Política lingüística, mitos e concepções lingüísticas em áreas bilíngües de imigrantes (alemães) no Sul do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política lingüística, mitos e concepções lingüísticas em áreas bilíngües de imigrantes (alemães) no Sul do Brasil"

Transcrição

1 RILI3-01 3/5/04 23:17 Página 83 Cléo Vilson Altenhofen* Política lingüística, mitos e concepções lingüísticas em áreas bilíngües de imigrantes (alemães) no Sul do Brasil 1. Quadro histórico: tratamento das línguas de imigrantes pelo Estado Ao lado das questões lingüísticas ligadas ao ensino de português, aos direitos das populações indígenas no Brasil e às relações entre os países membros do Mercosul, as questões ligadas às línguas de imigrantes talvez sejam as que mais se encontram em aberto, no contexto brasileiro, tanto em termos da necessidade de uma educação mais adequada às situações de bilingüismo, quanto em relação à própria defesa dos direitos lingüísticos e à carência de pesquisas que dêem conta da complexidade das relações sociais e lingüísticas presentes nessas áreas. Historicamente, pode-se dizer, a política lingüística para essas populações de imigrantes alternou entre momentos de indiferença e de imposição severa de medidas prescritivas e proscritivas. Essa ambivalência pode ser exemplificada em depoimentos como o seguinte, de um falante de alemão de Brusque, Santa Catarina: O clima era de terror. Ninguém tinha coragem de falar em público com medo de ir para a cadeia. Nessa tal de nacionalização queriam que todos falassem português da noite para o dia. Prenderam até velhos que nada queriam com a política só porque falavam alemão em público. Mas antigamente o governo não proibiu falar alemão, não providenciou escolas ou coisas semelhantes, que ensinasse as pessoas o português. Agora, depois de todos esses anos de indiferença, queriam que a gente falasse português sem sotaque. (citado por Seyferth 1982: 188) De fato, a visão histórica das políticas lingüísticas para as línguas minoritárias no Brasil mostra um predomínio de decisões coibitivas. No século XVIII, o Marquês de Pom- * Cléo V. Altenhofen é docente da área de germanística e romanística na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil. Seu Doutorado, realizado na Univ. de Mainz, resultou em um amplo estudo do contato Hunsrückisch-português, publicado com o título Hunsrückisch in Rio Grande do Sul: Ein Beitrag zur Beschreibung einer deutschbrasilianischen Dialektvarietät im Kontakt mit dem Portugiesischen. Stuttgart: Steiner, Desde 2000, atua como coordenador geral do projeto Atlas Lingüístico-Etnográfico da Região Sul do Brasil (ALERS) e um de seus autores, responsáveis pela publicação, em 2002, dos volumes 1 (Introdução) e 2 (Cartas Fonéticas e Morfossintáticas) do ALERS. Atualmente, colabora também como membro da equipe do ALiB (Atlas lingüístico do Brasil). Principais áreas de pesquisa são: bilingüismo e línguas em contato, línguas minoritárias no Brasil, contato lingüístico alemão-português, geolingüística, variação lingüística, dialetologia e sociolingüística. RILI II (2004), 1 (3), 83-93

2 RILI3-01 3/5/04 23:17 Página Cléo Vilson Altenhofen bal, na sua ação contra a língua geral, de base tupi, proibia, através do Diretório dos Índios (1758), qualquer manifestação lingüística que não fosse em português. De outro lado, a perda das línguas africanas, não obstante a contribuição inexorável dos africanos à constituição da população e da cultura brasileiras, constitui outra evidência da força monolingualizadora do português como língua nacional. 1 No que diz respeito aos imigrantes, que a partir do séc. XIX começaram a vir ao extremo sul alemães, a partir de 1824; italianos, 1875; poloneses, 1891 identificam-se já por volta de 1830, entre os políticos do Império, preocupações com a assimilação ou adoção, pelos imigrantes alemães [primeiro grupo imigrado], do português como língua oficial (Willems 1980: 46). Os governos da República (depois de 1889) adotaram medidas mais concretas, como por exemplo o abrasileiramento, segundo Delhaes-Guenther (1980: 163), de topônimos da língua dos imigrantes para o português (p.ex. Nova Pádua torna-se Flores da Cunha), ou, como ressalta Roche (1969: 131), o assentamento de colônias mistas, esperando que a convivência de línguas diferentes e de difícil intercompreensão levasse forçosamente ao uso do português como língua comum. O clima tenso criado pelas duas guerras mundiais serviu para acirrar as medidas de assimilação forçada dos imigrantes ao monolingüismo em português, especialmente diante da alegação do chamado perigo alemão, de que se criasse um estado alemão no sul do Brasil (Roche 1969: 113, v. também Seyferth 1982, Luna 2000). O auge dessa política repressiva é atingido com a política de nacionalização do ensino implementada a partir de 1938 pelo governo do Estado Novo, de Getúlio Vargas, que levou ao fechamento de escolas e à proibição do uso das línguas dos imigrantes, principalmente alemão e italiano. Muito se tem escrito sobre essa fase e as eventuais conseqüências da política de nacionalização para a evolução das áreas colonizadas por imigrantes. O certo é que, em áreas urbanas com forte presença do português, seu efeito levou a perdas irrecuperáveis das línguas de imigrantes e de seu ensino nas escolas criadas. Nas áreas rurais onde predominava a etnia alemã, a política de nacionalização, como expus Altenhofen (1996: 71): 1º. impediu o acesso ao ensino de alemão-padrão e o desenvolvimento de uma cultura letrada, em curso, nessa língua; 2º. exigiu o ensino exclusivo do português, sem dar as condições necessárias para tal; 3º. obrigou a população alóctone a optar entre o silêncio e a variedade dialetal local que restou como língua de comunicação entre os membros do grupo. Na minha interpretação, esse refúgio no dialeto local dos imigrantes contribuiu antes para manter por mais um bom período de tempo a língua de imigrantes, produzindo portanto um efeito contrário ao desejado pelas leis de nacionalização. A substituição da língua de imigrantes pelo português dá-se lentamente, por meio não de leis mas dos mecanismos sociais que ganham impulso com o desenvolvimento dos meios de comunicação de massa, o processo acentuado de urbanização e, conseqüentemente, a penetração maior do português através de elementos exógenos. Esse processo segue até hoje, em ritmo cada vez mais acelerado. 1 Segundo Vandresen (1996: 318) Há referências a uma política lingüística de desestímulo ao uso das línguas africanas, cuidando os feitores para que escravos falantes da mesma língua não ficassem juntos.

3 RILI3-01 3/5/04 23:17 Página 85 Política lingüística, mitos e concepções lingüísticas 85 Paralelamente, pode-se dizer, o tema da diversidade cultural do Brasil começa a ganhar espaço no discurso oficial. O trabalho no âmbito da política lingüística em defesa da educação bilíngüe e dos direitos lingüísticos das comunidades indígenas foi fundamental para os avanços conquistados. Resta, no entanto, alargar essa perspectiva para o terreno das línguas de imigrantes, que sequer são mencionadas na legislação vigente, não obstante a sua representatividade em amplas áreas do sul do Brasil, como atesta o mapa da sua distribuição apresentado pelo ALERS (Atlas Lingüístico-Etnográfico da Região Sul do Brasil v. Altenhofen 2002a, mapa 2.2). Uma política lingüística específica para as línguas minoritárias de imigrantes, até agora oculta em meio à questão das línguas estrangeiras como línguas de inserção internacional, ainda está por construir. Existe, para tanto, um ponto de partida que precisa ser considerado, representado pela nova LDB (Lei 9.394/96 de Diretrizes e Bases da Educação Nacional). Merecem destaque três artigos da Lei: Título V, Seção I, cap. II, Art Na parte diversificada do currículo será incluído, obrigatoriamente, a partir da quinta série, o ensino de pelo menos uma língua estrangeira moderna, cuja escolha ficará a cargo da comunidade escolar, dentro das possibilidades da instituição. Título V, Seção III, cap. II, Art O ensino fundamental regular será ministrado em língua portuguesa, assegurada às comunidades indígenas a utilização de suas línguas maternas e processos próprios de aprendizagem. Idem Constituição Federal (1988) Art. 210, 2. Título V, Seção IV (Do Ensino Médio), cap. II, Art. 36 caput III III será incluída uma língua estrangeira moderna, como disciplina obrigatória, escolhida pela comunidade escolar, e uma segunda, em caráter optativo, dentro das disponibilidades da instituição. Imerso nessa conjuntura, falta às línguas de imigrantes e às situações de bilingüismo, presentes em amplas áreas do Brasil, voz e visibilidade para serem incluídas nos diálogos sobre política lingüística e ensino de línguas. Tem-se, às vezes, a impressão de um corpo estranho e exótico. Tratar desse tema é visto quase como um tabu. O presente artigo pretende contribuir para uma melhor compreensão das prováveis razões desse fato. 2. Por uma política lingüística para o bilingüismo no Brasil Como define Calvet (2002: 145), política lingüística envolve um conjunto de escolhas conscientes referentes às relações entre língua(s) e vida social, sendo o planejamento lingüístico a implementação prática de uma política lingüística, em suma, a passagem ao ato. Ainda segundo Calvet, não importa que grupo pode elaborar uma política lingüística pode ser uma família, pode ser uma entidade menor, mas seria sobretudo o Estado o que teria esse poder e os meios de passar ao estágio do planejamento, de pôr em prática as escolhas lingüísticas. (Calvet 2002: 145) Não obstante a relevância do Estado na definição de políticas lingüísticas, quero apresentar a seguir exemplos que denotam a necessidade de considerar, adicionalmen-

4 RILI3-01 3/5/04 23:17 Página Cléo Vilson Altenhofen te, no caso das situações de contatos lingüísticos entre o português e as línguas de imigrantes, as decisões e escolhas das instâncias menores que o Estado, tais como a escola, a família, a igreja ou a administração local. Estas constituem propriamente as instâncias de aplicação das escolhas governamentais e funcionam, por isso, como uma espécie de tentáculo e distribuidor de tendências mais gerais. Por exemplo, no âmbito da família, quando os pais (bilíngües) decidem ensinar ou não aos seus filhos a língua minoritária não-oficial, assumem uma determinada decisão política. Quando a escola proíbe o uso da língua minoritária em sala de aula, quando ignora o papel da língua do aluno no processo de alfabetização e de socialização, assume uma política nitidamente excludente. Por outro lado, quando parte de um sermão é realizada na língua de imigrantes, ou quando a administração local resolve denominar a festa popular da localidade na língua de imigrantes (p.ex. Kaffeeschneisfest, Septemberfest), adota-se de certa forma uma visão política e mercadológica para a língua local. Em suma, a pergunta que cabe formular é o que motiva essas decisões? O ponto de vista que defendo, aqui, é o de que boa parte do êxito da aplicação de medidas de política lingüística que promovam os direitos lingüísticos das minorias bilíngües depende da compreensão do que efetivamente possa motivar as micro-decisões de cunho político empreendidas pelos membros das comunidades, e que compreendem valores, ideologias, mitos, ressentimentos, concepções e preconceitos lingüísticos presentes na interação diária entre os grupos sociais e os falantes das diversas línguas e variedades em contato. Por exemplo, o currículo da escola, o tipo de material didático utilizado e as práticas didáticas do professor refletem de certo modo a visão desses aspectos. Concordo, enfim, com Vieira/Moura (2000: 124) de que a identificação dos diversos tipos de preconceito lingüístico constitui o primeiro importante passo para tratar do problema: 2 Dentre as características do preconceito lingüístico normalmente citadas pelos estudos, encontram-se. 1º. o fato de passar despercebido (Vieira/Moura 2000: 117); 2º. de o próprio falante não percebê-lo 3º. de ser de difícil remoção, o que justificaria que o professor pelo menos tivesse consciência de suas atitudes, para melhor poder lidar com elas. Há, portanto, um certo antagonismo interno presente no preconceito lingüístico e que pode ser ilustrado pelo seguinte depoimento de um professor de português, em uma comunidade bilíngüe italiano-português, coletado por Paviani (1997): Eu co[r]ijo quando eles falam e[r]ado. Eles [d]izem coraçõ, e é sempre esse bendito coraçõ. Aí eu co[r]ijo e [d]igo: É coraçõ. Como captar essas concepções lingüísticas, em um meio tão complexo como o de uma comunidade multilíngüe? A seguir, pretendo fazer uma síntese das concepções mais relevantes apontadas pelas pesquisas sobre o contato entre o português e as línguas de imigrantes faladas no país. Pelas limitações de espaço, não será possível aprofundar 2 Parece-me, aliás, que o grande êxito do estudo de Bagno (1999) deve-se justamente à limpidez com que visualiza os principais mitos em torno do português brasileiro, na escola.

5 RILI3-01 3/5/04 23:17 Página 87 Política lingüística, mitos e concepções lingüísticas 87 essas questões. Por enquanto, temos que nos contentar em pelo menos identificá-las, através dos diversos discursos nos quais elas se manifestam. 3. Mitos e concepções lingüísticas, ou: O que há por trás da visão da língua de imigrantes em contato com o português, no Brasil? O leque de concepções lingüísticas sobre o fenômeno da língua, sobre sua correção gramatical, sobre línguas de imigrantes e seus usuários, sobre a língua legítima e sua aprendizagem como capital social (Bourdieu 1998), enfim sobre o bilingüismo, segue orientações diversas, conforme os critérios que se adote. Não há, nem poderia haver, na análise a seguir, nenhuma pretenção de esgotar a lista de concepções vigentes nos contextos plurilíngües em estudo, mas antes promover a reflexão sobre os aspectos mais importantes para uma política lingüística aplicada ao bilingüismo no Brasil. a) A visão do Brasil como um país monolíngüe e com uma homogeneidade lingüística incrível Sem dúvida, a imagem do Brasil como um enorme país monolingüe, dominado pelo português em toda a sua extensão, de proporções continentais, e o que é mais incrível! de uma forma tão homogênea, 3 tem contribuído em maior ou menor grau, para ofuscar a presença de populações e áreas bilíngües oriundas da imigração. A idéia de um Brasil com uma única língua parece tão forte, que mesmo o falante bilíngüe, membro de uma comunidade bilíngüe, onde convivem lado a lado com o português uma ou mais línguas de adstrato, é capaz de rotular nosso país de monolíngüe, não enxergando diante do seu nariz a prova cabal de seu equívoco. Segundo Oliveira (2000: 84), o Brasil figura entre os países mais plurilíngües, sendo aí faladas, hoje, por volta de 200 línguas, entre as quais cerca de 170 indígenas e outras 30, línguas alóctones, de imigrantes. b) O mito nacionalista: fale português, você está no Brasil A velha tese romântica de um país com uma única língua, que tantos estragos fez em nome da pureza lingüística e da construção dos estados nacionais, na verdade ainda permanece como uma ideologia forte nas relações sociais dessas comunidades (Oliveira: 2000). É o que atesta o seguinte depoimento de um falante de Hunsrückisch da comunidade bilíngüe alemão-português de Harmonia, Rio Grande do Sul: Inf: Ja, ich sin froh, dass ich die zweu kann, well dann kann mich niemand onscheisse. (lacht) Unn keene vespotte. Do sin vil Bresilioner on de Fabrick hie, né. Do sin re ganz vil, wo 3 À visão de país monolíngüe acrescente-se o que Bagno (1999: 15) identifica como mito nº 1: a língua portuguesa falada no Brasil apresenta uma unidade surpreendente. Ou seja, além de ser visto como essencialmente monolíngüe, o país aparece, na mitologia do preconceito lingüístico, como monodialetal, isto é, sem variação diatópica significativa.

6 RILI3-01 3/5/04 23:17 Página Cléo Vilson Altenhofen wenig Bresilionisch kenne spreche. Hie in Harmonie noch, né. Kenne sich schlecht defendere noch, mechtig schlecht, né. Dann tun die sich beisammer unn spreche Deitsch. Vestehst mich. Dann kommt en Bresilioner, dann tut de Bresilioner, de fengt on, resmungejat mit de Deitsche. Sie sollte Bresilionisch spreche, sie were doch in Brasilie. Tudo bem! das stimmt. Das is wohr, né. Do honn ich deletzt eem mo geantwott... O senhor não leva nada por mal. Eu sou da origem do alemão, né. Mas o senhor é brasileiro, né. Mas se o senhor é um brasileiro legítimo? Eu não sou legítimo brasileiro. Sou meio alemão i meio brasileiro. Mas o senhor não pode falar mal de mim. Eu entendo o senhor, mas o senhor não me entende, né. (Altenhofen: Anotações de campo: Família 17) Tradução: Bom, estou feliz por saber as duas [línguas], porque assim ninguém pode me enganar. (sorri) E também não debochar. Tem vários brasileiros aí na fábrica [cooperativa], né. Tem bastante gente que sabe pouco português. Aqui na Harmonia ainda, né. Podem se defender muito mal, mito mal mesmo, né. Aí eles se reúnem e falam alemão. Me entende. Aí vem um brasileiro, aí esse brasileiro começa a resmungar com os alemães. Que eles deveriam falar português, afinal eles estavam no Brasil. Tudo bem! isso confere. Isso é verdade, né. Outro dia, eu respondi para um... O senhor não leva nada por mal. Eu sou da origem do alemão, né. Mas o senhor é brasileiro, né. Mas se o senhor é um brasileiro legítimo? Eu não sou legítimo brasileiro. Sou meio alemão e meio brasileiro. Mas o senhor não pode falar mal de mim. Eu entendo o senhor, mas o senhor não me entende, né. Em que medida o contexto atual representado pela globalização pode estar desmontando essas relações, ainda permanece uma incógnita. O fato é que se trata de uma questão muito presente na época das guerras mundiais, quando falar português era cobrado como condição para ser brasileiro. Por este viés, o ensino de português por muito tempo assumiu uma espécie de papel cívico de abrasileiramento dos diversos falantes de línguas de imigrantes, fato que pode ser observado nos manuais de ensino da época. Em contrapartida, muitos descendentes de imigrantes tentavam conciliar nacionalidade e uso de sua língua materna, definindo-se como brasileiros de cultura alemã (Seyferth 1982: 73) e argumentando com o exemplo de países como a Suíça, onde a língua não seria condição para a nacionalidade. c) Má-vontade contra valorização da língua materna, ou: eles teimam em manter a língua, não querem se assimilar, não querem aprender português Dito em termos modernos, pode-se interpretar o desejo de falar a língua materna minoritária como um direito lingüístico (v.universal Declaration of Linguistic Rights 1996) ou um direito de expressão (v. Organização das Nações Unidas, Declaração Universal dos Direitos Humanos). Sob a ótica dos aspectos colocados acima, porém, registram-se depoimentos como os seguintes que mostram um tipo de visão extremamente ideologizada, pela qual se acusa o falante da língua minoritária de ser fechado, acharse superior, não querer misturar-se e não aprender português : Na Itoupava Rega (Vila Itoupava) eles cultivam o alemão como se fosse um gueto, com um saudosismo! Parecem [sic] que querem reviver o passado. Mas também nunca saíram de lá, nunca viram outra coisa, têm os olhos um pouco fechados. Eles ainda dizem: Wir Deutschen, wir müssen uns zusammen halten. (...) A vergonha que os alemães tiveram que passar por causa da língua tem resquícios ainda hoje. Os alemães têm culpa porque nunca quiseram

7 RILI3-01 3/5/04 23:17 Página 89 Política lingüística, mitos e concepções lingüísticas 89 se misturar com o povo daqui. Mas o alemão sempre teve um orgulho pela sua capacidade intelectual, pelo seu trabalho. Quando alguém assim se compara com outros povos, ele se sente superior. Por isso era uma sociedade fechada. (Depoimento de um pastor da igreja evangélica luterana de Blumenau, coletado por Mailer 2003: 99) Tal posição desconsidera as condições de isolamento a que foram submetidos os imigrantes, assentados inicialmente nas áreas de floresta ainda não ocupadas pelo elemento luso (Altenhofen 2002a: 130). Desconsidera, além disso, o processo de colonização implementado pelo próprio Estado que não favoreceu a aprendizagem da língua oficial, ou seja, o domínio do capital lingüístico exigido. Inf.: Ja! Do woore kee Bresilioner. In sich wohnt goo keene datt. Unn dann is sowas schon ganz schwer. Unn raus si ma ooch net komm. Heit honn die Kinner dat jo vil leichter. Jeses! Wo woore die schon gewent! Ja, wo mea goo kee Ohnung honn, wo mea hinkomme. Ja, die lenne immer. Here se Bresilionisch, ja das lennt sich immer meh debei. Unn heit die Schul micht ach vil aus. (Altenhofen: Anotações de campo: Família 27) Tradução: Sim! Lá [onde se criou] não havia brasileiros. Na verdade, não mora nenhum lá. E aí uma coisa assim já fica difícil. Além disso, pra fora [da colônia] também não se conseguia ir. Hoje, a situação para as crianças é consideravelmente mais fácil. Jesus que sim! Onde elas já estiveram! Sim, onde nós não fazemos nem idéia que podemos chegar. Sim, eles aprendem sempre. Eles ouvem português, bom isso se aprende cada vez mais. E hoje a escola também tem um peso nisso. d) A proibição da língua minoritária como prática política e didática A proibição do uso da língua de imigrantes na escola representa uma conduta bastante comum até nossos dias, em muitas dessas comunidades bilíngües. Ela surge não apenas como desdobramento dos mitos e ideologias motivados pelas políticas repressivas, mas também como parte de concepções pedagógicas que, mesmo contra toda a evolução dos estudos de aquisição e ensino de línguas, conseguem ver nesse procedimento um recurso válido. Registra-se, por exemplo ainda em 1989, o caso de um prefeito de Santa Maria do Herval, Rio Grande do Sul, baixando um decreto municipal que proibia o uso de alemão nas salas de aula do município (cf. Trezzi 1989). Medidas desse tipo servem, na verdade, apenas para denunciar a incapacidade de resolver educadamente as questões lingüísticas da localidade. Conforme acentua um aluno de outra comunidade, quando o professor proíbe o uso do alemão em sala de aula, os alunos falam assim mesmo. Alguns preferem falar alemão. Outros, que têm dificuldades para falar português, esses ficam na maioria das vezes quietos/em silêncio.(altenhofen: 2002b: 158) A coisa, contudo, vai muito além da simples aplicação de uma sanção contra o uso de uma língua. Envolve, isso sim, relações bastante complexas, como sugere o seguinte diálogo entre um pesquisador e alunos de 1. a série, na comunidade bilíngüe alemão-português de Harmonia (RS) v. também Altenhofen (2002b:158): ENTREVISTADOR: (em tom de brincadeira) Vamos esclarecer as coisas. Vocês não gostariam de aprender alemão porque já sabem?... E português vocês, então, não sabem? (Os alunos reagem enfaticamente, para dizer que sabem.)

8 RILI3-01 3/5/04 23:17 Página Cléo Vilson Altenhofen ALUNOS: (juntos) Sim! ALUNO: Eu sei!!! ALUNO: Eu sei!!! ALUNO: Um não sabe. O Luciano. O Luciano não sabe falar em português. (Os colegas confirmam.) ALUNO: Quem é o Luciano? ALUNO: Aquele que saiu. ALUNO: Eu sempre falo em alemão com ele. ALUNO: Vocês já experimentaram ver se ele entende alguma coisa? ALUNO: Quando ele quer uma coisa, não pode falar pra professora. Ele fala pra profe que não entende. ALUNO: Daí, nós têm que falar com português com a profe. ALUNO: Alemão! (Retruca outro aluno.) ALUNO: PORTUGUÊS! QUE ELA NÃO ENTENDE EM ALEMÃO. O fato mais marcante da entrevista acima é a exclusão de um dos alunos, o Luciano, aquele que saiu, o qual não sabe português, pois sua língua materna ou primeira língua é outra, não prevista pela escola e diferente da língua da professora. Muitos discursos se aplicam a essa situação. O mais freqüente é o que coloca a responsabilidade da exclusão na família, a qual não teria cumprido com o seu papel de proporcionar à criança o acesso à língua majoritária, antes da entrada na escola. Por conta dessa posição, muitos pais bilíngües, especialmente os mais novos, optam por ensinar aos seus filhos apenas o português, sob a alegação de que estes não sofressem os problemas e preconceitos que tiveram que enfrentar na escola. A visão oposta é a que delega à escola (e ao Estado) a responsabilidade da exclusão, uma vez que cabe a ela o papel de promover a escolarização e a socialização, independente das condições do meio e de suas especificidades. Afinal, é ela que deveria ser a especialista em questões de linguagem, e os professores tão bem formados que pudessem dar à realidade bilíngüe o devido tratamento, para garantir o êxito na educação. Enfim, a exclusão do Luciano, o aluno da nossa entrevista, simboliza, em última instância, a exclusão (ou a proibição) da língua materna do aluno. Tal quadro assemelhase ao descrito por Paraíso (1996) em relação a um contexto de contato rural-urbano. Paraíso explica essa situação com a metáfora do campo de silêncio : Assim, com a metáfora campo de silêncio, quero indicar a privação a respeito de algo que, se problematizado, poderia provocar reflexões e atitudes nas pessoas envolvidas no processo ensino-aprendizagem. Quero indicar, também, a existência de um silêncio, imposto mas não respeitado, sobre algo que incomoda, que provoca conflitos e contestação. É um calar sobre algo que se faz presente, pedindo para ser problematizado e trabalhado. É um campo de silêncio porque está ausente no currículo formal e não é problematizado no currículo em ação como um conhecimento digno de ser trabalhado no Curso. (Paraíso 1996: 138) e) O monolingüismo como solução dos problemas de aprendizagem do português Há, na verdade, por trás da proibição do uso da língua minoritária, o princípio de que o monolingüismo em português garantiria uma melhor aprendizagem da língua oficial e

9 RILI3-01 3/5/04 23:17 Página 91 Política lingüística, mitos e concepções lingüísticas 91 que, com isso, estariam resolvidos todos os problemas da escola. Tal princípio é expresso por afirmações como esses alunos aprenderiam português apenas no dia em que deixassem de falar alemão, como ouvi certa vez de um diretor da minha escola. f) A língua de imigrantes como culpada do fracasso escolar e das dificuldades de aprendizagem do português Intimamente ligada à postura anterior está a atitude de culpar a língua do aluno pelos problemas de aprendizagem, nomeando como bode expiatório para explicar um problema que, como vimos, cabe a ela, como instância competente e responsável, resolver. Trata-se, a rigor, de uma atitude discriminatória que se estende igualmente a variedades não-padrão do português, usadas em contextos sociais desfavorecidos. É o que mostra Paraíso (1996: 141), através dos seguintes depoimentos de professores de português de um curso de formação de professores, referindo-se ao meio rural: Eles acham que é só regras, que é muito complicado. Eu fico com raiva porque corrijo, corrijo, e eles continuam falando igual à gente da roça. Agora, aqueles alunos que falam bem, escrevem e lêem bem; mas são poucos. g) A deturpação da língua minoritária ou dialeto de imigrantes São freqüentes e notórios os juízos de valor depreciativos sobre as línguas minoritárias, via de regra representadas por uma variedade dialetal de existência essencialmente oral, como no caso do Hunsrückisch, para o alemão. Essa condição de dialeto, situado abaixo da norma padrão, e de língua marginal, submissa à língua oficial, o português, aliada à posição social dos falantes das variedades de imigrantes, tem dado margem a uma vasta gama de valorações depreciativas acerca do Hunsrückisch, incluindo atributos como verlorene Sproch (língua perdida), vebrochne Deitsch (alemão quebrado), Heckedeitsch (alemão do mato), alemão errado e sem gramática, língua de colono, até a afirmação de que não é alemão, ou sequer uma língua. Tais preconceitos partem não apenas de professores, mas também dos próprios falantes, como efeito de espelho do que supõem seja a visão das classes dominantes sobre sua língua. Por outro lado, apesar da estigmatização a que são submetidas essas variedades de imigrantes, chama a atenção como em determinados contextos é revertido seu papel, a ponto de converter o domínio da variedade dialetal dos imigrantes em marca distintiva de um prestígio local (encoberto). h) O bilíngüe não sabe bem nem uma nem outra língua e O bilíngüe não tem língua materna Registram-se, igualmente, preconceitos em relação ao bilingüismo como condição de um indivíduo que faz uso de duas línguas (Weinreich 1974: 9). Dentre esses preconceitos (v. Kielhöfer/Jonekeit 1983: 9), destacam-se os dois assinalados acima ( O bilín-

10 RILI3-01 3/5/04 23:17 Página Cléo Vilson Altenhofen güe não sabe bem nem uma nem outra língua e O bilíngüe não tem língua materna ), como sendo os mais freqüentes. Falo alemão como hobby, mas nós somos brasileiros. A igreja não necessita mais de pastores que falem alemão e, em algum tempo, todos falarão português. O alemão de Blumenau não é alemão. É muito difícil falar alemão em Blumenau. Eles não conseguem pronunciar o ü, ö etc. Sempre pronunciam errado, já tentei corrigir muitas vezes, mas não adianta. Nós não falamos alemão nem português. Uma vez me encontrei com pessoas do Espírito Santo que logo descobriram que eu era de Santa Catarina, pelo sotaque, por isso não sabemos falar português também. Estive seis anos trabalhando na Alemanha e lá era ridicularizado por falar um alemão diferente. O alemão daqui não tem nada a ver com o alemão falado na Alemanha. Aqui é mais um dialeto. (depoimento de pastor da igreja evangélica luterana de Blumenau, in: Mailer 2003: 95) No entanto, em determinadas circunstâncias que é preciso definir, o fato de saber mais de uma língua é visto como bastante positivo. Assim, por exemplo, alguns pais adotam a alternância de uso da língua oficial e da língua do grupo como princípio didático para a prendizagem simultânea de ambas as línguas. 4. Considerações finais Em síntese, pode-se agrupar as concepções lingüísticas levantadas por nós em três grupos básicos: a) opressão ou distorção do bilingüismo na escola: preconceitos lingüísticos; b) generalização do monolingüismo: ideologias e concepções ligadas à língua oficial e c) omissão ou ausência do bilingüismo no planejamento escolar: a metáfora do campo de silêncio. Acredita-se que uma compreensão melhor dessas questões auxilie na construção de um modelo de educação mais justo e adequado, pautado no respeito aos direitos lingüísticos dos aprendizes e no desenvolvimento pleno de suas capacidades. A política lingüística e a pesquisa em torno de um modelo de educação bilíngüe ajustado às potencialidades e possibilidades dessas situações assumem, sem dúvida, um papel especial nesse processo. Referências bibliográficas Altenhofen, Cléo Vilson (1996): Hunsrückisch in Rio Grande do Sul. Ein Beitrag zur Beschreibung einer deutschbrasilianischen Dialektvarietät im Kontakt mit dem Portugiesischen. Stuttgart: Steiner. (2002a): Áreas lingüísticas do português falado no sul do Brasil: um balanço das fotografias geolingüísticas do ALERS, em: Vandresen, Paulino (org.): Variação e mudança no português falado na Região Sul. Pelotas: EDUCAT, (2002b): O conceito de língua materna e suas implicações para o bilingüismo (em alemão e português), em: Martius-Staden-Jahrbuch 49, Bagno, Marcos (1999): Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Loyola. Bourdieu, Pierre ( ): A economia das trocas lingüísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo (EDUSP).

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA EM COMUNIDADES BI/MULTILÍNGUES

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA EM COMUNIDADES BI/MULTILÍNGUES 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 1. Tema As relações interpessoais na atualidade. 2. Delimitação do tema As relações humanas e a socialização. 3. Problema Qual a importância das relações interpessoais

Leia mais

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 DISSERTATIVA - 13 Magali, 07 anos de idade, iniciará sua vida escolar. Seus familiares compareceram

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU Elda Vieira Tramm/UFBa/EMFoco Jussara G. Araújo Cunha/SEC/Ba/EMFoco Nosso Desafio Construir o m do Mc Donald s

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Palavras-chave: Libras. Formação de professores. Experiência.

Palavras-chave: Libras. Formação de professores. Experiência. 96 A DISCIPLINA DE LIBRAS E A FORMAÇÃO INICIAL DOS PROFESSORES: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO 1 Lucyenne Matos da Costa Vieira Machado 2 Larissa

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança.

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança. Radicais Kids Ministério Boa Semente Igreja em células Célula Especial : Dia Das mães Honrando a Mamãe! Principio da lição: Ensinar as crianças a honrar as suas mães. Base bíblica: Ef. 6:1-2 Texto chave:

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS FORTES, Gilse Helena Magalhães PUCRS GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora: não contou com financiamento A escola por ciclos,

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA E CULTURA INDÍGENA BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA E CULTURA INDÍGENA BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 01. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: VII CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: HISTÓRIA E CULTURA INDÍGENA BRASILEIRA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA Noções de

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

VARIANTES LINGUÍSTICAS EM CLASSES DA EJA: ALGUMAS REFLEXÕES EM TORNO DA ATUAÇÃO DOCENTE

VARIANTES LINGUÍSTICAS EM CLASSES DA EJA: ALGUMAS REFLEXÕES EM TORNO DA ATUAÇÃO DOCENTE VARIANTES LINGUÍSTICAS EM CLASSES DA EJA: ALGUMAS REFLEXÕES EM TORNO DA ATUAÇÃO DOCENTE ERICA BASTOS DA SILVA (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA). Resumo A partir das percepções de docentes da EJA, pretende

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

02/12/2004. Discurso do Presidente da República

02/12/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega do Prêmio Finep e sanção da Lei de Inovação de Incentivo à Pesquisa Tecnológica Palácio do Planalto, 02 de dezembro de 2004 Meus companheiros ministros,

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE Cherma Miranda PEREIRA (UFPA) 1 Celso FRANCÊS JÚNIOR (UFPA) Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar os resultados da pesquisa sobre o preconceito

Leia mais

Educação Bilíngüe em contextos multilíngües

Educação Bilíngüe em contextos multilíngües Anais do CELSUL 2008 Educação Bilíngüe em contextos multilíngües Karen Pupp Spinassé 1 1 Instituto de Letras Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) spinasse@ufrgs.br Resumo. Em um país multilíngüe

Leia mais

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis Grupos de Oração sem a experiência do Batismo no Espírito Santo, exercício dos carismas e o cultivo da vivência fraterna, revelam uma face desfigurada da RCC. Reflitamos a esse respeito tendo por base

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Girllaynne Marques Vinícius Nicéas 1 Universidade Federal de Pernambuco A obra A norma oculta, do linguista brasileiro Marcos Bagno 2 (2003),

Leia mais

Educação Financeira se aprende na Escola?

Educação Financeira se aprende na Escola? Educação Financeira se aprende na Escola? Você é previdente e pensa que o futuro é consequência das escolhas do presente? Missão DSOP Educação Financeira Disseminar a educação financeira no Brasil e no

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ O COORDENADOR PEDAGÓGICO E A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM SURDEZ Introdução Maria Amélia da Silva Viana Márcia Rafaella Graciliano dos Santos Viana UNASUR aneliavianna@hotmail.com A educação de qualidade é

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS?

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? SILVA, Arivan Salustiano da Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem MeEL/UFMT arivanss@yahoo.com

Leia mais

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS CAIADO, Katia Regina Moreno Docente da Faculdade de Educação da Puc-Campinas Doutoranda na Faculdade de Educação da USP. INTRODUÇÃO

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar Betina Waihrich Teixeira 1 Sandra Maria do Nascimento de Oliveira 2 Resumo: O gestor escolar deve ter uma boa liderança de comunicação, sabendo interagir com sua

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA ESCOLA REGULAR

PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA ESCOLA REGULAR PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA Universidade Federal do Rio grande do Sul elisama_libras@hotmail.com Introdução Este trabalho trata se de um ensaio que

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Sociodiversidade Maio - 2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Sociodiversidade Maio - 2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Sociodiversidade Maio - 2013 Nariz Luis Fernando Veríssimo Era um dentista respeitadíssimo. Com seus quarenta e poucos anos, uma filha quase na faculdade. Um homem

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais