower (2004) explica que a cor difere dos outros elementos expressivos pois dificilmente se consegue imaginar seus efeitos visuais. Suas propriedades são percebidas somente quando vistas diretamente e sua percepção vai depender do contexto visual no qual ela está inserida. Para estes autores, os elementos citados são considerados os elementos básicos da composição visual. Da mesma maneira que estes elementos são identificados nas mais diversas imagens, uma música vai constituir-se de som, que também possui atributos básicos tais como altura, timbre e amplitude. O som é uma onda mecânica, originada por qualquer elemento que produza uma oscilação de ar acima de uma frequência específica. A modulação das frequências emitidas vai definir diferentes alturas para os sons, o que dá origem às sete notas musicais conhecidas e utilizadas na música ocidental. O timbre é o atributo que confere individualidade ao som. Ele permite que se possa diferenciar um mesmo som quando este é emitido por diferentes instrumentos. Schafer (1991) considera o timbre a cor do som. Sem os timbres, o som é uniforme. A amplitude é o que vai diferenciar o som forte de um som fraco. Schafer (1991) relaciona as oscilações de amplitude com a perspectiva visual. Segundo ele, é a amplitude que vai transmitir a ilusão da perspectiva na música. Estes são alguns dos elementos com os quais se constrói uma composição sonora. Trein (1986) observa que as composições, por sua vez, são caracterizadas por três elementos fundamentais: a melodia, a harmonia e o ritmo, abordados mais adiante. Numa composição, seja ela visual ou sonora, é possível perceber características que vão surgir em função do conjunto. A teoria da Gestalt, que aborda os fenômenos em termos de relações, especificou uma série de situações que são identificáveis em composições visuais, dependendo da disposição e da relação que se estabelece entre os elementos básicos da linguagem visual. Ostrower (1998, p. 70) afirma que um dos princípios básicos da teoria da Gestalt é uma definição formulada pelo teórico Max Wertheimer, que diz que a soma do todo é maior do que a soma das partes. Isso significa que numa composição vão surgir fenômenos expressivos que até então não apareciam nos elementos isolados, pois o todo não é simplesmente a soma desses elementos, mas sim o resultado de uma integração que é formada entre suas partes. Em outras palavras, a percepção que se tem dos elementos isolados se 4

5 modifica quando o todo, resultado da integração desses elementos isolados, passa a ser o objeto da percepção. Dessa maneira, ao arranjar numa composição elementos básicos da linguagem visual pode-se perceber efeitos como simetria, direção, agrupamento, entre outras possibilidades. Dessa mesma maneira, uma composição sonora também vai acarretar o surgimento de novos fenômenos em função do conjunto e das relações formadas entre os elementos básicos da linguagem sonora. A partir dessas relações pode-se construir melodias, obter harmonia, dissonância e outras diversas possibilidades acústicas. Das diversas relações que se estabelecem entre os elementos básicos dessas linguagens, surgem muitas coincidências de linguagem que transitam em seus aspectos compositivos. Uma dessas coincidências é o fenômeno do ritmo, que é abordado neste texto. A palavra ritmo está relacionada à diversos fenômenos e possui muitas interpretações em diferentes campos de estudo. Aqui, entretanto, aborda-se o ritmo relacionado às composições em linguagens visual ou sonora. Embora Lupton e Phillips (2008) afirmem que estamos familiarizados com o ritmo graças ao mundo do som, esse fenômeno não ocorre exclusivamente na música ou num ambiente sonoro. É possível encontrar referências sobre o ritmo sob diversas outras denominações: pulsação, cadência, batimento, repetição, sequência e mais. A multiplicidade de definições desse fenômeno demonstra sua abrangência. O ritmo é parte da experiência cotidiana humana. O caminhar dos animais e dos seres humanos tem ritmo próprio, assim como os batimentos cardíacos, as estações do ano, as marés, a passagem das horas, os diferentes idiomas falados no mundo: A vida biológica experimenta o ritmo em muitas manifestações da natureza. Os seres humanos, em contato com os sons, são capazes de identificar auditivamente ritmos sonoros. Da mesma forma, os olhos são capazes de perceber ritmo visual nas paisagens e nas imagens que observam. 2. O ritmo sonoro Com origem no termo grego Rhythmos, Kiefer (1984, p.23) diz que o ritmo é aquilo que flui, aquilo que se move. Sua explicação sobre o fenômeno envolve principalmente três noções: fluidez, medida e ordem. A fluidez é uma noção ligada ao que gera movimento. Entretanto, Kiefer (1984) explica que se fala em ritmo a partir do momento em que se aplica descontinuidade a um fluxo, por exemplo, um som contínuo. É aí que entra a noção de 5

6 medida, aplicada aos fragmentos daquilo que flui. A comparação entre as medidas dos fragmentos e dos intervalos gerados possibilita a percepção da descontinuidade. Ou seja, criando intervalos de pausa num som contínuo é possível obter a noção de medida, relacionada à duração dos fragmentos do som e à duração das pausas aplicadas no fluxo. Quando se fala de ritmo geralmente pressupõe-se uma ordenação entre os elementos que o geram, que podem ser iguais ou apenas semelhantes. A ordenação geralmente vem acompanhada de uma idéia de regularidade, embora o ritmo também possa ser irregular. Schafer (1991) explica que o ritmo regular sugere divisões cronológicas do tempo que ele chama de real e que se baseia na marcação do relógio uma divisão mecânica. O ritmo irregular altera essa exatidão, de modo a encurtar ou esticar o tempo do relógio. Essa irregularidade lida como o que ele chama de tempo virtual ou psicológico. Schafer (1991) relaciona ainda o ritmo com a noção de direção, pois é um fenômeno que articula percursos. Uma melodia, por exemplo, sugere direção, tal qual uma linha visual. Ao adicionar intervalos numa linha visual cria-se o ritmo, da mesma maneira que, ao modular intervalos ou sons sucessivos numa melodia, tambem é possível expressar de maneira análoga o fenômeno. Pode-se perceber o ritmo musical de diversas maneiras. As duas principais são pela alteração da duração do som, através da fragmentação ordenada, regular ou irregular, de um som contínuo, ou pela alteração da intensidade ou amplitude do som, entre som forte e som fraco. Além disso, a alteração de timbre também pode gerar ritmo, bem como a variação na altura dos sons, que se conhece por notas musicais. Kiefer (1984) observa que essa última variação possibilita a construção melodias que podem ascender e descender de modo a originar uma ondulação melódica ritmada. Em outras palavras, a melodia pode ser percebida como uma organização de sons sucessivos. Os próprios sons, quando articulados em diferentes notas, transmitem uma sensação de ritmo, pela variação nas alturas das frequências. O caráter de uma melodia é diretamente influenciado pelo ritmo quando este é aplicado na duração dessas notas ou em outros aspectos, como o timbre (TREIN, 1986). Numa melodia, os fragmentos podem ser mínimos, como notas soltas, ou mais extensos, como os que são formados por linhas melódicas ou acordes. Kiefer (1984) compara essas unidades musicais com as unidades da poesia, onde além das sílabas existem agrupamentos de palavras ou versos. O ritmo transita e pulsa em todas estas unidades. Trein (1986) numa analogia com a imagem, observa que a melodia pode ser comparada à linha e é percebida 6

7 como um aspecto horizontal da música, enquanto a combinação de melodias sobrepostas que soam simultaneamente leva à construção da harmonia, o aspecto vertical da música. A complexidade do ritmo na música advém justamente do fato de que todas essas possibilidades rítmicas frequentemente aparecem sobrepostas. Por exemplo: a variação de amplitude sonora pode ocorrer simultaneamente junto à variação de altura das notas, originando crescendos e descrescendos de volume junto com oscilações melódicas. Kiefer (1984) diz que se intitula plástica musical o conjunto dessas interações rítmicas e afirma que isso demonstra que o ritmo, mais do que simples padrão de marcação ou ordenação de um conjunto de elementos no tempo, é um conceito bastante complexo e um dos mais importantes de qualquer obra musical, pois pode ditar seu estilo, seu caráter, seu andamento, entre outros. De maneira semelhante, o ritmo visual também possui essa complexidade. Ele pode ser percebido em diferentes níveis, através da progressão de cores, de luz, com repetição de linhas paralelas ou de outros elementos, em diferentes pulsações simultâneas, conforme se vê adiante 3. O ritmo visual O ritmo visual está atrelado a diferentes aspectos da percepção. Lupton e Phillips (2008) relacionam o ritmo com a noção de equilíbrio. Elas afirmam que as pessoas têm com o equilíbrio uma relação intuitiva e implícita por ele ser um aspecto fundamental da condição humana: O equilíbrio físico é primordial para que se consiga ficar de pé, por exemplo, bem como, psicologicamente, é um aspecto buscado na vida pessoal e profissional. A noção de equilíbrio visual está ligada à distribuição proporcional de pesos visuais em busca de uma estabilidade. Estabilidade, porém, não é sinônimo de estaticidade: É possível construir equilíbrio de diferentes maneiras, estáticas ou dinâmicas. Uma composicão simétrica é considerada estática por distribuir igualmente os pesos visuais entre os dois lados de um eixo. A concentração ou escassez de peso em apenas um dos lados do eixo vai tornar necessária uma compensação visual do outro. Compensando os pesos é possível atribuir equilíbrio e estabilidade à uma composição assimétrica. A diferença aqui será a tensão espacial que se formará em cada caso. 7

8 Exemplos de composição: À esquerda: simetria. À direita: equilíbrio dinâmico. Ostrower (2004) fala da tensão espacial como aquilo que assegura a unidade interior da imagem, a integridade do conjunto, bem como assegura também que nossa atenção não se disperse. Ela diz que o criador de uma composição visual geralmente desdobra os elementos visuais em dois principais caminhos: em contrastes, geradores de tensão, ou em semelhanças, geradoras de sequências rítmicas. O contraste se comporta como uma interrupção no curso do movimento visual. Ele marca uma subdivisão na imagem e direciona a atenção do olhar para algum elemento da composição. O contraste acontece quando ocorre um confronto de forças, uma oposição formal como o claro x escuro, por exemplo é a expressão de um conflito. Através do contraste se articula o espaço. Já as semelhanças geram repetições rítmicas. Ostrower explica que a percepção compreende as semelhanças como uma espécie de fundo, enquanto os contrastes passam a ser figura. Através de semelhanças se articula o tempo. Espaço e tempo são os aspectos fundamentais contidos no movimento. Para Kandinsky (2006), a repetição de um ponto geométrico no plano cria um ritmo primitivo. Da mesma maneira, pode-se produzir pontos em música com diversos instrumentos tais como o tambor ou o triângulo. A partir de partituras Kandinsky fez algumas analogias pictóricas, traduzindo em pontos algumas notações musicais, de forma a representar não só o ritmo como também a duração e a altura das notas. 8

9 Wassily Kandinsky. Sem título. Tradução de partitura musical em pontos pictóricos. Além da multiplicação de um ponto, Kandinsky (2006) exemplifica ritmos que podem ser criados com a repetição de linhas. Para ele, a linha, em comparação ao ponto, costuma expressar de maneira mais perceptível o elemento-tempo. Numa repetição de linhas, os intervalos entre elas podem ser idênticos, podem aumentar ou diminuir regularmente, bem como podem ser intervalos irregulares. Cada uma dessas configurações vai gerar ritmo de diferentes maneiras. Kandinsky (2006) vê a repetição de intervalos idênticos como um reforço quantitativo, o que na música seria o equivalente a diversos instrumentos produzirem um mesmo som de maneira uníssona. Os ritmos com intervalos irregulares criam o que ele chama de ressonância qualitativa, o que corresponderia em música à repetição de um mesmo tema alguns compassos adiante ou por um outro instrumento. Wassily Kandinsky. Sem título. À esquerda: ritmo regular - reforço quantitativo. No meio e à direita: ritmo irregular - ressonância qualitativa. Além disso, ele afirma que mais complexo é o ritmo que combina cruzamentos quantitativos e qualitativos. Como outros autores, Kandinsky (2006) vê a linha como o modo de expressão dominante na música, uma analogia à melodia. 9

10 Wassily Kandinsky. Composição oposta de uma linha curva com uma linha quebrada. Cruzamento quantitativo e qualitativo. 4. Paul Klee e o aspecto rítmico na pintura Paul Klee realizou em suas pinturas e em seus diários diversos registros sobre as possíveis relações entre a música e a pintura. É o que afirma Düchting (2008), que percebe na obra de Klee uma procura incessante por analogias entre essas linguagens. O autor afirma que Klee se interessou particularmente pelo ritmo, ao enxergar nele uma possibilidade de traçar um paralelo entre música e pintura: Para Klee, o ritmo marcava o movimento do tempo na música mas também nas artes visuais. O autor observa que Klee não estava sozinho em seu interesse pelo ritmo: Havia em sua época um considerável interesse pelo fenômeno em resposta a alguns estudos realizados por Bergson e Nietzsche a respeito da importância do ritmo nas artes visuais. Düchting (2008) explica que a compreensão de Klee a respeito do ritmo se formou a partir de estudos sobre tema e sobre psicologia da percepção, mas também da sua habitual apreciação musical. Para Klee, o grande mérito da expressão musical eram as estruturas claramente articuladas e a refinada variação de temas, aspectos que ele encontrou nas fugas polifônicas. O termo polifonia, em música, refere-se a várias vozes. A pintura que Klee chamou de polifônica, porém, era para ele superior à música no sentido de que possuía uma dimensão espacial a mais. A partir dos conceitos abordados previamente é possível identificar algumas expressões rítmicas nas composições de Klee. Aqui toma-se como exemplo a aquarela Fuga em Vermelho, de Pode-se destacar inicialmente as formas em vermelho que estão em 10

11 contraste com o fundo preto. Cada forma torna-se um ponto de interrupção do curso visual, gerando intervalos no fluxo do olhar. Aqui podemos retomar a noção de um ritmo que é gerado por interrupções em um fluxo, colocada por Kiefer (1984). Cada uma destas formas é composta de diversas camadas sobrepostas que formam projeções numa escala de cor. A projeção das cores em escala de valor tonal se inicia no fundo preto, passa ao cinza, ao vermelho e depois a um tom de bege. Paul Klee. Fuga em vermelho Düchting (2008) afirma que o caráter temporal é claramente indicado pelo modo como as cores se projetam do fundo escuro e se tornam mais saturadas. O posicionamento das sobreposições e a gradação de cores também confere uma ilusão de perspectiva ou profundidade às formas: As formas de cor mais saturada localizam-se acima das formas mais escuras, que se localizam mais próximas ao fundo preto. O elemento rítmico também se forma pela própria repetição das formas semelhantes entre si e entre elas mesmas com suas próprias projeções. É possível perceber na forma, com seu conjunto de projeções em camadas sobrepostas, a sugestão de um percurso na imagem, como um caminho que a forma tem percorrido, uma espécie de sequencialidade. Há repetição aqui de diversas outras maneiras: Nas formas vermelhas arredondadas, nas formas vermelhas triangulares ou circulares. A repetição também acontece pelas cores os vermelhos, os 11

12 cinzas, os tons de bege. Há repetição igualmente na sugestão direcional, que leva o movimento sempre num sentido horizontal. Também há um padrão na projeção de cores e camadas, que ocorrem sempre na mesma ordem em todas as figuras. Por estes padrões jé se percebe que a pulsação do ritmo pode ocorrer em diversos aspectos da composição simultâneamente, como ocorre também na música. Pode-se ainda decompor as formas sólidas para analisar somente seus contornos. Assim, percebe-se na repetição das linhas os reforços quantitativos, quando há entre elas intervalos regulares, conforme explica Kandinsky, bem como ressonâncias qualitativas, quando há aumento ou diminuição, dando irregularidade a esses intervalos. Disso se percebe que entre linguagem visual e linguagem sonora são possíveis certas analogias e inter-relações. O ritmo nas composições musicais ultrapassa a simples forma de marcação do tempo, pois ele está diretamente relacionado aos aspectos plásticos da música no que diz respeito à suas melodias, seu caráter expressivo ou seu andamento. Afinal, alterando o ritmo que se relaciona com as alturas, com a amplitude do som ou com seu andamento, todos os aspectos anteriormente citados são alterados. Na imagem o ritmo dita percursos do olhar, pois a cada contraste ou tensão surgem interrupções do percurso. Um andamento mais fluído pode ser conseguido trabalhando com menos contrastes de cores, dimensões e outros. A simultaneidade do ritmo, que em música se manifesta em diversas, também ocorre na pintura, conforme se percebe na aquarela de Paul Klee. E daí advém sua complexidade: Assim como na música, onde o ritmo pode pulsar simultaneamente na sucessão de notas, em sua duração e na variação de amplitude, na pintura não é diferente: O ritmo surge igualmente na variação de cores, na repetição de linhas e nos contrastes entre figura e fundo, entre claro e escuro, na profundidade, na repetição de formas, na multiplicidade dos pontos, entre outros fenômenos a serem descobertos e estudados. Referências Bibliográficas ARNHEIM, Rudolf. Arte e percepção visual: Uma psicologia da visão criadora. 10ª ed.são Paulo: Pioneira, DÜCHTING, Hajo. Kandinsky. Köln: Paisagem, Paul Klee: Painting Music. London: Prestel, KANDINSKY, Wassily. Ponto, linha, plano. Lisboa: Edições 70,

13 KIEFER, Bruno. Elementos da linguagem musical. Porto Alegre: Movimento, LUPTON, Ellen; PHILLIPS, Jennifer Cole. Novos fundamentos do design. São Paulo: Cosac Naify, OSTROWER, Fayga. A sensibilidade do intelecto. Rio de Janeiro: Campus, Universos da Arte. 24. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, SCHAFER, Murray. O ouvido pensante. São Paulo: Unesp, TREIN, Paul. A linguagem musical. Porto Alegre: Mercado Aberto,

Gramática Visual. Composição

Gramática Visual. Composição Gramática Visual Composição Uma comunicação visual composta de formas expressivas possui um conteúdo de valores significativos. As formas são organizadas num espaço limitado: o espaço visual ou campo

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA www.joaogomes.com.br João Gomes Filho

Leia mais

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann Aula 3 - Direção, movimento e ritmo professor Rafael Hoffmann Direção Ascenção Intabilidade Direção Direção Todas as formas básicas expressam três direções visuais básicas e significativas: o quadrado,

Leia mais

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves 5º e 6º ano Professor Hugo Costa 2009/2010 A Cappella música vocal sem acompanhamento de instrumentos musicais. Accelerando - Aumento gradual do andamento de uma parte

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza Curso de Design Linguagem Visual Luciano Pedroza O Designer O designer, ao contrário do pensamento comum não é artista, mas utiliza elementos da arte no desenvolvimento do projeto. O artista, por definição,

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU

INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova global do ensino secundário da disciplina de Formação

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex REVISÃO GESTALT Viviane Aiex 1. Leitura Visual do Objeto pelas Leis da Gestalt 1) Unidades: que são os elementos que configuram a forma; 2) Segregação: que é o ato se separar, perceber ou identificar as

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS 1 NOTA INTRODUTÓRIA Programa Música - AEC (1º e 2º Ano - 1º CEB) (Adaptação do Programa do 1º Ciclo Plano da Meloteca) No âmbito da Expressão e Educação Musical, ao abrigo do Despacho n.º 9265-B/2013,

Leia mais

Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza

Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza Belo junto com gracioso, bonito ou sublime, maravilhoso, soberbo _ é um adjetivo que usamos frequentemente para indicar algo que nos agrada. Nesse sentido, aquilo que é belo é bom e, de fato em diversas

Leia mais

O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura

O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura The little things world: prints for textile made with objects of sewing universe Cavalcante, Vanessa Peixoto;

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / à / ÁREA DO CONHECIMENTO: Música CARGA HORÁRIA: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PLANO DA I UNIDADE - Conhecer e criar novas melodias. - Desenvolver

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES. Ano letivo 2015/2016

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES. Ano letivo 2015/2016 EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES Ano letivo 2015/2016 3.º Ano Descoberta e organização progressiva de volumes Modelagem

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: DESENHO A ANO: º ANO LETIVO 0/0 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Teoria Geral da Gestalt Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA mais a do próprio

Leia mais

ANEXO. Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado

ANEXO. Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado ANEXO Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado EXAME DE HABILIDADE PARA OS CANDIDATOS A FACULDADE DE ARTES VISUAIS MODALIDADE LICENCIATURA E BACHARELADO ARTES VISUAIS Para candidatar-se ao

Leia mais

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado.

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Projeto: Música na Escola O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Justificativa De acordo com as diretrizes curriculares, o som é a matériaprima da música;

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

46 Dona Nobis Pacem: alturas Conteúdo

46 Dona Nobis Pacem: alturas Conteúdo Introdução Formação de tríades maiores menores Arpejos maiores e menores Cânone Sobreposição de vozes formando acordes Inversão de acordes Versões do cânone Dona Nobis Tonalidades homônimas Armaduras Influência

Leia mais

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento FLADEM 2011 Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento Sandra Mara da Cunha e Claudia Maradei Freixedas Breve introdução A experiência

Leia mais

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Teoria Geral da Gestalt Fundamentado Cientificamente na Psicologia i da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS: 6 Tempo

Leia mais

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Nossa inteligência pode ser caracterizada pela nossa capacidade de identificar padrões, e o sistema visual é o nosso

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Análise Gráfica de Rótulos de Vinho

Análise Gráfica de Rótulos de Vinho Análise Gráfica de Rótulos de Vinhos Análise Gráfica de Rótulos de Vinho Visual Analysis of Wine Labels Ranzolin, Michele; Universidade de Caxias do Sul micheleranzolin@hotmail.com Vieceli, Liliane; Universidade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Expressões e Tecnologias Planificação Anual de Educação Musical 6º ano Ano Letivo 2015/2016

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE BELAS ARTES 1 PERÍODO DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO DA DISCIPLINA: APL008 PROGRAMA DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA: 60 h/s CRÉDITOS: 04 DEPARTAMENTO OFERTANTE:

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê O canto coletivo é a prática musical mais elementar na educação musical, grandes educadores musicais como Dalcroze, Kodaly, Willems, Villa-Lobos e outros, utilizavam a voz e o canto coletivo como ponto

Leia mais

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE Síntese Introdutória do Método Utilizado para a Análise dos Projetos no Estudo dos Temas de Composição Disciplina:Idéia, Método e Linguagem

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

Unificação Fechamento Continuidade

Unificação Fechamento Continuidade UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: 1081 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Matriz: 421 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Componente Curricular: EXPRESSÃO GRÁFICA

Leia mais

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 Clareza Organizações visuais unificadas.facilidade

Leia mais

MusiTec: tutorial multimídia no ensino da música contemporânea

MusiTec: tutorial multimídia no ensino da música contemporânea MusiTec: tutorial multimídia no ensino da música contemporânea Henderson J. Rodrigues PPGM/UFPB GMT/UFPB e-mail: henderson_rodrigues@hotmail.com Sumário: Nesta comunicação apresentamos os resultados da

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

DETERMINANTES DA LINGUAGEM VISUAL

DETERMINANTES DA LINGUAGEM VISUAL 3 EQUILÍBRIO O principal objetivo de se estudar as qualidades particulares da experiência visual é aprimorar nossa sensibilidade inata e tentar educar o nosso olhar. Assim podemos alargar as possibilidades

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

Planejamento. Educação infantil Ciranda Nível 3. Unidade 1: Cirandando

Planejamento. Educação infantil Ciranda Nível 3. Unidade 1: Cirandando Linguagem oral e escrita Planejamento Educação infantil Ciranda Nível 3 Unidade 1: Cirandando Formas textuais Conhecer diferentes tipos de textos. Conhecer um texto instrucional e sua função social. Priorizar

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

Cumprimento das actividades definidas no Plano Curricular Anual

Cumprimento das actividades definidas no Plano Curricular Anual Cumprimento das actividades definidas no Plano Curricular Anual Áreas de Conteúdo Actividades planificadas e realizadas Actividades planificadas e não realizadas Actividades não planificadas e realizadas

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

Design Web Formas. Elisa Maria Pivetta. Sinto, penso, logo desenho

Design Web Formas. Elisa Maria Pivetta. Sinto, penso, logo desenho Design Web Formas Elisa Maria Pivetta Sinto, penso, logo desenho Formas básicas em Design Comunicamos mediante linguagem falada, verbal, formada por letras, palavras, frases, etc. que, combinados, formam

Leia mais

REDES DA CRIAÇÃO CONSTRUÇÃO DA OBRA DE ARTE, DE CECÍLIA ALMEIDA SALLES CAMINHOS, ESCOLHAS E ENCONTROS NO UNIVERSO DA OBRA EM PROCESSO.

REDES DA CRIAÇÃO CONSTRUÇÃO DA OBRA DE ARTE, DE CECÍLIA ALMEIDA SALLES CAMINHOS, ESCOLHAS E ENCONTROS NO UNIVERSO DA OBRA EM PROCESSO. REDES DA CRIAÇÃO CONSTRUÇÃO DA OBRA DE ARTE, DE CECÍLIA ALMEIDA SALLES CAMINHOS, ESCOLHAS E ENCONTROS NO UNIVERSO DA OBRA EM PROCESSO. Alana morais Abreu e Silva 1 RESUMO:Neste livro de proposta e avaliação,

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

TEORIA ELEMENTAR DA MÚSICA

TEORIA ELEMENTAR DA MÚSICA Universidade Federal de Santa Maria Centro de Artes e Letras Departamento de Música TEORIA ELEMENTAR DA MÚSICA 2012 Teoria e Percepção Musical Prof. Pablo Gusmão Tópico Página 1 Notas musicais, pauta,

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA 8ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Visual e Plástica - 8ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES º C.E.B. DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL ANO: 9º ANO LETIVO 0/0 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz

Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado à Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial para obtenção

Leia mais

P R O G R A M A. M ó d u l o d e G e o m e t r i a D e s c r i t i v a ( 2 4 h o r a s )

P R O G R A M A. M ó d u l o d e G e o m e t r i a D e s c r i t i v a ( 2 4 h o r a s ) DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN C U R S O L I V R E 2 0 0 9 P R E P A R A Ç Ã O P A R A A S P R O V A S D E A V A L I A Ç Ã O D E D E S E N H O E G E O M E T R I A D E S C R I T I V A E DE H I S T Ó R I

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL Domínios e Subdomínios Desenvolvimento da Capacidade de Expressão e Comunicação: Interpretação e Comunicação INDICADORES O aluno canta controlando a emissão vocal em termos de afinação e respiração. O

Leia mais

Exemplos de Atividades apresentadas no Mini-Curso 1 - A Concepção Sonora do Conceito de Menor Múltiplo Comum (MMC) (2004)

Exemplos de Atividades apresentadas no Mini-Curso 1 - A Concepção Sonora do Conceito de Menor Múltiplo Comum (MMC) (2004) EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DE DEFICIENTES VISUAIS: UMA PROPOSTA POR MEIO DE SONS, RITMOS E ATIVIDADES PSICOMOTORAS - PROJETO DRUMMATH Carlos Eduardo Mathias Universidade Federal Fluminense profcarlosmathias@gmail.com

Leia mais

GESTALT E SEMIÓTICA VISUAL: PROCEDIMENTOS DISTINTOS OU SEMELHANTES PARA LEITURA DE IMAGENS?

GESTALT E SEMIÓTICA VISUAL: PROCEDIMENTOS DISTINTOS OU SEMELHANTES PARA LEITURA DE IMAGENS? GESTALT E SEMIÓTICA VISUAL: PROCEDIMENTOS DISTINTOS OU SEMELHANTES PARA LEITURA DE IMAGENS? Valéria Metroski de Alvarenga - UDESC 1 RESUMO No presente artigo visamos encontrar características semelhantes

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2014/2015 A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa. Na educação pré-escolar assume uma dimensão marcadamente formativa,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL

ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA 2º CICLO GASPAR FRUTUOSO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MUSICAL 2011/2012 5º ANO Timbre: a qualidade do som que permite identificar a sua fonte. Figuras rítmicas: sinais musicais que indicam a duração

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Aptidão Arquitetura e Urbanismo APTIDÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1. INTRODUÇÃO Considerando que o trabalho do arquiteto é na verdade a articulação de inúmeras variáveis que se materializam e se configuram

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Expressões e Tecnologias Planificação Anual de Educação Musical 5º ano Ano Letivo 2013/2014

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGISTO DE OBSERVAÇÃO / AVALIAÇÃO Nome Data de Nascimento / / Jardim de Infância de Educadora de Infância AVALIAÇÃO

Leia mais

O QUE O REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA EDUCAÇÃO INFANTIL ESCLARECE SOBRE A EDUCAÇÃO MUSICAL NO CONTEXTO ESCOLAR?

O QUE O REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA EDUCAÇÃO INFANTIL ESCLARECE SOBRE A EDUCAÇÃO MUSICAL NO CONTEXTO ESCOLAR? 1123 O QUE O REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA EDUCAÇÃO INFANTIL ESCLARECE SOBRE A EDUCAÇÃO MUSICAL NO CONTEXTO ESCOLAR? Everton Tomiazzi 1, Luciana Carolina Fernandes de Faria 2, Raquel Rosan Christino

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO DISCIPLINA FLEXÍVEL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO DISCIPLINA FLEXÍVEL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, COMUNICAÇÃO, LETRAS E ARTE CURSO DE COMUNICAÇÃO E MULTIMEIOS DISCIPLINA FLEXÍVEL Disciplina: Música-voz-som e processos criativos:

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL MAPA DE CONTEÚDOS E OBJETIVOS 1º BIMESTRE 2º ANO. Português

ENSINO FUNDAMENTAL MAPA DE CONTEÚDOS E OBJETIVOS 1º BIMESTRE 2º ANO. Português ENSINO FUNDAMENTAL Cruzeiro 3213-3838 Octogonal 3213-3737 www.ciman.com.br MAPA DE CONTEÚDOS E OBJETIVOS 1º BIMESTRE 2º ANO ESCUTA/ LEITURA/ PRODUÇÃO DE TEXTO ORAL E ESCRITO Textos narrativos Contos de

Leia mais

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira PSICOLOGIIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO

REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO E ANDAMENTO E SUAS POSSÍVEIS APLICAÇÕES NA CENA TEATRAL Ernani de Castro Maletta Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Ritmo, andamento, encenação. O ritmo é um

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 1º CICLO - 1º ANO DE ESCOLARIDADE PORTUGUÊS PLANIFICAÇÃO MENSAL DE JANEIRO DOMÍNIOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) MATERIAIS/RECURSOS MODALIDADES

Leia mais

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1 DO ENSINO BÁSICO CE 1 CE 5 CE 8 CE 12 CE 14 Interpretação e comunicação

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Percepção Visual e de Cores - Parte I Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Percepção Visual e de

Leia mais

1 o Período Educação Infantil

1 o Período Educação Infantil 1 o Período Educação Infantil Eixo temático: O tema Imaginação visa a estimular as distintas áreas de desenvolvimento integral das crianças, bem como favorecer o crescimento de suas habilidades e competências.

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA

ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA OBJETIVOS GERAIS Explorar e identificar elementos da música para se expressar e interagir com outros; Interpretar músicas

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Instrumento de Intervenção

Instrumento de Intervenção UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA ANEXO Instrumento de Intervenção Ana Isabel Mendes Codeço 2010 Planeamento da Sessão nº. 1 Data: 04/03/2010 Objectivo Geral: Desenvolver a

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016 Critérios de Avaliação da Educação Pré-Escolar Página 1 Introdução O princípio consensualmente partilhado de que a avaliação é um elemento integrante e regulador

Leia mais

Música quase por acaso. Série Matemática na Escola

Música quase por acaso. Série Matemática na Escola Música quase por acaso Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir o conceito de probabilidade de transição; 2. Introduzir Cadeias de Markov; 3. Usar matrizes, estatística e probabilidade para compor

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A LINGUAGEM MUSICAL NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 584 A LINGUAGEM MUSICAL NA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Cristina Ponçano Brito 1, Carmen

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE CONTAGEM COORDENADORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE CONTAGEM COORDENADORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA CURRICULAR DE ARTE - 1 O CICLO - 2010 A matriz de referência curricular de Arte para o 1º ciclo da Rede Municipal de Ensino de Contagem está organizada em 4 eixos, considerando as

Leia mais

Portaria n.º 84/2004 de 21 de Outubro de 2004

Portaria n.º 84/2004 de 21 de Outubro de 2004 Portaria n.º 84/2004 de 21 de Outubro de 2004 JORNAL OFICIAL Nº 43 I SÉRIE 21-10-2004 Ao abrigo do regime jurídico da educação extra-escolar, criado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 13/2002/A, de

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENSINANDO CARTOGRAFIA

CAPÍTULO 10 ENSINANDO CARTOGRAFIA INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 10 ENSINANDO CARTOGRAFIA Paulo César Gurgel de Albuquerque INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 10 E N S I N A N D O C A R T O G R A F I A P a u l o C é s a r G u r g

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Conhecer diferentes termos espaciais (em pé, deitado, em cima, em baixo, à frente, atrás, dentro, fora ) Descrever itinerários diários (exemplos:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens Ana Estevens, nº 120138001 Trabalho realizado na Unidade Curricular de Processos de Experimentação

Leia mais

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais.

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais. Ficha de Unidade Curricular Cursos de Design: Industrial e Ambientes 2009/2010 Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura

Leia mais

O que caracteriza um som?

O que caracteriza um som? O que caracteriza um som? As características de uma onda sonora são conectadas com os conceitos físicos originários da observação de Fenômenos Periódicos, tal como o Movimento Circular Uniforme (MCU) e

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo. Ênfase. Disciplina 0003706A - Desenho de Observação

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo. Ênfase. Disciplina 0003706A - Desenho de Observação Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo Ênfase Identificação Disciplina 0003706A - Desenho de Observação Docente(s) Alexandre Suarez de Oliveira Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

psicologia da percepção visual

psicologia da percepção visual psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Psicologia da Gestalt Natureza e conceitos fundamentais Princípios da estruturação perceptiva Pregnância Fechamento Atitude

Leia mais

Maternal 3 anos Educação Infantil

Maternal 3 anos Educação Infantil Maternal 3 anos Educação Infantil Eixo temático: Tema: Joca e suas aventuras As crianças, nesta fase, caracterizam-se pelo movimento e pela ação. Agem ativamente em seu entorno, acompanhando seus movimentos

Leia mais