METODOLOGIAS DE SOLUÇÃO NUMÉRICA PARA MODELOS DE REGENERADORES DE UNIDADES DE CRAQUEAMENTO CATALÍTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIAS DE SOLUÇÃO NUMÉRICA PARA MODELOS DE REGENERADORES DE UNIDADES DE CRAQUEAMENTO CATALÍTICO"

Transcrição

1 CNTRO FDRAL D DUCAÇÃO TCNOLÓGICA DO PARANÁ UNIDAD D CURITIBA DPARTAMNTO D PSQUISA PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA D PÓS-GRADUAÇÃO M NGNHARIA MCÂNICA D MATRIAIS PPGM JOBR CHAVS PNTADO MTODOLOGIAS D SOLUÇÃO NUMÉRICA PARA MODLOS D RGNRADORS D UNIDADS D CRAQUAMNTO CATALÍTICO CURITIBA AGOSTO 2003

2 JOBR CHAVS PNTADO TÍTULO DA DISSRTAÇÃO MTODOLOGIAS D SOLUÇÃO NUMÉRICA PARA MODLOS D RGNRADORS D UNIDADS D CRAQUAMNTO CATALÍTICO Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em ngenharia Mecânica, do Curso de Pós- Graduação em ngenharia Mecânica e de Materiais, do Departamento de Pesquisa e Pós-Graduação, da Unidade de Curitiba, do CFT-PR. Orientador: Prof. Cezar O. R. Negrão, PhD. Co-orientador: Prof. Luciano F. dos Santos Rossi, Dr. CURITIBA AGOSTO 2003

3

4 TRMO D APROVAÇÃO JOBR CHAVS PNTADO MTODOLOGIAS D SOLUÇÃO NUMÉRICA PARA MODLOS D RGNRADORS D UNIDADS D CRAQUAMNTO CATALÍTICO Dissertação de Mestrado aprovada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em ngenharia Mecânica, do Curso de Pós-Graduação em ngenharia Mecânica e de Materiais, do Departamento de Pesquisa e Pós- Graduação, da Unidade de Curitiba, do CFT-PR, pela seguinte banca examinadora: Orientador: Prof. Cezar Otaviano Ribeiro Negrão, PhD. Departamento de Acadêmico de Mecânica, CFT-PR. Co-orientador: Prof. Luciano Fernando dos Santos Rossi, Dr. Departamento de Acadêmico de Mecânica, CFT-PR. Prof. Rubens Maciel Filho, PhD. Departamento de Processos Químicos, UNICAMP. Prof. Waldir Martignoni, PhD. PTROBRÁS S/A Prof. Silvio Luiz de Mello Junqueira, Dr. Departamento de Acadêmico de Mecânica, CFT-PR. Curitiba, 29 de Agosto de 2003.

5 A Oração da Serenidade como escrita por Reinhold Niebuhr: "Deus, dai-me a serenidade para aceitar as coisas que eu não posso mudar, coragem para mudar as coisas que eu possa, e sabedoria para que eu saiba a diferença: vivendo um dia a cada vez, aproveitando um momento de cada vez; aceitando as dificuldades como um caminho para a paz; indagando, como fez Jesus, a este mundo pecador, não como eu teria feito; aceitando que Você tornaria tudo correto se eu me submetesse à sua vontade para que eu sea razoavelmente feliz nesta vida e extremamente feliz com você para sempre no futuro. Amém". Dedico este trabalho aos meus pais (Sr. Mário e D. Dirce) e àqueles que me incentivaram.

6 AGRADCIMNTOS De forma geral agradeço a todos aqueles que de alguma forma contribuíram para o meu crescimento pessoal e profissional. Neste grupo se incluí a família, os amigos, os professores e todas as pessoas que passaram pela minha vida deixando um pouquinho de si para a minha formação. Agradeço aos professores Almabrouk Mansor Abagderah e dson Antônio da Silva do DQ/UNIOST por terem me incentivado a ingressar no mestrado. Ao meu orientador Prof. Cezar Otaviano Ribeiro Negrão, pelos direcionamentos, principalmente aqueles que me foram dados nos momentos de indecisão. Sem sua orientação possivelmente esta dissertação não teria sido concluída a tempo. Ao Prof. Luciano Fernando dos Santos Rossi, por estar sempre pronto a auxiliar. Ao colega e também Prof. Raul Henrique rthal pelos assuntos debatidos que sempre dava origem a valiosos esclarecimentos, ao estagiário Ricardo S. Handa, pelo apoio no início da programação em linguagem C e aos demais integrantes do Laboratório de Ciências Térmicas (LACIT), que proporcionaram um ambiente de trabalho agradável e descontraído. Agradeço também à PTROBRÁS que unto com a FINP, financiou o proeto OCUCC (Otimização e Controle de Unidades de Craqueamento Catalítico). À Agência Nacional do Petróleo ANP e a Financiadora de studos e Proetos FINP através do Programa de Recursos Humanos da ANP para o Setor de Petróleo de Gás PRH ANP/MCT. À CAPS pelo apoio financeiro que me permitiu inteira dedicação a este trabalho.

7 Aos pesquisadores do assunto.

8 RSUMO O presente trabalho apresenta um modelo matemático do comportamento dinâmico do regenerador de uma unidade de craqueamento catalítico. A modelagem é baseada nos princípios da conservação da massa e da energia. À hidrodinâmica e à cinética das reações, empregam-se correlações encontradas na literatura. Considera-se que o regenerador é dividido em duas regiões, densa e diluída. A região densa é constituída pelas fases bolha e emulsão. São propostos dois modelos: o primeiro incorpora apenas a região densa (modelo de leito borbulhante), enquanto o segundo considera tanto a região densa quanto a diluída (modelo de duas regiões). A região densa é considerada um tanque de mistura perfeita e variação unidimensional das propriedades com a altura na região diluída. As equações de conservação são do tipo diferenciais ordinárias na região densa e diferenciais parciais na região diluída. Os modelos são resolvidos pelo método de Runge-Kutta e o de diferenças finitas. Os métodos de solução são comparados, mostrando que os resultados são similares. ntretanto, a estabilidade do método de Runge-Kutta apresenta-se muito dependente do passo de tempo de integração. Por outro lado, a solução por diferenças finitas, empregando a aproximação implícita, não é dependente da magnitude do passo de tempo e portanto, seu tempo de processamento computacional é bem menor. Comparações do modelo proposto com resultados experimentais em regime estacionário de uma planta piloto industrial apresentam uma boa concordância entre os valores. Fez-se também uma comparação com um modelo dinâmico da literatura e os resultados do presente modelo são corroborados. Finalmente, uma análise de sensibilidade em relação às condições de contorno mostra a importância destes valores na operação do regenerador. Palavras-chave: modelagem dinâmica, regenerador de unidades FCC, combustão de coque.

9 ABSTRACT The current work presents a dynamic mathematical model of a FCC Regenerator. The model is based on the conservation principles of mass and energy. The fluid flow and kinetic of reactions are approached by correlations found in the literature. The regenerator is considered to be divided in two regions (dense and diluted). The dense region is composed of two phases: bubble and emulsion. Two models are proposed: the first accounts only for the dense region (bubble bed model) and the second considers both dense and diluted regions (two regions model). The dense region is considered as a continuous stirring tank reactor and the variables change one-dimensionally in the diluted region. The conservation principles are ordinary and partial differential equations in the dense and diluted regions, respectively. The models are solved by the Runge-Kutta s and finite difference methods. The solution methods are compared and their results are quite similar. However, the stability of the Runge-Kutta s method is much dependent on the time-step. On the other hand, the finite difference solution, employing the implicit approximation, is not a time-step dependent one and the computational time needed is much smaller. Comparisons of the current model with steady-state experimental results of an industrial pilot plant show good agreement. The proposed model is still compared with a dynamic model found in the literature and the results are corroborated. Finally, a sensibility analysis is carried out which show the importance of the boundary conditions on the operation of the regenerator. Keywords: dynamic modeling, regenerator of an FCC unit, combustion of coke

10 LISTA D FIGURAS Figura 1: squema dos principais equipamentos da seção de conversão Figura 2: Regenerador em corte (FCC en revista, 2001) Figura 3: Leito fluidizado borbulhante idealizado por Levenspiel (1972) Figura 4: squema do modelo de duas regiões Figura 5:Volume de controle utilizado nos balanços de massa da região diluída Figura 6: squema do modelo de Leito Borbulhante Figura 7: Discretização unidimensional Figura 8: Algoritmo do método das diferenças finitas Figura 9: Algoritmo de solução para o método de Runge-Kutta Figura 10: Temperatura e fração de coque para diferentes t s. Solução do modelo de leito borbulhante através do método de Runge- Kutta Figura 11: volução da temperatura e da fração de coque para um t instável. Solução do modelo de leito borbulhante através do método de Runge-Kutta Figura 12: Temperatura para diferentes resíduos e um t de 2 min. Solução do modelo de leito borbulhante através do método de diferenças finitas Figura 13: Fração de coque para diferentes resíduos e um t de 2 min. Solução do modelo de leito borbulhante através do método de diferenças finitas Figura 14: Temperatura e Fração de coque para diferentes t s. Solução do modelo de leito borbulhante através do método de diferenças finitas

11 Figura 15: Perfil de temperatura para o modelo de duas regiões com diferentes números de pontos na região diluída. Solução por Runge-Kutta Figura 16: volução temporal da temperatura do catalisador regenerado para diferentes valores do passo de tempo, considerando a região diluída com 40 pontos. Solução por diferenças finitas Figura 17: volução da temperatura da fase densa com passo de tempo de 15 s e diferentes números de pontos na região diluída. Solução utilizando o método de diferenças finitas Figura 18: Resposta de temperatura pelo método de diferenças finitas para diferentes condições iniciais de temperatura Figura 19: Resposta da fração de coque pelo método de diferenças finitas para duas condições iniciais de temperatura Figura 20: Comparação entre as frações molares avaliadas pelo método de Runge-Kutta e pelo método de diferenças finitas Figura 21: Vazões de catalisador e o degrau na vazão de alimentação de ar (Han e Chung, 2001) Figura 22: Fração de coque e temperatura do catalisador gasto (Han e Chung,2001) Figura 23: Quantidade de massa de catalisador e pressão no regenerador. Comparação do presente modelo com a literatura Figura 24: Fração de coque e temperatura do catalisador regenerado. Para o presente modelo e o modelo de Han e Chung (2001) Figura 25: Fração molar do CO e do O 2 na saída do regenerador, para o presente modelo e o de Han e Chung (2001)

12 Figura 26: Degrau na vazão de catalisador gasto e variação da temperatura do regenerador em função do degrau Figura 27: Variação na composição dos gases de saída e fração de coque no catalisador regenerador em função do degrau na vazão de catalisador Figura 28: Comportamento da temperatura e fração de coque no catalisador regenerado em função da vazão de catalisador gasto Figura 29: feito de degraus na fração de coque do catalisador gasto sobre a temperatura e fração de coque no catalisador regenerado Figura 30: Diferentes estados estacionário da temperatura do regenerador e de fração de coque regenerado em função da fração de coque no catalisador gasto Figura 31: feito de degraus na temperatura do catalisador alimentado na temperatura do regenerador e na fração de coque do catalisador regenerado Figura 32: Diferentes estados estacionários da temperatura do regenerador e fração de coque em função da temperatura de alimentação do catalisador gasto Figura 33: Diferentes estados estacionários da fração molar de Oxigênio em função da temperatura de alimentação do catalisador gasto. 114 Figura 34: Diferentes estados estacionários da concentração de oxigênio e monóxido de carbono na saída do regenerador em função da vazão de alimentação de ar Figura 35: Diferentes estados estacionários da fração de coque e temperatura do catalisador no regenerador em função da vazão de alimentação de ar

13 LISTA D TABLAS Tabela 1: Valores da propriedade φ, φi, e coeficientes a d i,, R, Rb,, para as equações de conservação da massa Tabela 2: Valores da propriedade φ, φi, e coeficientes a d i,, R, Rb,, das equações de conservação da energia Tabela 3: Valores da propriedade φ e coeficientes ω, ψ, S e Sb, Tabela 4: Condições de contorno do regenerador Tabela 5: Valores comparativos para a variação da temperatura em função da variação do número de pontos da malha Tabela 6: Diferença relativo na temperatura variando-se o passo de tempo.. 90 Tabela 7: Dados comparativos dos métodos de solução utilizando um computador Pentium III de 1,1GHz com 512MB de memória Tabela 8: stado estacionário da simulação comparada com dados reais, considerando diferentes diâmetros da bolha Tabela 9: Resultados da simulação estacionária comparando dois modelos cinéticos da literatura Tabela 10: Resultados da simulação estacionária comparando o modelo de Duas regiões com o modelo de leito borbulhante Tabela 11: Dimensões do regenerador da literatura (Han e Chung, 2001) Tabela 12: Condições de contorno utilizadas na comparação estacionária Tabela 13: Resultados da simulação estacionária comparada com os valores de Han e Chung (2001)

14 LISTA D ABRVIATURAS SIGLAS B- Bolha mulsão CO Monóxido de Carbono CO 2 Dióxido de Carbono CSTR Tanque de Mistura Perfeita DTR Distribuição do Tempo de Residência DP quações Diferenciais Parciais FCC Fluid Catalytic Cracking GLP Gás Liquefeito de Petróleo GHz Gigahertz K Kelvin H 2 O Vapor de Água HTR High Temperature Regeneration N 2 O 2 MB nitrogênio oxigênio Megabytes MTT Modelo com ficiência de Troca Térmica MDF Método das Diferenças Finitas MVF Método dos Volumes Finitos tol. Tolerância UOP Universal Oil Products

15 LISTA D SÍMBOLOS Nome Descrição Unidade u - velocidade de ascensão da bolha b m/s u - velocidade de ascensão do gás na emulsão e m/s u - velocidade de mínima fluidização mf m/s u - velocidade superficial dos gases 0 m/s δ - fração de volume da bolha - α - fração do rastro - g - aceleração da gravidade m/s² d - diâmetro da bolha b m β - fração do leito ocupado pela nuvem - D - difusividade mássica m²/s kbc kbc ε mf - coeficiente de troca de massa entre a bolha e a nuvem - coeficiente de troca de massa entre a nuvem e emulsão - fração de vazios na mínima fluidização - m - massa de catalisador kg m - vazão mássica kg/s w - fração de coque no catalisador kg coque /kg cat r - taxa de consumo de coque por unidade de cq, volume 1/s 1/s kgmol/(m³s) M - massa molecular kg/kgmol V - volume m³ - vazão mássica saindo da fase emulsão kg/s m i, F DB - coeficiente de difusão de massa entre a fase bolha e a fase emulsão C - concentração molar kgmol/m³ r, - a taxa de reação do componente i kgmol/(m³s) i 1/s

16 Nome Descrição Unidade A - área da seção transversal da região densa D m² L - altura da região densa D m ρ - massa específica do catalisador c kg/m³ h - entalpia total da fase emulsão kj H - a entalpia do ar alimentado AR kj/kg Q - perda de calor para as vizinhanças loss kw Q - energia trocada com a bolha. B kw T - temperaturas da fase emulsão K H r - entalpia de reação kj/(m³s) c - calor específico p kj/(kg K) H B Coeficiente de troca de calor entre a fase bolha e a fase emulsão kw/(m³k) U Coeficiente global de transferência de calor D kw/(m²k) v g, B - velocidade de ascensão da bolha m/s Re - número de Reynolds de mínima fluidização mf - Ar - número de Arquimedes - d - diâmetro médio das partículas de catalisador p m µ - viscosidade do gás m²/s ϕ p - esfericidade da partícula - ρ g - massa específica dos gases kg/m³ L - altura do regenerador rg m ε c,f ε g,f v g, F ε cf - fração de catalisador na região diluída - - fração de gases na região diluída - - velocidade superficial do gás na região diluída m/s - fração de vazios na saturação dos gases -

17 Nome Descrição Unidade R g,d - quantidade de gases formada na região densa kg/s R g,f - quantidade de gases formada na região diluída kg/s P - pressão no regenerador rg bar Z g - fator de compressibilidade dos gases - kv - constante da válvula X - posição de abertura da válvula v - α v - razão entre a máxima e a mínima abertura da válvula P - diferencial de pressão na válvula bar x - razão de hidrogênio/carbono - k - constantes das taxas de reações kgmol/(m³s) r - taxa de reação kgmol/(m³s) y - fração molar - k - constante da taxa global de combustão do coque c kg/(m³s) - β c - razão de CO/CO 2 na superfície do catalisador - B F LCV TCV CL cq AR c g Subscritos bolha emulsão diluída catalisador gasto catalisador regenerado ciclone coque alimentação catalisador gases i O 2, CO, CO 2, H 2 O e N 2.

18 SUMÁRIO AGRADCIMNTOS RSUMO ABSTRACT LISTA D FIGURAS LISTA D TABLAS LISTA D ABRVIATURAS SIGLAS LISTA D SÍMBOLOS SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO SÇÕS D UMA UNIDAD FCC O PROCSSO D CRAQUAMNTO CATALÍTICO MODLO MATMÁTICO OBJTIVOS RVISÃO BIBLIOGRÁFICA DSCRIÇÃO DA RGNRAÇÃO VARIÁVIS DO RGNRADOR MODLOS PARA LITO FLUIDIZADO MODLO D LITO BORBULHANT D KUNII LVNSPIL MODLOS D RGNRADORS MODLOS INTGRADOS COMNTÁRIOS FINAIS MODLAGM DO RGNRADOR MODLO D DUAS RGIÕS: DNSA DILUÍDA RGIÃO DNSA RGIÃO DILUÍDA BALANÇO D MASSA GLOBAL CINÉTICA D COMBUSTÃO MODLO D LITO FLUIDIZADO BORBULHANT

19 4 MTODOLOGIA D SOLUÇÃO DAS QUAÇÕS MÉTODO DAS DIFRNÇAS FINITAS MÉTODO D RUNG-KUTTA ANÁLIS NUMÉRICA SOLUÇÃO DO MODLO D LITO BORBULHANT SOLUÇÃO PLO MÉTODO D RUNG-KUTTA SOLUÇÃO PLO MÉTODO D DIFRNÇAS FINITAS SOLUÇÃO DO MODLO D DUAS RGIÕS SOLUÇÃO PLO MÉTODO D RUNG-KUTTA SOLUÇÃO PLO MÉTODO D DIFRNÇAS FINITAS COMPARAÇÃO NTR OS MÉTODOS D SOLUÇÃO POTNCIALIDADS DO MODLO COMPARAÇÃO COM DADOS XPRIMNTAIS COMPARAÇÃO DO MODLO COM A LITRATURA MTODOLOGIA D COMPARAÇÃO RGIM STACIONÁRIO COMPORTAMNTO DINÂMICO ANÁLIS D SNSIBILIDAD CATALISADOR GASTO ALIMNTAÇÃO D AR Comentários finais CONCLUSÕS RCOMNDAÇÕS RFRÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDIC A ANXO A...129

20 Capítulo 1 Introdução 17 1 INTRODUÇÃO. Sea mais preocupado com o seu caráter do que com sua reputação, porque caráter é o que você realmente é, enquanto, reputação é tão somente o que outros pensam que você é. John Wooden. O craqueamento catalítico passou a ser conhecido comercialmente a partir da segunda metade do século XX, quando o crescente mercado automobilístico aumentou significativamente a demanda por gasolina, tornando este o derivado do petróleo de maior importância nas refinarias. nquanto a gasolina era um produto da destilação direta do petróleo, a sua quantidade e qualidade dependiam exclusivamente das características do cru (petróleo sem processamento). Abadie (1997) cita que no final da segunda década do século XX, inicia-se a busca por alternativas para aumentar a produção de derivados nobres, principalmente a gasolina. sta busca propiciou a utilização do craqueamento de frações pesadas do petróleo (cadeias carbônicas longas de elevado peso molecular e baixo valor comercial). O craqueamento teve início na forma térmica (quebra das cadeias por meio de vigoroso aquecimento sob pressão elevada, em torno de 20bar), sendo esta a rota tecnológica mais empregada até 1943 (Abadie 1997). O emprego do craqueamento utilizando catalisadores teve início em Nos primeiros registros do craqueamento catalítico, notava-se que frações pesadas do petróleo, quando misturadas à argila e expostas à alta temperatura, davam origem a hidrocarbonetos leves e médios. Como no craqueamento térmico, o coque estava presente e depositava-se na superfície do catalisador impedindo sua reutilização. Mesmo com o atrativo de condições de trabalho mais

21 Capítulo 1 Introdução 18 brandas, o craqueamento utilizando argila não logrou êxito devido ao custo para a recuperação do catalisador (Lanzarin, 1997). A evolução do craqueamento catalítico foi adiada até se encontrar alternativas para reduzir o custo da recuperação do catalisador. ugéne Houdry (engenheiro francês), verificou que a queima controlada do coque restaurava o catalisador devolvendo a sua capacidade de quebrar cadeias (craquear) pesadas do petróleo (Lanzarin, 1997). A regeneração do catalisador, por meio da combustão do coque depositado na sua superfície, foi a chave para o desenvolvimento do craqueamento catalítico, que por operar em condições mais brandas, passou a ser empregado com maior freqüência. O método foi então ganhando flexibilidade operacional até superar o craqueamento térmico. O craqueamento catalítico fluido, em sua concepção atual, é um processo indispensável numa refinaria. ste processo é responsável por cerca de 85 a 90% da produção mundial de gasolina proveniente de frações pesadas (Abadie, 1997). Como principais características do craqueamento catalítico têm-se: a) possibilidade de austar a produção às necessidades reais do mercado (flexibilidade); b) reaproveitamento de frações de baixo valor advindas de outras partes da refinaria, tornando o processo muito rentável. Com uma operação flexível, o processo pode ser austado para maximizar um determinado produto de interesse. ntretanto o que o consagrou está relacionado a os aspectos econômicos. O processo torna-se também rentável economicamente pela sua auto-suficiência energética. A partir da queima do coque durante a regeneração do catalisador promovida no regenerador o processo tem energia necessária para o craqueamento. Para identificar as funcionalidades do regenerador (obeto de estudo do presente trabalho), segue nesta parte introdutória uma breve descrição de uma unidade FCC.

22 Capítulo 1 Introdução SÇÕS D UMA UNIDAD FCC. Quando se fala em unidade FCC (Fluid Catalytic Cracking), diferentes configurações e proetos de equipamentos estão disponíveis. ntretanto, alguns processos são comuns para qualquer configuração. Uma unidade FCC é normalmente dividida em três seções: a de conversão 1, a de fracionamento e a de recuperação de gases. O craqueamento da carga (gasóleo e/ou resíduos) e a regeneração do catalisador ocorrem efetivamente na seção de conversão (conversor). sta seção é composta pelo riser, vaso separador/stripper, regenerador de catalisador, além de outros equipamentos auxiliares como, trocadores de calor, sopradores e a caldeira de CO. Do regenerador saem os gases com elevada temperatura provenientes da queima do coque. O potencial térmico da corrente de gases é aproveitado nas caldeiras recuperadoras de calor, produzindo vapor d'água a alta pressão e resfriando os gases antes dos mesmos serem lançados à atmosfera (Santos, 2000). Os principais equipamentos da seção de conversão estão esquematizados na Figura 1. Os produtos do craqueamento, efluentes do reator, são encaminhados à seção de fracionamento. Por intermédio de uma torre de destilação, obtém-se a separação primária dos cortes produzidos. Pelo fundo da torre, produz-se o resíduo de craqueamento (óleo pesado e denso). Lateralmente, é produzido o óleo leve de reciclo (diesel de craqueamento) e no topo retira-se uma corrente gasosa contendo nafta de craqueamento e hidrocarbonetos mais leves. sta corrente gasosa é enviada à seção de recuperação de gases que realiza operações de compressão, absorção, retificação e destilação para obtenção e separação dos produtos mais leves (gás combustível, GLP e gasolina). As correntes resultantes são enviadas ao tratamento com produtos químicos, reduzindo consideravelmente o teor de enxofre. Após todas essas operações, 1 O Anexo A contém uma breve descrição histórica dos conversores.

23 Capítulo 1 Introdução 20 os produtos são destinados à estocagem e o enxofre é recuperado na forma de enxofre elementar (Santos, 2000). Figura 1: squema dos principais equipamentos da seção de conversão. 1.2 O PROCSSO D CRAQUAMNTO CATALÍTICO. A flexibilidade de operação do conversor da unidade de craqueamento catalítico permite processar resíduos oriundos de várias outras unidades da refinaria (das destilações atmosférica e a vácuo). stes resíduos podem ser misturados ao petróleo cru ou processados separadamente. A quebra das moléculas pesadas é um processo endotérmico (absorve energia) e que se processa em um reator tubular de fluxo ascendente (riser), pela ação de um catalisador a alta temperatura (500 a 700 C). A ruptura das ligações acontece

24 Capítulo 1 Introdução 21 com o contato rápido do catalisador que vaporiza a carga (gasóleo e/ou resíduos), possibilitando a fluidização do leito e ação seletiva do catalisador (promoção das reações de craqueamento). Neste processo, ocorre a formação de compostos com 3 a 12 átomos de carbono, que darão origem a produtos mais nobres, além de outros compostos que terão suas características definidas na seção de fracionamento (Santos, 2000). Na seqüência, os produtos são rapidamente separados do catalisador no vaso separador para interromper o processo de craqueamento. Isto reduz o sobrecraqueamento evitando a queda no rendimento dos produtos de interesse e a excessiva formação/deposição de coque na superfície do catalisador. A deposição do coque na superfície do catalisador promove a sua desativação. Com o obetivo de restaurar a atividade do catalisador, este é continuamente retirado do vaso separador e após passar por um processo de lavagem com vapor (retificação no stripper) é enviado ao regenerador. No regenerador, o coque depositado na superfície do catalisador sofre queima transformando-se em gases de combustão. sta queima devolve a atividade do catalisador pela liberação de sua área efetiva para reação. A combustão do coque acontece em função da alta temperatura e da presença de oxigênio inetado com ar, através do distribuidor (pipe-grid), localizado no fundo do vaso. A queima do coque no regenerador tem dupla função, ambas fundamentais ao processo de craqueamento: i) reativação do catalisador, devolvendo-lhe a sua atividade catalítica; ii) elevação da temperatura do catalisador para que este possa retornar ao riser com energia suficiente para vaporizar a carga e alimentar o craqueamento. Com o retorno do catalisador regenerado ao riser, fecha-se o ciclo do catalisador. 1.3 MODLO MATMÁTICO. A importância econômica do craqueamento catalítico em leito fluidizado é o que motiva o seu estudo. Uma pequena melhoria no rendimento do processo pode significar milhões em unidades monetárias. Para a otimização do rendimento, um profundo conhecimento do processo é requerido. A

25 Capítulo 1 Introdução 22 modelagem dos equipamentos de um determinado sistema auxilia no entendimento do problema, permitindo expressar através do equacionamento matemático o fenômeno físico. Um modelo matemático permite o estudo do comportamento de um equipamento ou das suas interações com os demais componentes de um sistema, como é o caso dos subsistemas formados pelo regenerador e pelo reator (riser). Do ponto de vista de modelagem a regeneração é altamente desafiante. Trata-se de um processo hidrodinâmico com reações químicas em duas fases: o catalisador sólido e os gases, o que configura um sistema nãolinear de alta complexidade. As não-linearidades encontradas no regenerador e na unidade FCC dificultam a modelagem, a operação e a aplicação de estratégias de controle. ntretanto, a modelagem possibilita determinar as condições nas quais o processo possui melhor rendimento, pode servir de base no estudo de controladores ou ainda permite avaliar a segurança da unidade de craqueamento. 1.4 OBJTIVOS. O presente trabalho apresenta um modelo matemático com o obetivo de simular o comportamento dinâmico do regenerador de uma unidade de craqueamento catalítico. Um levantamento bibliográfico revelou modelos com diferentes níveis de detalhamento e complexidade. ntretanto, procurou-se um comprometimento entre simplicidade e fidelidade do modelo na representação do fenômeno físico. stas características buscadas no modelo obetiva sua aplicação em controladores. O modelo proposto é fruto de uma investigação bibliográfica, incorporando características de diferentes modelos existentes. No capítulo 2, Revisão Bibliográfica, apresenta-se os modelos de regenerador encontrados na literatura, que servem de base ao modelo do presente trabalho. sta revisão envolve modelos específicos para o regenerador e modelos de regenerador desenvolvidos em trabalhos de modelagem para todo o conversor.

26 Capítulo 1 Introdução 23 No Capítulo 3, é apresentada a modelagem matemática do regenerador. Dois modelos são considerados: um com o regenerador formado por duas regiões distintas (densa e diluída), e o segundo é obtido com uma simplificação do primeiro. No capítulo 4, Metodologia de Solução, discute-se as metodologias de solução para as equações do modelo. Neste capítulo descreve-se as metodologias e os algoritmos das soluções. O capitulo 5, destinado à análise numérica, compara os resultados dos modelos através das duas metodologias de solução propostas. São ainda discutidas as vantagens de cada metodologia. O capítulo 6 se preocupa com a verificação do modelo através da comparação dos resultados com valores experimentais e resultados de outro modelo encontrado na literatura. ste capítulo faz ainda uma análise de sensibilidade do modelo em relação às condições de contorno. Finalmente, o capítulo 7 apresenta as conclusões da dissertação e algumas sugestões para trabalhos futuros.

27 Capítulo 2 Revisão Bibliográfica 24 2 RVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Ninguém é maior do que aquele que está disposto a que lhe assinalem os seus erros. Dave Barry A deposição do coque na superfície do catalisador foi o problema que inviabilizou a aplicação industrial do craqueamento catalítico por volta de 1915, quando o craqueamento com cloreto de alumínio foi observado. Neste primeiro momento, uma pequena unidade foi construída e embora a produção de gasolina fosse aumentada em 20%, a recuperação do catalisador era cara e impedia o uso generalizado do processo (Lansarin, 1997). O alto custo para recuperar o catalisador fez com que as pesquisas sobre o processo fossem abandonadas. Até que em 1927, ugéne Houdry (engenheiro francês radicado nos stados Unidos) acreditou na viabilidade da idéia e passou a estudar o processo. Sem a preocupação de evitar ou diminuir a formação de coque, seus esforços foram dirigidos na busca de soluções para eliminar o coque depositado na superfície do catalisador que é função do tempo de contato entre a carga e o catalisador (Lansarin, 1997). Houdry observou que a queima controlada do coque depositado devolvia ao catalisador sua atividade catalítica. Com isso, surge a primeira patente de um processo de craqueamento catalítico e regeneração através da queima do coque. ste processo era operado em leito fixo e o seu maior problema era o elevado tempo de regeneração quando comparado ao tempo de desativação do catalisador que ocorria em minutos. Além disto, a regeneração necessitava de vários reatores operando alternadamente. ste processo, mesmo com muitos

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores 1 - Introdução A cinética química e o projeto de reatores estão no coração de quase todos os produtos químicos industriais. É, principalmente, o conhecimento da cinética química e o projeto do reator que

Leia mais

ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS

ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS Apostila elaborado para o projeto PROMOPETRO Apoio Versão 1 2014 2 1- O QUE É ENGENHARIA DE REAÇÕES QUÍMICA (CRE)? Entender como reatores químicos funcionam é entender como

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS 1. Objetivo: Considerando os limites estabelecidos pela CONAMA 382 como referências para as fontes existentes, este documento

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DINÂMICA DE UM CONVERSOR DE CRAQUEAMENTO CATALÍTICO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DINÂMICA DE UM CONVERSOR DE CRAQUEAMENTO CATALÍTICO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ UNIDADE DE CURITIBA DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA E DE MATERIAIS - PPGEM RAUL HENRIQUE ERTHAL

Leia mais

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 12 p.1/37

Leia mais

ANÁLISE EM CFD DO PROCESSO DE COMBUSTÃO DE CARVÃO NUMA CALDEIRA AQUATUBULAR: DEFEITOS DE FUNCIONAMENTO

ANÁLISE EM CFD DO PROCESSO DE COMBUSTÃO DE CARVÃO NUMA CALDEIRA AQUATUBULAR: DEFEITOS DE FUNCIONAMENTO ANÁLISE EM CFD DO PROCESSO DE COMBUSTÃO DE CARVÃO NUMA CALDEIRA AQUATUBULAR: DEFEITOS DE FUNCIONAMENTO Luís F. Dondoni, Pedro L. Bellani, Eduardo M. Nadaletti, Leandro L. Felipetto, Maria L. S. Indrusiak

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFC Universidade Federal de anta Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento FLUIDIZAÇÃO A fluidização baseia-se fundamentalmente na circulação

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes Proposta REFINARIAS Subgrupo : CETESB, PETROBRAS Visão do Setor 12 Refinarias PETROBRAS: REMAN AM RPCC - RN RLAM BA LUBNOR CE REGAP MG REDUC RJ

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM 1 INTRODUÇÃO: A principal forma

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DE VASO SEPARADOR E STRIPPER DE UNIDADES DE CRAQUEAMENTO CATALÍTICO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DE VASO SEPARADOR E STRIPPER DE UNIDADES DE CRAQUEAMENTO CATALÍTICO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO PARANÁ UNIDADE DE CURITIBA DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA E DE MATERIAIS PPGEM ROSILAINE FURTADO DE

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Operações Unitárias II

Operações Unitárias II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Operações Unitárias II Evaporação Professor Paul Fernand Milcent Monitora Patrícia Carrano Moreira Pereira 2013 Sumário 1. Introdução... 2 1.1. Fontes de energia... 2 1.2.

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Combustão Industrial

Combustão Industrial Combustão Industrial JOSÉ EDUARDO MAUTONE BARROS Professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador do Laboratório de Combustíveis e Combustão Doutor em Engenharia Mecânica - Térmica

Leia mais

CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500

CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500 CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500 Ac. Luís Carlos Lazzari luislazzari@yahoo.com.br Departamento de Engenharia e

Leia mais

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 Há uma diferença fundamental entre as funções de estado, como T, P e U, e as variáveis de processo, como Q (calor) e W (trabalho), que são transientes

Leia mais

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo:

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo: - Resumo do Capítulo 0 de Termodinâmica: Capítulo - PROPRIEDADES DE UMA SUBSTÂNCIA PURA Nós consideramos, no capítulo anterior, três propriedades familiares de uma substância: volume específico, pressão

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Luiz Felipe da S. Nunes Fábio P. de Araújo Paulo Renato G. de Souza Resumo O presente trabalho consiste em análise computacional do sistema

Leia mais

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1 1 Introdução Diversos sistemas de uma aeronave, tais como motor, ar-condicionado, ventilação e turbinas auxiliares, necessitam captar ar externo para operar. Esta captura é feita através da instalação

Leia mais

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás 5 Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás Nos últimos anos a investigação da estrutura eletrônica de nanotubos de carbono têm atraído crescente interesse, e recentemente a síntese de nanotubos

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 8

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 8 Geradores de Vapor 4º ano Aula 8 2 Perdas de Calor nos geradores de vapor Tópicos Balanço de energia Perdas de Calor Método do Balanço Directo Método do Balanço Indirecto Perdas de Calor com Gases Efluentes

Leia mais

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES 5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES SÃO EQUIPAMENTOS MUITO USADOS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PARA VÁRIAS FUNÇÕES, ENTRE ELAS: MISTURA OU SEPARAÇÃO DE FASES DISSOLUÇÃO AQUECIMENTO NEUTRALIZAÇÃO CRISTALIZAÇÃO

Leia mais

Aula 23 Trocadores de Calor

Aula 23 Trocadores de Calor Aula 23 Trocadores de Calor UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Definição: Trocadores de Calor Os equipamentos usados para implementar

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR Todo programa de monitoramento contínuo da qualidade do ar precisa de algum sistema que forneça uma garantia de que os valores medidos são válidos.

Leia mais

4. Introdução à termodinâmica

4. Introdução à termodinâmica 4. Introdução à termodinâmica 4.1. Energia interna O estabelecimento do princípio da conservação da energia tornou-se possível quando se conseguiu demonstrar que junto com a energia mecânica, os corpos

Leia mais

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Projeto Termo-hidr hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Opções e decisões de projeto Trocadores do tipo casco e tubos sem mudança de fase Condições de projeto Dimensionamento da unidade

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO Curso de Farmácia Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO 1 Introdução A destilação como opção de um processo unitário de separação, vem sendo utilizado pela humanidade

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA B. R. Rodrigues 1, A. P. Meneguelo 2, P. H. H. Araújo 3 1-3 Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa 107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2015 E. S. Tognetti (UnB) Controle de processos

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Cinética Química Aplicada (LOQ 4003)

Cinética Química Aplicada (LOQ 4003) - Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia de Lorena Cinética Química Aplicada (LOQ 4003) 1º semestre de 2014 Prof. Dr. João Paulo Alves Silva jpalves80@usp.br Aula anterior Equação de Velocidade

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

Reações químicas e combustão

Reações químicas e combustão Reações químicas e combustão Introdução Reações químicas: Relacionam componentes antes e depois da reação Diversas aplicações termodinâmicas Aplicação de princípios termod. => considerar mudanças composição

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP CONCEITOS FUNDAMENTAIS Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em Universidade função do que Santa desejamos Cecília Santos estudar / SP termodinamicamente. Tudo que se situa fora do

Leia mais

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO Requisitos de mistura. Em geral, a ótima razão ar/combustível com determinada velocidade do motor consiste naquela em que

Leia mais

Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO. Orientador(es) FERNANDO DE LIMA CAMARGO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO. Orientador(es) FERNANDO DE LIMA CAMARGO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 18º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DIMENSIONAL DE GASEIFICADORES DO TIPO DOWNDRAFT PARA A GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM COMUNIDADES ISOLADAS Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO Orientador(es) FERNANDO

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I OPERAÇÕES POR ESTÁGIOS ABSORÇÃO I PROFESSOR: DR. ROMILDO BRITO CAMPINA

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais 1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais A atmosfera da Terra é fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos. Evoluiu, a partir do gás carbônico (CO 2 ) e vapor d água (H 2 O),

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Aula 2: O estudo da matéria

Aula 2: O estudo da matéria KROTON S.A. UNIC EDUCACIONAL LTDA. ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2015/1 Aula 2: O estudo da matéria A Matéria Conceitos; Tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. - O que é massa? - Como se afere a massa de

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

Comportamento Físico dos Gases 3ª Parte

Comportamento Físico dos Gases 3ª Parte RECIFE Colégio Salesiano Sagrado Coração ] Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 03 Disciplina: Química Professor: Eber Barbosa Comportamento Físico dos Gases 3ª Parte 0 Energia Cinética Média dos

Leia mais

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C 1. Um trocador de calor consiste em uma serpentina, pela qual circulam 18 litros de água por minuto. A água entra na serpentina à temperatura ambiente (20 C) e sai mais quente. Com isso, resfria-se o líquido

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2 EQUILÍBRIO QUÍMICO Equilíbrio Químico - Equilíbrio químico é a parte da físico-química que estuda as reações reversíveis e as condições para o estabelecimento desta atividade equilibrada. A + B C + D -

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

Formulário. TESTE DE FÍSICO - QUÍMICA 10 º Ano Componente de Física A

Formulário. TESTE DE FÍSICO - QUÍMICA 10 º Ano Componente de Física A TESTE DE FÍSICO - QUÍMICA 10 º Ano Componente de Física A Duração do Teste: 90 minutos Formulário Relações entre unidades de energia Lei de Stefan-Boltzmann 1 TEP = 4,18 10 10 J I = e σ T 4 1 kw.h = 3,6

Leia mais

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Dinâmica de fluidos computacional (DFC) DCF é uma ciência da previsão: Vazão do

Leia mais

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Química Materiais, suas propriedades e usos Estados Físicos Estado vem do latim status (posição,situação, condição,modo de estar). O estado físico

Leia mais

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento.

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica

Leia mais

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Prof. Dr. Gabriel L. Tacchi Nascimento O que estuda a Cinemática? A cinemática dos fluidos estuda o movimento dos fluidos em termos dos deslocamentos,

Leia mais

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP Agosto, 2005

Leia mais

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar por refrigeração A importância do ar comprimido como um gerador de energia para os processos industriais modernos é largamente

Leia mais

3. Procedimento e Montagem Experimental

3. Procedimento e Montagem Experimental 3. Procedimento e Montagem Experimental O presente trabalho é uma continuação da pesquisa iniciada por Leiroz [14]. A seção de testes usada para nosso estudo de deposição de parafina sob condições de escoamento

Leia mais

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato Os misturadores a jato da Koerting são os principais componentes de sistemas de mistura especiais, podendo ser utilizados em operações

Leia mais

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO Responsável pelo Projeto Luiz Augusto de Noronha Mendes FPT Industrial RESUMO Este trabalho apresenta um estudo sobre o

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Processos metalúrgicos 2012/2 Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Motivação O que é transporte? De maneira geral, transporte

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE REFORMA DO GÁS NATURAL COM DIÓXIDO DE CARBONO EM REATOR DE LEITO FLUIDIZADO Pacífico, J. A. 1, Calumby, A., Benachour, M. 3, Abreu,

Leia mais

VOLVO BUS latin america. ônibus volvo. qualidade de vida no transporte. www.volvo.com/onibus

VOLVO BUS latin america. ônibus volvo. qualidade de vida no transporte. www.volvo.com/onibus VOLVO BUS latin america ônibus volvo. qualidade de vida no transporte www.volvo.com/onibus EURO 5 ou PROCONVE FASE 7 é uma legislação ambiental, aplicada a caminhões e ônibus, com o objetivo de reduzir

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

Avaliação de modelos numéricos de CFD para o estudo do escoamento de água da piscina do RMB

Avaliação de modelos numéricos de CFD para o estudo do escoamento de água da piscina do RMB 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 Avaliação de modelos numéricos

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais