Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação"

Transcrição

1 Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares

2 Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos e bibliotecas, instituições por excelência mantenedoras de fontes primárias de informação. No início essas instituições usavam a tecnologia digital para organizar as informações sobre seus acervos. Hoje utilizam os recursos digitais para armazenar, preservar e dar acesso aos conteúdos informacionais sob sua custódia.

3 Aspectos Gerais A digitalização é uma das medidas utilizadas em arquivos e bibliotecas para proceder a reformatação de seus acervos. O processo de reformatação é Adoção de medidas que visam transpor os dados informacionais de um determinado suporte para outro.

4 Aspectos Gerais Exemplos de reformatação: microfilmagem e digitalização. O processo de digitalização propicia os meios de se codificar documentos capturados através de um scanner ou máquina fotográfica digital e disponibilizá los los em forma de imagem, texto ou som para armazenagem, transmissão e recuperação em sistemas computadorizados.

5 Aspectos Gerais Diferente da microfilmagem, a digitalização não tem a finalidade de preservação do original, i mas também cumpre esse papel na medida em que evita excessiva manipulação dos originais. Ela não substitui a cópia original. O produto da digitalização, a imagem digital, não substitui legalmente a informação armazenada no suporte original. Ela passa a ser um novo mecanismo de acesso ao conteúdo informacional.

6 Aspectos Gerais A digitalização requer basicamente os seguintes equipamentos: Scanner ou câmara digital para captar e converter a imagem. Computador para processá la e armazená la. Softwares para captura e manipulação de texto t e imagens. Impressora ou um monitor para visualizá la. la

7 Diretrizes Básicas A Unesco criou um guia com as diretrizes básicas para os projetos de digitalização em Arquivos e Bibliotecas. Neste guia os autores alertam que é necessário a instituição estabelecer objetivos claros para um projeto de digitalização pois a digitalização é um processo caro e trabalhoso.

8 Diretrizes Básicas No sentido de estabelecer claramente os objetivos de um projeto de digitalização é necessário responder algumas perguntas antes de iniciar um projeto desta magnitude tais como: O projeto objetiva atender aos usuários? Visa atender a necessidade de preservação do material? Visa aproveitar uma oportunidade de verba? A instituição tem verba suficiente para a realização do projeto? A instituição tem pessoal qualificado para isso? A instituição i i tem capacidade d e infra estrutura técnica para a realização do projeto?

9 Diretrizes Básicas Se a instituição conseguir delimitar e responder a essas perguntas básicas tem se um bom começo para a a realização ação do pojeto.segu projeto. Segundo o guia da Unesco, para a aquvose arquivos bibliotecas a digitalização pode ter como principais objetivos: Possibilitar acesso ao conteúdo túd informacional i que encontra se em suporte de difícil acesso. Disponibilizar novas formas de uso e acesso aos acervos que tem alta demanda de uso, aumentando os grupos de usuários. Contribuir para a preservação dos acervos, reduzindo o manuseio e o acesso físico ao material original, criando uma cópia de segurança do material original.

10 Diretrizes Básicas O projeto de digitalização a ser implantado em arquivos deve contemplar os seguintes pontos: Critérios de seleção do material. Critérios de conversão. Critérios para controle de qualidade da digitalização. Gerenciamento da coleção. Disponibilização bl e armazenamento do acervo digital.

11 Diretrizes Básicas É necessário ressaltar que mesmo respondendo a todos estes critérios também é preciso saber se a infra estrutura disponível possibilita a digitalização deste acervo, pois: muitas vezes a tecnologia disponível na instituição não possibilita a digitalização de certos materiais, tais como as fitas de áudio e os mapas e plantas de grandes dimensões.

12 Definições Técnicas As definições técnicas para a atividade de digitalização são decisões técnicas a serem seguidas no momento da criação da imagem digital para determinado acervo, tendo a finalidade de estabelecer um produto de qualidade. Essas decisões devem levar em conta as características do material a ser digitalizado juntamente com as características técnicas do equipamento a ser utilizado e a finalidade da digitalização.

13 Definições Técnicas Para um projeto que tem como objetivo preservar o original e criar um formato digital para acesso aos conteúdos de informação é necessário estabelecer decisões técnicas diferenciadas. A imagem para fins de preservação deve ter uma alta qualidade e deve retratar mais fielmente possível às características do acervo original.

14 Definições Técnicas Se o objetivo é disponibilizar um novo formato de acesso ao conteúdo original, i o projeto deve estabelecer bl critérios iéi para a geração de uma imagem que possa ser facilmente acessada por computador assim como ser copiada id para outros sistemas ou impressa. Essa imagem não deve ter o mesmo padrão de uma imagem para fins de preservação ele deve ser de fácil manipulação e pode ser gerada utilizando se os recursos técnicos de melhoria para criação de uma imagem.

15 Definições Técnicas É necessário estabelecer sempre os melhores critérios possíveis de captura da imagem, pois a qualidade da captura da imagem original e a qualidade dos equipamentos determinam a qualidade da imagem produzida a partir do arquivo digital.

16 Definições Técnicas Podemos então estabelecer os seguintes critérios de captura de uma imagem padrão Melhor qualidade de resolução e definição (e consequentemente ocupando espaço grande de memória do computador) são as imagens para fins de preservação. Essa imagem é a cópia master e a partir dela derivarmos imagens que possam servir para projetos que objetivam o acesso e reprodução, que devem ser imagens de boa definição mas com tamanho pequeno que facilite a manipulação, reprodução e impressão (imagens compactadas).

17 Resolução da Imagem Os critérios técnicos de qualidade da imagem são estabelecidos a partir da definição da resolução da imagem que é determinada pelo número de pixels usados para criar a imagem é expressado por dpi (dots per inch) ou pontos por polegadas, quanto mais pontos por polegadas, maior é a exatidão da imagens.

18 Resolução da Imagem A quantidade de dpi também é utilizada para avaliar a qualidade do equipamento de captura da imagem, a máquina digital ou o scanner. Quanto maior pontos por polegadas um equipamento de captura atingir mais capacidade ele tem de gerar uma imagem de melhor exatidão.

19 Compressão de Imagens A compressão das imagens é usada nos casos em que as imagens precisam ser acessadas e manipuladas em meio digital. A compressão é usada para reduzir o tamanho do arquivo para que o mesmo possa ser processado, armazenado e transmitido como uma imagem digital, normalmente em uma rede.

20 Compressão de Imagens As técnicas de compressão utilizadas consistem na eliminação de partes da imagem que tendem a ser imperceptíveis ao olho humano, para que elas fiquem mais leves e mais facilmente manipuláveis. Mesmo assim, a qualidade da imagem pode às vezes ser afetada por esse processo.

21 Compressão de Imagens A compressão das imagens é usada nos casos em que as imagens precisam ser acessadas e manipuladas em meio digital. A compressão é usada para reduzir o tamanho do arquivo para que o mesmo possa ser processado, armazenado e transmitido como uma imagem digital, normalmente em rede de comunicação de dados.

22 Resolução da Imagem As imagens com alta resolução, que devem servir como imagens master, para gerar outras imagens. As imagens de baixa resolução que devem ser usadas para manipulação e acesso.

23 Acesso a Informação Digital O acesso a conteúdos reformatados digitalmente se dá através de Sistema de Recuperação de Informação que comporte um banco de dados para armazenamento dos conteúdos, contendo sua descrição e um sistema que possibilite a busca a partir dos elementos de recuperaçãop (palavras chaves, indexadores, taxonomia ou ontologia, etc.) O acesso pode ser através de uma rede de comunicação externa, ou interna.

24 Acesso a Informação Digital Destaque para a etapa de tratamento da informação que envolve as atividades de descrição física da informação além do estabelecimento de diretrizes para o tratamento de conteúdo quando se inclui banco de dados. Os dados de descrição física e de conteúdo serão os mecanismos chaves para a pesquisa e o acesso ao conteúdo digital.

25 Acesso a Informação Digital A instituição deve prever custos com a aquisição de um sistema de gerenciamento de banco de dados, pensando em um sistema que possibilite o acesso por rede local ou que possibilite o acesso remoto, através da internet. O mercado de software dispõe de vários pacotes que podem executar as atividades de gerenciamento de um banco de dados de armazenamento e acesso, assim com a estruturação de redes de acesso local e remoto.

26 Acesso a Informação Digital Os custos de aquisição, manutenção e desenvolvimento desses sistemas não são baixos. O trabalho de concepção do sistema de gerenciamento do banco de dados deve ser feito considerando o que já existe de estrutura física de rede ou de aquisição ou melhoria de toda a infra estrutura.

27 Acesso a Informação Digital No caso de aquisição de um sistema de gerenciamento de banco de dd dados ou do uso de uma plataformas de criação de banco de dados d ele deve ser concebido em consonância com o que já é utilizado dentro da instituição i i ou que pode ser adaptado d à instituição. i i Uma saída para diminuir os custos de criação e gerenciamento de um banco de dados de acesso a conteúdos digitais é o uso de softwares livres que são gratuitos, mas exige um investimento da instituição em pessoal capacitado para criar e administrar esses sistemas.

28

29 Degradação dos Discos Amolecimento devido ao calor Desenvolvimento de microorganismos nas camadas de revestimento e nos sulcos Descolamento das camadas. Falta de informação quanto à vida útil Mudanças sistemáticas do suporte de leitura Imprecisões por perda de dados dd em algumas áreas do disco.

30

31 Armazenagem e Manuseio em Meio Digital Manter distante de campos magnéticos. Mobiliário de madeira tratada contra combustão e insetos, ou de aço, com revestimento em verniz polimerizado. Caixas de plástico inerte, como o polipropileno. Iluminação incandescente, de baixa potência Máximo cuidado contra a entrada de poeira e rotinas de limpeza. Manuseio sempre com luvas de algodão. Suspenso 20 cm do chão e com orifícios i que permitam a ventilação.

DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS RESUMO

DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS RESUMO DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS Sônia Teresinha Duarte de Oliveira 1 RESUMO O processo de digitalização propicia os meios de se codificar documentos capturados através de um scanner ou máquina fotográfica

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos.

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Scanners Manual Básico Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Tipos de Scanners Diferentes tipos de scanners funcionam de diferentes maneiras. Conheça

Leia mais

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão

ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS. Prof. Antonio Victor Botão ARQUIVOLOGIA - TIPOLOGIAS DOCUMENTAIS E SUPORTES FÍSICOS Prof. Antonio Victor Botão TÉCNICAS MODERNAS DE ARQUIVAMENTO Anteriormente tratamento somente de suporte papel em arquivos, os materiais especiais

Leia mais

Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED. Preparação de documentos

Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED. Preparação de documentos Gerenciamento Eletrônico de Documentos AMBIENTE GED Preparação de documentos 1 Preparação de Documentos Quais documentos digitalizar? Eliminação: remoção e destruição de duplicatas, materiais sem importância

Leia mais

Orientações para Digitalização de Processos Físicos

Orientações para Digitalização de Processos Físicos ORIENTAÇÕES PARA DIGITALIZAÇÃO DE PROCESSOS JUDICIAIS O ano de 2015 representa um marco e um grande avanço no que diz respeito à modernização dos acervos processuais do TJBA. Inicia-se o processo de digitalização

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS GED MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br

Leia mais

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS ARQUIVO CENTRAL DO SISTEMA DE ARQUIVOS PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS 2011 PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL Regulamenta a digitalização do Acervo Documental da Faculdade de Direito do Recife. O Conselho Departamental do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal

Leia mais

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Pré-requisitos: Possuir modalidade scanner no software Sphinx A SPHINX Brasil propõe uma solução de leitura automática de questionários por scanner. O Sphinx

Leia mais

Manual de Captura, Descrição, Guarda e Transferência do Acervo de Imagens em Papel e/ou Digitais da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro

Manual de Captura, Descrição, Guarda e Transferência do Acervo de Imagens em Papel e/ou Digitais da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Manual de Captura, Descrição, Guarda e Transferência do Acervo de Imagens em Papel e/ou Digitais da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Rio de Janeiro 2013 FICHA TÉCNICA Arquivo Geral da Cidade do Rio

Leia mais

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica

Imagem digital - 1. A natureza da imagem fotográfica. A natureza da imagem fotográfica A natureza da imagem fotográfica PRODUÇÃO GRÁFICA 2 Imagem digital - 1 Antes do desenvolvimento das câmeras digitais, tínhamos a fotografia convencional, registrada em papel ou filme, através de um processo

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital WHITEPAPER Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital Câmera IP ou câmera analógica? Se você está em dúvida sobre a aquisição de uma solução analógica

Leia mais

Prof a. Lillian Alvares. Curso de Arquivologia

Prof a. Lillian Alvares. Curso de Arquivologia Prof a. Lillian Alvares Curso de Arquivologia Universidade id d de Brasília Datasul Collecta Gartner Group Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Ciência da Informação Estatísticas Estatísticas

Leia mais

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED)

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) Automação em Arquivos GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) O que é GED GED é a tecnologia que provê um meio de facilmente armazenar, localizar e recuperar informações existentes em documentos e

Leia mais

Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013.

Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA ARQUIVO NACIONAL Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013. O DIRETOR-GERAL DO ARQUIVO NACIONAL, no uso de suas atribuições, previstas no art. 45 do Anexo I do Decreto

Leia mais

As imagens dos documentos digitalizados podem ser reproduzidas e visualizadas em microcomputadores, isolados ou em redes, locais ou remotos.

As imagens dos documentos digitalizados podem ser reproduzidas e visualizadas em microcomputadores, isolados ou em redes, locais ou remotos. Digitalização Por meio da tecnologia da digitalização é possível gerenciar eletronicamente as informações de textos e documentos, armazenando-as através dos recursos de informática, o que permite a multi-usuários

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Introdução à Programação Introdução Linguagens naturais e formais Algoritmos

Leia mais

Especificações / SCANNER

Especificações / SCANNER Especificações / SCANNER S.O. Windows 7 (32 bits e 64 bits) Windows 8 (32 bits e 64 bits) Windows 8 (32 bits e 64 bits) Volume diário recomendado A partir de 12.000 páginas por dia (varia com volume de

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO

COMPUTAÇÃO GRÁFICA #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO COMPUTAÇÃO GRÁFICA #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO Que é Computação Gráfica Quais as Áreas da Computação Gráfica Dimensões 2D e 3D Primitivas Gráficas Imagem Matricial e Imagem Vetorial Rasterização

Leia mais

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 Institui a Política de Preservação Digital da Câmara dos Deputados. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, usando de suas

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Segepres/ISC/Cedoc Serviço de Gestão Documental MANUAL DE TRATAMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS ESPECIAIS AVULSOS Setembro/2013 1 PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO E GUARDA DE DOCUMENTOS

Leia mais

ATENÇÃO: * Arquivos com tamanho superior a 500 KB NÃO SERÃO ACEITOS * SOMENTE serão aceitos documentos do formato: PDF

ATENÇÃO: * Arquivos com tamanho superior a 500 KB NÃO SERÃO ACEITOS * SOMENTE serão aceitos documentos do formato: PDF TUTORIAL DE DIGITALIZAÇÃO DIRIGIDO AO USO DO PROCESSO ELETRÔNICO Adaptado do tutorial elaborado pelo colega MAICON FALCÃO, operador de computador da subseção judiciária de Rio Grande. Introdução Este tutorial

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Multimídia. Conceitos Básicos (Parte II)

Multimídia. Conceitos Básicos (Parte II) Universidade do Estado de Minas Gerais Campus de Frutal Sistemas de Informação 7º Período Multimídia Conceitos Básicos (Parte II) Prof. Sérgio Carlos Portari Jr profsergio@frutalhost.com.br Carga Horária:

Leia mais

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Imagens Uma imagem é representada por uma matriz

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação RESOLUÇÃO CFM nº 1.639/2002 Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios

Leia mais

Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC

Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC BÁSICO DE COMPUTAÇÃO EM TC Definições O computador digital é uma máquina capaz de receber informações, processá-las e devolver resultados. Estes resultados podem ser mostrados em um monitor, armazenados,

Leia mais

Sistema de Informação Integrado

Sistema de Informação Integrado Sistema de Informação Integrado Relatório de Atividades Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA Novembro, 2005 Trabalho Realizado As atividades básicas previstas para o primeiro trimestre do

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Motivado por duas principais aplicações: Melhorar a informação da imagem para interpretação humana Processamento de cenas para percepção de máquinas (Visão Computacional)

Leia mais

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA Daniel Gonzaga dos Santos 1 Faculdade Cidade de João Pinheiro Resumo: Este artigo aborda as etapas para

Leia mais

Sidnei Costa Souza sid.nat@zaz.com.br RESOLUÇÃO

Sidnei Costa Souza sid.nat@zaz.com.br RESOLUÇÃO Sidnei Costa Sza sid.nat@zaz.com.br RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO A imagem está em alta baixa resolução? Vai serrilhar/pixealizar a imagem? Estas são perguntas muito comuns em um bureau de saída de fotolito. Estas

Leia mais

Manual De Digitalização De Documentos

Manual De Digitalização De Documentos Manual De Digitalização De Documentos Manual de utilização Versão 1.1 Rua Princesa Isabel Feliz RS 95770-000 T. (51) 3637-4424 sti@feliz.ifrs.edu.br http://salas.feliz.ifrs.edu.br ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO 01/2015

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

O seu guia de referência da Lexmark. Dicionário Lexmark

O seu guia de referência da Lexmark. Dicionário Lexmark O seu guia de referência da Dicionário A ADF Alimentador Automático de Folhas. Um alimentador que vai fornecer, automaticamente, várias folhas ao scanner Autenticação Segura do Utilizador Um método ou

Leia mais

Carlos Augusto Silva Ditadi Arquivo Nacional. SIGA - III Seminário: A Gestão de Documentos Arquivísticos na. Administração Pública Federal

Carlos Augusto Silva Ditadi Arquivo Nacional. SIGA - III Seminário: A Gestão de Documentos Arquivísticos na. Administração Pública Federal As Boas Práticas para a Digitalização de Documentos na Administração Pública Federal Carlos Augusto Silva Ditadi Arquivo Nacional SIGA - III Seminário: A Gestão de Documentos Arquivísticos na Administração

Leia mais

#17. CRIDI / UFBa - Audiovisual Institucional - 2014 COMPLETAS 1 / 6 PÁGINA 2. P1: Qual o nome desta instituição? UFBA/BURMC-CEB

#17. CRIDI / UFBa - Audiovisual Institucional - 2014 COMPLETAS 1 / 6 PÁGINA 2. P1: Qual o nome desta instituição? UFBA/BURMC-CEB #17 COMPLETAS Coletor: Institucional 2014 (Link da web) Iniciado em: quarta-feira, 25 de março de 2015 15:33:49 Última modificação: domingo, 7 de junho de 2015 17:20:04 Tempo gasto: Mais de um mês Endereço

Leia mais

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica Diferenças entre Mídia Impressa e Eletrônica Resolução Web >> 72dpi Impressão >> 300dpi Padrão de cores Web >> RGB Impressão >> CMYK Tipos de Arquivos Web >> GIF / JPEG Impressão >> TIF / EPS Tamanho dos

Leia mais

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Hardware Processo Informação Codificação Armazenamento Decodificação Informação Modelo computacional

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação INTRODUÇÃO Processamento Digital de Imagens refere-se ao processamento imagens por meio de um computador

Leia mais

Hardware. Dispositivos de saída

Hardware. Dispositivos de saída 1 Dispositivos de saída Os dispositivos de saída permitem a comunicação no sentido do computador para o utilizador No quadro 3, são apresentados os principais dispositivos de saída relacionados com a reprodução

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

Como enviar fotos de câmeras digitais

Como enviar fotos de câmeras digitais Como enviar fotos de câmeras digitais Se as fotos que você deseja enviar para o Geo-Obras foram capturadas com uma câmera digital, será necessário copiá-las para o computador. A maioria dos modelos utiliza

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB210 GEOPROCESSAMENTO SEGUNDO SEMESTRE DE 2013 PROF. DR. CARLOS ALBERTO

Leia mais

Manual de Utilização do Software de Leitura de Bitmap. Rev. 1.01

Manual de Utilização do Software de Leitura de Bitmap. Rev. 1.01 Manual de Utilização do Software de Leitura de Bitmap Rev. 1.01 Visão Geral Este manual tem por objetivo explicar o processo de conversão dos dados gráficos impressos nas Reduções Z, também referido às

Leia mais

Palavras-chave: Cadernos de Biblioteconomia da UFPE. Digitalização. Conservação. Disseminação da informação. Memória.

Palavras-chave: Cadernos de Biblioteconomia da UFPE. Digitalização. Conservação. Disseminação da informação. Memória. PROCEDIMENTOS DE DIGITALIZAÇÃO DOS CADERNOS DE BIBLIOTECONOMIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Cínthia Holanda 1 Janypaula Melo 2 Mariana Bandeira 3 Pietro Santiago 4 Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

#25. CRIDI / UFBa - Fotográfico Institucional - 2005-2007 COMPLETA 1 / 9 PÁGINA 2

#25. CRIDI / UFBa - Fotográfico Institucional - 2005-2007 COMPLETA 1 / 9 PÁGINA 2 #25 COMPLETA Coletor: Web Link (Link da Web) Iniciado: sexta-feira 10 de outubro de 2014 14:59:20 Última modificação: segunda-feira 27 de outubro de 2014 08:50:20 Tempo gasto: Mais de uma semana Endereço

Leia mais

#30. CRIDI / UFBa - Audiovisual Institucional - 2014 COMPLETAS 1 / 7 PÁGINA 2. P1: Qual o nome desta instituição? AN/COPAC

#30. CRIDI / UFBa - Audiovisual Institucional - 2014 COMPLETAS 1 / 7 PÁGINA 2. P1: Qual o nome desta instituição? AN/COPAC #30 COMPLETAS Coletor: Institucional 2014 (Link da web) Iniciado em: sexta-feira 2 de maio de 2014 15:56:12 Última modificação: domingo 7 de junho de 2015 18:09:42 Tempo gasto: Mais de um mês Endereço

Leia mais

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

Imagem digital 2. Resolução x dimensão da imagem

Imagem digital 2. Resolução x dimensão da imagem Uma imagem bitmapeada é formada por um conjunto de pixels. gerados no momento da digitalização da imagem (através do scanner ou câmera digital). PRODUÇÃO GRÁFICA 2 Imagem digital 2 Resolução x dimensão

Leia mais

Andréa Gonçalves Gerente de Treinamento andrea.goncalves@proquest.com

Andréa Gonçalves Gerente de Treinamento andrea.goncalves@proquest.com Andréa Gonçalves Gerente de Treinamento andrea.goncalves@proquest.com O que sua equipe precisa saber para lidar com e-books Toda a equipe de atendimento da biblioteca deveria ter que usar os recursos da

Leia mais

Informática Aplicada a Radiologia

Informática Aplicada a Radiologia Informática Aplicada a Radiologia Apostila: Imagem Digital parte I Prof. Rubens Freire Rosa Imagem na forma digital A representação de Imagens na forma digital nos permite capturar, armazenar e processar

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

Cariniana. Rede Brasileira de Serviços de Preservação Digital P R E S E R V AÇ ÃO D I G I T AL D I S T R I B U Í D A

Cariniana. Rede Brasileira de Serviços de Preservação Digital P R E S E R V AÇ ÃO D I G I T AL D I S T R I B U Í D A Cariniana Rede Brasileira de Serviços de Preservação Digital P R E S E R V AÇ ÃO D I G I T AL D I S T R I B U Í D A http://carniana.ibict.br cariniana@ibict.br Cariniana Rede Brasileira de Serviços de

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Introdução Equipamentos de entrada de dados são dispositivos que convertem dados analógicos e mapas impressos no papel em mídia m eletrônica ou digital para serem

Leia mais

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5 A cor e o computador Introdução A formação da imagem num Computador depende de dois factores: do Hardware, componentes físicas que processam a imagem e nos permitem vê-la, e do Software, aplicações que

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º Código 401470 Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico Dr. Joaquim de Carvalho DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano letivo 2014/2015 Planificação Anual Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

A Empresa. Alguns Clientes que já utilizam nossa tecnologia.

A Empresa. Alguns Clientes que já utilizam nossa tecnologia. A Empresa A GDDoc é uma empresa especializada na gestão de documentos digitais e arquivos, auxilia as empresas a administrar através da tecnologia o uso de papel, para alcançar estes objetivos fazemos

Leia mais

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500

QUEM SOMOS? www.imagelh.com.br Rua José Bonifácio, 466 Vila Planalto. Campo Grande/MS CEP 79009-010 Fone/Fax: (67)3324-6500 QUEM SOMOS? "A Image LH é uma empresa prestadora de serviços com mais de quinze anos no mercado atendendo instituições financeiras, com sede em Campo Grande MS e filial em Porto Alegre RS. Atua no ramo

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 8 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens Como são representados

Leia mais

Manual de Descrição, Guarda e Destinação de Documentos da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro

Manual de Descrição, Guarda e Destinação de Documentos da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Manual de Descrição, Guarda e Destinação de Documentos da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Rio de Janeiro 2014 FICHA TÉCNICA Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro Rua Amoroso Lima, 15, Cidade

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

#49. CRIDI / UFBa - Audiovisual Institucional - 2014 COMPLETAS 1 / 7 PÁGINA 2. P1: Qual o nome desta instituição? FCC/Cinemateca

#49. CRIDI / UFBa - Audiovisual Institucional - 2014 COMPLETAS 1 / 7 PÁGINA 2. P1: Qual o nome desta instituição? FCC/Cinemateca #49 COMPLETAS Coletor: Institucional 2014 (Link da web) Iniciado em: segunda-feira 1 de setembro de 2014 11:36:55 Última modificação: sábado 13 de junho de 2015 11:47:38 Tempo gasto: Mais de um mês Endereço

Leia mais

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia Multimídia Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia Tópico Hardware e Hardware para Multimídia Com a popularização dos sistemas multimídia foi criado o padrão MPC (PC Multimídia)

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

O Sistema mais completo. de Captura e GED. do Mercado. MegaGED

O Sistema mais completo. de Captura e GED. do Mercado. MegaGED O Sistema mais completo de Captura e GED do Mercado AutoStore O AutoStore é um software de captura e distribuição de documentos (Texto, Imagens e Arquivos Eletrônicos) Com o AutoStore é possível automatizar

Leia mais

Inclusão Digital de Acervos Históricos através de Sistemas de Informação Multimídia

Inclusão Digital de Acervos Históricos através de Sistemas de Informação Multimídia Inclusão Digital de Acervos Históricos através de Sistemas de Informação Multimídia FERNANDA M. VIEIRA 1 EDUARDO ALVES DO VALLE JR. 2 NELSON SPANGLER ANDRADE 3 ELIANE DUTRA AMORIM 2 ARNALDO DE ALBUQUERQUE

Leia mais

GUIA PADRONIZAÇÃO DE IMAGENS NO INDICADOR CRM

GUIA PADRONIZAÇÃO DE IMAGENS NO INDICADOR CRM GUIA PADRONIZAÇÃO DE IMAGENS NO INDICADOR CRM ÍNDICE ITEM Página 1. Objetivo... 3 2. Padrões de Proporção... 3 3. Qualidade das Imagens... 6 4. Fotos Panorâmicas... 7 5. Youtube... 8 Página 2 de 9 1. Objetivo

Leia mais

Velocidade digital. Força analógica.

Velocidade digital. Força analógica. Scanners de microfilme DSV 2400 e DSV 3000 Software POWERFILM Velocidade digital. Força analógica. DSV 2400 DSV 3000 PROTEJA OS DADOS IMPORTANTES COM UM ARQUIVO DE REFERÊNCIA. O MICROFILME NUNCA FOI TÃO

Leia mais

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior.

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. Curso II Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. KRÜGER, M.H. MAIO/2014. Portaria nº 1.224, 18.12.2013.

Leia mais

15/08/2013 DIREITO DA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA

15/08/2013 DIREITO DA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA DIREITO DA INFORMÁTICA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA 1 CONCEITOS BÁSICOS Informática infor + mática. É o tratamento da informação de forma automática Dado

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Resolução CNE/CEB 5154/04) Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Gráfica Qualificação

Leia mais

Periféricos, dispositivos de entrada e dispositivos de saída

Periféricos, dispositivos de entrada e dispositivos de saída URCAMP Universidade da Região da Campanha Tecnologia da Informação Professor: Franco Sampaio Periféricos, dispositivos de entrada e dispositivos de saída Alunos: Geovani Silveira, Kellen Botino, Karen

Leia mais

Configurando Color Sttings - no CS3 Shift + Ctrl + K

Configurando Color Sttings - no CS3 Shift + Ctrl + K GCR Photoshop CS3 Cores Digitais Primeiramente, vamos entender como é possível substituir o CMY por preto apenas nas áreas cinzas e escuras sem influenciar nas outras cores da foto. Quando um scanner captura

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

I fo f r o má t ca c a plica c da à c n o ta t bilidad a e G raç a ão ã d o d s s Compu mp ta u d ta o d res

I fo f r o má t ca c a plica c da à c n o ta t bilidad a e G raç a ão ã d o d s s Compu mp ta u d ta o d res Informática aplicada à contabilidade Júlio César Aula 1 Geração dos Computadores Geração dos Computadores 1 Sistemas de Computação Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO

COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO COMPUTAÇÃO GRÁFICA RESOLUÇÃO Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA RESOLUÇÃO Associada à quantidade e a qualidade de

Leia mais

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização Disciplina Bases Computacionais Aula 03 Informação, Dados, Variáveis, Algoritmos Roteiro da Aula: - Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

Leia mais

Imagens Digitais Tratamento de Imagens

Imagens Digitais Tratamento de Imagens Imagens Digitais Imagens de Bitmap Bitmap = Mapa de Bits ou Imagens Raster São as imagens formadas por pixels em oposição às imagens vetoriais. Imagens de Bitmap Imagem de bitmap Imagem vetorial Imagens

Leia mais

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo Se ouço o esqueço, se vejo recordo, se faço o aprendo Meios de Armazenamento Secundário Principais Dispositivos de Entrada Principais Dispositivos de Saída Outros Dispositivos de Entrada/Saída Meios de

Leia mais

Gestão de Documento. 1. Introdução

Gestão de Documento. 1. Introdução Gestão de Documento 1. Introdução Os documentos possuem um incrível poder em ambientes de negócios do governo e estão passando pela maior evolução que agitará os negócios governamentais e que os reformará

Leia mais

Microfilmagem. Universidade de Brasília

Microfilmagem. Universidade de Brasília Universidade de Brasília Faculdade d de Economia, Administração, i Contabilidade d e Ciência i da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3) Introdução A possibilidade de utilizarmos imagens, gráficos, desenhos e textos artísticos

Leia mais

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress Introdução a Informática - 1º semestre AULA 04 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Criar apresentações básicas com uso do LibreOffice Impress; o Manipular a estrutura de tópicos para a digitação de

Leia mais

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES 2010/2011 1 Equipamentos informáticos Hardware e Software Hardware refere-se aos dispositivos físicos (electrónicos, mecânicos e electromecânicos) que constituem

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

Gerações dos Computadores, Processamento Eletrônico de Dados e a Organização da Informação.

Gerações dos Computadores, Processamento Eletrônico de Dados e a Organização da Informação. Universidade da Região da Campanha - URCAMP Campus Universitário de Sant ana do Livramento Curso : Administração Orientador : Franco Sampaio Autores : Luciano Xavier Mansilha Jeferson Soares da Fontoura

Leia mais

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital

Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Aula 6 Fundamentos da fotografia digital Fundamentos da fotografia digital: Câmeras digitais CCD e CMOS Resolução Armazenamento Softwares para edição e manipulação de imagens digitais: Photoshop e Lightroom

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais