O PERFIL DOS GESTORES E SEU CAPITAL HUMANO: COMO AS REDES SOCIAIS INFLUENCIAM NESSA RELAÇÃO *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PERFIL DOS GESTORES E SEU CAPITAL HUMANO: COMO AS REDES SOCIAIS INFLUENCIAM NESSA RELAÇÃO *"

Transcrição

1 O PERFIL DOS GESTORES E SEU CAPITAL HUMANO: COMO AS REDES SOCIAIS INFLUENCIAM NESSA RELAÇÃO * Adriana Mayara de Oliveira (FACEQ) ** Jocilene Prado de Araújo (FACEQ) *** Vanessa Dias Cortez (FACEQ) **** Maria Clara Lopes Saboya (USP/FAFE/FACEQ) ***** Resumo Esta pesquisa tem como objetivo verificar se as empresas utilizam as redes sociais como ferramentas de comunicação, na medida em que essas mídias têm se mostrado um excelente instrumento inovador e barato, que possibilita interagir com o cliente, para trocar informações sobre os produtos ou serviços oferecidos. Pretende-se também investigar qual o perfil do gestor nesse contexto, em que predominam as mídias e redes sociais, enquanto ferramentas que agregam valor à organização. Palavras-chave: Redes sociais. Gestão. Liderança. Relacionamento. Cliente. Abstract This research aims to determine if companies use social networks as communication tools, to the extent that these media have proved an excellent innovative and inexpensive tool that allows to interact with the customer, to exchange information about the products or services offered. It is also intended to investigate what the manager's profile in this context, predominantly media and social networks, as tools that add value to the organization. Keywords: Social Networks. Management. Leadership. Relationship. Client. * Artigo resultante do Trabalho de Conclusão do Curso de Administração da Faculdade Eça de Queirós FACEQ, apresentado em 2013, como exigência parcial para a obtenção do título de Bacharel, sob orientação da Prof. Dra Maria Clara Lopes Saboya. ** Bacharel em Administração de Empresas pela Faculdade Eça de Queirós (FACEQ UNIESP). *** Bacharel em Administração de Empresas pela Faculdade Eça de Queirós (FACEQ UNIESP). **** Bacharel em Administração de Empresas pela Faculdade Eça de Queirós (FACEQ UNIESP). ***** Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, Mestre em Educação, Cientista Social e Pedagoga. Docente e coordenadora na Faculdade Fernão Dias (FAFE) e na Faculdade Eça de Queirós (FACEQ UNIESP). 1

2 1 Origem e evolução da liderança Segundo Limongi (2002, p. 259), a liderança já existe há muito tempo. É um processo social segundo o qual se estabelecem relações de influência entre pessoas; é um processo de interação humana composto do líder ou líderes, seus liderados, um fato e um momento social, sempre visando gerar resultados. Esse processo passou a ser encarado como essencial para a obtenção de lucro com a Revolução Industrial, principalmente após o aparecimento das teorias administrativas como as que veremos a seguir. 1.1 Teoria da Administração Científica Segundo Silva (2005, p. 117), a teoria da administração científica foi fundada por Frederick Winslow Taylor; ele nasceu em 1856 na Pensilvânia, Estados Unidos; formado como engenheiro mecânico, não possuía treinamento em administração e baseava suas investigações sobre o que deveria ser feito. Segundo Bertram M. Gross (apud SILVA, 2005, p. 119), Taylor caracterizava a administração em cinco aspectos: análise do trabalho, padronização das ferramentas, seleção e treinamento dos trabalhadores, supervisão/planejamento e pagamento por produção. A partir daí ele passou a ser considerado o pai da Administração Científica por propor métodos científicos e princípios que se basearam na estrutura formal e nos processos das organizações, em que as pessoas eram vistas como instrumentos de produção e utilizadas para alcançar a eficiência para a organização. Segundo Silva (2005, p. 120), Taylor via como principais os seguintes aspectos: a) O objetivo de uma boa administração era pagar altos salários e ter baixos custos de produção; b) A administração devia aplicar métodos científicos de pesquisa e experimento, a fim de formular princípios e estabelecer processos de padronização para o controle das operações da produção; c) Os empregados tinham de ser cientificamente colocados em postos em que os materiais e condições de trabalho fossem cientificamente selecionados, para que as normas pudessem ser cumpridas; d) Os empregados deviam ser cientificamente treinados para desenvolver aptidões e, portanto, executar uma tarefa de modo a cumprir a produção normal; 2

3 e) A alta administração devia desenvolver uma atmosfera de cooperação para os trabalhadores, de modo a garantir um ambiente que possibilitasse a aplicação dos outros aspectos mencionados. Taylor (apud SILVA, 2005, p.121), relata que o objetivo básico da Administração Científica era incrementar a produtividade do trabalhador por meio de uma análise científica sistemática do trabalho do empregado, atingindo uma maneira melhor de realizar tal trabalho, assegurando prosperidade para o empregador, conjugada com a máxima prosperidade para os trabalhadores. O aspecto que também era muito trabalhado era a motivação dos empregadores para que eles trabalhassem o mais rápido possível utilizando aquilo que lhe havia sido ensinado. Para Silva (op. cit.), a ferramenta que Taylor propôs era o sistema de pagamento por unidade produzida, assim quanto mais peças o trabalhador produzisse, maior seria sua remuneração, assim cada trabalhador seria pago por resultados, ele criou a administração funcional pelo qual a tarefa de supervisão era subdividida entre vários supervisores especializados em suas atividades A Teoria Clássica da Administração Segundo Chiavenato (1999, p. 41), a teoria clássica de administração foi estabelecida por Henri Fayol, nascido em 1841 em Constantinopla, formado em Engenheiro de Minas pela Escola Nacional de Minas em Saint Étienne. Henri Fayol trabalhou muito tempo na mesma empresa, passando por vários cargos, depois dessas experiências na Comambault, Fayol desenvolveu a proposta da administração tendo como objetivo estudar e explicar os elementos da Administração com suas forças e fraquezas. Segundo Fayol um líder que seja um bom administrador, mas tecnicamente medíocre, é, geralmente muito, mais útil à empresa do que se ele fosse um técnico brilhante mas um administrador medíocre (SILVA, 2005, p. 144). Assim, o sucesso organizacional depende mais de habilidades administrativas dos líderes do que das suas habilidades técnicas. Fayol definia a teoria como uma coleção de princípios, regras, métodos e procedimentos testados e verificados por experiência geral. Fayol (apud SILVA, 2005, p.145), assegura que Qualquer organização necessitava de administração, fosse do tipo de comércio, indústria, política, religião, 3

4 militar ou filantrópica; em qualquer condição, existe uma função administrativa a ser desempenhada. Para Fayol os administradores necessitam de certas qualidades, conhecimentos e experiências descritas abaixo: a) Qualidades físicas: saúde, vigor, trato; b) Qualidades Mentais: habilidades de aprender e de entender, julgamento, vigor mental e adaptabilidade; c) Qualidades Morais: energia, firmeza, iniciativa, disposição para a responsabilidade, lealdade, dignidade, e tato; d) Educação Geral: familiaridade geral com outros assuntos não exclusivamente da função desempenhada; e) Conhecimento especial: aquele peculiar à função, seja técnica, comercial, financeira, administrativa, e assim por diante; f) Experiência: conhecimento advindo do próprio trabalho, o conjunto de lições que uma pessoa tira das coisas. g) Funções Administrativas para Fayol, previsão, organização, comando, coordenação e controle. h) Previsão Tentativa de avaliar o futuro por meio de um plano de fazer provisões para realizar este plano (esta função deu origem a função de planejamento); i) Organização Mobilização dos recursos humanos e matérias para transformar o plano de ação; j) Comando - Estabelecimento e orientações para os empregados e obtenção das coisas feitas; k) Coordenação Obtenção da unificação e harmonia de todas as atividades e esforços; l) Controle Verificação de que as coisas aconteçam em conformidade com as regras estabelecidas e expressas pelo comando (SILVA, 2005, p. 145). Para Fayol (apud SILVA, 2005, p. 145), a principal função administrativa era a previsão, segundo a qual era feito todo planejamento de todos os processos. Os princípios gerais da Administração sugeridos por Fayol ainda são utilizados por muitos administradores. São eles: Divisão do trabalho, Autoridade e Responsabilidades, disciplina, unidade de comando, unidade de direção, subordinação do interesse individual 4

5 ao interesse geral, remuneração do pessoal, centralização, cadeia escalar, ordem, equidade, estabilidade do pessoal no cargo, iniciativa e espírito de equipe. Henri Fayol, a respeito dos princípios gerais da Administração, ressaltou Não existe nada rígido ou absoluto, quando se trata de problemas da administração: é tudo uma questão de proporção (SILVA, 2005, p.150) Teoria Burocrática de Max Weber Segundo Chiavenato (1999, p. 43), a teoria da burocracia criada por Max Weber é a organização racional e eficiente por excelência. Weber achava que o século XX seria o século das burocracias; para Weber (apud CHIAVENATO, 1999, p.44), burocracia é um modelo de organização que fundamenta seis dimensões principais; são elas: Divisão do Trabalho: Uma sistemática divisão do trabalho para permitir alto grau de especialização profissional e pessoas tecnicamente qualificadas. Os cargos são fragmentados em tarefas simples, rotineiras e bem definidos; Hierarquia de Autoridade: Os cargos são arranjados, organizados e remunerados de acordo com uma hierarquia: cada nível é supervisionado e controlado pelo nível superior. A autoridade é bem definida e se estrutura sobre forma escalar ou piramidal, desde o topo até a base; Regulamentações: Normas, regras e procedimentos formais e escritos, juntos com a estrutura de autoridade, permitem a coordenação e asseguram uniformidade, eliminando decisões arbitrárias e regulando e controlando as ações dos empregados; Comunicações Formalizadas: Todas as comunicações são feitas através de meios escritos e documentados; Impessoalidade: A ênfase é colocada nos cargos e nos empregados, para segurá-la que as regras e controles sejam aplicados uniformemente, evitando envolvimentos com pessoas e preferências pessoais e para assegurar continuidade, independentemente da rotatividade do pessoal; Competência profissional: A admissão e o encarceramento são baseados mediante concursos ou provas para seleção. Homem preocupado exclusivamente com os objetivos salariais e materiais da administração cientifica foi substituído pelo conceito (WEBER apud CHIAVENATO, 1999, p. 44). 5

6 Segundo Chiavenato (1999, p. 44), com o tempo de serviço, o profissional segue carreira dentro da organização, para promoção, progresso e acesso na escala hierárquica. Essas seis dimensões garantem a montagem de uma organização que prevalece a ordem, a disciplina e a total previsibilidade do comportamento dos seus participantes na busca da máxima eficiência da organização. Com a burocracia o proprietário que não tem qualificação cede o seu posto para um administrador qualificado. Com a evolução dos tempos não podemos utilizar mais a burocracia, pois a mesma não tem a menor aptidão para flexibilidade e inovação A Escola das Relações Humanas A ênfase nas pessoas teve seu início com a Teoria das Relações humanas, quando se constatou a importância do fator humano e a necessidade de humanização e democratização na organização. Segundo Silva (2005, p. 187), Mary Parker Follett, fundadora dessa visão, nasceu em Quincy, Massachusetts e foi a primeira estudiosa a analisar a motivação humana, partindo de valores individuais e sociais. Em 1920, Mary Follett publicou um livro intitulado The New State. O livro veio no intuito de renovar a ideia de que o indivíduo pensa, sente e age independentemente. Segundo o princípio de grupo, Follett concluiu que a verdade individual é a verdade do grupo, o homem não pode ter direitos fora da sociedade ou independente da sociedade ou contra a sociedade. Para Follett (apud SILVA, 2005, p.188), a situação concreta é que governa as ordens a serem dadas e a atenção que as pessoas darão a estas ordens. Essa ideia mudou o conceito tradicional de liderança: o líder precisa estar consciente do grupo no qual trabalha e deve se preocupar em obter a melhor contribuição de cada um. O líder dever fortalecer o grupo mais do que exprimir o seu poder pessoal. O verdadeiro líder não tem seguidores, mas pessoas trabalhando com ele (FOLLETT apud SILVA, 2005, p. 189). Segundo Chiavenato (1999, p.46), na teoria clássica, o homo economicus era considerado homem preocupado exclusivamente com os objetivos salariais e materiais da administração científica. Seus conceitos eram: organização formal, disciplina, centralização, etc. Com o impacto da teoria das relações humanas surgiu um novo sujeito, o homo social, homem voltado para a vida em sociedade e em grupos sociais; com isso surgiram novos conceitos como: organização informal, liderança, comunicação, motivação, grupo sociais, recompensas simbólicas etc. 6

7 1.2 A Escola Comportamentalista Para Silva (2005, p. 217) a abordagem comportamentalista teve origem com a tentativa de consolidar a teoria das relações humanas na teoria da organização, tendo como foco a valorização do comportamento do indivíduo. A teoria comportamental considera a aprendizagem como um processo pelo qual o comportamento é modificado como o resultado da experiência, defendendo a ideia do controle do estímulo do meio ambiente na determinação de respostas do indivíduo e dos seus estímulos. Segundo Silva (2005, p. 255), a Teoria X e a Teoria Y, mais representativas da Teoria Comportamental, foram desenvolvidas por Douglas McGregor e servem de base a qualquer teoria de como liderar pessoas dentro de uma organização. Segundo a Teoria X, as organizações supõem que as pessoas não gostam de ter responsabilidades e que preferem receber ordens, pois caso ocorra algo errado, a culpa não irá cair sobre elas. Assim devendo ser dirigidas, controladas e motivadas pela coação, pela punição, pelo dinheiro ou pelos elogios. Já para a Teoria Y, também chamada de administração participativa, a hipótese é de que as pessoas são criativas e que devemos dar liberdade de expressão para que com a ajuda dos colaboradores possam encontrar a melhor solução para os problemas. Também defende que os colaboradores não podem trabalhar sob pressão. Silva (2005, p. 225) identifica que a diferença entre as duas teorias é que a teoria Y dá liberdade de expressão aos seus funcionários, enquanto a X só oprime os funcionários não deixando brecha para uma aproximação entre os colaboradores. 1.3 A Teoria Estruturalista A teoria estruturalista foi estabelecida no final da década de Segundo Chiavenato (1999, p. 48), o estruturalismo era bem visto pela teoria das organizações porque permitia uma análise ampla, tanto externa, quanto interna, visando sempre mostrar que qualquer modificação feita em qualquer lugar da empresa sempre a afetará o todo. Segundo Silva (2005, p. 285) o nome de maior projeção no estruturalismo é Amitai Etzioni. Ele era Judeu, nasceu em 1929, na Alemanha; visava as organizações formais e informais e também desenvolveu uma tipologia de organização, procurando explicar o consentimento ao poder. Para Amitai Etzioni (apud SILVA, 2005, p.285) é 7

8 muito estreita a visão da autoridade legítima, como a razão pela qual as pessoas submissas à autoridade não legítima, afeta o comportamento. Para Silva (2005, p. 284), há três tipos de poder nas organizações: 1) Coercitivo Baseado sanções físicas, tais como ameaças, imposições de dor, controle da satisfação da necessidade fisiológica, ou seja, está associado com pessoas que estão em uma posição para punir outros; 2) Remunerativo Baseado no controle dos recursos econômicos, tais como salários, contribuições, comissões, benefícios, serviços e mercadorias; 3) Normativo Baseado na manipulação de recompensas simbólicas, tais como alocação de liderança, de prestígio, de estima. O poder normativo é também denominado poder moral e social. Etizioni (apud SILVA, 2005, p. 285), propôs que o envolvimento do indivíduo com a organização deveria ser caracterizado como (a) alienado, (b) calculativo e (c) moral. As organizações apresentam duas dimensões básicas: poder e o envolvimento. O poder é aplicado pela organização em seus membros, fazendo com que os mesmos cooperem, tendo habilidade de induzir e influenciar os mesmos; o envolvimento é desenvolvido pelos membros, podendo ser alto ou baixo; quando o envolvimento é alto chama-se comprometimento; se é baixo é chamado de alienação. Etzioni (apud SILVA, 2005, p.285), define os tipos de organizações: 1) Organizações Coercitivas: São aquelas em que a coerção é o maior meio de controle sobre os participantes e a alta alienação caracteriza a orientação entre os membros da organização. Como exemplo têm-se os campos de concentração, prisões, hospitais de doentes mentais, etc. 2) Organização Remunerativa: São aquelas em que as recompensas materiais são maior meio de controle dos participantes, e em que os participantes determinam a quantidade de envolvimento que vai beneficiá-los mais. Esse tipo de envolvimento é característico de organizações industriais, laboratórios de pesquisa, atividade comissionadas etc. 3) Organização Normativa: São aquelas em que o envolvimento moral e a aceitação social são a maior fonte de controle, e a orientação dos participantes é caracterizada por alto envolvimento com a organização. Os principias tipos de 8

9 organizações normativas são as entidades religiosas de justiça, política, advogados, associações medicas e etc. 2 Gestão na atualidade e redes de relacionamento 2.1 A Gestão na Atualidade Segundo Lopes (2013) a gestão na atualidade tem como as principais características planejar, organizar, liderar e controlar. A função de cada utilização estará na interação com o ambiente em que atua. O gestor tem como principal função apontar os erros e acertos deixando os subordinados cientes com feedbacks e trazendo clareza para o dia-a-dia. Trabalhar com o capital humano exige conhecer, compreender para depois se desenvolver. Sendo assim liderar significa uma análise, responsabilidade e justiça de tudo que é feito. Os líderes não nascem líderes; são formados com o tempo de acordo com a sua bagagem de aprendizados e experiências. A liderança é um processo de aprendizado contínuo, onde será feito autoanálise criticas e tendo sempre disposição para assumir riscos para alcançar objetivos pré-definidos (LOPES, 2013). Segundo Reddin (1970, p. 23) um líder não é um bom gerente no sentido formal, mas alguém que é considerado o principal responsável pela realização dos objetivos do grupo. A variedade dos tipos de liderança torna difícil estabelecer com precisão o que faz um líder, pois cada autor tem a sua visão. (KOUZES; POSNER, 1997, p.254). O bom líder conhece seus seguidores, seus valores, costumes, necessidades e desejos e fala uma linguagem que eles entendem. Enriquece si comunicação com exemplos concretos, historias, símbolos, metáforas e parábolas para tomar claras as suas visões abstratas. (KOUZES; POSNER, 1997, p.150) 2.2 Capital Humano Segundo informações Histedbr (2013), a origem do capital humano foi ligado ao surgimento da disciplina Economia da Educação, nos Estados Unidos, em meados dos anos Theodore W. Schultz, professor do departamento de economia da Universidade de Chicago à época, é considerado o principal formulador dessa disciplina e da ideia de 9

10 capital humano. Esta disciplina específica surgiu da preocupação em explicar os ganhos de produtividade gerados pelo fator humano na produção. (HISTEDBR, 2013). O capital humano é o conjunto de capacidade, conhecimentos, habilidade, criatividade e experiências individuais dos empregados e gerente transformando em produtos e serviços que são o motivo pelo qual os clientes procuram a empresa e não o concorrente. (CARVALHO; SOUZA, 1999, p. 2) Edvinsson e Malone (1998, p. 9) afirmam que [...] O Capital humano está relacionado ao conhecimento, expertise, poder de inovação e habilidade dos empregados, além dos valores, cultura e a filosofia da entidade, ou seja, os benefícios que podem ser proporcionados pelos indivíduos às organizações. O Capital estrutural é o caminho pelo qual e, ao longo do qual, o conhecimento trafega, ou seja, o arcabouço e a infraestrutura que apoiam o capital humano. O Capital estrutural inclui fatores como a qualidade e o alcance dos sistemas informatizados, a imagem da empresa, os bancos de dados exatos, os conceitos organizacionais e a documentação. (CARVALHO; SOUZA, 1999, p. 2) A importância do Capital Humano para as organizações Segundo Gomeiro (2001, p. 1) o capital humano é de suma importância nas organizações, sendo um fator que proporcione vantagem competitiva. O capital humano, configurando-se como um grande referencia de sucesso no meio empresarial, é o que vai determinar o futuro da companhia (GOMEIRO, 2001, p. 1). As empresas estão se preocupando, cada vez mais, com o bem estar de seus funcionários, proporcionando não apenas bons salários, mas vários outros benefícios, um bom ambiente de trabalho e cada vez mais intensificando programas de treinamentos voltados a aumentar o potencial de seus recursos humanos, tudo isto visando reduzir a rotatividade e a formação de empreendedores que possuam persistência, iniciativa, visão e liderança. 2.3 Redes de Relacionamento Segundo Colonomos (apud ACIOLI, 2007), rede é definida como o conjunto de relações sociais entre um conjunto de indivíduos, ou seja, uma estrutura social composta por pessoas e organizações. O termo rede atualmente esta com uma popularidade crescente, acadêmica ou política e designa uma grande variedade de objetivos e fenômenos. 10

11 As redes sociais que sempre tiveram grande distância das empresas passaram a conquistar um espaço cada vez maior dentro dos planos de comunicação e marketing. De acordo com uma pesquisa feita em 251 companhias, realizada pelo Instituto Brasileiro de Inteligência de Mercado (IBRAMERC, 2013), hoje no Brasil 65% das empresas apostam nas redes sociais como ferramentas estratégicas. Gráfico1 Mídias sociais utilizadas pelas empresas Fonte: IBRAMERC (2013) As redes Sociais são usadas pelas pessoas para a troca de experiências, informação, contatos afetivos e comunicação entre clientes e empresas; o que as deixa mais atrativas é o poder de compartilhamento e divulgação da informação, mudando a relação entre as organizações e o público, com o forte poder da comunicação, ajudando as organizações nos processos de interação com os clientes, colaboradores e fornecedores. Figura 01 Redes sociais: 4º canal mais utilizado para falar com as empresas Fonte: DEGASPARI (2013) 11

12 Figura 02 Relacionamento com as marcas no Facebook Fonte: DEGASPARI (2013) Redes Sociais podem operar em diversos níveis, como, por exemplo, redes de relacionamentos (Facebook, Twitter), redes profissionais (Linkedin), redes comunitárias, redes políticas, dentre outras, permitindo ficar clara a visualização de informações de empresas de todo o mundo. Um ponto em comum entre as redes sociais é o compartilhamento de informações, conhecimentos, interesses. As organizações estão mudando os seus quadros, os formatos de suas hierarquias, as estruturas organizacionais e as formas de produção. 2.4 Sites populares de Redes Sociais Para melhor entendimento do nosso trabalho, serão relacionadas abaixo algumas das principais redes sociais mais utilizadas e comentadas nos dias de hoje Facebook Segundo o Oliveira (2011), o Facebook, foi um sistema criado em fevereiro de 2004, por um grupo de jovens da Universidade de Havard; inicialmente, era uma rede de relacionamento criada para o uso entre eles alunos da instituição, chamado de 12

13 THEFACEBOOK e teve muitos acessos em poucas horas, no ato de sua criação. O principal fundador do THEFACEBOOK é Mark Zucherberg. Nos últimos anos se tornou a rede social que mais vem se desenvolvendo. O acesso ao Facebook, aos poucos foi crescendo entre as universidades americanas. Em menos de um ano já tinha um milhão de usuários ativos. Em 2005, o acesso foi expandido a escolas internacionais, e no início de 2006, algumas empresas e estudantes de ensino médio também começaram a ser aceitos. Em setembro desse mesmo ano, o Facebook foi aberto para quem quisesse se registrar. O Facebook se tornou um site de relacionamento, onde o usuário cria o seu perfil, com dados pessoais, publica as informações de seu interesse, interagindo com outras pessoas e organizações enviando mensagens públicas e privadas. Ele não para de crescer e, atualmente, segundo informações do site Publionline (2013), tem mais de 750 milhões de usuários ativos, e está entre os 10 sites mais acessados do mundo. Além de perfil de usuários é possível criar páginas para organizações publicando informações sobre seus produtos e serviços, deixando assim a empresa mais popular entre os milhares de usuários da rede Linkedin Segundo Santana (2012), o linkedin é uma rede de relacionamento e negócios, utilizada, principalmente, para divulgação curricular por profissionais. Foi fundada em dezembro de 2012 e lançada em Maio de 2003 por Reid Hoffman, sendo que o atual diretor é Dan Nye. O principal propósito do site é permitir que todos os usuários tenham contatos com pessoas de seus interesses de diversas empresas, sendo chamados de conexões, onde é possível fazer contato, compartilhar ideias e descobrir novas oportunidades de trabalho. Existem vários públicos de relacionamentos no Linkedin: o primeiro e mais simples é formado por manter contato com ex-colegas e colegas de classe; o segundo e mais forte dos públicos é de pessoas que têm o cadastro e procuram emprego e de pessoas e empresas que oferecem emprego, tendo uma página só para Jobs and Hiring, ou seja, empregos e contratações, o terceiro é oportunidade para novos negócios. O Linkedin é a maior rede profissional do mundo ajudando as pessoas se conectar, ele ajuda a gerenciar a sua carreira, obtendo um perfil confiável com suas 13

14 experiências e capacidades mantendo contatos com os melhores profissionais e novos negócios, pode se juntar a grupo e discutir sobre a sua área ou assunto de interesse (OLIVEIRA, 2012) Twitter Twitter foi fundado em 2006 por Jack Dorsey, Evan Williams e Biz Stone. A ideia surgiu durante uma reunião que eles discutiam sobre troca de SMS, onde pensaram e criaram um serviço de troca de status, ou seja, serviço que permite aos usuários enviar e ler "tweets", que são mensagens de texto limitadas a 140 caracteres. A explosão do Twitter aconteceu em 2007, tendo como foco interferências interativas. Essa rede é constituída por usuários que escolhem a quem seguir, possibilitando enviar mensagens privadas e públicas. Os usuários estão utilizando-a com maior consciência e aproveitamento os variados assuntos; os mais comentados são notícias da atualidade, sendo que sua principal ferramenta são os trending topics que trazem os assuntos mais discutidos em rede social naquele momento (TECMUNDO, 2013). 3 Estudo de caso na empresa Fact Tecnologia Ltda História Segundo informações do Diretor Paulo Tavares, a empresa Fact Tecnologia Ltda foi criada em 2011 e tem como principal atividade a consultoria em tecnologia da informação. A empresa tem sede no Município de Santana de Parnaíba, estado de São Paulo, na Calçada Pólux, 32/1º. Andar, Bairro Alphaville. Segundo informações do Site da empresa, a Fact Tecnologia era uma provedora de consultores especialistas no módulo de ativos do SAP (FI-AA). Conforme aprimorava sua capacitação nesta solução, observou a enormidade de aplicações e ampliou suas atividades para o uso de RFID no monitoramento de ativos, mercadorias, equipamentos ou pessoas, em todos os ramos de atividades, tais como Fast Foods, Hotéis, Data Centers, Indústrias em geral, Escolas, Lojas de varejo, entre outros (FACT TECNOLOGIA, 2013). A empresa é inovadora em soluções para gestão de ativos, atuando de forma horizontal em toda a cadeia de necessidades desta área, utilizando o conhecimento e 14

15 experiência de seus profissionais para prover seus clientes das principais soluções tecnológicas existentes no mercado com produtividade e eficiência. Para tanto, atua de forma transparente, responsável, honesta e diferenciada, relacionando-se com todos de forma harmônica. Não abre mão da qualidade de seus serviços buscando seu aprimoramento contínuo e tem como objetivo ser a maior empresa em soluções de RFID no Brasil (FACT TECNOLOGIA, 2013). Com pouco tempo no mercado de trabalho a Fact Tecnologia tem grandes destaques com os serviços prestados, conquistando uma cartela de clientes com grandes referências Estrutura Física A empresa está localizada no Bairro de Alphaville, em um prédio com recepção, sala de reunião e um espaço para que os seus colaboradores trabalharem com conforto e comodidade. Para que seus colaboradores se sintam bem, a Fact Tecnologia é uma empresa liberal, deixa a disposição o uso da internet e é aberto a todos os acessos como Facebook, Twitter, Linkedin, entre outras redes sociais, possuindo um espaço para os colaboradores tornarem o seu café a qualquer hora do dia. 3.2 Entrevista Diretores da Fact Tecnologia Ltda Entrevistamos dois Diretores da Empresa Fact Tecnologia LTDA, Paulo Fernando de Mello Tavares, Diretor Geral, Graduado em Direito e Pós Graduado em Economia, e Douglas Kocsis, Diretor Comercial, Graduado em Publicidade. A entrevista foi realizada dia 23 de outubro de 2013 e durou cerca de 2 horas. A seguir, apresentam-se as 15 questões que fizeram parte do roteiro da entrevista e as respostas obtidas pelos entrevistados: 1) Como surgiu a empresa? Surgiu da observação de uma necessidade de Mercado. Tal observação foi provocada pela circunstância do trabalho em outra empresa. O mercado oferece, em muitas situações, oportunidades que se apresentam para um bom observador. 15

16 2) As redes sociais tiveram alguma influência? Desde o início as redes sociais tiveram muita influência no sucesso da empresa. Nós tínhamos muita dificuldade em nos relacionarmos com os clientes, já que não havíamos referência no mercado. Foi através de contatos personalizados, procurando pelas pessoas certas no Linkedin, que a prospecção era feita com maior eficácia. Trabalhamos em uma área onde nossos serviços são interessantes para empresas de grande porte, nas que possuem interesse em transparência e em balanços patrimoniais detalhados. Para vendermos para essas empresas, precisávamos entrar em contato já com a pessoa certa. Já que nossa área é muito especifica e cada empresa a trata de uma forma. 3) Como vocês lidam com a modernidade tecnológica? A modernidade tecnológica faz parte do meu dia e da minha rotina. A empresa tem foco em tecnologia e inovações. O que nos faz frequentar feiras, conferências e ambientes que proporcionem troca de informações tecnológicas. O foco da empresa é modernizar o que é feito pelo mercado de uma forma tradicional e pouca prática. Por isso, precisamos ter base para passar para nossos clientes o nosso diferencial. Sendo assim, a modernidade tecnológica nos acompanha e até agora nos proporcionou grandes lucros. 4) Como é feita a busca pelos clientes? E os fornecedores? A busca pelos clientes na maior parte das vezes é feita pela rede social Linkedin. Nessa rede, nós temos acesso ao nome das pessoas dos departamentos que nos interessam. Adicionamos essa pessoa e explicamos o porquê do convite. Depois que a pessoa está em nosso networking é feito contato por para dar continuidade na prospecção. Outra forma de chegarmos até o cliente, é simplesmente ver o responsável pelo departamento correto dentro da empresa (cliente) de interesse e fazer contato telefônico já à procura da pessoa certa. O que aperfeiçoa a prospecção e reduz o caminho para apresentação dos serviços. 5) As redes sociais fazem uma boa divulgação do seu serviço? Sim. A cada nova conquista de cliente nós publicamos, divulgamos a nossa tecnologia e as novidades de nosso mercado. 16

17 nós. 6) Vocês obtêm um retorno dessa divulgação? Sim. Porém por ser uma área muito limitada de atuação, a maior busca é feita por 7) Em suas opiniões qual a importância das redes sociais para o mercado de trabalho? O mercado de trabalho funciona de forma muito dinâmica, assim como as redes sociais. Assim como divulgamos nossos maiores clientes quando obtemos sucesso, podemos ver quais os clientes que perdemos o processo para nossos concorrentes. As redes sociais também são importantes para a contratação de mão de obra. Já que podemos verificar o perfil de possíveis contratos e verificar se o perfil associado os profissional, vai de encontro com os valores da empresa. 8) Como seria sua empresa sem as redes sociais? Primeiramente, seria uma empresa onde as primeiras referências de clientes seriam outras. O que resultaria em muitos impactos. Não teríamos a mesma facilidade em prospecção e fechamento de propostas. Através das redes sociais, nós vendemos e procuramos parceiros, além de contratação de funcionários. 9) Qual seu estilo de gestão? Procuro ser um gestor que busca o melhor que minha equipe pode fornecer. Dou abertura para o desenvolvimento de aptidões e espaço para que cada funcionário desenvolva seu método de trabalho. Forneço informações importantes para o bom desempenho dentro do que a empresa espera, porém não faço pressão para resultados, pois procuro contratar pessoas que saibam lidar com a liberdade e com responsabilidade. Não acredito na gestão que age com pressão ou rispidez. Costumo ouvir opiniões e agir democraticamente. Sou um exemplo do que espero, gosto de motivar e deixar um clima harmônico no ambiente de trabalho. Estou sempre disponível para o que minha equipe precisar. Incentivo, mudanças e comunicação para o alcance de melhores resultados. 17

18 10) Como é seu relacionamento com os funcionários? Vocês diferenciam o modo de tratar os funcionários de acordo com a idade e experiência? Meu relacionamento é baseado em liberdade de comunicação. Gosto de ouvir o que a minha equipe tem a dizer, e faço uma análise com o que pode ser melhorado. Diferencio a forma que trato a equipe conforme a experiência e idade. Já que cada pessoa tem a sua forma de reagir. Não posso exigir a mesma coisa de alguém que já está anos no mercado de trabalho. Normalmente as pessoas mais novas são também mais fáceis de incentivar, as que têm mais experiência eu lido com um pouco mais de pressão. 11) As redes sociais auxiliam no desenvolvimento de sua equipe? Como? Muito. As redes sociais permitem que a minha equipe faça parte de grupos de discussão que abordam temas importantes para a nossa área de atuação. 12) As redes sociais auxiliam no seu papel como gestor? Como? Muito. As redes sociais me mantêm em contato com matérias, e experiências de outros gestores que me dão mais conhecimentos e base para inovação e treinamento para tratar minha equipe. 13) Como você vê sua empresa daqui há 5 anos com o avanço tecnológico? Vejo a empresa com cases em tecnologia e inovação. Com suas mídias digitais aperfeiçoadas e com mais alcance. Vejo um site que seja além de informativo, um fornecedor de conteúdo para pesquisas. Vejo mais alcance publicitário. 14) Descreva as qualificações que em sua opinião deve ter um bom líder. Um bom líder deve saber ouvir opiniões que visem melhorias. Saber identificar as qualidades de sua equipe e incentiva-las e saber os pontos negativos da sua equipe para treinar e melhorá-los. 15) Com esse estudo de caso adquirimos novas experiências. Ao responder o questionário vocês podem visualizar novos caminhos e diferenciais para sua empresa? 18

19 Sim. Eu consigo visualizar, de forma que não havia avaliado antes, a importância que tiveram até aqui as redes sociais na empresa e reforçar seu uso e a importância que nossa equipe comercial e publicitária deve dar a este estudo de caso. 4 Análise das informações coletadas Com o nosso quadro teórico e estudo de caso fizemos uma análise, por meio da qual podemos identificar o quanto as redes sociais e os gestores fazem diferença no dia a dia da organização. Quanto à liderança, sabemos que a variedade dos tipos de comando torna difícil estabelecer com precisão o que faz um líder, pois cada autor tem a sua visão; mas os líderes devem saber lidar com os seus liderados em qualquer situação, pois trabalhar com os seres humanos exige conhecer, compreender para, posteriormente, se desenvolver. Sendo assim, como afirmaram os entrevistados, em nossa pesquisa na empresa, um líder exemplar deve saber ouvir opiniões que visem melhorias, saber identificar e incentivar as qualidades de sua equipe, bem como distinguir os aspectos negativos da equipe, para treinar e melhorá-la. Quanto às redes, a empresa Fact Tecnologia afirma que as redes sociais sempre tiveram grandes influências quanto ao seu desenvolvimento, pois a sua cartela de clientes é prospectada através das redes, onde são capazes de conseguir se conectar com vários clientes e fornecedores, assim facilitando contato e abrindo novos horizontes com tempo ágil. Com a ajuda das redes sociais, as empresas podem verificar quais os clientes que foram perdidos para os concorrentes e assim tentar converter o quadro, auxiliando na busca de novos colaboradores, sendo possível a análise do perfil do candidato para saber se a mesmo está de acordo com as necessidades da empresa. Com o nosso dia a dia percebemos o quão importante tem se tornado a tecnologia dentro das empresas: elas auxiliam de diversas formas, tanto na comunicação quanto na inovação, nas qualidades das informações e serviços para os clientes. Considerações finais Com este estudo de caso na Empresa Fact Tecnologia foi possível identificar o quanto a tecnologia, na atualidade, pode ajudar as empresas e aos seus gestores e 19

20 colaboradores na busca de novos clientes, negócios entre outras oportunidades. O nosso objetivo principal foi mostrar os diferentes cenários que os gestores da atualidade enfrentam e como essa modernidade tecnológica os auxilia, apesar de nem todos darem a devida importância para uma ferramenta que pode lhes ajudar de diversas formas. Percebemos que os gestores de certa forma sabem que a modernidade tecnológica pode ajudá-los e que as redes sociais trazem constantes informações do mundo inteiro, mas nem sempre eles têm confiança e dão liberdade para que seus colaboradores utilizem dessas ferramentas, para ficarem atualizados sobre informações dentro da empresa, o que não ocorre na Fact, que deixa essas ferramenta à disposição dos colaboradores. Há vários tipos de ferramentas de comunicações disponíveis na atualidade, por meio das quais a empresa pode interagir com clientes, fornecedores entre outros, facilitando a comunicação entre todos. Concordamos que as redes sociais têm os seus prós e contras, pois nem todos os colaboradores as tratam como fonte de informações e divulgações de materiais de trabalho, e acabam confundindo a liberdade que lhes é dada e saindo do foco desejado. A maioria dos gestores contemporâneos se importa com o modo de pensar dos seus colaboradores, sendo que atualmente possuem um papel de relevância nas organizações, por meio do desenvolvimento das habilidades, competências e criatividade; porém, se faz necessário o aprimoramento profissional constante. Há diversas empresas que possuem gestores de gerações diferentes (mais jovens e mais velhos), mas independente da geração em que se encontra o gestor, ele deve saber extrair dos subordinados o melhor que eles tem a oferecer, identificando as diferenças, respeitando o seus valores e crenças desde que de acordo com os valores e crenças da própria organização, ou seja, se reinventar a todo momento seja como subordinado, seja como gestor. Percebemos que a dinâmica dos negócios, na atualidade, obriga de alguma forma, as organizações e gestores a se adaptarem muito rapidamente à modernidade, para que não fiquem um passo atrás dos concorrentes e que mantenham o foco em como os clientes buscam seus fornecedores de serviços e produtos. O perfil gestor na atualidade tem um papel essencial para as organizações, basta os gestores saberem utilizar os recursos e ferramentas disponíveis de forma correta, para que possam auxiliar os seus colaboradores e 20

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NA ORGANIZAÇÃO: UM ESTUDO NA EMPRESA B2W DIGITAL *

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NA ORGANIZAÇÃO: UM ESTUDO NA EMPRESA B2W DIGITAL * A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NA ORGANIZAÇÃO: UM ESTUDO NA EMPRESA B2W DIGITAL * Eliane Barbosa Martins (FACEQ) ** Reginaldo dos Santos Cunha (FACEQ) *** Maria Clara Lopes Saboya (USP/FAFE/FACEQ)

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 3 - A organização O conceito fundamental para a administração é o de ORGANIZAÇÃO, uma vez que toda a aplicação administrativa vai ocorrer numa organização e

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA O exame a ser aplicado na Certificação por Prova, na ênfase Recursos

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Noções de Liderança e Motivação

Noções de Liderança e Motivação Liderança A questão da liderança pode ser abordada de inúmeras formas: Liderança e Poder (recursos do poder) Liderança e Dominação (teorias da dominação legítima de Max Weber) Líder pela tradição Líder

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO http://www.administradores.com.br/artigos/ A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS),

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre. Questões Comentadas:

Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre. Questões Comentadas: Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre Questões Comentadas: 1 - Q120630 ( Prova: FUNRIO - 2010 - FURP-SP - Assistente Financeiro / Administração Geral / Planejamento; ) De acordo com autor

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

A importância da comunicação dos setores com o RH para um processo de Recrutamento e Seleção eficaz.

A importância da comunicação dos setores com o RH para um processo de Recrutamento e Seleção eficaz. A importância da comunicação dos setores com o RH para um processo de Recrutamento e Seleção eficaz. Resumo Juliana MERNICK ¹ Adriana STRAUBE ² Recrutamento e Seleção são fatores de extrema importância

Leia mais

CRESCIMENTO PROFISSONAL Um Estudo de Caso na Cobra Metais Decorativo

CRESCIMENTO PROFISSONAL Um Estudo de Caso na Cobra Metais Decorativo CRESCIMENTO PROFISSONAL Um Estudo de Caso na Cobra Metais Decorativo ANDRÉ LUIS ZUCCULIN CAMILA APARECIDA SOARES DA SILVA EDMAR CAVALCANTE DA SILVA PAULO HENRIQUE RODRIGUES EDSON LEITE LOPES GIMENEZ RESUMO

Leia mais

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol.

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. Partiram de pontos distintos

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho?

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho? A abordagem típica da Escola da Administração Científica é a ênfase nas tarefas; Objetivava a eliminação dos desperdícios e elevar os níveis de produtividade Frederick W. Taylor (1856-1915): Primeiro período

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração

Abordagem Clássica da Administração Abordagem Clássica da Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 05 Principais Personagens Fredeick Winslow Taylor (americano) Escola da Científica: aumentar a eficiência da indústria por meio

Leia mais

SESSÃO 2: Explorando Profissões

SESSÃO 2: Explorando Profissões SESSÃO 2: Explorando Profissões CURRÍCULO DE PROGRAMA Muitas meninas adolescentes (e adultos também) dizem que não tem ideia do que querem fazer com o resto de suas vidas. Embora que algumas meninas sonham

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO 2.4 Abordagem das Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL Fabiana Custódio e Silva * Murilo Sérgio Vieira Silva **

Leia mais

Tipos de gestão e suas respectivas lideranças

Tipos de gestão e suas respectivas lideranças Tipos de gestão e suas respectivas lideranças RODRIGUES, Ellen Laura Aparecida Associação Cultural Educacional de Itapeva Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva RODRIGUES, Gabriel José Associação

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida)

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) Liderança é inata? Abordagem Genética - Antigamente acreditava-se que o indivíduo nascia com características, aptidões e valores próprios de um líder. Na moderna

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA Publicado em 12/10/2015 LIDERANÇA A liderança é um fenômeno que ocorre exclusivamente em grupos sociais. Ela é definida como uma influência interpessoal exercida em dada situação

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais

Gestão Escolar II. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão Escolar II. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina Gestão Escolar II oferecida pela UNINO- VE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 Índice 1. Processo de gestão do conhecimento...3 2. Gestão do capital intelectual...3 3. Sistema de inteligência competitiva...4 2 1. PROCESSO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

APÊNDICE A ROTEIRO DE PERGUNTAS

APÊNDICE A ROTEIRO DE PERGUNTAS APÊNDICES APÊNDICE A ROTEIRO DE PERGUNTAS Este roteiro de perguntas foi estruturado com a função de cumprir o objetivo geral de descobrir a realidade das assessorias e agências dentro do mercado londrinense.

Leia mais

Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS

Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Disciplina: Fundamentos da Administração Empresarial AULA 4 Assunto: A Abordagem Clássica da Administração Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas AULA 3 Administração de Recursos Humanos O papel do gestor

Leia mais

Teoria Geral da Administração (TGA)

Teoria Geral da Administração (TGA) Uma empresa é uma organização social que utiliza recursos a fim de atingir tais objetivos. O lucro, na visão moderna das empresas privadas, é conseqüência do processo produtivo e o retorno esperado pelos

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

INFORMAÇÕES CONECTADAS

INFORMAÇÕES CONECTADAS INFORMAÇÕES CONECTADAS Soluções de Negócios para o Setor de Serviços Públicos Primavera Project Portfolio Management Solutions ORACLE É A EMPRESA Alcance excelência operacional com fortes soluções de gerenciamento

Leia mais

Processos de Recursos Humanos

Processos de Recursos Humanos Gestão Integrada RH Recursos Humanos Unida 2 Rosemeri da Silva Paixão Recursos Humanos 28 Gestão Integrada RH Sumário Introdução... 30 Objetivos... 31 Estrutura da Unida... 31 UNIDADE 2: Recursos Humanos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: UMA VISÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO E SUAS PERSPECTIVAS

TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: UMA VISÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO E SUAS PERSPECTIVAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: UMA VISÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO E SUAS PERSPECTIVAS 1. TEORIAS ADMINISTRATIVAS Ao longo do tempo, na medida em que foram surgindo problemas na gestão empresarial, várias Teorias

Leia mais

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Gente não nasce pronta e vai se gastando; gente nasce não-pronta e vai se fazendo (CORTELLA) DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GENÉTICA E BIOQUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA: BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO Fundamentos da Fábio Júnio Ferreira Patos de Minas, 26 de novembro de

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam.

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. Evolução da Teoria Administrativa Escolas de Concepção Administrativa. Abordagem Clássica da Administração. Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. 1 - Visão Americana: Liderada

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA 2 Código de Conduta Prisma Edificações e Engenharia I - O que é o Código de Conduta da Prisma Edificações e Engenharia? O Código de Conduta da Prisma é um instrumento criado

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

CBA PERFIL DO ALUNO. Certification in Business Administration

CBA PERFIL DO ALUNO. Certification in Business Administration CBA Pós - Graduação QUEM SOMOS PARA PESSOAS QUE TÊM COMO OBJETIVO DE VIDA ATUAR LOCAL E GLOBALMENTE, SER EMPREENDEDORAS, CONECTADAS E BEM POSICIONADAS NO MERCADO, PROPORCIONAMOS UMA FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA,

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O A D M I N I S T R A Ç Ã O G E R A L UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP Autores: Antonio Carlos Gola Vieira Aluno da Faculdade

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

nacional; Comissionamento diferenciado na venda e pós-venda em todos os produtos e

nacional; Comissionamento diferenciado na venda e pós-venda em todos os produtos e PROGRAMA DE PARCERIA Objetivo do Programa de Parceria Atuando no mercado de CRM (Customer Relationship Manager) desde 1994, a KANKEI é uma empresa de capital Nacional que oferece soluções de marketing

Leia mais