Assistência de enfermagem no pós-transplante de medula óssea na leucemia linfocítica aguda na infância

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assistência de enfermagem no pós-transplante de medula óssea na leucemia linfocítica aguda na infância"

Transcrição

1 Assistência de enfermagem no pós-transplante de medula óssea na leucemia linfocítica aguda na infância Thaís Pedroso de Aquino Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Maria Cristina Sanna Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO Objetivou se descrever condições de emprego do tratamento de transplante de medula óssea e situar a assistência de enfermagem nesse contexto. Foram rastreadas publicações sobre o assunto nos últimos dez anos, em três bases de dados informatizadas, foram encontrados 14 estudos, resultando no material empregado neste trabalho. Breve revisão sobre aspectos etiológicos, anátomo fisiopatológicos e terapêuticos da Leucemia Aguda na Infância, objetivando contextualizar o cenário que identificou diagnósticos de enfermagem possivelmente encontrados no cliente pediátrico portador dessa patologia e submetido a terapêutica. Apresentou se então, propostas de prescrição de cuidados. 0 produto se presta à atualização do enfermeiro sobre assunto, podendo ajudá lo na implementação da assistência individualizada e sistematizada. Descritores: Assistência de enfermagem; Transplante de medula óssea; Leucemia Linfocítica. Aquino TP, Sanna MC. Assistência de enfermagem no pós-transplante de medula óssea na leucemia linfocítica aguda na infância. INTRODUÇÃO O papel assistencial do enfermeiro abrange ações que este realiza quando assume a responsabilidade de atender às necessidades de cuidados de enfermagem nos níveis preventivo, curativo e de manutenção da saúde dos pacientes, suas famílias e pessoas significativas. Este é um papel que o enfermeiro realiza por meio da utilização do processo de enfermagem, que é a base de toda prática de enfermagem. (SMELTZER, BARE 1998), Isto se dá em qualquer relação de cuidado em que a qualidade do processo e do produto da assistência de enfermagem seja buscada e não é diferente quando se trata do pequeno paciente submetido ao transplante de medula óssea (TMO) cujo cuidado, pela grande importância que representa para o sucesso da terapêutica e pelas peculiaridades que envolvem o cliente nessa faixa etária, exigem que a equipe de enfermagem atue em todas as fases. Um especial destaque nessa empreitada está reservado ao enfermeiro, a quem cabe, além dos cuidados com o corpo biológico do paciente, entre outras atribuições, a explicação sobre as possíveis intercorrências e de complicações (RIUL; AGUILLAR, 1996). Segundo BARRIGA et al (1999) o TMO é atualmente um tratamento para diversas enfermidades hematológicas sendo, para as leucemias, uma alternativa com grandes chances de cura. No caso da leucemia linfocítica aguda (LLA), uma das neoplasias mais comuns na infância, o TMO não é o tratamento de primeira escolha. A LLA pode ser curada na primeira remissão, com o emprego de quimioterapia (DEPARTMENT OF HEMATOLOGY AND BONE MARROW TRANSPLANTATION, 1980). Porém, quando isso não ocorre, é necessária a realização do TMO, razão pela qual o enfermeiro que se dedica à assistência oncológica pediátrica deve estar preparado. 0 TMO é dividido em quatro fases e o sucesso em cada uma delas depende da constante atuação do enfermeiro. A fase mais complexa do TMO, quando este deve estar mais atento, é o pós TMO, período em que mais graves e variadas complicações podem surgir. Reconhecendo a importância dessa atuação e constatando que há poucas informações reunidas e sistematizadas sobre o tema, elegeu se como objeto de estudo a sistematização da assistência de enfermagem às crianças portadoras de LLA após a realização do TMO. Assim, temos como objetivo: a partir da recuperação e 45

2 organização do conhecimento disponível nas publicações sobre o assunto, descrever os aspectos etiológicos, anátomo fisio patológicos e terapêuticos que envolvem a realização do TMO na LLA na infância e apresentar um roteiro para a assistência de enfermagem sistematizada no período pós transplante, facilitando dessa maneira a programação dos cuidados de enfermagem para esta população. METODOLOGIA As pesquisas bibliográficas realizadas constituem no levantamento de publicações científicas relacionadas com o tema, no período compreendido entre 1980 e As bases informatizadas consultadas foram a MEDLINE, LILACS, BDENF e a Biblioteca Dr. Milton Soldani Afonso situada na Universidade Santo Amaro. Durante a consulta foram utilizados os seguintes unitermos LLA, Enfermagem e TMO. Do resultado deste pesquisa foram selecionados 143 publicações das quais 36 eram relacionadas com a assistência de enfermagem no TMO, destes somente 16 foram encontrados. Análise e Síntese do Material: leitura informativa ou exploratória: constituiu na leitura do material, para saber do que tratavam os artigos; leitura seletiva: constituiu na descrição do material quanto à sua pertinência ou não ao estudo, descartando os artigos que não eram pertinentes ao tema de interesse; leitura crítica ou reflexiva: constitui na busca pelas definições conceituais sobre LLA na infância, aspectos fisiopatológicos, etiologia, sinais e sintomas, alternativas terapêuticas e sistematização da assistência de enfermagem no TMO, e suas complicações, apresentados pelos autores dos textos, através da apreensão, análise, compreensão e julgamento das definições, quando foi possível refletir sobre as opiniões dos autores. Sistematização do conteúdo e organização em tópicos e subitens, com aparição da indicação da fonte bibliográfica onde se obteve a informação, a seguir listados. RESULTADOS Leucemias na infância - conceitos básicos A leucemia, que é o câncer dos tecidos hematopoiéticos, constitui a forma mais comum de câncer em crianças brancas com menos de 15 anos de idade e de 2,4 por entre as crianças negras. Ocorre mais freqüentemente em meninos que em meninas, depois de 1 ano de idade. Em países desenvolvidos, o câncer constitui a primeira causa de morte por doenças em crianças, adolescentes e adultos jovens. Nesse contexto, as leucemias contribuem com aproximadamente um terço das neoplasias infantis, sendo a leucemia linfocítica aguda a mais comum (FERREIRA, FERNANDES; PEIROS, 1997). Trata se de uma das formas de câncer que vem apresentando melhoras surpreendentes nas taxas de sobrevida. Segundo ALEY WONG (1997), ela é 4 anos para 80% das crianças atendidas nos grandes centros de pesquisa, e a maioria destas crianças foram curadas.. 0 aumento da sobrevida das crianças com câncer nos últimos 25 anos tem sido um triunfo da terapia e um exemplo para o tratamento do câncer no adulto, como afirmam FERREIRA, FERNANDES; PINHEIROS (1997). As leucemias são divididas em dois tipos gerais: Leucemia Linfóide (produção cancerosa de células linfóides, comumente começando num linfonodo ou noutro tecido linfóide e, em seguida, disseminando se para outras áreas do corpo); Leucemia Mielóide (produção de células mielóides jovens na medula óssea, que depois se espalham pelo corpo, de modo que os glóbulos brancos são produzidos em muitos órgãos extramedulares, especialmente nos linfonodos, no baço e no fígado) (GUYTON; HALL, 1997). Na leucemia mielóide, o processo canceroso ocasionalmente produz células parcialmente diferenciadas, resultando em leucemia neutrofilica, leucemia eosinofilica, leucemia basofilica ou leucemia monocítica. Mais freqüentemente, entretanto, as células leucêmicas são bizarras e indiferenciadas, não se identificando com qualquer um dos glóbulos brancos normais. Comumente, quanto mais indiferenciada é a célula, mais aguda é a leucemia, geralmente levando à morte dentro de poucos meses, se não tratada (GUYTON HALL, 1997). Aspectos fisiopatológicos da leucemia linfocítica aguda A Leucemia Linfocítica Aguda (LLA) é uma afecção maligna, originária do sistema linfático, caracterizada por uma proliferação incontrolada de células linfóides jovens (linfoblastos), que invadem a medula óssea e eventualmente outros órgãos (COSTA TELES, COSTA, 1991). Os órgãos altamente vascularizados como o fígado e o baço, são os mais gravemente afetados. Para compreender a fisiopatologia do processo leucêmico, é importante esclarecer dois conceitos errôneos comuns. Em primeiro lugar, embora a leucemia consista numa super produção de leucócitos, a forma aguda mais freqüente está associada a uma baixa contagem de leucócitos, (daí o termo leucemia). Em segundo lugar, estas células imaturas não atacam nem destroem deliberadamente as células sangüíneas normais ou os tecidos vascularizados. A destruição celular ocorre por infiltração e competição subseqüente por elementos metabólicos. (WEALEY, WONG, 1997). Etiologia O desenvolvimento da leucemia foi associado a: exposição à radiação ionizante, exposição a certas substâncias químicas e tóxicas (exemplo benzeno, agentes alquilantes), vírus do linfoma leucemia da célula T humana (HTLV 1) em certas regiões do mundo, incluindo o Caribe e o sul do Japão, suscetibilidade familiar; e distúrbios genéticos (síndrome de Down, anemia de Fanconi) (NETTINA, 199,8). Sinais e sintomas Geralmente são: fadiga (relacionada principalmente à anemia); febre, infecções geradas pela ausência de leucócitos maduros, trombocitopenia, baixa contagem de plaquetas no sangue; sangramento (petéquias, equimoses, epistaxe e sangramento gengival), linfadenopatia generalizada, 46

3 esplenomegalia e hepatomegalia, resultados da infiltração de células leucêmicas, dor óssea, resultante da infiltração sub perióstea; cefaléia, vômitos, papiledema, paralisia dos nervos cranianos e outras manifestações no sistema nervoso central (SNC) resultantes da infiltração leucêmica nas meninges, podendo ocorrer também hemorragias intracerebrais ou sub aracnóides (ROBBINS; COTRAN; KUM^ 1996). Alternativas terapêuticas para a LLA na infância Indução da remissão. Quase imediatamente após a confirmação do diagnóstico, inicia se a terapia de indução, com duração de 4 a 6 semanas. Os principais fármacos utilizados para a indução da remissão da LLA incluem vincristina, asparaginase, metotrexate, mercaptopurina e dexametasona (RODRIGEZ; CALADO, 1998). A terapia farmacológica para a indução da remissão da LLA inclui ainda doxorrubicina ou daunorrubicina e cistosina arabinosídeo podem se utilizar outros fármacos, sendo esta combinação a mais freqüente em protocolos de tratamentos brasileiros. Como muito dos fármacos também causam mielossupressão dos elementos sangüíneos normais, o período que se segue imediatamente a uma remissão pode ser crítico. 0 organismo carece de qualquer defesa e torna se altamente susceptível a infecções e hemorragias espontâneas (WHALEY, WONG, 1997). Terapêutica de manutenção. Esta é iniciada logo após a terapia de indução e consolidação com sucesso, com o objetivo de preservar a remissão e reduzir ainda mais as células leucêmicas (WHALEY WONG, 1997). Reindução após recidiva. Quando, após o início da manutenção ou seu término, se observa células leucêmicas na medula óssea, no SNC ou no testículo, a criança sofreu recidiva. 0 tratamento nessa fase consiste em reindução com predinisona e vincristina, juntamente com a combinação de outros fármacos não utilizados anteriormente ( ALEY; WONG, 1997). Transplante de Medula óssea. 0 TMO é um procedimento que consiste na infusão, por via intravenosa, de sangue de medula óssea obtido de doador previamente selecionado, em receptor adequadamente condicionado. A sua finalidade é reconstruir o órgão hematopoiético enfermo, devido à proliferação celular neoplásica, como é o caso nas leucemias (RIUL; AGUILLAR, 1996). 0 TMO vem sendo utilizado com sucesso no tratamento de LLA mas não é indicado para o paciente com LLA durante a primeira fase de remissão pois, em muitos casos, e observada a melhora da criança só com o uso de quimioterápicos na primeira remissão quando isso não ocorre há a indicação para a realização do TMO (WHALEY; WONG, 1997). 0 TMO representa uma terapêutica que viabiliza a utilização de doses de agentes quimioterápicos em doses cuja toxicidade hematológica seria proibitiva, não fosse a possibilidade de se resgatar através da infusão de células tronco do próprio indivíduo objeto do transplante (autólogo) ou de um doador compatível (alogênico) (ODONE, 1996). Segundo RIUL; AGUILLAR (1996), o tratamento de TMO compreende quatro fases: - Pré TMO (pré admissional e preparo para o transplante), - Aspiração, processamento e infusão de medula óssea (coleta de medula, preparo e infusão); - Pós TMO (enxertamento e proliferação da medula); - Complicações do Pós TMO (efeitos colaterais relacionados ao tratamento). Sistematização da assistência de enfermagem no pós TMO e suas complicações Decidida a introdução da TMO como alternativa terapêutica, é preciso que a Enfermagem proceda ao reconhecimento das necessidades assistenciais do cliente e providencie os cuidados que este necessita. Observando se o prescrito na taxonomia diagnóstica da NANDA (1996), que propõe a padronização da linguagem entre disciplinas, fazendo com que os enfermeiros articulem com clareza os cuidados com o paciente, organizou se uma proposta de sistematização da assistência de enfermagem relacionada ao período citado de tratamento, que sirva como condutora do cuidado adequadamente decidido em função de cada cliente em particular. Para tanto, relacionou se os diagnósticos de enfermagem passíveis de serem encontrados nessa situação e suas respectivas prescrições, como se verá a seguir, considerando as informações obtidas na literatura pesquisada. Este roteiro se refere principalmente ao período pós TMO, mas alguns cuidados se estendem para todo o processo, devendo se observar a particularidade de cada período e paciente, quando for empregado. Nele se pode observar a enunciaçao do diagnóstico, segundo o padrão de resposta humana a cada situação e a correspondente conduta a ser adotada, com as respectivas indicações de qual material bibliográfico foram extraídos. Quinze possíveis diagnósticos foram relacionados, como se verá a seguir. DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM: alto risco de infecção relacionado com as defesas corporais deprimidas (WHALEY; WONG, 199?Y1 potencial para infecção relacionado com resposta imunoalterada (OLIVEIRA; FERNANDES, l994). Prescrição de enfermagem (WHALEY; WONG, 1999) - Colocar a criança em quarto privativo,- - Solicitar aos visitantes e à equipe que utilizem técnica correta de lavagem de mãos,- - Proceder à triagem de todos os visitantes e da equipe de saúde à procura de sinais de infecção,- - Utilizar técnica asséptica para todos os procedimentos invasivos; - Monitorar a temperatura; - Avaliar local potencial de infecção na criança, pois nem todos os lugares poderão ser freqüentados pela criança; - Fornecer dieta nutricionalmente completa para a idade do paciente; - Evitar a administração de vacinas com vírus atenuado à criança com o sistema imune deprimido; - Administrar vacinas com vírus inativado, conforme 47

4 prescrito; e - Administrar antibióticos, conforme prescrito. Prescrição de enfermagem (OLIVEIRA; FERNANDES, 1994) - Explicar à criança e aos pais, os efeitos colaterais das drogas; - Preparar a medicação com técnica rigorosamente asséptica; - Manter precauções especiais com o manejo das eliminações; - Verificar e registrar sinais vitais de 4/4h comunicar alterações; - Comunicar temperatura maior que 38 C, calafrios, sudorese, edema, calor, dor, hiperemia e esxudato em qualquer superfície corporal,- - Observar e comunicar alterações nas condições respiratórias, mentais, na freqüência urinária, erupções cutâneas e diarréia; - Examinar locais que possam servir como porta de entrada para patógenos (acesso venosos proeminências ósseas e cavidade oral),- - Limpar a pele com álcool a 70% antes de puncionar veias ou artérias, - Lavar as mãos antes e após cada procedimento com a criança, - Evitar procedimentos por via retal (verificação de temperatura, aplicação de supositórios) e injeções intramusculares.- - Proteger a criança de traumatismos e acidentes; - Orientar a criança e os pais, quanto a inadequação de procedimentos por via retal e injeções intramusculares. Diagnóstico de enfermagem - Risco para temperatura corporal alterada (hipertermia) (COSTA,-TELES, COSTA, 1991). Prescrições de enfermagem - Manter a temperatura ambiente adequada, verificando a temperatura corporal a cada 4 h; - Utilizar compressas em temperatura inferior à do paciente nas hipertermias resistentes à medicação). Diagnóstico de enfermagem - alto risco de lesão (hemorragia) relacionado com a interferência na proliferação das células (WHALEY WONG, 1999) (COSTA TELES, COSTA, 1991) Prescrição de enfermagem (WHALEY WONG, 1999) - Utilizar medidas locais para interromper sangramentos; - Restringir atividades de risco; - Evitar punções quando necessário; - Observar a ocorrência de sangramento após um procedimento; - Mudar o colchão de lado e/ou utilizar colchão com alívio de pressão; - Evitar ulceração oral e retal; - Evitar administrar medicamentos como aspirina e outros agressores da mucosa gástrica; Prescrições de enfermagem (COSTA TELES; COSTA, 1991) - Avaliar o pulso e a pressão arterial em intervalos específicos, acompanhando resultados de exames laboratoriais (hematócritos e hemoglobina); - Observar eliminações intestinais e vesicais (quantidade, cor e aspecto), - Colocar o paciente em decúbito lateral ou semi sentado em caso de gengivorragia ou epistaxe; - Remover coágulos, na medida do possível, aplicando curativo compressivo com gaze; - Administrar medicações e instalar hemoderivados prescritos, levando se em conta o grupo ABO/Rh, tendo vigilância constante às reações transfusionais. - Alto risco de lesão (cistite hemorrágica) relacionado com a interferência na proliferação das células (WHALEY, WONG, 1999) Prescrição de enfermagem: - Observar o aparecimento de hematúria e comunicar qualquer sinal de cistite; Oferecer livre ingestão de líquidos (3MI/M2 /dia), - Estimular a criança a urinar freqüentemente, incluindo o período noturno; - Administrar fármacos que irritam a bexiga no início do dia. - Potencial para déficit de volume de líquido, relacionado com náuseas e vômitos ( ALEY; WONG, 1999) (OLIVEIRA FERNANDES, 1994) Prescrições de enfermagem: (WHALEY WONG, 1999) - Administrar uma dose inicial de antiemético antes da administração de outros medicamentos, como prescrito; - Avaliar a resposta da criança ao antiemético; - Evitar alimentos de odores fortes; - Destampar a bandeja de alimentação fora do quarto da criança; Incentivar a freqüente ingestão de líquidos em pequena quantidades, durante e após a quimioterapia; - Administrar líquido via endovenosa, quando indicado/ prescrito. Prescrição de enfermagem (OLIVEIRA; FERNANDES, 1994): - Observar os locais de punção (permeabilidade do soro, infiltração, flebite), - Observar e registrar as características dos vômitos - Estar atento para manifestações hemorrágicas observando condições da pele, mucosas, palidez ansiedade, dispnéia, cianose, taquicardia, hipotensão; 48

5 - Fazer controle rigoroso da diurese (volume, coloração, freqüência e ph); - Observar sinais de desidratação (mucosas secas e turgor da pele diminuído). - mucosas alteradas, relacionadas com administração de agentes quimioterápicos (Mucosite) (V~HALEY; WONG, 1999) (COSTA; TELES, COSTA, 1991) Prescrições de enfermagem (WHALEY; WONG, 1999): - Inspecionar diariamente a boca à procura de úlceras orais, Instituir higiene oral meticulosa assim que começar a administração de um fármaco que provoca úlceras orais; - Utilizar escova dental com cerdas macias, espátula envolta no algodão ou dedo envolto na gaze; - Aplicar anestésicos locais nas áreas ulceradas antes das refeições, ou quando necessário; - Aplicar hidratantes nos lábios, - Estimular ingestão de líquidos; - Utilizar um canudo; - Evitar sucos com ácido ascórbico e alimentos quentes ou frios demais ou condimentados, - Administrar medicamentos antiinfecciosos, conforme prescrito. Prescrição de enfermagem (COSTA; TELES, COSTA, 1991) - Realizar bochechos com solução bicarbonatada a cada hora a após as refeições, - Realizar limpeza oral com instilação da solução (água destilada e água oxigenada 1: 1) sob pressão, removendo placas bacterianas (quando houver) com auxilio de um palito envolto em algodão esterilizado; - Administrar medicações prescritas e pomadas anestésicas antes das refeições, incentivando a alimentação. - nutrição alterada: menor que as necessidades corporais relacionadas à perda de apetite (WHALEY WONG, 1999); nutrição alterada ingestão menor que as exigências corporais, relacionada à inabilidade para ingerir e absorver nutrientes (OLIVEIRA; FERNANDES, 1994) Prescrição de enfermagem (WHALEY, WONG, 1999): - Incentivar os pais a não pressionar a criança para comer; explicar perda de apetite; Permitir que a criança como qualquer alimento por ela tolerado, - Oferecer líquidos e alimentos semi sólidos, que não exijam esforços de mastigação e deglutição; - Explicar o aumento de apetite a partir do uso de esteróides; - Aproveitar qualquer período de fome; servir pequenos lanches; Enriquecer os alimentos com suplementos nutritivos; - Permitir que a criança participe da seleção e preparo dos alimentos; - Tornar a comida atraente; - Lembrar as práticas alimentares habituais das crianças de cada grupo etário, como ocorrência normal de anorexia fisiológica. Prescrições de enfermagem (OLIVEIRA; FERNANDES, 1994): - Pesar e registrar a diferença ponderal diária; - Oferecer alimentos favoritos e bem tolerados pela criança, de preferência alimentos ricos em calorias e proteínas; - Oferecer refeições em pequenas e freqüentes quantidades, em vários períodos dos dias; Proporcionar ambiente tranqüilo e calmo durante as refeições, - Proporcionar higiene oral freqüente após as refeições; - Ajustar a dieta para antes ou após a quimioterapia, de acordo com a preferência e tolerância da criança. imagem corporal alterada relacionada com a queda dos cabelos (WHALEY, WONG, 1999) Prescrições de enfermagemrescrições DE ENFERMAGEM: - Conversar com a criança sobre a queda dos cabelos, para que ela futuramente aceite sua imagem, - Providenciar proteção adequada durante a exposição solar; - Recomendar manter os cabelos finos limpos, curtos e cheios; - Explicar que o cabelo começa a crescer dentro de 3 a 6 meses e pode ser ligeiramente diferente na sua cor ou textura; - Incentivar a boa higiene, arrumação do cabelo e objetos apropriados para o sexo. Diaghnóstico de enfermagem: imagem corporal alterada relacionada com a face de lua cheia (WHALEY WONG, 1999). Prescrições de enfermagem: -Estimular a rápida reintegração com as pessoas que convivem com ela no dia a dia; -Enfatizar que esta alteração é temporária, -Avaliar cuidadosamente o ganho ponderal; -Incentivar a visita de amigos antes da alta hospitalar. mobilidade física comprometida relacionada com comprometimento neuromuscular (WHALEY; WONG, 1999), intolerância à atividade relacionada com a fraqueza generalizada (OLIVEIRA; FERNANDES, 1994) Prescrições de enfermagem (WHALEY, WONG, 49

6 1999): - Incentivar a deambulação, quando a criança for capaz; - Alterar a atividade, inclusive a escolar. Prescrição de enfermagem (OLIVEIRA; FERNANDES, 1994) -Estimular a participação em exercícios programados, adequados ao estado físico; -Transmitir energia positiva e encorajadora; -Mostrar aos pais e a criança a importância da mobilidade física, inclusive no leito. distúrbio do padrão do sono relacionado com alterações sensoriais internas (doenças e estresse psicológico) e externas (mudanças ambientais) (OLIVEIRA,-FERNANDES, 1994) Prescrições de enfermagem - Proporcionar ambiente calmo e repousante, - Promover alívio de sintomas (ansiedade) - Orientar a família e a criança sobre técnicas de relaxamento. dor relacionada com agentes de injúria biológicos (OLIVEIRA, FERNANDES, 1994) Prescrições de enfermagem: - Avaliar as características da dor e do desconforto: localização, qualidade, freqüência e duração; - Assegurar à criança e à família que sabemos que a dor é real e que a ajudaremos a diminuí Ia,- - Avaliar fatores emocionais que possam estar contribuindo para a dor, - Observar alterações de conduta da criança e da família, - Ensinar a criança e aos pais, formas de alívio da dor e do desconforto: distração, representação, relaxamento, estimulação cutânea; - Administrar analgésicos prescritos. déficit de lazer relacionado com falta de atividade de lazer no ambiente hospitalar (OLIVEIRA, FERNANDES, 1994) Prescrição de enfermagem: - Proporcionar atividades de recreação (leitura, jogos, conversa); - Permitir que a criança exercite suas atividades de lazer usuais sem impor obrigatoriedade. ansiedade relacionada com mudanças no estado de saúde (OLIVEIRA, FERNANDES, 1994) (COSTA TELES; COSTA, 1991) Prescrições de enfermagem (OLIVEIRA; FERNANDES, 1994): - Permitir que os pais e a criança expressem livremente os seus pensamentos e sentimentos; - Informar sobre o desenvolvimento da doença e sobre os efeitos colaterais das medicações utilizadas no tratamento - Dar apoio emocional a criança e à sua família. Prescrição de enfermagem (COSTA; TELES; COSTA, 1991): - Providenciar assistência psicológica e espiritual ao paciente e à família. risco para lesão (perineal) (COSTA; TELES, COSTA, 1991) Prescrição de enfermagem: - Realizar banho de assento com água morna e solução de permanganato de potássio a 1: ; - Higienizar quantas vezes necessário após cada eliminação, evitando o uso de papel; - Utilizar pomadas analgésicas após higienização. CONCLUSÃO A maioria dos artigos e livros estudados abordam conceitos, tipos de tratamento e complicações do TMO na LLA na infância, num enfoque essencialmente biológico. Já a literatura de Enfermagem apresenta poucos estudos sobre tal patologia: dos nove artigos e 6 livros relacionados com a assistência ao cliente oncológico pediátrico, apenas cinco foram escritos por enfermeiros e, destes, apenas três apresentaram uma proposta de assistência de enfermagem, sendo que desses apenas dois seguiram as definições a classificação da NANDA como base de suas proposições. Partindo do ponto de vista que o enfermeiro exerce os papéis assistencial, administrativo, educativo e de pesquisa, acredita se que esta última tarefa é uma das mais importantes e, quando realizada com freqüência e competência, tem reflexo positivo sobre as demais. 0 enfermeiro que pesquisa está sempre atualizado, argumentando com a equipe de saúde sobre a assistência prestada ao paciente e sua família, conseguindo a organização satisfatória, tanto da equipe como do local de trabalho, e assim obtém uma assistência adequada e eficaz. Uma pesquisa, no entanto, só se completa com a divulgação de seus resultados e a experimentação de suas proposições, o que pode ser a motivação para a realização de outras pesquisas. Assim, ao fazer a revisão da literatura científica disponível sobre a assistência de enfermagem no TMO na LLA na infância, enfocando principalmente o período pós TMO, espera se contribuir para a atualização do enfermeiro, para a melhoria da qualidade do cuidado e estimular a realização e publicação de estudos sobre o assunto, ainda pouco investigado em nosso meio. 50

7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARRIGA, F. C.; et al. Transplante de medula ósea en pacientes pediátricos. Rev. Chil. Pediatr, v.70, n. 3, p , mayo/ jun, COSTA, I.M., TELES, L.F.P.P.; COSTA, N.C.M. Proposta de atendimento ao paciente de Leucemia Linfóide Aguda na infância. Enfoque, v.2, n. 19, p.31-33, jun, DEPARTMENT OF DERMATOLOGY AND BONE MARROW TRANSPLANTATION. Early bone narrow transplantation in Acute Leukemia. New York: Springer-Verlag, p FERREIRA, R.M., FERNANDES, P.L., PINHEIRO, L.R. Registro de câncer de base populacional: uma proposta para a apresentação dos dados pediátricos brasileiros. Rev. Bras. Cancerol, v. 2, n. 43, p , GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Tratado de Fisiologia Médica 9a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, NANDA. Diagnóstico de Enfermagem: Definições e Classificações. Porto Alegre: Artes Médicas, NETTINA, S. M. Prática de Enfermagem. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, ODONE FILHO, V. Transplantes autálogos de medula óssea em oncologia pediátrica experiência preliminar do Instituto de Crianças Prof Pedro de Alcântara, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da universidade de São Paulo. J.Pediatr, v. 72, p , OLIVEIRA, E.F; FERNANDES, M.G.M. Assistência de Enfermagem a um paciente portador. In: OLIVEIRA, E.F. de. Leucemia linfocítica aguda. Ciência Cuidado e Saúde, v. 13, n. 1, p, , out dez, ROBBINS, S.L.; CONTRAN, R.S.; KUMAR, V. Patologia estrutural e funcional. 2a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara- Koogan, RODRIGUEZ, L.V.; COLADO, J.I. Tratamiento de leucemia aguda linfoblástica en niños de escasos recursos en un hospital comunitário del estados de Veracruz. Rev. Invest. Clin., v. 50, n.6, p , nov-dic, RUIL, S.; AGUILLAR, 0.M. Transplante de Medula óssea: organização da unidade e assistência de enfermagem. São Paulo: EPU, SMELTZER, S.C.; BARE, B.G. Enfermagem Médico Cirúrgico. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, WHALEY, L.F.; WONG, L.D. Enfermagem Pediátrica: elementos essenciais à intervenção efetiva. 5a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan,

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Para que Serve? Tratamento

Para que Serve? Tratamento Quimioterapia O que é? É um tratamento que utiliza medicamentos quimioterápicos para eliminar células doentes. Cada agente quimioterápico tem diferentes tipos de ação sobre as células e, consequentemente,

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

REAÇÕES AGUDAS NO TRATAMENTO DE RADIOTERAPIA

REAÇÕES AGUDAS NO TRATAMENTO DE RADIOTERAPIA REAÇÕES AGUDAS NO TRATAMENTO DE RADIOTERAPIA Enfª Flavia Prestes Radioterapia Hospital Moinhos de Vento II SIMPÓSIO DE RADIOTERAPIA E FÍSICA MÉDICA Radioterapia no HMV Fundada em setembro de 2005. Nº de

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Assistência de Enfermagem ao cliente portador de Disfunções Hematológicas REVISÃO DO SISTEMA HEMATOLÓGICO Sistema hematológico Consiste no sangue e no local onde este é produzido, a medula óssea. O sangue

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA Janaina Pereira dos Santos Enfermeira do Centro de Radioterapia do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Especialista em Pediatria e Neonatologia Especialização

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA

Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Enfermagem PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para o agravamento

Leia mais

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA ANEMIAS SISTEMA HEMATOLÓGICO MEDULA ÓSSEA SANGUE LINFONODOS Volume: 7 a 10 % do peso corporal (cerca de 5 litros)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o conceito de humanizar a assistência ao paciente, julgue os itens a seguir. 41 A heteronomia do paciente, o cuidado do ser humano doente e a promoção de saúde visando apenas à cura da doença

Leia mais

Guia do paciente em tratamento Quimioterápico

Guia do paciente em tratamento Quimioterápico 1- Introdução Guia do paciente em tratamento Quimioterápico Este manual foi elaborado para ajudar os pacientes, seus familiares e amigos a entenderem o que é a quimioterapia, como funciona e seus principais

Leia mais

CONCEITO: Principais tipos de anemia:

CONCEITO: Principais tipos de anemia: CONCEITO: Diminuição do número de HEMOGLOBINA contida nos glóbulos vermelhos como resultado da falta de um ou mais nutrientes essenciais à manutenção do organismo ou defeitos anatômicos das hemácias A

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

Manual Educativo ORIENTAÇÕES DE QUIMIOTERAPIA

Manual Educativo ORIENTAÇÕES DE QUIMIOTERAPIA Manual Educativo de Pacientes e Familiares ORIENTAÇÕES DE QUIMIOTERAPIA ÍNDICE MANUAL EDUCATIVO DE PACIENTES E FAMILIARES O MANUAL... 4 1. O QUE É QUIMIOTERAPIA?... 5 2. COMO É O TRATAMENTO?...5 3. TEMPO

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

Manual de orientação aos pacientes

Manual de orientação aos pacientes Manual de orientação aos pacientes Você está iniciando o seu tratamento e acompanhamento conosco. Com o objetivo de esclarecer algumas dúvidas, elaboramos este guia com as informações sobre a rotina de

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Rafael Machado Mantovani E-mail: rafaelmm@uai.com.br Introdução

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

Atuação do enfermeiro na assistência à criança com Leucemia Linfoblástica Aguda

Atuação do enfermeiro na assistência à criança com Leucemia Linfoblástica Aguda Atuação do enfermeiro na assistência à criança com Leucemia Linfoblástica Aguda Valdereis Batista de Sousa Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Eulália Maria Aparecida Escobar Docente do Curso de

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM NO PERIOPERATORIO DE TRANSPLANTE RENAL COM DOADOR VIVO: UM RELATO DE EXPERIENCIA

ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM NO PERIOPERATORIO DE TRANSPLANTE RENAL COM DOADOR VIVO: UM RELATO DE EXPERIENCIA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM NO PERIOPERATORIO DE TRANSPLANTE RENAL COM DOADOR VIVO: UM RELATO DE EXPERIENCIA Liliane Angélica da Roza da Silva², Patrícia Dalla Barba 2, Isadora Fontana 2, Eliane Raquel Rieth

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Chat com a Dra. Ana Clara Dia 13 de novembro de 2014

Chat com a Dra. Ana Clara Dia 13 de novembro de 2014 Chat com a Dra. Ana Clara Dia 13 de novembro de 2014 Tema: O que sabemos sobre PTI (Púrpura Trombocitopênica Idiopática)? Total atingido de pessoas na sala: 29 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL 1. Consultoria I 2. Assessoria I Livre ADMINISTRATIVAS 3. Auditoria I manifestação 4. Planejamento

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem Saúde da Criança e do Adolescente Ano letivo 2011 Série 3º Ano Carga Horária Total h/a T 90 h/a P 54 h/a En. Cl.

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Kely Cristina Silva Oliveira Técnica de Enfermagem CTI Pediátrico

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

Abordagem ao Paciente Hematológico

Abordagem ao Paciente Hematológico Universidade Federal Fluminense Abordagem ao Paciente Hematológico Gilberto P Cardoso O objetivo de todo médico é prevenir doenças. Na impossibilidade, que possa reconhecer e intervir para evitar complicações.

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

OBS: considerando a preservação do anonimato na prova, o candidato NÃO poderá assinar ou usar qualquer identificação na prescrição de enfermagem.

OBS: considerando a preservação do anonimato na prova, o candidato NÃO poderá assinar ou usar qualquer identificação na prescrição de enfermagem. QUESTÃO 1 Em 02/02/08, Rodrigo, 10 anos, foi admitido na Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital no Rio de Janeiro com relato de quadro febril iniciado há 5 dias, associado à intensa mialgia. Dada

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO. I Introdução

ALEITAMENTO MATERNO. I Introdução ALEITAMENTO MATERNO I Introdução O incentivo ao aleitamento materno continua sendo um grande desafio em saúde pública, considerando-se o alto índice de desmame precoce e o grande número de óbitos infantis

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

INSTRUÇÕES CIRURGICAS

INSTRUÇÕES CIRURGICAS INSTRUÇÕES CIRURGICAS Estas orientações são feitas para que você entenda melhor o que irá ocorrer antes e depois de sua cirurgia. Leia com atenção, e siga corretamente as instruções que se aplicam ao seu

Leia mais

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Atividades Administrativas 1. Consultoria I 2. Assessoria I 3. Auditoria I 4. Planejamento I 5. Supervisão I Livre negociação entre as partes a partir de 72,31

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA Dr. Roberto Augusto Plaza Teixeira - 2004 Centro de Hematologia de São Paulo HISTÓRICO - 1846 - Virchow ( Alemanha) 1870 - Neumann 1905 - Naegel 1919 - Hirschfeld Definição

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

QUIMIOTERAPIA EFEITOS COLATERAIS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren - 42883

QUIMIOTERAPIA EFEITOS COLATERAIS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren - 42883 QUIMIOTERAPIA EFEITOS COLATERAIS Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren - 42883 INTRODUÇÃO ÀS TOXICIDADES Os efeitos colaterais provocados pela quimioterapia estão relacionados à não especificidade das

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue Secretaria de Estado de Saúde do RS e Secretarias Municipais de Saúde Porto Alegre, novembro de 2011 Vamos abordar 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Orientações aos pacientes. Quimioterapia

Orientações aos pacientes. Quimioterapia Orientações aos pacientes Quimioterapia O corpo humano O corpo humano é formado por tecidos e os tecidos são formados de células. A células são as menores unidades que constituem o nosso corpo; elas crescem

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

O que é Câncer? Estágio de Iniciação

O que é Câncer? Estágio de Iniciação O que é Câncer? O câncer é definido como um tumor maligno, mas não é uma doença única e sim um conjunto de mais de 200 patologias, caracterizado pelo crescimento descontrolado de células anormais (malignas)

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) AUTORES Ingryd Coutinho de Oliveira Priscila Cunha Nascimento Discentes da Graduação em Odontologia e Bolsistas de Ensino

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LINFOMA NÃO-HODGKIN EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Linfoma Não-Hodgkin Introdução Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES S ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES Assunto:

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DISCIPLINA DE NUTROLOGIA SUPORTE NUTRICIONAL Nutrição Parenteral EnfªDanielli Soares Barbosa Equipe Multiprofissional Terapia Nutricional HC-UFTM CONCEITO Solução

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva EU VENCI A LEUCEMIA Alexandra Oliveira da Silva Descoberta da doença Ano 2012 Sintomas gripe medo da gripe A Emergência do Mãe de Deus Exames não conclusivos, procurar hematologista Marcada consulta com

Leia mais

TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS

TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS Transplante de órgãos é o ato de colher um órgão, tecido ou parte deles de um individuo (doador)

Leia mais

Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc É a realização da prática de enfermagem de modo sistemático (organizado e planejado). Com o objetivo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS INTRODUÇÃO A queda do pacientes são motivos de preocupação para os profissionais de saúde e administração hospitalar, por esse motivo

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Solução injetável Myograf 300 mcg/ml: Embalagens contendo 5 frascos-ampola com 1 ml USO SUBCUTÂNEO / INFUSÃO

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

ANEXO I SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES DE PERROCA

ANEXO I SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES DE PERROCA ANEXO I SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES DE PERROCA 1 -Estado Mental e Nível de Consciência (habilidade em manter a percepção e as atividades cognitivas) 1 -Acordado; interpretação precisa de ambiente

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução injetável intravenosa em frasco-ampola de uso único. Embalagem com 1 frascoampola

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução injetável intravenosa em frasco-ampola de uso único. Embalagem com 1 frascoampola MODELO DE BULA DO PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DACOGEN decitabina APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução injetável intravenosa em frasco-ampola de uso único. Embalagem com 1 frascoampola com

Leia mais

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL Graziele Francine Franco Mancarz 1 Bianca Manfroi da Silva 2 Delizie Albuquerque Freitas 3 Grasiele Mayara Bim 4

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br CONCEITOS ABSORÇÃO Passagem da droga do local de administração p/ a corrente sangüínea FÍGADO TGI METABOLISMO PLASMA PULMÃO RIM METABOLISMO

Leia mais

REGISTROS DE ENFERMAGEM

REGISTROS DE ENFERMAGEM REGISTROS DE ENFERMAGEM MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ) Conceito: Os registros efetuados pela equipe de enfermagem (enfermeiro, técnico e auxiliar) têm a finalidade essencial

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI)

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI) O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI) Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico Científico ABRALE Bianca

Leia mais