Variação linguística: língua portuguesa e o preconceito na mídia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Variação linguística: língua portuguesa e o preconceito na mídia"

Transcrição

1 Variação linguística: língua portuguesa e o preconceito na mídia Resumo Tania Regina Montanha Toledo SCOPARO 1 Eliane Aparecida MIQUELETTI 2 Considerando a importância da variação linguística no ensino de Língua Portuguesa, este trabalho realiza uma revisão bibliográfica sobre a temática e faz análise de duas capas da revista Veja, com o objetivo de mostrar que a mídia incute a visão de certo e errado ao falar dos usos da Língua Portuguesa e ao enfatizar o domínio da norma culta à ascensão social, sem considerar as outras formas de uso da língua, pode auxiliar na propagação do preconceito linguístico. A base teórica principal é a Sociolinguística, mas também conta com as contribuições da Semiótica greimasiana. Palavras-chave: Variação linguística; Mídia; Preconceito linguístico. Abstract Considering the importance of linguistic variation in the teaching of the Portuguese language, this paper reviews the literature on the subject and makes analysis of two cases of Veja magazine, in order to show that the media instills the vision of right and wrong when talking about the uses Portuguese Language and emphasize the field of cultural norms for social mobility, without considering other forms of language use, can assist in the spread of linguistic prejudice. The theoretical basis is the main sociolinguistics, but also relies on the contributions of semiotics greimasian. Keywords: Linguistic variation; media; Linguistic Prejudice. 1 Professora na Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP). Doutoranda na Universidade Estadual de Londrina. Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem. Rod. Celso Garcia Cid, Pr km 380. Caixa Postal Londrina PR. CEP: Doutoranda na Universidade Estadual de Londrina. Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem. Rod. Celso Garcia Cid, Pr km 380. Caixa Postal Londrina PR. CEP: Bolsista CAPES.

2 Introdução A história já provou que a língua é instrumento de poder em diversos aspectos, entre outros exemplos, temos desde a bíblica história da Torre de Babel, na qual, para mostrar seu poder, Deus mistura os idiomas para que os povos não mais se entendessem impossibilitando a construção da torre. Na história das colonizações, como a do Brasil, aos povos dominados é imposta a língua do dominador, em resumo, as línguas humanas são mais do que instrumentos de comunicação, são, além disso, reflexo da cultura de um povo, mecanismos de identidade (SCHERRE, 2005, p. 10). Diante disso, as variações ocorrem seguindo, também, o curso das modificações sociais. Em frente a essa perspectiva, nota-se que a mídia, enquanto veículo de comunicação e, porque não, instrumento de poder, revela-se como importante veiculador de valores e ideologias linguísticas, incutindo na sociedade afirmações que nem sempre condizem com a realidade linguística, mas com vistas a objetivos socioeconomicamente determinados. Dessa forma, o objetivo deste trabalho é mostrar que a mídia incute a visão de certo e errado ao falar dos usos da Língua Portuguesa, toma como certo absoluto a norma padrão e erradas as variações que fogem a ela. Ademais, generaliza ao aliar o domínio da norma padrão à ascensão social. Partimos das seguintes hipóteses: a variação linguística e o uso de variedades mais próximas da culta são direcionadas pela mídia de acordo com o que convém. As variedades que fogem ao padrão culto continuam sendo usadas como mote para piadas, atos pejorativos. O domínio dessa é reconhecido como a correta e necessária para a ascensão social, desconsiderando as outras variedades existentes. Para isso, realizamos um trabalho de revisão bibliográfica sobre a temática e análise do corpus constituído de duas capas das revistas Veja, edições de 12/09/2007 e 11/08/2010. Cabe destacar que a base teórica assenta-se nas prerrogativas da Sociolinguística aliada à Semiótica Greimasiana, para a construção da análise das capas da revista Veja, via metodologia do percurso gerativo de sentido, como auxiliar na verificação da prova das hipóteses levantadas. O tópico a seguir realiza algumas considerações teóricas em torno da Sociolinguística e das prerrogativas que embasam as discussões sobre norma e variações linguísticas; noções de certo e errado. O que se refere às bases teóricas da

3 Semiótica Greimasiana e a seu modelo metodológico, o percurso gerativo de sentido, que fundamenta a análise das capas da revista Veja, estará na própria análise. 1. A Sociolinguística: algumas bases Sociedade e linguagem estão desde sempre inter-relacionadas e a variação é algo inerente a ambas, resultado da dinâmica comunicativa que as sustenta. Nessa perspectiva enquadra-se a Sociolinguística, essa se preocupa com o uso da língua na sociedade. Cabe assinalar, rapidamente, que apesar da Linguística ter se consolidado como ciência a partir dos estudos saussureanos publicados no livro Curso de Linguística Geral, em 1916, ao definir a língua (langue), sob um ângulo social, como objeto central de seu estudo linguístico, em oposição à fala (parole), algo individual, a língua ainda era vista como um sistema de regras, sistema estático, homogêneo, regular, ou seja, privilegiava-se o caráter formal e estrutural do fenômeno linguístico (ALKMIM, 2001, p. 23), o falante e os diversos modos como a língua se apresenta não eram considerados. A Sociolinguística surge a partir da importância dada à fala, sua preocupação é com o fenômeno linguístico em sua abrangência dialetal e variacional, observando como a língua funciona em um contexto de fala, e quais os fatores que influenciam para que as mudanças linguísticas aconteçam. Seus estudos foram consolidados depois de 1964 com a realização de um congresso na Universidade da Califórnia, no estado de Los Ângeles, Estados Unidos, organizado por William Bright, e contou com a participação de importantes figuras nos estudos da Sociolinguística mundial: William Labov, Dell Hymes e John Gumperz (SOUSA, 2005, p.153). Outros estudiosos como F. Boas (1911), Edward Sapir (1921) e Ben Jamin L. Whof (1941), assim como, Antoine Meillet, Mikhail Bakhtin, Marcel Cohen, Émile Benveniste e Roman Jakobson, que valorizavam a relação interdisciplinar entre linguagem, cultura e sociedade, também contribuíram para a formação da Sociolinguística atual (SOUSA, 2005, p. 154). De maneira geral, essa área de estudo preocupa-se em estudar a língua em uso na comunidade de fala, sendo assim, considera a língua como algo social, pertencente a todos os indivíduos de uma comunidade, estrutura viva, nesse ponto integra seu caráter heterogêneo, onde se situa as variações linguísticas. Bortoni-Ricardo (2005, p.20) lembra que a Sociolinguística ocupa-se, sobretudo, [...] das diversidades nos repertórios lingüísticos das diferentes comunidades conferindo às funções sociais que a

4 linguagem desempenha a mesma relevância que até então se atribuía tão-somente aos aspectos formais da língua. Ainda que rapidamente, cabe observar que entre os principais autores que fundamentam as bases da Teoria da Variação e Mudança Linguística, sobretudo no que se refere à interferência dos aspectos da estrutura social na mudança ao longo do tempo, sincrônica, são eles Weinreich, Labov e Herzog ([1975] 2006), eles estabelecem como ponto essencial de investigação histórica localizar o fenômeno tanto no contexto estrutural (interno) quanto no contexto social (externo). De maneira geral, estuda a variação e a mudança da língua no contexto social da comunidade de fala. A língua não é propriedade do indivíduo, mas da comunidade (é social). Nesse sentido, o conceito de mudança é visto como um processo contínuo e o subproduto inevitável da interação linguística (WEINREICH, LABOV e HERZOG, 2006 [1975], p. 87 e 139), ou seja, a dinâmica interna da língua produz mudança linguística. Diante disso, a heterogeneidade linguística é vista na relação com o social e frente a sua própria subjetividade, o sujeito é livre para escolher e adequar-se as várias situações de uso da língua. As diversidades, coletivas ou individuais, são formas de identificação dos membros de uma nação, ligados por traços socioculturais, econômicos e políticos, tradicionalmente firmados, identificam-se e distinguem-se dos membros de outra pelo seu instrumento de comunicação (CAMACHO, 1988, p.29). Sendo assim, não há língua sem variação, no contato entre línguas, ou entre falantes elas se individualizam, modificam e variam. Além disso, historicamente as línguas sofrem alterações, já que uma língua é um objeto histórico, enquanto saber transmitido, estando, portanto, sujeita às eventualidades próprias de tal tipo de objeto. Isso significa que se transforma no tempo e se diversifica no espaço (CAMACHO, 1988, p.29). No entanto, não são somente as diferenças entre os idiomas que marcam a diversidade linguística, a mesma língua sofre influência ao longo do tempo, fatores diversos modificam-na, para além de aspectos temporal e espacial. Nesse bojo, Camacho (1988) aponta para aspectos sociais (idade, sexo, classe social, escolaridade etc.) e estilísticas (estilo formal, informal, coloquial, culto etc.). Esses integram as quatro modalidades de variações linguísticas: histórica, geográfica, social e estilística. A variação histórica acontece ao longo de determinado período do tempo. A mudança é gradual, uma variante inicialmente passa a ser usada por um grupo restrito de falantes e só é substituída quando ao se propagar, é adotada por um grupo

5 socioeconomicamente expressivo (CAMACHO, 1988, p.30) e então é fixada pelo uso na modalidade escrita. Em relação à variação geográfica, estão relacionadas à espacialidade, as mudanças de pronúncia, vocabulário e estrutura sintática que ocorrem em comunidades linguísticas maiores que falam o mesmo idioma, como ocorre entre os falantes do sul e do nordeste do Brasil. A variação social está ligada à capacidade verbal que membros de mesmo grupo sociocultural da comunidade vão assemelhando de acordo com fatores como: o nível socioeconômico do indivíduo, o grau de educação, a idade e o sexo, fatores que podem ocorrer isolados ou relacionados. Cabe observar que a variação social não prejudica a compreensão entre indivíduos, o que pode acontecer na variação regional. Ademais, o uso de certas variantes pode indicar o nível socioeconômico e cultural das pessoas, no entanto, nada impede que o indivíduo de um grupo menos favorecido atinja o padrão de prestígio de acordo com as relações culturais e profissionais, por exemplo, o intercâmbio cultural e profissional entre indivíduos de meio diverso possibilita a adaptação das formas de expressão de um para outro grupo (CAMACHO, 1988, p.33). A última variação abordada é a estilística, está relacionada ao uso individual, ou seja, as variações do estilo linguístico que cada indivíduo utiliza dependendo das variações das situações de comunicação, a linguagem é adequada de acordo com determinada finalidade, dessa forma tem-se: a relação familiar, a profissional, o grau de intimidade, o tipo de assunto tratado, os receptores. Tal adequação decorre de uma seleção dentre o conjunto de formas que constitui o saber linguístico individual, de um modo mais ou menos consciente (CAMACHO, 1988, p.34). É importante ressaltar, ainda, que as variações linguísticas se inter-relacionam, por isso é comum que um mesmo falante apresente mais de uma delas, além disso, para que a mudança ocorra, em determinado momento, ambas, a substituta e a substituída, coexistirão, apenas com o reconhecimento pela maioria dos membros da comunidade de prestígio a substituta passa a ser considerada. Em síntese, é preciso considerar que as variações podem ocorrer nas diversas manifestações da língua, é uma característica inerente das línguas naturais. Constitui um fenômeno regular, sistemático, motivado por regras do sistema linguístico, cada uma delas possui suas regras próprias e não aleatórias. No entanto, como corrobora Camacho (1988) é comum a imposição da norma linguística do grupo dominante, considerando-a

6 como a correta, inculcando a distinção entre correto e incorreto, visão conservadora de língua e elitista, em detrimento das variações estigmatizadas. De maneira geral, com essa forma de tratamento da língua, muitas vezes também propagada pela escola, ajudase a criar uma forma de discriminação social. Faraco (2008) ao falar sobre as mudanças que a escola sofreu ao longo do tempo no que se refere ao tratamento dado ao ensino da norma culta e comum, afirma: O senso comum também não distingue a norma culta/comum/standard falada da norma escrita. Em conseqüência, não é rara a crença de que se deve falar como se escreve. Por fim, o senso comum não distingue a norma culta isto é, a variedade efetivamente praticada pelos falantes letrados nas situações mais monitorada de fala ou escrita - e a norma curta - isto é, os preceitos conforme estipulados pela tradição gramatical normativa conservadora (FARACO, 2008, p.190). De forma geral, segundo o estudioso, a escola não dá conta de uma pedagogia para trabalhar as variações linguísticas e acaba fortalecendo o preconceito linguístico; e, por conseguinte, ajuda na manutenção de poder da classe dominante, como bem lembra Labov: a causa primária do fracasso educacional não são as diferenças linguísticas, mas o racismo institucional (LABOV, 1984, apud MONTEIRO, 2002, p. 149). Em torno dessas questões gira o tópico a seguir. 1.1 Entre certo e errado, a supremacia da norma culta Apesar do surgimento e desenvolvimento dos estudos da Sociolinguística, boa parte da sociedade ainda crê que há uma variedade mais certa do que outras. O problema do certo / errado reside na pouca compreensão de que a variação está inscrita na língua, é própria dela, como apontamos no tópico anterior. De maneira geral, é possível verificar que há mudanças que advém da própria língua, lógica interna, e outra diante das condições sócio-históricas em que vive. Faraco, no artigo Norma-padrão brasileira (2002), explica que a raiz do preconceito linguístico na cultura brasileira e das atitudes puristas e normativistas que veem erros em toda parte e condenam qualquer uso de formas que fuja ao estipulado pelos compêndios gramaticais mais conservadores, está na distância que se colocou, desde o início, entre a norma culta e o padrão artificialmente forjado.

7 Nesse contexto, Mattos e Silva (2004) lembra que há aspectos históricos sociais ligados à realidade linguística e a política educacional brasileira que imprimira a visão social nessa direção. Em resumo, afirma que na segunda metade do século XVIII, quando, por conta da política linguística-cultural de Marquês de Pombal, a Língua Portuguesa é imposta aos indígenas, que falavam, sobretudo, uma língua de base tupi, sem deixar de lembrar que antes disso ocorria no país outros contatos linguísticos, além das línguas indígenas, línguas de origem africana, com destaque para o banto. Entre os séculos XVI e XVII, o Brasil é culturalizado pela Companhia de Jesus e a formação cultural era reservada a pequena parcela da elite que já dominava e deveria aprimorar a norma culta. No início do século XIX, 1808, a corte portuguesa vem para o Brasil, ocorre o aumento de letrados, apesar de o ideal homogeneizador do padrão prestigiado não se configurar. Nesse momento destaca a implantação da clivagem resultante da diglossia atual, em síntese, a oposição entre os dois polos do nosso continuum linguístico: os que portavam o padrão linguístico lusitanizante (padrão culto brasileiro no sec. XX) e os iletrados, grande maioria. Entra em cena, a normatização linguística explicitada, coercitiva (MATTOS e SILVA, 2004, p. 134), o policiamento gramatical preocupava a elite, fato que é perceptível até os dias de hoje. De maneira geral, a partir da década de 1970 nota-se, segundo a estudiosa, crescente consciência de linguísticas e professores de Língua Portuguesa no que se refere à divergência entre o que prega as orientações oficiais e o que se verifica na realidade escolar, segundo ela, há implícito a necessidade social de dar apoio pedagógico-linguístico adequado para integrar as variantes dos estudantes aos padrões prestigiados socialmente mostrando que esse é necessário para ascensão social. Dessa forma, como bem aborda a autora, que imbricado ao prestígio de uma variante sobre as outras, está o forte aspecto sócio ideológico e não há como negar que o domínio de determinada variante prestigiada facilita o acesso ao poder. Bortoni (2006, p. 272), numa análise comparativa entre oral e escrita, aponta que as distinções envolvem o estatuto do chamado erro. Na fala não se enxergam erros, mas inadequações; a variação lhe é inerente, marca de identidade dos falantes, de seu papel social e sua relação com o interlocutor, pode ser escolhida de acordo com a adequação a cada contexto de uso. Por outro lado, na escrita, o erro, apesar de também estar ligado à avaliação social, corresponde a transgressão de um código convencionado e prescrito pela ortografia (BORTONI, 2006, p.273); a variação não é

8 prevista nas línguas já estabilizadas historicamente, a uniformidade garante a funcionalidade da ortografia. Diante dessas distinções a Sociolinguística atribui a noção de erro apenas às transgressões ortográficas. No que se refere ao conceito de norma, cabe destacar, as reflexões realizadas por Coseriu (1979), um dos principais teóricos a esse respeito. Este estudioso tenta conceituar norma ligado aos conceitos de fala e sistema. Em resumo, no sistema estão os elementos virtuais, mesmo que não consagrados pela norma. A norma é menos geral que o sistema e representa a realização natural, ou seja, a forma mais comum de uso da língua. E a fala é uma realização concreta, individual, mas baseada nos modelos observados dentro da comunidade linguística que faz parte. Para o autor, é necessário compreender o funcionamento do sistema linguístico. Para isso cabe uma investigação do uso linguístico, do ato de fala e suas variações, das diversas normas articuladas ao sistema e à fala; enfim da constituição da gramática do sistema. Como afirma: [...] o indivíduo cria sua expressão numa língua, fala uma língua, realiza concretamente em seu falar moldes, estruturas da língua de sua comunidade. Num primeiro grau de formalização, essas estruturas são simplesmente normais e tradicionais na comunidade, constitui o que chamamos norma; mas, num plano de abstração mais alto, depreendese delas mesmas uma série de elementos essenciais e indispensáveis de oposições funcionais: o que chamamos sistema. Mas norma e sistema não são conceitos arbitrários que aplicamos ao falar, mas formas que se manifestam no próprio falar [...]. (COSERIU, 1979, p. 72). Cabe observar que Faraco (2008, p. 35) afirma que pode-se conceituar norma de um modo técnico, ou seja, como determinado conjunto de fenômenos linguísticos - fonológicos, morfológicos, sintáticos e lexicais - que são correntes, costumeiros, habituais numa dada comunidade de fala, dessa forma, a norma é entendida dentro do sentido do que comum no interior de uma comunidade linguística. Nesse sentido, Castilho (2002) afirma haver um conceito amplo como fator de coesão social. Nesse caso, observam-se as atitudes da própria comunidade linguística ao corrigir quando algum membro comete um desvio da norma, movido pela pressão social, essa pretende a unificação dos traços culturais, a permanência da identidade do grupo. Há, ainda, segundo ele, um conceito estrito, no qual a norma relaciona-se aos usos e aspirações da classe social de prestígio, as regras do uso bom. Em síntese existe: a norma objetiva, explícita ou padrão (praticada pela classe social de prestígio); a

9 norma subjetiva, implícita ou padrão ideal (atitude do falante diante da norma objetiva, o que a comunidade espera do indivíduo de grupo); a norma prescritiva (combinação da objetiva e da subjetiva, o ensino dos usos linguísticos da classe prestigiosa como os mais adequados). Em relação à norma prescritiva, o autor dá considerável atenção para deixar claro que ela também sofre influências da variabilidade linguística, apesar de essa influência variar de comunidade para comunidade. As preocupações e atitudes mudam ao longo do tempo, por isso, não há como estabelecer um modelo de norma comum ao longo dos tempos. Tendo em vista a extensão territorial do Brasil e a rápida urbanização, há uma pluralidade de normas, além disso, as diferenças regionais afetam mais a norma oral e seus níveis fonológico e lexical, nos quais se notam maiores variações e, consequentemente, problemas. Quanto ao espaço social, liga-se à variante culta e compõem-se dos dois registros: a norma coloquial e a refletida. Adotamos, para o presente trabalho, a premissa de que a norma padrão é ideal, ou seja, é um modelo abstrato, preconizado pela gramática normativa; enquanto a norma culta, na verdade são normas cultas, porque vai de acordo com cada comunidade, mas é a mais próxima do padrão. A norma culta é considerada real, porque é praticada por uma parte da comunidade mais letrada, com maior grau de instrução, a praticada pelas pessoas com curso superior completo, por exemplo. Enfim, diante das discussões teóricas, constata-se que: Todas as variedades, do ponto de vista estrutural linguístico, são perfeitas e completas entre si. O que as diferencia são os valores sociais que seus membros têm na sociedade. (CAGLIARI, 1999, p. 81). A variação correta, de prestígio, é a variedade normalmente usada pelos grupos socioeconomicamente mais privilegiados e que detêm o poder econômico ou cultural, a norma culta, por consequência o preconceito linguístico em relação aos que não a dominam torna-se comum, e a mídia tem papel fundamental na permanência dessa visão. 2. Análise A variação linguística e o uso de variedades mais próximas da norma culta são direcionados pela mídia de acordo com o que lhe convém. Há várias situações em que observamos que a mídia, de forma mais ou menos explícita, corrobora para diversas

10 situações de preconceito linguístico. As variedades que fogem a culta são por ela estigmatizadas e, muitas vezes, mote para piadas pejorativas. Na mídia televisiva, por exemplo, normalmente os personagens de nível socioeconômico cultural baixo são desempenhados por sujeitos que não dominam a norma culta, o que nem sempre condiz com o real. Em programas de entretenimento, a variedade linguística menos prestigiada é motivo de piada a exemplo do que ocorre com o personagem Nerso da Capitinga, Adelaide, no programa Zorra Total, entre tantos outros. Essas variações aparecem em situações humorísticas, motivadas por falantes estigmatizados. É tendência, na mídia, principalmente a televisiva, criar imagem pejorativa de variedades do interior de certas regiões do Brasil, como falantes nordestinos, mineiros, paulistas, cariocas, paraibanos, entre outros, e principalmente de regiões rurais. Essa postura influencia o preconceito que os telespectadores desenvolvem sobre as variedades estigmatizadas, possibilitando a manifestação de avaliações negativas em relação a essas variações. Observamos também que na mídia impressa o preconceito linguístico manifestase em notas sobre gafes linguísticas cometidas por celeridades, além disso, mais do que nunca gramáticos renomados tem sido requisitados, por jornais e revistas, para solucionar problemas de desvio a norma e, cada vez mais impor uma imagem de erros a outras formas de usos da língua. Nesse contexto, destaca-se, neste trabalho, outra tendência midiática ligada à supremacia da norma culta, esta aliada à ascensão social, certamente o domínio dessa norma pode favorecer o crescimento social tendo em vista a exigência de seu uso em algumas esferas da vida pública, sobretudo em empregos de alto poder aquisitivo, no entanto ao deixar de considerar a existência de outras formas de uso da língua pode levar, implicitamente, ao preconceito, ou seja, quem não domina a norma culta e a padrão é considerado ignorante. Tendo em vista demonstrar essa tendência, analisamos duas capas da revista Veja, uma de 2007 e outra de 2010, em que reportagens sobre o domínio da norma culta são destaque, quando necessário retomaremos parte das matérias que estão no interior da revista, apenas para confirmar algumas reflexões realizadas. A revista Veja, suporte do corpus a ser analisado, é uma revista semanal e de circulação nacional, publicada pela Editora Abril. Foi criada em 1968, pelos jornalistas Victor Civita e Mino Carta. É a

11 revista de maior circulação no Brasil, com uma tiragem superior a um milhão de exemplares, dessa forma, nota-se a influência que pode exercer sobre a opinião do público leitor enquanto veículo de comunicação que é. Assinala-se, ainda, que a escolha pela análise da capa da revista justifica-se por este espaço constituir-se na primeira impressão que o público leitor tem da matéria enfatizada, é a partir desse recurso que o leitor é fisgado a ler /comprar ou não a revista. Scalzo (2003, p. 62) afirma que uma boa revista precisa de uma capa que a ajude a conquistar leitores e os convença a levá-la para casa. A mídia, normalmente, direciona algum tema relevante a ser discutido nas reportagens no interior do veículo midiático e, a partir desta, constrói uma imagem visando a influenciar seus leitores. O poder do discurso veiculado por jornais e revistas impressas não pode ser ignorado. Apontaremos como a linguagem pode ser trabalhada no sentido de apresentar a ideologia que se manifesta em seu discurso por estratégias da linguagem verbal e não verbal. Para isso, a construção assinalada pela semiótica greimasiana contribui para o sentido do texto e corrobora a assertiva da sociolinguística exposta no início deste artigo. Vejamos as capas analisadas 3. Fig Capa Veja 2007 Fig Capa Veja A matéria, na íntegra, pode ser encontrada nas revistas impressas, edição 2025 ano 40 n e edição 2177 ano 43 n E, também, no site da revista:

12 Cabe informar que a matéria da revista Veja de 12 de setembro de 2007 (fig. 01), Falar e escrever certo discorre sobre a mudança ortográfica e vários especialistas falam sobre o assunto. No artigo da revista Veja o jornalista faz uma chamada com o seguinte subtítulo Ascensão pelo vocabulário e afirma que o bom uso da língua influi na carreira (...) a chance de ascensão profissional está diretamente ligada ao vocabulário que a pessoa domina. Quanto maior seu repertório, mais competência e segurança ela terá para absorver novas ideias e falar em público (p. 88). Na reportagem, fica evidente que a riqueza da língua é ferramenta fundamental na carreira profissional e no crescimento pessoal. No texto da revista Veja que representa a capa de 11 de agosto de 2010 (fig. 02), novamente o assunto foi o enriquecimento do vocabulário para que o brasileiro evite erros e possa falar e escrever melhor para avançar na vida. O título Falar e escrever bem: rumo à vitória trata da importância de se saber falar e escrever bem de acordo com a norma culta da língua portuguesa. No conteúdo da matéria, no início, há a seguinte chamada Do ponto de vista da clareza e da gramática, o primeiro debate dos candidatos deixou a desejar. Mas, para os brasileiros interessados em dominar o português, novas obras de referência podem ajudar a enriquecer o idioma cotidiano. (p. 94). O jornalista assim se posiciona sobre a linguagem usada pelos principais candidatos Dilma Rousseff, José Serra e Marina Silva em seus pronunciamentos na maior parte, o debate foi simplesmente ininteligível. Os candidatos (...) afundaram-se em anacolutos, solecismos, frases inconclusas e erros gramaticais (...) falharam todos, em maior ou menor medida, no uso de uma ferramenta básica: a linguagem (p. 94). O debate foi um mote para o jornalista demonstrar que falar e escrever bem são essenciais para ter êxito na vida pessoal e profissional. Discorre também sobre o lançamento de novas obras destinadas ao leitor que anseia por aprimorar sua expressão verbal, acrescentando, ainda, no interior da matéria os 10 erros de português que acabam com qualquer entrevista de emprego (p ). Antes de proceder à análise, via pressupostos metodológicos da Semiótica, é necessário realizar uma visão geral do que se visualiza nas duas capas. Na figura 01 verifica-se a presença de uma escada, no contorno da primeira letra do alfabeto, sendo subida por uma mulher, possivelmente executiva, pelos trajes. A figura 2 apresenta a imagem de um grande teclado, em formato de uma pirâmide, ao fundo, no final dela, um homem, em uma tribuna, que parece discursar. Cabe lembrar que o objeto de estudo

13 da Semiótica Greimasiana é o texto, descreve os processos de formação do sentido desses textos, a sua significação, oferecendo um instrumento metodológico para a leitura, a interpretação, a desconstrução e a exploração de diversos níveis de seu sentido. Dessa forma, cabe entender que texto, para essa teoria, compreende uma relação entre um plano de conteúdo (significado do texto) e um plano de expressão. O plano de expressão constitui-se na forma de apresentação do conteúdo. A manifestação do conteúdo em um sistema de significação pode ser verbal, não verbal ou sincrético como são as capas das revistas analisadas. Discini (2005, p. 57) observa que No plano de conteúdo estão as vozes em diálogo, está o discurso. No plano da expressão está a manifestação do sentido imanente, feita por meio da linguagem sincrética, que integra o visual e o verbal sob uma única enunciação. Greimas e Courtés, principais sistematizadores da teoria, explicam a semiótica sincrética como aquela que como a ópera ou o cinema acionam várias linguagens de manifestação; da mesma forma, a comunicação verbal não é somente de tipo lingüístico: inclui igualmente paralingüísticos (como a gestualidade ou a proxêmica), sociolingüísticos, etc. (s/d, p. 426). Diante disso, Greimas concebe o sentido como um processo gerativo, formalizado no modelo teórico do percurso gerativo do sentido, para onde convergem três níveis de análise e a partir dos quais é possível observar o enriquecimento textual, partido de um patamar mais simples e abstrato se busca categorias sob as quais o texto foi construído, passa para outro um pouco mais concreto no qual se nota as relações entre sujeitos e os valores advindos da base, até chegar ao nível mais complexo e concreto, parte mais visível da elaboração do texto, campo da enunciação, o qual se situam as ideologias, respectivamente, são eles os níveis: fundamental, narrativo e discursivo. Não sendo nosso objetivo neste trabalho delongar nessas definições por motivos de espaço para o artigo proposto, passamos à análise, sobretudo se atendo a alguns aspectos do nível discursivo do percurso gerativo de sentido, mais precisamente a semântica discursiva, pois autenticará a validade da proposição da sociolinguística. Comentários teóricos serão realizados ao longo da análise, quando necessários. O elemento que nos chama a atenção no texto verbal é o título, cujo objetivo é resumir a informação principal da reportagem especial da edição e, de certa forma, direcionar, logo a primeira vista, interpretações sobre a matéria inserida no interior da

14 revista: Falar e escrever certo (fig. 01), e Falar e escrever bem: rumo à vitória (fig. 02). O discurso verbal que observamos nos dois títulos é realizado na forma de um enunciado que é produzido por uma enunciação, instância de produção do discurso. Para que esta enunciação seja produzida há uma relação entre um enunciador e um enunciatário. Os verbos falar e escrever no infinitivo são realizações discursivas que produzem um efeito de ação contínua e que tem como elemento semântico comum o tema pressuposto ascensão social Falar e escrever certo e Falar e escrever bem: rumo à vitória, figuras 01 e 02 respectivamente, são ações que supõem um enunciador, no caso, a revista Veja, que realiza um fazer persuasivo. Se há um enunciador, supõe-se também que há um destinatário, este é coletivo, pois são os leitores da revista. O enunciador procura fazer com que o destinatário aceite o que diz e ao mesmo tempo realize um fazer interpretativo. Os enunciadores e os destinatários estão implícitos nos enunciados dos dois textos, pois não há nenhuma marca pessoal que se refira a eles, como um eu ou um ele ou você, ou um verbo na 1ª ou 3ª pessoas. No entanto, mesmo implícitos, os enunciadores estão presentes e ao elaborarem os títulos provocam uma interferência intersemiótica: sua presença determina a leitura do texto jornalístico e estabelece antecipadamente seu universo de significados, orientando os leitores para uma compreensão do tema proposto. O tema ascensão social (e por pressuposição lógica: preconceito linguístico) é reforçado nas chamadas, ou enunciado-resumo ou microtexto, que acompanham os títulos. Na capa da Veja (fig. 01), de 2007, lemos a) Como o domínio da língua impulsiona a carreira; b) Os 10 erros de português que arruínam suas chances ; c) A ansiedade com a nova reforma ortográfica. Já na capa de 2010 (fig. 02), apresenta o seguinte texto Expressar-se com clareza e elegância é essencial para avançar na vida. A boa notícia é que há mais ferramentas para o aprendizado. Esses discursos recebem revestimentos semânticos figurativos. As figuras são elementos do discurso que criam a ilusão de um mundo possível por produzir uma referencialização ao mundo natural (PIETROFORTE, 2010, p. 21). Assim, falar, escrever, certo, domínio, língua, impulsiona, carreira, erros, português, arruínam, chances (fig. 01); falar, escrever, bem, vitória, clareza, elegância, avançar, vida, ferramentas, aprendizado (fig. 02), são figuras do discurso. Essas figuras concretizam o tema e ajudam na leitura, construção e interpretação dos textos. Segundo Fiorin (1999, p. 70) Ler um texto não é apreender figuras isoladas, mas perceber relações entre elas, avaliando a trama que constituem. A

15 esse encadeamento de figuras, a essa rede relacional reserva-se o nome de percurso figurativo. Assim, o conjunto de figuras lexemáticas relacionadas no texto das revistas compõe um percurso figurativo. Vejamos no quadro a seguir como o conjunto das figuras concretizaram o tema proposto: Quadro 01: Representação do percurso figurativo Fig. 01 Fig. 02 Figuras Percurso Figurativo Tema falar, escrever, certo, domínio, língua, impulsiona, carreira, erros, português, arruínam, chances falar, escrever, bem, vitória, clareza, elegância, avançar, vida, ferramentas, aprendizado Domínio da língua Crescimento pessoal e profissional Domínio da língua Crescimento pessoal e profissional Ascensão social (por pressuposição lógica: preconceito linguístico) Ascensão social (por pressuposição lógica: preconceito linguístico) Como demonstramos no quadro, a escolha de figuras na organização da capa comprova que a ascensão social (e por pressuposição o preconceito linguístico) constitui, portanto, o tema central abordado nos dois textos verbais das respectivas reportagens da Veja. Do ponto de vista da Linguística e da Sociolinguística, todos os falantes de língua portuguesa dominam a oralidade, pois crescem e falam a língua desde muito cedo, quando ainda criança, seja por histórias que ouvem, por diálogos em casa e na comunidade que os cercam, ou por rádio, televisão e mídia em geral. Conforme Scherre (2005, p.9), Falar é como andar. Acontece naturalmente, da mesma forma, nas mesmas faixas etárias, em qualquer parte do planeta terra, independente de raça, de cultura, de cor, de gênero e de ensino formal. Basta que sejamos seres humanos. Sendo assim, nos títulos das duas capas da Veja, houve a apresentação da hegemonia da norma culta, desconsiderando fatores que geram a diversidade linguística, como já foi apontado anteriormente: localização geográfica, faixa etária, situação socioeconômica, escolaridade. O plano de conteúdo dessas capas se relaciona com um plano de expressão, a imagem, e marca o sincretismo, estabelecendo o que a Semiótica chama de semissimbolismo que reforça o que foi explanado acima. Nas capas das revistas, o plano de expressão ajuda na construção do sentido veiculado pelos títulos e pelos microtextos. Nesse contexto, retomando Pietroforte (2004, p.21), o semissimbólico, conceito desenvolvido por J. M. Floch, aparece quando o plano de expressão deixa de ser apenas uma forma de veicular o conteúdo e passa a fazer sentido a partir da articulação entre

16 a forma de expressão e a forma de conteúdo. Para analisar as imagens dessas capas é necessário entender dois princípios básicos utilizados por Algirdas Julien Greimas e Jean-Marie Floch para os quais no plano de expressão possam ser reconhecidos: os formantes figurativos (elementos que criam efeitos de realidade, como pessoas, objetos, etc) e os formantes plásticos (categorias que dão sentido ao texto e podem, de acordo com trabalhos de Greimas, Floch e Thürlemann, ser divididas em: topológica (ligada à posição), eidética (ligada às formas) e cromática (ligada às cores). As imagens escolhidas para editar as revistas da Veja não foram aleatórias, há uma intenção que no contexto da enunciação representa um sentido, uma significação. Nas duas capas vemos como as figuras do texto verbal que concretizam o tema da ascensão social, por pressuposição lógica, também faz parte da imagem. Nesse sentido, no tocante ao formante figurativo tem-se a imagem, na fig. 01, de uma pessoa vestida de blazer feminino, saia e pasta de couro na mão (no imaginário popular, na junção desses elementos, predomina o símbolo de ascensão e de poder e corrobora o que diz o texto verbal o domínio da língua impulsiona a carreira) subindo uma escada, encostada a uma letra do alfabeto, em referência à escrita, a falar e escrever certo, no alto da escada a pessoa se mistura às nuvens do céu (também um símbolo de ascensão: estar no topo). No que se refere à figura 02, outra pessoa, no topo de um teclado de computador com as letras do alfabeto (em alusão a novas ferramentas para o aprendizado, como diz o texto verbal; e vestida de terno e gravata, em posição de discurso, também em menção ao texto verbal: expressar-se com clareza e elegância é essencial para avançar na vida ). É importante destacar que a imagem do teclado lembra uma pirâmide social, portanto, as duas pessoas do texto não verbal se encontram no alto, estão bem vestidas, são elitizadas, evidenciam que a relação entre domínio da língua, ascensão social e crescimento pessoal pelo viés do conhecimento da língua portuguesa, norma culta, fica fortemente marcada nos dois textos, verbal e não verbal. Isso induz no acreditar que só quem sabe falar e escrever certo / bem podem ter sucesso e ascensão social. As outras formas são empobrecedoras, desviantes, indignas de uma língua bem falada e formas normalmente usadas em maior número por pessoas de classe social sem prestígio, uma vez que nas imagens, os dois indivíduos, que incorporam a língua bem falada e que estão no topo, passam a imagem de pessoas elitizadas (terno, gravata, blazer, pasta de couro). Não podemos deixar de lembrar que também as pessoas de

17 classe mais favorecidas produzem as formas consideradas erradas, só que, normalmente, em menor quantidade, e nem por isso são estigmatizadas. Em relação ao formante plástico, as cores predominantes são o azul (figs 01 e 02), o branco (fig. 01), e o amarelo (fig. 02). Segundo o Dicionário de Símbolos, o branco é a cor daquele que vai mudar de condição (...) daquele que se reergue e que renasce, ao sair vitorioso (...) símbolo de afirmação, de responsabilidades assumidas, de poderes tomados e reconhecidos, de renascimento realizado, de consagração (CHEVALIER; GHEERBRANT, 2005, p ). A cor azul é o caminho do infinito, onde o real se transforma em imaginário. (...) Entrar no azul é um fazer como Alice, a do País das Maravilhas: passar para o outro lado do espelho... o caminho do sonho (Idem, p. 107). Já o amarelo é intenso, violento, agudo até a estridência (...) veículo do vigor (Idem, p. 40). Nos dois textos não verbais a simbologia dessas cores ratifica o que já foi analisado, ou seja, as figuras branco, azul e amarelo representam a subida, a ascensão, a vitória; passar para o outro lado; ter vigor. Nesse sentido, todo o arranjo reproduz a significação subjetiva do crescimento pessoal representada nas figuras das duas pessoas no topo. No sincretismo das capas analisadas, imagem e palavra estão separadas, ou seja, há o espaço da imagem, no centro da capa, e os espaços das palavras. Nos textos em questão, portanto, há a categoria topológica de expressão vertical/subida/superior/ascensão (simbolizada pela escada na imagem) vs horizontal (palavras) a organizar a disposição dos dois sistemas semióticos sincretizados. Dessa forma, as palavras confirmam a categoria plástica cromática e topológica. Enfim, no texto sincrético das capas, os conteúdos da ascensão social, crescimento pessoal, domínio da língua materna (da norma culta) são manifestados no sistema semiótico verbal e plástico e encaminha para a leitura das matérias no interior da revista. Vertical/subida/superior/ = Horizontal/Inferior /descida/ Asceção social (domínio da norma culta) Desprestígio social (não domínio da norma culta) Nessa análise usamos a semiótica greimasiana para reforçar que a mídia veicula a imagem de que o domínio da variedade culta é reconhecido como correto e necessário para se ter prestígio e ascensão social na sociedade contemporânea, desconsiderando os grupos sociais com os quais os destinatários interagem,

18 independente do ensino formal, e sua necessidade de se identificarem com o grupo que os cerca, como muito bem explana Scherre (2005, p.43) Em nome da boa língua pratica-se a injustiça social, muitas vezes humilhando o ser humano por meio da nãoaceitação de um de seus bens culturais mais divinos: o domínio inconsciente e pleno de um sistema de comunicação próprio da comunidade ao seu redor. Scherre (2005) apresenta reflexões em torno de exemplos de preconceito linguístico na mídia impressa brasileira entre 1993 e Afirma ela que: [...] Estudos linguísticos de fenômenos estigmatizados podem ter, portanto, como consequência imediata, a possibilidade de evidenciar que o certo considerado inerente, em termos de linguagem, não tem razão de ser (por mais óbvio que isto possa parecer). Certo é tudo o que está conforme as regras ou princípios de um determinado grupo dentro dos limites do próprio grupo [...] (SCHERRE, 2005, p.18). E, certamente, na relação entre língua e sociedade: [...] uma variedade linguística vale o que valem na sociedade os seus falantes, isto é, como reflexo do poder e da autoridade que eles têm nas relações econômicas e sociais (GNERRE, 1985, p. 4), certos usos marcam as variantes de prestígio ou padrão, diferindo da variante não padrão ou estigmatizada. Corroborando essa questão, Camacho, ao falar da relação entre as variedades linguísticas e a norma pedagógica, afirma que A aquisição pelo adolescente de uma amplitude de estilos, coerentes em si mesmos, adequados a todo e qualquer contexto extralinguístico é um dos fatores de mobilidade social ascendente (CAMACHO, 1988, p. 41). Ele fala em amplitude de estilos, para a mobilidade social ascendente e não a supremacia de um deles. Dessa forma, voltando nossa atenção para o ensino, Castilho (2002), diante do exposto, recomenda como mais adequado o sensibilizar o aluno para a variedade linguística a partir do trabalho ligado às situações em que é usada, o que implica sair de uma visão conteudista de ensino da Língua Portuguesa e conduzir a observações de fatos da língua, tendo em vista que o aluno evite preconceitos e saiba lidar com a língua em diferentes situações. Paralelo a essa sensibilização, o estudioso não descarta o trabalho com a descrição da variedade de maior prestígio, a norma padrão, objetivo primordial da escola. Nesse momento, cabe lembrar outros estudiosos da sociolinguística que também apontam para esse fato, entre eles, Bortoni-Ricardo (1986, 2004) e Camacho (1988).

19 Para finalizar, cabe considerar que ainda perpassa grande discussão em torno da prevalência de uma variante padrão sobre as outras, Faraco (2002, p. 42), embarcando nessa questão, é bem enfático ao afirmar que O padrão não conseguirá jamais suplantar a diversidade, porque, para isso, seria preciso o impossível (e o indesejável, obviamente): homogeneizar a sociedade e a cultura e estancar o movimento e a história. Certamente a questão não é fácil, sobretudo quando pensamos no trabalho que é preciso ser realizado fora do âmbito cientifico, mas é necessário e como destaca esse autor Em outros termos, as mudanças redesenham a gramática, mas jamais afetam a plenitude estrutural da língua e, consequentemente, sua funcionalidade social (FARACO, 2002, p. 50) e é pensando nessa funcionalidade social e mais, na adequação situacional de usos da língua que as problemáticas abordadas neste texto precisam ser refletidas com vistas ao ensino de qualidade e que faça sentido para o aluno. Considerações finais O leitor é peça fundamental na imagem construída pela mídia. É ele quem vai se autoidentificar com o que se anuncia na imagem, seja pelo viés da cultura, da história, da linguagem, entre outras. Na análise das capas da revista Veja, que foi objeto deste trabalho, observamos que se constitui num sujeito semiótico que possui confiança e credibilidade e os seus leitores são sujeitos destinatários que a aceitam como tal e se deixam ou não manipular. Daí a importância dos conteúdos veiculados por ela e pela mídia em geral. O leitor da Veja, normalmente, tem poder socioeconômico melhor que leitores de outros meios de comunicação. Ele consegue discernir entre o que é bom e o que é ruim nos conteúdos veiculados. No entanto, a maioria dos leitores brasileiros não possui esse discernimento. Como é o caso de grande parte dos alunos que frequentam a escola pública. Camacho (1988) salienta que a deficiência no ensino resulta da visão da supremacia da norma padrão culta, deixa-se de aproveitar o trabalho com as variantes de forma a ajudar o aluno a escolher o grau de formalidade de acordo com a situação, por exemplo. Como lembra o autor, a escola, assim como a família, o grupo de amigos e o trabalho, é uma agência de socialização e tem sua importância no papel de oferecer ao aluno, sobretudo às classes desfavorecidas, um instrumento linguístico com as alternativas adequadas para as situações de uso do ato verbal que necessitará. Para isso, é preciso que a escola evite a relação entre capacidade verbal e classe socioeconômica.

20 Nesse sentido, o estudioso cita duas atitudes fundamentais no trato com as variações em sala de aula: a eliminação no vocabulário do professor a dicotomia correto/incorreto para formal /informal, e a tolerância e o respeito ao padrão linguístico do aluno. Dessa maneira será possível o trabalho com as diversas situações de comunicação possibilitando a mobilidade social ao aluno. Sírio Possenti (2002) acredita que seria necessário o governo tomar decisões coerentes para aumentar a eficácia das escolas. Sob tal enfoque, os documentos oficiais estão se adequando a novas teorias, a novas metodologias. Vários autores fundamentam o ensino de língua portuguesa voltado para o texto verbal e não verbal: o aluno precisa compreender o que é um bom texto, como é organizado, como os elementos visuais e textuais se relacionam, entre tantos outros recursos para entendê-los. Tudo isso aliado ao respeito à heterogeneidade linguística do aluno. O que a sociedade considera erro na linguagem, na verdade está contribuindo para a difusão da noção de erro em forma de preconceito. Para desmitificar essa noção é necessário combatê-lo, estudar as diferenças e divulgá-las adequadamente, redefinindo novos padrões de conduta, principalmente, no âmbito socioeducacional. Referências bibliográficas ALKMIN, T. Sociolingüística. In: MUSSALIN, F; BENTES, A. C. (orgs). Introdução à lingüística I: domínios e fronteiras. 2ª ed. São Paulo: Cortez, BORTONI-RICARDO, S. M. Problemas de comunicação interdialetal. In: Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n , p. 9-31, jul/dez Nós cheguemu na escola, e agora? São Paulo: Parábola, O estatuto do erro na língua oral e na língua escrita. In: GORSKI, M. E; COELHO, I. L. (orgs). Sociolinguísticas e ensino: contribuições para a formação do professor de língua. Florianópolis: Ed da UFSC, 2006, p CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. São Paulo: Scipione, CAMACHO, R., G. A variação linguística. In: Subsídios à proposta curricular de Língua Portuguesa para o 1º e 2º graus. São Paulo, SE/CENP. 1988, 3v., p CASTILHO, A. T. Variação dialetal e ensino institucionalizado da língua portuguesa. In: BAGNO, M. (Org.) Lingüística da norma. São Paulo: Loyola, 2002, p

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Girllaynne Marques Vinícius Nicéas 1 Universidade Federal de Pernambuco A obra A norma oculta, do linguista brasileiro Marcos Bagno 2 (2003),

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA INTRODUÇÃO Ariosvaldo Leal de Jesus (FSLF) 1 Considerando que não é mais possível pensar o ensino de uma língua, hoje,

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INTRODUÇÃO Francieli Motta da Silva Barbosa Nogueira (Mestranda em Língua e Cultura UFBA/CAPES) A variação linguística é um fenômeno

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA

13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA 13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA Mônica Vicente Marinho Gerhardt (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) Mestranda em Língua Portuguesa

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A SOCIOLINGUÍSTICA COMO ATIVIDADE NO CURRICULO ESCOLAR DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia Furtado de Mendonça Cyranka (UFJF) lucia.cyranka@uol.com.br Lívia Nascimento Arcanjo (UFJF) Simone Rodrigues Peron (UFJF)

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO Carina Pereira de Paula Cristina Monteiro da Silva Juliana Aparecida Chico de Morais (Gdas-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora-

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa

Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa Prof a. Esp. Josicarla Mendonça UnB Resumo: Desde que a língua passou a ser comercializada como

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS?

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? Wéllem Aparecida de FREITAS Prof. Joyce Elaine de ALMEIDA BARONAS (Orientadora) RESUMO Nos últimos anos, pesquisadores da área de linguagem vêm desenvolvendo

Leia mais

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS Karina Ávila Pereira (UFPEL) Apoio financeiro: Capes - bolsa de Mestrado A pesquisa de mestrado

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE Cherma Miranda PEREIRA (UFPA) 1 Celso FRANCÊS JÚNIOR (UFPA) Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar os resultados da pesquisa sobre o preconceito

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM

DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 4, JAN/JUN 2008 DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Andreia Rezende

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente.

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

POR UMA VIDA MELHOR : ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUISTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS

POR UMA VIDA MELHOR : ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUISTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS POR UMA VIDA MELHOR : ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUISTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS Sueilton Junior Braz de Lima (Graduando do Curso Letras/Língua Portuguesa - UERN) Maria Leidiana Alves (Professora

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Palavras-chave: Ensino/Aprendizagem; Variações Linguísticas; Relação Professor/Aluno.

Palavras-chave: Ensino/Aprendizagem; Variações Linguísticas; Relação Professor/Aluno. ALFABETIZAÇÃO: UMA REFLEXÃO SOBRE A REALIDADE ESCOLAR Andréia de Fátima Freire Maia, UNICENTRO, PIBID CAPES Marieli Zviezykoski, UNICENTRO, PIBID CAPES Ângela Bona Josefi (Orientadora - UNICENTRO) Resumo:

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação

Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Relatório Final do Projeto Pontes M.Sc. Marli Vieira Lins de Assis Esp. Raimundo Nonato Damasceno Júnior Brasília DF

Leia mais

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO Ana Karla Pereira de MIRANDA Universidade Federal do Mato Grosso do Sul PPGMEL ak_miranda@hotmail.com Resumo:

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA Professor(a), ao abordarmos, no texto anterior, a linguagem escrita como uma das múltiplas linguagens da criança, procuramos enfatizar a

Leia mais

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO 1 ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Dóbia Pereira dos Santos NASCIMENTO Gisele da Paz NUNES Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão dobia@wgo.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Considerações iniciais

Considerações iniciais A produção do gênero textual relatório pelo aluno pesquisador no âmbito do Projeto Bolsa Alfabetização Ana Paula P. R. Germanos Fátima Aparecida de Souza Este trabalho é resultado de pesquisa acerca da

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

Língua Portuguesa 1ºEM

Língua Portuguesa 1ºEM ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO PROVÍNCIA DO PARANÁ Colégio Social Madre Clélia Língua Portuguesa 1ºEM Prof. Eliana Martens A prova de redação é extremamente importante em vestibulares e em concursos Avalia diferentes

Leia mais

MANUSCRITOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA. PALAVRAS-CHAVE: desvios da norma; ensino de língua portuguesa; manuscritos.

MANUSCRITOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA. PALAVRAS-CHAVE: desvios da norma; ensino de língua portuguesa; manuscritos. MANUSCRITOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA Vanessa Lini (Especialização em Língua Portuguesa -UEL) Joyce Elaine de Almeida Baronas (co-autor - UEL) PALAVRAS-CHAVE: desvios da norma;

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com VIII Jornada de Estudos do Discurso NARRANDO A VIDA SOCIAL A FALA DO PROFESSOR DE INGLÊS SOBRE A SUA ATIVIDADE DOCENTE EM CURSOS DE IDIOMAS: POR UM ITINERÁRIO INVESTIGATIVO NA INTERFACE TRABALHO & LINGUAGEM

Leia mais